Você está na página 1de 15

Resumo

A caracterização, identificação e quantificação de resíduos sólidos são de grande importância


para a elaboração dos planos de gerenciamento de resíduos. O trabalho objetivou diagnosticar a
atual situação da gestão de resíduos sólidos na Universidade Tecnológica Federal do Paraná
(UTFPR) – Câmpus Guarapuava, observando o destino final destes, de forma a sensibilizar a
comunidade acadêmica sobre a problemática ambiental e, futuramente, detectar alternativas que
possam gerar benefícios ambientais. O artigo foi realizado em três etapas: em primeiro
momento foi realizada a triagem dos lixos, separados os resíduos em seis partes (rejeitos;
plásticos; tetra paks; papéis; orgânicos e giz/vidros/madeiras) e, após isso, realizada a pesagem
dos mesmos. Depois da triagem, foi possível unificar todos os dados coletados, realizar as
pesquisas diante da literatura, e iniciar o desenvolvimento do artigo. Por último, foi realizada a
proposta de sensibilização com a comunidade acadêmica. Em conformidade com os dados
coletados, percebe-se que os lixos mais produzidos na UTFPR – Guarapuava são os rejeitos,
com um total de 38,20 kg/semana (53,50% dos resíduos pesados). Em vários pontos do campus
há lixeiras com a cor padrão da coleta seletiva, de acordo com o tipo de resíduo, mas mesmo
com as lixeiras, foi percebido um descaso dos frequentadores da universidade quanto a
separação dos lixos. Os resultados mostram que é indispensável a realização de uma Educação
Ambiental contínua e permanente para a comunidade acadêmica.
Palavras chave: Gravimetria, Resíduos Sólidos, Universidade.

Abstract
The characterization, identification and quantification of solid wastes are of great importance
for the elaboration of waste management plans. The objective of this study was to diagnose the
current situation of solid waste management at the Universidade Tecnológica Federal do Paraná
(UTFPR) - Guarapuava Campus, observing their final destination, in order to sensitize the
academic community on environmental issues and, in the future, environmental benefits. The
article was carried out in three stages: the first one was the sorting of the waste, the waste was
separated into six parts (waste, plastics, tetra paks, paper, organic and chalk / glass / wood), and
after that, of the same. After sorting, it was possible to unify all the collected data, to carry out
the researches before the literature, and to begin the development of the article. Finally, a
proposal was made to raise awareness with the academic community. According to the data
collected, it can be noticed that the most produced garbage in UTFPR - Guarapuava are the
wastes, with a total of 38.20 kg / week (53.50% of the heavy residues). At various points of the
campus there are dumps with the standard color of the selective collection, according to the type
of waste, but even with the trash cans, it was perceived a disregard of university goers as to the
separation of the garbage. The results show that it is indispensable to carry out a continuous and
permanent Environmental Education for the academic community.
Keywords: Gravimetry, Solid Waste, University

