Você está na página 1de 68

AS NOVIDADES E OS PREPARATIVOS PARA O PESCA & COMPANHIA TRADE SHOW 2019

www.pescaecia.com.br JUNHO/2019 - Nº 293 - ANO XXIV - R$ 16,50

TUCUNARÉS
COLOMBIANOS
Um lugar para
fisgar bons açus,
os borboletas e os
exóticos “eletros”
PARQUE DOS JEITINHO

DINOSSAUROS BRASILEIRO
Veja a pescaria de
jigging e arremesso em
Novo destino onde você vai cansar uma das pousadas mais
o braço de tanto fisgar os trairões famosas do mundo
COMO PESCAR O TUCUNA COM O NÍVEL DA REPRESA ALTO š VARA BENKEI DE QUATRO PARTES
28-31 | AGOSTO
ESTE ANO EM
NOVO PAVILHÃO

PESCA
NÁUTICA
OUTDOOR
TIRO

PUMV'WLZJH[YHKLZOV^JVTIY‹^^^WLZJH[YHKLZOV^JVTIY‹;LS!
680d5,2
AS NOVIDADES E OS PREPARATIVOS PARA O PESCA & COMPANHIA TRADE SHOW 2019

PESCA & COMPANHIA 293


www.pescaecia.com.br JUNHO/2019 - Nº 293 - ANO XXIV - R$ 16,50

P E S C A R I A N O R A N C H O S E R R A D O C AC H I M B O š T C U N A R É S N A C O LÔ M B I A š P E S C A R I A D E A R R E M E S S O E F U N D O N O T R O P I C S TA R LO D G E š P E S C A N D O T U C U N A R É S C O M O N Í V E L DA R E P R E S A A LT O š VA R A B E N K E I D E Q UAT R O PA R T E S

TUCUNARÉS
COLOMBIANOS  3$1$0ƒ
(',‰…2
Um lugar para
fisgar bons açus,

8PDSHVFDULDHP
os borboletas e os
exóticos “eletros”
PARQUE DOS JEITINHO

DINOSSAUROS BRASILEIRO


Veja a pescaria de

XPDGDVSRXVDGDV
jigging e arremesso em
Novo destino onde você vai cansar uma das pousadas mais
o braço de tanto fisgar os trairões famosas do mundo
COMO PESCAR O TUCUNA COM O NÍVEL DA REPRESA ALTO š VARA BENKEI DE QUATRO PARTES

GHSHVFDPDLV
UHQRPDGDVGR

3217$3‹3$5$ PXQGR

26(*81'2

)2720$5&26+$0$085$
6(0(675(
$PLJRSHVFDGRUIRLpSLVFDUqROKRVH
FKHJDPRVDRPHLRGRDQR$JRUDIDOWD
EHPSRXFRSDUDRPDLRUHPDLVLPSRUWDQWH
HYHQWRGHSHVFDGRDQRR3HVFD 
 5,27202
)RPRVHPEXVFD
&RPSDQKLD7UDGH6KRZ
(PQRYDPHQWHDVSULQFLSDLVPDUFDV GRWXFXQDUÄVDÂX
GRVHJPHQWRGRWXULVPRGDSHVFDGH ERUEROHWDHR
HPEDUFDÂÐHVHGRWLURHVSRUWLYRM¼WRPDUDP H[ÎWLFRpHOHWURq
SUDWLFDPHQWHWRGRVRVHVSDÂRVGRSDYLOK¾R QD&ROÏPELD
3RULVVRƪTXHDWHQWR2HYHQWRTXHVHGDU¼

)272.(/9(1/23(6
GHDGHDJRVWRQR3UR0DJQR&HQWUR
GH(YHQWRVHP6¾R3DXOR
(QTXDQWRRVSUHSDUDWLYRVGDIHLUDHVW¾RD
WRGRYDSRUQÎVWDPEÄPHVWDPRVFRUUHQGRH
WUD]HPRVDOJXPDVSHVFDULDVLQFUÈYHLV
$UHSRUWDJHPGHFDSDWUD]XPDDYHQWXUD  6(55$'2
HPXPGHVWLQRTXHFHUWDPHQWHÄXPSDUDÈVR &$&+,0%2
GDSHVFDGHWUDLUÐHV1HOD$OH[.RLNHH Conheça o paraíso
UREHUWR&RQWLPRVWUDPDUHJL¾RGH6HUUD do trairão onde
GR&DFKLPERRQGHƪVJDUDPPXLWRVSHL[HV ƪVJDPRVDHVSÄFLH
GDVXSHUIÈFLHDRIXQGR$OÄPGRPDWHULDO FRPLVFDVGH
)27252%(572&217,

LPSUHVVRƪTXHDWHQWRDRQRVVRFDQDOGR VXSHUIÈFLH
<RXWXEHHFRQƪUDDOJXQVWUHFKRVGHVVD PHLD¼JXDHIXQGR
SHVFDULD$SURYHLWHHVHLQVFUHYDQRFDQDO
DWLYHRVLQLQKRGHQRWLƪFDÂÐHVFXUWDH
FRPHQWHRTXHJRVWDULDGHYHU
7DPEÄPWHPRVGXDVYLDJHQVLQWHUQDFLRQDLV
VHQGRXPDGHHVSÄFLHVPDULQKDVQR3DQDP¼
 75Œ6
HRXWUDGHWXFXQDUÄVQD&ROÏPELD
0$5,$6
)DODQGRVREUHWXFXQDUÄV3HSH0ÄOHJD
3HSH0ÄOHJDG¼
YLVLWRX7UÅV0DULDV 0* HGHXDVGLFDVSDUD GLFDVSDUDƪVJDUR
DFKDUDHVSÄFLHPHVPRFRPRQÈYHOGD WXFXQDVFRPRQÈYHO
UHSUHVDPXLWRDOWR GDUHSUHVDDOWR
$OÄPGHVVDVPDWÄULDVWUD]HPRVXPD
DYDOLD¾RVREUHDYDUD%HQNHLGHTXDWUR
SDUWHVGD0DMRU&UDIWHXPDUWLJRVREUHDJLU
QDKRUDGDEULJDFRPRSHL[H
Equipe Pesca & Companhia

6(‰—(6Ö%CTVCUÖ&T(KUJÖ)CNGTKCÖ(KUICFCUÖ9C[2QKPVÖ2TQFWVQUÖ(KSWGRQTFGPVTQ
Ö2GUSWGG#RTGPFCÖ6TCNJCÖ,QIQ4¢RKFQÖ2GTUQPCNKFCFGFC2GUEC
)272'$&$3$52%(572&217,

"% ! $N' !VTU] 3


CartasG
E E SALGADA
DE ÁGUA DOC
AS ESPÉCIES

ENTREVISTAM
AR 25 COBIÇAD
E ONDE FISG
SAIBA COMO
.com.br

PESCA & COMPANHIA

IA
www.pescaecia

PARA A PESCAR

OS JEREMY WAD
292
COMO E ONDE
PESCAR 25

PARADOS
COBIÇADAS ESPÉCIES

E DO PROGRAMA
292
MAIO/2019 Nº16,50
ANO XXIV R$

‡ ENTREVISTA

š CARROS PRE
COM JEREMY WADE

“MONSTROS DO
‡ LUGARES PARA
PRATICAR O AIR

ADAS E MEIA
/EXEMPLARFOI

SOFT ‡ TRANSFORM
'LUHWRUHV

RIO” š LUGARES
A
AÇÕES DO MERCADO
Edição de 25 DPLJRV4XDQGRHOH CAPTURADOEM

EM DUAS DÉC
0DUFHORGRV3DVVRV&ODUR

DE PESCA INFLUENCIA
OS
25 AN
FRENTEA,UIZ!LVES

PARA VOCÊ
anos da Pesca & DSUHQGHXDGLULJLUD3HVFD

DOS PELA REVISTA


&ULVWLQD$UUXGD

ECIAIS VIVIDOS
‡ MOMENTOS
Companhia me trouxe & Companhia também já

PRATICAR O AIR
ESPECIAIS DE
O
EDIÇà L DE &KHIHGH5HGD×ÊR

NOSSOS COLABORAD
PECIA ÁRIO
boas lembranças. Fui S WLQKDFRQGLÂÐHVGHWHUXPD

MOMENTOS ESP
E RS

ORES ‡ CARROS
ANIVE $OH[.RLNHŠDOH[#UHYLVWDSHVFDHFRPSDQKLDFRPEU

SOFT
PREPARADOS
LQƬXHQFLDGRSHORSURJUDPD responsabilidade perante
ISTA
AS PELA REV
CA INFLUENCIAD

PARA A PESCA
MENTO DA PES
AS TRANSFORM
AÇÕES DO SEG
(GLWRU(VSHFLDO
para pescar com iscas DVRFLHGDGH'HGHIHQGHU
3HSH0ÜOHJDŠSHSHPHOHJD#UHYLVWDSHVFDHFRPSDQKLDFRPEU
DUWLƪFLDLV0DVIRLJUDÂDV o meio ambiente, da maneira que
(GLWRU$UWH
»UHYLVWDTXHSXGHPHDSURIXQGDUH WRGRVSRVVDPGHVIUXW¼ORGHPDQHLUD
*HUDOGRGH0RXUD)LOKRŠJHUDOGR#UHYLVWDSHVFDHFRPSDQKLDFRPEU
descobrir até mesmo partes do Brasil, VXVWHQW¼YHO0HXƪOKRM¼VHIRUPRX
(GLWRU7ÜFQLFR
DVTXDLVQHPID]LDLGHLDTXHH[LVWLDP QDIDFXOGDGH$JRUDÄDUHYLVWDTXH
$QWăQLR/XL]$PDUDOŠWXED#UHYLVWDSHVFDHFRPSDQKLDFRPEU
6RXSHVFDGRUIHOL]HDJUDGHÂRDWRGRR WDPEÄPDWLQJHXPDPDUFDJUDÂDVDVHX
5HSĂUWHU
time deste meio de comunicação por QÈYHOGHH[FHOÅQFLD&RQVLGHURPHXƪOKR
/LHOVRQ7LR]]RŠOLHOVRQ#HYLVWDSHVFDHFRPSDQKLDFRPEU
PHEULQGDUWDQWDVLQIRUPDÂÐHV(VSHUR e esta publicação jovens ainda. Então só
&RQVXOWRUHVGH3HVFD
que possam continuar neste caminho, posso esperar mais e mais novidades.
$OH[DQGUH'LFN'RPLQJRV%RPHGLDQR(OL]HX9HUQLOOR-ěQLRU
sempre levantando a bandeira da CÁSSIO MARTINS - Araçatuba (SP) -XQLQKR )ÈELR7DWVXNDZD)ÈELR=XUOLQL*XVWDYRGRV5HLV)LOKR
HVSRUWHFRPRHVSRUWHOD]HUHHQFRQWUR
*XJX /HVWHU6FDORQ0DLFRQ%LDQFKL5REHUWR9ÜUDV5RGULJR$PDUDO
$ƪQDOSHVFDÄFRPSDQKLD
ANTONIO SEVERIANO – Maceió (AL) G RVWDULDGHSDUDEHQL]DURWUDEDOKR
TXHWHPVLGRIHLWRHPSHOD
Pesca & Companhia. Os 25 anos só
9DOGLU1RJXHLUDGD6LOYD %UDJXLQKD H9ODGLPLU)HUUHLUD
:HE6LWH
ZZZUHYLVWDSHVFDHFRPSDQKLDFRPEU

A Pesca & Companhia tem


H[DWDPHQWHDLGDGHGRPHXƪOKR
3HGUR(FXULRVDPHQWHFRQVLJRYHURV
IRUDPSRVVÈYHLVJUDÂDV»HVWDSXMDQÂD
GHWUDEDOKR6LWHQRYRHDWXDOL]DGR
FRPRPHOKRUFRQWHÕGRGHSHVFD
'LUHWRUGH3XEOLFLGDGH
0DUFHOR&ODURŠPFODUR#UHYLVWDSHVFDHFRPSDQKLDFRPEU
3XEOLFLGDGH
DYDQÂRVQDSHVFDFRQIRUPHDLGDGHGHOH 5HGHVVRFLDLVERPEDQGRFRPFRQWHÕGR
)RQH  
Bem quando ele começou a andar, a UHDOPHQWHLQWHUHVVDQWH9ÈGHRVEHP
SXEOLFLGDGH#UHYLVWDSHVFDHFRPSDQKLDFRPEU
LGHLDGHSHVFDUHVROWDUHQJDWLQKDYD$È ilustrativos. E, para coroar, a edição
$QWRQLR$ODRU6LOYDDODRU#UHYLVWDSHVFDHFRPSDQKLDFRPEU
veio a revista e sua linha editorial, que especial trouxe boas lembranças.
&LUFXOD×ÊRHDVVLQDWXUDV
LPSXOVLRQRXHVWHFRQFHLWRDWÄID]ÅOR (VWHHVIRUÂRGHYRFÅVFHUWDPHQWHÄ
DVVLQDWXUDV#UHYLVWDSHVFDHFRPSDQKLDFRPEU
DWUDLUPDLVSHVVRDV'DPHVPDIRUPD reconhecido pelos amantes da pesca.
&DPLOD%L]RQŠFDPLOD#UHYLVWDSHVFDHFRPSDQKLDFRPEU
TXHPHXƪOKRFRPHPRURXVHXEDLOH 0XLWRREULJDGR
)HUQDQGD9LHLUDŠIHUQDQGD#UHYLVWDSHVFDHFRPSDQKLDFRPEU
GHIRUPDWXUDGRFROÄJLRFRPGLYHUVRV GILSON DIAS DA COSTA – Cuiabá (MT) )LQDQFHLUR
9aldinei Lisboa — financeirR#UHYLVWDSHVFDHFRPSDQKLDFRPEU

$VVLQDWXUDV
'HIHQGHUDFRWD]HURGRSHVFDGRÄREULJD¾RGHTXHPVHGL] )RQH  
HVSRUWLYR1RHQWDQWRDVOHLVSUHFLVDPVHUIHLWDVFRPFUHGLELOLGDGH $WHQGLPHQWRGHVHJDVH[GDVKÇVK
HGDVKÇVK
e estudos. – Thiago Machado
3HVFD &RPSDQKLD
*RVWRGDPDQHLUDSURƪVVLRQDOTXHRVFRQWHÕGRVGRVLWHGD3HVFD  ,661 $QR;;,9Qų
&RPSDQKLDV¾RWUDWDGRV3DUDEÄQVDRVHGLWRUHV (GL×ÊR-XQKR
– Felipe Souza da Cruz 3XEOLFDGDPHQVDOPHQWHSHOD
$72/(',725$/7'$
)L]DDVVLQDWXUDGDUHYLVWDSDUDPHXPDULGR(OHƪFRXVXSHUIHOL] 5HGD×ÊR3XEOLFLGDGH$GPLQLVWUD×ÊR
HPDLOUHGDFDR#UHYLVWDSHVFDHFRPSDQKLDFRPEU
Em troca, me convidou para pescar no Pantanal, em julho. Estou
'LVWULEXL×ÊR'LQDS
DQVLRVDsMárcia Silva $UHYLVWD3HVFD &RPSDQKLDÜGLVWULEXìGDQDFLRQDOPHQWH
,PSUHVVÊR/RJ 3ULQW*Uáfica e Logística S.A
A Pesca & Companhia está de parabéns por promover o melhor 1LQJXÜPHVWÈDXWRUL]DGRDQHJRFLDUSHUPXWDVFRPORMDVKRWÜLV
FRQWHÕGRGHSHVFDHPVXDVUHGHVVRFLDLV PDULQDVHVLPLODUHVHPQRPHGH3HVFD &RPSDQKLD
– Catarina Munhoz Cardoso DSUHWH[WRGHSURGX]LUPDWÜULDVSDUDDUHYLVWD

