Você está na página 1de 15

ORIENTAÇÕES PARA

CLUBES, ESCOLAS
E ATLETAS DE
FUTEBOL DO
DISTRITO FEDERAL
DURANTE O PERÍODO DE
DISTANCIAMENTO SOCIAL NO
ENFRENTAMENTO À PANDEMIA
SARS-COV-2.

BRASÍLIA, 04 DE MAIO DE 2020. 1


O presente documento foi elaborado pelos autores abaixo,
que representam o Instituto de Pesquisa e Ensino do
Hospital HOME / Centro Médico de Excelência da FIFA, a
Comissão de Saúde da Federação de Futebol do Distrito
Federal e o Centro Universitário de Brasília - UniCEUB,
por meio do Projeto de Assistência Educacional e à Saúde
do Atleta, da Pós-Graduação em Fisioterapia Traumato-
Ortopédica e Funcional e da Faculdade de Ciências da
Educação e Saúde:

Diogo Cristiano Netto, Profissional de


Educação Física, PhD

José Humberto de Souza Borges, Médico


Ortopedista, Mestre

Marcio Oliveira, Fisioterapeuta, PhD

Michele Ferro de Amorim Cruz, Nutricionista,


Mestre

Paulo Lobo Júnior, Médico Ortopedista,


Especialista

Pedro Nunes, Fisioterapeuta

Renata Vale Vilhena, Psicóloga, Mestre

Tácio Rodrigues da Silva Santos,


Profissional de Educação Física, PhD

Vinícius Zacarias Maldaner da Silva,


Fisioterapeuta, PhD

Estudantes de graduação que colaboraram para a produção


do documento:

Aline Lamounier Gonçalves, Graduanda em


Medicina

Gabriel Xavier Ramalho, Graduando em


Medicina

Mariana Carolino e Oliveira, Graduanda em


Nutrição

Camila Silva Brito, Graduanda em Nutrição

2 3
Destreinamento
INTRODUÇÃO em jogadores de
O Distrito Federal (DF) e as cidades do entorno estão
futebol profissional
sob o efeito de medidas de distanciamento social que
inviabilizam a prática do futebol desde março de 2020(1,2).
As atividades presenciais representam maior risco de
infecção, que deve ser equilibrado com os danos à
Curto prazo
performance do atleta. Decisões nesse momento devem
Em duas semanas de destreinamento, ocorre a redução do
ter como objetivo minimizar a exposição - especialmente
desempenho nos sprints (tiros), principalmente nos atletas
àqueles que se encontram em grupos risco, como os que
mais rápidos. A capacidade cardiorrespiratória, por sua vez,
apresentam maior idade e ou comorbidades clínicas, a citar
ainda não é afetada negativamente(8).
diabete mellitus, hipertensão arterial sistêmica, obesidade
e pneumopatias crônicas(3).

O risco de contaminação é, também, proporcional a Longo prazo


disponibilidade de equipamentos de proteção individual
e outras medidas de controle de infecção, que podem A partir da quinta semana de destreinamento, é possível
variar na prestação de serviços. Se decidida a manutenção observar o aumento da massa gorda e a redução da massa
das atividades, essas serão norteadas pelas orientações magra. Na sexta semana, a capacidade cardiorrespiratória
da Organização Mundial da Saúde e Organização Pan e a força muscular apresentam valores reduzidos. Estes
Americana da Saúde(4). Existindo a viabilidade de modos efeitos ocorrem mesmo com a adição de rotinas parciais
alternativos de assistência, como a telesaúde, baseada de treino com exercícios aeróbios e de fortalecimento após
em educação e orientações qualificadas, numa atuação duas semanas de inatividade completa(9–11).
profissional remota(5).

Para os atletas da modalidade que habitam na região, a


situação implica em um contexto de destreinamento -
período em que o treinamento é suspenso, ou realizado
com intensidade, duração ou frequência insuficiente para
manter o nível de desempenho(6). O destreinamento se
dá tanto a curto prazo (menos de quatro semanas), como
a longo prazo (mais de quatro semanas)(6,7), sendo no
futebol analisado separadamente entre profissionais e
categorias de base.

4 5
Destreinamento Destreinamento e a
em jogadores saúde física e mental
de futebol das Outras respostas ao destreinamento de curto e de longo prazo são

categorias de base observadas em atletas de diversas modalidades e também devem


ser consideradas em jogadores de futebol, pois se relacionam com a
saúde vascular, cardiometabólica e metabólica. O aumento da pressão
arterial média, do LDL, e a redução do HDL e da sensibilidade à insulina

Curto prazo
podem se manifestar antes mesmo da quarta semana, e seguir após
este marco temporal(15,16).