1 Introdução
A procura infindável pelo bem-estar fez com que a sociedade extraísse os recursos
naturais em seu habitat, resultando, por muitas vezes, em um crescimento expressivo na
geração de resíduos, e, consequentemente agravando os impactos ambientais. Todos os
projetos relacionados ao ecossistema exigem um diagnóstico também conhecido como
Gravimetria.
Tendo em vista que o controle ambiental faz parte do cotidiano humano de
maneira abundante, entre as atividades econômicas e sociais para a utilização dos
recursos naturais de maneira racional, há visão de sustentabilidade para a sociedade que
possui conhecimento de suas condutas e preocupa-se com as gerações futuras (SILVA,
2016). Esse panorama, que por sua vez é definido como a capacidade do indivíduo
preservar o meio ambiente, e levando em consideração que um dos principais desafios
enfrentados pelas empresas, inclusive no âmbito das instituições de ensino, é a gestão
dos resíduos sólidos (AMBIENTAL, 2005).
Os resíduos gerados tanto em empresas quanto nos centros universitários,
compreendem além daqueles classificados como sólidos urbanos, alguns resíduos são
classificados como industriais e como resíduos de serviços de saúde – também
designados resíduos perigosos (FURIAM; GUNTHER, 2006). Conforme os autores
existem atividades de Educação Ambiental, sendo de suma importância para orientar a
segregação, a coleta, o tratamento e a destinação final dos resíduos, que requisita um
tratamento próprio. Segundo All (2017), “os resíduos sólidos são gerados a partir de
atividades de origem industrial, doméstica, hospitalar, comercial, agrícola, de varrição
entre outras e podem ser utilizados como matéria-prima. Em contrapartida, o lixo pode
ser entendido como algo inútil, que não pode ser reaproveitado”. Com base nessa teoria,
explana-se que quando se mistura todo o material descartado, obtêm-se o lixo. Quando
ocorre a separação do mesmo e encontram-se materiais que podem ser reutilizados,
resulta o resíduo sólido.
Diante do exposto, observa-se a importância de gerenciar corretamente os
resíduos sólidos. Sendo assim, a presente pesquisa tem como objetivo central
diagnosticar a atual situação da gestão dos resíduos sólidos, localizados nos prédios da
Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Câmpus de Guarapuava (UTFPR-GP).
Com o intuito de calcular a quantidade, meios de armazenamento e descarte, e
futuramente detectar alternativas que possam gerar benefícios ambientais , é utilizado o
instrumento de gravimetria, de forma a adquirir melhores resultados e quantificar
padrões.
Como um exemplo de preocupação com o presente e das próximas gerações,
existem em alguns Câmpus da UTFPR, o curso superior de Tecnologia em Gestão
Ambiental, com a finalidade de formar profissionais para planejar, gerenciar e executar
atividades referentes a esta área. Nesse aspecto educacional as instituições precisam
praticar aquilo que ensinam. Levando-se em consideração que:
As instituições de ensino podem ser comparadas com pequenos núcleos
urbanos, pois, geram variados tipos de resíduos oriundos de atividades
relativas à limpeza, produção de alimentos, atividades administrativas, salas
de aula, entre outros resíduos, assim, é importante que ocorra a caracterização
nesses pequenos núcleos produtores para que se possam implantar planos de
gerenciamento dos resíduos sólidos (KLIPPEL, 2015, p.11).
Diante da importância da questão ambiental e de qualidade de vida para a
sociedade universitária, a proposta deste artigo é alcançar resultados satisfatórios na
gravimetria de resíduos sólidos, buscando um controle seletivo e eficaz, semanalmente.
Ademais, há intenção em intercambiar experiências com outros grupos desta
instituição, que estejam interessados nas questões acima citadas, incluindo a gravimetria
de resíduos do Restaurante Universitário (RU). Sendo necessário atuar com soluções
estratégicas em comum acordo, garantindo que o meio ambiente não seja deteriorado.
2 Referencial Teórico
2.1 Gestão Ambiental
Atualmente, a gestão ambiental é a mediação de conflitos entre as correntes
econômica, social e ambiental. Essa plataforma de gestão busca um equilíbrio entre
essas partes, que são denominadas como as partes do tripé da sustentabilidade
(VENTURA, 2012). O Conselho Nacional do Meio Ambiente define gestão ambiental
como “condução, direção e controle do uso dos recursos naturais, dos riscos ambientais
e das emissões para o meio ambiente, por intermédio da implementação do sistema de
gestão ambiental” (BRASIL, 2002, p. 759).
Essas duas definições apontam que a gestão ambiental é uma parte muito
importante para um ambiente sustentável, pois, se não houver uma gestão eficaz, o meio
ambiente será prejudicado por emissões de poluentes e pelo uso excessivo e impróprio
de recursos naturais. Ainda nesse panorama, é possível identificar o Sistema de Gestão
Ambiental de acordo com as normatizações principais em território nacional, diante de:
Instrumento organizacional que possibilita às instituições a alocação de
recursos e a definição de responsabilidades quanto às questões ambientais;
bem como a avaliação contínua de práticas, procedimentos e processos,
buscando a melhoria permanente do seu desempenho ambiental. A gestão
ambiental integra o sistema de gestão global de uma organização (IBGE,
2004).
Os sistemas de gestão ambiental são vistos como uma alternativa para empresas
conseguirem alcançar a modernização, contribuírem com o desenvolvimento
sustentável, e, além disso, aumentarem a lucratividade (OLIVEIRA; PINHEIRO, 2010).

2.1.1 Sustentabilidade
Sustentabilidade é o conceito que, relacionando aspectos econômicos, sociais,
culturais e ambientais, busca suprir as necessidades do presente sem afetar as gerações
futuras . Na década de 80, começou a ser desenvolvido o conceito de desenvolvimento
sustentável no Relatório Brundtland, que é considerado um marco nos debates sobre
questões ambientais. Nesse relatório, desenvolvimento sustentável é definido como um
desenvolvimento que atende as necessidades do presente, sem afetar as necessidades das
gerações futuras. Esse conceito apenas ganhou força após a conferência Rio-92, em que
uma nova visão de desenvolvimento econômico foi implementada, que ao mesmo
tempo atende as necessidades humanas e preserva o meio ambiente (NASCIMENTO,
2012).
Um dos desafios da construção do desenvolvimento sustentável é criar
instrumentos de mensuração capazes de prover informações que facilitem a
avaliação do grau de sustentabilidade das sociedades, monitorem as
tendências de seu desenvolvimento e auxiliem na definição de metas de
melhoria (POLAZ; TEIXEIRA, 2009).
A sustentabilidade pode ser medida em mundial, nacional, regional, local ou
comunitária, cada uma com suas diferenças, que são resultadas de fatores históricos e
culturais (VAN BELLEN, 2002).

