Você está na página 1de 38

Autora

Kalincka Gramont
É graduada em Enfermagem, pós-graduada em Docência e Gestão Hospitalar, ex-servidora pública
da Secretaria de Estado de Saúde de São Paulo (SES/SP), servidora da Câmara Legislativa do Distrito
Federal, docente do curso de graduação em Enfermagem e em cursos preparatórios para
concursos como professora das disciplinas Clínica Cirúrgica, Ética e Legislação de Enfermagem e
Gestão Hospitalar.

Revisão Ilustração
Erick Guilhon Daniel Motta
Mariana Carvalho

Projeto Gráfico Capa


NT Editora NT Editora

Editoração Eletrônica
Marcelo Moraes

NT Editora, uma empresa do Grupo NT


SCS Quadra 2 – Bl. C – 4º andar – Ed. Cedro II
CEP 70.302-914 – Brasília – DF
Fone: (61) 3421-9200
sac@grupont.com.br

Enfermagem Cirúrgica. / NT Editora.


-- Brasília: 2016. 182p. : il.; 21,0 X 29,7 cm.
ISBN - 978-85-8416-118-8
1. Fundamentos em Enfermagem Cirúrgica. 2. Centro cirúrgico: plan-
ta e estrutura física, equipamentos e equipe 3. Períodos operatórios.
4. Classificação do tratamento cirúrgico, tipos de cirurgia e aneste-
siologia básica. 5. Sala de recupera­ção pós-anestésica (SRPA).
6. Doenças e agravos em Clínica Cirúrgica. 7. Centro de material e
esterilização (CME).

Copyright © 2016 por NT Editora.


Nenhuma parte desta publicação poderá ser reproduzida por
qualquer modo ou meio, seja eletrônico, fotográfico, mecânico ou
outros, sem autorização prévia e escrita da NT Editora.
LEGENDA

ÍCONES

Prezado(a) aluno(a),
Ao longo dos seus estudos, você encontrará alguns ícones na coluna lateral do mate-
rial didático. A presença desses ícones o(a) ajudará a compreender melhor o conteúdo
abordado e a fazer os exercícios propostos. Conheça os ícones logo abaixo:

Saiba mais
Esse ícone apontará para informações complementares sobre o assunto que
você está estudando. Serão curiosidades, temas afins ou exemplos do cotidi-
ano que o ajudarão a fixar o conteúdo estudado.

Importante
O conteúdo indicado com esse ícone tem bastante importância para seus es-
tudos. Leia com atenção e, tendo dúvida, pergunte ao seu tutor.

Dicas
Esse ícone apresenta dicas de estudo.

Exercícios
Toda vez que você vir o ícone de exercícios, responda às questões propostas.

Exercícios
Ao final das lições, você deverá responder aos exercícios no seu livro.

Bons estudos!
Sumário

1 FUNDAMENTOS EM ENFERMAGEM CIRÚRGICA������������������������������������������ 9


1.1 Tomada de decisão ética e processo de enfermagem cirúrgica�����������������������������9
1.2 Prevenção e controle de infecção em sítio cirúrgico e limpeza do
ambiente cirúrgico��������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 12
1.3 Posição do paciente para o procedimento cirúrgico����������������������������������������������� 26
1.4 Cuidados com o posicionamento do paciente ao término da cirurgia������������� 33

2 CENTRO CIRÚRGICO: PLANTA E ESTRUTURA FÍSICA, EQUIPAMENTOS


E EQUIPE������������������������������������������������������������������������������������������������������������ 38
2.1 Estrutura física do centro cirúrgico��������������������������������������������������������������������������������� 38
2.2 Sala de operações: montagem, circulação e desmontagem��������������������������������� 46
2.3 Equipe no centro cirúrgico������������������������������������������������������������������������������������������������ 55

3 PERÍODOS OPERATÓRIOS����������������������������������������������������������������������������� 64
3.1 Pré-operatório������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������ 66
3.2 Transoperatório e intraoperatório ���������������������������������������������������������������������������������� 67
3.3 Pós-operatório������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������ 70
3.4 Humanização da assistência ao cliente cirúrgico������������������������������������������������������ 72
3.5 Cuidados de enfermagem nos períodos operatórios���������������������������������������������� 73

4 CLASSIFICAÇÃO DO TRATAMENTO CIRÚRGICO, TIPOS DE CIRURGIA E


ANESTESIOLOGIA BÁSICA������������������������������������������������������������������������������� 85
4.1 Classificação cirúrgica���������������������������������������������������������������������������������������������������������� 85
4.2 Tipos de cirurgia e terminologia cirúrgica�������������������������������������������������������������������� 91
4.3 Anestesia: tipos, riscos e fármacos���������������������������������������������������������������������������������� 96
4.4 Tempos cirúrgicos���������������������������������������������������������������������������������������������������������������104

5 SALA DE RECUPERAÇÃO PÓS-ANESTÉSICA (SRPA)��������������������������������� 111


5.1 Aspectos organizacionais da recuperação pós-anestésica����������������������������������112
5.2 Materiais e equipamentos�����������������������������������������������������������������������������������������������113
5.3 Processo de cuidar em recuperação pós-anestésica����������������������������������������������122
5.4 Alta para a unidade de destino��������������������������������������������������������������������������������������128

6 DOENÇAS E AGRAVOS EM CLÍNICA CIRÚRGICA��������������������������������������� 132


6.1 Desconfortos na recuperação pós-anestésica����������������������������������������������������������132
6.2 Complicações pós-anestésica ����������������������������������������������������������������������������������������138

4 NT Editora
6.3 Tratamento da dor��������������������������������������������������������������������������������������������������������������144
6.4 Fases e tipos de cicatrização ������������������������������������������������������������������������������������������145

7 CENTRO DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO (CME)�������������������������������������� 150


7.1 Organização do centro de material e esterilização (CME)������������������������������������150
7.2 Limpeza de materiais���������������������������������������������������������������������������������������������������������157
7.3 Desinfecção de materiais�������������������������������������������������������������������������������������������������159
7.4 Preparo do produto������������������������������������������������������������������������������������������������������������160
7.5 Esterilização de materiais�������������������������������������������������������������������������������������������������163

BIBLIOGRAFIA������������������������������������������������������������������������������������������������� 172

GLOSSÁRIO������������������������������������������������������������������������������������������������������ 173

Enfermagem Cirúrgica 5
APRESENTAÇÃO

Bem-vindo (a) à Enfermagem Cirúrgica!

A correlação entre teoria e prática e a interação entre as áreas de assistência, ensino e


pesquisa são metas defendidas no estudo a seguir. Esperamos que esta obra possa servir de guia
aos profissionais da saúde e como uma fonte segura para prestação do cuidado eficiente, eficaz e
embasado na competência, a fim de alcançar a tão almejada qualidade assistencial e a segurança aos
nossos clientes cirúrgicos.

Bons estudos!

Kalincka Gramont
Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

Enfermagem Cirúrgica 7
1 FUNDAMENTOS EM ENFERMAGEM CIRÚRGICA

Está preparado (a) para conhecer


a importância da ética em nossa
profissão? Então, vamos começar!
Este capítulo objetiva levar o aluno
a conhecer os fundamentos da En-
fermagem Cirúrgica, tal como a sua
aplicação e seus processos.
Bons estudos!

Objetivos
Ao final desta lição, você deverá ser capaz de:
• conhecer a base de tomada de decisão ética e o processo de enfermagem cirúrgica;
Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

• entender o processo de prevenção e controle de infecção em sítio cirúrgico;


• compreender os conceitos utilizados referentes ao posicionamento do paciente para o pro-
cedimento cirúrgico.

Vamos começar.

1.1 Tomada de decisão ética e processo de enfermagem cirúrgica

Você sabe o significado da palavra Ética?

