Você está na página 1de 36

10/04/2020 Teontologia

Teontologia

Site: FATERGE
Disciplina: 2. TEONTOLOGIA N1
Livro: Teontologia
Impresso por: Visitante
Data: Sexta, 10 de Abril de 2020 às 07:22

Í
https://faterge.igrejaiep.org/escola/mod/book/tool/print/index.php?id=332 1/36
10/04/2020 Teontologia

Índice
1. INTRODUÇÃO

2. EXISTÊNCIA

3. ESPIRITUALIDADE

4. INFINITUDE

5. ETERNIDADE

6. UNIDADE

7. IMUTABILIDADE

8. NOMES

9. O DEUS TRIÚNO

10. OS DONS CONCEDIDOS PELA TRINDADE

11. SABEDORIA

12. PODER

13. SANTIDADE

14. BONDADE

15. VERDADE

16. BIBLIOGRAFIA

https://faterge.igrejaiep.org/escola/mod/book/tool/print/index.php?id=332 2/36
10/04/2020 Teontologia

1. INTRODUÇÃO
INTRODUÇÃO

Como você sabe que Deus existe? Como podemos conhecer Deus? Como Deus é? Como
pode Deus ser três pessoas, porém um só Deus? Com certeza algum dia você já fez essas
perguntas e, de certo, são perguntas que para muitos ainda não foram respondidas.

TEONTOLOGIA é o estudo dos assuntos referentes à natureza, ao caráter e às obras de


Deus. A ênfase cai na partícula ONTO que significa ser. Essa doutrina responde a essas e
outras perguntas no que diz respeito a pessoa de Deus. Através da TEONTOLOGIA que
conheceremos melhor o Deus Criador, e, por conseguinte, teremos uma visão clara e
correta sobre Deus. Contudo, é importante dizer que não o compreenderemos em toda a
sua natureza porque Deus é infinito e não quis se revelar integralmente ao homem. Isto
porque, Deus, por sua vontade, revelou ao homem o que é necessário e suficiente para
salvação. E é através da revelação especial de Deus que o conhecemos.

Deus vai muito além da sua criação e é tanto maior do que a criação quanto independente
dela. Isso significa que Deus está além da nossa capacidade de compreender plenamente
que, se não tivesse revelado a si mesmo, não poderíamos saber como Deus é.

Contudo, Deus não nos deixou ignorantes sobre si mesmo. Em vez disso, Deus revelou-se
através da obra da criação e através da sua palavra escrita, a Bíblia. Portanto, podemos
conhecer a Deus e todos podem saber como se reconciliar com Deus e, sobretudo, como
viver segundo a sua vontade que é boa, perfeita e agradável.

Apesar de sermos seres humanos finitos e de Deus ser infinito, podemos conhecer e
compreender Deus como Deus se revelou na Bíblia.

Portanto, se você tem desejo sincero de conhecer a Deus, esteja com o seu coração aberto e
tenha disposição para aprender porque a TEONTOLOGIA tem como objetivo ajudá-lo
neste sentido.

Ê
https://faterge.igrejaiep.org/escola/mod/book/tool/print/index.php?id=332 3/36
10/04/2020 Teontologia

2. EXISTÊNCIA
EXISTÊNCIA

Êxodo 3.13-15

Só tem sentido falar sobre o conhecimento de Deus crendo que Deus existe:

Ap 4.11 Vontade QUERER

Is 14.24 Intelecto PENSAR

Gn 6.6 Sensibilidade SENTIR

A doutrina não é que exista alguma coisa que Deus pode ser aplicado, porém crer que
Deus é um ser pessoal que está na origem de todas as coisas e que transcende a criação,
mas é imanente em tudo que foi criado.

Tudo isso não significa que a existência poderá ser provada, pois a Bíblia só faz revelar
Deus, contudo é uma revelação fidedigna:

Gn 12.1 O homem é chamado para uma missão.

Gn 6.22 O homem obedeceu sem ver a Deus.

Jó 42.5 O homem afirma conhecer a Deus.

Gn 3.10 O homem falou com Deus.

Afirmando a existência, a Bíblia não se preocupa em prová-la. Êxodo 3.14, numa sarça
ardente, Deus se define como Auto-existente, Aquele que existe por si mesmo.

Em gênesis 1.1, os céus e a terra derivam de Deus o que pressupõe a sua existência.
Contudo, a Bíblia apenas afirma o que Deus é:

Jo 4.24 Deus é espírito.

1Rs 8.27 Deus é infinito.

Sl 90.2 Deus é eterno.

Ml 3.6 Deus é imutável.

Rm 16.27 Deus é sábio.

Is 6.3 Deus é santo.

Dt 32.4 Deus é justo.

https://faterge.igrejaiep.org/escola/mod/book/tool/print/index.php?id=332 4/36
10/04/2020 Teontologia

Rm 2.4 Deus é bondoso.

Tt 1.2 Deus é verdadeiro.

A Bíblia afirma aos homens:

Hb 11.6 Quem CRÊ em Deus é recompensado.

At 17.24-28 Quem BUSCA a Deus o encontra.

https://faterge.igrejaiep.org/escola/mod/book/tool/print/index.php?id=332 5/36
10/04/2020 Teontologia

3. ESPIRITUALIDADE
ESPIRITUALIDADE

João 4.1-42

Deve-se pensar: Se Deus é espírito, por que a Bíblia fala sobre as mãos, os pés, os ouvidos,
a boca, o nariz ou a face de Deus? Para exemplificar, o Salmo 91.4 refere-se as suas penas
e as suas asas, o salmo 99.5 fala de adorar ante os seus pés e o salmo 98.1 menciona a sua
destra e o seu braço santo.