2.2 Gestão de Resíduos Sólidos


Ao se tratar a gestão dos Resíduos Sólidos em território nacional, algumas
normatizações ou leis são colocadas em pauta como necessidade de manutenção dos
ambientes. O artigo 3º da lei n. 12.305 de 2 de agosto de 2010 define resíduos sólidos
como:
Material, substância, objeto ou bem descartado resultante de atividades
humanas em sociedade, a cuja destinação final se procede, se propõe
proceder ou se está obrigado a proceder, nos estados sólido ou semissólido,
bem como gases contidos em recipientes e líquidos cujas particularidades
tornem inviável o seu lançamento na rede pública de esgotos ou em corpos
d’água, ou exijam para isso soluções técnicas ou economicamente inviáveis
em face da melhor tecnologia disponível (BRASIL, 2010).
O mesmo artigo também define gestão integrada de resíduos sólidos como sendo
o “conjunto de ações voltadas para a busca de soluções para os resíduos sólidos, de
forma a considerar as dimensões política, econômica, ambiental, cultural e social, com
controle social e sob a premissa do desenvolvimento sustentável” (BRASIL, 2010).
A alta geração de resíduos sólidos e a disposição final ambientalmente segura
dos mesmos são alguns dos maiores desafios da sociedade moderna. O aumento de
produção, gerenciamento inadequado e falta de áreas de disposição de resíduos sólidos
fazem aumentar a preocupação em relação à gestão de resíduos sólidos (JACOBI;
BESEN, 2011). Ainda segundo Jacobi e Bensen (2011, p. 136):
A administração pública municipal tem a responsabilidade de gerenciar os
resíduos sólidos, desde a sua coleta até a sua disposição final, que deve ser
ambientalmente segura. O lixo produzido e não coletado é disposto de
maneira irregular nas ruas, em rios, córregos e terrenos vazios, e tem efeitos
tais como assoreamento de rios e córregos, entupimento de bueiros com
consequente aumento de enchentes nas épocas de chuva, além da destruição
de áreas verdes, mau cheiro, proliferação de moscas, baratas e ratos, todos
com graves consequências diretas ou indiretas para a saúde pública.
Para reduzir a geração de resíduos sólidos urbanos, o Ministério do Meio
Ambiente fez estratégias no Plano Nacional de Resíduos Sólidos, que incluem fazer o
setor varejista inserir práticas de sustentabilidade em suas ações, educar o consumidor
para o consumo sustentável, incentivar a reciclagem de resíduos sólidos, promover
iniciativas voltadas à construção sustentável no setor de construção civil, incentivar o
desenvolvimento de sistemas de gestão ambiental voltados a produção sustentável e ao
reaproveitamento de resíduos sólidos, divulgar conceitos e informações relevantes
voltadas ao tema (BRASIL, 2011).

2.3. Gravimetria de Resíduos Sólidos


Os resíduos sólidos têm características físicas, químicas e biológicas. A
composição gravimétrica é uma característica física, que traduz o percentual de cada
componente em relação ao peso total da amostra de lixo analisada. Os componentes
mais utilizados para determinar a composição gravimétrica de resíduos sólidos urbanos
são matéria orgânica, papel, papelão, plástico rígido, plástico maleável, PET, metal
ferroso, metal não ferroso, alumínio, vidro claro, vidro escuro, madeira, borracha,
couro, pano/trapos, ossos, cerâmica e agregado fino.
Porém, muitas vezes são considerados apenas alguns componentes, como o
papel/papelão, plásticos, vidros, metais, matéria orgânica e outros. Essa simplificação
não serve para um estudo preciso de reciclagem ou de coleta seletiva, pois, por
exemplo, o mercado de plásticos rígidos é diferente do mercado de plásticos maleáveis
(IBAM, 2001). A tabela 1 abaixo mostra a composição gravimétrica do lixo brasileiro,
comparando com outros países:

Tabela 1 – Composição Gravimétrica do lixo de alguns países (%)

