Você está na página 1de 3

• Apontamentos – 2012/2013 •

José Paulo Vasconcelos

Funções sintáticas
O sujeito 10ºB
SUJEITO

1 Noção de “Sujeito
Sujeito”
Quando produzimos uma frase fazemos, tipicamente, uma afirmação de alguma coisa sobre alguém.
Dito de outro modo; as frases são constituídas – na grande maioria das vezes – por uma identificação
daquele de quem falamos (um sujeito) e uma declaração daquilo que aconteceu (um predicado).
Assim, o sujeito pode ser entendido como a parte da frase que identifica o ser a quem nos referimos.
Gramaticalmente, o sujeito é constituído por um grupo nominal (ou outra estrutura com valor de
nome) e é o responsável pela
la flexão e concordância verbal dentro da frase.
De uma forma muito prática (e geralmente muito eficaz) poderemos encontrar
rar o sujeito de uma frase
se perguntarmos ao verbo principal da frase: “Quem?...”
Exemplos:
“O João leu um livro.” – P: “Quem leu um livro?” / R: “O João.” – Sujeito: “O João”
“A Ana e a Rita vão fazer exame de condução.” – P: “Quem vai fazer exame de condução?” / R: “A Ana e a Rita”. – Sujeito: “A Ana
e a Rita.”
“É preciso estudar.” – P: “O que é que (quem) é preciso?” / R: Estudar.” – Sujeito: “Estudar”

«Sujeito: função sintática


ática desempenhada na frase pelo sintagma nominal ou equivalente, com o qual
o verbo concorda, e que indica a pessoa ou coisa que pratica a ação, ou a sofre, se a construção for
passiva;»
Dicionários PRO de Língua Portuguesa - © 2009 Porto Editora, Lda.

Função sintática desempenhada pelo constituinte da frase que controla a concordância verbal.
«Função
Grupos nominais e orações subordinadas substantivas podem desempenhar a função sintática de sujeito.
Quando o sujeito é um grupo nominal ou uma oração substantiva relativa, pode ser substituído pela
forma nominativa do pronome pessoal; quando o sujeito é uma oração completiva, pode ser substituído pelo
pronome demonstrativo "isso" em posição pré
pré-verbal
verbal e não pode ser substituído pelo pronome
demonstrativo átono "o".»
In Dicionário Terminológico [on-line;
line; consultado em 26/09/2012]
URL: http://dt.dgidc.min-edu.pt/
• Apontamentos – 2012/2013 •
José Paulo Vasconcelos

2 Tipos de sujeito
Há cinco (5) tipos de sujeito. Estes tipos de sujeito dependem da forma como são expressos ou da
realidade a que se referem.
Podemos assificar
classificar os sujeitos como
como: simples, compostos, nulos subentendidos,
subentendidos nulos
indeterminados e nulos expletivos.

2.1 Sujeitos simples

Os sujeitos simples são constituídos por um único elemento nominal e traduzem um referente único.
único
Este referente único pode ser singular (um único ser) ou coletivo (um
um conjunto de seres).
seres)
Recordemos que o sujeito pode ser representado por um grupo nominal (nome; pronome) ou por uma
oração subordinada substantiva.
Exemplos:
O carro é meu.
As crianças gostam de praia.
A multidão manifestou-se pacificamente.
Os alunos que estudam têm boas notas.

2.2 Sujeitos compostos

Os sujeitos compostos são aqueles que designam dois ou mais seres ou conjuntos de seres,
considerados independentemente.
Para que o sujeito seja composto é necessário qu
quee os seres ou conjuntos que o constituem sejam
diferenciados.
Exemplos:
O António e a Sofia são irmãos. (sujeito composto) / Eles são irmãos. (sujeito simples)
Copas, Paus, Ouros e Espadas são os quatro naipes de um baralho.
O cão e o gato são animais domésticos
Os alunos que andam no 9º ano e os que andam no 12º ano são finalistas de ciclo.

2.3 Sujeitos nulos subentendidos

Os sujeitos nulos subentendidos


entendidos são os que não surgem explícitos no texto, mas que, pela flexão
verbal, por processos anafóricos
fóricos (referências prévias ou subsequentes) ou pelo contexto, podem ser
identificados e se tornam conhecidos
conhecidos.
Exemplos:
O António e a Sofia são alunos; [ ] estudam sempre juntos. – [eles]
[ ] Recebi um presente da minha avó. – [eu]
Amanhã, [ ] vamos ao cinema. – [nós]
• Apontamentos – 2012/2013 •
José Paulo Vasconcelos

2.4 Sujeitos nulos indeterminado


indeterminados

Os sujeitos nulos indeterminados são os que não surgem explícitos no texto e que por falta de
informação ou por não haver necessidades nunca se tornam conhecidos.
Normalmente, este sujeitos ocorrem com formas verbais na 3ª pessoa do singular ou do plural ou
com verbos acompanhados pelo pronome “se”.
Exemplos:
Diz-se
se que vai ser uma grande trapalhada
trapalhada. – [quem diz?]
Dizem que vai ser uma festa inesquecível
inesquecível. – [quem diz?]

2.5 Sujeitos nulos expletivos

Os sujeitos nulos expletivos são sujeitos que não existem. Há formas verbais que não implicam a
referência a nenhuma forma de sujeito, como é o caso dos verbos meteorológicos, do verbo “haver” com o
sentido de existir, verbo “ser” em construções temporais, verbos “ir”, “fazer” e “haver” quando se referem a
tempo decorrido.
Ontem, choveu e trovejou muito. – [verbos meteorológicos]
Há muita fome no mundo. – [verbo “haver” com sentido de existir]
É amanhã que fazemos teste. – [verbo ser com construções temporais]
Vai para (Faz/Há) quinze dias que não nos vemos. – [verbos ir, fazer e haver relativamente a tempo decorrido]