Você está na página 1de 2

VYGOTSKY APRENDIZAGEM

Para Vygotsky “o processo de desenvolvimento não coincide com o da


aprendizagem, o processo de desenvolvimento segue o da aprendizagem, que
cria a área de desenvolvimento potencial” (VYGOTSKY, 2010, P.116). Ou seja, o
aluno tem o desenvolvimento de aprendizagem a partir da interação social,
dependendo então da interação dele com os demais e também com o meio em
que está inserido.
A aprendizagem e o desenvolvimento da criança não estão paralelos e
simultâneos, existe uma dependência já que segundo ele a formação de
conceitos remete às relações entre pensamento e linguagem. A aprendizagem
interage então com o desenvolvimento, produzindo uma abertura nas zonas de
desenvolvimento proximal que é a distância entre aquilo que a criança é capaz
de fazer por si própria e o que ela é capaz de fazer com a intervenção de um
adulto. Assim entendemos que o conhecimento real é aquele que o sujeito é
capaz de aplicar sozinho, e o potencial é aquele que ele necessita do auxílio de
outros para aplicar. Vygotsky enfatiza que a construção do conhecimento como
uma interação mediada por várias relações, ou seja, o conhecimento não está
sendo visto como uma ação do sujeito sobre a realidade, e sim pela mediação
feita pelos outros sujeitos, assim a interação social e o instrumento linguístico
são decisivos para o desenvolvimento.
É possível constatar que para Vygotsky o desenvolvimento humano é
compreendido não como a decorrência de fatores isolados que faz com que
amadureçam e muito menos de fatores ambientais que agem sobre o organismo
controlando seu comportamento, mas sim como produto de trocas recíprocas,
que se estabelecem durante toda a vida, entre indivíduo e meio, cada aspecto
influindo sobre o outro. Também não nega que exista diferença entre os
indivíduos, ou seja entende que uns estejam mais predispostos a algumas
atividades do que outros, em razão do fator físico ou genético, mas, não acredita
que seja essa diferença um fator determinante para a aprendizagem. Ele rejeita
os modelos que acabam determinando características comportamentais
universais do ser humano, por exemplo, aquelas que definem o comportamento
por faixa etária, como se o indivíduo fosse um sujeito datado, concluindo que a
potencialidade para aprender não é a mesma para todas as pessoas, mas não
seria esse um impedimento para que ocorra a aprendizagem.
Portanto o professor ao mediar esta aprendizagem e estimulando o
conhecimento e incentivando o potencial do aluno se utilizando de estratégias
que façam com que o aluno se torne independente, em seu esforço pedagógico,
pode criar Zonas de Desenvolvimento Proximal (ZDP's), atuando como elemento
de intervenção, de ajuda. Afirmando que o professor atua de forma explícita,
interferindo no desenvolvimento dos alunos, provocando avanços que muitas
vezes não ocorreriam de forma espontânea. E ao fazer isso Vygotsky, resgata a
importância da escola e do papel de agente indispensável do processo de ensino
aprendizagem que tem o professor. Já que o professor pode interferir no
processo de aprendizagem do aluno e contribuir assim para a transmissão do
conhecimento acumulado historicamente pela Humanidade, reafirmando a
importância das inter-relações entre professor/aluno; aluno/aluno;
desenvolver/aprender, para a abertura de novos caminhos de aprendizagem e
desenvolvimento. Nesse sentido que as ideias de Vygotsky sobre a Educação
constituem-se em uma abordagem da transmissão cultural, tanto quanto do
desenvolvimento.