Composto Brasil Alemanha Holanda EUA


Matéria Orgânica 65,00 61,20 50,30 35,60

Vidro 3,00 10,40 14,50 8,20

Metal 4,00 3,80 6,70 8,70

Plástico 3,00 5,80 6,00 6,50

Papel 25,00 18,80 22,50 41,00

Total 100 100 100 100

Fonte: IBAM (2001)

Segundo a ABRELPE (2012), a região Sul do Brasil é a que menos produz lixo
por habitante por dia, com 0,905 kg/hab./dia. A média brasileira é de 1,228 kg/hab./dia.
“O conhecimento da composição gravimétrica permite uma avaliação preliminar da
degradabilidade, do poder de contaminação ambiental, das possibilidades de
reutilização, reciclagem, valorização energética e orgânica dos resíduos sólidos
urbanos.” (SOARES, 2011, p. 11).

2.3.1 Gravimetria nas Instituições de Ensino


Instituições de ensino superior de todo o mundo buscam por um modelo de gestão
ambiental para universidades. Na maioria das vezes, as tentativas de gestão ambiental
em universidades do mundo e do Brasil são apenas práticas isoladas. Isso mostra que as
instituições de ensino estão tentando se adaptar buscando um desenvolvimento
sustentável (JULIATTO; CALVO; CARDOSO, 2011). Segundo Bresolin, Durks e
Pietrobon (2014, p. 14):
As universidades podem ser comparadas à pequenos núcleos urbanos, pois
também são grandes geradoras de resíduos, uma vez que apresentam
características de geração semelhantes, tais como resíduos de limpeza,
jardinagem, alimentação, resíduos gerados nos setores administrativos, nas
salas de aula, entre outros resíduos classificados.
No ambiente universitário, são encontrados diversos tipos de resíduos, como
papel, plástico, metais, matéria orgânica e rejeitos. A implantação de um plano de
gestão integrada de resíduos sólidos orienta os procedimentos corretos para a coleta,
tratamento e destino final dos resíduos, além de também promover ações com a
comunidade acadêmica (MESQUITA; SARTORI; FIUZA, 2011). Como exemplo a ser
analisado, o Câmpus universitário de Pato Branco da Universidade Tecnológica Federal
do Paraná tem um plano de gerenciamento de resíduos sólidos, que tem como objetivos:
Atender a todas as normatizações ambientais referentes ao gerenciamento dos
resíduos sólidos, minimizar a geração e monitorar os resíduos sólidos gerados
no Câmpus, de modo a garantir a qualidade da segregação dos resíduos na
fonte, promover a conscientização da comunidade acadêmica quanto à
minimização da geração e quanto à correta segregação na fonte dos resíduos,
promover treinamentos com as equipes envolvidas com as etapas de
gerenciamento de resíduos sólidos no e cumprir com o Decreto Federal
nº5940/2006. (UTFPR, 2017)

Em estudo de gravimetria realizado na UTFPR de Medianeira, foi mostrado que a


maioria dos resíduos da universidade são orgânicos (66%), seguidos por papel (12%),
rejeitos (10%) e plástico (9%) (BRESOLIN; DURKS; PIETROBON, 2014).

3 Aspectos Metodológicos
A metodologia é um agrupamento de formas pelas quais se conduz uma
investigação científica, esclarecendo conceitos e métodos que determinam a realização
de determinados objetivos, sendo de fundamental importância para o desenvolvimento
de artigos. Para Mayano (2010), a metodologia inclui as concepções teóricas da
abordagem, associando-se com a teoria, pensamentos sobre a realidade, mas não
substituindo a originalidade do pesquisador.

3.1 Caracterização da área de estudo


Esta pesquisa foi desenvolvida na Universidade Tecnológica Federal do Paraná,
Câmpus Guarapuava. A cidade de Guarapuava está localizada a 25°23'36" latitude sul, e
51°27'19" longitude oeste, e faz parte da região centro-sul do estado do Paraná,
conforme destaque em vermelho na Figura 1 abaixo:

Figura 1: Localização de Guarapuava no estado do Paraná


Fonte: ABREU (2018)

O campus Guarapuava foi inaugurado em fevereiro de 2014, possuindo uma


infraestrutura de 7000 m² conforme Figura 2, onde está delimitado o terreno. De 2011 a
2013, esteve instalado na sede da Universidade Estadual do Centro-Oeste (Unicentro).
Atualmente, são ofertados quatro cursos superiores: Engenharia Civil, Engenharia
Mecânica, Tecnologia em Manutenção Industrial e Tecnologia em Sistemas para
Internet.

