Você está na página 1de 66

RISCO - RUÍDO

PROTEÇÃO E CONTROLE AUDITIVO

CURSO DE HIGIENE DO
TRABALHO
Proteção e
Controle Auditivo

Prof. Uanderson
Rebula
Prof. Uanderson Rebula
RISCO - RUÍDO
PROTEÇÃO E CONTROLE AUDITIVO

Programa de Conservação Auditiva


PCA
Fundamentação Legal

• Portaria 19 de 09/04/1998 do MTE - estabelece as diretrizes e


parâmetros mínimos para a avaliação e o acompanhamento da audição
dos trabalhadores, expostos a níveis de pressão sonora elevados
• Lei n° 6.514/77 - Portaria 3214/78 - NR 15, Anexos 01 e 02 - MTE.

• Vinculado ao PPRA - NR 09 e ao PCMSO - NR 07 do MTE, visto


que são programas que se complementam.

Prof. Uanderson Rebula


RISCO - RUÍDO
PROTEÇÃO E CONTROLE AUDITIVO
Sequência de Apresentação
Conceitos de Som e Ruído

Ruídos no dia a dia

O Aparelho Auditivo

Efeitos do Ruído à Saúde e no Ambiente de Trabalho

Fontes Geradoras de Ruído e Medidas de Controle

Equipamentos de Avaliação

Equiptº. Proteção Coletiva e Individual


Prof. Uanderson Rebula
RISCO - RUÍDO
PROTEÇÃO E CONTROLE AUDITIVO

Conceito de Som
O som é uma vibração que se propaga pelo ar em forma de
ondas e que é percebida pelo ouvido humano.
Trata-se de sensação agradável, em nível suportável e que
não irrita.
Exemplos: música suave, fala e sons da natureza

Prof. Uanderson Rebula


RISCO - RUÍDO
PROTEÇÃO E CONTROLE AUDITIVO

Conceito de Ruído
O ruído é um som prejudicial à saúde humana
que causa sensação desagradável e irritante.

Exemplo: máquinas e equipamentos industriais


em operação, fogos de artifício e música muito
alta

Prof. Uanderson Rebula


RISCO - RUÍDO
PROTEÇÃO E CONTROLE AUDITIVO

Ruído contínuo Ruído intermitente

Tipos de ruído
Ruído de impacto

Prof. Uanderson Rebula


RISCO - RUÍDO
PROTEÇÃO E CONTROLE AUDITIVO

Ruído de impacto

Prof. Uanderson Rebula


RISCO - RUÍDO
PROTEÇÃO E CONTROLE AUDITIVO

Ruído contínuo

Prof. Uanderson Rebula


RISCO - RUÍDO
PROTEÇÃO E CONTROLE AUDITIVO

Ruído intermitente

Prof. Uanderson Rebula


RISCO - RUÍDO
PROTEÇÃO E CONTROLE AUDITIVO

Intensidade
h Também conhecida como altura ou
volume.
h É a força ou pressão que o som
exerce nos nossos ouvidos.
h A intensidade é medida em
decibéis (dB).

h Um lugar tranqüilo tem sons de baixa


intensidade, enquanto um avião a jato, possui sons
de alta intensidade.

h Quando a intensidade alcança altos valores, o som se transforma em


ruído, causando assim danos a nossa audição.
Prof. Uanderson Rebula
RISCO - RUÍDO
PROTEÇÃO E CONTROLE AUDITIVO

Aparelho
Auditivo

Prof. Uanderson Rebula


RISCO - RUÍDO
PROTEÇÃO E CONTROLE AUDITIVO

Funcionamento do Aparelho Auditivo


O aparelho auditivo é um sistema através do qual,
percebemos e sentimos as ondas sonoras do ambiente,
que são transformadas em impulsos nervosos e chegam
ao cérebro, onde são interpretadas e entendidas.

É divido em três partes:


h Ouvido Externo,
h Ouvido Médio e
h Ouvido Interno.

