Você está na página 1de 73

REGIME DE COLABORAÇÃO

SEQUÊNCIAS PEDAGÓGICAS III


NIVELAMENTO

Língua Portuguesa
Ensino Fundamental

3º ao 9º ano

Fevereiro 2020
Expediente

Governador do Estado de Goiás Vice-Presidente Nacional da UNDIME


Ronaldo Ramos Caiado Marcelo Ferreira da Costa

Secretária de Estado de Educação


Aparecida de Fátima Gavioli Soares
Pereira

Superintendente de Educação Infantil e


Coordenadora da equipe de colaboradores
Ensino Fundamental
Márcia Marquez Paes Leme
Giselle Pereira Campos Faria

Professores Colaboradores
Gerente da Produção de Material para o
Ensino Fundamental
Língua Portuguesa
Alessandra Oliveira de Almeida
Edilene Paiva Costa e Silva
Eleone Ferraz de Assis
Professores Colaboradores
Itatiana Beatriz Moreira Fernandes
Marcela Ferreira Marques
Língua Portuguesa
Márcia Bueno dos Santos
Carlete Fátima da Silva Victor
Marcos Alves Lopes
Elis Regina de Paiva Bucar Mosquera
Maria Magda Ribeiro
Matemática
Cícero Rodrigues Barbosa
Matemática
Leonardo Alcântara Portes
Brunno Antonelle Vieira Costa
Luis Adolfo de Oliveira Cavalcante
Evandro
Marcelo de Freitas Santos
Leandro Dias da Costa Andrade
Suzana Maria Xavier Silva
Marlene Aparecida da Silva Faria
Sumário

Sequência Didática de Língua Portuguesa – 3º ano......................................................................................3

Sequência Didática de Língua Portuguesa – 4º ano......................................................................................9

Sequência Didática de Língua Portuguesa – 5º ano......................................................................................20

Sequência Didática de Língua Portuguesa – 6º ano......................................................................................34

Sequência Didática de Língua Portuguesa – 7º ano......................................................................................47

Sequência Didática de Língua Portuguesa – 8º ano......................................................................................55

Sequência Didática de Língua Portuguesa – 9º ano......................................................................................64


Sequência Didática de Língua Portuguesa – 3º ano

11ª Aula

Gênero textual: Anúncio publicitário

Oralidade e produção textual:

 Retomar a finalidade do anúncio trabalhado na aula anterior e relembrar as características do gênero


anúncio. Listar no quadro o que demonstraram ter aprendido.
 Planejar a produção de texto do gênero anúncio, pensando na vivência do estudante na sua
comunidade.
 Refletir sobre as finalidades do gênero de vender um produto, persuadir o leitor a fazer algo,
conscientizá-lo sobre algo, dentre outras, levantando alguns apontamentos:
 Existe algum produto que podemos produzir e anunciar (slime, sabonete artesanal, dentre outros) ou
campanha (troca de livros usados na escola, troca de gibis, brinquedos usados).
 A produção do produto poderá envolver outros componentes curriculares como Matemática,
Geografia, Ciências
 Revisar a produção inicial, considerando os aspectos linguístico-discursivos.
 Reescrever o texto, fazendo as correções necessárias.
Sugestão: Circulação do texto: Organizar os anúncios em um painel para que os estudantes, famílias e
demais funcionários da escola tenham acesso ao material produzido.

12ª Aula

Gênero textual: Bilhete

Oralidade e leitura

 Iniciar a aula perguntando se eles já escreveram bilhetes, para quem, por que e qual a finalidade desse
texto (bilhete)
 Perguntar qual a importância do bilhete. Quem utiliza bilhete atualmente? Há outra forma de
comunicação, que tem a mesma função do bilhete?
 Mostrar a estrutura de um bilhete apontando oralmente suas partes fundamentais.
 Identificar a função dos bilhetes reconhecendo para que foram produzidos, onde circulam, quem os
produziu e a quem se destinam.

Análise Linguística\semiótica

 Em colaboração com os colegas e com a ajuda do professor entender a função dos bilhetes, bem como
sua situação comunicativa.
 Reconhecer a estrutura de um bilhete.
 Ler e escrever corretamente palavras com sílabas simples e complexas: CV, V, VC, VCC, CVC, CCV,
CVCC, CCVC, CCVCC, identificando que existem vogais em todas as sílabas.
 Identificar e utilizar os sinais de pontuação no texto.
Estrutura do Bilhete

Data
Nome de quemrecebe o bilhete Goiânia, 18/02/2020
Mariana, bom dia!
Sua avó Geralda deixou para
Mensagem
você algumas coisas hoje
cedo, (açafrão e mel) e eu
guardei no armário menor da

Agradecimento ou despedida
cozinha. Ela fez algumas
Nome de quemescreve o bilhete recomendações: “Fazer o chá,
misturar limão a esses
ingredientes e tomar no
mínimo três vezes ao dia.
Não volto à noite minha filha,
farei plantão hoje.
1. Quem é Cecília, Mariana e Geralda?
Te amo muito! Até amanhã.
Cecília é a mãe, Mariana, a filha e Geralda, a avó.
Cecília.
2. Qual a finalidade da mensagem da mãe de Mariana?
Para informar a filha sobre as coisas que a avó deixou para fazer o chá e dizer que fará plantão a noite.
3. Na frase “Ela fez algumas recomendações:” por que ela usou os dois pontos?
Os dois pontos indicam que ela vai citar quais serão as recomendações.
4. Que ingredientes a avó deixou para o chá?
A avó deixou açafrão e mel para o chá.

13ª Aula

Gênero textual: Bilhete

Oralidade/leitura:

 Iniciar a aula sobre o gênero bilhete e projetar os dois bilhetes abaixo. Levantando a curiosidade deles
sobre:
 Quem escreveu os bilhetes? Foi a mesma pessoa quem escreveu os dois bilhetes?
 Por que ela escreveu o bilhete?
 Quando o bilhete foi escrito?
 Para quem foi destinado o bilhete?
 Revisando a estrutura de um bilhete apontando oralmente suas partes fundamentais.
 Apresentar os bilhetes 1 e 2, em cartaz ou data show, para que os estudantes façam as atividades.

Análise linguística\semiótica

 Analisar o efeito de sentido da pontuação nos bilhetes.


 Relembrar o uso da letra maiúscula.
Bilhete 1 Bilhete 2

30/04/2019
Senhores pais, 02/05/2019
Informo que não poderei participar da Dr João Marcos,
abertura do Projeto Alimentação
Saudável. Estou passando para cumprimentá-
lo pela atenção e dedicação no
Meu filho Pedro Paulo foi internado tratamento do meu filho.
pela manhã.
Pedro Paulo está se recuperando
Obrigada pela compreensão! bem em casa.
Professora Maria José Abraços!

1. Quem é o destinatário de cada bilhete (para quem se destina o bilhete)?


Aos pais dos alunos da Profa Maria José e para Dr João Marcos.

5. Quem é o remetente (quem escreveu o bilhete)?


A professora Maria José.

6. Qual é a mensagem principal de cada bilhete?


Bilhete 1 - Informar que não vai participar da abertura do projeto Alimentação Saudável.
Bilhete 2 – Cumprimentar o médico pela atenção e dedicação no tratamento do filho.

7. Analise as datas dos dois bilhetes e explique por que foram escritos em datas diferentes.
O bilhete 1 foi escrito quando o Pedro Paulo ficou internado e o bilhete 2 ele já estava em casa, se
recuperando.

8. Informe porque as palavras que estão sublinhadas no Bilhete 1 iniciam com letra maiúscula:
a) Informo e Meu:
Início de frases
b) Pedro Paulo e Maria José:
Substantivos próprios

14ª Aula
Gênero textual: Bilhete

Oralidade, leitura e análise linguística/semiótica

 Apresentar um bilhete em um cartaz, lendo para a turma fazendo questionamento:


 Quem escreveu?
 Para quem escreveu?
 Qual o assunto do bilhete?
 Como se despediram?
 Circular no cartaz as respostas dos alunos com cores diferentes, seguindo a legenda:
 Vermelho: quem mandou (remetente).
 Verde: quem recebeu (destinatário)
 Azul: data do bilhete
 Amarelo: mensagem do bilhete
 Pedir que façam as atividades sobre o gênero bilhete.

Retomar a aula, projetando o bilhete maluco abaixo e estimular a curiosidade sobre ele.

http://professoraleonete.blogspot.com/2011/06/bilhete-maluco.html

 Solicitar que, em duplas, organizem o bilhete, lembrar da estrutura de um bilhete e que as


informações precisam ter coerência.

http://professoraleonete.blogspot.com/2011/06/bilhete-maluco.html

 Retome o uso da letra maiúscula e da pontuação.


 Pedir que revisem e editem (passando a limpo), verificando a ortografia.
 Fazer a correção socializando coletivamente no quadro.
 Realizar as atividades propostas sobre outro bilhete em dupla.

Leia o bilhete e responda as seguintes questões:

1. O bilhete foi escrito para:


(A) Ensinar a fazer um bolo
(B) dar um recado
(C) vender o bolo
(D) fazer uma festa
Gabarito B
9. Quem fez o bolo?
A mãe de Ana.
10. Para quem Ana trouxe o bolo?
Para Silma e Gustavo

11. Qual a finalidade desse bilhete que Sandro escreveu?


Sandro queria informar que estava gripado e não poderia ir à festa de aniversário, mas pediu para que
Kleber mandasse bolo e brigadeiros pelo Gustavo.
12. Na frase “Você poderia mandar um pedaço de bolo e alguns brigadeiros pelo Gustavo?”, Sandro usou
(A) vírgula
(E) ponto de interrogação
(F) ponto de exclamação
(G) ponto final
Gabarito (B)
13. A frase “FELIZ ANIVERSÁRIO!”, foi escrita com letras em caixa alta para
(A) contar algo para o aniversariante.
(H) distrair o aniversariante.
(I) parabenizar o colega.
(J) contrariar o aniversariante.
Gabarito (C)
14. Quantas palavras tem esse trecho em destaque
“Estou com gripe e não posso ir à sua festa.”
(A) 09
(K) 14
(L) 10
(M) 12
Gabarito (C)
15. Leia o bilhete abaixo e completando com as palavras que faltam, sabendo que a pessoa que enviou o
bilhete foi a Francine.
https://misturadealegria.blogspot.com/2011/05/trabalhando-com-bilhetes-em-sala-de.html

15ª Aula

Gênero textual: Bilhete

Produção de texto:

 Fazer um sorteio entre os estudantes para que escrevam um bilhete para o colega sorteado.
 Seguir algumas orientações:
 Dizer aos estudantes que não devem contar para ninguém quem é esse colega. Essa brincadeira é
como a do amigo secreto.
 Esse bilhete terá a finalidade de chamá-lo para ir ao parque do domingo.
 Antes de começar, relembrar com eles os elementos que um bilhete deve conter.
 Fazer o planejamento do texto, pedir a correção da professora e passar a limpo.
Sequência Didática de Língua Portuguesa – 4º ano

11ª Aula

Gênero textual: Notícia

Oralidade e leitura

Retomar as características do gênero notícia lendo o texto “Ramba chega ao Brasil e segue para
santuário de elefantes”.

 Explorar as partes da notícia e cada estudante circula as informações no texto (fotocópia ou slide)
 O que aconteceu?
 Quando aconteceu?
 Onde aconteceu?
 Quem foram os envolvidos?

Oralidade, leitura e análise linguística/semiótica

 Após esse estudo coletivo explorando o gênero, aplicar a atividade 1 envolvendo as características do
gênero notícia e a compreensão e interpretação do texto.
 Sugestão de slides:

Disponível em: <https://www.slideshare.net/anamoura84/notcia-gnero-textual> Acesso em 04 de fev. de 2020

Ramba chega ao Brasil e segue para santuário de elefantes


Elefanta chegou 6h da manhã em Viracopos; depois, seguiu em comboio para um santuário de elefantes
em Mato Grosso

José Maria Tomazela


16 OUT 2019

Depois de quase três décadas trabalhando em circos, a elefanta asiática Ramba, de ao menos 53 anos,
chegou ao Brasil, nesta quarta-feira, 16, para uma merecida aposentadoria. A passageira ilustre, com seus
3,6 mil quilos, desembarcou às 6h da manhã no Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas,
interior de São Paulo, três horas depois de partir do aeroporto de Santiago, no Chile, a bordo de um Boeing
747-400.
Ramba foi trazida no interior de uma caixa de quase 6 toneladas, com água, alimentação, temperatura
controlada e câmeras internas de monitoramento. A elefanta passou pelos trâmites da Receita Federal, foi
inspecionada por técnicos do Ibama e recebeu uma guia de transporte expedida por funcionários do
Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Às 9h da manhã, Ramba seguiu em comboio
rodoviário para o Santuário de Elefantes do Brasil, uma reserva de 1,1 mil hectares, em Chapada dos
Guimarães (MT).
A viagem internacional marca um novo capítulo na história da elefanta que nasceu selvagem e foi
domesticada para ser atração circense. A maratona, iniciada em Rancágua, a 90 km de Santiago, deve
terminar somente na noite de quinta ou manhã de sexta-feira, com a chegada de Ramba ao destino.
Disponível em: <https://www.terra.com.br/noticias/ciencia/sustentabilidade/ramba-chega-ao-brasil-e-segue-para-santuario-de-
elefantes,50a490627b2c01126753d33ae83d2382ed6gkksx.html> Acesso em 04 de fev. de 2020

Atividade 1

1. O texto que você leu é


(A) uma notícia sobre a chegada de uma elefanta no Brasil.
(N) uma poesia sobre a arte circense e a elefanta Ramba.
(O) uma história que a elefanta Ramba atacou as crianças;
(P) uma instrução de como cuidar da elefanta Ramba.
Gabarito: A
16. A elefanta Ramba chegou no Brasil no aeroporto de
(A) Santiago.
(Q) Campinas.
(R) Chapada dos Guimarães.
(S) Rancágua.
Gabarito: B

17. O texto fala sobre


(A) um Santuário de Elefantes localizado no Chile.
(T) uma elefanta que viajou todo o território brasileiro.
(U) uma elefanta asiática que trabalhava no circo em Campinas.
(V) uma elefanta asiática que mudou para o Santuário de Elefantes do Brasil.
Gabarito: D
18. A expressão “três décadas” significa
(A) 3 anos.
(W) 13 anos.
(X) 30 anos.
(Y) 300 anos.
Gabarito: C
19. A partir da data da notícia, há quantos meses a elefanta está no Brasil?
Ela chegou no dia 16 de outubro de 2019, basta contar os meses até o mês atual.

12ª Aula

Gênero textual: Notícia

Oralidade e leitura

 Retomar as características do gênero notícia, reforçando sua função social;


 Apresentar uma notícia televisa e a mesma impressa.
 Pedir aos alunos que apontem as semelhanças e diferenças das notícias:
 O que aconteceu?
 Onde aconteceu?
 Quando aconteceu?
 Quem foram as pessoas envolvidas?
Oralidade, leitura e análise linguística/semiótica
 Realizar uma atividade de leitura e interpretação dos aspectos linguístico-discursivos no gênero notícia
(anexo).
Observação:
As principais caraterísticas do gênero textual notícia são:
 Texto de cunho informativo, descritivo e/ou narrativo, relativamente curto, com linguagem formal, clara
e objetiva.
 Veiculado nos meios de comunicação
 Textos com títulos (principal e auxiliar) e escritos em terceira pessoa (impessoais)
 Discurso indireto
 Fatos atuais e cotidianos
 Estrutura e exemplo de notícia
 Geralmente as notícias seguem uma estrutura básica classificada em:
 Título principal e título auxiliar
 A notícia é formada por dois títulos, ou seja, um principal, também chamado de manchete, que
sintetiza o tema que será abordado, e outro um pouco maior, o qual auxilia o entendimento do título
principal, ou seja, é um recorte do assunto que será explorado.
Disponível em: <https://www.todamateria.com.br/genero-textual-noticia/> Acesso em 04 de fev. de 2020

Notícia televisiva
Disponível em: <http://g1.globo.com/goias/videos/t/todos-os-videos/v/veja-como-esta-local-onde-ponte-cedeu-em-
goiania/8255824/> Acesso em 04 de fev. de 2020

Disponível em: <https://globoplay.globo.com/v/8254480/> Acesso em 04 de fev. de 2020


Notícia impressa

Motociclista é arrastado por enxurrada em rodovia que virou um ‘rio’, em Goiânia

O córrego da Avenida Lago Azul, no Jardim Nova Esperança, transbordou e os carros foram proibidos
de passar no local. Governo federal emitiu alerta para o risco de desastres naturais em Goiás.
Por Rafael Oliveira, G1 GO
21/01/2020
A
chuva que caiu em Goiânia durante esta
terça-feira (21) causou alagamentos em ruas
e rodovias. Em vários bairros da cidade, as
enchentes foram filmadas por moradores.
Um motociclista aparece em um vídeo
tentando segurar a moto que estava sendo
levada pela força da enxurrada no meio da
rodovia dos Romeiros, na GO-060. O Serviço
de atendimento Móvel de Urgência (Samu)
registrou cerca de 10 quedas de
motociclistas pela cidade.
O
motociclista que aparece no vídeo na rodovia dos Romeiros foi socorrido por pessoas que passavam no
local. Não há informação se ele ficou ferido, mas a moto foi resgatada.
Outro vídeo mostra parte da pista na GO-060 com água cobrindo os pneus de veículos. O trecho
filmado fica próximo ao Conjunto Vera Cruz e mostra motoristas enfrentando a água empoçada. Ainda na
região, usuários de transporte coletivo filmaram de dentro de um ônibus vários carros parados na baixada
entre os bairros Vera Cruz 1 e 2. No ponto mais baixo do local, a enchente alcançou os vidros dos carros.
O córrego conhecido como “caveirinha” transbordou e alagou a Avenida Lago Azul e uma praça na
divisa dos bairros Jardim Nova Esperança e Vila Finsocial. Os dutos não conseguiram drenar a quantidade
de água e o local virou “um rio”. A Guarda Civil Municipal impediu o trânsito de veículos no local.
Em Trindade, Região Metropolitana de Goiânia, um morador do Setor Maysa 2 registrou o momento
em que a água invadiu sua residência.
Disponível em: <https://g1.globo.com/go/goias/noticia/2020/01/21/motociclista-e-arrastado-por-rodovia-que-virou-um-rio-em-
goiania-video.ghtml> Acesso em 04 de fev. de 2020
1. O texto que você leu é um(a)
(A) diário.
(Z) conto.
(AA)notícia.
(BB)propaganda.
Gabarito: C
20. A partir da análise da estrutura do texto “Motociclista é arrastado por enxurrada em rodovia que virou
um ‘rio’, em Goiânia,” sistematize as seguintes informações:
a) O que aconteceu?
Uma chuva forte causou alagamentos em Goiânia.
b) Quando aconteceu?
21 de janeiro de 2020.
c) Com quem aconteceu?
Com os moradores de Goiânia e, em especial, com o motoqueiro.
d) Onde aconteceu?
Goiânia, especificamente na rodovia GO-060 e conjunto Vera Cruz.
e) Como aconteceu?
Durante a chuva, que causou vários alagamentos em Goiânia, um motoqueiro tentou segurar a sua moto.
f) Finalidade do texto:
Informar sobre os alagamentos causados pela chuva.