Figura 2: Localização do Câmpus Guarapuava da UTFPR

Fonte: Google Maps


3.1 Modos de estudos
A pesquisa de acordo com a sua natureza é aplicada, pois se refere ao método
científico que envolve a prática. Utilizando teorias e conhecimentos, com finalidade de
encontrar soluções para os dados levantados.
A pesquisa aplicada, por sua vez, apresenta muitos pontos de contato com a
pesquisa pura, pois depende de suas descobertas e se enriquece com o seu
desenvolvimento; todavia, tem como característica fundamental o interesse
na aplicação, utilização e consequências práticas dos conhecimentos. Sua
preocupação está menos voltada para o desenvolvimento de teorias de valor
universal que para a aplicação imediata numa realidade circunstancial. De
modo geral é este o tipo de pesquisa a que mais se dedicam os psicólogos,
sociólogos, economistas, assistentes sociais e outros pesquisadores sociais
(GIL, 2009, p.27).

Trata-se de uma abordagem de problema quantitativo, pois é baseado em


representatividade numérica com ênfase em comparação de resultados e no uso de
esquemas estatísticos. Conforme Creswell (2007, p.35), “a técnica quantitativa é aquela
em que o investigador usa o raciocínio de causa e efeito, uso de mensuração, e
observação, testes e teorias, empregando estratégias de investigação”.
Todavia, a abordagem será também qualitativa embasando a observação
cuidadosa dos ambientes onde foram coletados os resíduos e onde serão descartados.
Ainda para Creswell (2007, p.35), “uma técnica qualitativa é aquela em que o
investigador sempre faz alegações de conhecimento com base em perspectivas
construtivistas ou participatórias. Ela também usa estratégias como estudos baseados em
teoria e na realidade”.
De caráter exploratório e descritivo o estudo assume formas bibliográficas
preliminares, não necessitando de elaboração de suposições a serem provadas, definindo
objetivos de estudo de caso e buscando novas informações. O levantamento
bibliográfico tem a intenção de propiciar a familiaridade do aluno com a área de
aplicação, assim como a sua delimitação. Sendo de suma importância para que o
problema seja elaborado categoricamente (GIL, 2002). Como objetivo descritivo,
desenvolveu-se utilizando técnicas padronizadas de coleta de dados para apresentar os
resultados. Conforme Gil (2002, p.42) “as pesquisas descritivas têm como objetivo
primordial a descrição das características de determinada população ou fenômeno ou,
então, o estabelecimento de relações entre variáveis”. Os dados por serem coletados em
seu in loco, foram registrados para estudo e análise.
Quanto aos procedimentos técnicos, esta pesquisa se caracteriza por ser
bibliográfica, documental e estudo de caso. Bibliográfica, tendo em vista que foi
utilizado neste estudo material publicado e acessível, constituído de livros, normas,
dissertações e artigos científicos. A análise documental se ateve no resultado de um
artigo sobre gravimetria de resíduos sólidos, anteriormente realizado por colaboradores
docentes da instituição. O estudo de caso se caracteriza pela peculiaridade e
detalhamento, focando conhecimentos, realizado na Universidade Tecnológica Federal
do Paraná, Câmpus de Guarapuava.

3.2 Realização da Gravimetria


No dia 27/04/2018 das 10h30min ao meio-dia, foram coletadas 06 amostragens de
resíduos sólidos no Câmpus da UTFPR de Guarapuava, abrangendo os edifícios de
ensino e, administração/reitoria, com características próprias e diferenciadas equivalente
há uma semana de despojos estocados. A utilização da mão de obra foi dos próprios
autores da pesquisa visando garantir a confiabilidade dos dados obtidos, contando
também com o apoio de dois professores voluntários do curso de Engenharia Civil para
a seleção e pesagem.
Os resíduos foram triados nos seguintes grupos: rejeitos (lixos de banheiros,
guardanapos sujos); plásticos; tetra paks; papéis; orgânicos e giz/vidros/madeiras. A
separação ocorreu da seguinte forma:
1- Os sacos plásticos com resíduos foram apanhados em baias que estão
localizadas em um dos blocos, e encaminhados para a garagem da
Universidade que foi escolhida como local de trabalho conforme Figura 3.

2- A manipulação dos resíduos foi realizada com a utilização de luvas. Os


mesmos foram separados conforme categoria (Figura 4), ensacados
novamente em novas embalagens plásticas, e logo foi realizada a pesagem
em uma balança mecânica fornecida pela UTFPR.

3- Finalizadas essas etapas, os resultados da pesagem foram anotados e os


invólucros levados para as respectivas baias. Segundo o DESEG,
Departamento de Serviços Gerais, duas vezes por semana o caminhão do
lixo recolhe os resíduos destinando ao aterro sanitário da cidade de
Guarapuava.

Figura 3 – Disposição das embalagens

Fonte – Dados dos autores.

