Você está na página 1de 147

5992

ESTUDO SOBRE A COMPLETA RESTAURAÇÃO DE YISREL

Traduzido por
Moreh Yahusef Ben Avraham
Aliança Yisraelita Netsarim (NYA)
5992
A Completa Restauração de Yisrael !

Pelo Irmão Shaliach Moshe Yosef Koniuchowsky

Traduzido e Corrigido pelo Moreh Yahusef Ben Avraham da B’nay Yahushua Sinagoga no
Brasil- Filiado a NYA
www.verdadeironome.com.br www.synagoganetsarim.com.br www.yourarmstoisrael.org

A PRIMEIRA PARTE DE UMA SÉRIE CONTÍNUA SOBRE A COMPLETA


RESTAURAÇÃO DE YISRAEL!

Em Bereshit/Gn.13:14-16, YAHUAH nosso Aba/Pai Celestial prometeu à Avram (Abrão) a


terra de Canaã, bem como uma promessa de multiplicação física de sua zera (semente). À
Avram foi-lhe dito que esta promessa de multiplicação física seria tão grande e tão extensa que
a terra inteira seria literalmente cheia de sua semente. O verso 16 recorda-nos que no tempo
desta promessa for literal e venha a existir fisicamente, será absolutamente impossível para a
humanidade sequer contá-la, ou fazer um censo de alguma maneira, já que a humanidade é
totalmente impotente e incapaz de contar o pó da terra. Esta promessa é direta, absolutamente
não precisando interpretação ou explicação. A mesma semente herdará a terra e
eventualmente será conhecida como Yisrael. Em Bereshit/Gn.15:1-6, vemos a Avram
desejoso em ajudar a YAHUAH à cumprir a promessa de Bereshit/Gn.13,referente a
prematura e incorreta escolha do Gentil Eliezer,que não era descendente da própria zera ou
esperma de Avram, e ser a pessoa através de quem a promessa seria cumprida. No entanto,
YAHUAH conversa sério com Avram e lhe declara que Sua promessa de multiplicação física,
chegaria a ser um número que nenhum homem seria capaz de contar, não viria através de um
Gentil adotado ou uma eleição de segunda classe. Não! Nosso Aba/Pai Celestial ordenou que
seu herdeiro prometido viesse do próprio corpo ou esperma de Avram. Ele não seria adotado,
senão que seria um descendente físico de Avram. É através deste descendente físico, que
YAHUAH uma vez mais promete a Avram que sua descendência seria maior que as estrelas do
Shamayim/Céus. Obviamente, através da ciência moderna, nós sabemos que nossa galáxia
tem trilhões de estrelas, e que, supostamente, outras galáxias existem bilhões e trilhões de
estrelas. Estas estrelas em totalidade produzem um número que a humanidade não pode
sequer sondar ou pensar.

YAHUAH desafia a falta de habilidade de Avram em contar as estrelas com as palavras: - "Se
tu podes", no verso cinco. É devido à fé/emunah pura de Avram e à confiança em YAHUAH,
que ele recebe justiça imputada como resultado de sua crença e confiança na promessa de
YAHUAH. Note que há somente UMA promessa, não MUITAS promessas. Avram foi declarado
justo por fé/emunah na promessa de YAHUAH. Quem quer que fosse desta semente física, e
ela literalmente tem que ser mais que as partículas do pó do mar e das estrelas visíveis do céu.
Esta promessa deve ser tomada extremamente e somente num valor literal. Qualquer
tendência por espiritualizar esta promessa de qualquer maneira, é uma falta de fé/emunah na
devar/Palavra literal de YAHUAH. Isto seria o oposto a emunah-fé do mesmo Avram. Esta
promessa de beracha/bênção e multiplicação física é renovada em Bereshit/Gn.17:4, onde à
Avram lhe é dito que esta promessa lhe estabelecerá a ele como Aba/pai de muitas nações ou
"hamon goyim." (Ani hineh beriti itach vehayita le'av hamon goyim). Este termo "hamon
goyim" encontra-se também no verso 5 (Velo yikare od et shimecha Avram vehayah
shimcha Avraham ki av hamon goyim netaticha) e literalmente significa uma multidão
barulhenta de nações Gentílicas. Esta semente física que literalmente encherá o globo
terrestre, não será um grupo silencioso de amigos religiosos, mas eles serão uma multidão
grande e barulhenta, fazendo muito barulho e tumulto a respeito de YAHUAH e Sua

1
Besorah/Evangelho se doando à humanidade. O verso 6 de Bereshit/Gn.17, promete a Avram
que através desta semente da promessa, seriam manifestados reis. Isto, por suposto, está
falando a respeito dos reis que um dia constituiriam a Casa Real de Dauid (David) através da
qual viria o Messias (Mashiach) ao Seu trono. No verso 7, YAHUAH assegura-lhe a Avraham
(Abraão) que esta promessa de grandeza através da multiplicação física seria incondicional e
para sempre. Após a prova da fé/emunah de Avraham em Bereshit/Gn.22, YAHUAH renova a
promessa, devido à grande obediência de Avraham em atar a Yitzchak/Isaac no monte Moriah.
Nos versos 17 e 18, YAHUAH recorda a Avraham que é ele que herdará a promessa de
multiplicação física, quando um dia sua semente chegar a ser maior que as estrelas do
shamayim/céus e o pó da terra. No verso 18 vemos que desta semente que encheria a terra,
viria um (Mashiach/Messias), através de quem todas as famílias da terra seriam abençoadas.
Em Bereshit/Gn.24:60, a família de Rivka (Rebeca) ora profeticamente por ela para que seus
filhos cheguem a ser "Miríades de Povos" e governem sobre seus inimigos. (Em Bereshit/Gn.
26:4, vemos esta promessa de multiplicação física sendo renovada em Yitzchak, o filho de
Avraham. A ele lhe é dito que a sua zera será maior que as estrelas dos céus. Soa-lhe familiar?
Yitzchak chega a ser o herdeiro desta promessa, não Ishmael (Ismael). Por tanto, quando
YAHUAH cumpre esta grande e preciosa promessa, e que não será através de um Gentio
adotado como Eliezer ou um filho da carne como Ishmael (Ismael), senão através do filho da
promessa (Yitzchak), o herdeiro procedente do próprio corpo de Avraham. Galutyah/Gl.
4:28,confirma que somente Yitzchak é o filho da promessa. Qual promessa? A promessa de
multiplicação física que encheria a terra, e ainda possuiria a terra de Canaã como seu lar.
Bereshit/Gn.28:3,encontramos a Yitzchak abençoando a Yaakov (Jacó) e profetizando que a
promessa que YAHUAH deu à Avraham e à Yitzchak seria agora concedida sobre Yaakov e
não Esav (Esaú). Vemos que no verso 3,Yitzchak ora que a zera de Yaakov, fosse abençoada
e chegasse a ser uma "kehelat Goyim" ou "Assembléia de Nações."(Ve'El Shaday yevarech
otcha veyafrecha veyarbecha vehayita lekahal amim.)

Pela primeira vez nas Ketuvim/Escrituras obtemos uma pequena amostra do plano de
YAHUAH para encher a terra com a semente de Avraham, Yitzchak e Yaakov. O termo Ivri
(Hebreu) encontrado no verso 3 é "lekahal amim" ou Assembléia de nações ou ainda melhor,
uma "Assembléia de goyim." De alguma maneira, o Aba (Pai) encherá a terra com a semente
física de Avraham, Yitzchak e Yaakov ao juntar uma Assembléia de goyim. O verso 4, confirma
que o que Yitzchak está concedendo sobre Yaakov, nada mais é do que a bênção de Avraham.
É absolutamente crucial para nós entendermos, que não há muitas promessas feitas à
Avraham. Não há algumas que são espirituais e outras que sejam físicas. Em seu lugar, há
somente uma promessa e essa promessa contém os dois aspectos da bênção física. Um é a
semente que abençoaria as nações, sendo esta, Yahushua (nome hebraico original do
messias) o Messias mesmo, e a outra sendo meramente uma promessa de reprodução física e
multiplicação. Na narração da escada de Yaakov em Bereshit/Gn.28, encontramos a YAHUAH
dizendo à Yaakov que a sua semente seria espalhada como o pó da terra nos quatro cantos do
planeta. Em outras palavras, sua semente encontraria seu lar na terra de Canaã, mas de
alguma maneira, chegaria até os quatro cantos da terra através do plano de YAHUAH. Esta
promessa não é outra, senão que a concessão sobre Yaakov da promessa e bênção de
Avraham. A raíz do termo Hebreu da palavra UPARATZTAH usada em Bereshit/Gn.28 verso
14 é "parats", significando regar (http://biblesuite.com/hebrew/6555.htm). Literalmente significa
saltar e regar rapidamente.

Esta promessa de multiplicação física deveria vir através de Avraham, Yitzchak e Yaakov,
anulando, portanto qualquer indagação feita pelo Islã e os Ishmaelitas (Ismaelitas) ou qualquer
outra escola de estudos da escritura desorientada, na qual reclamam que esta promessa será
cumprida ao juntar aos Yahudim (Judeus) aos Muslim (Muçulmanos), isto é incorreto, já que
esta promessa deve vir através de Yitzchak e Yaakov e não através de Ishmael e Esav. Os
povos Ishmaelitas, Árabes e Muçulmanos são os descendentes físicos de Avraham somente,
mas não os herdeiros prometidos, Yitzchak e Yaakov. Eles não cumprem, repito, as normas
fixadas por YAHUAH quando Ele estabeleceu a Sua promessa de multiplicação física que viria
através de Avraham, Yitzchak e Yaakov. A fé do Islã não é a fé de Avraham, já que para ter a
fé de Avraham, alguém achará que foi Yitzchak e não Ishmael que foi a semente escolhida!
Encontramos a YAHUAH elaborando esta promessa à Yaakov em Bereshit/Gn.35 verso 11,
onde Ele declara à Yaakov que ele já não seria mais conhecido como Yaakov senão como

2
Yisrael. Yisrael significa alguém como príncipe que luta com Elohim e prevalece. É com Yisrael
que Yaakov produzirá o esperma que conduzirá ao estabelecimento de uma nação e uma
multidão de nações. A nação em curso está destinada a ser o povo Yahudi (Judeu) e a
companhia de nações será o "kehelat goyim" ou a Assembléia de nações (Gentílicas) que
procederão de seu próprio corpo. À medida que avançamos no tempo, encontramos a Yisrael,
o grande patriarca, morrendo na terra de Goshen em Mitzrayim (Egito) e reunindo a todos seus
filhos ao lado de sua cama enquanto ele está morrendo. De alguma maneira ele encontra
suficiente fortaleza e se apoia em sua bengala e começa a profetizar através do Ruach
Hakodesh (Espírito Separado), os eventos que ocorrerão aos seus filhos nos últimos dias. O
Brit Chadashah (Pacto Renovado-“N.T”) refere-se a estas profecias de Yisrael ao pé da cama
como um ato de adoração. Em Bereshit/Gn.48:5, ele adota aos filhos de Yahusef/José
nascidos no Egito, Efrayim e Menasheh (Manassés) como seus próprios filhos. Ele está
declarando sua última vontade e testamento ali mesmo diante de Yahusef (José). Ele
oficialmente adota a estes dois filhos de maneira que Yahusef, seu filho mais querido possa
receber uma dupla porção de bênção através de ambos os filhos (verso 22). No verso 16 de
Bereshit/Gn.48, ele chama a estes dois netos de "Yisrael", já que ele não só os adota, senão
que declara profeticamente que a promessa física de multiplicação mundial viria através deles.
Depois de declarar que deixe que meu nome seja invocado sobre eles, significando que eles
são os filhos de Yisrael, ele ora para que eles cheguem a ser uma multidão. O Termo Hebraico
usado aqui para multidão se pode ler como "Uma abundante multidão de peixes." É
interessante recordar que não foi senão nosso Messias Yahushua que declarou que Ele nos
faria pescadores de homens.

Poderiam muitos dos homens a quem Ele referia-se ser a "abundante multidão" de Efrayim e
Menasheh? Quando Yisrael está a ponto de pronunciar sua bênção, ele descansa sua mão
direita sobre Efrayím em lugar de Menasheh, que era o primogênito de Yahusef. Mão direita é
simbólica da beracha/bênção do primogênito e deveria ter repousado por direito sobre
Menasheh. No entanto, apesar dos protestos de Yahusef,Yisrael cruza suas mãos e coloca a
sua mão direita sobre o segundo dos filhos de Yahusef, em Efrayim. Quando Yahusef recusou
ver isso, Yisrael lhe diz para não se preocupar, pois ele sabia exatamente o que estava
fazendo e que, ainda que Menasheh chegue a ser uma grande nação, Efraím seria maior que
ele. Em Bereshit/Gn.48:19, temos uma das mais fascinantes e importantes profecias das
Ketuvim/Escrituras. Ao abençoar a Efrayím acima de seu irmão, Yisrael declara que a semente
ou zera de Efrayím chegará a ser o "Melo hagoyim", ou a "Plenitude dos Gentios." (Vayema'en
aviv vayomer yadati vni yadati gam-hu yihyeh le'am vegam-hu yigdal ve'ulam achiv
hakaton yigdal mimenu vezar'o yihyeh melo hagoyim. Em outras palavras a semente física
de Avraham, Yitzchak e Yaakov que foi prometida e literalmente encheria a terra um dia, como
a areia e pó da terra e como as kochavim hashamayim (estrelas do céus), agora viria a passar
através de Efrayím. Efrayím seria o veículo através do qual a grande e preciosa promessa
única de multiplicação física ocorreria literalmente. Em Inglês as palavras "meloh hagoyim"
podem ser traduzidas como a "Plenitude dos Gentios." Se este termo soa-lhe familiar, assim
deve ser. É uma passagem de Romiyah/Rm. 11:25 pelo Rabino Shaul [Paulo] como o método
e o meio pelo qual todo Yisrael seria salvo. (25 Porque não quero irmãos Yisraelitas, que
sejais ignorantes quanto a este sod reservado, para quenão sejais sábios à vossa
própria soberba e presunção, que acarretou essa cegueira parcial a Yisrael, até que a
melo hagoyim (Plenitude dos Gentios) tenha entrado).

A única e outra vez em que esta palavra é usada no Tanach é no Tehilim/Sl.24:1, onde o
salmista declara que a Terra e sua plenitude são de YAHUAH. (leḏauiḏ mizmour Yahuah
haareṣ u-melo-uah teḇel weyoseḇe ḇah). Em outras palavras, a Terra está cheia de povos,
lugares e coisas que pertencem a YAHUAH e não há nada na Terra que não pertença a
YAHUAH. De maneira similar, não haverá virtualmente ninguém na Terra, que de alguma
maneira não pertença a semente de Efrayím, já que é na semente de Efrayím, todas as
promessas de multiplicação física serão encontradas. Mais sobre isto veremos adiante. Não
somente vemos a Efrayím recebendo o direito da primogenitura sobre seu irmão maior
Menashsheh, senão que Yisrael também a remove de Reuven (Rubén) em Bereshit/Gn.49:3,
4, já que Rubén contaminou a cama de seu pai e estava sexualmente impuro à privacidade e
intimidade do leito matrimonial de Yisrael. De modo que na realidade Efrayím é colocado a
frente de Rubén, Yahusef e Menashsheh para receber a bênção de primogenitura de Yisrael.

3
Em Melechim Alef/1 Rs.5:1-2 e Yirmiyahu/Jr.31:9 confirmam esta verdade essencial. Há no
entanto, certa perspicácia necessária neste ponto. Em todas as culturas antigas do Oriente
Médio o direito de primogenitura era essencial para estabelecer a mordomia sobre a casa do
pai agonizante. Com a primogenitura iam o poder, autoridade, respeito, grandeza e o direito de
realizar todos os negócios e transações familiares referentes a seu sustento, cuidado e bem
estar. Em essência, a primogenitura era a permissão ao primogênito para controlar e mandar
na casa do Pai na ausência deste, devido a sua morte. Yitzchak recebeu este direito de
Avraham bem como Yaakov recebeu-o de Yitzchak, ainda que por engano. Com a
primogenitura ia o poder, portanto isto era cobiçado grandemente nessa cultura. Quando
Yisrael deu a primogenitura a Efrayím, no entanto, ele lhe deu com uma reserva maior.
Leiamos a respeito disto em Bereshit/Gn.49:8-10, onde a Yahudah (Judah) lhe é dada
preeminência ou poder para mandar e governar realmente sobre a Casa de Yisrael! O verso 9
declara que a preeminência causaria que todo Yisrael rendesse homenagem ao Leão de
Yahudah, a quem no verso 10 se refere com o apodo Messiânico de Shiloh que significa o
"enviado" ou o Melech Ha Moshiach (Rei Messias ungido) da linha real de Yahudah que seria
manifesto no natural através da tribo de Yahudah. Ivrim/Hb.7:14 declara que Yahushua era
Shiloh (o enviado) e é evidente que ele brotou de Yahudah. Que desordem! Cometeu Yaakov
um erro maior? Passou ele por tantos problemas para estabelecer a Efrayím como o
primogênito com seus direitos de primogenitura somente para lhe dar um título sem autoridade
e sem preeminência sobre seus irmãos? Ele fez de Efrayím como um fantoche dirigente
somente com o título de papel, bem como a Rainha da Inglaterra da atualidade? Uma coisa se
sabe por verdadeiro. Ele trouxe divisão entre os filhos de Yisrael, já que um filho tinha a
primogenitura, mas o outro filho Yahudah tinha o direito a reinar! De que serve uma
primogenitura sem autoridade que a acompanhe?

Os filhos de Yisrael se submeteriam à semente de Yahudah, não à de Efrayim, no entanto, a


semente de Efrayím chegaria a ser a plenitude dos Gentios. Yahudah reinaria sobre a Casa de
Yisrael, mas Efrayím traria a zera e a noiva, que encheria o planeta com a promessa aos
patriarcas de multiplicação física. Por suposto, Yisrael sabia o que estava fazendo, já que ele
estava ministrando através do Ruach Hakodesh (Sopro de YAHUAH). Ele repartiu a autoridade
e bênção entre os dois irmãos que continuariam guerreando sobre a plenitude da bênção que
ultimamente seria decidida em uma batalha real sobre o título de Quem é Yisrael? Que irônico,
pois de acordo com Bereshit/Gn.49:10, ele será o Leão de Yahudah (Mashiach Yahushua),
que reuniria os goyim ou nações da semente de Efrayím para regressar à Casa de Yisrael.
Após a morte de Yisrael, seus filhos cresceram grandemente no Egito esta promessa de
multiplicação física começou a causar problemas a Faraó, que não conhecia a Yahusef. Por
suposto, ele escravizou aos Hebreus e precisou Moshe Rabeinu (Moises) nosso grande
libertador, para resgatar a Yisrael da casa da servidão. A história ensina-nos que Moshe levou
as doze tribos fora do Egito ao Sinai, onde eles receberam a Torah e as doze tribos se
estabeleceram na terra de Canaã. Após um período de diversos juízes e após o rei Shaul
(Saul), Dauid foi ungido Rei sobre todo Yisrael. Nos dias do Rei Dauid, vemos a Casa de
Yahudah governando e reinando sobre um Yisrael unido com as 12 tribos sob a monarquia de
Dauid. Tudo esteve bem até que Shlomo (Salomão), o filho de Dauid, começou a prostituir-se
fisicamente bem como espiritualmente e YAHUAH revelou a Shlomo que o reino seria
quebrado na vida de seu filho Rechavam (Roboão) devido aos pecados de Shlomo (Melechim
Alef/1 Rs.11:11-14). YAHUAH revelou depois a Yahravam (Jeroboão), um Efrayimita, um dos
talentosos artesãos de Shlomo, que ele receberia dez tribos, o resultado da ruptura no reino de
Israel depois da morte de Shlomo. Esta profecia foi dita em frente a Yahravam (Jeroboão) pelo
profeta Ahiya (Aias).

Nos dias de poderio sob Dauid foi a última ocasião em que o reino pertenceu a todo Yisrael e
era composto de doze tribos. Aproximadamente em 921 AEC as dez tribos do norte separaram-
se da Casa de Dauid e chamaram-se a si mesmos Yisrael fazendo de Shomron (Samaria) a
sua capital. As tribos sulistas de Yahudah, Beniamin e Leví constituíram o reino do sul, debaixo
Rechavam (Roboão) com Yahrushalayim (Jerusalém) como sua capital (Leia Melechim Alef/1
Reis 11:26-43). Quando Yahravam (Jeroboão) preparava um exercito para recuperar as dez
tribos renegadas no norte, YAHUAH o proíbe em 1 Reis 12:24 ao dizer-lhe a Rechavam
(Roboão) que esta separação na Casa de Dauid havia vindo Dele e que eles não deveriam
brigar contra os seus irmãos. Esta separação em 921 AEC foi simplesmente o cumprimento

4
literal da unção profética pronunciada por Yaakov sobre seus filhos, quando ele dividiu a
família, podemos dizer assim. Ele dividiu a primogenitura entre Efrayim e Yahudah e devido a
isto, YAHUAH diz em Melechim Alef/1 Rs.12:24 que esta separação de família vinha DELE.
Ele ordenou e desejou para que pudesse ocorrer a promessa que tinha feito aos patriarcas.
Especificamente a promessa de multiplicação física. Os meios através dos quais nosso Pai
Celestial escolheu fazer isto foi por esta divisão na Casa de Dauid. Mais adiante veremos o por
que! O que começou com Yaakov, agora estava sendo mostrado naturalmente. O reino do
Norte das dez tribos começou a adotar as práticas pagãs, feriados, costumes pagãos e falsa
adoração e tristemente Yahravam (Jeroboão) chegou a ser o Pai dos Efrayimitas pagãos. Em
Melechim Alef/1Rs.12:26-33 vemos o coração malvado de Yahravam filho de Nebat ao criar
um plano para que as dez tribos da Casa de Yisrael ou Efrayím começassem a praticar uma
religião falsa para manter a Efrayim separado de Yahudah e separado do Elohim de Yahudah.
Quando nós nos inteiramos pouco a pouco que esta Casa de Efrayim chegaria um dia a ser a
IGREJA CRISTÃ, através do programa de YAHUAH da reunião de Efrayím, através do Messias
Yahushua e adotaria todas as práticas pagãs ímpias de Yahravam (Jeroboão). Este sistema de
Yahravam tinha como desenho básico a criação de uma entidade separada da Casa de Dauid
consistindo nas dez tribos do Norte. Esta separação ou libertinagem e a retirada de Efrayím da
família de Yisrael, na qual resultou no julgamento de YAHUAH em 721 AEC aproximadamente,
quando YAHUAH enviou a Tiglat Pile ser III, o rei Assírio à destruir completamente a Casa de
Efrayím ou as dez tribos do norte. Já que Efrayím fez o papel de prostituta e levantou a “sua
saia” a cada deidade (deuses) estrangeiros, YAHUAH declarou que ele a examinaria da
mesma maneira e causaria que ela estivesse nua diante das nações Gentílicas, trazendo o seu
fim ao reino do Norte, ou Yisrael. Este castigo severo seria estabelecido pela dispersão e a
absorção destas dez tribos pelas nações pagãs do mundo.

Desde a luxúria de Efrayím, a inclinação e o desejo pelo paganismo eram tão grande, que
YAHUAH permitiu que as dez tribos chegassem a ser e a fazer as mesmas coisas que os
ímpios desejavam e faziam! De modo que encontramos que os filhos de Yisrael passaram o
seu primeiro holocausto em 721 AEC quando as dez tribos aparentemente desapareceram e
chegaram a estar perdidas espiritualmente e fisicamente. Assim nasceram as dez tribos
perdidas de Yisrael. À medida que estamos a ponto de descobrir que este rompimento foi o
método pelo qual YAHUAH escolheu para realizar a separação familiar causada pelo mesmo
Yaakov, bem como para cumprir a promessa de multiplicação física aos Patriarcas. Estão
realmente perdidas as dez tribos? Podem ser encontradas? Foram destruídas ou preservadas
de alguma maneira? Veio o Mashiach a restaurar o Mishkan (Tenda-Tabernáculo) de Dauid
que tinha caído em 920 AEC?Talvez as dez tribos de Yisrael chegassem a serem os Gentios
mais tarde, para serem depois reunidas na Casa de Yisrael pelo ministério de Mashiach? Será
possível que as dez tribos chegaram a ser os "meloh goyim" ou a "plenitude dos Gentios" da
qual lemos em Romiyahu (Rm.) e que foi prometida ser a semente Yisraelita física através de
Avraham, Yitzchak, Yaakov e Efrayím? Vamos descobrir! O profeta Hoshea (Os.) é um grande
lugar para começar nossa busca definitiva da outra Casa de Yisrael, a Casa de Efrayím. Desde
este ponto em diante, a chave para entender a profecia relacionada com a Restauração das
doze tribos à Casa de Dauid, se entende depois da separação em 921 AEC. YAHUAH JAMAIS
SE REFERE A SOMENTE UMA CASA SENÃO A DUAS CASAS DE YISRAEL! Quando fala às
tribos (10) do Norte fala de Yisrael ou Efrayím. Quando fala ao Sul, fala de Yahudah.

Ele sempre separa estes dois grupos, a não ser que você aprenda a fazer o mesmo, você não
pode e não poderá entender nenhuma escritura profética ou profecias dadas por nenhum dos
profetas de Yisrael depois da separação da Casa de Dauid. Tenha completamente fixado em
sua mente que após o 921 AEC havia e ainda existem as Duas Casas separadas de Yisrael!!
Se você puder compreender esta verdade você estará muito bem em seu caminho e de ser um
experiente entendedor das profecias! Em Hoshea (Os.) capítulo Um, o profeta enviado ao reino
do Norte de Yisrael, é dito a ele que tome uma esposa que é prostituta, já que isto lhe daria
uma boa idéia de que as dez tribos haviam feito a YAHUAH. Depois de coabitar com Gomer,
Hoshea chama a sua filha Lo-Ruhammah (verso 6), significando sem piedade ou compaixão.
No verso 4 de Hoshea/Os. Um, vemos a YAHUAH dando fim a Casa do Norte de Yisrael e no
verso 6, Ele promete nunca mais mostrar nenhuma piedade à Yisrael no Norte. No verso 7,
YAHUAH declarou que contrário a Yisrael, Ele mostrará piedade a Yahudah no sul. O casal
concebeu um filho no verso 9 e YAHUAH manda a Hoshea que lhe chame Lo-Ami, pois vocês

5
não são meu povo e Eu não existo mais para vocês. Quando YAHUAH está contra você, a
alegria e a felicidade se acabam. Yisrael ou Efrayím é chamado Lo-Ami (não meu povo). Isto é
good bye, adeus e buenas noches Irene! Não mais piedade, não mais meu povo, não mais um
Reino, e YAHUAH estará brigando contra você. Vemos claramente o fim das dez tribos do
norte como uma nação diante de YAHUAH. Um divórcio total e uma rejeição aconteceram.
Hoshea (Os.) 7:8; 8:8; 9:11; 9:17; 10:1; 12:1 e outras passagens confirmam que o pecado de
Efrayim foi chegar a serem Lo-Ami engolidos entre os Gentios. Mas no verso 10, vemos uma
declaração surpreendente. Apesar de uma sentença de morte para as dez tribos como uma
nação ou reino identificável, eles milagrosamente reaparecem e são nascidos de novo,
podemos dizer assim, nos últimos dias. O verso 10 de Hoshea (Os.) Um, começa com as
palavras: "Com tudo, será o número dos filhos de Yisrael como a areia do mar." Aqui temos um
reino totalmente destruído e absorvido entre os Gentios, reaparecendo milagrosamente como
os filhos iniciais de Yisrael e ainda são chamados de areia do mar! Soa familiar pra você?
Deveria! Esta é a promessa da areia do mar feita aos Patriarcas e a Efrayím. Esse verso
revela-nos simplesmente onde vamos encontrar às dez tribos perdidas ou a areia do mar que
não podem ser contadas. Os que se chamam a si mesmos e que são chamados por YAHUAH
filhos de Elohim! Você conhece algum grupo moderno de pessoas, que andam por aí se
referindo e assegurando-se a si mesmos afirmando serem os filhos de YAHUAH vivente!?
Exato! A comunidade nascida de novo de Crentes Gentios, é nada mais que a inicialmente
dispersa Casa de Yisrael. YAHUAH ainda declara neste verso que quando Efrayím for reunido
a eles serão o Seu povo ou o Seu Ami e Ele será seu Elohim, já que eles têm chegado a serem
filhos do Elohim vivente, pelo favor, através da emunah (confiança-fé) (Hoshea/Os.2:21-23).
Isto possivelmente não pode ser mais claro.

Uma nação que tem chegado a seu fim, desaparecendo ou se perdendo, de repente aparece
como filhos e filhas de YAHUAH nos últimos dias! O mesmo Elohim recorda-nos no verso 10,
que este grupo não é nada mais que a Casa inicial de Yahravam (Jeroboão) ou Casa de Israel.
No verso 11 de Hoshea (Os.) Um, vemos este regresso das dez tribos vindo de novo à Casa
de Dauid, nos dias quando estes Israelitas inicialmente perdidos designam para si mesmos a
mesma cabeça que os Judeus Messiânicos têm designado para eles mesmos. Esta é a cabeça
do corpo formado por nada menos que Yahudim e Efrayimitas, agora restaurados a YAHUAH
como indivíduos restaurados de ambas as Casas e que estão aprendendo a confiar e a
depender na mesma Cabeça (Yahushua) ao designá-lo como Salvador e Elohim pessoal! O
verso 11 continua dizendo que quando os Efrayimitas e Yahuditas individuais estiverem
fazendo esta designação pessoal de Yahushua como rei de suas vidas, isto não seria em um
dia, onde pessoas iriam construir algo chamado de "uma Igreja" onde "a Igreja" substituiria ao
povo Yahudi/Judeu, senão que seria o dia de Yezreel que significa a junção daqueles que
estiveram espalhados! Baruch Hashem YAHUAH! (Bendito é o nome de YAHUAH). Note o
seguinte verso em Hoshea/Os.12:1, onde ambos Yahuditas e Efrayimitas que afirmam que
Yahushua como a sua cabeça (no dia da reunião de Yezreel e seu ajuntamento no Mishkan
(Tenda) reconstruída de Dauid, que não olhassem mais aos seus irmãos e irmãs como irmãos
e irmãs espirituais somente, senão que os verão em uma nova luz.

Que luz é esta? Como "AMI"! Meu próprio povo! Osso de meus ossos e carne de minha carne.
Quando Efrayím e Yahudah forem individualmente regenerados e reunidos na Tenda
restaurada de Dauid, então começaremos a reconhecer a cada um como irmãos de sangue,
como Israelitas físicos de diferentes lados da mesma família que têm sido redimidos pelo
sangue do Cordeiro! Recorde que em Matitiyahu/Mt.15:24, onde Yahushua declarou em
termos mais claros, que Ele não tinha sido enviado à ninguém, mais somente e exceto as
ovelhas perdidas da Casa de Yisrael. Note que Ele não declarou que tinha vindo por
Goiym/Gentios ou Yahudim/Judeus. Ele não veio por Judeus somente porque os Yahudim
descendem fisicamente das duas tribos do Sul que constituíam o Reino de Yahudah (Judáh).
Ele também não tinha interesse nos Gentios. Por quê? Porque aqueles que respondem ao
ahava (se doar) de Yahushua, e regressam a Tenda restaurada de Dauid, que poderiam
parecer Gentios, atuar como Gentios, comer porco e violar o Shabat como os Gentios, mas
eles são de fato as ovelhas físicas perdidas da Casa de Yisrael, que se tornaram como Gentios
e que têm estado vivendo como Gentios durante 2700 anos. Obviamente que quando
regressarem não vão parecer como Yisraelitas que praticam e são fiéis à Torah (instrução de
YAH). Ou você vai crer em Yahushua e numerosos outros profetas ou você vai construir sua

6
própria teologia. Ele disse "tenho vindo somente por todas as ovelhas perdidas da Casa de
Yisrael. Isto inclui aos Yahudim (Judeus), mas também inclui à outra Casa de Yisrael, que são
seus irmãos na carne. Por suposto, Shaul/Paulo, Kefa/Pedro e outros estiveram
compartilhando a Besorah/Evangelho com os Gentios, pois onde irá você encontrar a semente
de Efrayím, exceto entre os Gentios que encheram o planeta? Ahmos/Am.9:9 diz:

- Assim como o trigo è peneirado num crivo, contudo, nem a menor quantidade da semente de
grãos cairá sobre a terra, senão que se misturariam e literalmente chegariam a ser os povos da
terra, somente para serem trazidos de volta à YAHUAH nos tempos finais, individualmente. A
grande comissão (Matityahu/Mat.28:18-20) por tanto, nada mais é que uma busca mundial
pela semente de Efrayím, areia do mar, pó da terra, às abundantes multidões da humanidade.
Parte dessa busca seria pelos dispersos de Yahudah/ também. Yaakov (Tg.) testemunha desta
verdade ao recordar ao Concilio de Yahrushalayim (Jerusalém) que YAHUAH estava
simplesmente visitando as nações Gentílicas, através da pregação do evangelho, não para
viver ali, senão para resgatar e atrair Sua gente (B’ney hivrit-filhos Hebreus) chamada por Seu
nome (Maaseh Shlichim/At.15:14-17). Através deste resgate, Yaakov (Tg.) recorda-nos que
YAHUAH está reconstruindo o Mishkan de Dauid constituído de todas as doze tribos de Yisrael.
Já que Ele é o Elohim de Yisrael, Ele está atraindo e resgatando Yisraelitas de "estatus de
proscritos" que tem sido sua herança, devido a sua desobediênciaà Torah. Estas pessoas são
Yisraelitas sem importar que eles mesmos se dêem conta disso ou não! Talvez não entenda o
que significa estar perdido? Perdido espiritualmente bem como fisicamente! Talvez não seja
fascinante que após três anos do ministério terrestre de Yahushua, quando Ele está a ponto de
subir aos céus desde o Monte das Oliveiras, todos os onze talmidím que ficaram, viessem a Ele
e lhes fizessem exatamente a mesma pergunta? Isto é quase inimaginável, já que estes onze
raramente se punham de acordo em qualquer coisa e estavam sempre brigando e fazendo
perguntas, buscando apoiar o seu próprio entendimento. No entanto, houve uma unanimidade
em todos eles quanto à pergunta final. Rabi (Mestre), restaurará o Reino de Yisrael neste
tempo? (Maaseh Shlichim/At.1:6).

Isto era o que eles estavam interessados. Não na criação ou construção de uma entidade
separada chamada de "a Igreja" que busca substituir, aniquilar e freqüentemente destruir ao
povo judeu. Fica claramente entendido que a palavra "Igreja" apesar de não existir no hebraico,
o conceito dela não é nada mais que a Ekklesia ou Assembléia da Tanach-“A.T”. É a mesma
Assembléia, que esteve recebendo a Torah no Monte Sinai (Maaseh Shlichim/At. 7:37-38).
Existe uma Assembléia do Pacto Renovado, chamada Yisrael pelo Rabino Shaul (Galutyah/Gl.
6:16). Não existe tal coisa como uma entidade separada chamada de "a Igreja", com um
Shabat separado e um calendário de dias separados. Em Espanhol e Português e em quase
qualquer linguagem, ekklesia significa aqueles "chamados para fora," mantendo a idéia básica
de uma Assembléia, apesar de que o significado da Kehilah (Congregação) é entrar no povo de
YAH. Somente em Inglês temos este termo "Church" (Igreja) (derivada de um ritual pagão
circular chamado "KIRK") palavra essa, que da a entender que Yahushua edificou algo novo
chamado "The Church" (A Igreja),quando tudo o que Ele estava fazendo, era reconstruir a
Mikra ou Assembléia do Tanach e a enchendo-a com poder. Quando a tradução da
Septuaginta do Tanach foi feita do Hebreu ao Grego ao redor de 175 AEC, cada tradutor
traduziu a palavra Mikra por Ekklesia, e isto é exatamente o que Yahushua mesmo declarou
que veio construir (Matityahu/Mat.16:16-19)!

“Os manuscritos do Brit Chadashah (Pacto Renovado) mais antigos em nossa mão na
atualidade e escrito em Aramaico (um dialeto do Hebraico), confirmam a ausência da palavra
“igreja”, usando novamente em seu lugar a palavra "Assembléia." Devido ao ciúme e ódio de
Efrayím por seu irmão Yahudah, junto com uma atração a qualquer coisa pagã ou estranha à
Torah (tal pai tal filho), decidiu chegar a ser uma entidade separada feita pelo homem
conhecida como "The Church" (a Igreja) totalmente divorciadas da família de Yaakov e de suas
ricas raízes Hebraicas, o qual se explica o porquê hoje a “Igreja” (Church) tal e como aparece,
é absolutamente irreconhecível tanto para Judeus como para YAHUAH mesmo! Este desejado
auto-divórcio de Yisrael tem deixado a "igreja" (Church) sem nenhuma ferramenta com a qual
provocar a Yahudah (Judah) ciúmes. Ela se auto-divorciou do povo do pacto de Yisrael! A
Bessorah (Evangelho) não é somente uma proclamação de salvação pessoal, é uma
mensagem de restauração nacional a Yisrael de uma família dividida, a qual se manifestou a si

7
mesma em duas casas separadas de Yisrael. Matitiyahu/Mat.24:14 recorda-nos que o
evangelho é o evangelho do reino. Em Matitiyahu capítulo 12, Yahushua fala o princípio de
uma casa dividida sem nenhuma habilidade para aguentar os ferozes dardos de S.atã! Que
reino é este? O reino de Yisrael! Em Luka/Lc.24:21 os talmidim (discípulos) estavam muito
decepcionados, já que eles total e corretamente esperavam que as doze tribos fossem
restauradas com Yahushua o Mashiach. De onde eles obteriam esta idéia? Em Yirmiyahu/Jr.
23 versos 3-6, YAHUAH declara que Ele traria a Yahudah e Yisrael de volta da dispersão
mundial nos dias quando o Mashiach chegasse. Nos versos 5 e 6 declara que Yahudah seria
salvo e que Yisrael habitaria em segurança. Vemos a reunificação de ambas as Casas sob o
Mashiach ou a reunificação das doze tribos, todas vivendo na terra de Yisrael. Recorde que
para que a casa de Dauid seja plenamente restaurada e reconstruída, ela tem que estar
composta da mesma maneira em que deixou o Mitzrayim (Egito), recebeu a Torah e formou
nos dias de tiferet (beleza) do rei Dauid: Todas as doze tribos! Qualquer avivamento ou
movimento de restauração, que não inclua a completa restauração de todas as doze partes da
família, e que enfoque somente em dois destes grupos das doze partes, não está fluindo em
uma visão completa de restauração. Para que o Judaísmo Messiânico continue
experimentando as bênçãos plenas de YAHUAH nos últimos dias, deve expandir sua visão
para incluir a todo Israel. Esta visão não tem que ser mudada em nada e não deveria ser uma
ameaça à liderança do Judaísmo Messiânico, pois eles não acreditam no ensino das duas
casas, já que de uma vez, determinará a verdade das duas Casas de Yisrael e demandará que
Efrayím renuncie a todo o paganismo e abrace o manto da vivência Yisraelita e Kedushah
(separação) que é a Torah. O futuro do avivamento em Yisrael dos últimos dias e o mesmo
manto e sobrevivência do movimento Judeu Messiânico, depende de uma liderança pronta à
reavaliar a preservação de Efrayím por 2700 anos como e entre os Gentios. Este é o Tikun
Haolam (restauração entre Yahudah e Efrayím), mencionada em Yechezquel/Ez.37:11-28!

É incorreta para os estudantes dos Ketuvim (Escrituras) e para os líderes Messiânicos ensinar
e achar que Yahudah, Efrayím, e Yisrael são o mesmo e sejam realmente termos análogos e
sinônimos intercambiais, cujo uso varia, dependendo do modo em que YAHUAH se encontre.
Isso é historicamente errado, bem como teologicamente enganoso, e se YAHUAH é capaz de
diferenciar ainda as divididas duas Casas após os 720 AEC, Por que não podemos nós
ENTENDER? Regresse agora e leia sua Katuv (Escritura), entendendo que quando YAHUAH
se refere as dez tribos é sempre como a Efrayím ou Yisrael, e que quando se refere ás duas
tribos do Sul, é sempre como Yahudah (judah). Comprove você mesmo! Seus olhos serão
abertos ao verdadeiro, perpetuo e final Tikun Haolam. Se você recusa a ler sua Escritura sem
esta premissa fundamental, então você está destinado a encontrar um Elohim que é repetitivo,
confuso e que lança termos por todos os lados se referindo a duas nações quando realmente
só existe uma. Baseados neste pensamento defeituoso, YAHUAH vai aos poucos identificando
e localizando aos dispersos de Yisrael (Efrayim), você realmente crê nisso? Claro que não!
Você e eu podemos não saber onde encontrar as dez tribos, mas descanse, confiando que
Yahushua sabe, Ele pode, e isto exatamente é o que Ele tem feito durante estes dois mil anos,
exatamante debaixo de nossos narizes, já que esta era Sua destinação de acordo a
Yeshayahu/Is.49:5-15. Durante este mesmo período de tempo, todos nós estávamos
ocupados disputando como dois irmãos, ocupados em uma rivalidade de parentes. E o que
tudo se rezumi é: A qual ensinamento você crerá? Um Yisrael composto de duas tribos
(judaísmo somente) ou um composto de doze, o qual YAHUAH mesmo jurou que encheria a
terra. Já que Ele é fiel, você pode descansar confiando que quase todo mundo neste planeta,
tem uma gota de sangue Yisraelita, já que a bênção de YAHUAH de multiplicação física
encheria o planeta, através do desterro de Efrayím e subsequente intermatrimônio e
assimilação. Se a terra está cheia de sangue yisraelita, então onde haverá lugar para os outros
tipos de povos sem algum sangue Yisraelita?

- SE ESTA PROMESSA A AVRAHAM, YITZCHAK E YAAKOV TEM SIDO LITERALMENTE


CUMPRIDA SOMENTE ATRAVES DO POVO YAHUDI/JUDEU UNICAMENTE, QUE
CONTINUAM NO NÚMERO DE SOMENTE 16 MILHÕES E QUE POSSAM SER FACILMENTE
E PRONTAMENTE CONTADOS, CENSADOS E NUMERADOS, ENTÃO A PROMESSA A
AVRAHAM, YITZCHAK E YAAKOV É UMA MENTIRA DIRETA! YAHUAH MENTIU?
DEZESEIS MILHÕES DE JUDEUS NÃO CONSTITUEM UMA MULTIDÃO QUE NÃO POSSA
SER NUMERADA! DEZESEIS MILHÕES DE YAHUDIM/JUDEUS PODERIAM TODOS CABER

8
PERFEITAMENTE NA TERRA DA FLÓRIDA. A PROMESSA DE MULTIPLICAÇÃO FÍSICA
NÃO FOI CUMPRIDA EM YAHUDAH-JUDAH SOMENTE! ESTA É UMA IMPOSIBILIDADE
NUMERICA E PRÁTICA! A PERGUNTA DIANTE DE VOCÊ NÃO É ESTA: PODEM TODOS
NA TERRA REALMENTE TER AO MENOS UMA GOTA DE SANGUE YISRAELITA? A
PERGUNTA DIANTE DE VOCÊ É: MENTIU YAHUAH QUANDO OU EM MEIAS VERDADES?
VAMOS TOMAR SUA PALAVRA LITERALMENTE? ESTE ENSINO DAS DUAS CASAS
SUBMETE A VERDADE QUE EFRAYIM COM YAHUDAH COM POUCOS GENTIOS
VERDADEIROS (?), IGUALA A BILHÕES DE SERES HUMANOS E DESSES BILIÕES (5 Ou 6
BILHÕES), UM REMANESCENTE YISRAEL ESTÁ SENDO SALVO DAS DOZE TRIBOS E
ESTA SENDO RECONCILIADO A YAH ATRAVÉS DO PRECIOSO SANGUE DAQUELE QUE
DECLAROU:- "TENHO VINDO SOMENTE PELAS OVELHAS PERDIDAS DA CASA DE
YISRAEL"! QUAL NOTÍCIA VOCÊ ACREDITARÁ? AQUELES PROMOVENDO ENTIDADES
SEPARADAS E, PORTANTO DOIS ISRAEIS? UM FÍSICO E O OUTRO ESPIRITUALMENTE
ADOTADO, OU YAHUAH TEM SOMENTE UM YISRAEL FÍSICO, QUE ESTÁ CHEIO DO
RUACH (SOPRO DE YAH) E É CONDUZIDO POR ELE, TOMADO DE TODAS AS DOZE
TRIBOS, SEM NENHUM SENDO ADOTADO NO YISRAEL FÍSICO, MAS REQUERENDO À
CADA JUDEU E NÃO-JUDEU O SER ADOTADO NA FAMÍLIA DE YAHUAH?! A ESCOLHA É
SUA! É POSSÍVEL QUE A RAZÃO REAL POR DETRÁS DA RAZÃO DO JUDAH SALVO,
SEJA A ATITUDE DESCUIDADA PARA ELE TRATAR DE DESCOBRIR, ONDE NO MUNDO,
O RESTO DESTA FAMÍLIA FÍSICA PERDIDA ESTÁ REALMENTE, E QUE NÃO SEJA NADA,
MAS QUE UM CASO COLOSAL DE RACIOCÍNIO AUTO-CENTRADO! EM DEFESA DE
YAHUDAH É POSSÍVEL QUE YAHUDAH ESTEJA MUITO OCUPADO TRATANDO DE
SOBREVIVER A DIÁSPORA DO QUE O ESTAR PREOCUPADO A RESPEITO DE
ENCONTAR O PARADEIRO DE SEUS IRMÃOS SEM IMPORTAR COM A RAZÃO REAL,
YAHUAH SOMENTE TRATA COM ESTAS DUAS FAMÍLIAS ESCOLHIDASNA TERRA
(YIRMIYAHU/JR. 33:24).

Não é interessante que o Brit Chadashah (Pacto Renovado) prometido de Yirmiyahu/Jr.


31:31-34 fale sobre YAHUAH estabelecendo um pacto com a Casa de Yisrael e a Casa de
Yahudah e nunca mencionando que estabeleceria um Pacto com os Gentios ou Cristãos? A
Casa de Yisrael mencionada em Yirmiyahu é Efrayím, aqueles não-Yahudim/Judeus nascidos
de novo. Recorde que todos os Judeus são Yisraelitas, mas nem todos os Yisraelitas são
Judeus. Na Yahrushalayim/Jerusalém celestial de Gilyahana/Ap.21:12, todos aqueles
nascidos de novo planejando ter a vida perpetua, devem entrar na cidade através de uma das
12 portas, uma por cada uma das doze tribos. Não é gracioso e estranho como YAHUAH se
esqueceu de fazer uma porta para os Cristãos ou "Gentios salvos?". A razão é que em todos
os que na Yisrael do Pacto Renovado de ambos os lados da família física é um descendente
sanguíneo de Yisrael, com algumas poucas exceções. Ainda aquelas exceções chegam a ser
Yisraelitas de acordo com a Torah! Discutirei mais disto no próximo capítulo. Em Yirmiyahu/Jr.
31:3-22, lemos as descrições detalhadas de Efrayím (dez tribos) regressando a terra. Qualquer
aliyah (retorno) ou qualquer programa de Judeus retornando a Israel para viver, deve e deverá
incluir a todo Yisrael com Efrayím incluído. No verso mencionado acima vemos às dez tribos
sendo replantadas nas montanhas de Yisrael. Tem você algum problema com isto? YAHUAH
não tem! Você verá, nossa visão é muito pequena. Nossa visão deve ser a visão de Yahushua
e os 12 discípulos e deve incluir um avivamento entre todo Yisrael, não somente 2/12 partes de
Yisrae! Foi o mesmo Yahushua que prometeu aos 12 talmidim um reinado milenar sobre doze
tribos verificáveis e reconhecíveis do Yisrael milenar reunido (Matitiyahu/Mat.19:28).

Zecharyah/Zc.8:22-23, refere-se especificamente a dez homens, representando às dez tribos


que regressam agarrando os tzitzit (franjas) de um Yahudi (Judeu) que tem chegado a
conhecer a Yahushua pessoalmente e declarando que estes também regressariam a Tzion
(Sião) e à Torah. Note que estes dez homens regressando falam todas as linguagens
conhecidas do mundo. Nesta passagem vemos o regresso de TODO YISRAEL, Á
YISRAEL(nação)! Em Yaakov (Tg.) 1:1 Yaakov escreve sua epístola às 12 tribos espalhadas.
Obviamente Yaakov (Tg.) sabia que o corpo de Yahushua a quem escrevia era nada mais que
as 12 tribos reunidas de Yisrael que tinham sido isentadas através de Yahushua e se dirigiu a
eles como tais! Se as dez tribos permaneciam perdidas e sem poder encontrar em nenhum
lugar, por que então Yaakov (Tg.) lhes escreve a eles e lhes chama irmãos da emunah
(confiança-fé) no verso 2 do capítulo Um? Obviamente ele não tinha problema com o corpo

9
de Yahushua sendo o Yisrael do Pacto Renovado composto das doze tribos e quiçá, algumas
poucas exceções. Tem você escrito alguma vez um cartão postal as pessoas que tinham
desaparecido da terra ou que não existiam? Obviamente eles têm que existir para que se lhes
possa escrever e para que possa se dirigir a elas. Era somente Yahushua e Yaakov (Tg.) que
tiveram esta revelação? Em Kefa Alef/1 Pd.1:1, Kefa escreve ao povo escolhido vivendo na
Diáspora. A Diáspora Judaica não ocorreu senão até 20 anos após que esta epístola foi escrita
ao redor dos 50 AD. No entanto ele se refere a estes descendentes das outras dez tribos que
têm vindo à fé como o "povo escolhido". Será que Efrayím é tão escolhido como é Yahudah?
Talvez isto arrebente a sua “bolha”? Pobre coisa! Você pensou que somente as duas tribos
(Judeus) eram escolhidas. As Escrituras nunca chamam escolhidos ao povo Judeu. Em seu
lugar, chama a TODO YISRAEL do qual os Judeus são somente duas partes, do povo
escolhido! Yirmiyahu/Jr.33:24 confirma esta verdade. YAHUAH declara que Ele tem escolhido
as duas Casas ou os dois clãs ou duas nações! Entenda isto! Esta é a Casa de Yisrael e a
Casa de Yahudah (Judáh) e Kefa (Pedro) escreveu à Casa reunida de Yisrael quando dirigiu
esta epístola! Quer você alguns textos mais que prova o Brit Chadasha (Pacto Renovado) de
que estes indivíduos chamando-se a si mesmos Cristãos, são nada mais que, os descendentes
físicos das dez tribos perdidas? Não há problema. Em Kefa Alef/1 Pd. capítulo 2 nos versos
8-10, vemos a Kefa (Pedro) citando a Hoshea/Os.capítulo Um. O povo que é um sacerdócio
puro-separado, (Cohanim kodesh) uma GERAÇÃO ESCOLHIDA e uma NAÇÃO Kadosh
(Separada) são identificadas por Kefa como ninguém mais que o LO-AMI inicial e o LO-
RUHAMMAH de Hoshea/Os.capítulo Um! No verso 11 de Kefa Alef/1 Pedro capítulo 2, Kefa
diz: Vocês que agora são Cohanim (sacerdotes) da Brit Chadashah (Pacto Renovado) e Yisrael
da Brit Chadashah, uma vez que não fora um povo (LO-AMI) e não tinham obtido compaixão
nem piedade (LO-RUHAMAH). Mas agora através de Yahushua vocês são restaurados a um
povo chamado AMI, e estão recebendo RUCHAMMAH.

Esta é uma referência clara e direta atribuindo e nomeando ao corpo de Yahushua, como
contendo muito do velho reino do Norte de Efrayím, regressando devido ao favor de YAHUAH
através do sangue do Mashiach. Talvez Rav Shaul (Paulo) também entendeu a reunião das
doze tribos de Yisrael através do Filho de YAHUAH? Foi ele capaz de identificar "Cristãos" em
Roma como ninguém mais que a Casa inicial de Efrayím? Aposte que sim, ele fez. Em
Romiyah/Rm.9:24, Rav Shaul declara que YAHUAH chama a Yahudim/Judeus e a Gentios a
constituir Seu corpo como herdeiros da vida perpetua. Depois no verso 25 de Romiyah/Rm. 9,
ele cita a Hoshea/Os. capítulo Um e identifica aos Gentios isentados nascidos de novo de
seu tempo como à Casa de Yisrael do Antigo Pacto (Efrayím). Ele cita a passagem LO-AMI de
Hoshea/Os. Um e atribui isto aos "Gentios salvos". Versos 25 e 26 declaram isto
determinadamente. Finalmente no verso 27, ele coloca a “cereja no bolo” e declara que estes
"Gentios salvos" não são somente a Casa inicial de Yisrael que chegou a ser a "plenitude dos
Gentios", senão, que ainda cita a Yeshayahu/Isaias, declarando que da promessa de "a areia
do mar" feita a Efrayím, em relação à multiplicação física, somente um remanescente de
Yisraelitas de todas as doze tribos serão salvos. Uau! Note a transição e progresso quando os
Gentios salvos do verso 24 em Romiyah/Rm.9, terminam sendo identificados por Shaul/Paulo
como a Casa inicial de Yisrael (dez tribos) mencionadas por Yeshayahu/Is. nos seguintes dois
versos. Em Epesiyah/Ef.2:11, Rav Shaul declara que aqueles que foram salvos como Gentios
já NÃO SÃO MAIS GENTIOS! Eles têm uma nova identidade e esta nova identidade é, de
acordo ao verso 12, uma cidadania na comunidade de Yisrael.

Eles são Yisraelitas! Você não pode ser um cidadão de uma entidade espiritual conhecida
como "a igreja" ou qualquer outra entidade espiritual. Para poder ser um cidadão físico da
comunidade do Brasil, você tem que ser um ente físico. Para que os INICIALMENTE GENTIOS
QUE EM VIRTUDE DE SUA ACEITAÇÃO DO MASHIACH têm chegado a serem cidadãos
físicos da casa e comunidade de Yisrael, eles devem ser, e de fato o são, Yisraelitas físicos, de
um lado diferente da outra família que os Judeus Messiânicos. O verso 19 fixa isto por nós,
quando Rav Shaul declara que estes indivíduos já não são mais estranhos à Casa de Yisrael,
senão cidadãos parceiros. A cidadania sempre tem sido e sempre será algo no plano físico. Em
Galutyah/Gl.3:29, Rav Shaul refere-se aos não-Judeus nascidos de novo, como a semente ou
esperma de Avraham. Agora, me deixe lhe fazer uma pergunta honesta! Talvez a palavra
Grega para semente (Esperma), de onde obtemos a palavra esperma, soa como algo espiritual
ou algo muito físico? Se você pertence ao Mashiach através do novo nascimento, sem importar

10
quem você cria, e que você é o esperma de Avraham! Isto é pelo qual o verso 28 diz que já
não há Judeus, Gregos ou mulheres, somente existe a SEMENTE FÍSICADE AVRAHAM QUE
TEM SIDO ISENTADA E DEVERIA SE CONHECER COMO O YISRAEL DO BRIT
CHADASHAH/PACTO RENOVADO! A prova adicional encontra-se em Galutyah/Gl.4:18, onde
Rav Shaul refere-se aos crentes não-Yahudim (Judeus), sendo exatamente como Yitzchak
(Isak), o herdeiro da promessa de multiplicação física. Era Yitzchak um ente físico ou somente
um ente espiritual? Ele era um ENTE FÍSICO conduzido e cheio de ruach (sopro de YAH-
“espírito”)! Bem, de acordo a Rav Shaul, isto é exatamente o que os crentes não-Judeus são no
Pacto Renovado! Em Qorintyah Alef/1 Cor.12:1, Rav Shaul recorda aos Efrayimitas salvos
que eles foram uma vez Gentios, mas já não são mais. Ele recorda a estes Yisraelitas não-
Judeus que seus pais (Hebreus) que foram tirados de Mitzrayim (Egito) passaram pelo Mar
Vermelho e eventualmente encontraram a rocha (Mashiach) bem como eles o tinham feito
(Qorintyah Alef/1 Cor.10:1-4). Em Qorintyah Alef/1 Cor.5:7-8 vemos a estes Yisraelitas
Efrayimitas observando o Pesach (passagem-“pascoa”)! Somente o povo de Yisrael celebra as
Comemorações/tempos apontados de Yisrael! Existem ensinos de homens e mestres que
colocam a palavra "espiritual" em frente à palavra "pais" em Qorintyah Alef/1 Cor.10:1, bem
como em Galutyah/Gl. 3:29, onde eles acrescentam a palavra "espiritual" antes da palavra
"semente", para fazer parecer que os Cristãos são somente um tipo de semente espiritual, ou
pior ainda algo chamado "Judeus espirituais". Quisesse recordar a estes mestres que o
acrescentar à Palavra de YAHUAH é uma ofensa capital castigada com a morte (Mishle/Pv.
30:5; Devarim/Dt.4:2; Devarim/Dt.12:32; Gilyahna/Ap.22:18). Aparentemente há alguns que
ou não entendem esta verdade, ou a entendem, mas desejam continuar suprimindo-a para
poder assim manter aos "Gentios salvos" em correntes de adoção de segunda classe,
adorando ao trono do Judaísmo em lugar de Seu Filho. Se os crentes não-Judeus fossem
totalmente honestos com eles mesmos, a maioria deles carrega um desejo profundo e por tanto
um ciúmes interiormente por serem Judeus.

Este ciúme causa-lhes o querer converter a qualquer tipo de “Judaísmos”, ainda naquelas
formas que forçam uma retratação de fé na obra acabada de Yahushua, ou historicamente este
ciúmes se voltou e pode ainda se voltar em um ódio na contramão do yahudi (Judeu) que eles
não podem chegar a ser. Esses dias têm chegado ao fim! Este é o dia decretado por YAHUAH
para a Restauração de Todas As Coisas (Maaseh Shlichim/At.3:20-21). Quando Efrayím
começar descobrir que eles são parte do Yisrael físico, e se eles atuarem como Yisraelitas e
regressarem ao Shabat (descanso do sétimo dia), kashrut (comidas permitidas e não
permitidas), moadim (comemorações da Torah), sionismo (retornar a Sião) e aliyah (retorno
definitivo a terra de Yisrael) e cessarem de estar ciumentos dos Judeus (Yeshayahu/Is. 11:13-
14). De acordo a estes mesmos versos virá o dia quando os Judeus reconhecerão a Efrayím
como a seus irmãos físicos da mesma maneira em que os filhos de Yaakov chegaram a
reconhecer a Yahusef (José) no Egito. Eles pensaram que ele era um Gentio, mas Yahusef era
um Yisraelita. O fato de que Yahudah reconheça aos não-Judeus nascidos de novo como
Efrayím, não muda o fato de que estes como Yahusef, sejam irreconhecíveis aos seus irmãos,
e, no entanto, bem como Yahusef, Efrayím é o filho de Yahusef e o neto de Yaakov, e é um
Yisraelita experimentando a mesma falta de reconhecimento que seu pai Yahusef
experimentou no Egito. Yahusef conhecia-os, mas eles não conheciam a Yahusef.

Na atualidade grandes segmentos de Efrayím reconhecem ao escolhido, nascido de novo


(Judah), no entanto, Yahudah NÃO PODE E FREQUENTEMENTE NÃO RECONHECERÁ ao
nascido de novo EFRAYIM! YAHUAH declara que esta humilhação de Efrayím por Yahudah
chegaria a seu fim através do Mashiach (Yeshayahu/Is.11:13-14), quando Ele reunir aos
proscritos de Yisrael e aos dispersos de Yahudah de toda a terra. Note como Judáh nunca foi
proscrito como Efrayím, somente dispersado. Em Yochanam\Jo.10:16, Yahushua disse:
"Tenho outras ovelhas que não são deste redil. A estas devo trazer também. E elas ouvirão
minha voz e terá um só rebanho e um pastor". Note que Yahushua tinha outro rebanho
Yisraelita que era ainda antes que Ele morresse e ressuscitasse. Ele não disse que Ele criaria
um redil novo e separado chamado de "a igreja" composto de pagãos com práticas separadas
de Ysrael, substituindo à Torah algum tempo após Sua ressurreição. Ele disse, já tenho dois
redis. Sou enviado a trazê-las e serão um rebanho ou uma Casa unida. Yochanam (João)
conhecia a mesma verdade por virtude de seus escritos em Yochanam\Jo.11:49-52.
Yochanam declarou que quando Caifás profetizou que era bom que Yahushua morresse por

11
Yahudah, Jo. acrescentou que Caifás estava profetizando que Yahushua morreria não somente
por essa nação (Yahudáh), senão também pela outrora casa de Yisrael que foi dispersa 721
anos antes do nascimento de Yahushua! Sabemos que esta é uma referência à Casa de
Yisrael (dez tribos) já que ele lhes chama de uma nação (povo físico), bem como filhos de
Elohim! Eles foram chamados filhos de Yisrael, porque Elohim é o Elohim de Yisrael e eles
eram Yisrael ou filhos de Elohim, AINDA ANTES QUE YAHUSHUA FOSSE A ÁRVORE DE
KORBAN/SACRIFÍCIO! Note que o plano revelado do Pai no verso 52 do capítulo 11 de
Yochanam é o de reunir ambas nações ou casas em uma só. Ainda no tempo de Yahushua, os
olhos e corações das pessoas estavam sendo abertos à verdade sobre o feudo familiar
perpetuado por Yaakov (Jacó), alargado por Yahravam (Jeroboão) e Rechavam (Jeroboão), e
nos dois últimos milênios inflamados pela Igreja X a batalha real Judaica sobre o título de quem
é Yisrael! A pergunta é planamente contestada quando alguém se dá conta de que há somente
um povo de Yisrael com um Elohim de Yisrael e um Mashiach de Yisrael e uma Torah de
Yisrael, e que ambas as Casas precisam seguir o mesmo desenho para a restauração de todo
Yisrael em um nível comum. Somente com um entendimento completo das duas Casas
divididas de Yisrael, chegará a sua rápida e merecida morte o ódio, amargura, orgulho e
arrogância de que a Cristandade e o Judaísmo sentem entre si. Qualquer outra solução ao
debate da “Igreja X Judaismo”, resultará em maior incompreensão entre irmãos e a
perpetuação do feudo familiar começado por Yaakov ao separar o direito de primogenitura
entre Efrayím e Yahudah, ainda que ambos eram Yisraeis físicos e espirituais. É confortante
notar que de acordo a Yeshayahu/Is. 49 versos 1-6 o Mashiach (Messias) é prometido a todo
Israel e é ainda referido como Yisrael, já que a restauração de Yisrael é a personificação e
propósito primário de Sua missão. Hoshea/Os.11:1, também chama ao Mashiach de Yisrael!
Em Yeshayahu/Is.49:6, vemos ao Pai perguntando-lhe se está preparado para elevar às doze
tribos de Yisrael a trazer de volta o redil àqueles que, ainda que dispersos e perdidos, como
seriam individualmente preservados e entre os Gentios nos quatro cantos da terra para o
ministério do Messias. Ele voltará.

Ele buscou pelos indivíduos preservados descendentes fisicamente de Efrayím e Yahudah e de


fato tem restaurado a estes indivíduos. Ainda que estes preservados não saibam quem são e
ainda que eles possam brilhar, atuarem, cheirarem, se comportarem e se conduzirem a si
mesmos com todos os costumes asquerosos de seu pai Yahravam (Jeroboam), nosso Messias
sabia onde encontrá-los. Ele encontrou-lhes e trouxe-lhes de volta ao redil em um nível
individual, não um nível nacional ainda. Suficientemente interessante, a palavra Hebraica para
preservados em Yeshayahu/Is.49:6 é Notzrim ou “Nazarenos”, a qual é a palavra Hebraica
moderna para Cristãos. São estes Efrayimitas preservados nascidos de novo que serão
reunidos no Tabernáculo reconstruído de David e regressarão ao redil de Yisrael como
Netsarim ou Nazarenos. Recordemos que as comunidades Messiânicas primitivas inteiras
eram conhecidas como Os Netsarim (Nazarenos) (Maaseh Shlichim/At.24:5), os preservados
do Yisrael arrependido regressando! Para entender este plano genial de YAHUAH para a
restauração de todas as coisas, leia Yechezkel/Ez.37:11-28, sobre ambos paus chegando a
ser UM na mão de YAHUAH debaixo de Yahushua nos últimos dias nas montanhas de Yisrael,
com a observância da Torah, cheia do Ruach (Sopro de YAH), sendo a ordem prescrita do dia!
Há bem mais verdades a respeito das duas casas e por tanto este ensino será continuado no
inverno de 1999 de Seus Braços à Yisrael (YATI)! Sinta-se livre em fazer tantas cópias deste
exemplar como você deseja. Não precisa permissão especial.

12
A PROGRESSIVA REUNIÃO DE TODO
ISRAEL!
A SEGUNDA PARTE DE UMA SÉRIE CONTÍNUA SOBRE A COMPLETA
RESTAURAÇÃO DE YISRAEL!

A fim de determinar de maneira conclusiva, a composição do Pacto Renovado no corpo de


Yahushua, chamado Yisrael de YAHUAH em GalutiYAH-Gl. 6:16, é preciso que entendamos
várias verdades de suma importância. Temos que compreender que as dispersões paralelas,
que sucederam às duas casas de Yisrael, isto é, a de Efrayím no norte e a de Yahudah (Judah)
no sul, não foi tão somente uma medida de castigo adotada por YAHUAH, senão que foi uma
medida de fidelidade. Em Bereshit-Gn. 13:14-16; 17:4-5; 26:4; 48:19, bem como em muitos
outros textos, vemos que foi prometido aos patriarcas a bênção física da multiplicação física
que faria que seu esperma físico enchesse todo o planeta terra. Antes que tivesse lugar à
dispersão do reino do norte, começando por Tiglaz pileser III, no ano 745 AEC, e acabando
com a conquista de Sargón II da capital do norte de Samaria no ano 721 AEC. As Escrituras
ensinam que muitos de Yahudah no sul, emigraram em direção norte, e muitos dos de Efrayím
no norte emigraram ao sul a fim de escapar da captura. Portanto, é possível que em ambas as
casas de Yisrael tivessem uma mostra representativa das doze tribos, mas nem todos
pertenciam as tribos. Quando o reino do norte foi à diáspora, devido ao paganismo, a idolatria e
a terem desobedecido a Torah, seguiram uma rota em direção ao norte, que lhes levou a
algumas partes de Assíria. Segundo a história, estas cidades assírias converteram-se, mas
adiante em partes dos povos Escitas, que posteriormente se estabeleceram na Europa e no
oeste. Já que estas dez tribos não tinham interesse algum em proteger sua identidade
Yisraelita, e se converteram literalmente em goym (gentios). Melachim Alef-1°Rs.12:24,
recorda-nos que este holocausto, que teve lugar no ano 721 AEC, fazia parte do plano por toda
a face da terra. YAHUAH decidiu levar a cabo este plano a fim de que se cumprisse o pacto de
fidelidade estabelecido com Avraham, Itzchak e Yaakov, permitindo que primeiro o reino do
norte e posteriormente o do sul se achassem ambos na diáspora e que se produzisse uma
dispersão global. Já que esta dramática mistura e migrações tiveram lugar antes do ano 721
AEC para que quando ambas as casas tiveram dispersado globalmente, ambas iriam conter
uma representação de cada uma das doze tribos.
No entanto, isto não significa que dentro dessas doze tribos se encontre o povo de Yahudah ou
o de Efrayím, mas o que se pode dizer é que, quando Yahudah foi disperso, primeiro nos 520
AEC e posteriormente nos 70 D.M., foram mais cuidadosos em preservar sua cultura, seus
costumes e sua Torah, para que eles permanecessem fiéis. Portanto, onde quer que fossem
parar, do ponto de vista global, as duas casas levariam o sangue e a semente Yisraelita a toda
a criação e quase a todas as criaturas. Tinha que ser deste modo, já que as promessas
patriarcais de multiplicação física foram prometidas para que se cumprissem por meio da parte
da família de Efrayím, segundo diz em Beresheeth/Gn. 48:19, não por meio de Yahudah. No
entanto, a Yahudah concedeu-lhe o privilégio, a preeminência e a honra de ser o veículo
através do qual se manifestaria Shiloh, o Messias. Por isso se diz em Matitiyahu/Mt. 10:23, tal
como foi profetizado por Yahushua, cada uma das cidades da terra se converterão em cidades
de Yisrael, já que muitos, se não a maioria, de seus habitantes farão parte de grandes
populações daqueles que descendem de ambas as casas. Neste mesmo versículo, Yahushua
confirma esta espantosa verdade, profetizando e recordando aos Seus Talmidim (Discípulos)
que terão uma extensão tão grande que cumpririam sua missão quando regressasse o Filho do
Homem, e ainda estariam ocupados pregando o evangelho. Esta extensão, a que se refere,
deve ser de alcance global, já que os doze Shlichim (Apóstolos/Enviados) poderiam ter enchido
toda a Judéia em poucos anos e em muitas décadas. Recordem que a Judéia era
aproximadamente do mesmo tamanho que as ilhas Rhode, como era Belém e ainda segue

13
sendo só cinco milhas ao sul de Yahrushalayim (Jerusalém) e, no entanto, Yahushua lhes
preparou para que pudessem desempenhar um trabalho de enorme alcance, que será tão
global em seu caráter, que não terão oportunidade de ter acabado este negócio relacionado ao
reino quando Ele regressar. "Porque em verdade digo-vos, que de nenhum modo acabareis de
percorrer todas as cidades de Yisrael antes que venha o Filho do Homem." Em outras palavras,
nosso Pai celestial considera a Paris, Londres, Hong Kong, Tehran, Beirute, Tóquio, Nova
York, Boston, Filadelfia, São Paulo etc. etc., todas elas, como cidades de Israel. Quando
combinamos esta poderosa verdade com Matitiyahu/Mt. 15:24, onde Yahushua mesmo afirma
que somente veio a buscar as Ovelhas Perdidas da Casa de Yisrael, temos uma poderosa
evidência de que esta terra é a "Sua Yisrael." Como é natural, estabelecemos um equilíbrio
entre estas e outras passagens das Escrituras, que afirmam de que modo o Filho salvaria ao
mundo inteiro, na qual, veio a morrer. Se ele morreu por todo mundo e se só veio a pelas
Ovelhas Perdidas de Yisrael, a simples lógica nos diz que o planeta terra, tal e como o
conhecemos na atualidade, 2.700 anos após que se produzisse a diáspora de Efrayím e 2.000
anos após a última diáspora de Yahudah, está composto, em grande parte, por sangue
Yisraelita. Note que não tenho dito que o sangue Yahudi, já que a maior parte da nação judia
seguiu sendo pequena e não se multiplicou realmente, do ponto de vista físico, por causa dos
holocaustos, as inquisições, as tentativas de extermínio e o genocídio e devemos de ter
cuidado para não continuar usando uma terminologia confusa. Por outro lado, ao Israel de
Efrayím encantava-lhe deixar-se assimilar e copiar os costumes pagãos, de maneira que não
resultavam facilmente de ser detectados e não podiam ser identificados para serem
perseguidos e aniquilados. Sentiam-se perfeitamente felizes integrando-se e assimilando em
qualquer sociedade na que se encontrassem.
Foi precisamente esta atitude despreocupada para YAHUAH e a Sua Torah, que de fato ajudou
a YAHUAH a se cumprir a promessa em Bereshit/Gn. 48:19. Esta renúncia a sua herança
Yisraelita foi possível para que o sangue efrayimita se multiplicasse e se estendesse
globalmente, sem que pudesse se detectar, normalmente conseguindo escapar a perseguição
e as tribulações que se relacionaram, do ponto de visto histórico, com Yahudah abertamente
demonstrativa. Oh!!! as profundidades da sabedoria do Todo Poderoso! Quão maravilhosos e
inescrutáveis são Seus Caminhos, mais além de nossa investigação! A maioria dos estudantes
sérios das Ketuvim (Escrituras) resultava-lhes evidente que Yahushua de Nazaret, sendo o
Mashiach (Messias) autêntico de Yisrael, tem feito precisamente o que disse que faria e tem
estado reunindo a todo Yisrael, ao remanescente escolhido de ambas as Casas diante de
nossos próprios narizes, enquanto temos estado dormindo e argumentando a respeito de quem
possui sangue judeu. Da mesma maneira que Adam acordou de um profundo sonho para
encontrar com sua esposa Chava junto a ele, o Yisrael judeu não demorará em acordar e se
encontrar com seu querido e durante tanto tempo perdido, o irmão Yahusef (José), que até
agora tem permanecido irreconhecível junto a ele! O Yisrael de Efrayím foi enviado por
YAHUAH à frente para oferecer a provisão do evangelho e o maná do ruach (sopro de YAH)
durante os últimos dois mil anos, a fim de que Yahushua pudesse voltar a reunir tanto ao
Yisrael judeu como ao Yisrael Efrayimita, tinha que permitir a Yahudah conservar a sua
identidade, de maneira que não fosse consumido e se impedisse o nascimento do Messias e
ao mesmo tempo converter literalmente aos descendentes de Yahravam (Jeroboão) o
efrayimita em gentios pagãos. Isso é correto.
As Ovelhas Perdidas da Casa de Efrayím converteram-se em gentios pagãos e é por isso que
uma e outra vez as epístolas da Brit Chadashah (Pacto Renovado) se refere aos gentios que
são salvos, aos gentios nascidos de novo, aos que têm sido lavados no sangue. Gentios,
gentios, gentios! Estou tão cansado de responder repetidamente a mesma pergunta:
- Se as dez tribos converteram-se em gentios, por que a Brit Chadashah não nos diz que o
corpo de Yahushua está composto por Yahudim e Efrayimitas em lugar de judeus e de
gentios?- Lhes direi por que! É devido a que os autores do Pacto Renovado deram por certo
que aqueles que seguem a história Yisraelita e que têm estudado o tema a fundo, seriam
plenamente conscientes da historicidade depois das dez tribos e sua subsequente assimilação,
que deu pé a que se convertessem em gentios. Estes autores do Pacto Renovado
singelamente deram por fato, que os leitores saberiam quem tinham sido anteriormente a
maioria dos gentios. O peso da verificação erudita depende de você não de outros! No último
exemplar oferecemos várias evidências de que esta verdade não é somente uma a que se faz

14
alusão, senão que se trata de uma maneira muito contundente na Brit Chadashah. Yaakov/Tg.
1:1 e em Maaseh Shlichim/At.15:14-19, bem como em muitas outras passagens das
Escrituras, falam claramente a respeito de que YAHUAH não queria permanecer na companhia
nem residir entre as nações pagãs, afirmam que as está visitando a fim de realizar um resgate
em massa e regressar a Si mesmo, do povo que pertence e ao que já se lhe chama por Seu
Nome (Maaseh Shlichim /At. 15:14). Yaakov afirma que todos os profetas de Yisrael estão de
acordo em que o propósito principal do Pacto Renovado e do Messias de Yisrael é isentar e
devolver toda a semente de Yisrael de ambas as casas, de novo ao Mishkan (Tenda de Dauid),
que havia caído. Evidentemente caiu por causa da divisão e o versículo 16 do capítulo 15 de
Maaseh Shlichim/At. ensina-nos que YAHUAH não está fazendo algo novo ao edificar uma
igreja, erigida pelo homem, com sua central em Roma, nem está construindo uma igreja na que
os gentios sejam mais numerosos, ultrapassem e suprimam a expressão judaica, senão que
está fazendo que as 12 tribos davídicas devolvam a tiferet (beleza e exaltação) à Yisrael. Ele
está reconstruindo e não construindo e para fazê-lo deverá, por força, usar os mesmos
habitantes do Mishkan (Tenda de Dauid) as doze tribos para reconstruí-lo, a fim de que se
pareça com a sua antiga composição e aparência. O versículo 20 de 15 de Atos afirma que
aqueles que compõem o Mishkan (Tenda) o reconstruindo, são os que regressam à YAHUAH.
A palavra grega no versículo 20 é regressar e estes Efrayimitas estão regressando porque seus
antepassados Efrayimitas Yisraelitas marcharam-se e abandonaram ao Aba de Tiferet (Pai da
beleza e exaltação).
Talvez possa ser mais simples? Uma vez que possamos determinar, de maneira conclusiva e
baseando-nos nas Escrituras, que multidões daqueles que estão regressando ao corpo de
Yahushua, são descendentes, por sangue, da tribo do norte, então nós seremos obrigados a
fazer um reajuste da nossa maneira de pensar no movimento messiânico. Simplesmente pelo
fato de que sejamos incapazes de reconhecer a casa de Yahusef (José) como parte de nossa
própria família entre nós, não significa que não o sejam. Yahusef (José) vestia-se como um
egípcio e estava casado com uma sacerdotisa pagã, que tinha um nome pagão e teve filhos
pagãos, que a seus irmãos lhes resultou irreconhecíveis. A situação não tem mudado. Porque
muitos que o negam, no terreno de Yahudah, seguem sendo um fato inalterável que aqueles
aos que chamamos gentios salvos ou não judeus são, em muitos casos, nosso irmão Yahusef,
pai de Efrayim, o pagão no Egito, bem como as massas de pagãos Efrayimitas que
regressaram, como resultado do primeiro holocausto Yisraelita, no ano 721 AEC. Foi esta
dispersão dupla, de ambas as casas, que tem feito ao mesmo tempo cumprindo a promessa da
multiplicação física e tem servido para engrandecer a grandeza de Yahushua, como o Único
que pode encontrar e localizar a ambas as casas, que contêm uma representação da cada uma
das 12 tribos e que precisam ser restauradas a YAHUAH e a terra. Yeshayahu/Is. 49:6 é uma
passagem espantosa das Escrituras messiânicas. No versículo cinco, afirma que um dos
motivos pelo que o Pai deu origem a Yahushua, foi pára que Yaakov (Jacó) regressasse. Não
só os Yahudim (judeus), senão Yisrael (Jacó).
O versículo seis de Yeshayahu/Is.49 é mais profundo ainda, já que profetiza que o Messias
levantará as tribos de Yisrael. Levantar significa fazer que volte a aparecer ou restaurar de
novo a uma vida reconhecível. Ele recriará a vida restabelecendo as partes desoladas. Que
parte ou partes de Yisrael, que experimentaram a Tiferet (Exaltação) davídica, se tinham
convertido nas mais desoladas? Isso é correto! Efrayim! Yeshayahu/Is.11:12 confirma que
enquanto Yahudah estava simplesmente disperso, foi o Yisrael de Efrayím que se converteu
em uma parte desolada ou nos eliminados de Yisrael. Yeshayahu/Is.11:10 afirma que o
Messias é a Raiz de Yshai (Jessé) e o Ramo de Dauid, o que levará a cabo esta reunificação
de ambos dispersos, isto é, o Yisrael (Yahudi) e o Yisrael eliminado (Efrayim). Yahushua pode
diferenciar entre as Duas Casas que foram exiladas em duas direções diferentes, mediando
entre os 200 anos, por que então não podemos nós fazer isso também? Se Yahushua não está
reunindo a ambas as Casas das duas diásporas, então ele é um falso Messias! Mas, como é
natural, sabemos que Ele é o Mashiach e, portanto, está voltando a reunir Ambas as Casas. No
versículo 6 de Yeshayahu/Is. 49 chama-lhe a Efrayim a desolação de Yisrael. O princípio
destes fortes versículos recorda-nos que o Todo Poderoso YAHUAH é tão Onipotente que o
que nós consideramos um trabalho impossível, é um assunto ligeiro e insignificante no âmbito
da perpetuidade do Mashiach Onisciente e Onipotente, que o Pai lhe concedeu aos
verdadeiros gentios não Yisraelitas, que não têm sangue Yisraelita, a fim de que seja a Sua
posse, para que não se aborreça com a sua tarefa, o Judaísmo Messiânico precisa romper com

15
os temores e reconhecer o amanhecer de um novo dia em que Yahushua,Yahusef (José),
nosso irmão, está sentado e mora conosco e junto a nós. É este reconhecimento de nosso
irmão oculto que fará possível não só a salvação de todo Yisrael, senão a um desenvolvimento
rápido da noite para o dia deste movimento, que ainda é reduzido. Este próximo passo de
crescimento somente pode ter lugar aceitando como autênticas as alegações daqueles que
afirmam possuir uma herança Yisraelita e estão sinceramente dispostos a aceitar que não são
Yahudim (judeus), cujo único desejo é compartilhar o destino do Yisrael judeu, juntamente com
o bom e o mau, em ocasião os aspectos desagradáveis de ser um Yisraelita. Se Yahushua
está irradiando o evangelho por toda a face da terra e está reunindo a toda a humanidade
nestes últimos dias da colheita mundial entre as nações, então em algum lugar existem, nessa
enorme rede, centenas de milhares e até possivelmente milhões de descendentes de Yahusef
(José) e de Efrayím, sem que eles mesmos sejam conscientes disso, eles estão regressando a
seus irmãos Yahuditas (judeus). Não se pode ter um Tikun haOlam mundial dos últimos tempos
sem que, em alguma parte, nessa enorme colheita mundial, nos encontremos e tropeçamos em
enormes quantidades de Ovelhas Perdidas da Casa do Norte de Yisrael. Isso seria uma
impossibilidade, a nível lógico, histórico, cultural e matemático! Recordem que como crentes,
dependemos alinhar nossa doutrina com a de Yahushua, e não com a nossa ou com a
declaração de fé doutrinal de nossa organização, seja qual for a forma que adote. Se pudermos
estar todos de acordo em que entre as nações do mundo se encontra essa dispersão, tanto do
Yisrael judaico como do Yisrael de Efrayím, então poderemos ter um terreno comum e uma
visão comum que bata de maneira simultânea como bate no coração do Pai celestial por todo
Yisrael. Simplesmente porque nós, por causa de nossa mortalidade finita, sejamos incapazes
de identificar a estes Yisraelitas que não são judeus, isso não significa que tenham
desaparecido da face da terra e não quer dizer também que não estejam aparecendo
semanalmente em nossas congregações e em nossas sinagogas, gostando nós ou não.
Quando concordamos, de maneira coletiva, balançando nossas cabeças em desacordo
doutrinal com "Your Arms To Yisrael", isso não fará que eles desapareçam. Em Yirmiyahu/Jr.
31:9, 10 o Pai proclama a todos os que têm ouvidos que escutem que Efrayim é SEU FILHO E
O PRIMOGÊNITO, e que Ele voltará a reuni-los! É Yahushua que está restaurando o Reino a
Yisrael, pessoa por pessoa, e posteriormente as grandes massas. Este processo de reunião
em massa efrayimita dá como resultado a formação da Assembléia geral e a Congregação dos
"primogênitos", mencionados pelo próprio Rav Shaul em Yivrim-Hb.12:23. Ele reconheceu que
muitos, no Yisrael do Pacto Renovado, pertenciam a linhagem de Efrayím, o primogênito, e que
portanto, era uma Congregação de primogênitos. Olhe na tela de fundo do tempo presente a
este versículo! Este é um processo contínuo, na atualidade, da mesma maneira que estava já
sucedendo nos tempos do Rav Shaul. Este trabalho não podia e segue sem poder realizá-lo,
em nenhum movimento e por nenhum homem, por muito bem intencionados que sejam, seja
judeu ou inclusive o Sionismo cristão, já que é uma tarefa que só o Messias Onipotente pode, e
de fato, tem feito! Estou convencido de que isso se trata precisamente do tal chamado
“arrebatamento”. Sejamos sinceros a respeito. Quanto o crente nascido de novo, não judeu,
aqueles que você fazendo fila no consulado Yisraelita, esperando a que lhes concedam vistos,
para fazer aliyah a Yisrael? Nem sequer a maioria dos Yisraelitas judeus está fazendo isso. De
modo que, como pode o Pai fazer que se cumpram todas estas promessas, no sentido de que
não ficará nenhum Yisraelita em nenhuma das nações já que ambas as Casas têm sido
dispersas?
Yechezquel/Ez. 39:28 fala a respeito de que nem um só Yisraelita viverá fora de Yisrael
durante o milênio. Pense nessa promessa! Se ficar, em qualquer lugar, fora de Yisrael um só
israelita, então YAHUAH mentiu porque Ele disse que não ficaria um único sequer. Na minha
opinião e segundo a minha humilde maneira de entender, isso só pode suceder em virtude do
que podemos chamar "o arrebatamento" no que milhões de metodistas, batistas,
presbiterianos, nazarenos e outros nascidos de novo serão reunidos e se supõe que serão
elevados de maneira sobrenatural, e transportados a Yisrael sobre as asas do Todo Poderoso,
com a finalidade de fazer que regressem para sempre à sua terra. Por que iria estas pessoas
planejar fazer aliyah quando sua identidade Yisraelita se perdeu também para eles? A maioria
destas pessoas não sente desejos de regressar. Sim, eu creio neste arrebatamento de todo
Yisrael, mas não no arrebatamento de algo chamado a igreja, tal e como se ensina
normalmente. Segundo essa versão, ou devesse dizer perversão, aos judeus deixa-lhes de
lado e aos "chamados" "gentios salvos" concede-lhes umas férias fazendo um cruzeiro celestial