Mesmo diante inequívocos benefícios à saúde pública, o distanciamento


Em duas semanas de destreinamento,
social, por outro lado pode acarretar consequências psicológicas,
jogadores de futebol das categorias de base
emocionais e até financeiras para algumas pessoas. Ter a liberdade
também sofrem redução do desempenho
restringida, conhecimento de alguém que foi contaminado ou ter tido
nos sprints, com pior efeito sobre aqueles
contato com alguém doente, lidar com o medo de ser contaminado
que são mais rápidos. Contudo, a redução
ou contaminar um familiar, ter os planos interrompidos bruscamente
entre eles é menor que entre os adultos,
podem levar ao aumento de sintomas relacionados à depressão,
e a capacidade cardiorrespiratória segue
ansiedade, medo generalizado e desesperança(17).
preservada(8).

Por último, manter uma alimentação saudável e adequada nesse

Longo prazo contexto tem se tornado um desafio para muitos jogadores de futebol,
mas é importante reconhecer que a alimentação saudável auxilia na
melhora do desempenho esportivo, na manutenção da massa muscular,
Depois de quatro semanas, a massa evita o aumento de gordura corporal e proporciona o fortalecimento do
corporal e a força muscular permanecem sistema imunológico(18).
inalteradas nos jogadores de futebol das
categorias de base(12). Com seis semanas, a
capacidade cardiorrespiratória, a velocidade Tendo em vista o contexto relatado, apresentamos, com base nas
de corrida aeróbia e a velocidade de corrida evidências científicas disponíveis e na análise reflexiva do cenário
anaeróbia estão diminuídas. Ao que parece, por parte deste grupo de especialistas, orientações que podem ser
é uma consequência da menor ventilação adotadas sistematicamente por clubes, escolas e atletas do DF com o
pulmonar tanto no exercício de baixa objetivo de minimizar os impactos da pandemia sobre a performance
intensidade, como no de alta intensidade. esportiva e tornar o retorno, assim que possível, menos impactante do
Por outro lado, a massa corporal permanece ponto de vista físico e mental. 
inalterada(13,14).

6 7
ORIENTAÇÕES PARA O
TREINAMENTO FÍSICO
A conduta recomendada para atenuar os efeitos do destreinamento é
Exercício de fortalecimento
adotar rotinas parciais de treino com a redução necessária ou desejada (resistidos)
do volume e da frequência, mas manter a intensidade o mais próximo
possível daquela alcançada nos treinos regulares(7). Entretanto, a - Recomendamos até 60 minutos por dia. Não utilizar cargas máximas,
situação atual é distinta e exige uma abordagem diferente. Treinos nem atingir a capacidade máxima através de cargas leves. É adequado
excessivamente intensos podem deprimir o sistema imunológico, que a última repetição seja feita com alguma dificuldade. Dois dias por
que é uma consequência indesejada em tempos de pandemia. Deste semana é suficiente. Na ausência de materiais específicos, é possível
modo, a intensidade também deve ser intencionalmente reduzida(19, realizar exercícios com o próprio peso corporal, como em barra fixa e
20). barras paralelas, flexão de braços, abdominais, agachamentos e flexão
nórdica(20).
Ademais, como gotículas com o novo coronavírus se deslocam por
quase dois metros no ar, e a sobrevida viral pode chegar a 72 horas O quadro a seguir compara alguns materiais utilizados no exercício de
em algumas superfícies(21), é altamente recomendado que os treinos fortalecimento(24):
sejam realizados em ambiente doméstico e com alguns cuidados(20).

Exercício cardiorrespiratório Bandas


elásticas
Fitas de
suspensão
Conjunto de
halteres
Máquinas

- Recomendamos até 60 minutos ininterruptos ou duas sessões de 30 Necessidade


Sim Sim Sim
minutos no mesmo dia separadas por um intervalo de ao menos três de técnica Não
prévia
horas. Intensidade de até 80% da frequência cardíaca máxima, três a
quatro dias por semana. Algumas atividades possíveis no ambiente
Sim Sim Não
doméstico são a corrida estacionária, polichinelos, pular corda, ou Portátil Não
quando possível, subir escadas(20).