21. Na oração “Não há informação se ele ficou ferido, mas a moto foi resgatada.”, a palavra em destaque
se refere ao (à)
(A) vídeo.
(CC)rodovia.
(DD) moto.
(EE) motociclista.
Gabarito: D
22. A palavra sublinhada no trecho “O Serviço de atendimento Móvel de Urgência (Samu) registrou cerca
de 10 quedas de motociclistas pela cidade.” significa
(A) aproximadamente.
(FF) relativamente.
(GG) insignificante.
(HH) finalidade.
Gabarito: A

REFLORESTAMENTO COM ESPÉCIES NATIVAS: LUCRO PARA O INVESTIDOR, VANTAGENS PARA O


PLANETA

É cada vez mais evidente que o reflorestamento com árvores brasileiras já se estabeleceu como um
negócio lucrativo, além de ser bom para o clima
ALAN BATISTA E MIGUEL CALMON*
12/01/2018 - 13h32 - Atualizado 12/01/2018 14h28
O
reflorestamento com espécies nativas tem a vantagem
de permitir uma diversificação importante para lidar
com os próprios fenômenos do clima, tanto pelos
serviços ambientais envolvidos (preservação de
biodiversidade e água, por exemplo), quanto pelo
aumento da segurança do produtor, que não fica
dependente de uma única espécie e consegue compor
mosaicos de culturas para épocas de mais ou menos
chuvas.
Sementes, fibras, frutos, óleos, borracha e inúmeros outros produtos podem ser combinados para
permitir a remuneração contínua do plantio de nativas até chegar ao manejo da própria madeira.
Disponível em: <https://epoca.globo.com/ciencia-e-meio-ambiente/blog-do planeta/noticia/2018/01/reflorestamento-com-
especies-nativas-lucro-para-o-investidor-vantagens-para-o-planeta.html> Acesso em 04 de fev. de 2020

23. O assunto do texto é o(a)


(A) reflorestamento com árvores frutíferas.
(II) reflorestamento com espécies nativas.
(JJ) melhoria no clima brasileiro.
(KK) importância de preservar as matas.
Gabarito: B

24. A que gênero pertence o texto lido?


(A) uma carta do leitor.
(LL) um conto.
(MM) uma entrevista.
(NN) uma notícia.
Gabarito: D

13ª Aula

Gênero textual: Notícia

Produção textual
 Planejar a produção de uma notícia coletivamente sobre algum acontecimento de sua comunidade;
 Produzir ou reescrever uma notícia lida do jornal, coletivamente (uma notícia de acordo com a sua
comunidade), observando as características do gênero (tipologia textual, interlocutores, circulação,
suporte, aspectos composicionais, estilo, temática, entre outros);
 Revisar a produção inicial, considerando os aspectos linguístico-discursivos;
 Reescrever o texto, fazendo as correções necessárias.
Sugestão: Circulação do texto: Organizar um mural com as produções dos estudantes para que todos os
estudantes tenham acesso ao material produzido.

14ª Aula

Gênero textual: Diário

Oralidade e Leitura

 Despertar o interesse dos estudantes para falarem sobre seus conhecimentos a respeito do gênero
diário, levantando alguns questionamentos como:
 Você já pensou em utilizar uma espécie de caderno para anotar os acontecimentos mais importantes
do seu dia a dia?
 Existe um caderno especial para registrarmos os acontecimentos marcantes em nossa vida. Vocês
sabem o nome dele?
 Quem já teve ou tem um diário?
 Quem tem hábito de registrar as experiências do cotidiano em um diário?
 Se o diário serve para contarmos sobre os acontecimentos importantes da nossa vida, é necessário
colocarmos a data?
 Apresentar o slide a seguir, apontando algumas questões:
 Quem escreveu o diário?
 Quando foi escrito?
 Por que foi colocada a data no diário?
 O que aconteceu?
 A história é contada em primeira pessoa? Como você descobriu?

Disponível em: <http://slideplayer.com.br/slide/3182748/11/images/7/DIÁRIO+PESSOAL+Teresina,


+11+de+março+de+2013.+Caro+diário,.jpg> Acesso em 04 de fev. de 2020

 Em seguida, exponha aos estudantes o conceito e as características estruturais e funcionais do gênero


diário.
Observação: O diário é um dos gêneros da chamada literatura autobiográfica, no qual são relatados
acontecimentos cotidianos a partir de um ponto de vista pessoal. Trata-se de um texto escrito em
linguagem informal, com o registro da data, e de caráter confidente, sendo que o(a) próprio(a) escritor(a)
costuma ser o(a) destinatário(a).
 No geral, o diário é escrito em primeira pessoa e, dependendo de sua função, pode ser utilizado como
algo público, privado, comunitário ou pessoal.
 Confira a seguir as características do gênero textual diário:
 O diário pode ser real ou fictício;
 Pode conter ou não assinatura;
 Apresenta a sinceridade de quem escreve o texto;
 Pode ser escrito em períodos curtos ou longos;
 As páginas apresentam a data em que o texto foi escrito;
 Texto em 1ª pessoa;
 Pode ou não ser dirigido a alguém;
 Diário pessoal: é formado por relatos íntimos que devem ser lidos apenas por quem escreveu o texto.
Possui linguagem simples, cotidiana, sem preocupações literárias;
 Diário de ficção: é uma obra literária com o formato de anotações pessoais. Nele, o(a) autor(a) registra
as experiências vividas no dia a dia.

Oralidade, Leitura e Análise Linguística/Semiótica

 Realizar a atividade proposta a seguir de leitura e interpretação dos aspectos linguístico-discursivos.

ATIVIDADE DE LEITURA E INTEPRETAÇÃO

Disponível em: <https://blog.petiko.com.br/diario-de-um-cachorro-x-diario-de-um-gato/> Acesso em 04 de fev. de 2020

1. Esse texto é
(A) um conto.
(OO) um diário.
(PP) uma notícia.
(QQ) uma piada.
Gabarito: B
25. Nesse texto, qual é o trecho que dá ideia de lugar?
(A) “Hora do jantar! Mais ração!”
(RR)“Hora de tirar uma pestana!”
(SS) “Acabei de fazer cocô mais uma vez.”
(TT) “Passeio no parque!! Ebaa!!!”
Gabarito: D
26. De acordo com o texto, podemos perceber que Bob se sente
(A) feliz.
(UU) triste.
(VV)faminto.
(WW) cansado.
Gabarito: A
27. Ao usar as reticências na frase “Ela coçou minha barriga...”, o autor do texto teve como objetivo
(A) fazer uma pausa da ação de coçar.
(XX) demonstrar uma rejeição a dona.
(YY) mostrar a sua emoção ao ser acariciado.
(ZZ) permitir que seu dono o coçasse.
Gabarito: C

15ª Aula

Gênero textual: Diário

Oralidade e Leitura

 Retomar os conceitos apresentados na aula anterior sobre o gênero diário, apresentando o texto a

seguir e apontando alguns questionamentos como:

 Quem escreveu o texto?

 O que aconteceu?

 Quando aconteceu?

 A autora do texto usou muitos adjetivos. Você consegue identificá-los?

 Ela também usou muitas expressões que indicam tempo. Quais?


Disponível em: <http://4.bp.blogspot.com/_MT0p2_0Lzds/Sxs0bCei_3I/AAAAAAAAH9c/O0cCEr6px5k/w1200-h630-p-k-no-
nu/01.JPG> Acesso em 04 de fev. de 2020

Oralidade, leitura e análise linguística/semiótica

 Realizar a atividade proposta a seguir de leitura e interpretação dos aspectos linguístico-discursivos.

Oralidade e Escrita

Planejar a produção de um texto pertencente ao gênero diário, pedindo aos estudantes que relembrem de
algum acontecimento importante de sua vida. Para isso, aborde algumas questões como:
 O que tenho para contar?
 O que aconteceu?
 Onde aconteceu?
 Quem participou?
 Como eu me senti?

GENTE É BICHO E BICHO É GENTE

Querido Diário, não tenho mais dúvida de que este mundo está virado ao avesso! Fui ontem à cidade
com minha mãe e você não faz ideia do que eu vi. Uma coisa horrível, horripilante, escabrosa, assustadora,
triste, estranha, diferente, desumana... E eu fiquei chateada.
Eu vi um homem, um ser humano, igual a nós, remexendo na lata de lixo. E sabe o que ele estava
procurando? Ele buscava, no lixo, restos de alimento. Ele procurava comida!
Querido Diário, como pode isso? Alguém revirando uma lata cheia de coisas imundas e retirar dela
algo para comer? Pois foi assim mesmo, do jeitinho que estou contando. Ele colocou num saco de plástico
enorme um montão de comida que um restaurante havia jogado fora. Aarghh!!! Devia estar horrível!
Mas o homem parecia bastante satisfeito por ter encontrado aqueles restos. Na mesma hora, querido
Diário, olhei assustadíssima para a mamãe. Ela compreendeu o meu assombro. Virei para ela e perguntei:
“Mãe, aquele homem vai comer aquilo?” Mamãe fez um “sim” com a cabeça e, em seguida, continuou:
“Viu, entende por que eu fico brava quando você reclama da comida?”.
É verdade! Muitas vezes, eu me recuso a comer chuchu, quiabo, abobrinha e moranga.
E larguei no prato, duas vezes, um montão de repolho, que eu odeio! Puxa vida! Eu me senti muito
envergonhada!
Vendo aquela cena, ainda me lembrei do Pó, nosso cachorro. Nem ele come uma comida igual àquela
que o homem buscou do lixo. Engraçado, querido Diário, o nosso cão vive bem melhor do que aquele
homem. Tem alguma coisa errada nessa história, você não acha?
Como pode um ser humano comer comida do lixo e o meu cachorro comer comida limpinha? Como
pode, querido Diário, bicho tratado como gente e gente vivendo como bicho? Naquela noite eu rezei,
pedindo que Deus conserte logo este mundo. Ele nunca falha. E jamais deixa de atender os meus pedidos.
Só assim, eu consegui adormecer um pouquinho mais feliz.
(OLIVEIRA, Pedro Antônio. Gente é bicho e bicho é gente. Diário da Tarde. Belo Horizonte, 16 out. 1999).

Disponível em: <http://diogoprofessor.blogspot.com/2013/10/atividade-sobre-o-genero-textual-diario.html> Acesso em 04 de


fev. de 2020
1. O texto tem como objetivo
(A) relatar um fato histórico que aconteceu na cidade.
(AAA) descrever a cidade onde a autora mora.
(BBB) informar os leitores dos problemas alimentares da autora.
(CCC) narrar um acontecimento marcante na vida da autora.
Gabarito: D

28. Na frase “Fui ontem à cidade com minha mãe e você não faz ideia do que eu vi.”, a expressão que
indica tempo é
(A) à cidade.
(DDD) fui ontem.
(EEE) com minha mãe.
(FFF) não faz.
Gabarito: B

29. A expressão “virada ao avesso” usada pela narradora no primeiro parágrafo do texto dá ideia de que o
mundo está
(A) tranquilo.
(GGG) sereno.
(HHH) conturbado.
(III) amável.
Gabarito: C

30. O texto apresenta um tema de cunho social muito específico. Identifique-o.


O texto fala sobre a desigualdade social.
31. Nesse texto, o trecho que mostra uma opinião é
(A) · “Vendo aquela cena, ainda me lembrei do Pó, nosso cachorro.”
(JJJ) “Ele colocou num saco de plástico enorme um montão de comida...”
(KKK) “E larguei no prato, duas vezes, um montão de repolho, que eu odeio!”
(LLL) “Pois foi assim mesmo, do jeitinho que estou contando.”
Gabarito: C
32. Identifique a quem se refere as palavras destacadas.
a) “E eu fiquei chateada.”
Narradora.
b) “Ela compreendeu o meu assombro.”
Mãe da narradora.
c) “Mãe, aquele homem vai comer aquilo?”
Restos de alimentos que estavam no lixo.

Produzir um texto pertencente ao gênero diário.


Revisar a produção inicial, considerando os aspectos linguístico-discursivos.
Reescrever o texto.
Sequência Didática de Língua Portuguesa – 5º ano

11ª Aula

Gênero textual: Lenda

Oralidade e Leitura e Escrita

 Relembrar o texto trabalhado na aula anterior, fazendo a leitura em voz alta para os estudantes. Pedir
que os estudantes identifiquem no texto “Dois velhos surdos” do livro “Contos da Floresta” de Yaguarê
Yamã (em anexo da aula anterior) alguns elementos do gênero textual lendas indígenas, respondendo às
perguntas (respostas em anexo):
 As lendas indígenas têm origem oral ou escrita?
 Quem narrou essa história?
 Quando e aonde essa história se passa?
 Quais são os personagens principais?
 Qual é o conflito gerador?
 Qual é a resolução do conflito?
 Propor o reconto coletivo da lenda “Dois velhos surdos”. Colocar os estudantes num grande círculo e
pedir que cada um faça sua contribuição para a criação de uma nova lenda. O professor será o escriba da
turma, seguindo o seguinte roteiro:
 Onde e quando a história se passou?
 Como a história começou?
 Como o casal de velhos encontrou os visajes?
 Qual foi o conflito gerador da história?
 Como o conflito foi resolvido?
 Deixar a reescrita da lenda disponível para os estudantes.

Orientações:

 Saliente a importância de se recontar uma história com foco na sequência dos fatos narrados, na
entonação (não podemos falar nem tão alto e nem tão baixo, mas sim no volume adequado para que todos
compreendam a história) e na postura. Também é muito importante que ao recontar uma história evitem a
repetição desnecessária de palavras e de ideias para que não fique cansativo, além de evitarem uso
excessivo de marcadores típicos dos textos orais não planejados como “tipo, né, daí...”.
 É importante definir se a história será contada em 1ª pessoa do singular (“eu encontrei”) ou 1ª pessoa
do plural (“nós encontramos”) e definir o tempo verbal (sugerimos o pretérito). Observe que deve haver
flexão verbal de acordo com a escolha do narrador e a manutenção do tempo verbal, ambos sendo
mantidos até o final da história.
 Pode ser que algum aluno ou aluna demonstre timidez ou não consiga dar continuidade à história,
nesse momento é importante pedir ajuda aos outros colegas, mas tome um cuidado especial para que
todos esperem a sua vez de participar e que ouçam os colegas para compreender o andamento da história.
Disponível em <https://novaescola.org.br/plano-de-aula/4122/conto-e-reconto-lenda-indigena Acesso em 14 de jan. de 2020.

Resposta das questões acerca do texto “Dois velhos surdos” do livro “Contos da Floresta” de Yaguarê
Yamã

1. As lendas indígenas têm origem oral ou escrita?


Essas histórias foram contadas oralmente pelos indígenas e para os indígenas, atualmente muitas histórias
estão escritas e chegam aos mais diversos públicos.
33. Quem narrou essa história?
Um narrador que não participa da história, ele é observador.
34. Quando e aonde essa história se passa?
Num tempo passado, numa aldeia distante, chamada “a comunidade assombrada dos velhinhos”
35. Quais são os personagens principais?
Os velhinhos.
36. Qual é o conflito gerador?
O conflito gerador da trama é a surdez dos velhinhos que faz com que eles não consigam se esconder dos
visajes.
37. Qual é a resolução do conflito?
Os velhinhos tentaram se esconder dos visajes, mas como falavam muito alto por conta da surdez, os
visajes descobriram onde eles estavam escondidos e acabaram matando-os.