16
de sete anos de duração. Essa perversão do arrebatamento é uma pura fantasia e para
aqueles que estão esperando que apareça esse “ônibus do arrebatamento” antes da tribulação,
acho que essas pessoas não só se sentirão profundamente decepcionadas e enganadas,
senão que lhes animo a que levem consigo um bom abrigo e um saco de dormir, porque irão
esperar muito, é uma longa espera, antes que passe esse “ônibus do arrebatamento” que não
aparecerá jamais! A verdade é que não vai suceder tal e como desejariam muitos de nossos
leitores. Esse engano ademais separaria inclusive mais ao Yisrael do Pacto Renovado no lugar
de reedificá-lo, já que o principal impacto do ensino é que a Igreja Romana e suas filhas
prostitutas possam sair voando intactas enquanto os "judeus que mataram a “Cristo" ficam
detonados. A igreja e seu pontífice romano voam ao céu enquanto o Yisrael judeu fica para
trás. No entanto, se a esposa de Yahushua no Pacto Renovado é o Yisrael nascido de novo,
então os Yahudim escapam também! Vejo, segundo as Escrituras, que se produzirá um
arrebatamento dos israelitas do Pacto Renovado, cujo sangue tem sido isentado e lavado,
composto por judeus, Efrayimitas e também gentios, todos eles regressando às montanhas de
nossa tão desejada terra. O ponto de vista correto é tirar do meio de Yisrael do Pacto
Renovado, afastando da ira de YAHUAH, para posteriormente fazer que eles regressem, em
massa, a Yisrael, sem permanecer no céu, ainda que como pessoas exaltadas, que teremos
acesso livre aos céus como e quando queiramos. O versículo 25 do capítulo 39 de
Yechezkel/Ez. diz-nos que regressará toda a Casa de Yisrael, que significa todo o cativeiro de
Yaakov (Jacó). Quando YAHUAH usa o termo Yaakov, ele se refere a ambas as Casas,
regressando ao seu lar, juntamente com seus colegas gentios. Ao falar com crentes e
dirigentes judeus messiânicos, surpreende-me a preocupação que se mostram de que a
verdade a respeito das Duas Casas, não esqueça e tenha em conta que aos verdadeiros
gentios, a fim de que sejam incluídos no Yisrael messiânico do Pacto Renovado.
Talvez esteja louco ou o que? Talvez não tenha sido os gentios os que têm sido incluídos no
messianismo durante dois mil anos? Não tem sido o remanescente Yahudah ou os crentes
judeus os que têm estado experimentando o avivamento desde 1967, que a sua vez lhes
permitiu uma expressão em e como Yisraelitas pertencentes ao Pacto Renovado? Talvez não
tenha experimentado sua inclusão recém-descoberta, desde 1967? Dá-me a impressão de que
exista uma escassa preocupação ou nenhuma pelos Yisraelitas, que não são Yahudim, que
são nossos irmãos, de carne e osso, e o papel que representam e ainda terão de representar
nos últimos tempos! Ao compartilhar esta verdade, a respeito das Duas Casas, não me
encontrei nunca com ninguém que me dissesse que sua razão para recusar o ensino seja a
falta de espaço nela para a outra Casa de Yisrael. Nunca alguém me expressou a sua
preocupação pelo fato de que uma grande parte do Messianismo afirme que o corpo se
compõe só de judeus e de verdadeiros gentios. SOMENTE! É preciso que reajustemos nossas
atitudes lendo as Escrituras como é devido, que o Pai afirma que todas as coisas na terra, no
céu e inclusive embaixo da terra, estão sendo reunidas pelo Messias Yahushua (Ephsiyah/Ef.
1:10). Este versículo reitera que todas as coisas e todos os povos precisam ser restaurados e
reunidos (as 12 tribos) e que estão sendo pelo Mashiach neste tempo presente. Exceto, como
é natural, aquelas pessoas que se negam a reconhecer a semente (esperma em grego) física e
literal da Casa de Yahusef (José) na composição atual do corpo do Mashiach (Galutyah/Gl.
3:29), que é um espírito de cegueira e de retardamento sobre uma grande parte do Yisrael
judeu. É espantoso como os Yahudim nascidos de novo sentem uma maior preocupação pelos
gentios verdadeiros, que segundo as Escrituras permanecem na minoria global, que aqueles
que afirmam, desejam e estão destinados a ser o irmão físico de Judá, Efrayim (Yahusef-José).
Onde estão nossas prioridades como Yisraelitas Yahudim? Talvez não tenhamos sido
chamados a deixar de lado o espírito assassino e irritante de Caim para reconhecer e fazer
questão de cumprir com nosso papel como guarda de nosso irmão? Não é esse o ruach (sopro
de YAH) de mansidão e de arrependimento que agradaria a YAHUAH? Yahudah só poderá
começar a representar esse papel quando estiver disposto a participar e a atuar conforme a
correta hermenêutica e exegeses. Deve recordar-se a si mesmo que de acordo com o que diz
em Melechim Bet/2 Rs.17:23, escrito ao redor do ano 538 AEC, aproximadamente 200 anos
após a diáspora de Efrayím, o povo do Norte de Yisrael foi para a Assíria e a maioria deles não
regressaram jamais a Judá no Sul e segundo o que diz em Melechim Bet/2 Rs.17:23.
TODAVIA ENCONTRAM-SE EM TERRITÓRIO ASSÍRIO! Encontramos ainda mais provas de
que o Yisrael Yahudi atual pode representar a cada uma das 12 tribos, mas não incluir a seu
enorme número de pessoas, que encontramos em Zecharyah/Zc. 11:14, onde se lhes diz a

17
este profeta menor que apanhe seu cajado, chamado União, que representava a União das
Duas Casas, e que o rompesse ao meio, simbolizando a contínua ruptura na irmandade entre
as Duas Casas, inclusive uns 200 anos após que tivesse lugar a diáspora do Norte no ano 520
AEC. Se os judeus que regressaram da Babilônia ao redor desse mesmo tempo incluíam a
plenitude das 12 tribos de Yisrael, por que ia YAHUAH, por meio de Zecharyah (Zc.), lhes
recordar a ambas Casas que a irmandade experimentada e debaixo do reinado de Dauid
continuava rompida? Se todo Yisrael se REUNIU após ter regressado da Babilônia, como
dizem alguns, então YAHUAH deveria lhe ter dito a Zecharyah que colasse seu cajado,
chamado União, com durex ou com alguma coisa para colar. Evidentemente isso não sucedeu
e aqueles que disseram que passou, são os principais defensores da "teoria de que Efrayim
desceu sobre a face da terra" ou da teoria de que foi absorvida por Yahudah! A verdade é que
foram absorvidos. Não pelo Yisrael Yahudi, senão pela plenitude dos goyim (as nações) do
mundo. Sabemos o suficiente, que não podemos nos deixar levar por essas falsas explicações!
Simplesmente pelo fato de que a teologia da substituição tenha tentado destruir qualquer
depoimento Yahudi no corpo, não significa que esses erros do passado devam ditar nossa
atitude quanto a existência real dos Efrayimitas no corpo local, bem como no universo. Quando
vamos crescer espiritualmente e não reagirmos na frente das pessoas, senão reagir diante a
revelação das Escrituras? Façamos um trato! Eu começarei a me preocupar mais pelos gentios
e o lugar que ocupam no corpo messiânico, se você deixa de negar a palavra de ilustração de
YAHUAH à Zc., se tirar seus óculos e você deixar um espaço para o seu irmão Efrayím em sua
teologia e começar a se converter no seu guardador, buscando juntamente com seu Mestre!
Temos um trato?
Permita-me recordar-lhe, segundo Yair Dauidy dos ministérios de Brit AM em Jerusalém, um
sabra que não é salvo, que a maioria das piores atrocidades cometidas ao longo da história na
contramão do povo judeu foi cometida por gentios autênticos, não por aqueles que afirmavam
ter sangue ou um vínculo de união espiritual com a nação Yahudi. Aqueles que têm tido
tendência a considerar a nação Yahudi como uma bênção enquanto viviam entre as nações, e
isso tem sido uma de várias características destacadas dos Efrayimitas perdidos, segundo a
ampla investigação levada a cabo pelo Sr. Dauidy, que não possui uma agenda messiânica e é
um erudito de fama mundial no que se refere as 12 tribos de Israel. Ele é uma das principais
vozes que se elevam com respeito da continuada existência das Duas Casas de Yisrael, ainda
divididas, sem que nenhuma das duas seja melhor e nem substitua a outra, simplesmente
descobrindo a proximidade única de ambas (Yirmiyahu/Jr. 33:24 fala a respeito das duas
famílias escolhidas de Israel) e desfrutando a irmandade Yisraelita. Se você desejar informação
a respeito de como solicitar seu livro "The Tribes" pode encontrar ao final deste ensino.
Decidamo-nos a pensar que enquanto o sangue de Yahushua vai reunindo as nações, dentro
desse apelo, se encontra nosso irmão, que faz tanto tempo que se perdeu. Estabeleçamos,
conforme as Escrituras, que as dez tribos se converteram, efetivamente, em gentios, perdendo
sua identidade, mas não sua linhagem e o que cremos ou deixemos de crer não muda a
linhagem porque não tem nada que ver com nossa prática religiosa nem a falta dela. O profeta
Hoshea (Os.) foi enviado exclusivamente ao norte, justo antes de seu cativeiro assírio. No
capítulo um de Hoshea/Os. versículos 1-9, o profeta lhe diz a Yisrael de Efrayím, ou à casa
de Yisrael, que seu reino vai chegar ao seu fim e que não serão mas o povo de YAHUAH e que
YAHUAH não terá compaixão deles e deixará de ser o seu Elohim.
Mas, de maneira milagrosa, no versículo 10 do capítulo 1 de Hoshea/Os., o mesmo povo
volta a aparecer ou a nascer de novo, desta vez não como uma nação corporativa, senão como
indivíduos que se converteram em filhos que têm regressado à YAHUAH. O versículo dez
refere-se a estes anteriores da terra do norte, mas numerosos que a areia do mar. Diz que "o
número dos filhos de Yisrael" será como a areia do mar. Isso significa que é o Yisrael de
Efrayím está destinado a produzir os milhões ou inclusive os bilhões de filhos cheios do Ruach
(Sopro) de YAHUAH para Yahushua, prometidos aos patriarcas. Esta verdade tem sido
confirmada no versículo 11 e vemos que o judeu e o Efrayimita, ambos, serão salvos por meio
do mesmo Rei. Hoshea/Os. 2:22-23 confirma esta grande verdade. Recorde que o que crer e
viesse à emunah (confiança-fé) no Messias e tragicamente talvez que se fossem à igreja
católica, não muda sua linhagem, que segue sendo a mesma. O versículo 11 do capítulo 2 de
Hoshea/Os. profetiza que uma vez, que a casa do norte de Yisrael fosse dispersa pela Assíria,
perderia totalmente sua identidade, porque YAHUAH faria que se esquecessem do Shabat, das
moadim (Comemorações) e dos Chodeshim (novos meses). Ele separaria esses sinais visíveis

18
do Yisraelismo, a fim de facilitar a sua assimilação entre os verdadeiros gentios. Em seu estado
de assimilação como gentios, se refeririam a YAHUAH como Baal, que significa “SENHOR” em
portugues! Esta verdade achamos em Hoshea/Os.2:16,17. Mas quando regressarem à
YAHUAH, por meio do Messias, deixarão atrás os nomes do cristianismo gentil paganizado e
começarão a conhecer e a chamar a YAHUAH "Ishi" que significa meu esposo. Esta profecia
coincide com Hoshea/Os.1:10. Em Hoshea/Os. 4:17, YAHUAH diz à Yahudah que se afaste
de Efrayím, já que se uniu à idolatria. Hoshea/Os. 5:9 fala a respeito de que a herança de
Efrayím ficará desolada! É a mesma herança desolada a respeito da qual se diz que Yahushua
voltará a dar vida em Yeshayahu/Is.49:5-6. Segundo Hosheia/Os.5:15-17 Yahushua
regressaria ao céu, mas após dois dias ou dois mil anos, Efrayím seria ressuscitado para que
pudesse viver, tanto do ponto de vista físico como do espiritual, aos Seus olhos. No contexto
vemos que as doze tribos da anterior casa de Yisrael presenciarão o avivamento e a
restauração nacional após dois dias ou dois mil anos, após a primeira vinda do Messias. O
sinal de que o castigo de Efrayím está chegando ao seu fim, é que a cegueira diante da sua
verdadeira identidade está sendo eliminada. O sinal de que o castigo de Judá está também
chegando ao seu fim, é o seu reconhecimento do fato de que YAHUAH tem um Filho que foi
manifestado na carne para nosso perdão. Hoshea/Os.7:8, afirma que Efrayím se juntou com
os idólatras, e é evidente que para encontrar ao Yisrael de Efrayím é preciso buscar entre os
pagãos. O versículo 11 afirma que o caminho das nações passava pela Assíria. Hoshea/Os.
8:8 reitera, com os termos dos mais claros, que Yisrael seria absorvido pelas nações gentílicas.
A palavra hebraica que significa absorver é “bala”, que quer dizer literalmente converter em
uma carne ao ser devorada ou capturada.
Da mesma maneira que a carne que comem os seres humanos desaparece literalmente e se
converte em carne com o corpo da pessoa, Yisrael (Efrayím) se converterá em uma e será o
mesmo que as nações gentílicas, da mesma maneira que Yahushua e Seu Pai são Echad
(únicos) Nas Escrituras o termo goy é um termo coletivo para uma nação e não se usa nunca
esse termo goy nas Escrituras de uma maneira pejorativa, na contramão de uma pessoa, já
que gentios quer dizer nações corporativas. Existem várias referências à nação de Yisrael
como o "Yisrael goy" em lugar de como AM Yisrael. Hoshea/Os. 8:8 e 8:8, afirma que Efrayím
teria de viver entre as nações ou gentios, como seu severo castigo por considerar a Torah
como algo estranho (Hoshea/Os. 8:12) Não importa quanta Torá YAHUAH compartilhou com
Efraim, ele não queria fazer parte do mesmo sentimento restrito por ele. Soa-lhe familiar? Deve
ser assim, pois é o que pensam a maioria dos crentes que não são Yahudim. Em Hoshea/Os.
9:11, uma passagem das Escrituras verdadeiramente comovedora, afirma que o Yisrael de
Efrayím escapará voando como um pássaro, onde não terá nascimento, onde não se levará
aos filhos na matriz, onde não existirá a concepção (como Yisrael). O versículo 17 de
Hoshea/Os. 9 reitera o fato histórico, perfeitamente claro, de que o Israel de Efrayím estava
destinado a perambular entre as nações. Até Moshe Rabeinu (Moises) profetizou a respeito da
diáspora Efrayimita em Devarim/Dt. 33:16-17!
Moshe disse no versículo 16 que Efrayím estava sempre separado de seus irmãos e no
versículo 17 reitera a condição de Efrayím, como o primogênito perpetuo, mas ao mesmo
tempo teimoso ou inconstante. A seguir descreve, surpreendentemente, a Efrayím como o
unicórnio, que é o único membro da espécie dos cavalos, que tem um só chifre, simbolizando
que quando Efraim experimentar sua ainda futura diáspora nos 721 AEC, seria retirado de
Yisrael só (um só chifre), sem seu irmão Yahudah. O final de Devarim-Dt. 33:17 volta a
confirmar que este unicórnio (isto é, Efrayím) empurraria ao povo de Israel aos confins da terra
e estando ali disperso, se multiplicaria e se converteria no conhecido dez milhões de Efrayím e
nos milhares de Manasses! Que tremendo! Apesar desta terrível correção, YAHUAH prometeu
que esta dispersão global não resultaria a destruição de Efrayím, segundo Hoshea/Os. 11:9 e
Yirmiyahu-Jr. 31:33-37, bem como em muitas passagens. Portanto, sabemos que apesar de
que eles têm vagado e têm vivido entre os gentios, se convertendo eles mesmos em gentios, já
que a Torah tinha como propósito os unir, foi tratada como algo estranho, o Pai prometeu que
não seriam destruídos, senão que seriam preservados de maneira individual. Se eles não têm
sido destruídos e uma das missões de Yahushua era achar sua herança desolada e reconstruir
o Mishkan (Tenda de Dauid), onde você acredita que muitos deles se encontram na
atualidade? Assim é efetivamente, são muitos casos de seus irmãos crentes, que não são
judeus, segundo diz Hoshea/Os.2:1! Acorda Israel de teu sonho, deixa de dormir e a verdade
te fará livre! Hoshea/Os. 12:1 e 13:15, mostram indícios escrituristicos muito poderosos, no

19
que se refere a localização atual do Yisrael de Efrayím disperso. A Palavra afirma que Efrayím
se alimenta do vento, o qual significa que está sendo sacudido por todo o planeta e segue ao
vento do Leste. Sabemos que o vento do Leste sopra para o oeste. Zecharyah/Zc. 10:8-9 diz
que YAHUAH assobiará para Efrayím e lhes chamará das nações ocidentais, onde têm sido
semeados. A essa reunificação de ambas as Casas se lhe chama no Dia de Yezreel (Jezreel),
que significa literalmente a reunificação e o plantar de novo o que se tinha sido anteriormente
desarraigado! Toda a terra que na atualidade se encontra ao oeste e ao noroeste de Yisrael,
como podem ser as Américas do norte, a central e a do sul, bem como Europa e as Ilhas
Britânicas são todas elas localizações dos principais centros de população Efrayimita. Yair
Dauidy chegou as seguintes conclusões, bem documentadas, a partir de fontes talmúdicas,
históricas e arqueológicas. Efrayím acabou em Grã-Bretanha, Menashe (Manasses) nos USA,
Reuven (Rubén) na França, Shimeon (Simeão) na Europa celta e judia, Leui (Levi), onde quer
que fosse os judeus, Yahudah foi a toda parte, Ysachar (Isacar) acabou na Suíça e na
Finlândia, Zevulon (Zebulón) na Holanda, Gad na Suécia, Asher (Aser) na Escócia, Beniamin
(Benjamin) com os judeus na Bélgica, em Normandia e em outros lugares, Dan (Dã) com os
dinamarqueses e os celtas da Europa e Naftali (Neftalí) com os noruegueses na Noruega.
Como pode você ver claramente, ambas as casas foram praticamente a todas as partes, ainda
que Judá tivesse mais sucesso em se manter unido. Esta fuga em direção ao norte e noroeste,
dará como resultado o que milhões de ambas as casas regressem à Yisrael durante os últimos
dias, procedentes da Rússia, onde se encontram multidões de Efrayimitas juntamente com os
judaitas. Yirmiyahu-Jr. 16:15-19, são textos que servem de poderosa evidência e afirmam que
a casa do norte de Israel foi diretamente ao norte, que é a Rússia atual e a atual região
conhecida como a Comunidade de Estados Independentes, que formam o que foi
anteriormente a União Soviética, de modo que regressarão da nação do norte.
Esse regresso será tão em massa, que fará que TODA YISRAEL minimize o Êxodo do Egito e
realce o atual, que é numericamente superior. Ao judaísmo messiânico encanta-lhe proclamar
a majestade de Yahushua no regresso dos Yahudim do que era anterior União Soviética, bem
como o atual avivamento judeu que está tendo lugar ali, mas com tudo e com isso não está
tendo em conta as passagens das Escrituras, como possam ser Yirmiyahu/Jr.3:17-18, que
afirma que nos últimos tempos, quando observarmos esta volta em massa de Yisraelitas,
procedentes do norte ou este Segundo Êxodo, será a semente e a descendência de ambas
Casas regressando à Yisrael. Em outras palavras, é hora de acordar, cheirar o café e permitir
ao Messias que nos dê a sua luz! Algumas das pessoas, as que chamamos de judeus na
anterior União Soviética estão aceitando ao Mashiach em números recordes e que estão
voltando à terra de Yisrael, são de fato, Efrayimitas e não judeus. YAHUAH não disse que
fosse trazer de volta ao Yisrael judeu e deixar ao Yisrael Efrayímita nas terras do norte, tão só
para padecer mais nos pogromos (cruzadas de aniquilação) a mãos dos antisemitas como o
Pamyat. Diz em Yirmiyahu/Jr. 3:17-18, que trará a ambas Casas de volta nos últimos dias. Já
que ambas as Casas regressam, é evidente que elas existam ainda. É precisamente a luz do
evangelho de Yahushua, que pretende converter estas duas casas, em um novo homem
chamado Yisrael! Yirmiyahu/Jr. 50:4-5,confirma que a fim de que todo Yisrael possa ser
reunificado, é preciso que ambas as Casas aprendam a caminhar juntas, se afastando da
Babilônia e de Roma, para regressar da mão a Tzion (Sião).
Você gostando ou não! Não haverá reunificação escritural de Judá, sem ou separado de um
esforço ambicioso paralelo e simultâneo por parte de YAHUAH, para reunificar à casa de
Yahusef (José) da mão de Efrayím. Elas andam juntas e não existirão resgates diferentes
levados a cabo em diferentes ocasiões! Estamos realmente destruindo o conteúdo das
Escrituras, se tão só sugerimos que o regresso de Yahudah à terra de Yisrael está tendo lugar
sem seus irmãos, os Efrayimitas. Se chegarmos a este ponto, o judaísmo messiânico
reconhecendo ou não ao seu irmão, isso não vai impedir que se cumpra o plano do Pai, que
está sobre qualquer outro plano. Hoshea/Os. 14:6, diz que o Efrayím que está regressando e
se arrependendo, será uma vez mais parte da oliveira de Yisrael. Isto é algo que confirma o
Rav Shaul em Romiyah/Rm. 11:16, chamando ao regresso dos Efrayimitas os ramos da
oliveira silvestre (paganizadas). Em Ahmos/Am.9:8, YAHUAH prometeu destruir a nação do
norte, mas no versículo 9, Ele diz que como pessoas individuais, nem um só grão cairá a terra
ou será destruído entre as nações ou gentios, onde foram destinados.

20
O versículo 11 de Ahmos/Am.9, afirma que o motivo pelo que nem um só grão de milho
Yisraelita cairá na terra, é que o Pai deverá conservá-los entre as nações nas quais teriam que
estar, a fim de poder reconstruir o Mishkan (Tenda de Dauid), que tem caído de uma maneira
tão absoluta. A ideia das "TRIBOS PERDIDAS" É TOTALMENTE CRISTÃ, QUANTO A SUA
TEOLOGIA E NÃO TEM NENHUMA BASE ESCRITURAL OU JUDAICA! Existe ainda muita
literatura talmúdica que fala a respeito de que Efrayím existe ainda e espera para experimentar
um segundo nascimento por meio de MASHIACH!! Yechezkel (Ez.) confirma o fato de que o
reino do norte se converteu em gentios entre as nações, como possam ser os versículos 36:15-
38. Estes versículos também servem para mostrar luz sobre o fato de que não se menciona a
Judá já que nos tempos de Yechezkel, isto é, o 500 AEC,Yahudah só tinha conhecido a
dispersão babilônica, não mundial. Nos tempos dos escritos proféticos de Yechezkel, o único
segmento de Yisrael que tinha conhecido a dispersão mundial era a parte do Norte ou a Casa
de Yisrael. O único lugar que o Yisrael judeu precisava regressar nos tempos de Ez., se refere
aos que ficavam na Babilônia e que tinham negado a regressar com Ezrah (Esdras) e
Nechemyah (Neemías). Essa era a diáspora de uma só nação, não uma diáspora mundial. Em
Yechezkel/Ez. 37:11 YAHUAH muda o curso dizendo à Ez., que a visão dos últimos dias, se
valendo do cajado, é para toda a casa de Yisrael. O acrescentar "toda" se confirma nos
versículos 12 a 28, onde vemos que as Duas Casas claramente mencionadas formando um
todo. Portanto, está acima de toda dúvida, que o Yisrael de Efrayím, e em menor grau o Yisrael
judeu, se encontra perfeitamente a salvo em nossos dias, como o tem estado em qualquer
outra época, e está simplesmente sendo pressionado, sobre uma base individual até que
Yahushua os traga de volta ao Yisrael do Pacto Renovado, um por um.
O que sucederá durante o milênio, quando ambas as casas se encontrarem juntas, está
sucedendo, como realidade parcial, ao tomar Yahushua aos que se encontram longe ou
distanciados de Yahrushalayim (Jerusalém), bem como aos que estão perto, fazendo de ambas
Casas uma só árvore da vida, pelo precioso sangue do Mashiach (Efsiyah/Ef.2:13-14). As
duas casas, a que está próxima e a que está longe, têm visto após muitos anos a antiga
muralha de separação, sendo derrubada graças a Yahushua, o Filho. O processo gradual e
progressivo começou no Calvário no dia em que morreu Yahushua e culminará quando
regressarem, com o começo do Reinado de YAHUAH na terra. Halleluyah! Com todo o
respeito, nós não precisamos da Herber W. Armstrong, nem dos mórmons, nem dos teólogos
da teoria da substituição do Yisrael britânico, nem dos índios americanos, para que nos digam
onde buscar e achar o Mishkan (Tenda de Dauid) restaurado e reconstruído. Não temos que
buscar além do corpo de Yahushua, o corpo de crentes, e ao fazer, achará você a todo o
Yisrael isentado, vivendo juntos em unidade, harmonia e ahava (se doando). Justo diante de
seus narizes, ainda que muitos de nós não sejamos conscientes disso, se encontra o mistério
da reunificação física das doze tribos de Yisrael. É por isso que a árvore da Oliveira do Rav
Shaul chama-se um mistério anterior que agora tem sido revelado.
Contemplamos os primeiros passos para incluir aos Yisraelitas, que não são judeus, na visita
do Mestre em Samaria, a anterior capital do norte. Em Matitiyahu/Mt. 10:5 Ele proíbe a seus
talmidim (discípulos) o evangelismo em Samaria, que se reconhece abertamente como anterior
território Efrayimita. Mas apesar disso, em Yohanan (Jo.), capítulos quatro encontraram a
Yahushua ministrando à mulher Efrayimita ou samaritana junto ao poço. O que é que estava
sucedendo? Por que proibiria aos seus apóstolos realizar seu ministério nas colinas de
Samaria (Efrayím) e depois regressar ele mesmo, para aparentemente infringir sua própria
proibição? A resposta devesse ser evidente. Devido ao preconceito e a maneira em que os
seus discípulos judeus lhes desagradavam dos samaritanos, Yahushua sentiu que eles
perderiam esta tarefa, por não dizer outra coisa, ou no pior dos casos, eles fracassariam. Se
Ele dependesse de Seus discípulos, mais fácil tivesse sido que eles tivessem deixado de lado
aos odiados samaritanos, que era uma raça mestiça composta pelos descendentes de uma
ampla coabitação de Efrayimitas que permaneceram na terra (por solicitação do Império Assírio
colonial que lhes tinha conquistado) e seus conquistadores. Tinha-se permitido permanecer nas
montanhas de Samaria devido a sua habilidade como granjeiros, o qual provia alimento e
provisão para os colonizadores conquistadores. Ao invés de outros exércitos, como o grego, o
babilônico, o romano, a política dos assírios era estabelecer um território conquistado, os
assimilando com seu próprio povo, em lugar de matar a todos os habitantes nativos. Esta
mistura entre os assírios colonizadores e os provedores de alimentos, produziu a mistura de
raças dos odiados samaritanos em existência durante os tempos de Yahushua, bem como na

21
atualidade. Apesar do fato de que eram mestiços, tinham sangue Yisraelita (não judeu). Este
fato está acima de toda disputa ou argumento, e tem sido confirmado por versículos como
Yohanan/Jo.4:5, onde à cidade de Siquem se chama a casa de Yahusef (José), e no versículo
seis, onde se menciona o poço de Yaakov (Jacó). Já que Yaakov foi o primeiro Yisraelita, e
tendo em conta que ele viveu e criou gado ali, sabemos que este relato se da no lugar no
anterior território do reino do norte. A mulher samaritana afirma ser uma descendente direta,
por consanguinidade, de Yaakov, como vemos no versículo 12, de Yohanan/Jo. capítulo 4,
inclusive chamando a Yaakov ou Yisrael seu pai. Em nenhum momento Yahushua a repreende
nem corrige por suas palavras sobre sua herança Yisraelita, mas sim a repreende por sua
imoralidade. De ter sido a mentira, uma de suas características imorais, sem dúvida Ele tivesse
falado a respeito. A mulher do poço era decididamente uma Yisraelita, ainda que segundo o
versículo 9 de Yohanan/Jo. 4 os Yahudim/judeus da Judéia mantinham-se afastados de
Efrayím e de Samaria, negando ir a eles para manifestar seu ahavah (se doar) e
reconhecimento aos seus irmãos. Soa-lhe conhecido? Deve ser assim. Nada tem mudado. A
chegada de Yahushua para ministrar à mulher em Siquem, uma Efrayimita de um povo
samaritano, foi um ato de ahavah (se doar) sincero e realizado sem sentir a menor vergonha.
Não há dúvida alguma de que Yahushua sabia que este era um trabalho que só Ele era capaz
de realizar devido ao preconceito e cegueira de Yahudah. Quem sabe nós sejamos como
nosso Messias quando se trata em reconhecer e manifestar nosso ahavah (se doar) àqueles
que estão entre nós, que afirmam ter sangue Efrayimita, sem lhes fazer a prova do DNA, cada
vez que o vemos, já que a genealogia é algo que não se pode nem demonstrar nem deixar de
demonstrar. A genealogia é um tema de fé quanto ao que acreditamos ser.
Sejamos sinceros, quem está disposto a sofrer como judeu a não ser que o seja? A quem
goste de ter que se submeter a vergonha e ao ridículo como um Yisraelita não judeu, exceto
que o seja? No começo do estado moderno de Yisrael, que teve lugar em 1948, Dauid Ben
Gurion reuniu a 49 experientes judeus, com a finalidade de decidir quem era judeu e apto para
regressar a Yisrael, debaixo da nova lei de retorno a Yisrael, e surgiram 49 opiniões diferentes!
A conclusão sobre todo o assunto foi o famoso comentário de Ben Gurion, fruto da frustração
com os rabinos, segundo os quais um judeu "era qualquer que afirmasse o ser!" Essa deve ser
a atitude honesta de ahavah (se doar) que precisamos adotar tanto com respeito aos judeus
como aos Efrayimitas, quando estão entre nós, em lugar de negá-los no tratado ou em sua
afirmação de fazer parte da herança Yisraelita, a não ser que admitam ser "gentios." Como
informamos em nosso último tema, não existe nada semelhante a um gentil salvo e a Brit
Chadashah confirma em numerosos lugares. Talvez os desesperados esforços realizados pelo
judaísmo messiânico por fazer aliyah legal ao Estado de Yisrael como judeus, YAHUAH os
permitam, uma vez que Judá conceda ao eliminado Efrayím o reconhecimento que este exige.
Se você quiser o reconhecimento por parte do estado de Yisrael, é preciso que você semeie
esse mesmo reconhecimento, que é o princípio escritural de semear e recolher o que achamos
em Galutyah/Gl. 6:7.
Nós, como judeus messiânicos, temos tentado a cada um dos ângulos, para chegar a nossa
terra, incluindo enganar no papel, e apesar disso, se nos tem negado a entrada, porque nossa
judaicidade é algo que desaprovam por não a considerar autêntica.Talvez, talvez, se
tentássemos mostrar ahavah (se doar) e reconhecimento familiar, tomara que o Estado de
Yisrael nos devolvesse finalmente e talvez nos encontrássemos com que nosso Pai celestial se
coloca em nossa parte, para que se abram as portas de aliyah (retorno) a Yisrael, para os
judeus messiânicos. Tentaremos de tudo, o que temos a perder? Houve um tempo, em que
Yahushua abriu ao evangelho antes do reino do norte, mediante a ação do Ruach Hakodesh
(sopro de YAH), após Sua ascensão, enviando a Felipe (Maaseh Shlichim/At. 8:5-14) e quase
toda Samaria creu e se converteu em Yisraelitas não judeus nascidos de novo. Para deixar a
certidão, este avivamento entre Efrayím foi tão poderoso que Shimon Kefa (Pedro) e Yohanan
(Jo.) foram pessoalmente estudar e confirmar a situação em Maaseh Shlichim/At. 8:14.
Baseando-nos nestas e outras numerosas passagens, existe pouca dúvida de que, as
primitivas comunidades messiânicas, cuja central estava em Jerusalém, estivessem compostas
de grandes quantidades de samaritanos ou de israelitas não judeus. Que sucedeu com seus
descendentes e seus filhos? Talvez não se converteram nos crentes? Não é esse o propósito
de criar a filhos separados? Os descendentes destes crentes Yisraelitas, que transmitiram sua
fé messiânica às futuras gerações, se encontram ainda entre nós na atualidade, sendo
descendentes diretos, por consangüinidade, dos primeiros crentes samaritanos. Encontram-se

22
entre nós, tanto se lhes concedemos o reconhecimento que se merece como se não! E
ademais, talvez os judeus crentes primitivos não tiveram filhos e netos? Onde estão? Não
representavam os judeus messiânicos do primeiro século às doze tribos? Assim é efetivamente
e muitos deles se encontram ainda no corpo de Yahushua 2000 anos depois, junto a seus
irmãos Efrayimitas. Resultado totalmente fascinante, que em Yohanan/Jo. 4:27, quando os
discípulos judeus regressaram à cidade para se encontrar com Yahushua, dando depoimento à
mulher samaritana, nenhum deles lhe perguntou o que estava fazendo ou por que o estava
fazendo, já que todos eles sabiam instintivamente, que apesar de seus próprios preconceitos,
Yahushua se ocupava, como disse em Matitiyahu/Mt. 15:24, de ministrar às Ovelhas Perdidas
da Casa de Yisrael. Em virtude do fato de que estava ministrando aos samaritanos, eles
sabiam que Yahushua estava começando a proclamação e a volta de todos os Yisraelitas ao
redil. É por isso que não se sentiram nem assombrados, nem alarmados e nem curiosos. Nós
devemos aprender sua reação em Yohanan/Jo. 4:27, e não nos sentir escandalizados nem
ameaçados ao descobrir, mediante a exegeses proféticas corretas, que Yahushua tem estado
estendendo seu ministério a muitos dos que eram Yisraelitas não judeus durante os últimos
dois mil anos, os colocando debaixo de Seu cuidado, em Seu corpo ou Sua Assembleia.
Durante os últimos dois mil anos produziram-se a contínua restauração de ambas as Casas de
Yisrael, só no corpo universal de Yahushua. As grandes notícias são, no entanto, que Ele
duplicará o que está sucedendo no Yisrael que tem crido, e o ampliará a fim de incluir a todo o
Yisrael perdido, quando aproximar o reino do milênio de Yahushua na terra. Portanto, é ao
mesmo tempo um reino no mundo atual e um reino que a de vir. Ele cumpre a Sua Palavra.
Sua Palavra é a verdade!

23
A SOLUÇÃO PARA A TEOLOGIA DA
SUBSTITUIÇÃO NOS ÚLTIMOS TEMPOS!

A TERCEIRA PARTE DE UMA SÉRIE CONTÍNUA SOBRE A COMPLETA


RESTAURAÇÃO DE YISRAEL!

O horrível engano conhecido como teologia da substituição (Igreja no lugar de Yisrael) se


converteu em um câncer nos círculos teológicos durante os dois últimos milênios, que se
recusam dar fim nisto. Enquanto a teologia da substituição tenha diferentes aplicações e
modos, é uma teologia que teve sua origem nos primeiros pais, não Yisraelitas, da chamada
"Igreja Cristã", que afirmaram friamente que uma nova organização chamada "a igreja" em
Roma e baseada em uma dita cidade, que era a "Nova Yisrael." Esta nova Yisrael, substituiria
para sempre ao Yisrael judeu, e que YAHUAH tinha se recusado permanentemente aos judeus,
por ter matado ao seu Filho, o Mashiach. Os defensores ferrenhos desta teologia da
substituição, estão indo muito longe, a ponto de afirmar que YAHUAH, o malvado, cruel e
déspota, era o Elohim dos judeus do Tanak (Primeiro Pacto), em oposição a Yahushua, que é o
perpetuo, cuidadoso, amável e compassivo Elohim, que tem SUBSTITUÍDO A YAHUAH COMO
ADON/DONO DA CHAMADA "A IGREJA" OU COMO ELES DIZEM, "O NOVO YISRAEL." Em
outras palavras, o povo de (“Jesus Cristo”) substituiu ao povo do Pai. Esta odiosa doutrina não
é, nem muito menos, um significante tema teológico, sobre como argumentar em uma taberna
local, senão que tem estado à frente do antisemitismo, a judeofobia, e tem alimentado o fogo
dos trágicos acontecimentos históricos como foi a Inquisição espanhola, as Cruzadas católicas,
e que se jogou aos judeus de todos os países europeus, bem como do holocausto nazista,
apesar de que os próprios Yisraelitas que violaram os princípios de Devarim (Dt. 28) foram os
verdadeiros culpados destas perseguições. Mesmo assim, como demonstra claramente a
história, Martín Lutero e outros reformadores protestantes, seguiram tanto o apelo anti-semita,
como os planos para a aniquilação da nação Yisrael por parte da Europa e posteriormente do
mundo oferecendo "aos chamados cristãos" uma justificativa escritural para perpetrar o
genocídio dos judeus do mundo.
Adolfo Hitler sabia perfeitamente que podia contar com a aprovação teológica e o apoio das
pessoas da Igreja. O funcionalismo inato deste câncer espiritual, entre aqueles que pregam a
Yahushua, está tão estendido que não pode investir em sua totalidade e ser eliminado, até que
comece o reinado milenar de Yahushua, quando regressar a terra. Inclusive aquelas “benignas”
doutrinas da igreja, como possam ser a teologia do "Reino agora" ou a teologia do "domínio",
nas que a chamada "igreja" converterá ao mundo ao cristianismo, mediante o estabelecimento
da “Bíblia” como uma constituição global e mediante a qual todos os poderes e autoridades
mundiais serão conquistados e passarão ao terreno do Cristianismo, não são outra coisa, a não
ser novos esforços por substituir aos "molestos judeus."
Talvez não se provasse já em numerosas ocasiões este programa de cristianização global e
defeituosa, mediante o qual, Yahushua simplesmente faria cargo da publicação mundialmente
leal convertida, graças aos esforços da igreja? Historicamente conheceram-se como as
Cruzadas, as Inquisições e Pogrons. Não foram talvez as Cruzadas que tentaram dominar o
mundo com a espada, convertendo-o e subjugando-o ao evangelho? A teologia do "Domínio
Agora" ou "o Reino Agora" não é mais que uma farsa papal desenhada para conseguir o apoio
dos Protestantes, em um esforço da nova era, para liquidar a raça Yisraelita, mediante a
teologia, no lugar da espada, convencido de que o homem do século vinte, não responderá
favoravelmente a nenhuma eliminação da nação Yisraelita por meio do derramamento de
sangue. Portanto, nestes últimos dias, vemos um maior ressurgimento na teologia da "Igreja"
desenhada com a finalidade de subjugar e eliminar ao judeu, bem como todos os Yisraelitas.
Nestas diversas aplicações da teologia da substituição, o judeu não tem o menor futuro, a não
ser que esteja de acordo em fazer parte e se unir com "a igreja", assimilando seus preciosos
ensinos, comemorações, shabat do sétimo dia, e o resto da identidade nacional por meio da
incorporação, ou para ser mais exato, por meio do desaparecimento e integração dentro "da

24
igreja." Estas horríveis teologias consideram que todo o judeu representa o anti-“Cristo”(como
eles falam) além de ser legalista. Os costumes e ensinos Hebraicos não são bem-vindos em
seus sistemas eclesiais e Igrejas Evangelicas, e a mim me resulta simplesmente fascinante,
que "a Igreja" possua esse desejo insaciável de instituir a lei escritural, e a soberania da igreja
sobre toda a terra, difundindo os ensinos de YAHUAH (Torah), quando um dos principais erros
no seio do Cristianismo é a rejeição da mesma, e o negar a validade da instrução da Torah
(instrução de YAH), nos tempos do Pacto Renovado-“N.T”. O chamado sistema "da igreja" tem
proclamado repetidamente e com orgulho aos seus adeptos, que a Torah ou os mandamentos
(as “leis”) do primeiro pacto com Yisrael, tem chegado ao seu fim e foram “crucificadas na
cruz”, e portanto têm sido substituídas pela “lei” do segundo pacto, que é o “amor”,
simplesmente amor. Em outras palavras, esta organização eclesiástica criada pelo homem,
começou e foi fundada e tem sua sede central em Roma e agora quer meter goela abaixo da
população mundial esse Cristianismo paganizado, ou sua obediência aos DEZ PALAVRAS
(“MANDAMENTOS”), bem como outros ensinos, todas elas baseadas no Decálogo, instruindo
sempre aos seus próprios membros e lhes dizendo que não se aplicam à "Igreja do Novo
testamento”. Pequena confusão não é?! Como pode um sistema eclesiástico que é jactancioso
e equivocadamente antinomiano (anti-Torah) em sua teologia básica, obrigar à população do
mundo a submeter-se as normas e regulamentos que eles mesmos desprezam, dando a
entender que isso procede do déspota judeu, chamado YAHUAH e Seus judeus? Recorde que
na verdadeira teologia da substituição, o “JESUS” pagão europeu, loiro, de olhos azuis, que
come porco (a tradução inglesa da deidade do sol chamada Zeus) tem substituído a YAHUAH,
o Pai, pelo título “BAAL/SENHOR” (da deidade pagã chamada Lourdes) sobre sua "Igreja"
(procedente do ritual circular pagão praticado pelos celtas).
A parte mais inquietante de tudo isto, é que a teologia da substituição continua se estendendo
abertamente e secretamente nestes últimos dias, ao que parece, sem efetuar comprovação
alguma, sem detectar aos poucos as pessoas nascidas de novo de todas as denominações
religiosas (“ismos”), bem como pelos judeus messiânicos. Ao avançar este estudo, você
descobrirá o alarmante feito, de que o judaísmo messiânico moderno tem caído, na maioria dos
casos, na mesma armadilha da teologia da substituição, que odeiam e desprezam. O judaísmo
messiânico tem todos os direitos em odiar a teologia da substituição, e no entanto, por causa
do erro e do orgulho, não somente lhes dão as costas à solução verdadeira ao erro da teologia
da substituição (que se encontra facilmente disponível estudando com exatidão as Escrituras e
com uma mente aberta), senão o que é pior, eles se converteram, inconscientemente, sendo
cúmplices da mesma doutrina. Antes que demonstremos o meio escritural prescrito para
eliminar esta abominável crença, aprenderemos várias maneiras de entender esta doutrina da
teologia da substituição. O primeiro erro desta falsa doutrina é que a igreja substituiu a Yisrael
(isto é, aos Yisraelitas) a continuação histórica do povo de Yisrael. Segundo esta linha de
pensamento, o Yisrael judaico deixa de ser um povo, com a relevância histórica de YAHUAH
em Shavuot/Pentecostes no ano 33 AD. Em outras palavras, se produzido o fim total de todas
as promessas e bênçãos perpetuas que tinham sido prometidas aos Yisraelitas, por causa da
"Igreja" do Brit Hadashah (Pacto Renovado) que, de maneira unilateral, declarou as promessas
do Tanak (Primeiro Pacto), feitas aos Yisraelitas, nulas e sem validade alguma.
A verdade, como é natural, é que os descendentes físicos de Avraham/Abraão Yitzchak/Isaque
e Yaakov/Jacó, representaram e continuarão representando um papel de vital importância nos
propósitos históricos e redentores do Pai. A teologia da substituição declara que os Yisraelitas
não são diferentes a nenhuma outra nação e que sua condição, como escolhidos, foi fruto de
sua própria nomeação, portanto foi algo que cessou quando o (Jesus) "europeu, foi à “cruz”, ao
contrário de Yahushua há mashiach ter ido ao madeiro como diz a Torah. A verdade,
logicamente, é que nenhuma outra nação, antes ou desde então, tem sido distinguida por
YAHUAH para levar a Sua vontade terrena e realizar a Sua obra redentora, da maneira que foi
Yisrael (as 12 tribos). A teologia da substituição ensina que, a não ser que, ou até que se
salvem os Hebreus (eles dizem judeus), eles foram amaldiçoados e não têm futuro e não
receberam um apelo nacional, a não ser que se unam e se incorporem voluntariamente à
"Igreja" criada pelos homens. Esta falácia ensina que os hebreus que não são salvos, são
inferiores aos outros povos que não são salvos de outras nacionalidades por serem, de fato, os
assassinos de “Jesus”, e portanto, são perpetuamente culpados de deicídio. A verdade, como é
natural, é justamente o contrário. Inclusive eles foram favorecidos em sua incredulidade, e
deram vida e esperança ao mundo, ao conservar a Palavra de YAHUAH, em seu papel como

25
guardiões (Romiyah/Rm.3:2) e por ter voltado a habitar nos lugares desolados da terra de
Israel. Romiyah/Rm.11:15, recorda-nos que inclusive em sua condição de Yisraelitas
incrédulos, o mundo foi reconciliado com YAHUAH, graças a condição dos Judeus.
Romiyah/Rm.11:15, fala a seguir a respeito do amanhecer de um novo dia, no que, o Yisrael
Yahudim, se levantará dos mortos espiritualmente para receber favor. Romiyah/Rm.11:26, é
uma clara recordação de que todo Yisrael (Yahudah e Efrayim) será salva! Talvez soe isso
como um povo permanentemente substituído e que não tem futuro separado da Igreja Romana
e sua prostituta descendência? O Yisrael judaico tem sido e continuará sendo conservado de
maneira sobrenatural para a revelação diante da nação de seu querido Yahushua Há
Moshiach, cujo Nome tem sofrido tanto. Seu regresso lhes trará muito afeto, da mesma
maneira que sua primeira vinda lhes fez passar por tanto sofrimento por parte de "a chamada
igreja." A teologia da substituição afirma que começou no ano 33 AD, em Shavuot ou
Pentecostes, os Yisraelitas herdaram todas as maldições da Torah, que se encontram nos
capítulos 28 a 33 de Devarim (Dt.), enquanto não conservaram nenhuma das Berachot
(bênçãos) prometidas, que se destacam nesses mesmos capítulos. As promessas de bênçãos
separaram-se das maldições, fazendo que as maldições caíssem sobre o Yisrael judaico, e
naturalmente as bênçãos caíssem sobre o Pontif Maximus (Rei Supremo e “Divino”-Papa), o
pai ímpio de Roma, e seus discípulos. "A igreja" coloca muito a sua chamada doutrina "do
nascimento da igreja em Pentecostes" a fim de justificar esta separação entre a maldição
Hebraica e a bênção cristã. A verdade é que às claras promessas de bênçãos feitas ao Yisrael,
são com freqüências incondicionais, tal e de sua capital perpetua. Mas você pode estar
tranqüilo, sabendo que o Rei dos judeus não vai permitir que suceda isso jamais, apesar dos
desejos ansiosos dos papistas e dos que apoiam o ecumenismo por todo mundo. Para um
tratamento mais favorável do romanismo, por que não estudar do capítulo 17 a 19 de
Gilyahna (Ap.) e ver se o Pai celestial (o verdadeiro Pai Kadosh (separado), é mais piedoso e
tolerante com a heresia eclesial e apóstata romana, do que nós somos da Your Arms to Israel.
(É uma brincadeira!). A teologia da substituição tem o chutzpah (atrevimento) de ensinar que as
Ketuvim (Escrituras) se devem ler espiritualmente e não as tomar, para nada, literalmente, já
que se isso for feito, nos obrigaria a chegar à conclusão de que o Yisrael judeu é um povo
perpetuamente escolhido e reconhecível, com um apelo especial e uma terra especial que está
muito acima do resto das nações da terra. Para conseguir que os estudantes das Escrituras
creiam na doutrina da teologia da substituição, lhes exigirá que entendam que as promessas
que lhe foram feitas ao Yisrael judeu não devem se entender literalmente. Em outras palavras,
quando o primeiro pacto, usa termos como Tzion (Sión), Mishkan (Templo), Yahrushalayim
(Jerusalém), terra prometida, agora não são mais que sinônimos da chamada "igreja". Esta
loucura estendeu-se ademais nos editoriais dos que publicam as Escrituras. A BB Kirkbride
Company de Indiana, que a publica amplamente e utiliza a Bíblia de Referência Thompson
Chain, oferece múltiplas epígrafes em Yeshayahu (Is.) e em outros livros do primeiro pacto que
dizem "Is. consola à igreja" ou "a igreja é consolada." Isso é ir extremamente longe! Desde
quando existiu a igreja nos tempos de Yeshayahu/Is.? Até tenho ouvido a mestres cristãos
afirmar que se Adam (Adão) e Chava (Eva) não tivessem caído no pecado original, tivessem
tido uma "igreja" com Elohim. Pode você acreditar nisso? Levado a sua conclusão lógica, Adam
e Chava foram à igreja até que foram tirados do Jardim do Éden.
A verdade é simples, e YAHUAH não é um psicótico. Quando usa o termo Yahrushalayim
(Jerusalém), estava pensando em uma cidade literal. Quando se refere a nação de Yisrael, no
que estava pensando, era nas 12 tribos. Quando se faz uma alusão ao Hebraico, estava
pensando precisamente neles. Quando se refere a Tzion (Sión), é na terra e no monte Moriah
que Ele estava pensando. Todos estes são termos literais e títulos de diferentes conceitos,
lugares e localizações. O ensinar de maneira atrevida e incorreta, que estes termos são
intercambiáveis e sinônimos para a chamada ”igreja cristã”, é um ataque aberto à infalibilidade
literal e à inspiração das Ketuvim (Escrituras), quanto mais um ataque direto a inteligência
linguística de nosso Pai celestial! A Doutrina encontra-se tão profundamente arraigada nos
círculos da "igreja" de todas as denominações, que a não ser que se aplique de imediato uma
solução escritural definitiva a este tremendo engano, e se faça sem reserva, não nos restará
mais remédio que esperar a chegada do próprio Yahushua para que nos ensine corretamente.
(Há duas obras excelentes a respeito deste tema e são "Our Hands are Stained with Blood"
pelo Dr. Michael Brown e The Road to Holocaust por Hal Lindsey, onde os dados anteriormente
mencionados estão bem documentados com nomeações diretas e ações dos primitivos pais da

26
igreja. O problema em esperar que Yahushua arrume as coisas no Seu regresso, é que então
nós seremos julgados pelo seu regresso. Ele recorda-nos que seremos justificados por nossas
palavras e por essas mesmas palavras (ensinos) seremos condenados (Matityahu/Mat.12:37).
Em Yaakov/Tg.3:1, Yahushua recorda-nos que muitos não devem pretender ser Morim
(mestres) das Escrituras, já que receberão maior julgamento pelos erros que transmitam. Rav
Shaul (Paulo) confirma também esta verdade, ao declarar que se estamos dispostos a
julgarmos a nós mesmos, não seremos julgados por Yahushua, nosso Moreh, Corintyah Alef/1
Cor. 11:31. É preciso eliminar a teologia da substituição imediatamente. Isso é algo que está
acima de toda dúvida, mas o problema para os crentes sinceros, de coração puro, é: como
podemos fazer isso? A urgência do momento clama por uma solução baseada na Escrituras!
Em nosso esforço por corrigir este problema, primeiro que devemos fazer, é demonstrar que se
nós colocarmos lenha na fogueira, e se alimentarmos a teologia da substituição, devido a um
falso sistema de crenças que declara, por meio de diferentes ensinos, que a "igreja" é a esposa
de YAHUAH, segundo o Pacto Renovado, quando as Escrituras falam repetidamente a respeito
de Yisrael e só Yisrael pode ser a esposa de YAHUAH. Para que YAHUAH possa ser fiel a Sua
Devar (Palavra), e não ir na contramão das Escrituras, e ir a favor de um grupo e contrariar o
outro. Se isso for feito, representaria quebrantar e transgredir literalmente centenas de
passagens das Escrituras, na qual nos adverte à humanidade que não pratique o adultério
espiritual por causa de uma dupla devoção.
Yahushua afirmou que o Criador não pretendeu jamais que se dispusesse de uma esposa a
favor de outra Matitiyahu/Mat.19:3-8. Se a chamada "igreja" é uma entidade separada de
Yisrael (das 12 tribos) então dizemos que YAHUAH é um adultero espiritual praticante, que tem
duas esposas chamadas Yisrael e a outra chamada "igreja". Isto transgrediria o princípio
escritural, no qual YAHUAH só tem tido uma esposa chamada a ser fiel ao pacto, a fim de que
ela seja separada como esposa, e Seu depoimento fosse proclamado por toda a terra. O único
povo conhecido como Sua esposa pode produzir uma multidão de testemunhas a favor de
YAHUAH, mas todos eles devem proceder da mesma nação ou povo. “Se algo feito pelo
homem, chamado de “A igreja” existe verdadeiramente, então como podemos explicar as
devarim (palavras) de Yahushua, quando nos diz que quando tudo está consumado, por meio
da expiação de Seu sangue e a redenção que Ele e Seu Pai levaram a cabo, não se
encontrarão com dois rebanhos, senão com UM só Yohanan/Jo.11:52; 10:16)! Em
Yohanan/Jo.10:16, Yahushua afirma que terá um só rebanho não dois. Começando no ano
325 A.D, devido aos esforços blasfemos de Constantino e seus sagazes, os discípulos que não
eram judeus se divorciaram de seus irmãos judeus crentes, deixando de lado os ensinos dos
apóstolos testemunhas (o Shabbat, o Pesach/”Páscoa”, a celebração da ressurreição de
Yahushua durante a Comemoração (Moed) dos Primeiros Frutos ou Bikurim) a favor de uma
nova mescla de fé messiânica, com o imperador romano como Pontífices Maximus (Papa), que
naturalmente era o mesmo Constantino guiando para este caminho. Desse modo,
estabeleceram-se dois rebanhos que afirmavam que Yahushua é Elohim.
Um leal com sanção, instrução e ensinos apostólicos, e o outro, cuja lealdade estava dividida
entre a fé e o estado, entre Yahushua e Miriam (Maria), entre YAHUAH, o Filho e o sol
invencível e sua adoração proibida! Este novo rebanho divorciou-se totalmente e produziu-se a
separação dos irmãos judeus crentes, que defendiam a separação da Torah e a Tiferet/poderio
do Messias. Deste modo, muitos daqueles primeiros divorciados, pertencentes a um rebanho
que tinham rompido com os anteriores, que se misturaram ou sincronizaram a adoração do sol
com a adoração do Filho, fazendo que as duas se convertessem em uma forma de panteísmo
messiânico, no qual tudo é Elohim e Elohim é tudo. Nesta perversão, Yahushua compartilha
Sua Tiferet/poderio com milhares de estátuas, ídolos e com Sua mãe! A lamentável história
deste rebanho dissidente, ilegal e renegado, está bem documentado em qualquer livro do
mundo ou enciclopédia e o espaço não nos permite uma mais profunda elaboração sobre este
fato histórico. Um desejo absurdo de praticar um louvor misturado, como o ódio aos judeus,
deu pé para que surgisse esta seita. Este rebanho foi tão longe, contra as Escrituras
messiânicas, que foram escritas principalmente para declarar a fidelidade de YAHUAH, em
cumprir a promessa do Messias ao Seu povo Yisrael, que surgiu a era de um “Novo
Testamento”, que substituiu ao “Antigo”, interrompendo, portanto, a continuidade e a relevância
de toda a Escritura! Os termos antisemíticos (Antigo e Novo Testamento) usaram-se pela
primeira vez e posteriormente foram propagados Marcion e por Jerônimo, em sua tradução das
Escrituras ao latim da vulgata, onde apareceu pela primeira vez o termo Novo Testamento. A

27
verdade, como é natural, é que não há nada novo no Pacto Renovado, senão que confirma
simplesmente a continuidade entre a promessa do Messias e o cumprimento da suposta
promessa por meio do Messias. Mas o Pacto renovado, é uma continuação da Torah! O Elohim
de Yisrael tem um povo do pacto, que guardou ambos os pactos, celebrando as Moadim
(comemorações) de YAHUAH, os Shabatot (descansos) de YAHUAH, e que tem sido
perpetuamente escolhido, por favor, por meio da Emunah (confiança). O Elohim de Yisrael tem
tido, e segue tendo e sempre terá, um só povo que escolheu e aquele que se casar com esse
povo chamado YISRAEL, será um príncipe com YAHUAH, que tem vencido e é vitorioso. Ele
afirma verbalmente, bem como primeira figura, que Ele só tem uma esposa e não duas. Para
Ele não existem maus dias e se Ele não escolhe duas esposas, ambas chamadas Yisrael,
amando um dia a uma e em outro dia a outra, então só nos resta chegar à conclusão de que a
comunidade isentada e nascida de novo, da fé messiânica do Pacto Renovado é o Yisrael de
YAHUAH, tal e como afirma o Rav Shaul em Galutyah/Gl. 6:16. Neste Yisrael de YAHUAH,
encontrará você ao mesmo tempo tanto a crentes Yahudim (judeus) como aos que não o são
(gentios e estrangeiros). Todos aqueles dentre as nações (Efrayim), que têm sido isentados
pelo sangue de Yahushua, se unem a comunidade de Yisrael, onde se diz que há uma
cidadania literal. Efsiyah/Ef. 2:12-19). Os crentes que não são judeus (os Efrayimitas) se unem
ou se juntam com Yisrael, e mediante a esta reunião, restauração e reconstrução do Mishkan
(Tabernáculo caído de Dauid/David) (Maaseh Shilichim/At.15:14-16, Ahmós/Am. 9:8-11)
Yisrael está vivo e muito bem vivo, prosperando e florescendo debaixo de Yahushua, Melech
(Rei) de Yisrael, enquanto aqueles que afirmam estar "na igreja" ou ser parte dela, estão
caminhando separados das fronteiras reconhecidas do Yisrael das Escrituras. O verdadeiro
corpo, nascido de novo do Yisrael do Brit Hadashah (Pacto Renovado), é uma só comunidade,
composta por judeus crentes no mashich, e Efrayimitas crentes no mashiach (Hoshea/Os.
10:11) bem como os verdadeiros gentios.
No entanto, devemos recordar que o propósito principal, expressado pelo Pai, ao enviar a
Yahushua como Messias, foi restaurar o Tabernáculo de Dauid (Melech Tzadik-Rei Justo), que
tinha sido derrubado no ano 921 AEC e reconstruir a boa árvore da oliveira do Yisrael do
Criador plantada! (Yahudah e Efrayim, segundo diz em Yirmiyahu/Jr.11:13-16). Em
Matitiyahu/Mt.15:24. Yahushua disse que veio somente pelas Ovelhas Perdidas da Casa de
Yisrael. Não disse que veio nem para judeus, nem pelas Nações Gentílicas. Recorde que a
palavra grega para gentios é ethnos, que é o equivalente grego da palavra hebraica goyim. É
por isso que sua Escritura nem sempre fala a respeito de que as dez tribos de Efrayim/Yisrael
foram salvas por Yahushua. Quando ele salvar às nações da terra, nessa rede mundial,
adivinhe a quem vai você encontrar? Os descendentes individuais das dez tribos do norte, que
têm regressado como membros individuais dentre as nações, os que têm sido conservados
(Yeshayahu/Is.49:5-6) e chamados, sem serem reconhecíveis nem identificáveis como
Yisraelitas. Em Hoshea/Os. 7:8, as Escrituras afirmam sobre Efrayim/Yisrael: "Efrayim ba-
ammim hu yitbolal", que significa literalmente "Efrayim será assimilado entre as nações! Note
bem, que não diz Yahudah! Segundo o Talmude, o que entendemos é algo central e básico,
bem como de primordial importância para qualquer forma de judaísmo legítimo. Em Yebamot
17A diz: "as dez tribos perdidas foram legalmente classificadas como gentios, em todos os
sentidos e a todos os efeitos, apesar de que estão destinadas a regressar, atualmente
possuem o estatus de não judeus, e assim é como se profetizou que seria seu estatus."
Portanto, qualquer forma ou ramo do judaísmo que não reconheça que Efrayim se converteu
nos últimos dias nos gentios da terra e das nações, é um ramo do judaísmo que está negando
uma doutrina da fé escritural judaica, já que neste caso o Talmude e as Escrituras concordam!
Note que contrariamente aos que se afirmam no sentido de que as dez tribos têm sido
absorvidas pelo povo judeu atual, a fé judaica ensina o contrário. Ensina que as dez tribos se
converteram em gentios, em todos os sentidos legais da palavra, assim que, por favor, não
fique furioso com Your Arms to Israel, por ensinar esta preciosa realidade e por desviar neste
ponto do restante dos judaísmos messiânicos! Em meu oficio profético, devo ser primeiramente
e, sobretudo leal à verdade revelada pelas Escrituras, antes de me deixar levar pelo que digam
os comitês dos homens. Enfade-se você com muitos dos dirigentes nascidos de novo, que
continuam dizendo aos chamados "crentes gentios" que não são, de jeito nenhum, o Yisrael
físico e que, no melhor dos casos, são algo chamado de o "Yisrael espiritual" e no pior dos
casos membros associados, que não podem votar, e que não têm nenhum direito legítimo a ser
chamados de Yisrael que regressam, já que esse direito está reservado só aos Yahudim, os

28
que descendem somente de três das 12 tribos! Se você for um dirigente de uma congregação,
que por fim tem conseguido ver a verdade a respeito do Yisrael da Brit Hadashah (Pacto
Renovado), que se compõe da contínua reunificação das Duas Casas de Yisrael, então nos
escreva e poremos a sua assembleia em nossa lista da Aliança Yisraelita Netsarim
imediatamente (http://yourarmstoisrael.org/nyalliance/index.html), sem lhe fazer nenhuma
pergunta e sem longos formulários a preencher ao inscrever-se na organização messiânica,
que mais rapidamente está crescendo no mundo, composta por Yisraelitas de Ambas as
Casas, juntamente com os gentios enxertados, que se convertem em Yisrael ao serem
enxertados! A luz desta realidade, Seu povo é o povo nascido de novo de Yisrael, que têm sido
espiritualmente salvo e isento, mas que têm direitos legítimos em se considerarem como
descendentes físicos de Abraham/Abraão, Yitzchak/Isaque e Yaakov/Jacó. O segundo rebanho
dissidente, renegado e delinquente, que se chamou a si mesmo de "a igreja", se não tivesse
tido esta necessidade de ser Yisrael e de substituir aos judeus como Yisrael, e se tivessem
dispostos a esta revelação, isto é, que a maioria deles era o Yisrael físico. E se não tivessem
tido tanta pressa em se divorciar de seus irmãos crentes judeus e de suas raízes hebraicas.
Yaakov/Tg.1:1, não escreve a duas comunidades da fé do Pacto Renovado, senão que se
dirige ao corpo de Yahushua como as 12 tribos. Em Qorintyah Alef/1 Cor.10:19, o Rav. Shaul
(Paulo), um rabino e um autêntico fariseu, afirmou que os pais físicos da assembleia dos
Corintios ou eklesia, foram os que, juntamente com os pais físicos, (fixe no versículo um o
termo "nossos") se foram do Egito e desobedeceram a YAHUAH no deserto.
Uma e outra vez os escritos inspirados do Pacto Renovado (segundo verso) ensinam-nos, por
meio do Messias, que Yahushua veio para estabelecer Sua eklesia ou Sua chamada
assembleia separada. Já que Ele, juntamente com outros escritos inspirados do Brit Hadashah,
escreveram a respeito de um só rebanho ou assembleia separada, conhecida como Yisrael
(Galutyah/Gl. 6:16) devemos ser conscientes de que qualquer outro rebanho deve ser ilegal,
carnal e ilegítimo. Uma vez que tenhamos verificado que YAHUAH não é em nenhuma forma
ou maneira, um Elohim que tenha duas esposas (uma a favor da Torah e a outra violadora da
Torah) Ele não se confunde, então podemos reconhecer o que ensina claramente as
Escrituras. Descobriremos que os crentes em Yahushua, que não eram judeus
(Efrayim/Yisrael) foram chamados a deixar atrás sua tendência ao paganismo e a unir ao povo
judeu isentado no Yisrael do Pacto Renovado. Não foi e não é a vontade do Pai, que os crentes
judeus abandonassem a Yisrael, e tudo o que representa, se unindo a algo criado pelo homem,
que ademais resulta irreconhecível para o judeu crente, bem como para o próprio YAHUAH.
Aos crentes que têm sido chamados e separados dentre as nações/Efrayim, bem como aos
judeus separados do tradicional judaísmo rabínico, se lhes chama nas Escrituras a eklesia de
Yahushua. Recorde que Yahushua veio para salvar aos judeus do pecado não do judaísmo.
Uma vez que tenhamos entendido essa verdade, como é devido, o termo eklesia, que aparece
várias vezes nas Escrituras messiânicas, então teremos a solução final a esta vergonhosa
doença chamada à teologia da substituição! Nossas Escrituras em português, usam por todas
as partes a palavra "igreja", que é uma tradução muito má, tendenciosa, pouco apropriada, e
uma maneira pervertida de entender a palavra grega eklesia, sem ter em conta o significado
original que se pretendia.
Os tradutores ingleses, bem como alguns monges do passado e papistas, tomaram a palavra
eklesia que, literal e singelamente quer dizer "os chamados fora" ou "assembléia chamada
afora" e traduziram a palavra como "igreja". O resultado desta terrível ação deu licença aos que
ao princípio odiaram aos judeus, no século quarto AD, para que se tomasse esta palavra, nada
escritural, isto é "igreja" e lhe aplicassem, se permitindo a si mesmos (aos "crentes não
judeus") reorganizar e reconstituir-se de baixo de Constantino e sua posição de fé messiânica
no sol e na adoração ao imperador. Estes renegados dissidentes usaram com orgulho a
palavra "igreja" derivada da palavra "kirch" de origem pagã celta, para SEPARAR DA
COMUNIDADE DO PACTO RENOVADO DA FÉ MESSIÂNICA, CONHECIDA DE MANEIRA
INTERCAMBIÁVEL COMO YISRAEL, OS NAZARENOS DE YISRAEL OU O "CAMINHO" DE
YISRAEL. Esta entidade dissidente separada, baseada em Roma, declarou-se então a si
mesma, como a nova e melhorada Yisrael, a verdadeira Yisrael, que tinha chegado com a
finalidade de fazer a vontade de Yahushua e para eliminar ao Yisrael judaico por qualquer
meio, incluindo a espada. Esta entidade separada não reconheceu a YAHUAH como o
Soberano, que enviou seu Filho, ao que afirmavam amar. Esta entidade separada mudou os
tempos apontados/comemorações, as Kashurut/leis dietéticas de alimentos e os

29
Shabatot/descansos de YAHUAH, afirmando não ter nenhum laço com o Yisrael judeu. Esta
entidade separada arranca o título de Yisrael, a primitiva comunidade messiânica, que incluía
todas as nações, e afirmou que o remanescente salvo da nação Yisrael/judaico seria bem-
vinda, não como judia, nesta entidade renegada e separada. Esta entidade separada chamou-
se a si mesma de "a igreja", e seus seguidores foram chamados de “Cristãos”. Maaseh
Shlichim/At.11:26 confirma esta verdade afirmando que aos primeiros discípulos foram
chamados de Cristãos. Note que YAHUAH não chamou jamais aos Yisraelitas nascidos de
novo por esse nome, senão que foi o homem que chamou aos crentes que não eram judeus de
cristãos. Posteriormente, estes "chamados cristãos", que não eram judeus, se separaram e se
converteram em uma entidade separada durante os próximos dois mil anos, aos que se lhes
conheceria como "a igreja". Com duas entidades diferentes rivalizando pelo precioso título de
Yisrael, é de surpreender que o Yisrael judeu se tenha convertido em vítima, do que defensor
da fé messiânica? Não esquecendo que a palavra grega para igreja é eklesia, permitiremos
que a Escritura e a história nos expliquem que a eklesia em grego e que entendiam todos os
escritores inspirados como uma referência a Yisrael e ao povo de Yisrael. Aproximadamente
150 anos antes de que o Bendito Yahushua nascesse em Bet-lechem (Casa do Pão-Belém) da
Judéia, setenta dos principais rabinos tradicionais, não messiânicos, se reuniram com o
propósito de traduzir o Tanach hebreu (o Primeiro Pacto) do hebraico, que era o idioma original
da inspiração, ao amplamente falado idioma grego, que era o idioma original naquela época. A
tradução que fizeram se converteu na conhecida Septuaginta em honra dos setenta eruditos
que traduziram a obra. E cada vez que os 70 rabinos tradicionais se encontravam com as
palavras Kehilah, Kehelat ou Adat, traduziam sem falhar as palavras pela palavra grega
"ekklesia" que tentou expressar as palavras em hebraico.
Esta mesma palavra traduz-se ao Portugues como "igreja” no Brit Chadashah. Kehilah, Kehelat
e Adat, são todos eles títulos que se usam para se referir ao único povo do pacto, isto é, a
Yisrael. Em ambos os pactos, tanto se usa eklesia na Septuaginta hebraica como no Pacto
Renovado grego, não se refere jamais a nenhum grupo, que não sejam as doze tribos de
Yisrael! “Nem sequer, no ponto de vista linguístico, a palavra eklesia podia significar igreja”. A
assembleia, congregação ou reunião dos Yisraelitas era, é e será sempre a eklesia. Algumas
das modernas traduções estão, por fim, corrigindo as anteriores traduções equivocadas ao
inglês. Mais e mais das traduções têm felizmente eliminado o termo "igreja" e estão
interpretando corretamente eklesia como assembleia. Seguindo essa mesma linha de
entendimento das Escrituras messiânicas do Pacto Renovado, vemos que toda a referência a
eklesia ou a eklesia de Yahushua ou a eklesia em YAHUAH, significa a assembleia de
YAHUAH. Já que Ele é o YAHUAH-Elohim de Yisrael, a comunidade da fé, nascida de novo, o
povo de YAHUAH ou o povo de Yisrael. O povo de Yisrael está composto por um só rebanho,
que ouve a voz do Bom Pastor e obedece a Seus mandamentos. (Gilyahna/Ap. 22:14). De
maneira que vemos que S.a.tanás, conhecendo este conceito de um só rebanho, tem tentado
eliminar ao povo Hebreu, fazendo que se unissem à "igreja" criada pelo homem, a fim de lhes
tirar do Yisrael nacional, lhes convertendo em cidadãos Rm., fiéis ao paganismo. A ideia
consistia em que se todos os Yisraelitas se unissem a uma instituição criada pelo homem,
perderiam sua nacionalidade Hebraica e em poucas gerações, o genocídio aconteceria
novamente.
(Como é natural, quando este plano não funcionou, S.a.tanás tentou o antigo batismo
obrigatório e obrigou ao método da conversão, a ponta de espada!) A verdade de todo este
assunto, é que o contrário é o que é o verdadeiro. Todos os povos, línguas e tribos, têm sido
chamados a se unir ao Yisrael que crê, como a verdadeira eklesia criada e ordenada de
Yisrael. Nesta versão, sancionada, do Yisrael do Pacto Renovado, todo o paganismo e os
detestáveis ídolos estrangeiros deviam ficar de fora, não trazendo ao altar. Em Matitiyahu/Mt.
16:18, Yahushua diz à Kefa (Pedro) que o Pai celestial lhe deu a Kefa uma revelação do
Shamayim (céus) de que Yahushua, o Messias, edificaria a Sua “igreja” e cuja as portas do
inferno não poderiam e não prevaleceriam. A palavra que aqui se traduz como "igreja" é eklesia
em grego. Yahushua está dizendo, em essência, que os anciãos e os dirigentes do Yisrael
nacional, estavam tentando em vão reconstruir e restaurar Yisrael, conforme as suas normas e
aos esforços do homem, mas s.a.tanás prevalecia sempre na contramão dessa versão de
Yisrael. Yahushua, por outro lado, edificaria Sua versão da eklesia (Yisrael) e esse Yisrael
venceria continuamente a todas as forças de há s.a.tan e das trevas. A teologia da substituição
tradicional aponta a Matitiyahu/Mat.16:18 como uma espécie de texto de prova, no sentido de

30
que Yahushua estava a ponto de criar e de edificar algo novo chamado de "a igreja" e ademais,
que seria algo que os Yisraelitas, por causa de sua incredulidade, teriam que enfrentar. Que
absurda história é essa! De ter pretendido Ele edificar uma igreja, e tivesse dito isso, você não
crê ? Mas em lugar disso, Ele disse a este Yisraelita, chamado Kefa (Pedro), que ele
(Yahushua) edificaria uma eklesia que teria suficiente sucesso e seria suficientemente forte em
Yisrael, e que sobrevivesse ao ataque das portas do inferno. Que tremenda diferença! Em
Maaseh Shilichim/At.7:38 Tzefanyah (Estevão), o primeiro mártir Yisraelita (não o mártir da
"igreja") já que, desde o ponto de vista escritural, "a igreja" nunca existiu) confirma esta
maravilhosa verdade. Afirma que Moshe Rabeinu (Moisés) estava com a eklesia no Monte
Sinai, recebendo a Torah. Tzefanyah (Estevão) refere-se aqui a entrega da Torah a eklesia de
Yisrael. Na versão (inglesa) do Rei Jorge e também em outras, diz que "este é o que estava
com a igreja no deserto." Agora bem, ou Moisés foi à igreja no Monte Sinai ou a palavra eklesia
significa que Moisés esteve com a assembleia de Yisrael quando foi chamado a receber a
Torah. Tzefanyah, o primeiro mártir Yisraelita do Pacto Renovado (não mártir da igreja)
entendeu o mesmo que Yahushua e que os outros escritores das Escrituras do Pacto
Renovado. Que a igreja teria que crescer e se converter no Reino mundial de YAHUAH, era o
Yisrael renascido, reconstruído, reedificado e renovado! Em nenhum dos versículos
anteriormente citados, nem em nenhuma outra parte do Pacto Renovado, de fato, se lhe
concede nenhuma autoridade nem sanção, por parte de YAHUAH, à criação de uma entidade
separada denominada "a igreja", a igreja gentil, a igreja cristã gentil ou a igreja não Hebraica ou
Yisraelita, concretamente.
O profeta Yirmiyahu (Jr.) confirma esta verdade perpetua em Yirmiyahu/Jr.31:31-34, onde as
profecias nos dizem que o Brit Chadashah (Pacto Renovado) será dividido com ambas Casas
de Yisrael, a fim de perdoar o pecado e internalizar a Torah por meio da Brit HaLev (circuncisão
do coração). Estes versículos não dizem nada a respeito de que o Pacto Renovado seja
dividido a ninguém mais, ainda que outras passagens das escrituras “ensinam, de fato, a
respeito da salvação das nações gentílicas” que participam nesta BRIT HADASHAH
YISRAELITA! Portanto, os ministérios relacionados com os últimos dias que são, em geral, dos
mais sinceros e que se esforçam por reconciliar a "igreja" com os Yisraelitas, estão, no melhor
dos casos, perdendo seu tempo e, de fato, estão se convertendo em parte do problema, em
lugar de fazer parte da solução. Este ministério diante da "a igreja" é em si mesmo e de fato, o
falso reconhecimento de que existe uma entidade "gentilica" separada de Yisrael, chamada de
“a igreja”. COMO PODEMOS VOCÊ E EU TER UM MINISTÉRIO OU MINISTRAR A UMA
ENTIDADE, QUE É TOTALMENTE FICTÍCIA? SEJAMOS SÉRIOS! O único ministério
aceitável ao Aba (Pai) celestial, é o ministério às vítimas do humanamente criado sistema
eclesial chamado de "a igreja", a fim de repreender com amabilidade, chamar atenção e corrigir
lhes para que venham para a Teshuvah/arrependimento, renunciando a teologia e práticas
pagãs da entidade separada, trazendo-os de novo ao Yisrael do Pacto Renovado , onde todo
mundo é bem-vindo, onde todo mundo segue a Yahushua e honra a Sua Torah! Essa é a
autêntica Teshuvah escritural! Neste Yisrael do Pacto Renovado, a parede que dividia a
participação tem sido permanentemente derrubada. Permita-me advertir àqueles que estão
envolvidos em ministérios que, com muito boa vontade, estão se esforçando ao máximo por
fazer que estas duas entidades separadas aprendam a se doarem um pelo outro e estarem
bem entre elas.
Estas duas entidades separadas com lealdades separadas (Yahrushalayim e Roma) com
diferentes Shabatot (descansos), com diferentes dias de Moadim (Comemorações), com uma
maneira de pensar diferente, no que se refere a terra de Yisrael, não têm recebido o mandato
de estarem bem, já que representam a dois reinos diferentes e a dois espíritos diferentes! Uma
representa ao Reino da Luz e a outra ao reino das trevas e suas sombras. Acabe você e
desista de sua obra carnal, o qual você está inclinado em sua própria compreensão, o que é
pior ainda, do entendimento tradicional do que é Yisrael, e o que não é. É a vontade revelada
de Elohim, ter um só rebanho com uma unidade total, não dois rebanhos com algumas coisas
similares e alguns aspectos de entendimento ecumênicos. Detenha-se! Dê um fim a isto e
desista desta mentira! Se tem sido você realmente enviado por YAHUAH à "igreja", que é uma
entidade separada, sem sanção da essência de YAHUAH, não será para lhes atrair com seu
carinho, a fim de que lhes caiam bem os Yisraelitas e fazerem que se apoiem no seu ministério,
senão que será bem melhor com o propósito de conseguir que abandonem esse sistema,

31
PARA QUE REGRESSEM À COMUNIDADE DE TODA YISRAEL, SEU MESSIAS E SEUS
PRECEITOS PERPETUOS!
Arrependa-se você ao Aba/Pai pela falta de entendimento de seu verdadeiro apelo. Pode ter
você boas intenções, mas o que você tem estado fazendo, de fato, é continuar alimentando a
teologia da entidade separada, que é o mesmo oxigênio que a alimenta e que inflama o fogo
nefasto da teologia da substituição, que afirma você odiar e desprezar. Existe um só povo do
Yisrael do Pacto Renovado, chamado a eklesia ou o Yisrael de YAHUAH (Galutyah/Gl.6:16)
depende de você e também de mim, que façamos parte da solução, fazendo que chegue ao
seu fim as afirmações do outro sistema renegado, saturado de paganismo, ilegal,
comprometido, criado pelo homem, chamado de "a igreja." Não parece irônico que meus
irmãos judeus messiânicos, que são os que mais odeiam a teologia da substituição e aos que
desejariam acabar com ele de maneira definitiva, a sua proliferação, estejam ensinando
precisamente as mesmas doutrinas que garantem sua sobrevivência? Ensinando que o corpo
de Yahushua está composto por crentes gentios, conhecidos como "a igreja", e por crentes
judeus, conhecidos como judeus messiânicos ou Yisrael, estão realmente ajudando a estender
a crença que estes dois corpos eclesiásticos separados, místicos e misteriosos, se convertam
em um único corpo, em Yahushua? Como isso pode estar certo, se uma das entidades usa a
Torah como um manual de instrução e honra as comemorações de YAHUAH, enquanto a outra
queima a Torah e se refere a qualquer coisa relacionada com ela como legalismo judeu? Amós
3:3 recorda-nos claramente:
- "Andarão dois juntos a não ser que se ponham de acordo?" Não se pode pegar duas
entidades e simplesmente dar um nome a elas e afirmar que existe unidade, enquanto
nenhuma delas tem feito planos para adotar um só código de conduta (Torah) e quando a
maior parte do tempo estas duas entidades estão ocupadas tentando substituir, converter,
negar ou inclusive aniquilar à outra entidade. Enquanto tiverem duas esposas e duas entidades
separadas chamadas "a igreja gentil" e "os judeus", continuarão tendo uma incessante batalha
sobre o título de quem seja Yisrael, com cada uma delas fazendo sua reclamação e afirmando
serem o real e autêntico Yisrael, a custa da outra, com cada uma das partes tendo sua própria
coleção de textos para provar. "Por favor meus irmãos, sejam honestos consigo mesmos e com
seus próprios corações. Pode ser que suas intenções tenham sido as melhores possíveis, mas
o tempo todo vocês tem estado tentando criar unidade entre o óleo e a água e tem acelerado
ainda mais que se estenda essa doença da teologia da substituição, que afirmam desprezar. É
preciso que acabe de imediato o tempo para que os dirigentes do judaísmo messiânico se
sintam ameaçados pela verdade das Escrituras de que as Duas Casas de Yisrael, que em
nenhuma maneira ou forma, são a teologia da substituição, senão a solução definitiva à ela! Só
uma revelação de quem é hoje Efrayim/Yisrael lhe permitirá a você passar seu tempo
construindo e reconstruindo o Tabernáculo de Dauid. Hoje chamo por testemunha ao céu e a
terra para que tomem nota de meu apelo profético aos dirigentes dos judaísmos messiânicos,
do qual sou parte e aos que considero meus colegas e amigos na fé, a que reconheçam sua
proliferação involuntária da teologia da substituição, ao recusar conceder reconhecimento aos
crentes Yisraelitas que não são judeus como Efrayim/Yisrael, que em sua maior parte estão
dispostos a viver com Judá, e não a tentar substituí-la.
O impedimento de desfrutarem de sua verdadeira identidade yisraelita é um pecado e se
considera como afronta a um irmão, segundo diz em Yeshayahu/Is.11:13-14! Esta humilhação
tem enganado a Efrayim, fazendo que busque sua aceitação em um campo eclesiástico dos
sonhos pessoais, que lamentavelmente está lotado de paganismo! Quando os judeus
messiânicos concedam a outra Casa de Yisrael o lugar que lhes corresponde, Yeshayahu/Is.
11:13, afirma que Efrayim (isto é, os crentes salvos, que não são judeus) sentirá o amor e a
aceitação de Judá e deixará de causar problemas ao povo judeu. Isto é algo que está
claramente descrito em Yeshayahu/Is.11:1-16 e especialmente nos versículos 12 e 13, que
são o compendio de YAHUAH para o fim da luta entre a "igreja" e "os judeus" com seus banhos
de sangue! É certo que a Teologia das Duas Casas não deixa lugar nela para a teologia da
substituição, porque se nega a reconhecer o falso sistema chamado "a igreja", como algo
separado de Yisrael. OS YISRAELITAS MESSIÂNICOS NÃO TÊM A MENOR TOLERÂNCIA
COM A TEOLOGIA DA SUBSTITUIÇÃO! Os dirigentes do judaísmo messiânico devem
considerar os ensinos a respeito das Duas Casas como um só povo, chamado Yisrael (não
como duas entidades), como a solução permanente e definitiva à teologia da substituição e se

32
continuarem negando a aceitar a verdade escritural, histórica e talmúdica das Duas Casas, que
estão ainda divididas, com a Casa de Efrayim/Yisrael se convertendo em milhões de gentios,
como seu castigo pelo paganismo, dará como resultado o que o judaísmo messiânico continue
se perseguindo com seus provérbios e com suas tentativas inúteis por abortar a teologia da
substituição! Os verdadeiros crentes nascidos de novo, da igreja, devem deixar de lado seu
disfarce religioso da "pobrezinha órfã Annie" e suas designações, criadas pelos homens, como
possam ser os batistas, os luteranos, os metodistas, os presbiterianos, Pentecostais, os não
denominacionais ou não filiados e, sim, inclusive os católicos, para se chamar a si mesmos o
que lhes chama as Escrituras. Os Yisraelitas que regressam, estavam perdidos antes que
Yahushua lhes achasse e lhes salvasse. Se aceitarmos algo menos que o título de YISRAEL,
com sua imagem restaurada de novo no álbum familiar, somente conseguirá que proliferem os
venenosos ensinos que têm surgido por causa de sua cegueira com respeito a sua identidade
Yisraelita. A verdade a respeito da Restauração das Duas Casas é também a cura ao
denominacionalismo, que não é outra coisa que uma expressão sincera dos crentes nascidos
de novo que clamam por alguma classe de identidade corporativa que desejam pertencer!
Acorde e levanta-te, oh Casa de Yisrael, que há tanto tempo que foste eliminada e dispersada,
e sal do "sistema da igreja", regressando junto ao teu irmão Judá como um coerdeiro,
participando na mesa de comunhão do Messias do Yisrael do Pacto Renovado! Mais e mais
rabinos judeus messiânicos estão considerando o ensino das Duas Casas como a pura e
definitiva solução escritural, como o fim autoritativo ao problema de dois mil anos de duração
da teologia da substituição, mas por desgraça existem ainda aqueles que consideram a
Teologia das Duas Casas (a de Yahudah e a de Efrayim/Yisrael) como a causa da teologia da
substituição! Deve você se envergonhar por crer como a maioria, que teve a sua origem no
temor, em lugar da confiança em YAHUAH, que apresentou o plano para a plena e
PODEROSA restauração de Yisrael em nossos dias! Recorde que geralmente a maioria não
tem a razão. Recorde que a maioria acostumava a dizer que os judeus não podem e não estão
dispostos a confiar em Yahushua. Ainda que não temos visto como esse mito desapareceria
rapidamente!
Da mesma maneira, o mito da Teologia das Duas Casas é outra forma de teologia da
substituição cristã, e está já morrendo de morte rápida e bem merecida. Como acostumava a
cantar Bob Dylan "os tempos estão mudando!" e estão mudando para melhorar. Como
sabemos ou devemos entender, o erro produz o erro ou para se expressar de outro modo, a
rejeição da verdade produz o erro. O ensino da teologia da entidade separada tem feito que a
maior parte do corpo de Yahushua tente pôr panos quentes a este distanciamento criado pela
verdade escritural das duas casas, mas o fez, instalando uma nova heresia. A esta nova
heresia chamasse-lhe a teoria do Yisrael físico e o espiritual. Este ensino é um esforço frívolo e
desculpa dos resultados infligidos por eles mesmos e as feridas criadas pela teologia da
entidade separada. Esta heresia afirma que a "igreja" é o Yisrael espiritual, enquanto durante
todo este tempo o povo judeu, e especialmente os judeus messiânicos, são o Yisrael físico. Por
que é equivocado este ensino? Porque segue deixando-nos ainda com o problema sem
resolver os dois Yisrael, e apresenta equivocadamente a YAHUAH, como um adultério
espiritual lascivo! Ademais a heresia do Yisrael espiritual contra o físico não pode ser exata,
porque para que o Yisrael físico seja aceitável ao Aba/Pai, deve também se converter no
espiritual por meio do novo nascimento e ademais, todo o que afirma ser o Yisrael espiritual, na
chamada "igreja", são todos eles seres físicos que realmente existem. Esta teoria popular está
cheia de falhas e não é a solução que estamos buscando. O demônio realmente nos traz sem
cuidado se chamamos a uma entidade ("a igreja") de o Yisrael espiritual e aos judeus de o
Yisrael físico.
Desde que não reconheçamos ao corpo de YAHUSHUA COMO UMA SO ENTIDADE, QUE É
AO MESMO TEMPO O YISRAEL FÍSICO E O ESPIRITUAL, COMPRADO POR UM MESMO
SANGUE E O CORPO PRECIOSO DO POVO ISENTADO CHAMADO YISRAEL! Portanto, o
grupo ou congregação messiânica que verdadeiramente deseje fazer parte da solução final a
este problema da entidade dualista, pode o fazer aceitando a verdade celestial de um só povo
chamado Yisrael, que são ao mesmo tempo os descendentes físicos de Avraham, Yitzchak e
Yaakov e espiritualmente restaurados de novo a esse mesmo povo pelo sangue do Messias.
Se permitirmos a nós mesmos regressar ao mandato claro das Escrituras, seremos honrados
por YAHUAH como parte da solução a este contínuo problema. Recorde! A entidade separada
ou "a mentira do Yisrael físico contra o Yisrael espiritual" é o oxigênio que dá vida e que

33
alimenta as chamas consumidoras e nefastas da teologia da substituição. A ÚNICA MANEIRA
ESCRITURAL DE ACABAR COM A TEOLOGIA DA SUBSTITUIÇÃO, É ELIMINAR O
"SISTEMA E O CONCEITO ECLESIAL DA IGREJA, CRIADO PELO HOMEM" DE NOSSO
VOCABULÁRIO, DE NOSSOS LIVROS TEXTOS, DE NOSSOS SERMÕES E DE NOSSOS
PENSAMENTOS! Se eliminarmos uma das duas entidades que competem, afirmando as duas
serem Yisrael, então a batalha terá seu fim. Ninguém pode substituir a ninguém mais, porque
temos finalmente reconhecido que YAHUAH não é um adúltero, que permite que uma esposa
seja os gentios, ou o Yisrael espiritual, (sem torah) e a outra o físico ou o "verdadeiro Yisrael."
Se reconhecemos de verdade e de maneira irrefutável, que Yahushua tem comprado a uma
entidade chamada Yisrael, a eklesia do Pacto Renovado, então as diferenças, ciúmes, as
brigas, a vergonha, a falta de respeito, as atitudes presunçosas e todo esforço por estabelecer
a qualquer das duas entidades competidoras como superior ou a mais escolhida, poderão por
fim e felizmente chegar a um fim rápido e repentino. Então Yahudah e Efrayim poderão forcejar
como irmãos com uma rivalidade como tais, dentro da família de Yisrael, como sucedem em
todas as famílias naturais, mas isso será totalmente diferente ao assassinato, alimentado pelos
ciúmes, procedentes de duas famílias ou entidades diferentes! Se arranjarmos o problema de
nossa teologia para que concorde com as Escrituras, estaremos participando e eliminando a
teologia da substituição, eliminando o oxigênio que a alimenta, que é a teologia da entidade
separada. Se formos mensageiros da restauração desta verdade profética dos últimos dias,
obteremos tremendas recompensas no shamayin (céus). Mas se continuamos fazendo que
prolifere a mentira do chamado Yisrael físico e o Yisrael espiritual, o que estamos fazendo na
realidade é cair na mesma armadilha daqueles que nos odeiam tanto, e que têm decidido nos
eliminar, nos substituindo por meio de uma doutrina incorreta, pelo que não temos que passar
tempo em nenhum cárcere! A pregação do poderoso evangelho de Yahushua, é o método
mediante o qual e pelo qual está sendo restaurado o reino a todo Yisrael (Maaseh
Shlichim/At.1:1-8). O evangelho está desenhado para trazer a todas as nações em uma só
entidade, chamada o Yisrael do Brit Chadashah.
O Pacto Renovado ou a eklesia de Yahushua. O versículo 6 de Maaseh Shlichim/At.1, diz
que a restauração de Yisrael se achava, de maneira primordial, nas mentes dos onze restantes
discípulos, quando Yahushua ascendeu aos céus. Ele repreendeu seu desejo de saber o
momento da plena restauração de Yisrael, como algo que pertencia só ao Aba/Pai soberano no
céu e a seguir, lhes deu uma fórmula ou o meio pelo qual o Reino teria que ser restaurado
graças ao evangelho. O versículo 8 de Maaseh Shlichim/At. 1 diz-nos que esta fórmula para
edificar esta entidade única conhecida como Yisrael (ao mesmo tempo físico e espiritual) terá
lugar, indo primeiramente aos judeus ou à Casa de Yahudah, que se encontra em
Yahrushalayim e na Judéia. A seguir, disse-lhes aos onze, como se diz também a nós, que
fossem a Shomron/Samaria (a anterior capital de Efrayim) que é um apelo direto do Messias a
buscar a Efrayim, que é a outra Casa de Yisrael! Todos os historiadores reconhecem que os
samaritanos descendem das dez tribos do norte. Finalmente devemos ir aos confins da terra.
Por quê? Porque segundo Bereshit/Gn.48:19 e Yeshayahu/Is.11:12, esta busca mundial nos
permitirá, graças a luz do evangelho, encontrar as Ovelhas Perdidas de Yisrael, a semente
eliminada de Efrayim/Yisrael, juntamente com a semente dispersada do Yisrael/Judaico.
Devido as dispersões passadas do Yisrael judaico e a condição evidente de eliminados de
Efrayim/Yisrael, a terra esta cheia do sangue Yisraelita de Ambas as Casas, daí a necessidade
da "Grande Comissão" de Matitiyahu/Mt.28:18-20.
Se você pertence a Yahushua por favor, por meio da confiança, então estes grupos devem de
ser um deles! YAHUAH mostrou a pregação do evangelho, portanto para isentar as pessoas,
de maneira individual, como para restaurar de maneira simultânea ao Yisrael coorporativo. "Ou
as riquezas e a sabedoria do Todo poderoso YAHUAH!". A única solução, pois, a teologia da
substituição, a teologia do Yisrael físico contra o Yisrael espiritual e a teologia da entidade
separada, é a restauração de Ambas as Casas de Yisrael. A casa de Yahudah, o Yisrael
judaico, e a Casa de Yisrael, Efrayim/Yisrael! (Estude você Hoshea/Os., capítulo um, para
descobrir como Efrayim regressará nos últimos dias como gentios e se unirá aos judeus salvos,
formando um só corpo com a mesma série de instruções (a Torah) e a mesma visão.
Hoshea/Os.1: 11, nos recorda que no dia de YzreEL ou a reunificação das 12 tribos de Yisrael,
terá lugar só quando o Messias restabeleça a Yisrael como uma só entidade. Ambas casas
nomearão um Melech (Rei) sobre elas (Yahushua) e ademais nomearão o mesmo ensino do
Rei Messias (a Torah) como sua guia e seu manual de instrução. A revelação da verdade

34
destes últimos dias e a restauração de todos os Yisraelitas, das duas casas que ainda seguem
divididas, causará um grito de lamento que surgirá de um Yisrael reunido, como nos ensina, de
maneira preciosa, Hoshea/Os. 2:1. Nos daremos conta de que os crentes que não são judeus
são, em realidade, tanto parte dos Yisraelitas físicos, como somos nós mesmos e a nossa
reação diante de nossos irmãos messiânicos Yisraelitas e os irmãos na fé se converterá em
uma nova realidade, quando os vejamos realmente tal e como são. Não só como irmãos
espirituais, senão em carne e sangue, como Yisraelitas físicos, como escolhidos, tal e como o
é o Yisrael judeu! Esta realização em Ambas as Casas de Yisrael, dará pé a uma alegria e
maravilhosa expressão sincera diante da reunião e clamaremos OH MEU POVO (AMI)! Esta
revelação dos últimos dias a respeito da restauração de Ambas as Casas de Yisrael, permitirá
aos espiritualmente discernidos ver a seus irmãos não judeus debaixo de uma nova luz e essa
luz revelará aos Yisraelitas/Efrayimitas como parceiros isentados e como Yisraelitas físicos.
Essa mesma luz permitirá a Efrayim deixar de lado seus letreiros denominacionais temporais,
sem sentir impulsionados a substituirem aos judeus. Como declaram as Escrituras: "Realmente
grande é o dia de YzreEL" (a reunificação do que foi anteriormente dispersado!) Os Efrayimitas
que seguem ainda aferrando-se à teologia da substituição precisam com desespero a
previdência doutrinal e precisam ademais de uma visão, realmente enviada dos céus, sobre a
unidade nacional Yisraelita. Sua maneira de pensar é pecaminosa e um grande obstáculo,
além de ser uma pedra de tropeço para a definitiva reunificação de todo Yisrael! Que postura
adotará você hoje? Com as Duas Casas de YISRAEL, vindo juntas, de uma maneira
maravilhosa, como um só rebanho, por meio do sangue, que dá vida, de Yahushua nosso
Messias, ou seguirá você as mentiras da teologia da entidade separada, a teologia do Yisrael
espiritual contra o Yisrael físico, que segue sendo os dois tanques de oxigênio que permitem
que sobreviva a teologia da substituição.
De você depende esta decisão! Quanto a mim, eu e minha casa (Yahushua/Js.24:15)
serviremos a YAHUAH e a Seu povo do pacto perpetuo, Yisrael!

