Você está na página 1de 50

O Protestantismo Norte-

americano: Séculos 17 a 19 –
CPAJ
Ementa: como principal matriz do protestantismo brasileiro, o seu
congênere norte-americano é merecedor de análise cuidadosa. O período
estudado vai desde o início da colonização inglesa das Treze Colônias,
através de anglicanos e puritanos, até as grandes transformações que se
seguiram à Guerra Civil.

1. Primórdios (1607-1700)

1.1 Antecedentes

Os primeiros cristãos a se fixarem no atual território dos Estados Unidos


foram católicos romanos originários da Espanha e da França.

(a) Nova Espanha


A colonização espanhola da América do Norte teve início com a conquista
do México por Hernando Cortés, em 1519-21. A administração colonial
espanhola com freqüência oprimiu a população nativa, mas os
missionários muitas vezes realizaram um trabalho notável entre os
indígenas. Os principais missionários foram os franciscanos, que atuaram
na Flórida, Texas, Novo México e Califórnia. No Novo México, em 1630,
cerca de 35 mil índios cristãos concentravam-se ao redor de vinte e cinco
estações missionárias. Em 1680, os índios pueblo destruíram Santa Fé e
mataram dois terços dos missionários. Em 1691-1711, Eusébio Kino
trabalhou no Novo México e no Arizona. O grande pioneiro da Califórnia
foi Junípero Serra, que em 1769 fundou uma missão em San Diego. Nos
próximos 75 anos, foram fundadas 21 estações missionárias, sendo a
última San Francisco Solano (1823). Nesse período, cerca de 100 mil índios
foram batizados.

(b) Nova França


A França teve o controle do Canadá e do meio-oeste dos futuros Estados
Unidos desde a fundação de Québec por Samuel de Champlain em 1608
até a derrota diante dos ingleses em 1759. Além de trabalhar entre os
colonos franceses, os sacerdotes também evangelizaram os índios. Embora
os franciscanos tenham dado uma contribuição significativa, os principais
missionários foram os jesuítas, destacando-se entre eles o padre Jean de
Brebeuf. Chegado em 1626, ele obteve considerável êxito na conversão dos
índios hurons, demonstrando grande sensibilidade cultural e genuíno
interesse pelo bem-estar dos mesmos. Brebeuf foi morto pelos índios
iroqueses em 1649. Uma admirável missionária foi Marie Guyart (1599-
1672), ligada à ordem das ursulinas. Os jesuítas fundaram diversas missões
no vale do Rio Mississipi até a Luisiana, as quais, todavia, produziram
poucos resultados permanentes.

1.2 Os primeiros grupos

A Inglaterra foi a principal responsável pela colonização do território


norte-americano e dela vieram os primeiros grupos protestantes a se
fixarem nos Estados Unidos. A ruptura de Henrique VIII com Roma (1534)
foi o primeiro passo para a criação da Igreja Anglicana, que se tornou
protestante nos reinados de seus filhos Eduardo VI (1547-53) e Elizabete I
(1558-1603). No reinado de Maria Tudor (1553-58), que tentou tornar a
igreja inglesa novamente católica, muitos líderes protestantes refugiaram-
se em Genebra e em outras cidades reformadas suíças e alemãs. Ao
retornarem à pátria, já no reinado de Elizabete, alguns desses líderes e
muitos que haviam permanecido na Inglaterra, mobilizaram-se em prol de
uma reforma mais sistemática da igreja. Foi isso o que deu origem ao
puritanismo na década de 1560.

(a) Virgínia
A primeira colônia inglesa do Novo Mundo foi a Virgínia, que teve início
com a fundação de Jamestown em 1607. Como parte da incorporação da
colônia, a Igreja da Inglaterra tornou-se a sua igreja oficial. Embora em um
grau menor que na Nova Inglaterra, a religião teve bastante destaque na
Virgínia. Seu primeiro código de leis tornou compulsória a freqüência aos
cultos dominiciais e continha normas rigorosas contra o adultério, a
violação do dia do Senhor e os excessos no vestuário. A preocupação
missionária em relação aos índios também estava presente. John Rolfe
casou-se com a lendária Pocahontas em parte para comunicar-lhe a fé
cristã. Alexander Whitaker, o principal ministro dos primeiros tempos
sempre se preocupou em converter os indígenas. A chegada de escravos
africanos a partir de 1619 traria grandes conseqüências para a sociedade e
para a igreja.