12ª aula

Gênero textual: Lenda

Oralidade, leitura e escrita

 Pedir que os estudantes relembrem rapidamente as características das lendas indígenas (em anexo).
Falar sobre o papel do fantástico na escrita dessas histórias.
 Em seguida, apresentar aos estudantes uma sequência de duas imagens e dizer que eles deverão
produzir sua própria lenda, não perdendo de foco o tempo, o espaço, os personagens, o narrador, o
conflito gerador e a resolução desse conflito.
 Ressaltar a importância de que seja mantida uma ordem no acontecimento dos eventos (começo, meio
e fim), bem como a caracterização do espaço e dos personagens.
Produzir a lenda indígena, observando as características do gênero (tipologia textual, interlocutores,
circulação, suporte, aspectos composicionais, estilo, temática, entre outros).
Revisar a produção inicial, considerando os aspectos linguístico-discursivos.
Reescrever o texto, fazendo as correções necessárias.
 Sugestão: Circulação do texto: Organizar um mural na escola para que os estudantes exponham os
textos produzidos.

Disponível em: <https://www.pinterest.com.mx/pin/135319163788570011/


Disponível em: <http:// https://www.galinhapintadinha.com.br/musicas/letras/dvd-galinha-pintadinha-vol-1/indiozinhos/

13ª aula

Gênero textual: Notícia

Oralidade e Leitura

 Escrever no quadro o título “Acontecimentos no Brasil e no mundo”. Perguntar aos estudantes o que
eles acham que vão aprender nessa aula sem dizer que eles trabalharão o gênero textual notícia.
 Em seguida, mostrar para os estudantes uma notícia sobre a ativista sueca Greta Thunberg (em anexo)
e pedir que cada um faça a leitura do texto.
 Após a leitura, perguntar aos estudantes a seguintes questões:
 O que nós lemos?
 Por que foi escrito?
 Por quem foi escrito?
 Vocês já conheciam a história de Greta Thunberg?
 Como essa história chegou até a nós?
 Para quem esse texto foi escrito? (As respostas para essas questões encontram-se em anexo.)
 Depois da discussão das perguntas acerca da notícia, pedir que os estudantes analisem se é possível
antever o conteúdo do texto com base na manchete.
 Dizer da estrutura das notícias (anexo) e pedir que os estudantes identifiquem cada parte na notícia
sobre Greta Thunberg, pedindo que os estudantes façam anotações em seus próprios textos.

Leitura e Escrita

 Pedir que os estudantes respondam a atividade (em anexo) acerca da notícia de Greta Thunberg.

Observações: O gênero notícia pode ser entendido como um texto no qual se divulga um fato ou
acontecimento, veiculado principalmente por jornais, revistas e rádios, impressos, eletrônicos ou
televisivos. Por ser um gênero massivo de comunicação atinge a todas as camadas da população, trazendo
informações e contribuindo para a formação de opinião. Esses textos são dinâmicos, atuais e periódicos, e,
como não é qualquer fato que vira notícia, ele deve ser marcado pelo ineditismo, gerar interesse e
identificação no leitor. Tendo em vista que há diversos públicos que leem os jornais, cada linha editorial se
adequa ao que entende que chamará mais a atenção de seu público alvo, determinando assim seu
vocabulário, extensão do texto, temáticas e o nível de parcialidade no tratamento das informações. A
notícia é composta por três partes: título, lead e corpo. O título e subtítulo (quando houver) deve despertar
o interesse no leitor, títulos com maior destaque em uma publicação são conhecidos também como
manchetes; o lead (1º parágrafo do texto) deve apresentar as informações essenciais do fato: o quê, quem,
quando, onde, como, por quê; tais informações serão mais detalhadas no corpo do texto. As fotos e
legendas também são marcas desse gênero e servem como um resumo da notícia. Os alunos devem saber
que para se escolher a notícia que se vai ler, dentre tantas em um jornal, é comum se ater ao título e a
imagem, por isso essas escolhas são feitas com muito critério pelos jornais.
Disponível em: <https://novaescola.org.br/plano-de-aula/2924/noticias-e-manchetes Acesso em 14/01/2020.
Greta Thunberg é eleita Pessoa do Ano de 2019 pela Revista Time
Capa da publicação americana traz a ativista sueca com o título "O Poder da Juventude"
11/12/2019

Adolescente é a pessoa mais jovem a receber o prêmio Evgenia Arbugaev / TIME

A ativista ambiental Greta Thunberg foi escolhida como a Pessoa do Ano de 2019 pela Revista Time,
anunciou a publicação nesta quarta-feira (11). 
A adolescente sueca de 16 anos se viu no papel de porta-voz de uma geração assustada pela emergência
climática desde sua campanha individual contra o aquecimento global, do lado de fora do parlamento da
Suécia, no ano passado. 
A capa da revista tem uma foto de Greta com a manchete "O Poder da Juventude". A ativista é a pessoa mais
jovem a receber o prêmio.
"Não podemos continuar vivendo como se não houvesse amanhã, porque há um amanhã. É tudo o que
estamos dizendo", disse Greta à Time. 
A revista entrevistou a sueca a bordo do veleiro que a levou dos Estados Unidos para a Europa após
uma agitada viagem de 11 semanas por várias cidades americanas e do Canadá. 
Greta enviou sua mensagem de maneira direta aos tomadores de decisão globais, acusando-os de
inação ante a crise climática e afirmou "ouçam os cientistas". 
A adolescente encontrava-se em Madri no momento em que o prêmio foi anunciado, pois participa na
cúpula do clima da ONU encarregada de salvar o mundo do aquecimento global descontrolado. 
"As políticas de ação climática são tão arraigadas e complexas quanto o próprio fenômeno, e Thunberg
não tem uma solução mágica", escreveu Time na entrevista. 
"Mas ela conseguiu criar uma mudança de atitude global, transformando milhões de ansiedades vagas
no meio da noite em um movimento mundial que pede mudanças urgentes. Ela ofereceu um apelo moral
aos que estão dispostos a agir e envergonhou os que não estão".
Disponível em: <https://gauchazh.clicrbs.com.br/ambiente/noticia/2019/12/greta-thunberg-e-eleita-pessoa-do-ano-de-2019-
pela-revista-time-ck41blw3100v601qh891mivus.html Acesso em 14/01/2020.

Resposta para as questões levantadas após a leitura da notícia de Greta


1. O que nós lemos?
Espera-se que os alunos cheguem às seguintes conclusões: Uma notícia/ reportagem (notícia e reportagem
não são sinônimos, ambas são do gênero jornalístico, mas enquanto a notícia tende a ser mais objetiva e
tratar de fatos novos, a reportagem pode ser mais extensa, relacionando fatos correlatos, como causas e
desdobramentos de um acontecimento que pode ter ocorridos a qualquer momento. Entretanto isso não
precisa ser dito para os alunos nesse momento). Caso os alunos respondam apenas “lemos um texto”,
questione: que tipo de texto? É, por exemplo, um conto, uma lenda? É importante fazê-los refletir que o
texto lido trouxe uma notícia, narrou um acontecimento da vida real.
38. Por que foi escrito?
Resposta esperada: Para contar um acontecimento. Continue investigando: Textos que contam um
acontecimento, tem um nome específico? Como são chamados? Alguém sabe? Resposta esperada: São as
notícias. Caso os alunos não saibam, não responda por eles, explique que vai retomar a pergunta no final
da aula.
39. Por quem foi escrito?
Resposta esperada: por um jornalista. Pode ser que os alunos respondam que foi escrito por um jornal.
Pergunte quem são as pessoas que trabalham em um jornal: pode ser que digam jornalistas, repórteres,
fotógrafos, editor, revisor.
40. Vocês já conheciam a história da Greta Thunberg?
Se alguém responder que sim, pergunte onde ouviu sobre essa história. Eles já estarão elencando os meios
por onde circulam as notícias, como rádio, jornal impresso e digital, telejornal. O que é assunto para a
próxima pergunta.
41. Como essa história chegou até nós?
Resposta esperada: por meio de um jornal.
42. Para quem esse texto foi escrito?
É possível que nomeiem os diferentes públicos que podem ter acesso a um jornal (adultos, crianças…).
Valide se disserem que, em geral, o jornal é escrito para adultos, mas comunique que tem exceções. Alguns
podem ser direcionados somente para crianças ou adolescentes.

PARTES DE UMA NOTÍCIA

Manchete (título/subtítulo)
Lide (lead) – 1º parágrafo
Corpo do texto
Imagens, fotos, legenda.
Lembre-os de que a manchete é o título mais importante e com mais destaque de um jornal, sendo os
outros considerados apenas como títulos. O que vem logo abaixo é o subtítulo, também conhecido como
título auxiliar. A seguir vem o lide ou “lead” (“o que guia” ou “o que conduz” em inglês).
O lide de notícias traz informações importantes respondendo: o quê (a ação), quem (o agente),
quando (o tempo), onde (o lugar), como (o modo) e por quê (o motivo) se deu o acontecimento central da
história. Em reportagens não há essa “obrigatoriedade”, mas o 1º parágrafo deve ser igualmente
convidativo.
No corpo do texto da notícia ou reportagem encontramos mais informações sobre os fatos. Podendo
ser intercaladas por fotos e imagens. Entretanto, as reportagens tendem a trazer mais infográficos
(informações gráficas) do que as notícias, justamente porque seu tempo de produção é mais longo e as
informações são apresentadas sob diversos ângulos.
Disponível em: <https://novaescola.org.br/plano-de-aula/2924/noticias-e-manchetes> Acesso em 14/01/2020. > Acesso em 04
de fev. de 2020
Atividade sobre o texto de Greta Thunberg

1. O autor do texto relacionou a capa da revista com uma foto de Greta com uma manchete "O Poder da
Juventude". Essa relação se deve ao fato de
(A) o jornalista ter recebido o prêmio como destaque no cenário mundial.
(MMM) o
jornalista ter privilegiado Greta devido a sua amizade pessoal.
(NNN) Greta ser a mais jovem a receber o Prêmio de Pessoa do Ano de 2019 da Revista Time.
(OOO) Greta ser amiga do jornalista que entregou o Prêmio de Pessoa do Ano de 2019.
Gabarito: C
43. O que na reportagem chamou mais a sua atenção?
Resposta pessoal.
44. Cite alguns dos feitos de Greta Thunberg de acordo com a notícia que você leu.
Ela fez uma campanha individual contra o aquecimento global e viajou pelo mundo divulgando o seu
trabalho.
45. No trecho “ouçam os cientistas”, o autor utilizou as aspas com o objetivo de
(A) destacar a fala dos cientistas.
(PPP) ressaltar a importância dos cientistas.
(QQQ) valorizar a imagem de Greta.
(RRR) evidenciar a fala de Greta.
Gabarito: D

14ª aula

Gênero textual: Notícia

Oralidade e Leitura

 Apresentar aos estudantes uma outra notícia, mantendo o foco na temática das questões ambientais
(anexo).
 Pedir que façam a leitura da notícia em duplas, garantindo a presença de leitor fluente em cada dupla.
 Em seguida, fazer a análise da estrutura da notícia: manchete - título/subtítulo, lide, corpo do texto,
imagens, fotos e legendas.
 Fazer com os estudantes o levantamento das informações mais relevantes sobre a notícia.

Análise Linguística/Semiótica

 Depois de lerem a notícia, os estudantes deverão responder questões sobre a notícia, porém com
maior foco nos aspectos linguístico-discursivos (anexo).
 Realizar a correção da atividade coletivamente, estimulando os estudantes a apresentarem suas
hipóteses e justificativas, como também a analisarem e a argumentarem a partir, inclusive, das respostas e
observações dos colegas.
 Explicar, se possível, por meio de recursos audiovisuais e digitais, esses aspectos suscitados na
atividade, aproveitando para apresentar conceitos, funcionalidade, outros exemplos dos elementos e das
categorias linguísticas e gramaticais presentes neste gênero, por exemplo, o uso de discurso que pode
apresentar uma notícia tendenciosa.
Orientações: Estudar um texto ou gênero textual, é compreender também como as escolhas linguísticas,
para dizer o que se quer dizer, produz sentido, revelam intencionalidades e visão de mundo. Nesse sentido,
para uma melhor compreensão do texto jornalístico-midiático, especialmente da notícia, é necessário
pensar e reconhecer quais as escolhas que os jornalistas fazem e por que dessas escolhas.

Sugestão de notícia para ser trabalhada na 2ª aula dessa sequência

Mudança climática trará mais mortes por ondas calor; Brasil preocupa
Observatório do Clima terça-feira, 7 agosto de 2018 19:55

Pôr-do-sol em São Paulo em dia de calor extremo. Foto: Divulgação.

O mais abrangente estudo já feito sobre o impacto de ondas de calor na taxa mortalidade humana traz
uma notícia ruim para o Brasil: o país está entre aqueles onde o problema mais deve se agravar à medida
que a mudança climática avança.
O trabalho que aponta essa tendência é uma pesquisa conduzida por 39 cientistas mundo afora,
analisando dados de mortalidade em 412 cidades de 20 países diferentes. Quando se considerou aumento
percentual nas mortes relacionadas a ondas de calor, o Brasil teve a terceira previsão mais pessimista, atrás
apenas de Colômbia e Filipinas.
“Os resultados mostram que, se não ocorrer adaptação, o incremento na mortalidade relacionada a
ondas de calor deve aumentar mais em países e regiões tropicais/subtropicais (mais perto do equador),
enquanto países europeus e os EUA terão aumentos menores nessa mortalidade excedente”, afirmam os
autores em artigo científico publicado na revista “PLoS Medicine”.
O estudo mapeou diversos cenários futuros, com previsões diferentes de aumento de temperatura e
crescimento populacional. Foram comparadas as mortes relacionadas a ondas de calor acumuladas no
período de 1971 a 2020 com um período projetado num intervalo futuro, de 2031 a 2080. Só no Brasil, os
pesquisadores avaliaram 3,4 milhões de mortes de 1997 a 2011 e sua potencial relação com ondas de calor
para fazer a projeção.
Na ponta mais pessimista das previsões de mudança climática — em que emissões de gases-estufa
continuam desenfreadas, com a população crescendo muito e sem medidas de adaptação –, as mortes por
ondas de calor no Brasil poderiam crescer mais de 850%. O mapa abaixo mostra esse cenário mais
pessimista avaliado.
Projeção para até 2080. Dados: PLoS Medicine.

O Nordeste e o Norte do Brasil poderão estar entre as áreas mais afetadas. Os dados nacionais usados
no estudo foram analisados pelos sanitaristas Paulo Saldiva e Micheline Coelho, da USP. O estudo indica
que, sob uma forte política global de redução de emissões (tornando provável o planeta esquentar menos
de 2°C), o Brasil poderia derrubar esse número para 313%, — ainda uma cifra preocupante.
Para evitar uma elevação maior nessa taxa seria preciso investir em medidas diversas de adaptação.
Entre elas estão: preparar o sistema de saúde para o problema, instalar mais bebedouros públicos, educar
a população para os riscos, elevar a renda das populações mais pobres para permitir compra de ar
condicionados, criar sistemas de alerta e outras medidas. Ainda assim, o país veria um aumento médio de
82% nas mortes relacionadas a ondas de calor, no cenário pessimista. Para além dessas medidas, o número
só diminuiu se a população do país crescer menos.
Entre os problemas de saúde mais ligados à mortalidade em ondas de calor estão a insolação,
desidratação, edemas e problemas musculares. Altas temperaturas também agravam problemas cardíacos,
pulmonares, circulatórios e dos rins. A literatura médica é farta de exemplos sobre como o calor extremo é
capaz de levar à morte em certas condições.
O estudo publicado pela PLoS Medicine teve um enfoque particular nas ondas de calor — definidas
como dois ou mais dias com temperaturas acima do percentil 95 para dada área — porque é nessas
situações de estresse térmico prolongado que o organismo sofre mais.
Disponível em: <https://www.oeco.org.br/noticias/mudanca-climatica-trara-mais-mortes-por-ondas-calor-brasil-preocupa/
Acesso em 15/01/2020.

Atividade sobre os aspectos linguístico-discursivos da notícia “Mudança climática trará mais mortes por
ondas calor; Brasil preocupa”
1. Os fatos são relatados seguindo uma ordem

(A) cronológica.
(SSS) por relevância.
(TTT) psicológica.
(UUU) ética.
Gabarito: B

46. O verbo “mapear”, na oração “O estudo mapeou diversos cenários futuros...”, encontra-se no mesmo
tempo verbal que

(A) “Altas temperaturas também agravam problemas cardíacos, ...”


