Você está na página 1de 2

Aula 5: 27-4-2020

Tarefa: Pesquisa de uma temática ou aspecto cultural abordado em um recorte do


tempo 1808-1823 em revistas e jornais do Rio de Janeiro.
1. Escolher na Hemeroteca/Acervo Digital do Brasil entre 3 e 5 textos
(documentos) com o método desenvolvido no prático anterior (texto e número
completo do jornal/revista) sobre alguma temática ou aspecto cultural.
2. Contextualizar o tópico escolhido com o texto de Alencastro sobre o quotidiano
no período e a Cronologia de Boris Fausto.
3. Redigir um texto de uma folha no máximo fazendo uma interpretação dos
documentos e incluindo a interpretação de Alencastro.
4. Subir no campus até última hora da sexta-feira.
Quais as consequências da instalação da Coroa no Rio? 
1776 Independência USA; 1780 Revolução Industrial; 1789 Revolução Francesa.
Revolução: transformação com muita agitação. O cotidiano das pessoas andava de
pernas para o ar. “Para Portugal a saída era tentar manter a imagem de neutralidade.”
(Inglaterra e França). Casamento com infantes espanhóis para manter amizade. Perigo
de perda da Colonia. Franca aliada a Espanha. Ultimato de napoleão para declarar
guerra a Inglaterra. 
Correio mais veloz Paris-Lisboa (via terrestre) levava 11 dias. Entre o envio duma
correspondência e a resposta levava um mês. Lisboa-Londres via marítima, uma
semana.
Os ingleses escoltariam a Coroa ao Brasil. Pela primeira vez uma corte real cruzava o
Atlântico. A sede do Estado português mudava de endereço. 

Família Real para o Brasil (Fausto pp.120-127)


Após controlar quase toda a Europa ocidental, Napoleão impôs um bloqueio ao comércio
entre a Inglaterra e o continente. Portugal representava uma brecha no bloqueio e era preciso
fechá-la.

Em novembro de 1807, tropas francesas invadiram Portugal. O Príncipe Dom João, que regia o
reino desde 1792, decidiu-se, em poucos dias, pela transferência da Corte para o Brasil. [CB,
V1, p.5;p.7]

Entre 25 e 27 de novembro de 1807, cerca de 10 a 15 mil pessoas embarcaram em navios


portugueses rumo ao Brasil, sob a proteção da frota inglesa.

Todo um aparelho burocrático vinha para a Colônia: ministros, conselheiros, juízes da Corte
Suprema, funcionários do Tesouro, patentes do exército e da marinha, membros do alto clero.
Seguiam também o tesouro real, os arquivos do governo, uma máquina impressora e várias
bibliotecas que seriam a base da Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro.

Logo ao chegar, durante sua breve estada na Bahia, Dom João decretou a abertura dos
portos do Brasil às nações amigas (28 de janeiro de 1808). Mesmo sabendo-se que naquele
momento a expressão "nações amigas" era equivalente à Inglaterra, o ato punha fim a
trezentos anos de sistema colonial. [CB, V1, p.167]

Já no Rio de Janeiro, no mês de abril, o príncipe regente revogou os decretos que proibiam a
instalação de manufaturas na Colônia, isentou de tributos a importação de matérias-primas
destinadas à indústria, ofereceu subsídios para as indústrias da lã, da seda e do ferro,
encorajou a invenção e introdução de novas máquinas.

[CB, V1, p.203] Análise do Folheto intitulado causas e consequências da recente emigração
para o Brazil.
[CB, V1, P.393] Estabelecimento da Imprensa no Brasil.
[CB, V1, p.440] Estabelecimento do Archivo, e Depóito das cartas e Mappas do Brazil.
[CB, V1, p.517] Decreto do Príncipe sobre a Imprensa no Brasil. Reflexões sobre o decreto
[p.518]
[CB, V1, p.588] Reflexões sobre os gêneros do Brasil que se devem mandar a Inglaterra.