Prof. Uanderson Rebula


RISCO - RUÍDO
PROTEÇÃO E CONTROLE AUDITIVO

Aparelho Auditivo

Prof. Uanderson Rebula


RISCO - RUÍDO
PROTEÇÃO E CONTROLE AUDITIVO

Prof. Uanderson Rebula


RISCO - RUÍDO
PROTEÇÃO E CONTROLE AUDITIVO

Aparelho Auditivo
Cóclea Normal
Cóclea

Localiza-se no ouvido
interno e é a parte do
aparelho auditivo onde
ocorre a perda auditiva por
exposição ao ruído.

Células Ciliadas

Prof. Uanderson Rebula


RISCO - RUÍDO
PROTEÇÃO E CONTROLE AUDITIVO

Aparelho Auditivo
Cóclea Lesionada

A exposição ao ruído sem


o devido controle expõe as
células ciliadas ao impacto
direto das ondas sonoras,
causando assim, sua
destruição.
As células ciliadas,
uma vez destruídas,
não se regeneram.

Prof. Uanderson Rebula


RISCO - RUÍDO
PROTEÇÃO E CONTROLE AUDITIVO
Limite de Tolerância
Nível de Ruído dB(A) Máxima Exposição Diária Permissível

85 8 horas
86 7 horas
87 6 horas
Reduzir pela
88 5 horas
metade o
89 4 horas e 30 minutos
90 4 horas tempo de
91 3 horas e 30 minutos exposição a
92 3 horas cada
93 2 horas e 40 minutos
05 dB(A)
94 2 horas e 15 minutos
95 2 horas
96 1 horas e 45 minutos
98 1 horas e 15 minutos

115 07 minutos

Lei n° 6.514/77 - Portaria 3214/78 - NR 15, Anexo 01 - MTE.


Prof. Uanderson Rebula
RISCO - RUÍDO
PROTEÇÃO E CONTROLE AUDITIVO

Os protetores auriculares objetivam atenuar (reduzir) a


entrada de ruído nos ouvidos

100dB 84dB

Atenuação
16dB

Cada protetor tem sua atenuação, de


acordo com o fabricante

Prof. Uanderson Rebula


RISCO - RUÍDO
PROTEÇÃO E CONTROLE AUDITIVO

Efeitos do Ruído na Audição


Perda Auditiva Perda Auditiva
Trauma Acústico
Temporária Permanente

Exposições diferentes ao ruído, levam a efeitos


igualmente diferentes.
Prof. Uanderson Rebula
RISCO - RUÍDO
PROTEÇÃO E CONTROLE AUDITIVO

Efeitos do Ruído na Audição


Trauma Acústico
O trauma acústico ocorre quando o indivíduo é exposto por pouco
tempo a níveis de ruído muito elevados.

É comum nos exercícios e manobras militares


(tiros), nos trabalhos em que são utilizados
explosivos, como pedreiras, na construção civil,
em abertura de túneis e demolição e em
comemorações com fogos de artifício (rojões).

Nestes casos, a membrana timpânica pode ser rompida, causando


hemorragia.
Em geral, os efeitos do trauma acústico podem ser revertidos após
algumas semanas de tratamento.
Prof. Uanderson Rebula
RISCO - RUÍDO
PROTEÇÃO E CONTROLE AUDITIVO

Efeitos do Ruído na Audição


Perda Auditiva Temporária

Ocorre após exposição a ruído intenso, mesmo que por curto


período de tempo. Nestas situações, a audição volta ao normal
após um período de tempo longe do ruído.

É comum após sairmos de casas


noturnas e acompanharmos trios
elétricos.

Prof. Uanderson Rebula


RISCO - RUÍDO
PROTEÇÃO E CONTROLE AUDITIVO

Efeitos do Ruído na Audição


Perda Auditiva Permanente

Ocorre pela exposição repetida, durante longos períodos de tempo,


a ruídos de alta intensidade.

É irreversível, pois destrói


as células ciliadas.

É também conhecida como Hipoacusia,


Disacusia ou Surdez Ocupacional.