Espaço
- O exercício realizado até 75% da frequência cardíaca máxima se Pequeno Pequeno Pequeno a
ocupado Grande
moderado
encaixa nesta recomendação e é classificado como moderado. Assim,
a intensidade pode ser controlada por outros meios ainda mais
Custo de
acessíveis que também denotam uma intensidade moderada. A Baixo Baixo Baixo a alto
aquisição Muito alto
percepção subjetiva de esforço é uma destas alternativas: 3 ou 4 na
escala onde 0 equivale ao repouso e 10 equivale ao esforço máximo.
Outra possibilidade é utilizar o teste de conversa: ser capaz de conversar Ganho de Pequeno a Pequeno a
Pequeno Pequeno a alto
massa magra moderado moderado
durante o exercício. Por fim, cabe ainda o uso da taxa de passos: 100
esperado
passos por minuto ou 1.000 passos em 10 minutos(22, 23).

8 9
Exercícios de
Flexibilidade
- Alongamentos suficientes para manter ou
desenvolver a amplitude de movimento dos
grupos musculares maiores. De dois a três
dias por semana (20). Para que ocorra melhora
da amplitude de movimento, é adequado
mover os segmentos corporais até causar
um pequeno desconforto e manter por 60
segundos, continuamente, ou em duas a três
séries (22).

Contraindicações
- Não treinar em caso de febre e/ou suspeita
de COVID-19(20).

10 11
FORTALECIMENTO DO TRONCO
1. Ponte e ponte com apoio unipodal
Realizar 3 séries de 30-60s de acordo com a tolerância

ORIENTAÇÕES PARA
PREVENÇÃO DE
LESÕES 2. Prancha e prancha com extensão do quadril
Realizar 3 séries de 30-60s de acordo com a tolerância

O futebol é uma modalidade caracterizada por elevado número de lesões, que


geram enorme impacto físico, mental e socioeconômico(25). Estas acometem
atletas nos diferentes níveis e sexos, predominando nos membros inferiores e tendo
caráter especialmente muscular e articular, destacando-se as lesões dos músculos
posteriores de coxa e estruturas ligamentares do joelho e tornozelo(26).

Diversos estudos indicam estratégias eficientes para prevenção de lesões no


futebol. A FIFA desenvolveu em 2006, por meio do seu Centro de Pesquisa e
Avaliação Médica (F-MARC), atualmente conhecido como Comitê Médico da FIFA,
o programa de prevenção de lesões 11+, que serviu de base para a criação e (ou)
aperfeiçoamento de metodologias utilizadas em todo o mundo(27).
3. Prancha lateral
Apesar de as lesões esportivas terem etiologia multifatorial, é consenso de que o Realizar 3 séries de 30-60s de acordo com a tolerância.
programa preventivo de exercícios é a maneira mais efetiva e segura de intervir,
proporcionando a redução do número e gravidade das lesões(28).

Nesse sentido e considerando a relevância em manter os estímulos necessários


para preservar as principais valências relacionadas à qualidade do movimento e
proteção do aparelho locomotor, com base na epidemiologia das lesões no futebol,
sugerimos a realização dos exercícios abaixo duas vezes por semana, seguindo
as orientações iniciais de prescrição, que podem ser adaptadas aos diferentes
níveis de prática e serem realizadas em casa ou em áreas públicas, preservado o
distanciamento social. Ressaltamos que podem fazer parte do aquecimento para
os exercícios cardiorrespiratórios ou resistidos indicados previamente(29).

12 13
FORTALECIMENTO EXCÊNTRICO DA
MUSCULATURA POSTERIOR DA COXA
Exercício nórdico e “avião”
Realizar 10-15 repetições.

EXERCÍCIOS SENSÓRIO-MOTORES
ORIENTAÇÕES
Equilíbrio unipodal com a bola
e saltos unipodais laterais NUTRICIONAIS
Realizar 3 séries de 30-60s de acordo com a tolerância

Os princípios e recomendações do Guia Alimentar para a População


Brasileira são norteadores para a obtenção de uma alimentação
adequada e saudável. O documento oficial sugere algumas práticas
que orientam a escolha de alimentos para compor uma alimentação
nutricionalmente balanceada, tais como: fazer de alimentos in natura
ou minimamente processados a base da alimentação, limitar o
consumo de alimentos processados, utilizar óleos, gorduras, sal
e açúcar em pequenas quantidades, fazer refeições em horários
semelhantes todos os dias evitando “beliscar” nos intervalos
entre as refeições, bem como planejar o uso do tempo para dar à
alimentação o espaço que ela merece(30).