Deus permitiu que os escritores bíblicos aplicassem algumas qualidades que são humanas
a pessoa de Deus a fim de obterem compreensão do desconhecido através do que é
conhecido. Quando esse tipo de linguagem aparece na Bíblia, chama-se antropomorfismo
que é uma forma de pensamento que atribui as características ou aspectos da realidade
humana a Deus, assim:

Êx 4.14 Deus tem SENSIBILIDADE.

Gn 2.18 Deus toma DECISÕES.

Gn 6.6 Deus se ARREPENDE.

Jo 6.38 Deus tem VONTADE.

Is 55.8 Deus PENSA.

Sl 94.9 Deus OUVE.

Gn 1.3 Deus FALA.

Gn 11.5 Deus VÊ.

Sendo espírito IMATERIAL e INVISÍVEL, Deus jamais estará sujeito às limitações que
está sujeito o ser humano que tem o corpo físico. Deus não possui partes corporais,
portanto, não está sujeito às paixões.

Eis as três qualidades deste espírito que é Deus:

1Rs 8.27 Somente Deus é espírito INFINITO.

Sl 90.2 Somente Deus é espírito ETERNO.

Ml 3.6 Somente Deus é espírito IMUTÁVEL.

https://faterge.igrejaiep.org/escola/mod/book/tool/print/index.php?id=332 6/36
10/04/2020 Teontologia

Os homens têm alma e espírito e os anjos são seres espirituais, mas Deus excede as suas
criaturas.

Veja a implicação da espiritualidade de Deus:

Jo 4.24 Deus IMPÕE a forma de adorá-lo.

Dt 4.12,15-18 Deus PROÍBE materializá-lo.

https://faterge.igrejaiep.org/escola/mod/book/tool/print/index.php?id=332 7/36
10/04/2020 Teontologia

4. INFINITUDE
INFINITUDE

1 Reis 8.22-29

A infinitude é a perfeição de Deus pela qual Deus é isento de toda e qualquer limitação.
Atribuindo a infinitude a Deus, negamos que haja quaisquer limitações do ser de Deus e
dos seus atributos que seja imposto pelo universo, tempo ou espaço.

A infinitude vista com relação ao tempo, chamamos eternidade e com relação ao espaço,
onipresença:

ETERNIDADE: Deus é elevado acima dos limites temporais, e de toda sucessão de


momentos, e tem a sua existência num único presente.

ONIPRESENÇA: Deus não está presente em todos os lugares do mesmo modo.

1. Deus está nos crentes de um modo que não está nos outros seres humanos (João 14.23).

2. Deus está no céu de um modo que não estava no templo (Mt 6.9; Hc 2.20).

A infinitude não é o mesmo que onipresença, pois a infinitude aponta mais para a
transcendência em que Deus não está limitado pelo espaço:

Is 66.1-2 Deus não se CONFUNDE com o espaço.

Sl 139.7-10 Deus PREENCHE todo o espaço.

1Rs 8.27 Deus está ALÉM do espaço.

E a onipresença é a imanência de Deus presente em suas criaturas e lugares. Não se pode


alcançar o Todo-poderoso. As pegadas divinas não são conhecidas:

Is 55.8-9 Seus pensamentos são impenetráveis.

Rm 11.33 Seus caminhos são inescrutáveis.

Jó 11.8-9 Sua sabedoria não tem limites.

Sl 150.2 Sua grandeza é sem número.

Rm 11.33 Seus juízos são insondáveis.

Jó 36.26 Seus anos são incalculáveis.

Deus habita a terra? Se o céu, universo, e o céu dos céus, universo de universos, não o
podem conter!

https://faterge.igrejaiep.org/escola/mod/book/tool/print/index.php?id=332 8/36
10/04/2020 Teontologia

5. ETERNIDADE
ETERNIDADE

Salmo 90

Os anjos e os homens são criados, porém Deus não teve começo de existência e, por isso,
Deus é o único que habita a eternidade. Os homens têm o tempo no passado, presente e
futuro, porém Deus habita em um permanente agora, ou seja, Deus apenas habita o
presente. Para Deus, o passado e o futuro são a mesma coisa que o agora.

Deus é eterno de duas maneiras:

1. Deus nunca começou a existir.

2. A existência de Deus nunca terminará.

Sendo um ser eterno, Deus está fora da progressão do tempo. Para Deus, o tempo não
passa:

Gn 21.33 Deus não tem começo e nem fim.

Sl 90.2 Deus não está preso ao tempo.

1Tm 1.17 Deus tem a natureza eterna.

Hb 11.3 Deus é a causa do tempo.

Quando examinamos a eternidade de Deus que não tem princípio, nem fim, nem sucessão
de tempo, devemos reconsiderar a nossa condição:

Tg 4.14 A nossa BREVIDADE.

Sl 90 O nosso ORGULHO.

A doutrina tem a ver com a infinitude de Deus com respeito ao tempo. Ser infinito é ser
ilimitado e a doutrina ensina que o tempo não impõe limites a Deus.

A doutrina está associada à imutabilidade de Deus. Se é verdade que Deus não muda,
então, necessariamente devemos dizer que o tempo não muda Deus:

O tempo não muda o SER de Deus.

O tempo não muda os PLANOS de Deus.

https://faterge.igrejaiep.org/escola/mod/book/tool/print/index.php?id=332 9/36
10/04/2020 Teontologia

O tempo não muda a PERFEIÇÃO de Deus.