(b) Plymouth
Os primeiros puritanos a migrarem para a América estabeleceram-se em
Plymouth, Massachusetts, em 1620. Quando o escocês Tiago I sucedeu
Elizabete no trono inglês (1603-1625), sua recusa em apoiar a causa dos
puritanos desapontou os protestantes mais radicais, entre os quais
estavam algumas igrejas locais separadas da igreja nacional. Uma delas,
localizada em Scrooby, Nottinghamshire, resolveu mudar-se para um
ambiente mais amistoso. Inicialmente, foram para a Holanda, mas não se
adaptaram à nova cultura. Além disso, temiam que seus filhos
abandonassem os seus princípios religiosos sob a pressão de interesses
econômicos e de outras igrejas. Doze anos depois, resolveram transferir-se
para o Novo Mundo, sob o patrocínio de comerciantes ingleses.
Embarcados no Mayflower em setembro de 1620, pretendiam ir para a
Virgínia, mas os ventos tempestuosos os desviaram para Cape Cod, onde
chegaram em novembro. Antes de desembarcarem, os homens assinaram
um acordo pelo qual se comprometeram a manter a solidariedade do grupo
e a renunciar à busca individual do lucro. William Bradford (†1657), o
primeiro governador e historiador da colônia, escreveu um comovente
relato dos rigores do primeiro inverno, no qual morreu a metade dos
“peregrinos”. Eventualmente, os colonos superaram as dificuldades iniciais
e após a primeira colheita realizaram uma celebração especial de ação de
graças, com vários dias de duração, juntamente com seus amigos
indígenas. Em 1630, a colônia tinha somente 300 residentes, mas
continuou a prosperar e em 1691 uniu-se à colônia de Massachusetts.

1.3 Os puritanos da Nova Inglaterra


Muito mais importante para a história política e religiosa dos Estados
Unidos foi outra colônia puritana que se estabeleceu um pouco ao norte de
Plymouth. A experiência dos puritanos da Nova Inglaterra veio a dominar
as percepções posteriores da história inicial do protestantismo norte-
americano por diversas razões: líderes destacados (John Winthrop, John
Cotton, Cotton Mather, etc.), influência social e política, contribuição
democrática, ênfase à educação e energia moral.

Os primeiros puritanos ingleses queriam eliminar os vestígios do culto e


das práticas católicas romanas que sobreviviam na Igreja da Inglaterra
moldada por Elizabete I, Tiago I e seus conselheiros. Eles queriam
completar a Reforma e completá-la sem demora. As suas principais
convicções podem ser sintetizadas em quatro pontos: (1) Os puritanos
criam que a humanidade depende inteiramente de Deus para a sua
salvação. Os seres humanos são pecadores que não irão buscar
reconciliação com Deus a menos que este tome a iniciativa de salvá-los
(afirmação plena da soberania divina). (2) Os puritanos acentuavam a
autoridade das Escrituras. Eles criam que a Bíblia tem uma autoridade
“reguladora”: isto significa que, até onde possível, os cristãos devem fazer
somente o que as Escrituras prescrevem diretamente. (3) Os puritanos
criam, como o maior parte dos europeus daquela época, que Deus havia
criado a sociedade como um todo unificado. A igreja e o estado, as esferas
individual e pública, eram áreas complementares. Essa convicção estava
por trás dos seus esforços em criar colônias nas quais todos os aspectos da
vida refletissem a glória de Deus. (4) Os puritanos criam que Deus
relaciona-se com as pessoas através de pactos ou acordos solenes. De modo
especial, os puritanos congregacionais da Nova Inglaterra enfatizavam que
as igrejas locais surgiam quando crentes individuais pactuavam-se para
servir a Deus como um grupo e fazer a sua vontade. Quase todos os tipos
de puritanos também sustentavam que Deus estabelecia alianças com
nações, em particular aquelas que haviam recebido um conhecimento
especial das verdades bíblicas. O puritanismo extraiu boa parte de sua
força do sutil entrelaçamento dessas alianças (família, igreja e
comunidade).
A grande migração puritana para o Novo Mundo ocorreu quando
diminuíram os prospectos de reforma na Inglaterra. Carlos I, que sucedeu
o seu pai Tiago I (1625-1649), não apenas tinha tendências católicas
romanas, mas parecia decidido a governar a Inglaterra por direito divino.
Ele entrou em conflito com o parlamento e, a partir de 1629, tentou
governar sem convocar o mesmo. Ele encarregou o arcebispo de Cantuária,
William Laud, de eliminar o puritanismo da Igreja Anglicana. Em 1628,
um grupo de puritanos simpatizantes da estrutura eclesiástica
congregacional adquiriu o controle da Companhia da Nova Inglaterra.
Depois que a companhia foi reorganizada visando dar ênfase à colonização
e não ao comércio, e depois de ter obtido um novo estatuto do rei
concedendo maior autonomia administrativa, ocorreu a primeira migração
para a Baía de Massachusetts, em 1630 (mais de 1000 colonos). Nos dez
anos seguintes, pelo menos 20 mil colonos cruzaram o Atlântico, nem
todos eles puritanos convictos.