O guia também destaca a importância da comensalidade, ou seja, o


ato de comer junto, o que se torna propício nesse momento devido
à suspensão das atividades nos centros de treinamentos, levando os
atletas a terem a oportunidade de vivenciar mais momentos ao lado de
seus familiares e das pessoas que dividem a casa, por isso, é importante
aproveitar a ocasião para desfrutar da alimentação(30).

14 15
A importância do consumo
adequado dos macronutrientes tornando o atleta mais suscetível a adquirir infecções(18,32).

O consumo de nutrientes em quantidades adequadas é fundamental O organismo naturalmente desenvolve defesas no combate ao
para manter a composição corporal, o rendimento esportivo e gerar estresse oxidativo provocado pelos radicais livres, no entanto, para
benefício à saúde de todos os jogadores. A recomendação de consumo evitar o desbalanço na produção e o consequente excesso dessas
dos macronutrientes (carboidratos proteínas e lipídios) são maiores que espécies reativas, a alimentação adequada atua como um dos
o das vitaminas e dos minerais e variam de acordo com o peso corporal principais mecanismos de defesa. Existem nutrientes, conhecidos
do atleta, a duração e a intensidade do treinamento que o jogador está como antioxidantes, presentes nos alimentos e que são capazes de
vivenciando no momento, ou seja, treinamentos de alta intensidade reduzir os danos causados pelos radicais livres(31).
exigem uma maior oferta de nutrientes e os de baixa a moderada
intensidade uma menor oferta(31). Além disso, devem ser levadas em Vitaminas e minerais em geral atuam melhorando o sistema
consideração as condições de saúde dos jogadores, se apresentam imunológico. Vitaminas A, E, C, complexo B, zinco e selênio, são
ausência ou presença de sintomas relacionados à COVID-19 e se estão exemplos de potentes antioxidantes que podem ser adquiridos por
aptos a treinar respeitando as recomendações propostas(20). meio da alimentação desde que o atleta possua uma dieta saudável
e variada, sendo necessária a suplementação somente em casos de
As proteínas são nutrientes que desempenham diversas funções no deficiências nutricionais, uma vez que excessos desses nutrientes
organismo e o consumo diário adequado permite a reconstrução geram prejuízos à saúde(31).
e reparação do tecido muscular. As proteínas são encontradas em
alimentos como, por exemplo: carnes, peixes, frangos, leites e derivados, No quadro abaixo encontram-se algumas fontes alimentares dos
ovos, feijão, soja, lentilha e grão de bico(18). nutrientes mencionados:

Em se tratando de carboidratos e lipídeos, além de uma variedade de


funções, esses nutrientes atuam como excelentes fornecedores de Nutrientes antioxidantes Exemplos de fontes alimentares
energia para os atletas. Boas fontes de carboidratos são encontradas Mamão, manga, cenoura, gema do ovo,
em alimentos como: frutas, batata, mandioca inhame, arroz, legumes, Vitamina A
queijos, manteiga e fígado.

massas, pães e aveia. Enquanto os lipídios são encontrados em


Óleos vegetais, amêndoas, nozes,
alimentos como: óleos vegetais, castanhas, amêndoas, amendoim, Vitamina E
castanhas e gema do ovo.
manteiga, carnes e leites integrais(18).
Laranja, limão, mexerica, abacaxi, acerola
Vitamina C
e maracujá.

Consumo alimentar e o fortalecimento


do sistema imunológico
Carnes, leites, ovos, brócolis, cereais
Complexo B
integrais, ervilha, amendoim e castanhas.

Castanhas, peixes, carnes, frango, queijos,


O estresse emocional aliado à prática de exercícios físicos são alguns Selênio
ovos e leite.
dos fatores que podem contribuir para aumento de radicais livres no
organismo de atletas. Os radicais livres são moléculas muito reativas que Carnes, frutos do mar, castanhas,
Zinco
amêndoas, feijão, ervilha e grão-de-bico.
quando em excesso no corpo humano podem ocasionar problemas
fisiológicos, incluindo redução da eficiência do sistema imunológico,

