Você está na página 1de 5

Gian

Lorenzo Bernini.

Quem foi sujeito?

Gian Lorenzo Bernini (1598-1680), nascido em Nápoles, Itália, no dia 7 de Dezembro de


1598, foi um dos artistas mais brilhantes da Roma no século XVII. Muito famoso por suas
esculturas majestosas como uma das suas obras mais famosa “O rapto de Proserpina” e
considerado um dos nomes mais importantes da arte barroca, Gian foi um artista múltiplo,
mostrando seu talento e maestria também como pintor, urbanista e cenógrafo.

Arte barroca? Barroco? o que foi isso?


Abrangendo o final do século XVI até os meados do século XVII, foi um movimento de
cunho político e também internacional (mas focaremos apenas na Europa neste momento).
Esse foi o período onde a Europa enfrentava um grande conflito, a igreja acabara de ser
questionada pelas reformas protestantes e agora já não era o centro de todo o poder. Com
os questionamentos, visando resolver essa questão, a alta cúpula da igreja católica se
reuniu no intuito de criar estratégias adequadas para fazer a manutenção do seu poder. O
responsável pela convocação foi o próprio papa, Paulo III em 1546, o evento ficou
conhecido como “O concílio de trento” que acabou durando dezoito anos, terminando em
1563 e foi nesse momento que começou a rolar a contra reforma, então o barroco seria a
estética dos instrumentos de propaganda da Cr ou seja, tudo que havia de apolíneo no
renascimento, seria dionisíaco no barroco. Essa seria uma estratégia de marketing a rigor e
muito eficiente.
Obviamente a contra reforma não se resumiu apenas a sua estética, eles tiveram que
discutir todas as suas doutrinas para oferecer resposta diante dos questionamentos dos
protestantes, fora que, várias outras medidas foram tomadas. Sendo assim o Barroco na
Europa dominou a arquitetura, pintura, literatura e a música no século XVII. Por isso toda a
cultura desse período incluindo os costumes, valores e relações sociais foram chamadas de
Barroca, uma reafirmação do poder da fé, a vitória da emoção sobre a razão e de Deus
sobre o homem, como Elgin Green cineasta e dramaturgo francês quando fala de
Caravaggio: “O deus oculto está sempre presente em seus quadros, representado por uma
luz que vem de uma fonte escondida, para mim, essa é a base da arte barroca.” Ou seja a
luz que tudo iluminava nos quadros do renascimento, agora é substituída por uma luz que
oculta e contrasta, não é a luz que revela o objeto, é uma luz que afeta o olhar sobre os
objetos e que revela uma dimensão escondida, em resumo, podemos dizer que, As obras
dos artistas barrocos europeus valorizam as cores, as sombras, luz e representam os
contrastes. As imagens não são tão centralizadas quanto as renascentistas e aparecem de
forma dinâmica, valorizando o movimento. Os temas principais são: mitologia, passagens
da Bíblia e a história da humanidade. As cenas retratadas costumam ser sobre a vida da
nobreza, o cotidiano da burguesia, naturezas-mortas entre outros. As esculturas barrocas
mostram faces humanas marcadas pelas emoções, como veremos nas obras do Bernini.

Enfim, Bernini!
Bernini iniciou na arte bem cedo, afinal, seu pai Pietro Bernini era um artista maneirista, no
início da sua carreira é bem nítida a influência do pai nas obras do artista. Desde cedo,
aproximou-se da Igreja Católica. Suas obras foram muito utilizadas no fortalecimento do
movimento já citado “Contrarreforma”. Nesse contexto, várias de suas obras foram feitas
para a Igreja, a pedido do alto clero católico. Algumas características que podemos
observar nas obras de Bernini são:

● Valorização dos espaços próximos às esculturas. Ele tinha grande visão de


integração entre a escultura ou obra arquitetônica com o cenário ao redor;

● Ao observar é possível imaginar que a obra possa falar, gritar, alegrar-se e sofrer,
isso graças ao seu cuidado com cada detalhe;

● Corpos alongados e gestos expressivos;

● Ilusão de movimento de corpos, cabelo e tecido;

● Na arquitetura: colunas retorcidas, jogos de luz, entre outros.


Principais obras:

Monumentos e Arquitetura:

- Fonte dos Quatro Rios (1648-1651), em Roma;

- O baldaquino da Basílica de São Pedro;

- Igreja de Santo André no Quirinal;

- Fonte de Tritão (1642-1643);

- Capela Cornaro.

esculturas:

- O rapto de Proserpina (1621-1622);

- Apolo e Dafne (1622-1625);

- David (1623-1624);

- São Longuinho (1638);

- Busto de Costanza Bonarelli (1636-1638);

- Busto do Cardeal Richelieu (1640-1641);

- O Êxtase de Santa Teresa (1647-1652);

- Cristo na Cruz (1654);

- Busto do rei Luís XIV (1665);

- Busto de Gabriele Fonseca (1668-1675);

- Êxtase da Beata Ludovica Albertoni (1671-1674).


O rapto de Proserpina:
Vamos agora fazer uma pequena análise sobre essa obra pra gente entender um
pouquinho mais as características artísticas do período barroco representado nas obras do
Benini.

Nesta obra Bernini coloca em 3D o mito grego que explica as estações do ano.

O mito:
Proserpina filha de Zeus e Deméter, é raptada pelo seu tio que era apaixonado por ela, o
Plutão que era o deus do inframundo (inferno). Quando Deméter descobre, ela enlouquece
e abandona todos os seus afazeres e ela sendo a deusa da fertilidade e do trigo, quando
ela deixa suas obrigações, a terra acaba secando. Zeus vendo todo o caos que estava
acontecendo decide ir atrás de Plutão.
Nesse meio termo a Proserpina acaba comendo uma fruta do inframundo, e todo mundo
que comia algo do inframundo era destinado a permanecer no inframundo. Mas como para
os deuses nada era impossível, Zeus então propõe algo parecido como uma “guarda
compartilhada” a plutão: Metade do ano Proserpina ficaria com plutão no inframundo e a
outra metade com Deméter. Quando Proserpina está no inframundo, Demeter fica muito
triste fazendo com que a terra seque, ai vem o outono e o inverno. Quando Proserpina
volta, todas as flores renascem e vem a primavera e o verão.

Mesmo que não conhecendo essa história, diante dessa escultura, as pessoas conseguem
sentir toda a emoção, conseguimos notar todo o desespero de Proserpina...vemos que ela
já se deu conta que não vai conseguir se livrar desse homem grande e forte, ela tense o
pescoço como se sentisse asco ou medo, tentando se distanciar dele....e Plutão agarra a
coxa de Proserpina e a gente sente ainda mais a repulsa dela. Notamos pelo detalhe dos
cabelos dela, o vento, representando a fuga. Aos seus pés está o cão de Plutão, o Cérbero,
o cachorro de três cabeças. Os detalhes são quase surreais levando em consideração que
a obra toda é feita em mármore.
O mais magnífico dessa obra em vulto redondo ou seja, que você pode caminhar ao redor
dela, Bernini mostra a sua genialidade pois a cada passo dado envolta da obra, mais
detalhes vão sendo descobertos.

A obra se encontra na Galleria Borghese, Rome.