Figura 4 – Triagem dos resíduos sólidos


Fonte – Dados dos autores.
A triagem é essencial para a recuperação dos resíduos de modo a que possam ser
reutilizados. Após a separação, foram elaborados gráficos, quadros e tabelas,
correlacionando os dados obtidos e também realizada uma comparação com outros
estudos levantados na instituição conforme consta no item abaixo.

4 Resultados e Comparações

A composição média semanal dos resíduos sólidos gerados nos edifícios da


UTFPR-GP encontra-se na Tabela 2.

Tabela 2 – Composição média semanal dos resíduos sólidos

Item Quantidade (Kg) Percentual


Rejeitos 38,20 53,50%
Plásticos 6,60 9,24%
Tetra Paks 1,20 1,68%
Papéis 4,90 6,86%
Orgânicos 1,00 1,41%
Giz/Vidros/Madeiras 0,80 1,12%
Não Separados 18,70 26,19%
Total/Semana 71,40 100%
Fonte: Dados dos Autores (2018).

De acordo com os dados apresentados na Tabela 2, aproximadamente 71,40 quilos


de resíduos sólidos são produzidos semanalmente nos blocos da Instituição, equivalente
a 285,60 quilos mensais, sem contabilizar o restaurante universitário onde são geradas
inúmeras sobras orgânicas.
Para uma melhor visualização e entendimento, foi elaborado o Gráfico 1 com os
devidos percentuais da gravimetria. Pela demonstração, um dos itens mais gerados são
os Rejeitos, compreendendo um percentual de 53,50%, seguido pelos plásticos com
9,24%. Os resíduos menos produzidos são o Giz (grande maioria inteiros)
/Vidros/Madeiras, com um percentual de 1,12%.
Gráfico 1 – Percentual da gravimetria

Rejeitos
26.19% Plásticos
Tetra Paks
1.12% 53.50%Papéis
1.41%
Orgânicos
6.86%
Giz/Vidros/Madeiras
1.68% Não Separados
9.24%

Fonte – Dados dos autores.

Como o tempo foi limitado para a triagem dos resíduos, 26,19% não puderam
ser separados como se observa no Gráfico 1, totalizando aproximadamente 18,70 quilos
semanais. Incluindo outro fator inconveniente que se refere ao local de trabalho, onde
foi escolhida a garagem da universidade por possuir um espaço pouco maior do que as
outras dependências, porém a seleção foi realizada em solo (Figura 2) e sem auxílio de
mesas para a classificação.
Mesmo havendo uma quantidade não exorbitante de resíduos não separados,
notou-se uma redução significativa na quantidade média de papéis (6,86%) gerada neste
estudo em relação aos 13,38% da pesquisa da Comissão do Plano de Logística
Sustentável (PLS), de acordo com o Gráfico 2, com diferença em percentual de peso de
6,56%. Salientando que o levantamento de 2017, também foi contabilizado partindo da
junção de resíduos referente há uma semana.
Sabendo-se que por ser uma universidade, há um grande número de papéis
descartados, porém, com moderação. Segundo Reinfeld (1994), o papel é um dos
maiores componentes dos aterros sanitários, representando até 50% do total de resíduos
secos. A reciclagem do papel reduz a poluição da água em até 35% e a do ar em 65%,
além de poupar a natureza.

Gráfico 2 – Total da gravimetria de resíduos sólidos (24/11/2017)


0%
10%

32% 13%

0%
4%

40%

PLÁ STICOS PAPEL TETRA PAK PAPELÃ O


ORGÂ NICOS REJEITOS Vidro/ Madeira/ Giz/ Borracha MADEIRA

Fonte – Dados da comissão do PLS.

Existem diversos pontos estratégicos na Universidade, onde estão colocadas


lixeiras com a cor padrão da coleta seletiva, de acordo com o tipo de resíduo, ou seja,
papel, plástico, vidro, orgânico, metal. Porém há um descaso quando os mesmos são
descartados, não sendo direcionados para o recipiente correto, na maioria dos casos
estão misturados.

