Você está na página 1de 7

A TORÁ ETERNA DE YHWH

A Torah ou Torá, ,‫ּתֹורה‬


ָ é uma palavra hebraica que traduzida literalmente
significa "instrução". A Torá é conhecida no mundo cristão como Pentateuco,
isto é, os primeiros cinco livros da Bíblia Sagrada, todos da autoria de Moisés.
Mas também é muitas vezes identificada como sendo a "Lei de Moisés", no
entanto, o seu significado mais profundo, está especificado na tradução literal
da palavra Torah, que como já foi dito, significa "instrução" e "ensino" Mais do
que a Lei de Moisés, é a Lei de Deus, pois Moisés foi apenas o intermediário da
mensagem. Na Torá está a instrução de Deus para todo o homem, ou seja, é o
manual de instruções, o código de conduta para todo aquele que deseja servir
ao Eterno Todo-Poderoso.
É na Torah que se baseia toda a Bíblia, e ainda que isso vos possa surpreender,
quando nós fazemos referência a "toda a bíblia", incluímos logicamente os
escritos apostólicos, conhecidos como Novo Testamento. A Torá aponta para
Yeshua, e Yeshua, veio dar cumprimento e ensinar a Torá, isto é, torná-la plena.
Existem várias interpretações (midrash) e tradições que foram passadas
oralmente entre os judeus, que mais tarde foram compiladas numa obra
sagrada do Judaísmo, o Talmud, que na maior parte das vezes acabam por ter
mais relevância para os Judeus do que a própria palavra escrita. O judaísmo
defende que a palavra de três rabinos vale mais do que a palavra escrita.
Rejeitamos essas doutrinas, e tradições humanas, e não vamos além daquilo que
está escrito na Torá (Deut. 4:2). Respeitamos o judaísmo rabínico e as suas
tradições, mas reconhecemos que muitas das tradições humanas acabam por
anular a Torá que foi dada sob a instrução de YHWH (Mat. 15:3-6) ainda que
muitas dessas tradições tenham o propósito de proteger o mandamento (Mat.
23:3).
A Torá (instrução) foi dada para todo o Israel por estatuto perpétuo. Aqueles
que se chegam à fé através do testemunho de Yeshua, são parte de Israel, e
herdeiros conforme a promessa, como escreve Paulo na sua carta aos Gálatas
(3:29).
Ao lermos o capítulo 11 de Romanos percebemos que não existe mais do que
um "povo salvo" mas sim um único povo salvo, Israel.
Há quem faça a distinção entre Israel Físico, e Israel Espiritual, ou seja, leis que
contemplam uns, e leis que contemplam outros, uns que herdarão a terra, e
outros herdarão o céu. Mas no capítulo 11 de Romanos, vemos que existe
apenas um único grupo de salvos, que são aqueles que fazem parte da oliveira
cultivada (Israel), cuja raiz é o Mashiach Yeshua. E esse grupo de salvos herdará
a terra.
Essa oliveira (congregação/noiva) é composta por naturais, e por enxertados, e
nela não há judeus nem gentios como nos diz a palavra (Gál. 3:28), pois todos
são um em Yeshua.
Há quem advogue que a Lei que permanece em vigor, são apenas os 10
Mandamentos, e que a restante Torá foi cravada no madeiro, uma vez que
alegam que a Torá terminou em João Batista (Luc. 16:16). Ou seja, defendem
que apenas os Dez Mandamentos, porque foram outorgados fora do Sacerdócio
Levítico, são os únicos que permanecem até hoje.
Mas, seguindo essa linha de pensamento, deparamo-nos então com diversas
questões, e enumerarei algumas delas:
- é lícito ao crente comer sangue?
- é lícito ao crente relacionar-se sexualmente com animais?
- é lícito ao crente fazer tatuagens?
- É lícito ao crente comer Porco ou Marisco?
- É lícito ao homem crente vestir-se de mulher, ou a mulher crente vestir-se de
homem (travestismo).
As respostas são tão óbvias que se tornam desnecessárias. Mas todas estas e
tantas outras restrições não são contempladas nos Dez Mandamentos, mas são
na verdade instruções da Torá (Gén. 9:4; Lev. 18:23; 19:28; Deut. 14:8).
Quando perguntam a Yeshua quais são os maiores mandamentos, Yeshua cita a
Torá, não cita nenhum dos Dez. (Lev.19:18; Deut. 6:4-5).
