Você está na página 1de 5

Setembro Amarelo

 É uma campanha de conscientização sobre a prevenção do suicídio,


com o objetivo direto de alertar a população a respeito da realidade do suicídio
no Brasil e no mundo e suas formas de prevenção.

 O dia 10 de setembro é marcado pelo Dia Mundial de Prevenção ao


Suicídio, grave problema de saúde pública,

 A cada 40 segundos, uma pessoa morre por suicídio, no mundo, e a


cada 45 minutos, uma pessoa morre por suicídio, no Brasil.

 Mais de 800.000 pessoas morrem por suicídio todos os anos.


 Para cada suicídio, há muito mais pessoas que tentam o suicídio a cada
ano. A tentativa prévia é o fator de risco mais importante para o suicídio
na população em geral.
 O suicídio é a segunda principal causa de morte entre jovens com idade
entre 15 e 29 anos.
 75% dos suicídios no mundo ocorrem em países de baixa e média
renda.
 Ingestão de pesticida, enforcamento e armas de fogo estão entre os
métodos mais comuns de suicídio em nível global.
 A maioria das pessoas com ideias de morte comunica seus
pensamentos e intenções suicidas.

 Elas, frequentemente, dão sinais e fazem comentários sobre “querer


morrer”,

Fique atento às frases de alerta:

“Eu preferia estar morto”.


“Eu não posso fazer nada”.

“Eu não aguento mais”.

“Eu sou um perdedor e um peso pros outros”.

“Os outros vão ser mais felizes sem mim”.

São quatro os sentimentos principais de quem pensa em se


suicidar:

1. Depressão
2. Desesperança
3. Desamparo
4. Desespero

Sinais de alerta:

A maioria das pessoas que se suicidam, dão pistas e sinais de aviso,


mas os outros que as rodeiam não estão conscientes do seu significado nem
sabem como responder. Eis alguns exemplos de sinais de alerta:

 Tornar-se uma pessoa depressiva, melancólica (apresenta uma grande


tristeza, desesperança e pessimismo, chora sistematicamente);
 Falar muito acerca da morte, suicídio ou de que não há razões para
viver, utilizando expressões verbais tais como “Não aguento mais”, “Já
nada importa”, ou “Estou a pensar acabar com tudo”;
 Preparativos para a morte: pôr os assuntos em ordem, desfazer-
se/oferecer objetos ou bens pessoais valiosos, fazer despedidas ou
dizer adeus como se não voltasse a ser visto;
 Demonstrar uma mudança acentuada de comportamento, atitudes e
aparência;

 Ter comportamentos de risco, marcada impulsividade e agressividade;

 Aumento do consumo de álcool, droga ou fármacos;

 Afastamento ou isolamento social;


 Insônia persistente, ansiedade ou angústia permanente;

 Dificuldades de relacionamento e integração na família ou no grupo;

 Insucesso escolar (por exemplo, quando antes era aluno interessado);


 Automutilação.

Mitos e verdades sobre suicídio:

Mito 1: As pessoas que falam sobre o suicídio não farão mal a si próprias, pois
querem apenas chamar a atenção. FALSO.

Verdade: Fique de olho em quem idealiza um plano suicida. Todas as


ameaças de se fazer mal devem ser levadas muito a sério.

Mito 2: O suicídio é sempre impulsivo e acontece sem aviso. FALSO. 


Verdade: Um suicídio pode ser planejada durante algum tempo. Muitos
indivíduos suicidas comunicam algum tipo de mensagem verbal ou
comportamental sobre as suas intenções. 

Mito 3: Os indivíduos suicidas querem mesmo morrer ou estão decididos a


matar-se. FALSO.

Verdade: A maioria das pessoas que se sentem suicidas partilham os seus


pensamentos com pelo menos uma outra pessoa.

Mito 4: Quando um indivíduo mostra sinais de melhoria ou sobrevive a uma


tentativa de suicídio, está fora de perigo. FALSO. 

Verdade: Na verdade, um dos períodos mais perigosos é imediatamente


depois da crise. Isso vale, inclusive, para quando a pessoa está no hospital,
depois de uma tentativa.

Mito 5: O suicídio é sempre hereditário. FALSO. 


Verdade: Nem todos os suicídios podem ser associados à hereditariedade.
Uma história familiar de suicídio, no entanto, é um fator de risco importante
para o comportamento suicida, particularmente em famílias onde a depressão é
comum.

Mito 6: Os indivíduos que tentam ou cometem suicídio têm sempre alguma


perturbação mental. FALSO.

Verdade: Os comportamentos suicidas têm sido associados à depressão,


abuso de substâncias, esquizofrenia e outras perturbações mentais, além de
aos comportamentos destrutivos e agressivos. No entanto, esta associação
não deve ser sobrestimada. A proporção relativa destas perturbações varia de
lugar para lugar. Além disso, existem casos em que nenhuma perturbação
mental foi detectada.

Mito 7: “Se alguém falar sobre suicídio com outra pessoa está a transmitir a
ideia de suicídio a essa pessoa“. FALSO.

Verdade: não se causam comportamentos suicidas por se falar com alguém


sobre isso. Na realidade, reconhecer que o estado emocional do indivíduo é
real e tentar normalizar a situação induzida pelo stresse são componentes
importantes para a redução da ideação suicida; faz que o paciente sinta que da
parte do seu interlocutor há interesse no seu sofrimento.

Mito 8: “O suicídio só acontece aos outros”. FALSO.

Verdade: o suicídio pode ocorrer em todas as pessoas, independentemente do


nível social ou familiar.

Mito 9: Após uma pessoa tentar cometer suicídio uma vez, nunca voltará a
tentar novamente. FALSO. 

Verdade: Na verdade, as tentativas de suicídio representam os primeiros


passos para o suicídio em si.

Mito 10: As crianças não cometem suicídio dado que não entendem que a
morte é final e são cognitivamente incapazes de se empenhar num ato suicida.
FALSO. 
Verdade: Embora seja raro, as crianças cometem suicídio. Qualquer gesto, em
qualquer idade, deve ser levado muito seriamente.