Você está na página 1de 6

AIRVIEW 2 -

O Analisador espectro AirVIEW da Ubiquiti


Networks é uma ferramenta que permite ao
administrador de redes wireless determinar
canais sobrecarregados e possíveis fontes de
interferência que prejudicam a performance
de redes sem fio.

As grandes vantagens do AirView2 sobre os


analisadores de espectro profissionais são
seu baixo custo de aquisição (US$ 60,00) e
sua facilidade de utilização.

O AirVIEW tem o formato de um pendrive e está disponível para 2.4 GHz e


900 MHz. A Ubiquiti não pretende comercializar a versão de 5.8 GHz do
AirView porque a nova linha de produtos AirMAX trará analisador de espectro
incorporado ao sistema operacional do equipamento.

Nos links abaixo você encontrará maiores informações sobre o AirVIEW:


• página do produto
• software de instalação
• simulador web do AirVIEW

Usando o AirVIEW pela primeira vez:


Passo 1 – Baixe o software de instalação para sua versão de sistema
operacional e prossiga com a instalação.
Passo 2 – Conecte o AirVIEW a uma porta USB do equipamento onde você
instalou o software. Siga as instruções do seu sistema operacional até o
término da detecção do AirVIEW.

Passo 3 – O programa de instalação criou um atalho no desktop do meu PC


com Windows-XP. Encontre o ícone do programa AirVIEW e dê um duplo click
para rodá-lo.
Passo 4 – Ao início da execução o programa vai procurar o dispositivo USB do
AirVIEW e lançará uma tela com 3 imagens horizontais (tela 01).

Taxa de ocupação dos canais.

Intensidade das ondas de


rádio frequência.

Análise em tempo real e


histórico de ocorrências.
Taxa de ocupação dos canais:
Quanto maior a intensidade do sinal, mais alta a barra azul. Na imagem
abaixo você observa atividade nos canais 1, 2 , 3, 4, 5, 12 e 13. Parece que
neste cenário os melhores canais para instalar um novo Ponto de Acesso (AP)
ficam entre os canais 6 e 11.

No gráfico acima dois AP operam nos canais 2 e 3 (são os rádios aqui de casa).
Nos canais 12 e 13 existe sinal, mas o origem é desconhecida.
É importante notar que no gráfico acima os canais 1, 4 e 5 acusam ocupação
sem ter AP operando na frequência. Isto ocorre porque a utilização de um AP
gera Radio Frequência (RF) a esquerda e a direita do canal utilizado.

Intensidade das ondas de rádio frequência:


No gráfico abaixo você tem uma visão da propagação da rádio frequência. A
onda em formato de “cogumelo” (esquerda) é característica de equipamento
wireless gerando sinal (AP). Na região entre 2470 e 2475 um forno de micro-
ondas gerou interferência. Observe o formato quadrado da onda gerada pelo
forno.

Verifique na legenda dBm do gráfico acima que o sinal do AP tem intensidade


média entre -70 e -60 dBm. O forno de micro-ondas gerou sinal com
intensidade de -75 dBm. Se o meu AP estivesse operando no canal 11, parte
do meu espectro estaria “contaminado” pelo sinal do forno de micro-ondas.

OBSERVAÇÃO:
Se eu optasse pelos canais 12 e 13 (fora da faixa de frequência determinada pela
ANATEL - canais 1 a 11) minha conexão cairia sempre que usassem o micro-ondas.

Acima espectro normal. Abaixo espectro alterado por forno de micro-ondas ligado.
Análise em tempo real e histórico de ocorrências:
O gráfico a seguir mostra a operação em tempo real de um analisador de
espectro.
• As ondas verdes representam nível de ruído.
• A linha amarela representa atividade atual no espectro.
• A linha azul mostra pico de intensidade desde o início do teste.
• As bolinhas amarelas são marcadores que, neste gráfico, corresponde
aos dois AP aqui de casa.

Análise do Gráfico e interpretação do formato da onda:


A linha azul em formato de “bigorna” demonstra a assinatura
do sinal gerado por um forno de microndas.

Compare a linha azul com a parte superior do gráfico e veja


que um forno de micro-ondas tem seu sinal quadrado com a
parte superior reta (ou menos aguda e mais sinuosa).

Os dois picos agudos à esquerda da tela (em forma de M) são


ruídos de RF de um provedor wireless da região.

Perceba que no momento da captura desta tela o forno de


micro-ondas não estava em funcionamento, porque a linha
amarela está abaixo da faixa de ruído (verde).

A onda em forma de “cogumelo” é


característica de ponto de acesso (AP).