16 17
SAÚDE MENTAL
DOS ATLETAS

Atletas do mundo inteiro, das categorias de base à profissional,


Além dos nutrientes citados, a microbiota tiveram suas carreiras bruscamente interrompidas, além de terem
intestinal dos atletas, conjunto de bactérias sido retirados de seus ambientes estruturados de treinamento nos
que habitam o intestino, dentre elas benéficas, quais eram acompanhados por suas comissões técnicas. Desde então,
também auxiliam na imunidade atuando passaram a lidar com incertezas tais como: a) quando retornarei aos
na defesa contra organismos patogênicos, treinos? b) quando voltarmos às competições, meu time precisará
tais como os vírus. Os prebióticos servem de se classificar novamente? c) como continuarei o meu processo de
alimentos para as bactérias presentes no recuperação de lesão sem contato com meu fisioterapeuta? d) como
intestino e são encontrados em frutas, legumes, ocupar meus dias que eram tipicamente preenchidos com treinos em
verduras, aveia e outros cereais integrais ricos função de jogos e competições se estes agora estão suspensos e sem
em fibras. Já os probióticos são as próprias previsão? e) quando poderei reencontrar meus colegas de equipe e
bactérias vivas que residem no intestino e comissão técnica?(34,35)
podem ser encontrados também em leites
fermentados, iogurtes, kefir, kombucha e se Diante disso, muitos atletas passaram a relatar sintomas típicos
necessária a sua suplementação pode ser vivenciados em situações de estresse, como por exemplo, alterações
recomendada por nutricionistas ou outros no sono e apetite, aumento de pensamentos ruminantes (manter-se
profissionais da saúde(33). pensando no que irá acontecer, como será o futuro), solidão (muitos
perderam contato com as famílias também em função de não
A alimentação adequada atua na prevenção, poderem sair das cidades e (ou) os países onde estavam) e medo do
manutenção e promoção da saúde do atleta, futuro (incertezas com relação à contratos, perdas de bolsas). Outros
porém cabe ressaltar aqui a importância relataram vivenciar respostas semelhantes de um processo típico
de evitar cobranças excessivas, visto que o de perdas (neste caso, a perda da carreira, da rotina como atleta)
estresse emocional já está presente na vida de e experimentaram sentimentos como raiva, culpa (especialmente
muitos atletas. aqueles que ajudavam no sustento da família ou aqueles que recebem
altos salários e se viram impossibilitados de controlar tantas mortes).
Sentiram também aquilo que se chama de despersonalização, ou
seja, de não saberem quem são fora do ambiente esportivo(34–36).
Percebe-se então que a saúde mental dos atletas também requer
atenção.

As estratégias a seguir são baseadas nas sugestões da Sociedade

18 19
Internacional de Psicologia do Esporte (ISSP)(34,35), bem como em Ensine valores e ações
princípios da psicologia de um modo geral e da Terapia de Aceitação
- Trabalhe aceitação: comprometidas:
e Compromisso (ACT)(37,38), podendo ser utilizadas não só neste
momento, mas no dia a dia do trabalho realizado junto aos atletas. muitos atletas relatam desmotivação
muito se fala em aceitação, porém
É preciso adaptá-las, no entanto, sempre considerando diferenças por estarem fora de seus ambientes
pouco se compreende o que
culturais, entre as modalidades esportivas e faixas etárias. estruturados de treino e sem metas, uma
significa. Aceitação refere-se a
vez que os campeonatos estão suspensos.
como lidamos com os eventos
Metas e objetivos são ações e estão ligadas
que acontecem conosco e que

Comissões
a resultados. Já os valores referem-se às
não podemos controlar ou
qualidades de nossas ações. Os valores tem
mudar. Relaciona-se também à

técnicas - como
a ver com os processos, ao como fazer para
nossa disposição em deixar que
se alcançar um objetivo. Funcionam como
uma emoção ou pensamento