CWdZ[ikWf[h]kdjWfWhW0HkW=[Œh]_W"'.&"Å9;F&*+,.#&&&ÅI€eFWkbeÅIF
;#cW_b0h[ZWYWe6h[l_ijWf[iYW[YecfWd^_W$Yec$Xh

4 "%!" N' !VTU]


Dr. Fish
A doro pescar as traíras, mas quan-
do o frio começa a chegar no ou-
WRQR H LQYHUQR HODV ƪFDP SRXFR DWL-
vas. Quais técnicas eu posso usar para
ƪVJ¼ODV"
Daniel Maeda – por e-mail

4XDQGR R IULR FKHJD R SHL[H ƪFD


mais lento. No inverno a espécie pare-
ce “hibernar”.
D U)LVKDVLVFDVDUWLƪFLDLVGHKÄOLFHVÎGHYHPVHUWUDEDOKDGDVHPYH-
K DVLVFDVDUWLƪFLDLVGHKÄOLFHVÎGH
ORFLGDGHU¼SLGD"
LGD"
ƪ HYHPVHUWUDEDOKDGDVHP Y

Rafael
Ra e-mail
fael Villa – por e
3DUD FRQVHJXLU ƪVJDU R SUHGDGRU
é preciso muito trabalho e uma dose A ideia de que as iscas de hélice são usadas apenas de forma mais rápida
extra de paciência do pescador. O pei- nasceu na pescaria de tucunarés-açus. Porém, ela la não deveria ser a úúnica em-
xe, muitas vezes, só vai atacar aquilo DEDOKRPDLVFD
SUHJDGDSDUDƪVJDUDHVSÄFLH(PDOJXPDVLWXDÂÐHVRWUDEDOKRPDLVFDGHQFLDGR
que passar literalmente em sua fren- e mais provocante, com o plug fazendo barulho por mais tempo em um mesmo
te. Por este motivo procure usar iscas local, pode render mais ataques.
que venham varrendo o fundo dos Existem modelos de hélice, como a Chop Cut da Jackall (acima) ou Whopper
lagos, como as crankbait, spinnerbait Plopper da River2Sea, em que o interessante é o trabalho contínuo e mais len-
com trailer, chatterbait e as swimming WR¤XPDD¾REDVWDQWHHƪFLHQWHSDUDDVWUDÈUDVWUDLUÐHVHREODFNEDVV
bait, trabalhadas de forma lenta. Ou-
tra possibilidade é o uso de rubber jig.
Nesse caso, use a isca com um trailer (de 7 a 11 cm). Para cachorras e apapás, a mão e sentir uma certa resistência,
volumosos como as criaturas ou imita- os modelos de barbela mais longa são não pode estar “nem frouxo e nem
ÂÐHVGHFUDZƪVK EDVWDQWHHƪFLHQWHV2XWUDRS¾RV¾RDV apertado demais”. Você deve deixar
softs presas em cabeças de jig. a fricção apertada, ao ponto do peixe

V ou pescar no Rio Tocantins e gos-


taria de saber qual equipamento
GHYRXVDUSDUDƪVJDURVWXFXQDUÄVEL- G ostaria de saber como eu devo re-
gular o freio da carretilha. Devo
não arrebentar a sua linha, quebrar
sua vara ou abrir o anzol.
'HSRLV TXH R SHL[H IRU ƪVJDGR R
FXGDVDSDS¼VHFDFKRUUDV apertar a fricção e não deixar que o pescador aperta ou solta o freio con-
Reginaldo Moeller – Lages (SC) peixe leve qualquer metro de linha ou forme a necessidade do momento.
GHYRGHL[DUHODPDLVVROWD"
Você pode usar apenas um conjuntos
para todas as espécies, porém reco-
mendamos que use pelo menos dois,
Renato Toledo - por e-mail

A resposta depende muito da espé-


G ostaria de uma vara de molinete
para a pesca de tucunarés peque-
QRV FRPR RV GH ,JDUDW¼ $WLEDLQKD H
VHQGRXPHVSHFÈƪFRSDUDDVFDFKRUUDV cie de peixe e onde vai pescá-la. Paraibuna (SP).
SRUVHUXPSHL[HTXHFRVWXPDƪFDUFRP Uma regra básica é regular de 1/3 Nilson Pires Cunha – por e-mail
porte bem maior que os outros. a 1/4 da resistência da linha ou seja, a
Para os tucunarés, apapás e bicudas carretilha só vai liberar a linha quando o Os peixes dessa represa não alcan-
o pescador pode optar por uma vara SHL[Hƪ]HUIRUÂDVXSHULRUDRHVWLSXODGR çam grande porte. Mas são extrema-
para linhas de no máximo 17 ou 20 lb, Porém, peixes como as carpas, que mente manhosos, por causa da pres-
medindo entre 5’8” e 6’3”, com carre- possuem a boca mais mole e fácil de são de pesca, transparência da água,
WLOKD GH SHUƪO EDL[R DEDVWHFLGD FRP rasgar precisam que a fricção seja entre outros fatores. Você pode usar
FHUFDGHPGHOLQKDPXOWLƪODPHQ- mais branda. Para peixes como o dou- uma vara mais leve, de 6´ a 6´10¨ de
to de 30 a 40 lb. UDGRTXHV¾RPDLVGLIÈFHLVGHƪVJDU comprimento para linhas de no máxi-
Para as cachorras o indicado é uma é preciso ter o freio mais apertado mo 10 a 12 lb e que consigam lançar
vara de 25 lb, entre 5’10” e 6’6”, com inicialmente. iscas com peso de 1,8 g a 14 g. Entre
FDUUHWLOKD GH SHUƪO EDL[R DEDVWHFLGD Como nem sempre teremos uma DVLVFDVSUHƪUDRVSOXJVGHDWÄFP
FRPFHUFDGHPGHOLQKDPXOWLƪOD- balança para regular o freio, uma dica softs de 3 a 4 polegadas com cabeça
mento de 30 a 40 lb. é apertar a fricção de maneira que de jig com peso de até 5 g ou jigs de
Entre as iscas, muitos modelos po- quando é possível puxar a linha com pelos pequenos.
dem ser usados, começando pelas zaras
e sticks, passando por poppers e hélices XMande sua pergunta para: Rua Geórgia, 180 - CEP 04559-010 - São Paulo - SP — E-mail: redacao@revistapescaecompanhia.com.br

6 "%!" N' !VTU]


"% ! $ 7
Galeria
O pescador
Fabrício
Borges{ƪVJRX
HVWHYDOHQWH
tamba qui de
NJQR
Pesque e pague
ID]HQGD&ROLEUL
em Amargos (BA)

Marcus Boava
Bertoni ƪVJRX
HVWHEHORWXFXQDUÄ
de 65 cm com
LVFDDUWLƪFLDO
num caiaque no
Rio Grande em
O jovem pescador João Henrique ,WDSDJLSH 0* 
LanzaFRQVHJXLXƪVJDURSDFXGH praticando a pesca
kg em um pesqueiro próximo a Sete esportiva com a
Lagoas (MG) VROWXUDGRSHL[H

Andre Alexandre do Espirito


Santo, FDSWXURXHVVHOLQGR
San
dourado de 18kg com isca
do
D
DUWLƪFLDOGHPHLD¼JXDHP
C
Concórdia na Argentina

&RPXPDLVFDDUWLƪFLDOGHPHLD¼JXD
QR5LR3DUDQ¼HP7UÅV/DJRDV 06 
o assinante Thiago Matheus pescou
HVWHEHORWXFXQDUÄD]XO
X Amigo pescador, envie a foto do seu troféu para o e-mail fotos@revistapescaecompanhia.com.br! Só não vale peixe morto, erguido pelas guelras ou com mau uso do
bicheiro. E não se esqueça de mandar informações sobre a pescaria

8 "%!" N' !VTU]


2ERQLWR #3HVFDH&RPSDQKLD QR ,QVWD
3DUDWHUVXDIRWRGR,QVWDJUDPSXEOLFDGDQHVWH
UREDORƬHFKD HVSDÂREDVWDHQYL¼ODSHORDSOLFDWLYRYLD'LUHFW
IRLFDSWXUDGR RXPDUF¼ODFRPDKDVKWDJSHVFDHFRPSDQKLD
SHORSHVFDGRU
Bruno Salles
em uma
pescaria
UHDOL]DGD Duda Pinto
FRPFDLDTXH
QROLWRUDOGH
6¾R3DXOR
SUÎ[LPRDR
3RUWRGH
6DQWRV 63

2MRYHPSHVFDGRULuca
de la Vega SHJRXHVVH
OLQGRGRXUDGRGHNJ
QR5LR3DUDQ¼FRP
DDMXGDGRSLORWHLUR
/XFLDQR0DLGDQDHP
&RUULHQWHV$UJHQWLQD 293 likes

1R5LR4XDUDÈDuda PintoFDSWXURX
HVWDJUDQGHWUDÈUD

Em uma pescaria Douglas Rogério


GHSDLHƪOKR
Deoclides e Gunter
Igor exibem a
SLUDÈEDƪVJDGDQDV
FDFKRHLUDVGR5LR
$UDJXDLDHP/XÈV
$OYHV *2

293 likes

Douglas Rogério fisgou esta traíra


COMUMFROG

"% ! $ 9


10 "%!" N$VTU]
F isgadas NOTÍCIAS E NOVIDADES DO MUNDO DA PESCA

Como tirar a Licença de Pesca no


novo site do Ministério da Agricultura
1RYRVLWHSDUDREWHURGRFXPHQWRHVW¼GLVSRQÈYHOGHVGHDEULOFRQƪUD
um passo a passo para ter ou renovar o seu documento
Muitos pescadores estão em busca de como tirar a Licença QRƪQDOGDS¼JLQDOLQN5HJLVWUR3HVFDGRUIDÂDRFDGDVWURFRP
de Pesca. Desde abril, o documento pode ser obtido por meio suas informações pessoais conforme solicitado e clique em
de um link no site do Ministério da Agricultura. O mesmo tam- enviar formulário;
bém serve para renovação. 3º Após concluir o cadastro o sistema gerará um número de
A Licença de Pesca emitida pelo MAPA é válida em todo ter- protocolo, um link para impressão da Licença provisória válida
ritório nacional. Estão dispensados do pagamento da taxa os SRUWULQWDGLDVHRXWUROLQNSDUDLPSUHVV¾RGREROHWR *58 QR
aposentados e os maiores de 65 anos se do sexo masculino e YDORUGH5QDPRGDOLGDGHHPEDUFDGDH5QDPRGDOLGD-
de 60 anos se do sexo feminino. Pescar sem Licença não é crime de desembarcada;
DPELHQWDO1RHQWDQWRTXHPIRUƬDJUDGRHVW¼VXMHLWR»PXOWD •(IHWXHRSDJDPHQWRGD*58JHUDGDQDPRGDOLGDGHVH-
H»DSUHHQV¾RGRVHTXLSDPHQWRV lecionada. Então aguarde até trinta dias para poder imprimir
De acordo com o MAPA, para fazer ou renovar a Licen- D/LFHQÂD'HƪQLWLYD TXHSRVVXLYDOLGDGHGH XP DQRDSÎVR
ça você deve: SDJDPHQWRGD*58 QRPHVPRHQGHUHÂRGRFDGDVWURLQLFLDOq
1º Utilizando o navegador Google Crome, acesse o endere- •2XVX¼ULRGHYHDQGDUFRPD*58JUDPSHDGDFRPRFRP-
ÂR{ZZZDJULFXOWXUDJRYEU provante de pagamento, a carteira de identidade e a licença
2º Clique no link: “Aquicultura e pesca lado esquerdo da tela”, provisória impressa.

"% ! $ 11
F isgadas
1ŋȿɃāĭÝžɕUōāŕōĉžĭÝāĈžƇŸŖĭ
pescando “fora da área” de proteção da
Indonésia. Outros países asiáticos, como

ɃȿùÝŸûŕžŷƍĈŴŸÝƇĭûÝƣÝŋÝ
China e Japão, também tiveram embar-
cações atacadas e afundadas quando

ŴĈžûÝŴŸĈāÝƇŖŸia
teriam pescado em águas indonésias.
Desde 2014, por ordem do presidente
Joko Idodo, a Indonésia faz uma campa-
nha de “tolerância zero” contra a pesca
Guarda costeira do Vietnã teria atacado a patrulha predatória. Qualquer embarcação es-
do país governado por Joko Idodo. Em resposta, 13 trangeira que entrar em seus limites será
embarcações vietnamitas foram afundadas de uma vez atacada pela guarda costeira.

A Marinha da Indonésia afundou 51


barcos que praticavam pesca predató-
ria em suas águas na primeira quinze-
na de maio. Segundo as autoridades
locais, deste total, 13 eram de proce-
dência do Vietnã.
Especula-se que a destruição dos bar-
cos vietnamitas tenha sido uma resposta.
1RƪQDOGHDEULOXPEDUFRLQGRQÄVLR
havia sido abalroado por dois de bandei-
ra do Vietnã. O que chamou a atenção
é o fato de que não se tratava de um
confronto envolvendo pescadores contra
autoridades, mas sim de embarcações
das respectivas guardas costeiras.
O Vietnã reclama que seus pescadores
tem sido presos aleatoriamente, mesmo

1ŋŴŸŕƇĈžƇŕɕƇŸĈĭōÝāŕŸĭŋĭƇÝŴĈžûÝŸĭÝ uma declaração do presidente do time.

āƍŸÝōƇĈŴÝŸƇĭāÝāŕğƍƇĈùŕńÝńĈŋöŕ
Cansado de ver o Jahn Hiesfeld ser
goleado nas últimas rodadas da quinta
divisão do Alemão, o mandatário teria
dito que “não havia compromisso”.
Dias antes, presidente havia dito que o treinador do time “Não há atitude. O nosso treinador
rebaixado era relaxado e parecia estar “pescando” permanece imóvel no banco. Ainda
pensei em dar a ele
O treinador do TV Jahn Hiesfeld, um uma vara de pes-
time recém-rebaixado para a sexta divi- ca”, teria dito, em
são do Campeonato Alemão, resolveu entrevista, Dietrich
fazer um protesto inusitado. Se vestiu Hülsemann.
como um pescador. Usando roupa, cha- Ciente de que se-
péu e também levou a tralha de pescar ria demitido após a
completa para a beira do gramado. última toda, o trei-
Tudo isto durante a partida do último nador ganhou des-
ƪQDOGHVHPDQDGHPDLRTXDQGRVHXV taque muito mais
comandados foram goleados em casa pelo protesto, do
por 5×1, contra o TSV Meerbush. que pelo desempe-
Markus Kay decidiu imitar a pescaria nho, mais uma vez,
no banco de reservas motivado por fraco de seu time.