( ) Sim ( ) Não

Enfermagem Cirúrgica 9
Ética é uma palavra de origem grega (éthos), cujo significado é “propriedade do caráter”.
Ser ético é agir dentro dos padrões convencionais, é proceder bem e não prejudicar outros indivíduos.
Ser ético é cumprir valores universais, que geralmente são estabelecidos pela sociedade em que se vive.
Para compreendermos o papel desse conceito no ambiente de trabalho, reportamo-nos a alguns
conceitos fundamentais com o intuito de entender o porquê da necessidade da ética profissional.
Vamos conhecer algumas estratégias utilizadas pela enfermagem? São elas:
• cumprir com todas as atividades de sua profissão, seguindo os princípios determinados pela
sociedade e pelo seu grupo de trabalho;
• não mentir para o paciente;
• oferecer cuidado ao paciente com qualidade e humanidade;
• fornecer todas as informações relacionadas aos procedimentos e aos diagnósticos
de enfermagem;
• comunicar as solicitações do paciente à família e ao médico;
• não revelar o diagnóstico do paciente para outros sem o consentimento dele, pois é uma
violação ética, além de ser ilegal.
Cada profissão tem o seu próprio código de ética, cuja necessidade de aplicação pode variar
ligeiramente, graças às diferentes áreas de atuação. No entanto, há elementos da ética profissional,
como honestidade, responsabilidade e competência, que são universais e, por isso, são aplicáveis a
qualquer atividade profissional.

Dica

O código de ética profissional é elaborado pelos Conselhos, os quais representam e fiscalizam o


exercício da profissão.

Cuidando do conhecimento
Ao assistir o paciente quanto aos aspectos de crença, os colaboradores da equipe de

Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.


enfermagem estão atendendo à necessidade:
a) psicológica.
b) biológica.
c) fisiológica.
d) espiritual.
e) social.

Ao assistir o paciente quanto aos aspectos de crença, os colaboradores da equipe de


enfermagem estão atendendo à necessidade espiritual. Levando-se em consideração que
a maioria das necessidades do indivíduo hospitalizado decorre das características gerais
do ser humano, o aspecto religioso assume real importância. O ser humano, geralmente,
busca a Deus. Experiência com grupos humanos revela que muitos creem em uma força
suprema que rege o mundo. O Código Nacional de Ética da ABEN preserva, no art. 5º, o
seguinte: “a enfermagem deverá respeitar as crenças religiosas e a liberdade de consciên-
cia de seus pacientes e velar, com a necessária prudência, para que não falte assistência
espiritual”. Portanto, se você marcou a letra "d", acertou. Parabéns!

10 NT Editora
Ética no centro cirúrgico
O cuidado é o desenvolvimento de ações, atitudes e comportamentos, com base em
conhecimento científico, experiência, intuição e pensamento crítico, despendido ao paciente, com
vistas à promoção, manutenção e/ou recuperação de sua dignidade. As atividades de enfermagem,
no centro cirúrgico, muitas vezes, podem ser limitadas a segurar a mão do paciente na indução
anestésica, ouvi-lo, confortá-lo e posicioná-lo na mesa cirúrgica. A importância e a responsabilidade da
enfermagem quanto à observação e ao atendimento das necessidades psicossomáticas do paciente
cirúrgico devem ser detectadas, uma vez que possui função específica na eficácia da terapêutica de
seus pacientes. Dependendo de sua atitude, na qualidade de profissional da saúde, pode-se facilitar ou
impedir um programa de recuperação, visto que esse paciente é invadido por medo do desconhecido
em um ambiente estranho (MOTTA, 2004).

Saiba mais
Você sabe a origem
A enfermagem já era conhecida desde da enfermagem?
antes de Cristo, mesmo sem ter esse nome.
Eram homens e mulheres abnegados
que cuidavam dos doentes, dos idosos e dos deficientes, garantindo, assim, a
sobrevivência deles.
Com o tempo, esses cuidados de saúde evoluíram e, entre os séculos V e VIII, a
Enfermagem surgiu entre os religiosos como um sacerdócio. No século XVI, essa
função já começa a ser vista como uma atividade profissional institucionalizada
e, no século XIX, como Enfermagem moderna, na Inglaterra. A partir daí,
definiram-se padrões para a profissão e concluiu-se que os objetivos principais
do trabalho de Enfermagem é o de cuidar dos problemas de saúde, educar para
saúde, ter habilidades em prever doenças e cuidar do paciente.
Os profissionais de enfermagem que atuam no centro cirúrgico são, geralmente,
os responsáveis por receber o cliente na sua respectiva unidade, respeitando
sempre as individualidades deste. O profissional deve ser cortês, educado e
compreensivo, a fim de entender e considerar as condições do cliente que,
Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

normalmente, já se encontra sob efeito dos medicamentos pré-anestésicos.

Curiosidade

Florence Nightingale foi a criadora da moderna enfermagem.


De família próspera britânica, seus pais eram pessoas religiosas e faziam
parte da sociedade tradicional. Florence estava destinada a receber
uma boa educação, casar com um cavalheiro de fina estirpe, ter filhos,
cuidar da casa e da família. No entanto, contrariando tudo isso, ela
decidiu dar outro rumo a sua vida: servir a Deus significava, para ela,
cuidar dos enfermos e, especialmente, dos enfermos hospitalizados.
Naquela época, o tratamento hospitalar curava tão pouco e era tão

Enfermagem Cirúrgica 11
perigoso (por causa da sujeira, do risco de infecção), que os ricos preferiam tratar-se em casa.
Hospitalizados eram somente os pobres, e Florence se preparou para cuidar deles, praticando
com os indigentes que viviam próximos a sua casa.

Sua história foi contada por alguns filmes. Assista a um deles neste link:
<https://www.youtube.com/watch?v=sYZnzt0CJtE>
Para saber mais sobre sua fantástica história, acesse:
<http://www.revistaecologico.com.br/materia.php?id=59&secao=867&mat=937>

Cuidando do conhecimento
Vamos praticar um pouco o que aprendemos até o momento? Você sabe o que a ética
nos ensina? Informe se é verdadeiro (V) ou falso (F) o que se afirma a seguir e assinale a
alternativa correta logo depois.
( ) A importância da vida e da saúde do profissional de enfermagem.
( ) Ser profissional de enfermagem está na dependência da vida da pessoa.
( ) O grau de responsabilidade do profissional diante do paciente e da comunidade.
( ) O significado da profissão e as técnicas práticas para a assistência ao paciente.
a) V – V – V – V.
b) V – F – F – V.
c) F – F – V – F.
d) V – V – F – V.

Conforme aprendemos, é dever do profissional de enfermagem prestar ao paciente


assistência de enfermagem livre dos riscos decorrentes de imperícia, negligência e
imprudência. A ética ensina o grau de responsabilidade do profissional diante do cliente e
da comunidade. Portanto, se você marcou letra C, acertou. Parabéns!

Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.


1.2 Prevenção e controle de infecção em sítio cirúrgico e
limpeza do ambiente cirúrgico
O que você pensa a respeito de
prevenção e controle de infecções?
Toda infecção que acomete o
sítio anatômico em que a cirurgia foi
realizada é denominada infecção de
sítio cirúrgico (ISC). As ISCs são aquelas
que ocorrem como complicação de uma
cirurgia, comprometendo tecidos, órgãos
ou cavidade manipulada, podendo ser
diagnosticadas até 30 dias após realização
do procedimento ou até um ano, nos casos
de implantes de próteses.

12 NT Editora
As ISCs têm-se destacado entre os demais sítios de infecção por diversos fatores, como
alta morbimortalidade, relevantes custos de tratamento e aumento de dias adicionais à internação.
Consideram-se também os danos causados ao paciente devido ao afastamento do convívio familiar
e da atividade profissional, além dos prejuízos econômicos, por se manifestar, muitas vezes, em faixa
etária em que o indivíduo é economicamente produtivo. Outra situação considerável é a incidência
de processos judiciais, cada vez mais frequentes, além da preservação da imagem do hospital como
prestador de assistência à saúde com qualidade.

Curiosidade

Você sabia que a terceira infecção mais comum é a de sítio cirúrgico?

