Você está na página 1de 5

ECA – Física - Dilatação Térmica – 3ª série – Sandro Monteiro

1. (Uerj 2016) Fenda na Ponte Rio-Niterói é uma junta 𝑸 = 𝒎 × 𝑐 × ∆𝜽


de dilatação, diz CCR
De acordo com a CCR, no trecho sobre a Baía de 𝒎 = 𝟐𝟎𝟎𝒈
Guanabara, as fendas existem a cada 400 metros, 𝒄𝒂𝒍
𝒄 = 𝟎, 𝟐𝟏𝟕
com cerca de 13 cm de abertura. 𝒈. º𝑪
oglobo.com, 10/04/2014. 𝑸 = 𝟐𝟎𝟎𝒈 × 0,217 × 𝟒𝟓 = 𝟏𝟗𝟓𝟑𝒄𝒂𝒍 = 𝟏𝟗𝟓𝟎 𝒄𝒂𝒍
Admita que o material dos blocos que constituem a
Ponte Rio-Niterói seja o concreto, cujo coeficiente de 3. (Pucrs 2015) Num laboratório, um grupo de alunos
dilatação linear é igual a 1 10−5 C−1. registrou o comprimento L de uma barra metálica, à
medida que sua temperatura T aumentava, obtendo
Determine a variação necessária de temperatura para
o gráfico abaixo:
que as duas bordas de uma das fendas
citadas na reportagem se unam.
Dados do enunciado:
𝛼 = 1 × 10−5
∆𝐿 = 0,13 𝑚 (abertura das fendas)
𝐿0 = 400 𝑚 (tamanho dos trechos)

Cálculo da variação de temperatura:


𝟎, 𝟏𝟑 = (1 × 10−5 ) × 400 × ∆𝜽
∆𝜽 = 𝟑𝟐, 𝟓℃

2. (G1 - ifsul 2016) Uma chapa de alumínio retangular Pela análise do gráfico, o valor do coeficiente de
tem massa de 200 g e uma temperatura inicial de dilatação do metal é
15 C. Sendo o coeficiente de dilatação linear do a) 1,05  10−5 C−1
∆𝜃 = 𝜃𝑓 − 𝜃𝑖 = 110 − 10 = 100 ℃
alumínio igual a 22  10−6 C−1, calor específico do b) 1,14  10−5 C−1
∆𝐿 = 𝐿𝑓 − 𝐿𝑖 = 801 − 800 = 1𝑚𝑚
alumínio igual a 0,217 cal g C, largura da chapa c) 1,18  10−5 C−1 (𝟏) = 𝜶 × (𝟖𝟎𝟎) × (𝟏𝟎𝟎)
𝜶 = 𝟏, 𝟐𝟓 𝒙 𝟏𝟎−𝟓
50 cm e altura de 20 cm; se essa barra for aquecida d) 1,22  10−5 C−1
até a temperatura de 60 C, a sua superfície final e a
e) 1,25  10−5 C−1
quantidade de calor necessário para que esse
aumento ocorra serão, respectivamente,
a) 1.001,980 cm2 e 19.500 cal 4. (Unesp 2015) Dois copos de vidro iguais, em
2 equilíbrio térmico com a temperatura ambiente,
b) 1.002,640 cm e 2.640 cal
foram guardados, um dentro do outro, conforme
c) 1.001,980 cm2 e 1.950 cal mostra a figura. Uma pessoa, ao tentar desencaixá-
los, não obteve sucesso. Para separá-los, resolveu
d) 1.002,640 cm2 e 26.400 cal colocar em prática seus conhecimentos da física
Dados do enunciado: térmica.
𝐿𝑜 = 50 𝑐𝑚
ℎ𝑜 = 20 𝑐𝑚
𝛼 = 22 × 10−6
∆𝜃 = 𝜃𝑓 − 𝜃𝑖 = 60 − 15 = 45℃

Cálculo das novas dimensões;


∆𝐿 = 22 × 10−6 × 50𝑐𝑚 × 45 = 0,0495𝑐𝑚
= 4,95 𝑥 10−2 𝑐𝑚
−6
∆ℎ = 22 × 10 × 20𝑐𝑚 × 45 = 0,0198𝑐𝑚
= 1,98 𝑥 10−2 𝑐𝑚

Cálculo da nova Área (S):