Prof. Uanderson Rebula


RISCO - RUÍDO
PROTEÇÃO E CONTROLE AUDITIVO
Efeitos do Ruído a Saúde
Fadiga

Tontura Dor de cabeça

Insônia Zumbido

Stress

Prof. Uanderson Rebula


RISCO - RUÍDO
PROTEÇÃO E CONTROLE AUDITIVO
Efeitos do Ruído a Saúde
Elevação da
pressão arterial
Impotência nos Nervosismo e
Homens Irritabilidade

Alterações no ciclo Dificuldade de


menstrual das compreensão
mulheres da fala
Contrações
Musculares
Prof. Uanderson Rebula
RISCO - RUÍDO
PROTEÇÃO E CONTROLE AUDITIVO

Efeitos do Ruído no Ambiente de Trabalho


Dificuldades na Comunicação

Dificuldades de Concentração

Redução da Atenção

Baixo Rendimento

Acidentes de Trabalho

Prof. Uanderson Rebula


RISCO - RUÍDO
PROTEÇÃO E CONTROLE AUDITIVO

Ruído no Dia a Dia


Na vida moderna, o uso excessivo de aparelhos de som e de fones de
ouvido (MP3), do trânsito, das barulhentas casas de espetáculo,
discotecas, bares noturnos com música ao vivo e outros, contribuem para
provocar a perda auditiva.
Apenas algumas horas em uma discoteca, expondo o delicado aparelho
auditivo a níveis de ruído que variam entre 110 e 115 dB(A), pode
desencadear um trauma acústico.
A seguir veremos algumas informações que ajudarão a entender melhor
algumas questões sobre a exposição de pessoas ao ruído.

Prof. Uanderson Rebula


RISCO - RUÍDO
PROTEÇÃO E CONTROLE AUDITIVO

Prof. Uanderson Rebula


RISCO - RUÍDO
PROTEÇÃO E CONTROLE AUDITIVO

Fontes Geradoras de Ruído

Trânsito Ferroviário
Equipamentos
Industriais em
Operação

Prof. Uanderson Rebula


RISCO - RUÍDO
PROTEÇÃO E CONTROLE AUDITIVO

Fontes Geradoras de Ruído

Máquinas Móveis em Máquinas Operatrizes em


Operação Operação
Prof. Uanderson Rebula
RISCO - RUÍDO
PROTEÇÃO E CONTROLE AUDITIVO

Fontes Geradoras de Ruído

Ferramentas manuais,
elétricas e pneumáticas

Prof. Uanderson Rebula


RISCO - RUÍDO
PROTEÇÃO E CONTROLE AUDITIVO
Equipamentos de Avaliação Ambiental e Pessoal de Ruído
Medidor de Nível de Pressão
Sonora Medidor Integrador de Uso
Pessoal
(Decibelímetro)
(Dosímetro de ruído)

Avaliação Pessoal
Avaliação Ambiental
Prof. Uanderson Rebula
RISCO - RUÍDO
PROTEÇÃO E CONTROLE AUDITIVO

Para realizar as avaliações de ruído deve-se


seguir a Norma de Higiene Ocupacional -
NHO - 01, disponível para download no
seguinte endereço:
http://www.fundacentro.gov.br/CTN/nho01.asp

TÍTULO:
Procedimento técnico para avaliação da exposição
ocupacional ao ruído.

OBJETIVO DESTA NORMA:


Estabelecer critérios e procedimentos para a
avaliação da exposição ocupacional ao ruído.

Prof. Uanderson Rebula


RISCO - RUÍDO
PROTEÇÃO E CONTROLE AUDITIVO
Algumas regras da NHO-01
Posicionamento do Dosímetro de Ruído

Microfone

Dosímetro
de Ruído

Prof. Uanderson Rebula


RISCO - RUÍDO
PROTEÇÃO E CONTROLE AUDITIVO

Procedimento Obrigatório em Qualquer Avaliação de Ruído

94dB

Calibrador Acústico 94dB


Calibração do
Equipamento

Prof. Uanderson Rebula


RISCO - RUÍDO
PROTEÇÃO E CONTROLE AUDITIVO
Fornecer um questionário

Antes de iniciar a medição, os


trabalhadores devem ser
informados sobre:

⇒ o objetivo do trabalho;

⇒ que a medição não deve interferir nas


atividades habituais, devendo manter sua
rotina de trabalho;

⇒ que os aparelhos não gravam


conversas;

⇒ que o microfone nele fixado não pode


ser tocado ou obstruído.