Dentre todas as infecções hospitalares diagnosticadas em clientes internados, a ISC é a terceira


mais frequente, com incidência entre 14 e 16%, perdendo somente para as infecções urinárias e
respiratórias. Sua ocorrência é muito variável e pode estar relacionada, principalmente, às con-
dições clínicas do paciente atendido, ao tempo cirúrgico e ao risco de contaminação do proce-
dimento. Além disso, a forma de vigilância epidemiológica realizada na instituição interfere no
valor das taxas de ISC.

Variáveis relacionadas à infecção de sítio cirúrgico


Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

Observe que o desenho traz a figura de um integrante da equipe cirúrgica realizando um


procedimento no cliente, com destaque às variáveis relacionadas aos profissionais, ao ambiente da
sala de operações e ao próprio paciente. Vamos aprender algumas recomendações de como prevenir
a infecção de sítio cirúrgico? Veja o quadro seguinte:

Enfermagem Cirúrgica 13
Recomendações relativas à prevenção de infecção de sítio cirúrgico

Pré-operatório
Procedimento Recomendação

- Identificar e tratar, sempre que possível, todas as infecções


antes de cirurgias agendadas; adiar o procedimento até que a
infecção seja resolvida.

- Não remover os pelos, exceto quando estiverem ao redor da inci-


são e interferirem no ato cirúrgico.
Preparo do paciente
- Se for necessário realizar a tricotomia (remoção de pelos), fazer
imediatamente antes da cirurgia, com o uso de aparelho elétrico
(tricotomizador).

- Recomendar interrupção do fumo de cigarros, charutos ou qual-


quer outra forma de consumo de tabaco, no mínimo, 30 dias antes
do procedimento eletivo.

- Orientar banho pré-operatório no chuveiro com antisséptico na


noite anterior ao procedimento ou na manhã da cirurgia.

- Realizar a limpeza da pele no local e ao redor da incisão para remo-


ver contaminação grosseira antes de aplicar solução antisséptica; o
uso de soluções degermantes é suficiente.

- Usar antisséptico apropriado para o preparo da pele, como, por


Antissepsia pré-
exemplo, soluções alcoólicas à base de PVPI ou de clorexidina.
operatória do paciente
- Realizar antissepsia no sentido centrífugo circular (do centro para
a periferia) grande o suficiente para abranger possíveis extensões
da incisão no campo operatório, novas incisões e/ou inserção
de drenos.

- Proporcionar tempo de internação pré-operatório mais curto pos-

Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.


sível, mas que permita o preparo adequado do paciente.

- Manter unhas curtas e não utilizar unhas artificiais.

- Executar a degermação cirúrgica pré-operatória das mãos de, pelo


menos, dois a cinco minutos, usando antisséptico apropriado; de-
germar as mãos e os antebraços até os cotovelos.
- Depois de executar a degermação cirúrgica, manter as mãos longe
Antissepsia pré-
do corpo (cotovelos em posição flexionada), de modo que a água
operatória da
escorra das pontas dos dedos em direção aos cotovelos. Secar as
equipe cirúrgica
mãos com uma compressa estéril e vestir avental e luvas estéreis.
- Realizar a limpeza embaixo de cada unha antes de executar a pri-
meira degermação cirúrgica do dia.

- Não utilizar joias de mão ou braço, como pulseiras, braceletes, re-


lógios e anéis.

14 NT Editora
- Educar e encorajar os profissionais do Centro Cirúrgico (CC) a in-
formar ao supervisor quaisquer sinais e sintomas de alguma doença
infecciosa transmissível.
- Desenvolver políticas bem definidas para manejo de profissionais
com potencial de transmissão. Essas políticas devem abranger: res-
ponsabilidade do profissional em notificar e usar o serviço de medi-
Manejo de profissionais
cina ocupacional, restrições do trabalho e retorno às atividades após
colonizados ou infectados
a eliminação do risco de transmissão da doença. As políticas tam-
bém devem identificar pessoas que tenham a autoridade de afastar
o profissional da atividade.
- Afastar do trabalho o profissional do CC que tenha lesões de pele
com drenagem até que a infecção seja descartada ou tenha recebi-
do terapia adequada ou sido resolvida.
- Administrar um antimicrobiano apenas quando indicado e sele-
cionar o antibiótico baseado em sua eficácia contra os micro-orga-
nismos que frequentemente causam ISC, de acordo com o procedi-
mento e as recomendações publicadas.
- Administrar, por via endovenosa, a dose inicial do antimicrobiano,
de modo que ele atinja níveis nos tecidos quando a incisão for reali-
Profilaxia
zada. Manter níveis terapêuticos do antimicrobiano no sangue e nos
antimicrobiana
tecidos durante toda a operação, geralmente, até algumas horas de-
pois do fechamento da incisão na sala cirúrgica.
- Realizar o preparo mecânico do cólon (por exemplo, uso de ene-
mas) e administrar antimicrobianos não absorvíveis por via oral, em
doses fracionadas, um dia antes da operação, antes de cirurgias co-
lorretais agendadas, além da recomendação anterior.
Intraoperatório
Procedimento Recomendação

- Manter pressão positiva na sala cirúrgica em relação ao corredor e


às áreas adjacentes.
Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

- Manter o mínimo de quinze trocas por hora, das quais pelo menos
três sejam de ar fresco.

- Filtrar o ar recirculado ou fresco de acordo com recomendações


oficiais.
Ventilação da
sala cirúrgica
- Introduzir o ar pelo teto e realizar sua exaustão próxima ao chão.

- Manter as portas fechadas, exceto para passagem de equipamen-


to, pessoal e paciente.

- Limitar o número de pessoas em sala operatória somente


ao necessário.

Enfermagem Cirúrgica 15
- Utilizar desinfetante hospitalar aprovado pelo Ministério da Saúde
(MS), a fim de higienizar as áreas afetadas antes da cirurgia seguinte
quando houver sujidade visível ou contaminação com sangue ou
outros fluidos corpóreos nas superfícies ou nos equipamentos.

Limpeza e desinfecção de - Não executar limpeza especial, nem fechar as salas cirúrgicas após
superfícies fixas procedimentos contaminados ou infectados.
- Não utilizar tapete impregnado com desinfetantes na entrada do
CC, pois não contribui para redução de infecções.
- Aplicar diariamente no piso da sala cirúrgica, após o último proce-
dimento, um desinfetante aprovado pelo MS.
- Esterilizar todo instrumental cirúrgico.
- Realizar a esterilização rápida apenas em situações de emergência
e somente para itens que serão utilizados imediatamente. Isso pode
Esterilização do
ocorrer, por exemplo, com um instrumento inadvertidamente der-
instrumental
rubado.
cirúrgico
- Não usar esterilização rápida por razões de conveniência, como al-
ternativa na compra de instrumentos adicionais, nem para poupar
tempo.
- Usar máscara cirúrgica que cubra totalmente a boca e o nariz quan-
do entrar na sala cirúrgica, caso o instrumento já esteja exposto, ou
a cirurgia tenha começado ou esteja em andamento.
- Usar a máscara durante toda a operação.
- Cobrir todo o cabelo e a barba ao entrar na sala cirúrgica.
- Não utilizar propés com a finalidade exclusiva de prevenir ISC.
Paramentação
cirúrgica - Calçar as luvas estéreis após a degermação das mãos e a colocação
do avental cirúrgico.
- Usar aventais e campos cirúrgicos que promovam barreira efetiva,
mesmo quando molhados, isto é, materiais que resistam à penetra-

Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.


ção de líquidos.
- Trocar a paramentação quando estiver visivelmente suja ou infiltra-
da com sangue ou outro fluido corpóreo potencialmente infectante.
- Aderir aos princípios de assepsia quando instalar dispositivos intra-
vasculares ou cateteres de anestesia epidural e raquidiana, ou quan-
do preparar e administrar drogas intravenosas.
- Montar equipamentos e soluções estéreis imediatamente antes
de usar.
Assepsia e - Manipular os tecidos delicadamente, manter hemostasia eficiente,
técnica cirúrgica diminuir os tecidos desvitalizados e os corpos estranhos (por exem-
plo, suturas e restos necróticos) e eliminar espaços mortos no sítio
cirúrgico.
- Utilizar, se a drenagem for necessária, dreno com sistema fechado.
Colocar o dreno por meio de uma incisão separada, diferente da in-
cisão operatória, e removê-lo assim que possível.