35
O que Realmente diz o Judaísmo a
respeito da Semente de Yahusef/José!

A QUARTA PARTE DE UMA SÉRIE CONTÍNUA SOBRE A COMPLETA


RESTAURAÇÃO DE YISRAEL!

Apesar das negativas de grandes segmentos do judaísmo messiânico e da cegueira de grande


parte do Cristianismo, os antigos rabinos, dirigentes e sábios Yahudim/judeus, tinham
conhecimento e revelação a respeito da situação e o paradeiro da Casa de Yahusef/José.
Havia pouco conhecimento do mistério que rodeava as "dez tribos perdidas", ao contrário do
que acontece hoje. Estes sábios entendiam que a casa de Yahusef/José, também conhecida
como as dez tribos, nunca tinham estado perdidas, senão que tinham uma vaga consciência do
que exatamente tinha ocorrido com elas. A ideia de que estivessem perdidas ou de que, por
alguma razão, YAHUAH não pudesse seguir a pista sobre elas pois, era considerada como
uma doutrina anti-semita, e que lamentavelmente desejava o desaparecimento do povo de
Yisrael. A maioria dos antigos sábios tinham baseado seus discernimentos nas
Ketuvim/Escrituras, e portanto elas devem ser consideradas válidas. Suas extraordinárias
conclusões, na maioria dos casos, se encaixam perfeitamente com as Ketuvim/Escrituras. As
pessoas pertencentes ao judaísmo messiânico atual precisam voltar a estabelecer contato com
a maneira de entender, mostrando este aspecto, para que outros Yahudim/judeus tradicionais
levem a sério como uma forma legítima do judaísmo. Quase todos estes grandes sábios de
nossa nação tinham uma espécie de acordo virtual com respeito a Casa de Yisrael ou Efrayim,
que se converteu em uma nação separada do resto da Casa de Dauid/David, oficialmente nos
921 AEC, e isso acontece também nos dias de hoje.
Os Pasukim/Passagens das Escrituras, segundo os quais o antigo judaísmo acostumava a
conceder validade a condição e a existência perpetua de Efrayim, se encontravam em textos
tão claros como aparecem em Tehilim/Sl. 60:9, onde a Efrayim (um termo utilizado para fazer
referência coletiva às dez tribos do norte) é chamado de a fortaleza da cabeça de YAHUAH !
Para que as dez tribos estivessem perdidas, YAHUAH teria, em essência, que ter perdido Sua
fortaleza ou Sua própria cabeça! (Inadmissível!). Yirmiyahu/Jr.31:9, declarava aos antigos,
que a nação de Yisrael era o Seu filho perpetuo (Hoshea/Os. 11:1) e que Efrayim seria sempre
para Ele o seu primogênito. Depois, em Yirmiyahu/Jr.31:20, YAHUAH recorda a todos nós,
que apesar de suas pesadas declarações contra o Seu filho primogênito Efrayim, Ele se
recorda de maneira sincera e veemente, e portanto terá rachamim/piedade dele. Esta
declaração de YAHUAH contrasta de maneira direta, com aquelas dos atuais círculos
religiosos, que têm anunciado que Efrayim tem desaparecido na ação ou estava morto ao
chegar e isso não passa do fruto da imaginação dos que defendem as duas casas. Se
YAHUAH se recorda e os reconhece, ainda como indivíduos funcionais no mundo (mesmo que
nunca voltaram a se reunir claramente como uma nação em nenhum momento antes de
Yahushua) não devemos esquecer nunca que nós, como judeus messiânicos, somos de fato
guardas de nossos irmãos.
Em Tehilim/Sl. 80:1, há um toque de clarim para aqueles que se consideram a si mesmos
como os verdadeiros pastores de Yisrael, para dirigir a Yisrael, como o faz o próprio YAHUAH,
o que habita entre os querubins. Os versículos 1-3 de Tehilim/Sl. 80, afirma que a finalidade
de poder ser um pastor do Brit Chadashah/Pacto Renovado, conforme ao coração de
YAHUAH, o povo ao que o pastor deve dirigir são EFRAYIM E BENYAMIN, não só Benyamin.
Se um pastor de Yisrael reconhece que a nação de Yisrael, que está dirigindo se considera
como remanescente de ambas as casas, então essa pessoa poderá ministrar a todos os que

36
têm sido anteriormente as ovelhas perdidas dos filhos de Yisrael. Baseando nas Escrituras,
esta perfeitamente claro que os Yahuditas e os Efrayimitas, que têm sido isentados pelo
precioso sangue de Yahushua, há ambas diferenças necessidades que se têm de suprir,
graças ao cuidado pastoral e com freqüência , estas necessidades são muito diferentes. Mas,
para que a liderança messiânica possa dispensar o oportuno cuidado pastoral, é preciso que
reconheçamos as diferentes necessidades do rebanho que está sendo guiado. Segundo
Tehilim/Sl. 80, esse rebanho é idêntico ao que guia nosso Aba/Pai celestial, desde o
Shamayim/céus. Tanto que se entendemos totalmente este princípio escritural da restauração
das duas casas, por meio do Moshiach/Messias como segue sendo importante que, todos nós
sejamos conscientes de que a salvação é o favor salvador para todos os Yisraelitas
pertencentes a ambas as casas! As duas casas estão representadas em nossos rebanhos,
porque assim é como o ordenou nosso Mestre Yahushua, e portanto, é preciso que moldamos
nossa liderança, neste ensino. Nossa liderança deve aceitar ainda mais e ter em conta a
semente de Yahusef/José, tal e como o fizeram os antigos sábios do povo Judeu. Uma das
primeiras obras dos judeus, chamada o Zohar, afirma que Yisrael (as 10 tribos) está
representada por uma rosa, cuja descrição representa a Rosa da Inglaterra. Em contraste, diz-
se que a rosa entre os espinhos (Shir hashirim/Cantico dos Canticos de Shlomo/Salomão
2:2) é toda a Assembleia de Yisrael (as 12 tribos) entre as nações. Da mesma maneira que as
pétalas são vermelhas e alvos entre os espinhos, todo Yisrael está ao mesmo tempo, emitindo
o aroma suave da justiça e a piedade entre os gentios. Diz-se que a Rosa de Yisrael tem 13
pétalas pelas 13 tribos, incluindo a Leui/Levi, mas a Rosa inglesa só tem 10 pétalas.
Por que dez? O Império Britânico, dominado pela tribo predominante de Efrayim, compõe-se de
dez tribos! Os rabinos têm confirmado que nos selos de dois dos antigos templos no Monte
Moriah, tinha um jardim de rosas especial, situado entre o atual Muro das Lamentações e os
atuais templos (Mishnah Middott cap.1). Segundo os antigos de Judá, o jardim de rosas terá
que ser substituído quando se construir o terceiro templo. Já que muitos estão convencidos de
que os Estados Unidos da América estão compostos por Yisraelitas/Manassés, é o mais
interessante que existia um jardim de rosas em frente da Casa Branca nos Estados Unidos,
chamado a América, segundo muitos rabinos judeus por causa do Machir, o primogênito de
Manassés. O Zohar descreve também o futuro regresso das dez tribos com a Casa de Judá. O
Rabino Eliezer, conhecido por Pirkei Avot, afirma: "a cada um dos príncipes ou dos homens
importantes que surgiram em Yisrael que receberam o nome de Efrati." Efrati é definido como o
que é um aristocrata ou um nobre. O Talmude acha que os descendentes da casa de Efrayim
converteram-se em aristocratas nobres onde quer que se sejam dispersos. No Yalkut Shimeoni
A77 do Talmude, comentando a respeito de Shmuel Alef/1 Sm.1:1 o Rabino Raddak afirma
que: "Se supõe que Efrati significa alguém da tribo de Efrayim e de berço nobre."
Estes rabinos entenderam que quando a casa de Yahusef/José foi dispersa por todo mundo,
apareceriam no oeste como nobres aristocratas e monarcas. O Rabino David Kimchi, que viveu
entre o 1157 e 1236, em seu comentário titulado Raddak, disse:
- "Na montanha de Efrayim significa grandeza e importância." O Rabino Yehoshua Ben Levi
afirma que "Efrayim significa aqueles que habitam no palácio ou uma pessoa muito nobre que
vivia no Monte Efrayim."
Os envolvimentos estão perfeitamente claros. Os antigos sábios entendiam que as dez tribos
floresceriam como nobres onde quer que fossem e em nenhuma outra parte se encontra mais
esta verdade de que no anterior Império Britânico e suas colônias, onde a classe da nobreza
está separada das pessoas comuns até a data. O Talmude afirma em Yebamot 17B que as dez
tribos do Yisrael disperso em seus lugares de exílio, são legalmente "gentios" a todos os efeitos
e propósitos, quanto a guardar a Torah e a halachah/explicações da Torah que não se
compreendem facilmente). Este entendimento rabínico tradicional contrasta diretamente com
uma grande parte do judaísmo messiânico, que jura pelo céu que os gentios salvos que
regressam (Maaseh Shlichim/At.15:19) à Sukah de Dauid/David, não podem ser
possivelmente Yisraelitas perdidos. Este relato contrasta diretamente com o que diz em
Yebamot 17B, que embora não tenha sido inspirado pelo Ruach Hakodesh/Sopro de YAH, nos
permite sim o discernimento e o consenso dos rabinos judeus tradicionais. Malachi/Ml. 4:4,
recorda-nos que na restauração de Yisrael, todo Yisrael guardará a Torah, já que YAHUAH
afirma que foi dada a todo Yisrael, não só ao Israel judaico. Os rabinos entendiam que
Yeshayahu/Is.49 era uma clara referência a localização das dez tribos de Yisrael. Em

37
Yeshayahu/Is. 49:1, YAHUAH fala às ilhas e ao distante povo de Yisrael. Estas são as ilhas do
Oceano Atlântico (Grã-Bretanha, a costa da Europa e Norte América). Estes lugares
mencionam-se em Yeshayahu/Is. 49, em correlação direta com as tribos de Yisrael. A
bandeira da Grã-Bretanha chama a União de Tg. ou a Comunidade de Yaakov/Jacó. Em
Yeshayahu/Is.49:5, as Escrituras afirmam que o Messias seria formado (nascido)
principalmente para "trazer de volta a Yaakov/Jacó." Regressar de onde? Segundo o versículo
1, Yisrael regressará da costa e das ilhas da Grã-Bretanha, do noroeste da Europa e da
América do Norte. Yeshayahu/Is.49:6, afirma que o Messias, a personificação de YAHUAH,
que todo o que é Yisraelita (Hoshea/Os.11:1) será o servo escolhido e formado de YAHUAH,
que terá de trazer "de volta a Yaakov." O Messias teria de aliviar as nações ou gentios, com o
propósito de resgatar aos que têm sido preservados (Notzrim-Nazarenos) de Yisrael e por meio
deste resgate, teria lugar a restauração das tribos. Isto inclui as 12 tribos de ambas as casas
(versículos 5,6). A frase "os termos da terra" no versículo 6 indica a localização, desde o qual
terá lugar a este resgate dos preservados de Yisrael. Segundo os sábios judeus, "os termos da
terra" no versículo 6, refere-se a todas as nações que habitam "nas extremidades geográficas
das massas continentais, mais afastadas de Yahrushalayim/Jerusalém, considerada como o
centro da terra. O Rav. Shaul (Paulo) confirma esta interpretação midrashica em Efsiyah/Ef.
2:17-19, onde mostra aos que regressam DE LONGE ou dos CONFINS DA TERRA, como os
que reclamam a cidadania em Yisrael, graças ao sangue do Messias e por Sua busca
determinada e Sua missão de resgate das dez tribos (Efsiyah/Ef. 2:13)! Os termos "longe" ou
"os confins da terra" não são, como normalmente se vem ensinando, termos que se aplicam
aos gentios, senão que são e têm sido sempre frases feitas, aplicadas ao Yisrael disperso entre
os gentios, dos que se diziam que se encontravam “longe” de Yahrushalayim/Jerusalém, o
centro geográfico, cultura e religião do mundo. Em Yeshayahu/Is. 49:8-9, diz que este mesmo
servo de YAHUAH, será dado ao povo de Yisrael como um "Brit-Am" ou pacto do povo. Os
antigos rabinos entendiam que isto significava que o Messias restauraria a terra fazendo que o
"povo do pacto" de Yisrael, herdasse as heranças desoladas do mundo. Por meio do
colonialismo, as nações da Europa do noroeste, o Império Britânico e outros lugares da
dispersão Yisraelita (como Dinamarca, Irlanda, França, Espanha, etc, etc.) herdariam as
antigas heranças desoladas.
Estas heranças desoladas incluem, mas não se limitam a Austrália, Nova Zelândia, África do
Sul e partes de Norte América, ademais as heranças desoladas se viram positivamente
influenciadas pelo Brit Am ou Povo do Pacto, que diz que Yahushua as trará de volta. Os
versículos 9-11 de Yeshayahu/Is. 49 ensina-nos a influência estabilizadora sobre as heranças
desoladas, que teriam de exercer as dez tribos de Efrayim e que lhes permitirá também herdar
estas terras, graças a liberdade teocrática que reclamarão. O midrash de Números Rabah 1:6,
Elicah Rabah 2:9 (Sanhedrín de Yahrushalayim/Jerusalém 17:6,29) sobre estes versículos
(Yeshayahu/Is. 49:9-11) comenta-se o seguinte: O Rabino Beracahiah e o Rabino Chelbo, em
nome do Rabino Shmuel Bar nachman disseram: "A três lugares foi Yisrael/Efrayim exilado.
Um mais além do Rio Sambation, um a Daphne de Antioquia e outro onde as nuvens descem e
os cobrem."Da mesma maneira que as tribos ao leste do Rio Yardem/Jordão foram também
exiladas a três lugares (Rubén, Gad e a metade de Manassés). Como sabemos isto? Pelo
versículo que diz: "Vão aos prisioneiros" (Yeshayahu/Is.49:9). Estes são os que foram exilados
mais além do Sambation. "E aos que estão em trevas, vos mostrem" estes são aqueles sobre
os quais desceu a nuvem e os cobriu. "Nos caminhos serão apascentados e em todas as terras
áridas estarão suas pastagens."
Estes são os que foram exilados a Daphne de Antioquia. Yeshayahu/Is.49:10-11, fala a
respeito do fato de que as dez tribos de Efrayim/Yisrael se estabeleceriam e regressariam de
uma região, na que não faltaria nem o alimento nem a água. O versículo 11 afirma que o seu
caminho migratório, afastado de Yisrael e em regiões distantes, se acharia principalmente em
terreno montanhoso. A história mostra (Josefo e outros) que a maior parte das tribos de
Efrayim se estabeleceu ao norte da Assíria nas montanhas do Cáucaso. Estas montanhas
proveram o caminho para a migração eventual em direção oeste e noroeste da Europa, fato
que verifica as Escrituras. Em Hoshea/Os.11:10, quando Efrayim/Yisrael aprende a seguir a
YAHUAH, rugem como um leão. Evidentemente é o Leão da tribo de Judah o que lhes ensina a
rugir. Eles imitam Seu rugido como um sinal verbal do fim de sua diáspora. Quando Efrayim
emitir o rugido do Poderoso Leão de judah, os filhos de Efrayim/Yisrael, segundo este
versículo: "Tremerão desde o oeste." Somente poderão vir tremendo desde o oeste, e se

38
estabeleceram ali (na Europa, América do Norte e a costa do Oceano Atlântico). Hoshea/Os.
12:1, afirma que Efrayim seguiu em sua rebelião um vento do leste, que soprou sobre eles
diretamente ao oeste de Yahrushalayim/Jerusalém. Quando regressarem em obediência, por
meio do Leão de Yahudah, seguirão um vento do oeste, que soprará sobre eles e os trará de
volta diretamente ao leste, ao Oriente Médio e à terra de Yisrael! Segundo Hoshea/Os. 6:2,
este regresso da Casa de Yisrael ao povo de Yisrael, teria de ter lugar dois dias ou dois mil
anos após o aparecimento do Messias, de modo que começando pelo terceiro milênio A.D,
possam ser levantados a uma zoe ou vida (abundante) no Messias. O princípio do terceiro dia
(2001 A.D.) está destinado a trazer uma vida renovada à Efrayim/Yisrael e terá lugar ao final do
segundo dia ou no aproximadamente no ano 2000 desde a primeira vinda do Messias! Rashi,
também conhecido como o Rabino Shlomo Yitzchazki (viveu na França no século 11) e é
possivelmente o comentador judeu sobre as Escrituras, e um dos mais reverenciado na história
da nação Yisraelita. Seria difícil encontrar um trabalho no Tanach hebreu (Primeiro Pacto) que
não tivesse um comentário, com pé de página, para cada versículo ao final da cada página. O
comentário de Rashi, sobre este versículo ensina que Efrayim regressará nos dias da
construção do terceiro templo (no terceiro milênio AD). Uma vez que tiver construído esse
terceiro templo, você e eu podemos esperar ver se abrir as portas da imigração
Efrayimita/Cristã/Sionista cair em grandes números sobre o diminuto e moderno estado de
Yisrael, sobre o Yisrael mais amplo, prometido aos patriarcas (Zecharyah/Zc. 10:10). Estamos
vivendo nesses dias, meus amigos. Tomara que não acabe nunca! Yeshayahu/Is. 49:12, fala a
respeito dos Yisraelitas que vêm de tão longe e concretamente diz que estes regressam do
norte, do oeste e da terra de SINIM. Sinim, segundo Rashi e a tradução aramaica do versículo
12, é a terra "do sul." A terra mais afastada e mais ao sul de Yisrael é a Austrália! Na tradução
da Vulgata Latina da Bíblia, realizada por Jerônimo, a palavra no versículo 12 para Sinim é
Australi ou em outros idiomas Austrália! Rashi atribui à tribo perdida de Shimon/Simeão a
Austrália ou a "grande terra do sul" e, é mais, o nome Sinim contém a palavra raiz para Sinai,
tanto a montanha como toda a Península do Sinai. Esta península tem sido anfitriã de uma
numerosa população da tribo de Shimon/Simeão e em muitos sentidos a Austrália parece a
Península de Sinai.
Nos versículos 14-17 de Yeshayahu/Is. 49, vemos a resposta de dez das tribos de Yisrael e a
sua reunificação nos tempos do fim. No versículo 13 é ordenado que cantem cânticos a
respeito de Tzion/Sião e que abandonem seu antigo refrão, segundo o qual "estamos perdidos
e esquecidos." É o Messias Yahushua que coloca um shirim/cântico novo em seus corações,
substituindo ao antigo lamento "estamos perdidos e esquecidos." No versículo 16 de
Yeshayahu/Is.49, vemos que é graças as cicatrizes dos cravos nas mãos de Yahushua que
recebeu no Gólgota, que teve lugar a esta restauração. Ele recorda as ovelhas dispersas da
Casa de Yisrael que olhem as mãos do Messias, com as cicatrizes dos cravos, e se deem
conta de que não têm sido esquecidos, não estão perdidos e não foram abandonados. Este
Pasuk/passagem tem que estar se referindo a Yisrael (Efrayim) já que Yahudah (Judá) ainda
não tinha sido levado cativo nem à Babilônia nos 585 AEC, e nem globalmente pelo Imperador
Romano Tito nos 70 A.D, quando Yeshayahu/Is. foi escrito nos 720 AEC. No versículo 18 de
Yeshayahu/Is.49, YAHUAH diz ao Seu Filho Yahushua, que coloque ao Efrayim reunificado
como adorno do novo casamento de YAHUAH com Seu Povo. Nos versículos 19-21 de
Yeshayahu/Is.49, encontramos que se produziu a uma grande inversão de YAHUAH dos
papéis. Nos dias do Messias, encontramos aos opressores e captores de Efrayim, sendo
atormentados pela dispersão mundial para não ser jamais reunificados, enquanto
Efrayim/Yisrael tem sido reunido de volta na terra de sua antiga destruição!
Aqueles que engolem sua ocuparão no lugar de Efrayim no exílio, como eles têm sido
engolidos! Isto é exatamente o que tem sucedido, do ponto de vista histórico, ao desaparecido
império assírio. Yeshayahu/Is.49:20, mostra que o Efrayim que regressará, será tão numeroso,
que a terra de Yisrael, tal e como aparece na atualidade, não terá espaço suficiente para conter
a semente de Yahusef/José! No versículo 21 as assombradas nações de Efrayim ficarão como
pedras, diante do fato de que os seus irmãos (outros Yisraelitas perdidos) não só seguem
existindo, senão que, de fato, se multiplicaram numericamente e são prósperos. "De onde têm
vindo (os outros Yisraelitas)?" Os rabinos entendiam claramente estes versículos, mas o
resultado surpreendente, é que o judaísmo messiânico não os entenda. Suponho que
Yeshayahu/Is., sabia disto, ao falar a respeito de que ambas as casas tropeçariam por causa
de uma cegueira parcial (Yeshayahu/Is.8:14, Romiyah/Rm.11:25). O Rabino Bar Shalom

39
compara Yeshayahu/Is. 49:21 com Bereshit/Gn. 48:8, quando o patriarca Yisrael regressa à
Yahusef/Jose E LHE PERGUNTA (a respeito de Efrayim e Manasheh), QUEM SÃO ESTES? O
Rabino Bar Shalom está dizendo, por envolvimento, que o Judá que regressa (salvo) não
reconhecerá a Efrayim e a Manasheh, da mesma maneira que Yisrael, o patriarca, o primeiro
Yisraelita, não reconheceu inicialmente aos seus netos, que eram sua descendência Efrayimita
e Yisraelitas, do ponto de vista biológico! O comentário do Rabino Aba sobre este versículo de
Yeshayahu/Is. 49:21 é semelhante ao do Rabino Bar Shalom:
- "Que implica este versículo?" pergunta. Que “o Patriarca celestial de Yisrael (YAHUAH) viu de
antemão a reunificação de Yisrael diante Dele no futuro.” Segundo Yeshayahu/Is. 11:11:
- "Assim mesmo acontecerá naquele dia que YAHUAH mesmo voltará a colocar Sua mão para
recuperar o remanescente que terá ficado do seu povo, desde a Assíria, Mitzrayim (Egito),
Patros, Etiópia (os Yisraelitas negros) Elam, Sinar, Hamat e A Costa Do Mar." O Rabino Aba
entendeu que a primeira vez que YAHUAH chamou a Yisrael para que regressasse à terra,
seria ao Yisrael judaico O segundo apelo seria à Efrayim/Yisrael. Yeshayahu/Is. 11:12-13,
afirma que a restauração da Casa de Yahudah se produz de maneira simultânea a da Casa de
Yisrael/Efrayim. Por definição, os judeus não podem regressar fisicamente à Yisrael e
espiritualmente ao Messias, sem que se produza a recuperação simultânea da outra Casa de
Yisrael. Efrayim será reunida como gentios, até que saibam quem são em um período
posterior, seguindo o ensino atento de Judá regenerado (Zecharyah/Zc. 8:23). Yirmiyahu/Jr.
31:18-19, Zecharyah/Zc.10:6-12, falam a respeito do regresso simultâneo dentre as nações,
como um regresso de gentios. Zecharyah/Zc.6:15, fala a respeito do Efrayim que regressa
como Yisraelitas cristãos nascidos de novo (isto é, crentes não judeus) e cristãos sionistas, que
reconstruirão o Hekel ou o terceiro templo no Monte Moriah! Nos termos mais claros possíveis,
o Rabino Aba e o Rabino Shalom, falam ambos a respeito dos Yisraelitas que retornam, que
SE CONVERTERÃO DE NOVO E SERÃO RESTAURADOS como um só, com Yisrael judaico!
O que resulta realmente fascinante é que mais adiante, no mesmo versículo do Zohar, onde diz
que "se dividirão um do outro", o qual significa que o elemento estrangeiro, que crê, mas que
não é judeu se separará voluntariamente do Yisrael que regressa, não desejando fazer parte
dele e seu direito a circuncisão (Torah).
Em outras palavras, ainda que alguns crentes tenham a oportunidade escritural de regressar
como cidadãos legítimos e salvos da Comunidade de Yisrael, desobedecerão a YAHUAH e
voluntariamente (devido a seu ódio aos judeus e ao ensino deficiente?) SEPARAM-SE de
Yisrael, apesar de que YAHUAH continua lhes considerando como Yisrael. Há alguma
explicação melhor em alguma parte da literatura rabínica, do futuro estado da entidade
separada, criada pelo homem e a chamada "Igreja"? Por causa da rebeldia separaram-se do
povo de Yisrael, do remanescente das doze tribos, do Brit Chadashah/Pacto Renovado, e
CHAMARAM-SE A SI MESMOS DE "A IGREJA"! Esta entidade separada mudou a capital do
Yisrael do Pacto Renovado de Yahrushalayim/Jerusalém à Roma, e de YAHUAH, como o
verdadeiro Todo Poderoso, ao Papa e os seus sagazes papais como falsos senhores, que se
converteram em mercenários sobre um rebanho separado. Yeshayahu/Is. 56:3-8, nos adverte
estritamente e sobriamente aos que creem em YAHUAH, que NÃO DESOBEDEÇAMOS AO
FAVOR DE YAHUAH FORMANDO UMA ENTIDADE SEPARADA DE NENHUMA FORMA,
especialmente uma tão anti-nominianista, antisemítica e judeofóbica, como o atual sistema
eclesial da igreja.
É muito espantoso, que os antigos sábios de Yisrael, reconhecessem rapidamente o fato de
que alguns do Efrayim/Yisrael que regressavam juntamente com alguns que não eram
Yisraelitas (seus colegas), não ficariam satisfeitos com voltar a ser enxertados no
remanescente e regressar à Yisrael, senão que viram por adiantadamente, que muitos dos que
regressariam, mediante a At. de aberta obstinação e autonomia, abandonariam a oliveira que
tinha plantado YAHUAH (Yirmiyahu/Jr.11:16-17) a favor de uma árvore seca, cheio de
paganismo e sem vida que lhes sustentasse! Segundo Yeshayahu/Is.56:3, esta separação dá
como resultado uma absoluta sequidão espiritual e depravação! Em grande parte, esta
separação foi devida ao desejo de Efrayim de substituir ao seu irmão Yahudah, como o único
Yisrael (teologia da substituição) e evitar viver com ele em harmonia. Como temos mencionado
anteriomente, segundo os rabinos, as dez tribos acabaram principalmente em três lugares.
Primeiro, mais além do Rio Sambation, debaixo das nuvens da escuridão e terceiro, em
Daphne de Antioquia. Abraham Polok, em seus estudos, diz que os escritores judeus,

40
posteriores ao exílio, se referiam ao Rio Dom como o Rio Sambation e também os gregos
chamavam ao Rio Dom "Sambation" ou rio do Shabat. A região mais além ou ao norte do Rio
Sambation converteu-se no território escita-Yisraelita, que incluía a Sakiz, a capital escita,
nomeada por Yitzchak/Isaac! Os Yisraelitas perdidos emigraram e estabeleceram-se em
grandes números desde o rio, todo o caminho do norte ao sul da Rússia e ao oeste da Ásia,
que segundo Josefo "eram uma multidão inumerável", cumprindo desse modo, a promessa da
multiplicação física, feita a todos os patriarcas, para que quando chegar o tempo do Messias
Yahushua. O segundo lugar do exílio, de acordo aos rabinos, foi à região coberta por escuras
nuvens. O midrash Olam Rabah (Grande Universo) 17:16 diz:
- "Parte da Casa de Yahusef/José exilada, foi às montanhas de profunda escuridão."
O mesmo Rashi reconhece estas montanhas como as montanhas de Mannae (chamadas em
honra do maná do deserto) enquanto outros as equiparavam com as próximas Montanhas do
Cáucaso. Esta escura região montanhosa encontra-se ao norte do Rio Sambation e de Yisrael
mesmo. Nesta região de escuridão montanhosa, encontrou-se exiladas as dez tribos,
emergindo pouco depois como os escitas, os godos e os sumérios, nomeados por Samaria, a
capital caída do norte. Homero, o poeta grego, afirmou:
- "Os sumérios vivem no mar profundo dos Oceanos (o Atlântico), que é a fronteira do mundo,
onde se estende para sempre a noite sobre esses desgraçados mortais." Homero atribuiu aos
sumérios, que viviam debaixo da escuridão, ser transladado às orlas do Atlântico e do Orphic
Argonautica Ca. 500 AEC, situando-os, por tanto, nas Ilhas Britânicas, após ter emigrado das
montanhas escuras. "Os sumérios achavam-se ocultos do sol, que saía pelas montanhas de
Ripaeus em Grã-Bretanha, perto das partes do Hades", segundo Homero! Em outras palavras,
a escuridão das montanhas seguiu-lhes, emigrassem para onde emigrassem! Desde as iniciais
montanhas escuras, as tribos emigraram um pouco mais além do leste, até Daphne na Ásia.
Esta Antioquia na Síria (Ásia) foi a primeira cidade onde os Efrayimitas perdidos se intitularam
de cristãos (Maaseh Shlichim/At. 11:26). Antioquia estava cheia de Efrayimitas nos tempos do
Sholiach/apóstolo Shaul/Paulo. Ainda que Antioquia acha-se na Costa Síria, era considerada
como a grande Yisrael, e por isso era parte da terra prometida. Portanto os prisioneiros
Yisraelitas levados ali, não eram realmente exilados, senão simplesmente se mudaram ali para
seu posterior exílio. Evidentemente, muitos permaneceram ali e salvaram-se ali. Estes
primeiros crentes messiânicos tiveram filhos e multiplicaram-se. Daí que a primeira comunidade
de crentes estivesse cheia dos descendentes destes crentes Efrayimitas na Antioquia! 2000
anos depois, muitos daqueles que eram descendentes diretos dos primeiros crentes e
Sholiachim/apóstolos seguem estando ainda conosco como crentes! Estes Yisraelitas
multiplicaram-se durante dois milênios e estabeleceram-se comodamente no corpo de
Yahushua! Daphne era, por assim o dizer, uma cidade dentro de outra em Antioquia da Síria.
Houve uma época, em que outra Daphne foi o centro da tribo de Dan na Galileia, o lugar do
bezerro de ouro de Dan se chamava também Daphne. Chaim Bar Derma, um erudito Yisraelita,
disse em 1958:
- "Que os antigos Yisraelitas, sob o reinado de Dauid/David e de Shlomo/Salomão, controlavam
todo o Oriente Médio, incluindo Síria e a cidade de Antioquia." Daphne de Antioquia, era uma
cidade que durante muito tempo pertenceu a Yisrael e por isso, se converteu em uma das
principais regiões de nova colonização para a Casa de Yahusef/José. De maneira que
encontramos que os primeiros sábios judeus, sabiam exatamente onde se encontrava a
semente de Yahusef/José e isso foi o melhor motivo de lamento do que um mistério! Não é
espantoso como o Judáh messiânico pode se centrar de tal modo, em como ter uma casa
Kosher/pura/sã e criar a uma família culturalmente judaica, que se esquece dos assuntos de
muito mais peso da Torah, como possa ser a justiça, a igualdade e a piedade para Efrayim! A
verdadeira fé nas Escrituras nos ensinará as mesmas coisas que ensinaram a nossos antigos
sábios a respeito da Casa de Yahusef/José. Tomara que YAHUAH retire a cabeça coletiva da
areia do Judaísmo Messiânico e olhasse à Efrayim, antes de tramar e perpetuar um conto de
fadas titulado de:
- "A Reunião que Teve Lugar no Povo de Anatevkah nos Dias do Rei Josias."
Os rabinos de nossa nação judia não suportaram, nem por um momento, semelhante loucura e
este autor também não esta disposto a fazer isso. Nunca temos estado TOTALMENTE
reconstituídos como uma “YAH-cracia” unida de 12 tribos desde os dias de Shlomo, e é por

41
esse motivo que confiamos e precisamos que Yahushua faça justiça nisso. Não perdemos a
unidade de nosso povo, como ensinam alguns, porque a unidade não começou, até que
Yahushua foi ungido a idade de trinta anos e tem continuado muito lentamente até a data.
Josefo, o historiador judeu, que foi contemporâneo do Messias Yahushua, ele disse:
- "As dez tribos encontram-se mais além do Rio Eufrates até o momento e são uma imensa
multidão, que não se pode calcular."
A partir de Josefo aprendemos que a suposta reconstituição de toda Yisrael, debaixo do
avivamento de Josias ao redor do 600 AEC, é um mito religioso propagado por aqueles aos
que gostariam de ver Efrayim desaparecer, que tem que tratar com ele! Segundo Josefo, as
dez tribos estavam ainda no exílio 600 anos após o avivamento do Rei Yoshiyahu/Josias! A
partir de Josefo, aprendemos então, que era do conhecimento comum de todos, que a
promessa patriarcal da multiplicação física se estava cumprindo já por meio das dez tribos, não
da pequena Yahudah! O avivamento dos tempos de Josias foi principalmente de caráter
judaico, com toda Yisrael (as 12 tribos) bem representadas, mas não assistindo de uma
maneira total (Divre Há Yamin Bet/2Cr. 35:17-18)! Os Efrayimitas que não viviam na terra,
mas que de fato assistiram, eram escitas do norte, que não comiam porco, que desprezavam a
idolatria, que guardavam o Shabat e outros costumes e mandamentos Yisraelitas. YAHUAH
falou a respeito destes escitas ou israelitas exilados 150 anos após seu exílio. Declarou, por
meio do profeta Yirmiyahu/Jr., no capítulo 3:11-12, que a Casa de Yisrael, ainda que se tinha
desmoronado, ia melhor (150 anos após o exílio) que Judá, 70 anos justamente após o
avivamento do Rei Josias! Em Yirmiyahu/Jr.3:12, YAHUAH diz a estes escitas, que regressem
em sua totalidade e recebam o favor absoluto! YAHUAH dá a Yirmiyahu uma palavra inspirada
para o Yisrael exilado, 150 anos após que se supõe que ele havia desaparecido ou 70 anos
após que se supõe que se uniram a Judá.
Sabemos que isto não pode ser, já que YAHUAH disse a Jr. que Yisrael, ainda que estivesse
no exílio (mas não perdido) ia melhor que Judá. Estes filhos de Yitzchak/Isaac (os escitas),
conquanto que derrotassem de maneira decisiva a Assíria e a Pérsia em grandes batalhas (Ca
600 AEC deixou Judá intacto, devido ao seu reconhecimento de que Judá era seu irmão tribal e
são os mesmos que se uniram a Josias para a Pessach/”Páscoa”! Desde os Efrayimitas
originais do norte, nenhum deles permaneceram na terra ou regressaram (Melachim Bet/2 Rs.
17:18). Portanto, os Efrayimitas, que se mencionam em Drive haYamin Bet/2 Cr.35:17-18,
eram os Yisraelitas que regressavam e aos que haviam conhecido como escitas. Uma vez que
tenhamos isto claro, veremos que não existe a menor contradição entre os versículos
anteriormente mencionados e Melechim Bet/2 Rs. 17:18, nos que YAHUAH não permitiu a
nenhum Yisraelita no norte de Yisrael evitar o exílio! Estes Efrayimitas do avivamento do Rei
Josias estavam simplesmente regressando como escitas/Yisraelitas, e portanto, estiveram de
acordo em unir ao Rei Josias! Rav Shaul (Paulo) reconheceu aos escitas como os Yisraelitas
perdidos em Qolesayah/Cl.3:11, onde os compara favoravelmente com os bárbaros! A palavra
grega traduzida bárbaros em Qolesayah/Cl. 3:11 significa realmente estrangeiros. Portanto,
comparou aos estrangeiros com os que não o eram, isto é, com os escitas. Rav Shaul sabia
que os escitas não eram estrangeiros, em relação com o povo judeu! Esta verdade apareceu
nas Escrituras mais a frente (600 anos depois) quando escreveu aos Qolesayahmitas/Cl.,
desde a cela de um cárcere. Por que não sabemos estas coisas? O grande e brilhante erudito
cristão do hebraico do século XIX, Alfred Edersheim, escreveu:
- "A grande massa das dez tribos ESTAVAM NOS DIAS DO MESSIAS, COMO SUCEDE
AGORA, PERDIDA NA NAÇÃO HEBREIA."
O comentário de Edersheim reforça a verdade de que a reunião final dos dois cajados, é
totalmente escatológica e que não teve lugar nos dias do Messias Yahushua nem nos
anteriores! Em seu estudo do pensamento rabínico com respeito à Casa de Yahusef/José,
Edersheim disse ademais: - "No que se referem as dez tribos, há uma verdade subjacente.
Que do mesmo modo que sua persistente apostasia ao Elohim de Yisrael e Sua exaltação lhes
tinha separado de Seu povo, o cumprimento das promessas do Criador, que foram feitas a
eles, em relação com os posteriores dias implicariam, por assim dizer, como um segundo
nascimento (a experiência do novo nascimento) para os converterem de novo em Yisrael! A
explicação de Edersheim clarifica por que Yahushua disse que é preciso que a pessoa nasça
de novo, a fim de que possa obter acesso a salvação e voltar a Yisrael! É espantoso que os

42
rabinos, segundo Edersheim, ensinassem que só por meio da promessa de YAHUAH, por
assim o dizer, NOVO OU SEGUNDO NASCIMENTO, podia regressar Efrayim/Yisrael. Bendito
seja YAHUAH pelas declarações como esta, contra aos que a contradizem! Em lugar de
considerar a Casa de Yahusef/José como o inimigo de nossa reclamação exclusiva para ser os
escolhidos, deve olhar como fez nosso pai, o patriarca Yaakov/Jacó (Bereshit/Gen. 30:25).
Que diferença fez o nascimento e a manifestação de Yahusef/José e sua casa ao patriarca?
Segundo o Rabino Schmuel Ben Nachmani, fez toda a diferença no mundo. No Talmude, Baba
Batra 123B, o Rabino Schmuel disse: "Yaakov/Jacó, nosso antepassado, viu que a semente de
Esav/Esaú não estava destinada a ser entregue nas mãos de ninguém (incluindo a Judá),
separada de Yahusef/José, como diz em Ovadyah/Ob. 1:18:
- "A casa de Yaakov/Jacó será fogo e a casa de Yahusef/José será uma chama. “A casa de
Edom será estopa.” Ovadyah/Ob. 2:18-19 e Yeshayahu/Is. 11:14-15, ensinam com os termos
mais simples possíveis, que o povo judeu nunca conseguirá conquistar aos palestinos, aos
árabes, aos edomitas e aos filhos de Esav/Esaú, até que se reúnam com um mesmo coração,
um mesmo Ruach/Sopro de YAH e acordo, com um exército em massa, mediante a
reconciliação do Yisrael judaico com o Yisrael não judeu. Enquanto empenhemo-nos em não
reconhecer esta equação vitoriosa de aliança espiritual e militar, como o fez Yaakov/Jacó,
como o fez o Rabino Schmuel, e como em verdadeiro sentido, faz o governo do Estado de
Yisrael, e nós (os crentes) continuaremos lutando e nos debatendo entre nós mesmos, sobre o
tema de quem é o verdadeiro Yisrael, em lugar de que ambos os campos reconheçam a outra
Casa também como legítimos herdeiros em Yisrael! Somente um Yisrael reunido nestes últimos
dias da humanidade, poderá derrotar as nefastas forças do Islã. Isto pode se converter em uma
realidade em nossos dias! O Islã não pode se manter contra um Yisrael unido, porque maior é
O que está em nós, que o que está no mundo. Segundo Yair Davidy, a Alemanha nazista e
outros governos alemães, consideravam as dez tribos perdidas como parte de seus inimigos
apocalípticos, enquanto abraçavam aos filhos de Esav/Esaú. Nós não devemos nunca cometer
o mesmo erro que eles cometeram. Devemos de considerá-los (a Efrayim entre nós) com
grande favor e lhes conceder o reconhecimento que se merecem, de modo que possam ocupar
o lugar que lhes corresponde no Yisrael nacional, como co-herdeiros físicos, cheios do
Ruach/Sopro de YAH, que estão dispostos a participarem nas operações de guerra militar e
espiritual na contramão dos inimigos históricos de Yisrael.
Só receberemos a consolação de Yaakov/Jacó, quando conservemos a REVELAÇÃO DE
YAAKOV/JACÓ, segundo encontrada em Bereshit/Gn. 30:25! Com a reunificação de Yisrael,
problema do Oriente Medio chegará ao seu fim segundo as Escrituras, quando o ocidente,
juntamente com toda Yisrael, colocar aos palestinos em aviões e os mande a outra parte.
Yeshayahu/Is. 11:14, diz em sua tradução mas liberal diz: "FARÃO QUE OS PALESTINOS
SAIAM VOANDO EM DIREÇÃO AO OESTE!" Aqueles que pertencem a Judá messiânico e
que, por ignorância, lutam na contramão da Restauração das Duas Casas, estão de fato
postergando a inevitável vitória yisraelita sobre nossos inimigos. Em lugar de preocupar-se só
de aprender hebraico e de se manter Kosher/puros, o judaísmo messiânico devesse de se
preocupar por obter a vitória. A vitória escritural somente se alcançará se conseguirmos
mediante a solução da reunificação das duas casas, como duas frentes (o espiritual e o militar),
ao conflito árabe-Yisraelita (Ovadyah/Ob. 1:18)! Davidy explica que os sábios ensinaram que
Ovadyah/Ob. 1:20 entendia-se e traduzia-se melhor da seguinte maneira:
- "O primeiro exílio (das dez tribos) chegaria desde a terra dos cananitas (Alemanha) a Sarepta
(França e Grã-Bretanha)." A palavra hebreia Ovadyah/Ob. de 1:20, traduzida como anfitrião,
se entende melhor como primeiro. O primeiro exílio de Efrayim fez que se encontrassem na
Europa, na terra conhecida atualmente como Alemanha, França e Grã-Bretanha. Desde o
ponto de vista histórico, isto foi exatamente o que sucedeu! Essa foi a crença do grande Dom
Isaac Ben Yehudah Abarbanel (1437-1508) o grande Yahudi/judeu espanhol, que lhes fez
frente aos Reis durante a Inquisição Espanhola. Como é que os nobres escribas como
Abarbanel NÃO CONSIDERARAM PERDIDO A EFRAIN? Tanto o cristianismo como o
judaísmo messiânico, há muita verdade que aprender nos anos de restauração que temos pela
frente. No comentário de Rashi sobre Ovadyah/Ob.1:20 afirma que:
- "Sarepta é o reino da França." Rashi, o comentador reverenciado, afirma que as dez tribos
perdidas de Yisrael estão na França! Esta conclusão, por parte de Rashi, está totalmente
apoiada por outro legendário comentador judeu, Ibn Ezra (1080-1164) nascido em Toledo,

43
Espanha, que visitou a muitas das tribos perdidas de Yisrael durante sua vida. Ibn Ezra afirma
que "Sarepta está na França!" O Rabino Moshe Ben Nachman, conhecido como Ramban,
comenta a respeito de Ovadyah/Ob. 1:20:
- "A visão de Ovadyah é sobre à Casa de Yahusef/José e refere-se as dez tribos, que estão
exiladas e SE ENCONTRAM AINDA EM SEU LUGAR DE EXÍLIO, o exílio de Sarepta e
Canaã." Em 1270 AD, Ramban disse que as dez tribos não tinham regressado!
O judaísmo messiânico ensina que um pequenino Judá, com 16 milhões de membros, É A
REUNIFICAÇÃO DE TODO YISRAEL. Em quem vocês irão acreditar, qual dos relatos? Crerá
você, neste relato dos rabinos, baseado no livro de Ovadyah, ou na reação da maioria de
comitês criados e dirigidos pelo homem, que funcionam conforme ao espírito de temor e
exclusividade? Vemos o insensato que afirma que as dez tribos regressaram no passado. É
uma postura escritural, ilógica e historicamente indefensível! Não é de surpreender, portanto,
que nós, como dirigentes messiânicos, acreditamos com frequência neste ridículo, por causa
de nossa falta de conhecimento e de preparação em alguns dos aspectos mais fundamentais
de nossa preciosa fé judaica! Talvez a declaração mais grandiosa com respeito a Ovadyah/Ob.
1:20 encontre-se nos escritos do antigo mencionado Dom Isaac Abarbanel. Ele disse:
- "Sarepta é a França e então o exílio de Sefarad/Espanha (versículo 20B) é Espanha! Não nos
equivoquemos singelamente porque Sarepta se fala a respeito da França e Inglaterra (não se
menciona neste versículo). Dali também (desde Inglaterra) foram os exilados e, tenho aqui que
a ilha está sendo considerada como parte de Sarepta (França) e no princípio pertencia e em
seus livros antigos o chamam a ilha de Sarepta (as ilhas da França), ainda que posteriormente
se separassem de Sarepta (França) e se converteram em um reino (Inglaterra) por direito
próprio." Em outra declaração igualmente surpreendente, Dom Isaac Abarbanel admite que
milhares de Efrayimitas estão sofrendo, por causa de seu castigo, vivendo como gentios entre
os gentios. Disse:
- "E talvez a intenção também seja que esses filhos de Yisrael, que abandonaram totalmente a
“religião” (hebraica) devido ao peso de seus problemas e perseguições, permanecem na
Espanha em milhares e CENTENA DE MILHARES (Devarim/Dt. 33:17-18). EM ENORMES
COMUNIDADES. Regressarão e suplicarão ao seu Elohim." Abarbanel, um erudito hebreu e
cristão, faz-se eco do mesmo comentário em outra porção de sua obra, no livro de Melechim
Alef/1 Rs. 17:9, onde faz questão de que Sarepta inclui a França e a Grã-Bretanha. O termo
milhares (Manasheh/Manasses) e centenas de milhares (Efrayim) que usa Abarbanel, são uma
passagem direta a Torah, que se encontra em Devarim/Dt. 33:17-18. Como muitos já sabem, o
termo "britânico" significa pacto do homem ou homem do pacto e "União de Tiago." se refere à
Comunidade ou a União de Yaakov/Jacó. Enquanto seja possível que estes grandes sábios
não tivessem na mão cada um dos detalhes a respeito da restauração de Yisrael, dispunham
de suficiente evidência da singela leitura e estudo das Escrituras, para concluir, sem a menor
sombra de dúvida, que os exilados das dez tribos de Efrayim, em quantidades ingentes, se
estabeleceram no oeste (na Europa e nas Américas). Portanto, muitos daqueles aos que nos
referimos equivocadamente como Porcos ou Conversos, que se fizeram cristãos ou católicos,
são de fato Efrayimitas, bem como judeus também. Estes conversos não são, como se entende
popularmente, só judeus convertidos, senão que os Conversos e os Porcos estão compostos
por Yisraelitas e judeus convertidos, procedentes de ambas as casas!
Outra marca de identificação de Efrayim/Yisrael, segundo os sábios de Yisrael, é que durante
os últimos dias, os Yisraelitas que regressem terão por desgraça, algumas características
pagãs. Segundo Yeshayahu/Is. 66:17, há Yisraelitas biológicos que se separam de Yisrael
como um povo separado e se caracterizam pelo desprezo ao kashrut/leis alimentares,
separações e à Torah (versículo 18) e o desagrado natural que sentem para os judeus. Apesar
desta perversão da Torah, YAHUAH declarou em Yeshayahu/Is. 66:18, que apesar disso e por
puro favor, Ele lhes revelará Sua Tiferet/esplendor à eles. Sabemos, a luz do Brit
Chadashah/Aliança renovada, que isso teve lugar por meio da pessoa de Yahushua o Messias,
que reafirmou que tinha sido enviado aos anti-nominiamos (anti-Torah), que comiam porcos,
que quebrantavam o Shabat, isto é, às Ovelhas Perdidas da CASA DE YISRAEL!" O versículo
19 de Yeshayahu/Is.66, ensina que Yahushua enviaria aos Seus discípulos a costa das
nações, bem como a Espanha (Tarshish) e a Europa (Tubal) a compartilhar o relatório da
tiferet/esplendor manifestada de YAHUAH diante de Seu Filho Yahushua. O versículo 19

44
recorda-nos também que estes Yisraelitas perdidos regressarão a Yahrushalayim/Jerusalém
desde a costa (as Ilhas Britânicas e suas colônias). A estes que regressam se lhes chama os
irmãos de Judá no versículo 20. YAHUAH diz em Yeshayahu/Is. 66:21, que quando Yisrael
que regressar, tomará aos Kohanim/sacerdotes para que atuem como levitas, ainda que não
sejam, do ponto de vista biológico, dessa tribo. Sabemos pelas Escrituras em Primeira de Kefa
(Pedro) 2:9, que fala a respeito de todos os crentes nascidos de novo como Melech Tzadik/real
sacerdócio-ministradores de YAHUAH! Estes Kohanim/Ministradores, administrarão diante de
YAHUAH, até o milênio terrestre (Yeshayahu/Is. 66:22, 23). Com o passar do tempo o antigo
território do norte da terra de Yisrael conheceu-se como Shomron/Samaria, e os ocupantes da
terra como samaritanos, que eram uma raça misturada de proprietários Efrayimitas, que
cultivavam os alimentos e colonos assírios. Há muitos Pasukim/passagens das Escrituras que
falam profeticamente de um dia futuro, nos tempos messiânicos, durante os quais estas
mesmas montanhas de Shomron/Samaria estarão habitadas pelos Notzrim/Nazarenos. Estes
Pasukim/passagens proféticas das Escrituras revelam os poderosos planos do Pai, para
converter estes territórios idólatras, em uma das futuras bases dos Notzrim/Nazarenos de
Yisrael. A palavra Notzrim fala a respeito de guardas que têm sido nomeados por YAHUAH,
aos quais se lhes tem atribuído a função de vigiar a restauração de toda Yisrael. As Escrituras
falam a respeito das Montanhas de Efrayim (Samaria) das que procederão aos guardiões dos
últimos dias. Os samaritanos criam num verdadeiro tempo, que Yahushua/Josué, o filho de
Nun, era seu fundador e o Filho de Elohim (Criador). Era natural, por tanto, que quando surgiu
o avivamento em Samaria em Yochanan/Jo. capítulo 4 e Maaseh Shlichim/At. capítulo 8,
que os primeiros crentes samaritanos tivessem muita bagagem religiosa e idólatra, na qual
teriam que trazer a fé messiânica!
Por desgraça, esta maldita fé messiânica misturada com coisas profanas, tem sido uma
condição terminal em Efrayim até mesmo em nossos dias. Acreditam que os samaritanos são
origem da seita herege cristã e a doutrina do agnosticismo. Os gnósticos eram notoriamente
anti-semitas e anti-Torah. Odiavam tudo relacionado com o âmbito físico, achando que toda a
matéria física era inerentemente malvada. A história ensina-nos que um homem
Efrayimita/samaritano, chamado Simon Magnus, que se encontra em Maaseh Shlichim/At.
8:5-25, converteu-se em um dos primeiros dirigentes gnósticos, após praticar a bruxaria e se
converter, em essência, no primeiro Papa Gnóstico de Roma, inclusive antes de Constantino!
Podemos ver os pecados de Yahravan/Jeroboão, filho de Nebat, que eram tão prevalentes em
Yisrael antes de 721 AEC, aderindo-se quase de maneira idêntica a entidade separada
conhecida como a "Igreja Cristã." Matitiyahu/Mt.capítulo 13, inclui sete parábolas que ensinou
o próprio Yahushua, a respeito do fermento total do reino, tal e como evoluiria na entidade
separada chamada de "A Igreja." Leia você mesmo e chore! Lamentavelmente, esta
manifestação do comportamento é o espírito de Yahravan/Jeroboão (Melechim Alef/1 Rs.
12:25-33) e é um sinal indicativo de que a maioria dos cristãos são, de fato, o remanescente
isentado da Casa de Yahusef/José. Yeshayahu/Is.65:11, é uma condenação de um
Efrayim/Yisrael apóstata, que estavam sendo separados de Yisrael, devido a sua tendência a
abandonar a YAHUAH, a seu Kadosh/puro monte, sua provisão e a trocar essas coisas pelos
deuses da fortuna, o destino, a sorte e um panteão de “super heróis”.
A palavra "Gad", que se usa no original hebreu deste versículo, é um termo genérico que se
aplica a qualquer e a todas as deidades inventadas pelo homem. Foi o exílio de Efrayim por
todo mundo o que fez que levassem e fizessem que proliferasse o conceito de Gad em todo
mundo pagão. Bill Burton, em seu "Study of the Separated (Holy) Name" (O Estudo do Nome
Kadosh/Separado, documenta a definição de DEUS, tal e como se encontra em várias obras de
referência bem conhecidas. O consenso das fontes mais fidedignas é que "DEUS" (em inglês
"God") se introduziu no idioma inglês por meio dos dialetos teutônicos. Explica que o termo
"DEUS" foi originalmente utilizado para se referir as deidades pagãs teutônicas. Não existe
nenhum idioma conhecido que não use alguma forma de DEUS, em lugar do Puro, Verdadeiro,
Perpétuo Nome redentor do Todo poderoso YAHUAH ELOHIM! Que trágico! Estas afirmações
não devem de ser mal interpretadas como uma condenação geral de todas as formas do
cristianismo. O exemplo da origem de DEUS é um dos muitos exemplos do paganismo que foi
assimilado pela classe de cristianismo, que foi se desenvolvendo na Europa. Já que Europa foi
a região de colonização de numerosos exilados Efrayimitas, sucede que os primeiros cristãos
europeus tiveram os mesmos comportamentos que o antigo Efrayim/Yisrael, antes de sua
conversão ao papado e seus diferentes desvios. Só podemos nos imaginar e lamentar quantos

45
Yisraelitas não judeus se encontram hoje na Igreja Católico Romana. Que YAHUAH nos ajude!
Os primeiros samaritanos, bem como muitos Yahudim/judeus apóstatas, adoraram a Tamuz
(Yechezkel/Ez. 8:14), o deus babilônio como EL Elyon, um título reservado à YAHUAH. Agora
entendemos por que Yechezkel/Ez. 37:22-23, fala a respeito de YAHUAH, por meio do grande
Dauid/David (Yahushua), que limpa a Yahusef/José e a Yahudah/Judá de todas suas
detestáveis costumes e odiosos comportamentos! Vemos a necessidade de que ambas as
casas experimentem uma limpeza total e a perfeição sem pecado, por meio de Yahushua,
antes que sejam totalmente restaurados a YAHUAH, e a terra de seus antepassados. Os
Pasukim/passagens das Escrituras como Yeshayahu/Is. 49:6, e 60:21 e Yirmiyahu/Jr. 31:6,
todos eles fazem referência aos Nazarenos/Notzrim de Yisrael ou os Notzrim de Efrayim! Aos
cristãos chamou-se-lhes Notzrim ou "preservados" por parte de pessoas do lado de fora, assim
como pelos crentes mesmos do lado de dentro. Notzrim segue sendo uma das principais
palavras hebraicas usadas atualmente para se referir aos cristãos! O termo idêntico usa-se em
várias ocasiões para referir-se tanto a Efrayim/Yisrael como aos crentes cristãos em Yahushua!
Hoje, quando lhes sugerimos aos dirigentes judeus messiânicos que Notzrim é o termo usado
para cristãos em hebraico, assim como o nome que se dá as pessoas preservadas de Efrayim,
que formam a antiga Casa de Yisrael, com frequência desprezam esta noção, a ridicularizam e
ironizam. Os sábios de nosso povo judeu, no entanto, têm adotado um enfoque diferente aos
anteriores Efrayimitas que aparecerão como os Notzrim dos últimos dias ou como cristãos.
Yehonatan, Rashi, Tadak e muitos outros, afirmam todos eles que o termo Notzri Yisrael é
sinônimo de cristãos! Escute você ao brilhante Dom Isaac Abarbanel:
-"O profeta (Yirmiyahu/Jr.) viu adiantadamente, mediante a inspiração, de que os
DESCENDENTES RM. DE EDOM (Constantino, Agustín, Orígenes e alguns dos primeiros pais
da igreja primitiva?) creriam nessa fé (o paganismo europeu) e, portanto, se lhes chamaria
Notzrim." Dom Abarbanel, fazendo uso dos termos mais gráficos possíveis, interpreta o termo
Notzrim como algo que se aplica aos pais fundadores do sistema da Igreja Romana Europeia,
que por desgraça se compôs de muitos dos Efrayimitas e edomitas perdidos. Ao chegar a este
ponto devemos fazer uma pergunta interessante:
- Estão de acordo os modernos e tradicionais rabinos ou aqueles de centenas de anos, com as
conclusões a respeito das duas casas dos anteriores rabinos (CE 1000-1300)? Ou talvez eles,
como fazem os rabinos judeus messiânicos, gritam: "teologia da substituição!" quando se lhes
apresentam os fatos escriturais e históricos? O Rabino Zvi Kalisher em seu livro Am Habonim
Smaycha disse:
- "Yahudah/Judá regressará primeiramente à Yisrael e preparará a terra, a fim de que possa
por fim servir de apoio a uma grande comunidade. Então parte das dez tribos perdidas
regressarão e juntamente com os judeus reconstruíram o Terceiro Templo. Uma vez que tenha
sido reconstruído, a restante e numericamente superior parte das dez tribos perdidas TAMBÉM
REGRESSARÃO, QUANDO O MESSIAS (SOFREDOR), FILHO DE YAHUSEF/JOSÉ
APAREÇER e reine EM Yahrushalayim. Então todo Yisrael reverenciará O NOME de Elohim
(YAHUAH - Tenha muito zelo a pronunciar este nome!!!!!) e todos lhe adorarão em uma só
língua, o Ivrit/hebraico!" Aqui temos a um rabino tradicional, que une a restauração das duas
casas de Yisrael com o aparecimento do Messias Ben Yahusef/José, o sofredor, o Messias que
morreu por Yisrael, que virá a reinar! Se Yahushua é o Messias Ben Yahusef/José, então
ambas as casas estão sendo reunidas por Ele. A reunião começou com a Sua primeira vinda,
restando a última fase acelerada e que será completada, quando Ele aparecer em
Yahrushalayim nas nuvens de tiferet/beleza! O Rabino Kalisher viveu na Rússia (1795-1874) e
falou muito a respeito do Sionismo e também comentou a respeito de Yeshaiyahu/Is. 56:8
dizendo:
-"Este versículo aplica-se àqueles que estavam perdidos na terra da Assíria (Yeshayahu/Is.
27:13) pertencentes as dez tribos perdidas e que estavam perecendo (em sua identidade), para
que possam ser reunificados." Com um tremendo discernimento, no que se refere a esta
restauração das duas casas, o Rabino Kalisher escreveu:
-"se uma grande comunidade daqueles que estavam perdidos na Assíria tivessem reunido
antes que alguém, como poderiam ser trazidos a um país deserto e desolado? Sem dúvida
alguma, terão que ser precedidos (por seus irmãos em Judá) a fim de que a terra possa dar
pão. Depois todos eles poderão vir a um país cheio das bênçãos de Elohim. O deserto se

46
converterá em um campo que dará fruto (Yeshayahu/Is. 35:15), cheio de campos e de vinhas,
restaurado pela mão dos Yisraelitas e assim o profeta o anunciou na frente em Hoshea/Os..
"Continuou dizendo:
-"Também para ti, oh Yahudah/Judá, está preparada uma colheita quando eu restaurar do
cativeiro o Meu povo." (Hoshea/Os. 6:11). Segundo o Rabino Kalisher, a restauração das duas
casas de Yisrael e de Yahudah, dará como resultado em que o idioma hebraico se converta
uma vez mais no idioma internacional da terra (Tzephanyah/Sf. 3:9) Vemos o começo disso
com a volta de Yahudah. Quando Efrayim regressar em grande número, essa proliferação do
idioma hebraico se verá grandemente acelerada e abarcará ao mundo inteiro, substituindo ao
inglês como o idioma internacional. Davidy refere-se a dois rabinos contemporâneos, Dressler
e Feld, que estão ambos vivos na atualidade. Ambos afirmam que a razão pela que YAHUAH
não permitiu que Yahudah reconstruísse o templo durante a nova captura de Yahrushalayim
em 1967, é devido a que as tribos de Yahusef/José (Estados Unidos e Grã-Bretanha) não
tinham um movimento sionista próprio nessa direção. Estes dois influentes rabinos concluem
dizendo:
-"Yahudah precisa da participação das dez tribos de Yisrael, a fim de que YAHUAH permita
que seja reconstruído o terceiro templo."
O movimento que devemos vigiar atenciosamente agora é o movimento do Sionismo Cristão,
que de fato contém grandes números de Efrayim/Yisrael! Os sionistas cristãos almejam
regressar ao lar. No entanto o moderno Estado de Yisrael não vê com bons olhos aos judeus
messiânicos, mas dão as boas-vindas abertamente aos sionistas cristãos, a ao seu dinheiro e a
seus turistas peregrinos, que os recebem de braços abertos. Este é, sem dúvida, um grande
passo em direção à plena restauração! Efrayim deve ser injetado de novo na Oliveira de
Yisrael, que abandonaram na rebelião voluntária, a 2000 anos, para perseguir ao Pontífice
Romano e suas filhas prostitutas ativas. Estamos presenciando em nosso tempo o
cumprimento literal de Maaseh Shlichim/At. 3:20-21, a prometida Restauração de Todas as
Coisas relacionadas com Yisrael, a respeito das quais falaram os profetas (de Yisrael)! Efrayim
(grande parte do sionismo cristão), nem sequer se sentiria atraído à terra de Yisrael, se não
tivesse existido uma presença judaica/Yisraelita que lhes precederam em Yisrael. Não é
espantoso que os que mais apoiem a Gershom Solomon e o dedicado e perseguido "Tempere
Mount Faithful" sejam principalmente efrainitas (muitos cristãos sionistas) e não judeus
tradicionais ou os cristãos tradicionais também não? Como nos recorda o Rav Shaul em
Romiyah/Rm. 9:6, nem todos os nascidos em Israel são de Israel. SOMENTE UM
REMANESCENTE ISENTADO, NASCIDO DE NOVO, CHEIO DA RUACH DE AMBAS AS
CASAS, SERÃO OS MENSAGEIROS CATALIZADORES NA PLENITUDE DO PLANO DO
ABA/PAI, PARA A RESTAURAÇÃO DE TODO YISRAEL!
As Ketuvim/Escrituras enfatizam de maneira maravilhosa os emocionantes dias em que
vivemos em Yirmiyahu/Jr. 3:18.
-"Naqueles tempos, a casa de Yahudah caminhará com a casa de Yisrael e VIRÃO JUNTAS da
terra do norte (Rússia, Ásia e Ásia Menor) à terra que fiz herdar aos vossos pais." Com respeito
a futura restauração e redenção de toda Yisrael, o midrash Yalkut Shimeoni sobre o Shir
HAShirim/Cântico dos Cânticos 1:16 afirma:
-"As dez tribos, que estão exiladas mais além do rio, são aqueles que foram exilados de
Yahudah (judah) e de Benyamin (Benjamim) e estão destinadas a irem e trazerem de volta,
para serem merecedores com Yahudah, nos dias do Moshiach Yahushua e a vida no mundo
vindouro." Os rabinos estão dizendo que os judeus (os discípulos judeus) serão enviados por
YAHUAH mesmo (Yahushua), e que vão e tragam de volta as dez tribos, para que também
eles possam merecer e desfrutar nos dias do Moshiach e o mundo vindouro. Vemos este
ensino rabínico seguido de maneira maravilhosa, pelo cumprimento de Matitiyahu/Mt. 28:18-
20. A Grande Comissão seguiu o mapa do tesouro, pessoalmente traçado por Yahushua, no
que aparece exatamente onde pregar a Besorah/Evangelho, de maneira que se possam
encontrar as Ovelhas Perdidas de todo Yisrael. Yahrushalayim, judah, Samaria (Efrayim) e os
confines da terra, têm sido as direções destacadas por Yahushua. Halel/exaltado seja
Yahushua, o Todo Poderoso, porque durante os últimos 2000 anos, têm regressado milhões
das ovelhas perdidas. Elas merecerão os dias do Moshiach e o governo milenar vindouro
(Olam habah), quando ambas as casas desfrutarão o reconstruído Mishkan/Tabernáculo de

47
Dauid/David, o templo reconstruído e a cidade reconstruída que ambos se esforçaram e
trabalharam tanto por reconstruir durante tanto tempo. Não devemos cair na armadilha dos dois
discípulos no caminho a Emaus (Luka/Lucas 24), que se deram temporariamente por vencidos
com respeito a que Yahushua fosse o Moshiach, porque acharam que seria Ele que teria de
restaurar e fazer possível a consolação de Yisrael imediatamente em seus dias. Talvez nós
devamos esperar pacientemente Seu regresso, quando os dois cajados de Yechezkel/Ez. 37
serão totalmente restaurados. No entanto, esteja você totalmente seguro de que se produzirá a
plena, definitiva e esplendorosa consolação de Yisrael, por meio do Moshiach Yahushua, o
Filho Unigênito de YAHUAH, a única e definitiva esperança de todo Yisrael para todos os
tempos.

O MISTÉRIO DA OLIVEIRA!

48
A QUINTA PARTE DE UMA SÉRIE CONTÍNUA SOBRE A COMPLETA
RESTAURAÇÃO DE YISRAEL!

O Todo-Poderoso YAHUAH, concedeu a Zecharyah/Zc. o profeta de todo Yisrael, filho de


Berequías, muitos sonhos, visões celestiais e interpretações. Ele possuía uma visão em
particular, que continuou sendo um mistério sem interpretação, e é este mistério sem
interpretação, que aparece no capítulo 4 de Zecharyah, o que continua deixando perplexos a
todos os segmentos do mundo religioso até esta data, incluindo aos cidadãos do Malchut/Reino
de Yahushua. O dilema de Zecharyah é bastante comum no corpo de Yahushua, pelo qual um
filho de YAHUAH recebe uma visão segura ou uma palavra profética, mas é incapaz de captar
sua interpretação. Com frequência o crente é limitado ou ele mal interpreta a palavra ou as
visões, por causa de um processo de raciocínio defeituoso ou uma especial cegueira teológica.
O profeta Zecharyah deveria ter conseguido interpretar esta visão, mas ao invés de
Daniel/Daniel, não foi lhe concedido o dom da interpretação. Foi se reunir com seu povo de
Yisrael em sua morte, sem que a visão celestial nunca lhe fosse revelada. Ao estudar o texto,
dá a impressão de que o (malach) mensageiro - “mensageiro” de YAHUAH está furioso, lhe
fazendo a mesma pergunta várias vezes: Que são estes?
Ao ler o capítulo 4 de Zecharyah/Zc., tem a impressão de que esta visão celestial e sua correta
interpretação devesse ser perfeitamente clara e singela, e que devesse ser um tema ou
realidade com a qual YAHUAH espera que Zecharyah esteja familiarizado, já que não foi a toa
que ele escreveu muito a respeito das duas oliveiras, que contemplou em sua visão celestial.
Por que não pôde Zecharyah, um homem cheio do Ruach Hakodesh/Sopro de YAH e de
Chochmah/sabedoria, ser capaz de identificar estas duas oliveiras nos céus? Precisamente
uma grande parte de seu ministério terreno e de seus escritos, tem a ver com o mesmo tema
das duas oliveiras. Zecharyah/Zc. 4, começa com o malach (mensageiro) de YAHUAH
recordando a Zecharyah/Zc., concretamente com o propósito de que contemple esta visão e de
que a entenda. A fim de que o Judaísmo Messiânico e o Cristianismo comecem a entender os
acontecimentos escatológicos que estão sucedendo a todo seu redor nestes últimos dias, nos
dá a impressão de que eles precisam de uma visitação “angelical” juntamente com uma
interpretação! Mas o fato lamentável, é que a maior parte da comunidade nascida de novo,
possivelmente nunca acerte e compreenda a verdade vital dos últimos dias em relação com as
duas oliveiras de Zecharyah/Zc. 4.
Certamente não tem estado firme, de que esta verdade básica das duas oliveiras, tal e como se
relaciona com seu povo Yisrael, lhe fosse jamais revelada em uma data posterior, apesar de
acordá-lo de seu sonho profético para receber precisamente o seu entendimento. Em
Zecharyah/Zc. 4:2, contempla uma menorah/candelabro de sete braços, que ele pode
identificar. A luz da menorah e o seu brilho representa a tiferet/exaltação, esplendor ou a
presença de YAHUAH entre o Seu povo. No entanto, resulta interessante que não seja capaz
de reconhecer as duas oliveiras do versículo 3! Frustrado pergunta ao malach/mensageiro que
lhe revele quem são as duas oliveiras de ambos os lados do velador. Grandemente
assombrado e confundido, o malach/mensageiro responde-lhe à Zecharyah no versículo 5,
perguntando-lhe: - Não sabes quem são estes? O malach estava perguntando na essência: -
Talvez não seja capaz do reconhecer já que o seu ministério e teus escritos separados
estão cheios de referências a respeito destas duas oliveiras que agora contemplas? O
Malchut hashamayim/reino celestial mesmo, estava assombrado da incapacidade de
Zecharyah naquele momento não identificar aquilo. Sua resposta no versículo cinco foi
simplesmente: - Não, adon meu... Após receber uma profecia imediata a respeito de Zorobabel
colocando a pedra principal para a reconstrução do Mishkan/templo debaixo da direção de
Ezrah/Esdras e de Nechemyah/Neemías, o sentido do fracasso de Zecharyah, foi do mais
agudo. Em Zecharyah/Zc. 4:11, volta a aproximar ao mensageiro e muda de tema de
Zorobabel, para buscar de novo a questão preocupante que ficava sem responder: - Que
significam estas duas oliveiras? Parte do fracasso de Zecharyah, a hora de receber o
entendimento a respeito da visão das duas oliveiras, esta no fato de que ele fez a pergunta
equivocada. Deveria ter perguntado quem são estas duas oliveiras, em lugar de: O que são
estas duas oliveiras? Deveria ter feito a pergunta correta, não há dúvida que se tivesse

49
perguntado da maneira correta, o mensageiro daria uma resposta direta. Foi a falha de
Zecharyah em não usar outros pasukim/passagens das Escrituras para interpretar suas
próprias Escrituras, o que obrigou ao mensageiro a se abster de lhe dar esta informação vital.
Em Zecharyah/Zc. 4:12, ele tentou pela terceira vez obter uma resposta do mensageiro de
YAHUAH, expressando a pergunta do outro modo. Perguntou-lhe ao mensageiro a respeito de
dois ramos de oliveira que procediam de duas oliveiras, em lugar de se referir às duas árvores
mesmas. Que excelente cabeça Yidishe! O azeite que fluía das árvores aos ramos e dentro da
menorah, deve ter sido uma poderosa pista para que ele ficasse satisfeito sobre a curiosidade
de Zecharyah. O azeite era e segue sendo uma figura da unção do precioso Ruach Hakodesh/
Sopro Separado de YAHUAH. O azeite fluía estando unido a fonte, que era a presença
Kadosh/pura de YAHUAH, maravilhosamente representada na menorah. Mas apesar disso não
conseguiu averiguar aquilo, e no versículo 13 de Zecharyah/Zc. 4, o mensageiro lhe fez de
novo a mesma pergunta pela terceira vez e este volta a afirmar que não entendia a visão das
duas oliveiras, que estão no céu, um de cada lado da menorah. Foi fácil imaginar a absoluta
frustração que deve ter sentido Zecharyah/Zc. a se ver ridicularizado pelo interrogatório do
mensageiro e por sua determinação a não lhe oferecer uma resposta detalhada. Por fim, em
um ato de chesed-favor imerecido, o mensageiro, faz uma insinuação a Zecharyah, mas não
identifica as duas oliveiras, senão que lhe diz simplesmente que são os dois ungidos ou as
duas testemunhas ungidas, que têm sido ungidos no Shamayim/céus, com a finalidade de
representar os assuntos do Aba/Pai na terra. O mensageiro afirma:
- "Estes são os dois que foram ungidos com azeite e que estão diante do Criador da terra." O
Criador de toda a terra é Yahushua, o Melech/Rei de Yisrael e suas duas testemunhas levam a
cabo o seu trabalho na terra e quando foram realizadas, estariam no céu, dando a entender
que sua tarefa havia completado. A palavra "estão" entende-se melhor como que têm cessado
do trabalho que tinham entre as mãos. Foi difícil imaginar a um mensageiro enviado, com a
finalidade de revelar os mistérios deixando a um profeta nervoso, um profeta ungido por
YAHUAH, a não ser que o profeta estivesse cometendo alguma classe de pecado deliberado. A
Palavra ensina que "ao que SABE FAZER O BEM mais não o faz, é pecado." Em
Zecharyah/Zc. 4:14 o mensageiro corrige seu coração pecaminoso, recordando-lhe que as
duas oliveiras não são nem coisas nem objetos, senão melhor duas pessoas ou os UNGIDOS.
O profeta Zecharyah é um símbolo ou imagem das literalmente centenas de milhões de crentes
nascidos de novo que possuem um tremendo discernimento, sabedoria e revelação, no que se
referem aos mais profundos mistérios de nossa emunah/fé, mas que não se aprofundam,
quando se trata da perpetuidade das duas oliveiras, que estão continuamente diante da
presença de YAHUAH, após ter estado trabalhando continuamente na terra. Neste aspecto
doutrinal concreto, apesar de que YAHUAH tem enviado mensageiros e mais mensageiros e
mestres após mestres, continuam existindo centenas de milhões de crentes que não são
capazes de acordar do sonho, para entender esta VERDADE DAS KETUVIM/ESCRITURAS,
que é básico.
O incrível assunto, que temos em nossas mãos, é que a cegueira, este véu, não só permanece
sobre esta geração dos kadoshim/separados, senão que tem existido em todas as gerações
anteriores de grandes homens e mulheres de Elohim, inclusive chegando muito antes, nos
tempos de Zecharyah. O Rav. Shaul escreveu em sua epístola aos Romiyah/Rm. que muitos
dos que são cheios do Ruach/Sopro de YAH e que professam e proclamam ser espiritualmente
sábios, se converteram em insensAt., do ponto de vista doutrinal (Romiyah/Rm. 1:22). Como
tem sucedido isto? Porque têm recusado o conhecimento da Devar/Palavra de YAHUAH,
claramente revelada! É por isso que centenas de milhões de crentes nascidos de novo
continuam na atualidade no mesmo pecado que Zecharyah. O resultado desta falta de
conhecimento (Hoshea/Os. 4:6) é que YAHUAH tem recusado a centenas de milhões do
sacerdócio que representa o supervisionar a restauração da verdade a respeito destas duas
oliveiras. O qual não significa que os crentes que estão cegos, quanto a identidade e o mistério
das duas oliveiras, tenham visto seu sacerdócio (Melech Tzadik) do Brit Chadashah/Pacto
Renovado eliminado! Que YAHUAH não permita isso! Mas o que se sucede, é que perderam o
direito a unção profética e a cobertura neste aspecto concreto, aos olhos daqueles que estão
abertos e querem pesquisar este assunto. Estão compartilhando o pecado de omissão
cometido por Zecharyah, devido a que, como se sucedeu a ele, também eles não têm
desculpa! Existem literalmente muitas profecias que se encontram em muitos dos livros da
Torah/ensinos, que revelam a identidade das duas oliveiras, se alguém busca a confirmação.

