Você está na página 1de 28

Departamento de Biofísica

Disciplina de Biofísica Biomédica III (BIO10016)


PROFESSOR EDULFO EDUARDO DIAZ RIOS

Ecografia Doppler
Colorida
Carina Drescher
Vanessa Duarte Ortiz
Histórico
•1794: Lazzaro Spallanzini → comportamento dos morcegos;

•1842: Johann Doppler , editou a obra Sobre as Cores da Luz


Emitida pelas Estrelas Duplas onde descreve o efeito Doppler;

•1845: Christoph B. Ballot comprovou o Efeito Doppler com um


experimento com ondas sonoras;

•1848: Em ondas eletromagnéticas, este mesmo fenômeno foi


descoberto de maneira independente por Hippolyte Fizeau;

•Em 1877, a "Teoria do Som" foi elucidada. Ela se tratava da


mecânica do meio vibrante que produz o som e sua propagação;
Histórico
•1880: Jacques e Pierre Curie descreveram as características
físicas de alguns cristais (efeito piezolétrico);

•1928: Sergei Sokolov sugeriu o uso de energia ultra-sônica


para fins industriais, incluindo a detecção de falhas em
metais;

•1940: utilizado pela 1ª vez em medicina diagnóstica. Karl


Theodore Dussik → localização de tumores → mensuração da
transmissão dos sons pelo crânio;

•1950: Douglas Howry junto com W. Roderic Bliss, produziram


a primeira imagem seccional;
Histórico
Histórico
À partir de 1950 foi desenvolvido o método como
conhecemos hoje;

•1951: José Holmes e Howry e outros, produziram o primeiro


2D B-mode scanner;

•1957: Douglas Howry, Dorothy Howry, são considerados os


pioneiros na utilização da ultrassonografia diagnóstica;

•1966: Don Baker, Dennis Watkins, e John Reid


desenvolveram o Doppler pulsado, o que permitiu a detecção
de fluxo de sangue a partir de diferentes profundidades no
coração;
Histórico
•1971: Kossof diferenciou diversos níveis de intensidade
de ecos por diferentes tons de cinza na tela;

•1980: apareceu o ultrassom em tempo real;

•1990: o campo foi um passo adiante com imagens 3D e


até 4D que o público poderia interpretar
Histórico no Brasil
•1970: marca o início de um novo campo
profissional, ligado principalmente a
ultrassonografia obstétrica e os ensinamentos do
professor Bonilla;

•1960 a 1980: políticas públicas produziram efeitos


que modelaram direta e indiretamente o quadro
referencial tecnológico e de recepção do
ultrassom;
Histórico no Brasil
•1973: no Recife/PE o aparelho Vidoson utilizado
pelo Dr. Paulo Costa (médico-ginecologista),
considerado pioneiro e proprietário do primeiro
equipamento de ultrassom utilizado no Brasil,
utilizado em ginecologia e obstetrícia;
Ecografia Doppler
Colorida

ULTRASSONOGRAFIA

+ Ecografia Doppler
Colorida
EFEITO DOPPLER
Ultrassonografia

Emissão de ondas
ultrassônicas

Formação da
imagem
Atingem tecido
específico

Sinal convertido
em corrente
Retornam como eco
elétrica

Efeito piezoelétrico
Ultrassonografia
Efeito Piezoelétrico
Ondas sonoras atingem cristais

Emitem correntes elétricas

Leitura

Corrente
elétrica (i)

Cristais
mudam de Ondas
forma sonoras
Ultrassonografia
Verificação
Do
som
Visor
Transdutor
CPU

Controles de pulso do
transdutor:
Frequência
Duração
Modo de varredura
Efeito Doppler
“Fenômeno que envolve a alteração da freqüência
notada pelo observador em virtude do movimento
relativo de aproximação ou afastamento entre uma
fonte de ondas e o observador”

Aproximação =  frequência aparente


Afastamento =  frequência aparente
Efeito Doppler
A diferença entre a freqüência da onda refletida (fr) e a daquela emitida (fo)
é chamada de freqüência Doppler (∆f)

Equação Doppler

Através da fórmula
Doppler, é estabelecida a
velocidade da corrente
sangüínea.
Ecografia Convencional
ECOGRAFIA Emitidas ondas de Oscilações nos
ultrassom
CONVENCIONAL vasos sanguíneos
(Ultrassonografia)

Computador converte as ondas


em imagens preto-e-branco 2D
Ecografia Doppler Colorida

ECOGRAFIA Mede a forma Dois tipos de


como as ondas de ultra-som
DOPPLER
som se movem

Estrutura dos vasos


Ultrassonografia
sanguíneos

Movimento das células


Ecografia Doppler
sanguíneas no interior
dos vasos
Ecografia Doppler
Colorida

Freq. Refletida < Freq. Emitida


Freq. Doppler Negativa
AZUL

Freq. Refletida > Freq. Emitida


Freq. Doppler Positiva
VERMELHO

Escala em cinza – Ultrassonografia


Alguns conceitos
Fluxo laminar: é decorrente de
uma velocidade fixa do sangue
dentro de um determinado vaso

Fluxo turbilhonado ou
turbulento: ocorre sobrepondo-
se ao fluxo laminar em ocasiões
onde há alteração do tamanho do
vaso, velocidade do fluxo ou
viscosidade do sangue.
Geralmente, isso se dá em nível
das bifurcações, curvas ou
ramos.
Indicações

• Estudo de artérias e veias;


• Detecção de tromboses venosas ou arteriais
• Estenoses e ou oclusões arteriais
• Aneurismas
• Mapeamento pré-operatório de varizes
• Gravidez para a aferição do fluxo sanguíneo materno-fetal
• Doenças das artérias renais (estreitamentos, obstruções e dilatações)
Aplicações

Caracterizar vasos – diferenciar veias de


artérias. (diferença no fluxo característico)

Detectar fluxo – em vasos ou órgãos


específicos. (busca por lesões)
Aplicações

Avaliar sentido do fluxo


Ex.: insuficiência mitral- fluxo reverso.

Quantificar velocidade de fluxo


Casos de estenose.
Considerações

ANGIOGRAFIA ou VENOGRAFIA
- Raios-X
- Substância de Contraste

ECOGRAFIA DOPPLER

- Não utiliza radiação ionizante


- Nada invasiva
- Mais rápida
- Mais segura durante a gravidez
Referências
 Ecografía Doppler: Principios físicos y técnica; Santiago Isarria Vidal
 Princípios físicos do Doppler em ultra-sonografia; Cibele Figueira
Carvalho, Maria Cristina Chammas, Giovanni Guido Cerri.
 http://www.ob-ultrasound.net/history1.html.
 http://www.efdeportes.com/efd167/a-historia-da-
ultrassonografia.htm.
 http://www2.ic.uff.br/~aconci/Ultrasson.pdf.
Obrigado!
Departamento de Biofísica
Disciplina de Biofísica Biomédica III (BIO10016)
PROFESSOR EDULFO EDUARDO DIAZ RIOS

Ecografia Doppler
Colorida
Carina Drescher
Vanessa Duarte Ortiz