Prof. Uanderson Rebula


Alguns conceitos importantes
RISCO - RUÍDO
PROTEÇÃO E CONTROLE AUDITIVO
Dose: parâmetro utilizado para caracterizar a exposição ao ruído, expresso em % de
energia sonora, tendo por referência o valor máximo da energia sonora diária
admitida, definida com base em parâmetros preestabelecidos (q. CR, NLI).

A NHO 01 preconiza que, ao avaliar a exposição do trabalhador ao ruído, o critério de


referência que embasa os limites de exposição diária adotados corresponde:
a uma dose de 100% para exposição de 8 horas ao nível de 85 dB(A).

Dose 100%

85dB ---- 10 horas ---- dose 125%


Se um trabalhador ficar exposto a
85 dB por MAIS de 8 horas, a dose, Dose = T. exposição. X 100 T. exposição ------10h
evidentemente, será >100%: T. máx. perm. T. máx. perm. --- 8h

Dose = 10
Prof. X 100 = 125%
Uanderson Rebula
8
OU SEJA... RISCO - RUÍDO
PROTEÇÃO E CONTROLE AUDITIVO Dose 100%

Se expor a 2h a
ruído de 100dB,
dose = 200%

Se expor a 1h30’h
a ruído de 100dB,
dose = 150%

Se expor a 1h a
ruído de 100dB,
dose = 100%

Se expor a 45’h a
ruído de 100dB,
dose = 75%

Se expor a 30’h a
ruído de 100dB,
dose = 50%
Dose 100%

Regra geral: Tempo maior que o limite de exposição terá dose > 100%
Prof. Uanderson Rebula
RISCO - RUÍDO
PROTEÇÃO E CONTROLE AUDITIVO
EXEMPLOS: determinar as doses da exposição
ao ruído dos casos abaixo:

CASO 1: CASO 3: CASO 5:


Tempo de exposição = 8 horas Tempo de exposição = 4 horas Tempo de exposição = 2 horas
ruído médio = 85dB(A)? ruído médio = 90dB(A)? ruído médio = 95dB(A)?
Dose = 100% Dose = 100% Dose = 100%
Dose = 8 X 100 = 100% Dose = 4 X 100 = 100% Dose = 2 X 100 = 100%
8 4 2

CASO 2: CASO 4: CASO 6:


Tempo de exposição = 4 horas Tempo de exposição = 2 horas Tempo de exposição = 1 hora
ruído médio = 85dB(A)? ruído médio = 90dB(A)? ruído médio = 95dB(A)?
Dose = 50% Dose = 50% Dose = 50%

Dose = 4 X 100 = 50%


Dose = 2 X 100 = 50% Dose = 1 X 100 = 50%
8
4 2

Prof. Uanderson Rebula


Dose = T. exposição. X 100
RISCO - RUÍDO T. máx. perm.

PROTEÇÃO E CONTROLE AUDITIVO


Se, durante a jornada de trabalho (8 horas), um trabalhador fica exposto ao
ruído nas seguintes condições:

dB T. exp. T. máx. perm. Sua dose de ruído será...


80 1h não consta
84 2h não consta
85 4h 8h 50%
90 1h 4h 25% 75%

Ou ainda...

dB T. exp. T. máx. perm. Sua dose de ruído será...


86 1h 7h 15%
92 2h 3h 66%
100 4h 1h 400% 506%
90 1h 4h 25%

Prof. Uanderson Rebula


Isto nos leva à seguinte conclusão:
RISCO - RUÍDO
PROTEÇÃO E CONTROLE AUDITIVO
NR9 - 9.3.6. Do nível de ação:
Deverão ser objeto de controle sistemático as situações que apresentem exposição ocupacional
acima dos níveis de ação, conforme indicado nas alíneas que seguem:

b) para o ruído, a dose de 0,5 (dose superior a 50%), conforme critério estabelecido na
NR 15, Anexo I, item 6.