12 "%!" N!VTU]
šĈāĭāŕāĈûÝžÝŋĈōƇŕžÝĭûŕŋÝōĈń
ĈōûŕōƇŸÝāŕĈŋĭōƇĈžƇĭōŕāĈŴĈĭƩĈ
Segundo o noivo, o anel tudo o que pescamos, mas desta vez
encontrado “foi um resolvemos levar um pouco para casa”,
empurrão inesperado” conta Egginton.
Ao “limpar” um dos exemplares,
Um casal encontrou no intestino Sandra Bigdoom encontrou a aliança.
do peixe que havia pescado um anel. “Eu não sou bom em limpar os peixes.
Como estavam prestes a marcar o ca- Essa tarefa sempre é dela. De repente,
samento, o noivo decidiu com aquele ela estava radiante com o que havia
objeto mesmo fazer o pedido. A noiva encontrado”.
DFHLWRX'HDFRUGRFRPRVLWH{The Sun, “Pensei em pedir um tempo para
eles entenderam que “era um empur- pensar. Mas aquilo, para nós, foi um
rão decisivo”. empurrão inesperado. Fiz o pedido e
Christopher Eggington, do Reino Uni- agora somos noivos”, conta o rapaz.
do, estava cozinhando quando resolveu O noivo se encarregou de comprar
incrementar o cardápio. Resolveu convi- outro anel. É comum que noivos usem
dar a noiva para pescar. Depois de uma modelos similares. Mas, segundo o ca-
m le
produtiva jornada, eles teriam levado sal, o que foi encontrado permanecerá
apenas dois exemplares para ra casa. no dedo de Sandra e não será substitu-
“Nós estamos acostumadosados a soltar ído tão cedo.

OLHO
Piccolo
Fabricante: Evergreen
rgreen
Medidas: 4 cm e 6,5 g
Esta crankbait foi desenvolvida
lvida
pelo pescador Morimizu Shimizu
SDUDƪVJDUWXGRTXHHVWLYHUQD
faixa de profundidade 1.3 a 1.6 m.
Apesar do pequeno corpo arre- desloca água similar
GRQGDGRWHPHVSDÂRVXƪFLHQWH aos modelos maiores.
para que o ar interno a faça boiar. Em um curto espaço atinge sua
O peso é adequado para bons profundidade máxima e é ideal
arremessos. para peixes inativos ou que estão
Na água, cria uma vibração e sob pressão de pesca.

"% ! $ 13
F isgadas
­ĭńÞŴĭÝŴŕāĈƣĭƣĈŸōÝÞġƍÝ
žÝńġÝāÝɕžĈġƍōāŕŴĈžŷƍĭžÝ
Estudo tem como objetivo avaliar a
viabilidade da criação de tilápias na água
salgada de poços do Nordeste
A tilápia pode ser criada na água salgada. É o que concluiu da pesquisa, Marcelo Augusto. A água do mar possui salini-
uma pesquisa de mestrado desenvolvida pelo Programa de dade entre 35 e 40 PSU.
Pós-Graduação em Ciência Animal, da Universidade Federal 2GHVDƪRDJRUDVHU¼ID]HUFRPTXHDWLO¼SLDVHGHVHQYROYD
Rural do Semi-Árido – Ufersa. Esta pode ser considerada em graus mais elevados de salinidade, entre 0 a 60 graus.
uma das espécies mais criadas em tanques-rede do Brasil, “Vamos colocar os alevinos em sete gaiolas com variação
mas em água doce. de salinidade de 0, 10, 20, 30, 40, 50 e 60 PSU para avaliarmos
Ainda de acordo com o estudo, outro diferencial é a utili- o comportamento e o crescimento zootécnico dos peixes nas
zação da tilápia vermelha, um híbrido da tilápia preta, ainda diferentes salinidades”, explica Aline Silva. Esta nova etapa terá
pouco produzida no Brasil. A pesquisa se deu na sede da uni- duração de 120 dias.
versidade em Mossoró (RN). Aline acrescentou que a pesquisa pretende provar a via-
A primeira fase da pesquisa “Tolerância de tilápia ver- bilidade da produção da tilápia vermelha em água com alto
melha a diferentes salinidades”, desenvolvida pela mes- teor de sal.
tranda Aline Gabriele Gomes da Silva, testou a criação da “Acreditamos que essa é uma alternativa bastante viável
espécie em diferentes escalas de salinidade. Estas varia- para a região do semiárido que possui uma grande quantidade
ram de 0 a 40 graus. de poços com alta salinidade e salinas que estão com tanques
“Observamos que com a salinidade da água acima de 40 desativados”, pontua.
PSU, a tilápia vermelha apresentou bom crescimento, che- Uma boa vantagem é assim surgiria dispensa do uso dessa-
gando a pesar até um 1 kg, num intervalo de 90 dias”, indica linizadores, algo que iria baratear o custo da produção e assim
o professor do curso de Engenharia de Pesca e coorientador atrair novos investidores.

sŕƣŕŋŕƇŕŸāĈŴŕŴÝ O novo motor de popa 15 HP da Yamaha promete uma

ŴŸŕŋĈƇĈĈûŕōŕŋĭƳÝŸÝƇĉ
economia de até 18% de combustível. Isso porque o aparelho
vem com um hélice redimensionado, de passo 10,5”. É uma boa
notícia para quem pretende economizar nas pescarias, já que o

ȿɆʪāĈûŕŋùƍžƇįƣĈń preço do combustível tem oscilado no Brasil.


De acordo com a fabricante japonesa, “a tecnologia já co-
nhecida do motor d de popa associado à remodelagem do hélice
proporciona muito m mais economia, além de maior desempe-
nho, quando comparado
compa ao seu antecessor”.
Em testes realizad
realizados com carga, em velocidade de cruzeiro,
RPM a economia no consumo de combustível
de 4000 a 4200 RPM,
é de até 18%.
Com a hélice redi
redimensionada para 10,5”, o motor apresen-
tes realizados, melhoria na performance
tou em diversos testes
Modelo
delo de 15 ch
das embarcações chegando mais longe consumindo menos.
HP da Yamaha “Perform
“Performance ideal para uso com foco no mercado
m com um
vem de trab
trabalho e lazer, com melhor disposição na
hélice
ce ajustado arra
arrancada e aproveitamento ideal dos seus 15
HP durante toda a faixa de rotação do motor,
paraa este a
atingindo maiores rotações quando estiver
dimento
rendimento ccarregado”, descreve a Yamaha.

14 %!" N!VTU]
"%!"
ġƍńĩöŕɫōĈġŸŕāĈɀȾȾŀġ
ĉĈōûŕōƇŸÝāŕŋŕŸƇŕōÝ
ŴŸÝĭÝāĈUƇÝōĩÝĉŋ
Segundo pesquisadores, este é o primeiro
exemplar encontrado sem vida na areia
da praia. “Fato raro”
Um agulhão-negro foi encontrado morto na praia de Itanha-
ém (SP). O peixe media 3,6 metros de comprimento e tinha
peso estimado em 202 kg.
O exemplar foi levado à Unidade de Estabilização do Insti-
tuto Biopesca, em Praia Grande (SP). Agora os pesquisadores
tentarão descobrir a causa da morte. É considerado raro que
agulhões se aproximem da costa. Uma das possibilidades é que o peixe tenha sido capturado e
De acordo com o Instituto, este é o primeiro agulhão-negro descartado, ou que tenha engolido algum objeto contaminado.
encontrado morto numa praia da região. “Assim como a maioria dos peixes oceânicos, ele também
“É uma espécie oceânica de águas quentes, e que tem um está no radar de pesca predatória, e oferece riscos a quem o
bico mais curto do que as demais espécies de agulhões” explica consome, principalmente em caso de encalhe, já que não se
o professor e biólogo Teodoro Vaske Junior, da Universidade pode saber o que levou o animal à morte”, conta biólogo Már-
Estadual de São Paulo (Unesp). cio Ohkawara, do Instituto Biopesca.
F isgadas
ÝōġńÝāĈžĩŴŸŕįùĈŴĈžûÝŴÝŸÝ
ɳÝƍŋĈōƇÝŸĈžƇŕŷƍĈāĈŴĈĭƩĈžɴ
Um dos maiores produtores de pescado do mundo
se baseou em estudos para tomar a decisão
Bangladesh decidiu proibir com- espécies de caracóis e ostras da Baía
pletamente a pesca em sua costa por de Bengala – das quais, entre 85 a 90
65 dias. A decisão tem como propósi- são comercialmente importantes.
to aumentar o estoque de peixes. O
país asiático calcula que uma de suas
A proibição durará de 20 de maio
a 23 de julho. Este é um prazo que "ĭāÝāĈÝŴŸĈžĈōƇÝ
ɳƎōĭûŕɴŴĈĭƩĈŷƍĈ
principais fontes de renda está ame- pesquisadores locais calculam que
açada por conta da pesca predatória. coincida com um período de repro-

ûŕŋĈŴńÞžƇĭûŕ
“Esses recursos se esgotarão um dução. A rotina de pesca nesta épo-
dia se não os usarmos de forma sus- ca, até então, não sofria qualquer
tentável. Devemos deixar os peixes alteração.
crescerem e se reproduzirem. Caso Banhado pelo Oceano Índico,
contrário, teremos que sofrer no Bangladesh está entre os maiores Preocupação com a
futuro”, avalia o ministro de Pesca produtores de pescado do mundo de poluição do Oceano rende
e Pecuária, Ashraf Ali Khan Khasru, acordo com a ONU. O principal peixe uma curiosa ação de
para o jornal Dhaka Tribune. encontrado na região é o arenque, o prefeitura local
3DUDMXVWLƪFDUDSURLEL¾RR0LQLV- qual tem muita aceitação no merca-
tério da Pesca bangladês apresentou do asiático.
uma lista de espécies com risco de E por conta de possuir uma enorme Los Cabos, uma das principais cidades
sumirem do mapa pesqueiro. O cadeia produtiva, o governo local so- GRWXULVPRGDSHVFDQR0Ä[LFRDSUHVHQ-
documento foi apreciado pelo Su- fre com a resistência de pescadores. tou o “único”peixe que come plástico.
premo Tribunal, que decidiu acatar A preocupação se dá porque durante 1¾RVHWUDWDGHXPDHVSÄFLHYLYD0DV
o pedido. os 65 dias de proibição eles não terão sim de uma gigantesca peça artística fei-
Constam na lista: 475 espécies fonte de renda. Não há informação ta de aço. Nela os cidadãos e os turistas
de peixes, 36 espécies de camarão, sobre um “seguro”, conforme funcio- deverão depositar todo o lixo plástico,
15 espécies de caranguejo, sete na no Brasil e em diversos países da FRPRJDUUDIDVDƪPGHTXHQ¾RVHMDP
espécies de lulas, cinco espécies de América do Sul, enquanto vigora o depositados no Oceano.
tartaruga, 56 espécies de algas e 301 período de proibição. A ideia, no entanto, não é exclusiva.
2XWUDVFLGDGHVOLWRU½QHDVGR0Ä[LFR
estão adotando medidas similares no
combate à poluição, como Acapulco. Los
Cabos tem um apelo forte do turismo de
pesca oceânica. Com a água poluída, o
risco é que os cardumes sumam e o inte-
resse dos pescadores diminua.
2SHL[HTXHFRPHSO¼VWLFRƪFDU¼H[-
posto em diversas praias de Los Cabos,
DƪPGHTXHPXLWDVSHVVRDVSRVVDPVHU
impactadas com a ação.
Segundo a ONG WWF, pelo menos
8 milhões de toneladas de plástico são
descartados no Oceano. Há uma estima-
tiva que até 2050 exista mais plástico do
que peixes no mar.

16 "%!" N!VTU]
W
ay Point CLUBES, ASSOCIAÇÕES, CAMPEONATOS E EVENTOS

AGAPIA comemora
25 anos em
grande estilo
Associação gaúcha é defensora da
pesca como esporte e pioneira no
LQFHQWLYRGDSHVFDFRPLVFDDUWLƪFLDO

$$VVRFLD¾R*DÕFKDGH3HVFDVFRP,VFDV$UWLƪFLDLV AGAPIA. Houve a entrega de sócia benemérita a Celina


(AGAPIA) comemorou seus 25 anos de existência com Zengerling, com 101 anos, “pois doou toda a cozinha para
uma grande festa. Fundada em 30 de junho de 1994, a o galpão da sede campestre”. O campeão do torneio, o
entidade é uma das pioneiras na defesa da pesca como pescador Jeferson Samuleski, também foi homenageado.
esporte no país. “Sentimos muita emoção, pois a família AGAPIA
Atualmente, a AGAPIA conta mais de 150 sócios ativos. mostrou que com união e muito trabalho de preservação e
Todos foram convidados. Como não podia faltar, foi pesca consciente essa família unida não só é um exemplo
realizada uma prova festiva com a participação de cerca para o Rio Grande do Sul, mas um belo exemplo a ser
de 80 pescadores no lago da associação. seguido no Brasil. Esperamos mais 25 anos, e que nosso
Depois da competição, um jantar reuniu cerca de 250 trabalho prospere fazendo a pesca esportiva crescer cada
pessoas. Foram feitas homenagens aos pioneiros da vez mais nesse nosso belo país”, comunica a entidade.
"/"\Ê 61 "Ê

18 "%!" N' !VTU]


­ƍûƍōݤŕńĭāÞŸĭŕÝŸŸĈûÝāÝ
ŋÝĭžāĈžɿȿɃŋĭńŴÝŸÝ
ĈōƇĭāÝāĈžÝžžĭžƇĈōûĭÝĭž
āĈiŕōāŸĭōÝ
Competição se deu em um pesqueiro de
Primeiro de Maio (PR) no começo de junho
O Torneio de Pesca Solidária, também conhecido como
Tucuna Solidário, se deu no dia 2 de junho no Pesqueiro A organização estimou um público superior a 400
WM, em Primeiro de Maio (PR). A competição procura unir a espectadores. Houve homenagens à Polícia Ambiental de
pesca com ações sociais. /RQGULQDHDRXWURVPHPEURVGDVRFLHGDGHHDXWRULGDGHV{
De acordo com a organização, o projeto existe desde Foram arrecadados mais de 1.000 litros de leite em
2015 e já atendeu diversas entidades como a Apae de prol das creches de Primeiro de Maio. Também foram
Londrina, Hospital do Câncer de Londrina, Instituição arrecadados R$ 12 mil para a Ong Viver de Londrina,
Renovando Vidas de Cambé e Lar dos Vovozinhos e RXWURV5{PLOSDUDR/DUGRV9RYÎVH9RYR]LQKDVGH
Vovozinhas de Londrina. /RQGULQD $VHSV UHYHUWLGRVHPIUDOGDVJHUL¼WULFDV
Neste ano, o Tucuna Solidário contou com 240 Para saber mais sobre este torneio solidário, acesse www.
pescadores divididos nas categorias barcos e caiaques. WXFXQDVROLGDULRFRPEU{

"% ! $ 19
Produtos
CAMISAS DE PESCA
BRK FISHING
As camisas da marca são produzidas com tecido Active Life
TXHÄOHYHIULRHQ¾RGHVƪD(QWUHDVYDQWDJHQVHVW¾RD
VHFDJHPU¼SLGDSURWH¾RVRODU)38KRPRORJDGDH
não desbotar com o passar do tempo. A gola é a Extreme
com Zíper e punho elástico nas mangas, o que garante
um maior conforto para o esportista. Veja mais no www.
EUNƪVKLQJFRPEU{RXSHOR  

TOP TWO
O – OCL
Na busca por iscas que realmente
mente façam a diferença no dia-
dia-
dia
a-dia do pescador, a OCL lançou uma a wakebait. O trabalh
trabalho
ho
h
é simples, basta empregar o recolhimento contínuo par a
para
a isca fazer uma ziguezague curto, mas que cria um m rastro
ras o
acentuado na superfície e simula uma presa fácil. Ainda
possui uma lâmina de aço inox que produz brilho e deixa o
nado levemente errático. O plug mede 9 cm e pesa 22 g. É
EDVWDQWHHƪFLHQWHSDUDDVWUDÈUDVWUDÈUÐHVHREODFNEDVV
Também funciona para os tucunarés.