Os Dez Mandamentos são apenas um resumo da instrução. Pois a Torá não é da
autoria de Moisés, foi dada por Deus a Moisés, e este escreveu em rolos o que
Deus lhe transmitiu (Mal. 4:4). Como se pode então dizer que a Torá são
mandamentos de homens?
Existem várias tradições como já dissemos que foram acrescentadas pelos
rabínicos ao longo do tempo, e algumas, até certo ponto até podem ser positivas
na medida em que protegem o mandamento, mas muitas vezes nem sempre o
são, além do facto de Deus ter dado uma instrução precisa para não acrescentar
nem diminuir nada à Sua palavra; Esses acrescentos é que, são na verdade,
mandamentos de homens, mas nunca a Torá. Yeshua nos relatos de Mat. 15 e
Mc. 7 mostra exactamente a diferença entre mandamentos de homens, e os
mandamentos de YHWH. A questão que é debatida nesses textos, dizia respeito
à obrigação de lavar as mãos antes de comer, mas tal mandamento tem origem
na tradição dos anciãos (Mc. 7:3), não na Torá. Yeshua censurou exactamente
esse facto, os judeus da época eram tão zelosos com as tradições humanas, que
acabavam por descurar na instrução de YHWH, como vemos em Mat. 15:1-9 e
Mc. 7:6-13.
Então, se aqueles que defendem que os Dez Mandamentos são o resumo de dois
mandamentos que Yeshua identificou como sendo o Amor a Deus e Amor ao
próximo, então porque é que tem tanta dificuldade em aceitar que os Dez
Mandamentos são o resumo da Torá. Ou seja, dois mandamentos, desdobram-
se em dez, e os dez, desdobram-se em toda a instrução de YHWH, ou seja, na
Torá. Curiosamente os Dois Primeiros mandamentos que Yeshua cita, não
constam entre os Dez, Yeshua identifica-os citando a Torá (Deut. 6:4-5; Lev.
19:18).
Alegoricamente falando. Podemos imaginar os dois primeiros mandamentos
como sendo um título de um livro, os dez mandamentos como sendo o
índice/capítulos desse mesmo livro, e a Torá o conteúdo de cada capítulo.
Vejamos um ponto, o que diz Yeshua quando é tentado pelo adversário no
deserto? “Não só de pão vive o homem, mas de toda a palavra que sai da boca
de YHWH.” Vemos que o homem viverá se atentar para tudo aquilo que provém
de YHWH, não apenas os Dez Mandamentos, e já agora, fazendo uma ressalva,
vejamos que Yeshua responde a Satanás mais uma vez citando a Torá (Deut.
8:3), não os Dez.
Surge então a pergunta, o que é que realmente Yeshua anulou? Uma vez que a
Bíblia é a nossa única regra de fé vejamos o que nos diz a Palavra em Mateus
5:17:
"Não pensem que vim abolir a Lei ou os Profetas; não vim abolir, mas cumprir.
Em verdade vos digo: Enquanto existirem céus e terra, não se anulará da Lei a
menor letra ou o menor traço, até que tudo se cumpra. Todo aquele que
desobedecer a um desses mandamentos, ainda que dos menores, e ensinar os
outros a fazerem o mesmo, será chamado menor no Reino dos céus; mas todo
aquele que praticar e ensinar estes mandamentos será chamado grande no
Reino dos céus."
Os que defendem que a lei perpétua, contempla apenas os dez mandamentos,
afirmam que a "Lei" mencionada no texto acima, se refere apenas aos dez, mas
a palavra que consta nos originais semitas é "Torá", ou seja, a instrução de
YHWH. E essa instrução não são só os Dez, mas toda a palavra que provém da
boca de YHWH. Toda a Torá, isto é, o Caminho que o Eterno definiu para que o
homem caminhasse rectamente. Quem é que nós também identificamos como
sendo o Caminho? O nosso irmão mais velho e mestre, Yeshua haMashiach.
Logo Yeshua é a Torá Viva, o Verbo/Palavra/Instrução de YHWH. (João 5:46).