NHO 01
Sempre que a dose diária de ruído determinada for superior a 100%, o limite de exposição estará
excedido e exigirá adoção de medidas de controle.

Considerações técnicas e a
situação recomendada em função
da Dose Diária encontrados na
condição de exposição avaliada.

Prof. Uanderson Rebula


Alguns conceitos importantes
RISCO - RUÍDO
PROTEÇÃO E CONTROLE AUDITIVO
Dose Diária: dose referente à jornada diária de trabalho.

Dosímetro de Ruído: medidor integrador de uso pessoal que fornece a dose da exposição
ocupacional ao ruído.

Nível de Exposição (NE): nível médio representativo da exposição ocupacional diária.

nível de ruído representativo da exposição ocupacional


relativo ao período de medição, que considera os diversos
valores de níveis instantâneos ocorridos no período e os
parâmetros de medição predefinidos.

Nível de Exposição Normalizado (NEN): nível de exposição, convertido para uma


jornada padrão de 8 horas diárias, para fins
de comparação com o limite de exposição.

Limite de Exposição (LE): parâmetro de exposição que representa condições sob as


quais acredita-se que a maioria dos trabalhadores possa
estar exposta, repetidamente, sem sofrer efeitos adversos à
sua capacidade de ouvir e entender uma conversão normal.

Prof. Uanderson Rebula


RISCO - RUÍDO
PROTEÇÃO E CONTROLE AUDITIVO

CRITÉRIOS E PROCEDIMENTOS
DE AVALIAÇÃO

Existem 2 critérios para avaliar ruído:

• por meio da dose diária.


• por meio do nível de exposição.

Prof. Uanderson Rebula


DOSE DIÁRIARISCO - RUÍDO NÍVEL DE EXPOSIÇÃO
PROTEÇÃO E CONTROLE AUDITIVO
A determinação da dose deve ser feita A avaliação deve ser feita por meio de
por meio de medidores integradores medidores integradores de uso pessoal.
de uso pessoal (dosímetro de ruído);
O Nível de Exposição – NE é o Nível Médio
representativo da exposição diária do
trabalhador avaliado.

limite de exposição ao ruído corresponde a


Para fins de comparação com o limite de
dose diária igual a 100%.
exposição, deve-se determinar o Nível de

X
Exposição Normalizado (NEN), que corresponde
ao Nível de Exposição (NE) convertido para a
jornada padrão de 8 horas diárias.
O nível de ação para a exposição ao ruído é
de dose diária igual a 50%.
Neste critério o limite de exposição diária ao
ruído será o NEN igual a 85 dB(A),

Sempre que o NEN – for superior a 85 dB(A), o


limite de exposição estará excedido e exigirá a
adoção imediata de medidas de controle.

Se o NEN estiver entre 82 dB(A) e 85 dB(A) a


exposição deve ser considerada acima do nível
de ação,
Prof. Uanderson Rebula
RISCO - RUÍDO
PROTEÇÃO E CONTROLE AUDITIVO
O Quadro a seguir apresenta considerações técnicas e a situação
recomendada em função da DOSE DIÁRIA ou do NÍVEL DE EXPOSIÇÃO
NORMALIZADO encontrados na condição de exposição avaliada.

Prof. Uanderson Rebula


RISCO - RUÍDO
PROTEÇÃO E CONTROLE AUDITIVO
Independente do critério utilizado,
estas regras são gerais:

1. As avaliações devem cobrir todas as condições de exposição habituais dos


trabalhadores;

2. Não avaliar quando houver situações não rotineiras (ex.: MP / equip. parado),
ou quando a atividade daquele dia estiver fora da rotina, ex. participação em
reuniões, palestras, exames periódicos, etc;

3. Obter informações administrativas (entregar questionário).

Prof. Uanderson Rebula


RISCO - RUÍDO
PROTEÇÃO E CONTROLE AUDITIVO

Medidas de Controle - Engenharia

As medidas de controle ambiental, são medidas de


engenharia que, introduzindo modificações nos
equipamentos, alteram as emissões de ruído na fonte
ou na trajetória, reduzindo a intensidade do ruído que
atinge o ouvido do trabalhador.