50
Mishle/Pv. 25:2 ensina-nos que YAHUAH tem o privilégio e a tiferet/exaltação de ocultar um
assunto, mas é a tiferet dos Melechim/reis (sacerdotes) em examinar! A questão é que temos
de estudar com o propósito de mostrar-nos aprovados e esta falta de estudo e de investigação
de um assunto, é um fruto da carne chamado preguiça, e nosso amado Aba/Pai celestial
considera-o como pecado de omissão. YAHUAH falou a Zc. duramente por esta provocação do
mensageiro, porque ele tinha perdido uma das verdades mais básicas da Escrituras. O Aba/Pai
não realiza nunca uma obra transcendental, de nenhuma classe, na terra, sem primeiro
confirmar a Sua verdade, a palavra e por meio dos escritos a duas ou mais testemunhas.
Zecharyah não estava dormindo, se tivesse dado conta de que não precisava depender da
visitação dos Malachim/mensageiros, para poder reconhecer a visão das duas oliveiras. Ele
não tinha mais que lançar mão do conhecimento de outros pasukim/passagens das Escrituras
para encontrar a esplendorosa verdade que lhe seria revelada. Quando YAHUAH confirma um
assunto por meio de duas ou três testemunhas, é quase sempre um acontecimento simultâneo.
Em outras palavras, Ele confirma que a palavra idêntica ou a visão a outros da mesma geração
e não somente em anos depois. Agora resulta claramente evidente que o pecado cometido por
Zecharyah foi que não consultou as Ketuvim/Escrituras ou os escritos de nenhum de seus
antepassados, com a finalidade de descobrir a identidade das duas oliveiras.
Por isso é que o mensageiro, ao se encontrar com o pecado neste sentido, se negou a revelar
o trabalho e a identidade das duas oliveiras, que realizam seu trabalho na terra e estão
representados na presença de YAHUAH. Zecharyah/Zc. recusou o conhecimento que tinha
encontrado em alguma outra parte das Escrituras, de um ou mais de seus antepassados e,
portanto, neste aspecto em particular, YAHUAH impediu que fosse um kohen/sacerdote ou que
tivesse a unção, para poder ministrar a verdade revelada na visão. Esse sacerdócio recairia
sobre outros, que estariam dispostos, mediante o estudo das Ketuvim/Escrituras, a reconhecer
e proclamar o entendimento a respeito das duas oliveiras. Em Yirmiyahu/Jr. 11:16, YAHUAH
ensina-nos que tem nomeado a oliveira que Ele tem plantado e que esta seria formosa, verde e
produziria bom fruto. YAHUAH designou esta árvore, que tinha plantado, para que (duas tribos
mais a de Leui-Levi). A única nação qualificada pela imagem da oliveira havia se dividido
tragicamente, convertendo-se em DUAS OLIVEIRAS OU DUAS CASAS SEPARADAS.
Inclusive após de se dividirem em duas casas, YAHUAH teria de disciplinar-lhes, ainda mais
cortando como se fosse a uma só voz unida e que ressoasse e proclamasse a mensagem do
Elohim de Yisrael. Aparentemente as duas oliveiras foram cultivadas de uma mesma árvore,
que o Aba/Pai tinha originalmente ordenado que lhe representasse em pureza e em
separação/Kedusha. Foi seu expresso e perfeito desejo que esta única oliveira lhe desse um
fruto excelente e radiante e que produzisse para Ele talmidim/discípulos cheios do
Ruach/Sopro de YAH, obedientes a Torah, que recusassem o paganismo. Tudo a respeito
desta árvore era perfeita desde o dia que foi designado pelo Moreh/Mestre arquiteto.
No entanto, no versículo 17 de Yirmiyahu/Jr. 11, algo saiu mal a partir do seu desenho
original. Em lugar da oliveira se unisse e expressasse a um só plano e propósito de afirmação
do Elohim de Yisrael para Seu povo Yisrael, se produziu uma divisão e se introduziu o pecado.
Aquele fruto bom, verde e Kadosh/puro da árvore original, voltou-se contra YAHUAH, e
também uns contra os outros. No versículo 17 encontramos com DUAS OLIVEIRAS que
cometem e praticam um grande mau. A árvore já não se parecia com o ahavah (se doar), com
a irmandade, com a unidade, com a paz, e uma mesma mente e propósito. Já não representou
mais com exatidão, a pureza e a separação daquele que havia designado, para um mundo
perdido, cheio do maldito paganismo. Por causa daquele mau e da tergiversação da perfeição
da oliveira plantada por YAHUAH, Ele decidiu permitir que o mal caísse sobre ele. Toda a
árvore que tinha sido plantada em perfeição se converteu a algo cheio de fermento. Em
Yirmiyahu/Jr. 11:17, YAHUAH diz a todos os que tenham ouvidos, que escutem que a árvore
tem sido dividida e seus ramos serão cortados porque se encontraram nas duas oliveiras o
pecado e a maldade, O CHAMADO OU CONHECIDO COMO A CASA DE YISRAEL (AS DEZ
TRIBOS) E A CASA DE YAHUDAH TODOS OS RAMOS das duas árvores por meio do fogo,
que é símbolo de Sua ira e indignação. Esta verdade profética havia sido claramente delineada
por Yirmiyahu/Jr. e por Yechezkel/Ez., que foram ambos importantes comentaristas proféticos
de Zecharyah/Zc.. Deste modo, YAHUAH ofereceu a Zecharyah o entendimento das Escrituras,
somente das Ketuvim/Escrituras, Ketuvim/Escrituras, Ketuvim/Escrituras! Em lugar de
buscar nas Escrituras Zecharyah olhou para os céus, buscando a palavra rhema-plena de um
malach/mensageiro. Soa-lhe familiar? Na atualidade, assim como nos últimos 2.500 anos

51
desde Zecharyah, os crentes nascidos de novo estão buscando na emoção, na lógica,
nos mestres humanos, nos rabinos, nos comitês executivos e nas páginas de sites,
antes de se decidir a respeito das duas oliveiras de YISRAEL. YAHUAH plantou um
Yisrael, que se converteu em duas nações, devido as divisões e posteriormente ambas as
nações ficaram desertas diante do resto das nações, como ramos naturais como artificiais ou
cultivados e as que não foram cultivadas, foram cortadas. Que irônico que os próprios escritos
de Zecharyah fizessem menção de algum aspecto das duas casas de Yisrael, Efrayim e
Yahudah/Judá, apesar do qual ele não parecer reconhecer as oliveiras na visão celestial,
precisamente aquilo a respeito do qual estava escrevendo e que lhe resultava tão conhecido.
Zecharyah/Zc. 11:14 é um exemplo perfeito. Ali descreve a irmandade rompida entre as duas
oliveiras, apanhando literalmente seu cajado, chamado Unidade, e rompendo-o em duas, para
mostrar a seu povo a contínua irmandade rompida entre Yisrael/Efrayim e Yahudah/Judá. Note
que ainda eram duas nações da oliveira, inclusive após a volta judaica da escravidão babilônia.
Este pasuk/passagem das Escrituras, juntamente com outros, demonstram, de maneira
conclusiva e de uma vez para sempre, que ambas as casas ou as 12 tribos de Yisrael, estavam
totalmente reconstituídas quando regressaram os exilados judeus de Babilônia, o qual tinha
sucedido justo antes do ministério de Zecharyah. (Também não tivesse sido possível que as
duas casas estivessem reunidas, de maneira nenhuma, durante o regresso do Yisrael judaico a
Torah, durante o reinado de Yoshiyahu/Josias. O reinado de Josias é anterior ao exílio
babilônio por 100 anos e Zecharyah revela claramente que a irmandade estava ainda rompida
cem anos após que esse mesmo exílio tivesse terminado!)
O judaísmo messiânico e uma grande parte do mundo da Igreja continuam caminhando em um
sonho, que se impôs a si mesmos, apesar da abundante evidência dos escritos proféticos e os
mensageiros proféticos nas Escrituras, como sua espada do Ruach/Sopro de YAH, lhes
declarando o que as Escrituras haviam declarado com respeito a poderosa restauração das
duas casas de Yisrael, que teriam de se converter EM UMA SÓ OLIVEIRA! A mim
confessaram-me alguns dirigentes Judeus messiânicos que as duas casas se estão
reconciliando entre si favoravelmente por Yahushua. Um destacado dirigente judeu messiânico
tem chegado tão longe, como para dizer que "por definição física, você tem razão e existem
três grupos, os Yahudim/judeus, os Efrayimitas e os que não são yisraelitas (Guerim-
estrangeiros). Isto é algo que é preciso enfatizar." E em sua impactante conclusão, este
conhecido dirigente judeu messiânico disse: "E daí?" Se Yisrael é a restauração das duas
oliveiras, então nosso povo é literalmente a nação maior de todo o planeta, que é exatamente o
que disse YAHUAH que sucederia por meio de Seus pactos. Esse fato é estabelecido, como o
que guarda o pacto, apesar de toda a lógica e de todos os que são contra! Ademais o
entendimento das duas oliveiras, obrigará em uma maneira diferente de definir o tamanho da
terra de Yisrael, como a terra prometida à Avraham, Yitzchak e Yaakov, se estendendo em
direção a Síria, o Líbano e Mitzrayim/Egito. Breve nós precisaremos de toda essa terra! Esta
última geração esta disposta e acordar deste sonho, como o de Zecharyah e de grande parte
do mundo religioso, para passar à luz esplendorosa da esperada restauração final de todo
Yisrael (tanto o Yahudi-judeu como o que não o é).
YAHUAH permitiu que este profundo sonho se estendesse por todos os lados durante um
período de 500 anos, desde os dias de Zecharyah, até o tempo de Yahushua e do Rav Shaul-
Paulo. Foi precisamente Shaul o que seria ordenado e destinado pelo Kadosh/puro de Yisrael
para que introduzisse de novo as duas oliveiras, que se encontram diante do Moreh/Mestre de
toda a terra e dos Shamayim/céus, para muitos crentes nascidos de novo. Não é de se
surpreender que os escritos de Rav Shaul sejam a parte mais atacada e mal entendida das
Ketuvim/Escrituras, já que se lhe atribuiu o trabalho sacerdotal de voltar a introduzir a resposta
a pergunta de Zecharyah, que aparece em seu capítulo quatro. Como veremos breve, Rav
Shaul realizou um trabalho maravilhoso ao contestar a pergunta "QUEM É YISRAEL?" com sua
própria classe de teologia ungida da oliveira. Deu a resposta a pergunta de Zecharyah a todos
aqueles, nestes últimos dias, que têm ouvidos dispostos a escutar e olhos dispostos a ver. O
entender a teologia da oliveira de Rav Shaul é de vital importância para você, para sua família,
para a sua Congregação, para o seu ministério, para os seus filhos e para a sua nação.
Precisamos conhecer a fundo a visão do Aba/Pai para toda Yisrael, tal e como tem sido
revelada nas Escrituras. Temos necessidade de trabalhar a favor de Yisrael, não só do
segmento de Yisrael que é facilmente identificável! Para entender a parábola da oliveira de Rav
Shaul, precisamos recordar que as Escrituras sempre interpretam as Escrituras. Já que a

52
oliveira de YAHUAH contém ambas as casas de Yisrael, segundo Yirmiyahu/Jr. 11, o mesmo
deve suceder com Rav Shaul. Encontramos, efetivamente, o caso em Romiyah/Rm. capítulo
11. No versículo um, a Devar/Palavra nos ensina que a parábola da oliveira a ponto de ser
ensinada, se refere a todos os Yisraelitas, e é a declaração absoluta do mistério do tratado de
YAHUAH com todo Yisrael, que desde o ano 921 AEC, que inclui as duas casas divididas. Os
versículos 7-13 de Romiyah/Rm. 11, ensinam que a queda de Yisrael, que inclui a ambas as
casas, segundo Yimiryahu/Jr. 11:16-17, tem dado como resultados grandes riquezas e
Berachot/bênçãos espirituais para os crentes que não são Yisraelitas. Rav Shaul começou a
desentranhar o verdadeiro mistério que Zecharyah que nunca tinha conseguido resolver. Foi
responsabilidade de Rav Shaul, apresentar o Besorah/Evangelho aos que não eram Yisraelitas,
bem como à todo Yisrael. No versículo 13 de Romiyah/Rm. 11, reafirma seu apelo e sua
comissão. Se Yisrael fosse temporariamente eliminada, trouxe vida ao mundo que não é
yisraelita, quanto mais vida e tiferet/esplendor desfrutará a completa restauração de Yisrael?
A fim de poder chegar a uma conclusão escritural sólida e desentranhar o mistério da oliveira
de Yisrael, é preciso que estabeleçamos uma premissa baseada na verdade das
Ketuvim/Escrituras e não na perversão que o homem faz da mesma. Se permitirmos que as
Escrituras nos instruam com respeito a identidade da oliveira original, então a revelação de sua
futura restauração também será poderosa e ademais, teremos o privilégio de entender o que
deveria ter entendido Zecharyah, mas não o fez. A árvore da oliveira de Yisrael, a respeito do
qual falou Rav Shaul, fazendo referência a Yirmiyahu/Jr. 11, é toda Yisrael, as duas casas
disseminadas e dispersas. Yaakov/Tg. 1:1, Yochanan/Jo. 10:16 e Yochanan/Jo. 11:49-52,
confirmam esta definição de Yisrael. Esta oliveira não é uma oliveira judaica. Rav Shaul nem
sequer jamais fez alguma alusão ao mito de que a oliveira que estava representando na
parábola fosse somente judaica. Este ensino de que a oliveira de Yisrael é uma oliveira judaica,
seria fazer omissão da revelação das Escrituras tal e como o resenham Yirmiyahu/Jr. e
Zecharyah/Zc., ainda que este último não entendesse a visão celestial. Até os dois querubins
que penduram sobre o propiciatório do Mishkan/Tenda, foram fabricados de madeira de
oliveira, simbolizando o duplo depoimento às duas casas de Yisrael em Melechim Alef/1 Rs.
6:23.
Durante dois milênios, a falsidade de que a oliveira mencionada no capítulo 11 de
Romiyah/Rm. fosse judaica e que os ramos enxertados sejam gentios é falso, e mostra uma
curta visão, é inexato e é também um caso clássico de má exegese em sua pior forma, que faz
que milhões de pessoas, mal interpretem as Escrituras! Conquanto que seja da incumbência,
tanto do cristianismo como do judaísmo messiânico, o ensino que esta oliveira é judaica, a
verdade é que não beneficia o crescimento do Malchut/Reino e também não nos permite
compreender de uma maneira clara e definitiva o mistério das duas oliveiras do capítulo
quatro de Zecharyah. Ao cristianismo lhe encantaria que você e eu considerássemos a
oliveira de Romiyah/Rm. 11 como judaica, de maneira que pudessem demonstrar que eles são
o Novo Yisrael, tendo substituído ao antigo Yisrael (isto é, aos judeus). Esta perversão da
oliveira de YAHUAH só alimenta os funestos grupos da teologia da substituição, promovida
pela igreja. Não existe nada semelhante a um Novo Yisrael e também não existe nada que se
lhe pareça ao antigo Yisrael. Não há mais que um só Yisrael, nem mais nem menos! Desde o
ano 921 AEC, este povo tem estado composto por duas casas diferentes, com dois propósitos
diferentes na terra! Ademais uma grande parte do judaísmo messiânico beneficia-se da ampla
proliferação do falso ensino de que a oliveira é somente JUDAICA. Supõe-se que este ensino
demonstra que os gentios têm sorte de terem sido enxertados. A atitude é que, ainda que você
seja enxertado como gentio e você não será nunca um judeu como eu! Não será você nunca
um ramo natural, só um ramo selvagem que pendura na MINHA ÁRVORE. Esta maneira
defeituosa de entender a árvore, considerando-a JUDAICA, vem somente do orgulho, da
arrogância e de um falso sentido de superioridade, sobre aqueles que estão pendurados
singelamente na MINHA "ÁRVORE JUDAICA!" As Escrituras referem-se a este comportamento
como humilhante ao irmão Efrayim! Esta rejeição a revelação muito especial, a respeito das
duas casas da parábola de Romiyah/Rm. 11, é um erro que se manifestou mediante tais
abominações, como se tornar um membro associado para os crentes que não são JUDEUS, a
condenação da liderança não judaica nos púlpitos dos “judaísmos” messiânicos (eu achei que o
púlpito pertencia somente a Yahushua), bem como o reter a plenitude do Ruach/Sopro de YAH
e os Mitzvot/mandamentos da Torah dos yisraelitas que não são judeus. Multidões de crentes,
que não são judeus, procedentes de Efrayim/mesclados, têm suplicado que se lhes permita

53
celebrar toda a Torah, não somente a criada pelo homem, isto é, as chamadas "Leis de
Noach/Noé" têm sido afastadas da Torah e das correspondentes bênçãos que procedem dela.
Este é o resultado do mito de que a oliveira é originalmente judaica, contrariamente da verdade
na qual foi formada, e ao mesmo tempo, por yisraelitas judeus e não judeus! Estas injustiças,
anteriormente mencionadas, não são mais que a ponta do iceberg. Produziu-se um dano em
massa a todo o corpo do Messias por causa, em grande parte, de ter um coração insensível
com respeito a verdadeira identidade da oliveira de Yisrael. A proclamação falsa que os crentes
que não são judeus e estão sendo atualmente enxertados na oliveira judaica, sugerindo que
são algo menos do que são na realidade, e que é um povo que tem estado falando ao mundo a
respeito da "Raiz de Yisrael" (Yahushua) durante os últimos dezenove séculos (*Batya
Wootten. Quem é Yisrael, p. 145). Portanto, se estamos endividados com os judeus por
defenderem e conservarem a Torah, nós devemos ter igualmente uma dívida com
Efrayim/Yisrael, que tem sido fiel em proclamar também o besorah/evangelho. Todos nós
temos uma dívida com Yisrael. O Aba/Pai não usou o tradicional judaísmo rabínico para
conservar a Brit Chadashah/Pacto Renovado de Yisrael, senão que lhe confiou o trabalho para
Efrayim. De maneira que temos uma dívida contraída com ambas as casas! A oliveira é,
portanto, todos os yisraelitas (Efrayim e Yahudah). Os que não são yisraelitas são os Gerim
(estrangeiros) que vivem em Yisrael favoravelmente pelo Messias Yahushua e eles são os que
têm recebido um indulto e uma nova vida na oliveira de Yisrael, devido ao corte, foram cortados
os ramos de ambas as casas (Yirmiyahu/Jr. 11:17) a fim de deixar espaço para eles!
YAHUAH descobriu a maldade em ambas as casas e decidiu cortar os ramos das duas casas,
com grande comoção e fogo. Os versículos 11-16 de Romiyah/Rm. 11, falam a respeito da
tiferet/esplendor do Elohim de Yisrael, que cai sobre os que não são yisraelitas ou verdadeiros
gentios na terra, devido ao tropeço de ambas as casas (Yeshayahu/Is. 8:14) e posteriormente
cortadas.
Começando com o versículo 16 de Romiyah/Rm. 11, Rav Shaul começa a desentranhar o
mistério da oliveira de Yisrael e o dilema do capítulo 4 de Zecharyah/Zc., afirmando que já
que a Raiz é Kadosh/pura e todos os ramos são kadoshim/puros. O resto do capítulo trata a
respeito de Yisrael e não a respeito das nações! Yahushua é a Raiz da oliveira já que, segundo
Gilyahna/Ap. 22:16, Ele é ao mesmo tempo o Ramo e o Ramo de Dauid/David. Os
Bikurim/primeiros frutos são os yisraelitas salvos e no versículo 17 de Romiyah/Rm. 11, Rav
Shaul mostra aos crentes de Roma, que não são judaicos os ramos selvagens da oliveira. Note
que os gentios ou os que não são Yisraelitas, não são ramos da oliveira, muito menos! O que
são é ramos de uma árvore totalmente diferente. Os crentes em Roma eram, de fato, as
ovelhas perdidas reunidas da Casa de Yisrael, isto é, Efrayim, a respeito dos quais disse
concretamente Yahushua que viria por eles em Matitiyahu/Mt. 15:24! Portanto, Shaul não
tinha problema algum de lhes chamarem ramos selvagens ou não cultivados da oliveira
yisraelita. Apesar de que não tinham sido cultivadas, sua categoria como ramos yisraelitas da
oliveira não mudaram nunca e esta é uma verdade predominante das Escrituras. Sem importar
onde viva os yisraelitas ou o que possam crer, a verdade é que seguem sendo yisraelitas (o
judaísmo rabínico tradicional ensina o mesmo princípio aos judeus tradicionais). Esta
selvageria vê em Efrayim ao longo da história, e é de fato a causa da dispersão ou do primeiro
holocausto yisraelita, que teve lugar no 721 AEC. Estes ramos eram tão selvagens e
insubordinados que no 721 AEC foi a primeira parte de Yisrael que foi separada, como
declarou YAHUAH em Yirmiyahu/Jr.. Em Yirmiyahu/Jr. 2:18-21, isto se destaca de maneira
extraordinária e o versículo 21 do capítulo 2, que ensina que Efrayim viajou pelo caminho
assírio, se tinha degenerado por ser uma oliveira em uma vinha degenerada. A palavra
hebraica para degenerada é nokri ou vinha "estrangeira"! Converteram-se em estrangeiros,
entre outros estrangeiros e converteram-se ademais em gentios dos últimos tempos! Na
atualidade em hebreu o termo nokri significa literalmente gentil. A oliveira de Efrayim havia-se
voltado tão degenerada, que adotou os comportamentos e as características das nações
gentílicas, que não eram Yisraelitas! Agora por fim e favor de Yahushua o Messias e Sua
besorah/evangelho, estão REGRESSANDO A SUA PRÓPRIA ÁRVORE DOS QUE HAVIAM
SIDO TIRADOS, devido a sua selvageria. Ao serem enxertados veem-se reunidos de novo com
a Comunidade de Yisrael e estão compartilhando outra vez a Raiz (Yahushua) bem como sua
abundância (a Torah, seus profetas e os pactos de Yisrael). Essa é a verdade, meus amigos!
Estes ramos selvagens da oliveira estão regressando a sua própria oliveira, plantado pelo
Aba/Pai YAHUAH a tanto tempo, trazendo consigo sua propensão a selvageria, que se

54
dissipará gradualmente se continuarem bebendo e recebendo alimento da Raiz e a sua
abundância. Qualquer botânico estará de acordo em que somente se pode enxertar ou plantar
coisas de espécie similar, caso alguém deseja evitar criar uma planta híbrida. Se estes ramos
selvagens da oliveira fossem realmente crentes gentios ou que não fossem yisraelitas, não se
faria nunca referência a eles como ramos da oliveira, já que os ramos da oliveira se referem
aos yisraelitas. Note com cuidado e você verá que não se trata de ramos de macieira, nem
ramos de palmeira, nem de laranjeira, nem de nenhuma outra classe de ramo, senão que são
ramos yisraelitas selvagens que estão regressando a sua própria árvore, já que tem chegado o
momento fixado para sua reunificação.
O tempo fixado para a reunificação da Casa de Yisrael/Efrayim é concomitante com o tempo
fixado para o Galut (dispersão) mundial de judah nos 70 AD. Uma casa regressará por meio de
Yahushua, enquanto a outra casa está sendo dispersada em grande parte, por causa de sua
rejeição de Yahushua. Em Romiyah/Rm.11:18, Rav Shaul adverte a Efrayim que está
regressando, a não se lançar-se com respeito do seu regresso à Tzion e pelo fato de que os
ramos não crentes de judah estejam sendo, ao mesmo tempo, arrancados, já que não é a
própria justiça de Efrayim o que tem motivado este novo enxerto, senão que é melhor o favor
de Yahushua, o Todo poderoso. Ele é a Raiz de todos os ramos da oliveira, que as guiou ao
arrependimento. Nos versículos 18-21 de Romiyah/Rm.11, Rav Shaul advertiu a
Efrayim/Yisrael que permanecesse humilde e não se regozijasse em sua arrogância, pelo fato
de que a calamidade tivesse caído sobre judah. Por desgraça, Efrayim não fez caso da
advertência de Rav Shaul e afirmou pomposo, ser o substituto de judah como o filho escolhido
de Yisrael, durante os 200 anos que judah teve que suportar a calamidade de vagar pelo
mundo. Este alardear e a arrogância demonstram algo que se viu entre os crentes de Roma,
inclusive faz 2000 anos atrás e era tão predominante que Rav Shaul teve que abordar o tema
de imediato. Os ramos selvagens da oliveira estavam-se comportando como se elas
suportassem aos ramos naturais ou cultivados, quando a verdade era e ainda segue sendo que
a RAÍZ e a prosperidade de Yisrael estavam apoiando tanto a parte selvagem de Yisrael, como
a mais culta e mais reconhecível de Yisrael.
No versículo 21 de Romiyah/Rm. 11, ensina-nos que o que lhe estava sucedendo a judah,
podia voltar a lhe suceder ao Yisrael não judaico, se não continuavam na emunah/fé verdadeira
do Brit Chadasha/Pacto Renovado. Esta advertência encontra-se no versículo 22. Não há
lugar para a arrogância de Efrayim no dia da calamidade de judah, já que eles foram numa
época os que receberam o trato duro ou severo de YAHUAH, da mesma maneira que o está
recebendo atualmente judah. O mero fato de que YAHUAH voltasse a enxertar aos ramos
selvagens da oliveira em sua própria árvore, é uma clara indicação de quando o Yisrael judaico
adotar a emunah/fé do Pacto Renovado, YAHUAH tem prometido e está disposto a voltar a
enxertar-lhes de novo. O papel de Efrayim no regresso de judah à oliveira, é o de fazer que
judah sinta ciúmes, que deseje o que Efrayim possui (Romiyah/Rm. 11:11). A Efrayim
chamasse-lhe o sal que faz que judah tenha sede, não o veículo por meio do qual judah
experimente a dor, tortura e a calamidade! Portanto, não há, nem muito menos, lugar para a
jactância. Os ramos cortam-se quando desaparece a emunah/fé e voltam a ser enxertados
quando voltam a se manifestar na emunah/fé. Isto se aplica as pessoas, de maneira individual,
pertencentes as duas casas que compunham o Mishkan/templo de Dauid/David, antes que
fosse destruído. Vemos claramente em Romiyah/Rm. 11, que YAHUAH é soberano e Ele corta
e volta a enxertar a todos os yisraelitas da sua própria árvore, baseando na emunah/fé
salvadora, não na própria bondade das pessoas nem em sua genealogia, já que não há
ninguém que seja justo, nem sequer um (Tehilim/Sl. 14:1-4)! Nesta oliveira ninguém é melhor
que o outro! Não existem membros sócios nem cidadãos de segunda classe! O único critério
que segue o Aba/Pai, a hora de determinar a condição ou bem dos que permanecem ou dos
eliminados, é a confiança e nada mais que a confiança. Quem quer que permaneça na
confiança permanece na árvore da oliveira que tem plantado YAHUAH. A oliveira que Ele tem
plantado não é, como se crê comum e equivocadamente, JUDAICA E GENTÍLICA! COLOQUE
NA ÁRVORE EFRAYIM, YAHUDAH, E OS QUE NÃO SÃO YISRAELITAS (OS GENTIOS). A
maioria dos expositores das Escrituras encontra-se igualmente em Zecharyah/Zc., o profeta, e
não têm nem a remota ideia com respeito ao mistério da oliveira. Apesar de que a
Devar/palavra de Elohim está cheia de referências a respeito das duas testemunhas do
Aba/Pai, milhões de pessoas leem diariamente estes mesmos Pasukim/passagens das
Escrituras e estão cegas com respeito a identidade da oliveira de Yisrael. O Ruach

55
Hakodesh/Sopro de YAH sabia que este mistério era um enigma que o homem não podia
resolver por si só, e é um problema na atualidade como foi a 2000 anos. A não ser que o
Ruach Hakodesh (Sopro de YAH) mesmo, revele a verdade a respeito da oliveira de Yisrael,
essa verdade permanecerá oculta. Segundo Devarim/Dt. 29:29, as coisas ocultas pertencem a
YAHUAH, o Todo poderoso, mas as coisas que são reveladas nos pertencem a nós (à Yisrael)
e a nossos filhos (aos B’nei Yisrael) para sempre. O mistério das duas oliveiras foi resolvido por
meio do ministério apostólico do Rabino Shaul! No versículo 24 de Romiyah/Rm. 11, vemos a
verdade elaborada de modo mais detalhado. Fala a respeito de Efrayim, que tem sido cortado
da parte da oliveira, que voltou selvagem por causa de sua natureza caída em tempos
passados, mas agora por meio de Yahushua, estão sendo enxertados em uma oliveira
cultivada. Em outras palavras, estavam na oliveira e devido ao seu estilo de vida não cultivado,
voltaram selvagens e se converteram em parte da árvore selvagem. Sua dispersão no ano 721
AEC permitiu a YAHUAH limpar a árvore com a Sua verdade. Por meio de Yahushua estão
regressado à sua própria árvore, enquanto durante todo esse tempo o Yisrael judaico está
vivendo nessa mesma árvore, SÓ PARA REGRESSAR POR EMUNAH/FÉ AO MOSHIACH EM
UMA DATA POSTERIOR. Vemos que isso está sucedendo em nossos dias por meio do
movimento judaico messiânico. Os yahudim/judeus estão regressando também a sua própria
oliveira. Quando tudo estiver terminado, tanto o Yisrael judaico como o Yisrael não judaico
(Efrayim) viverão e morarão para sempre em sua própria árvore, com os que não são
yisraelitas sendo acrescentados como Gerim (ou estrangeiros) no meio deles. Nem judah, nem
Efrayim e nem os Gerim! Esse é um erro catastrófico com o qual nós enfrentamos na
atualidade no Messianismo.
Os judeus estão sendo tratados como yisraelitas e os Efrayimitas estão sendo tratados como
Gerim (estrangeiros e forasteiros) no meio de nós. Isso está mau! É um terrível engano! Tanto
os judeus como os Efrayimitas que confiam em Yahushua, são yisraelitas e os verdadeiros
Gerim são os que não são yisraelitas. O movimento messiânico de Yisrael que honra a Torah é
o único no presente que tem estes fatos em sua devida perspectiva. Portanto, podemos
esperar que a tiferet/esplendor da presença de YAHUAH, que tem descansado sobre o Yisrael
messiânico, continue fazendo, enquanto guiamos o caminho para chegar à completa e
definitiva restauração da oliveira de Yirmiyahu/Jr., de Zecharyah/Zc. e do Rav Shaul/Paulo.
RomiYah/Rm. 11:25, expõe uma das verdades mais fascinantes, que pertence a nós e a
nossos filhos para sempre, se permitimos que mude os nossos corações e as nossas mentes.
Shaul aborda o tema da ignorância sobre a questão de quem é Yisrael e, em menor escala, a
questão de quem é a oliveira. Existe uma enorme ignorância que ele deseja expor. A
ignorância com respeito a teologia sobre a oliveira apropriada, era já algo corrosivo a 2000
anos. Quanto mais agora, esta verdade não se estende na atualidade? A ignorância a respeito
da identidade da oliveira e suas mensagens ocultas fazem com que dita ignorância se volte
pomposa e orgulhosa, a fim de cobrir a própria ignorância mediante aplicações estranhas e
ímpias a respeito de RomiYah/Rm. 11.
Rav Shaul quer pôr fim a esta tragédia e afirma que o mistério se pode entender, uma vez que
nos demos conta, de que ambas as nações de Yisrael têm tropeçado e que as duas se
endureceram diante da verdade definitiva de YAHUAH. Todo Yisrael está parcialmente cego. A
isso, é o que se refere ao afirmar que "uma parte está endurecida" ou uma "dureza parcial"
havia se colocado e manifestado em Yisrael. À luz da agora compreendida identidade da
oliveira como ambas as casas e não como uma árvore judaica, este endurecimento parcial não
significa, como se ensina normalmente, que ALGUNS JUDEUS O ENTENDAM E OUTROS
NÃO! Não quer dizer que alguns judeus o veem e outros não! Se RomiYah/Rm. 11:17-24, fala
a respeito da oliveira de Yirmiyahu/Jr., que são ambas Casas de Yisrael, então o Yisrael ao que
se faz referência no versículo 25 dessa mesma parábola, deve também se referir a todo
Yisrael, não somente ao Yisrael judaico. Este endurecimento parcial simplesmente significa, em
seu contexto original, que todo Yisrael está parcialmente cego. Todo Yisrael se encontra em
uma espécie de estado de cegueira, apesar de sua condição como ramos selvagens ou ramos
cultivados. Isto concorda completamente com a palavra de YAHUAH por meio de
Yeshayahu/Is. o profeta, como vemos em Yeshayahu/Is. 8:14, onde todo Yisrael tropeça por
Aquele que tem sido dado ao nosso povo como o Mishkan/tenda ou o Mishkan (o Mashiach) de
YAHUAH. Em Yochanan/Jo. 2:19, o Mashiach Yahushua refere-se a Si mesmo como o
Mishkan/tenda de Yisrael. Uma grande parte de Yisrael está cega pelo fato de que o Messias
veio, de fato, e que o Aba/Pai tem um Filho perpetuo (Mishle/Pv. 30:4), que é a Devar/Palavra

56
perpetua de Elohim feito carne. Estão cegos diante do fato de que existem irmãos menores,
fisicamente, que não são Yahudim/judeus. O Yisrael judaico continua na maioria dos casos,
endurecido a besorah/evangelho. Efrayim Yisrael ou a Casa de Yisrael tem estado ocupada,
durante 2000 anos, proclamando o besorah/evangelho, mas tem estado cega na sua
identidade como A OUTRA CASA DE YISRAEL e com muito paganismo. Esta cegueira tem
feito que Efrayim se fragmente ainda, há mais de 5000 denominações e se encontram em
vários países, porque não entende, compreende e nem abraça sua herança como a de um
yisraelita físico e não espiritual! O denominacionalismo em seu estado, mas básico, é uma
substituição barata da família do Yisrael das Escrituras, e é em essência, um esforço realizado
por uma nação individualmente isentada e dispersa, mas carente de raízes, por descobrir uma
espécie de identidade corporativa, como crentes no Messias! A maior parte de Efrayim/Yisrael
segue estando cegos não somente com respeito a sua identidade, senão nas
berachot/bênçãos e perpetuidade da Torah, o Shabat do sétimo dia, as Moedim-
comemorações de YAHUAH. Tem-se ensinado equivocadamente, que o cristianismo é o Novo
Yisrael, com as suas novas “festas” e uma nova liberdade dietética (comer de tudo), que
substitui ao Yisrael judaico e a sua antiquada observância legalísta da Torah. A cegueira de
Efrayim é a causa primordial da criação feita pelo homem, de duas entidades separadas
chamada de a Igreja e Yisrael (os judeus somente).
Estes dois grupos estão diametralmente opostos em todos os sentidos, sem uma maneira
prática de atingir um terreno comum para a reconciliação Escritural, por muitos concílios
ecumênicos que se reúnam sob a irmandade! O judaísmo messiânico alimenta também esses
fogos demoníacos da teologia da substituição, que com razão aborrece, ao continuar falando e
promovendo alguma classe de reconciliação e restauração entre a chamada "igreja" e sua
versão de todo Yisrael (os judeus). Satan é muito astuto! Em lugar de concentrar na
restauração da família do Yisrael do Pacto Renovado, ele faz que os judeus messiânicos
busquem e invistam na restauração por via da fusão com uma entidade separada e alienada
com o papado e a violação aos mandamentos da Torah! A cegueira dos judeus messiânicos
faz com que eles busquem a fraternidade em todos os lugares equivocados! Somente quando
as duas casas permitam que a sua cegueira fique pelo caminho, poderemos nós, como um
povo e como uma nação separada, estarmos bem e atuar com fraternidade. Somente então
poderão ambas as casas beijar ao Filho bendito de YAHUAH e a Sua bendita e Kadosh Torah.
Isso é exatamente ao que se referia Rav Shaul, ao falar a respeito do endurecimento parcial de
toda a oliveira de Yisrael. Para o final de Romiyah/Rm. 11:25, Rav Shaul promete que esta
cegueira parcial, que se encontra em ambas casas de Yisrael, chegará ao seu fim, quando
"chegar a plenitude dos gentios (meloh há goiym)." O termo "a plenitude dos gentios" é
ensinado de maneira equivocada, tanto nos círculos cristãos como messiânico, como segue:
- Quando os últimos gentios (os que não são yisraelitas) forem salvos ou quando o último gentil
ordenado ser salvo entre finalmente no Reino e seja salvo, então Elohim voltará a Sua atenção
de novo aos judeus. É então quando se supõe que voltará a tirar as poeiras e tirá-los da
estante do esquecimento, por assim dizer, para tratar com eles em massa. É então quando
todo Yisrael (todos os judeus) serão salvos (versículo 26). (Este pensamento enganoso não é
outra coisa que um estandarte dispensacional, desenhado para que "a chamada igreja"
substitua ao povo judeu como o "Novo Yisrael." Nada poderia estar mais afastado da verdade!
YAHUSHUA ENSINOU EM MATITYAHU/Mt. 7:13-14, QUE POUCOS SERÃO OS QUE
ENTRARÃO PELA PORTA ESTREITA! ESTA DECLARAÇÃO APLICA-SE AQUELES QUE
ESTÃO EM TODAS AS NAÇÕES. Romiyah/Rm. 11:5, fala a respeito do remanescente de
Yisrael que será salvo! Soa isso como se todos os judeus conhecerão a Yahushua?) Essas
vozes procedem daqueles que vivem e padecem um espírito de engano que tem cegado sua
mente, semelhante ao do profeta Zecharyah/Zc., apesar de que ele devesse ter entendido e
não devia se deixar enganar. Se permitirmos que o pensamento religioso estreito interpretasse
estes pasukim/versículos por nós mesmos, então chegaremos as mesmas conclusões veladas
que Zecharyah/Zc. e muitos de nossos pais na emunah/fé. No entanto, se permitimos que as
Escrituras interpretem as Escrituras, não somente podemos afastar-nos do erro, senão que
podemos finalmente chegar a entender a oliveira de Yisrael que o Aba/Pai YAHUAH deseja
que entendamos. Já que Yirmiyahu/Jr. explica melhor a oliveira de Yisrael, tal e como aparece
em Romiyah/Rm. 11, podemos olhar a Moshe/Moisés, o autor de Bereshit/Gn., para nos
explicar um pouco, mais o que, de fato, significa "a plenitude dos gentios." Sabemos, pelo que
diz em Romiyah/Rm. 11:25 e 26 que TODO YISRAEL (EFRAYIM E YAHUDAH) SERÁ

57
EVENTUALMENTE SALVO, QUANDO "CHEGUAR A PLENITUDE DOS GENTIOS." Em
Bereshit/Gn. 48:19c, o patriarca Yisrael/Yaakov colocou sua mão direita cruzada sobre a
cabeça de seu neto Efrayim e profetizou dizendo:
- "E sua semente se converterá em melo hagoyim" ou a plenitude dos gentios. Entendeu
agora?
Esta semente ou Zera de Efrayim/Yisrael, um dia se converterá na "plenitude dos gentios" ou
uma "multidão de gentios." Se permitimos que as Ketuvim/Escrituras interpretem as
Ketuvim/Escrituras, poderemos entender os ensinos de Rav Shaul! Ele ensinou que quando "a
plenitude dos gentios" ou todos os descendentes físicos de Efrayim/Yisrael, os gentios dos
últimos tempos forem salvos, então todo Yisrael estará bem e perfeitamente a salvo! Não serão
todos os judeus, eventualmente, que ficaram guardados, que trará a promessa de que "todo o
Israel será salvo". Pelo contrário, é o regresso de Efraim, o há goyim "melo" ou a "plenitude dos
gentios", que irá acionar a salvação nacional e restauração messiânica de ambas as casas!
Desta maneira, ou mediante a este método, o Aba/Pai salvará a todo o Yisrael que está
destinado a ser salvo. A oliveira finalmente restaurada se será composta de crentes judeus e
de crentes Efrayimitas, que formam a "plenitude dos gentios" dos últimos tempos ou aqueles
que têm surgido dos lombos de Efrayim e que têm regressado como os ramos selvagens da
oliveira. Ao final, a oliveira definitivamente restaurada de Yisrael será uma réplica exata da que
o Aba/Pai plantou a 3900 anos.
A ideia do regresso de Efrayim confirma-se em Maaseh Shlichim/At. 15:15-19, onde Yaakov
(Tg.) afirma que todos os profetas estão de acordo em que o Mishkan/Tabernáculo de
Dauid/David (o Yisrael restaurado de doze tribos) será reconstruído por meio da visitação sobre
os gentios ou as nações que não são judaicas somente. Esta visitação resgatará àqueles
dentre as nações que estão REGRESSANDO À ELOHIM. A palavra voltando à Elohim em
Maaseh Shlichim/At. 15:19, traduz-se melhor como REGRESSANDO para Elohim, que
confirmaria as observações de Rav Shaul a respeito da oliveira, que encontramos em
Romiyah/Rm. 11. Tanto Rav Shaul, como Yaakov chegam a conclusão, totalmente espantosa,
de que o Mishkan/Tabernáculo ou Casa de Dauid (as doze tribos de Yisrael) será reconstruída,
restabelecida e reconstituída, com o regresso dos gentios nos últimos dias ou os "melo
hagoyim." Ao ser pregado a besorah/evangelho como depoimento em todo mundo, podemos
estar seguros de que Yisrael estará sendo totalmente restaurada, ao ser salvos os
Yahudim/judeus não regenerados e ao mesmo tempo a Zera/esperma de Efrayim, a "plenitude
dos gentios" a regressarem a sua própria oliveira. Sim, é verdade, eles são um pouco
selvagens e não têm sido cultivados, mas estão regressando durante estes últimos dias da
restauração de todas as coisas (Maaseh Shlichim/At. 3:20-21).Que grande revelação! A
reconstrução, restabelecimento e a salvação do Yisrael nacional e a subsequente salvação de
todo Yisrael, por meio da restauração tanto do judeu como dos Efrayimitas à oliveira de
Yirmiyahu/Jr.. Um entendimento verdadeiro e apurado da oliveira de Yisrael e poderá deixar em
liberdade a muitos cativos do erro, que têm estado escravizados a teologia da entidade
separada, bem como a sua irmã impura, a teologia da substituição.
Quando entendemos, de maneira conclusiva, favoravelmente pelas Ketuvim/Escrituras, que a
esposa de Yahushua não é outra entidade, senão melhor, a oliveira restaurada, onde tanto as
oliveiras anteriores, como os ungidos se voltarão a reunir em uma só nação, no Yisrael do Brit
Chadasha/Pacto Renovado (juntamente com alguns estrangeiros entre nós) então o prometido
homem novo ou a nova nação se manifestará diante do mundo perdido. Então e só então, será
nos revelado este segredo, para ser proclamado e protegido nos últimos tempos. Em
Yechezkel/Ez. 37, onde YAHUAH fala a respeito da restauração do Malchut/Reino a Yisrael,
como ambos os cajados, o de Yahudah e o de Efrayim reunidos, a palavra para cajados é
eytzeem. Esta palavra é a mesma que se refere a eytzeem ou às duas oliveiras anteriores
(eytzeem) de Yisrael. Yechezkel/Ez. 37, fala a seguir a respeito destas duas oliveiras ungidas
ou eytzeem, convertendo-se em uma na mão do Aba/Pai e sendo restauradas do seu desenho
original como se destaca em Yirmiyahu/Jr. 11:16-17. Ele é quem os plantou e é Ele quem os
guardou, é Ele que está agora restaurando a estas duas árvores ou eytzeem em “echad” e
como “mia” ("uma" em grego) em Sua mão. À luz da evidência de Yechezkel/Ez. 37 e
Yirmiyahu/Jr. 11, bem como os outros profetas de Yisrael, resulta realmente perturbador
contemplar o fato de que Zecharyah/Zc. não pode entender as duas oliveiras ou os dois
cajados. Sua inaptidão neste sentido nos dá um novo sentido ao termo "não pode nem sequer

58
ler (entender) sua própria escritura." Em Gilyahna/Ap. capítulo 11, Yochanan (Jo.) escreve
sob inspiração da Ruach (Sopro de YAH), fazendo referência as mesmas duas oliveiras no
versículo 4. Yochanan chama a estas duas oliveiras como as duas testemunhas de YAHUAH,
que profetizarão a restauração e a vinda do reino a todo Yisrael durante o grande e terrível
Yom/Dia de YAHUAH. As duas testemunhas das duas oliveiras, que são Yahudah e Efrayim,
como têm visto. Note como este fato se confirma em um nível ainda mais profundo que antes.
O versículo 4, afirma que as duas testemunhas das duas oliveiras (Efrayim e Yahudah) são os
mesmos que, ou equivalentes aos dois veladores, ou as duas menorot/candelabros, são duas
Assembleias ou duas casas de povos. Em Gilyahna/Ap.1:20, lemos que as sete
menorot/candelabros são sete Assembleias. Em Gilyahna/Revelação, uma menora/candelabro
é equivalente a uma Assembleia de crentes e se as sete menorot equivalem a sete
Congregações, então duas menorot ou as duas veladoras representariam a duas Assembleias
de povos. Estes são as duas testemunhas que viu Zecharyah/Zc. sem entender. Estas duas
casas ou Assembleias de yisraelitas isentadas constituirão em cada uma, um dirigente
individual, que então será conhecido como as duas testemunhas individuais de YISRAEL.
Moshe/Moisés e Eliyahu/Elias são os prováveis representantes das duas casas, já que Moisés
é um leuita/levita, que posteriormente foi absolvido no reino do sul de judah e Eliyahu/Elias era
do norte ou da Casa de Yisrael e ministro ao melech/rei de Yisrael (Achab) na capital de
Efrayim, conhecida como Shmorom/Samaria. Estes dois homens dirigem as duas Assembleias
da oliveira contra os tradicionais inimigos de Yisrael (Yeshayahu/Is. 11:13-14) incluindo ao
anti-Mashiach (Gilyahna/Ap.16:16) até que chegue o reforço final na pessoa do Mashiach
Yahushua nosso Moreh/Mestre.
Nosso Aba/Pai, por meio de Yochanan/Jo. o revelador, confirma o significado destas duas
oliveiras e o da dupla testemunha na terra. Yahudah grita que YAHUAH tem a Torah, que
transforma as vidas e é perpetua, enquanto Efrayim grita que o mesmo YAHUAH enviou ao
Seu Filho a morrer no Gólgota pelos pecados da humanidade, que foram cometidos ao
quebrantar a Torah. Este é um duplo depoimento ungido na terra, que representa o concilio
completo de YAHUAH. Yirmiyahu/Jr. chama a estas duas casas a oliveira de Yisrael, as duas
famílias ou povos escolhidos (Yirmiyahu/Jr. capítulo 33:24). Não é fascinante que a cada uma
das duas testemunhas do Aba/Pai, lhes tenha encomendado a tarefa de preservar um dos dois
principais pactos de Yisrael? A primeira parte das Ketuvim/Escrituras, o Tanach, foi-lhe
confiada à Yahudah. A segunda parte ou o Brit Chadashah/Pacto Renovado, foi-lhe confiada à
Efrayim. Deste modo, as duas testemunhas estão defendendo as palavras de YAHUAH nos
dois Sefirot/livros. Ao reunirem-se as duas casas de Yisrael, ramo após ramo e pedaço após
pedaço, pois declaramos juntamente ao mundo inteiro, tanto o equilíbrio como a continuidade
das Ketuvim/Escrituras, do Bereshit/Gn. ao Gilyahna/Revelação. Finalmente, para entender por
quem estava morrendo Yahushua (Matityahu/Mat. 15:24) somente temos que olhar ao lugar
onde começou a fluir Seu sangue, no Jardim de Getsemani. O lugar ou o jardim da prensa das
oliveiras. O peso do pecado de ambas as casas de Yisrael, descansava sobre Seus ombros.
Portanto, o Aba/Pai ordenou que o sangue de Seu Filho começasse a fluir no jardim da prensa
das oliveiras, já que os pecados das oliveiras de ambas as casas, pesavam com força sobre
Seu coração. Como disse Yeshayahu/Is. em Yeshayahu/Is. 53:
- Foi ferido e moído por nossas (as de Yisrael) transgressões. Pelos pecados do meu povo foi
quebrantado. Apesar da realidade de que o Aba/Pai estava esmagando a Yahushua por causa
dos pecados e os At. malvados de ambas as casas da oliveira, as duas casas têm
permanecendo parcialmente endurecidas e dormindo. Ele tomou a Kefa/Pedro, a Yaakov/Tg. e
a Yochanan/Jo. e levou-lhes à orar em privado. Eles se converteram na figura de Efrayim, de
Yahudah e dos que não são yisraelitas (gerim-estrangeiros), que compõem a Comunidade de
Yisrael. Enquanto achava-se em profunda agonia encontrou os três dormindo, enquanto o
Moreh/Mestre estava levando o peso da salvação de toda a humanidade e a Restauração
Nacional de Yisrael sobre os Seus ombros. A imagem dos três talmidim/discípulos dormindo, é
uma imagem ou uma figura da condição da humanidade em nossos dias. Yahudah, Efrayim e
os autênticos não yisraelitas/gerim/estrangeiros, dormem todos eles em Tzion, enquanto
Yahushua está reconstruindo o Mishkan/Tabernáculo de Dauid. Um grupo edifica igrejas no
estilo romano, o outro edifica sinagogas segundo o estilo babilônio e durante todo esse tempo o
Moreh/Mestre arquiteto reconstrói a nação caída de Dauid/David. Verdadeiramente Seus
caminhos são mais elevados e esplendorosos do que podem imaginar nossas mentes finitas!
As três partes da oliveira continuam batalhando o ruach/”espírito” do sono, enquanto contínua a

59
construção! Quem sabe que seja eliminado nosso sonho antes que acabe essa construção!
Como filhos e filhas da luz, é preciso que nós não durmamos enquanto o peso da oliveira está
sendo revelada àqueles que estão sendo acordados. Aqueles do Yisrael do Brit Chadashah/
Pacto Renovado, aos que foram tirados os óculos, e podem ver com clareza na escuridão
desta confusão religiosa (“ismos”). São aqueles que nestes últimos dias, estão gritando sobre
os telhados, palavras especiais pertencentes a Restauração do Reino, que eram antigamente
um segredo e que o YAHUAH Todo-poderoso tem falado agora nos ouvidos e nos lugares mais
secretos dos nossos corações. Tomara que YAHUAH conceda a esta geração o privilégio de
ver a Restauração final prometida relacionada com a PLENITUDE DE TODA A OLIVEIRA, ao
permanecer atentos e cuidando de seu trabalho!

OUTRO LUGAR DESIGNADO!

60
A SEXTA PARTE DA SÉRIE SOBRE A COMPLETA RESTAURAÇÃO DE YISRAEL!

No auge da monarquia de Dauid/David, governando e reinando literalmente em Yisrael sobre o


mundo conhecido naquela época, YAHUAH enviou uma espantosa palavra profética à Dauid
por meio do profeta Natan. Esta palavra profética, que se encontra em Shmuel Bet/2 Sm. 7:10
e Divre HaYamin Alef/1 Cr. 17:9, desvenda uma das mais fascinantes verdades das
Ketuvim/Escrituras, no que se refere a nação de Yisrael nestes últimos dias. A profecia que lhe
foi dada à Dauid/David, rei de todo Yisrael no ano 1000 AEC, quando todo Israel estava unido e
estava em Shalom/paz, tanto no ponto de vista interno, como externo. Shmuel Bet/2 Sm. 7:1
confirma que Dauid/David, o Melech/Rei, tinha repouso e Shalom com os inimigos que lhe
rodeavam, com o Chesed/favor de YAHUAH, como a sua cobertura. A monarquia dauídica
tinha absoluta autoridade em todo mundo conhecido, econômico, político, social e militar, em
todos os sentidos no meio das declarações proféticas mais descuidadas e passadas por cima
de YAHUAH ao Seu povo Yisrael, em relação ao seu futuro como nação. Devemos ter em
mente que estas duas Casas de Yisrael não existiam ainda, já que a divisão na monarquia
Dauídica não teve lugar até o ano 921 AEC, ou aproximadamente 80 anos depois. No entanto,
YAHUAH em Sua onisciência, declarou-lhe ao Rei Dauid uma verdade poderosa. No versículo
10 de Shmuel Bet/2 Sm. capítulo 7, Natan declarou-lhe as palavras de YAHUAH:
- "Assim mesmo, vou designar um lugar para meu povo Yisrael, e o plantarei para que habite
em seu lugar para que não seja molestado mais, nem os iníquos voltem ao afligir como no
começo."
Divre HaYamin Alef/1Cr.17:9, volta a afirmar a mesma profecia com uma informação
adicional, no que se refere ao lar futuro de Yisrael, com esta frase:
- "E não voltará a se mover."
Tenha em conta que esta palavra foi pronunciada na terra de Yisrael, que era e segue sendo a
Terra Kadosh/Separada que foi prometida à Avram, Yitzchak e Yaakov, bem como aos seus
descendentes (Yisrael) para sempre. A nação não estava ainda dividida em duas casas
diferentes. As 12 tribos viviam comodamente na Terra Kadosh/separada de Yisrael e em
Shalom/paz com todos os seus inimigos, e totalmente plantados e descansando no primeiro
lugar preparado para a nação de Yisrael. Yahrushalayim/Jerusalém era a capital de um povo
unido, estando o trono de Dauid comodamente situado em Yahrushalayim/Jerusalém, reinando
Dauid até os confins da terra. Sem nunca ter tido um povo ou nação que tenha estado plantado
e tenha vivido em seu lugar originalmente designado pelo Aba do Shamayim/Pai celestial, que
tinha dado ao Seu povo, assim era Yisrael no 1000 AEC. No que parece ser em uma ocasião
de um mau momento, quando Israel não necessitava ter sua segurança e suas necessidades
de segurança à todos seus habitantes, YAHUAH sacudiu a nação com este anúncio
surpreendente. YAHUAH falou a Dauid e a toda a nação num tempo futuro, lhes dizendo que
"nomearia" (em hebraico vesamti), "plantaria" (em hebraico ontativ) e "habitarão em um lugar
próprio."
Examine você esta aparente contradição. As Escrituras ensinam que Yisrael, na Terra Kadosh
prometida de Canaã aos nossos patriarcas, é o nosso lugar designado e que nos foi preparado,
onde temos que encontrar a nossa morada e a Shalom de todos os filhos da maldade (isto é,
dos inimigos tradicionais, como possam ser os ismaelitas e os edomitas). Enquanto a nação
era forte e fortificada e estava em Shalom com todos seus inimigos, YAHUAH declarou que
teria um lugar FUTURO, em que estariam plantados e que lhes seria designado, onde os
inimigos tradicionais de Yisrael (os filhos da maldade) já não oprimiriam nem acusariam a
nação. Ele chamou esta futura terra de um lugar próprio para eles, apesar do fato de que
quando foi pronunciado esta profecia, eles se encontravam em sua própria terra. Portanto, é
evidente que YAHUAH preparou para a nação de Yisrael (que prometeu que teria que ser a
mais numerosa que as estrelas do Shamayim/céus e as areias do mar) uma futura terra em
outro lugar. Sabendo que a monarquia de Dauid/David se dividiria em duas casas de Yisrael,
com a Casa de Yisrael convertendo-se na “plenitude dos gentios" dos últimos dias ou em

61
outras palavras, que toda terra se encheria da semente Yisraelita, o Aba/Pai buscou e preparou
uma terra que pudesse acomodar a centenas de milhares do Seu povo, diferente do Yisrael
original. Inclusive tendo em conta o Yisrael maior, tal e como lhe foi prometido à Avraham,
Yitzchak e Yaakov, do Mar Morto no sul ao Eufrates no norte, até o Mediterrâneo no oeste, até
chegar ao Rio Tigris no leste, não há como toda a humanidade da Terra Kadosh/Separda
acomodar a todos os filhos e filhas de Yisrael no mesmo lugar, tal e como lhe foi prometido aos
patriarcas. Devarim/Dt. 1:10-11, dá-nos uma boa ideia com respeito ao tamanho futuro desta
nação. Em Devarim/Dt. 1:10, Moshe Rabeinu/Moises disse que o povo do Êxodo, desde Egito,
estava já "aumentando e estava se tornando tão numerosos como as estrelas dos
Shamayim/céus." A maioria dos experientes calculam que foram uns 4 ou 5 milhões de
Yisraelitas que saíram do Egito no Êxodo guiado por Moshe. Esse número inclui aos homens,
as mulheres e os meninos. No versículo 11 de Devarim/Dt. 1, Com tudo isso Moshe disse
como YAHUAH:
- "Vos multiplique mil vezes mais, e os abençoe como tenho prometido." Se usarmos as
matemáticas simples, ao multiplicar por mil, Moshe dos 4 ou 5 milhões de Yisraelitas do Êxodo
converte-se na atualidade em 4 bilhões de pessoas. Hoje, nos últimos dias, quando nos
encontrarmos ao ponto do retorno de Yahushua e começar o Seu reino no Atid Lavoh (milênio)
temos atingido mais ou menos 4 ou 5 bilhões de Yisraelitas, de uma população mundial total de
5 ou 6 bilhões de pessoas! Esses números são os que citaram o profeta Moshe, não este autor
que vos fala. Crê você na Devar/Palavra de YAHUAH, quando você a encontrar com ela cara a
cara? Sabendo que teria que se produzir esta explosão demográfica dos Yisraelitas, YAHUAH
promete, por meio de Natan, lhe dar a Yisrael outra casa na que possa ter lugar para a maior
parte da nação. Em contexto, o povo de Dauid engloba todo Yisrael, unido e vivendo juntos, já
que na época da declaração feita por Natan a nação não tinha experimentado ainda a divisão e
a nova localização das duas casas dispersas pelas diversas nações. Portanto, quando o povo
de Yisrael se encontra plantado e na nova terra designada para eles como sua propriedade,
que se destacarão pela ausência dos edomitas (os tradicionais filhos de maldade), ambas as
casas deverão viver juntas como uma só nação. Talvez a chave mais importante, com respeito
de onde se encontrará a terra dos últimos dias, possa se encontrar no versículo 9 de Divre
haYamin/1 Crônicas 17, onde YAHUAH disse a Dauid/David que quando as duas casas
estejam plantadas neste lugar futuro, que lhes foi designado, já não "SE MOVERÃO MAIS!"
Algumas traduções dizem "e não voltarão a lhes molestar mais!" (Inclusive entendendo deste
modo, Yisrael viverá em um lugar próprio, sem que ninguém lhes moleste e não sendo
retirados por causa do inimigo exterior). Recorde que no ano 1000 AEC, Yisrael tinha vivido na
terra prometida de Canaã durante 500 anos, sem que nunca ninguém os tirasse dela. O
primeiro holocausto Yisraelita (originado por Tiglaz Pileser nos 745 AEC, concluiu com Sargón
Segundo em sua conquista de Shomron/Samaria no ano 721 AEC) dando como resultado as
deportações em massa das dez tribos, sendo afastadas de Yisrael (Reino do Norte). Este
acontecimento sucedeu menos de 300 anos após de ter sido feita esta profecia ao Rei Dauid!
Este estabelecimento em massa era um terreno de grandes dimensões, fora da terra de
Yisrael. A Terra Kadosh/Separada não podia ser a terra onde o futuro Yisrael seria plantado, já
que eles (os povos de Dauid) se foram dela. As Escrituras que estamos considerando
proclamam com toda clareza, que quando YAHUAH completar esta futura plantação de todo
Yisrael em uma nova e futura terra, não terão que se mudar e nem lhes perseguirão mais!
A história nos relata a respeito da contínua e épica luta do Yisrael judaico por sobreviver em
suas numerosas viagens (andar de um lado para outro) e novos estabelecimentos. As páginas
da história estão cheias de relAt. a respeito do Yisrael judaico, lutando por sobreviver em
muitos exílios e seu constante vagar no deserto das nações gentílicas. O exílio babilônio no
ano 586 AEC debaixo de Nabucodonosor e a diáspora mundial nos 70 AD, que contínua até a
data, é uma verificação maior do fato de que o Yisrael judeu (que faz parte do povo do Rei
Dauid) marchou de Yisrael em muitas ocasiões. Isto está acima de todo exame honesto dos
fatos que a terra onde serão plantados no futuro não pode ser a Terra Kadosh/Separada que
lhe foi dada à Yisrael, senão outra terra que lhe seria dada ao nosso povo. Há uma clássica má
interpretação destes versículos por parte de alguns, que aplicam o futuro "lugar designado" ao
Mishkan/Templo de Shlomo/Salomão em lugar da nova terra. Esta explicação dos versículos
que temos estado examinando é impossível, se entendemos que inclusive o Mishkan/Templo
de Shlomo era o futuro lugar onde Yisrael seria plantado, o qual faz que nos enfrentemos com

62
dois problemas principais. Primeiro de como plantamos a toda uma nação dentro do Templo de
Salomão? Segundo, como explicamos o fato de que o Templo de Salomão foi destruído duas
vezes e, portanto, obrigaria a nação, na qual supunha que devia viver nele, a se transportar
também em duas ocasiões? Recorde que YAHUAH ordenou que o Seu povo não fosse nunca
movido ou perseguido, até que Yahushua regressar e anunciar o começo do Atid Lavoh
(milênio). Deste modo deixamos facilmente de lado esta má interpretação! Tendo entendido
isto, antes de examinar exatamente a que terra se encaixa melhor com a descrição escritural,
devemos reiterar algumas verdades muito claras. Uma vez plantados e designados nessa terra,
todo Yisrael (ambas as casas) jamais serão perseguidas ou atacadas pelos inimigos, as
perseguições, os pogrons, as inquisições, os holocaustos, o anti-semitismo e o genocídio.
Estarão completamente salvos e protegidos, em uma nação unida que deverá, por definição,
parecer ao povo da monarquia unida de Dauid. Devemos ter em mente nos textos de vital
importância, como possam ser Yechezkel/Ez. 37 e Hoshea/Os. 1:11, que falam inclusive a
respeito do Yom/Dia de Yizreel ou a reunificação final e plena reunificação de Yisrael, como em
um grande dia quando ambas casas, mencionadas em Hoshea/Os. 1:11, sairão da terra. Isto
nos recorda que ainda que Yisrael esteja plantado e situado em uma terra diferente designada,
essa convocação se iniciará no final. Nesse tempo, no Dia (milênio) de Yizreel, quando toda
Yisrael regressar para Yisrael, o povo virá e sairá da "terra (outra terra) juntos! Então YAHUAH
dará um lugar ao nosso povo e que estarão a salvo e se multiplicarão em outra terra, um
remanescente de ambas as casas voltará um dia à Terra Kadosh/Separada de Yisrael, como
um povo que regressa e esteja unido. Esta outra terra designada prometida à Dauid por
YAHUAH através de Natan será nossa própria terra, onde estaremos a salvo dos filhos de
Esav/Esaú, que não nos poderão fazer um dano físico e espiritual em massa e nunca mais
seremos Levados (por causa da perseguição) até o Dia de Yizreel (literalmente, no dia da
reunificação da Zera/semente de Yisrael)! Nesse dia todo o Yisrael físico, como remanescente
isentado, cheio do Ruach/Sopro de YAH, regressará à terra de Yisrael (Yirmiyahu/Jr. 50:20).
Jamais devemos considerar esta terra designada como uma substituta separada da Terra
Kadosh/Separada, ou a primeira terra designada, senão melhor, como uma terra onde nenhum
ser humano nem governo humano podem levar o nosso povo, até que o mesmo Yahushua
regressar e nos chamar de volta à Terra Prometida e a Yahrushalayim/Jerusalém, nossa capital
perpetua e a cidade do grande Melech/Rei. Enquanto o Yisrael disperso (as 12 tribos) pode-se
encontrar ainda em cada UMA DAS TERRAS E NAÇÕES sob o céu, seguirá existindo esta
promessa de uma terra futura concreta, que lhe pertencerá a Yisrael, onde os inimigos
tradicionais já não lhes perseguirão nem lhes moverá!! Hoshea/Os. 11:10 e 12:1 ensinam-nos
que esta segunda terra designada, na que Yisrael viverá junto, unidos como povo, se encontra
no oeste. Efrayim virá tremendo do oeste, já que terá seguido a um vento do leste.
Yirmiyahu/Jr. 50:4 ensina-nos que ambas as casas voltarão juntas à Yisrael, procedentes da
Babilônia dos últimos dias. A fim de que possam regressar juntos à Yisrael e terão, por
definição, que estar juntos, ao sairem desse novo lugar designado. Yirmiyahu/Jr. 50:4 fala a
respeito das duas casas, que regressam para Tzion, chorando e arrependidos, ao encontrar ao
Moshiach/Messias, que é o Caminho de regresso para YAHUAH, e a tudo o que tem de
oferecer a Tzion/Sión. Em Yirmiyahu/Jr. 50:8 a palavra é muito concreta com respeito a este
regresso de Yisrael dos últimos dias à Terra Prometida, quando ambas as casas deixarão
juntas a Babilônia dos últimos dias!
Não é possível que esta Babilônia dos últimos dias se refira ao cativeiro de Yahudah/Judá na
Babilônia, nos tempos de Nabucodonosor, isto é no ano 586 AEC, já que a Casa de Yisrael ou
Efrayim, não esteve nunca na Babilônia como nação nos tempos de Nabucodonosor. Pode ser
que estivesse alguns Efrayimitas nesse cativeiro, mas certamente não a plenitude do
Yisrael/Efrayim. Yirmiyahu/Jr. 51:44, fala de Yisrael "Seu povo" que sai literalmente da terra
chamada Babilônia dos últimos dias. O Yisrael nascido de novo, nestes últimos dias, antes do
Atid Lavo/era messiânica, está sendo chamada a sair tanto da espiritualmente doente Babilônia
(do papado e sua frequente descendência prostituta protestante) bem como da terra literal da
Babilônia. Yirmiyahu/Jr. 51:50, ensina-nos que uma vez que tenham deixado ou se tenham
transportado da terra da Babilônia dos últimos dias, deverão fazer que seus corações se fixem
em Yahrushalayim/Jerusalém e no regresso à Terra Kadosh/Separada. Os caldeus, que estão
compostos pela Torah antiga, desapareceram. Portanto, a terra da Babilônia, literalmente
falando, dos últimos dias, é uma terra diferente, com características semelhantes a dos
caldeus, que já não existe! As Ketuvim/Escrituras falam muito a respeito da destruição dos

63
últimos tempos de uma Babilônia literal desse tempo, ainda que a anterior Babilônia não seja
nunca reconstruída. Existem mais de 20 marcas de identificação com respeito a existência da
Babilônia dos últimos dias. Ambas as casas de Yisrael emigraram ao norte, separadas do oeste
da Ásia e posteriormente ao leste da Europa. Ainda que a Europa esteja povoada por um
grande número de Yisraelitas, procedentes de ambas as casas (ver a parte 1 a 4 desta série),
não se encaixa com a descrição da outra "terra" ou um futuro lugar próprio. Para começar, os
Yisraelitas que estiveram vagando e que se transportaram ao oeste de
Yahrushalayim/Jerusalém na Europa, foram sempre estrangeiros em nações estrangeiras. A
Grã-Bretanha não pode ser a nova terra prometida, já que eles expulsaram duas vezes aos
Yahudim/judeus e lhes obrigaram a se mudarem. Quase todos os demais países europeus se
negaram a permitir que os Yahudim/judeus se estabelecessem nestes lugares e alicerçassem
suas raízes ao longo prazo. Devido a que nenhuma nação europeia permitiu jamais que os
judeus (que são Yisraelitas) estarem permanentemente plantados e jamais se mudarem e nem
ser molestados, pois toda Europa ficaria desqualificada em ser a nova terra, onde serão
plantados e alicerçados. Pode ser que os "Yisraelitas da nova terra" tenham emigrado à
Europa, mas como uma parada temporária no caminho a seu eventual estabelecimento em sua
nova pátria. As cruzadas, as inquisições, os pogrons, as execuções, as torturas, os
assassinAt., as conversões obrigatórias e as tentativas de genocídio do Yisrael judaico por
parte de todas estas nações europeias, não torna possível que a profecia de Natan se aplique
à Europa. Inclusive estando dispersos por toda Europa, os edomitas (Esav/Esaú) ou os
descendentes físicos e espirituais de Roma e sua igreja (a Igreja Católica) perseguiu sem a
menor rachamim/piedade e molestou incessantemente as ovelhas dispersas do Yisrael errante.
A profecia de Natan proclama com toda valentia, que quando Yisrael estiver permanentemente
estabelecido em seu futuro lar, onde estarão a salvo e protegidos dos "filhos de maldade" ou
Esaú/edomitas (Bereshit/Gn. 36:8-9) não se encontrarão ali em um número suficientemente
significativo, como para causar uma agressão e não se lhes permitirá cometer seus At. infames
de perseguição e brutalidade para Yisrael. Certamente a história mundial ensina-nos que os
edomitas odiaram aos judeus onde quer que fossem, e que não lhes foi permitindo jamais
descansar em paz. Hamán/Ramam, Herodes e Hitler, foram todos eles edomitas de uma forma
ou de outra. Portanto, a afirmação de que só a Grã-Bretanha é o Novo Yisrael, deve ser
eliminada como uma falsidade absoluta. Ainda que a Grã-Bretanha e a comunidade das
nações britânicas têm albergado a milhões de Yisraelitas perdidos e que andavam vagando, o
fato de que não se lhes permitisse aos Yisraelitas se estabelecer de maneira permanente nos
países da comunidade, é uma das muitas razões pelas quais a Grã-Bretanha não é a nova
terra prometida para Yisrael, para sua multiplicação física e sua proteção. As regiões da Ásia e
da Rússia, ao redor do Mar Cáspio e do Mar Negro, têm ficado também desqualificadas como
cumprimento da profecia de Natan, já que ambas as casas de Yisrael não só se transportaram
continuamente dessas regiões, senão que se encontraram ademais com os filhos da maldade
onde quer que fossem nessas regiões! As dez tribos de Efrayim/Yisrael, não passaram um
tempo menos difícil na Europa, que então era o Yisrael judeu. Os crentes em Yahushua,
nascidos de novo, viram-se obrigados a fugir da Europa e da Grã-Bretanha, para buscar uma
terra de refúgio a fim de poder adorar a YAHUAH em Ruach/sopro de YAH e Emet/verdade.
A história está cheia de perseguições europeias e inglesas daqueles que posteriormente se
foram às orlas da América, buscando e desejando achar a liberdade religiosa. Efrayim esteve
vagando com Judá na Europa. Após migrações em massa na Europa ao redor do ano 400 AD,
o povo não achou nem repouso em um lar definitivo! Os Peregrinos e os Puritanos que vieram
aos Estados Unidos eram nascidos de novo, Efrayimitas que não eram judeus, que estavam
buscando uma terra escritural distante de Yisrael e da Europa. Seus escritos indicam que
receberam muita inspiração para vir a América, graças a “profecia da terra designada!" Yisrael
e Europa tinham sido ambas invadidas pelos filhos de maldade, que não deram descanso às
ovelhas perdidas de ambas casas de Yisrael. Só têm sido os Estados Unidos da América os
que têm concedido à Efrayim (aos crentes nascidos de novo que não eram judeus) a liberdade
necessária para poder praticar sua emunah/fé pura nas Escrituras! Só a América foi fundada
por Yisraelitas perdidos e que viviam vagando, de maneira que Yahushua o Moshiach/Messias
pudesse ser adorado em Ruach/Sopro de YAH e em emet/verdade, livres das ataduras da
Igreja de Roma e do sistema religioso anglicano. Se fizermos um exame das práticas primitivas
dos Peregrinos e os Puritanos, nos revelarão não só o cumprimento da Torah, senão um ódio
para o Pessach/”Páscoa”, Natal e Hallowen, bem como outros costumes pagãos adotados pelo

64
sistema da igreja apóstata na Europa. Só nos Estados Unidos da América, tem tido Efrayim
uma total liberdade religiosa e espiritual, sem ter que se transferir ou correr para se proteger da
igreja de Roma, da anglicana ou dos tradicionais filhos de maldade, que seguem ainda vivendo
e enchendo o Oriente Médio e Europa. Note por favor, que os descendentes destes primeiros
peregrinos Efrayimitas se multiplicaram e estão ainda vivendo nos USA como homens e
mulheres livres, não tendo sido nunca molestados pelo fanatismo religioso nem a perseguição!
Talvez a evidência mais convincente de que os Estados Unidos da América são o cumprimento
literal de Shmuel Bet/2 Sm. 7:10 e Devrei haYamin/1Cr.17:9, seja a idade dourada do
Judaísmo neste país. Permitamos que a história deixe constar que desde que os judeus
escaparam da Europa e vieram aos EUA, nunca existiu em massa para nós, os pogrons,
holocaustos, antisemitismo, morte, cruzadas nem perseguição religiosa, promovidos pelo
estado. Durante 223 anos temos vivido tranquilamente plantados, estabelecidos e designados,
como uma das principais forças de empurrão, em todos os aspectos, de nossa nação. É neste
grande país no que temos florescido, como se tivéssemos estado plantados em nossa própria
terra de Yisrael. Somente na América podem os judeus (sete milhões) e os Efrayimitas (os
crentes no Moshiach, que não são judeus) VIVER JUNTOS, JOGAR JUNTOS, PRATICAR
ESPORTES JUNTOS, TIRAR FÉRIAS JUNTOS, PARTICIPAR JUNTOS NAS GUERRAS
UNS JUNTO COM OS OUTROS, SEM TENTAR SE ANIQUILAR UNS AOS OUTROS.
Ambas as casas se viram livres da interferência governamental (ainda que isso esteja
começando a mudar) para poder perseguir a justiça em um ambiente ético judeu/cristão. O
termo fé judaico-cristão por si mesmo é uma manifestação verbal de que as duas casas, que se
converteram em uma de novo na América, pela primeira vez DESDE OS DIAS DO
MELECH/DAUID! Certamente na América o Aba/Pai tem reunido as duas casas de Yisrael, em
cumprimento das fascinantes profecias de Natan. Esta verdade é o “Natanismo” não
Yisraelismo anglo-britânico! A fim de que ambas as casas regressem juntas em
arrependimento, será preciso que estejam já plantadas e vivendo juntas. Tendo em conta que,
a davar/palavra de YAHUAH, não se pode quebrantar e não pode mentir, podemos estar
seguros de que o povo hebreu e os Efrayimitas nascidos de novo serão conservados, de
maneira individual, a salvo e vivendo afastados dos filhos de maldade, para não terem que
voltar a vagar nem a se transferir outra vez, até o momento esplendoroso quando regressar
Yahushua o Melech/Rei, para levar-nos ao nosso lar, na terra de Canaã e a
Yahrushalayim/Jerusalém, a cidade do Grande Rei!

65
CENTO E OITENTA GRAUS DE
DISTÂNCIA UM DO OUTRO!
A SÉTIMA PARTE DA SÉRIE SOBRE A COMPLETA RESTAURAÇÃO DE YISRAEL!

A Verdadeira restauração do povo de Yisrael, formado pelas duas casas, não tem praticamente
nada em comum com os ensinos históricos do Yisraelismo Anglo ou Britânico. Os teólogos das
duas casas não utilizam nenhum recurso, nem materiais anglo-Yisraelitas, como apoio a
pureza da esperança que se encontra no Yisrael messiânico, senão que, melhor esperam
como o fizeram os 12 Discípulos/talmidim, a completa consolação de Yisrael! (1). A Completa
restauração das duas casas de Yisrael foi explicada, prevista e documentada pelo Mestre
Yahushua e os profetas de Yisrael para estes últimos dias. O conceito encontra-se nas
Escrituras e consta da data dos 700 AEC com as declarações de Hoshea/Os. no capítulo um,
onde Yahudah e Yisrael se reunirão de novo por opção do Moshiach Yahushua, como seu
dirigente. Por outro lado, um britânico chamado Richard Brothers, começou o Yisraelismo
britânico entre o ano 1757 e 1824, (2) que atingiu reconhecimento mundial em razão dos
escritos e ensinos de Hebert W. Armstrong. Brothers era bastante excêntrico e mais adiante foi
confinado em um asilo para deficientes mentais, mas sua profecia chave, segundo a qual os
hebreus recuperariam o controle do Monte do Templo em 1798 resultou falsa. Existem
diferenças principais muito evidentes entre o ponto de vista da pura restauração não
contaminada e a elitista e com freqüência racista do Yisraelismo britânico, adotada por estas
duas figuras e muitas outras. Primeiro e antes de qualquer coisa, o Yisraelismo britânico ensina
que os judeus não são Yisraelitas e não têm nenhuma parte em Yisrael.
Como os que defendem ser a Casa perdida de Yisrael, afirmam que não há judeus nessa casa,
mas não é isso o que ensinam as Escrituras. Em ambas as casas tinham uma superposição da
população da outra casa de Yisrael e, portanto, ambas as casas contêm uma representação
casual das 12 tribos, mas não a totalidade das 12 tribos. O entendimento racista do Yisrael
britânico, continua ensinando que quando chegar o momento de que a raiz de Efrayim
florescer, os Judeus serão submetidos e serão subordinados aos Efrayimitas ou as pessoas de
fala inglesa e, portanto, os anglo-saxões governarão agora o globo e o resto de Yisrael, no
lugar da nação hebraica que governa continuamente como disse YAHUAH. Ensinam
equivocadamente que, como a nação primogênita de Yahusef/José (de quem fazem parte),
eles possuem a autoridade para governar as 12 tribos, devido a essa mesma primogenitura.
Portanto, no Yisraelismo britânico, o cetro não continua nas mãos de Yahudah/Judá, senão que
se encontra agora nas de mãos Yahusef/José. No entanto, segundo Bereshit/Gn. 49:10 a
coroa ou cetro lhe pertencerá a Judá ou se encontrará entre os judeus, até que o Messias
venha e estabeleça a tiferet/esplendor do Malchut/reino milenar.
Já que o esplendor milenar, não se estabeleceu ainda e o direito de governar se encontra entre
os judeus e o seu Rei Yahushua (Tehilim/Sl. 78:67-68). Não somente é esta uma forma
malvada e absurda de teologia da substituição, senão que transgride literalmente um grande
número de pasukim/passagens das Escrituras, que se referem a todo Yisrael, incluindo aos
judeus, como a cabeça e não a cauda. Os judeus não estão destinados a serem cauda de
Yahusef/José! O Yisraelismo britânico, a fim de ter sucesso, tem por definição, comandarem
sobre a parte judaica de Yisrael. Este pensamento enganador assegura que já que a Grã-
Bretanha é Yisrael, nenhuma outra nação pode ser como outra como diz, E. Odlum, em seu
livro "Gods Covenant Man-British Israel." Segundo sua definição, não é possível que existam
duas nações populacionais e uma periferia Yisraelita, quanto menos dois reinos de Yisrael
legítimos, na tese do Yisraelismo britânico. Portanto, o Yisrael judaico deixou de existir, devido
a sua suposta rejeição do Messias Yahushua no ano 33 AD. Esta rejeição foi à causa que
moveu a YAHUAH a transferir o cetro a Yahusef/José. Os judeus não têm parte nesta nova e
única nação mundial e têm sido substituídos por um novo povo do pacto, que são os ânglo-
yisraelitas. O Yisraelismo britânico continua ensinando que somente os ingleses anglo-saxões
são Yisraelitas, e negando, portanto, a verdade da Katuv/escritura, de que todos os

66
descendentes das dez tribos se encontram por todo o oeste e inclusive o leste nas nações,
como o Iraque, Iran, Japão e China. É sua disposição nos registros históricos e seculares (não
religiosos) de que muitos dos povos, que não são de fala inglesa, também descendem das dez
tribos. A história aponta tanto para América do Sul, como Central, como nações que estão
cheias das ovelhas perdidas da Casa de Yisrael, apesar do fato de que em muitos casos, estas
nações não falam nada de inglês. Como também nas partes da Rússia e da Ásia, o lar de
milhões de ovelhas Yisraelitas perdidas, que não são anglo-saxãs. A arrogante declaração de
que todos os filhos de Yahusef/José são na atualidade exclusivamente anglo-saxões é racista.
Este racismo pratica-se contra aqueles que são Yisraelitas em outras nações, incluindo aos
judeus, e não se encaixam com o papel que corresponde ao de um membro de fala inglesa da
Grã-Bretanha, nem a nenhuma das colônias ou comunidades. Este veneno, juntamente com a
eliminação teológica dos Yahudim/judeus neste caso da omissão, de maneira deliberada, no
propósito dos planos de YAHUAH nos tempos do fim, para os judeus, seja manifestado o
racismo anglo-yisraelita em seu íntimo. É verdade que a teologia a respeito das duas casas de
Yisrael ensina a se ter fraternidade e se aceitarem uma a outra, e a fazer pontes de tolerância e
entendimento entre todos aqueles que se doam por Yahushua, não limitando a herança
israelita a um só grupo exclusivo. A teologia a respeito das duas casas continua ensinando que
as ovelhas perdidas da Casa de Yisrael (as 10 tribos) podem, de fato, ter alguma relação com o
povo britânico, mas na realidade pode existir povos de muitas etnias, línguas e idiomas,
representados pelo manto (talite) de muitas cores de Yahusef/José. Uma das principais
premissas do yisraelismo britânico é que YAHUAH profetizou que lhe chamaria ao Efrayim
"grande" e que este seria uma comunidade de nações.
Já que a Grã-Bretanha se auto intitula "grande" e foi na verdade este sentido que segue sendo
uma comunidade de nações coloniais, por isso Bereshit/Gn.48:18-20, identifica a Grã-
Bretanha somente, como Efrayim, sendo precisamente neste versículo que se baseia o
yisraelismo britânico. Se tivéssemos de desbancar esta maneira de entender, mediante a uma
exegese singela e correta, poderíamos silenciar aos defensores do Yisrael britânico e suas
declarações racistas. Examinemos de perto estes versículos. Bereshit/Gn. 48:19, que não
ensina que Efrayim, o irmão menor, voltará grande como a Grande Bretanha, senão que afirma
simplesmente que Efrayim "será engrandecido" não que será "superior." De fato, do que se diz
que será "maior" é de Menashsheh (manassés) e segundo o yisraelismo britânico, os Estados
Unidos são Menashsheh. Isso até pode ser possível, efetivamente, e só em parte, a Efrayim
jamais se lhe chama de “a grande” e, portanto não pode se limitar somente a nação da Grã-
Bretanha e suas colônias. Talvez um problema mais evidente, é que o símbolo principal e o
antisímbolo do Yisrael britânico não se encaixam no ponto de vista histórico, nem do profético.
Se Efrayim é somente a Grã-Bretanha, e os Estados Unidos são somente Menashsheh, e se o
patriarca Yisrael profetizou que Efrayim seria o maior, isto não aconteceu com exatidão
historicamente. Desde a década de 30, “quando a Inglaterra se voltou contra o remanescente
judaico na Palestina”, os EUA converteram-se em muito, numa nação superior militarmente,
economicamente e praticamente em qualquer outro sentido imaginável. Portanto, a história
ensina que os Estados Unidos se converteram na nação "maior". Se os Estados Unidos são
exclusivamente Menashsheh e converteu-se em uma nação superior a Grã-Bretanha ou
superior ao que foi Efrayim, o símbolo e o antisinais não se encaixariam.
Se os sinais não se encaixam, é preciso condená-los. Ademais, o yisraelismo britânico traduz
mal e manipula o final de Bereshit/Gn. 48:19, para que se diga que uma comunidade de
nações ou uma multidão de nações, quando o ivrit/hebraico (idioma), "melo hagoyim" não
significa comunidade e multidão, senão melhor, a plenitude de gentios individuais ou
possivelmente a plenitude das nações. Portanto, a afirmação a respeito do Yisrael britânico, em
relação com a exclusividade de serem Efrayim, e sua afirmação de que Bereshit/Gn. 48,
mostra a Efrayim tanto "grande" como "comunidade de nações" é equivocado e não se
encontra no texto hebreu. É Menashsheh que de fato se faz referência, como um "grande povo"
e a respeito de Efrayim, se diz que encherá as nações (não uma nação) da Zera/semente
Yisraelita. O Yisraelismo britânico afirma que a Grã-Bretanha é todo o Yisrael, e que contém
toda a Zera/semente Yisraelita. Como temos sublinhado nas partes um a quatro desta série, a
maneira correta de entender estes versículos será simples, quando se examinar no seu
contexto original. Isto é, que o esperma de Efrayim encherá as nações ou as nações que não
são yisraelitas da semente de Yisrael, não limitando sua plenitude a uma só nação. Avraham,
Yitzchak e Yaakov, tinham que converter-se fisicamente nos pais de muitas nações, não só da

67
Grã-Bretanha! A verdade a respeito das duas casas, é que se ensina que a semente de
Efrayim, como a semente prometida aos patriarcas de Yisrael, relacionada com a multiplicação
física, era algo que se aplicariam à todas as nações, tribos, famílias e línguas do mundo
conhecido. Isto inclui a Grã-Bretanha e a América, mas NÃO ESTA LIMITADA A ESTES DOIS
PAÍSES OU A NENHUM DOS PERTENCENTES DA COMUNIDADE ANGLOSAXÔNICA DE
NAÇÕES. A verdade a respeito das duas casas reconhece a Grã-Bretanha e a América,
juntamente com outros lugares, como a Austrália, a Europa do Leste, Nova Zelândia, América
do Sul (índios) partes de África, Ásia, Síria e Ásia Menor, todos eles como centros de
estabelecimento e morada das dez tribos. Estes detalhes lhe oferecemos e temos
anteriormente documentado nas primeiras partes desta série. A teologia das duas casas
denuncia o racismo, por definição, negando-se a limitar a dispersão mundial de Efrayim a um
ou dois países de fala inglesa. Portanto, a verdade sobre as duas casas é uma doutrina de
inclusão, baseada na promessa do pacto feita aos patriarcas, em oposição a doutrina da
exclusão da maioria das nações e da nação judaica, como promove descaradamente o
yisraelismo britânico.
Bereshit/Gn. 48:16, ensina que estes dois meninos se converteriam em uma multidão no meio
de toda a terra, não só no meio da Inglaterra e, por isso, o Yisraelismo britânico é
profundamente racista, já que se nega a reconhecer a dispersão mundial das ovelhas perdidas
de ambas casas de Israel, limitando as Ilhas Britânicas e a só uma das duas casas. A teologia
das duas casas não impõe semelhantes limitações. Em Devarim/Dt. 32:8-10, em uma das
mais convincentes declarações de todas as Ketuvim/Escrituras, YAHUAH afirma que Ele tem
designado e atribuído os limites nacionais de TODAS AS NAÇÕES QUE NÃO SÃO
YISRAELITAS, baseando no número dos filhos de Yisrael ou, expressando de outra maneira, o
número dos descendentes das 12 tribos, seria tão enorme e numeroso, que quando o Todo-
poderoso YAHUAH distribuiu a herança da terra às nações que não eram Yisraelitas, e
desenhou seus limites geográficos, o fator determinante do que se valeu foi o número de
Yisraelitas que podiam caber nelas, de maneira razoável! Isto demonstra a imensidão da
plenitude mundial de Efrayim/Yisrael e contradiz a afirmação do Yisraelismo britânico, de que é
o único grupo ou nação em que vivem grandes números de Yisraelitas dispersos, assim como
a afirmação do judaísmo messiânico de que a pequena Yahudah/Judá é o Yisrael reconstituído
com as 12 tribos. YAHUAH precisa do mundo inteiro para dar LUGAR à descendência de
Yisrael, mas com tudo isso, a Grã-Bretanha afirma que as nações anglo-saxônicas
confederadas por si só, podem dar lugar a esse imenso número. As afirmações do Judaísmo
Messiânico resultam igualmente insustentáveis. Aí está uma das principais falhas do
yisraelismo britânico. O termo "grande" usado também para se referir a Yshmael (Yismael) ou
os atuais árabes em Bereshit/Gn. 17:20, e 21:18.
Isso significa que os Yismaelitas atuais, por si só, são as dez tribos perdidas de Yisrael? Claro
que não! Não são, ainda que devido a enorme multiplicação da semente de Efrayim, há sem
dúvida, Yisraelitas perdidos também entre os Yismaelitas! É interessante, que apesar da
afirmação feita pelo Yisraelismo anglo, no sentido de que esse país ofereça albergue à todas
as ovelhas perdidas das dez tribos, não há espaço suficiente para os exilados judeus ou as
ovelhas judias, que vagaram entre as dez tribos como resultado do cruzamento histórico! Ficam
excluídos a não ser que venham a “Cristo” (palavras deles). Não há lugar, de jeito nenhum,
para o judeu errante, não regenerado, no anglo yisraelismo, como um herdeiro absoluto do
povo unido de Yisrael. Isso é totalmente contrário ao que de fato ensinam as
Ketuvim/Escrituras. Elas ensinam que quando Yisrael for completamente restaurado, se incluirá
como é natural, aos judeus de todas as nações. A teologia das duas casas não exclui ou
afasta, de nenhuma maneira, aos judeus, fazendo que sejam substituídos, nem abandonados,
ou pessoas descartadas. O anglo yisraelismo afirma que os anglo-saxões são os únicos que
são os descendentes puros, sem se contaminar, diretamente das dez tribos de Yisrael. O
problema com isto, é que estes "yisraelitas puros" são uma mistura de sangue celta,
normândico e germânico! (3) (4) Há mais sangue alemão ou edomita nas monarquias da Grã-
Bretanha do que sangue anglo-saxão. Todos os reis da Inglaterra, a única nação que se supõe
que é puramente Efrayimita, é realmente o resultado de uma mistura entre a Casa de Hanover
e a Casa de Brunswick (5), ambas de genealogia germânica. Aos atuais monarcas antes de
serem conhecidos como a Casa de Windsor ou os Windsor, eram conhecidos como os Saxo-
Coburgo-Gothas de ascendência alemã. Adotaram o nome familiar de Mountbatten-Windsor
em 1917 do Castelo de Windsor durante a Primeira Guerra Mundial, por motivos evidentes. (6)