No entanto há algo que nós não fazemos mais, que são os sacrifícios de animais
para expiação do pecado. Mas porquê? Porque foram abolidos? Não, tudo
vigora enquanto existir o céu e a terra. Não os fazemos essencialmente por duas
razões:
- A primeira é que actualmente não há templo, e os sacrifícios só podem ser
feitos no local estipulado pelo Eterno;
- A segunda, é que os sacrifícios eram feitos pelos primogénitos, mas depois da
corrupção no Sinai com o bezerro de ouro, essa missão ficou a cargo dos
sacerdotes levitas. Mas os sacríficios eram um prenúncio daquilo que haveria de
acontecer, o sacrífico perfeito do cordeiro de Deus preparado desde a fundação
do mundo. Por isso, Yeshua é agora o nosso sumo sacerdote, não da ordem
Levita, mas da Ordem de Melquisedeque (Heb. 7:10), e o seu sacerdócio é
perpétuo como nos mostra o livro de Hebreus (7:24). Vejamos também em Heb.
9:11-12.
Mas ainda que os sacrifícios não sejam mais feitos, porque como já vimos, eram
uma sombra do que seria o sacrifício de Yeshua, quererá isso dizer que a Torá (à
excepção dos Dez Mandamentos) se torna inválida? Então mas a Torá não é uma
orientação que visa andarmos segundo a vontade de YHWH? Claro que sim!!
Mais, a Torá visa o amor que o Eterno tem pela sua criação, e se andarmos
segundo ela (lembremo-nos que Torá significa instrução) não demonstraremos
também a nossa fé que opera por amor? Logicamente.
Os Sábados Santos
É habitual, ouvir os crentes que advogam que só os Dez Mandamentos vigoram
actualmente, argumentarem que o Sábado se mantém como estatuto perpétuo,
porque são parte dos Dez Mandamentos escritos nas pedras, pelo dedo de
YHWH. Até aqui tudo bem. Estamos 100% de acordo, pois o Sábado foi dado
como estatuto perpétuo para todo o Israel. No entanto, esses mesmos
defensores acérrimos do "Sábado", paradoxalmente, ignoram os outros
Sábados (Solenidades Anuais/ tempos apontados por YHWH) que também
foram dados a Israel por estatuto perpétuo.
Eles Defendem a imutabilidade da Lei de Deus, mas devido ao facto desses
“sábados” não serem contemplados na Lei da Pedra, escrita pelo dedo de
YHWH, alegam que não é necessária a sua observação. Porque consideram que
os Sábados Anuais, estão apenas ligados ao sacerdócio levítico, e como esse foi
substituído pelo sacerdócido de Yeshua, não faz sentido que os observermos
agora.
Mas será assim? Então eu pergunto, então e o Sábado semanal não está também
ligado ao sacerdócio levítico? Antes de conclusões precipitadas, vejamos
primeiramente o que nos diz a palavra:
"Porém, no dia de sábado, oferecerás dois cordeiros de um ano, sem defeito, e
duas décimas de flor de farinha, misturada com azeite, em oferta de alimentos,
com a sua libação. Holocausto é de cada sábado, além do holocausto contínuo,
e a sua libação. Holocausto é de cada sábado, além do holocausto contínuo, e a
sua libação." Números 28:10
Vemos que o Sábado Semanal também é contemplado por ofertas do sacerdócio
levítico. Porque é que não as fazemos hoje? Já vimos o porquê, uma vez que
somos nós (como sacrifícios vivos, que vivemos uma vida de amor e dedicação
ao Eterno), que nos oferecemos continuamente a Deus através de santificação
do dia, oração e reunião solene. Por essa razão não fazemos mais ofertas ligadas
ao sacerdócio levítico, porque o nosso sumo-sacerdote é Yeshua. Mas certo é
que não deixámos de observar o dia de Sábado como um memorial da criação,
e como um dia separado (santo) para o povo de Israel.
Deixámos nós então de observar o Sábado como um dia de descanso? Deixámos
de observar o Sábado como um memorial da Criação? Claro que não. Então
porquê ignorar os Sábados Santos que foram dados em Levítico 23? Também
eles são datas Solenes, também eles são Sábados (Shabbatot).
É lógico que não façamos mais os sacrifícios de animais pelas razões já referidas,
mas claramente deveremos observá-los como dias solenes, que foram dados
por estatuto perpétuo a todo o Israel, e esses dias revelam-nos o plano de
salvação de Deus para todo aquele que se volta para ele e que aceite o
testemunho de Yeshua.