(VVV) “O Nordeste e o Norte do Brasil poderão estar entre as áreas mais afetadas.”
(WWW) “...a
firmam os autores em artigo científico publicado na revista ‘PLoS Medicine’.”
(XXX) “Quando se considerou aumento percentual...”
Gabarito: D
47. O relato é feito em 3ª pessoa com a finalidade de ser
(A) imparcial.
(YYY) subjetivo.
(ZZZ) emotivo.
(AAAA)opinativo.
Gabarito: A
48. Levante alguns itens abordados no texto que podem reduzir diretamente o aumento da taxa de
mortalidade causada pelas ondas de calor.
Gabarito: preparar o sistema de saúde para o problema, instalar mais bebedouros públicos, educar a
população para os riscos, elevar a renda das populações mais pobres para permitir compra de ar
condicionados, criar sistemas de alerta e outras medidas.
49. Qual é o objetivo do autor do texto em utilizar da fala de especialistas e/ou das pessoas envolvidas no
fato noticioso?
Gabarito: Validar as informações.
50. Qual a finalidade do título e do subtítulo para uma matéria jornalística?
Gabarito: Despertar o interesse do leitor em ler o texto e fazer uma síntese da notícia.
51. Qual a finalidade da imagem e da legenda para o caráter informativo da notícia?
Gabarito: Despertar o interesse do leitor em ler o texto e relacionar a linguagem não verbal com a verbal
da notícia.

15ª aula
Gênero textual: Notícia

Oralidade, leitura e escrita

 Pedir que os estudantes relembrem rapidamente os aspectos composicionais da notícia, assim como o
tipo de linguagem que é utilizada nesse tipo de texto.
 Em seguida, pedir que os estudantes criem notícias num tempo futuro que anunciem o controle das
mudanças climáticas. Ajude os estudantes, oferecendo diferentes possibilidades que corroborariam para o
controle das mudanças climáticas, tais como: o controle na emissão de CO2 e diminuição da camada de
ozônio, controle da poluição, diminuição de consumo de itens descartáveis, uso de transporte público e
bicicletas, uso de fontes de energias sustentáveis (eólica), diminuição do uso de combustíveis fósseis, entre
outras (sugestões de imagens em anexo para serem apresentadas para os estudantes). Forneça também
revistas e jornais para que os estudantes possam acrescentar imagens e fotografias em suas notícias.
Produzir a notícia, observando as características do gênero (tipologia textual, interlocutores, circulação,
suporte, aspectos composicionais, estilo, temática, entre outros).
Revisar a produção inicial, considerando os aspectos linguístico-discursivos.
Reescrever o texto, fazendo as correções necessárias.
Sugestão: Circulação do texto: Organizar um mural na escola para que os estudantes exponham os textos
produzidos.

Observação: Caso for possível, execute essa aula no ambiente informatizado da escola. Assim, os
estudantes poderão lançar mão dos recursos digitais (escolha de imagem, pesquisa sobre outras
informações para a produção da notícia, editor de texto, entre outros) para produzirem a notícia. Os
estudantes poderão fazer a notícia em duplas ou trios.

Sugestões de imagens sobre ações para evitar as mudanças climáticas


Disponíveis em: <https://www.dw.com/pt-br/camada-de-oz%C3%B4nio-pode-estar-recuperada-at%C3%A9-meados-deste-s
%C3%A9culo/a-46264210> Acesso em 15/01/2020.
Sequência Didática de Língua Portuguesa – 6º ano

11ª Aula

Gênero textual: Charge

Oralidade, leitura, escrita e análise linguística/semiótica

 A partir da leitura da reportagem “Poluição pode diminuir peixes do rio Araguaia, aponta pesquisa feita
por instituto”,
 Planejar a produção de uma charge (atividade individual).
 Ler a reportagem, apontando questionamentos:
 Quem são os responsáveis pela poluição no rio Araguaia?
 Quais são as consequências dessa poluição?
 Qual é a ação do grupo de voluntários de São José dos Bandeirantes e Nova Crixás?
 O que essa ação acarreta para a população goiana?
 O que é o período de defesa?
 Qual é o seu objetivo?
 Produzir uma charge individualmente a partir da reportagem lida.
 Revisar a produção inicial, considerando os aspectos linguístico-discursivos.
 Reescrever o texto.

Sugestão: Circulação do texto: Organizar as charges em um painel para que todos os estudantes da sala
tenham acesso ao material produzido.

POLUIÇÃO PODE DIMINUIR PEIXES DO RIO ARAGUAIA, APONTA PESQUISA FEITA POR INSTITUTO

Em apenas dois dias de operação, voluntários retiram 20 toneladas de lixo do rio

16 Nov 2018 - 11:17


O Hoje | Gabriel Araújo
A grande quantidade de lixo nos rios do
Estado é uma preocupação constante para
ambientalistas. De acordo com pesquisas
recentes, os despejos humanos são a
principal fonte de contaminação dos rios no
país que causa a morte de toneladas de
peixes e interfere na reprodução das
espécies, principalmente nesta época do
ano, a piracema.

Para a pesquisadora do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Recursos Hídricos do Instituto de Pesca,


Cacilda Mercante, o principal problema é a quantidade de oxigênio da água. "A poluição provoca a morte
de toneladas de peixes, devido, principalmente, à redução do oxigênio dissolvido na água", afirma.
"Quando qualquer substância que não faz parte de um determinado sistema aquático é inserida no
ambiente pode ocorrer um efeito "dominó" negativo, ou seja, uma reação em cadeia que provoca
desequilíbrio nas interações entre o meio vivo e o não vivo, ocasionando, ao final, a morte de peixes",
finaliza.
Operação
Em Goiás, um grupo de voluntários de São José dos Bandeirantes e Nova Crixás conseguiu retirar cerca
de 20 toneladas de lixo do Rio Araguaia em apenas dois dias. A ação ocorre anualmente para a limpeza da
região após o período de alta no turismo, que chega a atrair mais de 500 mil pessoas.
Além disso, o estado de Goiás passa agora por um período de defeso, ou seja, a pesca predatória está
proibida devido ao aumento nos níveis dos rios e consequente época de reprodução dos peixes. De acordo
com a Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Recursos Hídricos, Infraestrutura, Cidades e Assuntos
Metropolitanos (Secima), os quatro meses de piracema, vai de novembro deste ano ao fim de fevereiro de
2019 e é essencial para a reprodução da fauna aquática e manutenção dos estoques pesqueiros, fonte de
alimento e renda para milhares de famílias em Goiás.
Este ano, equipes de fiscalização da Secima vão percorrer rios e lagos goianos, principalmente nas
regiões de Três Ranchos, Rio Vermelho, Corumbá III e IV, Paranã, Rio das Almas e Rio Piracanjuba,
prestando orientações sobre o período e atuando também na repressão à pesca predatória. Haverá ainda
uma maior concentração de equipes na região do Parque Estadual do Araguaia (São Miguel do Araguaia),
Rio Crixás e Rio do Peixe.
Disponível em: <http://www.agenciadanoticia.com.br/noticias/exibir.asp?id=74056&noticia=poluicao-pode-diminuir-peixes-do-
rio-araguaia-aponta-pesquisa-feita-por-instituto> Acesso em 04 de fev. de 2020

12ª Aula

Gênero textual: Reportagem

Oralidade e Leitura:

 Apresentar o slide que contém capas de revistas e jornais e perguntar aos estudantes:
 Vocês têm o hábito de lerem jornais e/ou revistas on-line ou impressas?
 O que vocês gostam de ler nos jornais e nas revistas?
 Vocês conhecem esses jornais e revistas?
 Onde podemos encontrá-los?
 Se você pudesse, qual matéria você leria agora? Por quê?
 Observação: Nesse momento, fale da sua experiência pessoal e ressalte a importância da leitura na
construção de conhecimento cultural e acadêmico.
 Esclarecer aos estudantes que em jornais e revistas circulam vários gêneros como notícias, reportagens,
charges, anúncios, infográficos, cartas do leitor, entrevistas, resenhas, crônicas, editoriais e muitos outros,
ressaltando que já foi trabalhado a charge e que, nessas aulas, será trabalhado a reportagem.

Oralidade, leitura e análise linguística/semiótica

 Apresentar o slide sobre a reportagem “Pesquisa averigua consciência ambiental de turistas do Araguaia
e resultado decepciona”, apontando os questionamentos:
 Vocês conhecem esse lugar?
 O que vocês sabem sobre esse lugar?
 No mês de julho, os turistas preservam o rio Araguaia?
 O que podemos fazer para conscientizar os turistas para a preservação do rio Araguaia?
 Qual é o título da reportagem? E a lide?
 Para que serve uma pesquisa?
 Analisar na reportagem, de maneira contextualizada e dialogada, o emprego de:
 diferentes classes gramaticais (substantivos, adjetivos, advérbios, verbos, pronomes, artigos,
preposições);
 acentos gráficos e sinais de pontuação;
 concordância verbal e nominal.
 Realizar a atividade proposta de leitura e interpretação dos aspectos linguístico-discursivos.

Observação:

 A Reportagem é um tipo de texto que tem o intuito de informar ao mesmo tempo que prevê criar uma
opinião nos leitores, portanto, ela possui uma função social muito importante como formadora de opinião.
 A Reportagem pode ser um texto expositivo, informativo, descritivo, narrativo ou opinativo.
 Desse modo, ela pode tanto se aproximar da notícia quanto dos artigos opinativos, porém não deve
ser confundida com eles.
 Expositivo e Informativo porque ele expõe sobre um determinado assunto, com o intuito principal de
informar o leitor.
 Podem também ser textos descritivos e narrativos, uma vez que descrevem ações e incluem tempo,
espaço e personagens.
 E por fim, é um texto opinativo, ou seja, o repórter apresenta juízos de valor sobre o que está sendo
discorrido.
 Geralmente são textos mais longos, opinativos e assinados pelos repórteres, enquanto as notícias são
textos relativamente curtos e impessoais que possuem o intuito de somente informar o leitor de um fato
atual ocorrido.
 Em resumo, podemos dizer que a notícia faz parte do jornalismo informativo, enquanto as reportagens
fazem parte do chamado jornalismo opinativo.
 Por esse motivo, a reportagem é um texto que precisa de mais tempo para ser elaborado pelo
repórter, donde se desenvolve um debate sobre um tema, de modo mais abrangente que a notícia.
 Estrutura Básica
 Vale lembrar que a estrutura básica dos textos jornalísticos é dividida em três partes:
Título Principal e Secundário: as reportagens, tal qual as notícias, podem apresentar dois títulos, um
principal e mais abrangente (chamado de Manchete), e outro secundário (uma espécie de subtítulo) e mais
específico.
Lide: na linguagem jornalística a Lide corresponde aos primeiros parágrafos dos textos jornalísticos, os
quais devem conter as informações mais importantes que serão discorridas pelo autor. Portanto, a Lide
pode ser considerada uma espécie de resumo, donde as palavras chave serão apontadas.
Corpo do Texto: Desenvolvimento do texto, sem perder de vista o que foi apresentado na Lide. Nessa
parte, o repórter reúne todas as informações e as apresenta num texto coeso e coerente.
 Principais Características da Reportagem
 Segue abaixo as principais características do gênero reportagem:
 Textos em primeira e terceira pessoa
 Presença de títulos
 Temas sociais, políticos, econômicos
 Linguagem simples, clara e dinâmica
 Discurso direto e indireto
 Objetividade e subjetividade
 Linguagem formal
 Textos assinados pelo autor
Disponível em: <https://www.todamateria.com.br/genero-textual-reportagem/> Acesso em 04 de fev. de 2020

Slides:
 Estimular a curiosidade dos estudantes a lerem jornais e revistas on-line ou impressas. Apontar
questionamentos como:
 Vocês têm o hábito de lerem jornais e/ou revistas on-line ou impressas?
 O que vocês gostam de ler nos jornais e nas revistas?
 Vocês conhecem esses jornais e revistas?
 Onde podemos encontrá-los?
 Se você pudesse, qual matéria você leria agora? Por quê?
 Falar da sua experiência pessoal e ressaltar a importância da leitura na construção de conhecimento
cultural e acadêmico.

 Apontar questionamentos sobre a imagem do rio Araguaia, o título e o lide da reportagem:


 Vocês conhecem esse lugar?
 O que vocês sabem sobre esse lugar?
 No mês de julho, os turistas preservam o rio Araguaia?
 O que podemos fazer para conscientizar os turistas para a preservação do rio Araguaia?
 Qual é o título da reportagem? E a lide?
 Para que serve uma pesquisa?
 O que vocês esperam como respostas dos turistas ao serem questionados sobre a preservação do rio
Araguaia?
 Em seguida, entregar a reportagem para que os estudantes façam a leitura.

UFG

Pesquisa averigua consciência ambiental de turistas do Araguaia e resultado decepciona

julho 3, 2017 4:15


Por Marcelo Gouveia
Edição 2190

Levantamento da Federal goiana mostra que, no discurso, pessoas sabem que devem preservar meio
ambiente, o que não ocorre na prática

Pesquisa da Universidade Federal de Goiás (UFG) divulgada nesta semana aponta um comportamento
contraditório dos turistas que frequentam as praias do rio Araguaia nas férias de julho. O levantamento
mostra que, no discurso, eles sabem que preservar o meio ambiente é importante, mas na prática, não
cuidam do próprio lixo, deixam dejetos na água, produzem calor e poluição sonora.
A universidade averiguou a consciência ambiental e o comportamento de quem visitou Aruanã em
2013. O estudo também concluiu que os acampamentos de fim de semana são os mais problemáticos.
Coordenada pelo professor da Faculdade de Educação Física e Dança da UFG, Humberto Luís de Deus
Inácio, a pesquisa questionou os visitantes sobre como eles cuidavam do meio ambiente e do lixo, se
evitam fazer ruídos quando praticavam atividades na natureza, se priorizavam meios de transporte e
produtos menos poluentes, entre outros.
As respostas analisadas acusaram consciência ambiental de média para alta. Em seguida, os
pesquisadores observaram o comportamento dos turistas em três tipos de acampamentos para perceber
se as declarações correspondiam com a prática.
Nos acampamentos promovidos por instituições como sindicatos, bancos e federações, em que
existem regras de convívio, recipientes de depósito de lixo, coleta seletiva e horário estipulado para
atividades, o comportamento ambiental se aproximou das declarações registradas nos questionários.
Nos acampamentos familiares, a diferença entre discurso e prática ficou diluída, uma vez que cada
grupo reunido seguia uma dinâmica própria de convivência. O contraste maior, porém, se deu nos
acampamentos de fim de semana, que recebem a maior parte dos turistas e onde estão os bares.
“As pessoas vão com as suas barracas, os seus equipamentos e se instalam onde querem. Há muita
bebida e desorganização”, relatou o(a) Professor(a) Humberto Luís de Deus Inácio.
A ausência do poder público foi uma questão que chamou a atenção dos pesquisadores. “A prefeitura
recolhe o lixo das ilhas. Os barcos passam em pontos estratégicos e recolhem os sacos de lixo. Então o
barco para o gari joga o saco para dentro e vai embora. O que está espalhado fica na ilha, ninguém pega”,
explicou o(a) Professor(a).
Os pesquisadores entendem como necessária a ampliação de programas e campanhas de Educação
Ambiental antes e durante o período de férias. Também insistem uma fiscalização maior, principalmente,
nos acampamentos de fim de semana.
Disponível em: <https://www.jornalopcao.com.br/ultimas-noticias/pesquisa-averigua-consciencia-ambiental-de-turistas-do-
araguaia-e-resultado-decepciona-99038/> Acesso em 04 de fev. de 2020
1. Identifique no texto:
a) O autor.
O autor do texto é Marcelo Gouveia.

b) O suporte que foi veiculada.


A reportagem foi publicada em um site do Jornal Opção.

52. De acordo com a pesquisa realizada pela Universidade Federal de Goiás (UFG), existe uma incoerência
entre o(a)s

(A) ações dos pesquisadores e as atitudes dos turistas.


(BBBB) consciência ambiental dos turistas e seus atos no período de férias.
(CCCC) fatos mencionados pelos pesquisadores e suas atitudes.
(DDDD) açõ
es dos turistas e consciência ambiental dos pesquisadores.
Gabarito: B

53. O pronome “eles”, no trecho “Coordenada pelo professor da Faculdade de Educação Física e Dança da
UFG, Humberto Luís de Deus Inácio, a pesquisa questionou os visitantes sobre como eles cuidavam do
meio ambiente e do lixo, ...”, refere-se ao(à)s

(A) professor.
(EEEE) pesquisa.
(FFFF) meio ambiente.
(GGGG) visit
antes.
Gabarito: D

54. As aspas na oração “As pessoas vão com as suas barracas, os seus equipamentos e se instalam onde
querem. Há muita bebida e desorganização”, foram empregadas para
(A) exprimir ironia no texto.
(HHHH) sina
lizar o discurso do professor.
(IIII) sugerir o uso de gírias no texto.
(JJJJ) marcar o título da reportagem.
Gabarito: D

55. A expressão “antes e durante o período de férias”, na frase “Os pesquisadores entendem como
necessária a ampliação de programas e campanhas de Educação Ambiental antes e durante o período de
férias.”, expressa a ideia de
(A) adição.
(KKKK) conclusão.
(LLLL) tempo.
(MMMM) con
dição.
Gabarito: C.