De acordo com a física térmica, o único procedimento
S = (50 + 0,0495) cm x (20 + 0,0198) cm
capaz de separá-los é:
S = (50,0495) cm x (20,0198) cm
a) mergulhar o copo B em água em equilíbrio térmico
S = 1.001,980 cm²
com cubos de gelo e encher o copo A com água à
temperatura ambiente.
b) colocar água quente (superior à temperatura Densidade da água: ρ = 1,0g cm3
ambiente) no copo A.
Velocidade da luz no vácuo: c = 3,0  108m s
c) mergulhar o copo B em água gelada (inferior à
temperatura ambiente) e deixar o copo A sem Constante da lei de Coulomb:
líquido. k0 = 9,0  109 N  m2 C2
d) encher o copo A com água quente (superior à
temperatura ambiente) e mergulhar o copo B em 6. (Cefet MG 2015) A FIG. 1(a) mostra como duas
água gelada (inferior à temperatura ambiente). barras de materiais diferentes estão fixas entre si e a
e) encher o copo A com água gelada (inferior à um suporte e a FIG. 1(b) mostra essas mesmas
temperatura ambiente) e mergulhar o copo B em barras, após terem sofrido uma variação de
água quente (superior à temperatura ambiente). temperatura ΔT.

5. (Uern 2015) A tabela a seguir apresenta os


coeficientes de dilatação linear de alguns metais:
Metais Coeficiente de dilatação linear (C−1)
ferro 12  10−6
cobre 17  10−6 Sabendo-se que os coeficientes médios de expansão
−6
alumínio 22  10 linear dessas barras são α1 e α 2 , é correto afirmar
zinco 26  10−6 que
a) Se α1  α 2 , então ΔT  0.
Uma placa de metal de área 1m2 a 20C é aquecida
b) Se α1  α 2 , então ΔT  0.
até atingir 100C apresentando uma variação de
c) Se α1  α 2 , então ΔT  0.
35,2cm2 em sua área. O metal que constitui essa
d) ΔT  0, independentemente de α1 e α 2 .
placa é o
a) ferro. e) ΔT  0, independentemente de α1 e α 2 .
b) cobre.
c) zinco. 7. (G1 - cps 2014) Quem viaja de carro ou de ônibus
d) alumínio. pode ver, ao longo das estradas, torres de
transmissão de energia tais como as da figura.
Dados do enunciado:
∆𝜃 = 𝜃𝑓 − 𝜃𝑖 = 100 − 20 = 80℃
∆𝑆 = 𝑆𝑓 − 𝑆𝑖 = 35,2𝑐𝑚²
𝑆0 = 1𝑚2 = 10.000 𝑐𝑚2

1ª Parte - Cálculo da dilatação térmica superficial:


∆𝑆 = 𝛽 × 𝑆𝑜 × ∆𝜃
35,2𝑐𝑚2 = 𝛽 × 10.000 × 80
𝛽 = 4,4 × 10−5 = 44 × 10−6

2ª Parte – Relação entre os coeficientes de


dilatação térmica:
𝛼 𝛽 𝛾
𝑆𝑎𝑏𝑒𝑛𝑑𝑜 𝑞𝑢𝑒: = =
1 2 3
𝛽 44𝑥10−6 Olhando mais atentamente, é possível notar que os
𝛼= = cabos são colocados arqueados ou, como se diz
2 2
𝜶 = 𝟐𝟐𝒙𝟏𝟎−𝟔 popularmente, “fazendo barriga”.

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO: A razão dessa disposição é que


Considere os dados abaixo para resolver a(s) a) a densidade dos cabos tende a diminuir com o
questão(ões), quando for necessário. passar dos anos.
b) a condução da eletricidade em alta tensão é
Constantes físicas facilitada desse modo.
Aceleração da gravidade próximo à superfície da c) o metal usado na fabricação dos cabos é impossível
de ser esticado.
Terra: g = 10m s2
d) os cabos, em dias mais frios, podem encolher sem
Aceleração da gravidade próximo à superfície da Lua: derrubar as torres.
g = 1,6m s2
e) os ventos fortes não são capazes de fazer os dilatação. O mesmo não ocorre com a água, se ela
cabos, assim dispostos, balançarem. estiver a uma temperatura próxima a de seu ponto de
congelamento. O gráfico mostra como o volume
8. (Fuvest 2012) específico (inverso da densidade) da água varia em
função da temperatura, com uma aproximação na
região entre 0ºC e 10ºC, ou seja, nas proximidades do
ponto de congelamento da água.

Para ilustrar a dilatação dos corpos, um grupo de


estudantes apresenta, em uma feira de ciências, o
instrumento esquematizado na figura acima. Nessa
montagem, uma barra de alumínio com 30cm de
comprimento está apoiada sobre dois suportes, tendo
uma extremidade presa ao ponto inferior do ponteiro
indicador e a outra encostada num anteparo fixo. O
ponteiro pode girar livremente em torno do ponto O,
sendo que o comprimento de sua parte superior é
10cm e, o da inferior, 2cm. Se a barra de alumínio,
inicialmente à temperatura de 25 ºC, for aquecida a
225 ºC, o deslocamento da extremidade superior do
ponteiro será, aproximadamente, de

Note e adote: Coeficiente de dilatação linear do


alumínio: 2  10−5 ºC−1
a) 1 mm.
b) 3 mm.
c) 6 mm.
d) 12 mm.
e) 30 mm.