LINHA ARTPESCA 
PROTEÇÃO PARA MOTOR
PRETA - Artpesca
Este novo produto é feito de
ELÉTRICO – Juninho Pesca 100% poliamida, o que confere
Que tal proteger o motor elétrico, material uma super-resistência e baixa
essencial para o pescador que usa iscas memória. Ela segue uma alto
DUWLƪFLDLV"3HQVDQGRHPSURWHJHUR padrão de fabricação, o que
equipamento no transporte ou mesmo durante garante uniformidade de
DVSHVFDULDVD-XQLQKR3HVFDSHUVRQDOL]RXXPD diâmetro no carretel inteiro.
FDSDGHQHRSUHQHSDUDGHL[DUƪ[RQDFDEHÂD Trata-se de um produto versátil
do motor elétrico. com bom custo-benefício.

20 "%!" N' !VTU]


BAD SNAKE – Bad Line
(VVDDUWLƪFLDOÄLQGLFDGDSDUDDFDSWXUDGH
SUHGDGRUHVHPORFDLVFRPYHJHWD¾RDTX¼WLFD
DEXQGDQWHPXLWRVJDOKRVHWURQFRVSRUVHX
VLVWHPDDQWLHQURVFRHPTXHRFRUSRGDLVFD
SURWHJHDSRQWDGRDQ]RO(ODÄIHLWDFRPERUUDFKD
VXSHUUHVLVWHQWHHPDFLDHÄLQGLFDGDSDUDDV
WUDÈUDVRVWXFXQDUÄVH{RVEODFNEDVVHV{2WUDEDOKR LED C05 - Albatroz
GHYHVHUIHLWRFRPWRTXHVGHSRQWDGHYDUDPDLV (VVDSHTXHQDODQWHUQDSRVVXLWUÅVOHGVHLPSUHVVLRQD
OHQWRV0HGHFPHSHVDJ SHODFDSDFLGDGHGHOXPHQV8VDDSHQDVWUÅV
SLOKDV$$PHGH[[FPHSHVDJ¤UHVLVWHQWH
DFKXYDHYHPFRPDOÂDHLP¾SDUDƪ[D¾R

CASE PORTA
TA ISCAS 
HI-Estojos
DOG WALKING 90 - Strike Pro (VWHSU¼WLFRHVWRMRÄSURGX]LGRHP
(VVDDUWLƪFLDOGHVXSHUIÈFLHSURPHWHUHQGHUEHODV SROLSURSLOHQRHGHVHQYROYLGRSDUD
ƪVJDGDV¤XPDLVFDI¼FLOGHVHUWUDEDOKDGDSRVVXL RUJDQL]D¾RGHLVFDVDUWLƪFLDLV2DFHVVÎULR
XPERQLWRDFDEDPHQWRHJDUDWHLDVUHIRUÂDGDV2V PHGH[[FPHSHVDJ3DUD
FPGHFRPSULPHQWRHJGHSHVRDWRUQDP PDLRUSUDWLFLGDGHHRUJDQL]D¾RSRVVXL
XPDLVFDPXLWRYHUV¼WLOIXQFLRQDQGRSDUDGLYHUVDV GLYLVÐHVFRPGLYLVÎULDVUHPRYÈYHLV
SHVFDULDVFRPRDGHWXFXQDUÄVUREDORVWUDÈUDV FRPFDSDFLGDGHSDUDDUPD]HQDULVFDUGH
PDWULQFK¾VELFXGDVHRXWURVSUHGDGRUHV FRPSULPHQWRDWÄFP

"% ! $ 21
F ique por Dentro

*6"Ê/" "ÊÊ
%STÉCHEGANDOO0ESCA
#OMPANHIA4RADE3HOW&IQUEPOR
DENTRODASNOVIDADESDOEVENTO
QUESEDARÉDEADEAGOSTO
EM3ÎO0AULO

F
alta muito pouco para o PC!  
21 J O evento que se dará de 28 a 31 de
agosto no Pro-Magno Centro de Eventos, em São
Paulo, já tem praticamente todos os espaços do
pavilhão tomados. Estarão presentes as princi-
pais marcas do segmento, do turismo da pesca, de embarca-
ções e do tiro esportivo.
O assinante da Pesca & Companhia ganhará um ingresso
válido para o sábado, dia 31. A entrada poderá ser retirada
na recepção, por meio do código de assinante e da apresen-
tação de documento.
Ainda que a economia do país não esteja num bom mo-
mento, os expositores estão otimistas. Há uma estimativa de
aumento de 20% do volume de negócios em relação a 2018.
Além disso, a maioria ampliou o seu espaço, para poder
apresentar mais produtos e ter um melhor atendimento.
A data do evento foi escolhida de maneira estratégica.
Tudo para que o lojista consiga abastecer seu empreendi-
mento com os lançamentos para a temporada vigente e a
de 2020. O visitante poderá conferir, por exemplo, os lan-
çamentos que foram apresentados na ICast, que se dá um

Ž0ESCA#OMPANHIA4RADE3HOW
Data:ADEAGOSTOn
Horários:DIAS EQUARTA
QUINTAESEXTA DASHÌSHEDIA
SÉBADO DASHÌSH
Local:0RO -AGNO#ENTODE%VENTOS
!VENIDA0ROFESSORA)DA+OLB n#ASA
6ERDEn3ÎO0AULO30
Informações:INFO PESCATRADESHOW
COMBR
Site:WWWPESCATRADESHOWCOMBR

22 "%!" N' !VTU]


/" "

"% ! $ 23
F ique por Dentro
mês antes, nos Estados Unidos.
O otimismo também se jus-
tifica graças à credibilidade de
um evento que chega a sua 13ª
edição. Lojistas do Brasil e do
exterior estarão presentes. A or-
ganização confirmou que até o
momento houve um aumento de
10% no número de interessados
em obter a credencial.
Este ano o Pesca & Companhia
Trade Show se dará num novo es-
ÆJ - . +
 ª  -
gião de fácil acesso para o visitante,
uma vez que está próximo de uma
das principais vias de São Paulo: a
Marginal Tietê.

Tudo em um só lugar!
As principais marcas e impor-
tadores da pesca estarão presen-
tes. Entre os grandes destaques,
com aumento de espaço, estão a Entre os fabricantes de iscas, a Hidro2 e a Caiaker. Quem estiver
Maruri, a Albatroz, a Aquabrazil, a Moro Deconto, a Big Ones, a Iscas  ̘-
SeaFishing, a Lumis, a Argóvia e o Yara e a Lucky mais uma vez esta-   ̘    ±   Æ·
Grupo Jogá (o qual tem as marcas rão presentes. E, certamente, reser- simplesmente os principais nomes:
Jogá, Saint Plus e Crow). vam lançamentos para satisfazer o Yamaha, BRP, Mercury e Hidea Mo-
As importadoras Aicás e Wakoku pujante mercado de pescadores es- tores trarão o que tem de mais mo-
Ì·ªJ2 portivos. Já o segmento de vestuário derno. A expectativa é para saber
Fishing terá em seu espaço os pro- terá como expositores a Ballyhoo, a quem trará o motor de melhor per-
dutos das consagradas Abu Garcia e BRK, King (com um gigantesco es- formance e mais econômico.
Sumax. Estreante no evento e nova tande) e a Vitho Protection. (¬̘ ̘¬-
mercado, a Daisen também terá seu O segmento náutico terá a pre- sentantes de todos os melhores
lugar. As novidades dela, no entan- sença de fabricantes de caiaques points do Brasil e do mundo. Pou-
to, ainda são um “mistério”. consagrados como a Brudden, a sadas internacionais como a Puer-

Ê,  "Ê Ê 8*"-/", - , - ,6 Ê- 1Ê"/ ÊÊ



-Ê "<Ê "Ê1 1Ê ""Ê-"1Ê ,"--Ê
"Ê -
" /"
 /,"<Ê 1 /1,Ê­-®Ê 1
9Ê-
-Ê,/
-Ê ,9/"-Ê
<% Ê- Ê"  Ê 1*",Ê* -
Ê"/ Ê ,Ê Ê
Ê - /Ê O Pesca & Companhia Trade Show
+1 ,<Ê  Ê6 -Ê , Ê 8*, --Ê - Ê- Ê recebe visitantes de todo os estados
,$6Ê  Ê ,1,Ê - Ê,6 ,Ê
Ê" -Ê  ,"Ó "Ê --Ê Ê "Ê - -1 Ê brasileiros e praticamente de todos
"-Ê ,"Ê "" < Ê  ,
1,9Ê, Ê - , Ê"Ê os continentes. Por isto, esta é uma
,Ê* -
Ê "/ Ê ,Ê,"Ê ","Ê
" /"Ê - /1,Ê -Ê
,-Ê +1* /"-Ê *Ê ,
-"Ê - /"1Ê boa época para garantir a passagem
,Ê ,Ê 1/
Ê -Ê-
-Ê - 9* ,Ê aérea.
,*Ê  6
/1-Ê *6 Ê -1* ,Ê 1Ê
,1 Ê -
-Ê9,Ê *"1- Ê-Ê ,
Ê / ,Ê O visitante também terá uma tarifa

 ,Ê Ê-1 Ê *"1- Ê
 " ,"-Ê /"/Ê- Ê especial caso opte por se hospedar

Ê* -
Ê "ÊÊ *"1- Ê
,-/Ê /,  Ê/ ,,Ê

,"--/ ,Ê "* 7 Ê *"1- Ê* -
 ",Ê /1
1 Ê*",/-ÉÊ1-Ê QR,ELV6¿R3DXOR([SR|$FHVVHD

1
Ê* -
Ê ,* -
Ê *"1- Ê*1 ,/"Ê*,-"Ê 6/"Ê*,"/
/" Ê página do evento para ter mais

1/ ,Ê 6Ê  Ê *"1- Ê/,"*
Ê-/,Ê"  Ê 7"1Ê
- Ê <" Ê +Ê 7 Ê{äÊ informações, no menu Hospedagem
91Ê  , +1
-"/ 9 (www.pescatradeshow.com.br).
88,Ê Ê Ê
I-/Ê/1< Ê ÊÎÊ Ê1 "Ê ÊÓ䣙

24 "%!" N' !VTU]


to Paraíso (Argentina) e o Tropic
Star Lodge (Panamá) já garantiram
seus espaços. Representantes da
Amazônia, do Pantanal, do Ara-
guaia (por meio do Sebrae de Goi-
ás), de Foz do Iguaçu e do Espírito
Santo oferecerão seus pacotes para
quem quiser pescar nesta e nas
próximas temporadas.
. ªM      ª -
    . C
Companhia Trade Show a sua casa.
% -
ªÆM
-
tandes ainda maiores do que o dos
anos anteriores. Um timaço: Brasil
# M0 M$ M. M
1M/  M' 2 0J
Para completar, da gama de acessó-
rios e tecnologia estarão a WD 40, a
!+ #M+C
Cia a Emifram e muitas outras.

"% ! $ 25
P esque e Aprenda

L7B;#JK:E
7GKÛJ?9E
Cada espécie reage
de uma forma
diferente quando
ƼžġÝāÝɚńġƍŋÝž
usam força bruta,
Por Alex Koike procuram o
enrosco, outras

7
migo pescador, na
  ª 
vem da necessidade de manter o
caniço posicionado em um ângulo
ŴƍńÝŋāĭƣĈŸžÝž
como briga aquele que permita sua plena funciona- ƣĈƳĈžŕƍƇŕŋÝŋ
ƣÞŸĭŕžŋĈƇŸŕž
 ÿEª
- lidade. Caso contrário, o pescador
da em que homem coloca em risco a linha, a carretilha
e peixe tornam-se
dois adversários, se
ou o molinete e a própria vara.
O ideal é, a partir da própria
āĈńĭōĩÝɚ"ŕōƼŸÝ
enfrentam e usam seus esforços cintura imaginar um linha, man- ÝńġƍŋÝžāĭûÝž
ŴÝŸÝńĭāÝŸûŕŋ
para um superar o outro. ter a vara num ângulo próximo
o
Cada pescador cria uma técnica ao de 45 , esta é a zona em que o
particular. Todas possuem o seu
Ì M· ·ª -
equipamento irá executar a sua
função de brecar o peixe, e fazer
esses diferentes
te ou estranho isso possa parecer, o com que a linha e o restante do comportamentos
ĈžÝĭŸƣĭƇŕŸĭŕžŕ
importante é o resultado: ter o de- equipamento, inclusive o anzol,
sejado troféu em suas mãos. não tenham suas resistências
Mas, como ter o conhecimento
para enfrentar esse momento de
comprometidas.
Num ângulo abaixo da linha da
desses embates
o
tensão nunca é demais, prepara- cintura, menos de 0 , você vai dar
mos essa reportagem que irá aju- a ponta da vara, apontado para
dá-lo nos próximos embates. Seria a direção do peixe. Sendo assim,
algo como uma “defesa pessoal”, toda a força do animal será depo-
apresentando algumas ações para sitada diretamente na carretilha
você se desvencilhar dos “golpes” ou no molinete, sem a intermedia-
mais comuns que nossos adversá- ção da vara, aumentando o impac-
rios costumam aplicar. to direto sobre a linha.
o
O contrário, perto dos 90 , a
8|i_YeZeX|i_Ye vara começa a chegar em seu
Uma maneira básica de brigar limite, não há pressão para
com o peixe é trabalhar a vara sem- controlar os movimentos e
o
pre num ângulo próximo de 45 a existe certo risco de quebra do
partir de sua cintura. A explicação equipamento.

26 "%!" N' !VTU]


"% ! $N!VTU] 27
P esque e Aprenda

Para brigar
com peixes
muito grandes,
é indicado o
uso de cinto. O
pescador deve
ƭFDUDWHQWR¼
postura para não
sentir dores nas
costas

8h_]Wik`W J[d^WfeijkhW
A maioria das espécies quando Se você não está acostumado com
ª
Æ·-  
M   -
 J 
 M nutos costumam ser mais complica-
·Ì 
ÌJ M  J 
 
.     
 M ̪ J#-

G¬
 tão, tenha calma e não se afobe.

