Você está na página 1de 31

Entrada e Saída

Capítulo

MEng. Tiago Wirtti


Introdução

• Componentes de Entrada/Saída (E/S) em uma placa


são responsáveis pela movimentação de informação
para dentro e para fora da placa para dispositivos de
E/S conectados a um sistema embarcado
• Componentes de E/S de uma placa podem
• trazer informação do meio externo à placa para
processador
• enviar informação de dentro da placa para dispositivos
externos, ou
• executar ambas as tarefas.

MEng. Tiago Wirtti


Introdução

• E/S em uma máquina von Neumann:

E/S é componente
essencial na arquitetura de
von Neumann, embora não
seja parte dela

O computador conceitual é
composto por CPU,
memória e barramento. Os
demais recursos são
periféricos de E/S.

MEng. Tiago Wirtti


Tipos de Dispositivos de E/S

• Os dispositivos de E/S podem ser divididos nas


seguintes categorias:
• Networking and communications I/O (the physical layer of the
OSI model)
• Input (keyboard, mouse, remote control, vocal, etc.)
• Graphics and output I/O (touch screen, CRT, printers, LEDs,
etc.)
• Storage I/O (optical disk controllers, magnetic disk controllers,
magnetic tape controllers, etc.)
• Debugging I/O (BDM1, JTAG2, serial port, parallel port, etc.)
• Real time and miscellaneous I/O (timers/counters, analog-to-
digital converters and digital-to-analog converters, key switches,
and so on)
1,2: http://www.faqs.org/docs/ldev/0130091154_272.htm
MEng. Tiago Wirtti
Hardware de Dispositivos de E/S

• Os hardware de E/S é (usualmente) composto por:


• Transmission medium, a wireless or wired medium connecting
the I/O device to the embedded board for data communication
and exchanges
• Communication port, what the transmission medium
connects to on the board or, if a wireless system, what
receives the wireless signal
• Communication interface, which manages data
communication between master CPU and I/O device or
I/O controller, and is responsible for encoding data and
decoding data to and from the logical level of an IC and
the logical level of the I/O port.

MEng. Tiago Wirtti


Hardware de Dispositivos de E/S

• ... continua:
• I/O controller, a slave processor that manages the I/O device
• I/O buses, the connection between the board I/O and
master processor
• Master processor integrated I/O.

MEng. Tiago Wirtti


Hardware de Dispositivos de E/S
• Portas e controladores:
Todo Hardware, por mais
simples que seja, possui um
circuito controlador que está
(normalmente) embutido na
placa (ex: mouse, teclado e
etc).

Controladores mais complexos


podem ser encontrados fora da O computador conceitual é
placa principal, como é composto por CPU,
usualmente o caso do memória e barramento. Os
controlador de HD. demais recursos são
dispositivos de E/S.

MEng. Tiago Wirtti


Hardware de Dispositivos de E/S
• Subsistema simples de E/S:

Subsistemas simples e embutido


na própria placa e que apenas
“avisa” que algum evento
importante ocorreu através da
ação “ACENDE/PISCA UM LED”.

MEng. Tiago Wirtti


Hardware de Dispositivos de E/S
• Subsistema complexo de E/S:

Subsistemas de vídeo podem


ser extremamente elaborados
e complexos, a ponto de
serem implementados em
placa separada da placa
principal e ter sistema de
refrigeração próprio.

MEng. Tiago Wirtti


Hardware de Dispositivos de E/S

• Embora outros fatores, como confiabilidade e capacidade


de expansão sejam importantes na elaboração de um
subsistema de E/S, o que determina principalmente os
detalhes (implementação interna ou externa à placa) por
trás de um projeto de E/S são as características da E/S
do dispositivo (sua finalidade dentro do sistema) e o
desempenho do subsistema de E/S.

MEng. Tiago Wirtti


Hardware de Dispositivos de E/S

• Do ponto de vista do software de E/S, as diferentes


categorias de E/S (comunicação de rede, depuração,
armazenamento e etc) são subgrupadas de acordo com a
forma como dos dados são manipulados e transmitidos,
podendo ser:
• E/S orientada a bloco: blocos endereçáveis de tamanho fixo
• E/S orientada a caractere: fluxo de caracteres não
endereçáveis e de tamanho variável, dependente da
arquitetura.

MEng. Tiago Wirtti


Hardware de Dispositivos de E/S

• Dentre as diferentes categorias de E/S (comunicação de


rede, depuração, armazenamento e etc), estas são
subgrupadas de acordo com a forma como dos dados
são manipulados e transmitidos.
• E/S orientada a bloco: blocos endereçáveis de tamanho fixo
• E/S orientada a caractere: fluxo de caracteres não
endereçáveis e de tamanho variável, dependente da
arquitetura.

MEng. Tiago Wirtti


Hardware de Dispositivos de E/S

• Do ponto de vista do hardware os dados podem ser


gerenciados (transmitidos e armazenados) de duas
formas distintas:
• Serial,
• Paralela, ou
• Ambas

MEng. Tiago Wirtti


E/S Serial - Transmissão

• “Data can be transmitted between two devices in one of


three directions:
• (SIMPLEX) in a one-way direction,
• (HALF-DUPLEX) in both directions but at separate times
because they share the same transmission line, and
• (FULL DUPLEX) in both directions simultaneously.”

MEng. Tiago Wirtti


E/S Serial - simplex

A transmissão ocorre apenas


em um sentido, do dispositivo
transmissor para o receptor.

