Você está na página 1de 8

Aula referente à disciplina

Produção de TCC I

Olá, turma!

Espero que estejam bem!

Solicito a gentileza de preencherem os itens que apontarei abaixo para que

possam deixar todas as informações em um único documento. É importante

que o façam para que ajudem os orientadores a compreenderem o que cada

grupo pretende pesquisar.

Tema da monografia delimitado:

A influência da gestão humanizada na criação de valor da empresa.

Problema de pesquisa:

Empresas que investem na gestão humanizada geram em seus


funcionários engajamento e uma maior responsabilidade profissional, e em
razão disso, apresentam resultados financeiros positivos e maior lucratividade.
Nesse sentido, qual seria o potencial de ganho de uma determinada empresa,
implantando a gestão humanizada e como isso pode se repercutir no mercado?

Hipóteses:

A redução/equilíbrio no turnover beneficia a imagem da empresa preservando


o capital financeiro (bens) e o intelectual (pessoas), além de garantir redução
dos custos e potencializa ganhos financeiros.
Alcance de suas metas de forma indireta, por meio da satisfação de seus
trabalhadores no desenvolvimento de suas funções, resultando no aumento da
lucratividade.

Justificativa:
Um grande desafio que as empresas enfrentam atualmente é a inserção
da cultura, seus valores organizacionais e humanização no ambiente de
trabalho. A gestão humanizada possibilita conciliar na gestão das empresas,
o fortalecimento e visibilidade das marcas, o bem-estar dos funcionários tal
qual o interesse de ambos.
Ao disponibilizar um ambiente mais humano e acolhedor, que
proporciona bem-estar emocional e físico para que os funcionários
desempenhem suas atividades, as empresas esperam comprometimento,
seriedade e produtividade por parte dos trabalhadores. Diante disso,
identifica-se um salto qualitativo e quantitativo que beneficia todo o grupo:
empresa/colaborador/cliente/fornecedor.

Objetivo geral:

Identificar os ganhos financeiros e os níveis elevados na qualidade de vida dos


colaboradores alcançados por meio da implementação da gestão humanizada.
Demonstrar que o cuidado das relações internas e externas as companhias
geram aumento da lucratividade e como circunstância consolidam a imagem
da marca no mercado.

Objetivos específicos:

(OBS. Entre 3 a 4)

1. Diagnosticar as dificuldades na implementação da Gestão Humanizada.

2. Elucidar quais são os fatores que impedem a prática efetiva da Gestão


Humanizada.

3. Esclarecer qual o papel do líder para incorporar o desenvolvimento e


fazer com que os colaboradores se apropriem e sejam receptivos com as
mudanças de cultura e comportamento.

4. Instigar no colaborador comprometimento e produtividade na


realização de suas funções.
A partir daqui, incluam o que já produziram / estão produzindo.

Não se esqueçam de sempre incluir as referências, ao final do trabalho.

Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Conceito de Gestão Humanizada