Dados do enunciado:
𝐿𝑜 = 30 𝑐𝑚
𝛼 = 2,0 × 10−5
∆𝜃 = 225 − 25 = −200℃
A partir do gráfico, é correto concluir que o volume
1ª Parte - Cálculo da dilatação térmica linear: ocupado por certa massa de água
a) diminui em menos de 3% ao se resfriar de 100ºC a
∆𝐿𝑖𝑛𝑓 = (2 × 10−5 ) × 30 𝑐𝑚 × (200) = 𝟎, 𝟏𝟐 𝒄𝒎
0ºC.
b) aumenta em mais de 0,4% ao se resfriar de 4ºC a
2ª Parte - Trigonometria:
0ºC.
c) diminui em menos de 0,04% ao se aquecer de 0ºC
Por semelhança de triângulo: a 4ºC.
d) aumenta em mais de 4% ao se aquecer de 4ºC a
∆𝐿𝑠𝑢𝑝 10 9ºC.
=
∆𝐿𝑖𝑛𝑓 2 e) aumenta em menos de 3% ao se aquecer de 0ºC a
100ºC.
∆𝐿𝑠𝑢𝑝 = 5 × 0,12𝑐𝑚
Análise do Grafico – Variação de 0° a 100°C:
∆𝑳𝒔𝒖𝒑 = 𝟎, 𝟔𝟎𝒄𝒎 = 𝟔𝒎𝒎 𝑉𝑜 = 1,00 𝑐𝑚3 /𝑚𝑔
𝑉𝑓 = 1,045 𝑐𝑚3 /𝑚𝑔

∆𝑉 1,045 − 1,00
(%) = × 100% = 4,5%
𝑉0 1,00
9. (Enem cancelado 2009) De maneira geral, se a
temperatura de um líquido comum aumenta, ele sofre Análise do Grafico – Variação de 100° a 0°C:
𝑉𝑜 = 1,045 𝑐𝑚3 /𝑚𝑔 TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO:
𝑉𝑓 = 1,00 𝑐𝑚3 /𝑚𝑔 O motorista abasteceu o carro às 7 horas da manhã,
quando a temperatura ambiente era de 15°C, e o
∆𝑉 1,00 − 1,045 deixou estacionado por 5 horas, no próprio posto. O
(%) = × 100% = −4,3%
𝑉0 1,045 carro permaneceu completamente fechado, com o
motor desligado e com as duas lâmpadas internas
Análise do Grafico – Variação de 0° a 4°C: acesas. Ao final do período de estacionamento, a
𝑉𝑜 = 1,00015 𝑐𝑚3 /𝑚𝑔 temperatura ambiente era de 40°C. Considere as
𝑉𝑓 = 1,00 𝑐𝑚3 /𝑚𝑔 temperaturas no interior do carro e no tanque de
gasolina sempre iguais à temperatura ambiente.
∆𝑉 1,00 − 1,00015
(%) = × 100% = −0,015%
𝑉0 1,00015
11. (Uerj 2003) Ao estacionar o carro, a gasolina
Ou seja, ocorre sim a diminuição do volume, porém na
ocupava uma certa fração f do volume total do tanque
ordem de 0,015% (que é menor do que 0,04%).
de combustível, feito de aço.

