Você está na página 1de 24

IT-1101 - AGRICULTURA IRRIGADA

4 – Manejo da irrigação
IT-1101 - AGRICULTURA IRRIGADA

4.1 – Introdução

A água é fator limitante para o desenvolvimento agrícola,


sendo que tanto a falta ou excesso afetam o crescimento,
a sanidade e a produção das plantas.

O manejo racional de qualquer projeto de irrigação deve


considerar os aspectos sociais e ecológicos da região e
procurar maximizar a produtividade e a eficiência do uso
da água e minimizar os custos, quer de m.d.o., quer de
capital.
IT-1101 - AGRICULTURA IRRIGADA

Além disso, visa manter as condições de umidade do solo e


de fitossanidade favoráveis ao bom desenvolvimento da
cultura irrigada, bem como melhorar ou manter as
características físicas, químicas e biológicas do solo.

O manejo da irrigação depende de parâmetros como:


- tipo de sistema de irrigação;
- grau de automação;
- reuso de água no final da parcela (irrig. sulcos);
- necessidade de sistematização;
- medição de vazão;
- disponibilidade de água e m.d.o.
IT-1101 - AGRICULTURA IRRIGADA

Além desses fatores:

- quando irrigar;
- quanto aplicar por irrigação;
- uniformidade de aplicação;
- eficiência de irrigação;
- benefícios da irrigação.
IT-1101 - AGRICULTURA IRRIGADA

4.2 – Época de irrigação e turno de rega

O propósito da irrigação é abastecer as plantas de


água à medida que elas necessitem, de modo a obter
ótima produção em quantidade e qualidade.

A quantidade de água requerida por uma cultura e a


resposta de cada cultura à irrigação variam com o tipo
de solo, tipo de cultura, os estádios de crescimento e
as condições climáticas da região, sendo então
impossível determinar um turno de rega fixo para
cada cultura.
IT-1101 - AGRICULTURA IRRIGADA

As plantas diferem entre si, quanto à tolerância, a


limites máximos da tensão d´água no solo, antes das
irrigações. Umas respondem a maiores níveis de
umidade no solo enquanto outras apresentam maiores
resistências, sem prejudicar a produção.
Condições que tendem a requerer irrigações
freqüentes

Planta
- raízes rasas esparsas e de crescimento lento;
- maior desenvolvimento vegetativo ocorrendo
durante estações sem chuva ou em períodos de alta
demanda evapotranspirométrica;
- parte ou órgão da planta colhidos sob a forma
de peso verde (fresco)

Solo
- raso ou mal estruturado, impedindo
crescimento de raízes;
- infiltração e drenagem lenta, baixa aeração;
- solos salinos ou água para irrigação com altos
teores de sais;
- fertilidade e nutrientes concentrados na
superfície do solo.

Clima
- alta demanda de evaporação;
- ausência de chuva durante o período de
crescimento;
- árido;

Manejo
- plantio no início da estação seca;
- valor de mercado;
- quando se deseja máxima produção
Condições que tendem a requerer irrigações
não freqüentes

Planta
- raízes profundas, densas e de crescimento
rápido;
- maior desenvolvimento vegetativo ocorrendo
durante estações chuvosas ou em períodos de baixa
demanda evapotranspirométrica;
- colheita de órgãos secos.
Solo
- profundo e de boa estrutura;
- com boa infiltração, drenagem e aeração;
- grande parte da água sisponível mantida sob
baixa tensão;
- solos não salinos;
- lençol freático pouco profundo.

Clima
- baixa demanda de evaporação;
- chuva durante o período de crescimento
- úmido;

Manejo
- plantio no início da estação chuvosa;
- valor de mercado determinado pelo peso seco;
IT-1101 - AGRICULTURA IRRIGADA

4.3 – Formas de manejo racional da


irrigação

4.3.1 – Monitoramento do estado hídrico das plantas

- Avaliação visual ?
IT-1101 - AGRICULTURA IRRIGADA

É uma forma muito subjetiva, pois os sintomas são muito


dependentes da espécie vegetal. A sintomatologia geral de
estresse é a perda de turgescência, mudança da posição e
coloração das folhas, redução do crescimento de suas
partes mais expostas, aumento da temperatura das folhas
devido ao fechamento dos estômatos etc.