NĥG¬
M Comece procurando um ritmo. Se
primeira providência é trabalhar familiarize com os movimentos da
com um equipamento mais refor- 
M  ª Ì   - nas seus braços. Dobre os joelhos,
çado e freio bem apertado. 

 incline-se para trás e mantenha as
Os primeiros minutos são pri- a linha sem comprometer o mate- costas e os braços retos. Usar um
mordiais. É preciso impedir que rial. Aprenda a usar os momentos cinto ajuda bastante.
o predador se aproxime qualquer de esforço do peixe, como as toma-
centímetro da estrutura, evitando das de linha, para recuperar o fôle- ;eif[_n[igk[fkbWc5
    
 ¬
Ì A hora do salto é crítica, pois mui-
  
 ¬
J tos peixes escapam nesse momen-

J- 
¬ - Outro detalhe importante é em re- to. Dourados e cachorras são cam-
do e com contundência para afas- lação a sua postura. Suas costas são peões nesse quesito, e para piorar
tar o peixe da estrutura. Somente, uma das primeiras partes do corpo possuem a boca “dura” — um obstá-
  
 -   J 1 Ï   
  ª
 J
za de que trouxe o adversário para com o peixe em pé, aprenda a usar #  
 ¬  
uma área mais limpa. o seu corpo inteiro em vez de ape- evitar isso. A primeira delas é man-

28 "%!" N' !VTU]


P esque e Aprenda
ter a linha sempre esticada. ť    ª-
Outra prática é conhecida car atento à pressão imposta ao
como “quebrar o pulo” – aqui peixe e sempre conferir, caso
o pescador abaixa a ponta, contrário a linha pode se rom-
movendo em conjunto para o per, o anzol abrir ou rasgar a
lado oposto do peixe quando boca do peixe.
ele der sinais de que vai pular, Nessas situação é muito im-
forçando-o para baixo. Uma portante que a manutenção do
segunda opção é a de traba- seu molinete ou carretilha es-
lhar rapidamente o peixe, teja impecável, que o freio este-
com freio mais fechado, para ja em perfeito funcionamento,
evitar que ele pule. liberando a linha de forma su-
Ambas opções funcionam ave e sem tranquinhos.
melhor para peixes de menor
porte, como uma traíra, tucu- H[f[hjŒh_elWh_WZe
naré ou um black bass. Para Uma forma bastante curiosa
peixes de maior porte, o reco- de brigar com o peixe é indi-
mendável é utilizar uma técni- cada para as pescarias feitas
ca contrária – que seria deixar com vara de bambu ou teles-
o freio da carretilha mais solto cópica, comum em pesquei-
após o primeiros minutos de briga, ;gkWdZe_hZ[lW]Wh5 ros. Na parte inferior desses ca-
       ª
J - Trabalhar o peixe com freio ajus- niços, é amarrada cerca de quatro
sim, o animal se sente mais confor- tado de forma mais branda, deixan- metros de tripa de mico (alguns
tável e briga mais no fundo. do o animal mais à vontade para chegam a usar o salva-varas) e ela
Outra tática é a usada para peixes tomar linha quando ele quiser tam-
ªJ
grandes, como o tarpons. Quando bém é uma variação técnica. Ela é /   ª
  
o peixe pular, o pescador afrouxa a muito empregada quando vamos maior, que coloque a resistência do
linha, para tornar menor a pressão enfrentar peixes com a boca mole — material em perigo, é o momento de
no ponto onde o anzol está preso, como as carpas e as piaparas — ou usar esse artifício. Nesse instante, o
além de evitar que o peixe quebre a estamos utilizando um anzol pe- pescador solta a vara na água, para
linha, caso caia em cima dela muito M ª que o peixe se canse ao brigar com
tensionada. linha de menor libragem. a elasticidade do cabo de borracha.

30 "%!" N' !VTU]


Uma dica, usada para exemplares muito gran-
des na pesca embarcada em água salgada ou
doce, é de ir atrás do peixe que tirou muita linha,
facilitando a recuperação de linha.
Outra técnica curiosa é a utilizada pelo pesca-
dor Lester Scalon para espécies como o tucunaré-
-açu. Quando o bicho corre de maneira desenfre-
ada para a estrutura, ele destrava a carretilha e
controla o carretel com o polegar. Segundo o pes-
cador, quando o animal sente pouca resistência
 Mª J -
do dessa situação, ele se aproxima com o barco ou
começa a recuperar linha de forma suave.
̬ M   -
tras. Como disse no começo, muitas delas nas-
cem conforme o estilo de briga do peixe aliada
a experiência do pescador. Todas acabam sendo
ª J
 M
 J
Mas, se você tem alguma forma especial e diferen-
te, ela poderia se transformar numa reportagem
no futuro. Que tal ensinar ela para gente?

DWZW[ifehj_le
Em algumas lutas, você já deve ter assistido algum
adversário agir com covardia, abusar de uma situação para
machucar mais o seu oponente. Na pesca isso também
acontece, sendo que muitas vezes de forma inconsciente.
Isso se dá justamente quando o pescador resolve usar um
equipamento leve com a desculpa de equilibrar a briga e
dar maiores chances do peixe escapar ou com a desculpa
de ter mais emoção.
Uma briga prolongada simplesmente pode causar à morte
do peixe por exaustão. Tentar encurtar a briga, manusear
RDQLPDORPDLVU½SLGRSRVVÉYHOHGDUWHPSRVXƭFLHQWH
para que ele possa se recuperar depois das fotos.

"% ! $N!VTU] 31


Tralha

Para levar
na
MALA
A Major Craft Brasil disponibiliza uma
coleção de varas em quatro partes para o
mercado brasileiro. Ela vem com estojo de
transporte, ideal para o pescador que
deseja levar a bordo na
bagagem de mão
Por Pepe Mélega

A Benkei vem com


um estojo que mede
apenas 54 cm e pode ser
acondicionado dentro da
mala ou transportada como
bagagem de mão

32 "%!"
"%!"
  N'


N
N
N
NN ' ! VTU
' !
! VTU]
TU]
Q
ue tal na sua próxima via- tamente quando as vi. 

M  ª    
gem de avião não carregar Embarquei no aeroporto de Con- respeitava as medidas atualmente
tubos, muito menos pagar
 M  ª     exigidas para ser carregada com o
preços exorbitantes para 1· .M     !ª passageiro na cabine. O estojo cabe
despachá-los? (MG) sem o incomodo de carregar sem problemas.
Sim, isso é possível com a coleção o tubo com minhas varas de pesca.
de varas Benkei confeccionadas em Fui direto ao totem de despacho de ƍĈùŸÝōāŕÝāĈžûŕōƼÝōþÝ
quatro partes e disponíveis em 6’ e bagagem automático, segui os pro- Uma passagem divertida foi quan-
6’6”. Desmontadas elas são acondi- cedimentos e coloquei a bagagem  
 !ª
cionadas em um estojo de apenas etiquetada diretamente na esteira (MG) e os parceiros que me recepcio-
54 cm de comprimento, que pode para ser direcionada ao meu desti- naram perguntarem sobre as varas.
ir dentro de sua bagagem a ser des- no. Tudo muito rápido e prático. Logo tranquilizei o Otávio Vieira e o
pachada ou, se você preferir, na sua Quem costuma viajar para pes- Jaída Machado avisando que esta-
mala de mão - respeitando as me- car sabe o que é carregar os longos vam na mala.
didas atuais que estão sendo exigi- tubos de varas, pegar taxi, recolher, Quando chegamos no local da
das na hora do embarque. em alguns casos, a tarifa especial (e pescaria, comecei a montar os con-
Em uma viagem recente a Três cara) para despachá-los. Dessa vez juntos de pesca. Eles surpreende-
Marias (MG) testei dois modelos da não teve nada disso. ram a todos.
marca que me agradaram imedia- Ainda antes de guardá-las na Com alguns arremessos feitos da

"% ! $N!VTU] 33


Tralha

Um dos segredos para a ação perfeita da Benkei está nos encaixes. O equipamento recebe reel seat ECS e detalhes em metal

O cabo recebe EVA de alta densidade e passadores e ponteira da marca japonesa Fuji com aneis de Alconite e moldura de aço inox


ª
  M M-  '!E?9=E+& ª   
Æ      M  å J
      Ì     
        -     ÌM    
 -    S   T  E Ï 
 J+
 ª Ì åJ ª
M     Æ· 
  Æ·   Æ      
      
   
 ª
 M
   - M  

  M -  Ì;M>E
       
Æ· 
-
ªÆ        -   J -  Æ M
 J  _    ÆJ

` ªMÆ·¬- #      
Na prática  ¬ -  ª      
"Ï M          BL:
 ª
  '!E?9=E+J2E    «  ¬E  - =9 Ï %E1.#6=
?R 
ʠ B>hJ 7%)M

<e=_@;:
`   - !   ª   -  J
 :9:?J
           ·   
'!E?9=E+&MÌ?RM 
  M     
ª
:e=:_@;A
`         ª     M   
  :;;9J·¬-     @JBL:     #4    J - 
 M -         · $  
Æ·ÿ ª ª  M ÿ     Æ -
   ª
J ?J=L:M· M    Æ
:?Ì-    J - å     · 
  >:=
M    %- Ï  ÿ   
  
·  ª - E16=7%)<9J Æ·J

34 "%!" N' !VTU]


Jogo Rápido
INVERTA OS HORÁRIOS DE PESCA
Com a chegada da época mais fria do
ano, alguns predadores, como a traíra,
mudam seus hábitos comportamentais
HGHDOLPHQWD¾RƪFDQGRPDLVOHQWRVH
com menos atividade ao longo do dia.
Os horários de sol mais forte e
intenso podem trazer um melhor
resultado, invertendo um pouco aquela
lógica, de que pescar pela manhã bem
FHGRHQRƪQDOGHWDUGHRQGHVHWHP
normalmente um pico de ação.
Nessa situação é possível fazer boas
pescarias, capturando exemplares de
bom porte. Por este motivo, não deixe
de pescar nesta época.
Guilherme Monteiro

TRANSPORTE
ORGANIZADO
Nas minhas pescarias, costumo organizar o barco da seguinte
forma: utilizo o elástico usado para prender a lona de caminhão
para organizar as minhas varas.
Para isso, passo o cabo envolta dos caniços, por dentro do
suporte de varas e prendo com o gancho.
Além das varas, prendo da mesma forma o passaguá, remo e
outros acessórios do outro lado da embarcação.
Juninho

DUAS EM UMA
Depois da mudança nas regras para
o despacho de malas, mudei a forma
como o carrego meus equipamentos.
Antigamente levava uma mala de
roupas, outra de pesca, além do tubo de
varas. Hoje faço diferente.
Comprei uma mala maior e dentro
dela coloco uma bolsa de pesca. Ao lado
vão as roupas, calçados, uma blusa para
frio, uma bolsa estanque para guardar a
F½PHUDIRWRJU¼ƪFDHPFDVRGHFKXYDH
ainda levo uma capa de chuva.
Alexandre Dick

"% ! $N!VTU] 35


;ijh[bWZei
O Tropic Star Lodge ruma para a
ŴŸŕƼžžĭŕōÝńĭƳÝþöŕōŕÝƇĈōāĭŋĈōƇŕ
ÝŕžÝƼûĭŕōÝāŕžŴĈńÝžƇĉûōĭûÝžāĈ
ÝŸŸĈŋĈžžŕĈĽĭġġĭōġŷƍĈùƍžûÝŋŕž
ġŸÝōāĈžƇŸŕğĉƍžāÝžûŕžƇĈĭŸÝžŴÝōÝŋĈōĩÝž
Por Jum Tabata

+-,2,&-1-M!- #02-.-04#%#2şŐ-#0'!-#+
0
0#!-02#1Mť3+*'2 -0*0 -!&-1-/3# 2ť*#+ E
0 #+- 0 1'*#'0-J.-0ť+M#++#'- -1230 E
'*&Ơ#1 "# Ņ%3 # #1.3+ $-0+"-1 .#* .1E
1%#+ "- +0 .
1%#+"-+0.-0#,20#10 -!&1#! -0'1M20 ,1'2+.#' E
6#1"#.-0 2##! -+.-02+#,2-"'$#0#,!'"-1 M! .8#1"#
"#1$#0'02/3#1"#.000#1.'0 şŐ-"-+'1#6.#0'#,2#
"-1.#1! "-0#1J1 Ő--1%0 ,"#1.0#" "-0#1! -12#'0-1" 1
Ņ%31"-. ,+Ņ,-*"-"--!#,-. !Ž$'!-M+'1.0#!'1 E
+#,2#,-100#"-0#1" Ž.'Ɠ-3.'Ɠ1 7J

 ª2 1*
M- >EH?PEDJ;DELE
       - +S

T· 

·  
    J&¬Ì
 ¬      -
ÆĊM $ ® M 
"   å    Ì M 
  

 å ÌJ 
M


 
  >?   ÿ M 
  ĥ 
¬ ÆĊ        Ì -

  <99    
  


J , 

 
  -  
     ª  M
  '  %  M
¬ J
$    _'%$`Må  , 
   M   -
   Ì    -  M    
EE    L 
-   M·
 ·E ª Ï -      - Piñas Bay desponta
    G   M   
ª  como grande destino


 E
MÌ «R¬
  - entre o público
 E_yello- J brasileiro em busca
FOTO: THIAGO FELZEN

ª `  Æ    " Ï  de emoções de
Ïå
ÆM      - peso na pesca de

·  å  ¬    M - arremesso costeira
  J Æ·  
   Æ·

36 "%!" N' !VTU]


jhŒf_Yei
FOTO: MARCOS HAMAMURA

"% ! $ 37
 ª  E   E
   ĥ J   · 
  ÆĊ2 1
*
  
2 
$M
     0  _.#`  E
   $ ÿ  _1!`M 
 Ï 
 · ª'%$ ¬:;
JS3 E
       TM
 Æ· M  
 Æ·.C!E
 21 JS,·Ì 
    ®  
  
  E
  ¬E  
 M
 TJ
" ME ·
  <:R  2  1
*

 ª
å  A  :9    E

FOTO: THIAGO FELZEN


M  M  E
® J
. ¬E   M $
         E
     


  ¬
 
J  M
   !   .¬ 
7ejeZe"'*YWf_j€[i[(,
    S5T
+
M % 3M +E cWh_d^[_heih[Y[X[hWc
&MÌ,
J
" M 
    
  jh[_dWc[djeZW[gk_f[XhWi_b[_hW
 Æ·E
>9 J-
 
      
¬  ÏE
  ·   E
 _ST` M M    
¬  ¬
J

JH;?D7C;DJE?DBE9E
#       E
å  M:=
 ·  ;?      E

    Æ·M 



   

FOTO: ANDRÉ NAGAE

   _   


 =9`M E
Æ·  ÿM    M  E
   Æ·   E
  Pontualmente às 6h30 as embarcações Bertram 31’, por onde passaram
 MJ2  mais de 300 recordes, estão à espera dos pescadores

38 "%!" N' !VTU]


FOTO: JUM TABATA
FOTO: ANDRÉ NAGAE

conceituação e prática ao mesmo dou por sua alta produtividade. Tive mostrar aos capitães o estilo bra-
tempo, com sessões de tira-dúvi- a satisfação de explicar a um mate sileiro de posicionar o barco para
das a bordo ou no retorno à base. os pontos básicos do slow jigging e a “passada” do jig, considerando
O tema uso do equipamento foi 
  
  ÏE ª
M  a ação conjunta de vento e cor-
ao mesmo tempo aula e diversão essa técnica, uma bela pescada sob renteza. Aproximar-se do cabeço
para a tripulação, que em condi- aplausos dos demais tripulantes. rodeando-o ao invés de passar por
ções normais de trabalho pesca so- “Percebi que não se pode ter pressa  Mª

mente para obter iscas vivas para para trazer o peixe com esse equi- chartplotter de modo a deixar visí-
  J +   ª¬   pamento e também forçá-lo, já que vel a rota do barco – e, consequen-
treinamento era fundamental que Ì åTM ª temente, o histórico das passadas
pescassem com materiais e técni- briga. Lição assimilada. – foi novidade para muitos dos ca-
cas tão diversos quanto possível, O mítico parcel Zane Grey Reef, pitães, e outro importante conheci-
com o intuito de sentirem na pele as hoje também conhecido como mento técnico absorvido por eles.
necessidades dos clientes ao longo Piñas Reef, foi o principal palco das
de um dia. “Em um lodge desse pa- lições de jigging. A sólida e relativa- H;L;D:E9ED9;?JEI
drão, estar de prontidão não basta, mente pequena formação rochosa Ao longo dos quatro primeiros
é preciso antever a necessidade do se eleva abruptamente da lama, na dias, embora o foco estivesse no trei-
pescador antes que ele peça auxí- casa dos 110 metros, em direção a namento das tripulações do Tropic
lio”, enfatizou Thiago. três cabeços principais entre os 40 Star Lodge, nossa equipe teve opor-
Homens do mar natos, capitães e e 50 metros de profundidade. Em tunidade de arremessar suas iscas e
mates levaram pouco tempo para, seu entorno e nos vales formados vivenciar a pesca nesse paraíso, ten-
no papel de pescadores, entrarem entre os cabeços, a vida marinha do ainda como prêmio dois dias ex-
no ritmo de cada modalidade. Se o se reúne, às vezes em quantidades tras de pesca na condição de clien-
popping já era em certa medida co- assustadoras, rendendo grandes tes, os chamados “fun days”. Mas
nhecido entre eles, as técnicas de pescarias e histórias. Ali, Thiago a realidade é que, no geral, a ação
slow e micro jigging lhes represen- Felzen e Gustavo Uemura tomaram de grandes predadores estava um
taram um mundo novo, e que agra- as rédeas das embarcações para pouco aquém do esperado, fato con-