13ª Aula

Gênero textual: Reportagem

Oralidade, Leitura e Análise Linguística/Semiótica

 Entregar o texto “Jovens empreendedores ganham destaque no mercado de Goiás” e perguntar sobre
as informações que os estudantes esperam encontrar no texto.
 Pedir aos estudantes para fazerem uma leitura silenciosa da reportagem e sublinhar as informações
que foram apresentadas oralmente pelo grupo.
 Apresentar oralmente o que eles sublinharam – informações que eles esperavam encontrar no texto.
 Analisar na reportagem, de maneira contextualizada e dialogada, o emprego de:
 diferentes classes gramaticais (substantivos, adjetivos, advérbios, verbos, pronomes, artigos,
preposições);
 acentos gráficos e sinais de pontuação;
 concordância verbal e nominal.
 Realizar a atividade proposta de leitura e interpretação dos aspectos linguístico-discursivos.
 Após corrigir cada questão da atividade proposta de leitura e interpretação, aponte alguns
questionamentos:
 Questão 01- O que te levou a identificar o gênero textual? Que tipo de linguagem foi utilizada?
 Questão 02- Qual foi o fato informado?
 Questão 03- O que te levou a esse novo título?
 Questão 04- Quando usamos esse tempo verbal? As outras orações estão em que tempo?
 Questão 05- Qual é a função dos pronomes? Encontre outros pronomes no texto.

JOVENS EMPREENDEDORES GANHAM DESTAQUE NO MERCADO DE GOIÁS

Empresários mais novos estão progredindo independente de crise, diz Conaje.TV Trabalho traz
oportunidades de emprego para esta segunda-feira (11).

11/04/2016 14h26
Em meio a um mercado competitivo, jovens empreendedores se tornam donos do próprio negócio em
Goiânia. A criatividade aliada à flexibilidade da juventude faz com que pessoas mais novas se tornem cada vez
mais protagonistas no mundo dos negócios. O empresário Mateus Suassuna, de 29 anos, é um dos exemplos, há
oito anos ele se tornou dono de um restaurante e, atualmente, coordena uma equipe de mais de 30 pessoas.
Para Mateus, a maior dificuldade no início é ganhar a confiança dos subordinados. “Às vezes os liderados
não aceitam a decisão de uma pessoa tão jovem, muitas vezes mais jovem que eles mesmos. Hoje não, depois
de oito anos de mercado, uma equipe mais consolidada também, não tenho a dificuldade que eu tive no
começo”, afirmou.
De acordo com um levantamento feito pela Confederação Nacional dos Jovens Empresários (Conaje) com 6
mil jovens empreendedores, 72% deles são homens, 38% têm entre 26 e 30 anos de idade e 44% já concluíram o
ensino superior, destes, pelo menos 40% já fizeram pós-graduação.
Segundo o coordenador de integração do Conaje, Ricardo Santos, o jovem continua empreendedor
independente do momento ser de crise ou não. “A cada momento se vê que eu posso ter [um negócio], mais do
que ser empregado, do que ser colaborador de uma empresa. Eu posso buscar meu sonho de ser empresário, de
ser empreendedor”, afirmou.
O empreendedor Mateus, além do empório e restaurante, administra outros três negócios. Para ele isso
tem a ver com o espírito da juventude. “Cada vez mais o jovem procura isso, apesar de ter foco, gosta de fazer
várias coisas ao mesmo tempo, polivalente mesmo”, afirmou.
Disponível em: <http://g1.globo.com/goias/noticia/2016/04/jovens-empreendedores-ganham-destaque-no-mercado-de-
goias.html> Acesso em 04 de fev. de 2020

1. O texto “Jovens empreendedores ganham destaque no mercado de Goiás” apresenta característica do


gênero textual
(A) entrevista.
(NNNN) con
to.
(OOOO) rep
ortagem.
(PPPP) charge
Gabarito: C

56. O texto “Jovens empreendedores ganham destaque no mercado de Goiás” tem como objetivo
(A) narrar uma história.
(QQQQ) info
rmar um fato.
(RRRR) descrever um jovem.
(SSSS) opinar sobre algo.
Gabarito: B
57. Que outro título você daria para este texto?
Resposta pessoal.

58. O verbo “tenho”, na frase “não tenho a dificuldade”, encontra-se no mesmo tempo verbal que
(A) “...jovens empreendedores se tornam donos do próprio negócio em Goiânia.”
(TTTT) “...e 44% já concluíram o ensino superior...”
(UUUU) “...e
le se tornou dono de um restaurante...”
(VVVV)“...que eu tive no começo.”
Gabarito: A

59. Identifique os referentes dos termos destacados:


a) “O empresário Mateus Suassuna, de 29 anos, é um dos exemplos, há oito anos ele se tornou dono de um
restaurante e, ...”
b) “Às vezes os liderados não aceitam a decisão de uma pessoa tão jovem, muitas vezes mais jovem que eles
mesmos.” ____________________________________________________
c) “A cada momento se vê que eu posso ter [um negócio], mais do que ser empregado, do que ser
colaborador de uma empresa.” _________________________________________
Gabarito:
Ele – Mateus Suassuna.
Eles – os liderados.
Eu – Ricardo Santos.

14ª Aula

Gênero textual: Reportagem

Oralidade e Leitura:

 Apresentar o slide que contêm figuras sobre o turismo em Goiás e perguntar aos estudantes:
 Quem conhece esses pontos turísticos em nosso estado?
 O que os turistas deixam de positivo e negativo nas cidades que visitam?
 O que podemos fazer para conscientizá-los dos problemas ambientais causados pelo lixo deixado de
maneira errada?
 O que seu munícipio faz para conscientizar o turista sobre a preservação do meio ambiente?

Oralidade, leitura e análise linguística/semiótica

 Analisar na reportagem, de maneira contextualizada e dialogada, o emprego de:


 diferentes classes gramaticais (substantivos, adjetivos, advérbios, verbos, pronomes, artigos,
preposições);
 acentos gráficos e sinais de pontuação;
 concordância verbal e nominal.
 Realizar as atividades propostas de leitura e interpretação dos aspectos linguístico-discursivos.
Figura 01- http://www.osturistas.com.br/blog/posts/cachoeira-do-abade-em-pirenopolis-go
Figura 02- https://ilovetrip.com.br/cidade-goias-velho-pontos-turisticos/
Figura 03- https://cerradania.org/2017/11/14/cerrado-de-misterios-em-parauna/

 Estimular a curiosidade dos nossos estudantes em conhecer o nosso estado e reflita com eles sobre os
benefícios e os problemas causados pelo turismo em nosso estado:
 Quem conhece esses pontos turísticos em nosso estado?
 O que os turistas deixam de positivo e negativo nas cidades que visitam?
 O que podemos fazer para conscientizá-los dos problemas ambientais causados pelo lixo deixado de
maneira errada?

PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE TORNA DESTINOS MAIS COMPETITIVOS

No dia do combate à poluição, Ministério do Turismo reforça a importância de ações de


sustentabilidade para o desenvolvimento do turismo no país

Publicado: Sexta, 14 de Agosto de 2015, 11h42


Por Carolina Valadares
O
patrimônio natural do país é uma das
maiores atrações do turismo brasileiro.
Os mais de 7,4 mil Km de litoral
brasileiro e o grande número de
destinos ecológicos colocam o país
como o primeiro do mundo em
recursos naturais entre 141 países, de
acordo com estudo do Fórum
Econômico Mundial. Nesta sexta-feira
(14), data em que se comemora o dia
do combate à poluição, o Ministério do
Turismo reforça suas ações de
Curitiba/Ópera de Arame - Foto: Arquivo/MTur
sustentabilidade e celebra com seus
grandes parceiros – viajantes,
empresários e trabalhadores do setor - a importância de se preservar um dos principais ativos do setor.
Curitiba e Foz do Iguaçu são os destinos turísticos brasileiros que mais se destacam nos cuidados e na
gestão do meio ambiente, de acordo com estudo de competitividade do Ministério do Turismo. Curitiba é
exemplo pela coleta seletiva de materiais recicláveis, pelo código ambiental da cidade e pelo plano
municipal de meio ambiente. Já Foz se destaca pelo plano de resíduos sólidos e pela existência de estações
de tratamento de água.
A visitação a locais preservados, como parques nacionais e áreas de conservação, cresce ano após ano
no país. O Parque Nacional da Tijuca é o mais visitado do Brasil com três milhões de turistas no ano
passado; seguido de Foz do Iguaçu, com 1,5 milhão; apenas dois dos 69 parques nacionais com potencial
para visitação. “Já somos o primeiro lugar em recurso naturais, segundo o Fórum Econômico Mundial,
agora precisamos saber preservar o que temos para nos tornarmos cada vez mais competitivos”, diz o
ministro do Turismo, Henrique Eduardo Alves.
Como forma de promover o Turismo Sustentável, o Ministério do Turismo em parceria com o PNUMA
(Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente) e o Ministério do Meio Ambiente promovem
o Passaporte Verde – uma campanha sobre atitudes sustentáveis para o turista, que incentiva também o
engajamento dos empresários e oferece dicas de roteiros que incentivam práticas sustentáveis.
Outra iniciativa de destaque é o programa internacional de certificação ambiental Bandeira Azul, da
Fundação para Educação Ambiental. As praias de Palmas (Governador Celso Ramos, SC), de Ponta de Nossa
Senhora do Guadalupe (Salvador, BA), do Remanso (Rio das Ostras, RJ); a Lagoa do Peri (Florianópolis, SC) e
a Lagoa do Iriry (Rio das Ostras, RJ) (consideradas praias) são candidatas ao selo. Alguns destinos tentam a
renovação do certificado: Praia do Tombo (Guarujá, SP), Prainha (Rio de Janeiro, RJ), Marina
Costabella (Angra dos Reis, RJ) e as Marinas Nacionais (Guarujá, SP).
 A sustentabilidade é uma das premissas do Ministério do Turismo. Desde 2004, a pasta desenvolve
programas para valorizar e inserir a sustentabilidade no setor. Entre as ações já realizadas estão
o Programa Talentos do Brasil Rural, o Viaje Legal, a Produção associada ao turismo (artesanato e turismo
de base comunitária, entre outros) e o Programa Turismo Acessível.
Disponível em: <http://www.turismo.gov.br/ultimas-noticias/5381-preservação-do-meio-ambiente-torna-destinos-mais-
competitivos.html> Acesso em 04 de fev. de 2020

1. Qual é o assunto da reportagem?


Preservação do meio ambiente.

60. De acordo com o texto, o Ministério do Turismo promove


(A) movimentos de degradação do meio ambiente em parceria com os turistas, viajantes e empresários.
(WWWW) atit
udes favoráveis aos empresários do turismo que buscam preservar o meio ambiente.
(XXXX) fatos isolados para os viajantes estrangeiros em busca de melhorias no turismo brasileiro.
(YYYY) ações de preservação do meio ambiente por meio de um diálogo com os turistas e empresários.
Gabarito: D

61. A palavra “como”, na frase “A visitação a locais preservados, como parques nacionais e áreas de
conservação, cresce ano após ano no país.”, refere-se ao(à)s
(A) materiais recicláveis.
(ZZZZ) locais preservados.
(AAAAA) viaj
antes.
(BBBBB) min
istro do turismo.
Gabarito: B
62. Os parênteses usados na frase “Entre as ações já realizadas estão o Programa Talentos do Brasil Rural,
o Viaje Legal, a Produção associada ao turismo (artesanato e turismo de base comunitária, entre outros) e
o Programa Turismo Acessível.”, têm como finalidade
(A) enfatizar os impactos causados pelas ações dos turistas.
(CCCCC) ress
altar o trabalho das artesãs na comunidade local.
(DDDDD) faze
r uma explicação a respeito da produção associada ao turismo.
(EEEEE) indi
car informações bibliográficas, como o autor, ano, entre outras.
Gabarito: C

63. A palavra “sustentáveis”, na oração “uma campanha sobre atitudes sustentáveis para o turista, que
incentiva também o engajamento dos empresários”, concorda com o vocábulo
(A) empresários.
(FFFFF)atitudes.
(GGGGG) eng
ajamento.
(HHHHH) cam
panha.
Gabarito: B

64. Explique com suas palavras as ações feitas pelos munícipios de Curitiba e Foz do Iguaçu.
Resposta pessoal.

15ª Aula

Gênero textual: Reportagem

Oralidade, Leitura e Escrita

 Apresentar uma figura (seguem duas sugestões) que aborde um problema ambiental e aponte
questionamentos:
 O que você consegue ler nesta figura?
 Qual é o problema que temos aqui?
 No seu município, existe algum problema parecido com esse? Qual?
 Qual é o gênero textual que encontramos em jornais e revistas que tem como objetivo informar os
leitores sobre um acontecimento?
 A partir do problema ambiental apresentado pelos estudantes:
 Planejar a produção de uma reportagem.
 Produzir uma reportagem.
 Revisar a produção inicial, considerando os aspectos linguístico-discursivos.
 Reescrever o texto.
Disponível em: <https://www.infoescola.com/ecologia/poluicao-marinha/> Acesso em 04 de fev. de 2020

Disponível em: <https://www.vaticannews.va/pt/africa/news/2018-05/poluicao-do-ar-importante-causa-de-morte-em-


africa0.html> Acesso em 04 de fev. de 2020
Sequência Didática de Língua Portuguesa – 7º ano

11ª aula

Gênero textual: Mitos

Oralidade e leitura

 Mostrar aos estudantes uma imagem bastante famosa (anexo) e perguntar se eles sabem o nome
dessa obra e o que ela simboliza.
 Contar para os estudantes sobre o mito de Vênus (anexo) e perguntar se eles já ouviram falar dessa
história. Qual é a característica mais marcante desse tipo de texto?
 Falar sobre os elementos constitutivos do mito e perguntar se os estudantes conhecem algum outro
mito.
 Realizar uma atividade sobre o Mito de Vênus.

Observação: As narrativas mitológicas têm o intuito de explicar o que não se compreendia, até mesmo
coisas triviais, como os fenômenos meteorológicos e naturais, como o amanhecer e o anoitecer, a
incidência de chuva, o nascer e o pôr do sol, as estações do ano, o nascimento, o envelhecimento, a morte,
enfim, tudo o que, em vão, se questionava. Imprimiram ordem ao caos estabelecido pela ausência de
regras, de comando, de respeito, requisitos, inquestionavelmente, indispensáveis, para a vida em
sociedade.
O mito não possui uma comprovação, apenas relatos, e dessa forma, vão sendo passados. Ele não tem um
caráter crítico.

Anexo
O nome da tela acima é “O nascimento de Vênus”, de Sandro Botticelli. Você sabe o que a deusa
Vênus representa na mitologia greco-romana?
O Nascimento de Vênus é uma obra do pintor italiano Sandro Botticelli. A pintura mostra a Vênus
surgindo nua de uma concha sobre as espumas do mar. A obra ainda apresenta Zéfiro, o vento do Oeste,
assoprando na direção da deusa, acompanhado pela ninfa Clóris. À direita de Vênus, há uma Hora (deusas
das estações) que lhe entrega um manto com flores bordadas.

O Mito de Vênus

Segundo a mitologia romana, é a deusa da formosura e do amor. Na mitologia grega corresponde a


Afrodite. Vênus era filha do Céu e da Terra. Também se diz que era filha do Mar e que Saturno preparou o
seu nascimento, formando-a da espuma das águas. E há ainda quem afirme que era filha de Júpiter e da
ninfa Dione, sua concubina.
Conta-se que Vênus, logo após o seu nascimento, foi arrebatada para o céu, em grande pompa, pelas
deusas Horas, que presidiam às estações, e todos os deuses a acharam tão formosa, que a designaram
deusa do amor e cada um deles queria desposá-la.
Foi Vulcano que a recebeu por mulher, por ter forjado os raios com que Júpiter combateu os Gigantes,
que queriam apoderar-se do céu. Mas Vênus, não podendo suportar o marido pela sua grande fealdade,
entregou-se à vida dissoluta e teve muitos amantes, entre os quais Marte, filho de Juno e deus da guerra,
de quem teve Cupido. Vulcano, que a surpreendeu com Marte, cercou o lugar com uma rede invisível e
convocou todos os deuses para que presenciassem o espetáculo.
Vênus também desposou Anquises, príncipe troiano, de quem teve Eneias, que, já homem, partiu com
uma grande armada para a Itália, para aí fundar um novo império.
Vênus presidia a todas as festas de prazer e divertimento, sempre acompanhada das três Graças.
Disponível em: <http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/cadernospde/pdebusca/producoes_pde/2014/2014_unespar-
paranagua_port_pdp_ione_cit_de_miranda_garcia.pdf> Acesso em 04 de fev. de 2020

Atividades:

1. Os deuses eram seres sobrenaturais, cultuados pelos povos gregos e romanos. Contudo, as
características a eles atribuídas eram humanas. Você consegue selecionar quais as características humanas,
atribuídas à Deusa Vênus?
As características humanas de Vênus era a beleza e o amor.

65. Você consegue relacionar com esta história, alguns hábitos humanos, na atualidade?
Ciúme, cobiça, traição, vingança, entre outros.

66. Por qual motivo Vênus não suportou ficar casada com Vulcano?
Pela sua falta de beleza.
67. Como Vulcano se vingou de Vênus após saber da sua traição?
Cercou-a com uma rede invisível e chamou todos os deuses para vê-la com Marte, envergonhando-a.

68. De acordo com o mito, quantos filhos Vênus teve?


Dois. Cupido, filho de Marte e Eneias, filho de Anquises.

69. Quais são os possíveis pais de Vênus?


O Céu e a Terra; o Mar e Júpiter e Dione.

