Você está na página 1de 7

BALANCETE DE VERIFICAÇÃO

Jonatan de Sousa Zanluca

O balancete de verificação é um demonstrativo auxiliar de caráter não obrigatório, que


relaciona os saldos das contas remanescentes no diário. Imprescindível para verificar se
o método de partidas dobradas está sendo observado pela escrituração da empresa. Por
este método cada débito deverá corresponder a um crédito de mesmo valor, cabendo ao
balancete verificar se a soma dos saldos devedores é igual a soma dos saldos credores.

Este demonstrativo deve ser levantado mensalmente segundo a NBC T 2.7, unicamente
para fins operacionais, não tendo obrigatoriedade fiscal, com suas informações extraídas
dos registros contábeis mais atualizados. O grau de detalhamento do balancete de
verificação deverá estar adequado a finalidade do mesmo. Caso o demonstrativo seja
destinado a usuários externos o documento deverá ser assinado por contador habilitado
pelo conselho regional de contabilidade (CRC).

Geralmente o balancete é levantado antes do início de um novo exercício, servindo


também como suporte aos gestores para visualizar a situação da empresa diante dos
saldos mensurados, sendo um demonstrativo de fácil entendimento e de grande
relevância.

Exemplo de um Balancete de Verificação

Balancete Mensal de Verificação. ABR/09


Contas Natureza Débito Crédito
Caixa
Bancos AC 4800 -
Duplicatas a Receber AC 10200 -
Mercadorias AC 6000 -
Imobilizado AC 9400 -
Fornecedores ANC 32000 -
Empréstimos e PC - 17800
Financiamentos PC - 10100
Capital Social PL - 28000
Lucros ou Prejuízos PL - 6500
Acumulados
Total 62400 62400
AC = Ativo Circulante
ANC = Ativo não Circulante
PC = Passivo Circulante
PL = Patrimônio Liquido

Nota: Contas de resultado com saldos remanescentes também devem ser inseridas no
balancete caso existam, neste exemplo supõe-se que antes da elaboração do
demonstrativo as contas foram apuradas na Demonstração do Resultado do
Exercício (DRE) e agora integram a conta de Lucros ou Prejuízos Acumulados.
Introdução:

Nos primeiro tutoriais após cada lançamento fazíamos um balanço patrimonial,


depois de algum tempo, percebemos que esse procedimento era inadequado devido à
quantidade de operações que uma empresa pode efetuar num único dia, se considerarmos
um mês inteiro então, seriam centenas e mais centenas de balanços.

Então começamos a trabalhar com os razonetes e só fazíamos os balanços quando


era solicitado.

Porém fazer o balanço algumas vezes também tem o seu inconveniente, vocês já
perceberam?

Que é o de ter que ficar zerando os saldos das contas de despesas e receitas,
transferindo-os para a conta de Apuração do Resultado do Exercício, e após para finalizar
transferíamos para a uma conta dentro do Patrimônio Liquido, que podia ser a conta de
Lucros do Exercício ou Prejuízos do Exercício.

Isso é trabalhoso não?

Feito o balanço, só tínhamos apresentadas as contas de ativo, passivo e patrimônio


liquido, faltavam as contas de resultado (CUSTOS, DESPESAS e RECEITAS). Ai tínhamos que
elaborar a DRE.

Ou seja, é um trabalho atrás de outro trabalho não?

Para resolver tal impasse temos um outro demonstrativo contábil, que e chamado de
BALANCETE DE VERIFICAÇÃO ou BALANCETE.

Mas o que seria o balancete de verificação?

O balancete de verificação é uma demonstração parecida com balanço no inicio, ou


seja, apresenta o saldo todas as contas patrimoniais, e ainda apresenta o saldo das contas
de resultado, num único demonstrativo.

Antigamente ainda tínhamos um outro impasse que era resolvido com a utilização do
Balancete de Verificação, sabemos que para cada valor a debito teremos um credito em igual
valor certo?. Logo, todos os lançamentos a créditos devem ser iguais a todos os lançamentos
a debito. Certo? E que é esse mecanismo que faz o balanço fechar, ou seja, ativo é igual ao
passivo.

No passado a contabilidade era feita manualmente, não tínhamos sistemas


informatizados como os de hoje, então estávamos sujeitos a muito mais erros (troca de
valores, erros de valores e etc) que ocasionavam de a soma dos débitos não serem iguais a
soma dos créditos, conseqüentemente o balanço não fechava.

Então o que contador fazia, pegava todos os saldos finais das contas no livro razão
(razonetes não existe na pratica só para fins de aprendizagem), e para cada conta colocava
o seu respectivo saldo e ainda indicava se era credor ou devedor, assim na conta caixa, ele
indicava o seu saldo final de R$ 1.000,00 DV (por exemplo) e assim com todas as demais
contas.