"% ! $ 39
ª   ·   
    ¬  
 ¬
 J+-
M-
  Ì _ å    `M
J1åM-
M Æ·-
M  å   -
  å  J#
Ìåÿ Ì 

  ÆJ
S  T å 
 E    å-
 J.ÌM· 
M 

  A9

M  ¬    
ÆĊJ/
Ì,
M

FOTO: THIAGO FELZEN


     :9   ;;
 G
 ĥ
  ¬
 G  
M

7Z_lersificW‚€ejƒYd_YW\e_h[Yecf[diWZW}WbjkhWYec
]hWdZ[lWh_[ZWZ[Z[[ifƒY_[i[ifehj_lWiZeFacífice
M - A9:99J-      
    
 _ ÿ
      ā J .åªM-
 
Ï`J$   
 ! %MÌ    
 ;9- ·.¬M -  -
    !>999   
 J J 4    
  <9 å>9 ª   Ì   ·M
:9;>

M      -   M Ì ,
   M -
·    Æ· Ì  ÌÌ   -    
?9A9M 
Æ·    


  - Ì J.Mÿ 
 A999M  ?9å  J ,  ·  ÆĊ   -
       ÆM 

  ·J
   å    
    

M
  ¬    -
J(¬


  M-
  ÆĊ   8
% 0 M  $ 
 
J
-     -
 ¬Ì

   
     
FOTO: MARCOS HAMAMURA


  ¬ -
Ċ   M   -
    J Ì
   M    
 M

40 "%!" N' !VTU]


Thiago Felzen e um grande M  
  -
pitangola pego no jig å 
M·Ì-
       
Ì    
åª J
 _ª`M-
E
_M· 9B7II;777
.åª   E« `  +E ª  · -
 Ì  M      
 S
- .C! 2 1
T    - *
M ¬ M
5J Ì  
&MM      J -
    M -   Æ  Æ· -
E    ® -          
 L!-    E M
  1 M  
  :=     Æ·   
     Æ·   
 - 
  -
 
E        ¬ 
 M  Ì
M    %&_å 
J!ÆĊ 
`
    å M    
 M ¬ ± 
FOTO: ALEXANDRE MATSUNAGA

  ÆJ! M 


  
ÌM M   -    J 2   -
E
 Ì_- Ì
M -
-  Æ·
`   Æ· G
¬    R¬
J. Æ·
-

"% ! $ 41
ca de 14 horas para chegar desde a sultado. A linha correu, Hamamura
Cidade do Panamá.
Se por um lado é necessário ma-
ª
      
berrou. Adrenalina a mil, mas após
?cfh[ii[i
drugar todos os dias, já que o café é
rigorosamente servido a partir das
vários minutos de briga, o que su-
biu foi uma enorme raia... Aliás, o
ZW[gk_f[
6h, a jornada de pesca também ter- ª   
M   &RQƪUDRVSRQWRVDOWRVGDYLDJHP
mina antecipadamente, por volta desejo de 10 entre 10 pescadores SDUDFDGDXPGRVLQWHJUDQWHV
de 16h. Um pouco cedo para quem de mar, foi o responsável por deixar GRWLPHTXHSDUWLFLSRXGR
gostaria de aproveitar o dia até o nos membros do time o gostinho de WUHLQDPHQWRHGDSHVFDULDHP
ªM̬  quero-mais-Panamá. 3LÌDV%D\
tripulação está na ativa desde às 4h Nos dias de pesca embarcada, o
e precisa descansar, além de deixar ¬      - Thiago Felzen
tudo preparado para o dia seguinte gante crista ao perseguir, como “Introduzir conhecimentos novos
antes de retornar, de barco, para o uma serpente enfurecida, as iscas em tripulações tão experientes
vilarejo em que vive. Com o sol ain- de alguns dos nossos até debaixo na pesca de peixes-de-bico foi
ªÌM - do barco. uma difícil tarefa, mas acredito
mar um banho de piscina compar- Sabemos que em um futuro re- que conseguimos, foi incrível
tilhando as histórias do dia com os torno, estaremos, tanto nós quanto a melhora ao longo dos dias.
amigos é praticamente irresistível. as equipes de bordo do Tropic Star Só tenho a agradecer ao time
TXHWRSRXHVVHGHVDƪRHPH
acompanhou.”
Captura mais marcante:
“um xaréu-azul pego com jig
head e linha de 20 lb. O peixe
pegou na segunda jogada e
deu uma porrada monstra no
camarão, logo fritando meu
molinete. Senti uma pedra e a
linha afrouxou rápido, pensei
que o havia perdido. Comecei
a recolher rápido e senti que
estava na linha. Felicidade total,
depois de 5 minutos subiu um
OLQGREOXHƪQWUHYDOO\q
FOTO:  ,Ê 

FOTO: MARCOS HAMAMURA


O requinte do salão interno, decorado com obras originais do artista
Guy Harvey feitas especialmente para o lodge

Ainda assim, há quem não con- Lodge, mais preparados para os de-
siga encerrar o dia sem dar aquela ª     
pescadinha. Markinhos Hamamura ser encontrados nas águas de Piñas {
e André Nagae bateram ponto todas Bay. Percebemos uma nítida evolu- Gustavo Uemura
as tardes, e mesmo em algumas noi- ção na forma de guiar dos capitães “Fiquei impressionado com a
tes, no píer de atracação do lodge. A e mates em relação ao primeiro dia logística do lodge. Mesmo bem
brincadeira rolou solta com robalos, de treinamento, o que nos deixou longe da cidade, em região
ÌÌ 
Ċ_
ª- ª    
    inóspita, eles conseguem
 `M̪
 Ì- na direção certa para atender às propiciar não só conforto, como
ria os deixou de cabelo em pé. Um exigências do pescador esportivo também luxo e uma gastronomia

 ª         åJªMª - rica em sabores, sempre em


imediações, e um pedaço de peixe Ï 
 M pratos lindamente montados. Em
arremessado em sua direção (nas e cada minuto é valioso na busca por minha opinião, o potencial para a
 ª   ·  Æ·`  - um grande troféu longe de casa.

42 "%!" N' !VTU]


ELFRDXPDLQƪQLGDGHGHSHL[HV
esportivos como atuns, dourados,
FDUDQKDVURRVWHUƪVKHVWDUSRQVH
robalos.”

FOTO: KEISHMER HERMOSO


Captura mais marcante: “minha
maior satisfação pessoal foi
pegar o EOXHƪQWUHYDOO\. Apesar
do exemplar não ter sido dos
maiores, eu tinha uma expectativa
pessoal muito grande em
pesca de arremesso é o maior, com conhecer essa espécie por sua
muitos pontos a serem batidos em fama de brigadora e, mais ainda,
uma semana de pesca e a chance pela lindíssima coloração azul de

FOTO: JUM TABATA


de trombar com enormes peixes.” suas nadadeiras.”
Captura mais marcante: “uma
cubera pega com popper em Alexandre “Waka” Matsunaga
uma região de praia com muitas “O que mais marcou nessa
pedras. Arremessei cerca de 50 H[SHULÅQFLDIRLRIDWRGHSHVFDU começando pelo ‘wake up call’
metros e o peixe entrou logo nas em um local que guarda tantas na forma de uma caneca de
primeiras ‘popadas’, por muita histórias do nosso esporte. café quente servida na porta do
sorte consegui rebocá-lo para fora Grandes nomes passaram por lá quarto para despertarmos. Tudo
da zona de perigo. O líder de 1,8 m em mais de cinco décadas, me é pensado nos mínimos detalhes
trançado com náilon de 60 lb fez sinto um grande privilegiado por para o pescador.”
toda a diferença. Veio todo ralado, ter estado ali.” Captura mais marcante: “eu
PRVWUDQGRVXDHƪFLÅQFLDFRQWUDD estava mais interessado em
abrasão nas rochas.” DGTXLULUQRYDVnƪJXULQKDVoSDUD
meu álbum de pesca, mas fui
Marcos Hamamura surpreendido por essa enorme
“O Tropic Star Lodge surpreendeu FDUDQKD pega com equipamento
na atenção com os detalhes. extremamente leve para o seu
Desde o receptivo até o dia a WDPDQKR2SHL[HIRLƪVJDGR
dia na pousada, tudo é pensado ao lado de grandes cabeças de
para que o pescador se preocupe pedras, consegui conduzi-lo para
somente com a pescaria e em fora da estrutura por milagre,
FOTO: JUM TABATA

desfrutar de sua infraestrutura forçando o equipamento no seu


após o retorno. A diversidade de limite e tendo a sorte da isca ter
peixes da região chama a atenção, se acomodado na boca do peixe
desde os famosos peixes-de- de tal maneira que não atingisse
Captura mais marcante: “um o líder.”
‘SDUJRURTXHUR’ capturado com
material leve – vara de 6’8” com SERVIÇO
SRWÅQFLDHTXLYDOHQWHDOEOLQKD Tropic Star Lodge
PE 2, líder de 30 lb e jig head com Disponibilidade, tarifas, fotos
FDPDU¾R{VRIWWUDEDOKDGRFRP e informações atualizadas de
a mesma técnica utilizada para pesca podem ser obtidas no site
o robalo em águas brasileiras. tropicstar.com. Consultas
Marcou também porque me pelo e-mail reservations@
lembrou um programa Pesca e tropicstar.com.
Companhia gravado há muitos
anos no Panamá.” AGRADECIMENTOS
FOTO: 1-/6"Ê1 1,

Ursula Marais, Richard White e


André Nagae Alice Guedes (Tropic Star Lodge)
“Alta gastronomia, conforto Slow Down Jigging Store
e atendimento excepcional, Team Porro Porro

"% ! $ 43
RIO TOMO
UMA PESCARIA COM FLY
NA SELVA COLOMBIANA
44 "%!" N' !VTU]
Aventura
mosqueira
em águas da
Orinoquia
Colombiana
Texto: Kelven Lopes
Fotos: Kelven Lopes e Ricardo Canalli

O
Rio Tomo está ligado à partamento de Vichada. OS TUCUNARÉS
  
¬ª  0  Um dos rios de grande relevân- O Tomo, apresenta três espécies
Orinoco, a terceira maior cia biológica, devido ao fato que de tucunarés, o tucunaré-açu (Ci-
em volume de água da mais de 40% de sua drenagem chla temensis), na Colômbia é co-
América do Sul, que co- percorrem em uma importante nhecido como pavon real, quando
bre uma área hídrica de área protegida o “Parque Nacional está com padrão de coloração de
mais de 950 mil km² e divide gran- El Tuparro”. açu com as faixas transversais bem
de parte dos territórios colombiano Outro grande destaque desse rio, ª M   E  ·
e venezuelano. ª
- de coloração paca. O tucunaré-
Este rio se destaca entre os outros rés-açu, que habitam suas águas -borboleta (Cichla orinocensis) na
tributários da margem esquerda do claras, já relatava o experiente Colômbia recebe o nome de pavon
Orinoco. Suas nascentes, estão loca- escritor Stephen Orndorf em seu estrella ou pavon mariposo. Essas
lizadas no Departamento de Meta, livro de experiências de pesca es- duas espécies, são bem conhecidas
contudo, a maior porção de seus portiva “Jungle Fishing Misadven- de nós brasileiros, por apresentar
mais de 600 km, encontra-se no De- tures 1974-2012”. ocorrência em águas tupiniquins.

"% ! $ 45
 M  
  J
&      -
  

»
 M
 M
 ME
-
     å 


J

O DESAFIO
 
Ï-
Ì    -
       
.ªMCichla intermediaM- å  
    M 0  !-
ÌMÌĥ Ì  Æ·ÌM  M       
Ì  ·  - Æ·- #3J
¬
  J M M  - ÿ M¬  M!-
O Cichla intemedia   Ì -    M    ª J4Ï-
     -         
 Ì-
ÌE_-    M å  EÆ    0  2^
         ±  ÌJ .ÌM  Ì  # M
 Æ    -        
  
  L
    
`        1¬Ìå
-
 Ï    J  Æ  ^ M  

     -         

 !  J " 
M    - 
ªM
Ì Ì -
· M  Æ·     J
M  ª   
  -    E- .       
;M><
J M    -  JJJ¬ ªJ
.   ·  Æ· «M .ÌM    0 M 

46 "%!" N' !VTU]


     ªJ .- O Cichla intemedia
   ± ÆM   ganhou o apelido
       ĥ - dos brasileiros
Ì Ì  de tucunaré-
· åJ. eletro, devido
 M  ª    Ci- a semelhança
chla intermedia _ÌE`  com um exame

    å- cardiovascular
     :> Ì- electrocardiograma
   Ì   
 Ï MÌ
 ¬ M


Æ;9
  -
 J
ā J 3     · - 0    
AUMENTA O DESAFIO     2M  
 H-
!          
             -
ªJ0 M LÏ    - E J!
¬       Æ·0  -  ª    Ì-
       S - 
J E M ±¬

 T ^1ÿ- ,      ·M 
-   
·å 
 M    ·    Æ·  å    S -
S  ϬTJ   M   ª   ¬ ¬- TJ # å     
-     -    
   