YHWH não pretende que vivamos na ignorância relativamente ao Seu plano, e
como tal deu-nos dias representativos de cada etapa do seu plano. Os dias
Santos de YHWH são representados por colheitas, logo são distribuídos ao longo
do ano agrícola na terra de Israel. A colheita da cevada representada por Yeshua
como as prímicias, a colheita do trigo, em representação dos santos sobre os
quais foi derramado o Espírito de Santidade, na festa das semanas
(Pentecostes); e a colheita dos frutos da época, representando a colheita geral
da humanidade na festa das cabanas/tabernáculos.
Não ignoremos isso. São 8 dias Santos que nos foram dados como Sábados
(descanso/reunião solene), um a ser observado semanalmente, e sete a serem
observados anualmente:
SOLENIDADE SEMANAL
- O Sábado; (Lev. 23:3)
SOLENIDADES ANUAIS
- O primeiro dia dos pães ázimos; (Lev. 23:6)
- O sétimo dia dos pães ázimos; (Lev. 23:8)
- O Pentecostes/ Festa das Semanas; (Lev. 23:21)
- O Dia das Trombetas; (Lev. 23:24)
- O Dia da Expiação; (Lev. 23:27)
- O primeiro dia da Festa das Cabanas / Tabernáculos (Lev. 23:34-35)
- O último grande dia, ou oitavo dia da Festa das Cabanas. (Lev. 23:39)
Agora vejamos. Se eles defendem que Yeshua anulou no madeiro, aquela que
muitos chamam lei cerimonial, eu pergunto? Entendem por lei cerimonial
apenas os sacrifícios de animais e as ofertas queimadas, ou toda a Torá à
excepção dos dez mandamentos? Curioso é que a Bíblia não faz nunca menção
a uma pretensa lei moral ou cerimonial, apenas diz que há uma instrução
(Lei/Torá) para a qual o homem deverá atentar.
As únicas distinções que a bíblia aponta no que diz respeito à lei são:
- A Lei de Deus (o caminho a verdade e a vida- Yeshua)
- a Lei do pecado (que leva à morte),
- e as obras da lei (mandamentos de homens que foram acrescentados, ou seja,
os legalismos da lei).
Destas, a que foi cravada na cruz, definitivamente foi a lei do pecado (que falava
contra nós), nunca a Lei de Deus.
Então os sacrifícios foram abolidos? Não, o Sacerdócio de Yeshua que é perfeito,
é também perpétuo, logo não terminou. Ele continua a ser o nosso Sumo-
Sacerdote. Então nada foi abolido, e está em vigor. João 5:17. Se com o sacrifício
de Yeshua, deixasse de ser necessária a observação das Solenidades de YHWH
de Levítico 23, deparamo-nos com a pergunta:
O que faziam os seguidores de Yeshua (judeus e gentios) reunidos solenemente
no dia de Pentecostes pouco antes de receberem os Espírito Santo?
Lemos que Yeshua advertiu os seus discípulos para que não se afastassem de
Jerusalém pois receberiam em breve o dom do Espírito Santo (At. 1:4), mas não
vemos nenhuma indicação específica que tal milagre ocorreria no dia de
Pentecostes. No entanto lemos que os seguidores de Yeshua estavam juntos em
reunião solene nesse dia. Então a observância das festas solenes não tinha sido
abolida? Vemos que não, mantinha-se mesmo após a morte de Yeshua.
Exemplos da observância das Solenidades de YHWH após o ministério de Yeshua
Vemos Paulo a instruir os crentes a celebrarem a festa dos asmos:
"Por isso façamos a festa, não com o fermento velho, nem com o fermento da
maldade e da malícia, mas com os ázimos da sinceridade e da verdade." 1
Coríntios 5:8.
Vemos Paulo a observar o Jejum no dia da expiação (Actos 27:9 ver nota abaixo).
NOTA: O dia da expiação, é no décimo dia do sétimo mês do calendário bíblico.
Corresponde a uma época do ano em que a navegação de embarcações é
desaconselhada devido à turbulência. O dia da expiação sempre foi conhecido
pelo dia do Jejum.
Vemos Paulo a fazer todos os esforços possíveis, para estar presente numa das
festas de peregrinação a Jerusalém, o dia de Pentecostes. (Actos 20:16)
Há ainda quem não se convença com estes argumentos, alegando que só
devemos celebrar a Páscoa e o Pentecostes, porque foram as únicas solenidades
espiritualizadas por Yeshua. Mas há uma razão lógica para essas solenidades
ainda não terem sido espiritualizadas (isto é, ainda não tiveram o seu
cumprimento profético). A razão simples é que as solenidades que ainda não
tiveram ainda o seu cumprimento profético, são sombras da segunda vinda de
Yeshua, e não da primeira.