16 NT Editora
Pós-operatório
Procedimento Recomendação
- Proteger a incisão primariamente fechada com curativo estéril de
24 a 48 horas.
- Lavar as mãos antes e depois da realização de curativo ou qualquer
contato com a incisão cirúrgica.
Incisão - Auxiliar o enfermeiro na troca do curativo de incisão cirúrgica com
técnica asséptica.
- Educar pacientes e familiares quanto aos cuidados com a incisão,
na identificação e notificação de sinais e sintomas relacionados
à infecção.

Cuidando do conhecimento
A respeito da assistência de enfermagem na prevenção e no controle de infecção hospi-
talar, julgue a seguinte afirmação em verdadeiro (V) ou falso (F):
Ao se realizar o curativo de ferida cirúrgica, devem-se monitorar sinais e sintomas de
infecção da incisão cirúrgica (inchaço, vermelhidão, separação das bordas da incisão, pre-
sença de drenagem purulenta).

( ) Verdadeiro ( ) Falso

Conforme aprendemos, são sinais de infecção os sinais flogísticos, tais como: dor, calor,
inchaço, coloração avermelhada, secreção com pus e odor. Esses sinais deverão ser sempre
avaliados quando o profissional de enfermagem visualizar a incisão cirúrgica. Portanto, se
você marcou “Verdadeiro”, acertou. Parabéns!
Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

Curiosidade

Em 1890, luvas foram introduzidas por William Halsterd nas salas de


operação, não para proteger o paciente, mas, sim, sua noiva, que
era alérgica a antissépticos.

Para saber mais sobre essa fantástica história, acesse o site:


<http://www.jmrezende.com.br/luvas.htm>.

Enfermagem Cirúrgica 17
1.2.1 Limpeza do ambiente cirúrgico
Limpeza é o procedimento utilizado para remoção de sujidades presentes em qualquer
superfície de material, utilizando-se água, detergente e ação manual ou automatizada. No ambiente
cirúrgico, não poderia ser diferente.

Devemos preparar a sala operatória para as suas atividades, manter a ordem e conservar
equipamentos e instalações. Com isso, garantimos um padrão na limpeza das salas cirúrgicas, de
modo a evitar infecções cruzadas e a preservar os materiais e equipamentos do setor.

1.2.2 Recomendações para limpeza do ambiente cirúrgico

As superfícies contaminadas podem servir como reservatório de agentes patogênicos; contudo,


normalmente, não são associadas diretamente à transmissão de infecções, tanto para os profissionais
da área de saúde quanto para os pacientes. A transferência de micro-organismos para as superfícies

Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.


ocorre, principalmente, pelo contato das mãos com esses locais e, mesmo com a diminuição do impacto
dessa transferência por meio da higienização das mãos, a realização da limpeza e a desinfecção de tais
áreas são fundamentais para a redução da incidência de infecções, pois diminuem a quantidade de
agente no ambiente.

A limpeza consiste na remoção, por meios mecânicos e/ou físicos, da sujidade depositada
nas superfícies inertes, que constituem um suporte físico e propício ao desenvolvimento de micro-
organismos. Tal ato é considerado elemento primário e eficaz na medida de controle das infecções,
por interromper a cadeia epidemiológica. A limpeza de uma sala operatória (SO) consiste não
somente nos procedimentos rotineiros com equipamentos – piso, paredes e portas –, mas, também,
no controle ambiental. Isso implica controlar tanto o acesso e o trânsito de pessoas dentro da SO
quanto a abertura das portas.

Para que essas precauções surtam o efeito desejado, é necessário que haja um sistema de
ventilação que garanta a troca e a filtração frequentes do ar. É importante, também, a utilização
do uniforme privativo por todos os que adentram no centro cirúrgico e a paramentação cirúrgica
adequada dos profissionais da equipe cirúrgica que entrarão em contato com a ferida operatória
(médicos cirurgiões, assistentes e instrumentador cirúrgico).

18 NT Editora
Observação: para mais informações sobre sala operatória, leia o tópico 2.2.

1.2.3 Prevenção da infecção de sítio cirúrgico no centro cirúrgico


De acordo com as práticas recomendadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA),
a planta física do setor tem de proporcionar barreiras que minimizem a entrada de micro-organismos.
Por isso, os ambientes hospitalares são classificados segundo seu potencial de contaminação em:

• áreas críticas: ambientes nos quais existe risco aumentado de transmissão de infecção e
onde se realizam procedimentos de risco ou se encontram pacientes imunodeprimidos.

- Setores exemplos dessas áreas: centro cirúrgico (CC), centro de material e esterilização (CME),
unidade de terapia intensiva (UTI), banco de sangue, centro de diálise, unidade de quimioterapia,
laboratório, berçário e lactário, entre outras;

• áreas semicríticas: ambientes ocupados por pacientes com doenças infecciosas de baixa
transmissibilidade e doenças não infecciosas.

- Setores exemplos dessas áreas: unidades de internação (UI) e ambulatórios;

• áreas não críticas: todos os demais ambientes do estabelecimento assistencial de saúde, não
ocupados por pacientes ou onde não são realizados procedimentos de risco;

- Setor exemplo dessas áreas: áreas administrativas.

O centro cirúrgico, por ser considerado área crítica, requer controle de fluxo de pessoal e de
material, com o objetivo de diminuir a contaminação ambiental. Assim, em relação à higienização/
limpeza, esse setor é delimitado em três áreas para a movimentação de pacientes e da equipe. São
elas:

• áreas irrestritas: roupas comuns e circulação sem limitações. Exemplo: vestiários e salas
administrativas externas;

• áreas semirrestritas: utilizadas para processamento e estocagem de artigos, com uso de


Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

roupa privativa e gorro. Exemplo: corredores, sala de recuperação anestésica (RA) e salas internas;

• áreas restritas: salas cirúrgicas com materiais expostos, arsenal, em que há utilização de
roupa privativa, gorro e máscara; controle do número de pessoas. Exemplo: salas cirúrgicas com
materiais expostos, arsenal.

Importante

ÁREAS IRRESTRITAS NÃO CRÍTICAS

ÁREAS SEMIRRESTRITAS SEMICRÍTICAS

ÁREAS RESTRITAS CRÍTICAS

Enfermagem Cirúrgica 19
1.2.4 Limpeza do bloco cirúrgico
Primeiramente, para a preparação da sala cirúrgica, deve-se atentar à limpeza do ambiente,
de acordo com cada área da unidade cirúrgica. As medidas usadas para diminuir a interferência do
ambiente nas infecções hospitalares são:

• evitar atividades que favoreçam o levantamento de partículas em suspensão;

• não usar vassouras, aspirador elétrico ou ventiladores;

• utilizar dois baldes diferentes, sendo um para água limpa;

• não usar ar-condicionado comum;

• arrumar a cama na técnica correta;

• utilizar desinfetantes recomendados;

• separar panos para diversas superfícies;

• estar atento aos procedimentos de limpeza descritos no manual de rotinas;

• obedecer sempre os sentidos corretos para limpeza:

- paredes e anexos: de cima para baixo;

- pisos: do fundo para a porta de entrada;

- corredores: de dentro para fora, de trás para frente;

- do menos contaminado para o mais contaminado;

- sempre unidirecional.

Cuidando do conhecimento
De acordo com o risco de contaminação das unidades de assistência à saúde, são
classificadas como áreas semicríticas:

Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.


a) locais de circulação restrita de pessoas, como centro cirúrgico e unidade de
terapia intensiva.
b) locais que oferecem maior risco de transmissão de infecções, devido à realização de
procedimentos invasivos de alta complexidade.
c) áreas administrativas, de intensa circulação de pessoas, em ambiente hospitalar.
d) setores com pacientes que não requerem procedimentos de alta complexidade,
devido ao menor risco de transmissão de infecção.

Conforme aprendemos, são classificados em áreas semicríticas os ambientes ocupados


por pacientes com doenças infecciosas de baixa transmissibilidade e doenças não
infecciosas. Portanto, se você marcou a letra "d", acertou. Parabéns!

