Você está na página 1de 2

A lógica do cotidiano

A lógica e o cotidiano- Explicação

Qual a correspondência entre o cantar de um galo e o nascer do sol?

Convido você aluno para que nos acompanhe no livro de filosofia nas paginas 94 a 96. O
motivo do nosso convite é simples: trataremos de um assunto com reflexos em muitos
momentos de nossas vidas e em grande parte das relações que estabelecemos com o mundo e
que esteve presente durante toda a história da humanidade.

O assunto?

Um tipo de construção de pensamento classificado pela lógica de falácia post hoc. O nome soa
estranho, sim, mas explicaremos o que isto significa.

Vou começar dizendo que post hoc é uma expressão latina. Ela quer dizer nada mais do que
“depois disto”, e é uma abreviação da frase post hoc ergo propter hoc (depois disto, logo, por
causa disto).

Uma dança poderia causar chuva?

Já no que diz respeito à falácia, podemos dizer que damos este nome em lógica a um
argumento inválido, que não tem consistência.

Unindo uma coisa à outra, é possível dizer então que uma falácia post hoc é um tipo de
argumento que consiste em dizer que, pelo simples fato de um evento ter ocorrido logo após o
outro, eles têm uma relação de causa e efeito. A forma lógica deste argumento é a seguinte:

 Quando o evento A acontece, em seguida, o evento B também ocorre.

 Portanto, o evento A é causa do evento B.

Difícil? Nem tanto. Vamos a alguns exemplos para que fique mais fácil de entendermos o que
isto significa:

• O galo sempre canta antes do nascer do sol. Logo, o sol nasce porque o galo canta.
• Beba bastante líquido que, em duas semanas, a gripe desaparecerá.
• Muitas tribos batem tambores durante um eclipse solar para que os deuses devolvam o sol e
eles sempre devolvem.

Note que o que acontece nos três casos é o mesmo: há confusão entre o efeito, seja ele o
nascimento do dia, o desaparecimento da gripe ou o retorno do sol, e as suas causas (toma-se
coisas que apenas por coincidência ocorreram antes do evento como a causa do mesmo) . Nos
exemplos que dei, esta confusão parece ser algo cotidiano, banal até, fruto de distração por
parte de alguém que desconhece ou não presta atenção nas coisas ao seu redor. Mas será que
a falácia post hoc é algo assim tão simples?

Vá pensando se não há algo que aconteça em sua vida que envolva este tipo de questão. Nas
próximas semanas conversaremos mais sobre isso.
Mais exemplos sobre: A lógica no cotidiano

Sempre que pensamos, o raciocínio e a lógica nos acompanham necessariamente. Também


quando falamos, pois a palavra falada é a representação do pensamento; e, visto que a palavra
escrita é a representação da palavra falada, também pensamos quando escrevemos, utilizando
a Lógica Percebemos a importância da Lógica na nossa vida não só na teoria, como também na
prática, já que quando queremos pensar, falar ou escrever corretamente precisamos colocar
em Ordem o Pensamento, isto é, utilizar a Lógica.

A lógica no cotidiano Lógica

Exemplos:

a)A gaveta está fechada.


A bala está na gaveta.
Preciso primeiro abrir a gaveta, para depois pegar a bala.

b) João é mais velho que José.


Marcelo é mais novo que José.
Portanto, João é mais velho que Marcelo.

Abraços e até!