70. No trecho “[...] entregou-se à vida dissoluta [...] qual é a justificativa para o uso da crase?
Porque o verbo entregar é transitivo indireto, logo pede a preposição ‘a’.

12ª aula

Gênero textual: Mitos

Oralidade e leitura

 Pedir que os estudantes façam a leitura do Mito de Dédalo e Ícaro, entregar uma cópia para cada um
(anexo).
 Fazer uma análise com relação aos principais aspectos do mito (personagens, tempo, espaço, situação
inicial, conflito, entre outros)

Oralidade, leitura e escrita

 Pedir que os estudantes respondam perguntas (anexo) acerca do Mito de Dédalo e Ícaro em seus
cadernos. Corrigir o exercício coletivamente.

DÉDALO e ÍCARO

Dédalo (pai) e Ícaro (filho) foram condenados por Zeus e exilados na Ilha de Creta.

Foi assim: Dédalo pai, renomado inventor e discípulo de Hermes (o deus mensageiro), realizava seu
trabalho em Atenas, até que, certo dia, começou a temer que seu ajudante e sobrinho, Talo, lhe
sobrepujasse no ofício.

Enciumado, Dédalo atirou o jovem do alto da Acrópole, matando-o. Por esse crime, Dédalo foi
condenado ao exílio, juntamente com seu filho Ícaro, partindo para a ilha de Creta, reino de Minos, onde
realizou muitas obras, sendo a mais célebre, o Labirinto, onde fora confinado, o Minotauro.

Os dois ali permaneceram encarcerados e sem alternativa de fuga até que Dédalo fabricou dois pares
de asas artificiais, amarrando as penas caídas das gaivotas que sobrevoavam o labirinto e colando-as, a
seguir, com grossa camada de cera de abelhas.
Alçaram voo juntos, deixando o cárcere para trás; Ícaro, porém, empolgado com o fato de conseguir
voar, esqueceu-se da recomendação prévia do pai, ou seja, de não voar tão rente ao sol, pois o calor
derreteria a cera ao aproximar-se em demasia do sol, nem tão rente ao mar, pois a umidade deixaria as
asas mais pesadas, levando-o a cair no mar. Inebriado pela sensação das alturas, cada vez mais o jovem
Ícaro se acercava do sol, até que, a cera que fixava as asas, começou a se derreter e Ícaro despencou dos
céus ao mar Egeu, morrendo afogado.

Disponível em http://ofascinioliterario.blogspot.com/2013/08/mitologia-grega-dedalo-e-icaro.html

1. Muitas narrativas mitológicas tinham um certo tom moralizante, algo como a “moral da história”. Após
ler sobre o mito de Dédalo e Ícaro, o que você acha que a narrativa deseja ensinar?
Sobre as consequências da inveja e da ganância.

71. Os textos narrativos possuem uma estrutura mais ou menos fixa. Com relação à narrativa mitológica
lida (Dédalo e Ícaro), preencha o seguinte quadro:
Personagens Dédalo, Ícaro, Talo
Tempo Certo dia... no passado
Espaço Atenas, ilha de Creta, mar Egeu
Enredo Pai e filho são exilados, por causa do crime do pai. O pai tenta planejar
uma fuga, forjando asas, mas o filho acaba se aproximando demais do
sol. Tal acontecimento, estraga suas asas e causa a sua morte.
72. O conflito em uma narrativa pode ser entendido como um evento que retira os personagens da
estabilidade da situação inicial. Na narrativa lida, quais os conflitos encontrados? Como a mudança de
situação é marcada linguisticamente?
O mito de Dédalo e Ícaro tem dois conflitos. O primeiro é o crime cometido por Dédalo, que faz com que
ele e seu filho sejam expulsos de Atenas. O segundo é a criação das asas por Dédalo para que ele e seu filho
fugissem do exílio na Ilha de Creta.

73. A linguagem usada no mito de Dédalo e Ícaro é


(A) coloquial.
(IIIII) formal.
(JJJJJ) informal.
(KKKKK) regi
onal.
Gabarito: (B)

74. No trecho “Os dois ali permaneceram [...]” a palavra ‘ali’ refere-se a
(A) Atenas
(LLLLL) mar Egeu
(MMMMM) Ilha
de Creta
(NNNNN) Acr
ópole.
Gabarito: (C)

75. De acordo com o mito de Dédalo e Ícaro, Talo é


(A) primo de Ícaro.
(OOOOO) filh
o de Dédalo.
(PPPPP) disc
ípulo de Hermes.
(QQQQQ) o
cárcere.
Gabarito: (A)

76. No trecho “[...] o Labirinto, onde fora confinado [...]” a palavra ‘onde’ é um
(A) adjetivo.
(RRRRR) ver
bo.
(SSSSS)preposição
(TTTTT) adv
érbio
Gabarito: (D)

13ª aula
Gênero textual: Mitos

Oralidade e leitura

Pedir que os estudantes façam a leitura do Mito de Pandora (anexo).


Explorar os elementos da narrativa mitológica, comentando sobre a complexidade dos personagens, a
linguagem utilizada e a mensagem implícita que esse mito passa para seus leitores.

Análise linguística/semiótica

Mito de Pandora

O mito da Caixa de Pandora começa com a história


de Zeus, Prometeu e Epimeteu, em uma época onde
não existiam mortais, apenas deuses e titãs.
Prometeu e seu irmão Epimeteu eram titãs, que
juraram lealdade à Zeus e aos deuses olímpicos e
ficaram ao seu lado durante a guerra entre os titãs.
Como recompensa por sua lealdade, Zeus deixou que
Prometeu e Epimeteu criassem as primeiras criaturas
para viver na Terra. Epimeteu criou os animais e deu a
cada um uma habilidade especial e uma forma de
proteção.
Prometeu demorou mais tempo, moldando o
homem do barro e da água, e quando ele terminou já
não havia sobrado nenhuma proteção para dar ao homem, pois seu irmão havia usado todas. Mas
Prometeu sabia que o homem precisava de algo para se proteger e perguntou à Zeus se ele poderia deixar
o homem utilizar o fogo.
Zeus negou seu pedido, dizendo que o fogo pertencia apenas aos deuses. Porém Prometeu, convencido
de sua ideia, roubou o fogo dos deuses e entregou aos homens.
Prometeu foi punido pelos seus atos sendo amarrado em uma montanha, onde todos os dias uma
águia comia seu fígado, que crescia novamente durante a noite. Mas Prometeu não foi o único a ser
punido. Zeus acreditava que os humanos também tinham culpa por aceitarem o dom do fogo de Prometeu,
e, para punir o homem, Zeus criou a primeira mulher, que foi chamada de Pandora.
Ela foi moldada para se parecer com a bela deusa Afrodite, e recebeu diversos dons de todos os
deuses, como a sabedoria, beleza, bondade, paz, generosidade e saúde.
Pandora foi entregue para ser esposa de Epimeteu
Zeus então a enviou para a Terra para ser esposa de Epimeteu, e embora Prometeu o tivesse alertado
para nunca aceitar presentes dos deuses, o titã ficou encantado com a beleza da mulher e quis se casar
com ela de qualquer maneira.
Como presente de casamento, Zeus deu uma caixa para Pandora, mas advertiu que ela nunca poderia
abri-la. Pandora, que foi criada para ser curiosa, não pode ficar longe da caixa, e depois de muito resistir,
sucumbiu ao desejo de abrir o presente.
Nesse momento, coisas horríveis saíram da caixa, incluindo a ganância, inveja, ódio, dor, doença, fome,
pobreza, guerra e a morte.
Quando Pandora viu o que havia feito, rapidamente ela fechou a caixa, deixando apenas uma coisa
dentro. Pandora então escutou uma voz chamando-a da caixa, suplicando que fosse solta. Epimeteu
concordou que nada que estivesse dentro da caixa poderia ser pior do que os horrores que já haviam sido
liberados, então eles a abriram mais uma vez.
Tudo o que restava na caixa era a esperança, que voou da caixa, tocando as feridas criadas pelos males
e curando-as. Embora Pandora tenha liberado dor e sofrimento no mundo, ela também permitiu que a
esperança surgisse na humanidade.
Porém, esse mito tem muitas versões, e em uma delas Pandora não teria aberto novamente a caixa, e
por isso a esperança permanece até hoje guardada.
Disponível em: <https://www.hipercultura.com/caixa-de-pandora/ Acesso em 29/01/2020. > Acesso em 04 de fev. de 2020

1. Cite três características que caracterizam o gênero mito.


As narrativas mitológicas têm o intuito de explicar o que não se compreendia, até mesmo coisas triviais,
como os sentimentos bons e maus, na tentativa de imprimir ordem ao caos estabelecido pela ausência de
regras, de comando, de respeito, requisitos, inquestionavelmente, indispensáveis, para a vida em
sociedade.
O mito não possui uma comprovação, apenas relatos, e dessa forma, vão sendo passados.
Ele não tem um caráter crítico.

77. No texto “Zeus deixou que Prometeu e Epimeteu criassem as primeiras criaturas para viver na Terra.”
por que
(A) lutaram contra Zeus na guerra
(UUUUU) fica
ram em lados opostos durante a guerra
(VVVVV) mat
aram as criaturas na Terra
(WWWWW) rece
beram essa recompensa por sua lealdade
Gabarito: (D)

78. Releia a frase “Mas Prometeu não foi o único a ser punido.” e explique qual a causa da punição de
Prometeu?
Prometeu roubou o fogo dos deuses e entregou aos homens, por isso foi punido.

79. Quando Pandora viu o que havia feito, rapidamente ela fechou a caixa, deixando apenas uma coisa
dentro. Os advérbios destacados indicam respectivamente
(A) tempo e lugar
(XXXXX) mo
do e lugar
(YYYYY) tem
po e modo
(ZZZZZ)modo e tempo
Gabarito (B) modo e lugar

80. Por que Pandora fechou a caixa, deixando apenas uma coisa dentro?
Porque ela percebeu o que havia saído da caixa e se arrependeu.

81. No trecho: “Zeus então a enviou para a Terra para ser esposa de Epimeteu, e embora Prometeu o
tivesse alertado para nunca aceitar presentes dos deuses, o titã ficou encantado com a beleza da mulher e
quis se casar com ela de qualquer maneira. Os pronomes se referem a
(A) Pandora, Zeus e Afrodite
(AAAAAA) Afro
dite, Prometeu e Pandora
(BBBBBB) Pan
dora, Epimeteu e Pandora
(CCCCCC) Pan
dora, Prometeu e Afrodite
Gabarito (C) Pandora, Epimeteu e Pandora

14ª aula

Gênero textual: Mitos

Produção de texto

 Com base na leitura do Mito de Pandora, pedir que os estudantes reflitam sobre quais outros males
para a humanidade eles acreditam que saíram da caixa.
 Levantar alguns antônimos para alguns desses males citados.
 Em seguida, pedir aos estudantes que criem uma caixa de Pandora ao contrário, colocando todas
soluções para os problemas encontrados na caixa.
 Os estudantes irão fazer uma ilustração da nova caixa, utilizando tanto a linguagem verbal quanto a
não-verbal.

15ª aula

Gênero textual: Mitos

Oralidade e leitura

 Retomar com os estudantes o Mito de Pandora trabalhado na aula anterior.


 Explorar todos os aspectos do mito em questão e falar das consequências da curiosidade de Pandora.

Produção de texto
 Pedir aos estudantes para que, após tudo o que foi conversado e aprendido sobre a mitologia,
reelaborar o mito de Pandora, de modo a fazer a personagem salvar a terra dos males espalhados com a
abertura da caixa. Para esse feito, ela precisa utilizar a Esperança como arma poderosa.
 Chamar a atenção sobre o tipo de linguagem que deve ser utilizado (linguagem formal e padrão).
 Após a produção, pedir aos estudantes que façam a revisão do seu texto e, se necessário, fazer a
reescrita.
Sequência Didática de Língua Portuguesa – 8º ano

11ª Aula

Gênero textual: Conto enigmático ou de mistério


Oralidade e leitura
 Apresentar a imagem a seguir.

Disponível em: <https://www.clubconectat.com.br/2018/12/28/cemiterio-maldito-nova-imagem-enigmatica-e-revelada/filmes/caio-


cardozo/>. Acesso em 14 de Jan. de 2020.

 Perguntar para os estudantes se eles conhecem a imagem.


 Explicar que é uma cena do filme “Cemitério Maldito”, filme inspirado no livro de Stephen King.
 Que situação a imagem remete?
 Quem seria esse personagem? Quais são as pistas extraídas da imagem?
 Por qual razão as cores da imagem são escuras? Que sentido é possível advir da tonalidade escura?
 Há enigma? Por quê?

Atividade:
 Solicitar que os estudantes respondam os exercícios sobre a imagem II individualmente, em seguida,
corrigir coletivamente. Utilizar os exercícios para ampliar o conhecimento imagético.
 Trabalhar a intericonicidade (uma imagem que se relaciona com outra).
 Procurar os léxicos desconhecidos no dicionário.
 Ler a imagem II a seguir e responder às questões.

Disponível em: <http://lounge.obviousmag.org/alma_biblioteca/2014/11/o-misterio-que-habita-em-nos.html. Acesso em 14 de


Jan. de 2020.
1. Nessa imagem, quais elementos visuais suscitam o enigma?
(A) Os braços e a tonalidade branca.
(DDDDDD) As
árvores e a tonalidade verde.
(EEEEEE) As
calças e a tonalidade esfumaçada.
(FFFFFF) O
rosto escondido e a tonalidade escura.
Gabarito (d).
82. Na imagem, o personagem encontra-se em um lugar
(A) ermo.
(GGGGGG) pov
oado.
(HHHHHH) radi
ante.
(IIIIII) animado.
Gabarito (A).
Analisar os elementos multissemióticos do texto.
Caso os estudantes não saibam o significado das palavras, fornecer o dicionário.
83. Na imagem, a bengala e a cartola fazem menção à
(A) escuridão.
(JJJJJJ) natureza.
(KKKKKK) mag
ia.
(LLLLLL) ves
timenta.
Gabarito (C).
Análise de intericonicidade.
Conduzir o estudante a compreender que as imagens tomam sentido em relação a outras imagens.
Lembrá-los das varinhas mágicas, das cartolas dos mágicos, do cajado de Moisés.
84. Na leitura da imagem, a personagem mostra-se de modo
(A) extrovertido.
(MMMMMM) brin
calhão.
(NNNNNN) intr
overtido.
(OOOOOO) sati
sfeito.
Gabarito (C)
Analisar os elementos multissemióticos do texto. Analisar a postura corporal da personagem. Mãos
fechadas, corpo encolhido etc.
Apresentar o verbete de dicionário
85. Faça uma narrativa contando como a personagem chegou a essa cena. O que ocorreu? Seja criativo.
Produção de texto.
in·tro·ver·ter- Conjugar
(intro- + verter)
1. Voltar para dentro.
2. Tornar ou tornar-se introvertido. ≠ EXTROVERTER
3. Concentrar ou concentrar-se.
Palavras relacionadas:
extroverter, introvertidamente, introvertido, introverso, ensimesmar, ambiverso, extrovertido
"introvertido", in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2020,
Disponível em: <https://dicionario.priberam.org/introvertido [consultado em 14-01-2020]. > Acesso em 04 de fev. de 2020

12ª e 13ª Aulas

Gênero textual: Conto enigmático ou de mistério

Oralidade e leitura

 Explicar que os estudantes irão ler contos de enigma.


 Instigá-los a atentar às pistas.

Leitura/oralidade/análise linguística (12º aula)

 Dividir a sala em dois grandes grupos e distribuir os textos aos estudantes (cada grupo, um conto
diferente. Sugestão: cada grupo pode eleger um representante para anotar as impressões que surgirem
durante o diálogo).
 Após a leitura, o grupo dialoga sobre o texto. Narrador? Personagens? Enredo? Clímax? Conflito?
Mistério?
 Em seguida, os textos são trocados.
 Após a leitura do segundo conto, dialogar sobre a leitura.
 Em seguida, compartilhar com a turma as impressões dos textos lidos.

Observação: ao compartilhar as impressões da leitura dos textos, o(a) Professor(a) pode instigar a turma a
pensar sobre aspectos pouco mencionados. Caso a turma tenha dado mais importância ao mistério,
indagar sobre as pistas ou sobre os elementos da narrativa. Notar que em “conto de mistério”, a estrutura
composicional e o estilo são do gênero “conto de mistério”, no entanto, a finalidade é realizar uma crítica
social. Analisar a quebra de expectativa no fim do conto. Que efeitos causam? Explicar que os textos
servem a determinadas finalidades e que, muitas vezes, a estrutura e o estilo são usados para outros fins.

Primeira atividade (13º aula)

 O professor apresenta as questões referentes ao texto “A mulher de vermelho II”. Os estudantes são
convidados a resolvê-las individualmente ou em duplas. Após a resolução, a correção comentada ocorre
em sala.
Observação: esse é o momento de o(a) Professor(a) ampliar os conhecimentos dos estudantes sobre o
gênero “conto enigmático”.

Segunda atividade

 O professor apresenta as questões referentes ao texto “Conto de mistério”. Os estudantes são


convidados a resolvê-las individualmente ou em duplas. Após a resolução, a correção comentada ocorre
em sala. Esse é o momento de o(a) Professor(a) ampliar os conhecimentos dos estudantes.
Observação: Durante a correção da segunda atividade, a comparação entre os textos é fundamental. Em
especial, comparar a estrutura composicional, o estilo e o tema.