O tempo não muda as PROMESSAS de Deus.

A passagem do tempo nada acrescenta nem diminui nada ao conhecimento de Deus que
não precisa aprender coisas novas, nem nada esquecer, porque isso significaria uma
mudança no seu conhecimento perfeito.

https://faterge.igrejaiep.org/escola/mod/book/tool/print/index.php?id=332 10/36
10/04/2020 Teontologia

6. UNIDADE
UNIDADE

Deuteronômio 5.32-6.13

Este atributo da unidade inclui dois pensamentos: a unicidade e a simplicidade de Deus.

1. A UNICIDADE DE DEUS

Quando se fala sobre a unidade, refere-se ao fato de que, numericamente, não existe
pluralidade em Deus que é único, não tendo outro igual a sua essência, e os outros seres
têm a existência Nele, por meio Dele e para Ele.

Em 1 Reis 8.60, Salomão diz que as nações saberão que o Senhor é Deus e que não há
outro. O povo, cercado pelas nações politeístas, era lembrado que Deus é uno e, por isso,
deveria honrá-lo:

Dt 6.4-9 Um só Deus à Vivo e Verdadeiro.

Dt 12.14-28 Um só templo à Jerusalém.

Dt 8.7-18 Uma só terra à Canaã.

Dt 12-25 Uma só lei à Moisés.

Dt 7.1-8 Um só povo à Israel.

Eis as implicações da unicidade:

Jo 14.6 Uma só SALVAÇÃO.

1Tm 2.5 Um só MEDIADOR.

Ef 4.4-6 Uma só IGREJA.

2. A SIMPLICIDADE DE DEUS

Não se pode dizer que Deus tem justiça, porém que Deus é justiça. O ser de Deus não está
dividido em partes, percebemos atributos diversos na personalidade de Deus enfatizados
em momentos diferentes.

Embora a Bíblia fale dos atributos, não destaca um como mais importante que outro. Por
exemplo: Deus é luz em 1 João 1.5 e Deus é amor em 1 João 4.8. Contudo, não significa
que parte de Deus é luz e que parte é amor, Deus é todo luz e Deus é todo amor.

https://faterge.igrejaiep.org/escola/mod/book/tool/print/index.php?id=332 11/36
10/04/2020 Teontologia

Sendo livre de divisão, Deus não é composto como se a natureza divina fosse feita de
partes. Isto não permite a existência de tensão interior em Deus porque há perfeita
harmonia entre os atributos.

https://faterge.igrejaiep.org/escola/mod/book/tool/print/index.php?id=332 12/36
10/04/2020 Teontologia

7. IMUTABILIDADE
IMUTABILIDADE

Malaquias 3.6-12

Embora em Gênesis 6.6 e 1 Samuel 15.11 digam que Deus se arrependeu por fazer algo,
porém Deus não muda o seu parecer. O arrependimento não é alteração no ser de Deus,
mas em seus atributos que se manifestam mediante a atitude do homem.

Deus é justiça, mas também é amor:

Jn 3.10 O povo de Nínive mudou.

Deus não muda a sua mente, mas manifesta os seus atributos que se relacionam entre si
após o homem mudar a sua conduta. Logo, Deus muda o modo de tratar as suas criaturas,
mas nunca a si mesmo:

Nm 23.19 Deus cumpre o que promete.

1Sm 15.29 Deus não se arrepende.

Em sua natureza, embora seja o Todo-Poderoso, há duas coisas que Deus não pode fazer:

Tt 1.2 Deus não pode mentir.

2Tm 2.13 Deus não pode negar-se a si mesmo.

No ser de Deus não há mutação, mas as suas obras estão em uma contínua evolução.
Embora imutável, Deus não é estático visto que todas as suas obras estão sempre em
mutação.

A imutabilidade de Deus tem sido empregada como desculpa para não se fazer orações.
Essa atitude, porém, está baseada em um engano. Independente das respostas quanto as
bênçãos almejadas, deve haver o sentimento de devoção que é aceitável aos olhos de Deus
e proveitoso para a alma.

Um homem em um bote, sobre águas ameaçadoras, poderá ser resgatado por uma corda
atirada da rocha. Ao começar a puxar o bote, se a rocha, na qual está segura a outra ponta
da corda, não se aproximar do bote, o bote se aproximará da rocha.

Se a oração é impotente para mudar o ser de Deus, pelo menos poderá levar a alma a Deus.

https://faterge.igrejaiep.org/escola/mod/book/tool/print/index.php?id=332 13/36
10/04/2020 Teontologia

8. NOMES
NOMES

OS TERMOS HEBRAICOS – ANTIGO TESTAMENTO

1. Elohim – Tradução: Deuses

Permite a revelação da trindade por estar no plural.

Observa-se que o verbo permanece no singular.

Gn 1.1 Elohim Criou Deuses os céus.

2. El – Tradução: Deus ou deus

Insere um adjetivo para diferenciar do deus falso.

Dt 5.9 O Senhor (Yahweh), teu Deus (Elohim), sou Deus (El) zeloso

Gn 17.1 El Shaddai Deus Todo-poderoso.

Gn 14.22 El Elyon Deus Altíssimo.

Gn 21.33 El Olam Deus Eterno.

3. Eloah – Tradução: Deus

Forma singular de Elohim.

Deus é rochedo para com o que confia Nele e disciplina quem se opõe a sua
vontade.

Sl 18.31 rochedo

Jó 5.17 disciplina

4. YHWH – Tradução: SENHOR

Êx 3.14 ‘ehyeh EU SOU

Considerado como o único nome de Deus.