10. (Ufu 2005) Um frasco de capacidade para 10 litros Estabeleça o valor máximo de f para o qual a gasolina
está completamente cheio de glicerina e encontra-se não transborde quando a temperatura atinge os 40°C.
à temperatura de 10°C. Aquecendo-se o frasco com a Dados: coeficiente de expansão volumétrica da
glicerina até atingir 90°C, observa-se que 352 ml de gasolina = 9,0x10-4 °C-1 e coeficiente de expansão
glicerina transborda do frasco. Sabendo-se que o volumétrica do aço = 1,0x10-5 °C-1.
coeficiente de dilatação volumétrica da glicerina é 5,0
× 10-4°C-1, o coeficiente de dilatação LINEAR do Dados do enunciado:
frasco é, em °C-1. 𝛾𝑔𝑎𝑠𝑜𝑙𝑖𝑛𝑎 = 9 × 10−4
a) 6,0 × 10-5. 𝛾𝑎ç𝑜 = 1 × 10−5
b) 2,0 × 10-5. ∆𝜃 = 𝜃𝑓 − 𝜃𝑖 = 40 − 15 = 25℃
c) 4,4 × 10-4.
d) 1,5 × 10-4. Variações volumétricas de cada material em
função do seu volume inicial:
Dados do enunciado:
𝑣𝑜𝑙𝑢𝑚𝑒 𝑞𝑢𝑒 𝑡𝑟𝑎𝑠𝑏𝑜𝑟𝑑𝑎 = 352 𝑚𝑙 = 0,352 𝑙 ∆𝑉𝑔𝑎𝑠𝑜𝑙𝑖𝑛𝑎 = (9 × 10−4 ) × 𝑉𝑔𝑎𝑠𝑜𝑙𝑖𝑛𝑎 × 25
𝑉0,𝑔𝑙𝑖𝑐𝑒𝑟𝑖𝑛𝑎 = 𝑉0,𝑓𝑟𝑎𝑠𝑐𝑜 = 10 𝑙 ∆𝑉𝑔𝑎𝑠𝑜𝑙𝑖𝑛𝑎 = 0,0225 × 𝑉𝑔𝑎𝑠𝑜𝑙𝑖𝑛𝑎
𝛾𝑔𝑙𝑖𝑐𝑒𝑟𝑖𝑛𝑎 = 5 × 10−5
∆𝜃 = 𝜃𝑓 − 𝜃𝑖 = 90 − 10 = 80℃ ∆𝑉𝑎ç𝑜 = (1 × 10−5 ) × 𝑉𝑎ç𝑜 × 25
∆𝑉𝑎ç𝑜 = 0,00025 × 𝑉𝑎ç𝑜
Cálculo da dilatação volumétrica da glicerina:
∆𝑉 = (5 × 10−5 ) × 10𝑙 × 80 = 0,4𝑙 = 400𝑚𝑙
Condição para que não haja transbordamento:
Cálculo da dilatação volumétrica do frasco:
𝑉𝑔𝑎𝑠𝑜𝑙𝑖𝑛𝑎 + ∆𝑉𝑔𝑎𝑠𝑜𝑙𝑖𝑛𝑎 ≤ 𝑉𝑎ç𝑜 + ∆𝑉𝑎ç𝑜
∆𝑉𝑓𝑟𝑎𝑠𝑐𝑜 = 400 − 352 = 48𝑚𝑙
𝑉𝑔𝑎𝑠𝑜𝑙𝑖𝑛𝑎 + 0,0225 × 𝑉𝑔𝑎𝑠𝑜𝑙𝑖𝑛𝑎 ≤ 𝑉𝑎ç𝑜 + 0,00025 × 𝑉𝑎ç𝑜
Cálculo do coef. de dilatação volumétrica do
frasco:
∆𝑉𝑓𝑟𝑎𝑠𝑐𝑜 = 0,048𝑙 = 𝛾𝑓𝑟𝑎𝑠𝑐𝑜 × 10𝑙 × 80 1,0225 𝑉𝑔𝑎𝑠𝑜𝑙𝑖𝑛𝑎 ≤ 1,00025 × 𝑉𝑎ç𝑜
𝛾𝑓𝑟𝑎𝑠𝑐𝑜 = 6 × 10−5
𝑉𝑔𝑎𝑠𝑜𝑙𝑖𝑛𝑎 ≤ 0,9782 × 𝑉𝑎ç𝑜
Cálculo do coef. de dilatação LINEAR do frasco:
𝛼 𝛽 𝛾 RESPOSTA: O valor máximo de f é 97,82% do
𝑆𝑎𝑏𝑒𝑛𝑑𝑜 𝑞𝑢𝑒: = = volume total do tanque.
1 2 3
𝜸𝒇𝒓𝒂𝒔𝒄𝒐
𝜶𝒇𝒓𝒂𝒔𝒄𝒐 = = 𝟐 × 𝟏𝟎−𝟓
𝟑
12. (Fgv 2001) O dono de um posto de gasolina
recebeu 4000ℓ de combustível por volta das 12 horas,
quando a temperatura era de 35°C. Ao cair da tarde,
uma massa polar vinda do Sul baixou a temperatura
para 15°C e permaneceu até que toda a gasolina
fosse totalmente vendida. Qual foi o prejuízo, em litros
de combustível, que o dono do posto sofreu?
(Dados: coeficiente de dilatação do combustível é de
1,0. 10-3 °C-1)
a) 4ℓ
b) 80ℓ
c) 40ℓ
d) 140ℓ
e) 60ℓ

Dados do enunciado:
𝑉𝑜 = 4.000 𝑙
ℎ𝑜 = 20 𝑐𝑚
𝛼 = 22 × 10−6
∆𝜃 = 15 − 35 = −20℃
𝛾 = 1𝑥 10−3

Cálculo da contração térmica volumétrica:

∆𝑉 = (1𝑥 10−3 ) × 4000 𝑙 × (−20) = −𝟖𝟎 𝒍