Quando acabasse esse procedimento, bastava somar todos os saldos finais CREDOR
e depois todos os saldos finais CREDOR, se um fosse igual ao outro, caso ele efetuasse o
zeramento das contas de resultado naquela hora o balanço teria que fechar, a não ser que
ele errasse em algum lançamento na hora de zerar as contas.

Parece meio complicado não, mais vamos exemplificar:

Considere o seguinte balanço inicial.


Faca as seguintes operações:

1 – Compra a prazo de R$ 500,00 de mercadoria a prazo.


2 – Pagamento de R$ 900,00 de fornecedores
3 – Venda de R$ 400,00 de mercadorias por R$ 700,00 a vista.

Após apure o resultado e faca o novo balanço patrimonial, e depois a DRE.

Os lançamentos ficariam assim:

Bem, até aqui temos todas as operações contabilizadas, somente para efeito de
melhor compreensão do balancete de verificação vamos fazer os lançamentos de apuração
do resultado em novos razonetes, já considerando os lançamentos efetuados.

Vamos agora fazer o balanço patrimonial e ver como ficará:


Agora a DRE:

Bom vamos aprender agora como é feito o Balancete de Verificação, e


compararemos as semelhanças entre ambos.

Balancete de Verificação:

O primeiro passo para elaborar o balancete de verificação é dispor de todos os


razonetes com todas as operações contabilizadas, que são os primeiros razonetes que
fizemos, acima, onde deixei uma observação dizendo que seriam para facilitar a feitura do
balancete.

O objetivo disso é demonstrar que para fazermos o balancete de verificação temos


que partir desse ponto.

Vejamos os razonetes com todas as operações contabilizadas (antes do zeramento


das contas de resultado).

O segundo passo é acharmos o saldo de cada conta, e indicar se ela é credora ou


devedora. Achar o saldo da conta no momento, não é mais mistérios nenhum basta
somarmos os lançamentos de cada lado do razonete e diminuir o maior saldo do menor. O
saldo será devedor ou credor, se o resultado encontrado estiver no lado do débito ou do
crédito.

Por exemplo, o saldo da conta Bancos é de R$ 800,00 DEVEDOR, ou R$ 800,00 DV.


Como achamos esse saldo, primeiro eu somei todos os lançamentos que estavam no
lado do debito do razonete (1.000,00 de saldo inicial + 700,00 do lançamento n.º 3),
totalizando R$ 1.700,00 DEVEDOR.

Após eu somei todos os lançamentos a crédito na conta, que na verdade é só um


lançamento, porem se fosse mais teríamos que somar, logo, chegamos ao saldo de R$
900,00 CREDOR.

Diminuindo o maior (R$ 1.700,00 DEVEDOR), do menor (R$ 900,00 CREDOR),


temos um saldo de R$ 800,00 DEVEDOR.

Entendido isso podemos apurar o saldo de todas as contas, por enquanto


utilizaremos as siglas CR para indicar um saldo credor e a sigla DV para indicar um saldo
devedor.

Vamos apurar o saldo de todas as contas.

Esse modelo acima de Balancete de Verificação podemos dizer que seria um


Tiranossauro-Rex, dos balancetes, bem pré-histórico, na verdade existe outras formatações
que veremos mais adiante, mais já serve para entendermos a finalidade do balancete.

O primeiro ponto a ser reparado, e quanto abrangência, vejam que apresentamos


todas as contas de ativo, passivo, receita e custo, se houve conta de despesa essa seria
apresentada.

Ou seja, no balancete temos uma parte das informações que aparecem no balanço,
vejam que o saldo das contas de BANCOS, MERCADORIAS, CLIENTES, FORNECEDORES E
CAPITAL SOCIAL, são idênticas as apresentadas no balanço.

Temos também uma boa parte das informações que estavam na DRE percebam que
o valor apresentado nas contas de RECEITA DE VENDAS e CMV são os mesmo que estavam
na DRE.

Qual foi a conta que tem no balanço que o balancete de verificação não mostrou? A
conta de Lucros do Exercício.

E qual a conta que tem na DRE que o balancete não mostrou? A conta de Lucros do
Exercício.

Ou seja, uma única conta que não foi mostrada, que é comum aos dois
demonstrativos. Voltaremos a falar dessa diferença depois.

Vamos continuar, com a nossa analise.

Outro ponto é quanto a forma de apresentação, vejam que primeiro foi apresentada
as contas de ATIVO, depois as contas de PASSIVO e PATRIMONIO LIQUIDO. Essas contas
devem ser apresentadas sempre nessa ordem primeiro ativo e depois passivo e patrimônio
líquido.

Logo depois apresentamos as contas de Receita e Custo, se houvesse conta de


DESPESA também seria apresentada, aqui não tem ordem para apresentação, porém é mais
comum apresentarmos primeiro a Receita depois o Custo depois a Despesa, pois fica até
parecido com a DRE, mais isso é caso a caso.
Vamos agora quanto ao ponto crucial, como saberíamos que se apurássemos o
resultado, nosso ativo seria igual ao passivo?