J
    M  ¬   « .ÌM
 M--
Ì  
  +å  !- Æ·J 
-
ÌE-

NO RIO TOMO O PESCADOR


   J
2 -M
    «-

ENCONTRA O TUCUNARÉ-AÇU,

  M
    Æ    

O BORBOLETA E O “ELETRO”
 M
å 
 ª    -

"% ! $ 47
Para enfrentar os tucunas colombianos, o autor utilizou
dois cojuntos: um de numeração 8 e outro 9

rés-royais, por outro feliz em saber co a estação da seca (melhor épo- À NOITE
que os pacas estavam ativos. ca para pescar tucunarés) inicia No encontro dos pescadores, co-
Começo a confecção dos leaders,  ª  M - mentários que tinham capturado
de dois conjuntos distintos, um de do-se até a segunda semana de um tucunaré de coloração diferente,
número 8, com linha intermedia- abril. Por se tratar de um rio de vejo as fotos e para minha surpresa
 M   BM     «J  ª M    era realmente o royal, pergunto ao
3  «     ÿ    grupo quantos pescadores tinham
linhas intermediates com estre- 2M«M- capturado aquele tipo de tucunaré,
M    «  so Gavilan, principalmente nas a resposta: todos os pescadores do
mais pesado que a água e afundar ressacas. Assim como nas lagoas grupo tinham capturado o royal ex-
melhor a mosca. e canos das lagoas. ceto meu parceiro de barco e eu.
 ª
Æ·  M  Já nos primeiros minutos de na- Um médico que estava no gru-
    ¬  ª   vegação, tenho a impressão de es- po comenta que estava enjoado de
oito pés (2,4 m) de comprimento, tar em algum rio do sul da Amazô- pescar o tucunaré em questão, que
com dois tramos 60% de 60 lb e nia Brasileira, devido suas praias segundo ele parecia um resultado
40% de 50 lb. exuberantes e pela coloração clara de exame de eletro cardiograma,
Em outro conjunto, com as linhas das águas.  åª 
«M       No meio da manhã, Ricardo já eletro para o royal.
aproximadamente sete pés (2,1 m) encontrou o primeiro grande açu, - ·-
¬ _«`ÿ não era de 20 lb libras, mas andava co se passando e, nada de capturar
de 60 lb, o qual irá ser usado para as ÿ J3  Mª 
moscas de superfície. padrão de coloração típico dos açus e, potencializando mais ainda nas
-  J conversas durante o jantar com os
A PESCARIA Seguimos pescando e vários ou- outros pescadores, que comenta-
#ª  
·- tros exemplares de bom porte foram vam várias capturas dos eletros.
nhado primeiro dia de pesca.... capturados exatamente como o guia Mesmo orientados para pegar gran-
,  
¬ª- - -   J  Æ 
   ª-

48 "%!" N' !VTU]


A TEMPORADA
COMEÇA EM
DEZEMBRO
E VAI ATÉ ABRIL
ciais de helíces e zaras capturavam  ¬      J +- lan. Coloco um streamer branco
os eletros que para eles não eram taneamente esquecera do eletro. AM
  -
bem-vindos. 
M ̬M
ª  M QUINTO DIA -
 LSM
ª_`¬ -  
 ¬ ·  Ì 
M Ì  ü
motivo de chacota e brincadeiras no mais faziam brincadeiras comigo. TJ
grupo de pescadores. Na manhã do ¬ M¬   Após o anúncio do Osvaldo em
    M   J· mim pairou a mesma sensação
  ¬ ¬    que estivesse capturado um tucu-
a minha causa. O quarto dia de pes- Ì
M  Ì ;9J
  ÿ M Ì meio de pesca. Depois de alguns segundos con-
   :; M    ÿ - Osvaldo comenta sobre um ponto     ¬    
;9 ª¬ de pesca que outrora tinha captura- ·M      Æ· M
história. Deste momento em diante 
¬J naquele momento me vêm ao pen-
 ª   0    
M  · M·


Ì- 
 0 % - sonhado fechamento da captura das
:>Ì M
 Jª
dia comemoro a captura igualmente

ª!+J
No último dia capturei ainda mais
Ì -
   M0 Ì-
endido por uma grande pirapitinga
de tirar o fôlego.
-0 2Ì 
  J Ņ
 M Ì 
  J  Ì   -
 Ì  
Ì      -
M          
   Ì   -
Ì  ·  
Amazônia brasileira.

"% ! $ 49
DINOSSA
O VERDADEIRO PARQUE DOS

 PESCA & COMPANHIA / AGOSTO 2018


UROS
No Rio Braço Norte,
encontramos uma grande
área alagada, com vários
tipos de estruturas que
se transformaram em um
verdadeiro paraíso para
os trairões, animal de
aparência pré-histórica.
"ŕōƼŸÝÝÝƣĈōƇƍŸÝāĈōŕžžÝ
equipe em busca desses
vorazes predadores
Por Alex Koike Fotos: Roberto Conti

A
migo pescador, você já pensou
qual é a sua motivação para
pescar? Lugares novos? Possi-
    ª
    -
xes ou exemplares de grande
porte? Para muitos, a maior
delas se resume às capturas.
Na minha última viagem, fui até a re-
gião da Serra do Cachimbo (MT) pescar
0  Æ,MÌ«
Rio Teles Pires e hoje vigiado e contro-
lado pela Força Aérea Brasileira. A ideia
ª
 ĊM Ï-
cia pré-histórica e cara de mau, que não
  ÆĊ  ¬   
»
J
Parti de São Paulo junto com o compa-
nheiro de revista, Roberto Conti. Saímos
de São Paulo e fomos de avião até Cuia-
bá (MT), onde faríamos uma conexão.
Nesse aeroporto, conhecemos a dupla
de manauaras, Rafael Bertazzo e Thiago
Leiria, que também se hospedariam no
Rancho Serra do Cachimbo.
De lá, seguimos em outro avião para
Sinop, onde Renê Alves, proprietário da
pousada, nos aguardava para levar até
ª;B9M
três horas e meia feitas em estradas em
   ÆĊ
Chegamos ao rancho e a primeira
impressão foi a melhor possível. Ele foi
construído em frente ao rio, mesclando
alvenaria com madeira, dando um to-
que rústico, mas bastante aconchegante.
Tanto os quartos, quanto o salão, usado

REVISTAPESCAECOMPANHIA.COM.BR 
Imagem feita em frente à
Ck_jWif[iieWiW_dZWfeiik[cb_]W‚[i\ehj[iYecei pousada. Basta o pescador
entrar no barco que já
h_ei[cWh[i"c[iceW]ehWdeiƒYkbe(' tem milhares de pontos e
estruturas para explorar

para refeições e área de convivên- ação muito sutil, mas, de repente, a mente todo corpo esticado para fora
cia, são amplos e possuem o pé di-  ª  Æ    J da água. Impressionante!
reito alto, recebendo confortavel- " ª
M
 - Conforme o tempo passou, a
mente grupos de até oito pessoas. va um pouco solto. O peixe deu uma névoa foi se dissipando. Junto, a
Outro detalhe que chamou a corrida lateral, tomou um pouco de claridade aumentou, assim como
atenção foi o fato de ter poucos da- linha e saltou, cuspindo a isca para o nosso campo visual. Dessa for-
queles mosquitos que picam e in- longe – a pescaria começava de for- ma conseguimos perceber niti-
comodam, tão comum no Teles Pi- ma bastante promissora. damente que estávamos dentro
res. É possível pescar o dia inteiro Nesse primeiro contato, tive mais de um labirinto verde, formado
 J1ÿª de uma dúzia de ataques na super-   
Æ·«
do dia a presença desses insetos fície, sendo que um foi de um exem- muitas árvores mortas, decorren-
incomodavam, mas nada que um plar muito bom, com cerca de 10 kg. tes da inundação da área para a
bom repelente não resolvesse. Na investida à isca, o peixe saltou formação da Usina de Braço Nor-
  ª   - te - o lago formado há mais de dez
PRIMEIRO DIA
A pescaria foi marcada pela chega-
da de uma frente fria na região. Se-
gundo Renê, o dia amanheceu mais
frio que o normal e com uma forte
névoa. Da plataforma de madeira
onde estavam as embarcações, saí-
mos calmamente de motor elétrico,
adentrando aquela cortina de fuma-
ça. Não navegamos mais que três
minutos para o primeiro arremesso.
Esse primeiro lançamento foi
despretensioso, para não dizer até
desleixado. Fiz para esticar a linha,
 ª  J.ÌM  
a isca cair na água e nadar por meio
metro até um bico de vegetação para
um trairão seguir o plug. Foi uma

 PESCA & COMPANHIA / AGOSTO 2018


2VDPLJRV5DIDHO DFLPD H7KLDJR DRODGR ƭVJDUDP
JUDQGHVH[HPSODUHVFRPLVFDVGHVXSHUIÉFLH$VVRIWVGHD
SROHJDGDVQR7H[DVULJFRPSHVRGHJHFHUFDGHFPGH
FDERGHDÃRUHQGHUDPPXLWDVƭVJDGDV

M ĊJ meia até conseguirmos as primei- o fundo para iniciar seu movimen-
Por causa das ações e do bate ras ações. Foi quando passamos a to. Em seguida, erguia a ponta da
M
 
 
  ª     - vara para depois deixar a chatter-
   ¬
 J bait afundar de novo. Esse processo
  ÆL  ,  Æ·   ª deve ser repetido até chegar perto
M  ·M - para a chatterbait, que é um “rub- do barco - é importante fazer dessa
 J#
- 
® TM  forma porque muitas vezes o peixe
te desfrutava da refeição, uma forte  ÆĊ   M  atacava embaixo da embarcação.
chuva fora de época começou a cair. predador escondido na densa vege- Seguindo esse padrão consegui-
Fazia mais de 40 dias que não pin- Æ·M Ì       -   ÆĊ Ì  ª   M
gava uma gota na região.     J        -
 Æ zar as iscas de superfície.
ANSIOSOS PELO SEGUNDO TEMPO  
Æ· 
A chuva intensa demorou para necessitava de um pouco de paciên- VARIAÇÃO TÁTICA
M       Æ· J ,   
 M -
pescaria. Saímos da pousada por #  -  J*
ª-
  :?       M  - ¬

  ¬ J 
Æ·S* $TM superfície por causa de uma ob-
Demorou cerca de uma hora e   ª  servação interessante que o Renê

REVISTAPESCAECOMPANHIA.COM.BR 
KcY[d|h_eck_jeXed_je"[cgk[YWZWYWdje
feZ[WXh_]WhYWhZkc[iZelehWpjhW_h€e
fez. Segundo o experiente pesca- Os pescadores
dor, o trairão ataca melhor essas alternavam as
iscas nesses períodos porque a DUWLƭFLDLVVHQGR
condição de luz favorece sua visão. que no começo e
O predador enxerga melhor e se QRƭQDOGRGLDRV
sente mais à vontade para investir plugs de superfície
de forma mais violenta e certeira dominavam. Quando
nessa situação. o sol estava mais
(¬Mª   forte entravam em
e intenso, momento em que o peixe ação o chatterbait e
procurava uma sombra, empregá- RVSLQQHUEDLWPDLV
vamos as técnicas de fundo. as softs
Além da chattebait, outra isca in-
teressante é o spinnerbait, que tam-
bém produz uma vibração - menos
intensa que a da chatter - e um bri-
lho maior. Essa isca funcionou tão
bem que Renê pegou um dos maio-
res peixes dessa semana com um
modelo de cor vermelha.

TRADICIONAL TEXAS RIG


Além dessas duas opções, o pes-
cador ainda pode utilizar as softs.
Falar dessa técnica requer um tó-
pico à parte, pois trata-se de uma
forma fascinante de pescar, que
em certo momento lembra até a da
pesca com isca natural. Isso por-

 PESCA & COMPANHIA / AGOSTO 2018


QUANTO MAIS DIFERENTE MELHOR
Deixei para falar mais dos plugs ;gk_fWc[djei
  å   ª  ·
      Utilizei varas mais longas que o
maiores emoções. Nessa viagem, normalmente usado pelos pescadores
em vez de usar predominantemen- no Brasil. Preferi esses modelos
     M  porque além de conseguir arremessos
por novidades. mais longos, conseguiria ter uma
Experimentei a wakebait, noisy vantagem nas fisgadas e ainda
e uma hélice bem diferente, todas trabalharia melhor o peixe.
funcionam muito bem para as tra- Para as iscas de superfície usei a
íras no sul e no sudeste. No geral, Day´s da Major Craft de 6’6” e 12 a
 ª  ·  OEFRPFDUUHWLOKDGHSHUƭOEDL[R
recolhimento contínuo e deixam com velocidade de 6.3:1, porque a
M  M- maioria das iscas era trabalhada com
Æ·J# recolhimento contínuo, em que o
Æ·       HVIRUÃRƭFDSRUFRQWDGHVVHPDWHULDO
Æ·MM Ì Æ- Com a chatterbait e o spinnerbait
do a investir contra a isca primeiro, empreguei uma Benkei da Major craft
pois ali estava uma oportunidade de 6’ indicada para linhas de 10 a 20 lb. A
de alimento fácil sem gastar muita FDUUHWLOKDWDPEÅPIRLGHSHUƭOEDL[RFRP

M  velocidade de 6.3:1 pelo mesmo motivo
Ì ·J citado acima.
3  ª     - Já para o Texas Rig utilizei a Speed
presos foi a Mega pompadour da Style da Major Craft de 6’2” e 14 a 30 lb. É
(J -  ·   M importante usar uma vara mais potente
de ação rápida para conseguir boas
ƭVJDGDV$TXLDFDUUHWLOKDWLQKDXPD
Chop Cut velocidade de 7.1:1, necessária para
tirar o excesso de linha rapidamente
 Ï     ª- HH[HFXWDURPRYLPHQWRGHƭVJDU

MJ
 Em todos conjuntos foi usada a
 Æ·  Mega Pompadour linha G Soul WX8 de 55 lb, com líder
 Æ· J GHƯXRUFDUERQR$EVRUEHUGH
Por trabalhar no meio de mui- lb, ambas da marca japonesa YGK.
 
Æ·       Também foi usado cerca de 30 cm de

20
M- Cuprap encastoado de aço revestido de 40 lb.
ª  (QWUHDVDUWLƭFLDLVDVPHOKRUHV
da isca, evitando de se prender em de superfície foram Cuprap,
J.  Chop Cut, Pompadour e Mega
a linha fosse cortada, montei ele Pompadour - todas da Jackall -,
num pedaço de cabo de aço com vem para matar. Esse comporta- mais a Control Minnow 120 e a Top Two
cerca de 25 a 30 cm.       da OCL. Também foi usada a bigbait
O trabalho foi igual ao “Lift and tamanho da isca, talvez o bicho a Ponytail também da Jackall, que tem
Fall” usado para chatterbait, po-   Ì    uma barbela mais longa.
ÌM  Ì Ì J "      M  Uma dica para quem quer evitar
seduzir os peixes mais manhosos, bicho chacoalha a cabeça de forma perder muitas iscas pelos furos
   Æ·    M M- provocados pelas dentadas dos trairões,
natural e lenta. ·  as iscas de madeira são uma boa opção.
3  - perder a comida. A chatterbait e o spinnerbait da
Æ·  M  Deconto de 14 e 20 g. Já as softs que
tirados alguns peixes do ponto BOM POR UM LADO, RUIM POR OUTRO renderam mais ações foram o shad Swing
com a chatterbait, bastava pas- Nessa pescaria, as ações nas iscas Impact, a criatura Crazy Flapper e o Tube
  de superfície aconteceram mais no Salty Core - todas da Keitech - montadas
aconteciam, aumentando ainda ª Mª- no Texas Rig de 10 g.
  ·J mar e até para fotografar.