Leia, atentamente, o conto a seguir e responda às questões:

A mulher de vermelho II

O relógio da catedral soava as 00:00. O frio da madrugada invadia as ruas. Janelas fechadas. Silêncio.
Um bairro tranquilo, todos ocupados demais com suas vidas não sabiam quem morava ao lado. Talvez por
isso, a viatura da polícia local assustasse com sua presença.
Ninguém vira ou ouvira nada, mas havia um corpo no chão. Uma mulher. “Ninguém sabia nada dela!”.
– Sim, morava sozinha!
– Eu não vi nada!
– Acordei com a sirene...
– Meu Deus! Um assassinato? Que horror! Como foi?
...
Todos assustados, não tinham muito a dizer. Os policiais olhavam o corpo e coçavam as próprias
cabeças. “Como, diabos, isso foi acontecer?”
O detetive examinava o corpo agora. Mandara chamar a denunciante do caso. A mulher chegou,
enrolada em um roupão atoalhado, cachecol no pescoço e bobes na cabeça. Uma típica cinquentona que
sofre de insônia e de vez em quando dá aquela espiadela pela fresta da janela... O detetive conhecia bem
esse tipo e agora, lá vinha ela, arrastando toda a sua autoconfiança e empáfia de quem era ali, um
personagem muito importante e como tal deveria agir.
Ao se aproximar do detetive, ergueu-lhe os olhos azuis envelhecidos e assustados e foi logo dizendo:
– Seu guarda, eu estava me preparando para dormir e dei uma olhada na rua, sempre há algo para se
ver e... mas não vá pensar que sou bisbilhoteira!
– Acalme-se, senhora! Não sou pago para pensar a respeito do que fazem os outros a hora de dormir...
por favor continue... – E, virando-se para o policial que o assistia, disse, em tom imperativo:
– Vá buscar uma cadeira e um café para a senhora...
– Eyelesbarrow! – Respondeu com certa empáfia.
– Muito bem, Srª Eyelesbarrow. Por volta de que horas a senhora olhou para fora?
– Eram onze horas... ah! Obrigada, meu jovem! Que café gostoso! Minha mãe costumava.
O detetive pigarreou e a gorda senhora retomou seu relato, um tanto envergonhada pelo deslize.
– Bem, como já disse, eram onze horas da noite. Eu sempre olho a rua toda pela minha janela. Dá para
se fazer isso olhando lá de cima, do meu quarto, mas esta noite, eu estava tricotando na sala e acabei
cochilando. Um leve ruído me acordou. No início, achei que havia sonhado, mas fui recobrando a
consciência e percebi que se tratava de um barulho como o de um motor.
– E... – O detetive a encorajava.
– E me dei conta de que não podia ser de um motor de carro, pois estava muito abafado, a não ser que
viesse de longe... olhei o relógio da sala e eram exatamente 22:45. Fiquei quieta, esperando ouvir mais,
mas ele logo parou, como se houvesse sumido... então fui espiar pela cortina e foi então que vi! Alguém ou
algo embrulhado em um tecido cinza estava jogado em frente à casa da nova vizinha. Peguei meus óculos e
pude ver melhor. Não tive dúvidas! Embrulhos não possuem pernas! Liguei para a polícia!
– Ok! A senhora conhecia a vítima?
– Oh, não! Ela era nova aqui! Pobrezinha, parecia ser tão jovem!
– Vinte e quatro anos...
– Que coisa horrível! E... já sabem quem fez isto?
– Não, senhora! Estamos tentando descobrir!
– Não pode ter sido um tiro... todos nós teríamos ouvido...
– Não foi tiro...
– Então?
Mais uma vez, aqueles olhos envelhecidos e assustados da nobre senhora caíram sobre o detetive, mas
este por conhecer nobres senhoras como aquela, resolveu dar por encerrada a questão, dando-lhe algo
com que pudesse se contentar:
– Obrigado, senhora! Assim que tivermos mais informações, entraremos em contato! Pode ser que a
chame outra vez para futuros esclarecimentos...
– Oh, detetive! Foi uma honra ajudar! Só cumpri com meu dever de cidadã! – Respondeu, orgulhosa de
si mesma.
– O policial aqui a acompanhará até a sua casa... até logo!
– Oh! Até logo! – E saiu, ajeitando um bobe, muito cheia de si...
Assim que a senhora Eyelesbarrow afastou-se, o detetive pensou em voz alta: - Esta velha é bastante
intrometida! – um policial ouvindo aquilo, sorriu em resposta.
Voltando-se para a casa da morta, o detetive recomeçou a examinar o cadáver. “A resposta só posso
encontrar em você!” – Pensou. O que havia nele?
Uma mulher caída em frente à porta de sua casa. Lily era o nome gravado na chave encontrada em sua
bolsa de cetim preto. Além da chave, um frasco de perfume sem rótulo e um batom vermelho. Não havia
documentos e nem dinheiro. Apenas isto.
Ela trajava um vestido vermelho bem decotado. Estava bem maquiada. Um casaco cinza bastante
pesado para a estação. Não fazia tanto frio assim. Não possuía marcas visíveis e, para ser sincero, nem
parecia estar morta! Qualquer um diria que morreu dormindo, não fosse o local onde havia sido
encontrada. E assim, não havendo nada mais urgente a se fazer no local, decidiu que o corpo deveria ser
removido imediatamente.
***
No necrotério, John esperava o resultado da autópsia.
– Morreu entre 22:10 e 22:40! Motivo: parada cardiorrespiratória! Mas não sei o que escrever no
atestado de óbito dessa aí! Parece que ela sofreu um tipo de falência nos pulmões e no coração ao mesmo
tempo! Mas não consigo encontrar a causa! Não há sinais de violência nem fora, nem dentro da casa e
muito menos no cadáver! Esse presunto é de tirar do sério! – Disse o legista, atirando os resultados dos
exames feitos no corpo sobre o balcão.
– Bem, pelo menos a faixa de horário cabe exatamente no depoimento daquela senhora... Mas, e as
marcas de pneus...? Um carro parou na frente da casa, alguém a viu morrer ou a matou e depois foi
embora.
– Eram recentes também. Tudo indica que estavam limpos antes, pois não encontrei nenhum vestígio
de solo que seja diferente do jardim.
– Havia pegadas, Mike? – perguntou John ao legista.
– Não, John, sem pegadas. Se alguém esteve lá, ficou tempo suficiente para deixar aquelas marcas e
ver a garota morrer sem descer do carro. E olhe que foi por pouco tempo! Ela morreu quase que
instantaneamente! Um tremendo colapso!
– Jovem demais para um infarto! Há tantos indícios e vestígios de assassinato e mesmo assim não
parece assassinato...
– Parece que os dois nunca viram um caso de envenenamento antes!
O detetive e o legista viraram-se assustados com a voz repentina atrás deles. Era Melissa Harven, a
“especialista” como era conhecida entre os policiais. Chegara de repente, como era seu costume também
como de costume solucionaria o caso sem pestanejar.
– Envenenamento?! Como? Se não há indícios de que nada tenha sido ingerido pela morta!
– Mike, querido, se fizer uma autópsia mais detalhada, descobrirá que ela morreu de infarto, causado
pela alteração de íons potássio em seu metabolismo, o que pode ocorrer naturalmente...
– Mas, então...?
– Não, meu bem, ela não ingeriu potássio...
– Explique-se! – Ordenou John impaciente.
– O frasco de perfume. – Respondeu enigmática.
– Agente Harven poderia ser mais clara?
– Ainda não posso, detetive John. Preciso analisar o frasco de perfume. Pode me dar licença?
– Pediu com um sorrisinho que fazia John querer matá-la.
– À vontade! – Resmungou entre dentes, dando-lhe passagem.
Melissa calçou as luvas e pôs-se a analisar o frasco e seu conteúdo. Cinco minutos depois, ia falar com
o detetive. Todos os policiais se reuniram à volta dela, com rostos apreensivos.
– Um frasco sem rótulo, o aroma é característico de fabricação artesanal. A julgar pelos gostos da
morta, não era uma garota acostumada a luxos, e por isso, não poderia distinguir um perfume original de
um fabricado no quintal de casa. Provavelmente, e de acordo com os testes preliminares, vários sais de
potássio, incluindo o cianeto, foram misturados em concentrações diferentes que não causam lesões a
epiderme, mas que ao penetrar a pele e cair na corrente sanguínea, fazem um grande estrago. Ela passou o
perfume no andar de cima, no quarto, e quando desceu os últimos degraus, começou a sentir frio e suar
intensamente, para disfarçar pôs o casaco. Mas, o casaco também tinha outra finalidade. Não era
interessante chamar atenção para si, vestida daquele jeito. A escolha do local onde ela morava mostra isto.
As pessoas que vivem ali são muito discretas. Tão discreta que vivia ali a quatro meses e ninguém sabia
nada dela. Mas não acaba aí. – Avisou aos presentes.
– Prossiga então! – Pediu o detetive, incomodado por ela outra vez roubar-lhe o caso.
– Como queira, detetive! O homem com quem ela ia se encontrar furtivamente é casado, e ele
querendo livrar-se da amante, que começava a exigir muito dele, resolve matá-la sem deixar pistas, porém,
a maior pista que ele pôde deixar foi este perfume. Agindo premeditadamente, deu-lhe o perfume de
presente, pedindo que o usasse em seu próximo encontro, provavelmente iludindo-a com alguma
mentira... Então, foi até a casa dela como combinado, para certificar-se de que tudo ia correr bem. Ele
queria ter certeza de que ela morreria. Com esse intuito, calculou o tempo de reação do cianeto e parou o
carro na frente da casa dela e por um descuido, o fez sobre o jardim e não sobre a calçada. E, no exato
momento em que ela havia acabado de trancar a porta e guardado a chave em sua bolsa, calculo eu, às
22:40, caiu morta. Ali, ele ficou por uns minutos, tentando ver se ela agonizava ou já estava morta mesmo.
Preferiu não correr o risco de descer do carro e, em baixa velocidade, evitando ruídos do motor do veículo,
foi embora. – Neste ponto, Melissa baixou a cabeça e em tom quase inaudível, proferiu estas palavras:
– Ela o viu antes de cair morta... – E recuperando a presença de espírito e em tom inquiridor, virou-se
para John, perguntando:
– Quem mais nesta região poderia manipular sais tão caros e perigosos? Quem mais teria aparelhagens
delicadas o suficiente para destilar este perfume? Quem mais poderia, enfim, fabricá-lo sem levantar
suspeitas sobre si?
Um pesado silêncio de segundos recaiu entre os dois. John a fitava com desespero até que a luz veio à
sua mente:
– Oras! Mas isto é... O chefe do laboratório da universidade! – Bradou John, dando um salto da
cadeira.
– Mas como pode ter certeza de que é ele? – Perguntou Mike subitamente.
– Elementar, meu caro Mike! É o único homem casado que trabalha lá. – Melissa respondeu sorrindo,
triunfante.
***
Autoria: Agatha Christie
Texto adaptado
Disponível em: <https://www.recantodasletras.com.br/contospoliciais/595485>. Acesso em 14 de Jan. de 2020.

Responda às questões:

1. Qual é o enigma apresentado no conto?


86. Qual foi a pista encontrada pela especialista Melissa Harven ao longo da investigação?
87. A mulher de bobes contribuiu para a polícia? Explique.
88. Qual foi o resultado da autópsia feita pelo legista?
89. Quem resolveu o enigma da morte da garota?
90. Quem descobriu a autoria do crime?
91. O texto é narrado em primeira ou terceira pessoa?
92. Analise as palavras destacas. “Ela passou o perfume no andar de cima, no quarto, e quando desceu os
últimos degraus, começou a sentir frio e suar intensamente, para disfarçar pôs o casaco. Mas, o casaco
também tinha outra finalidade.” Qual é a função dessas palavras no texto?
Gabarito
1. As condições que levaram à morte uma garota é a causa do enigma.
2. O perfume que, ao ser usado, poderia levar à morte.
3. Sim. Ela foi uma testemunha ocular. Além disso, ela chamou a polícia após o crime.
4. A causa da morte, segundo o legista, foi parada cardiorrespiratória.
5. A especialista.
6. O detetive.
7. O texto é narrado em terceira pessoa.
8. Ela é um pronome que remete à garota morta e evita a repetição de palavras. Já a palavra, mas, é um
conectivo de oposição. No texto, a palavra, mas indica que o casaco não fora usado apenas por conta do
frio, aponta para outra finalidade.

Leia o texto a seguir e responda às questões:

Conto de mistério

Com a gola do paletó levantada e a aba do chapéu abaixada, caminhando pelos cantos escuros, era
quase impossível qualquer pessoa que cruzasse com ele ver seu rosto. No local combinado, parou e fez o
sinal que tinham já estipulado à maneira de senha. Parou debaixo do poste, acendeu o cigarro e soltou a
fumaça em três baforadas compassadas. Imediatamente um sujeito mal-encarado, que se encontrava no
café em frente, ajeitou a gravata e cuspiu de banda.
Era aquele. Atravessou cautelosamente a rua, entrou no café e pediu um guaraná. O outro sorriu e se
aproximou: “Siga-me!” – foi a ordem dada com voz cavernosa. Deu apenas um gole no guaraná e saiu. O
outro entrou num beco úmido e mal iluminado e ele – a uma distância de uns dez a doze passos – entrou
também.
Ali parecia não haver ninguém. O silêncio era sepulcral. Mas o homem que ia na frente olhou em volta,
certificou-se de que não havia ninguém de tocaia e bateu numa janela. Logo uma dobradiça gemeu e a
porta abriu-se discretamente.
Entraram os dois e deram numa sala pequena e enfumaçada onde, no centro, via-se uma mesa cheia
de pequenos pacotes. Por trás dela um sujeito de barba crescida, roupas humildes e ar de pobre
trabalhador parecia ter medo do que ia fazer. Não hesitou – porém – quando o homem que entrara na
frente apontou para o que entrara em seguida e disse: “É este”.
O que estava por trás da mesa pegou um dos pacotes e entregou ao que falara. Este passou o pacote
para o outro e perguntou se trouxera o dinheiro. Um aceno de cabeça foi a resposta. Enfiou a mão no
bolso, tirou um bolo de notas e entregou ao parceiro. Depois virou-se para sair.O que entrara com ele disse
que ficaria ali.
Saiu então sozinho, caminhando rente às paredes do beco. Quando alcançou uma rua mais clara,
correu até o ônibus que já começava a se afastar do ponto. Meia hora depois, entrava em casa e berrava
para a mulher:
— Julieta! Ó Julieta... consegui.
A mulher veio lá de dentro enxugando as mãos em um avental, a sorrir de felicidade. O marido colocou
o pacote sobre a mesa, num ar triunfal. Ela abriu o pacote e verificou que o marido conseguira mesmo,
depois de tanto esforço e economia, comprar aquilo que eles não viam há tanto tempo naquele barraco.
Ali estava: um quilo de feijão.
Stanislaw Ponte Preta

Atividades:

93. Que providências tomou o homem para que ninguém o reconhecesse?


94. O mistério da narrativa não se manifesta apenas no desenvolvimento das ações das personagens, mas
também na descrição dos ambientes em que elas se movimentam. Transcreva passagens que mostram
isso.
95. Pode-se dizer que, usando a linguagem dos livros de mistério e suspense, o autor apresentou uma
crítica a um grave problema social de nosso país. Explique.
96. Que trecho do último parágrafo mostra que a compra do feijão não é vista como um ato rotineiro,
comum, mas sim como um desafio para o personagem?
97. Em sua opinião, a situação final da história é propositalmente exagerada, para criar humor e
“quebrar” a expectativa que o título e os primeiros parágrafos sugerem? Comente.
98. Analise as palavras destacas. “[...] Ali parecia não haver ninguém”; “[...] saiu então sozinho [...]”. Qual
é a função dessas palavras no texto?

Gabarito:
9. Ele levantou a gola do paletó, abaixou a aba do chapéu e caminhou pelos cantos escuros.
10. Transcrição de parte do texto.
11. O texto expõe a dificuldade de adquirir o produto básico de alimentação, o feijão. O protagonista não
mostra o rosto, caminha por becos, a cor escura predomina... Todos esses elementos remetem ao mistério.
No entanto no final do conto é revelado o enigma. O item básico de alimentação é o enigma, o que
demonstra uma crítica social grave, a pobreza.
12. Segue o trecho: “depois de tanto esforço e economia, comprar aquilo que eles não viam há tanto
tempo naquele barraco. Ali estava: um quilo de feijão”.
13. Resposta de opinião.
14. Ali é um dêitico de lugar. Essa palavra tem a função referencial, além de evitar a repetição de palavras.
Então é um conectivo de conclusão. A função é de coesão textual.
Observação: Esse texto mostra como os gêneros podem ter finalidades diversas. Nesse caso, a
estrutura composicional é do gênero “conto de mistério”, no entanto, a finalidade é expor uma crítica
social grave. Discutir sobre como os gêneros podem sofrer alterações de acordo com as necessidades dos
falantes. Quanto à questão de número seis, é importante que o(a) Professor(a), durante a correção, analise
outros exemplos no texto.