Harmonizar a cultura organizacional de uma empresa equilibrando a busca pelo


lucro e o bem-estar dos funcionários não é tarefa simples.
Compreende-se por empresa humanizada aquela que tem o olhar voltado para
seus funcionários e/o ambiente, além de agregar outros valores que não somente a
lucratividade, resultados financeiros e alcance de metas. Elas promovem ações de
melhoria na qualidade de vida, diversidade no ambiente de trabalho como também
contribuem para o crescimento e desenvolvimento intelectual, emocional, espiritual e
os aspectos físicos das pessoas.
A gestão humanizada contempla as necessidades dos colaboradores e seus
stakeholders (pessoas e organizações que possuem algum tipo de interesse nos
processos e resultados da empresa e que são diretamente impactados por suas ações,
exemplificando alguns deles: clientes, fornecedores, funcionários, comunidades e
investidores) buscando e promovendo o equilíbrio sem que um grupo se beneficie mais
que o outro.
Referente a definição das relações humanizadas, (CHIAVENTATO, 2011)
orienta que "as relações humanas são as ações e as atitudes envolvidas a partir dos
contatos entre pessoas e grupos".
Preocupadas com a percepção que a sociedade em geral, os stakeholders e seus
funcionários têm do reconhecimento de suas marcas, atualmente as empresas
procuram por meio da gestão humanizada, transformar os seus ambientes
desenvolvendo ações que favoreça os seus interesses e de seus funcionários visando o
seu fortalecimento e visibilidade, pois uma marca exerce também uma função social,
desta maneira, as empresas necessitam de cuidados ao apresentar as decisões
publicamente pois elas possuem impacto que é perceptível ao público.
Não se trata de colocar o humano e a tecnologia em lados opostos, mas, em conectar
esses dois recursos indispensáveis nas empresas. O papel da gestão humanizada é
valorizar as pessoas, tornando mais próximos empresa e funcionário, sem perder o
foco das metas a serem alcançadas e a responsabilidade em obter lucro, o propósito é
garantir um ambiente de trabalho mais saudável e flexível para quem passa maior parte
de seu tempo fora de casa. “As organizações florescem a partir do compromisso e da
criatividade do ser humano.” (MACKEY; SISODIA, 2013).
Atualmente, devido a tantas mudanças no mundo e com a tecnologia, adotar
uma gestão humanizada é indispensável. Ela traz uma gestão dinâmica, criativa e
inteligente, fugindo daquela tradicional ideia de descrição de cargo e função, sendo
assim um desafio voltado, da melhor maneira possível, para o melhor aproveitamento
de seus colaboradores, proporcionando um ambiente mais saudável e flexível. Assim,
ela retém seus talentos, tendo maior vantagem competitiva no mercado.
Diante disso, é necessária uma transformação no ambiente de trabalho das
empresas, porém, não são todas as que se dispõe a essas mudanças, e são omissas em
relação às causas de apoio ambiente e qualidade de vida de seus trabalhadores. (DIAS,
2004).

Capítulo 1

Gestão Organizacional
1.1 História das Teorias da Organização

Em nossa forma de existir está intrínseca a ideia de organização. Basta refletir


sobre a própria constituição da vida, e mais precisamente dos seres vivos cuja
constituição natural é “orgânica”. O corpo humano é um verdadeiro “organismo”.
Vários são os órgãos, os processos e, inclusive, uma hierarquia de comandos. A
estrutura é complexa e pressupõe ritmo bem articulado de todos órgãos para que a
ação conjunta dos vários membros mantenha vivo e eficaz o único corpo em pleno
funcionamento. Talvez, essa analogia lance alguma luz na melhor compreensão
daquilo que se considera como “teoria da Organização” no contexto maior dos
processos de administração e gestão de negócios e pessoas.

Assim como o corpo humano, as organizações necessitam minimamente de uma


organização para que ocorra um bom funcionamento em todos os aspectos.
Cotidianamente arrumamos nossas casas para que cada coisa tenha seu devido
lugar. Em todos os cômodos, trabalhamos para que tudo fique organizado de uma
maneira lógica e racional. Igualmente nas organizações, todos os recursos (as
pessoas, materiais, administrativos) precisam estar distribuídos e alocados de
acordo com as suas funções para que o fluxo e desenvolvimento das atividades
decorram de maneira ordenada.

A Teoria Clássica formula uma Teoria da Organização, tendo por base a


Administração como uma ciência. A ênfase na estrutura visualiza a
organização como uma disposição das partes (órgãos) que a constituem,
sua forma e o inter-relacionamento entre essas partes. Essa teoria da
organização restringe-se apenas à organização formal. Para tratar
racionalmente a organização, essa deve se caracterizar por uma divisão do
trabalho e correspondente especialização das partes (órgãos) que a
constituem. (CHIAVENATO 2003, p. 93)