68
Em outras palavras, os monarcas da Inglaterra são mais alemães ou edomitas, do que são
"yisraelitas puros", inclusive ainda existisse um conceito de verificação como o da pureza
yisraelita. Portanto, o trono da Inglaterra, tem mais vínculos de união com Alemanha e com a
Roma histórica, do que com as dez tribos de Efrayim/Yisrael. Portanto, o verdadeiro rei sobre
as duas casas de Yisrael (7) é um Yahudi/judeu, pois veio sobre a descendência de Dauid, e
jamais um Efrayimita, nem um alemão, por mais que isso possa molestar aos yisraelitas
britânicos. Outros yisraelitas britânicos, em um esforço por conceder um grau de viabilidade à
suas absurdas afirmações de que a monarquia inglesa descende diretamente de Judá, pois de
fato tentaram fazer um “malabarismo” com as genealogias de Matityahu/Mt. e Luka/Lucas,
segundo Foy. (8) De fato, têm se voltado a escrever as genealogias com a finalidade de criar
algumas conexões superficiais e falsas com a Casa real de Dauid. Estas genealogias
blasfemas dos supostos laços de união judia da casa de Brunswick, foram criadas tomando
convenientemente, 32 gerações desde Luka/Lc. 3:32-38. E a seguir, no meio da genealogia de
Luka, começando por Luka/Lc. 3:33, mudam de repente a genealogia de Matityahu/Mt.,
capítulo um, versículo 7-10! De alguma maneira foi arranjado para se contar 48 gerações, e
deste modo, têm o total das 48 gerações desde Avraham a Zedequías, não de uma só
linhagem de antepassados estabelecidos, senão juntando e colando as duas genealogias, que
são totalmente diferentes uma delas baseada em Miriam (Maria) e a outra baseada em
Yahusef/José, o padrasto de Yahushua! Isto apesar do fato de que nenhumas das duas
genealogias originais mencionam a Zedequías! Nesta nova configuração, que não é outra coisa
que um aborto genealógico, eliminam os nomes de Yoaqim ou Jeconias em Matityahu/Mt.
1:11, e inserem Zedequías, a fim de poder justificar-lhes como os herdeiros por direito, ao trono
de Dauid. Desta maneira, colocando a Zedequías e tirando a Jeconias, o que estão fazendo
realmente é se suicidar. Estamos a ponto de inteirar-nos, de que Zedequías não era, nem ao
menos, um herdeiro legítimo, senão, mas sim, um governador marionete.
Com isto chegamos ao que é possivelmente sobre a principal diferença entre o yisraelismo
britânico e a verdade a respeito das Duas Casas. Qualquer seita que esteja disposta a mudar
as genealogias na Palavra de YAHUAH, apesar das contundentes advertências de
Devarim/Dt. 12:32 e GilYahna/Ap. 22:18-19, é um grupo perigoso no melhor dos casos, e
blasfemo no pior deles. Portanto, qualquer pessoa com um mínimo de entendimento a respeito
das doutrinas errôneas do yisraelismo britânico, que se esforçasse em apresentar um quadro
profético da verdade das duas casas de uma maneira tão ampla, está praticando Lashon Harah
(isto é, ter uma língua malvada e uma disposição maquiavélica). Só um escuro elemento dentro
do Judaísmo Messiânico, com uma agenda questionável, teria a chutzpah (ou “cara de pau” no
português puro e duro) de fazer a acusação de que a teologia das duas casas é fruto da
imaginação ou um desvio do anglo-yisraelismo. A verdade do assunto, é que estas duas
doutrinas são diametralmente opostas uma à outra, em quase todas as formas possíveis.
Apenas sabemos que nenhum aspecto entre os dois ensinos são similares. Como temos
sublinhado na quarta parte desta série "O que o Judaísmo Diz Realmente A respeito da
Semente de Yahusef/José", o único aspecto que existe uma concordância, é que segundo A
MANEIRA DE PENSAR E O ENSINO TRADICIONAL JUDAISMO RABÍNICO, a maioria (não
todas) das dez tribos acabou por emigrar ao noroeste da Europa e às Américas.
Portanto, enquanto o Yisrael messiânico concorda em que as nações anglo-saxônicas do oeste
contêm milhões de pessoas Efrayimitas, o Yisrael Messiânico não limita o esperma de Efrayim
a uma só nação ou a uma série de nações, raças, como o faz o yisraelismo britânico. Entender
a localização e ao que ocupa o trono de Dauid é possivelmente a diferença mais surpreendente
entre as duas doutrinas. A doutrina mais diabólica e s.a.tânica, é a destituição do trono de
Dauid de Yahrushalayim (tanto terrena como celestial) para Londres e a destituição do Messias
Yahushua do trono, com o fim de estabelecer a Casa de Brunswick-Casa de Hanover-Casa de
Windsor, que tem uma base alemã. As Ketuvim/Escrituras estão perfeitamente claras ao dizer
que o Mestre Yahushua está sentado para sempre no trono de Seu reino, que começou há
2000 anos! Esta flagrante destituição do Filho de YAHUAH do trono de Dauid, para sentar nele
a Rainha Isabel é blasfema, ainda que fosse uma mera sugestão e só aceito em um coração
não regenerado! Qualquer doutrina, por mais duradoura que seja e superficialmente formosa
que pareça que destitui o Moshiach Yahushua do trono, com o propósito de colocar uma
pessoa de carne e osso nele, tem sua origem no mais profundo “inferno”. É precisamente este
mesmo ensino equivocado da destituição do trono de Dauid para Londres, o que se encontra
no centro do coração da doença do yisraelismo britânico. Aqueles que pertencem ao judaísmo

69
messiânico e praticam Lashon Harah, afirmando que o Yisrael messiânico se subscreve ao
engano semelhante, estão insinuando que nós também participamos em mudar e escrever de
modo diferente as genealogias da Devar/Palavra de YAHUAH! O Yisrael messiânico, não está
disposto a destronar ao Rei perpetuo dos judeus e Mestre de nossas vidas, com o propósito de
colocar outra pessoa no trono de Dauid! Desejamos fazer um apelo àqueles que pertencem ao
judaísmo messiânico e que têm estado blasfemando contra nós, fazendo estas falsas
acusações, pedimos que se arrependam e que o façam por escrito, ou nós faremos como faz a
Katuv/Escritura e lhes responderemos de maneira pública. Aprofundemos nas maneiras
mediante as quais as Ketuvim/Escrituras estão sendo torturadas pelos anglo-yisraelitas, com a
finalidade de lhe tirar o trono de Dauid ao Filho de YAHUAH, bem como sua capital, para a
deles, isto é, para Londres. Esta enganosa doutrina começa com uma maneira equivocada de
entender o que diz em Yirmiyahu/Jr. 33:17, que afirma que não faltará a Dauid um homem
que se assente sobre o trono da Casa de Yisrael. Este Pasuk/passagem é uma das peças
chaves do yisraelismo britânico. Em seu livro "The USA and Britain in" Prophecy (Os Estados
Unidos e Grã-Bretanha na profecia) Herbert W. Armstrong o expressa da seguinte maneira:
- "Não só que esse trono ficou estabelecido para sempre, senão que terá de existir
continuamente, para sempre, ao longo de todas as gerações. Se o trono de Dauid cessou com
Tzidkiyahu (Zedequías), nesse caso não seguirá existindo hoje e se não existe na atualidade,
como poderá o Mashiach sentar em um trono que não existe? Portanto, os defensores do
yisraelismo britânico ensinam que Tzidkiyahu é o último rei judeu em judah antes do ano 70 do
exílio babilônio, que devia ter descendentes, que seriam aptos para herdar o trono.
Yirmiyahu/Jr. 52:11, afirma que Zedequías morreu no cativeiro babilônio, após secar os olhos.
Portanto, o yisraelismo britânico ensina que tem que existir um disponível herdeiro de
Tzidkiyahu, que de continuidade a esse trono, a fim de que se cumpra o dito em Yirmiyahu/Jr.
33:17. Sobre a base deste falso entendimento, afirmam que segundo Yirmiyahu/Jr. 43:5-7,
Yirmiyahu foi ao Egito, com o propósito de buscar as filhas de Tzidkiyahu (Zedequías) e para
encontrar nelas ao herdeiro legítimo ao trono. Portanto, pensam que Yirmiyahu voltaria a
plantar o trono de Tzidkiyahu em algum outro lugar (9) para se assegurar de que tivesse
alguém que o ocupasse em cada geração, mas não é isto o que pensa o movimento que
acredita na existência das duas casas, de nenhuma maneira! Aqueles que pertencem ao
movimento profético das Duas Casas, sabem que não podem seguir esta linha de pensamento.
Sabem, para começar, que Yirmiyahu não poderia ter voltado a plantar o trono de Dauid em
nenhuma parte, quanto menos na Irlanda, com nenhuma das filhas de Tzidkiyahu, já que o
próprio Tzidkiyahu não era um herdeiro legítimo do trono por três motivos importantes:
- Primeiro de tudo, Tzidkiyahu (Zedequías) era o resultado de uma nomeação política, por parte
de Nabucodonosor, em Yahrushalayim Divre Hayamim Bet/2 Cr. 36:10. Tzidkiyahu era irmão
de Yahuyakim (Joaquim), não seu filho. O filho de Yahuyakim era o herdeiro legítimo cujo nome
era Yekoniyah (Jeconias) (10). De ter estado Jr. buscando aos filhos de Joaquim, então o conto
de fadas do yisraelismo britânico poderia ter resultado com credibilidade. Por que ia fazer
YAHUAH que um profeta como Yirmiyahu/Jr., dirigido pelo Ruach/Sopro de YAH, corresse a
trás das filhas de um homem que não era o herdeiro legítimo do trono dauídico para começar?
Nunca teria plantado em outra parte o trono de Dauid com as filhas de Zedequías! Ele sabia
perfeitamente que o verdadeiro herdeiro de Joaquim era Jeconias, não Zedequías, que era o
irmão do deposto rei Joaquim. Não existe passagens concretas e escritos, que verifique que
Yirmiyahu/Jr. não buscasse aos filhos de (Yahuyakim) Joaquim e por boa razão. Em
Yirmiyahu/Jr. 22:24-30, YAHUAH faz cair uma maldição em todas as gerações e irreversível
sobre a semente ou linhagem de Coniah filho de Joaquim (ao que também se lhe conhece
como Conias ou Jeconias). Portanto, nenhum descendente de Jeconias, jamais poderia sentar-
se legalmente no trono de Dauid. Não teria filhos, no sentido de que nenhum de seus filhos
(devido a maldição nas gerações de seus descendentes) poderia desfrutar jamais das bênçãos
de sentar no trono de Dauid. Sabemos que Jeconias teve um filho chamado Salatiel, mas isso
foi após a maldição sobre a monarquia dauídica da linhagem de Jeconias e que, portanto, fazia
que sua descendência não pudesse optar ao trono! Yisrael não teve um monarca que
ocupasse o trono de Dauid, desde os tempos de Joaquim (Jeconias) até o nascimento virginal
de Yahushua. A maneira correta de entender Yirmiyahu/Jr. 33:17, é que nunca faltará um
homem (ou um candidato) que ocupe o trono de Dauid. Em cada geração terá um candidato,
que seja idôneo e esteja disponível, pertencente a Casa de Daiod, para ocupar o trono. No
entanto, devido a maldição perpetua que pesa sobre a linhagem, cada geração será

70
testemunha de que o candidato não subirá ao trono! Portanto, estava ordenado que desde
Jeconias até a vinda do Messias, existia o trono, mas que ninguém poderia ocupá-lo! Ainda que
tivesse candidAt. ao trono! Em Yirmiyahu/Jr. 22:4-30, YAHUAH coloca fim, da maneira mais
singela e infantil, a fatídica monarquia dauídica mediante esta maldição! Portanto, inclusive
ainda que Zedequías tivesse sido o herdeiro legítimo de Joaquim, ou se inclusive o seu filho ou
seu neto direto, descendente físico (o qual tenta demonstrar o yisraelismo britânico juntando e
colando estas duas genealogias diferentes) não poderia herdar legalmente o trono. Portanto,
temos dois pontos contra Zedequías ser o herdeiro legítimo. O terceiro e final, além do mais
convincente, contrario a Zedequías, é que sua descendência se encontra em Yechezkel/Ez.
21:25-27. Aqui o mesmo YAHUAH que elimina a Zedequías, do trono marionete de
Nabucodonosor! Portanto, Zedequías e sua descendência têm sido despossuídas por YAHUAH
a reclamação ao trono dauídico! No versículo 25 de Yechezkel/Ez. 21, YAHUAH mostra à
Zedequías O DIRIGENTE EQUIVOCADO OU O PRÍNCIPE MALVADO DE YISRAEL! ISSO,
POR SI SÓ É O RECONHECIMENTO POR PARTE DE YAHUAH, COM RESPEITO À
ZEDEQUIAS, E QUE OCUPE O TRONO DE NABUCODONOSOR E NÃO O DE DAUID. NÃO
PODE OCUPAR O TRONO DE DAUID, JÁ QUE NÃO É O CANDIDATO APROPRIADO E
TAMBÉM NÃO É KADOSH! A MALDIÇÃO DE JECONIAS ASSEGURARIA QUE O KADOSH
DE YISRAEL FOSSE O PRÓXIMO OCUPANTE LITERAL DO TRONO!
Mas não acaba aí. No versículo 26 de Yechezkel/Ez. 21, YAHUAH instruiu a Yechezkel, que
lhe tirasse a coroa de Zedequías, bem como o turbante real da autoridade, humilhando desse
modo e fazendo que ficasse despossuído do trono. Zedequías é o ocupante ilegal e exaltado
do trono de Dauid, a respeito do qual, se diz para Yechezkel que está sendo humilhado. A
exaltação do humilde ou O Humilde é uma clara referência messiânica à exaltação do Messias,
como servo humilde e sofredor, que teria de se converter no PRIMEIRO OCUPANTE
LEGÍTIMO DO TRONO DE DAUID DEPOIS DE Joaquim. Nosso Mestre Yahushua se
converteria no ocupante final, começando por Sua primeira vinda, não com Sua segunda vinda,
como afirma o yisraelismo britânico! A declaração de Luka/Lc. 1:32-33, feita em relação direta
com Seu nascimento virginal na ”manjedoura”(termo errado para Tenda ou Suká) de Belém,
afirma que se assentará no trono dauídico, governando a Casa de Yaakov/Jacó (as 12 tribos)
para sempre. Está claro, portanto, que Seu reino sobre os filhos de Yaakov começou desde
Seu nascimento, não com Seu regresso prometido! Então, em Yechezkel/Ez. 21:27, para
enfatizá-lo ainda mais, YAHUAH diz três vezes:
"Em ruínas, em ruínas, em ruínas a converterei!" querendo dizer que ia pôr fim, de maneira
permanente, a qualquer e a todos os ocupantes por tentar sentar no trono de Dauid, como fez o
ilegítimo e equivocado príncipe Zedequías. Ademais YAHUAH afirma que esta destruição ia ser
tão absoluta, que nenhum mortal poderia restabelecer o trono, até a vinda do Messias
Yahushua ou aquele a quem pertença a justiça. YAHUAH o entregará somente a Ele! Esta
declaração em Yechezkel/Ez. 21:27, contrasta por completo com o ilegítimo e equivocado
Zedequías, que um dia será substituído pelo Justo, o Messias humilde (11), que terá de
regressar, e que lhe pertence para sempre o trono perpetuo de Dauid! Este é o claro e simples
ensino das Ketuvim/Escrituras, bem como o claro e singelo ensino do esplendoroso movimento
de Restauração das Duas Casas de Yisrael. Além de mudar o yisraelismo britânico as
genealogias das escrituras, leva em sua versão, o estilo conto de fadas, um passo mais além.
A filha de Zedequías tinha ido a Mitzrayim/Egito e, desse modo, havia se colocado sob o
castigo de YAHUAH, não debaixo da bênção. (12) O yisraelismo britânico ensina que o limitado
número de pessoas que escaparam do Mitzrayim/Egito em Yirmiyahu/Jr. 44:28, incluía a
semente real das filhas de Zedequías. Como mostra anteriormente, as filhas não eram reais,
mas se achavam sob a dupla maldição, como herdeiras da declaração da geração de
Yirmiyahu/Jr. 22:24-30, assim como pelo ato de desobediência de fugir do Mitzrayim/Egito, o
qual era contrário as ordens de YAHUAH. Portanto, sendo Yirmiyahu/Jr. cheio e dirigido pela
Ruach/Sopro de YAH, não teria tentado jamais o resgate da semente real do Mitzrayim/Egito,
pois para começar, não eram de semente real! Melhor, a missão de Yirmiyahu no Egito era a
de proclamar a insatisfação de YAHUAH e a advertência aos judeus, que se refugiaram no
Egito, no lugar de ceder tranquilamente e de ter conseguido que as suas vidas fossem livradas,
como YAHUAH suplicou que fizessem por meio de Yirmiyahu/Jr.. O conto de fadas do
yisraelismo britânico, com respeito a que o trono de Dauid ia ser transferido para Londres,
continua como se segue: Ao redor do ano 580 AEC o profeta Yirmiyahu aparece na Irlanda
com Tea Tefi, a filha real de Zedequías, a que é, por assim dizer, o pilar de Yaakov, a harpa de

71
Dauid com o escriba chamado Simon Breach, que supõe que representa ao escriba Baruk.
Segundo a lenda irlandesa, este ancião do oriente chama-se Olam Fodlah. Segundo este conto
de fadas, Tea Tefi casou-se com um rei irlandês judeu, chamado Rei Eochaidh sobre esta
pedra, completando deste modo a missão de replantar o trono de Dauid na Irlanda. A suposta
cerimônia de coroação teve lugar em cima desta rocha (conhecida também como Lia Fail) após
a Judá fosse desterrado de Yisrael. A arqueologia apresenta uma imagem diferente sobre a
origem de Lia Fail. Lia Fail não acompanhou nunca a Tea Tefi desde Egito, senão que sua cor
e sua composição, fazem que a maioria dos experientes entenda que é de origem escocesa!
(13). Por tanto, mediante o suposto casal de Tea Tefi com um rei judeu irlandes (sobre envolver
Fail), cujos antepassados tinham vivido na Irlanda, procedentes de Sefarad/Espanha, durante
500 anos antes de que se supõe que chegasse Yirmiyahu/Jeremías. Assim diz a lenda, que
YAHUAH reuniu a linhagem real dos Fares, representados por Tea Tefi, com a linha de Zara de
Judá, representada pelo rei irlandês Eochaidh. Crê-se, portanto, que o trono resultante, reunido
e plantado de novo na Irlanda, reuniu na Irlanda às linhagens reais de Fares e de Zara,
pertencentes a realeza de Judá. Este ato, por parte de Yirmiyahu, supostamente conservou o
trono, fazendo que estivesse a salvo, separado da conquista e a luta de Nabucodonosor e o
tempo que ficaram nos 70 anos do exílio. Este conto de fadas contínua dizendo que mais
adiante, o trono foi levado para a Escócia e depois para Londres, ao redor do 1296 AD, o qual
eles afirmam que foi profetizado por Yetzchekel/Ez. 21:25-27. Quando existe um entendimento
devido, os três traslados, mencionados em Yetzchekel/Ez.21, não podem se referir as
supostas transferências destes três países, da Envolve Fail, debaixo do trono da coroação,
sendo transportada desde Yahrushalayim/Jerusalém à Irlanda, desde Irlanda para a Escócia e
dali para Londres, onde se diz que permanece conservado até que regresse Yahushua.
Esta invenção a respeito destas três transferências, ficou descartada por completo, quando o
anterior Premiê britânico John Major, regressou para Envolve Fail na Escócia em 1996,
fazendo um total de quatro regressos! Com uma decisão política, Major destruiu para sempre
uma das crenças básicas do anglo yisraelismo. Isto foi uma “Maior” decisão. Temos tentado
fazer uma rima! Em uma cerimônia especial, o anterior Premiê Major disse: "Acho que neste,
700 aniversários, de sua transferência da Escócia, é apropriado a devolver (a Envolve Fail) a
seu lar histórico!" (14). Portanto, inclusive na história prática, não se pode argumentar que o
trono de Dauid se encontra agora em Londres. Esta quarta derrubou e tem deixado aos
defensores deste venenoso sobre ensino anti-semita, em dificuldades para dar resposta em
suas fileiras, que estão rapidamente diminuindo. A fantasia do Israel britânico, em seu formato
mais básico, é uma série de alucinações mentais, acompanhadas por uma lógica deficiente,
entre um povo que alimenta seus desejos imaginativos! A declaração dos três derrubados
pronunciamentos, aceitada tal como é, mostra o desagrado absoluto de YAHUAH com
Zedequías e seu malvado reinado! Mediante esta declaração, YAHUAH assegura-se de que
ninguém jamais possa praticar o mau de Zedequías, supondo que ocupam o trono de Dauid,
até que venha Yahushua, o herdeiro legítimo. Desde que Ele veio pela primeira vez, nunca
mais o trono seria derrubado, já que segundo diz em Luka/Lucas 1:32-33, Ele reinará e
ocupará o trono para sempre. Para sempre quer dizer precisamente isso: Para sempre! Apesar
das intensas escavações históricas em busca de fatos comprováveis que colaborem com a
tolice de Tea Tefi, não existe um mínimo vestígio de evidências históricas fidedignas nem
comprovada, de que Yirmiyahu/Jr., esteve jamais na Irlanda, quanto menos com a filha de
Zedequías, que era duplamente amaldiçoada como herdeira falsa do trono. Em toda a história
irlandesa, incluindo o totalmente fidedigno "Irish Antiquities" (“Antiguidades Irlandesas”) uma
fonte respeitada, não se faz menção alguma de que tivesse um grupo que viajasse e que
chegasse do oriente. Esta absurda tese jamais foi comprovada ou se achou um único vestígio
da evidência histórica que aferrasse o yisraelismo britânico, não é estranho? Somente se acha
nesta lenda irlandesa deste conto de fadas, recitado pelas escolas. É útil recordar que a
maioria destas bem conhecidas lendas foram escritas após o 600 AD, isto é, mil anos após os
supostos acontecimentos da chegada de Yirmiyahu/Jr. com Tea Tefi. Segundo o historiador
cristão Nick Greer "ao ler a literatura anglo-Yisraelita, eles se dão conta de que isto geralmente
faz parte do folklore, das lendas, das genealogias quase históricas e das duvidosas
etimologias! (15) É sobre esta areia movediça, que o Yisraelismo britânico apoia sua
veracidade. Como questão do registro escritural, diremos que os que escaparam do castigo no
Egito, não foram para a Irlanda, senão que as Ketuvim/Escrituras afirmam que regressaram
para Judá! (16) As Ketuvim/Escrituras guardam um silêncio a respeito de uma viagem para a

72
Irlanda e nós devemos fazer o mesmo. O que sim deduzimos, esta baseado nas
Ketuvim/Escrituras, é que o trono não se transferiu jamais de Yahrushalayim/Jerusalém à duas
ou três localizações diferentes, senão melhor, que ele ficou vago (desde Zeconias até o
Messias), e reservado para o Justo. De que modo escapou Yahushua da maldição de Joaquin?
Em primeiro lugar, o nascimento virginal do Messias, deixou de lado a necessidade de um pai
humano, PASSANDO POR SIMA, DESTE MODO, DA MALDIÇÃO DOS DESCENDENTES
FÍSICOS DE JECONIAS! A genealogia de Lucas é a de sua mãe Miriam, por meio de Natan,
filho de Dauid, e não de Salomão, filho de Dauid. Desta maneira YAHUAH desvia a maldição
perpetua da descendência de Jeconias, incluindo aos descendentes de Salomão de Jeconias,
permitindo a Yahushua herdar o trono de Sua mãe Miriam, por meio de Natan não de Salomão.
A linhagem de Natan não tinha sido inspirada pelo Criador e amaldiçoado, portanto Yahushua
nasceu como filho de David e Natan, bem como o filho de David e de Salomão. O nascimento
virginal não foi só um milagre de proporções em massa, como sinal da vinda do Emmanu-El,
senão uma necessidade biológica se Yahushua tivesse que herdar o trono de Dauid, tanto da
linhagem de Natan como do de Salomão.
Yahusef/José, o padrastro de Yahushua, ele estaria amaldiçoado como descendente físico e
direto de Jeconias! De modo que, o nascimento virginal libertou Yahushua da maldição de
Jeconias, permitindo-lhe herdar o trono, tanto por parte de Miriam/Maria como de
Yahusef/José, fazendo que fosse o herdeiro, por parte dos dois! Nenhum ser humano poderia
ter deixado de lado a maldição perpetua de Jeconias como Yahushua, já que nenhum deles,
exceto Yahushua, tinha nascido de uma virgem! Já que nenhuma das sementes de Jeconias
podia herdar o trono sem um nascimento virginal e tendo em conta que o nascimento virginal
foi um acontecimento que só se produziu uma vez, todos os reis ingleses que reclamam o trono
de David (nada menos que POR PARTE DE SALOMÃO) estão se enganando de maneira
miserável. Portanto, a imaginação dos israelitas britânicos, por todas as partes, é uma
imaginação da mais elevada ordem, que disputa com as produções de Hollywood, como
possam ser O Mago de Oz, Pinóquio e Alice no País das Maravilhas. Ao menos, sabemos
quem criou e legitimamente herdou essas produções. Quanto a identidade do autor de Olam
Fodlah-Tea Tefi, dos contos irlandeses, se tivéssemos de aventurar uma opinião, tentando
adivinhar, diríamos que o autor certo seria S.A.TÃ! Hoshea-Os. 3:4-5, anula por completo as
afirmações do yisraelismo britânico de cada geração que afirma ter um judaíta dauídico
governando e sentado no trono de Dauid (nem sequer existe), governando a Casa de Efraim.
Hoshea-Os. 3:4-5, relata o fato histórico, de que os filhos de Israel ou as 12 tribos, incluindo
aos efraimitas, não teriam nenhuma classe de rei DURANTE MUITOS DIAS. Esta situação do
trono vazio chegaria ao seu fim, segundo o versículo 5 de Hoshea-Os. 3, nos últimos dias
desta era, ou ao final do Olam Hazeh. Somente por meio de teshuva/retorno as origens e de
arrependimento à YAHUAH, permitiria Ele que os filhos de Israel tivessem um rei dauídico,
NOS ÚLTIMOS DIAS. Estes começaram com a primeira vinda de Yahushua e acabarão cedo
com a vinda do atid lavoh ou o reino milenar, começando com Sua segunda vinda. Portanto,
desde Jeconias, perto de 600 AEC, até o próximo herdeiro legítimo de Israel, decorreriam 600
anos. Isto evidentemente bloquearia a suposta ascensão de Zedequías ao trono dauídico. Se
fizesse Teshuva e por meio do Dauid Superior (Yahushua) terá como resultado, que o povo de
Israel (as 12 tribos completas) acabem nos longos dias (600 anos) sem um rei dauídico. O
yisraelismo britânico, contínua aferrando-se à falsa de noção de que durante esses 600 anos
além dos 2000 últimos anos, o ocupante ao trono tem estado sentado na Europa. As
Ketuvim/Escrituras ensinam que durante esses 600 anos, o povo de Israel estaria sem um rei
dauídico, até que o Herdeiro Legítimo vier, segundo diz em Yetzchekel/Ez. 21:27. Este
herdeiro legítimo ou Kadosh/Separado, não permitirá que ninguém se sente mais sobre o trono,
até que Ele venha! Ele mesmo se sentará no trono como Emmanu-El para sempre. Uma maior
segurança da presença permanente de Yahushua sobre o trono fez que Ele o eliminasse do
âmbito da Yahrushalayim terreno, à Yahrushalayim celestial de cima, que está livre dos que a
reclamam e onde Ele se assenta no trono, de maneira indisputável, sendo o Cordeiro sem um
rival. Portanto, hoje encontramos o trono de Dauid no céu, com o Cordeiro de YAHUAH,
sentado sobre ele para sempre. Você não o encontrará em Londres, com a rainha Isabel
sentada sobre ele. Ele foi transferido ao céu para conservá-lo e tê-lo a salvo das diferentes
religiões, que pretenderiam abusar do trono vazio visível, para sua própria vantagem pessoal,
para seu enriquecimento ou seus planos. O trono de Dauid repousa, plantado no terceiro dos
três céus (fora do alcance de S.A.TÃ), protegido pelo Aba/Pai celestial e não por Yirmiyahu/Jr.,

73
segundo Tehilim/Sl. 110:1, e outros numerosos Pasukim/passagens do livro de Hebreus. Nos
céus nenhum homem mortal pode tocar o trono nem sequer vê-lo, até que YAHUAH mesmo
decida quando será o momento oportuno para que regresse à Yahrushalayim e não para
Londres! Quando regressar Yahushua para Yahrushalayim (17) como o Melech há
melechim/Rei dos reis, o trono estará com Ele, já que o acompanha, onde quer que Ele vá. No
seu regresso à Yahrushalayim/Jerusalém no Monte das Oliveiras, Ele o estabelecerá, de
maneira visível, de novo em Yahrushalayim no Monte do Templo, de onde existia
originalmente. YAHUAH, em Sua infinita sabedoria, tem protegido o trono, colocando-o fora do
alcance daqueles, como os israelitas britânicos. A muitos outros grupos como os Rastafaris,
que têm tentado colocar a Hailie Selasie no trono por meio de sua teologia, a eles é impedido
de conseguir desta maneira. Nenhuma carne e nem sangue poderá usufruir dessa maneira,
roubando o poderio de YAHUAH! Seu trono tem sido colocado fora do alcance de todos,
separado dos Yisraelitas nascidos de novo e os guerim/estrangeiros individuais de todas as
nações e línguas que caminham na fé, e não conforme o que veem. Segundo Maasheh
shlichim/At. 15:16, Yahushua tem estado reconstruindo o Seu Mishkan/Tabernáculo de Dauid
na terra, desde o céu e voltará a colocá-lo de maneira visível na terra, em toda sua forma
completa e real, no seu regresso, quando S.a.tanás permanecerá atado durante mil anos. (18)
Se a Grã-Bretanha e os Estados Unidos são exclusivamente Efrayim e Manashsheh, por que
não buscam estas duas nações a YAHUAH, como se tem profetizado que teria de fazer Yisrael
durante os últimos dias? (19) Por que se encontram estas duas nações da terra no centro da
produção e distribuição de toda classe de materiais ímpios e malvados, juntamente
acompanhado de ruachim/espíritos impuros? Em lugar de fazê-lo, ambas as nações se vão
separando cada vez mais de YAHUAH, não regressando a Ele. Portanto, é preciso que tenha
outros efrayimitas e Yahuditas, separados das duas nações, que estejam regressando à
YAHUAH e à justiça por meio de Seu Filho, a fim de que se cumpra a profecia do capítulo 3 de
Hoshea/Os.. Sabemos que isto é a respeito dos crentes judeus e não judeus, que estão
nascendo de novo e se uniram ao Mishkam/Tabernáculo de Dauid. O Pasuk/passagem de
Hoshea/Os. 3:4-5 revela que nos últimos dias as ovelhas perdidas de ambas as casas de
Yisrael regressarão de maneira individual (não como as duas nações da Grã-Bretanha e dos
Estados Unidos) ao arrependimento e a teshuvah, procedentes da diáspora mundial. Isto não
pretende contradizer as palavras nos escritos anteriores, onde se utilizou muitas fontes
judaicas, que revelam que tanto a Grã-Bretanha como, de maneira especial, os Estados Unidos
(20), contêm ambos, grandes multidões de pessoas Yisraelitas, procedente de ambas as
casas. Daí que a emigração das dez tribos, assim como a dos judeus na Diáspora, é
escrituralmente e historicamente verificadas, e muito fácil de seguir estas pistas. (21) Mas não
podemos dizer o mesmo com respeito à possibilidade de seguir a pista e sobre a mudança do
trono dauídico para a Irlanda, por parte do profeta Yirmiyahu/Jr. desbancando, dessa maneira,
o pilar principal da teologia anglo-yisraelita!
Os Yisraelitas messiânicos podem aceitar estes padrões de emigração em direção ao Oeste,
por parte de alguns yisraelitas britânicos como fato, já que nossas fontes de confirmação são
judaicas e históricas, Mas, apesar disso, não podemos tolerar os outros ensinos do anglo-
yisrael, por causa de outros numerosos aspectos problemáticos que já temos mostrado antes.
No entanto, existem aqueles que, por ignorância e em ocasiões de boa vontade, acusam a
teologia do Yisrael messiânico de ser uma cópia exata do yisraelismo britânico. Essa é uma
acusação da mais absurda, já que todos os Yisraelitas messiânicos se doam aos seus irmãos
judeus e estão dispostos a apoiá-los na vida e na morte. Os Yisraelitas messiânicos têm
colocado, por definição, a Yahushua no trono de Dauid, tanto por meio de uma comprovação
histórica, como pessoal e espiritual. Nem um só Yisraelita messiânico sonharia jamais, e jamais
sugerir que, de algum modo, Yahushua não se encontra no trono de Dauid, e sim, a rainha
Isabel neste trono.
Advirto a todos aqueles que usam esta crença unida do Israel britânico e a teologia das duas
casas, a respeito deste tema em particular, sobre os padrões de emigração das dez tribos, que
são verificáveis, tanto historicamente, como uma espécie de apoio das duas casas da teologia
do anglo-yisraelismo, que deixem a Lashon Harah (a língua malvada)! Seus papéis brancos
converteram-se em instrumentos de injustiça e de calúnia, de maneira que precisam se
arrepender com um ruach de mansidão. Estes mensageiros têm mal interpretado,
propositadamente, a teologia das duas casas, para que dê a impressão de que são cópias

74
exatas e distorcidas do Israel britânico. Se for incluído, erroneamente, a todo o Yisrael
messiânico, colocando a todos no mesmo saco, na heresia e blasfêmia de nosso movimento
sionista, baseado na Torah, do yisraelismo britânico, você estará participando de calúnias. Nem
Battya Wooteen, nem este autor, estamos usando e não desejamos usar a nenhuma fonte ou
material de investigação do yisraelismo britânico, para estabelecer a verdade a respeito das
duas casas. Não somente refutamos, mas negamos usar qualquer material deste grupo, pois
até agora negamos a tratar deste tema, porque pensávamos que este assunto e estes grupos
são totalmente diferentes do nosso ensino. Por desgraça, devido ao sucesso obtido pelo
demônio em incitar a carnalidade de alguns de nossos irmãos judeus messiânicos e cristãos,
nos vemos agora obrigados a fazer este esclarecimento. O yisraelismo britânico ensina que os
"cristãos” anglo-saxãos brancos protestantes, são os únicos yisraelitas legítimos. No entanto, o
Yisrael messiânico reconheceu que a condição permanente e constante da Comunidade de
Yisrael, tem sido selada e decisivamente determinada pela fé escritural salvadora, não só pela
linhagem. O anglo-yisraelismo é um apelo total só a linhagem, como a única base da aceitação
de seus ensinos.
O Yisrael messiânico reconhece que é o remanescente das duas casas, isentado e cheio de
confiança, além dos que não são yisraelitas, mas que possuem a fé, que possivelmente não
tenham linhagem yisraelita, o que compõem o Yisrael de YAHUAH, segundo diz em
Galutyah/Gl. 6:16!, e que Yisrael é uma manifestação do ministério de inclusão e não de
exclusão de Yahushua, enquanto o yisraelismo britânico não deixa lugar em sua teologia
retorcida, para o judeu que tem fé, para os judeus que não são salvos ou para o que não é
yisraelita, mas tem fé. Portanto, não consideram como legítimos de dois em cada três grupos
de pessoas, que compõem na atualidade o corpo de Yahushua! Esta é uma diferença muito
evidente entre os dois movimentos. Um grupo é escritural e inclui a todos enquanto o outro
resulta vergonhosamente racista! O yisraelismo britânico é uma das principais forças que se
ocultam, depois da controvérsia a respeito de só a Versão do Rei James, ensinando aos
protestantes bem intenciados por todos os lados, que a Versão (inglesa) do Rei James é a
única tradução da “Bíblia” que é digna de confiança. O yisraelismo britânico tem alimentado o
ódio e a intolerância que tem dado pé para queimar outras edições das Ketuvim/Escrituras no
passado. Eles tacham de hereges àqueles que se atrevem a levar ou a estudar outras “Bíblias”
para edificação ou esclarecimento. De onde procede esta arrogância? Por suposto que de sua
doutrina retorcida a respeito do trono de Dauid, como é natural! Já que, segundo seu falaz
raciocínio, o trono da Inglaterra é o trono de Dauid, que melhor que um descendente da casa
real de Dauid, o próprio Rei James, para ser autor da versão autorizada inglesa? A Versão
Autorizada está autorizada pelo yisraelismo britânico! Este movimento considera que o Rei
James, por ser descendente direto de Dauid, por meio de Zedequías, foi escolhido por
YAHUAH para produzir o dom da tradução inerente ao inglês.
Portanto, qualquer que recuse a “Bíblia” do Rei James-Dauídica, como a única tradução da
Palavra de YAHUAH ao inglês, não era súdito do trono de Dauid (o Rei Jorge) a Igreja da
Inglaterra (sua perversão do Sanhedrín judeu - Grupo de anciãos que julgam as coisas
referentes a Torah) e as pessoas do yisraelismo britânico. Historicamente, a “Bíblia” do Rei
James converteu-se na prova definitiva, entre os verdadeiros yisraelitas e os impostores, isto é,
“os judeus que tinham matado a “Cristo”, que se faziam passar por yisraelitas”. Só os
verdadeiros yisraelitas, que se tinham submetido ao trono falso de Dauid em Londres e à Igreja
da Inglaterra, levariam e jurariam pela “Bíblia” do Rei James. Este é o ensino do movimento
das duas casas que você acredita? No movimento verdadeiro e puro das duas casas, podemos
encontrar toda classe de “Bíblias” e toda classe de traduções para todos os gostos. Soa-lhe
isso como se os defensores das duas casas fossem, na realidade, anglo-yisraelitas
disfarçados? Está na hora dos críticos da teologia das duas casas, deixem de mentir e falsificar
seus chamados papéis brancos e de que se arrependam diante do Todo poderoso YAHUAH,
por terem uma língua que está sempre julgando e enganando. A verdade histórica da
recopilação da “Bíblia” do Rei James é bastante diferente do que pretende o yisraelismo
britânico. Está baseada no Novo Testamento grego, publicado pelo Católico Romano Robert
Estenne, (também chamado Stephanus para resumir) em 1550. O manuscrito de Stephanus
baseia-se em fragmentos bizantinos que se uniram, nenhum dos quais é anterior ao 1200 AD.
Este manuscrito tinha o livro de Gilyahna/Revelação em latim, não em grego. Portanto, os
manuscritos usados para a produção da Bíblia do Rei James, são fragmentados,
linguisticamente misturados e incluem adições Católicas Romanas falsificadas, como diz ser

75
Yochanan Alef/1Jo. 5:7 e outros versículos questionáveis, como também Matitiyahu/Mt. 28:18-
20 (formula trinitária). Estes e outros versículos da Bíblia do Rei James não se encontram em
nenhuma outra parte em nenhum manuscrito mais antigo, do século quinto A.D (como são os
respeitados Manuscritos do monte Sinai)! Portanto, ser leal só a Bíblia do Rei James, revela
que os defensores do yisraelismo britânico são de fato defensores da Igreja Católica Romana e
a suas práticas prostitutas espirituais papistas, que exista algum suposto trono de Dauid
originado em Londres. A maioria dos yisraelitas britânicos possivelmente viraria em suas
tumbas, se descobrissem a verdadeira origem do manuscrito "original", usado pela Bíblia de
seu reverenciado Rei “Jaiminho”! Um destacado teólogo católico romano e homem da igreja,
que uniu tudo! Que estes fatos aqui expostos sirvam de advertência a qualquer rabino
messiânico que presenteia a um novo crente judeu com uma Bíblia do Rei James, propagada e
distribuída originalmente pelos que odiavam aos judeus, e depois você dará conta, agora
compare o Yisrael messiânico que se doa pelos judeus com o anglo-yisraelismo. É o trabalho
de o pastor saber e pesquisar estas coisas, chamar a prestar contas, se limita a recitar as
doutrinas escriturais das abundâncias, a fim de proteger as ovelhas dos lobos religiosos da
teologia da substituição, que se uniram. A Bíblia do Rei James é uma tradução legítima, mas
não é superior a outras traduções e leva consigo o estigma dos planos do anglo-yisraelismo,
juntamente com vários textos que foram acrescentados há 500 anos!
As pessoas do yisraelismo britânico são cristãos fundamentais, que não têm nenhuma pressa
em expor os poucos conhecidos, mas bem documentadas práticas homossexuais e pedófilas
do mesmo Rei James! O colonialismo britânico histórico dos anos de 1900, com seu costume
de afogar as liberdades humanas, era o resultado de uma teologia que proclamava e que já
tinha se profetizado, que Yisrael seria o possuidor das portas de todos seus inimigos, o domínio
do mundo, e, portanto, o seu direito de primogenitura como Yahusef/José. Deste modo, sempre
que a Grã-Bretanha flexionava seu poderio militar de uma maneira injustificada, atuando como
polícias do mundo por meio do imperialismo, e quando os “Bíblicas” que prometeram
abundancias territoriais de Israel, como arados de seres humanos inocentes na escravidão e a
servidão, enquanto continuavam convertendo as pessoas inocentes em escravas e as
submetiam a servidão. Muitos dos que ocupavam cargos de autoridade no governo, se valeram
das crenças do yisraelismo britânico para justificar um colonialismo e imperialismo sem limites.
Como explica um membro do yisraelismo britânico:
- "Singelamente governamos todas as nações, pois Ele que decretou deste modo diz: Porque a
nação e o reino que não te sirva (Yisrael-Grã-Bretanha) perecerão, sim, essas nações serão
totalmente desoladas.” Portanto, não existem nações e nem povos, senão que o mundo será
um e indivisível e o mundo será uma Grã-Bretanha." (22) Daí que o racismo natural e o
resultante colonialismo agressivo da teologia do yisraelismo britânico seja uma conquista
mundial, militarmente, já que nenhuma outra nação tem sido e nem sequer foi reconhecida fora
de sua absorção colonial, debaixo do governo da Grã-Bretanha.
O Yisrael messiânico, por outro lado, segue o simples exemplo escritural de construir o
Malchut/Reino de Yahushua, que não é deste mundo, senão que é melhor Malchut/Reino, que
terá de se estabelecer por meio da Grande Comissão e que se converterá em uma realidade
no tempo do milênio ou do Atid Lavoh, a idade vindoura. As metas do Yisrael messiânico, é ver
a Yahushua reunir e atrair a Yisrael por meio da Ruach(Sopro de YAH) e não pelo poder, para
que seja uma esposa preparada para cumprir as obrigações e os deveres do Malchut/Reino. A
última coisa que participaria o Yisrael messiânico, seria na conquista física do território que não
pertence a Yisrael, simplesmente pelo valor do território. Portanto, o comparar a teologia
agressiva do colonialismo com um pacifista, que proclama a restauração de Yisrael pelo
Moshiach de YAHUAH, é uma horrível calúnia e fruto de um comportamento nefasto. O
yisraelismo britânico têm a tendência de fixar datas. Muitos proclamaram falsamente que a
Guerra do Golfo de 1991 era o Armagedon de Gilyahna/revelação 16:16 e no passado fixaram
no ano de 1917, como a data original em que se produziria o regresso secreto de Yahushua.
(23) Esta maneira de fixar datas tem causado inclusive, que pessoas que eram oradores
destacados do yisraelismo britânico, como o Dr. John Matthews, em 1945 referissem-se ao
anglo-yisraelismo como uma teoria! (24) Apesar de ter ficado muitas vezes envergonhado, isso
não significa que se diminua a atração que se sinta neste movimento por fixar datas. O grupo
do Yisrael messiânico, por contraste, segue a advertência de seu Mestre em Maasheh
Shlichim/At. 1:7, que não nos cabe a nós saber os tempos nem as datas que estão

76
relacionadas com a pronta e total restauração de Yisrael. O Moreh/Mestre Yahushua nos disse
como edificar a Yisrael, nos deixando a Grande Comissão de Maaseh shlichim/At. 1:8. Na
prática, o yisraelismo britânico encontra-se mais próximo do Catolicismo Romano, do que está
da teologia a respeito das duas casas. O papismo romano apresenta aos Papas como o vicário
do Mashiach em Roma, no trono dauídico de Yahushua. Por isso, o yisraelismo britânico se
encontra em sua forma mais vulnerável, sendo muito semelhante ao papado, que destaca a um
ser humano e que afirma representar o Mashiach, comodamente sentado no trono dauídico do
Mashiach, em lugar de que o Mashiach mesmo ocupe Seu próprio trono. Isto coloca ao
yisraelismo britânico na mesma categoria que as Testemunhas de Jeová ou os russelistas, que
afirmam que o trono de Dauid se materializou aqui na terra, lá pelo ano 1914, somente diante
de umas poucas pessoas escolhidas. O yisraelismo britânico tem muito mais ensinos em
comum com os russelistas e o papado, do que com os do Yisrael messiânico, que não teriam
nunca a chutzpah de deslocar a Yahushua como Mashiach e Mestre, sobretudo o Yisrael do
Pacto Renovado. O Yisrael messiânico e a verdade das duas casas, considera estas vindas
secretas de Yahushua e do trono de Dauid como completas heresias e um exemplo extremo da
interpretação privada das Escrituras, a respeito do qual nos advertiu Simón Kefa (Pedro)! (25).
No que se refere ao idioma, existe uma outra discrepância fundamental entre a linguagem
escritural das duas casas em hebraico e o do yisraelismo britânico e seu idioma inglês.
Segundo Herbert W. Armstrong, em seu livro "The United States and Britain in Prophecy” (Os
Estados Unidos e Grã-Bretanha na Profecia) diz que "as Escrituras ensinam claramente que os
yisraelitas mudariam seu idioma hebraico pelo inglês (Yeshayahu/Is. 28:11). YAHUAH deixaria
de falar seu idioma hebraico nativo, para falar em outra língua a este povo yisraelita. Isto não
se pode aplicar aos judeus que ainda leem suas escrituras na língua hebraica." As pessoas do
movimento das duas casas, não pretendem estudar uma nova língua materna do anglo-
yisraelismo ou inglês, senão que estão experimentando muito melhor, regressando ao
hebraico, sua língua ancestral. As classes de hebraico abundam em todo o movimento do
Yisrael messiânico. A maior parte do movimento das duas casas, acredita com razão que
Yeshayahu/Is. 28:11 e Qorintyah alef/1 Cor. 14:21, refere-se ao sinal do dom de línguas
estrangeiras, que se manifesta na eklesia-Kehilah-congregação. Os defensores das duas casas
não aceitam que Yeshayahu/Is. 28:11 prometa que um novo idioma nacional, somente aos
efrayimitas anglo saxões, substituindo, de fato, ao hebraico como língua materna de Yisrael. Os
versículos citados por Armstrong, são singelamente uma promessa sobre os dialetos que foi
dada em Maaseh Shlichim/At., capítulo dois no ano 33 A.D, para o ensino e proclamação da
Besorah/evangelho nas diferentes partes da terra. O yisraelismo britânico oferece uma
explicação da mais retorcida a respeito de quem é o renovo de Yetzchekel/Ez. 17:22. Afirmam
que este renovo é a filha de Zedequías, já que era uma jovem e inocente como o renovo. Se
ela (Tea Tefi) era tão inocente, por que estava no Egito desafiando a advertência concreta de
YAHUAH ao remanente de judah, de não fugir dali para se protegerem no ano 586 AEC?
O renovo não é a filha do rei (Tea Tefi) senão YAHUSHUA O MASHIACH, o mesmo renovo do
que se fala no pasuk/passagem a respeito do servo sofredor em Yeshayahu/Is. 53:2. O Yisrael
messiânico concorda com a interpretação clássica de Yetzchekel/Ez. 17 como uma profecia
estritamente messiânica. Os defensores das duas casas, em seu desejo por serem grandes no
reino do Yisrael restaurado no milênio, praticam e ensinam a Torah estabelecendo, desse
modo, uma relação especial com todos os segmentos do judaísmo baseado na Torah, incluindo
ao messiânico. O yisraelismo britânico, por outro lado, considera a Torah como o contrato
matrimonial de um povo recusado e desprezado há muito tempo, que são os judeus. (Só
Herbert W. Armstrong, usa algo a seu favor, se desviando da Igreja da Inglaterra, baseada no
inglês, sobre a questão da perpetuidade da validade da Torah!) Soa isto como se a verdade
sobre as duas casas e o yisraelismo britânicos fossem duas teologias paralelas? Somente os
que têm sido totalmente enganados ou aqueles que têm o ruach/sopro controlador no
Messianismo, se atreveriam a fazer semelhante acusação! O situar de maneira paralela ao
yisraelismo britânico e a teologia a respeito das duas casas como uma teologia racista, é um
sinal da ignorância e a falta de conhecimento neste campo em particular. Os fatos são fatos.
Os estudos históricos, geográficos e etimológicos de toda classe de diversos campos
teológicos, incluindo ao judaismo da primeira fila, têm oferecido provas esmagadoras, no
sentido de que a maioria das nações de fala inglesa do oeste e especialmente da Europa e os
Estados Unidos descendem das dez tribos. Daí que todas as notas ao pé da página, oferecidas
na parte quarta desta série sobre a restauração seguem sendo válidas. Além dos povos anglos

77
saxões de fala inglesa no oeste (26), outros yisraelitas emigraram e foram assimilados em
regiões como as da Ásia Menor (Antioquia), no sul da Rússia, Macedônia (a Europa do sul),
África, tanto do norte como do sul, e as antigas regiões dos impérios medo-persas e caldeu (o
moderno Iraque e Iran) e a Síria. Isso é o que separa a verdade a respeito das duas casas do
anglo-yisraelismo. O Yisrael messiânico não limita os padrões de emigração efrayimita a uma
só nação ou a uma só comunidade de nações, como a Grã-Bretanha, ainda que admitimos que
numerosos povos na Grã-Bretanha descendem da semente de Efraím. O Israel messiânico
proclama o que proclamam as Escrituras! Que a Casa de Israel (as dez tribos) foi absorvida ou
se converteu em uma só carne com as nações pagãs (27) porquanto não ficou limitada aos
povos anglos saxões ou judeus. A postura a respeito das duas casas está totalmente apoiada
pelos Judeus Ortodoxos do Chabad Lubavitch, um dos grupos tradicionais mais estritos da
Torah messiânica, como se pode ver de primeira mão em suas páginas de seu Site:
http://moshach.com/tribes. Segue as pistas sobre as descobertas relacionadas com as dez
tribos, com relatórios modernos de verificação que se referem com exatidão a estas ovelhas
perdidas pertencentes de Yahusef/José e não como judeus. Portanto, como se demonstrou,
historicamente, a maior parte do povo britânico são uma grande parte daqueles que descem
das dez tribos. No entanto, ao invés que os anglo-yisraelitas, o Israel messiânico não limita sua
descendência só a um grupo de nações de fala inglesa. Após tudo isso, não foi este autor que
seguiu a pista das dez tribos das Ilhas de Tarshish (28) a Sefarad/Espanha e da Inglaterra na
Europa. Foram os mais bem eruditos respeitáveis, como Abrabanel e Rashi. (29)
Portanto, a identificação das dez tribos como se acham principalmente no oeste, não tem nada
a ver com as fontes de informação do anglo-yisraelismo para chegar às conclusões a respeito
das duas casas. Melhor do que um rabino judeu, minhas conclusões se baseiam
principalmente em meus antepassados judeus tradicionais, que são destacados e experientes
neste assunto, sem que tivessem um plano nefasto. Quando suas conclusões, juntamente com
as dos historiadores muito respeitados, como possam ser Ptolomeo, Homero e Edersheim
validam a Escritura, temos as duas testemunhas que é necessário para estar de acordo com a
Torah. Nada mas do que as palavras de Edersheim demonstram por si só que nos tempos de
Yahushua, as dez tribos estavam fora de Israel, vagando por outras nações pagãs! Não se faz
referência a elas como se tivessem estado vagando no Monte do Templo! (30) Portanto,
porquanto podemos condenar, no geral, a teologia do yisraelismo britânico, o que não podemos
fazer é negar a historicidade dos padrões documentados da emigração em direção ao oeste, só
porque o judaísmo messiânico tenha solicitado. No entanto, apesar de um entendimento
correto dos enormes padrões de emigração na Inglaterra, o yisraelismo britânico deve seguir
sendo considerado como uma doutrina demoníaca, e que existe uma diferença de 180 graus
com a teologia a respeito das duas casas, em seus ensinos contrários a ortodoxia.
1. Maaseh Shilichim/At.1:6, Lucas 24:21
2. Wallace, Foy E., Jr. (1945) Utterly Refuted! God's Prophetic Word, Ch. 11, [On-line].
Disponível em: http://www.bible.ca/pré-british-israelism-foy-wallace.htm, p. 38.
3. Idem.
4. Idem.
5. Idem. 90
6. 1991 World Book Encyclopedia Vol. 21, p.336
7. Yeshaiyahu/Is. 8:14
8. Wallace, Idem., p. 20.
9. Yirmiyahu/Jeremías 1:10
10 Yirmiyahu/Jeremías 22:24
11 Filypsyah/Filipenses. 2:8-11
12 Yirmiyahu/Jeremías43: 17
13 Greer, N., British-Israelism and the Revival Centres. [On-line]. Disponível em:
http://www.preteristarchive.com/MistakenID/meu-brit.html, p. 4.

78
14. Idem, p. 4.
15. Idem, p. 3.
16. Yirmiyahu/Jeremías 44:14, 28
17. Zechariyah/Zacarías 14: 1-5
18. Gilyana/Ap..20: 2-3
19. Hoshea/Os. 3:4-5
20. Koniuchowsky, M. (November, 1999). Part 6: Another Appointed Place. Your Arms To Israel
Newsletter. Vol. 10, Não.5.
21. Koniuchowsky, M. (Summer, 1999). Part 4: What Judaism Really Says About Joseph's
Seed. Your Arms To Israel Newsletter. Vol. 10, Não.3.
22. Professor E Odlum, God's Covenant Man-British Israel p.30 & p.32
23. Dr. John Matthews, Morning Cometh p. 25, p. 56
24. idem, p.57
25. Kefa Bet/2 Pedro 1:20
26. Koniuchowsky, Ibid., Part 4.
27. Hoshea/Oseas 8:8 e 10; 9:17
28. Tehilim/Sl. 72:10
29. Tehilim/Sl. 72:10
30. Edershiem, The Life And Times Of “Jesus” The Messiah 1973 pp.15-16

79
ORDENS PARA MARCHAR!

A OITAVA PARTE DE UMA SÉRIE CONTÍNUA SOBRE A COMPLETA RESTAURAÇÃO


YISRAEL!

Nos últimos dias desta era, ao nos aproximarmos do Atid Lavoh ou a era vindoura (isto é, o
milênio) devemos nos assegurar de que as ordens para marchar são escriturais e de que todos
sejam de um mesmo sentimento quanto à metodologia que YAHUAH, o Todo-poderoso, tem
ordenado para usarmos para restauração de nossa nação. Tenho aqui algumas diretrizes
escriturais de Yechezkel/Ez. 37, onde todos nós deveríamos de usar, a fim das atividades que
fazemos para Ele nestes últimos dias desta era, sigam um bom caminho.
1) Devemos oferecer sempre soluções à ambas casas de Israel, conforme ao que diz em
Yechezkel/Ez. 37:17. Tudo o que fazemos, devemos realizar com pesos e medidas que sejam
iguais. Foi dito ao profeta, que ele seria um exemplo ou um motivo de estudo para o crente,
cheio da Ruach/Sopro de YAH, nos últimos tempos. Como Yisraelitas messiânicos que somos,
devemos estar dispostos a tirar as vendas de nossos irmãos, pertencentes a ambas as casas,
oferecendo salvação à Yahudah/Judá e a identidade da Torah para Yisrael. Podemos mostrar ao
mundo a equilibrada e efetiva visão das duas varas. Deixemos de usar a terminologia do
passado, o ministério judaico e gentil, que só ocasiona divisão nos diferentes campos, deixemos
de apoiar aos ministérios que tentam reconciliar à chamada "igreja" e aos judeus. Essa classe de
reconciliação é impossível, já que segundo as Ketuvim/Escrituras, existe uma só assembleia e
não duas! Temos que permitir que os nossos corações, nossas vidas e nossas boas obras, sejas
as mesmas que Yechezkel/Ez., onde a ele foi dito que fosse uma carta viva para o povo de
Yisrael, quando se tratava de uma carga e uma comissão de YAHUAH em relação as duas
casas.
2) Segundo Yechezkel/Ez. 37:21, YAHUAH trará de volta a nosso povo, de todas as nações e,
portanto, devemos ir a todas as nações,levando a mensagem da Besorah/evangelho.Uma vez
que uma pessoa responde a Besorah/evangelho, é uma manifestação evidente da herança
yisraelita por meio de qualquer das duas casas e quando os que não são yisraelitas são
enxertados, vieram a fazer parte de Yisrael e da oliveira de Yisrael também. Este é, portanto, um
ponto chave. Se tivermos de enviar yisraelitas de todas as nações de volta à terra de nossos
pais, vamos ter um impacto sobre um discipulado a estes novos crentes, introduzindo lhes o
ahava (se doar) por Tzion, bem como um anseio e um entendimento de YAHUAH acerca do
apelo para regressar a sua terra. O Todo poderoso YAHUAH está chamando a você hoje, de
maneira que se você ouvir a Sua voz, se assegure para discipular a estes novos convertidos
como Yisraelitas em Tzion, por meio de Tzion e por ahava a Tzion. Ele não considerará
inocentes àqueles que enviam as ovelhas perdidas de Yisrael para as igrejas, num estilo
romano, para ser sincretizados e ensinados por pagãos (isto é a fusão da verdade com o erro)!
3) Segundo o versículo 2 de Yechezkel/Ez. 37, a nossa mensagem DEVE ser de sanidade e de
reconciliação nacional. Nossa mensagem não deve simplesmente guiar a pessoa à YAHUAH
pelo sangue precioso de Yahushua, senão que deve conter também previdência (sanidade) para
um povo dividido, para que ambos clamem ao mesmo a Aba/Pai de Yisrael, a fim de que os
transforme e os converta de novo em uma só nação. Devemos de compartilhar com os crentes
de todos os lugares que somos um sacerdócio Kadosh/Separado e um povo especial, como
parte da revelação de YAHUAH, também somos UMA NAÇÃO SEPARADA, segundo Shimon
Kefa (Kefa Alef/1 Pd. 2:9).
4) Nosso apelo nestes últimos dias, deve incluir um apelo para ambas as casas para que
abandonem de imediato todas as formas conhecidas de idolatria e de práticas pagãs, que se
introduziram na emunah/fé messiânica, segundo Yechezkel/Ez. 37:23. Isto vai desde o óbvio ao
sublime. O apelo dos bem conhecidos títulos pagãos (Deus, SENHOR, Jesus Cristo,) para que
usemos os verdadeiros nomes de nosso Aba/Pai celestial e Seu Filho celestial, este é um

80
desses aspectos evidentes. O dar aos meses e as semanas do calendário judaico os nomes das
deidades falsas babilônias é uma abominação menos evidente, mas igualmente repugnante para
YAHUAH, o Todo poderoso! O deixar totalmente de lado o peso dos pecados pagãos em ambas
as casas (Ivrim/Hb. 12:1) como possam ser as falsas celebrações, criadas por Yahroboam
(Jeroboão), e perpetuadas pelas festas pagãs, que foram criadas por Roma Papal para substituir
as convocações para o "Shabat", ao primeiro dia da semana, todas estas violações, precisam
acabar com esta nossa visão que YAHUAH tem nos dado. Estamos sendo chamados com o
propósito de dar vários passos mais além, do que estão dispostos a dar os nossos irmãos
messiânicos judeus, renunciando a todas as práticas religiosas que não são toráticas/escriturais,
por mais familiares e cômodas que possam ser, a fim de que possamos herdar a aprovação de
nosso Aba/Pai YAHUAH (Legalismo, talmud, Kabalah, dogmas e tradições acima da Torah,
títulos e nomes substitutivos que violam a Torah no lugar do nome perpetuo de
YAHUAH/YAHUEH como, Eterno, Hashem, Adonay, D’us, etc). Este aspecto, é o mais difícil e
possivelmente o que mais surge controvérsias, é o mais necessário. O Aba/Pai tem ordenado
que quando chegar a plenitude do tempo para que as duas casas de Yisrael se reunirem em
ahavah (fraternidade) e aceitação, toda a idolatria, a asquerosidade, as profanações e todos os
repugnantes comportamentos espirituais e carnais terão que ser abandonados ao pé do Calvário
para sua imediata limpeza. Se a mensagem de buscar e destruir todos os ídolos pagãos de
ambas as casas, fazendo que você perca amizades e família, o que importa? É preciso chegar a
este ponto (Yechezkel/Ez. 37:23) no que a maioria de nós, se não andamos com cuidado,
podemos acabar fazendo concessões e, desse modo, resultar ineficazes em levar e transmitir a
tocha purificadora de YAHUAH, como parte da definitiva visão dos últimos dias para uma nação
totalmente arrependida e limpa. Quando as duas casas buscarem e pedirem a
Teshuvah/arrependimento por seus comportamentos passados, que foram adotados pelas
nações durante nossa Galut (Diáspora), Ele concederá a libertação. Recorde que não podemos
nos concentrar no paganismo de Efrayim, sem lhe fazer o mesmo à Yahudah. Portanto, é
necessário que usemos pesos e medidas iguais (Mishle/Pv. 20:10) em nosso apelo, ou caso
contrário teremos que prestar contas ao Aba/Pai das Luzes, por praticar a mesma classe de
abominação que Ele quer que abandonemos! Ele restaurará a nossa nação por meio de vasilhas
entregues e dispostas a levar o Seu fogo purificador (Malachi/Ml. 3:2-4).
5) O Nosso grito é para proclamar a Yahushua como Melech/Rei dos Yahudim/judeus e
Moshiach/Messias sobre todo Yisrael. Portanto, em nosso grito como instrumentos que
participam na iluminação da nossa nação de Yisrael restaurada, é preciso que mantenhamos
todas as coisas enfocadas, elevando a Yahushua ou ao "Grande Dauid" como Messias e Mestre
sobre toda Yisrael. Segundo o versículo 25 de Yechezkel/Ez. 37, ambas as casas terão o
mesmo Rei. Esta afirmação encontra-se também em Hoshea/Os. 1:11, onde os filhos de ambas
as casas nomeiam profeticamente ao mesmo Melech/Rei como O Rei sobre as duas casas. Não
devemos de esquecer, o emocionante e o revolucionário entendimento que realmente é este.
Não houve um rei que governasse sobre todas as 12 tribos desde os tempos de
Shlomo/Salomão, há 2.900 anos. Existe muita evidência de que inclusive durante os dias de
Shlomo/Salomão e de Dauid, houve períodos de falta de harmonia, de discórdia e inclusive
momentos em que, durante o reinado de Dauid, Efrayim se retirava à suas casas pensando que
não havia esperança de igualdade e de um tratamento justo debaixo do filho de Yishai/Jessé. De
maneira que nosso grito é completamente diferente e, portanto, totalmente radical. Estamos
desafiando ao Yisrael não Yahudi/judeu, a que se una ao redor do Ben/Filho de Dauid,
Yahushua o Moshiach/Messias, e que lhe declare como Pastor e Moreh/Mestre sobre nossas
vidas. Não há dúvida de que buscamos um trabalho difícil. Em termos gerais, Yahudah/Judá
segue ainda se negando a coroar a Yahushua como o Bom Pastor de Yisrael, que morreu e deu
Sua vida pelas ovelhas, enquanto a Casa de Yisrael lhe adora olhando através de um cristal
escuro. Consideram-lhe um estranho, que veio a salvar aos crentes de Yahudah/Judá, em lugar
de os reunir com ele. O Pai celestial está dependendo de nós para resolver um problema de
2.900 anos de duração, nos concedendo o poder para obedecer a Suas ordens de marchar em
Yechezkel/Ez. 37:24. Ensinemos, instruamos e inclusive mandemos a ambas as casas a
nomear a um Yahushua escritural e o Seu reino em Tzión/Sião, recusando ao mesmo tempo a
um Jesus Romano, anti-torah, e seu reino através do fermento introduzido no Concílio de Nicéia.

81
6) A Torah é o manual de instruções para o povo isentado de Yisrael e, como tal, no versículo
24 de Ez. 37, YAHUAH nos ensina que o Yisrael restaurado e arrependido se caracterizará por
uma unidade e obediência baseadas na Torah, que será o instrumento chave usado por
YAHUAH para conservar essa unidade para sempre, quando toda Yisrael fizer Teshuvah/retorno
e estar firme em sua recém descoberta e determinação de caminhar conforme aos justos
decretos da Torah, prestando especial atenção a guardar os Seus Mandamentos. Finalmente,
nossa atitude de arrependimento, quanto à transgressão da Torah e anarquia, decidirá com
rapidez com que se possa desenvolver a restauração das duas casas nestes últimos dias. O Pai
tem determinado fazer que Efrayím pense na Torah como vida e não como algo estranho.
Efrayím está destinado a considerar a Torah como seus documentos de cidadania no reino e
não como um peso e uma corrente, enquanto o Pai decidirá que Yahudah/Judá terá que
abandonar todas as tradições que não são escriturais, em relação a Torah oral, que obscurece e
dilui a verdadeira e perpetua Torah escrita. Daí que a rapidez desta restauração dependa
absolutamente de que ambas as casas sintam um novo ahavah (fraternidade) pela Torah, a fim
de atuar conforme a ela no Ruach/Sopro de YAH e em Verdade. Sem a Torah, que nos serve de
manual de instruções definitiva, a respeito de como exatamente devemos andar e permanecer
na Ruach, nosso movimento está destinado a falhar. Então correríamos o perigo de ser deixados
de lado por seus precursores escolhidos, esperando a próxima geração enquanto morremos no
meio de um deserto espiritual. Não deve ser desse modo, já que o próprio YAHUAH tem
decretado o Seu desejo de que todos os Yisraelitas da Brit Chadashah/Pacto Renovado dos
últimos dias, bebam de novo do maravilhoso e protetor cuidado da Torah. É neste aspecto da
fraternidade com a Torah, que a batalha, que lhe foi coletivamente confiada a esta geração,
ganharemos ou perderemos! Uma das casas tem estado estudando a Torah oral, criada pelo
homem, durante 2.000 anos, enquanto a outra tem estado diluindo a Torah escrita e
corrompendo-a. Que esses dias acabem logo e tomara que isso aconteça durante a nossa vida!
7) A medida que avançamos com a Torah e com a Ruach/Sopro de YAH, devemos chamar a
todo Yisrael ao pacto de paz perpetuo, concedido à todo Yisrael por meio de nosso
Moshiach/Messias. Ele deve encontrar-se no centro mesmo de tudo quanto dizemos e fazemos.
Foi Ele que sangrou e sofreu por nossos pecados e não a Torah. Segundo o versículo 26 de
Yechezkel/Ez. 37, não devemos ser negligentes em lhe render tributo e jurar fidelidade àquele
que nos comprou por preço e que DEPOIS nos fez sentir fraternidade pela Torah. Se tivermos a
Yahushua como o ponto central de tudo o que fazemos e dizemos, então estaremos usando a
Torah como é devida e não de maneira ilegal (Timtheous Alef/1Tm.1:8). Éramos
Yahudim/judeus e Efrayimitas/Yisrael, biologicamente, muito antes que Yahushua entrasse em
nossos corações, mas não fomos aceitáveis ao Criador, até que Yahushua não viesse! Um povo
unido, que vive em harmonia e união, não deve esquecer nunca àquele que realmente comprou
seus templos e devem lhe jurar fidelidade a Ele e só Ele e a Seu esplendoroso e perpetuo Brit
Shalom/pacto de paz. Selah!

82
LIBERDADE DE CIRCUNCISÃO PARA O YISRAEL DA
BRIT CHADASHAH/PACTO RENOVADO

A Nona Parte da Série sobre a Completa Restauração de Yisrael


A Torah nos ensina que os Yisraelitas pertencentes a todas as gerações têm que cumprir
com três requisitos para poder comer a Pesach/Passagem/”Páscoa” Yisraelita, como co-
herdeiros em Yisrael. Estes requisitos básicos encontram-se no capítulo 12 de
Shemot/Êxodo. Para começar e, sobretudo, o Yisraelita ou o estrangeiro (Ger) deve ter o
desejo e a inclinação de permanecer ou unir-se de maneira permanente ao povo de Yisrael.
Exige-se que tanto o Yisrael-judaico como Efrayim após o ano 921 AEC, como o Ger,
permaneçam estáveis na corporação de Yisrael (Shemot/Êx. 12:48). Em segundo lugar,
deve matar e comer o Cordeiro Pascal, tanto ele como o resto de sua família e deve-se
aspergir na parte superior da porta de sua casa com o sangue do animal. No contexto do Brit
Chadashah/Pacto Renovado, como é natural, os yisraelitas que professam sua emunah/fé
no Messias Yahushua, devem de aspergir o sangue expiatório sobre os “umbrais” de nossos
corações, que é o lar onde o Ruach Hakodesh (Sopro de YAH) mora e, de fato, diz que
habita literalmente em seu interior. O terceiro e último requisito era e é o da circuncisão de
todos aqueles que comiam o Cordeiro de Pesach, que habitavam com o povo de YAHUAH.
Shemot/Êx. 12:48, ensina que antes de receber o Cordeiro de Pesach e a libertação, cedida
legalmente ao herdeiro legítimo em Yisrael, todos os homens deviam de se submeter a uma
circuncisão ou Brit Milah. As três ordens de Pesach Yisraelita eram obrigatórias como Torah
(Shemot/Êx. 12:49) para todo Yisrael, tanto para os que eram Yisraelitas biológicos, como
para os gerim (estrangeiros). Portanto, todos os que compartiam esta comunidade eram
yisraelitas e tinham uma Torah ou uma série de instruções para viverem separados.
Radicalmente diferente, é a Torah do judaísmo messiânico atual, no que se permite aos
"gentios" celebrarem a mesma Torah, se comportam como bons gentios mas pouco
submissos. Se qualquer destes chamados "gentios", deveriam dar um passo à frente
mediante a sua busca e pela reenvidicação pretendendo ou afirmando a igualdade
Yisraelita, e seu lugar como herdeiros da Torah e os frutos da obediência a mesma, se
desanimam, com a advertência descarada de que "a Torah é um peso somente para os
yahudim/judeus, e que vocês são demasiado fracos para aguentar a levá-la!" Não é uma
blasfêmia contra YAHUAH falar a respeito de sua Torah como se fosse um peso? Você não
tem medo ao contradizer as Ketuvim/Escrituras? [Leia Tehilim/Sl. 19, 119 e Timtheous Bet/
2 Tm. 3:15-17, para ver que as Escrituras (e a Torah fazem parte delas) não é um peso.] De
fato, a obediência a Torah não é mais que uma berachah/bênção. Por que íamos desejar dar
falso depoimento contra a YAHUAH e a Sua Torah? Por que íamos sentir o desejo de
desanimar no cumprimento da Torah, seja lá em qual nação estamos? Será que temos
medo de que eles iram fazer um trabalho melhor do que nós, e assim nos substituir? É o
medo que a observância da Torá seria classificada a todos que continuam na mesma, como
Israel? Que falta de emunah/fé no Todo Poderoso, que se doou tanto por nós e que tem
planejado desde o princípio nos isentar por Chesed/favor, naquele que se doou totalmente,
que deu Suas Instruções para nos mostrar o caminho pelo qual devíamos ir em direção ao
Todo Poderoso que fez um pacto perpetuo conosco, por meio de Seu sangue! Tendo em
conta a natureza perpetua destes três requisitos para a conversão a Yisrael por parte dos
gerim, juntamente com os que são yisraelitas por natureza biológica, é preciso que tratemos
o tema da circuncisão aplicada aos Efrayimitas/Yisrael que regressam, bem como aos de
Yahudah/Judah. Uma coisa está clara, segundo o que diz em Shemot/Êx. 12:24 e 42.
A celebração do Pesach hebreu é algo que devemos de guardar para sempre, de maneira
que os três requisitos, incluindo a circuncisão dos homens, é algo que é preciso fazer
também para sempre. Onde se encontra isso nos yisraelitas messiânicos, que afirmam que
a circuncisão do coração é um requisito que é imprescindível para cumprimento para

83
celebrar o Pesach hebreu e para ser um cidadão yisraelita? Simplesmente não cumpre o
requisito literal da Torah. Rav Shaul, conhecido também como “Paulo”, sabia que muitas das
nações as que estava levando a Besorah/evangelho, teriam que se submeter a esta
circuncisão física especificada, juntamente com a renovação do coração até a regeneração.
Era plenamente consciente que sua missão era reconstruir o Mishkan/Tabernáculo de
Dauid/Davi, conhecido também como a Comunidade de Yisrael. A fim de poder levá-lo a
cabo, era preciso que reconstruísse, segundo o grande desenho do Mestre construtor.
(Qorintyah Alef/1 Cor. 3:9-11). Se Rav Shaul tem ensinado equivocadamente aos crentes
não yahudim/judeus, que estavam sendo resgatados dentre as nações, que podiam comer a
Pesach ou ao menos uma mini-versão dela, conhecida como a “Santa Ceia do Senhor”,
seria verdade então, que descobriríamos que isso constituiria uma contradição direta e uma
violação da Torah e o requisito da Torah perpetua para participar do Pesach hebreu ou "a
Santa Ceia".
Quando temos perfeitamente claro que um rabino yahudi/judeu, que conhecia a Torah,
nunca obrigou aos novos conversos a quebrantar a Torah e a comer ilegalmente, trazendo
maldição à si mesmo, por não ter discernido das normas que governavam o como comer o
Pesach hebreu, então já não há mais remédio do que estar de acordo do que o que
realmente precisamos é mudar a nossa maneira de pensar em todos os ensinos de Pesach
que nos ensinaram. Se irmos em frente com essa alteração iremos fazer vistas grossas
quando olharmos de perto o que diz o Sefer/Livro de Galutyah/Gl., sobre o tema da
circuncisão dos homens, tentando fazer que as coisas concordem com a palavra, nas
Ketuvim/Escrituras. Não fomos chamados à transformar a Devar/Palavra, mas sim a declarar
que: Assim tem dito YAHUAH e nada mais que isso! YAHUAH tem ordenado que, segundo
Galutyah/Gl. 6:16 e Efsiyah/Ef. 2:11-19, todos os crentes realmente nascidos de novo, seja
por meio de Yahudah, de Efrayim ou por terem sido enxertados ainda que não sejam
yisraelitas (gerim), fazem parte da Comunidade de Yisrael e são cidadãos da mesma nação.
A constituição e o ketubah (certificado de casamento) dessa nação é a Torah, os cinco livros
escritos de Moshe/Moisés! O que resulta mais interessante é que a Katuv/escritura Judaica,
compilada pelo Dr. David Stern, traduz Efsiyah/Ef. 2:11,12 da seguinte maneira:
11- "Portanto lembrem-vos de vosso antigo estado. Vocês os gentios por nascimento,
chamados incircuncisos (akrobustia) por aqueles que, simplesmente por causa de uma
operação feita na carne, são chamados circuncisos (peritome);
12- não tínheis naquele tempo a um Messias. Vocês eram alheios a vida nacional de Yisrael.
Estes, que não eram yahudim/judeus, tinham sido estrangeiros, que segundo o Dicionário
Webster (em inglês) significa: "um amigo que tem mudado de rumo. “Mantido a distância.”
Não é essa talvez uma descrição da Casa de Yisrael? Amigos da família que têm mudado
de rumo e aos que agora se lhes mantém a distância! Isto é, até que venha o
Moshiach/Messias! A palavra grega que se usa em Galutyah/Gl. 2:7, em relação com o
ministério de Shaul-Paulo é para aos incircuncisos é a palavra akrobustia (da Concordância
Grega Strong, número 203), significa literalmente prepúcios que se atiraram (isto é, o
prepúcio ou a ponta que se descarta). Estava afirmando que da mesma maneira que
Yaakov/Jacó e Kefa/Pedro tinham sido chamados aos circuncidados (peritome; número
4061 Concordância Strong). Usa-se a mesma palavra peritome para descrever a missão de
Yaakov/Tg., Kefa/Pedro e Yochanan/Jo. ao Yisrael judaico. Este peritome significa aqueles
que vivem e permanecem com uma identidade circuncidada ou a Casa de Yahudah! A
palavra grega que usa Shaul para descrever seu ministério entre os que não têm sido
circuncidados em Galutyah/Gl. 2:7, descreve justamente o que estava fazendo Shaul nas
nações ou entre os Goyim (gentios). Ele estava buscando aos pagãos, como se ensina
habitualmente? Ou estava primeiramente buscando as ovelhas perdidas da Casa de Yisrael
(Efrayim) conforme as instruções de Yahushua? A palavra grega que utiliza Shaul quando
descreve a sua própria missão, às nações, é a palavra akrobustia, que não significa
precisamente um gentio, senão um subconjunto dentro dos gentios! O termo akrobustia,

84
contraria a peritome e aplica-se àqueles que tinham sido anteriormente circuncidados, mas
que por causa da desobediência e de uma aberta rebelião, tinham “jogado para longe” os
seus prepúcios, sendo, desse modo, como alguém que nasceu e se criou como um
gentio/pagão incircunciso (aperitome). O contrário de um ministério entre os peritome (que
tinha Kefa) que teve um ministério entre os aperitome ou os que nunca se tinham
circuncidado. No entanto, Shaul não afirma que seu ministério seja aos aperitome, ou aos
que jamais têm sido circuncidados, senão que, em seu ministério, segundo sua própria
descrição, era relacionado aos da akrobustia ou aqueles que tinham-se submetido a uma
circuncisão antigamente, mas aos que jogaram tudo para fora e abandonaram o caminho da
torah! A única nação que se encaixa neste contexto é a Casa de Yisrael, que atuou de
maneira profana onde quer que fosse entre os gentios. Quando viveram entre eles se
negaram a lutar por defender seu estilo de vida peritome, de emunah/fé, da mesma maneira
que fez Judah na diáspora. A Casa de Yisrael simplesmente atirou a toalha, sucumbindo ao
paganismo que lhes rodeava. Isso transformou seu estado original de peritome para
akrobustia, ou os circuncidados, que apesar de terem sido representados no papel de
prostituta considerando a vida segundo a Torah a um preço a se eliminar.
Por ter sido Shaul principalmente enviado aos pagãos primeiramente e, sobretudo, tivesse
usado a palavra aperitome, que é o contrário de peritome, acrescentando o prefixo de "a”
que nega o peritome! Mas em lugar disso, declara abertamente, que entendia a sua missão
identificando aos akrobustia como seu enfoque principal, colocando, desse modo, seu apelo
às nações (os gentios) em busca de dez tribos de Yisrael, de acordo com o Mestre mesmo!
Recorde o leitor, que Shaul poderia ter tranquilamente falado a respeito da Casa de Yisrael e
de Yahudah, mas em lugar disso, foi como alguém que sanava dentre os que tinham como
sobrenome de yisraelitas, tanto no caso dos peritome como dos akrobustia, para aqueles, na
qual ele foi enviado! Aqueles com frequência, aquelas pessoas difíceis de entender os
contrastes de Shaul/Paulo em RomaniYAH/Rm. 2:24-29, com respeito aos incircuncisos
(akrobustia) que praticavam a Torah e, desse modo, (uma vez mais) se voltavam
circuncidados, podem ser facilmente entendidos, quando nos damos conta de que eram os
akrobustia (Efrayim-yisraelitas) aos que Shaul está fazendo seu apelo.
É a Efrayim-Yisrael que Shaul está chamando a seu estado bendito de peritome original.
Shaul não está se dirigindo aos pagãos, que nunca foram circuncidados (aperitome) que se
convertam em yisraelitas simplesmente cumprindo com aqueles que foram circuncidados
como Mitzvot/mandamento da Torah! Ele sim, está chamando a Efrayim/Yisrael que
regresse-Teshuvah ao seu estado original, como o Yisrael fiel, que guarda a Torah.
RomiYah/Rm. 2:24 põe fim a qualquer dúvida, porque Shaul cita Yechezkel/Ez. 36:22-23,
como uma clara referência às dez tribos (a Casa de Yisrael), que eram responsáveis por
terem sido a causa de que o Nome de YAHUAH ficasse em desgraça entre todas as nações
(Goyim) onde quer que eles fossem! Este entendimento é a confirmação de que os crentes
no Messias são, de fato, os akrobustia e os peritome mencionados em Galutyah/Gl. 2:7,
reunidos no final. Os que estão longe e aos que estão perto, a se unirem por meio do
sangue expiatório do Messias! Em Yaakov/Tg. 1:2, vemos a epístola dirigida aos crentes
como um esclarecimento do versículo um, onde estes mesmos crentes no Messias são
chamados dentre as doze tribos dispersadas. Não se torna nada, muito mais emocionante e
não obriga ao que busca a tentar descobrir alguns significados ocultos, devidos a
significados secundários, e a uma super “espiritualização”, bem como a metáforas criadas
pelo homem, que tenham rejeitado a isso, em textos tão claros como estes. A cidade e o
livro de Galutyah/Gl. tomam seu nome da palavra hebraica que significa exílio, que é Galut.
No hebraico das escrituras, não há vogais e esta seqüência G-L-T se encontra em muitas
outras palavras. O livro de Galutyah/Gl. leva esta raiz hebraica inserida nela. A Casa de
Yisrael, que foi levada ao exílio pelos assírios no ano 721 AEC, se converteria nos primeiros
habitantes de Gálata. Galut ou Garut em armênio, pronunciando-se o “R” como em espanhol
ou francês, como fazem alguns judeus. Segundo fontes históricas, os Gl. eram três tribos
celtas, que falavam um só idioma e que se transferiram para a Ásia Menor ao redor do

85
terceiro século AEC, procedentes da Europa. Posteriormente foram subjugados pelos Rm.,
serviram-lhes e voltaram helenizados. É muito possível que pudessem ter sido tribos
yisraelitas tentando voltar à Terra Prometida, mas o fato é que não conseguiram chegar a
Yisrael. E poucos anos depois, o Hekel (Templo) foi destruído pela vontade do Aba/Pai. A
verdadeira razão pela que não se lhes exigia aos discípulos que não eram judeus para se
submeterem à circuncisão, não é por não poder exigir e possuir sangue yisraelita, senão por
causa de uma descoberta completamente diferente e ao mesmo tempo espantoso, em
relação com estes versículos:
- "A palavra circuncisão não significa Gentios nas Escrituras do Pacto Renovado/Brit
Chadashah e especificamente em Galutyah/Gl.. É preciso que dediquemos um tempo a
explicar isto. Para negar uma palavra como circuncisão em inglês, singelamente lhe
acrescentou o prefixo “un”. Em grego, faziam exatamente o mesmo. Há aqui um problema
de tradução ao inglês (ou ao espanhol) que aparece como incircuncisos ou incircuncisão. A
palavra grega normal para circuncisão é peritome (Concordância Grega Strong, número
4061). Tudo quanto se precisa em grego para negar é acrescentar o prefixo “a” na frente.
Algo bastante simples! Mas nas vinte ocasiões que aparece a palavra incircuncisos na
versão inglesa KJV, só uma vez, em Maaseh Shlichim/At. 7:51, aparece no grego como
uma negação de peritome ou aperitome. Surpreendentemente esta única exceção refere-se
não precisamente aos que não eram judeus, senão aos que eram judeus. As outras
dezenove vezes é uma palavra completamente diferente: akrobustia, que significa
literalmente a extremidade exterior do pênis, o prepúcio que era eliminado. Talvez esta
palavra akrobustia fosse demasiadamente forte para os tradutores, mas ao mudar seu
verdadeiro significado dos que tinham o prepúcio para o termo incircuncisos, se perdeu o
verdadeiro significado." A palavra hebraica para prepúcios é arelim, que é um masculino
plural. Em sua forma plural feminina é arlot, de onde se deriva a palavra inglesa harlot
(prostituta). Os judeus referiam-se a Casa de Yisrael, que foi levada em cativeiro, desta
maneira depreciativa. (Efsiyah/Ef. 2:11, falando ao Efrayim que regressa, Shaul afirmou:
- Lembrem de que em outro tempo vocês, os gentios (ethnos) em relação a carne, éreis
chamados incircuncisos (akrobustia ou os que têm um prepúcio, isto é o prepúcio que é
cortado ou eliminado) pelo que é chamado de circuncisão (peritome) na carne, feito por
mãos (isto é, pela Casa de Yahudah que cumpria a Torah). Eles, os akrobustia, eram os
descartados e considerados como réprobos. É preciso que estes significados sejam
recuperados de novo nos versículos em inglês, onde se encontra a palavra “incircuncisão”,
com a finalidade de observar que é a Casa de Yisrael no exílio que foi a que se dirigiu à
Shaul, quando se usa esta palavra em concreto." A referência em Galutyah/Gl. 2:7 não é às
nações pagãs aperitome, que não tinham sido nunca circuncidados, senão aos akrobustia,
ou àqueles aos que antigamente e em um momento, se lhes tinha cortado o prepúcio do
pênis (a Casa de Yisrael-Efraiym) somente para lançar este sinal de submissão e de
obediência aos ventos, como temos mencionado anteriormente. Este termo, tal e como
afirma o Rabino Klimeck, era de natureza depreciativa e aplicado a um grupo determinado
como náufragos (hereges, condenados, infernais) conhecidos, não aos pagãos incircuncisos
ou aos verdadeiros gentios, senão aos que tinham sido tão estúpidos, deixando tudo a
perder (desviados). Tinham sido circuncidados anteriormente e, como os akrobustia de
Yisrael, não precisavam ser circuncidados de novo.
Portanto não tinha necessidade de realizar uma circuncisão física aos que não eram judeus
e aceitavam ao Messias, já que tinham sido já previamente circuncidados nas gerações
anteriores. Portanto, não faria sentido alguém repetir o mitzvah/mandamento! Este termo
que é tão especial e concreto (akrobustia) que se identificou ao Yisrael exilado, como
aqueles que mencionam estes versículos. Não podemos eludir esta verdade, já que 19 de
20 vezes no Brit Chadashah/Pacto Renovado, se usa o termo akrobustia (não aperitome)
quando fala a respeito dos discípulos, que não eram judeus! Toda a suposta proibição
contraria a circuncisão física, que só se menciona no Sefer/Livro de Galutyah/Gl., é um dos

86
Pasukim/passagens mal interpretadas de todas as Kitvay Hakadosh/Separadas Escrituras.
“O Movimento Messiânico judaico fica satisfeito simplesmente repetindo o antigo e
desgastado “pábulo de igreja” argumentando que Shaul, um rabino judeu (que também se
chama a si mesmo de um yisraelita em Romiyah/Rom. 11:1) proíbe o selo simbólico do
Brit/Pacto de Avraham aos que não são judeus. Mas a circuncisão física não é só uma
ordem da Torah, senão um fato que antecede ao menos uns 600 anos a Torah. Portanto,
como podia Shaul chamar aos crentes ou Zera/esperma de Avraham (em grego) ou a
semente em Galutyah/Gl. 3:29, identificando com o Brit/pacto avrahamico, para depois
proibir de fazer a Brit Milah ou a circuncisão, que é o mesmo símbolo e o primeiro ponto em
relação a Brit Avrahamica para todos os novos convertidos pagãos (aperitome),
especialmente à luz dos akrobustia que regressavam? Se Rav. Shaul proíbe a circuncisão
na assembleia que plantou ele mesmo em Galut/Gálata para depois voltar atrás, para
circuncidar fisicamente a Timtheous/Timóteo, seu filho na fé, então nos encontramos com a
desagradável ideia de que Shaul era um hipócrita astuto, que ensinava uma coisa e fazia
outra diferente, especialmente no caso de um homem que era filho de um pai grego. Isto
resulta totalmente impossível, a todos os níveis de nosso entendimento hebraico das
escrituras.
Timtheous/Timóteo era considerado um aperitome ou um homem que não era judeu e que
não tinha sido nunca circuncidado, por ter um pai grego. Paulo responde selando-lhe, para
que faça parte da Brit/Pacto de Avraham, por meio da circuncisão. Devemos entender que
peritome ou "os circuncidados" nos escritos do Rav. Shaul, são um sinônimo do Yisrael
judaico. É relatado que Kefa/Pedro foi enviado aos circuncidados. Em Galutyah/Gl. 2:8, fala
a respeito do ministério de Kefa aos circuncidados e Shaul, e Teitus/Tito, mostra aos judeus
a nação dos circuncidados (peritome). Em seu contexto toda a heresia baseada em
Galutyah/Gl. não tem nada que ver com a circuncisão avrahamica, senão que está
ensinando falsidades na qual os irmãos de Yahrushalayim estavam fazendo proliferar na
Galácia. A saber, que uma pessoa que confia em Yahushua pela fé salvadora, não podia
salvar-se sem uma conversão, ordenada pelo homem, segundo os judeus, eram obrigados a
fazer (peritome) ou se converter ao judaísmo! Isso é uma heresia, porque a
besorah/evangelio é de graça a todo o que queira vir e, portanto, o livro de Galutyah/Gl.
proíbe as conversões ao judaísmo, criadas pelo homem (o peritome ou a nação
circuncidada), como uma espécie de requisito imprescindível para receber o sangue do
perdão de Yahushua.
Em nenhuma parte ele, ou os apóstolos proíbem, ou mesmo o relato de Bereshit/Gn. 17:23
ao recém convertido. Podemos estar totalmente seguros de que os novos convertidos, que
criam no Messias, eram circuncidados da mesma maneira que o foi Timtheous/Timóteo, que
sendo grego possivelmente tinha uma linha de sangue (por parte de pai) Efrayimita e de
(mãe) judia. Portanto, Teitus/Tito também devia ser circuncidado para que Shaul pudesse
ser consistente. Nem Timtheous/Timóteo nem Teitus/Tito eram judeus, pelo relato das
escrituras. Dezenove de vinte vezes o termo incircunciso, para a palavra em inglês traduzida
como gentios, significa, de fato, Efrayim (a Casa de Yisrael), "os que se desfizeram de seu
prepúcio." A única ocasião em que incircuncisos não significa akrobustia no texto grego
mesmo, é quando Tzefanyah/Estevão condena a liderança judaica de Yisrael como
aperitome. E na única vez que ele usou esse termo, ironicamente é com referência à
Yahudah/judah, não ao Yisrael/akrobustia. O argumento apresentado e Galutyah/Gl. é uma
poderosa evidência com respeito ao regresso ao lar dos akrobustia exilados e do fato de que
Shaul mesmo, não era, como normalmente se vem ensinando, o apóstolo dos gentios,
senão que foi enviado às nações para buscar primeiro e, sobretudo aos akrobustia
desprezados. As Ketuvim/Escrituras enfatizam que as viagens de Shaul foram feitas
principalmente à todas as nações, com o propósito de encontrar às ovelhas perdidas da
Casa de Yisrael no exílio, ou àquelas aos que se referem nas Escrituras como os akrobustia.