20 NT Editora
Tipos de limpeza na sala de operações
Há alguns tipos de limpeza na sala de operações, são elas:

• limpeza preparatória;

• limpeza operatória;

• limpeza concorrente;

• limpeza terminal.

Vamos entender melhor?

a) Limpeza preparatória

Recomenda-se que seja realizada pouco tempo antes do início da montagem da sala para a
primeira cirurgia do dia. Se estiver sem uso por mais de 12 horas, é recomendada a remoção das
partículas de poeira dos mobiliários, equipamentos e superfícies horizontais, com álcool 70%. Deve
ser realizada pelo funcionário de enfermagem.

Procedimentos:

• lavar as mãos com água e sabão, ou higienizá-las


com solução alcoólica;

• calçar as luvas de procedimentos (não estéreis);

• umedecer um pano limpo, dando preferência


a material descartável, com álcool 70%;

• passá-lo sobre o mobiliário e os equipamentos


(superfícies horizontais);

• descartar o pano em local apropriado;

• descartar as luvas no lixo;

• higienizar as mãos após ter feito a limpeza;


Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

• caso seja necessária a realização da limpeza


do chão, o circulante deverá comunicar ao profissional
do serviço de higiene.

b) Limpeza operatória

Quando ocorre a contaminação do chão com matéria orgânica, presença de resíduo ou queda
de material, é realizada pelo funcionário da enfermagem, com o uso de equipamento de proteção
individual (EPI) adequado, durante o procedimento cirúrgico.

Procedimentos:

• lavar as mãos com água e sabão, ou higienizá-las com solução alcoólica;

• calçar luvas de procedimentos;

• remover o excesso de matéria orgânica com papel absorvente e descartá-lo;

• remover a sujidade residual com pano limpo embebido em água e sabão e secar a superfície;

Enfermagem Cirúrgica 21
• aplicar o desinfetante preconizado, validado e aprovado, na área em que a matéria orgânica
for removida;

• retirar e desprezar as luvas;

• higienizar as mãos;
• deixar propés limpos na sala operatória, caso seja necessário trocá-los, para evitar disseminação
de matéria orgânica pela sala de cirurgia ou pela unidade de centro cirúrgico.

Propés

c) Limpeza concorrente

Faz-se essa limpeza após o término de uma cirurgia e antes do início de outra, para a remoção de
sujidade e de matéria orgânica em mobiliários, equipamentos e superfícies. É realizada pelas equipes
de enfermagem e de limpeza.
Procedimentos e especificação de profissional responsável:

• lavar as mãos com água e sabão, ou higienizá-las com solução alcoólica;

• calçar luvas de procedimentos;

• retirar todos os instrumentais, equipamentos, roupas, acessórios e materiais perfurocortantes


da SO e dar o destino correto a cada um deles (profissional da enfermagem);

• limpar mobiliários, focos, acessórios dos equipamentos, mesa cirúrgica do paciente e todas

Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.


as superfícies horizontais com pano limpo, de preferência descartável, embebido em álcool 70%
(profissional da enfermagem);

• dar atenção especial à limpeza dos locais que estejam sujos com matéria orgânica (profissionais
da enfermagem e da higiene);

• retirar o lixo e limpar o piso com água e solução desinfetante recomendada pela instituição
(profissional do serviço de higiene);

• recolher partículas e resíduos do piso, com o mop seco ou similar (profissional do serviço de higiene);

• limpar o piso, sempre da área mais limpa para a mais suja, com o mop úmido ou similar,
contendo desinfetante preconizado pela CCIH da instituição (profissional do serviço de higiene);

• dar o destino recomendado aos instrumentais, às roupas e ao lixo restantes na SO (profissionais


da enfermagem e da higiene);

• lavar as mãos com água e sabão, ou higienizá-las com solução alcoólica, ao término
do procedimento.

22 NT Editora
d) Limpeza terminal

Realizada, diariamente, após a finalização do último procedimento cirúrgico. É um processo de


limpeza e/ou desinfecção, o qual objetiva a redução da sujidade e da carga microbiana, diminuindo,
assim, a possibilidade de contaminação ambiental. Aplica-se a equipamentos, superfícies horizontais
e verticais.

Para esse processo, muitos hospitais utilizam fenol sintético a 1% como desinfetante. A limpeza
de mobiliário e equipamentos deverá ser realizada pela equipe de enfermagem após o término da
limpeza, utilizando álcool 70%.

Procedimentos e especificação de profissional responsável:

• lavar as mãos com água e sabão, ou higienizá-las com solução alcoólica;


Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

• calçar as luvas de procedimentos;

• limpar a estrutura física, teto, paredes, porta e chão, com o mop úmido ou equipamento que
libere jato de vapor d'água sob pressão. O desinfetante utilizado para essa finalidade será definido em
conjunto com a CCIH da instituição (profissional do serviço de higiene);

• recolher partículas e resíduos do chão, com o uso do mop seco ou similar; é proibido o uso de
vassoura, pois levanta poeira ao haver turbilhonamento do ar (profissional do serviço de higiene);

• limpar, com pano limpo embebido em álcool 70%, todo o mobiliário, foco e equipamentos,
após o término da limpeza da estrutura física (profissional da enfermagem);

• lavar as mãos com água e sabão, ou higienizá-las com solução alcoólica, ao finalizar a
limpeza terminal.

Enfermagem Cirúrgica 23
Tipos de limpeza de sala operatória (SO)

Limpeza preparatória

Quem faz? Circulante de sala e profissional do serviço de higiene.

Quando se faz? Cerca de uma hora antes do início da primeira cirurgia do dia.

Para remover partículas depositadas nas superfícies horizontais do mobili-


Por que se faz?
ário e dos equipamentos.
Limpeza e desinfecção com detergentes e desinfetantes, por
Como se faz?
exemplo, álcool 70% no mobiliário e compostos fenólicos no chão.
Mobiliários e chão de todas as SO, independentemente do tipo
Onde se faz?
de cirurgia.
Limpeza concorrente

Quem faz? Circulante de sala.

Quando se faz? Durante o procedimento cirúrgico.

Por que se faz? Para remover a matéria orgânica dos locais onde houve contaminação.

Limpeza e desinfecção com agentes químicos de amplo espectro, por


Como se faz?
exemplo, fenóis e hipoclorito de sódio.
Em todos os locais onde haja secreção, independentemente do tipo de sala
Onde se faz?
e de cirurgia.
Limpeza operatória

Quem faz? Circulante de sala e profissional do serviço de higiene.

Quando se faz? Ao término da cirurgia, entre dois procedimentos na mesma SO.

Para evitar contaminação, envolvendo a retirada de todo o material sujo e


Por que se faz?
remoção da sujidade da sala, dos materiais e dos equipamentos.

Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.


Limpeza e desinfecção com produtos químicos desinfetantes, por exem-
Como se faz?
plo, álcool 70%, fenóis e hipoclorito.

Onde se faz? Em todas as SO, independentemente do tipo de cirurgia.

Limpeza terminal
Quem faz? Circulante de sala e profissional do serviço de higiene.

Quando se faz? Diária ou semanalmente, dependendo do movimento cirúrgico.

Para evitar contaminação, envolvendo lavagem completa de toda a unida-


Por que se faz?
de e das SO, inclusive teto e paredes.
Limpeza e desinfecção com produtos químicos desinfetantes, como álcool
Como se faz?
70%, fenóis e hipoclorito.

Onde se faz? Em todas as SO, independentemente do tipo de cirurgia.

24 NT Editora
Cuidando do conhecimento
A arquitetura do centro cirúrgico deve proporcionar facilidade no processo de limpeza,
permitindo acesso aos cantos para evitar o acúmulo de sujidade. Além disso, recomenda-se
uso de desinfetante no chão, sendo proibido o rejunte nesses casos. Analise as alternativas
e identifique a sequência correta:
a) A limpeza operatória deve ser feita antes de qualquer procedimento cirúrgico, deven-
do ser respeitado o tempo de até duas horas para utilização da sala.
b) A limpeza concorrente ocorre entre um procedimento e outro e deve contemplar
parede, teto e chão, além dos equipamentos.
c) A limpeza concorrente pode ser realizada com álcool 70%, sem necessidade de outros
produtos, já que esse desinfetante tem ação importante diante de resíduos.
d) A limpeza operatória é realizada pelo técnico em enfermagem e deve acontecer du-
rante o procedimento cirúrgico, na necessidade de remoção da matéria orgânica.