ajudar os atletas?
uma bússola, nos dando um norte, ainda que
se manifeste ao invés de evitá-la.
as condições mudem. Valores nos motivam
Portanto, aceitação nada tem a ver
porque não são escolhidos por pressão social,
com subserviência ou resignação,
são escolhas genuinamente nossas e nos
mas sim em abandonar estratégias
guiarão independente do que aconteça.
que não serão úteis em nos
- Ajude os atletas a ensinar a lidar com as situações. Ao
Ajude os atletas a pensar em valores. Um
identificar e expressar - Valide o abandonar estratégias de controle,
exemplo de objetivo seria ser um atleta
suas emoções: atleta ao invés
ampliamos nossa percepção de
de alto rendimento, a questão é como?
como lidamos com os eventos.
atletas de um modo geral são ensinados de julgá-lo: O ‘’como’’ relaciona-se aos valores. Qual o
a não demonstrar emoções e até processo está envolvido em tornar-se um
mesmo a fugirem delas como se fosse ao criar espaço para expressão de
jogador profissional mesmo em tempos de
emoções e pensamentos, cria-se
algo errado. Contudo, tal estratégia não
também espaço para fortalecer o
- Ajude o atleta a quarentena? Quais áreas da vida do atleta
os ajuda a identificar o que sentem,
vínculo entre o atleta e a comissão.
ter contato com o precisam ser valorizadas?
tampouco a lidar com o que sentem,
Validar consiste em reconhecer as
momento presente:
o que muitas vezes acaba acarretando Tendo clareza dos valores, entram as ações
expressões cognitivas, emocionais e estar no momento presente
naquilo que vemos em competições com compromisso. Estas têm a ver com o
comportamentais do atleta. Validar não significa ensinar ao atleta
quando os atletas ‘’paralisam’’. Assim, que o atleta deve fazer e como precisará
não significa que sempre devemos necessariamente técnicas de
esta é uma oportunidade de ensinar os enfrentar as barreiras que podem aparecer (e
concordar, mas sim ampliar a meditação e sim torná-lo mais
atletas a desenvolver esta habilidade, pedir ajuda, se necessário). Por exemplo, ser
perspectiva com relação à situação, sensível para o fato de que estar
criando situações nas quais seja um jogador profissional é um objetivo que
descrevendo-a e verificando os atento ao que acontece o ajudará
permitido que eles expressem o que pode estar relacionado a valores como saúde,
fatos, sem julgá-los; a se comportar de maneira mais
pensam e sentem. Ajudando-os a relacionamentos pessoais, relacionamentos
eficiente. Remoer o passado ou
nomear aquilo que sentem, ampliando familiares, estudos, etc. Neste sentido, que
preocupar-se com o futuro não
desta forma seu autoconhecimento e ações devem ser mantidas mesmo em
são estratégias que o tornam mais
melhorando a sua tomada de decisão; distanciamento e afastado do ambiente de
habilidoso para lidar com o que
treino? Participar das reuniões com a comissão
acontece agora.
técnica; estar atento à alimentação e sono,
pedindo ajuda à comissão, se necessário;
manter contato com a família, etc.
20 21
- Uma última
palavra: Cuidado!
Muito material tem sido produzido
neste período e sabe-se que a
intenção é ajudar as pessoas a passar
por este momento. Entretanto, fique
atento ao seu atleta e às sugestões,
dicas que pretende dar ele. Cuidado
ao propor técnicas clássicas como
relaxamento, meditação, autofala,
estabelecimento de metas, dentre
outras. Perceba se ele está aberto
a isso. É importante também que
ao propor intervenções, a comissão
técnica avalie se há condições de dar
suporte aos conteúdos que poderão
vir à tona.

No momento de retorno aos treinos


presenciais, será necessário também
que a comissão técnica se atente à
sintomas relacionados ao transtorno
de estresse pós-traumático.

22 23
REFERÊNCIAS
endurance according to initial performance of soccer player.
PLoS One. 2018 Aug 15;13(8):e0201111.

BIBLIOGRÁFICAS 9. Koundourakis NE, Androulakis NE, Malliaraki N,


Tsatsanis C, Venihaki M, Margioris AN. Discrepancy between
exercise performance, body composition, and sex steroid
response after a six-week detraining period in professional
1. DISTRITO FEDERAL (Estado). Decreto no 40.509. soccer players. PLoS One. 2014 Feb 19;9(2):e87803.
Diário Oficial do Distrito Federal, Brasília. 11 de março de
2020;Edição Extra:3. 10. Koundourakis NE, Androulakis N, Dermitzaki E,
Venihaki M, Margioris AN. Effect of a 6-week supervised
2. GOIÁS (Estado). Decreto no 9.633. Diário Oficial do detraining period on bone metabolism markers and their
Estado de Goiás. Diário Oficial do Estado de Goiás, Poder association with ergometrics and components of the
Executivo. 13 de março de 2020;Suplemento:1. hypothalamic–pituitary–gonadal (HPG) axis in professional
male soccer players [Internet]. Vol. 37, Journal of Bone and
3. Jordan RE, Adab P, Cheng KK. Covid-19: risk factors for Mineral Metabolism. 2019. p. 512–9. Available from: http://
severe disease and death. BMJ. 2020 Mar 26;368:m1198. dx.doi.org/10.1007/s00774-018-0947-7