Vejam que ao lado de cada valor temos a sigla da natureza do saldo da conta CR
para CREDOR e DV para DEVEDOR, basta somarmos todos os saldos devedores, e depois
somarmos todos os saldos credores, os resultados devem ser iguais.

Vamos ver?

Saldos devedores:

Com saldos devedores, temos as contas de Bancos, Clientes, Mercadorias e CMV,


que somando os saldos temos R$ 3.800,00 DEVEDOR.

Somando os saldos credores teríamos R$ 3.800,00 CREDOR, que é a soma dos


saldos das contas de Fornecedores, Capital Social e Receita de Vendas.

Isso indica que se efetuarmos os lançamentos de apuração do resultado, nosso


balanço fecharia.

Mas vamos entender por que podemos dizer que o balanço fechará.

Primeiro já vimos que as contas patrimoniais (BANCO, CLIENTES, MERCADORIAS,


FORNECEDORES e CAPITAL SOCIAL), estão com o mesmo saldo, tanto no balanço quanto no
balancete, isso porque fizemos o balancete já considerando todas as operações do mês. E
além do mais essas contas não são envolvidas na apuração do resultado, onde zeramos
somente as contas de resultada (CUSTOS, DESPESAS e RECEITAS).

O primeiro ponto que faz diferença são as contas de RECEITA, CUSTOS e DESPESAS,
se percebemos bem, a diferença do balanço para o balancete, é que no balancete essas
contas são mostradas pelos seus saldos totais, e que no balanço essas contas não são
mostradas pelos saldos totais e sim pela diferença entre elas, assim no balanço temos um
único valor que mostra a diferença entre as contas de resultado, no balanço, mostramos a
conta de Lucros do Exercício com o saldo de R$ 300,00 que é a diferença do saldo da conta
de Receita de Vendas menos o saldo da conta de CMV (700,00 – 400 = 300).

Então se pegássemos o nosso balancete:

Somássemos todos os valores devedores, teríamos R$ 3.800,00 diminuindo o saldo


da conta de CMV que é de R$ 400,00 temos um total de R$ 3.400,00, isso porque na
verdade o CMV vai ser apurado contra o saldo da conta de Receita de Vendas, e o resultado
vai ser demonstrado numa conta dentro do PATRIMÔNIO LIQUIDO, no nosso caso Lucros do
Exercício.

Esse total de R$ 3.400,00 já se iguala ao total do ativo que apuramos no balanço.

Vamos agora fazer o mesmo nos saldos credores, temos um total de R$ 3.800,00,
diminuindo o saldo da conta de Receita de Vendas (700,00), temos um total de R$ 3.100,00,
que não é igual ao total do nosso passivo, que é de R$ 3.400,00, ou seja, temos uma
diferença de R$ 300,00.

Essa diferença é justamente o valor que sobrará se diminuirmos o valor da conta de


RECEITA DE VENDAS, menos o valor da conta de CMV. Que resultará em R$ 300,00, que
nada mais é do que o LUCRO DO EXERCICIO que apuramos acima, lembrando que esse valor
apurado, é de natura CREDORA, ou seja o seu saldo é CREDOR, voltamos agora aos R$
3.100,00 CREDOR, se somássemos com mais os R$ 300,00 CREDOR, teríamos R$ 3.400,00
CREDOR, agora o nosso saldo CREDOR, fica igual ao nosso passivo.

Isso acontece por causa do mecanismo da contabilidade onde temos que ter sempre
um débito e um crédito de igual valor.

Resumindo o Balancete de Verificação mostra que temos R$ 3.800,00 em valores a


débito independente se tais valores são de contas de ativo ou não, e o mesmo contas as
contas credoras, independente se esses saldos são de contas do passivo e patrimônio liquido
ou não.

Nos próximos tutoriais, vamos aprender outros modelos de Balancetes de Verificação


e conforme formos prosseguindo, os exercícios ajudarão a entender isso melhor.

Mais somente por curiosidade vamos ver se que o vimos acima é verdade, agora
vamos utilizar um balancete com os valores a débitos diferentes dos valores a créditos:

Vejam que é o mesmo balancete do outro exercício, a única alteração foi que diminui
R$ 100,00 do saldo da conta de CMV.

Somando os saldos, devedores temos R$ 3.700,00 e os saldos credores temos R$


3.800,00.

Tentem fazer o balanço, a apuração do resultado e vejam se o balanço fecha, no


próximo tutorial “corrigiremos”.

Lembrem-se que as contas de Ativo, Passivo e Capital Social já estão contabilizadas,


logo a única coisa que deve ser feita é apurar o lucro ou prejuízo, colocar no grupo do
patrimônio liquido, e ver se o balanço esta fechando.