As solenidades da primavera (Páscoa; Primícias; Asmos e Pentecostes,) já
tiveram o seu cumprimento profético durante e logo após o ministério de
Yeshua.
Páscoa- O Cordeiro Pascal sacrificado no Êxodo, foi representado por Yeshua
aquando do seu sacrífico no madeiro, o sangue de Yeshua livra-nos da morte, da
mesma forma que o sangue do cordeiro colocado nas ombreiras das portas dos
Filhos de Israel os livrou da Passagem do Anjo da Morte pelo Egipto.
Asmos- Os Israelitas deixam o Egipto (Pecado), e na ázafama da saída, os pães
não tem têm tempo de levedar / O fermento assim como o Egipto tipifica o
pecado. Yeshua limpa o fermento dos nossos corações, como nos diz Paulo em
1ª Cor. 5:6-8.
Prímicias- Na festa das prímicias, o primeiro molho de cevada ceifado, era
acenado no ar pelo sumo-sacerdote. / Yeshua ressuscita ao terceiro dia, e sobe
ao Pai na manhã do primeiro dia da semana, como representação do molho
movido, descendo novamente ainda nesse mesmo dia para se reunir à tarde
com os discípulos.
Pentecostes- A segunda colheita anual, neste caso do trigo, é entregue a Lei a
Moisés. / É derramado o Espírio Santo sobre os Santos que teriam a missão de
espalhar o Testemunho de Yeshua pelo mundo, a Lei é gravada nos corações dos
santos.
Já as solenidades de Outono só terão o seu cumprimento aquando da segunda
vinda de Yeshua:
Dia das Trombetas- Segunda vinda de Yeshua ao toque da sétima e última
trombeta;
Dia da Expiação- Seremos transformados e ressuscitados incorruptíveis (1ª Cor.
15:52);
Festa dos Tabernáculos- Governo milenar de Yeshua, Satanás é preso.
Oitavo grande dia- Destruição total de Satanás; Os novos céus e nova terra,
Ainda restam dúvidas, se devemos ou não observar as festas que Deus instituiu
por estatuto perpétuo?
Não precisamos que Yeshua nos dê mais provas, nem esperar que ele
espiritualize as outras para que as passemos a observar, porque Deus já nos
instruiu a fazê-lo, e também porque se amamos a Yeshua, guardamos a sua
instrução, e se guardamos a sua instrução, atentamos para a palavra de YHWH,
porque Yeshua veio dar o testemunho do Pai, veio falar aquilo que o pai lhe
ordenou (João 14:24;),
Será que a palavra de Deus muda?
Malaq. 3:6; Tiago 1:17; 1ª João 2:24
Então e o que é que Ele nos instrui a fazer?
"Amarás, pois, a YHWH teu Deus, e guardarás as suas ordenanças, e os seus
estatutos, e os seus juízos, e os seus mandamentos, todos os dias." Deut. 11:1
E sobre as festas o que nos diz?
"Depois falou YHWH a Moisés, dizendo: Fala aos filhos de Israel, e diz-lhes: As
solenidades de YHWH, que convocareis, serão santas convocações; estas são as
minhas solenidades": Levítico 23:1-2
"Estas são as solenidades de YHWH, as santas convocações, que convocareis ao
seu tempo determinado". Levítico 23:4
Se a observação das Solenidades de YHWH deixa de ser necessária depois do
sacrifício de Yeshua, porque então algumas denominações cristãs, incluindo a
Igreja de Cristo, observam a Páscoa e o Pentecostes?
Se a observação das Solenidades de YHWH deixa de ser necessária, porque é
que essas festas serão observadas durante o milénio de Yeshua? Como é que
nós sabemos isso? Porque a palavra nos diz:
"E acontecerá que, todos os que restarem de todas as nações que vieram contra
Jerusalém, subirão de ano em ano para adorar o Rei, YHWH dos Exércitos, e para
celebrarem a festa dos tabernáculos." Zac. 14:16
Por fim, deixo-vos um provérbio que resume tudo o que foi dito.

"Filho meu, não te esqueças da minha lei, e o teu coração guarde os meus
mandamentos."
Provérbios 2:1-5

Você também pode gostar