Sem as vogais, tinha a pronúncia de Yahweh.

Era sagrado para ser pronunciado nas leituras.

Foi substituído pelo título Adonai – meu Senhor.


https://faterge.igrejaiep.org/escola/mod/book/tool/print/index.php?id=332 14/36
10/04/2020 Teontologia

Séc. IV a.C não era mais pronunciado na sinagoga.

Séc. VII d.C. recebeu a grafia das vogais de Adonai.

Foi alterado para YeHoWaH.

Foi transliterado por Jehovah.

Foi aportuguesado por Jeova ou Javé.

Gn 22.14 Javé Jireh O SENHOR Proverá.

Jz 6.24 Javé Shalom O SENHOR é Paz.

OS TERMOS GREGOS – NOVO TESTAMENTO

1. Mt 1.23 Theos Tradução: Deus

2. At 19.20 Kyrios Tradução: Senhor

3. Gl 4.6 Pater Tradução: Pai

>

EL ÔLAM Deus Eterno MARGEN Protetor

ATTIQ YÔMIN Antigo de Dias AARÁ Meu Pastor

EL ELHÔHÊ
Deus de Israel JEHOSHUA Javé é a Salvação
ISRAEL

EL ELAH Todo Poderoso EL ROI Deus que vê

JEOVÁ JIRÉ O Senhor provê ADON HAKAVOD Rei da Glória

ELOHIM Criador EL SHADAI Deus Todo Poderoso

O Senhor é a minha Senhor das Hostes


JEOVÁ NISSI YAVEH TIÇAVAOT
bandeira Celestiais

ADONAI Senhor ROBECA Que te sara

YAVEH EL ELION O Senhor Deus


JEOVÁ SHALOM O Senhor é paz
NORAH Altíssimo é Tremendo

ELIOM Altíssimo NIKADISKIM Que nos santifica

https://faterge.igrejaiep.org/escola/mod/book/tool/print/index.php?id=332 15/36
10/04/2020 Teontologia

O Senhor é a nossa
JEOVÁ TSIDIKENU YESHUA Jesus
justiça

KADOSH Santo RAFÁ Que cura

O Senhor está
JEOVÁ SHAMMAH JEOVÁ JASER O Senhor é Reto
presente

Senhor Todo
EL GIBBOR Deus forte SALVAON
Poderoso

Nome impronunciável
de Deus; sempre que
JEOVÁ SEBHÃÔH Senhor dos Exércitos YHWH aparece
na Bíblia, é traduzido
como Senhor

O Senhor que nos


MAOR Criador da Luz JEOVÁ HOSSEU
criou

KADOSH ISRAEL Santo de Israel JEOVÁ ELOHEKA O Senhor teu Deus

SHAPHATAR Juiz MALAH BRIT O Anjo da Aliança

Yohanan ou
Yehohanan (João) que
se decompõe em Yeh,
Yo, Yaho (abreviações
de Yahweh, Javé,
YOHANAN EL RAÍ O Deus que tudo vê
Deus) e hanan
(compadecer-se), com
o sentido de Deus teve
misericórdia, se
compadeceu

Senhor de todas as
ELOI EL CANÁ O Deus zeloso
coisas

O Deus das
PALET Libertador EL DEOT
Sabedorias

Ú
https://faterge.igrejaiep.org/escola/mod/book/tool/print/index.php?id=332 16/36
10/04/2020 Teontologia

9. O DEUS TRIÚNO
O DEUS TRIÚNO

Mateus 28.16-20

Você descobriu que Deus é espírito infinito, eterno, imutável e uno. Agora, estudará a
Trindade. Como Deus é uno e triúno? A trindade tem o conceito de unidade, isto é, Deus é
um em substância e três em pessoas:

Gl 1.1 O Pai é Deus.

1Pe 1.1 O Filho é Deus.

At 5.3-4 O Espírito Santo é Deus.

A participação da Trindade na salvação:

* O amor do Pai não deixou a humanidade perdida para sempre (João 3.16).

* O Filho é a fonte de vida a qual trouxe luz para os homens (João 1.1-4; 1 João 1.7).

* O Espírito Santo aplicará a salvação na vida dos que foram eleitos (João 16.8).

A Trindade no Antigo Testamento:

Gn 1.1 Elohim está no plural.

Gn 1.26-27 Criação do homem.

Is 6.8 Vocação de Isaías.

Gn 3.22 Queda do homem.

Gn 11.7 Torre de Babel.

A Trindade no Novo Testamento:

2Co 1.2 A divindade do Pai.

Rm 9.5 A divindade do Filho.

At 5.3-4 A divindade do Espírito Santo.

As tarefas da Trindade:

1Pe 1.2 Eleição – Morte – Santificação.

A Trindade está associada:

https://faterge.igrejaiep.org/escola/mod/book/tool/print/index.php?id=332 17/36
10/04/2020 Teontologia

2Co 13.13 Bênção apostólica.

Mt 3.13-17 Batismo de Jesus.

Conclui-se que os cristãos e os apóstolos criam em três pessoas distintas na divindade,


porém não afirmavam que havia três deuses, mas um só Deus:

Tg 2.19 Crês, tu, que Deus é um só?