4.1 Procedimentos internos em execução

A implantação da gravimetria de resíduos sólidos tem muitas vezes como obstáculos,


impasses técnicos para a disponibilidade de recursos organizacionais. Na UTFPR de
Guarapuava, essa etapa está se iniciando, através de profissionais capacitados e
dedicados para a inserção de tais projetos, aspirando benefícios da sociedade
universitária. Está ocorrendo a tentativa de implementar uma composição gravimétrica
mensal. Além disso, iniciar uma sensibilização para a separação dos resíduos e
disponibilizar lixeiras para os resíduos secos.
Atualmente os materiais tais como lâmpadas, pilhas e baterias estão sendo
armazenados, pois a universidade não tem uma produção que justifique o descarte. E,
também devido à pequena produção, as empresas não aceitam vir buscar.
No novo contrato de troca das lâmpadas a empresa tem levado embora, dentro da
logística reversa. 
Como citado no conteúdo acima, duas vezes por semana o caminhão do lixo
recolhe os resíduos sólidos e orgânicos que estão depositados nas caçambas conforme
Figura 5:
Figura 5 – Caçambas com Resíduos Sólidos
Fonte – Dados dos autores.

4 Conclusão
A especificação da constituição gravimétrica permite que a Universidade
conheça a porcentagem média das frações de cada tipo de resíduo gerado, consentindo
uma planificação das atividades voltadas ao gerenciamento. Para dispor de uma gestão
adequada dos resíduos, inicialmente é necessário o desenvolvimento de programas de
educação com ênfase na coleta seletiva, a qual contribuirá para o destino final em prol
do meio ambiente e da sociedade (FERREIRA, 2008). Para que isso aconteça, é
indispensável a integração das práticas da sustentabilidade, iniciando com a
conscientização em todos os níveis de público, abrangendo professores, funcionários e
alunos. As decisões devem ser tomadas através de planejamento, treinamento e
atividades para um adequado gerenciamento de resíduos sólidos.
O objetivo deste artigo não foi alcançado em sua plenitude, porque houveram
algumas limitações no tempo de coleta, restrito apenas em duas aulas para a triagem dos
resíduos, não obtendo êxito para a seleção de todo o material existente para uma
semana. Frisando que é de suma importância ter um local adequado, assim como mesas
para a classificação dos despojos. Porém, este é o começo de um processo para se
minimizar os impactos ambientais em prol do meio ambiente e da qualidade de vida da
comunidade universitária e da sociedade de modo geral.
Para trabalhos futuros há intenção em incluir a gravimetria de despejos extraídos
do Restaurante Universitário (RU), obtendo-se a mensuração completa de toda a
instituição, principalmente sobre os resíduos orgânicos. Inclusive, realizar publicação
científica em revistas, congressos ou eventos do gênero.
 
Referências Bibliográficas

ABREU, Raphael L. Cidades - Localização. Guarapuava/Paraná/2006. Disponível em


https://www3.unicentro.br/visitantes/cidades/. Acesso 08/06/2018.
ALL, Resíduo. Classificação de resíduos sólidos – Rio de Janeiro/2017. Disponível em
http://residuoall.com.br/2017/03/20/classificacao-de-residuos-solidos-parte-ii/. Acesso em: 01/05/2018.

AMBIENTAL, Master. Gerenciamento de resíduos – Londrina/Paraná/2005. Disponível em