O ponto redondo no gráfico ao lado é


um marcador inserido manualmente
para representar cada um dos meus
APs em funcionamento. No marcador é
possível ler a frequência em uso e a
intensidade do sinal em tempo real.

A linha amarela em forma de triangulo


(acima de 2430) é característica de
telefone sem fio.

O triangulo agudo formado pela linha amarela (entre 2410 e 2415) é


característico de um Ponto de Acesso e faz parte do sinal gerado pelo meu AP.
No gráfico abaixo o analisador de espectro está rodando há algumas horas e é
possível identificar com maior clareza os canais com maior utilização do
espectro (gráfico Waveform View).

• Canal 1 – Tem um pixel verde que indica atividade moderada.


• Canais 2 e 3 – São meus dois APs (representados pelas bolinhas
amarelas) tem atividade tão baixa que não aparece pixel.
• Canal 6 – Acusa atividade moderada pra alta. Se o sinal fosse muito
mais amplo seria recomendável não usar esse canal. Entretanto,
perceba na legenda de dBm (esquerda) que o sinal está abaixo de -90
dBm. Isto significa que o sinal existe, mas é fraco demais para causar
“congestionamento” do espectro.
• Canal 8 – Pixel vermelho, atividade intensa. Existe também outro pixel
verde (logo acima do vermelho) indicando que mais de um AP opera
nessa frequência.
• Canais 10 e 11 – Pixel vermelho localizado entre os dois canais indica
excesso de uso nos dois canais ou algum AP modificado trabalhando
entre os canais para ficar oculto dos receptores padrão.
• Pontos nas extremidades (esquerda e direita) – Representam
equipamentos operando em bandas adjacentes. Já percebemos que o
forno de micro-ondas opera logo acima do canal 11. Então, estas fontes
de RF estão bem longe e não causarão problemas.

COMPLEMENTAÇÃO:
Já havia encerrado e publicado este tutorial quando percebi a mudança que faz
trafegar dados no canal. É muito bacana ver o espectro se formar. As
informações com e sem tráfego leva a interpretações diferentes.

Os gráficos a seguir foram gerados usando dois equipamentos AP, um router


DLINK e um BULLET2 da Ubiquiti. Observe a diferença de irradiação dos dois
equipamentos.
ACCESS POINT D-LINK (Canal 2, 802.11G, 54mbps) Tráfego 10mbps/5min

Interessante observar como o ruído de fundo aumenta com o tráfego pesado.


Observe também como a irradiação tende a intensificar na região do canal 5,
deixando a onda de RF meio “vesga”.

ACCESS POINT BULLET (Canal 3, 802.11G, 54mbps) Tráfego 10mbps/5min.

Achei interessante a linha dupla formada pelo Bullet da Ubiquiti. Creio que isto
ocorre por causa da antena de 12dBi, mas não tenho certeza.
No teste com o Bullet a onda de RF “vesga” se repetiu. Creio que seja algo
relacionado com o cartão de rádio do notebook.
O ruído de fundo aumentou, mas isso é resultado da antena muito forte e o
excesso de potência no rádio (20dBm).
O excesso de ruído de fundo nesta configuração comprova que potência no
último e antena forte NÃO É sinônimo de melhor sinal. Tirando uma média das
duas faixas, a diferença entre sinal e ruído é de aproximadamente 10 dBm.
ACCESS POINT BULLET (Canal 6, 802.11G, 54mbps) Tráfego 10mbps/5min.

No gráfico acima baixei a potência do Bullet para 10dBm (estava em 20 antes),


mas ainda é muito forte para a distância atual.
A mudança na intensidade do sinal é aparente e focou próximo de -50dBm,
resultando na diferença entre sinal e ruído de 30dBm.
Em outras palavras: cortei a potência de transmissão em 50% e ganhei
300% em intensidade de sinal limpo.

É importante notar que a onda de RF ficou mais uniforme operando no canal 6.


Não sei o motivo da distorção nos canais anteriores, mas logo no início deste
documento, quando não havia tráfego no canal, tudo levava a crer que os
canais 2 e 3 eram melhores porque havia menor atividade neles. Entretanto, o
tráfego visível no canal 6 era gerado pelo rádio “vesgo” do meu notebook.

CONCLUSÃO:
Pra definir o melhor canal de operação, é preciso testar várias condições de
uso e avaliar o comportamento da RF gerada pelos equipamentos em
operação.

Espero que estas informações tenham sido úteis

Abraço Fraternal,

José Alves Jr .·.


GranLabor Tecnologia
granlabor@granlabor.com

Você também pode gostar