87
A paganização posterior a Nicéia, da comunidade messiânica, não muda o fato de que os
judeus e yisraelitas de todas as nações pagãs seguiam sendo ainda a semente biológica dos
patriarcas. A verdade subjacente (encoberta) é o que uma pessoa acredita, não pode ser
mudada (nem sequer na diáspora mundial) o chamado DNA! Há uma Besorah/evangelho
para os peritome ou judeus e outro para os akrobustia, ou os que se “desfizeram” de seus
prepúcios, que se espalharam e tinham enchido as nações com sua perversidade. Esta
chamada divisão é uma afirmação clara que dentro de Yisrael, a nação corporativa, existem
judeus fiéis que levam uma vida justa e também há outros que têm sido circuncidados, mas
cujo o estilo de vida perverso, lhes tem renegado à categoria de akrobustia ou dos
“desprezados”! Este estilo de vida, que desonra a Torah, por parte das dez tribos, os
colocam exatamente na mesma categoria de comportamento que os verdadeiros pagãos ou
aperitome. Akrobustia é uma referência direta ao Yisrael que se encontra no exílio assírio.
Portanto, não existem dois evangelhos (para o judeu e para o gentil), senão uma só
mensagem, que tem sido enviada, simultaneamente para, e até o verdadeiro ponto, a fiel
Casa de judah e à Casa de Yisrael, a prostituta. Há duas casas e uma só mensagem! Mas
inclusive esta divisão vê-se a providência de Yahushua. À luz desta espantosa descoberta
com respeito a identidade dos akrobustia, os peritome e aperitome, como é possível que os
pertencentes ao Yisrael Messiânico deixem de lado estas verdades? Examinemos a cada
segmento do Yisrael do Brit Chadashah/Pacto Renovado. Para aqueles pertencentes a Casa
de judah ou peritome, certamente que foram circuncidados ou têm sido submetidos a Brit
Milah no oitavo dia, ou foi você circuncidado no hospital. Seja qual for o caso, permaneça
você tal e como se encontra. Para aqueles que não têm sido nunca circuncidados e não têm
chegado ainda a revelação de sua verdadeira identidade na nação de Yisrael, não se
mexam, senão permaneçam tal e como vocês se encontram, em uma atitude de súplica e de
Tefilah/oração. Somente quando o Ruach (Sopro de YAH) lhe revelar o lugar que você
ocupe na Comunidade de Yisrael, deverá atuar você, tal como Ele deseja que você faça.
Recorde como o yisraelita que tem professado a fé, ainda segue ele sendo chamado a Brit
Milah, a fim de poder participar como é devido e discernir o Pesach/Páscoa de YAHUAH.
Finalmente, para aqueles que pertencem a Efrayim-Yisrael, meu conselho é o seguinte:
- Precisam circuncidar-se, já que seus antepassados em um tempo foram também, somente
para retirarem os seus prepúcios, como um ato de desafio e rebelião. Agora você tem a
oportunidade de reverter esse espírito de rebeldia! Segundo Romiyah/Rm. 2:24-29, se você
pertencer a akrobustia, que está regressando da casa exilada de Yisrael (Efrayim), é preciso
que você cumpra com os requisitos justos da Torah (o qual incluiria a Brit Milah) bem como
exercitar uma fé messiânica salvadora em Yahushua HaMoshiach, recuperar e restaurar o
seu estado de peritome ou circuncidado, tanto no ponto de vista espiritual, como do físico. A
Casa de Yisrael que regressa deve considerar a Brit Milah (a circuncisão) de uma maneira
muito semelhante a como considera o Mikvah (imersão-“batismo”). As duas são
emocionantes oportunidades para levar a cabo os At. de obediência à Torah, da mesma
maneira que o próprio Moshiach Yahushua cumpriu com ambos Mitzvot! Tendo dito isto, há
outros dois pontos que são muito válidos. Se você estiver, na condição de Yahudah ou
Efrayim, peritome ou akrobustia, e você já foi circuncidado no hospital ou deseja você
renovar seu lugar no Yisrael messiânico, como yisraelita, você pode se submeter a
HATAFAT DAM.
Este procedimento consiste simplesmente em fazer uma punção (furinho com agulha) no
órgão masculino e tirar uma mínima gota de sangue. Muitos que são pertencentes a ambas
as casas, estão renovando sua fé no Mashiach de Yisrael, na Torah e no seu povo,
participando neste simples procedimento. O HATAFAT DAM pode ser comparado como a
uma renovação das promessas matrimoniais ou feitas em um Mikvah (imersão-‘batismo”)
realizadas com fé em toda a Escritura, que é contrario ao batismo infantil, onde não há
nenhuma expressão de fé nas Escrituras. De um modo ou outro, lá na frente, teremos a
esperança de que todos manifestarão com este simbolismo do Brit/pacto de Avraham, a

88
respeito do qual fala as Escrituras, que os crentes fazem parte dele! Da mesma forma que o
batismo não nos salva de nossos pecados, senão que é, uma manifestação externa da
realidade interna. Se adotarmos essa postura, na frente e favoravelmente na direção de Seu
Ruach (Sopro de YAH), todos no Yisrael messiânico serão espiritualmente e fisicamente
circuncidados.

89
UMA PEDRA DE TROPEÇO PARA A
RESTAURAÇÃO

A Décima Parte da Série sobre a Completa Restauração de Yisrael

1- A Pedra de Tropeço
Os ensinos a respeito de um arrebatamento secreto, separado da ressurreição dos mortos
prometido, que terá lugar após a Grande Tribulação (Daniel 12:1-2), segue sendo uma das
principais pedras de tropeço para a Restauração de ambas as casas de nosso povo Yisrael.
Isso faz parte do programa do Pai, unir a ambas as casas em Seu ahavah (fraternidade) e
Sua Emet/verdade, qualquer erro, especialmente este de dimensões tão massivas, como a
invenção do "arrebatamento secreto", é de vital importância que o resolveremos e
corrigiremos com a Devar/Palavra de YAHUAH, que não ensina a respeito deste
arrebatamento, e portanto, nós também não devemos ensinar isso! Se os dirigentes do
movimento do Yisrael Messiânico não se mantêm abertos ao ensino relacionado a este tema,
eles entraram no âmbito da possibilidade que a unidade e a previdência que nós almejamos e
que nos esforçamos passarão por cima desta geração. Se este ensino incorreto
supostamente vier a acontecer, não somente teremos fracassado em nossa missão de
conseguir a unidade, num mesmo sentimento para salvar as duas casas que atualmente
estão divididas, será muito provável que tenhamos que perder a especial recompensa
durante o milênio vindouro/era messiânica, no Reino de YAHUAH. A não ser que aqueles que
pertencem ao Yisrael Messiânico façam o mais sincero esforço em pesquisar a verdade com
respeito às origens e as más aplicações da falsa doutrina que se referem os religiosos como
"o arrebatamento", nós trabalharemos em vão. A unidade que queremos conseguir entre todo
Yisrael, só irá ser atingido com um claro entendimento dos enganos da doutrina referente ao
arrebatamento e de maneira que se possam fazer as correções necessárias, a fim de
conseguirmos a unidade.
2- Os Problemas Iniciais
O problema inicial da doutrina do "arrebatamento secreto", é que a Casa de Yisrael (isto é,
Efrayim) que este engano em diferentes graus foi aderido em geral. Quando aqueles
pertencentes à Efrayim/Yisrael se enfrentam com o ambiente de interesse e o ahavah
(fraternidade) da verdade das duas casas, esta bagagem doutrinal normalmente acompanha
também ao Efrayimita. O problema com respeito ao fato de que Efrayim/Yisrael aderiu a
doutrina do "arrebatamento secreto", é que isso contradiz a vontade revelada de YAHUAH. O
fermento do ensino introduziu-se em ambas as casas, e sem dúvida, causou muita confusão,
divisão e heresias, como está acontecendo durante os últimos 2.000 anos. O Todo poderoso
YAHUAH permitirá a reunião e restauração de ambas as casas de Yisrael, somente sob os
Seus termos e somente no caso daqueles que levam a verdade cingida ao redor de seus
lombos. Rav Shaul adverte-nos que um pouco de fermento doutrinal pode causar a
contaminação de toda a massa por este fermento. Portanto, ele nos manda a desfazer do
antigo fermento, de maneira que o Yisrael Messiânico possa ser uma nova massa fresca,
ordenado por YAHUAH para o Reino na terra que será estabelecido em breve. Onde deve
começar esta limpeza?
Deve começar em sua origem. A origem é um Efrayim/Yisrael arrependido, que aprende a
verdade por meio de uma atitude de humildade e de contrição, e logo depois, mostrar à
Yahudah que tem crido na verdade das Ketuvim/Escrituras, da mesma maneira que
antigamente foi ensinada sobre o fermento. É preciso destruir o fermento profundamente, de
maneira voluntária e rápida, por parte de todos aqueles que fazem parte do movimento do
Yisrael Messiânico, com a intenção de reconstruir uma nação. Yisrael, a nação de nossos

90
antepassados, só pode ser reconstruída com camadas da verdade e da justiça, pois na
doutrina do "arrebatamento secreto", não encontramos nenhuma destas duas coisas. A
atitude de Efrayim/Yisrael com respeito ao falso erro do pré-tribulacionismo secreto, deve ser
da mesma maneira que Corrie Tem Boom, essa grande mulher com seu “amor” aos judeus-
israelitas, quando afirmou:
- "Não escuteis a esses falsos profetas, que vêm no nome de “Jesus”, (Romano) declarando
que os crentes não padecerão a [Grande] Tribulação. Voltem e digam aos vossos amigos
americanos que a doutrina do arrebatamento antes da [Grande] Tribulação é agora uma
mensagem exclusivamente americana [não hebraica]. E esta doutrina não se encontra no
restante das nações". Bem faríamos se levássemos a sério a sua advertência, já que o
Onipotente YAHUAH não ensina a respeito de um arrebatamento antes da tribulação e se
nós, como o Yisrael Messiânico, nos empenharmos no ensino, (estaremos fazendo que isso
se prolifere e esta doutrina que mais causa divisão atualmente nos círculos religiosos). Eu
Temo que nesse caso, é que a total restauração nacional deverá esperar as futuras gerações
que estejam dispostas à aprender mais ainda não nasceram.
3- Desconhecido pelos Neviim/Profetas de Yisrael
As Ketuvim/Escrituras nos dizem que não há nada novo sob o sol e não há nada novo nas
Escrituras, que não fosse primeiramente ensinado pelos primeiros crentes em Yahushua e
YAHUAH nelas. A doutrina do arrebatamento é um ensino que foi introduzido no final do
século XVIII, por certos homens, que adotaram a um ponto de vista dispensacionalista da
história, mas é uma doutrina que é totalmente alheia a Torah/Instrução e ao hebraico, no
pensamento, como na cultura. Não há um só rabino (nem tradicional nem messiânico) em
nenhuma da literatura rabínica antiga, que jamais falou ou nem sequer se referiu
remotamente a um arrebatamento antes da tribulação. Se a maioria dos yahudim/judeus
permanecem fiéis a Devar/Palavra de YAHUAH, por nunca terem ensinado o ensino do
"arrebatamento antes da tribulação" nas Escrituras, e ao Efrayim que regressa e está
apoiando e ainda ajuda a proliferar com entusiasmo, a unidade não existirá e não poderá
estar próxima. Portanto, é preciso que tratemos do tema aqui e agora, a luz da
besorah/evangelho da unidade das duas casas e seu entendimento.
O “ensino do arrebatamento antes da tribulação é ensinado aos yisraelitas para terem uma
falsa esperança de paz e segurança” antes que se produza, brevemente, a reunião dos dois
paus no milênio (Echezkel-Ez. 37), em lugar de ensinar-lhes a se manterem alertas e a
Tefilah/oração, para poder ter a fortaleza necessária, com a finalidade de poder suportar o
ataque da Grande Tribulação. Contrariamente aos modernos abastecedores deste erro, o
Moshiach Yahushua, não só nos falou a respeito da [Grande] Tribulação antes do milênio,
senão que prometeu aos Seus Talmidim/discípulos. A teoria do arrebatamento, não tem uma
aplicação literal e nem um fundamento que se baseie, no significado primário dos textos da
Katuv/Escritura. Até Hal Lindsey, um dos principais proponentes do "arrebatamento secreto
santo" para a chamada "igreja" admite:
- "não posso apontar um só versículo que diga claramente que o arrebatamento terá lugar
antes da tribulação". Lindsey continua dizendo:
-"o [arrebatamento] antes da tribulação, baseia-se, em geral, em argumentos de dedução e
silêncio".
Se não há versículos que o ensinem, então porque se escreve livros como as popular série
"Left Behind" (Deixados para trás) sobre este tema? Por que estão as denominações
repetidamente falando a respeito disso? Por que foram nossos irmãos judeus condenados e
teologicamente substituídos por causa disto? Devemos ao Moshicheinu/Nosso Salvador,
expulsar esta calamidade do meio de nós, e se nós temos que se converter no movimento da
grande restauração que YAHUAH, precisamos agir contra isso. As Ketuvim/Escrituras são
totalmente claras em relação e que terá lugar na ressurreição, somente nos que acreditaram
no HAMOSHIACH YAHUSHUA. Isso é absolutamente seguro! Como aprenderemos em
breve, este recolhimento dos vivos e dos justos isentados, que estão mortos, são a Partes A
e B da primeira Baruch/bendita e separada/Kadosh ressurreição. O que este ensino a

91
respeito do arrebatamento antes da tribulação tem feito, é separar a Parte A da B, da
primeira e bendita ressurreição antes do milênio, fazendo que a Parte A, apareça sozinha,
como o chamado arrebatamento secreto de cristãos “antes da tribulação”. Esta maneira de
entender os versículos sobre a ressurreição teve sua origem em meados do século XVIII.
“Não somente este conceito é alheio às Ketuvim/Escrituras e ao povo Ivri/hebreu, senão que
não foi aceito por nenhum dos primeiros chamados “Pais da igreja". Nenhum deles aderiram
e nem ensinaram “um arrebatamento secreto e separado antes da ”tribulação”. Este ensino
do "arrebatamento antes da tribulação" começou no ano 1747, quando um jesuíta chileno
exilado, chamado Emanuel Lacunza, escreveu um livro (que foi publicado em 1816) na Itália,
titulado: "A Vinda do Messias em “Glória” e Majestade". A finalidade de deixar este espaço
para todos os acontecimentos da Tribulação, ele chegou à conclusão de que deveria haver
uma separação do tempo, entre o apelo dos crentes e a vinda real do Messias a terra. Esta
foi à joia histórica que se converteu no que é agora o engano normalmente ensinado,
querendo dizer de que o Messias voltará três vezes. A segunda para buscar ao Seu povo e a
terceira com Seu povo. Emanuel Lacunza introduziu estas três vindas do Messias em 1747
da EC. O Onipotente Yahushua falou, por outro lado, somente sobre duas vindas na terra.
Qual é o ensino que você irá acreditar?
4- Iben Ezra; O Jesuíta
O jesuíta Lacunza escreveu sob um pseudônimo, o de Iben Ezra, desejando infiltrar o
protestantismo com sua doutrina Católica Romana. Escreveu usando o nome de Rabi Iben
Ezra a fim de fazer que os protestantes acreditassem, que era um cristão hebreu adotando
uma "postura judia tradicional". (Lamentavelmente o judaísmo messiânico atual se aferra
também nesta postura como a "postura judia".) A publicação de sua obra para o público, fez
parte integrante de sua nefasta atividade como jesuíta. O conjunto de quatro volumes de Iben
Ezra, veio a parar na biblioteca do Arcebispo de Canterbury, o Dr. Maitland, o bibliotecário da
igreja, que colocou em circulação estas obras para o mundo de fala inglesa, sem estar
consciente de que ele estava na realidade propagando uma falsa invenção católica romana
jesuíta do século XVIII. Este homem da igreja pensou que estava difundindo a obra de um
cristão hebreu ou "judeu convertido", quando, aliás, era a obra de uma ordem jesuíta. Quer
realmente o Yisrael messiânico continuar nos erros do Dr. Maitland publicando e confiando na
doutrina jesuíta das três vindas do Messias?
5- Os Irmãos
Um jovem ministro presbiteriano escocês sentiu-se tão cativado pela teoria do "arrebatamento
secreto" de Iben Ezra, que traduziu a obra do inglês ao espanhol. Este homem, Edward
Irving, posteriormente fundou os irvingitas, baseando na mentira do arrebatamento antes da
tribulação. Esta ordem dos irvingitas estava considerada como um grupo apóstata, inclusive
pelo Vaticano mesmo! Após os irvingitas, o movimento dos "Irmãos" na Irlanda adotou o erro
de Iben Ezra e dos irvingitas e começou a difundir esta literatura, afirmando que só "Os
Irmãos" eram a verdadeira "Igreja de Cristo". Adotaram o ensino jesuíta antes da tribulação,
com a finalidade de separar a sua "única e verdadeira igreja" do resto dos "falsos irmãos".
Encontrou a teoria divisória do arrebatamento antes da tribulação, o mar da conveniência nas
suas práticas de excomungações em massa dos "hereges", cujo castigo definitivo seria o de
FICAR PARA "TRÁS", quando acontecesse o arrebatamento antes da tribulação. "Os Irmãos"
excomungaram ao legendário George Muller, campeão dos pobres órfãos, que se dirigiu aos
numerosos orfanAt. de Bristol, Inglaterra, por se opor a nova postura dos Irmãos com respeito
ao "arrebatamento secreto e “santo”, antes da tribulação". A figura destacada relacionada
com a excomunhão de George Muller era um homem chamado John Darby.
6- Darby e o Dispensacionalismo
John Darby é reverenciado nos círculos protestantes como o moderno fundador do
arrebatamento antes da tribulação, apesar de que ele tomou esta ideia emprestada do jesuíta
Iben Ezra e de Edward Irving. Ele, igualmente aos seus predecessores, a usaram com a
finalidade de colocar aos "Irmãos" em um pedestal espiritual superior, delegando a todos os
que não estavam de acordo com seu ponto de vista privado sobre a teoria do arrebatamento

92
antes da tribulação, ao nível de hereges da "fé cristã", com a definitiva separação de “Cristo"
quando eles ficassem para trás. Vemos que desde seu início, os primeiros grupos
protestantes, a fim de semear a divisão, a discórdia e a desavença entre o corpo dos
verdadeiros crentes, usaram esta doutrina procedente do "papismo romano e jesuíta". Foi
precisamente esta, a mais abominável das doutrinas, que conseguiu dividir a comunidade de
crentes entre duas filas, aqueles que iam e os que não iam. Muitos foram excomungados, e
inclusive foram torturados, e até mortos se não estivessem dispostos a seguir a postura do
irvingismo e seguir a Darby. Darby posteriormente levou esta doutrina demoníaca à muitos
passos além que qualquer de seus predecessores. Alguém acredita que as duas casas de
Yisrael podem ser reconstruídas com ahavah (fraternidade), igualdade e equidade para todos
os crentes, se sabermos difundir os evidentes erros do passado? Igualmente como a maioria
dos teólogos do século XIX, John Darby era anti-nominiano (contrário a Torah), ensinando
que a Torah foi eliminada na “cruz”. Darby deu-se conta de que durante os sete anos da
semana final de Daniel 9:27 eles terão que fazer as ofertas da Torah no Mishkan/Templo. Já
que a Torah é claramente observada durante este período de sete anos, Darby chegou a
conclusão, de que o cumprimento da Torah se estabeleceria de novo ao começo da Grande
Tribulação. Esta maneira de pensar, fez com que Darby separasse a história escritural e
profética, em épocas como compartimentos. Darby teorizou que a época da Torah havia
finalizado na “cruz” e que havia começado a partir desse momento, “uma época da graça da
igreja”. Depois, no começo da Grande Tribulação dos sete anos, aconteceria uma volta a
Torah no final da “Era da Graça”, no entendimento de Darby. Isto criou um problema para a
teoria de Darby! Como pode voltar a Época da Lei, se a chamada "igreja" se encontra ainda
aqui? Darby considerou a Época da Lei como a maneira que havia YAHUAH de tratar com
Yisrael [isto é, só os judeus] na Tribulação, já que YAHUAH trataria de maneira exclusiva com
Yisrael. O que se sucede com a chamada "igreja"? Sem dúvida, que a igreja não
abandonará a graça para voltar a introduzir a Lei/Torah de Moshe/Moisés! Como
resultado disso, Darby adotou a ideia do arrebatamento antes da tribulação [de Irving e de
Iben Ezra]. Sua ideia com respeito a "chamada igreja" marchando-se "antes da tribulação,
permitiria a Yisrael [isto é, aos judeus] voltarem a entrar de novo na época de [obediência] a
lei na Grande Tribulação.
O resultado das obras de Darby é um grande número de gráficos ilustrativos triplos, para
começar o ensino que a Torah não é para nossos dias, o qual é uma violação absoluta das
próprias palavras de Yahushua, que se encontram em Matityahu/Mt. 5:19-21, que ensinam
que a Torah esteve efetivamente desde o Yardem/Jardim do Éden, e existirá até que comece
a olam habah (mundo vindouro), inclusive após a culminação do reino milenar. Segundo,
amplia os erros originais de Irving e de Iben Ezra a um novo nível e por último, que é o mais
importante e até hoje faz que se proliferem os horríveis erros da Teologia da Entidade
Separada (YAHUAH tem 2 esposas em lugar de 2 casas que são a mesma esposa) que é o
oxigênio que alimenta a Teologia da Substituição. E faz com que Yisrael (segundo seu
limitado entendimento e só os judeus) tenha que carregar todo o peso e receber o castigo,
enquanto a outra casa de Yisrael (Efrayim) fica livre de culpa. Portanto, ficamos com os frutos
do pré-tribulacionismo, que é uma teoria racista e dispensacionalista, segundo o qual,
Efrayim/Yisrael vai voando ao céu, enquanto o Yisrael judeu, fica aqui detido na terra. Uma
das casas de Yisrael marcha para o céu, deixando a outra na terra. Com este erro do
arrebatamento antes da tribulação, a reunificação das duas casas de Yisrael não é só uma
impossibilidade teológica, como também uma viagem única! A restauração dos dois paus,
segundo Yechezkel/Ez., claramente tem lugar nas montanhas de Yisrael, sabendo que é para
ambas as casas aqui na terra!
O Sr. Darby se esqueceu que Yirmiyahu/Jr. 30:7, nos mostra a Grande Tribulação como a
Aflição de Yaakov/Jacó. Já que Yisrael é composto de ambas as casas (durante os últimos
2.900 anos) ambas as casas terão que experimentar a Grande Tribulação. Se o Sr. Darby
tivesse entendido, que os crentes não judeus são predominantemente os que regressam e
estão sendo resgatados do Efrayim/Yisrael, e não tivesse sido tão rápido, em fazer que "toda
Yisrael" ou "Yaakov/Jacó" passassem à Grande Tribulação. Só aqueles, que ainda não
entendem as duas casas de uma só nação, que foi chamada no grego, a eklesia de Yisrael, e

93
que têm separado ao povo de YAHUAH em duas entidades diferentes, conhecidas como a
chamada "igreja" e os judeus crentes, podem ter confiança na fantasia do arrebatamento
antes da Tribulação.
7- Três Vindas?
Agora examinaremos de perto os pasukim/passagens com mais frequência que são a favor
do arrebatamento secreto (repreendido pelo próprio Yahushua em Matityahu/Mt. 24:26-27)
que apesar das veementes negativas dos que são contrários, ensinam que há três vindas no
lugar das duas que são mencionadas nas Ketuvim/Escrituras. Se Yahushua aterrissa/pousa
na terra ou não, não é na realidade a questão que define a aparição física ou a vinda física!
Senão que, o que define o aparecimento físico do Ben/Filho de YAHUAH, é o fato de que Ele
desça do terceiro céu. Desce-se, efetivamente (de Seu lar) e deixar a destra do Aba/Pai, isso
é, de fato, uma vinda, seja qual for o lugar em que apareça! Ivrim/Hb. 9:28 afirma:
- "Assim também o Messias foi oferecido uma só vez para levar os pecados de muitos,
aparecerá pela segunda vez, sem relação com o pecado, para salvar aos que lhe esperam."
Um arrebatamento secreto representaria uma terceira vinda! Timtheous/Tm. 4:1 afirma:
-"Te enalteço diante de Elohim e o Moreh/Mestre Yahushua o Messias, que julgará aos vivos
e aos mortos em sua manifestação e em seu reino."
O aparecimento de Yahushua moshiach como se vê no versículo anterior é o sinônimo de
Sua segunda vinda, que terá lugar no amanhecer de Seu Malchut/Reino que, por definição,
significaria justo antes do reino do milênio de Gilyahna/Ap. 20:4-5. O que irá aparecer, é a
Sua vinda, no começo de Seu governo terrestre! O Messias ressuscitará (levantará) aos fiéis
e aos justos que estiverem mortos de todas as épocas passadas, além de transformar aos
que estiverem vivos. O Messias tomará aos dois grupos, com a finalidade de dar-lhes corpos
ressuscitados, de maneira que possam entrar e a fazer parte do reino dos 1.000 anos. Este
“levantar-lhes”, faz parte da primeira e bendita ressurreição de Gilyahna/Ap. 20:5-6. Aqueles
que serão levantados durante a primeira bendita ressurreição serão, verdadeiramente, os
benditos que participarão no governo do Reino do Messias e da perpetuidade com o
Cordeiro.
Em Yaakov/Tg. 5:7, YAHUAH adverte aos crentes que "tenham paciência até a vinda do
HAMOSHIACH". Nos adverte para que sejamos pacientes e que estejamos na expectativa,
enquanto esperamos a vinda de Yahushua, não Seu aparecimento em segredo, separado,
em algum compartimento interior. Em Tesloniqyah Alef/1 Ts. 4:15-17, um clássico favorito
dos que defendem a ideia do arrebatamento antes da tribulação, o texto do versículo 15, se
refere aos acontecimentos dos que são levantados de suas sepulturas e de nossos corpos
naturais e se define como a vinda do Mestre, em lugar do "aparecimento de um
arrebatamento secreto" do Mestre. A palavra grega harpazo em Tesloniqyah Alef/1 Ts. 4:17,
refere-se a levantar das sepulturas aos justos, aos que têm sido abençoados e salvos, mas
que tinham morrido em sua Emunah/fé messiânica. Aqueles que permaneçam com vida e
tenham uma Emunah/fé messiânica no regresso do HAMOSHIACH (não no aparecimento
separado e secreto da igreja) também serão tomados e tirados de seus corpos naturais para
serem transformados, tendo um corpo espiritual (Qorintyah Alef/1 Cor. 15:54, refere-se a
esta mudança, como uma veste/cobertura do mortal mudado por uma nova veste/cobertura
imortal).
Yov-Jó mesmo, fez referência a esta mudança do mortal pelo imortal em Iyov/Jó 14:14, onde
prometeu esperar pacientemente até que "se produzisse a mudança" após sua morte.
Igualmente a Jó, também nós esperamos essa mudança, por cortesia do favor salvador do
Moshicheinu/nosso Messias Yahushua! Em Iyov/Jó 19:25-26 encontramos um
pasuk/passagem muito importante das Ketuvim/Escrituras. Iyov/Jó proclama que o Redentor
virá a terra, após sua própria morte (a de Yov) esse mesmo Redentor permitirá que Iyov/Jó
veja a Elohim (o Messias) em sua carne. Esta clara referência de Iyov a nova carne
ressuscitada, é a primeira menção que se faz da vida após a morte na Torah/Instrução e se
usa com a finalidade de estabelecer o "princípio da primeira menção" que é de vital

94
importância. Iyov, o livro mais antigo da Torah/Instrução, foi escrito por Moshe/Moisés e, por
isso, leva todo o peso da separação legítima. “Baseando-nos neste princípio da primeira
menção” nos demos conta, de que é a ressurreição dos mortos, o que se supõe que o
Messias vai supervisionar e jamais um "novo arrebatamento secreto".
8- Sendo Transformados
Uma mudança nas vestes requer que sejamos elevados da terra a fim de que se possamos
produzir a transformação no âmbito de sermos separados/purificados, da mesma maneira
que sucede com a mudança da roupa quando a penduramos. O ser levado da terra,
assegura-nos que inclusive a mudança da mesma que não se produzirá na terra, referente na
maldição da transgressão de Adam, senão no ares com a finalidade de assegurar "uma sala
limpa e fresca quando mudarmos", por assim dizer! A palavra em grego, segundo a
Concordância Strong, número 109 é aer e pronuncia-se air, o qual significa um declínio das
temperaturas ou uma brisa limpa e fresca. Portanto quando fomos elevados, não será para ir
ao céu, senão a um lugar no que o ar será fresco e limpo, com condições especiais e um
declive na temperatura do ar, para receber o dom de nossos novos corpos espirituais, depois
da ressurreição, que possuiremos a capacidade física superior. Nenhum ser humano pode
mudar totalmente de roupa estando sentado ou deitado. A fim de poder colocar seu novo
corpo espiritual, os crentes que estiverem vivos, também deverão ser levantados, de maneira
que possam estar de pé, para que seus corpos sejam transformados no ar ou para ser
levados ao lugar onde o ar está limpo. Portanto o "levantar" ou harpazo (grego)
arrebatamento [rapturo] (Vulgata Latina) não é mais do que uma promessa das eras que se
converteram em realidade, quando regressar Yahushua, que é a primeira e Baruch/bendita
ressurreição da noiva dos justos salvos e que havia sido morta. A Parte A da primeira
ressurreição é o levantar dos mortos, a todos os crentes que morreram ao longo de todas as
idades passadas. A Parte B da mesma e bendita ressurreição, é o colocar em pé ou ser
levantados os crentes que estão vivos, a fim de serem transformados para receberem um
corpo novo ressuscitado para o milênio. Ninguém pode se mudar de roupa por completo,
estando sentado. Você consegue fazer isso? Consegue mesmo? O erro do dogma do
arrebatamento antes da tribulação é devido as pessoas não saberem interpretar corretamente
estas passagens, que formam duas partes da primeira ressurreição antes do milênio, de
todos os Kadoshim/separados de todos os tempos, ao invés de usar estas duas partes,
formulando a Parte B, como uma terceira vinda, “santa” e secreta! O qualificador em
Qorintyah Alef/1Cor. 4:15, refere-se aos acontecimentos dos versículos 16-17, como
acontecimentos que rodearam a Sua vinda e não a um aparecimento clandestino, secreto e
que não é escritural. Qorintyah Alef/1 Cor. 15:42-52, confirma de maneira maravilhosa estes
versículos, como algo que se refere a uma mudança e não a um arrebatamento. Em
Luka/Lucas 21:36, aqueles que difundem a criação jesuíta do "arrebatamento antes da
tribulação" têm feito uma aplicação equivocada do texto. O grego original não afirma:
- "orem para que sejais considerados dignos de escapar a estas coisas que terão de
suceder".
O texto grego deste versículo não ensina "um escape" da tribulação. A tradução correta,
como se encontra na versão da New American Standard, como a boa versão da New
International Version, são palavras de fortaleza (NASV) ou (NIV) capaz de escapar. Para que
vamos precisar orar, pedindo fortaleza e a habilidade para nos manter em alerta, como
Luka/Lucas 21:36, se não vamos estar aqui durante esse período? Em Gilyahna/Ap. 3:10,
YAHUAH promete guardar da hora da tentação, que terá de provar a todos os moradores da
terra. Aqueles que difundem as doutrinas antissemíticas do arrebatamento e fazem questão
de que a palavra a se manter, signifique transladar aos crentes ao céu, em um arrebatamento
secreto. Mais não é isso o que dá a entender o texto! A palavra guardar, em Gilyahna/Ap.
3:10, é a palavra grega tereo, que implica o significado: cuidar de, preservar, manter durante
ou guardar e proteger do [perigo]. O significado principal básico é proteger. YAHUAH tem
prometido sempre proteger ao Seu povo na tribulação, não os tirar do meio. A ascensão de
Eliyahu/Elias ao céu, não é uma prova válida da teoria do arrebatamento secreto jesuíta,
porque toda a vida de Eliyahu/Elias foi de lutas, de sobrevivência, de vencer as tribulações do

95
mundo. Sua ascensão foi uma recompensa por seu serviço, mas não uma maneira de ser
tirado de no meio da tribulação. Se houve alguém que conhecia o poder de YAHUAH para
conservar, fortalecer e proteger, foi Eliyahu/Elias!
9- Versículos sobre Levar
No que se refere, usando a Noach/Noé, como "uma figura do arrebatamento antes da
tribulação" não existe nem uma só passagem nas Ketuvim/Escrituras que sequer sugira
remotamente que Noach/Noé foi levado da terra ou da tribulação. Se existe um paralelismo
com o acontecimento dos tempos do fim em relação com Noach/Noé, é que os tempos do
fim, serão como nos dias de Noé, durante os quais pereceram os injustos, enquanto os justos
foram protegidos e conservados pelos olhos vigilantes do Todo-poderoso YAHUAH! Os
ensinos a respeito do arrebatamento antes da tribulação, fazem questão de que
Matityahu/Mt. 24:41-42, apoie esta postura. Suponhamos, que a que "é tomada" é a crente
no arrebatamento da terceira vinda secreta. Pode esta maneira de entendimento destes
versículos, se apoiarem baseando-se nas Escrituras? Absolutamente que não! Tudo o que
precisamos fazer, é irmos ao versículo 39, onde Yahushua se refere aos dias de Noach/Noé.
Em seus dias, os que não estavam na arca (ou os injustos) foram eliminados. Ninguém pode
afirmar que aqueles que pereceram por causa do dilúvio mundial no ano 2.500 AEC foram
levados ao céu, por meio de um arrebatamento! Não é verdade? Então no contexto, o termo
levado, nos versículos 40 e 41 de Matityahu/Mt., os dois referem, aos injustos, ou os que
não acreditam que são levados para serem julgados, nos dias ao redor do regresso do
moshiach Yahushua na terra! Luka/Lc. 17:37, explica com toda clareza. Os que são levados
se convertem em alimentos para os pássaros (os demônios) rapidamente! Uma confirmação
mais de que as referências aos que "são levados" se referem ao julgamento e não ao céu, é
apoiado pelo próprio moshiach Yahushua, como vemos em Sua parábola do semeador no
campo, que se encontra em Matitiyahu-Mat. 13. Em Matitiyahu/Mat. 13:49 ensina-nos que o
separar aos justos que foram salvos dos ímpios e que estão perdidos, não terá lugar no meio
ou no final desta era, senão ao final dela mesma! Segundo as Ketuvim/Escrituras, tanto o
trigo como a joio crescerão juntos, até que se consuma esta era na segunda vinda de
Yahushua. Se a doutrina de um "terceiro acontecimento separado como um arrebatamento
secreto" em forma de “ônibus” fosse correto, então a separação entre o trigo e o joio teria, por
definição, um lugar anteriormente antes do fim da presente era. Mas não foi isso o que
ensinou YAHUSHUA HAMOSHIACH e também nós não devemos ensinar isso! O separar o
trigo do joio ou os salvos dos perdidos, será algo que levarão os mensageiros/”anjos” e não
algo que se realizará por meio de um momento secreto em um “ônibus” de uma
Church/Igreja. Segundo Yahushua, o joio se recolherá primeiro e a seguir o trigo. A teoria do
arrebatamento antes da tribulação, ensina que primeiro se recolhe o trigo e só depois se
reúne o joio. Inclusive como sequência a “tese da terceira vinda e o arrebatamento é um
terrível engano”!
10- Como Ladrão na Noite
O chamado "arrebatamento da terceira vinda", depende em grande parte, do uso que as
pessoas fazem dos pasukim/passagens onde se referem a vinda do Moshiach Yahushua na
terra "como um ladrão na noite". Esta explicação inferior sobre o "ladrão na noite" é mais
ou menos algo assim: Já que a segunda vinda será como o raio que brilha do leste ao oeste e
já que todo olho o verá, estes versículos sobre o "ladrão na noite" é referido a um
acontecimento diferente, no que os crentes não o verão a necessidade de um argumento do
arrebatamento como algo secreto, como um "ladrão na noite". Os versículos sobre o "ladrão
na noite" que é usado com a finalidade de justificar esta terceira vinda secreta do
arrebatamento são: Tesloniqyah Alef/1 Ts. 5:2-10; Matitiyahu/Mt. 24:42-51; Kefa Bet/2 Pd.
3:10; Gilyahna/Ap.3:3 e 16:15.
Para que possamos entender devidamente todas essas referências a respeito do "ladrão na
noite", devemos usar as mesmas palavras que usou o Moreh/Mestre Yahushua em
Matitiyahu-Mt. 24:42-44. Yahushua o Messias está ensinando que Ele é o ladrão (nas
parábolas) e que virá num momento inesperado! Não é dito que Ele virá pela noite, ou

96
simplesmente (na escuridão), para Ele roubar a assembleia. Não é isso o que ensinam estes
pasukim/passagens das Escrituras! Exatamente é o oposto da verdade. Sua vinda retirará a
assembleia de Yisrael do Brit Chadashah/Pacto Renovado (na terra), quase totalmente,
inesperadamente. Ele não tem que roubar a assembleia, já que Ele pagou por ela e a Ele é
de direito! Uma pessoa somente pode roubar algo ou a alguém naquilo que não lhe pertence,
por direito. Isso é o que ladrão faz para ser um ladrão! A ilegalidade da posse que tem
roubado! Não há dúvida de que ninguém discutiria que o Messias Yahushua é proprietário da
eklesia (Kahal no hebraico) de Yahushua. O Resultado interessante de uma assembleia que
dorme, não está consciente nos acontecimentos escatológicos que estão tendo rapidamente
lugar, que se diz que é uma assembleia que dorme, quando as Ketuvim/Escrituras se referem
a ela como apóstata (Tesloniqyah Bet/2 Ts. 2:3). De Matityahu/Mt. 24:42 a 25:13, o Mestre
Yahushua começa e termina Seus ensinos sobre a segunda vinda, com a declaração do fato
lamentável de que a Sua vinda irá demorar (já fazem 2.000 anos...), que a assembleia
letárgica do Yisrael do Brit Chadashah/Pacto Renovado se encontrará escrituralmente,
invadida de fermento (por causa dos papado de roma) na qual se encontrará a maioria dos
crentes dormindo. Na parábola das dez virgens, podemos ver com toda certeza a
aproximadamente a metade da assembleia do Yisrael a do Brit Chadashah/Pacto Renovado,
aos que Sua vinda lhes subtrairá por surpresa.
Os pasukim/passagens a respeito do ladrão na noite, enfatizam o elemento de surpresa com
respeito a letargia, os apóstatas e a assembleia que dorme e está invadida de fermento. Não
significa que Yahushua irá roubar em privado, a propriedade que já lhe pertence! As cinco
virgens insensatas de Matityahu/Mt. 25:1-13, caíram no sono da apostasia, porque tinham
confiado equivocadamente que o Moshiach Yahushua regressaria muito mais cedo, do que o
fará efetivamente! Estas passagens advertem a todos os crentes, que a maior parte da
assembleia do Yisrael do Pacto Renovado esperará equivocadamente que o Moshiach
regresse muito antes do que o fará na realidade. Quanto aos crentes que foram ensinados
sobre "o arrebatamento antes da tribulação iminente e em segredo" não presenciarem a esse
acontecimento, desanimarão, inclusive tendo a sua disposição o azeite da ruach (sopro de
YAH), se deixando arrastar pelo sonho da apostasia. É relatado que a vinda de Yahushua
acordará inesperadamente e golpeará a maioria dos que dormem no sonho da apostasia,
devido à perda da emunah/fé em seu retorno. Gilyahna/Ap. 3:3, apresenta uma imagem
deste mesmo princípio. Isto é, que se os crentes de Sardis, não permaneceram alertas
durante um longo período de tempo, Yahushua virá e os encontrará também dormindo.
Gilyahna/Ap.. 16:15, isto nos deixa perfeitamente claro! Nosso Mestre Yahushua chegará
como "ladrão na noite" não para roubar a assembleia, senão para surpreender em seu sonho
de apostasia. Em Kefa Bet/2 Pd. 3:10 diz que o Dia de YAHUAH virá "como ladrão na noite".
O Dia de YAHUAH refere-se aqui ao milênio, 1.000 anos, no Reinado do Messias na terra. O
milênio começa em Sua segunda vinda e finaliza com a renovação da terra por um fogo
destrutivo! Em Kefa Bet/2 Pd. 3:10 o termo "ladrão na noite" refere-se a segunda vinda do
Messias no final das 70 semanas de Daniel, que começará então o período milenar. Após o
milênio, os Shamayim/céus e a Eretz/terra, serão renovados com um rugido e um intenso
calor. De maneira que vemos claramente que este "ladrão na noite" não é um "arrebatamento
secreto", muito menos, já que a Sua vinda fará que os Shamayim/céus rujam. Isso não
parece demasiado secreto, certo? O pasuk/versículo que mais frequentemente se cita do
"ladrão na noite", em relação com o arrebatamento secreto, se encontra em Tesloniqyah
Alef/1 Ts.5:2. Aliás, este versículo, eu adverti ao Yisrael do Pacto Renovado, que se
mostrem cautelosos com qualquer doutrina ou ensino que possa lhes confundir, fazendo que
esperem uma "terceira vinda pela noite em um aparecimento secreto". Em Tesloniqyah
Alef/1 Ts. 5:1, Rav Shaul afirma que a assembleia que ele plantou, devia entender a série
aproximada dos acontecimentos, que levariam a vinda do Mestre. Ele espera que nós
possamos entender estes conceitos básicos. Os tessalonicenses, ao invés das outras
assembleias que dormiam no sono apóstata, estavam ativamente alertas, esperando a
segunda vinda do Messias!
Portanto, Rav Shaul exalta-lhes sobre isso, em Tesloniqyah Alef/1 Ts. 5:1, mas ao mesmo
tempo fala a respeito de outros crentes, que pouco se mantinham na expectativa no

97
versículo 2, destinados a serem pegos desprevenidos no dia e tempo do regresso do
Moshiach. Só virá como "ladrão na noite", para aqueles que segundo o versículo 3, serão
arrastados por uma falsa doutrina de paz e segurança, que garanta falsamente escapar
mediante a um arrebatamento antes da tribulação, em um “ônibus”, assim dizendo, só de ida,
com uma passagem para o Shamayim/céu. Em Tesloniqyah Alef/1 Ts. 5:3, Rav Shaul
adverte severamente que existe uma falsa doutrina de Shalom/paz e segurança ou "a fuga da
Grande Tribulação” que estava se difundindo, garantindo aos que busca escapar da Grande
Tribulação a destruição. Este é o contraste deste destrutivo ensino e entendimento, com o
que faziam os tessalonicenses, que estavam na expectativa e se mantinham alertas, e
dispostos a suportar muitos sofrimentos enquanto "se mantinham na expectativa e
esperando". O contraste é entre a atitude escritural correta de manter "na expectativa e
esperando", e a atitude do "grupo que busca uma escapatória". A primeira nos dará a vida e
formará o nosso caráter, enquanto a segunda traz destruição. A primeira diz que dará as
boas-vindas ao Messias Yahushua, como um amigo que faz muito tempo que se está
esperando e que vem de uma longa viagem, enquanto a outra considera o Seu regresso
como um acontecimento inquietante e que é como uma transgressão, porque Yahushua
regressa de maneira inesperada "como ladrão na noite" para arrancar-lhes do estado
religioso alterado desta fuga mediante ao sono. Como podemos ver, as coisas não mudaram
muito! O falso ensino da fácil fuga tinha invadido as assembleias primitivas.
Aqueles que tinham caído no erro esperavam o regresso de Yahushua "como ladrão na
noite", enquanto aqueles outros que esperavam com fidelidade e pacientemente, recordando,
suportando e velando, durante um longo período de tempo culminando na Grande Tribulação,
se manteriam alertas e entrariam no Malchut/Reino de uma maneira poderosa. Tesloniqyah
Alef/1 Ts. 5:4, coloca esta verdade sobre uma luz extraordinária! Os crentes, que estavam
aprendendo e que não permitiram ser arrastados (Tesloniqyah Bet/2 Ts. 2:1-2), pelo "ensino
da escape" alimentada pelo abrumador desejo humano de paz e segurança" e ainda dizem
que são irmãos que não vivem em trevas quando o mestre regressar, ou melhor vivem "na
luz" quando ele regressar, portanto, a vinda do Moshiach Yahushua, NÃO OS SAQUEARÁ
COMO LADRÃO NA NOITE, já que segundo os versículos 5 e 6, estão na luz, e não estão
embebedados pelo engano da doutrina da fuga secreta, graças a um iminente voo "especial"
que irá trazer-lhes paz e segurança. Ao velar, é recordado que eles esperarem, sendo fiéis
por meio de uma rejeição voluntária e sóbria da doutrina da "paz e a segurança", YAHUAH
prometeu livrar-lhes, apesar da Grande Tribulação (TesloniqYah Alef/1 Ts. 5:9). Não vamos
escapar, mas vamos experimentar a libertação, a proteção fraterna de YAHUAH na terra,
como sucedeu nos dias de Noach/Noé. Aqueles que perseverarem até o final da Grande
Tribulação (Matityahu/Mt. 24:13), serão libertos! Porque foram comparados como nos dias
da vinda (não as vindas) do Filho do Homem, com os dias de Noach/Noé! Seja YAHUAH
totalmente verdadeiro, enquanto os homens por todas partes sejam mentirosos!
11- Acontecimentos Idênticos!
Matityahu/Mt. 24:29, confirma o regresso do Moshiach depois da tribulação e anterior ao
milênio, mediante as palavras do próprio Moshiach. Diz que a reunião de Seus eleitos ou
escolhidos (Matityahu/Mat. 24:31), sucederá após a Grande Tribulação. 1TesloniqYah
Alef/1 Ts. 4:13-17, como vimos anteriormente, e QorintYah Alef/1 Cor. 15:50-55, falam de
ambas com respeito ao mesmo acontecimento. Esse acontecimento único é o regresso
visível, posterior a Grande Tribulação, do Moshiach Yahushua, que ressuscitará aos justos e
transformará aos justos que estiverem com vida, vestindo a ambos, com a imortalidade
espiritual! Os que estiverem vestidos desta maneira entrarão então para participarem no
Malchut/Reino do milênio, para governar e reinar sobre a terra a converter Yahushua em
Melech/Rei e Seu Nome será conhecido como Mestre sobre toda a terra. Já que os dois
textos acima mencionados (TesloniqYah Alef/1 Ts. 4:13-17 e QorintYah Alef/1 Cor. 15:50-
55), são vistos como versículos sobre a segunda vinda, podemos ver isto, dando-nos conta
de que em QorintYah Alef/1 Cor. 15:54b e 55, Rav Shaul cita versículos hebraicos
tradicionais que tenha o mesmo significado ao mesmo tempo com a vinda do Messias que
levantará os justos, por meio da ressurreição, bem como o conceito do estabelecimento do
Malchut/Reino na terra. QorintYah Alef/1 Cor. 15:54b cita a YeshaYahu/Is. 25:8 e 1

98
QorintYah Alef/1 Cor. 15:55 cita a Hoshea/Os. 13:14. Ambos os versículos falam sobre a
imortalidade da ressurreição, quando os justos se prepararão para fazer parte do governo do
Malchut/Reino e vemos que Rav Shaul se referia à era da ressurreição.
Estes "textos do arrebatamento da chamada igreja" que produzem temor, não são outra
coisa, senão que textos hebraicos sobre a ressurreição a 2.700 anos de existência,
diretamente afirmados como tais, pelo mesmo Rav Shaul. O mistério ou segredo a respeito
da primeira bendita ressurreição física anterior ao milênio, revelado pôr Rav Shaul em
QorintYah Alef/1 Cor. 15:51, é que os crentes que estiverem com vida (quando regressar
Yahushua) serão transformados por meio da ressurreição à imortalidade sem verem a morte.
Este é o grande mistério e escape da morte (não à Grande Tribulação) que lhe será
presenteada aos separados com vida, quando regressar o Mestre Yahushua. A ressurreição
não era um mistério! Senão que era a Parte B da primeira bendita ressurreição física anterior
ao milênio, que não tinha sido conhecida em épocas anteriores, ainda que a Parte A, sempre
foi conhecida, na qual é o motivo pelo que Rav Shaul cita os versículos sobre a ressurreição
em Hoshea/Os. e em Yeshayahu/Is.. “O que têm feito os “fugitivos” do conceito de paz e
segurança" é entender equivocadamente o mistério que Rav Shaul estava revelando,
considerando falsamente a Parte B da primeira ressurreição, como um "acontecimento da
igreja" totalmente separado, anterior à tribulação, da ressurreição física no final desta época.
Toda a doutrina sobre o arrebatamento se deve à cegueira em comparação com o mistério
que desvela Rav Shaul. Este mistério é a primeira bendita ressurreição, anterior ao milênio
dos que são salvos, tem 2 Partes ou Etapas, não somente uma.
O chamado "arrebatamento" é simplesmente a Parte B da primeira bendita ressurreição na
Sua segunda vinda. Sua primeira vinda inclui uma série de acontecimentos diferentes e
únicos, que vão desde a anunciação no Sepulcro do Jardim, até a Sua ascensão. Mas não
nos referimos a todos esses acontecimentos como 15 ou 17 vindas diferentes, senão que nos
referimos corretamente e coletivamente a ela, como a primeira (única) vinda do Messias e o
mesmo que se sucede com a segunda vinda do Moshiach. O chamado "arrebatamento" é
simplesmente a misteriosa transformação dos crentes vivos de mortalidade a imortalidade,
sem passar pela morte. Esse aspecto da ressurreição era desconhecido pelos antigos
rabinos! Que singelo e ao mesmo tempo profundo é essa revelação! É esta apropriação
indevida destes textos sobre a ressurreição, que o mundo da chamada "igreja" tem
desenvolvido as três vindas (em lugar dos duas das Escrituras, contendo a segunda vinda,
uma série de sub-acontecimentos, como sucedeu com sua primeira vinda!)

13- Textos de Prova Idênticos


Depois que fizermos um exame mais a fundo e honesto, sobre os quatro textos mais
populares que é usado, para se apoiar neste "arrebatamento na vinda como ladrão na noite"
secretamente, eles usam quatro e idênticas passagens para se apoiarem na segunda vinda,
é a ressurreição física, após a Grande Tribulação. Ambos os pontos de vista, acreditam que o
Moshiach/Messias virá de uma maneira sobrenatural nos céus (Tesloniqyah Alef/1 Ts. 4:16-
17). Ambos os pontos de vista acreditam que Seu aparecimento representará uma reunião
sobrenatural com Ele quando voltar (Tesloniqyah Alef/1 Ts. 4:17 e Tesloniqyah Bet/2 Ts.
2:1). Ambos os pontos de vista acreditam que virá à trombeta final (Tesloniqyah Alef/1 Ts.
4:16, Qorintyah Alef/1 Cor. 15:52). Ambos os pontos de vista acreditam que a Sua vinda
implica em uma ressurreição dos justos (Gilyahna/Ap. 20:4-6, Tesloniqyah Alef/1 Ts. 4:16)
bem como uma segunda (depois do milênio) ressurreição dos injustos e perdidos! Já que
ambos os pontos de vista usam quatro textos de prova básicos, nos sentimos obrigados a
responder a esta pergunta. Por que descreve estas passagens das Escrituras, uma única
série de acontecimentos relacionados com Sua segunda vinda, que se usa para ensinar a
respeito de dois acontecimentos separados e totalmente diferentes, é daí que pensam nas
três vindas? Os acontecimentos mencionados nestes textos são Idênticos!

99
Cronologicamente, não é possível se apoiar nestes textos, como se descrevessem em 2
acontecimentos e vindas diferentes (o arrebatamento mais a ressurreição ) já que isso nos
deixaria com 2 ressurreições dos justos! Uma delas teria lugar no chamado "arrebatamento
antes da tribulação" em Tesloniqyah Alef/1 Ts. 4:16 e o segundo teria lugar antes da Época
do Reino (Atid Lavoh) de Guiliyana-Ap. 20:4-5. Não é possível haver 2 primeiras
ressurreições! Uma vez que admitimos uma primeira ressurreição dos justos no "chamado
arrebatamento", o que se sucede verdadeiramente na ressurreição antes do milênio de
Gilyahna/Ap. 20:4-5, dificilmente é considerado como a primeira ressurreição. Os textos que
citam ambas as partes são idênticos porque a verdade do assunto, é que só existe uma única
vinda, que terá como resultado a primeira ressurreição dos justos, não duas vindas e duas
ressurreições dos justos. Afirmamos estritamente que as Ketuvim/Escrituras não ensinam
isso e também nós não devemos anunciar também!
14- O Inimigo Final
Há outros textos muito claros que elaboram de maneira evidente, este princípio escritural
chave. Esse princípio, é que o Messias Yahushua, não voltará até que todos Seus inimigos
sejam postos por estrado de Seus pés. É preciso que o Messias permaneça à destra do
Aba/Pai YAHUAH, até que Seus inimigos se submetam a Ele. Não deverá ficar nenhum
inimigo que o derrotará em Sua vinda, a não ser os homens ímpios que invadiram
Yahrushalayim (Zecharyah/Zc. 14:1-4)! Maaseh Shlichim/At. 3:20-21,confirma que o
Messias permanecerá no terceiro céu, até que todas as coisas sejam restauradas na terra.
Nenhuma pessoa em sã consciência, afirmaria que a Grande Tribulação, conhecida também
como as 70 semanas de Daniel, é um tempo em que o Messias Yahushua está livre para
regressar, baseando na ausência dos odiosos inimigos. Isso é simplesmente um argumento
que é totalmente falso. Em Matityahu/Mt. 24:12, Yahushua mesmo prediz o aumento do ódio
e da anarquia (violação da Torah) durante as 70 semanas de Daniel, em lugar de um tempo,
na qual serão eliminados todos os inimigos do Messias Yahushua! O Mestre Yahushua terá,
evidentemente, muitos inimigos e quem se opuser a Ele, antes e durante a Grande
Tribulação, não limitando ao anti-messias, o falso profeta e o Dragão, o mesmo S.a.tanás.
Por não mencionar a legião de S.a.tanás dos discípulos da humanidade, em muitos casos,
não dando conta disso, eles fazem o que o inimigo quer. É relatado que seus inimigos
crescerão durante as 70 semanas de Daniel.
15- "O Arrebatamento" desapareceu?
Em Tesloniqyah Bet/2 Ts. 2:1-5, encontramos uma mensagem muito clara de YAHUAH, de
que os crentes de nossos dias, padecem exatamente da mesma ansiedade que padeciam os
primeiros Efrayimitas em Tessalônica. Isto é, que estavam ensinando que se havia perdido a
segunda vinda (a reunião dos justos) e que FICARAM PARA TRÁS! Estava ensinando que
havia se perdido o "chamado arrebatamento secreto"! Toda a advertência de Rav Shaul é
focado sobre o controle do dano, para consolar àqueles Efrayimitas que tinham sido
envenenados pelo temor da perda do "arrebatamento secreto"! Tranquilizando-lhes, e
dizendo que o Dia do regresso do Mestre não tinha chegado, nem estava oculto nem secreto
e nem foram apanhados desprevenidos, já que o Dia (de Seu regresso) não poderá
acontecer, até que tenha sido conquistado o último inimigo do Moshiach Yahushua. A Grande
Tribulação, é um tempo durante o qual, Seus inimigos manifestarão o ódio mais intenso para
o Messias, que o mundo jamais conheceu. Portanto, não devemos deixar-nos enganar
facilmente por um arrebatamento antes, no meio da parcial ou posterior íra. Tesloniqyah
Bet/2 Ts. 2:3, adverte-nos sobre o engano das "teorias do arrebatamento privado e secreto"
afirmando que:
1) Nesse dia não chegou ainda e 2) não é possível chegar até que não seja revelado o anti-
Messias (versículos 3 e 4) assentado no Mishkan/Templo reconstruído imitando e parecendo
ser YAHUAH (Islã) e para ser destruído a seguir pela energia e o poder de Yahushua
(Tesloniqyah Bet/2 Ts. 2:8). Será a segunda vinda do Moshiach Yahushua, que declarará o
fim de Seus inimigos. Os Pasukim/passagens correspondentes a ressurreição em Qorintyah
Alef/1 Cor. 15:24 e 28, confirmam que o Reino milenar do Mashiach, não começou e não
pode começar, até que todo governo e a autoridade (seja uma autoridade (Kadosh/separada

100
como ímpia) que tenha sido submetida debaixo de Seus pés ou Seu poder (versículos 24-
25)! Quando esta sujeição total ao Filho de YAHUAH tiver lugar (após a Grande Tribulação)
então o Filho se submeterá a Ele mesmo novamente debaixo de Aba/Pai celestial (versículo
27) de modo que a tiferet/esplendor do Reino milenar, possa começar (versículo 28). É muito
interessante, que a morte humana, também é considerada como o inimigo do Mestre
Yahushua. Segundo Qorintyah Alef/1 Cor. 15:26, a morte, o INIMIGO FINAL, só será
derrotado antes do milênio na segunda vinda do Moshiach Yahushua, quando Ele
ressuscitará aos justos na primeira e bendita ressurreição. É a primeira e bendita
ressurreição, porque é por meio desta manifestação da perfeita majestade e Tiferet/esplendor
que a morte humana fica submetida e derrotada.
O fato das multidões de milhares e milhares de pessoas morram durante a Grande Tribulação
(muitos kadoshim/separados, Matityahu/Mt. 24:21-22, Gilyahna-Ap. 6:9-11) confirma que o
maior inimigo de Yahushua, a morte, não foi derrotada! Portanto, não teve lugar também em
sua vinda. Esta vinda é a solução e o golpe definitivo para a morte humana! A experiência da
morte humana, somente terá fim, quando os homens já não estiverem mortos. Isso não é
algo que se pode dizer a respeito de nenhuma pessoa na história humana, especialmente e
incluindo a Grande Tribulação! Catastroficamente, como se sucedia nos tempos de Rav
Shaul (Tesloniqyah Bet/2 Ts. 2:2) há muitas cartas (boletins de notícias e diários proféticos,
como a Série de TV dos deixados para trás, que comovem as pessoas com uma falsa
esperança), palavras (pregações pela Internet, fax, TV, rádio) declaração do espírito (que é
um engano demoníaco) e vã eloquência (mentes turbadas) que fazem que se prolifere este
veneno, pretendendo afetar à esposa de Yahushua. Este veneno tem arraigado de uma
maneira tão profunda, quando finalmente amadurecemos, o suficiente na emunah/fé, como
no caso da omissão da "teoria do arrebatamento secreto" que se dá a impressão deles terem
retirado essa doutrina maligna diretamente das Escrituras, ainda que sejamos considerados
como hereges! É muito melhor ser um herege fiel a Yahushua, do que seguir as loucuras do
homem!
16- A restrição
Concentrando-se ainda mais em Tesloniqyah Bet/2 Ts. 2:7-8, vemos que estes textos são
usados continuamente para mostrar um "arrebatamento secreto" separado, e claramente
haverá lugar de maneira separada e antes da derrota definitiva da morte, durante o regresso
de Yahushua, após a tribulação. Afirma-se que a vogal "o" mencionado no versículo 7,que
é tirado do “meio” é a ruach HaKodesh (A restrição) ou o Espírito Separado que habita no
corpo do Messias aqui na terra. O argumento afirma que já que a ruach habita no corpo do
Messias, e já que se o “espírito” sair, o corpo de Yahushua deve ir também neste
"arrebatamento secreto da terceira vinda" para ser roubado ou "levado". Esta teoria foi
primeiramente inventada por um estudante da Torah de 15 anos e tem sido propagada como
a verdade desde então. No entanto, isso não pode ser verdade, mas sim, uma grande
mentira. As Ketuvim/Escrituras não ensinam que a chamada "igreja" nunca se sujeitou a nada
e a ninguém. A história do chamado "sistema eclesial", confirma sua incapacidade de ser
restrita, de maneira visível, à anarquia em nenhuma parte especial, já que suas práticas
encontram-se entre as mais anárquicas em toda a religião.
Se o chamado "sistema eclesial" tivesse algum poder ou habilidade para manter sob a
restrição e tivesse manifestado há muito tempo em setores como a antiga Roma, os Estados
Unidos da América, a China, a Índia, partes de África e a agora desaparecida e anterior
URSS, que não conseguiu "converter"! A chamada "igreja" se voltou impotente para
conseguir as mudanças positivas (espirituais e físicas) nas comunidades e sociedades em
que se encontram, sendo continuamente superada pela sociedade, em contraposição e o que
afeta a sociedade. Se o “Ele” referido no versículo 7, não é a Ruach HaKodesh na
eklesia/Kahal, então quem é? Daniel 12:12, felizmente oferece uma resposta hebraica
simples, clara e lógica das Ketuvim/Escrituras. Daniel 12:1, afirma que o Arcanjo
Michael/Miguel (o guerreiro de Yisrael e malach/mensageiro/”anjo” batalhador,
Yahudah/Judah no Pasuk/versículo 9) se levantará nesse "tempo". "Esse tempo" é um
modismo hebraico, similar ao modismo de "naquele Dia". Nesse "tempo" ou no tempo do final

101
desta era (Olam hazeh) Michael/Miguel, que tem lutado constantemente e historicamente em
muitas das principais batalhas de Yisrael, aparece de repente e se vê "em pé"! A palavra
hebraica em Daniel 12:1, é a-amod, que significa literalmente estar quieto ou desistir de
qualquer atividade. Ao aparecer, "naquele tempo" no fim desta era, YAHUAH mandará a
Michael/Miguel, o mensageiro batalhador de Yisrael, para que não cuidar mais e proteger a
nação de Yisrael.
Esta "cobertura da cabeça" sobre os filhos de Yisrael "é eliminada" diante do anti-Messias e
seus anárquicos esforços, não recebendo a permissão do Aba/Pai para continuar "cuidando"
e protegendo a Yisrael. Já que sabemos que Rav Shaul escreve ao Yisrael da Brit
Chadashah/Pacto Renovado em TesloniqYah Bet/2 Tessalonicenses, o cuidado
sobrenatural de Michael/Miguel do Yisrael do Pacto Renovado está presente, como esteve
nos dias do Yisrael do Primeiro Pacto, até que ele (Michael/Miguel) seja eliminado da junção
"permanecendo quieto"! Segundo Tesloniqyah Bet/2 Tessalonicenses, "ele" que é tirado do
meio, permitirá que às forças das trevas reinarem e terem ação livre na terra, contra o povo
fraterno de YAHUAH, o Yisrael do Pacto Renovado! Dando uma olhada mais de perto, no que
diz Daniel 12:1, quando YAHUAH ordena a Michael/Miguel, que cesse e desista de seu papel
como protetor fraterno, então e só então começará a Tribulação dos sete anos de duração. A
Grande Tribulação de sete anos de duração contra a humanidade e contra as das duas casas
crentes de Yisrael, nem sequer poderá começar, até que o Arcanjo Michael/Miguel (o
verdadeiro e histórico que possui a restrição) seja tirado do "meio”. Quando isto suceder, será
o sinal para Há S.a.tan, e poder começar a solução final na "Questão judaica” como a
"Extrema Direita Cristã" (Efrayim). Esta maneira de entender as Ketuvim/Escrituras, é a
interpretação clara e singela (Pashat) de Daniel 12:1-2, juntamente com Tesloniqyah Bet/2
Ts. 2:6-7, e não precisa de nenhuma súplica, para que os textos sejam espiritualizados, por
meio de Remez (inserção de opiniões) ou Drash (comentários adicionais)! O povo de Yisrael
(Daniel 12:1) (somente aqueles cujo nome se encontrem escrito no Livro da vida do
Cordeiro) serão libertos por YAHUAH mesmo, (não por Michael/Miguel) ao final da Grande
Tribulação.
Isto naturalmente, se refere ao regresso de YAHUAH na terra, na pessoa de Seu fraterno
Filho Yahushua, para pôr fim aos Sete Anos da Grande Tribulação e para libertar ao povo de
Daniel, o mesmo povo ao que Rav Shaul se dirigiu em Tessalônica! Todo aquele que se
encontra escrito no Livro da Vida de YAHUAH, que diz que está nas mãos de Yahushua
(Gilyahna/Ap. 5 e 20:15) é liberto. Daniel 12:2, deixa muito claro, que na libertação de
Yisrael do tempo final (o Yisrael do Pacto Renovado) terá lugar a uma ressurreição geral em
duas etapas (Gilyahna/Apoc. 20:5-6). A primeira bendita ressurreição dos justos salvos e
fiéis, seguida por uma segunda ressurreição posterior ao milênio dos injustos e os que não
creem. Em Daniel 12:2, vemos que a libertação que havia na mente de YAHUAH, é a derrota
definitiva da morte (Qorintyah Alef/1 Cor. 15:51-55) por meio de uma ressurreição em duas
etapas, tendo os da primeira ressurreição a garantida e a felicidade perpetua! A vinda do
Messias Yahushua é para libertação da morte e do lago de fogo e enxofre e não como se
ensina normalmente, um passeio só de ida no “submarino amarelo”, e o adeus perpetuo!
Nenhum destes textos fala de um "arrebatamento secreto e uma terceira vinda"! É relatado
que YAHUAH faz as coisas à luz e abertamente. Não se envergonha de Seus caminhos de
justiça e de Seus justos julgamentos (Yochanan/Jo. 8:12; 1:4-5), de modo que não é preciso
se envolver em um manto de clandestinidade ou sob um pseudônimo para proclamar a Sua
verdade.
17- Ausente da Revelação?
A chamada "igreja" ser apanhada para ser levada em um arrebatamento. Esta falsidade foi
proclamada por John Darby dos "Irmãos" e posteriormente exposta por Schofield.
Schofield considerava o apelo de Yochanan/Jo. ao céu numa visão como a última menção
do arrebatamento da assembleia no livro de Gilyahna-Apoc. Destaca o fato de que a
chamada "igreja" não irá ser mencionada no livro de Gilyahna-Apoc, após o capítulo 4. Essa
foi a lógica a respeito da "terceira vinda e o arrebatamento secreto" que esperavam antes da
tribulação e de maneira iminente! Para começar, não se pode estabelecer uma doutrina sem

102
uma interpretação primária e literal do texto, confirmado por dois ou três textos literais a mais.
Schofield e Darby calcam sobre o terreno licencioso ao tentar inventar toda uma doutrina
criando uma falsa esperança, baseando na alegoria e a metáfora. Este é o mesmo engano
que fez que o Judaísmo messiânico recusasse a restauração das duas casas de Yisrael.
Simplesmente edificaram um fundamento defeituoso com a alegoria quando esta somente
poderá ser usada, para confirmar um assunto, nunca para estabelecê-lo.
A ausência da palavra "igreja" eklesia, após o capítulo 4 de Gilyahna, não é devido a
existência de uma terceira vinda secreta. Jamais! A eklesia não se volta a mencionar de novo
após o capítulo 4, porque o enfoque de YAHUAH passa das sete assembleias da Ásia Menor
aos acontecimentos futuros, que mostrou a Yochanan/Jo., em uma visão pessoal profética! O
tema a ser considerado de Yohanan, será os acontecimentos dos tempos do fim, em lugar
dos acontecimentos correntes de sua própria época. A porta aberta do Shamayim/céus em
Gilyahna 4:1, é uma amostra do futuro profético de seu Povo do Pacto renovado de Yisrael.
O enfoque da visão era relacionado com os acontecimentos futuros como o julgamento, a
libertação e a ressurreição. Por que ia YAHUAH continuar mencionando o estado atual de
Sua eklesia/Kahal, quando os acontecimentos proféticos que terá que experimentar a eklesia
é um tema sob consideração? Também o livro de Gilyahna era uma epístola geral escrita a
todos os crentes e não só a uma Kehilah/Congregação concreta dos últimos dias. A palavra
eklesia também está ausente dos livros de Teitus/Tito, Yahudah/Judas e Fileymon/Filemon.
Significa isso que esses três livros ensinam todos eles "um arrebatamento secreto e uma
terceira vinda" singelamente, porque esse tema não é mencionado aí?
Essa é uma conclusão que chegamos, em dedução e não será permitida em nenhuma
consideração honesta, da verdadeira segunda vinda do Messias. Conquanto não se volte a
mencionar a palavra eklesia após o capítulo 4 de Gilyahna, os termos crentes e
Kadoshim/separados se mencionam e estes termos são sinônimos. A eklesia é simplesmente
a soma total de suas partes Kadoshim/separadas. Se a maior parte do livro de Gilyahna não
se aplica à eklesia na terra durante os acontecimentos descritos nele, por que ia o livro de
Gilyahna começar e acaba com referência a eklesia/Kahal na terra, esperando o regresso de
seu Mestre Yahushua? (Gilyahna/Ap. 1:4, 22:16,17, 20, 21)? O livro completo está escrito
para a eklesia do Yisrael do Brit Chadashah e somente para aqueles que estão dispostos a
manipularem os textos, poderão inserir a transferência da eklesia da terra ao Shamayim/céus.
Esta conduta é perigosa e é também uma interpretação alegórica privada de Gilyahna/Ap.
4:1.
18- Enoc
Outro argumento popular usado pelos "defensores da terceira vinda secreta" é a de Enoc.
Enoc igualmente a Gilyahna/Ap.4:1, afirma que era uma "figura" do arrebatamento. O
problema aqui é duplo. Primeiro é recorrer novamente à alegoria como um fundamento de
uma doutrina que é fundamentalmente defeituosa. Se Enoc foi ou não foi levado ao céu, não
é importante! A questão é como e sobre que justificativa das Ketuvim/Escrituras se converte
Enoc em uma "figura" do "arrebatamento secreto da chamada igreja". Quando você levanta
para cima a “tampinha” do refrigerante, isso também é "um anúncio alegórico" de ir "para
cima" em um "arrebatamento secreto"? Em segundo lugar, estão aqueles que ensinam que
Enoc não foi levado ao céu, nem muito menos, senão que a Palavra traduzida em
Bereshit/Gn. 5:24, é a palavra lachach, que também pode significar colocar, trazer, mover,
apanhar ou levar a outra parte da terra de maneira sobrenatural. Os eruditos continuam
estando veemente em desacordo com respeito a este tema. O usar esta referência não
conclusiva, para justificar o "arrebatamento secreto da terceira vinda" é típico daqueles que
pertencem ao movimento do arrebatamento "antes da tribulação".
19- Os Eleitos
Matitiyahu/Mt. 24, existe claramente um lugar dentro do contexto das 70 semanas de Daniel,
os últimos sete anos desta era. Em Matitiyahu/Mt. 24:29-31, a reunião dos justos por meio
da ressurreição relata que existe um lugar, imediatamente após a Tribulação daqueles dias.
Matitiyahu/Mt. 24:31, inclusive usa a palavra reunir na qual se encontra em outros lugares do

103
Brit Chadashah. Que fizeram John Darby, Schofield e outros dispensacionalistas com estes
Pasukim/passagens da ressurreição, que são claramente posteriores à tribulação? "Darby
justifica-os dizendo que após o arrebatamento da chamada "igreja" [antes da Grande
Tribulação], durante o período da tribulação, o Elohim trataria com os Yahudim/judeus, de
uma maneira especial, olhe e veja! (atenção!) Onde temos ouvido isso anteriormente?] e lhes
guiaria na proclamação do Besorah/evangelho do Reino". Posteriormente acrescentou este
entendimento aos Kadoshim/separados da tribulação que disse que se referia ao
"remanescente judeu" e a seus convertidos. A fim de justificar esta "terceira vinda secreta"
para buscar a uma entidade separada criada pelo homem, John Darby cometeu um dos
piores erros de hermenêutica escritural. Ele agregou o tema da palavra elegidos (os
escolhidos) em Matitiyahu-Mt. 24:22, ao Yisrael judeu não isento, quando qualquer outro uso
desta palavra no Pacto Renovado, sem exceção, se refere sempre a todo o corpo isento do
Messias. A palavra elektos (da Concordância Strong, número 1589) no grego, refere-se
sempre a todos os crentes nascidos de novo e escolhidos, ou eleitos, no Messias Yahushua.
Inclusive Yahushua mesmo afirma em Matitiyahu/Mt. 24:22, que é porque os eleitos ou
elektos estão passando pela Grande Tribulação mas que a Sua rachamim/piedade para com
eles é tal, que reduzirá ou porá fim ao tempo da Grande Tribulação "por causa dos
escolhidos".
Se YAHUAH não se move a favor de Seus filhos durante a Grande Tribulação, nenhuma
carne [crente] sobreviveria! Por que ia YAHUAH a encurtar os dias da Grande Tribulação a
favor daqueles que são, por natureza, filhos da ira (Efsiyah/Ef. 2:3)? A fim de apresentar um
retrato da eklesia do Yisrael do Pacto Renovado, que foi levada no arrebatamento antes dos
acontecimentos descritos em Matitiyahu/Mt. 24, “de repente” e celebrando com um
atrevimento sem precedentes, Darby e Schofield declararam unilateralmente, que os eleitos
de Matitiyahu/Mt. 24, não se referem já à eklesia/Kahal, senão aos que atribuíram o termo
aos Yahudim/judeus não crentes. Não se podem chamar aos incrédulos de qualquer raça
(incluindo aos yahudim/judeus) os eleitos de YAHUAH, que é um Aba/Pai, que exige uma
emunah/fé, como um requisito indispensável para lhe comprazer. A finalidade de eliminar as
referências evidentes à eklesia de um capítulo, que claramente teve lugar dentro do marco do
tempo da Grande Tribulação, os defensores do "arrebatamento" transferem a designação de
elektos do corpo dos crentes nascidos de novo, atribuindo no lugar deles a Yahudah/Judá
não regenerado. Esta prática, não se aplica a estes homens, em nenhum outro lugar que não
seja em Matitiyahu/Mt. 24! É isso uma extrapolação escritural consistente? Não só é este um
exemplo de tratar a Devar/Palavra de maneira desonesta e com artimanhas, senão o fato de
flagrante e vergonhosa manifestação dos históricos e antissemíticos sentimentos de ódio, de
desconfiança e de ciúmes, que muitos "crentes" têm com respeito ao povo judeu.
A "teoria da terceira vinda secreta do arrebatamento", singelamente propaga o problema
antiquíssimo da Teologia da Substituição da chamada "igreja" (que se supõe que ela é o
Novo Yisrael) que recebe as berachot/bênçãos enquanto os yahudim/judeus (que se supõe
que é o antigo e recusado Yisrael) recebem as maldições (de Devarim/Dt. capítulos 28 a
32). Em essência pura, a "teoria criada pelo homem da terceira vinda e o arrebatamento" é
um esforço por fazer "que a ira caia sobre os judeus" que ficam para trás, para que
experimentem a ira de YAHUAH, a favor do “novo” Yisrael (a chamada "igreja") que é
contrario ao Yisrael do Brit Chadashah! A eklesia do Yisrael do Brit Chadashah é Efrayim,
Yahudah juntamente com os Gerim que estão sendo enxertados por fé no Messias. Destes
três grupos, um remanescente justo dos yisraelitas do Brit Chadashah, será protegido durante
as 70 semanas de Daniel. Os elektos inclui, cada vez mais, a grandes porções da Casa de
Yahudah, e por isso, toda Yisrael é conservada na terra, como os elektos, incluindo aos
judeus que têm crido, até a ressurreição do último dia desta era. Aqueles que sobreviverem a
Grande Tribulação, baseando no cuidado protetor de YAHUAH, serão os que terão de serem
transformados num momento, em um abrir e fechar de olhos.
Os que sofrerem martírio durante a Grande Tribulação, quando se diz a Michael/Miguel, que
cesse de seu ministério de proteção (quando Michael/Miguel for tirado do “meio”)
ressuscitarão pouco depois, ao final do período dos sete anos, quando regressar Yahushua.
A mentalidade dispensacionalista de Darby e de Schofield de darmos "uma surra nos judeus"

104
produz por causa dos mais nefastos ensinos religiosos (que existem muito no Cristianismo e
no Judaísmo Messiânico) que faz questão de que os cristãos (principalmente descendentes
de Efrayim) são uma entidade física separada do Yisrael judeu, contrariamente a segunda
casa de uma só entidade unida conhecida como a Comunidade de Yisrael! O separar a
eklesia do Messias Yahushua, do Yisrael físico, com suas 12 tribos, como um povo físico,
histórico, social e espiritualmente reconhecível, a fim de fundir e remodelar em uma entidade
separada chamada o "Yisrael espiritual", "o Novo Yisrael", ou a chamada da "igreja", é a
origem da causa de todos os males da falta de unidade, divisão, ciúmes e o ódio, de que tem
sido vítima a nossa fraterna nação. O erro do arrebatamento não é a origem da
Baruch/bendita esperança (como o é a segunda vinda, segundo Teutos/Tt. 2:23), senão
melhor, a origem de grande parte de nossa discórdia e da separação da alma do corpo, uns
dos outros! O Cristianismo não teria tanta pressa por promover a doutrina de "darmos uma
surra nos judeus", que se originou com um estudante da “bíblia” de 15 anos de idade,
torcendo o conceito dos eleitos de Matitiyahu/Mt. 24, para que isso signifique que o judaísmo
tradicional, e se Efrayim/Yisrael (a maioria dos nascidos de novo que não são judeus) se
dessem conta que são UMA GRANDE PARTE DO YISRAEL FÍSICO. Se isso foi feito, eles
enfrentariam com a realidade de seu destino, para participar do mesmo benefício que Judá.
Então se eles andassem com um pouco mais de cautela, antes de atribuir as maldições da
Torah ao Yisrael judaico (sua ideia de todo Yisrael, isto é, os judeus) enquanto eles ficam
com todas as berachot/bênçãos para si mesmos! Então muitos cristãos resolveriam de
maneira agressiva os enganos dos autores dispensacionalistas, que seguem cegamente!
Não haverá (um “ônibus” do arrebatamento antes da tribulação, a modo de “submarino
amarelo”, para poder evitar "uma dura noite após o dia" com respeito à Grande Tribulação!
Isso não é mais que pura fantasia! Não há nenhuma mentira que possa sobreviver para
sempre, sem ser exposta antes ou depois! Da mesma maneira que sucede com a Teologia
da Substituição, nos encontramos de novo com as raízes da "teoria do arrebatamento
secreto" é o açoite da Teologia da Entidade Separada! Que seja anátema/maldita se dirigir
em nossa vida, de modo que os homens de boa vontade possam, em todas as
denominações, deixar seus próprios programas e seguir adiante com a necessidade de
restaurar o Reino de Yisrael! Os escolhidos de Matitiyahu/Mt. 24 (elektos) referem-se aos
judeus, aos Efrayimitas e aos Gerim, sendo todos eles os escolhidos (ou nação separada) e
todos terão de ser recompensados, seja por meio da transformação ou a ressurreição, após a
Grande Tribulação, porque como Yahushua vê as coisas, "não há judeu, nem ethnos (outros
crentes que não são judeus), não há nem homem nem mulher, nem escravo nem livre
(Galutyah/Gl.. 3:29) só um corpo ou uma nação do Yisrael do Brit Chadashah (Efsiyah/Ef.
2:14-15) vivendo no Moshiach Yahushua, como a semente (esperma) de Avraham!
20- A Analogia do Casamento judaico
Existe inclusive um esforço por comparar "o arrebatamento" com os casamentos judaicos
escriturais para justificar, de alguma maneira, "o arrebatamento na terceira vinda". O
movimento messiânico Yahudi/judeu está cheio destas analogias, em seu próprio esforço mal
enfocado, por justificar um arrebatamento antes da tribulação. A maioria se surpreenderia, ao
se inteirar de que o uso das tradições dos casamentos yahudim/judeus como uma alegoria do
"arrebatamento secreto e a terceira vinda" não é um ensino escritural judaico, nem muito
menos um esforço no final do século XIX, por parte dos dispensacionalistas cristãos, por
justificar uma doutrina que é evidentemente absurda a todos os níveis do entendimento
simples ou Pashat.
21- A Kavatz de Yisrael!
Se o arrebatamento, tal e como se ensinou nos "círculos da Church/igreja" não é escritural,
então o que é exatamente este acontecimento da ressurreição após a Grande Tribulação,
antes do amanhecer do milênio? Em hebraico a palavra reunião é Kavatz, na Concordância
Strongs, número 6908. A palavra aramea, parecida, é khataf, que significa literalmente uma
reunião ou reagrupação. Todo o argumento da segunda vinda tal e como está descrito nas
Ketuvim/Escrituras, não é o arrebatamento de uma entidade separada criada pelo homem,
senão uma reunião sobrenatural do Yisrael disperso com suas duas casas ao final destes

105
tempos (Olam hazeh) a fim de que façam parte do milênio (atid Lavoh) e posteriormente na
perpetuidade (Olam habah). Devarim/Dt.30:4, fala de YAHUAH levando a Yisrael de volta,
juntos, por meio de uma forçada reunificação, procedente de outros países. Rachi, o grande
comentador judeu, afirma que:
- A reunificação de Yisrael nos últimos dias, "significa que serão arrastados pelo ar na mão do
Messias para leva-los à terra".
A referência a khataf ou reunificação de Yisrael é encontrado em Matitiyahu/Mt. 24:31,
Yohanan Moshe/Mc. 13:27 e Tesloniqyah Alef/2 Ts. 2:1. A reunificação dos eleitos
relacionou-se com a reunificação que levará o Messias nos últimos tempos de todos os
exilados de Yisrael, procedentes das duas casas dispersas. O som do shofar/chifre de
carneiro/”trombeta”, como se menciona em Yeshayahu/Is. 27:12-13, refere-se a reunificação
das duas casas de Yisrael durante os últimos tempos e também se faz referência a ela em
Tesloniqyah Alef/1 Ts. 4:16-17 e Qorintyah Alef/1 Cor. 15:50-55. O fato de que a khataf (a
reunificação obrigada) inclua a ressurreição, é uma clara referência a Yechezkel/Ez. 37, que
fala a respeito da restauração de Yisrael como nação, quando os dois paus se converterem
em um novo pau, após a ressurreição física. É a ressurreição física a respeito da qual se fala
na Brit Chadashah, que faz que se cumpram estes antigos versículos sobre a restauração
(Yeshayahu/Is. 25:1-12)! Mais prova a respeito do chamado "arrebatamento secreto da
terceira vinda", é o fato de que a segunda vinda do Messias Yahushua para recolher a todo
Yisrael se encontra no termo, "os quatro ventos" ou os quatro cantos da terra, que está em
Matitiyahu/Mat. 24:31 e Yohanan Moshe/Mc.13:27, ambos citando a Yeshayahu/Is. 11:12
e Devarim/Dt.30:4, claras referências a reunificação de Yisrael. A khataf consistirá na
reunificação do Yisrael nacional (Yahudah e Efrayim bem como os seus colegas) de volta a
terra no final da idade atual, como duas casas que se uniram totalmente (Yechezkel/Ez.
37:16-28) a fim de participar da tiferet/esplendor, na autoridade e no poder do milênio.