Ef 4.6 Um só Deus e Pai.

https://faterge.igrejaiep.org/escola/mod/book/tool/print/index.php?id=332 18/36
10/04/2020 Teontologia

10. OS DONS CONCEDIDOS PELA TRINDADE

PAI (RM 12:6-8) FILHO ESPIRITO SANTO


(1 CO 12:28-30) (EF 4:11) (1 CO 12.8-10)

PROFECIA CURA, MILAGRES PROFETAS SABEDORIA


ENSINO LÍNGUAS FÉ
PRESIDIR APÓSTOLOS CONHECIMENTO
MINISTÉRIO MESTRES APÓSTOLOS CURAR
EXORTAÇÃO SOCORROS MESTRES MILAGRES
CONTRIBUIR GOVERNOS EVANGELISTAS PROFECIA
MISERICÓRDIA PROFETAS PASTORES DISCERNIMENTO
LÍNGUAS
INTERPRETAÇÃO

https://faterge.igrejaiep.org/escola/mod/book/tool/print/index.php?id=332 19/36
10/04/2020 Teontologia

11. SABEDORIA
SABEDORIA

Romanos 16.25-27

À primeira vista, pensa-se que a sabedoria de Deus está incluída no atributo de onisciência,
entretanto há uma diferença entre ciência e sabedoria:

CIÊNCIA é o conhecimento.

SABEDORIA é o uso correto do conhecimento.

Através do conhecimento, Deus busca os melhores fins para os melhores meios de tal
modo que faz tudo para a sua glória. Por isso, Deus sempre fará o bem de maneira certa e
no tempo certo:

Gn 41.37-57 Busca dos melhores fins e meios.

Rm 11.33-36 Manifestação da glória.

É evidente que conhecimento e sabedoria não são a mesma coisa. Alguém, sem instrução,
poderá ser superior em sabedoria ao erudito. O conhecimento é adquirido pelo estudo,
entretanto a sabedoria resultará da compreensão das coisas. Existe aquele que, sabendo
tanta coisa, pode ser considerado enciclopédia ambulante, porém não tem a sabedoria para
aplicar o conhecimento.

Isto é o que significa quando se diz que alguém tem conhecimento, mas não tem bom
senso:

Tg 1.5 A sabedoria é dada a quem pede.

Dn 2.20-21 Deus é a fonte da sabedoria.

Sendo um atributo intelectual de Deus, a sabedoria é manifesta nas seguintes obras:

Sl 104.24 Obra da criação.

Ef 1.7-8 Obra da redenção.

Rm 8.28 Obra da providência.

A sabedoria não é apenas ter conhecimento, porém saber como fazer:

2Cr 1.7-12 Salomão governa a nação.

Êx 31.1-5 Bezalel faz os móveis.

https://faterge.igrejaiep.org/escola/mod/book/tool/print/index.php?id=332 20/36
10/04/2020 Teontologia

Dt 34.9 Josué lidera Israel.

A sabedoria não tem limites, assim, Deus é o único sábio, em outras palavras, não comete
erros.

https://faterge.igrejaiep.org/escola/mod/book/tool/print/index.php?id=332 21/36
10/04/2020 Teontologia

12. PODER
PODER

Gênesis 17.1-27

Saiba que a onipotência, onipresença e onisciência são atributos que fazem Deus ser Deus.
Assim, não fazem parte da natureza dos anjos nem da raça humana.

Deus é ONIPOTENTE e pode fazer qualquer coisa:

Hb 1.3 Deus sustenta tudo pela sua palavra.

Lc 1.37 Deus torna possível o impossível.

Rm 1.16 Deus salva o pecador.

Gn 1.1 Deus cria o mundo.

Lc 9.43 Deus cura.

A Igreja deve ser fiel a Deus que é ONIPRESENTE:

Mt 18.20 Deus está com quem o invocam.

Dt 4.39 Deus está em todos os lugares.

Mt 28.20 Deus está com os seus servos.

1Co 3.16 Deus está com a Igreja.

Em momentos de aflições e tribulações, a presença de Deus encoraja aqueles que o amam.

Entretanto, a presença serve para lembrar o cristão de ser prudente quanto ao viver, pois
Deus vê tudo quanto o cristão faz de bom ou ruim.

Sendo ONISCIENTE, Deus é capaz de dizer o que vai acontecer, o que pode acontecer e,
sobretudo, Deus diz o que não acontecerá ao seu povo:

1Sm 23.10-14 Deus responde a oração de Davi.

Assim, Deus sabe todas as coisas sem limites:

Pv 15.3 Deus conhece a todos individualmente.

Jr 1.5 Deus conhece antes do nascimento.

Mt 6.8 Deus conhece o que se necessita.

https://faterge.igrejaiep.org/escola/mod/book/tool/print/index.php?id=332 22/36
10/04/2020 Teontologia

1Cr 28.9 Deus conhece o que se pensa.

Hb 4.13 Deus conhece as ações.

Is 46.10 Deus conhece o futuro.

Visto que Deus conhece todas as coisas, conclui-se que é possível para o cristão obter uma
grande segurança enquanto busca a correta orientação, em Deus, acerca das soluções para
os problemas.

https://faterge.igrejaiep.org/escola/mod/book/tool/print/index.php?id=332 23/36
10/04/2020 Teontologia

13. SANTIDADE
SANTIDADE

Isaías 6.1-13

Enquanto a retidão é a fonte da santidade de Deus, a justiça é a demonstração de sua


santidade. Por isso, é a santidade uma qualidade moral de Deus que retrata o seu caráter e
a sua personalidade:

Ec 7.29; Jd 6 Deus é santo em suas obras.

Rm 7.12 Deus é santo em sua lei.

A santidade de Deus significa a sua absoluta pureza moral, pois Deus não peca nem tolera
o pecado. O sentido da palavra santo significa separado. Em que sentido Deus está
separado?