Exemplos:
hColocação de barreiras acústicas
hEnclausuramento de equipamentos
hInstalação de silenciosos

Prof. Uanderson Rebula


RISCO - RUÍDO
PROTEÇÃO E CONTROLE AUDITIVO

Atenuadores de Ruído em casas de


máquinas de geradores, ar
Silenciadores para atenuação de ruído
condicionado, centrais de ventilação,
em tubulações de vácuo, alta pressão
torres de resfriamento entre outros
e gases de escapamentos

Prof. Uanderson Rebula


RISCO - RUÍDO
PROTEÇÃO E CONTROLE AUDITIVO

Janelas Cabines
Acústicas
Acústicas
Reduzem
até 35 dB

Prof. Uanderson Rebula


RISCO - RUÍDO
PROTEÇÃO E CONTROLE AUDITIVO

Isolamento Acústico
O isolamento acústico consiste em criar barreiras
que bloqueiam o som indesejado, impedindo-o de
entrar ou sair de um ambiente. Essas barreiras
devem ser de material pesado, denso, como uma
parede de tijolos.

Prof. Uanderson Rebula


RISCO - RUÍDO
PROTEÇÃO E CONTROLE AUDITIVO

Medidas de Controle

Porta Dupla Portas de 50 mm


reduz 35 dB reduz 30 dB

Portas
Acústicas

Prof. Uanderson Rebula


RISCO - RUÍDO
PROTEÇÃO E CONTROLE AUDITIVO

Medidas de Controle - Administrativas

Audiometria
Portaria 19 - Anexo 6 da
NR 7 do MTE

Audiometria é o exame que avalia a audição


humana quantificando-a em grau e tipo.
O audiômetro é o equipamento utilizado para
realizar o teste. O mesmo emite tons
puros em várias intensidades e freqüências
possibilitando a avaliação por via aérea (fone).

Prof. Uanderson Rebula


RISCO - RUÍDO
PROTEÇÃO E CONTROLE AUDITIVO

Medidas de Controle - Administrativas

Mudança de Se constatado esta necessidade em razão dos


cargo/função resultados da audiometria.

Quando da existência de níveis de ruído de


Revezamento na grande intensidade nas áreas de trabalho,
atividade recomenda-se estabelecer revezamento entre os
trabalhadores expostos.

Treinamentos Item importante para conscientização e


conhecimento dos riscos envolvendo a
exposição a ruído.
Prof. Uanderson Rebula
RISCO - RUÍDO
PROTEÇÃO E CONTROLE AUDITIVO

Medidas de Controle - Individual

Outra maneira de se proteger dos efeitos do ruído é a


utilização de protetores auditivos.

O protetor auditivo deve ser utilizado durante


todo o tempo de exposição ao ruído, caso contrário, a
atenuação do protetor fica comprometida.

Prof. Uanderson Rebula


RISCO - RUÍDO
PROTEÇÃO E CONTROLE AUDITIVO

Equipamentos de Proteção Individual

Finalidade

O Protetor Auricular tem por


objetivo atenuar a potência da
energia sonora transmitida ao
aparelho auditivo.

Prof. Uanderson Rebula


RISCO - RUÍDO
PROTEÇÃO E CONTROLE AUDITIVO

Critérios Considerados na Escolha do Protetor Auditivo


O protetor auditivo deve proporcionar boa
Vedação vedação na entrada do canal auditivo.

O equipamento deve proporcionar o nível de atenuação


Eficiência necessário para a situação de risco encontrada.

Prof. Uanderson Rebula


RISCO - RUÍDO
PROTEÇÃO E CONTROLE AUDITIVO

Critérios Considerados na Escolha do Protetor Auditivo

Como o usuário precisa usar o protetor todo o


Conforto tempo em que estiver exposto ao ruído, o protetor
deve ser confortável e leve de forma que não
machuque o ouvido.