14ªAula

Gênero textual: Conto enigmático ou de mistério

Planejamento e produção textual

 Retomar os textos lidos.


 Explicar sobre a importância de planejar a escrita de um texto.
 Apresentar a proposta de escrita: escolher um dos dois textos lidos e produzir outro final para o conto.
Para isso, retomar e contextualizar a história.
 No texto I, o estudante deve continuar a partir do seguinte trecho: “É possível que o mesmo inimigo
tenha feito alguma coisa para enfurecer o bicho.”
 No texto II, o estudante deve continuar a partir do seguinte trecho: “No necrotério, John esperava o
resultado da autópsia.”.
 Antes de escrever o final, criar um “esquema” do novo final do conto - planejamento.

15ªAula

Gênero textual: Conto enigmático ou de mistério

Revisão, reescrita e publicização textual

 Após redigirem o novo final do texto, os alunos formarão duplas. E, sob supervisão do professor, os
estudantes devem ler e opinar sobre o texto dos colegas.
 O professor deve contribuir para que os estudantes tenham atenção à linguagem padrão e ao gênero
“conto enigmático”.
 Após a revisão textual, reescrever e tornar o texto público.
Observação: é importante que o(a) Professor(a) movimente em classe durante a revisão, lendo e opinando
sobre os textos dos estudantes. Os aspectos ortográficos, a coesão e a coerência, bem como os elementos
estruturais do gênero devem ser observados com atenção.
Sequência Didática de Língua Portuguesa – 9º ano

11ª Aula

Gênero textual: Poema

Leitura e oralidade

 Apresentar o poema “Barca Bela de Almeida Garret” e fazer a leitura.


 Realizar uma análise discursiva do poema junto com estudantes. Perguntar:
 De quantas estrofes é constituído o poema? Quantos versos?
 O pescador, no poema, representa quem? E a sereia?
 Qual é a metáfora representada pelo verbo pescar?
 Hoje, esse verbo ainda é uma metáfora de sedução?
 O que vocês utilizam hoje como metáfora de sedução?
 Nos versos “Pescador da barca bela/Inda é tempo, foge dela/Foge dela/Oh pescador!”. Por que o
narrador insiste tanto com o pescador para fugir dela?
 O que mais chamou a sua atenção no poema? Por quê?

BARCA BELA

ALMEIDA GARRETT
Pescador da barca bela,
Onde vais pescar com ela.
Que é tão bela,
Oh pescador?
Não vês que a última estrela
No céu nublado se vela?
Colhe a vela,
Oh pescador!
Deita o lanço com cautela,
Que a sereia canta bela...
Mas cautela,
Oh pescador!
Não se enrede a rede nela,
Que perdido é remo e vela,
Só de vê-la,
Oh pescador.
Pescador da barca bela,
Inda é tempo, foge dela
Foge dela
Oh pescador!
Disponível em: <https://www.escritas.org/pt/t/4576/barca-bela Acesso: 28, de jan. 2020
Observação: É importante, aqui, oferecer as condições necessárias ao estudante para que ele possa
reconhecer, valorizar e fruir as manifestações artísticas da linguagem poética, dando continuidade à
formação do leitor literário, em especial à fruição. É importantíssimo formar um leitor capaz de desvendar
as múltiplas camadas de sentido apresentadas em um poema. A apreciação e fruição leitoras dependem da
capacidade de leitura e compreensão de cada leitor, e podem ser desenvolvidas.
Observação: O texto, a seguir, traz uma análise do poema lido, com elementos da linguagem poética
importantes que precisam ser discutidos com os estudantes. A proposta é que o(a) Professor(a) traga esses
elementos, oralmente, analisando cada um deles e vendo outras possibilidades de leitura. Dê voz aos
estudantes, permita que proponham outras possibilidades de leitura e analise junto com eles.

Análise do Poema Barca Bela – Almeida Garret

O poema é constituído por cinco estofes de quatro versos, rimas emparelhadas no esquema AAAB.
Sintetiza um conflito dramático representado por três personagens: o pescador, a sereia e alguém que é o
dono da voz (eu lírico) que se dirige ao pescador. O sujeito poético alerta ao pescador para que não vá
pescar, pois conhece os perigos fatais que o esperam; a repetição da apóstrofe (oh pescador) exprime o
seu sofrimento, cada vez mais intenso, porque vê o pescador cair nos laços fatais da sereia.
O termo pescar, conotativamente (figurado), é muito utilizado no jogo da sedução. O pescador corre o
risco de ir à pesca com a barca bela e ser “pescado” pela sereia (ser seduzido). Conclui-se que o perigo
maior é ela. A monotonia das rimas (ela/ela/ela e or) sugere que o canto da sereia tem a capacidade de
adormecer as resistências do pescador. O poema possui também aliteração, repetição de sons do “L” (bela,
ela, vela).
Todo o poema é uma alegoria (sentido não real), pois quase todos os seus elementos devem ser lidos
no plano metafórico (figurado); o que está em foco é o irresistível poder de sedução da mulher fatal.
Barca bela, sereia, pescador são palavras de valor metafórico e simbólico. Assim, a barca bela navega
num mar que pode ser sinônimo de sedução e dos perigos que o homem corre na sua existência; tudo o
que é belo pode ser perigoso. O pescador é sinônimo de todo ser humano que precisa “navegar” no mar da
vida, rodeado de perigos. Ele representa metaforicamente o homem, e a sereia, a mulher; esta exerce uma
atração irresistível sobre ele. O que retrata um tema romântico, a supervalorização da mulher. Aqui, a
mulher é como ou um anjo ou um demônio, mas sempre um ser superior, a quem o homem se submete.

Sobre o autor: Almeida Batista da Silva Garret nasceu em 04/02/1799 e faleceu em 09/12/1854. Foi
escritor romântico, orador, ministro e secretário do Estado de Portugal.

12ª Aula

Gênero textual: Poema

Leitura, oralidade e análise linguística/semiótica

 Ler o poema, na íntegra, em voz alta, para que os estudantes percebam a sonoridade e o ritmo dos
versos;
 Informar que esse poema é um soneto de Luís Vaz de Camões (1524-1580), grande escritor português,
autor de Os Lusíadas (maior poema épico da língua portuguesa). Dizer que Camões nasceu em 1524 e
morreu em 1580, provavelmente, em Lisboa
 Comparar a objetividade da linguagem científica com a subjetividade da linguagem poética;
 Explicar que a poesia é expressão da subjetividade do poeta e que ela se caracteriza pela linguagem
criativa e metafórica. O estudo dos poemas não pode se reduzir à rimas versos e estrofes.
 Explorar a multiplicidade de recursos que dão efeito sonoro, como a aliteração e a assonância, os
efeitos de sentido, a conotação e o caráter polissêmico das palavras.
 Explicar que a linguagem poética é chamada de figurada porque usa diferentes figuras de linguagem.
Estas figuras são recursos que os poetas utilizam para criar efeitos de expressividade, ou para emocionar o
leitor. Há vários tipos de figuras, como por exemplo, a metáfora.
 Chamar a atenção dos estudantes para a “Licença Poética” e explicar que é a liberdade que o escritor
tem de utilizar construções, prosódias, ortografias e/ou de sintaxes que estão em desacordo com a norma
padrão. O poeta utiliza esse recurso para alcançar os seus objetivos de expressão. É um recurso da arte,
está presente na literatura, na música e em outros textos, como por exemplo, a propaganda.
 Mostrar que, muitas vezes, a linguagem poética tem um caráter subversivo, como nos casos em que há
desobediência às normas da língua. Dar o exemplo do último verso do poema lido na aula anterior, Barca
Bela, de Almeida Garret: “Foge dela/Oh pescador”.
 Reescrever o verso conforme a norma padrão da Língua Portuguesa, para que o estudante entenda o
que é a Licença Poética: Foge dela! /Oh, pescador!
 Mostrar que o trabalho do poeta é árduo e tentar fazer com que o estudante perceba a subjetiva e a
beleza da linguagem poética;
 Após a leitura e comentários sobre o texto, distribuir as atividades de análise linguístico-discursiva, e
pedir que o estudante a responda, de forma individual ou coletiva;
 Corrigir as atividades, analisando cada alternativa junto com os estudantes.

Amor É Fogo Que Arde Sem Se Ver

Luiz Vaz de Camões


Amor é fogo que arde sem se ver,
é ferida que dói, e não se sente;
é um contentamento descontente,
é dor que desatina sem doer.

É um não querer mais que bem querer;


é um andar solitário entre a gente;
é nunca contentar-se de contente;
é um cuidar que ganha em se perder.

É querer estar preso por vontade;


é servir a quem vence, o vencedor;
é ter com quem nos mata, lealdade.

Mas como causar pode seu favor


nos corações humanos amizade,
se tão contrário a si é o mesmo Amor
Disponível em: <https://www.culturagenial.com/poema-amor-e-chama-que-arde-sem-se-ver-de-luis-vaz-de-camoes/> Acesso
em 04 de fev. de 2020

Atividades
1. Qual é o tema abordado no poema?
O amor.

99. O verbo destacado no verso “é um cuidar que ganha em se perder.”, significa


(A) admirar
(PPPPPP) trat
ar
(QQQQQQ) sab
er
(RRRRRR) afir
mar
Gabarito: C

100. O poema começa e termina com a palavra Amor, nesse sentido, pode-se afirmar que
(A) o Amor é o sentimento obsessivo para o poeta.
(SSSSSS) só o
Amor leva os poetas a escreverem poesias.
(TTTTTT) o
poema tem valor estético, mas nenhum sentido metafórico.
(UUUUUU) par
a a humanidade nada mais importa a não ser o Amor.
Disponível em: <https://tinyurl.com/whqqcq3 28, jan. 2020 (adaptada) > Acesso em 04 de fev. de 2020

Gabarito: A

101. Na segunda estrofe do poema, verso “é nunca contentar-se de contente” – o autor afirma, com
isso, que as pessoas que amam
(A) estão sempre tristes.
(VVVVVV) não
sabem o que querem.
(WWWWWW) não
cabem si de contentes.
(XXXXXX) ilud
em-se com o sentimento.
Disponível em: <https://tinyurl.com/whqqcq3 28, jan. 2020 (adaptada) > Acesso em 04 de fev. de 2020

Gabarito: C

102. “É querer estar preso por vontade” – o verbo destacado está no mesmo tempo verbal, em
(A) é ferida que dói, e não se sente;
(YYYYYY) é
um contentamento descontente
(ZZZZZZ) é
dor que desatina sem doer.
(AAAAAAA) é
servir a quem vence, o vencedor
Gabarito: D
103. Em “é ter com quem nos mata, lealdade. / Mas como causar pode seu favor, a conjunção destacada
expressa a ideia de
(A) finalidade
(BBBBBBB) alte
rnativa
(CCCCCCC) con
tradição
(DDDDDDD) con
clusão
Gabarito: C
104. O soneto de Camões pode parecer incoerente porque
(A) o amor pode ser definido facilmente.
(EEEEEEE) afir
ma tudo por meio de contradições.
(FFFFFFF) ning
uém sabe o que é o amor.
(GGGGGGG) os
corações humanos insondáveis.
Disponível em: <https://tinyurl.com/whqqcq3 28, jan. 2020 (adaptada) > Acesso em 04 de fev. de 2020

Gabarito: B

13ª Aula

Gênero textual: Poema

Leitura, oralidade, análise linguística/semiótica, produção textual oral

Figuras de Linguagem: comparação e metáfora

 Esclarecer que metáfora é uma figura de linguagem muito usada na poesia e que ela ocorre quando
um termo é substituído por outro em função de algum ponto de contato, de alguma semelhança entre
eles;
 Deixar claro que metáforas são semelhanças ou relações estabelecidas pelo poeta entre dois
elementos, sem usar o termo de comparação "como";
 Explicar que se o primeiro verso do poema de Camões fosse, “o calor do amor arde como o calor do
fogo”, ele estaria fazendo uma comparação, mas que Camões preferiu escrever uma metáfora. Deixar claro
que esse é um recurso utilizado por muitos poetas;
 Distribuir alguns poemas para a classe, a escolha do professor, e pedir que os estudantes,
individualmente ou em duplas: leiam os textos, comparem o efeito de sentido da comparação e da
metáfora, e falem suas impressões sobre o poema. Como, por exemplo, o que mais lhes chamou no texto.
 Permitir que compartilhem, oralmente, o que encontraram e suas impressões sobre o poema, com a
turma.

Sugestão de poemas:

Inscrição para uma lareira - Mario Quintana


A vida é um incêndio: nela
dançamos, salamandras mágicas
Que importa restarem cinzas
se a chama foi bela e alta?
Em meio aos toros que desabam,
cantemos a canção das chamas!

Cantemos a canção da vida,


na própria luz consumida...
https://www.pensador.com/frase/MTYyODE/

Coração de Pedra - Cecília Meireles


Oh, quanto me pesa
este coração, que é de pedra!
Este coração que era de asas
de música e tempo de lágrimas.
Mas agora é sílex e quebra
qualquer dura ponta de seta.
Oh, como não me alegra
ter este coração de pedra!
Dizei por que assim me fizestes,
vós todos a quem amaria,
mas não amarei, pois sois estes
que assim me deixastes, amarga,
sem asas, sem música e lágrimas,
assombrada, triste e severa
e com meu coração de pedra!
Oh, quanto me pesa
ver meu próprio amor que se quebra!
O amor que era mais forte e voava
mais que qualquer seta!

https://blogdospoetas.com.br/poemas/coracao-de-pedra/

14ª Aula

Gênero textual: Poema


Leitura e oralidade
Diferença entre poesia, poema e soneto

 Deixar claro a diferença entre poesia, poema e soneto. Se necessário, retomar a leitura dos textos
anteriores.
 Disponibilizar as informações a seguir e discutir oralmente com o estudante;

A poesia, o poema e o soneto são elementos pertencentes ao gênero lírico, cada qual com suas
especificidades. Estão abarcados no gênero lírico, textos cuja linguagem é marcada pela subjetividade,
responsável por revelar pensamentos, sentimentos, estados de alma de um eu lírico — entidade fictícia
que não deve ser confundida com o eu biográfico.

Poesia: nem sempre está relacionada apenas com o poema, a poesia é um elemento maior que a
estrutura textual. Ela pode estar presente nas mais diversas manifestações artísticas, seja na pintura, na
escultura, na música, na fotografia e até mesmo em pequenas situações do cotidiano. Sendo assim, é um
equívoco denominar o gênero literário como “poesia”, até porque, a poesia não é exclusividade da
literatura, mas sim uma definição mais ampla que contempla outras formas de expressão, como por
exemplo a pintura a seguir.

The sower (O semeador), Vincent Van Gogh, 1888. Em exposição no Museu Van Gogh, em Amsterdã, Holanda
O poema: elemento pertencente ao gênero lírico, o poema é um gênero textual que apresenta
características bem peculiares que são responsáveis por sua identificação. Entre essas características, estão
os versos, ou seja, as linhas que constituem uma obra desse gênero, a musicalidade, a repetição e o
emprego de metáforas que garantem maior subjetividade ao texto.

O soneto: é um tipo de poema que se apresenta sob uma estrutura fixa: quatro estrofes, sendo dois
quartetos (estrofes compostas por quatro versos) e dois tercetos (estrofes compostas por três versos).
Todos os versos possuem dez sílabas poéticas, chamadas de decassílabos. Com origem na Itália, o soneto
foi documentado pela primeira vez na obra de Giacomo da Lentini, ainda na primeira metade do século III,
mas permanece atual, por isso é considerado como um dos moldes literários mais longevos da história da
literatura universal. No Brasil, nosso maior sonetista foi Vinícius de Moraes, responsável por obras-primas
como o Soneto do Amor Total, um dos poemas mais conhecidos da literatura brasileira.

Disponível em: <http://mundoeducacao.bol.uol.com.br/literatura/poesia-poema-soneto.htm Acesso em: 28, jan. 2020.

15ª Aula

Gênero textual: Poema

Leitura e Produção de texto


 Propor que os estudantes produzam o seu próprio poema, com o tema “Amor”, a partir dos poemas
estudados.
 Pedir que coloquem no seu poema “a sua visão de amor”, considerando as características do gênero.
 Esclarecer ao estudante que o poema materializado, resulta do trabalho especial que se faz com as
palavras, no qual prevalece a função poética da linguagem. É importante também:
 Utilizar estratégias de planejamento, elaboração, revisão, edição, reescrita/redesign do texto;
 Corrigir e aprimorar sua produção, sempre que necessário, fazendo correções de concordância,
ortografia, pontuação, imagens, se for o caso, cortes ou acréscimos etc.

Correção final dos textos produzidos

 Há diferentes estratégias para a correção final dos textos produzidos pelos estudantes, nesse sentido,
uma excelente atitude é realizar a troca de produções entre eles e sugerir que façam a devida correção,
acrescentando os comentários cabíveis para o aperfeiçoamento do texto do colega;
 O professor poderá, também, escolher alguns textos e disponibilizar para todos (imprimir, fazer slides,
expor no quadro, WhatsApp etc.), e fazer a correção de forma coletiva.
 Uma alternativa é o(a) professor revisar a produção inicial e final, considerando os aspectos linguístico-
discursivos, utilizando (sinalizações ou símbolos icônicos, apontando o que deve ser alterado, ou
acrescentado pelo estudante).

Você também pode gostar