A médio e longo prazo, ocorre morte das raízes


superficiais, amarelecimento e senescência das folhas
inferiores; as plantas crescem menos, ficando com
estatura e enfolhamento menores em relação as áreas
irrigadas.
IT-1101 - AGRICULTURA IRRIGADA

Existem inúmeros métodos para se avaliar o estado


hídricos das plantas:

- Temperatura foliar (termometria ao infravermelho)


- Potencial de água na folha
- Conteúdo relativo de água na planta
- Resistência estomática
- Grau de turgescência
- Diâmetro do caule
- Fluxo de seiva
IT-1101 - AGRICULTURA IRRIGADA

- Equipamentos necessários:

- Radiômetro de microondas
- Medidores de dissipação térmica
- Sonda de calor transiente (pulso de calor)
- etc.
IT-1101 - AGRICULTURA IRRIGADA

4.3.2 – Manejo das irrigações via clima

- Consumo de água pelas plantas (ETc)

- evapotranspiração de referência (ETo)


- evapotranspiração da cultura (ETc)
- determinação do kc (cap. 3)
- determinação do ks
IT-1101 - AGRICULTURA IRRIGADA
IT-1101 - AGRICULTURA IRRIGADA

- Equipamentos necessários:

- Tanque classe A
- Termômetro de máxima e mínima
- Estação meteorológica
- Lisímetros
IT-1101 - AGRICULTURA IRRIGADA

4.3.3 – Manejo das irrigações via solo

- Disponibilidade hídrica do solo

- profundidade efetiva das raízes


- fator de depleção ou consumo de água (f)
- pot. de água crítico para as culturas
IT-1101 - AGRICULTURA IRRIGADA

- Equipamentos necessários:

- Sonda de nêutrons
- Sonda de raios gama
- Blocos porosos
- Tensiômetros
- Reflectometria no domínio do tempo - TDR
IT-1101 - AGRICULTURA IRRIGADA

Existem inúmeros métodos para se avaliar o estado


hídricos das plantas:

- Sonda de nêutrons
- Sonda de raios gama
- Blocos porosos
- Tensiômetros
- Reflectometria no domínio do tempo - TDR
IT-1101 - AGRICULTURA IRRIGADA

4.3.4 – Exemplos de manejo da irrigação

Em virtude da maior popularidade, serão


apresentados a seguir exemplos de manejo da
irrigação via clima e via solo.
IT-1101 - AGRICULTURA IRRIGADA

4.3.4.1 – Exemplos de manejo da irrigação via clima

Determinar a ETrc de uma cultura de milho no


período de 1 a 15 de janeiro, na região de Dois
córregos (Manual de irrigação)

Exemplos obtidos com o uso da Lisimetria e TCA -


Trabalho de Lima (2007)
IT-1101 - AGRICULTURA IRRIGADA

4.3.4.2 – Exemplos de manejo da irrigação via solo

Exemplos obtidos com o uso da TDR – Trabalho de


Pereira (2006)
Calibração 0 - 20 cm
Ug = 0,0127603Ka - 0,0302466
R2 = 0,8952
0,25
-1

0,20
Ug - g.g

0,15
0,10
0,05
0,00
8,0 12,0 16,0 20,0 24,0
Ka - constante dielétrica
UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO
INSTITUTO DE TECNOLOGIA
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA

Professor Daniel Fonseca de Carvalho


ENGENHARIA DE ÁGUA E SOLO

Instituto de Tecnologia - Depto. de Engenharia


BR 465, km 7 - Seropédica-RJ - 23.890-000
(21) 3787-3674; e-mail: carvalho@ufrrj.br
http://www.ufrrj.br/institutos/it/deng/daniel