REVISTAPESCAECOMPANHIA.COM.BR
Uma das poucas vantagens desse
momento é a do peixe caçar em lu-
gares rasos e abertos, diminuindo
as chances de lançar o plug direto
no enrosco. Uma prova disso foi um
ataque espetacular num local sem
estruturas aparentes por perto. Um
peixinho começou a pular fora da
água, tentando escapar das mordi-
das, mas o trairão não quis saber e
abocanhou a presa ainda no ar.
Ainda por um capricho da natu-
reza, o último peixe da viagem foi o
maior, quase que no escuro. Depois
de errar duas vezes o bote à Control
Minnow, mudei para Chop Cut por
dois motivos. Primeiro por ela na-
dar em linha reta em uma velocida-
de bem lenta, facilitando o ataque
do peixe. Segundo seria pensando
no barulho e deslocamento de água

C[ice[ckcWi[cWdWWjhWfWb^WZWfehkcW
\h[dj[\h_W[hWcYWfjkhWZeiY[hYWZ[)&f[_n[ifehZ_W
que ela faz, dessa forma o predador dou dois. Nadou três, quatro, cin- mais um pincho. Foi girar a mani-
poderia localizar a presa usando co e foi se aproximando da zona vela mais rápido, apenas uma vez,
outros sentidos também. de ataque. Nesse momento tudo para o trairão emergir numa velo-
Fiz um arremesso curto, de uns 15 Mª cidade espantosa. O predador saiu
m e assim que a isca tocou a água, er- silencioso e em câmera lenta. A com o corpo todo para fora d´água
gui a ponta da vara e comecei o reco- natureza parecia observar o desfe- e a Chop Cut na boca.
lhimento. A hélice cortava a superfí- cho daquela ação. Chegava o momento de reagir
cie da água e criava um barulho par- /   ª     à altura. Aproveitei o freio bem
ticular, similar ao de uma lambreta. da área de perigo, acelerei o reco- apertado e as tomadas de linha
 ª J,- lhimento, com a intenção de fazer  ª
ª
ª
J!
 -
sas na boca do animal, amenizei
a pressão do freio, para manter a
briga mais no fundo, desta forma
o peixe se sente mais confortável e
pula menos.
Cada vez que o trairão chegava
perto da borda do barco, ele dava
apenas uma rabada, para tomar li-
nha e retardar o embarque. Por ser
grande e forte, a única solução foi
ter paciência. Mas, o que o preda-
dor não contava era com a potência
da vara Day´s, ela minava as for-
ças do peixe e controlava as ações
quando ele tentava algum movi-
mento mais brusco.
Em um momento de distração
do peixe perto da embarcação, o


PESCA & COMPANHIA / AGOSTO 2018
9Wc_d^eZWiF[ZhWi
Para quem não é de Mato Grosso, a JUXSRVGHDWÅRLWRSHVVRDVTXHƭFDP
melhor maneira de chegar até a pousada e acomodados em quatro apartamentos
pegar um avião até a cidade de Sinop e de com ar-condicionado todos com vista
lá usar o serviço de translado da pousada. para o rio, com banheiros privativos e
Do aeroporto de Sinop até a pousada mais um lavabo em cada. Os quartos
são 290 km, sendo apenas 10 km foram construídos mesclando alvenaria e
percorridos em estrada de terra em madeira dando um toque de rusticidade.
ótimo estado, ou seja, uma viagem O salão tem churrasqueira, televisão
muito tranquila. e uma grande mesa para integrar
O Rancho Serra do Cachimbo está todos os pescadores. A comida é farta
localizado entre o Mato Grosso bem e muito saborosa.
próximo do Pará, perto de algumas
reservas ecológicas como o Parque Contato:
Estadual do Cristalino, Parque Nacional Site: www.
do Xingú e faz divisa com a Reserva da ranchoserradocachimbo.com.br
Base Aérea de Cachimbo onde nasce o E-mail: vendas@
Rio Braço Norte. ranchoserradocachimbo.com.br
$SRXVDGDWHPZLƭHUHFHEH Telefone: (66) 99628-3231|

amigo Renê, num movimento rá-


pido prendeu o alicate de conten-
ção na mandíbula do peixe e o pas-
sou para mim.
A boca e a cabeça do troféu eram
enormes. E na hora de tirá-lo da
água, deu para perceber que se tra-
tava de um peixe bem comprido.
Sem muitos recursos, tratamos de
  M   ª-
rem as melhores possíveis.
"   
 
»M 
peixe voltou para a água e sem qual-
quer educação se despediu jogando
água em todo mundo.

DE ALMA LAVADA
Mesmo molhado, mas um sorriso
de orelha a orelha, chegava a hora
de voltar para a pousada.
Na volta, o céu estrelado ilumina-
va o caminho sobre as águas, tor-
nando a volta muito mais agradável.
#«-
xão, pensando exatamente na fra-
  å   
M ª-
cou nítido que fazer boas capturas
é apenas um detalhe, importante
por sinal, mas aprender, se diver-
tir, fazer novos amigos e principal-
mente desfrutar desses momen-
tos divinos que só a natureza pode
proporcionar é o que mais valem a
pena numa pescaria.

REVISTAPESCAECOMPANHIA.COM.BR
E
m setembro de 2018 combi-
namos uma pescaria na Re-
presa de Três Marias (MG),
com a dupla dinâmica do
Pesca Gerais: Otávio Vieira e
Jaida Machado. Na época o
reservatório estava enchen-
do água, estava na cota 32.
Passados seis meses, em março
deste ano, lá estávamos, conforme
o combinado. Mesmo preocupados
com o ocorrido em Brumadinho (MG)
e com a possibilidade da chegada de
resíduos referentes ao rompimento
da barragem, íamos animados, espe-
cialmente por uma boa notícia. Es-
trearíamos o novo barco da Machado
Pesca Esportiva, muito bem montado
e equipado.
Constatamos que a represa continu-
ava subir e estava sem registro de con-
taminação na foz do Rio Paraopeba que
foi muito afetado com o rompimento da
barragem.
A cota estava em 72 e segundo infor-
mações da Secretaria de Meio Ambien-
te o intuito era chegar a 85.
Havia um espelho d´água enorme e
com muitos tucunarés. Nós estávamos
atrás dos 60 up (exemplares de 60 cm
para cima), que fazem a fama do local.
Não seria fácil de achá-los, pois eles
estavam se mexendo muito pouco. É
quase que unânime, por parte dos es-
tudiosos, que quando um local está ga-
nhando água (ou seja, na enchente) o
peixe pouco se movimenta. E quando
se trata de espécie residente, como os
tucunas, a estabilidade do sistema é
importante para a atividade do peixe.

ONDE PROCURAR O PEIXE


Com esse cenário, já sabíamos que
os grandes estariam em locais pro-
fundos e próximos de estruturas, ago-
 J '  ª 
chance de embarcá-los.
Peixes entre 30 e 40 cm estavam
sendo pegos e embarcados em boa
quantidade. Eles estavam agrupados
no entorno de grandes áreas de vege-
tação submersa e principalmente no
entardecer se atreviam a caçar mais
próximo da margem, mas não exata-
mente encostados. Mais próximos à

 ª   åM

58 "%!" N' !VTU]


COM MUITA
ÁGUA
Desbravamos a famosa represa de Três Marias,
em Minas Gerais, em condições nada
favoráveis e revelamos estratégias para
encontrar os vorazes tucunarés
Por Pepe Mélega

"% ! $ 59
que já procuram novos territórios
para dominarem.
. ª    
  ª    -
tiva, com bons amarelos e alguns
  J
Por duas oportunidades acredito
que estivemos com um possível 60

J3 -
plo da isca que eu estava testando e
outro se soltou depois de dar uma
corrida forte com o Machado. Dei-
xávamos o lago com o gosto amar-
go de não ter o objetivo atingido,
mas muito satisfeitos pela boa pes-
 ªJ
"    !ª
(MG), onde eu pegaria o vôo de
volta a São Paulo, já combinamos
uma volta para uma nova tentativa
agendada para maio de 2019.

O RETORNO
Maio chegou e eu estava muito an-
NA SEGUNDA VIAGEM,
sioso, especialmente pela volta ao
reservatório que continuava a ga- A REPRESA JÁ ESTAVA COM
O NÍVEL DA ÁGUA PRÓXIMO
nhar água, já estava próximo a 82. É
muita água para quem conheceu o
lago com nível mais baixo.
, 
M 
seria testar as varas de quatro par- DO SEU MÁXIMO

60 "%!" N' !VTU]


Para trabalhar as iscas de barbela, o
autor usou uma vara Benkei de16 lb

tes da Major Craft, modelo Benkei,


que são excelentes para transportar
quando temos que pegar voos para
o destino de pesca (veja mais na
Tralha desta edição).
O tamanho do estojo tem 54 cm
de comprimento. Pode ser acon-
dicionado dentro da mala de mão,
já que a altura máxima permitida
com a nova determinação da ANAC
é de 55 cm. Eu coloquei as duas na
mala que despachei. Ambas eram

"% ! $ 61
turas foram conseguidas com o tra- dade entres as capturas, para em-
balho na meia-água e alguns plugs barcar rapidamente, algo como se
do tipo crankbait +8. Ou seja, que estivéssemos em um campeonato.
chegam até 2,5 m de profundidade. Esses treinos aconteceram nas
Em breve vou abordar o uso dessa janelas da tarde. No segundo dia,
 ª  em especial, embarquei cinco
bass, que pouco vejo uso quando o peixes (equivalente a uma cota)
foco são os tucunarés. acima de 35 cm em menos de 15
minutos – achamos um cardume
RESULTADO já que o padrão de tamanho era
'  M    - semelhante entre todos os exem-
vo novamente não foi atingido. plares embarcado.
Apesar de nossa pescaria ter sido Apesar de não ter alcançado
mais produtiva do que a de mar- o nosso objetivo estava mui-
ço/2019 na quantidade e qualida- to tranquilo. Afinal, já estamos
de dos embarques. combinando uma nova data
É frustrante, mas longe de ser para pescar por lá novamente
totalmente ruim. Foram dias de  å      -
  M- tem exemplares acima de 60 cm
turas e direito a treino de veloci- na Represa de Três Marias.

9Wc_d^eZWiF[ZhWi
Para chegar: O destino rodoviário é a cidade de Três Marias (MG), que está à margem
GRUHVHUYDWÏULR2DHURSRUWRPDLVSHUWRÅRGH&RQƭQV 0* tWRGDVFRPSDQKLDV
possuem voos regulares para lá.
Clima: Não costuma ser frio, mesmo no inverno é agradável. É difícil dizer a melhor
de 6’ de comprimento, sendo uma época, mas as informações que temos indicam que de março a novembro é o período
de resistência até 16 e outra 20 lb. mais produtivo. Obtive bons resultados em visitas nos meses de outubro e novembro.
Ao chegarmos a Três Marias, a Equipamento: Sempre um assunto pessoal. Nessa última viagem usei varas de 6’
visão do lago estava mais impres- de comprimento indicadas para linhas de 8 a 16 lb e de 12 a 20 lb para usar com
sionante. É maravilhoso de se ver. FDUUHWLOKDV8VHLDVGHSHUƭOEDL[RDEDVWHFLGDVFRPOLQKDPXOWLƭODPHQWRGHOEGH
Mas ao mesmo tempo indicava di- resistência - considero adequado, mas não descarto ter uma carretilha abastecida com
ª ±  J "  å- 40 lb de resistência - aliás recomendo, principalmente se os azulões estiverem ativos.
amos três dias de atividades para ,VFDVDUWLƭFLDLVGHDFPVHDGHTXDPEHPDUHJL¿R/HYHPRGHORVGHVXSHUIÉFLH
alcançar nosso objetivo – achar os aos de barbelas que atingem uma boa profundidade.
  ?9 - Não descarte levar isca de fundo soft. Apesar da presença da pirambeba (espécie de
dentes nesse mar de água doce. piranha), elas se mostraram produtivas em todas minhas visitas.
Não foi fácil. Ficamos três dias Vestuário: leve e de secagem rápida, capa de chuva, sendo a parte de cima
procurando os pontos onde os pei- importante para usar como corta vento ao amanhecer e entardecer. Sapato
xes se encontravam e quando acer- confortável e de secagem
távamos muitos exemplares entre rápida é recomendado.
<>  =9   M ± Boné, luvas e máscaras de

=>J proteção solar não devem
4  å     ser esquecidos.
  å  G    Importante: a água é clara
água estava um pouco mais bai- HWUDQVOÖFLGDUHƯHWHPXLWR
xa que nossa última visita (26ºC), os raios solares. Por isso,
com 22 a 23ºC. o protetor solar é super
Trabalhamos demais nossas is- recomendável e use óculos
cas, mas as ações eram poucas – escuro - dê preferência aos
acredito que aconteceu pela “pre- polarizados, pois o brilho da
guiça” dos peixes. água vai cansar seus olhos.
O resultado: mais de 85% das cap-

62 "%!" N' !VTU]


O FINAL DA
TARDE FOI
O PERÍODO
COM O MAIOR
NÚMERO
DE AÇÕES
"->--:A:/5->853A1
IUUJW\XV
\XXT

São 54 anos de serviços prestados, consolidando o conceito


de eficiência, conforto, segurança e confiabilidade.

Serviços:
Rampa para subida de embarcações até 60 pés
77 Vagas Molhadas em cais flutuante
Fornecimento de água e energia elétrica
150 vagas secas distribuídas em 11 hangares cobertos
Sala Rádio PYD Delta 41
t Portaria 24 horas t Loja de Conveniência
t Segurança Monitorada t Sala de estar
t Equipe de Apoio t American Bar
t Piscina e Churrasqueira t Wi Fi e Estacionamento

Latitude 23°30’19.3”S | Longitude 045°07’20.4”W

Centro Náutico Timoneiro


Estrada da Ribeira, 65 - Saco da Ribeira, Ubatuba - SP | Cep 11680-000
Tel.:(12) 3842-1122 | PYD - DELTA 41 |
64
www.timoneiroclub.com.br
"%!" N' !VTU]
"->--:A:/5->853A1
IUUJW\XV
\XXT

"% ! $N!VTU] 65


P ersonalidade da Pesca
NELSON BORGES,
O PATRONO DO ATADO BRASILEIRO
{ƽƪƼžĩĭōġōÝûĭŕōÝńŴĈŸāĈƍŋāŕžġŸÝōāĈžōŕŋĈžāÝŋŕāÝńĭāÝāĈ

N
elson Borges de Barros Filho, pescador sul a comprar livros e sua biblioteca pessoal teve mais de
mato-grossense, faleu no dia 2 de junho, de- 400 obras sobre o assunto.
corrente de um câncer no estômago, deixando Para aprender arremessar o pescador comprou um
um grande legado e alunos espalhados pelo  * ) G -
Brasil inteiro. mes da modalidade no mundo. Durante o dia ele estu-
ǻ 
 ,- dava e à noite ia para uma avenida famosa em Campo
son “um acidente de percurso”. Ele viu a modalidade %_+1`M
Mª -
pela primeira vez em uma revista norteamericana, a ÆJ #    ª  
Field Stream - que sempre comprava quando podia. um banco e tentava corrigi-lo.
Em uma das edições, Borges viu uma reportagem     E  ª J # ª-
em que era explicada a montagem de uma mosca cou conhecido por meio das reportagens em revistas
M     0 especializadas, sendo a
Coachman. Foi nesse primeira vez em que
momento, encantado apareceu em uma foi
com aquele processo, .C! J̘
que ele deu os primei- ̘#
ros passos no atado. mais gostava de fazer
Sem o material ade- eram as os hair bugs e
quado, ele utilizou uma os streamer para dou-
pinça hemostática, co- J̘ # Ì 
locada num plano in- algumas criações, como
clinado em pedaço de o gafanhoto inspirado
madeira. Ele prendeu num mosca chamada
o anzol e começou a Mac Salmon, só que
montar. Como não ti- com tamanho e coloca-
nha os anzois especí- ção de uma asa mais vi-
ªM  - sível. Ela proporcionava
nais e os aquecia para um resultado absurdo
endireita-los. Os ma- com as piraputangas.
teriais para atar foram , 
 -
conseguidos ao tirar ros Filho, pescador apai-

 ª    xonado, extremamente
da esposa.  M  Ì 
A partir daí, o atado apurada e um dos gran-
de mosca virou um ví- «ª 

cio, praticando quase nacional vai deixar mui-
todos os dias. Passou tas saudades.

66 "%!" N' !VTU]

Interesses relacionados