106
O LUGAR DE MOSHE/MOISÉS E O
ISRAEL MESSIÂNICO
A DÉCIMA TERCEIRA PARTE DE UMA SÉRIE CONTÍNUA SOBRE A
COMPLETA RESTAURAÇÃO DE YISRAEL!

PRONUNCIADO AO VIVO EM MIAMI ANO 2000


ORLANDO, FLÓRIDA

INTRODUÇÃO
O texto completo de Matitiyahu/Mat. em hebraico apareceu no corpo de um judeu do século
XIV intitulado: Even Bohan. O autor, chamado Shem Tov Ben Isaac Ben Shaprut completou
sua obra em 1385 e revisou-a em várias ocasiões. Usou 9 manuscritos hebreus diferentes
dos que estavam conservados do Evangelho de Matitiyahu, com o propósito de recopilar sua
tradução. Ele não era crente messiânico, e ele incluiu o Matitiyahu hebraico em seus tratados
defendendo ao judaísmo contra o cristianismo, nos argumentos em que participava. O Mat. de
Shem Tov está disponível, e você pode pedi-lo a Mercer University Press em Macon, Georgia
ISBN 0-86554-470-0 e também pode pedir à Century Publishers de Califórnia.

UMA MANEIRA SEGURA DE RELACIONAR-SE


Por favor, leiam comigo Matityahu/Mat. 23, a finalidade da renovada nação das “Duas
Casas” que nosso Pai está levantando nestes últimos dias, esteja curada e tenha um mesmo
sentimento e avançando com a marca do elevado apelo de YAHUAH no Messias Yahushua,
é extremamente necessário que nós nos relacionemos de uma maneira apropriada na
Cátedra, (Lugar ou Assento) de Moshe/Moisés, sabendo definir este muito discutido tema. A
única maneira segura de enfocar este tema, que tem sido objeto de tantos maus entendidos,
é começar primeiramente em sua origem. Quem é a fonte de toda verdade?
- O Messias Yahushua e as Escrituras hebraicas.
Eu estou convencido de que uma grande parte do Brit Chadashah/Pacto Renovado foi escrito
em hebraico. No entanto, não tenho nenhuma dúvida, que o livro de Matitiyahu/Mat. foi escrito
em hebraico e hoje nós vamos falar desta versão hebraica. A Cátedra de Moisés pode ser um
dos temas de pior interpretação no movimento messiânico, e o que mais se entende errado é
a maneira em que você e eu devemos nos relacionar com a Cátedra de Moisés. Nossos
irmãos judeus messiânicos, em seus esforços por converter-se no quarto ramo legitimamente
reconhecido do Judaísmo, comprometeram-se a si mesmos, se esforçando por conseguir a
aprovação daqueles que imaginam como os que ocupam a Cátedra de Moisés. Vou
compartilhar com vocês algumas coisas que eu acredito que revelará totalmente o que pode
ser o confuso versículo de Matitiyahu 23. Comecemos com o versículo um de Mat. 23:
- "Então falou Yahushua à multidão e aos seus discípulos dizendo:
- “Os Escribas (sofrim) e os fariseus (Prushim) estão sentados na cátedra de Moisés." Esse é
um fato estabelecido. Se pudesse argumentar o caso se eles ocupam legalmente ou
ilegalmente essa cátedra, mas não é esse o tema sobre o qual eu vou falar hoje. Eu Podia
falar, com toda razão, de que os Prushim e os Sofrim estavam ocupando ilegalmente a
Cátedra de Moisés, já que não eram filhos legítimos de Aaron/Arão [em muitos casos], senão
que eram homens que tinham sido nomeados politicamente para ocupar o posto de
mercenários dos governantes Rm.. Eu posso afirmar, com toda a razão do mundo, que o Pai

107
não colocou estes homens que ocuparam este posto na Cátedra de Moshe nos tempos de
Yahushua e, no entanto, não é isso que eu quero falar hoje.

COMO LIDAR COM A REALIDADE


O Rei Yahushua disse que o fato era que eles ocuparam a Cátedra de Moisés e agora e isso
é que devemos enfrentar. Nós, como o povo do Israel Messiânico Nazareno, também temos
que enfrentar isso, porque se não fizermos e não nos identificarmos corretamente com este
conceito em nosso movimento, que esta sendo restaurado a nação de Israel ao mesmo
tempo, com Yahudah/Judá e Efraim regressando, nós corremos o perigo de cair em uma
armadilha, que ameaçará a nossa unidade em nosso movimento. A ameaça à durabilidade
deste movimento estará ameaçada. Pode ser que este seja um dos temas mais importantes a
respeito que você poderá falar nesta ou em qualquer outra conferência Nazarena.
Mas é necessário que tenhamos que tratar com ele quando encontramos o versículo 3. Os
Escribas e os fariseus ocupavam a Cátedra de Moisés nos dias de Yahushua. Em Mat. 23
versículo 3, diz em nossas traduções tradicionais:
- "De modo que, tudo o que vos digam o façam, vocês podem guardar, mas não façam
segundo as suas obras, porque eles dizem e não fazem."
Quantos de vocês têm lido realmente todo o capítulo 23 de Matitiyahu-Mat.? Permitam-me
dizer-lhes algo. Ao ler os versículos 1 ao 39, tudo se encaixa num precioso discurso, como
uma obra de arte contextual de Yahushua, e o fato para descobrir o fermento hipócrita dos
fariseus. Os versículos 1 ao 39 de Mat. 23, se encaixam perfeitamente no desenho de um
mosaico. Esse mosaico é o dos fariseus, que falam como Moisés (simbolizando a autoridade
da Torah), mas não andam como Moisés (violam a Torah), devido o seu fermento ser uma
hipocrisia. De maneira que se os versículos 1 ao 39 de Mat. 23 se encaixam tão
perfeitamente com uma exposição do fermento, nesta questão, é como tratamos ou
explicamos um aborto textual, por assim dizer, no versículo 3? Por que ia Yahushua gastar
39 versículos abertamente, falando, advertindo e falando toda classe de males e de trevas a
nós, encontrados nos ensinos dos fariseus e depois deslizar ou se equivocar no versículo 3
de Mat. 23? Poderia o Rei Yahushua se contradizer a si mesmo, para nos dizer que apesar
do pecado deles, nós devemos segui-los de alguma maneira? E as suas obras más?
Escutariam de qualquer maneira! Por que poderia Yahushua, sabendo de suas vidas de
maldade que eles levavam, ordenou aos Seus discípulos, que não se preocupassem por
essas coisas e ainda seguissem seus caminhos de morte? É como dizer que o Tio Charlie é
um pedófilo, molesta sexualmente aos meninos, de maneira que não é mais possível confiar
nele quando ficar com os meninos, mas apesar disso, quando você precisar de uma pessoa
para cuidar deles, quando for viajar, você pode deixar os seus filhos na casa do Tio Charlie!
(Incoerente).

O VERDADEIRO SIGNIFICADO EM HEBRAICO


Em nossas traduções tradicionais no versículo 3 de Mat. 23, não faz sentido, quando lemos
no contexto de todo capítulo e isso acontece, porque temos recebido muitas traduções
equivocadas do versículo 3 do texto grego. No entanto, de acordo com Eusébio, um dos
primeiros pais da fé:
-"O Matitiyahu/Mat. em hebreu, esta conservado na Biblioteca de Cesárea de Filipo".
Ele foi conservado e foi transmitido a nós nos dias de hoje e aparece no Mat. de Shem Tov,
que é a conservação do Mat. em hebraico, que originalmente se encontrava em Cesárea de
Filipo, segundo Eusébio.
Examinemos com maior profundidade o versículo 3 nas traduções tradicionais, que é o único
versículo preocupante no meio de uma série de textos que estão perfeitamente claros. O fato
é que os Escribas e os Fariseus ocupavam a Cátedra de Moisés. Encare você essa realidade!
O versículo 3, afirma as traduções tradicionais que:

108
- "tudo que vos disserem a vocês, você pode fazer e guardar". Talvez Yahushua não está
falando aos seus discípulos e não dá a impressão de que o Messias Yahushua está dizendo a
eles e a nós, por meio deles (escribas e fariseus), que tudo o que eles nos falem e ensinem,
nós temos que fazer? Não é isso o que parece ensinar o versículo 3 de Mat. 23? Isso é o
que parece afirmar. Dá a impressão de que Yahushua está animando a seus discípulos, para
que todas as gerações se submetam as ordens da Cátedra de Moisés. No entanto, no
contexto claramente entendido dos versículos 1 a 39, essa é uma impossibilidade
textual. Mas não só é uma impossibilidade textual, senão que outras passagens das
Escrituras, como podemos ver em Yochanan Moshe-Mc.7, proibindo a submissão dos
israelitas do novo pacto, nascidos de novo, para se submeterem a uma Cátedra, que se
caracteriza pela hipocrisia cheia de fermento e da hipocrisia da maldade. O perigo enfrentado
principalmente na Casa de Efraim (em seu desejo de serem “judeus”, coisa esta, que à Efraim
não foi ordenado) em seu chamado para regressar a nação de Israel e recusar os costumes
pagãos, tanto de Judá como de Efraim, é que em algumas ocasiões, Efraim atua como uma
pomba insensata, segundo Hosheia-Os. 7:11. Quando os efraimitas se encontram com um
crente judeu, com frequência eles se sentem inferiores e dominados pela presença dos
judeus, a inveja e às vezes uma reverência e adoração sempre acontece aos judeus. Então o
efraimita começa a agitar-se de muitas maneiras insensatas, incluindo a doutrinal. Não é
interessante que na maioria dos ramos do Cristianismo atual, se pode encontrar o símbolo de
uma pomba? Hoshea/Os. afirma que Efraim se comporta como uma pomba insensata, ao
estar diante da presença das “profundas raízes familiares de Yahudah/Judá. Eles agem de
maneira insensata, são iludidos pelos “homens de preto”, e eles se esquecem de que o
homem não é para ser adorado, nem a sua nacionalidade ou a sua posição, mas eles
igualmente como Judá, têm sido chamados a fixar os seus olhos no autor e consumador da fé
e não no farisaísmo!
Como pode Yahushua gastar 39 benditos versículos das Escrituras, nos dizendo que
evitemos a hipocrisia que emana da Cátedra de Moisés (keseh Moshe) e depois virar e dar
uma “assoviada”, dizendo:
- Vocês tem que fazer e obedecer, de toda maneira!? Se for isso o que Ele está
verdadeiramente dizendo, eu não quero seguir a este Yahushua. Porque o messias ia gastar
todo o seu tempo nos advertindo, nos guardando, chamando a nossa atenção e nos
protegendo contra o erro dos Escribas e dos Fariseus, para nos deixar com uma enorme e
contradição, ACORDEM! Mas como no caso do tio Charlie:
- Isso não importa....vocês podem e devem deixar os seus filhos na casa do Tio Charlie, você
não vai se preocupar que ele é um pedófilo, não é?! Vocês entendem o que quero dizer
irmãos?
De maneira que no original hebraico, que se conservou no Matitiyahu/Mat. de Shem Tov, no
versículo 3, queridos irmãos, diz algo totalmente diferente. No original hebraico de Mat. 23:3,
eu tenho aqui o que ele diz, e vocês verão uma enorme diferença. O hebraico diz o seguinte:
"Lamor, al kiseh Moshe yoshveh haprushim vehachochmim. Vatah, kol
asher yomer lachem shomru veassu. Ovtachnutahem umaashem al tasu.
Shhem omrim vehem anam osim.
Peço-lhes perdão por falar em “línguas”, mas somos todos israelitas e um dia todos falaremos
hebraico! (rsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrs). Como tenho dito anteriormente, em todas as traduções
normativas e aceitadas, baseadas no grego, dá a impressão de que Yahushua, o nosso Rei,
está dizendo seja lá o que for o que eles digam a vocês, vocês devem fazer, sem fazer
nenhuma pergunta, já que possuem a Cátedra de Moshe/Moisés, que é simbólica do poder e
a autoridade de Moshe! Inclusive ainda que eles lhes ensinem como odiar a Yahushua ou
como lhe amaldiçoar na shimoneh esreah, a oração litúrgica do livro de orações dos judeus,
que contém uma maldição para os minim ou traidores (aos crentes messiânicos netsarim). A
maneira que os primitivos perseguidores expunham aos crentes, era lhes obrigando a fazer a
oração shimoneh esreah, para que eles se amaldiçoassem a si mesmos. Estaria Yahushua,
se Ele é realmente o Filho de YAHUAH, disposto a ensinar a você e a mim, a nos submeter a

109
uma autoridade que exija que você e eu cuspamos e amaldiçoemos ao nosso Salvador e que
coloque novamente no madeiro ao Filho de YAHUAH, pisoteando o sangue do pacto
perpétuo? Não, não, não, de modo nenhum! Algo está errado em nossa maneira de entender
estes versículos.

KOL ASHER YOMER!


Tenho aqui a tradução direta do Matitiyahu/Mat. hebreu de Shem Tov:
- "lamor. Ao kiseh Moshe, que significa a Cátedra de Moshe/Moisés
- yoshvei haprushim vehacochmin, a cátedra dos fariseus e os sábios.
- Veatah, kol asher yomer lachem, e agora TUDO O QUE VOS DIGAM, façam. Guardem e
façam, mas as suas ordens e At. não os façais. Porque eles dizem [Moisés] e não [de
Moisés]. De modo que o contraste em hebraico é como assim se segue:
- Porque eles se assentam em Moises,(cátedra de Moshe) e no assento, agora tudo o
significa "yomer" o que tem sido dito por um indivíduo no passado, deveis continuar
fazendo. Na Torah quando YAHUAH falava a respeito da Torah com frequência, dizia ko
amar YAHUAH ou vai-yomer YAHUAH el Moshe. É o que uma pessoa diz à outra, ou a
outras. Se Yahushua, o Rei de Israel, tivesse dito aos Seus discípulos que seguissem aos
fariseus, que por sua vez lhes ensinariam como amaldiçoar, odiar, blasfemar e negar ao seu
Messias, Yahushua teria usado a forma plural de yomer que é omrim. Se Yahushua
estivesse nos dizendo para seguirmos as cegas a Cátedra de Moshe/Moisés, em uma
obediência cega, então o hebraico diria:
- kol shehem omrim not kol asher yomer! Os termos "kol asher yomer" referem-se as
ordenanças de uma pessoa ou a declaração de uma pessoa a outra!
Mat. 23:3, significa literalmente tudo o que ele vos disser a vocês, ”a quem se refere ao
falar: ele? A Moshe/Moisés! Tudo o que Moshe falar ou estiver dizendo no presente, yomer,
GUARDEM! Ou a palavra yomer no presente contínuo pode inclusive significar o que disse
YAHUAH e continua dizendo porque Ele é perpetuo e é imutável! Seja como for, essa palavra
tanto se refere a Moshe, como se refere a YAHUAH, por meio de Moshe/Moisés, é a
declaração de uma pessoa no presente contínuo, não uma declaração grupal, que
representaria então, o fazer uso do plural coletivo do verbo no presente omrim.
CONTRASTES
O hebraico de Shem Tov em Mat. 23:3 contrasta com o que ele (MOSHE) afirma que: é
contra o que os Fariseus e os sábios dizem. Não estão DIZENDO A MESMA COISA. ESTE
VERSÍCULO É UM VERSÍCULO DE UM ENORME CONTRASTE, não uma advertência para
que sigamos a blasfêmia e os erros malvados e perniciosos. O Rei Yahushua está deixando
claro, que Moshe/Moisés e o judaísmo rabínico, ambos estão afirmando e dizendo a mesma
coisa, mas não estão fazendo e ensinando as mesmas coisas, de forma nenhuma.
Portanto, a interpretação hebraica de Matitiyahu/Mat. 23:3 é esta:
-"veatah kol asher YOMER lachem shomru veasu, uvtachnotahem umaasehem ao tasu
shhemem omrim vhem anah osim, é uma advertência do fato de que os seus At. coletivos
não concordam com as palavras individuais de Moisés. Quando se refere aos At. coletivos
contrários a Torah dos Fariseus e os sábios, Yahushua usa o plural nas palavras
uvtachnotahem uma-asehem, (que terminam com o sufixo plural hem) suas ordens
e seus At.. Se fosse o desejo verdadeiro do Messias, que fôssemos cegos seguindo a cegos,
e se nos tivesse dito para seguíssemos o kol shehem OMRIM, usando a forma plural de
yomer, da mesma maneira que Ele fez quando se referiu as ordens criadas pelo homem, de
maneira coletiva, e a seus At. onde Yahushua usa o plural presente coletivo.
Matitiyahu/Mt. 23:3 é um apelo a Torah e um apelo para que nos distanciemos da
corrupção da Cátedra de Moshe/Moises, feito a todos os discípulos do Rei Yahushua!

110
Somente entendendo de uma maneira hebraica, poderemos ver o versículo 3 de Mat. 23
ocupando o seu lugar lógico, e que corresponde em um capítulo cheio de fortes contrastes
entre a Torah de Moisés e as ordens e comportamentos dos Fariseus (legalismos/debaixo da
lei/sob a lei). Se Mat. 23:1-39 são versículos desenhados com o propósito de contrastar o que
é correto, e o que não é, o bem e o mau, a Torah da chamada “Torah Oral”, então por
definição da sintaxis, também deve ter a mesma interpretação do versículo 3! Quando se
entende o versículo 3, como a fixação de uma norma em relação ao resto do capítulo, então
temos uma sintaxis textual, que se encaixa perfeitamente. É então que, quando os versículos
4 ao 39 de Mat. 23 se converte em detalhes da proclamação inicial que fez Yahushua no
versículo 3 para evitar as palavras ("omrim") e escolher as palavras de Moshe/Moises, que
eram "yomer"ed. O Rei Yahushua ilumina o motivo pelo que tem solicitado aos Seus
talmidim/discípulos, para negar e recusar a liderança da Cátedra de Moshe/Moises, tendo em
vista as palavras puras de Moisés, que é o legislador.
OS PERIGOS
O perigo que corre o movimento do Israel messiânico, se não andarmos com cuidado, é que
cairemos nos mesmos erros que nossos irmãos judeus messiânicos, que estão tentando
ganhar, adquirir e tentar a aceitação do judaísmo rabínico tradicional, apesar de negativas
contrárias, de maneira que de alguma forma possa conseguir que sua estrutura contrária a
Yahushua possa dar ao judaísmo messiânico um selo de aprovação. Por alguma estranha
razão, segue existindo esse insaciável desejo no Judaísmo messiânico por chegar ao que
percebem como a justa Cátedra de Moisés e de alguma maneira conseguir sua aceitação a
fim de que o Judaísmo tradicional possa por fim reconhecer ao Judaísmo messiânico como
uma expressão legítima do judaísmo. Porque isso ainda se sucede desta maneira? Porque
têm cometido o engano que deve evitar o Israel messiânico. Em que consiste o dito erro?
Primeiro, seja o que for o que diz o judaísmo ortodoxo que deve seguir, efetivamente, de
seguir, ainda no caso que seja negativo, do ponto de vista escritural, já que eles são nossa
cobertura e autoridade. Este engano faz que os messiânicos obedeçam esta percepção,
inclusive a expensas da verdade, obrigando com frequência aos crentes a comprometer a
Escritura, para que de alguma maneira se mostrem humildes tentando seguir a uma
autoridade que, em muitos sentidos, contradiz claramente a ambos os pactos! O Mat. de
Shem Tov mostra que o contrário é o que é verdadeiro. O Messias Yahushua tem recusado a
Cátedra de Moisés como os superintendentes com autoridade sobre estes discípulos
messiânicos israelitas. Não devemos segui-los se temos que seguir a Yahushua e a
Torah!
Vemos que YAHUAH tem conservado para nós o significado original no hebraico de Shem
Tov. Quando seguimos este entendimento, não existe nenhuma confusão nem se produz uma
lealdade dividida. Temos de seguir ao Kadosh/Separado e só a Ele, que é o que ensina e
apresenta Moisés, ao contrário do que faziam aqueles que lhe julgaram na noite em que foi
traído. Os guardiões de Moisés tinham deixado de fazer e praticar a Moisés (Torah pura),
muito antes que nascesse o Rei Yahushua! Ele colocou 39 versículos de Mat. 23, incluindo o
versículo 3, com a finalidade de dar aos talmidim/discípulos razões detalhadas do por que
Ele mesmo e todos os que são Seus seguidores não devem seguir os Seus ensinos às cegas.
Com o Shem Tov hebraico todo o capítulo flui e se converte em uma declaração definitiva no
versículo final (39). Mat. 23:39 substitui a hipocrisia da Cátedra de Moisés com uma
proclamação da pureza e do governo justo do Bendito, que tem vindo no nome de YAHUAH
para interpretar corretamente a Torah (Yeshayahu/Is. 11:1-5).
Nós, como israelitas messiânicos, não devemos de obedecer cegamente às normas
passadas da Cátedra de Moisés. Tenho aqui muitas razões pelas que o que disse Moisés e o
que disseram aqueles que têm ocupado sua cátedra, são duas doutrinas totalmente
diferentes. Olhemos aos seguintes versículos, cujo propósito tem sido o de mostrar o
contraste, não a obediência às cegas. Comecemos pelo versículo 4- "Eles colocam ônus
pesados e difíceis de levar e os colocam sobre os ombros dos homens". 5- "Mas fazem todas
as suas obras para ser vistos pelos homens". Moisés fez isso? Não, o que fez foi escapar dos
homens e foi-se à montanha durante 40 dias e suas noites com a finalidade de se afastar e

111
não ser visto pela eklesia/kahal de Israel. Por outro lado, eles fazem as suas obras para
serem vistos pelos homens. O praticar sinceramente a Torah significa que devemos entrar em
nosso quarto e realizar as coisas e suplicar em segredo, já que Aba YAHUAH nos
recompensa sempre abertamente. O versículo 6 diz: "Amam (os fariseus) os primeiros
assentos nos banquetes e as primeiras cadeiras nas sinagogas. "Moisés não ia à sinagoga,
mas eles sim. Aí temos de novo esse contraste. Façam o que Moisés fez, mas não o que eles
fazem. O versículo 7 diz: "as saudações nas praças e o ser chamados pelos homens Rabi,
Rabi." Ele era o legislador da Torah, mas prestem atenção no contraste. Moisés era um
rabino, apesar de que não pretendia ser, mas os que ocupavam a Cátedra de Moisés
pretendiam apoderar dos títulos de rabino uns dos outros sem a aprovação de YAH.
Entender isto corretamente é algo muito sério, pois se caímos na mesma má interpretação do
judaísmo messiânico, baseado nos textos gregos facilmente disponíveis, precisaremos e
buscaremos a aprovação do judaísmo tradicional. Por favor, faça o favor, aprisionando o
judaísmo messiânico, digam que somos verdadeiramente israelitas judeus, por favor, digam a
eles, apesar de que creiamos no Homem Yahushua de Nazaret! Aceitem-nos, por favor, como
legítimos israelitas judeus! Não acho que seja esse o desejo que tem Yahushua para nós. Se
Ele nos diz que sigamos e que obedeçamos aos que ensinam a lhe odiar e a negar a
Yahushua, aos que Ele mesmo os chama de guias cegos, quando Eel é a luz do mundo, aqui
há algo que está distorcendo de uma maneira terrível. Por que ia a luz do mundo, que tem
vindo a iluminar o caminho de todo homem, chamar ao Seu povo escolhido, o Israel do Paco
Renovado, para que abandone a Luz e siga aos guias cegos? Yahushua disse que todos os
que lhe seguem, não andarão em trevas, senão que terão a luz da vida (Yochanan-Jo. 8:12)
O judaísmo messiânico diz, sim, mas PS:
- Vamos ali para estar um pouco na escuridão (na Cátedra de Moisés). Outros dizem:
Devemos conceder à Cátedra de Moisés respeito. De jeito nenhum! Você, como discípulo de
Yahushua tem que respeitar o que a Cátedra de Moisés representou, mas não
necessariamente aos representantes ou aos ensinos e comportamentos desta dita cátedra,
quando os cegos ensinos claramente contradizem aos ensinos a respeito da Luz que brilhou
graças a Moisés e ao próprio Yahushua! Essa Cátedra de Moisés revelou e acrescentou
coisas que nem Moisés nem Yahushua jamais disseram, e, portanto, não devemos escuta-las
nem obedecê-las, o hebraico deixa perfeitamente claro isto. Devemos receber nossas
direções só de Yahushua e da Torah e não de nenhuma sujeição ou buscar a aprovação do
judaísmo tradicional. Se corrermos ao trono do judaísmo rabínico tradicional, que não tem o
mesmo Rei que nós temo (as Escrituras nos dizem que negar ao Filho é negar ao Pai, ainda
que afirmemos crer tão só no Pai) e não se doam ao Rei Yahushua da mesma maneira que
eu e você fazemos, isto é um ato de traição. Não precisamos da aprovação deles. “As
escrituras nos dizem em Efesiyah-Ef. 1:4 que você e eu somos separados e sem mancha
diante dele.” Outras passagens das Escrituras nos dizem em Colessayah-Cl. 2:10 que
("estamos completos nele, que é a cabeça de todo principado e autoridade".) Somos aceitos
no que se doou por nós e nossos nomes têm sido escritos no Livro da Vida do Cordeiro desde
antes da fundação do mundo. De modo que precisamos você e eu da aprovação daqueles
que falam ou seguem Moisés, mas não andam como Moisés? Se tivessem caminhado e não
só falado Moisés, não teriam condenado ao Filho de YAHUAH. Fala o judaísmo tradicional
sobre Moisés e fala da Torah? Claro que sim! Yahushua disse que falavam, mas que não
caminhavam como Moisés. Lamentavelmente, o judaísmo messiânico pode ir diretamente ao
dia da destruição, a não ser que não demorem em acordar de que a aprovação procede do
Rei de Israel e não no endereço de 777 Eastern Parkway!

UM CAPÍTULO DE CONTRASTES
A maneira que vemos que o contraste e as advertências do Messias não são o resultado da
ira nem da amargura, senão que as advertências são uma preocupação por Seus
talmidim/discípulos, para que sejam conscientes e se mantenham afastados das coisas que
eles afirmam que fez e ensinou Moisés, mas que na realidade ele nunca fez. Moisés não
viajou por terra e mar com o propósito de fazer um prosélito para seguir-lhe e converter-se

112
num duplo filho da Gehenna (morte) como foram eles originalmente. Moisés não fez isso, mas
eles sim! Encontramos o midrash do Rei Yahushua nos versículos 3 a 39, com um raciocínio
claramente coerente e exatamente por que os discípulos (talmidim) não deviam obedecer às
cegas à Cátedra de Moisés. Não se deve permitir que aqueles aos que se consideravam
ocupantes da Cátedra de Moisés da antiguidade ou os judeus rabínicos que reclamam
essa cátedra na atualidade, influenciem a mensagem das duas casas. Quanto a mim e a
minha casa receberemos nossas ordens para marchar com Yahushua, receberemos nossas
instruções de Yahushua. Não precisamos de nenhum rabino natural, que afirme o que
YAHUAH está fazendo por meio de nós, porque ainda que a Cátedra de Moisés caminhasse
na Torah, temos sido chamados a ter nossa "aprovação" do Ruach HaKodesh (Sopro de
YAH) e só Dele. Não são os que falam Moisés aqueles que devemos de imitar, senão àquele
que diante da presença das forças do inferno mesmo, falou e caminhou em perfeita confiança
e obediência da Torah. Ele é o único e não existe um segundo que seja igualmente
kadosh/puro.
Fixe no que eles fazem no versículo 5. Fazem que seus tzitzitot (franjas) sejam longos e
dizem: "Olhem, vocês dão conta do kadosh que sou e o aspecto tão kadosh que eu tenho?
Até tenho um pequeno tom de azul em minhas franjas dos meus tzitzitot" Moisés não fez isso,
senão que disse que os tzitzitot eles deviam levar com o propósito de evitar a fornicação e se
entregar as prostitutas, como uma devoção pessoal com o Pai, os mantendo como uma
devoção privada a YAHUAH. Moisés não se fez os tzitzitot mais longos, senão que os usou
como uma devoção privada com seu Pai. Voltando ao versículo 3 de Mat. 23, nos damos
conta de que é impossível que signifique " que está bem que os obedeçam de todos os
modos". Não é bom obedecer àqueles que são cegos em seu caminhar com o Pai e isso não
é antissemitismo, é singelamente o fato de que é preciso que consideremos antes de escolher
a essa classe de hipócritas como nossos dirigentes que iremos confiar. O Rei Yahushua se
doa por nós, guarda-nos, protege-nos e pensa no que é melhor para nós. Ele mostra 39
versículos advertindo-nos, portanto por que ia negar isso com um só versículo e desse modo
nos enviar aos lobos?
Não devemos praticar os mitzvot/mandamentos como uma consumação pública, e não
devemos de buscar a aprovação, a fraternidade e a honra dos homens, senão que devemos
de se doar para Yahushua com toda nossa mente, nosso ser, nosso coração e a nossa força.
Se Ele honra-nos, fabuloso. Lechaim, pela vida! Humilhem-se a si mesmos debaixo da
poderosa mão de YAHUAH e Ele exaltará a você quando chegar o momento oportuno. Eles
pretendiam a honra, mas nós não devemos fazer isso e devemos buscar somente a honra
Dele, e que só Ele pode conceder. Aí temos de novo esse contraste. Não devemos cobiçar e
pretender títulos, mas se é nos concedido, bem está. É como se devolvesse a você o dinheiro
dos impostos, e quando você o pegar depois irá depositá-lo, mas você não conseguirá pegá-
lo. Os fariseus fecham o reino dos céus contra os homens, não permitindo a “am haaretz” ou
as chamadas "pessoas incultas de Israel" que entrem no Reino de YAHUAH. De alguma
maneira tinham que receber um título da Yeshiva ou ser ordenados a fim de serem
considerados verdadeiros judeus ou israelitas! Isto é algo que Moshe não fez, pois ele não
dividiu a Israel em um sistema maligno. Que teria sucedido com o que cobrava os impostos
ou com a prostituta? Talvez não têm um lugar na mesa do Messias? Essa classe de pessoas
era precisamente às que se lhes impedia aproximar à Cátedra de Moisés para serem
curadas, para serem libertas e restauradas. Estes “am haaretz” tinham-se convertido em
indesejáveis, sem ninguém que se compadecesse deles. Mas não é esse Moisés, senão o
fanatismo e os preconceitos do homem. A Torah nos diz que deixemos um pouco de alimento
para o estranho quando espiguemos nossos campos.
O se doar à “am haaretz” e àqueles que não podem nos corresponder, isso sim é Torah
(ensinos de Moisés). Em Mat. 23, versículo 15 Yahushua diz: "devorais as casas das viúvas
e fazeis orações prolongadas". fazem orações para conseguir dinheiro. Não mudou nada
hoje. Vá você a um cemitério judaico ortodoxo hoje e os judeus ortodoxos levarão você à
tumba e farão uma “daven” (oração) com você se você der a eles 20 dólares. A
autoproclamada Cátedra de Moisés e seus hipócritas estão fazendo exatamente o mesmo na
atualidade a 2.000 anos. Esperam que a viúva lhes pague por dizer kadish (a oração dos que

113
choram nos enterros) de maneira que não tem mudado nada nos dias de hoje. Nosso Rei e
Adon separou-se de tal modo dos pecadores, estando sem contaminação, que as Escrituras
nos recordam que "até Seus olhos são tão puros que não pode contemplar a iniquidade".
Seus olhos são tão puros que não pode contemplar a iniquidade, então não tentem me dizer
que nos vai enviar a essa antiquada cátedra de corrupção e de degeneração, porque afinal de
contas têm autoridade sobre os crentes.
Eu Recuso! Recuso por completo e você também deve fazer o mesmo!
Quando fazem e ensinam a Torah, é outra coisa, mas quando não o fazem é preciso que nos
afastemos e não nos submetamos a isso. Advirto-lhes irmãos, esse é um dos motivos pelo
que o movimento judaico messiânico está desmoronando no centro. Isso é devido nos dias
eles almejam o trono do Aba, mas se viram substituídos pelo desejo de buscar a aceitação do
que é só carne e sangue, incluindo o sistema da igreja babilônica. A Escritura diz: "maldito o
homem que se apoia no homem, e bendito o homem que confia no Elohim YAHUAH." A
liderança judaica messiânica decidiu ser reconhecida como o quarto ramo do Judaísmo.
Leiam vocês meus lábios: Não desejamos esse reconhecimento, somos o Israel profético das
duas casas, que se reúne com uma só esperança (A Esperança do Israel Messiânico), com
uma mesma confiança, um mikvah/imersão, um Pai de todos, que está em você e em todos
nós.
Passemos no que diz em Mat. 23:23. A Cátedra de Moisés nos dias do Rei Yahushua davam
o dízimo. Eram pessoas que dizimavam, mas descuidavam da misericórdia e da compaixão
pelo que o Rei Yahushua disse que deveriam ter mostrado misericórdia e ter tido compaixão
antes de dar seus dízimos. Moisés mostrou compaixão ao mesmo tempo em que deu seus
dízimos. Em Mat. 23, versículos 28 a 32 Yahushua chamou aos que ocupavam a cátedra de
Moisés de assassinos! (Eu não sou antissemita, de modo que, por favor, não se vinguem de
mim com semelhante acusação porque eu sou judeu) só estou lhes ensinando o que diz a
palavra. Leiam o que diz em Mat. 23:29. Yahushua diz: "Ai de vocês escribas e fariseus,
hipócritas, porque edificais os sepulcros dos profetas e enfeitam os monumentos dos justos".
Yahushua queria dizer que após ter matado aos seus profetas, lhes honravam, depois e não
antes, pintando e decorando suas sepulturas. Em Mat. 23:30 Yahushua disse: "E dizeis: Se
tivéssemos vivido nos dias de nossos pais, não teríamos sido seus cúmplices do sangue dos
profetas." Os que participavam no complô, os assassinos e os conspiradores dos profetas de
Israel eram israelitas, especialmente aqueles que ocupavam a Cátedra de Moisés nos tempos
de Yahushua e inclusive na atualidade entre aqueles que estão mau informados.
Seja você honesto, nos esqueçamos da teologia, das oficinas e sejamos honestos. Se
Yahushua estivesse-nos instruindo a você e a mim a seguir àqueles que Ele chamou de
assassinos, teríamos um grave problema, ainda seguindo tendo problemas consideráveis.
Omein! Quero dizer que se eu dissesse a você que isto é o que quero que faça, assim é como
eu desejo que você ande com Yahushua, quero que você entre em contato com Charles
Manson e que você faça o que ele lhe disser! Teria isso algum sentido? Pois também não tem
as interpretações tradicionais que se derivam do grego. No Shem Tov hebraico não temos
esse problema. O hebraico de Mat. 23:3 é uma advertência que nos insta a obedecer a
Moisés e não a sua cátedra "corrompida" porque com frequência não concordam com esses
dois conceitos.

DEVEMOS DE NOS SUBMETER?


É por isso que isto é tão importante. Se não enfrentamos com o fato de que a Cátedra de
Moisés está ainda sendo ocupada por aqueles que afirmam representar a Moisés, mas ao
mesmo tempo negam ao Filho de YAHUAH, e se não decidirmos aqui e agora mesmo de que
modo devemos de nos relacionar com ela de um modo correto e se cairmos nos erros dos
anteriores movimentos messiânicos, nesse caso eu dou menos de 5 anos de sobrevivência à
Aliança do Israel Messiânico. De tão grave que é este tema! Se nos relacionamos com Ele de
maneira equivocada, acabaremos perseguindo a cátedra e a mente do homem que emana
dessa cátedra em lugar da mente do Messias (Corintiyah Alef-1 Cor. 2:16). Pra onde

114
iríamos? Buscamos a aprovação do Vaticano? Vamos à Islamabad? Onde iríamos seguir
buscando a aprovação do homem? O Rei Yahushua se desdobrou em 39 versículos com o
propósito de suplicar e de advertir-nos que nos mantenhamos em guarda com respeito
àqueles que falam Moisés, mas não fazem como Moisés fazia. Você tem 39 versículos destas
advertências, de maneira que não é possível que o versículo 3, por si só, signifique que
tenhamos que seguir o engano deles "de todos os modos"!
Pode você replicar dizendo: mas é que (segundo as Escrituras) não temos que obedecer aos
governantes humanos em nossas vidas? Sim, você pode replicar me dizendo que se não
ensinam as Escrituras que temos que obedecer aos governantes humanos que têm o poder e
o principado sobre nossas vidas já que é o próprio YAHUAH que os colocou? Sim. MAS NÃO
QUANDO NOS ENSINAM A MATAR AOA QUE AINDA NÃO TÊM NASCIDO! NÃO QUANDO
NOS ENSINAM A MATAR AOS NOSSOS PAIS IDOSOS QUE CUIDARAM DE NÓS
QUANDO ERAMOS PEQUENOS E JOVENS! NÃO ESTAMOS OBRIGADOS A OBEDECER
AO GOVERNO! SE O GOVERNO AMERICANO, NOS ENSINA COMO CONVERTER
NOSSA NAÇÃO EM “JUDENREIN” OU LIMPAR AOS JUDEUS, ANIMAND UM OUTRO
HOLOCAUSTO, EU NÃO VOU OBEDECER SEMELHANTE COISA! Não venha você me falar
daquelas passagens das Escrituras que se exige de nós os crentes, que se submetam ao
governo humano como a YAHUAH mesmo! Quando vêm a mim com ordens horríveis como a
de matar aos judeus, eu não tenho que me submeter a isso!
Queridos irmãos, vou ser sincero com vocês. Durante anos tenho estado lendo Mat. 23
tentando entender de que modo encaixa o versículo 3 com os outros 39 versículos. Entre
essas advertências e advertência para manter-nos alerta, perguntava-me com frequência de
que maneira o versículo 3 pôde introduzir nesse texto. Era algo que sempre me inquietava.
Se tomarmos as coisas como parecem segundo o valor nominal da tradução grega do
versículo 3, dá a impressão de que o Rei Yahushua está usando os termos qualquer coisa,
permitindo que Seus talmidim obedeçam qualquer coisa que emane da Cátedra de Moisés,
tanto se fosse a verdade como se fosse um erro. Mas esses termos "qualquer coisa" são
termos que abraçamos totalmente. Quantos de vocês que procedem dos círculos judaicos
messiânicos lhes disseram isso alguma vez? Eles disseram a vocês que qualquer coisa que
afirmem, estão de acordo com elas ou não, ou se YAHUAH está de acordo com isso ou para
Ele não seja importante! É preciso que você obedeça! Quando você e eu escutamos esse
raciocínio equivocado começamos imediatamente a questionar se, de fato, devemos praticar
algumas das coisas que são contrárias as Escrituras ou se são extra escrituras que nos
digam, apesar de que não há uma justificativa escritural, mas Baruch HaShem pelo fato de
que YAHUAH no Mat. hebraico deixou claro toda esta confusão a respeito ao suposto
"qualquer coisa que vos digam que deveis de fazer" que é uma má tradução. É por isso que o
hebraico era, é, e será sempre a lashon kodesh, a língua separada, pura, que se utilizará
durante o milênio quando reinar Yahushua (Tzefaniyah-Sf. 3:9)
UMA CASA E UMA CÁTEDRA DESERTA
Examine profundamente os versículos 38 e 39 de Mat. 23. O Rei Yahushua nos diz de
maneira profética, que a Casa de oração para toda Israel, e concretamente o Templo onde se
encontrava o Sanhedrín ou a Cátedra de Moisés, ficará deserta ou abandonada a partir do
ano 70 EC. Agora bem, de que modo podemos seguir os julgamentos dessa casa, na que se
encontrava a cátedra de Moisés emitindo julgamento sobre Israel, quando essa mesma
estrutura e essa mesma cátedra está deserta? A casa sobre na qual eles presidem, não tem
existido desde o ano 70 EC, que é o que ensina o texto. [A fim de que a Cátedra de Moisés
funcione, do ponto de vista escritural, é preciso que se encontre erguido o Templo no Monte
Moriah, já que é ali onde eles se encontraram historicamente. Inclusive o translado histórico
da Cátedra de Moisés para Galileia após o ano 70 EC. descrito por Flavio Josef, não se
considerava kosher no Talmud e a mesma Cátedra de Moisés. Eram conscientes de que
ainda que o homem a tinha mudado, YAHUAH não tinha sancionado essa mudança!] Já que
o Rei Yahushua estava dirigindo aos fariseus no contexto, está profetizando o julgamento
contra SUA CASA E A CÁTEDRA QUE SE ENCONTRAVA EM SEU INTERIOR!! Se sua casa
está deserta, nesse caso a cátedra de poder nela também deve estar deserta e você e eu não

115
podemos seguir a um Sanhedrín invisível, que se reúne em um templo invisível, já que a
única cátedra que se nos pede que sigamos, desde o ano 70 EC, é a cátedra do Cordeiro que
foi morto desde a fundação do mundo. Essa é a única cátedra ou trono que devemos de
seguir.
UMA CÁTEDRA ESPECIAL DE MOISÉS
Em Mat. 23:39 Yahushua diz: "Porque digo-vos que desde agora não me vereis mas até que
digais: BARUCH HABAH BESHEM YAHUAH!" Você sabe o que estava realmente dizendo o
Rei Yahushua a respeito da Cátedra deserta de Moisés? Que horrível pecado e violação da
Torah cometeram aqueles que ocuparam a Cátedra de Moisés? Que ação significativa tem
levado a cabo de maneira que até a data afete tanto ao mundo judaico como ao cristão?
Yahushua em sua declaração do versículo 39 está, em essência, reprendendo aos dirigentes
do Israel judaico por chamar a YAHUAH de Hashem, Adonai, Yehovah, Eterno e todos os
títulos substitutivos procedentes da Cátedra de Moisés. Moisés o chamou de YAHUAH!
Eles (a Cátedra de Moisés) lhe chamaram Hashem, Senhor ou Adonai fazendo uso de
diferentes substituições em hebraico do nome de YAHUAH! (Esses títulos podem usar
como reconhecimento de que YAHUAH é o Adon quando se usam juntamente com o
Nome pessoalmente revelado, mas nunca como um título que o substitua. PRIMEIRO O
POVO JUDEU APRENDEU A DIZER E A CHAMAR A YAHUAH POR SEU NOME,
(saiamos da proibição) E A CONTINUAÇÃO SE VEEM RECOMPENSADOS VENDO A
YAHUSHUA!)
O Rei Yahushua disse por virtude de Sua declaração que por causa da violação que é fazer
que o Nome de YAHUAH não significa nada ou se use malvadamente (colocando ao povo de
Israel debaixo da proibição, de maneira que não possam pronunciar o verdadeiro Nome,
conhecido nos ensinos rabínicos como o nome proibido ou o shem hameforash) os dirigentes
de Israel não teriam a oportunidade de vê-lo nem de recebê-lo como Rei. Yahushua fez saber
aos talmidim que já que a Cátedra de Moisés lhes tinha colocado debaixo da proibição que
lhes impedia pronunciar o Nome verdadeiro, redentor e memorial de YAHUAH, portanto eles
não lhe voltariam a ver da maneira que eles lhe tinham visto como Messias, lhes dizendo que
Seu julgamento contra o costume que se deriva da Cátedra de Moisés, teria de cair sobre
eles, até que aprendessem a clamar: Bendito o que vem no Nome de YAHUAH, afastando ao
povo de Israel, que seguia isso, sob essa proibição!
O motivo pelo que muitos aqui não entendem ainda o significado do uso do nome de
YAHUAH ou por que muitos dos presentes seguem encontrando o uso comum do nome de
YAHUAH ofensivamente, é devido a que a Cátedra de Moisés tem colocado o nosso povo
debaixo dessa proibição sufocante e intimidadora. Portanto, muitos de nós chegamos à
conclusão de que é uma blasfêmia usá-lo de maneira irreverente ou comum, lhe chamando
YAHUAH. Isso é devido ao fato de que nos convenceram desta ideia, que é a "especialidade
da Cátedra de Moisés". O que estamos fazendo é, sem ser conscientes disso, e com
frequência sem querer, é que nos estamos submetendo ao que é atualmente a Cátedra
deserta de Moisés e sua proibição decretada pelos homens. A proibição em relação com o
verdadeiro nome de YAHUAH não procede do Sinai, senão de uma cátedra deserta em uma
casa deserta e só aqueles que se contentam em estar no deserto, continuarão se situando
debaixo da proibição que Yahushua o Messias veio a eliminar e a nos livrar dela
(Yochanan/Jo. 17:6; Shemot/Êxodo 3:14-16)! YAHUAH deu-nos o Seu Nome como um
memorial para que TODAS AS GERAÇÕES O PROCLAMEM POR TODA A TERRA! Somos
nós parte de todas as gerações da experiência humana? Sim, somos, e, portanto, esse Nome
é para você, para seus filhos e para os muitos que se encontram longe, para todos aqueles
aos que invoque a YAHUAH nosso Elohim. Portanto, nos encontramos diante de um desafio.
Talvez “amamos” mais a Cátedra de Moisés do que YAHUAH? A Cátedra de Moisés colocou-
nos debaixo de uma proibição oficialmente conhecida como o shem hameforash. Se doarmos
o suficiente para YAHUAH ao ponto de eliminar essa falsa teologia e restaurar esse Nome
para poder afastar da escravidão das normas criadas pela Cátedra de Moisés feita pelos
homens? Aqueles que defendem os títulos, como substituição ao nome, como HaShem,
SENHOR, Adonay, Eterno, Yehovah etc, etc., têm escolhido voluntariamente manter-se a si

116
mesmos e aos seus “ídolos” (judaísmo tradicional) debaixo de uma proibição que nunca foi
aprovada pelo Pai. (Leia você: Não Quebrantemos o Terceiro Mandamento nestas
mesmas páginas no Site, para mais detalhes sobre a restauração do verdadeiro Nome
de YAHUAH).
O Rei Yahushua disse que não só os Seus discípulos não tinham necessidade de se
submeter a semelhante proibição (tu e tua casa) senão que o centro do julgamento do Israel
judaico ficaria deserto até (um momento concreto no tempo) aprendais como clamar
BARUCH HABAH BESHEM YAHUAH! HaleluYAH! Para aqueles que são obstinados e que
se negam a mudar, dobrarão o joelho e aprenderão esse Nome e ademais aprenderão a se
doarem antes ou depois, pois porque não seguir o programa agora a fim de evitar o
sofrimento?

NOVA CÁTEDRA DE AUTORIDADE


Para concluir irmãos e irmãs, está muito claro no Mat. hebraico. De maneira que agora na
MIA/NYA/YATI, na restauração das duas casas, nos dias de Eliyahu/Elias, nos dias quando
os corações dos pais (Judá) estão se voltando aos filhos (Efraim) e os corações dos filhos
(Efraim) estão se voltando aos pais (Judá) não podemos seguir esquecendo a Torah tal e
como a recebeu Moisés de YAHUAH em Horeb. Agora, nestes dias, tudo o que nos foi dito
nos cinco Livros de Moisés, guardem, guardem, guardem, guardem, guardem e façam! Mas
não façam vocês o que a cátedra morta e deserta de Moisés faz. É verdade que quando
aceitamos esse manto e o apelo para ser separados, seremos o Israel de YAHUAH,
libertados das muitas proibições e escravidões da cátedra corrupta de Moisés.
Qual devesse ser a nossa relação como o Israel messiânico (o novo vinho que metem em
odres novos) com a Cátedra de Moisés já julgada? A resposta nós encontraremos em Mat.
16. Se essa casa anterior ficou deserta, será preciso que tenha alguns levitas entre nós que
ocupem a Cátedra de Moisés. Se não são os escribas e fariseus, que inventaram a proibição
e a maldição do shimonei esreah e outras coisas abomináveis, então onde nós podemos,
como israelitas messiânicos que voltam à Torah, encontrar a Cátedra de Moisés? Em
Mat.16:18 o Rei Yahushua diz: "Mas eu também te digo que tu és Kefa (Pedro) e sobre esta
rocha edificarei minha Congregação e as portas do Hades não prevalecerão contra ela. A ti te
darei as chaves do reino dos céus. Todo o que atares na terra terá sido atado no céu e o que
desatares na terra terá sido desatado nos céus". As chaves foram-lhe dadas à Kefa e por
meio dele pra você, à você e somente à você! Gilyahna-Ap. 1:6 afirma que Ele (o Messias)
nos constituiu num reino de sacerdotes e reis. Nós somos os sacerdotes do Altíssimo! E
entre nós também há levitas! Tudo o que ligarmos na terra será ligado nos céus e tudo o que
desligarmos na terra será desatado nos céus. O Reino de YAHUAH e a Cátedra da
autoridade completa do Novo Pacto de YAHUAH está em nós e sobre nós e no meio de nós
segundo Lucas 17:21!
Irmãos e irmãs! A autoridade do Beit Din, a autoridade para atar e desatar não é mandar para
fora aos demônios ao nosso redor, como se fôssemos sargentos do exército. Essa classe de
teologia, na que despachamos e enviamos ou eliminamos aos espíritos do mau é uma
invenção efraimita que tem como resultado a má interpretação da cultura hebraica de nossos
pais. O atar e desatar é melhor explicado como permissão de YAHUAH a Sua
kehilah/Congregação para determinar a halacha ou os caminhos pelo que devemos
caminhar no Israel do Pacto Renovado Essa autoridade implica tomar decisões baseadas na
Torah e de natureza civil no Israel messiânico. O desatar é permitir certos comportamentos,
o atar é não permitir certos comportamentos e ações na comunidade da fé e na assembleia
dos justos. Como talmidim de Yahushua que somos, temos a mesma autoridade que tinha
Kefa para permitir e não permitir ações que afetam à comunidade da fé. O atar e desatar são
expressões hebraicas, não uma nova doutrina que nos permite jogar o homem forte com os
demônios.
Sabem de uma coisa? Prefiro ser atrevido e arriscar-me a ofender a uma ou duas pessoas
que fazer que todo este movimento caia no lugar equivocado, isto é, no que se considera a

117
cátedra perpétua dos fariseus. Prefiro ser atrevido que acabar onde muitos de nossos irmãos
judeus messiânicos acabaram, suplicando aos rabinos que não são salvos nem regenerados
que lhes concedam o reconhecimento da Filadelfia como um centro do quarto ramo do
Judaísmo. Não, já temos sido aceitos porque nós somos, como o Israel messiânico, os que
estão cumprindo a vontade do Pai com respeito à restauração das duas casas sem contar
com a aprovação de nenhum homem. Nós vimos destroçados e vituperados durante
demasiado tempo, de maneira que quando regressamos à fé hebraica, devemos fazer
seguindo a justiça, olhando à Avraham e a Sarah que nos deram a luz e não à cátedra, que
ficou deserta.

O PERFEITO EXEMPLO
O capítulo 7 de Mat. é um perfeito exemplo de yomer (disse Moisés) contra omrim (eles, os
fariseus, disseram). Em Marcos 7:7 o Rei Yahushua disse: "e em vão rendem-me culto,
ensinando como doutrina os mandamentos de homens". Em que se especializava a Cátedra
de Moisés? Nos ensinos dos homens e em acrescentar ou manipular a palavra original de
YAHUAH. Em Marcos 7:8 Yahushua diz: "Porque deixando os mandamentos de Elohim vos
aferrais à tradição dos homens." Em ocasiões a fim de estabelecer as tradições dos homens
é preciso se livrar da palavra. Esse é o perigo de se submeter ao que se considera como a
Cátedra de Moisés, que supostamente segue existindo na atualidade e supostamente segue
governando em toda Israel. Se nos submetemos a Cátedra morta de Moisés, vamos ter que
preparar para deixar de lado a palavra de YAHUAH a fim de instalar e pôr em prática nossas
próprias tradições, já que com frequência se opõem umas às outras. Normalmente são
mutuamente exclusivas, da mesma maneira que o é a mente do espírito e a mente da carne.
Essa é a natureza nefasta da doutrina da Cátedra de Moisés. Porque se caímos na armadilha
do que se considera como "a Cátedra de Moisés que segue existindo" teremos que estar
dispostos a deixar de lado todo o conselho de YAHUAH, a fim de pôr em prática as tradições
dos homens, mas eu não estou disposto a fazer isso. Preferiria renunciar a esta organização
antes de ter que fazer isso. Felizmente no Israel messiânico não se ensina a fazermos isso.
Marcos 7:10 mostra-nos uma vez mais o contraste entre Moisés e a Cátedra de Moisés.
"Porque Moisés disse “e no versículo 11 Yahushua contrasta-os com: “MAS VOCÊS
DIZEM”“. Moisés disse honrarás ao teu pai e a tua mãe e o que não honra a seu pai e a sua
mãe (mot yumat) morrerá". Que é o que diz a Cátedra de Moisés a respeito deste
mandamento? "MAS VOCÊS DIZEM: que se alguém diz ao seu pai ou mãe: "Aquilo com
que tivesses sido beneficiado da minha parte é corban ou um dom ou sacrifício a
YAHUAH, já não lhe permiti fazer nada por seu pai ou sua mãe." De modo que a Cátedra de
Moisés tinha uma Torah Oral, segundo a qual um dom que se supunha que era para o
sustento ou provisão dos pais como um ato de honra, pode se negar só se fosse oferecido à
YAHUAH. A Cátedra de Moisés ensinava, por tanto, que é mais importante honrar a YAHUAH
com outro corban manchado que prover e honrar aos pais segundo o quinto mandamento do
Decálogo! Yahushua lhes reprendeu dizendo-lhes que tinham negado totalmente o
mandamento e o mitzvah mudando a palavra.
Não me digam que o Rei Yahushua mandaria aos talmidim nascidos de novo, aos israelitas
do Novo Pacto das duas casas, que abandonassem os ensinos de Moisés a favor dos
ensinos da desaparecida Cátedra de Moisés que com frequência contradizia a Moisés. Em
nenhum lugar das Escrituras nos é ordenado que nos submetemos a deserta Cátedra de
Moisés e as suas mudanças à palavra de YAHUAH! A Cátedra de Moisés, segundo Marcos
7:13 tem anulado os mandamentos perpetuos por causa das tradições que lhes foram
transmitidas.

PREOCUPAÇÕES FINAIS
Minha preocupação é as tradições que têm sido transmitidas ao movimento do judaísmo
messiânico, do qual eu sou um produto originário. Estas tradições da Cátedra de Moisés têm

118
sido transmitidas ao movimento judeu messiânico, a fim de que eles achem que possam
aproximar-se aos atuais rabinos (os que consideram a Cátedra de Moisés como algo “santo”)
para conseguir a sua aceitação. Preocupam-me eles e nós. Nós, como o Israel messiânico,
não temos sido chamados a depositar nossa confiança no Tio Charlie, o pedófilo que cuidava
dos pequenos, se ao Tio Charlie não se lhe considera digno de sua confiança.
É preciso colocar o vinho novo em odres novos. Sugiro-lhes que uma das chaves para a
sobrevivência, perpetuidade, longevidade e saúde do movimento do Israel messiânico é que
declaremos, como desejaria YAHUAH que o fizéssemos, que "não temos rei" ou cátedra de
submissão, que não seja a do Rei Yahushua o mashiach!!!

119
O MOTIVO PELO QUE A VERDADE A RESPEITO DA
RESTAURAÇÃO DAS DUAS CASAS É A PRINCIPAL
VONTADE DE NOSSO PAI CELESTIAL NOS ÚLTIMOS
DIAS!

A décima segunda parte de uma série continua sobre a Completa


Restauração de Ysrael

Com frequência estamos falamos a respeito da verdade da revelação das duas casas, a
pessoa que está escutando esta mensagem, geralmente estará de acordo com as teorias
básicas deste ensino das Escrituras. Com frequência a resposta de muitos será: "E daí?"
Eles dizem: "De que modo isso afeta a minha vida e a minha caminhada com o meu
Salvador? De que maneira isso mudará a minha família?" Em outras ocasiões, a resposta
poderá ser o resultado agradável de uma compreensão a respeito da verdade de muitas
coisas, mas "não é um tema que tenha a ver com a salvação". O segundo ensino foi
recopilado com a finalidade de oferecer respostas escriturais sólidas à atitude de muitos
sobre o jargão: "E daí?" Esta atitude não só mostra uma falta de entendimento com respeito
à importância profética desta revelação sobre os últimos dias, mas é uma resposta
presunçosa e conveniente por parte daqueles que se negam a responder ao apelo de uma
forma de vida separada e voltada somente às escrituras. Este ensino que oferecemos, foi
pensando naqueles que possivelmente ainda se encaixem na multidão dos que seguem
dizendo "E daí? “Por favor, tome um tempo necessário para ler todas as referências das
Escrituras que oferecemos neste estudo, com o propósito de incrementar ao máximo os
benefícios deste ensino para a sua vida”.

A DERROTA DAS DOUTRINAS GRECO-ROMANAS

A maneira de pensar greco-romana, que tem se difundido tanto no judaísmo como no


cristianismo, tem introduzido o fermento em ambas as famílias de Yisrael e só poderão ser
eliminados, quando existir uma unidade absoluta entre as duas casas (12 tribos de Ysrael).
Até que venha esse momento, ambas as casas seguem parcialmente cegas ao seu próprio
paganismo, apesar do outro sempre ver com mais clareza o paganismo da outra casa e
nunca da sua própria. Somente quando YAHUAH reunir totalmente a ambas as casas de
Yisrael, poderemos ver a justiça e Tzion/Sião será reconstruída, convertendo-se numa
máquina da luta espiritual e uma coluna da verdade contra o predominante erro greco-
romano. Zechariyah/Zc. 9:13-14.

O FIM DE UMA VISÃO LIMITADA

Não se pode recompor toda uma nação para que ela seja uma só, sem que tanto os judeus
dispersos como os Yisraelitas desterrados do norte (10 tribos) recebam o apelo à
teshuvah/retorno, primeiro espiritualmente e depois fisicamente. Seja o esforço para se
estabelecer novamente em Yisrael, sem a Casa de Yahusef/José, que precisa regressar do
exílio, como os que não têm mais uma terra, este entendimento está condenado ao fracasso
e à frustração final. Yeshayahu/Is. 11:11-14.

120
A SOLUÇÃO MILITAR REFERENTE A CRISE DO ORIENTE MÉDIO

O conflito árabe-Yisraelense se resolverá por completo, com a ação das forças armadas,
quando ambas as casas se unirem, militarmente, e derrotarem aos filhos de
Esav/Esaú/Edom. As Escrituras definem o conflito no moderno estado de Yisrael, como a
guerra de Yaakov/Jacó Versus Edom, e não como uma guerra judaica-árabe. Há boas
razões para vermos essa descrição, já que YAHUAH nosso Pai ordenou, que somente
quando ambas as casas se unirem debaixo do Rei Messias Yahushua, se obterá a esperada
vitória militarmente falando. O Yisrael judeu (2 tribos do Sul) só poderá seguir lutando pela
sobrevivência, e ao mesmo tempo fazer todo o possível para evitar que seja derrubado o
edifício, até que regresse a Casa de Yahusef/José ou o Yisrael que não é judeu, (os crentes
gentios), que terão que ocupar o lugar correspondente nesta batalha, convertendo desse
modo, o perseguido Estado de Yisrael, de sobreviventes à vencedores. Yeshayahu/Is.
11:14-15, Ovadiyah/Ob.1:18-19, 20-21.

ESTABELECEM-SE AS RAÍZES PARA O NOVO HOMEM, ACABANDO COM O


SECTARISMO

Até que não sejam reunidas totalmente as duas casas de Ysrael, a promessa de Efesiyah-
Ef. 2:14, não se cumprirá. Apesar de que Yahushua fez o modelo para o novo homem, esse
novo homem deve começar a enxergar a si mesmo como o Yisrael nacional. Até que isso
não aconteça, o novo homem continuará perambulando sem raízes e sem ter a menor ideia
a respeito da verdade de sua identidade e, portanto, seguirá permanecendo dividido em
áreas secas, sem raízes entre o povo de Yisrael. A teologia da entidade separada (Igreja
“espiritual no lugar do Ysrael físico) continua florescendo, enquanto ainda está por se
manifestar totalmente, ocupando o lugar correspondente nesse cenário, o novo homem
como o vencedor, juntamente com Elohim YAHUAH. Se a teologia da entidade separada
triunfar, também acontecerá a inimizade entre ambas às casas. Só a restauração das duas
casas poderá, realmente, pôr fim à inimizade criada pela divisão sectária. Efesiyah/Ef. 2:16.

RATIFICA-SE TOTALMENTE O “NOVO” PACTO, MESMO SEM AINDA ESTAR


RATIFICADO

Lamentavelmente a Brit Chadashah ou Pacto Renovado, erroneamente conhecido como o


“Novo” Testamento, segue sem ser ratificado, até que as duas casas reconhecíveis e os
partidos concordem com as suas provisões. Se a Casa de Yisrael (Cristianismo) continua em
sua cegueira, relativo à Torah, e se a Casa de Judah continua em sua cegueira, com
respeito ao Rei Messias Yahushua (Yeshayahu/Is. 8:14), nenhuma das duas casas poderão
participar totalmente no pacto que foi lembrado e, por isso, a Brit Chadashah seguirá sendo
em grande parte um pacto sem ratificação. A ratificação total espera a aceitação absoluta de
TODOS os termos do Pacto Renovado por parte das duas casas, tanto da casa do Yisrael
judaica como a casa dos gentios (10 tribos). Yirmiyahu/Jer. 31:31-34.

O REGRESSO DA TIFERET/ESPENDOR PARA A TERRA

Até que Efraim não regresse (10 tribos) para se estabelecer no seu próprio território na terra
de Yisrael, YAHUAH não fará que a Sua Tiferet ou a Sua presença regresse para a terra. Só
quando todas as tribos forem reconhecidas e regressarem para as suas fronteiras originais
de 1.400 AEC, a Tiferet de YAHUAH regressará e será manifestado o seu poder para eles
viverem entre Yisrael. Sem esta plena restauração das duas casas, YAHUAH/Shema/Ouve
ou o que YAHUAH viva ali, isso seguirá sendo somente um sonho. Yechezkel/Ez. 48:1-6,
48:35.

121
A JUSTIÇA NACIONAL

As moadim (comemorações) e o Shabat seguirão estando ausentes de grande parte de


Yisrael até, que YAHUAH habite com o Efraim que regressou do seu pecado. É por isso que
o sonho de se fazer que Yisrael guarde o Shabat e as comemorações, será uma espera até
o momento em que YAHUAH instrua e atraia ao Efraim arrependido, vindo do deserto, onde
esteve perambulando de um lado para o outro, e onde Ele falará a Efraim. Sem que a Casa
de Yisrael regresse para a Torah, o regresso do Yisrael judaico para a Torah permanece em
grande parte, algo que ainda não pode ser cumprido. Hosheia/Os. 2:11-14, Yechezkel/Ez.
20:16.

A VISTA DO AVIVAMENTO JUDAICO

Apesar de todas as boas intenções e dos esforços em massa por evangelizar o povo judeu,
levando eles ao Messias, as Escrituras é perfeitamente clara nestes esforços, pois terão um
sucesso limitado. A peça faltante no quebra cabeças, para que todo o Yisrael seja salvo, é o
fim da prepotência do Yisrael que não é judeu e que se encontra ainda entre as nações
(gentios no mundo). A colheita das pessoas do Yisrael judaico nos últimos tempos, está
diretamente ligada com esta verdade. Sem que se reconheçam às 10 tribos e sem o seu
regresso ao redil do Yisrael nacional, o evangelismo judaico não obterá a promessa da
colheita das pessoas! Quando Efraim (o cristianismo) se arrepender de sua prostituição e
desonra, regressando à Torah e ao messias Ysraelita, virá o momento na qual estaremos
preparados para a maior colheita de pessoas denominadas “judias” de todos os tempos.
Portanto, todos aqueles que lutam contra a aceitação de Efraim como o Yisrael não judaico,
e que precisa regressar novamente à nação de Yisrael, estão de fato, atrasando a colheita
em massa e final do povo judeu, para que entrem no reino que foi decretado. Até o dia do
regresso do Efraim arrependido, não haverá um autêntico AVIVAMENTO JUDAICO
estabelecido! Tem que se levar em conta, que o avivamento judaico está diretamente
relacionado com o avivamento de ambas as casas ainda divididas. Hoshea/Os. 6:11
Mikah/Mq. 5:3, Romiyah/Rm. 11:26.

PARTICIPAR NO REGRESSO DO ESTUDANTE

O papel que representa o Yisrael judaico, como porta-voz de YAHUAH Elohim, que ensina a
Torah, segue sendo limitado, até que o estudante do primário chegue à classe da Torah dos
universitários. O Efraim que regressar, (isto é, as 10 tribos) está destinado a chegar nesta
classe universitária e se assentar para aprender a Torah, (não o Talmud) do fiel Yisrael
judaico messiânico, que se doa pela Torah. A situação como os prisioneiros de guerra, que
desapareceram na batalha, não permite ao Yisrael judaico representar o seu papel primordial
como mestres dos oráculos de YAHUAH, ensinando às 12 tribos como um todo. Continuam
instruindo-se a si mesmos, mestres ensinando a outros mestres, enquanto os estudantes
que se apresentam nas classes faltam a essas aulas por causa da contenda que há entre
eles. Yirmiyahu/Jr. 31:19, Romiyah/Rm. 3:2.

PERMITE A YAHUDAH-JUDAH LEVAR O SEU MINISTÉRIO DE CURA

Os crentes que não são judeus, não podem reconhecer a si mesmos como se fossem
curados e como o Yisrael que regressa, sem que Judah proclame essa previdência. Da
maneira que nos encontramos, numa situação que apesar de Efraim ter recebido a expiação,
ainda continuam sendo ignorantes da magnitude dessa previdência CORPORATIVA DE UM
TODO/12 TRIBOS, incluindo a previdência nacional da nação, até que Judah proclame a

122
Efraim esta previdência. Ao final, ambas as casas devem proclamar a restauração nacional e
a previdência. Hoshea/Os. 11:3.

PRODUZIRÁ O REGRESSO Á TERRA

Por muitas falsas declarações e prognósticos, referente ao momento da vinda do Rei


Yahushua à terra relatado nas Escrituras, este regresso não poderá ter lugar até que
YAHUAH tiver estabelecido as Suas 2 poderosas testemunhas sobre a terra, que confirmem
o Seu regresso. Enquanto a metade de Yisrael, (Judah) não saiba clamar e nem almejar o
Seu regresso, Ele não voltará (Matitiyahu/Mt. 23:39). Sem que as duas casas não almejem
o Seu regresso, Ele singelamente não voltará. A restauração das duas casas e o
reconhecimento do Seu regresso confirmará e estabelecerá a única verdade do seu regresso
para a terra de Ysrael. YAHUAH espera que as duas casas sejam ungidas, a fim de que
proclamem a mesma mensagem. O Rei que virá, trazendo o Seu reino consigo.
Guiliyana/Ap.11:4, Zechariyah/Zc. 4:14, Maaseh Shilichim/At. 3:21.

COMEÇARÁ A RECONSTRUÇÃO DO BEIT HÁ MIKIDASH/TEMPLO

O Beit há Mikdash ou o Templo no Monte Moriah, não pode ser reconstruído, até que
aqueles que se encontram "longe" entre as nações, regressem a reconstruir o Templo.
YAHUAH ordenou que o Yisrael judaico NÃO PODERÁ reconstruir o Templo da Tribulação, a
não ser que o irmão Efraim tenha sido reconhecido e se lhe permita ajudar nesta
reconstrução. O termo longe em Zechariyah/Zc. 6:15 é idêntico ao termo longe (as 10 tribos
de Yisrael no exílio) que se usa em Daniel 9:7 e Efesiyah/Ef. 2:13,17. De fato o Yisrael
judaico se nega a aceitar as afirmações do Efraim que regressa como herdeiros legítimos e
irmãos em Yisrael, isto será sempre um motivo de atraso para a obra do templo ser
reconstruída. Zechariyah/Zc. 6:13 nos diz que o Rei Messias Yahushua está destinado a
trazer uma paz duradoura entre as duas casas, de modo que a casa de Yisrael que está
longe, no exílio, (Efraim) será aceita ANTES de que comece a reconstrução do Templo!

ESTABELECERÁ O MODELO DE PAZ QUE USARÁ NO MILÊNIO

A paz global não será uma realidade, até que tanto Judah como Efraim estejam em paz um
com o outro, sendo reconhecidos e reconciliados mutuamente segundo a torah, com um
mesmo espírito. O mundo inteiro ficará pendente até que YAHUAH colocar um respeito
mútuo e reconhecimento entre o Yisrael judaico e o Yisrael não judaico. Aqueles que
verdadeiramente desejam a paz global e almejam esse dia, serão aqueles que serão
encontrados trabalhando na colheita, para se tornar possível o reconhecimento e a
admiração mútua, entre as duas casas. Sendo assim, estarão restaurando o reino destruído
de Yisrael e por meio da restauração o mundo inteiro desfrutará da paz estabelecida entre as
duas casas de Yisrael e, desta maneira, o reino do milênio começará pra valer! Vemos a
missão primordial daquele que esteve sobre o jumentinho (Zechariyah/Zc. 9:9) como a
restauração de ambas as casas. Zechariyah/Zc. 9:10-11.

O FINAL DA GALUTIYAH-GALUT (DIÁSPORA)

A Diáspora ainda existirá, até que regressem os exilados de ambas as casas. Este regresso
deve ser realizado de maneira paralela (Yirmiyahu/Jr. 50:4-6,3:18, Yeshayahu/Is. 11:1-12).
Se regressar uma casa sem a outra, como sucedeu em 1948, você e eu podemos estar
seguros de que, esse não é o fim da GalutYah/Diáspora, tal e como falaram os
Talmidim/apóstolos e os profetas. A verdadeira e o definitivo fim da GalutiYah/Galut espera

123
que ambas as casas se reconheçam, se identifiquem e se respeitem mutuamente! Então as
palavras dos profetas se converterão realmente nos últimos tempos, como o regresso
daqueles que estiveram no norte, e todas as nações da terra, que já não serão considerados
como um regresso somente dos judeus, mas sim como o regresso nacional, dos que
participarão das 12 tribos. Sem a mensagem das duas casas, ninguém saberá quem é o
amigo de Judah neste regresso, que tem sido estabelecido, e também não saberá quando
será o final da Diáspora. Yirmiyahu/Jr. 3:18; 50:4-5. O regresso final de Yisrael tem sido
classificado como um tempo de companheirismo solidário precedido pelo respeito e o
RECONHECIMENTO mútuo!

SHALOM E SEGURANÇA NA TERRA

O Yisrael judaico continuará se sentindo inseguro e em perigo em sua própria terra, até que
se reconheça, e se aceite dar as boas vindas ao lar, ao seu irmão Efraim. O fato de que os
judeus se encontrem hoje em sua terra, mas não estão ainda a salvos nela, não é a perfeita
vontade de Aba YAHUAH! Não é, e nem pode ser a segurança profetizada pelos profetas de
Yisrael. Yirmiyahu/Jr. 23:5, Yeshayahu/Is. 9:6.

SE ESTABLECERÁ O REINO DE DAUID/DAVID

Não terá um verdadeiro Rei sobre todo o Yisrael, até que as duas casas reconheçam
primeiramente ao Rei Yahushua. Sem a afirmação, por parte das duas casas, da cabeça,
(Hoshea/Os. 1:11,Yechezkel/Ez. 37:24) o reino permanecerá dividido, porque as duas
partes não reconhecem o mesmo Rei. Referente ao cargo, Ele é o Rei dos judeus, mas no
ponto de vista prático, haverá uma espera, até que todos os Seus inimigos, em ambas
casas, fiquem silenciados. Seu cargo como Rei em Yahrushalaiym/Jerusalém, não poderá
ser manifestado em toda a sua plenitude e nem experimentar nacionalmente, até que ambas
as casas coloquem no seu devido lugar, o Kadosh/Puro de Yisrael. Yechezkel/Ez. 37:23.

O ACONTECIMENTO QUE DESENCADEARÁ A ABSOLUTA PURIFICAÇÃO

A idolatria seguirá sendo um problema muito sério em todo Yisrael, até que ambas as casas
proclamem a Yahushua como o seu Mestre. As tendências da idolatria serão temporárias,
até que a única solução escritural futura, sobre a idolatria no judaísmo e no cristianismo,
venha a chegar ao pleno reconhecimento e obediência da Torah do Rei Messias Yahushua.
A idolatria, tal e como a conhecemos em todas suas horríveis manifestações, não poderá ser
julgada ou resolvida, somente com o arrependimento de uma das duas casas. As Escrituras
ensinam que somente quando as duas casas de Yisrael, decidirem se afastar totalmente da
idolatria, seguindo a Torah escrita, começará o reino de Yahushua. Yechezkel/Ez. 37:23.

O RECONHECIMENTO ABSOLUTO DEBAIXO DA TORAH

O cumprimento de toda a Torah em todo Yisrael, não se converterá em uma realidade, até
que haja lugar, uma reunificação de ambas as casas. A nação de Yisrael restaurada terá ao
mesmo tempo um Rei e uma Torah, que Ele usará para livrar a todo Yisrael da idolatria.
Portanto, inclusive ainda que cada um dos judeus na terra ainda honre a Torah, até que
Efraim seja instruído e permaneça nas instruções de YAHUAH, Yisrael seguirá sendo uma
nação dividida (Yechezkel/Ez. 37:24). As duas casas andarão conforme a Torah, somente
quando ambas as casas proclamarem ao Messias Yahushua como Rei e somente as Suas
palavras como a verdade. Yechezkel/Ez. 37:24, Corintiyah Alef/1ª Cor 7:19.

124
O APELO PASTORAL

Até que se reconheça a Yahusef/José e não recuperem a identidade Yisraelita referente ao


Messias Yahushua, o Grande Pastor de Yisrael, (Yohanan/Jo. 10:16) o Messias não poderá
começar seu ministério total como Pastor. Apesar de que o Rei Yahushua é o Pastor sobre
os Yisraelitas individuais em Seu corpo, graças a expiação pessoal, para que Ele possa
chegar a plenitude do papel que lhe foi atribuído como Pastor sobre a nação restaurada, é
preciso que Yahusef/José seja levado de novo a viver nas tendas de Yaakov/Jacó.
Yahushua está destinado por Seu Pai YAHUAH, a guiar o rebanho de Yahusef/José, não a
uma entidade separada chamada “a Igreja”, que ocupe o assento detrás de um carro de
judeus. Tehilim-Sl. 80:1-3, Yohanan/Jo. 10:16.

MOSTRARÁ A SUA ABSOLUTA FIDELIDADE

Se Yisrael não for jamais restaurado, recuperando todo o poderio davídico na terra, então
todas as promessas de YAHUAH devem ser motivo de dúvida. Sua reputação como quem
cumpre um pacto com todos aqueles que confiam, depende do cumprimento da promessa
feita aos patriarcas, de que as multidões dentre as nações serão reunidas nos últimos dias,
com o propósito de restaurar o poderio davídico de Yisrael. Se YAHUAH mudou e decidiu
completar as promessas da restauração de Yisrael, por meio da solução de uma só casa,
então como podemos confiar que isso seja cumprido, sem mudar ou emendar o restante de
Suas promessas a todos os Yisraelitas que têm crido? Maaseh Shilichim/At. 1:6, Luka/Lc.
24:21, Maaseh Shilichim/At. 3:21, 15:14-19.

A SINGELA PROVA DO LGÍTIMO E AUTÊNTICO MESSIAS

Se de fato não estão sendo reunidas as dez tribos ou a casa de Yahusef-José/Efraim pelo
sangue derramado pelo Messias Yahushua, então o Rei Yahushua é um falso Messias. O
tema das duas casas é de vital importância, e é uma prova central do verdadeiro Messias de
Yisrael. E como normalmente se ensina, os que crêem em Yahushua são somente os judeus
e não os que não são Yisraelitas (os gentios-10 tribos), nesse caso, nos encontramos com o
fato inquietante de que Yahushua de Nazaret é um falso Messias. Se o tema das duas
casas, seja um tema secundário ou um tema sobre o que se possa dizer: "E daí?", se
converterá em uma doutrina vital e que se Yahushua de Nazaret é, ou não é o Messias
judeu. Por definição, o verdadeiro Rei Messias se converterá em uma Matriz humana com o
propósito de trazer de novo a todas as tribos de Yisrael, como entidades reconhecidas e
identificadas e ao mesmo tempo, para restaurar a herança Hebraica aos descendentes
conservados das 10 tribos, como gentios que regressam dentre as nações. Felizmente o
Messias Yahushua está reunindo às duas casas, descobertas de novo, e desse modo, tem
demonstrado por meio da verdade das duas casas, que Ele e somente Ele é o Messias.
(Yeshayahu/Is. 49:5-6) A restauração das duas casas de todos os exilados de Yisrael é a
prova legítima da habilidade que tem o Rei Yahushua e de Seu apelo para atuar como o
Messias de Yisrael.

O AUMENTO PROMETIDO DO GOZO E DA COLHEITA

Segundo as escrituras, a nação de Yisrael somente verá a sua fortaleza espiritual, a luz da
Torah, restaurada por meio do regresso das tribos exiladas de Efraim, graças ao Rei
Messias, de maneira que possam acordar espiritualmente e se apressarem a caminhar na
luz da Sua palavra (torah). Somente a restauração de todas as tribos de Yisrael que se
foram, como a de Zevulom e a de Neftalí, darão como resultado o gozo, o aumento, a
colheita e o crescimento em Yisrael. É dito que esse aumento terá lugar graças ao fato de
que o Messias trará de novo a estas tribos. Sem a identificação e posterior restauração

125
destas tribos perdidas, a nação seguirá sendo débil e vivendo em trevas segundo
Yeshayahu/Is. 9:1-3.

REFORÇAR O PRINCÍPIO DAS DUAS TESTEMUNHAS IMACULADAS PARA SE


ESTABELECER UMA VERDADE

Sem a existência das duas nações Yisraelitas ou a duas testemunhas corporativas, YAHUAH
não pode dar depoimento da validade do que Ele diz em Sua palavra. Segundo o princípio
da Torah de kilayim as duas testemunhas, [Efraim e Yahudah, Moshe (Moisés) e Eliyahu
(Elias)] não poderão ser de duas sementes diferentes ou de duas entidades diferentes, que
contaminem à comunidade da fé. Tanto as testemunhas corporativas como individuais,
devem se originar da mesma semente e da mesma raiz da oliveira. A restauração das duas
casas é necessária para todas as confirmações da palavra de YAHUAH, que Ele ordenou
que seja confirmado, já que ambas testemunhas devem pertencer a semente Yisraelita,
fazendo assim, que as testemunhas estejam sem a contaminação por causa de diferentes
sementes (Devarim/Dt.22:9; Vaiykra/Lv.19:19). Para encontrar a fundo a respeito desta
confirmação impressionante, ver a página principal de http://www.yourarmstoYisrael.org
sobre a "Prova da Torah de que a Oliveira tem que ser Formada pelas Duas Casas de
Yisrael!"

O YISRAEL QUE REGRESSA COMO A ÚNICA ESPOSA DE YAHUSHUA

Sem a verdade a respeito da restauração das duas casas, ser considerada por YAHUAH,
pois Ele permite e ainda é tolerante em meio a essa situação. Já que, a maioria das
doutrinas que aparecem no cristianismo e no judaísmo messiânico, falam com frequência a
respeito da "igreja gentílica" e os "crentes judeus" ou a "expressão judia", nos encontramos
com uma postura pagã insustentável, de que YAHUAH tem duas noivas ou esposas de
sementes diferentes, ambas escolhidas ou amadas. Somente a verdade a respeito das duas
casas enfrentará e tratará este tema de maneira direta, colocando as coisas em sua justa
perspectiva escritural. Tanto o Yisrael judeu como o que não é, têm sido escolhidos
igualmente como os dois lados da mesma família, segundo o que diz em Yirmiyahu/Jr.
33:24 e não como duas entidades diferentes, que tem a impressão de que YAHUAH é um
marido para as 2 esposas, uma pagã, e a outra pura, fazendo de nosso Criador um
mentiroso. Somente a verdade a respeito das duas casas, resolverá a falsidade em torno das
duas esposas diferentes e de sementes diferentes, demonstrando que Yisrael é a esposa
perpetua tanto do Rei YAHUAH como de Seu Filho Yahushua, e por meio do primeiro, como
do segundo pacto. (Guiliyana/Ap.19:7)

ENDEREÇOS E ERROS DA SEMÂNTICA ACEITADA NESTES DIAS

Somente a restauração das duas casas tratará de por um fim, a respeito da identidade
equivocadamente denominada como, "cristãos gentílicos" mostrando e baseando nas
Escrituras, pois quando uma pessoa diz ser cristã e quando passa a crer, não é já, por
definição, uma pessoa pagã, nem está vagando de um lugar para outro, entre as nações,
separada de YAHUAH, sem uma identidade nacional da mesma corporação. A verdade a
respeito das duas casas é uma necessidade para conceder ao Efraim que regressa, uma
perspectiva escritural devidamente equilibrada de sua condição Yisraelita recuperada, de
maneira que se de fato ninguém que se regenerou e que adora a Yahushua, é considerado
como um gentio ou um pagão. A verdade a respeito das duas casas coloca um fim ao mito
dos termos, com frequência, os equívocos e absurdos, como são os "cristão gentílicos" ou
"crentes gentílicos." Nos textos gregos e arameus, se faz referência ao crente que não é
judeu como um termo étnico ou ethnos. O termo gentio só deve se entender como alguém
que não crê. A verdade sobre as duas casas, tem livrado a multidões que têm permanecido

126
encadeados, por causa da asquerosa semântica. (Efesiyah/Ef.- 2:11-12, Romiyah/Rm.
11:17, Galutiyah/Gl. 6:16). Yahushua, Shimon Kefa (Pedro) e Rav Shaul recordam-nos que
os discípulos são Yisraelitas, ao compará-los com os GENTIOS PAGÃOS. (Matitiyahu/Mt.
18:17, 6:7, Corintiyah Bet/2ª Cor. 6:17, Teslonikiyah Alef/1 Tes. 4:5, Kefa Alef/1 Pd. 2:12,
Guiliyana/Ap. 11:2.

A SOLUÇÃO DOS ÚLTIMOS TEMPOS SOBRE A TEOLOGIA DA SUBSTITUIÇÃO

Somente a verdade a respeito das duas casas, eliminará a necessidade de que existam duas
entidades separadas, ambas com direito de declarar legitimamente e a ser o povo escolhido
de Yisrael, ambos rivalizando-se pelo título de Yisrael. Com a verdade a respeito das duas
casas, não existirá mais que uma só entidade conhecida como Yisrael e todos os que são
salvos são Yisrael, pondo um fim, deste modo, às demoníacas declarações de diversas
formas da teologia da substituição do cristianismo. Por definição, a teologia da substituição
somente poderá sobreviver, se pensarmos que existem duas entidades, com os mesmos
direitos, as duas reclamando ser o verdadeiro Yisrael. Só a verdade sobre as duas casas,
representará uma imagem real de Yahudah (Judah) e de Efraim, (o que se completou ou a
plenitude dos goyim, Bereshit-Gn. 48:19) não como duas nações de Yisrael diferentes, senão
como os dois lados da mesma família física de Yisrael. Somente a verdade das duas casas,
a nação judaica não poderá ter temor algum, quando ela se vê substituída por um "Novo
Yisrael", auto-proclamado, baseado na teologia Romana da separação. Só a verdade sobre
as duas casas resolverá o problema da divisão, ainda mais a Yisrael, o Yisrael físico contra o
Yisrael espiritual (o ponto de vista comum de muitos cristãos), ao proclamar que o Yisrael
único de YAHUAH é ao mesmo tempo físico e espiritual. Yirmiyahu/Jr. 31:31-34,
Galutiyah/Gl. 6:16.