https://www.masterambiental.com.br/consultoria-ambiental/gerenciamento-de-residuos/. Acesso em:
01/05/2018.
BRASIL. Plano Nacional de Resíduos Sólidos. Versão preliminar para consulta pública. 09/2011.
Disponível em: http://www.mma.gov.br/estruturas/253/_publicacao/253_publicacao02022012041757.pdf.
Acesso em 29/05/2018.
BRASIL. Lei n. 12.305, de 2 de agosto de 2010. Política Nacional de Resíduos Sólidos – Brasília/DF,
ago. 2010. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12305.htm.
Acesso em 29/05/2018.
BRASIL. Ministério do Meio Ambiente, Conselho Nacional do Meio Ambiente, CONAMA. Resolução
CONAMA nº 306, de 5 de julho de 2002. – In: Resoluções, 2002. Disponível em
http://www.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=306. Acesso em 28/05/2018.
BRESOLIN, Ana Cristina; DURKS, Angélica Fernanda; PIETROBON, Janine. Caracterização dos
Resíduos Sólidos Gerados na Universidade Tecnológica Federal do Paraná – Câmpus Medianeira.
63 f. TCC (Graduação) - Curso de Gestão Ambiental, Universidade Tecnológica Federal do Paraná,
Medianeira, 2014.
CRESWELL, John W. Projeto de pesquisa: Métodos qualitativo, quantitativo e misto. 2 ed. Porto
Alegre: Artmed, p.35. 2007.
FERREIRA, Roberta Celestino. Educação Ambiental e Coleta Seletiva de Lixo – Porto Alegre, Rio
Grande do Sul/2008. Disponível em http://www.cenedcursos.com.br/meio-ambiente/educacao-ambiental-
e-coleta-seletiva-do-lixo/. Acesso em: 21/05/2018.
FURIAM, S. M.; GÜNTHER, W. R. Avaliação da Educação Ambiental no Gerenciamento dos
Resíduos Sólidos no Câmpus da Universidade Estadual de Feira de Santana. Revista Sitientibus, nº.
35, pp. 7-27, julho – dezembro, 2006.
GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6 ed. São Paulo: Atlas, p.27. 1999.
________________. Como elaborar projetos de pesquisa. 4 ed. São Paulo: Atlas, 2002.
IBAM. Manual de Gerenciamento Integrado de resíduos sólidos. Coordenação técnica Victor Zular
Zveibil. Rio de Janeiro: IBAM, 2001.
IBGE. Vocabulário Básico de Recursos Naturais e Meio Ambiente. 2ª Edição, 2004. Disponível em
https://ww2.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/vocabulario.pdf. Acesso em: 21/05/2018.
JACOBI, Pedro Roberto; BESEN, Gina Rizpah. Gestão de Resíduos Sólidos em São Paulo: desafios da
sustentabilidade. Estudos Avançados, São Paulo, v. 25, n. 71, p.135-158, 2011.
JULIATTO, Dante Luiz; CALVO, Milena Juarez; CARDOSO, Thaianna Elpídio. Gestão Integrada de
Resíduos Sólidos para Instituições de Ensino Superior. G.U.A.L., Florianópolis, v. 4, n. 3, p.170-193,
set/dez. 2011.
KLIPPEL, Adriana da Silva. Gerenciamento de resíduos sólidos em escolas públicas. Monografia
(Especialização em Gestão Ambiental em Municípios) - Universidade Tecnológica Federal do Paraná,
Medianeira, p.11. 2015.
MESQUITA, Eduardo Georges; SARTORI, Hiram Jackson F.; FIUZA, M. Sílvia Santos.
Gerenciamento de resíduos sólidos: estudo de caso em campus universitário. Construindo, Belo
Horizonte, v. 3, n. 1, p.37-45, jan/jun 2011.
MINAYO, Maria Cecília de Souza (org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 29. ed.
Petrópolis, RJ: Vozes, 2010.
NASCIMENTO, Luis Felipe. Gestão ambiental e sustentabilidade. 2012. 148p. Universidade Federal
de Santa Catarina, Florianópolis, 2012.
OLIVEIRA, Otávio J.; PINHEIRO, Camila Roberta Muniz Serra. Implantação de sistemas de gestão
ambiental ISO 14001: uma contribuição da área de gestão de pessoas. Gestão & Produção, [s.l.], v.
17, n. 1, p.51-61, 2010. FapUNIFESP (SciELO). Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/s0104-
530x201000010000. Acesso em: 21/05/2018.
POLAZ, Carla Natacha Marcolino; TEIXEIRA, Bernardo Arantes do Nascimento. Indicadores de
sustentabilidade para a gestão municipal de resíduos sólidos urbanos: um estudo para São Carlos
(SP). Engenharia Sanitária e Ambiental, São Carlos, v. 14, n. 3, p.411-420, jul/set. 2009.
REINFELD, Nyles V. Sistemas de reciclagem comunitária. São Paulo: Makron Books, 1994.
SOARES, Erika Leite de Souza Ferreira. Estudo da Caracterização Gravimétrica e Poder Calorífico
dos Resíduos Sólidos Urbanos. 2011. 133 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Engenharia Civil,
Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2011.
SILVA, Yago Bock. O principio da sustentabilidade na gestão ambiental empresarial – PUCRS - Rio
Grande do Sul/2016. Disponível em http://conteudo.pucrs.br/wp-content/uploads/sites/11/2017/03/yago_-
silva_2016_2.pdf. Acesso em: 01/05/2018.
SUSTENTABILIDADE. Dicionário Online de Português. Disponível em
https://www.dicio.com.br/sustentabilidade/. Acesso em 29/05/2018.
UTFPR. Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos - Câmpus Pato Branco. 2017. Disponível em
http://www.utfpr.edu.br/patobranco/estrutura-universitaria/diretorias/dirplad/sistema-de-gerenciamento-
de-residuos/pgrs-campus-pato-branco. Acesso em 08/06/2018.
VAN BELLEN, Hans Michael. Indicadores de Sustentabilidade: uma análise comparativa. 2002. 220
f. Tese (Doutorado) - Curso de Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina,
Florianópolis, 2002.
VENTURA, Luiz Cláudio Silva. Análises de Crises Ambientais e eventuais soluções no campo da
Gestão Ambiental. 2012. 49 f. Monografia (Especialização) - Curso de Gestão Ambiental, AVM
Faculdade Integrada, Rio de Janeiro, 2012.