Conforme aprendemos, a limpeza operatória é realizada pelo profissional circulante de


sala, que é um técnico em enfermagem, durante a cirurgia e, também, em casos indispen-
sáveis, como na necessidade de remoção da matéria orgânica. Portanto, se você marcou a
letra "d", acertou. Parabéns!

Para refletir
A ocorrência de infecção de sítio cirúrgico (ISC) tem sido motivo de preocupações e de constan-
tes intervenções, com foco na sua prevenção, por parte de instituições governamentais, institui-
ções de assistência à saúde e todos os profissionais envolvidos no cuidado ao cliente cirúrgico.

Objetivando-se prestar assistência de qualidade e com segurança aos pacientes, recomenda-se


Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

instituir programas de controle de infecção, notificação e acompanhamento das ISCs, durante e


após a alta hospitalar. Tais programas devem envolver desde a liderança até a equipe assisten-
cial, considerando-se questões estruturais, materiais, equipamentos e processos, de modo que
seja avaliada a adesão aos programas implementados e gerenciada a ocorrência de infecções
hospitalares. Quando se lida com o processo saúde-doença, as práticas individuais refletem di-
retamente na assistência, porém, quando aplicadas em conjunto, resultam em melhora substan-
cial do cuidado prestado.

Para facilitar a criação e a implantação dos protocolos voltados ao controle das infecções de
sítio cirúrgico, durante a permanência do cliente no bloco cirúrgico, nesta lição apresentaram-se
conceitos imprescindíveis para a eficácia no controle de tais infecções.

Enfermagem Cirúrgica 25
1.3 Posição do paciente para o procedimento cirúrgico

Você sabia que a posição do paciente durante o procedimento cirúrgico é essencial para o bom
andamento da cirurgia? Pois muito bem, vamos conhecer agora a importância desse processo.

Posição cirúrgica é aquela na qual o paciente é colocado depois de anestesiado, para que possa
ser submetido ao procedimento cirúrgico, é o modo como está acomodado na mesa de operações
durante o procedimento cirúrgico. Refere-se à movimentação do corpo do paciente pela equipe
cirúrgica, com a intenção de deixá-lo apoiado na mesa em ângulo que propicie ao cirurgião boa visão
da área operatória. Busca-se, ao mesmo tempo, garantir conforto, segurança e respeito aos limites
anatômicos e fisiológicos do paciente.

A posição adequada do paciente é essencial para que os procedimentos cirúrgicos sejam bem-
sucedidos e realizados com segurança. Colocar o paciente em posição correta para uma intervenção
cirúrgica é uma arte, uma ciência e também um fator-chave no desempenho de um procedimento
seguro e eficiente. Para tal, é primordial a aplicação de conhecimentos relacionados com anatomia,
fisiologia e patologia humanas.

O posicionamento cirúrgico, geralmente, é visto como um cuidado simples, porém, na verdade,


deve ser encarado como um procedimento de grande complexidade, que envolve vários riscos, os
quais, se não observados com responsabilidade e competência por todos os membros da equipe,
podem comprometer definitivamente a saúde física e mental do paciente. Por isso, os cuidados
devem ser individualizados, segundo as características de cada um e a necessidade pertinente ao
procedimento cirúrgico a ser realizado.

Sendo assim, a equipe cirúrgica desempenha papel fundamental na garantia do posicionamento


anatômico adequado do paciente, com segurança e sem comprometimentos. Por haver necessidade

Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.


de conhecimentos técnico-científicos e prática da parte dos executores, é imprescindível que os
profissionais envolvidos conheçam as diferentes posições cirúrgicas e os aspectos relacionados a cada
uma delas, bem como os possíveis eventos adversos relacionados ao posicionamento inadequado.

O posicionamento cirúrgico está relacionado a:

• mesas cirúrgicas;

• treinamento da equipe de enfermagem;

• parceria com a equipe médica.

As metas do posicionamento seguro do paciente, por sua vez, incluem:

• oferecer exposição e acesso ótimos ao local operatório;

• proporcionar acesso para a administração de soluções endovenosas, drogas, agentes


anestésicos, etc.;

• não comprometer a integridade da pele;

26 NT Editora
• prover o máximo de conforto ao paciente;

• manter alinhamento corporal;

• facilitar o acesso aos equipamentos e suportes de anestesia.

A satisfação dessas metas, assim como a manutenção do conforto e da segurança do paciente,


é de responsabilidade de todos os membros da equipe cirúrgica.

1.3.1 Materiais de suporte para posicionamento cirúrgico


É de responsabilidade do hospital a aquisição dos mais diversos acessórios e recursos, de
acordo com as necessidades e as condições financeiras dos pacientes por ele atendidos. São os
principais materiais:

Colchonetes da mesa cirúrgica Braçadeiras

Faixas de contenção ou cintas de segurança Travesseiros


Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

Perneiras Colchão piramidal (caixa de ovo)

Protetores de calcâneo Coxins de espuma

Enfermagem Cirúrgica 27
1.3.2 Recomendações gerais para o posicionamento do paciente
Como visto, o paciente deve ser adequadamente posicionado para a realização do procedimento
cirúrgico. A seguir, estão algumas recomendações sobre o assunto:

• colocar o paciente na posição cirúrgica após devidamente anestesiado;

• proceder às manobras de posicionamento sempre em equipe, com participação do médico


anestesista, cirurgião ou assistente, circulante de sala e enfermeiro assistencial;

• realizar as mudanças de posição, visando à segurança do paciente e à ergonomia da equipe,


considerando-se a anatomia e a fisiologia do cliente, bem como a técnica cirúrgica a ser realizada;

• considerar particularidades de cada paciente, como idade, peso, condições físicas e limitações,
de modo que o cuidado prestado durante o posicionamento seja individualizado;

• manipular, cuidadosamente, o paciente durante todo o posicionamento;

• aplicar movimentos firmes, porém delicados e seguros em quaisquer partes do corpo, a fim
de evitar complicações;

• manter o alinhamento do corpo do paciente (cabeça, tronco/coluna vertebral, membros


superiores e inferiores), independentemente da posição a ser utilizada;

• evitar contato de partes do corpo do paciente com superfícies metálicas da mesa, para
prevenir queimaduras pelo uso do bisturi elétrico;

• evitar compressão da pele, com o intuito de prevenir lesões locais;

• cuidar para que os membros superiores não fiquem pendentes, apoiando-os ao longo do
corpo ou em suportes tipo braçadeiras, devidamente acolchoados;

• evitar que os membros inferiores fiquem pendentes, oferecendo apoio, segundo a necessidade
imposta pela especificidade da cirurgia;

• proteger proeminências ósseas, a fim de evitar úlcera de pressão, tromboses e


compressões circulatórias;

Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.


• evitar posições viciosas, procurando posicionar o paciente da forma mais funcional, confortável
e segura possível;

• adequar a pressão das cintas de segurança ou faixas de contenção, de modo que não fiquem
apertadas, evitando comprometimento de funções vitais e complicações pós-operatórias;

• cuidar para que não permaneçam sobre o paciente: objetos, materiais, instrumentais ou
mesmo pressão inadvertida dos membros da equipe, que podem aumentar ainda mais a compressão
sobre determinadas áreas;

• manter constante monitoração e acompanhamento do paciente durante todo o procedimento;

• proceder ao registro das ações realizadas e das possíveis intercorrências, com a intenção de se
permitir continuidade da assistência no período pós-operatório.