1. Deus está separado do homem no espaço visto que Deus está no céu e o homem na
terra.

2. Deus está separado do homem quanto à natureza e caráter:

a) Deus é divino e o homem é humano.

b) Deus é perfeito e o homem é pecaminoso.

3. Deus está separado dos seres humanos malignos e do mal existente no mundo.

Deus é absolutamente santo, pois está infinitamente acima de tudo quanto existe e, por
isso, não se confundirá com nada nem com ninguém.

A santidade mantém a distinção entre Deus e o ser humano, embora Deus se relacione com
o homem.

A santidade é o principal atributo moral de Deus e uma qualidade a ser desenvolvida na


vida dos eleitos.

A santidade determina a qualidade dos atributos: A justiça de Deus é santa, pois Deus é
santo.

O profeta Isaías dá a Deus os seguintes títulos:

Is 60.14 Santo de Israel.

Is 43.15 O que é Santo.

Is 57.15 Santo.
https://faterge.igrejaiep.org/escola/mod/book/tool/print/index.php?id=332 24/36
10/04/2020 Teontologia

Os textos em Jó 40.3-5 e Isaías 6.5-7 mostram que o homem, tendo a compreensão da


santidade de Deus, vista na leitura em 1 João 1.5, manifesta a tristeza por causa do seu
pecado (Lucas 22.61-62).

https://faterge.igrejaiep.org/escola/mod/book/tool/print/index.php?id=332 25/36
10/04/2020 Teontologia

14. BONDADE
BONDADE

Rm 2.1.-11

O atributo moral da bondade de Deus manifesta-se pelo amor, misericórdia, graça e


paciência.

1. O AMOR DE DEUS

Embora Deus ame a TODOS:

Mt 5.45 Deus abençoa a humanidade.

Jo 3.16 Deus ama a humanidade.

Mas, o amor não anula o atributo da justiça, ou seja, nem TODOS serão salvos:

Dt 4.24 Deus é fogo consumidor.

O amor reflete a bondade de Deus:

Os 11.4 Deus nos supre as necessidades.

Dt 7.8 Deus nos liberta da opressão.

Sf 3.17 Deus nos dá uma nova vida.

1Jo 3.1 Deus nos chama de filhos.

2. A GRAÇA DE DEUS

1. Na graça COMUM toda a humanidade usufrui dos benefícios ao receber, sem


merecer, o amor de Deus:

Rm 13.1-7 Os governos das sociedades.

Mt 5.45 A provisão da natureza.

2. Na graça ESPECIAL apenas os eleitos usufruem:

Rm 8.28-30 O plano da salvação.

3. A MISERICÓRDIA DE DEUS

https://faterge.igrejaiep.org/escola/mod/book/tool/print/index.php?id=332 26/36
10/04/2020 Teontologia

Se a graça vê ao homem como culpado e, portanto, necessitado de perdão, a


misericórdia o vê como alguém que está suportando as conseqüências do pecado e
que, por isso, necessita de aliviar a sua desgraça. Assim, pela misericórdia, o pecador
nunca recebe, mesmo merecendo, a ira de Deus:

2Cr 33.9-13 Deus é favorável para com o indigno.

4. A PACIÊNCIA DE DEUS

Lamentações 3.22, diz que Deus não aniquila a raça humana, pois a paciência e
misericórdia são manifestadas juntas. Por isso, Deus não destrói o pecador, mas
aguarda o momento para salvá-lo.

https://faterge.igrejaiep.org/escola/mod/book/tool/print/index.php?id=332 27/36
10/04/2020 Teontologia

15. VERDADE
VERDADE

Tito 1.1-4

O atributo moral da verdade é a harmonia de tudo o que pensa Deus quando faz uma
promessa. Nesse sentido a verdade é uma qualidade exclusiva de Deus:

Rm 3.4 Deus é verdadeiro em todas as coisas.

Tt 1.2 Deus não pode mentir nas promessas.

Hb 6.18 Deus está impossibilitado de mentir.

Nm 23.19 Deus não é homem para que minta.

1Sm 15.29 Deus é o glorioso que não mente.

1. O homem erra no testemunho que presta porque está equivocado a respeito dos fatos.

2. O homem, incapacitado, fracassa nas promessas feitas com intenções honestas.

A onisciência de Deus impede que cometa equívoco e a onipotência e imutabilidade


asseguram o cumprimento de suas promessas:

Ez 12.25 Deus cumpre tudo o que promete.

2Tm 2.13 Deus não pode negar-se a si mesmo.

Ao exercê-la para com a criatura, a verdade de Deus é conhecida como sua veracidade e
fidelidade:

VERACIDADE 1. Consiste nas declarações que

Deus faz a respeito das coisas,

conforme elas são.

2. Se relaciona com o que Deus

revelou sobre si mesmo.

3. Fundamenta-se na onisciência.

FIDELIDADE 1. Consiste no cumprimento de

suas promessas ou ameaças.

https://faterge.igrejaiep.org/escola/mod/book/tool/print/index.php?id=332 28/36
10/04/2020 Teontologia

2. Fundamenta-se na onipotência

e imutabilidade.

Deus é confiável em seu atributo:

1Co 10.13 A verdade quanto ao LIVRAMENTO.

Gn 8.22 A verdade quanto as PROMESSAS.

Hb 3.11 A verdade quanto as AMEAÇAS.

Dt 7.9 A verdade quanto a ALIANÇA.

https://faterge.igrejaiep.org/escola/mod/book/tool/print/index.php?id=332 29/36
10/04/2020 Teontologia

16. BIBLIOGRAFIA
BIBLIOGRAFIA

BALDWIN, J. G. Ageu, zacarias e malaquias introdução e

comentário. Trad. H. U. Fuchs. 1ª Ed. São Paulo:

Sociedade Religiosa Edições Vida Nova. Tradução de

Haggai, zechariah, malachi an introduction and

commentary. 2006. 212p.