DEFINIÇÃO CLARA DE QUEM É ADOTADO E PARA QUE FOI ADOTADO

A mensagem das duas casas é a única mensagem que põe fim a todos os falsos mal
entendidos, com respeito de quem é adotado e para que foi adotado. Tanto os crentes
judeus como a chamada igreja, ensinam que os crentes que não são judeus são adotados,
de maneira que fazem parte da família de Avraham/Abraão e de Yisrael. A verdade a
respeito das duas casas investindo nesse terrível engano centrado nas cinco vezes, onde se
faz menções da adoção na Brit Chadasha-“N.T” e mostra de que modo, as cinco referências
se referem aos não judeus e aos judeus, precisando ambos serem adotados para fazer parte
da família de YAHUAH e NENHUM dos dois precisando ser adotados na família física de
Avraham/Abraão, Ytzchak/Isaac e Yaakov/Jacó, já que pertencem a essa família física. A
verdade sobre as duas casas, define por último, o termo "espírito de adoção", que se
encontra em Romiyah/Rm. 8:15, que nos leva a clamar, pedindo para sermos adotados por,
e para o Aba YAHUAH, não para o Aba Avraham, como eles tem ensinado a tantas pessoas.
Galutiyah/Gl. 3:28-29, confirma com exatidão, que todos os filhos do Messias, são o
esperma de Avraham, não aparecendo em nenhuma parte do texto a palavra "espiritual"!
Ver a Primeira Parte desta série para uma explicação mais completa.

PROPORCIONANDO CURA AO TÉDIO DOS CRENTES

A mensagem sobre a restauração do Yisrael dá fim e acabará com o tédio dos crentes. O
aborrecimento dos crentes, segundo se define em Yvrim/Hb. 6:1-6, inclui todas as coisas,
como pode ser a ênfase exagerada ou as repetições contínuas de ensinos elementares a
respeito da salvação, a confiança, a imposição de mãos para a ordenação, as previdências,
os milagres e os mikvot ou imersões/batismos. Aquelas coisas, na qual as entidades
religiosas se concentram todos os Domingos, como temas principais, são os que YAHUAH
denomina coisas elementares, que todos os crentes devem fazer em um momento

127
determinado no seu caminhar com Yahushua, mas não se concentrar continuamente nestas
doutrinas a vida toda, todos os cultos, a fim de que não fiquem tediados e se separem da fé.
Por colocar os fundamentos elementares, fizeram com que o Messias ficasse abertamente
envergonhado, ao negar a eficácia de Seu poder redentor. Não só isso está ressurgindo,
como faz destas coisas apesar do Ruach/espírito do favor imerecido, algo que se distrai da
plena incorporação da riqueza da Torah (que é o que conserva ao separado crente!) em
nosso caminhar com Ele. A edificação do Reino é, em essência, edificar a nação, até que
Yisrael fique totalmente reconstruído ou restaurado, nos manteremos ocupados com a tarefa
principal que nos foi encomendada. Sua tarefa fará que nos mantenhamos ocupados em Sua
perfeita vontade e evitará que eles sintam mais esse tédio e que acabem desviando a
atenção, ocupando-os em outros projetos. Até que fique clara a verdade a respeito das duas
casas nestes últimos dias, a família de YAHUAH tem padecido e tenha que passar por
diferentes fases e etapas deste tédio dos crentes efraimitas. Na revelação com respeito às
duas casas, temos encontrado a cura a esse tédio dos crentes. Yvrim/Hb.6:1-6.

CONTÉM A CURA PARA ACABAR COM A NOSSA GUERRA CIVIL

A mensagem da restauração é o único plano inspirado por YAHUAH e sancionado para


acabar com a guerra civil entre judeus e cristãos, com o mau sangue existente,
historicamente, entre as duas famílias de Yisrael, que tem aumentado com os refluxos,
durante a maior parte destes 2000 anos. Esta inimizade familiar tem suas origens inclusive
muito antes de 921 AEC dos tempos de Shlomo/Salomão, quando os efraimitas foram
considerados como trabalhadores contratados ou escravos. Não existe solução humana à
intolerância religiosa entre os judeus e os cristãos, a não ser que estejamos dispostos a
subscrever à solução prescrita por YAHUAH, que se encontra em Yeshayahu/Is.11:12-13.
Se não tivesse nenhuma outra razão para a natureza crucial desta verdade a respeito das
duas casas, e tão só neste ponto único, que é de primordial importância para todos os
crentes nascidos de novo adotar a restauração das duas casas. O que começou como um
conflito nacional político, depois foi em aumentando, para acabar se convertendo em um
conflito religioso, que atualmente é ao mesmo tempo político e religioso, e que deve acabar
graças ao bálsamo sanador, para se conceder a plena cidadania Yisraelita e
reconhecimento, de ambas as partes de uma família destroçada e arruinada pela guerra!
TRATAR COM ÊXITO A MENTIRA A respeito dos "POBRES JUDEUS CEGOS" a
incorporação da verdade a respeito das duas casas se trata, de fato, das mentiras
antissemíticas sobre esses pobres "judeus cegos a Cristo". A teologia sobre as duas casas
aceita a declaração escritural de Yeshayahu/Is. 8:14 e Romiyah/Rm. 11:25 que toda
Yisrael, tanto o Yisrael judaico, como o que não o é, AMBAS têm um grande problema com a
cegueira espiritual e, por isso, se consideram um problema corporativo nacional e não
somente um problema dos judeus, que singelamente incitam atitudes de desprezo e de
arrogância para o povo judeu. A verdade sobre as duas casas acaba com a mentira de que
os judeus e somente os judeus são os que estão espiritualmente cegos. Não existe nenhuma
outra teologia que crê, de maneira correta e escritural, em um novo e emocionante equilíbrio
ao ódio doutrinal.

ELIMINA AS BARRICADAS CRIADAS PELO HOMEM E COLOCADAS DIANTE DAS


BÊNÇÃOS DA TORAH

A teologia das duas casas coloca a todos os crentes na nação ou a comunidade de Yisrael e
por isso a Torah se converte em uma licença ou pacto Matrimonial, conhecido em hebraico
como ketubah, mediante o qual todos se dediquem a uma vida separada, obedecendo e
honrando aos mitzvot (mandamentos). A teologia das duas casas chama a todos os
Yisraelitas de coração, com o privilégio e o ônus da Torah, não diferenciando entre os mas

128
insignificantes e os mas importantes, sem se basear em sua posição como judeus ou a falta
delas, senão baseando-se no compromisso e no entendimento de que todos os crentes,
tanto de Judah como os de Efraim, têm sido chamados a shomer ou guardar a Torah. O
orgulho judaico estará eliminado juntamente com sua considerada habilidade superior para
cumprir com as obrigações da Torah. Anima-se aos que não são judeus juntamente e os que
são igualmente abençoados guardando a Torah como Yisraelitas, não singelamente
permitindo que eles façam (Corintiyah Alef/1ª Cor. 7:19). Chama-se ambas as casas à
guardar a Torah e a compartilhar a bênção e a responsabilidade mútua. Não há nenhuma
outra doutrina que mantenha um ponto de vista tão equilibrado, quanto a ter acesso às
bênçãos da Torah, para qualquer e para todos os crentes, sem distinção de sua
profundidade ou nacionalidade!

CORRIGE AS CONVERSÕES QUE NÃO SÃO ESCRITURAIS, SENÃO CRIADAS PELO


HOMEM

A verdade sobre a restauração das duas casas elimina uma das mais nefastas
manifestações da religiosidade carnal, que são os processos de conversão criados pelo
homem. Quando se converte um judeu, quando ele não o é, ele deve passar por certas
dificuldades criadas pelo homem e com frequência eles se sentem desanimados neste
processo de “conversão”. Estes “Beit Din/tribunais” criados pelo homem, que tomam sobre si
mesmos estas responsabilidades da conversão, com frequência têm um grande orgulho
como resultado do mesmo ponto de vista sobre a sua própria importância. Após tudo, se os
seres humanos podem decidir quem é, e quem não é judeu, ou um Yisraelita, têm rejeitado
em si mesmo, o poder que roubaram do Criador, que é o Único na qual pertence a soberania
para determinar quem é quem nesta situação. Outras teologias, inclusive as que dificultam
ao judeu ser um judeu, não se subscrevem a uma classe de judaísmo concreto. A verdade
messiânica a respeito das duas casas segue e mantém os níveis singelos das Escrituras,
para determinar a condição de um Yisraelita, deixando de lado, portanto, as inquietantes leis
criadas pelos homens pertencentes aos diferentes Beit Din/tribunais. Quando uma pessoa se
entrega ao Messias de Yisrael, come do Cordeiro de Pesach judaico de Yisrael, (o Rei
Yahushua) se circuncida pelo novo nascimento no coração, mas sem abolir a circuncisão
física, e decide permanecer com os outros em uma herança Yisraelita baseada na Torah,
estes se convertem em cidadãos, seja qual for a sua profundidade. Todos eles são tratados
como nativos originários de uma linhagem sanguínea Yisraelita, inclusive ainda que sua
reclamação, com respeito a pertencer à classe Yisraelita, é pelo próprio sangue Yisraelita do
Messias Yahushua. A verdade a respeito das duas casas é a única forma de messianismo
que enfatiza e permanece fiel a advertência de Corintiyah Alef/1ª Cor. 7:20, que proíbe as
conversões criadas pelo homem, para conseguir um posto superior no Messias Yahushua.

ELIMINA O MITO DO ARREBATAMENTO ANTES DA TRIBULAÇÃO

A revelação a respeito das duas casas, nos recorda que Yisrael vive ainda tendo duas
famílias divididas, às quais chama Yaakov/Jacó, e portanto, terão que passar pela
ANGÚSTIA DE YAAKOV/JACÓ ou a Grande Tribulação (Yirmiyahu/Jr. 30:7). Se Efraim é
verdadeiramente a outra casa de Yisrael, que sem dúvida é, então terá que passar pela
Grande Tribulação e não sair voando ou se meter em um “submarino amarelo”, enquanto
seus irmãos judeus "azuis e maus" são novamente transportados ao passado. A verdade
sobre as duas casas é a única doutrina sólida escritural, que termina com um golpe mortal ao
mito antissemitismo e anti-judaismo do arrebatamento antes da tribulação. A revelação sobre
as duas casas explica de uma vez por todas, o tema do arrebatamento como um mito, que
tem sido difundido e que é contrário as Escrituras. Estas doutrinas ensinam que devemos
esperar perder a vida por Sua causa, não nos refugiarmos em fantasias, para que possamos
escapar. A verdade restaurada de uma "mudança à imortalidade e à ressurreição física
dentre os mortos", são todas elas introduzidas de novo nos temas doutrinais originais, graças

129
à verdade a respeito das duas casas. Vejam a parte 10 desta série intitulada: "Uma Pedra de
Tropeço para a Restauração" na página principal de http://www.yourarmstoYisrael.org para
mais detalhes a respeito da mentira da doutrina Cristã chamada arrebatamento ou
arrebatamento no “abrir e fechar dos olhos”.

PREPARA O CAMINHO PARA A GLOBALIZAÇÃO DA LÍNGUA HEBRAICA

O hebraico não será a língua global novamente, como o foi no princípio, até que todos os
exilados das duas casas de Yisrael tenham sido restaurados. O remanescente de Yisrael,
que saiu das nações, tem um requisito indispensável para a restauração da lashon kadosh
(língua pura). Se a heresia da única casa é verdade, e a Casa de Yisrael não regressará
jamais ou já se reuniu com Judah, o hebraico não pode se estabelecer de novo como a
língua mundial, substituindo ao moderno inglês. Tzefaniyah/Sf. 3:9 afirma que todas as
nações ou todos os goyim voltarão à língua hebraica. Sabemos que Efraim se encontra entre
as nações, Efraim e Yahudah (Judah) devem estar falando o hebraico, para que a língua
seja restaurada como o verdadeiro idioma global separado e puro. Aqueles que não se
encantam com o hebraico, nunca verão e poderão se converter num idioma global, até que
Efraim e Judah estejam ambos, aprendendo e, portanto, a nova globalização da língua
hebraica, esperando que sejam restauradas as duas casas de Yisrael.

RECORDA TODO O VERDADEIRO PRÓPOSITO DE SUA PRIMEIRA VINDA

A teologia das duas casas faz que todos os crentes se concentrem de novo no propósito
principal da primeira vinda do Messias Yahushua. Foi e segue sendo a reunificação dos
exilados de Yisrael, pertencentes a ambas casas (das 12 tribos) a maioria das quais voltarão,
segundo as aparências externas, como gentílicas. Por causa de outros falsos ensinos e a
heresia da única casa, perdemos de vista este objetivo e temos ensinado muitas variações a
respeito do verdadeiro propósito da primeira vinda do Messias. Felizmente e igualmente que
a geração do primeiro século, faz 2.000 anos, também nesta última geração, voltamos a nos
concentrar no tema principal da primeira vinda do Rei Messias, que foi e segue sendo a
reunificação tão só das ovelhas perdidas da casa de Yisrael. (Matitiyahu/Mt. 15:24,
Yohanan/Jo. 10:16; 11:52). Graças à verdade sobre a restauração das duas casas, por fim
temos dado uma volta completa e nos encontraremos fazendo a mesma pergunta que
fizeram os discípulos do primeiro século em Maaseh Shilichim/At. 1:6:

- "Adon, restituirás o Reino a Yisrael nesse tempo?"

A verdade a respeito das duas casas recorda-nos que o Messias Yahushua não está
interessado em ampliar nosso edifício messiânico ou as estruturas da igreja, senão que está
interessado em acabar a tarefa sem antes completar a reconstrução da nação. A verdade
sobre as duas casas restaura esta perspectiva como é devida.

RESTAURA A COMPRENSÃO CORRETA DO TEMPO

Somente a verdade a respeito das duas casas acaba com o problema do


dispensacionalismo, que acusa a YAHUAH de ter diferentes períodos de tempo, mostrando
diferentes favores a diferentes grupos. Já que a verdade da fundação das duas casas é que
o Pai tem tido sempre a um ÚNICO povo chamando, desde os tempos do Jardim do Edén ao
reino e a nova Yahrushalaiym/Jerusalém que aparecerá, e esse povo foi chamado de
Hebreus Yisraelitas desde a antiguidade. Portanto, todos os que são fiéis a Suas promessas
e confiam, são Yisraelitas Hebreus. De Bereshit/Gn. a Guiliyana/Ap., convertem-se na
história e no futuro profético de uma só entidade chamada Yisrael e todos os que formam o
Yisrael de YAHUAH. Não existe nenhuma outra postura duradoura ou escrituralmente

130
justificável que possa pôr um fim ao açoite da teologia do dispensacionalismo. Quando as
Escrituras não reconhecem as outras entidades para que substituam a Yisrael, durante
períodos supostamente diferentes ou as ligações de "diferentes economias", também nós
não devemos fazer isso. Yaakov/Tg. 1:17, Matitiyahu/Mt. 3:6, Yvrim/Hb. 13:8.

PERMITE QUE SE CONSIDERE QUE RAV SHAUL ESTEJA SOBRE UMA LUZ POSITIVA

Somente nossa verdade a respeito das duas casas define o papel apropriado, representado
por Rav Shaul (Paulo) como shaliach às nações. Ele foi enviado aos ethnos ou goyim
seguindo a mesma comissão que o Messias, isto é, ir às nações com o propósito de buscar
as ovelhas perdidas da casa de Yisrael. Só a verdade a respeito das duas casas, os
separará do erro doutrinal histórico que se encontra em praticamente todos os ramos do
Messianismo e do Cristianismo, que ensinam concretamente que Rav Shaul era o apóstolo
ou shaliach aos gentios. Rav Shaul não foi enviado aos gentios pagãos de maneira concreta,
senão a todas as nações e a todos os que estavam nelas. Vemos no Primeiro Pacto às dez
tribos de Efraim indo às nações e por meio das boas novas do reino, restauraram a esses
mesmos Yisraelitas que regressavam à YAHUAH, graças ao ministério de Shaul. Se colocar
o ministério de Shaul as nações em sua perspectiva histórica, chegará muito longe na
restauração da Tenda de David, que foi destruída. Ahmós 9:12 confirma a fascinante
verdade de que Yisrael ou a Suka (tabernáculo) reconstruída de David, será construída com
os goyim, que receberão o poder e a salvação do Nome de Yahushua. Maaseh
Shilichim/At. 28:20, 9:15, 26:7, Romiyah/Rm. 1: 5.

A REVELAÇÃO DA AKROBUSTIA-YISRAEL

Somente a verdade a respeito às duas casas pode explicar o estranho termo grego
akrobustia que significa incircuncisão, usado em Galutiyah/Gl. Esta estranha e nada
convencional palavra, em lugar da mais corrente aperitome, se usa com o intuito de se
descrever especificamente à outra casa de Yisrael ou o prepúcio que se retiravam daqueles
que (eram os desterrados circuncidados). Esta palavra se reconhecia facilmente aos que não
eram judeus, e que eram atingidos graças ao ministério exercido por Rav Shaul como o
akrobustia, que regressavam a Yisrael. O Livro de Galutiyah/Gl. tem por finalidade,
completamente e perfeitamente o sentido de ler à luz da revelação a respeito das duas
casas! Nem a igreja nem a teologia judaica messiânica podem explicar este estranho termo
que se usa em Galutiyah/Gl. em lugar do mais convencional aperitome para descrever o
estado dos incircuncisos. Vejam A VERDADE A respeito de TODA YISRAEL que pode obter
on-line na página principal: http://www.yourarmstoYisrael.org para um estudo a fundo deste
importante tema. (Galutiyah-Gl. 2:7)

ELIMINA TODAS AS PASSADAS E SECUNDÁRIAS IDENTIFICAÇÕES

Somente por meio da verdade a respeito das duas casas, podem todos os membros do
corpo do Messias ser declarados membros absolutos desfrutando a mesma igualdade e
sendo tratados segundo os mesmos pesos e medidas. Na teologia das duas casas
considera-se a todos os crentes como Yisraelitas negando, portanto, qualquer passada ou
anterior identificação, como possa ser a de um judeu ou um gentio, homem ou mulher,
escravo ou livre. Galutiyah/Gl. 3:28-29. Todos são considerados o esperma físico de
Avraham, cumprindo desse modo, as muitas profecias a respeito da multiplicação física. A
revelação a respeito das duas casas identifica totalmente aos receptores do sangue de
Yahushua, como Hebreus e, portanto, como crentes que são tratados como Hebreus,
segundo Yvrim/Hb. 8:8-9.

131
O AJUNTAMENTO COLETIVO DOS 144.OOO

A verdade a respeito das duas casas é o agrupamento coletivo dos que terão que ser
selecionados e nomeados, os 144.000. A igreja geralmente se encontra as escuras, com
respeito a sua identidade, como se entre eles tivesse um grande número de pessoas que
não são fisicamente judias, além de achar que o antigo Yisrael (isto é, os judeus) foram
substituídos. O Judaísmo Messiânico segue achando que na atualidade ainda se segue
chamando a todos os Yisraelitas judeus. Nenhum destes movimentos possui os ensinos e as
doutrinas sobre a identidade correta em seu lugar, algo que será necessário para acordar
àqueles que, sem dúvida, serão contados entre os 144.000 selecionados, homem-menino da
companhia das 12 tribos, da que se fala em Guiliyana/Ap. 7:4 e 12. Só a teologia das duas
casas mantém firme em relação às 12 tribos separadamente, da mesma maneira que foram
abençoadas e colocadas separadamente, (Bereshit/Gn. 49:1-33) tal como serão reveladas,
e separadas pelo Aba YAHUAH durante a Grande Tribulação.

PREPARA COMO SE É DEVIDO A UM REBANHO PRONTO PARA SER GOVERNADO

O reino do milênio do Messias, que se encontra em parte em Zechariyah/Zc. 8:1-4 não pode
começar até que as duas casas tenham sido reconhecidas e tenham começado a
reconciliação e a se reunir como o remanescente que regressa do leste e do oeste. O
entendimento das duas casas, (Zechariyah/Zc. 8:13 e 8:7) tem lugar em parte, antes do
milênio. Portanto, em lugar de ser um tema secundário que falta e que terá de desencadear
o regresso de Yahushua na qual fará o possível para que volte a viver de novo entre nós em
pessoa desde Yahrushalayim. Nenhuma outra teologia prepara a consciência ao Seu
rebanho para Sua vinda, com o intuito de reinar.

RECLAMA, DE MANEIRA LEGÍTIMA, UM "YISRAEL MAIS EXTENSO" PARA TODAS AS


MASSAS DE YAHUSEF/JOSÉ

Tomar de novo posse do Líbano, Damasco, Síria, Iraque e Iran, toda a terra de Yisrael não
será habitada pelo povo de Yisrael, até que não regressem ambas as casas com um
esplendor numérico e unidade. Qualquer sonho que se tem com respeito a um Yisrael maior
sem o Yahusef/José que regressa é ilegal, não é escritural e singelamente não tem garantia
alguma! YAHUAH chamará a todo Yisrael e então esses antigos territórios voltarão a ser
repatriados por Yisrael. Sem que se reconheça às duas casas e sem que fiquem
restauradas, a repatriação de um Yisrael de maiores dimensões segue sendo uma fantasia
política. Zechariyah/Zc. 10: 8-11. Entre seis e dezesseis milhões de judeus podem encaixar
muito bem no Yisrael posterior a 1967. A reclamação judia de mais território, e por amor para
se conseguir mais território, será algo que a opinião publica global considerará singelamente
como a cobiça colonial de mais terra que não está habitada, mas à luz da verdade das duas
casas de Yisrael e o regresso profetizado das grandes massas daqueles que agora enchem
todas as nações do mundo, a exigência o Líbano, Síria, Iraque, partes de Iran e do Egito, é
algo que faz sentido, politicamente, tendo em conta o enorme número de pessoas que
precisará de mais terras para habitar.

RECUPERA A EMUNAH-FÉ ORIGINAL DOS PATRIARCAS

A verdade a respeito das duas casas é uma doutrina sumamente importante, já que pretende
desafiar a todos os crentes a caminhar conforme a fé original de Avraham/Abraão, crendo
exatamente no que creu Avraham. A verdade das duas casas restaura a verdade do que
creu Avraham, e não uma versão retorcida dessa fé. Ele creu na promessa da multiplicação
física, que seu esperma ou zera encheria o globo terrestre. Essa é a promessa sobre sua fé
no Invisível que se manifestou. É isso também o que nós cremos? A teologia a respeito das

132
duas casas apresenta com sucesso, introduzindo-o de novo pela primeira vez em 2.000
anos, o tema original da fé de Avraham, após que teve sido retorcida por meio de muitas
doutrinas de palavras de fé durante os últimos anos. Romiyah/Rm. 4:11, Bereshit/Gn. 15:1-
6, Yvrim/Hb. 11:9. Essa é a mesma promessa que justificou a todos nossos patriarcas e
Aquele que fez que a justiça imputada para YAHUAH passasse à todos eles!

OFERECE UMA VISÃO CLARA DA NOVA YAHRUSHALAIYM/JERUSALÉM

A verdade a respeito das duas casas apresenta, por meio a uma luz apropriada, que trata da
Nova Yahrushalaiym. É para todos os crentes que são Yisraelitas e como tais é a morada
permanente e poderosa para a nação regenerada de Yisrael, a única esposa de YAHUAH. A
Nova Yahrushalaiym não tem grades nem entradas para gentios ou cristãos com toda a
razão do mundo. YAHUAH mesmo considera o Seu povo como a Sua esposa escolhida,
ligada a Yisrael, que durante os últimos dias está recusando a condição de toda nação
pequena ou um estado denominacional e aceitando o esplendor e a responsabilidade de ser
o Yisrael que o próprio YAHUAH tem escolhido. Guiliyana/Ap. 21:12, Yeshayahu/Is. 44:5.
Vemos que este mesmo princípio se confirma em Yechezkel/Ez. 48, onde durante a
repatriação milenial de Yisrael, não exista lugar para os gentios. Só a verdade a respeito das
duas casas pode dar a explicação correta a respeito deste assunto, isto é, que aos olhos de
YAHUAH, Seu povo tem sido e segue sendo a nação restaurada de Yisrael.

ACABA PREVALENCENDO AS ATITUDES PROFANAS COM RESPEITO À


PRIMOGENITURA FÍSICA NA EKLESSIA/CONGREGAÇÃO

A verdade a respeito das duas casas segue sendo a única verdade que adverte e que
admoesta aos crentes do Pacto Renovado a respeito da importância perpetua de não
desprezar a primogenitura física, como profanou Esaú. A maioria das outras filosofias
enfatiza muito pouco sobre a primogenitura física, (optando por concentrar-se só na herança
espiritual pessoal) residente na eklesia-“Igreja” a vendendo-a, deixando escapar a bênção do
primogênito, por causa de uma atitude profana comparada à atitude profana de
Esav/Esau/Edom (Yvrim/Hb. 12:16).

DESVENDA O MISTÉRIO DA "PLENITUDE DOS GENTIOS"

A verdade a respeito das duas casas revela de maneira apropriada o mistério de


Romiyah/Rm. 11:25-26, onde Rav Shaul/”Paulo” se refere aos gentios ou aos que não são
Yisraelitas que se uniram a Yisrael. “Os gentios que se unem ao Yisrael nacional não é um
fenômeno novo e sem dúvida não é um mistério para Rav Shaul, senão que é a identidade
física daqueles que aparecem exteriormente como “gentios” como o ramo selvagem da
oliveira” ou como as 10 tribos do Efraim/Yisrael que regressa. Sua identidade é o grande
mistério que nunca tinha sido conhecido ou revelado. Somente a verdade a respeito das
duas casas tem colocado, por fim, este mistério à luz da revelação escritural.

DESCOBRE NOVAMENTE QUEM SÃO OS FILHOS DOS SHILICHIM-APÓSTOLOS

A revelação das duas casas declara que os descendentes físicos dos primeiros Yisraelitas e
dos crentes judeus se encontram ainda no corpo em número e em massa e deste modo, têm
mostrado a muitos à verdade do fato de que os primeiros seguidores do Rei Messias das 12
tribos, (Matitiyahu-Mt.19:28) multiplicaram-se de uma maneira imensa e muitos, que na
atualidade eram chamamos crentes são, de fato, descendentes diretos da comunidade do
primeiro século. A declaração a respeito das duas casas tem retirado à luz desta realidade
que com frequência é esquecida. Maaseh Shilichim/At. 2:39, 3:25.

133
ENTENDENDO A OLIVEIRA POR MEIO DE KALIYA

A verdade das duas casas é a revelação que tem colocado a parábola a respeito da oliveira
à luz de Romiyah/Rm. 11 e exige o princípio da Torah de kaliya, que qualificam a qualquer
coisa que tenha diferentes classes de fruta ou de semente, como impuras. Baseando no
princípio da Torah de kaliya a verdade a respeito das duas casas declara a todos na Oliveira
de Yisrael como pertencentes à mesma classe, todas elas azeitonas dos ramos da oliveira.
Pela primeira vez em 2.000 anos, existe aqueles que apresentam à oliveira como uma só
classe, (já não são nem judeus nem gentios) e desse modo apresentam o corpo de
Yahushua sem contaminação, não permitindo a mistura na pureza da árvore. Esta pureza dá
as boas-vindas a todas as raças, classes e nacionalidades, lhes convidando a que se
convertam em Yisraelitas. Portanto, o Yisrael de Yahushua é um Yisrael de kaliya, baseado
na decisão, não na raça, ou na nacionalidade passada! Devarim/Dt. 22:9, Vaiykra/Lv.
19:19.

A MANIFESTAÇÃO DEFINITIVA DA FIDELIDADE DO PACTO

Moshe Rabeinu (Moisés) recorda-nos que a reputação de YAHUAH, como o que guarda o
pacto, se encontra em Sua promessa de multiplicação física e na adoção espiritual de
nossos patriarcas. A fim de que possa ficar totalmente validado o Seu pacto com Avraham,
Ytzchak e Yaakov, a zerah de Yaakov/Jacó deve encher a terra graças aos melo hagoyim,
uma multidão de nações Yisraelitas. Moisés declarou em Devarim/Dt. 1:9-11 que YAHUAH
mostrará um dia a fidelidade do pacto, fazendo que se cumpra a promessa para Yisrael nos
últimos dias, por meio de miríades de descendentes biológicos. Somente a verdade a
respeito das duas casas retrata com clareza este cumprimento ensinando a soma coletiva
do Yisrael judaico e as nações efraimitas todas juntas, como a semente de Yaakov/Jacó.

EPÍLOGO

Se ao chegar a este ponto você não possa você ver e nem responder diante da importância
suprema e da restauração profética de todo o Yisrael nos últimos dias, então você poderá
estar seguro, que você não entendeu ainda o mistério das nações e a vontade principal de
YAHUAH para os últimos dias. É nossa esperança e oração que este ensino tenha servido
de libertação para àqueles que têm aceitado a revelação com respeito das duas casas de
Yisrael, apesar de seguir com a atitude de "o que é isso?" em seu coração. É nosso desejo
que agora você pertença à crescente companhia de crentes que encontram soluções
duradouras na unidade das duas casas.

134
A SEGUNDA PIOR VENDA DA HISTÓRIA!
A décima terceira parte da série contínua sobre a Completa
Restauração de Ysrael

MISHPAT BACHOR

No livro de Hebreus escrito para as duas casas de Yisrael, segundo o capítulo 8 e versículo 8
encontramos um impressionante conhecimento a respeito da revelação de Yvrim/Hb.12:15-17.
Sabemos que Esav/Esaú, era o primogênito de Ytzchak/Isaque vendeu a sua primogenitura por
um cozido ou um pote de sopa de lentilhas, segundo o relato de Bereshit/Gn.25:29-34. Note que
Yvrim/Hb.12:17 Esav encontrava-se na linhagem para herdar a bênção do filho primogênito
(mishpat bachor) além da renovação do pacto Avrahamico perpetuo e incondicional, mediante o
qual Esav era o próximo da linhagem para que a sua semente enchesse o globo com a
multiplicação física que primeiramente lhe tinha sido prometida a Avraham e Ytzchak. Yvrim/Hb.
11:9 recorda-nos que os patriarcas confiavam e esperavam uma e a mesma promessa da
multiplicação física, que teria que incluir uma nação e uma multidão de nações (Bereshit/Gn.
35:10-11) ou às duas casas, juntamente com o Messias, mesmo que tivesse de surgir da mesma
semente. Esav poderia ter sido a mesma vasilha da renovação de YAHUAH em relação a essa
promessa única. O primogênito correto (estatuto com respeito ao primogênito) é ao mesmo
tempo herdeiro de uma dupla porção da herança material, é o mishpat bachor ou o primogênito
correto do primeiro filho homem. O estatuto de mishpat bachor nomeava os primogênitos
daqueles que depois iriam se converter na nação de Yisrael, como os que teriam de receber a
dupla porção da herança familiar, que tinha começado com Avraham (Abraão) e Yitzchak
(Izaque) e era transmitido por meio das futuras gerações através dos primogênitos de Yisrael. O
filho do mishpat bachor recebia a liderança familiar, uma dupla porção, um estado preferencial, a
purificação, a autoridade, a honra, a reputação e a preeminência.

Nosso Salvador o messias Yahushua foi o cordeiro sem pecado neste mundo e o primeiro a
ressuscitar dos mortos, portanto Ele recebeu a dupla honra e a dupla porção da herança de
YAHUAH. Foi o primeiro e o único em forma humana que viveu uma vida isenta de pecado neste
mundo e o primeiro a ressuscitar de maneira física e permanente dentre os mortos para o olam
Habah ou o mundo vindouro. Deste modo Ele herdou tanto esta era como a próxima (Yvrim/Hb.
1:2) e converte-se na personificação do herdeiro primogênito definitivo de Yisrael, vencendo
ambos os mundos. O primogênito recebia ao mesmo tempo a responsabilidade da perpetuidade
da família além de ser o herdeiro escolhido para a sucessão familiar, desempenhando ao mesmo
tempo as funções sacerdotais que tinham que representar a família na comunidade social de
Yisrael. O direito a primogenitura descansava sobre o primogênito, que devia dispensar a justiça
e governar com equidade. Naquela cultura o mishpat bachor era a única e mais importante
bênção sancionada que podia receber um ser humano neste planeta. O mishpat bachor era um
posto, concedido por Elohim YAHUAH, de poder, autoridade, representação sacerdotal,
julgamento e purificação. Na cultura e sociedade dos patriarcas, o reconhecimento do
primogênito não era um assunto secundário ou singelamente uma agradável bênção religiosa
que possuía, senão que o representava tudo o que ele recebia, pois não se tratava de um
assunto sem importância. Com frequência as tribos, as nações e as sociedades participavam
edas guerras e derramavam sangue inocente com tal finalidade para conseguir o mishpat bachor.

Em Shemot/Ex.13:2 YAHUAH falou-lhe a Moshe (Moisés) dizendo: "Separa-me todo


primogênito, todo o que abre a matriz entre os filhos de Yisrael, tanto dos homens como dos
animais, é meu". A cada primogênito dentre as vacas, os cavalos ou os jumentos pertenciam a
YAHUAH. A cada filho primogênito homem pertence a YAHUAH. Ele afirmou possuir o que era
de YAHUAH e a sua perpetuidade e Ele e somente Ele tem o poder para anular ou mudar o fator
biológico do estatuto de YAHUAH do primogênito mishpat bachor. O primogênito era separado,
tendo sido separado para seguir o povo de Yisrael como uma recordação constante do fato de
que era por ter matado ao primogênito do Egito e ter conservado a vida do primogênito de

135
Yisrael, que Yisrael havia sido isentado da casa da escravidão no Egito. O nascimento da cada
um dos mishpat bachor devia servir em Yisrael como uma recordação de que seus filhos
primogênitos foram conservados em vida na grande redenção e êxodo no Egito. Em Shemot/Êx.
13:12,13,15 YAHUAH manda a Yisrael que a cada um dos primogênitos homens sejam
isentados em uma cerimônia perpétua conhecida como pidyon haben, que serve para nos
recordar que o mesmo que destruiu ao primogênito do Egito por meio da morte, isentou ao
primogênito de Yisrael por meio da vida. Ademais o pidyon haben devia separar a Yisrael como
uma nação que protegia a seus primogênitos contrariamente ao que faziam outras nações
semíticas, mas pagãs, que sacrificavam aos seus primogênitos aos Elohim/Poderosos pagãos.
Vocês se recordam o que fez a mãe e o padrastro de Yahushua, quando o Messias Yahushua,
nosso Elohim, nasceu? Foram à Yahrushalaiym (Jerusalém) para oferecer dois pombos porque
como está escrito: "Bendito e separado é o que abre a matriz (Shemot/Ex. 13:12). Aqui podemos
observa um caso claro da graça (chesed) do Primeiro Pacto, já que a Torah permite aos
economicamente desprovidos de muita prata, trazer dois pombos em lugar de um sacrifício mais
caro, tendo desse modo, o favor aos pobres, que eram Yisraelitas obedientes. Já que YAHUAH é
o proprietário do primogênito por Sua seleção, Ele pode em qualquer momento, por meio da Sua
eleição, mudar, voltar a nomear ou transferir o mishpat bachor quando assim o decidir. Só Ele
pode fazer esse tipo de mudança.

INVESTIMENTOS FASCINANTES

O que se mostra mais fascinante é que a cada vez que examinamos a nossa linhagem patriarcal,
desde Avraham (Abraão) a Efraim, o verdadeiro bachor peter, (Kefa/Pedro significa aberto e,
desse modo, o Messias Yahushua mudou o seu nome e o nome de Simon Bar Yonah por
Kefa/Pedro, já que Kefa foi o que abriu o reino, sendo possuidor das chaves da autoridade do
primogênito) ou do primogênito biológico, que não recebeu a herança, senão para melhor, em
cada caso, desde Avraham para Efraim, vemos ao mishpat bachor dotado por meio da eleição de
YAHUAH e não de acordo com os At. biológicos de sua condição como primogênito. Em toda a
Torah, YAHUAH reintera que a herança do primogênito será somente e exclusivamente por
nascimento. No entanto, nem uma só vez na história dos patriarcas de Yisrael aconteceu isso, de
fato, segundo a mesma Tora o próprio YAHUAH havia dado! Pensem a respeito dessa ironia
surpreendente, mas ao mesmo tempo inegável! Dá a impressão de que em cada caso patriarcal,
YAHUAH transgrediu sua própria Torah, mas não no sentido literal de ir contra as Suas próprias
escrituras, senão no sentido de que Sua soberania e Sua primogenitura governem e reinem nos
assuntos dos homens e como doador da Torah, Ele pode adotar a Torah a fim de que se cumpra
Sua presciência e seu conselho predeterminado.

SELEÇÃO DE YAHUAH

Recordamos que Ytzchak (Isaque) recebeu (Bereshit/Gn.17:16) o mishpat bachor de Ishmael


(Ismael) por eleição de YAHUAH. Encontramos a mesma situação com Yaakov (Jacó) quando a
recebeu de Esav (Esaú) e com Efraim que a recebeu de Reuven (Rúbem), Yahusef (José) e
Menashe (Manassés), ao realizar YAHUAH um passar por cima estas três vezes por diversos
motivos, concedendo o mishpat bachor à Efraim, o neto de Yaakov (Jacó/Yisrael). Portanto,
todos os que descendem de Efraim/Yisrael (posteriormente um termo coletivo que se referiria ao
reino do norte após o 921 AEC) são todos eles Yisraelitas e foram escolhidos como tais, da
mesma maneira que pode ser qualquer pessoa judia. Em Bereshit/Gn. 25:33-34 Yaakov disse:
"Jura-me agora! Ele jurou-lhe e vendeu para Yaakov a sua primogenitura. Então Yaakov deu a
Esav/Esaú pão e guisado de lentilhas. Ele comeu e bebeu e levantando-se se foi. Assim
menosprezou Esav a primogenitura". E cada vez que o primogênito estava preparado para
receber sua herança como tal, YAHUAH não permitiu que as coisas se realizassem da maneira
natural, porque Ele tinha um grande plano para construir a Yisrael como uma nação de pessoas
separadas e Ele edificaria a Yisrael da Sua maneira, sem nenhum conselheiro, nem
trabalhadores sociais e nem alguma classe de guias humanos. Ele propôs construir a casa de
Yisrael (as 12 tribos) da Sua maneira e não de outra! Baruch HaShem YAHUAH!

136
YAHUAH O CRIADOR DAS CIRCUMSTÂNCIAS

Em Romiyah/Rm. 9:10-16, vocês encontrarão o motivo pelo que YAHUAH moldou o Seu próprio
princípio com respeito ao primogênito, que era o de construir a nação de Yisrael e ao mesmo
tempo poder decidir com respeito aquele que havia escolhido como Rei (o Salvador Yahushua) e
o reino à Yisrael. Tudo isto se cumpriu a fim de estabelecer o Seu próprio desejo e a Sua
vontade. O versículo 11 de Romiyah/Rm. 9 nos diz que todos os patriarcas de Yisrael foram
escolhidos sem o mishpat bachor "para que o propósito de Elohim dependesse da Sua eleição,
não das obras, senão do que chama Romiyah/Rm. 9:11 C e D). Por que este padrão contínuo
de descuidar e deixar de lado ao primogênito biológico? Para demonstrar que se tinha planejado
um Reino antes do amanhecer dos tempos e que todas as coisas na terra devem ser feitas
conforme ao padrão celestial que estava usando YAHUAH para construir o Reino que teria que
ser dado ao Seu Filho, o Yisrael nacional. A seguir em tudo a Brit Chadasha/Pacto renovado, o
Messias Yahushua, o Filho unigênito de YAHUAH, restaura esse mesmo Reino ao povo do
Reino! A história é a Sua História, precisamente, se trata da eleição, a seleção e o apelo de
YAHUAH.YAHUAH criou então a mesma circunstância que fez que Yaakov/Jacó se encontrasse
com um Esav/Esaú faminto, que estava a ponto de morrer de fome e disposto a vender e
transferir toda a autoridade a seu odiado irmão. E Esav estava determinado a vender a sua
herança, pois estava morrendo de fome, a primogenitura para ele não tinha nenhum valor. De
que lhe ia servir a primogenitura se ele sairia deste mundo? Portanto, Esav esteve de acordo em
mudar sua primogenitura por um pote de sopa de lentilhas e deste modo ele desprezou a sua
primogenitura. É algo terrível desprezar sua própria primogenitura! E foi precisamente porque
desprezou o dom da primogenitura, pelo que ele estava desprezando de fato, era YAHUAH, que
lhe concedeu a honra, dando lugar, por isso, a declaração de YAHUAH: "A Esav aborreci"
(Romiyah/Rm.9:13). YAHUAH odiou realmente a Esav como indivíduo ou ao Esav homem?
Nenhumas das duas afirmações! O que Ele odiava era o comportamento e o espírito de Esav.
Em que consiste este espírito? O que é exatamente o espírito de Esav? Prevalece ainda na
atualidade esse espírito entre os crentes nascidos de novo? Sim, efetivamente! É o espírito que
se nega a caminhar, a desfrutar, a abraçar e prosperar, graças à declaração de ser um filho
primogênito de Yisrael, que devia ser uma nação escolhida, estritamente separada somente por
seleção e eleição de YAHUAH. Por que é que Yisrael é uma nação separada e tão diferente de
todas as demais nações da terra? Devido que Yisrael foi concebido, alimentado e perpetuado por
YAHUAH mesmo (Shemot-Êx. 19:5-6) enquanto o resto das nações da terra foi perpetuado
pelos desejos iniciais de um homem e uma mulher.

Só os B’nai (filhos) Yisrael, na qual foi eleito e escolhido por YAHUAH, nosso Pai celestial. Deu a
luz ao Yisrael voltando a embaralhar as cartas da biologia, com a finalidade de criar toda uma
nação de reis e sacerdotes (Yeshayahu/Is. 43:1; Devarim/Dt.7:6) e a seguir enviou ao Seu
próprio Filho primogênito, Yahushua a tomar para si e proclamar, voltar, reunir e a regenerar
esse mesmo povo (não a uma nova entidade, separada, que nasceu em 325 da EC, chamada
de “a Igreja”) como está escrito em Kefa Alef/1° Pd. 2:9-10 e Maaseh Shilichim/At. 15:14-17.
Vemos que YAHUAH não mandou nunca o Seu Filho com o propósito de que começasse uma
"igreja num aposento alto/Cenáculo" já que o Ruach HaKodesh 9Sopro de YAH) desceu sobre a
“Beit”/Casa de YAHUAH (o Templo de Zorobabel-Herodes) no Monte Moriah perto de 33 da EC,
onde normalmente se reuniam os Yisraelitas nos tempos escriturais e 3.000 pessoas foram
salvas e imergidas (“batizadas”). Não se pode encaixar as 3.000 pessoas em uma pequena
habitação, que não havia um batistério e também não iam estar os Yisraelitas de cada nação em
nenhuma parte em Shavuot (Pentecostes) que não fosse à Casa de YAHUAH (Beit Há mikdash-
Templo), para que não lhes encontrassem diretamente infringindo a Torah. Vemos uma vez que
nunca houve uma "experiência de Pentecostes" em um aposento alto ou "um nascimento da
Igreja!" Sendo esse o caso, vemos a missão do Messias Yahushua estritamente como a de
corrigir e restaurar àqueles que haviam sido destinados, numa anterior eleição e apelo de
YAHUAH, a converter toda uma nação de sacerdotes e reis dirigentes. Baruch HaShem
YAHUAH. (Vejam nosso artigo crítico sobre o mito da igreja nascida SEPARADA do povo
histórico de Yisrael em nosso ensino Shavuot: Um Tempo para a Renovação que se encontra no
Departamento de Artigos em nossas páginas: www.yourarmstoYisrael.org ou peça nossa fita de
Áudio titulada: Ajudem-me! Não posso encontrar uma Igreja em minha Escritura!)

137
A SELEÇÃO NACIONAL

A nação de Yisrael é a única nação cujos passos são ordenados por YAHUAH. Devido a esta
eleição, Elohim encontraria sempre uma maneira de resolver o que Yisrael tivesse apostatado, se
tivesse mostrado desobediência, adotando uma atitude de orgulho ou que tivessem corações não
circuncidados, pois sua entrega a nós foi/é absoluta. Qualquer outra nação que mostrasse essa
atitude repetidamente rebelde e desobediente teria desaparecido já a muito tempo das páginas
do drama humano, como sucedeu com os habitantes de Kanaan antes que Yisrael se
estabelecer na terra. É com este entendimento que YAHUAH mesmo, como o Rei Onipotente de
Yisrael, usou sua eleição com a finalidade de construir, reconstruir e conservar a mesma nação
que saiu do Egito, de modo que possamos começar a entender a Sua tendência em ceder com
respeito a Seus próprios estatutos! O espírito de Esav é um espírito contrário e independente,
que não está interessado em construir a nação perpetua, senão que está interessado em uma
denominação Religiosa ou uma “igreja” que não é escritural, ou em edificar a tradicional sinagoga
judaica. Segundo o princípio da eleição de YAHUAH, Yisrael é a soma corporativa de todos os
seus cidadãos, (incluindo aos melo hagoyim que é o florescimento total da semente de
Efraim/Yisrael) que são todos os filhos e filhas primogênitos, tal e como está escrito em
Shemot/Êx. 4:22, pelo qual é o motivo que Yahushua veio e cumprir isso com a finalidade de
restaurar a todos os crentes nascidos de novo a condição da Comunidade dos Primogênitos
de Yisrael, daqueles que foram encontrados anteriormente na condição Lo-Ami e Lo-Ruchamah
(não povo e não piedade) do Yisrael que foi recusado como proscrito, na qual YAHUAH nos
elegeu como crentes Yisraelitas primogênitos em Yahushua, é algo que resistirá a prova do
tempo e a falsa teologia greco-romana (Zechariyah/Zc. 9:13-14).

OS FILHOS DO MESSIAS E A AMNÉSIA NACIONAL

Examinemos mais atenciosamente Bereshit/Gn. 48:19. A maioria de nós já sabe que somos o
povo de Yisrael, que temos sido eleitos e selecionados, que muitos de nós nos originamos da
semente de Efraim e alguns de Yahudah (Judá). O Pai escolheu pessoalmente a Efraim da
mesma maneira que fez com os patriarcas. Os que têm respondido a besorah (o evangelho) têm
regressado às grades de Yisrael, shaaray Yisrael, porque vocês são a semente dos eleitos e, por
isso, os eleitos de YAHUAH. A fim de poder ser eleitos pelo Adon Mashiach Yahushua, você
primeiro deve, na maioria dos casos, pertencer já aos patriarcas escolhidos do povo de Yisrael
(Matitiyahu/Mt. 15:24). Igualmente como seus pais, vocês foram eleitos e essa eleição
permanece na família. Você não estava inteirado dessa eleição devido ao fato de você ter se
afastado da Torah (Yaakov-Tg.1:25). Você e eu nos convertemos em ouvintes, que ouvimos
falar a respeito da Torah, mas por não colocamos ela em prática, não éramos cumpridores e,
portanto, nos esquecemos de nossa herança e de nossa identidade Yisraelita. Yaakov/Tg.
ensina-nos em Yaakov/Tg.1:25 que só os cumpridores da Torah recordarão a classe de homem
ou de mulher que COSTUMAVAM SER! Mas em lugar disso, nós como crentes temos sucumbido
ao caso de 2.700 anos de duração de anistia nacional, no que se referem as nossas raízes em
Yisrael. Devido você fazer parte da semente de Yisrael que regressa você respondeu de maneira
favorável ao evangelho, porque se não, você não teria respondido da maneira que você fez! Por
essa piedade nos exaltamos na estaca da execução (madeiro) e no sangue do Calvário!

Segundo Yeshayahu/Is.53:10 a semente reunificada do Messias, que anteriormente havia sido


exclusivamente a semente de Avraham/Abraão, fará que YAHUAH esteja exultante. Esta
escritura é mais fascinante à luz do fato de que o Messias não teve uma esposa física e não
estava casado, apesar do qual se diz que tem dado a luz muitos filhos. Em lugar de esforçar-nos
por espiritualizar este singelo texto como se refere aos filhos de Yahushua como o "Yisrael
espiritual" ou "judeus espirituais" se aceitamos o seu valor tal e como é, a semente da herança
são as nações que não são Yisraelitas, a respeito das quais tem profetizado o Filho de YAHUAH
como as que herdarão em Tehilim/Sl. 2:8. As nações dos últimos dias converteram-se, por
causa da assimilação, os casamentos mistos e os nascimentos inter-raciais, na "plenitude dos
gentios", isto é, os melo hagoyim ou a multidão das nações dos últimos dias. A semente física
herdada do Messias são precisamente estas nações efraimitas que por meio dos sofrimentos do
Messias, descritos em Yeshayahu/Is. 53, estão regressando ao Tabernáculo caído de
Dauid/Davi!

138
O servo sofredor do capítulo 53 de Yeshaiyahu/Is. verso 8 diz que está morrendo por Seu
próprio povo Yisrael. Já que, em grande parte, o Yisrael judaico permanece na incredulidade, as
nações que herdaram nos últimos dias é o Yisrael que regressa, porque Yeshayahu (Isaias)
afirma claramente que a morte do Messias, seria para morrer principalmente por Yisrael, por qual
parte de Yisrael Ele morreu, se a maioria do Yisrael judaico opta por não responder às Boas
Novas, para se converter em Seus filhos, que foram reunidos? Deve ser a outra casa de Yisrael,
que regressa dentre as nações, os goyim, que têm enchido com sua semente e o seu
paganismo! Em Yeshayahu/Is. 53:10 vemos o cumprimento do mishpat bachor originalmente
colocado sobre Efraim em Bereshit/Gn. 48:19, por meio de Yaakov/Jacó, debaixo da direção da
Ruach HaKodesh de YAHUAH. Os crentes verdadeiramente nascidos de novo é o primogênito
de Yisrael, já que foi o povo de Yisrael que foi abençoado no Primeiro Pacto e agora graças ao
Adon Messias Yahushua, estão sendo trazidos de volta para receber a bênção do Segundo
Pacto. Isto lhes converte em herdeiros de ambos os pactos, e os que recebem a porção que lhes
pertence ao povo de Yisrael (Yirmiyahu/Jr.31:31).

A RECONCILIAÇÃO DO PACTO RENOVADO REFERE-SE AO PIDYON HABEN

É devido a uma situação que estão sendo trazidos de volta todos os primogênitos de Yisrael,
pertencentes a ambas as casas (pidyon haben) mediante o preço da redenção (o sangue do
Messias) que se pode dizer que nós, como o Yisrael que regressa, somos comprados (pidyon
haben) por um preço, o precioso sangue do Messias Yahushua (Corintiyah Alef/ 1° Cor. 6:20).
O que nos comprou é o que manda. O primogênito de Yisrael foi escolhido para servir somente
nas coisas de YAHUAH. Mas adiante, os filhos de Leui (Levi) substituíram ao primogênito no
serviço do Mishkan (tabernáculo). Por meio do Messias Yahushua, todos os primogênitos
Yisraelitas se converteram em sacerdotes conforme a ordem de Malkitsedek (Melquisedec) e, por
isso, têm sido RESTAURADOS aos serviços anteriores dos Levítas! Ao pidyon haben, é
chamado à propriedade da redenção e a eleição de YAHUAH. Você e eu como crentes temos
sido escolhidos de uma maneira igualmente preciosa, da mesma maneira que foram nossos
antepassados Yisraelitas. Temos sido restaurados ao mesmo lugar do serviço ao Todo-poderoso
YAHUAH. Ao fazer-nos livres do pecado e da morte (não da Torah) o Messias, nosso Salvador,
colocou efetivamente outro princípio da halachah/direções do Segundo Pacto, conhecido como
pidyon shevuyim, que significa o resgate dos Yisraelitas cativos. Vemos esse resgate dos judeus,
filhos do Yisrael, que tem lugar em Yohanam/Jo. 8:32-36, onde o Adon Yahushua anuncia a Sua
missão e intenção de libertar ao Yisrael judaico de seu perpétuo cativeiro, devido a sua condição
humana ao pecado! Aqueles que levam o nome de Yisrael, são o Seu povo escolhido, tendo
submetido a sua pura e tripla purificação, o bacor mishpat, o pidyon haber e o pidyon
shevurim! O sangue comprou aos crentes, em sua identificação primordial, mesmo não sendo
judeus, gentios ou nenhuma outra coisa! (Galutiyah/Gl. 3:28-29). Somos Yisraelitas no corpo da
semente do remanescente isentado do Yisrael de YAHUAH, todos chamados a sermos
sacerdotes primogênitos, com toda a autoridade de mishpat bachor por seleção e eleição de
YAHUAH. Em Bereshit/Gn.48:17-20 Yaakov/Jacó fez com Yahusef/José o mesmo que tinha
feito com Ytzchak/Isaque e com Esav/Esaú. Ele era teimoso e recusou a pressão humana para
mudar a bênção primogênita pela opção do homem, sendo melhor a vasilha de YAHUAH,
enviado a assegurar o apelo feito pelo próprio YAHUAH aos patriarcas de Yisrael. Só YAHUAH é
soberano!

EFRAIM, O PRIMOGÊNITO DE DUPLO FRUTO

Em Bereshit/Gn. 48:19 Efraim recebe o mishpat bachor. Este fato segue sendo de vital
importância em todo o Brit Chadashah-Aliança Renovada, em hebraico Efraim significa o que
leva duplo fruto (Concordância Strong H#669). É o cumprimento imediato da promessa de
multiplicação física e o herdeiro da dupla herança do primogênito, um fato que tem sido
justificado em Yirmiyahu/Jr. 31:9. A semente de Yisrael, como Efraim mesmo, são todos
Yisraelitas. Como se afirmou anteriormente, passa pelos três filhos, com o propósito de conceder
o mishpat bachor a Efraim, filho de Yahusef (José), filho de Yaakov (Jacó). A bênção da dupla
porção do direito do primogênito não precisa de uma perfeição individual, só precisa ser
selecionado por YAHUAH. A perfeição humana não faz parte do processo de seleção, como
podemos ver na seleção de Avraham (Abraão), Ytzchak (Isaque), Yaakov (Jacó) e Efraim. Todos
eles diminuíram com respeito ao Seu perfeito esplendor! O que cria a coreografia da história é o

139
seu autor, e nós como Yisraelitas, somos a única nação, que não pode e nem deve ter a
soberania sobre si mesmo. Não desejamos ser como Esav (Esaú), que participou na segunda e
pior venda na história. (A traição e a venda do Salvador Messias Yahushua ao Sanhedrin por
parte de Yahudah (Judas) Iscariotes foi, sem a menor dúvida, a pior). Os escolhidos e eleitos da
"plenitude dos gentios" seriam o resultado do duplo fruto do primogênito Efraim, que foi eleito de
maneira que a sua semente se convertesse em uma Congregação de gentios ou uma Kehelat
Goyim. Mas apesar do fato de que Efraim recebeu o mishpat bachor, Yahudah (Judah) como nos
diz em Bereshit/Gn. 49:8-10, recebeu a primogenitura ou o poder e a habilidade para governar
toda a casa de Yaakov (Jacó). Quando Ytzchak (Isaque) e Yaakov (Jacó) receberam o mishpat
bachor, governaram ao clã familiar com a primogenitura. Logicamente quando Efraim recebeu a
mesma bênção como primogênito, deveria e poderia ter governado a todo o clã de Yaakov
(Jacó), mas não foi esse o caso.

Efraim não se converteu jamais no poderoso dirigente em Yisrael que, o seu direito pela bênção
de sua primogenitura, lhe dava direito a ser e se converteu em um dirigente que foi uma
“marionete’, tendo a verdadeira autoridade Yahudah (Judáh), o outro filho atrevido de Yisrael, a
respeito do qual se tinha profetizado que teria de governar sobre todos seus irmãos ao se inclinar
diante de sua autoridade e poder preeminente como rei. O poder, o doador da Torah,
(Moshe/Moíses, um Levita que posteriormente se uniu a Judah) bem como Shiloh, o Messias,
todos eles procederiam de ou da tribo de Judah ou mais adiante, a Casa de Yahudah/Judah!
Esta primogenitura dividida é, em resumo, o problema nacional de Yisrael! Os filhos de Efraim
possuem a primogenitura, apesar de que carecem da primogenitura, enquanto Judah ou o
Yisrael judaico possui a autoridade real e sacerdotal, carecendo da bênção da multidão numérica
que desfrutavam os que pertenciam a Efraim-Yisrael. Yaakov (Jacó) dividiu conscientemente a
primogenitura entre estes dois filhos (Luka-Lucas 15)! Um deles obteria a bênção numérica,
enquanto o outro herdaria os papéis da primogenitura como rei e sacerdote. É evidente que
nosso Mestre Yahushua veio sobre a tribo de Judah, (Yvrim/Hb. 7:14) como o fez Moshe
(Moisés), o primeiro doador da lei, que era levita, a tribo que posteriormente se mesclou com
Judah no reino do sul do Yisrael judaico. Yaakov deixou-lhe em essência a Efraim com um papel
que não era mais que um título. O Leão da tribo de Yahudah (Judah) receberia a adoração e
ademais, se reuniria à semente dispersa, misturada e assimilada do Yisrael Efraimita, durante os
últimos dias (Bereshit/Gn.49:1).

AO TEU ELOHIM OU À EFRAIM!

Todos os bebês de Efraim encheriam a terra, mas ele não receberia nenhuma honra por esse
trabalho de pai tão tremendamente nobre, indo toda a honra a parar a Judah. A honra que lhe
correspondia a Efraim é tão insignificante, que a maioria das pessoas nem sequer reconhecem a
semente de Efraim, ainda que seja mais numerosa, como legítimos e igualmente herdeiros em
Yisrael. Atualmente a semente de Efraim está considerada, legal e na halacha/decisões, a todos
os efeitos práticos, como goyim/gentios! Efraim não tem honra alguma. Ele se sente como se o
patriarca Yaakov (Jacó) lhe tratasse mau, e por isso, se sentiu dominado pelos ciúmes e com
frequência Judah ficava irado, ao longo de todas estas gerações. Isto é algo que temos visto se
manifestar inclusive muito atrás como em Melechim Alef/1º Rs. 12:16-19, onde Efraim-Yisrael
sentiu que Judah não lhes tinha concedido seu devido processo fazendo o possível para que
fossem escutados e respeitados em Yisrael. As dez tribos clamaram juntas:- "Não temos herança
no filho de Ishai (Jessé) ao teu Elohim, todo Yisrael. A maioria das traduções traduz
equivocadamente a palavra hebraica Elohim como ohalim, que significa tendas de campanha,
em lugar de Elohim que quer dizer falsos deuses. Estas más traduções, que usam as palavras
tendas de campanha é o resultado de um trabalho lamentável por parte dos escribas, na qual as
duas letras foram erroneamente mudadas de lugar na palavra Elohim, de maneira que a palavra
desse a impressão de dizer ohalim, que são tendas. De fato, o que as dez tribos estavam
dizendo era que já que não podiam ser coerdeiras em Yisrael debaixo da Tenda do Rei David,
separemos de Seu povo (Judah) convertendo em uma entidade diferente, (lhes soa familiar?) e
de YAHUAH-Elohim, com a finalidade de adotar outro falso Elohim!

A Judah não lhe agrada que Efraim afirmasse ser a maior parte do Yisrael físico que regressava
e, por isso, se manifesta fazendo uso de um espírito de temor e de irritação para o primogênito

140
Efraim que regressa, privando da honra e o reconhecimento que merece a qualquer membro da
casa de Yaakov (Jacó). Achamos um perfeito exemplo desta irritação em Shmuel Bet/2° Sm.
19:41-43, onde se dá lugar um argumento entre as duas casas a respeito do porque o Rei David
estava sendo transferido de Gilgal para Yahrushalaiym (Jerusalém), sem que as dez tribos de
Efraim tivessem sido informadas da sua transferência. A resposta de Judah foi que o Rei era
judeu e, portanto, era seu familiar. A Casa de Yisrael contestou-lhes dizendo que eles eram
proprietários de dez partes da casa de Yaakov (Jacó), que era a maior parte e não das duas
pequenas partes de Judah e, por isso, deveriam ter o controle das transferências e as decisões
reais. Efraim/Yisrael acusou a Judah de ‘TER ROUBADO AO SEU REI", (Shmuel Bet/2° Sm.
19:41) uma clara referência à perda, em Bereshit/Gn. 48:19 da primogenitura real, de Efraim
para Judah. No final de 2° Sm. 19:43, YAHUAH intervém com Seu julgamento afirmando que:
"As palavras dos homens de Judá foram mais duras que as palavras dos homens de Yisrael." Por
que? Porque Judah estava ortigando a Efraim, importunando pelo fato de que não tinham voz
nem voto nos assuntos relacionados com a autoridade real, apesar do fato de que eram a parte
mas numerosa de Yisrael! Vemos o resultado da primogenitura dividida em 2° Sm. 20:1, onde
Yisrael (as dez tribos) se veem animadas a abandonar a Casa de David em relação ao tema da
primogenitura, com o som do shofar, emitido ironicamente por um beniyaminita, que
aparentemente se colocou separado da Casa de Efraim!

Tenho aqui a questão, que se origina da briga na família Yaakov (Jacó) e que representa o palco
do mundo dos últimos dias com os ciúmes históricos e a batalha cheia de irritação entre as duas
casas, conhecidas atualmente como o Judaismo e o Cristianismo. Podemos reconhecer
facilmente e com compaixão o sentimento de inferioridade de Efraim, já que o que lhe sucedeu
era algo sem precedentes no processo de eleição de YAHUAH, que jamais tinha despojado a
Avraham (Abraão), Ytzchak (Isaque) e Yaakov (Jacó) da primogenitura que acompanha ao
mishpat bachor. Efraim teve que suportar este ônus sem precedentes e se converteu no
“hazmereir” e o desgastado da Tenda de David e posteriormente da Casa do Pai. Felizmente,
segundo o Messias Yahushua, na Casa de Seu Pai, nestes momentos finais desta era, existe
uma vez mais, muitas moradas ou lugares onde residir. Deve haver, por definição, muitas
moradas que acomodam ao enorme número dos salvos que regressam pertencentes ao Efraim-
Yisrael! E neste estado que Yahushua encontra a Efraim e lhes convida a regressarem ao seu
lar, como se expressou de maneira tão maravilhosa em Lucas 15 e Matitiyahu/Mt. 21:28-31.
Devido a este descuido e a falta das honras básicas, os descendentes de Efraim tendem a levar
as características profundamente gravadas no desprezo de sua primogenitura, inclusive quando
se encontram ocasionalmente cara a cara com a realidade disso. Sofrem por causa da perda da
primogenitura e do poder que acompanha ao mishpat bachor, não desejando que lhes recordem
a sua herança Yisraelita perdida e o excesso de paganismo, devido a seu doloroso passado.
Tendem a ver o título de primogênito, mas como um impedimento como uma bênção ou com
frequência, a algo que é estritamente "uma coisa judaica". Não somente é que seu pai Efraim foi
desonrado, senão que os filhos de Efraim levaram a etiqueta indigna de serem as dez tribos
perdidas de Yisrael. A perda do poder e a perda da identidade como Yisraelitas legítimos tem
sido o ocaso que têm corrido aos que pertencem a Efraim/Yisrael. Não é de surpreender,
portanto, que muitos efraimitas hoje não queiram voltar a se ligar com seu passado, optando em
lugar disso por sair fugindo insensatamente de suas dolorosas lembranças. Ao não regressar à
Torah, escolhe em lugar disso seu contínuo estado de amnesia. Os ciúmes que tem Efraim de
Judah se manifestam ou de maneira passiva, ou por meio do ódio. No caso da maioria dos
cristãos modernos, os ciúmes manifestam-se em uma conduta mais dócil, enquanto em tempos
passados com frequência manifestavam-se por meio do ódio e da ira incontrolada contra aqueles
que pertenciam ao Yisrael judaico. Graças a YAHUAH que esta divisão entre as duas casas está
sendo gradualmente eliminadas e sanadas por meio de sua revelação a respeito das duas casas,
sendo o Messias Yahushua mesmo, o que abre os olhos cegos de ambas as casas.

O ministério do messias Yahushua, tal e como se expôs e ainda profetizado em Yeshayahu/Is.


11:13-14, é o de sanar esta brecha que existe entre as duas casas! Tanto Efraim como
Esav/Esaú como Ishmael (Ismael), seguem ainda tendo ciúmes, singelamente porque não foram
selecionados pela seleção da eleição. No caso único de Efraim, seus ciúmes estão aumentando,
devido a que lhe foi tirada a primogenitura de sua primogenitura, apesar de sua seleção por parte
de YAHUAH, coisa que não aconteceu com Ishmael (Ismael) e a Esav (Esaú), que singelamente
perderam tudo! Como temos visto anteriormente, Yisrael é um título do primogênito de nobreza e

141
grandeza para o coletivo vencedor do povo de Yisrael. Yisrael é a coleção reunida dos indivíduos
primogênitos vencedores, comprados e separados por YAHUAH. Yvrim/Hb.12:22-23 expressa
de maneira muito clara o pecado de Esav. No Yisrael do Pacto Renovado, (Yvrim/Hb. 8:8) as
duas casas estão sendo combinadas para por fim e emitir um só som em conjunto. YAHUAH
ocupa o trono da casa real de David ou a primogenitura de Judah e a imensidão de Efraim, e
volta a unir ambas as funções ao povo do Yisrael pertencente ao Pacto Renovado de hoje, que
são as Assembleias do primogênito, tendo no meio deles tanto a primogenitura do Leão da tribo
de Yahudah/Judáh, como o imenso número de cada tribo, nação, família e língua, que procedem
da semente do Efraim que regressa. Ambas as casas formam uma unidade e se funde em Um só
Yisrael, o título de nobreza restaurado.

MILHÕES SEGUEM AINDA RECUSANDO UMA ASSEMBLÉIA DO PRIMOGÊNITO DE


YISRAEL

Por que há milhões que seguem ainda recusando o título de Yisrael, pensando equivocadamente
que é um título “judaico” pertencente a um pacto passado e a uma passada e poderosa, mas
desaparecida relação com YAHUAH? Por que milhões de Yisraelitas, que são a imensa maioria
dos crentes atuais que não são judeus, preferem ainda se identificar com os Batistas, os
Metodistas, os Presbiterianos, Assembleianos, Pentecostais, Neo-pentecostais,
Tradicionais, Católicos e qualquer outra organização criada pelos homens das
insignificantes nações, (denominações) em lugar de ser chamados com o título de Yisrael
somente? Esav/Esaú vendeu a sua primogenitura por um prato de lentilhas. Hoje muitos dos
que pertencem à semente de Efraim seguem ainda vendendo essa mesma primogenitura como
cidadãos primogênitos do Yisrael nacional, pela mudança por uma “carteirinha de membros”, um
culto romano no Domingo ou no Sábado, ou uma carteirinha de membros de uma pequena
nação substituta ou de uma denominação. Yvrim/Hb. 12:23 revela atrevidamente aos
verdadeiros crentes da "Assembleia dos primogênitos".

Em Shemot/Êx. 4:22, que YAHUAH chama a Yisrael de Seu primogênito perpetuo. Se o Yisrael
nacional é a nação primogênita e perpetua de YAHUAH e os crentes na Brit Chadasha/Aliança
renovada são chamados de "Assembleia ou Congregação dos primogênitos, então nós como
crentes no Messias Yahushua somos o Yisrael renascido, restaurado e reunificado. Isto é devido
ao fato de que em lugar de ser um dispensacionalista, como afirmam a maioria destas pequenas
nações (cristianismos), as Escrituras são claras em dizer que Ele é o mesmo ontem, hoje e pelos
séculos (Malachi/Ml. 3:6, Yvrim/Hb. 13:8, Yaakov/Tg. 1:17). Portanto, o povo escolhido de
Yahushua deve ser os mesmos que pertencem ao Seu Pai YAHUAH, já que não há neles
variedade nem sombra de dúvida e já que são de um mesmo sentimento (Yohanam/Jo. 10:31).
Segundo Yvrim-Hb. 12:23 todos os crentes são parte da assembleia geral ou mundial dos
primogênitos, (Yisrael) graças ao sangue do Messias Yahushua, que tem levado a cabo o
mishpat bachor, pinyat haben e pinyat shevuyim a nosso favor e nos destinou pela eleição e
seleção a chegarmos e habitarmos na Yahrushalaiym (Jerusalém) celestial, juntamente com as
miríades de enviados (mensageiros/”anjos”), onde nossos nomes estão gravados no Livro da
Vida do Cordeiro. Quem são os crentes escriturais regenerados? Só a assembleia do
remanescente do Yisrael isentado e fiel, já que muitos de nossos irmãos físicos efraimitas e
Yisraelitas judeus não têm permanecido fiéis, senão que se encontram atualmente em um estado
de incredulidade. Segundo YAHUAH mesmo, os que não creem em Seu Filho são uma grande
maioria do "Yisrael que não é nada (ou na realidade) de Yisrael", devido a sua escandalosa
incredulidade (Romiyah/Rm. 9:6-8). Quando a palavra de YAHUAH não encontra um lugar
permanente em um coração Yisraelita, então ainda que esse Yisraelita, seja do ponto de vista
físico ou singelamente seja um filho de Yisrael na carne, não se converte em um filho da
promessa como Ytzchak (Isaque), (Galutiyah/Gl. 4:28) que era um hebreu, tanto no ponto de
vista físico como Espiritual, saído dos lombos de Avraham (Abraão) seu pai. Portanto, igual a
Ytzchak (Isaque), o Yisrael de nossos dias é tanto físico como espiritual, como o remanescente
dos isentados, que permitem que haja em seus corações um lugar para a palavra de YAHUAH, e
é sua, como parte de sua herança, em sua psique!

142
PRATICANDO O VERGONHOSO PECADO DE ESAV (ESAÚ)

Há aqueles no Yisrael do Pacto Renovado, que chegaram a este pacto segundo diz Yvrim/Hb.
12:24 pelo sangue do Adon Messias Yahushua, que é muito melhor que inclusive o sangue do
justo Abel, mais participam, seja voluntariamente ou involuntariamente e praticam o pecado do
profano Esav (Esaú)! Por que é de vital importância para os crentes que não são judeus no
Messias entender que eles formam igualmente parte de um Yisrael físico da mesma maneira que
os crentes judeus? A fim de assegurar que grande parte do Yisrael do Pacto Renovado não siga
os passos e os comportamentos profanos de Esav (Esaú). Em Yvrim/Hb. 12:15 vemos o
resultado de crentes da assembleia do Pacto Renovado dos primogênitos de Yisrael, que
negaram lamentavelmente a importância de seu lugar no Yisrael físico. Estes são aqueles que
destroçam a pura verdade de uma dupla porção na herança Yisraelita, que é ao mesmo tempo o
Yisrael espiritual e físico, adotando a atitude do "E daí?", após terem sido pessoalmente
advertidos e admoestados por YAHUAH que lhes informou que não deveriam se esquecer de
sua condição de Yisraelitas. Estas pessoas que não levam a sério a mensagem das duas casas
de Yisrael, a restauração do Primogênito de Yisrael, estão vendendo sua primogenitura, que lhes
tem sido concedidas pelo Filho de YAHUAH mesmo, e estão vendendo-a por prAt. barAt. de
lentilhas em um cozido morno conhecido como denominacionalismo ou dispensacionalismo da
igreja. Estes membros da assembleia dos primogênitos de Yisrael, que praticam o pecado de
Esav (Esaú), são aqueles que são plenamente conscientes das verdades a respeito do Yisrael
único, mas que apesar disso se deixaram arrastar pela falácia segundo a qual a "igreja é o novo
Yisrael" ou por outras formas da heresia de uma só casa.

Ou negam ou por alguma outra razão inexplicável, não podem participar da sua condição de
primogênitos de Yisrael, desprezando desse modo sua primogenitura e sendo culpados do
profano pecado do Esav (Esaú) recusando e vendendo a sua primogenitura como cidadãos da
nação de Yisrael, (Efesyah/Ef. 2:11-19) por um prato de sopa religiosa.. Outras fornicações
doutrinais procedem do ensino com respeito ao Pacto Duplo das duas esposas, (a chamada
igreja e os judeus que não são salvos, que são as duas esposas de YAHUAH) segundo a qual o
povo judeu que não crê, são automaticamente salvos pela confiança no Elohim de Avraham
(Abraão) e Moshe (Moisés) e os nãos judeus por meio da confiança em Yahushua. Estas são as
pessoas profanas na qual se dirige Yvrim/Hb. 12:15-16. Existem outras heresias modernas que
têm prevalecido como a do mito segundo o qual "o judeu e o gentil são um no Messias" que vão
contra a verdade da assembleia do Yisrael primogênito único. Não existe nada semelhante aos
idólatras salvos. A palavra grega ethnos ou nações, não implica em si, no infame envolvimento
"pessoa que não é Yisraelita" que em mudança, implica a palavra inglesa gentia. No outro lado
da moeda da assembleia do Yisrael Primogênito Único, os crentes judeus, por fraternidade à
unidade do corpo, deverão ser conhecidos singelamente como Yisrael (Galutiyah/Gl. 3:29).

SEJAM DILIEGENTES E ESTEJAM ATENTOS!

Yvrim/Hb. 12:15 mostra a todos os crentes desde Yahudah (Judáh) até a Efraim, e que sejam
diligentes e que estejam atentos e se assegurem de que nenhum crente sinta-se diminuído com
respeito a esta verdade, que está cheia do favor imerecido de YAHUAH, a fim de restaurar a
igualdade e a equidade do povo do Messias. Segundo Yvrim/Hb.12:15, a obrigação do Pacto
Renovado pode se achar, não somente na evidente natureza da salvação pessoal, senão na
identidade corporativa do Yisrael nacional restaurado. Esta advertência também vai seguida das
consequências sublinhadas, de não aceitar a condição da assembleia do Yisrael Primogênito
Único. Esta manifestação do espírito profano de Esav (Esaú) deixa sem comprovar a amargura
profundamente arraigada, dirigida aos crentes judeus, por parte dos que não são judeus, que têm
sido teologicamente enganados para que achem que não têm relação alguma com o Yisrael
físico. Portanto, estes, por meio de seu próprio sistema de falsas crenças, se veem renegados à
condição de gentios perpetuamente adotados! Já que o Cristianismo não entende a relação que
tem com o Yisrael físico, permite que profundas raízes de amargura antissemítica floresçam no
meio deles, tendo como resultado finalmente a profanação de enormes segmentos do corpo
separado e universal do Messias, produzindo enormes sofrimentos e causando problemas a
muitos crentes bem intencionados. É certo afirmar, baseando-se nesta advertência de Rav Shaul
(Paulo), que segue sendo extremamente perigoso, a ninguém não aceitar o conceito do Yisrael

143
Primogênito Único que apresenta a verdade das duas casas. A rejeição voluntária da assembleia
do Yisrael Primogênito Único, com o seu ensino a respeito das duas casas, é em e por si mesma,
uma fórmula para o desastre espiritual da mais elevada e nefasta ordem, causando ofensa a
outros pertencentes ao corpo do Messias. Muitos que pertencem ao “tal corpo” se viram ou estão
a ponto de se verem desonrados, porque Efraim em muitos casos se nega por completo a voltar
a participar em sua primogenitura como o Yisrael isentado, tanto no ponto de vista físico como no
espiritual, voltando-se, deste modo, com frequência contra os judeus e fora do corpo, tendo como
resultado um comportamento que produz e instrui o ensino para desonrar aos outros.

O desejo de YAHUAH é que ninguém seja destituído desta exaltação especial, e de serem
reconhecidos por YAHUAH e pelos outros, como os herdeiros da nação física, cheio da ruach
(sopro de Yah) que é o Yisrael primogênito único, o Yisrael de YAHUAH. Nós, como
remanescentes isentados de ambas as casas, devemos nos assegurar para não sermos
destituídos deste favor relacionado com a herança Yisraelita, e que nossa doença não se
contagie e contamine aos outros, por causa de nossa doutrina e entendimento profano a respeito
de quem é na realidade Yisrael. Os que caminham conforme ao modo "gentio adotado" causarão
problemas e sofrimentos aos outros, seja qual for a congregação na qual frequentem, tentando
em vão e de maneira inútil adquirir o que YAHUAH, o Pai já tem ordenado dar no momento de
sua salvação!

UM YISRAEL PRIMOGÊNITO

Devemos enriquecer e conceder o valor na declaração de YAHUAH segundo a qual todos os


crentes são o primogênito Yisrael físico, para que não nos prostituamos, presenteando o título de
Yisrael que YAHUAH tem decidido em Sua eleição total e soberania para nós. As Escrituras
mostram e considera o abandono da herança Yisraelita no Messias, uma profana fornicação
espiritual. Quantos fornicadores espirituais existem hoje em dia no chamado sistema da
igreja, que acreditam em tudo e qualquer coisa que qualquer pessoa lhes diz, exceto no que
YAHUAH diz a respeito de sua relação com o povo físico e escolhido de Yisrael. Sim, é sem
dúvida possível para um crente nascido de novo representar o papel de prostituta ao não
participar na promessa que já tem sido revelada nas Escrituras. Esta negativa não é tão só o
espírito de profanação e contaminação de Esav (Esaú), senão que se encontra ao mesmo tempo
no centro de um espírito de falta de gratidão. Como Esav, muitos crentes durante os últimos
2.000 anos, têm vendido a sua primogenitura como cidadãos do Yisrael físico por um preço
verdadeiramente barato. Seu regresso tem sido geralmente um prato de uma mistura de lentilhas
contaminadas, cheio de falsas festas, falsos sábados, falsas alianças e falsas identidades
próprias. Não sejam vocês como Esav, que não se considerou digno da promessa. Sejam como
Yahushua mesmo, que considerou a restauração das duas casas "Uma Verdade do Novo
Homem em Yisrael" tão importante que nos recordou que estava, de fato, morrendo por seus
dois redis Yisraelitas que fazem parte do mesmo corpo. (Yohanan/Jo. 10:16).

Uma parte do que fala Yvrim/Hb.12:16, é uma imagem simbólica do principal obstáculo, (a
aceitação da doutrina das duas casas) que faz que a maioria dos efraimitas e inclusive alguns
dos judaitas se mantenham afastados das bênçãos absolutas da irmandade e a camaradagem
Yisraelita. Essa parte é o que proíbe ao crente sua participação na identidade nacional da
primogenitura, que produz a metamorfose na raiz profunda da amargura. Esta raiz de amargura
deixada sem atender e sem ser corrigida pela verdade surge para causar divisões e cismas no
corpo do Yisrael do Pacto Renovado, entre aqueles que sabem que são Yisrael, (Judah) e
aqueles outros que o são, mas que ainda o ignoram (Efraim). Vemos que estas divisões que
usam estes termos a muitos! Seguem sendo os da única casa, os que alegam que todos os
"judeus são o Yisrael" com essas hipóteses especulativas que segundo Yvrim/Hb.12:15-16, é a
raiz da profanação e amargura entre os crentes judeus e os que não o são. A pretensão de não
existir este cisma, é enterrar nossas cabeças no provérbio da areia movediça. Até que não
estejamos dispostos a arrancar na raiz, nos livrando das problemáticas palavras, frases e títulos
semânticos que causam divisão, continuaremos sendo uma casa dividida CONTRA SI MESMA!
Por defeito, você e eu, ou faremos parte do problema que vem já durando 3.700 anos ou
seremos a solução nesta hora final. No novo céu, não precisamos ser possuidores dos títulos de
príncipes vencedores, conhecido como Yisrael, só nesta terra nos beneficia esse título de
primogênitos. É enquanto estamos nesta terra, que o Pai no céu se assegura de que toda a

144
assembleia geral dos primogênitos sejam conhecidos como Yisraelitas, já que aqui neste mundo
continuamos em nossa mais nobre luta, sobre o mundo, a carne e o demônio! Não permita que
eles mintam pra você! Não é só o estar no Messias para obter a redenção pessoal, que segue
sendo importante, senão o ter uma consciência sã, contínua e diária de nossa relação física com
Yisrael, que manterá o espírito profano de Esav (Esaú) totalmente afastado de nós! Sejam vocês
como Avraham (Abraão), Ytzchak (Isaque) e Yaakov (Jacó), todos os quais se agarraram e
entesouraram sua primogenitura (mishpat bachor) e desse modo, foram declarados grandes por
YAHUAH, o Todo-poderoso, devido ao seu espírito de tenacidade, que almejava e protegia sua
primogenitura, o contrario do que fez Esav, que o considerou como um tema que não era puro,
não era benéfico e era secundário! Esav então converte-se numa espécie de sombra da terrível
fornicação em massa, que teria de cometer a casa de Efraim, uns 1.100 anos depois. “O que foi
inicialmente e somente um caso de descarada idolatria efraimita, se converteu agora em um
grave caso da síndrome, as claras, da negativa física da primogenitura” por parte daqueles
crentes que não são judeus no Messias Yahushua.

Este espírito de Esav (Esaú) tem causado um falso sentido de satisfação, no caso dos crentes
que regressam e não são judeus, devido ao qual se contentam tragicamente com algo menos
que o privilégio da primogenitura e então consideram aquilo com que ficaram pensando, que é o
melhor de YAHUAH que os deu. Rav Shaul (Paulo), como entendia sobre a reunificação das
duas casas de Yisrael e a verdade a respeito do Yisrael único, chamou à assembleia de crentes
primogênitos, o Yisrael de YAHUAH, (Galutiyah/Gl. 6:16) recordando-nos que o único governo
definitivo que determina a cidadania Yisraelita e o “pedigri”, é a norma da experiência da nova
criação, segundo a referência que encontramos em Corintiyah Bet/2º Cor. 5:17. Já que todos os
crentes são o primogênito Yisrael, o não atuar conforme a esse conhecimento em nossos
costumes diários, em nossa maneira de viver e no que fazemos, terá como resultado, horrível e
indesejáveis manifestações profanas e de fornicações doutrinais diante de outros que estão
tentando entender e caminhar conforme a revelação das duas casas. Este tema foi considerado
pelo Criador de uma natureza grave, pelo que dedicou grande quantidade de passagens nas
Escrituras nos advertindo para que prestássemos atenção.

ESAV (ESAÚ) ACREDITOU NA "ROTA SINGELA DA DOUTRINA CRISTÃ DO


ARREBATAMENTO!"

Ironicamente aqueles que pertencem ao chamado sistema eclesiástico, (os papistas e as filhas
igualmente-Igrejas Evangélicas) que tiveram sua origem em Roma, todos eles buscam um
arrebatamento secreto, uma "terceira vinda", separada de Sua segunda vinda para levantar aos
mortos e todos eles compartilham a mesma lógica e teologia tão profana como a de Esav (Esaú).
A atitude que prevalece com frequência é "já que vou deixar este velho mundo graças ao
arrebatamento anterior a tribulação, de que me serve o conhecimento da verdade a respeito do
primogênito Yisrael tal e como se encontra em Efraim e Judah, se reunindo como um único
povo? Não devo de preocupar-me, mas poderei ser “deixado para trás"? Essa foi exatamente a
atitude de Esav (Esaú)! Vou morrer e vou deixar este mundo de todos os modos, de maneira
que, quem precisa do mishpat bachor físico? Agora vocês podem ver como esse mesmo espírito
de escapismo singelo e iminente se encontra na Casa de Efraim, como esteve na Casa de Esav!
Ao final, YAHUAH Todo-poderoso, não somente eliminou a bênção da primogenitura e a herança
da casa de Esav, senão que lhe permitiu se converter em um "goiym/gentio" assim dizendo.
Efraim cometeu exatamente o mesmo engano há 2.700 anos, e é preciso andar com cuidado
para que não cedamos diante dessa predisposição biológica, tão somente para nos encontrar
com os mesmos repetidos erros e o mais prejudicial e irreversível erro do passado! Vá com
cuidado, filho de YAHUAH, óh vá com muito cuidado, para não desprezar essa promessa que
Elohim fez a você e a sua semente. Levante as ruínas antigas em sua própria casa e família,
agarre e tome posse do seu próprio patrimônio Yisraelita!

UM PECADO POR CAUSA DO QUAL É DERRAMADO LÁGRIMAS!

Esav (Esaú) buscou ao precioso mishpat bachor uma vez, quando se deu conta da gravidade e o
seu perpetuo erro inclusive com arrependimento e lágrimas, YAHUAH não lhe permitiu a ele
recuperar a primogenitura, já que se sentiu satisfeito com ser algo menos, do que o Pai afirmou

145
que era. Yvrim/Hb. 12:17 desafia-nos a recordar a nós mesmos, que uma vez que temos
renunciado à verdade de que fazemos parte do Yisrael nacional restaurado, ainda que depois o
busquemos com todo empenho, YAHUAH não nos restaurará o gozo para que nós pudéssemos
desfrutar, graças à obediência imediata por caminhar com Yisrael, como Yisrael, por meio da
grande herança do mishpat bachor. Agora é o momento de participar na revelação das duas
casas, que permite a você viver e prosperar como parte da assembleia do primogênito Yisrael.
Aos que se negam a desfrutar a condição do primogênito Yisrael, agora de acordo com o que diz
Yvrim/Hb.12:17, não lhes será permitido voltar a participar da verdade numa data posterior,
apesar de derramar lágrimas e você se arrepender sinceramente. Segundo Yvrim/Hb.12:28, é
preciso que recebamos o Seu reino e só o Seu reino. Só o Seu reino não pode ser eliminado e
tem sido chamado o reino do Céu/Elohim/ e Yisrael (Maaseh Shilichim/At. 1:6). O espírito de
Esav (Esaú) é profano, devido a que se satisfaz em sua zona de comodidade em qualquer reino
criado pelos homens, que não se pode mover, senão que está destinado a se abalar. Só o
consolo de Yisrael e o Tabernáculo reconstruído de David, que não será destruído e nem
comovido, porque possuirá o trono perpetuo e as promessas perpetuas e incondicionais. Óh
Yisrael que regressas! Entra neste dia no reino da assembleia dos primogênitos de Yisrael, teu
povo e o reino perpétuo de Yisrael, que não poderá jamais ser abalado, porque leva o título
perpetuo de Yisrael! É minha oração que vocês recebam este favor do reino, de modo que vocês
possam servir a Elohim com grande reverência e assombro, como herdeiros do reino de Yisrael.
A fraternidade entre todos com respeito das quais todos falamos, mas que raramente
esperimentamos, isso só se manifestará, (Yvrim/Hb. 13:1) se estivermos dispostos a abandonar
esse espírito profano e de fornicação e de ingratidão de Esav (Esaú).

146