MEng. Tiago Wirtti


E/S Serial – half-duplex

A transmissão ocorre em
ambos os sentidos, mas
apenas em um sentido de cada
vez.

MEng. Tiago Wirtti


E/S Serial – full-duplex

A transmissão ocorre em ambos


os sentidos, no mesmo instante.

MEng. Tiago Wirtti


E/S Serial - Transmissão

• A transmissão de dados em interfaces seriais pode ser


síncrona ou assíncrona:
• Na transmissão síncrona os dados são transmitidos em
fluxo contínuo, sem interrupções, ou em intervalos
intercalados, mas com períodos constantes, ou previamente
definidos (não aleatórios)
• Na transmissão assíncrona os dados são transmitidos em
fluxo intermitente ou irregular, em intervalos aleatórios. Não
é possível saber quando emitido

MEng. Tiago Wirtti


Transmissão Serial Assíncrona
A UART (universal asynchronous receiver-transmitter) Quando não há pacotes para
é um exemplo de interface de comunicação transmitir, o canal de comunicação
permacece em “idle state” (com valor
assíncrona 1), ou NRZ (non-return zero)

Em sistemas assíncronos o “bit rate”


(taxa de transferência de bits) deve
ser sincronizada em todas as
interfaces seriais envolvidas na
comunicação, mas cada interface
O pacote possui usualmente 4 ou 8
com o se próprio clock.
bits limitados por um bit de START e
um bit de STOP, que sinalizam,
respectivamente, o início e o fim da
transmissão do pacote, além de um bits efetivos transmitidos
bandwidth (ou bit rate) = × baud rate
ou mais bits de paridade. total de bits transmitidos

MEng. Tiago Wirtti


Transmissão Serial Assíncrona

“Both the transmitter’s serial interface and the receiver’s serial


interface synchronize with separate bit-rate clocks to sample data
bits appropriately. At the transmitter, the clock starts when
transmission of a new frame starts, and continues until the end of
the frame so that the data stream is sent at intervals the receiver
can process. At the receiving end, the clock starts with the
reception of a new frame, delaying when appropriate (in
accordance with the bit rate), and then sampling the middle of each
data bit period of time, and then stopping when receiving the
frame’s STOP bit(s).”

MEng. Tiago Wirtti


Transmissão Serial Síncrona
SPI (serial peripheral interface) Na transmissão síncrona não há bits
é um exemplo de interface de START, STOP, ou período ocioso
serial síncrona. na linha.

Embora seja necessário sincronizar


as interfaces de comunicação, assim
como na transmissão assíncrona,
neste caso todas as interfaces de
comunicação são sincronizadas pelo
mesmo clock.

MEng. Tiago Wirtti


Transmissão Serial Síncrona

“In a synchronous transmission, there are no START or STOP bits


appended to the data stream, and there is no idle period. As with
asynchronous transmissions, the data rates for receiving and
transmitting must be in sync. However, unlike the separate clocks
used in an asynchronous transfer, the devices involved in a
synchronous transmission are synchronizing off of one common
clock, which does not start and stop with each new frame.”

MEng. Tiago Wirtti


Exemplo: RS-232

• RS-232 = EIA-232 (Electronic Industries


Association-232)
• Implementado na camada física e no nível
mais baixo da camada de enlace

• DTE (Data Terminal Equipment) = ORIGEM


• DCE (Data Circuit-terminating Equipment) = DESTINO

MEng. Tiago Wirtti


Exemplo: RS-232 (conector DB25)

MEng. Tiago Wirtti


RS-232 (conector DB9)

MEng. Tiago Wirtti


RS-232 (conector RJ45)

“Two DTE devices can interconnect to each other using an internal


wiring variation on serial cables called null modem serial cables.
Since DTE devices transmit and receive data on the same pins, these
null modem pins are swapped so that the transmit and receive
connections on each DTE device are coordinated.”

MEng. Tiago Wirtti


E/S Paralela - Transmissão

• “Components that transmit data in parallel are devices


which can transfer data in multiple bits simultaneously.”
• Quanto à direção da transmissão, assim como na E/S
Serial, podem usar os modos simplex, half-duplex, ou full-
duplex.
• Podem transmitir de forma síncrona ou assíncrona.
• Apresentam desempenho superior ao da E/S Serial, pois
podem transmitir vários bits a cada ciclo de transmissão.

MEng. Tiago Wirtti


IEEE 1284 (sinal de 40 pinos)

NET+ARM50 embedded board parallel I/O

MEng. Tiago Wirtti


Engine gráfica para exibição de vídeo

MEng. Tiago Wirtti


Controlador de E/S

• Em um subsistema de E/S que contém um Controlador


de E/S, o projeto da interface entre o controlador e o
processador principal deve preencher os seguintes
requisitos:
• O processador deve ter a capacidade de iniciar e monitorar
o controlador de E/S
• Uma forma de o processador requisitar E/S
• Uma forma de o dispositivo de E/S contatar o processador
• Um mecanismo eficaz de transferência de dados
Ler págs.
279 e 80

MEng. Tiago Wirtti


Desempenho de E/S

• Características comuns que impactam negativamente no


desempenho das operações de E/S:
• A taxa de transferência do dispositivo de E/S
• A velocidade do processador principal
• A forma de sincronizar a velocidade do processador
principal com o processador a velocidade da E/S
• Como o processador e o dispositivo de E/S se comunicam

Ler págs.
280 e 281

MEng. Tiago Wirtti

Você também pode gostar