BAVINCK, H. Teologia sistemática fundamentos

teológicos da fé cristã. Trad. V. Barbosa. 1ª Ed. Santa

Barbara d’Oeste: SOCEP Sociedade Cristã Evangélica

de Publicações Ltda. Tradução de: Magnalia dei. 2001.

623p.

BERKHOF, L. Teologia sistemática. Trad. O. Olivetti. 5ª Ed.

São Paulo: Luz Para O Caminho. Tradução de:

Systematic theology. 1998. 791p.

BÍBLIA DE ESTUDO DE GENEBRA. São Paulo: Editora

Cultura Cristã e Sociedade Bíblica do Brasil. Tradução

de: New geneva study bible. 1999. 1.710p.

BRAGA, L. Manual dos catecúmenos. 3ª Ed. São Paulo:

Casa Editora Presbiteriana. 1971. 206p.

BRUCE, F.F. João introdução e comentário. Trad. H. U.

Fuchs. 1ª Ed. São Paulo: Sociedade Religiosa Edições

Vida Nova. Tradução de: The gospel of John –

introduction, exposition and notes. 1987. 355p.

BRUCE, F.F. Romanos introdução e comentário. Trad. O.

https://faterge.igrejaiep.org/escola/mod/book/tool/print/index.php?id=332 30/36
10/04/2020 Teontologia

Olivetti. 1ª Ed. São Paulo: Sociedade Religiosa Edições

Vida Nova. Tradução de: The epistle of paul to the

romans. 1979. 232p.

BUCKLAND, A. R. Dicionário bíblico universal. Trad. J. S.

Figueiredo. 12º Ed. São Paulo: Editora Vida. 1997. 453p.

CALVINO, J. As institutas ou tratado da religião cristã.

trad. W. C. Luz. 2ª Ed. São Paulo: Casa Editora

Presbiteriana. Tradução de: Institutio religionis

christianae. 1985. v.1. 333p.

CALVINO, J. As institutas da religião cristã. Trad. O.

Olivetti. 1ª Ed. São Paulo. Cultura Cristã. v.1. 256p.

CHAMPLIN, R. N., BENTES, J. M. Enciclopédia de bíblia,

teologia e filosofia. 4ª Ed. São Paulo: Editora Candeia.

1997. v.1. 1.039 p.

CHEUNG, V. Teologia sistemática. Trad. F. S. A. Neto e

V. M. Silva. 1ª Ed. 2003. 196p.

DAGG, J. L. Manual de teologia. 1ª Ed. São José dos

Campos: Editora Fiel da Missão Evangélica Literária.

Tradução de: Manual of theology. 1989. 300p.

DAVIDSON, F. O novo comentário da bíblia. 3ª Ed. São

Paulo: Sociedade Religiosa Edições Vida Nova.

Tradução de: The new bible commentary. 1995. 1.487p.

DUNCAN, D.D. Fundamentos da verdade. Trad. C.

Gordon. 1ª Ed. Bruxelas: Instituto por correspondência

Internacional. Tradução de: Cornerstones of truth.

https://faterge.igrejaiep.org/escola/mod/book/tool/print/index.php?id=332 31/36
10/04/2020 Teontologia

1986. 304p.

ELWELL, W. A. Enciclopédia histórico-teológica da

igreja cristã. Trad. G. Chown. São Paulo: Sociedade

Religiosa Edições Vida Nova, 1990. v.1. 510p.

ERICKSON, M. J. Introdução à teologia sistemática. Trad.

N. Yamakami. 1ª Ed. São Paulo: Sociedade Religiosa

Edições Vida Nova. Tradução de: Introducing christian

doctrine. 1992. 540p.

FOULKES, F. Efésios introdução e comentário. Trad. M.

L. Redondo. 2ª Ed. São Paulo: Sociedade Religiosa

Edições Vida Nova. Tradução de: The epistle of paul to

the ephesians. 1983. 150p.

GEORGE, T. Teologia dos reformadores. Trad. G. Dudus e

V. Fontana. 1ª Ed. São Paulo: Sociedade Religiosa

Edições Vida Nova. Tradução de: Theology of the

reformers. 1994. 339p.

GRENZ, S. J., GURETZKI, D., NORDLING, C. F. N.

Dicionário de teologia edição de bolso mais de 300

conceitos teológicos. Trad. J. Ribeiro. 2ª Ed. São Paulo.

Tradução de: Pocket dictionary of theological terms:

over 300 terms clearly & concisely defined. 2001. 142p.

GRUDEM, W. Teologia sistemática atual e exaustiva.

Trad. M. Messias, J. L. Martinez, O. D. Arce. 1ª Ed. São

Paulo: Editora Vida Nova. 2007. 2098p.

HAARBECK, T. Está escrito dogmática bíblica. Trad. E.

https://faterge.igrejaiep.org/escola/mod/book/tool/print/index.php?id=332 32/36
10/04/2020 Teontologia

Müller. 13ª Ed. São Bento do Sul: Distribuidora Literária

União Cristã. tradução de: Werkbuch biblische

glaubenslehre, brunnen verlag. 1982. 231p.

HODGE, C. Teologia sistemática. Trad. V. Martins. 1ª Ed.

São Paulo: Editora Hagnos. Tradução de: Systematic

Theology. 2001. 1711p.