Fácil Utilização O equipamento deve ser prático e simples


de usar.

Prof. Uanderson Rebula


RISCO - RUÍDO
PROTEÇÃO E CONTROLE AUDITIVO

Critérios Considerados na Escolha do Protetor Auditivo

Compatibilidade com os
demais EPI´s

Prof. Uanderson Rebula


RISCO - RUÍDO
PROTEÇÃO E CONTROLE AUDITIVO

Tipos de Protetores Auditivos

Protetor auricular tipo Plug


de Inserção - Pré Moldado

Protetor tipo Concha

Na UPV deve
Protetor Auricular de
Espuma-Moldado ser utilizado
por visitantes

Prof. Uanderson Rebula


RISCO - RUÍDO
PROTEÇÃO E CONTROLE AUDITIVO
Uso Correto dos Protetores Auditivos
Protetor auricular tipo Plug de Inserção - Pré Moldado

Passe uma das mãos de trás da cabeça e puxe


levemente a parte superior da orelha e, com a outra
mão, introduza o protetor no canal auditivo.

Para retirar o protetor do ouvido, puxe o


protetor pela sua haste.
Evite puxar os protetores pelo cordão.

Prof. Uanderson Rebula


RISCO - RUÍDO
PROTEÇÃO E CONTROLE AUDITIVO
Uso Correto dos Protetores Auditivos
Protetor Tipo Concha
Alinhe a altura das conchas de acordo com o tamanho
de sua cabeça, de modo que as conchas cubram
completamente o ouvido.

Retire o excesso de cabelo que estiver entre o abafador


e o ouvido.

Certifique-se de que a vedação é satisfatória, sem a


interferência de objetos como elástico de Respiradores ou
armação de óculos, de modo a obter melhor desempenho.

As conchas devem ficar alinhadas verticalmente de modo a


proporcionar melhor vedação e não devem ser utilizadas
viradas para trás.

Prof. Uanderson Rebula


RISCO - RUÍDO
PROTEÇÃO E CONTROLE AUDITIVO
Uso Correto dos Protetores Auditivos
Protetor Auricular de Espuma - Moldado
Com as mãos limpas, aperte e role o protetor entre
os dedos até obter o menor diâmetro possível.

Para facilitar a colocação, puxe a orelha para cima


e coloque o protetor no canal auditivo.

Usando o dedo indicador mantenha-o nesta posição


(aproximadamente por 30 segundos) até que ele tenha se
expandido.

Atenção: Na UPV deve ser utilizado apenas por visitantes.

Prof. Uanderson Rebula


RISCO - RUÍDO
PROTEÇÃO E CONTROLE AUDITIVO

Usos Incorretos dos Protetores Auditivos

Colocação

Desgaste

Mau Uso

Adaptação

Prof. Uanderson Rebula


RISCO - RUÍDO
PROTEÇÃO E CONTROLE AUDITIVO
Cuidados e Recomendações de Uso
Não manuseie o protetor auditivo com as mãos sujas.
Lave regularmente seu protetor auditivo, com água e sabão
neutro.

Após o uso ou toda vez que não estiver utilizando o


protetor, guarde-o na embalagem.

Utilize os protetores auditivos durante todo o período de


trabalho.

Quando o protetor estiver sujo, danificado ou com as fibras


endurecidas, troque-o por um novo.

Prof. Uanderson Rebula


RISCO - RUÍDO
PROTEÇÃO E CONTROLE AUDITIVO
Recomendação do professor para implementação de
PCA em uma empresa (Disponível no CD)

Prof. Uanderson Rebula


RISCO - RUÍDO
PROTEÇÃO E CONTROLE AUDITIVO

Cursos disponíveis no mercado

Cursos
disponíveis
no mercado

http://www.abpa.org.br/rj_capacitacao_cursos.htm Prof. Uanderson Rebula


RISCO - RUÍDO
PROTEÇÃO E CONTROLE AUDITIVO
Cursos
disponíveis
no mercado

http://www.pacin.com.br/
Prof. Uanderson Rebula