4. Ferreira LL, Sampaio DL, Chagas ACP, Bernardo WM. 11. Suarez-Arrones L, Lara-Lopez P, Maldonado R, Torreno
DIRETRIZES AMB: COVID– 19. 2020; N, De Hoyo M, Nakamura FY, et al. The effects of detraining
and retraining periods on fat-mass and fat-free mass in elite
5. Sarti TD, Lazarini WS, Fontenelle LF, Ana Paula male soccer players. PeerJ. 2019 Aug 13;7:e7466.
Santana. Qual o papel da Atenção Primária à Saúde diante
da pandemia provocada pela COVID-19? [Internet]. Vol. 29, 12. Vassilis S, Yiannis M, Athanasios M, Dimitrios M, Ioannis
Epidemiologia e Serviços de Saúde. 2020. Available from: G, Thomas M. Effect of a 4-week detraining period followed
http://dx.doi.org/10.5123/s1679-49742020000200024 by a 4-week strength program on isokinetic strength in elite
youth soccer players. J Exerc Rehabil. 2019 Feb;15(1):67–73.
6. Mujika I, Padilla S. Detraining: loss of training-induced
physiological and performance adaptations. Part I: short 13. Melchiorri G, Ronconi M, Triossi T, Viero V, De Sanctis D,
term insufficient training stimulus. Sports Med. 2000 Tancredi V, et al. Detraining in young soccer players. J Sports
Aug;30(2):79–87. Med Phys Fitness. 2014 Feb;54(1):27–33.

7. Mujika I, Padilla S. Detraining: loss of training-induced 14. Alvero-Cruz JR, Ronconi M, Garcia Romero J, Naranjo
physiological and performance adaptations. Part II: Long Orellana J. Effects of detraining on breathing pattern and
term insufficient training stimulus. Sports Med. 2000 ventilatory efficiency in young soccer players. J Sports Med
Sep;30(3):145–54. Phys Fitness. 2019 Jan;59(1):71–5.

8. Rodríguez-Fernández A, Sánchez-Sánchez J, 15. Mujika I, Padilla S. Detraining: loss of training-induced


Ramirez-Campillo R, Rodríguez-Marroyo JA, Villa Vicente physiological and performance adaptations. Part I: short
JG, Nakamura FY. Effects of short-term in-season break term insufficient training stimulus. Sports Med. 2000
detraining on repeated-sprint ability and intermittent Aug;30(2):79–87.

24 25
16. Mujika I, Padilla S. Detraining: loss of training-induced resource-library/resource_detail?id=8c1c1083-b8e4-43c3-
physiological and performance adaptations. Part II: Long 88a3-c401aff5401c
term insufficient training stimulus. Sports Med. 2000
Sep;30(3):145–54. 24. Home Weight Room Equipment [Internet].
AMERICAN COLLEGE OF SPORTS MEDICINE. [cited 2020
17. Hull HF. SARS Control and Psychological Effects of Apr 26]. Available from: <https://www.acsm.org/read-
Quarantine, Toronto, Canada [Internet]. Vol. 11, Emerging
Infectious Diseases. 2005. p. 354–5. Available from: http:// 25. Serrano JM, Shahidian S, da Cunha Voser R, Leite
dx.doi.org/10.3201/eid1102.040760 N. Incidência e fatores de risco de lesões em jogadores de
futsal portugueses [Internet]. Vol. 19, Revista Brasileira de
18. Katch VL, McArdle WD, Katch F. Fisiologia do exercício: Medicina do Esporte. 2013. p. 123–9. Available from: http://
energia, nutrição e desempenho humano. 2003. 1113 p. dx.doi.org/10.1590/s1517-86922013000200011