HODGE, A.A. Confissão de fé westminster comentada por

alexander a. hodge. Trad. V. G. Martins. 2ª Ed. São

Paulo: Editora Os Puritanos. Tradução de: Confession

of faith. 1999. 596p.

HORN, L. T. V. Estudos no breve catecismo de

westminster. Trad. H. G. Silva. 1ª Ed. São Paulo: Editora

Os Puritanos. Tradução de: Studies in the Westminster

shorter catechism. 2000. 198p.

HORTON, S. M. Teologia sistemática uma perspectiva

pentecostal. 1ª Ed. São Paulo: CPAD Casa Publicadora

das Assembléias de Deus. 452p.

HOUSE, W. H. Teologia cristã em quadros. Trad. A. S.

Matos. 2ª Ed. São Paulo: Editora Vida Nova.

Tradução de: Charts of christian teology and

doctrine. 2000. 152p.

JEREMIAS, J. Teologia do novo testamento. Trad. J. R.

Costa. 4ª Ed. São Paulo: Editora Paulinas. Tradução de:

Neutestamentliche theologie. 1977. 492p.

KIDNER, D. Salmos 73-150 introdução e comentário.

https://faterge.igrejaiep.org/escola/mod/book/tool/print/index.php?id=332 33/36
10/04/2020 Teontologia

Trad. G. Chown. 1ª Ed. São Paulo: Sociedade Religiosa

Edições Vida Nova. Tradução de: Psalms 73-150 an

introduction and commentary on books III – V of the

psalms. 2000. 496p.

KIDNER, D. Gênesis introdução e comentário. Trad. O.

Olivetti. 1ª Ed. São Paulo: Sociedade Religiosa Edições

Vida Nova. Tradução de: Genesis an introduction and

commentary. 1979. 208p.

MARSHALL, I. H. Atos introdução e comentário. Trad.

G. Chown. 1ª Ed. São Paulo: Sociedade Religiosa

Edições Vida Nova. Tradução de: The acts of the

apostles an introduction and commentary. 1982. 397p.

MCGRATH, A. Teologia para amadores. Trad. R. V. B.

Azevedo. 1ª Ed. São Paulo: Editora Mundo Cristão.

2008. 69p.

MORRIS, L. 1 coríntios introdução e comentário. Trad. O.

Olivetti. 1ª Ed. São Paulo: Sociedade Religiosa Edições

Vida Nova. Tradução de: 1 corinthians an introduction

and commentary. 1981. 199p.

MYATT, A., FERREIRA, F. Teologia sistemática. Rio de

Janeiro: Faculdade Teológica Batista de São Paulo.

2002. 293p.

NASCIMENTO, A. C. A razão da nossa fé. 8ª Ed. São Paulo:

Editora Cultura Cristã. 2000. 48p.

PACKER, J. I. Teologia concisa síntese dos fundamentos

https://faterge.igrejaiep.org/escola/mod/book/tool/print/index.php?id=332 34/36
10/04/2020 Teontologia

históricos da fé cristã. Trad. R. Castilho. 1ª Ed. São

Paulo: LPC Luz Para o Caminho. 1999. 139p.

RIDDERBOS, H. A teologia do apóstolo paulo: a obra

definitiva do pensamento do apóstolo dos gentios.

Trad. S. Klassen. 1ª Ed. São Paulo: Editora Cultura

Cristã. Tradução de: Paulus ontwerp van zijn theologie.

2004. 644p.

RIDDERBOS, J. Isaías introdução e comentário. Trad. A. A.

Oliveira. 2ª Edição. São Paulo: Sociedade Religiosa

Edições Vida Nova. Tradução de: Isaiah. 1995. 515p.

ROCHA, A. R. Teologia sistemática no horizonte pós-

moderno: um novo lugar para a linguagem teológica. 1ª

Ed. São Paulo: Editora Vida. 2007. 191p.

STRONG, A. H. Teologia sistemática a doutrina de

Deus. Trad. A. Victorino. 1ª Edição. São Paulo: Editora

Hagnos. Tradução de: Systematic theology. 2003. v. 1.

680p.

STRONG, A. H. Teologia sistemática a doutrina de Deus.

Trad. A. Victorino. 1ª Edição. São Paulo: Editora

Hagnos. Tradução de: Systematic theology. 2003. v. 2.

880p.

TASKER, R. V. G. Mateus introdução e comentário. Trad.

O. Olivetti. 1ª Edição. São Paulo: Sociedade Religiosa

Edições Vida Nova. Tradução de: St. Matthew an

introduction and commentary. 1980. 229p.

https://faterge.igrejaiep.org/escola/mod/book/tool/print/index.php?id=332 35/36
10/04/2020 Teontologia

THOMPSON, J. A. Deuteronômio introdução e

comentário. Trad. C. O. Pinto. 1ª Ed. São Paulo:

Sociedade Religiosa Edições Vida Nova e Associação

Religiosa Editora Mundo Cristão. Tradução de:

Deuteronomy an introduction and commentary. 1982.

306.

VOS, J.G. Catecismo maior de westminster comentado

por johannes geerhardus vos. Trad. M. Vasconcelos.

1ª Ed. São Paulo: Editora Os Puritanos. Tradução de:

The westminster larger catechism: A commentary –

presbyterian and reformed publishing. 2007. 656p.

WESTERMANN, C. Teologia do antigo testamento. Trad.

F. Dattler. São Paulo: Paulinas. Tradução de: Theologie

des alten testaments in grundzugen. 1987. 202p.

https://faterge.igrejaiep.org/escola/mod/book/tool/print/index.php?id=332 36/36

Você também pode gostar