Para Taylor (1987), a organização e a Administração devem ser estudadas e


vistas
cientificamente e não empiricamente. A improvisação deve ceder lugar ao
planejamento e o empirismo, à ciência. Sua obra deve ser analisada,
principalmente, pela importância da aplicação de uma metodologia sistemática na
análise e na solução dos problemas de organização, no sentido de baixo para cima.
A teoria da organização formal não ignorava os problemas humanos da
organização, porém não conseguiu dar um tratamento sistemático à interação entre
pessoas e grupos informais, nem aos conflitos intra-organizacionais e ao processo
decisório. O taylorismo demonstrou que a maneira espontânea com que os
trabalhadores executavam suas tarefas era a mais fatigante, a menos econômica e
a menos segura.
Em 1947 surgiu a Teoria Comportamental, uma corrente baseada na psicologia
organizacional e que redimensiona e atualiza os conceitos da Teoria das Relações
Humanas. A abordagem comportamental também era conhecida por
behaviorismo, nome dado à Psicologia Comportamental. Em administração,
significa abordagem que enfatiza o sucesso organizacional por meio das variáveis
humanas dentro da organização. Um dos entusiastas do behaviorismo foi Herbert
Simon, economista estadunidense e pesquisador nos campos de psicologia
cognitiva, informática, administração pública, sociologia econômica e filosofia.
A Teoria Comportamental corrobora com a ideia de que as pessoas são capazes
de tomarem suas próprias decisões, sendo motivadas e estimuladas a contribuírem
da melhor maneira possível no ambiente de trabalho. Como seres sociáveis as
pessoas precisam ter contato humano seja em casa ou no trabalho, ter concepção
de pertencimento a um grupo e ser bem recebido por ele. Além disso, a Teoria
Comportamental apresenta outros fatores que são essenciais para o crescimento e
desenvolvimento da empresa: recursos humanos, motivação e turnover.

Teoria X e Y
Segundo McGregor, Teoria X e Y são dois estilos opostos de administrar: de
um lado, um estilo baseado na teoria tradicional, mecanicista e pragmática (a que deu
o nome de Teoria X), e, de outro, um estilo baseado nas concepções modernas a
respeito do comportamento humano (a que denominou Teoria Y).

Teoria X: baseia-se nas convicções errôneas sobre o comportamento humano.


Exemplo: As pessoas são:
• Preguiçosas e insensíveis, incapazes de sentir dor física;
• Evitam a responsabilidade a fim de se sentirem mais seguras;
• Precisam ser controladas e redigidas;

Teoria Y: baseia-se em concepções sem preconceitos a respeito da natureza humana.


Exemplo: As pessoas:
• Procuram e aceitam as responsabilidades;
• Criativas e competentes;
• Podem e devem ser motivadas.

A Teoria X representa o típico estilo de administração da Administração Científica de


Taylor, da Teoria Clássica de Fayol e da Teoria da Burocracia de Weber em diferentes
estágios da teoria administrativa: bitolamento da iniciativa individual, aprisionamento
da criatividade, estreitamento da atividade profissional por meio do método e da rotina
de trabalho[...] A Teoria Y é a moderna concepção de administração de acordo com a
Teoria Comportamental. A Teoria Y baseia-se em concepções e premissas atuais e sem
preconceitos a respeito da natureza humana[...] A Teoria Y propõe um estilo de
administração participativo e baseado nos valores humanos e sociais. Enquanto a
Teoria X é a administração por meio de controles externos impostos às pessoas, a
Teoria Y é a administração por objetivos que realça a iniciativa individual. As duas
teorias são opostas entre si.

1.2 Teoria da Motivação

Referências:

VERGARA, Sylvia; BRANCO, Paulo. EMPRESA HUMANIZADA: a organização necessária e possível. RAE
- Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 41 n. 2 abr./jun. 2001. Disponível em: <
http://www.scielo.br/pdf/rae/v41n2/v41n2a03>. Acesso em: 28 mar. 2020.

MACKEY John; SISODIA Raj. Capitalismo Consciente. Waltham: HSM, 2013. 77p.
CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à Teoria geral da Administração. Rio de Janeiro: Elsevier,2003.

______________. Introdução à Teoria geral da Administração. Rio de Janeiro: Elsevier, 2011.