19. Simpson RJ, Campbell JP, Gleeson M, Krüger K, Nieman 26. Silva WM, Bernaldino ES, Fileni CHP, Camargo
DC, Pyne DB, et al. Can exercise affect immune function LB, Lima BN, Martins GC, et al. INCIDÊNCIA DE LESÕES
to increase susceptibility to infection? Exerc Immunol Rev. MUSCULOESQUELÉTICAS EM JOGADORES DE FUTEBOL
2020;26:8–22. PROFISSIONAL NO BRASIL [Internet]. Vol. 11, Centro de
Pesquisas Avançadas em Qualidade de Vida. 2019. Available
20. Eirale C, Bisciotti G, Corsini A, Baudot C, Saillant G, from: http://dx.doi.org/10.36692/cpaqv-v11n3-20
Chalabi H. Medical recommendations for home-confined
footballers’ training during the COVID-19 pandemic: from 27. Daneshjoo A, Mokhtar A, Rahnama N, Yusof A. The
evidence to practical application [Internet]. Vol. 37, Biology of effects of injury prevention warm-up programmes on knee
Sport. 2020. p. 203–7. Available from: http://dx.doi.org/10.5114/ strength in male soccer players. Biol Sport. 2013 Dec;30(4):281–
biolsport.2020.94348 8.

21. van Doremalen N, Bushmaker T, Morris DH, Holbrook 28. Faude O. Risk factors for injuries in elite female soccer
MG, Gamble A, Williamson BN, et al. Aerosol and Surface players [Internet]. Vol. 40, British Journal of Sports Medicine.
Stability of SARS-CoV-2 as Compared with SARS-CoV-1. N 2006. p. 785–90. Available from: http://dx.doi.org/10.1136/
Engl J Med. 2020 Apr 16;382(16):1564–7. bjsm.2006.027540

22. Garber CE, Blissmer B, Deschenes MR, Franklin 29. FIFA. F-MARC - Football for Health 20 years of F-MARC
BA, Lamonte MJ, Lee I-M, et al. American College of Research and Education 1994 - 2014. FOOTBALL MEDICINE
Sports Medicine position stand. Quantity and quality of PROJECTS. 2015;
exercise for developing and maintaining cardiorespiratory,
musculoskeletal, and neuromotor fitness in apparently 30. BRASIL. Guia Alimentar da População Brasileira. 2 ed.
healthy adults: guidance for prescribing exercise. Med Sci 2014. 2014; Available from: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/
Sports Exerc. 2011 Jul;43(7):1334–59. publicacoes/guia_alimentar_populacao_brasileira_2ed

23. Monitoring Aerobic Exercise Intensity [Internet]. 31. Kerksick CM, Wilborn CD, Roberts MD, Smith-Ryan
AMERICAN COLLEGE OF SPORTS MEDICINE. [cited 2020 A, Kleiner SM, Jäger R, et al. ISSN exercise & sports nutrition
Apr 26]. Available from: https://www.acsm.org/read-research/ review update: research & recommendations. J Int Soc Sports

26 27
Nutr. 2018 Aug 1;15(1):38.

32. International Society For Immunonutrition. ISIN


Position Statement on Nutrition, Immunity and COVID-19.
2020; Available from: http://www.immunonutrition-isin.org/
docs/isinComunicadoCovid19.pdf

33. Sommer F, Bäckhed F. The gut microbiota — masters


of host development and physiology [Internet]. Vol. 11, Nature
Reviews Microbiology. 2013. p. 227–38. Available from: http://
dx.doi.org/10.1038/nrmicro2974

34. Schinke R, Papaioannou A, Henriksen K, Si G, Zhang


L, Haberl P. Sport psychology services to high performance
athletes during COVID-19 [Internet]. International Journal of
Sport and Exercise Psychology. 2020. p. 1–4. Available from:
http://dx.doi.org/10.1080/1612197x.2020.1754616

35. Kristoffer Henriksen, Robert Schinke, Franco Noce,


Artur Poczwardoski & Gangyan Si. (ISSP Managing Council
Members): Working with athlete during a pandemic
and social distancing. 2020; Available from: https://www.
issponline.org/

36. Hawryluck L, Gold WL, Robinson S, Pogorski S,


Galea S, Styra R. SARS Control and Psychological Effects of
Quarantine, Toronto, Canada [Internet]. Vol. 10, Emerging
Infectious Diseases. 2004. p. 1206–12. Available from: http://
dx.doi.org/10.3201/eid1007.030703

37. A Practical Guide to Acceptance and Commitment


Therapy [Internet]. 2004. Available from: http://dx.doi.
org/10.1007/978-0-387-23369-7

38. Salazar MCR, Ballesteros ÁPV. Efecto de una


intervención ACT sobre la resistencia aeróbica y evitación
experiencial en marchistas. Rev Costarric Psic [Internet]. 2015;
Available from: http://www.scielo.sa.cr/scielo.php?script=sci_
arttext&pid=S1659-29132015000200096&lng=en&nrm=iso

28 29

Você também pode gostar