28 NT Editora
1.3.3 Tipos de posições cirúrgicas
Observe agora algumas posições específicas:

• posição decúbito dorsal ou posição supina;

• posição de Trendelenburg;

• posição de Trendelenburg reverso ou proclive;

• posição litotomia ou ginecológica;

• posição Fowler ou sentada;

• posição prona ou decúbito ventral;

• posição de canivete, Kraske ou Depage;

• posição de decúbito lateral.

Vamos ver uma a uma?

a) Posição decúbito dorsal ou posição supina

É aquela em que o paciente fica deitado de costas com braços e pernas estendidos ao longo da
mesa. O dorso do paciente e a coluna vertebral ficam repousados na superfície do colchão da mesa
cirúrgica. A cabeça fica apoiada no travesseiro, retificando a coluna cervical. Os braços ficam ao longo
do corpo ou colocados em apoios laterais, tipo braçadeiras. É considerada a posição mais próxima da
anatômica, sendo utilizada em diversos tipos de procedimentos.
Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

Cirurgias nas quais essa posição é usada:

• abdominais;

• neurológicas;

• transplantes de órgãos e de tecidos;

• ortopédicas;

• cardíacas;

• vasculares;

• plásticas;

• ginecológicas;

• oftálmicas;

Enfermagem Cirúrgica 29
• otorrinolaringológicas;

• de mão;

• de cabeça e pescoço.

b) Posição de Trendelenburg

Paciente colocado deitado, com cabeça e tronco em níveis mais baixos que os membros
inferiores. Posição que oferece melhor visualização dos órgãos pélvicos durante a abertura ou cirurgia
por vídeo no abdome inferior ou pelve. Nessa posição, com a inclinação da mesa, o paciente ficará em
posição dorsal com elevação da pelve e dos membros inferiores, ficando a cabeça mais baixa que os
pés. Pode ser utilizada também para melhorar a circulação no cérebro quando a pressão arterial cai
repentinamente, pois aumenta o fluxo sanguíneo arterial para o crânio.

Cirurgias nas quais essa posição é usada:

• abdominais;

• ginecológicas;

• vasculares.

c) Posição de Trendelenburg reverso ou proclive

Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

É o contrário da posição de Trendelenburg, a cabeceira é elevada e os pés são abaixados,


oferecendo melhor acesso à cabeça e ao pescoço. Tal posição faz com que a força da gravidade
desloque as vísceras abdominais para adiante do diafragma, no sentido caudal, em direção dos pés.
Para diminuir o risco de trombose e aliviar a pressão, as pernas devem permanecer abaixadas.

Cirurgias nas quais essa posição é usada:

• de ombro;

• neurocirurgias;

30 NT Editora
• de cabeça e pescoço;

• cirurgias plásticas na face e no nariz;

• otorrinolaringológicas;

• oftalmológicas;

• de mamas, incluindo prótese.

d) Posição litotomia ou ginecológica

Colocar o paciente em decúbito dorsal, com a cabeça e os ombros ligeiramente elevados. As


coxas devem estar bem flexionadas sobre o abdome, afastadas uma da outra, e as pernas ficam sobre
as coxas. Normalmente, para se colocar o paciente nessa posição, usam-se suportes para os joelhos
(perneiras).

Cirurgias nas quais essa posição é usada:

• ginecológicas;

• obstétricas;

• de reto;
Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

• de hemorroidas;

• de bexiga.

e) Posição de Fowler ou sentada

Enfermagem Cirúrgica 31
O paciente permanece semissentado na mesa. Levantando-se a cabeceira, ele deve ser colocado
em decúbito dorsal, de modo que o tronco atinja um ângulo que varia de 30 a 90 graus em relação ao
plano horizontal. É comumente chamada de “cadeira de praia”.

Cirurgias nas quais essa posição é usada:

• neurocirurgias (a cabeça do paciente deve ser apoiada com suporte próprio).

f) Posição prona ou decúbito ventral

É aquela em que o paciente fica deitado com abdome para baixo. Essa parte do corpo do
indivíduo deve ficar, assim, em contato com a superfície do colchão da mesa de cirurgia. A colocação
do paciente nessa posição envolve vários membros da equipe atuando em sincronia, uma vez que,
depois de anestesiado em decúbito dorsal, o paciente deve ser colocado em posição lateral e, depois,
na posição ventral, tomando-se os devidos cuidados para que tubos e cateteres não sejam deslocados.

Cirurgias nas quais essa posição é usada:

• na coluna vertebral;

• neurocirurgias em região posterior;

• de calcâneos.

g) Posição de canivete, Kraske ou Depage

Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

32 NT Editora
Paciente em decúbito ventral em que os glúteos são levemente inclinados, ficando braços e
pernas em posição oposta, com os braços apoiados em telas. Essa posição também é conhecida como
Depage, Kraske ou posição de “canivete”.

Cirurgias nas quais essa posição é usada:

• na região anal;

• em alguns tipos de cirurgias de coluna.

h) Posição de decúbito lateral

Posição de decúbito lateral direito: o paciente permanece deitado para o lado direito, braço
direito flexionado, pernas levemente fletidas, afastadas, apoiadas, e o lado esquerdo para cima.

Posição de decúbito lateral esquerdo ou Sims: o paciente fica deitado para o lado esquerdo,
braço esquerdo flexionado, perna direita levemente fletida ou flexionada, e o lado direito para cima.

Cirurgias nas quais essa posição é usada:

• de tórax;

• renais;

• exames intestinais.
Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

1.4 Cuidados com o posicionamento do paciente ao


término da cirurgia
Ao término do procedimento cirúrgico, quando a equipe deve retirar o paciente da posição até
então utilizada, são necessários alguns cuidados básicos, como os listados a seguir:

• manipular lentamente o paciente, utilizando movimentos firmes e seguros, uma vez que
mudanças bruscas no paciente ainda anestesiado podem provocar alterações cardiovasculares e
respiratórias;

• ao término da cirurgia, retornar o paciente ao decúbito dorsal, para que seja feita a reversão
da anestesia, salvo casos específicos em que não seja possível sua colocação na posição supina;

• no caso das posições ventral e lateral, retornar o paciente à posição dorsal, movimentando-o
em bloco, com os devidos cuidados para não deslocar tubos, drenos e cateteres, e mantendo o
alinhamento do corpo, em um resultado de colaboração entre todos os membros da equipe cirúrgica;

Enfermagem Cirúrgica 33
• no caso da posição de litotomia, retirar cuidadosamente os membros inferiores das perneiras,
para prevenir o rápido retorno de sangue da porção superior do corpo para os membros inferiores, o
que pode causar hipotensão;

• manter, sempre que possível, após a cirurgia e a reversão da anestesia, o paciente em decúbito
dorsal, com a cabeça lateralizada, de modo que seja evitada aspiração de secreções e se previna a
pneumonia aspirativa;

• avaliar continuamente as respostas do paciente às mudanças de decúbito, observar suas


reações e manter monitoração até a saída da sala de cirurgia;

• assegurar ao cliente cirúrgico assistência livre de danos, inclusive dos inerentes à sua própria
condição e ao procedimento anestésico-cirúrgico;

• registrar, em prontuário, intercorrências e situações de risco, com o intuito de proporcionar


continuidade da assistência no período pós-operatório.

Cuidando do conhecimento
A posição cirúrgica deve ser adequada ao tipo de intervenção a qual o paciente será
submetido. Contudo, é importante salientar que não se deve somente visar a esse aspecto.
É fundamental que o paciente seja posicionado de maneira confortável, evitando, com
isso, complicações, tais como dores lombares, entorses e paresias no pós-operatório. Con-
siderando as posições cirúrgicas, relacione a segunda coluna de acordo com a primeira,
sem repetir nenhum número.
I. Posição supina ( ) É uma posição derivada da ventral, na qual os
membros inferiores, superiores e tórax são abaixados, de forma
II. Posição de litotomia que o corpo fique fletido sobre a mesa.
III. Posição Depage ( ) É uma posição indicada para cirurgias da parte
posterior do corpo, como crânio, coluna vertebral, região
IV. Posição de lombar, entre outras.
Trendelenburg reverso
( ) É uma posição derivada da dorsal, na qual se elevam
V. Posição de prona os membros inferiores, os quais ficam colocados em suportes
especiais denominados perneiras e fixados com correias.

Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.


( ) É a posição de melhor tolerância para o paciente
anestesiado. É a posição inicial para qualquer tipo de cirurgia.
Essa posição é uma das mais usadas.
( ) É a posição dorsal com elevação da cabeça e do tórax
e abaixamento dos membros inferiores.

Assinale a alternativa que apresenta a sequência correta:


a) I - III - II - V - IV.
b) V - III - II - IV - I.
c) I - V - III - II - IV.
d) III - V - II - I - IV.

Se você marcou a sequência indicada na letra "d", acertou. Parabéns!

34 NT Editora
Para refletir
Apesar de ser uma atividade realizada rotineiramente no centro cirúrgico, o posicionamento do
paciente para a cirurgia não deve ser considerado um ato mecânico e desvinculado de conheci-
mento técnico-científico. A posição ótima é aquela que oferece à equipe cirúrgica as melhores
condições de visualização da área operatória e que, ao mesmo tempo, proporciona conforto e
segurança ao cliente. Porém, atender a essa demanda nem sempre é tarefa fácil.

Muitos são os tipos de posições cirúrgicas que podem ser empregados nos mais diversos procedi-
mentos, das mais variadas especialidades. Nesse contexto, devem ser consideradas as individualida-
des impostas pelas próprias condições dos pacientes, além dos recursos disponíveis na instituição.

Negligenciar os cuidados com o posicionamento cirúrgico e os riscos inerentes à posição inade-


quada pode prejudicar seriamente o paciente. O trabalho em equipe é a chave para a realização
dessa atividade, tendo em vista que exige competência e participação do anestesiologista, ci-
rurgiões e equipe de enfermagem.

Cabe à instituição oferecer condições as quais propiciem conforto à equipe cirúrgica durante o ato
anestésico-cirúrgico e segurança ao paciente por todo o período perioperatório. É de grande im-
portância a aquisição de adequados equipamentos, acessórios, dispositivos e recursos de proteção.

Resumindo
Nesta lição, estudamos os elementos básicos de fundamentos éticos da equipe de enfermagem
junto ao paciente cirúrgico – segurança aos pacientes –, instituindo programas de controle de infecção
de sítio cirúrgico. Ademais, aprendemos sobre o preparo do posicionamento ideal do paciente,
conforme o procedimento executado.

Verifique se você é capaz de:

• entender a base de tomada de decisão ética e o processo de enfermagem cirúrgica;

• explicar o processo de prevenção e controle de infecção em sítio cirúrgico;


Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

• expor os conceitos expostos referentes ao posicionamento do paciente para o procedimento


cirúrgico.

Você finalizou os estudos sobre Fundamentos da Enferma-


gem Cirúrgica! Espero que tenha obtido novos conhecimen-
tos e que estes o ajudem em sua vida pessoal e profissional.
Seja curioso, observe a forma como as pessoas desenvolvem
suas tarefas e, sempre que possível, sugira mudança para
melhorar o desempenho durante a execução dos trabalhos.
Na próxima lição, nós nos vemos e lá aprenderemos mais
sobre a estrutura física de um centro cirúrgico.

Enfermagem Cirúrgica 35
Exercícios
Parabéns,
você fina- Questão 1 – Para limpeza e desinfecção de salas cirúrgicas, é necessário cumprir crité-
lizou esta rios para a seleção e o uso adequado de processos físicos e químicos de limpeza e desin-
lição! fecção em estabelecimentos de saúde. Acerca desse tema, assinale a alternativa correta.
a) Áreas semicríticas são todas as áreas ocupadas por pacientes portadores de doenças
Agora res-
infecciosas de alta transmissibilidade e de doenças não infecciosas.
ponda às
questões b) Unidade de Terapia Intensiva (UTI) adulto, infantil, neonatal e sala de hemodiálise são
ao lado. consideradas áreas semicríticas.
c) Escritórios, depósitos e sanitários em um hospital são considerados áreas semicríticas.
d) Limpeza é a operação realizada para a remoção física de sujidades, a fim de manter
o asseio e a higiene do ambiente, sendo um dos principais núcleos de todas as ações para
os cuidados de higiene.

Questão 2 – Nos exames proctológicos e nos tratamentos de lavagem intestinal, a posi-


ção que permite melhor acesso à região anal é a:
a) Sims. c) Genupeitoral.
b) Fowler. d) Trendelemburg.

Questão 3 – Há vários fatores que influenciam o aparecimento de infecção. Destacam-se:


a) a baixa virulência, a boa nutrição e a temperatura do corpo.
b) a temperatura do corpo, bom estado nutricional e emocional.
c) o número de micro-organismos invasores, a alta virulência e a defesa do organismo.
d) a defesa do organismo, a desidratação e o exame de sangue normal.

Questão 4 – Assinale a alternativa incorreta quanto aos fatores que favorecem a contami-
nação nos serviços de saúde.

Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.


a) Ausência de utilização de técnicas básicas pelos profissionais de saúde.
b) Manutenção das superfícies úmidas, molhadas, empoeiradas ou com matéria orgânica.
c) Manutenção da sujidade em paredes e superfícies.
d) Mãos dos profissionais de saúde em contato com as superfícies sem uso de luvas de
proteção.

Questão 5 – As regras de conduta para uma adequada relação entre os seres humanos,
considerando valores universais, os quais geralmente são estabelecidos pela sociedade
em que se vive, denominam-se:
a) Ética.
b) Moral.
c) Deontologia.
d) Bioética.

36 NT Editora
Questão 6 – O posicionamento cirúrgico do paciente é um procedimento de grande com-
plexidade que, se não for realizado de forma adequada, pode comprometer sua saúde física
e mental. Com respeito ao posicionamento do paciente, julgue os itens em verdadeiro (V) ou
falso (F) e, a seguir, assinale a alternativa correta.
( ) O posicionamento cirúrgico deve ser individualizado, adaptado às necessidades de cada
pessoa e aos procedimentos previstos.
( ) A posição supina ou dorsal é a mais utilizada em cirurgias e a mais próxima da posição
anatômica normal do paciente.
( ) A posição de litotomia, ou ginecológica, é utilizada para cirurgias obstétricas e urológicas.
a) V –V –V. c) V –V –F.
b) F –F –F. d) F –F –V.

Questão 7 – A infecção do sítio cirúrgico (ISC) é uma das causas mais comuns de infecção
hospitalar na maioria dos hospitais. Existem alguns fatores de risco para a ISC relacionados ao
paciente. Sobre esses fatores, informe se é verdadeiro (V) ou falso (F) o que se afirma a seguir e
assinale a alternativa correta.
( ) Os pacientes idosos não influenciam na taxa de infecção.
( ) Pacientes com múltiplas doenças preexistentes e com baixa imunidade têm menor
probabilidade de contrair infecção.
( ) As infecções distantes, especialmente as do trato urinário e as do acesso vascular,
são consideradas um fator de risco de infecção pós-operatória.
a) V – V – V. c) F – F – F.
b) F – F – V. d) V – V – F.

Questão 8 – Marque a alternativa correta no que diz respeito à prevenção de controle


das infecções nas áreas da saúde.
a) Impedir que as pessoas infectadas tenham contato com pacientes do hospital.
b) Lavar as mãos sempre que necessário e com rigor.
c) Impedir que as pessoas com sintomas de infecção tenham contato com pacientes
hospitalares.
d) Todas as alternativas estão corretas.
Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

Questão 9 – O órgão que norteia e fiscaliza o exercício legal dos profissionais de enfer-
magem é:
a) Cooperativa Nacional dos Trabalhadores de Enfermagem.
b) Sindicato Nacional dos Trabalhadores.
c) Associação Brasileira de Enfermagem.
d) Conselho Regional de Enfermagem.

Questão 10 – As cirurgias realizadas em tecidos colonizados por microbiota pouco nu-


merosa ou em tecido de difícil descontaminação são classificados como:
a) Limpas.
b) Infectadas.
c) Contaminadas.
d) Potencialmente contaminadas.

Enfermagem Cirúrgica 37