1.3.1 Fé e vida

O puritanismo foi a religião dominante em quatro colônias americanas:


Plymouth; Massachusetts (que absorveu Plymouth em 1691); Connecticut,
que surgiu em 1636 quando vários pastores sob a direção do Rev. Thomas
Hooker levaram colonos de Massachusetts para o vale do Rio Connecticut;
e New Haven, fundada em 1638 sob a liderança do Rev. John Davenport e
do governador Theophilus Eaton. Em 1662 estas duas últimas colônias
tornaram-se uma só.

A primeira geração de colonos puritanos acreditou que seria possível


realizar o seu grande projeto de reforma que se mostrara inviável na
Inglaterra. O padrão foi estabelecido por Massachusetts e ficou conhecido
como “New England Way” (O Caminho da Nova Inglaterra). Logo que
chegaram, os ministros e os magistrados concordaram na necessidade de
evidências mais visíveis de conversão. Deu-se uma nova ênfase à
experiência de conversão como critério para a plena admissão na igreja. Os
candidatos a membros deviam não só aceitar as doutrinas puritanas e viver
com integridade, mas também testemunhar diante dos irmãos que haviam
experimentado a graça redentora de Deus. Aqueles que pudessem testificar
de modo aceitável acerca de sua salvação constituíam igrejas pela aliança
de uns com os outros.

Somente tinham direitos políticos os homens que eram membros plenos


das igrejas pactuadas. Ou seja, o pacto da graça qualificava o indivíduo
tanto para ingressar na igreja quanto para exercer o direito de voto na vida
pública da colônia. Essa vida pública por sua vez cumpria o pacto social
com Deus, uma vez que os líderes eleitos pelos membros da igreja
formulavam leis que honravam as Escrituras. Todavia, a Nova Inglaterra
não era uma teocracia, pois os ministros não exerciam um controle direto
da vida pública. Era, no entanto, um lugar em que os magistrados
freqüentemente buscavam os conselhos dos pastores, inclusive quanto à
melhor maneira de promover a vida religiosa das colônias.

Por algum tempo, o sistema funcionou. Sob a liderança de John Winthrop,


o primeiro governador, metade dos homens da colônia filiou-se às igrejas e
participou do governo. As agitações ocorridas na Inglaterra na década de
1640, quando os puritanos coligados com os parlamentaristas guerrearam
contra o rei Carlos I, fizeram com que os puritanos de Massachusetts
aprovassem a Plataforma de Cambridge (1648), que reafirmou a sua
teologia reformada e a sua ordem eclesiástica de congregacionalismo não-
separatista. Esse congregacionalismo insistia vigorosamente na
uniformidade religiosa e buscava restringir ou excluir todos os dissidentes.

Os puritanos também se esforçaram por criar um sistema educacional que


preservasse o seu experimento. Em 1636 a legislatura de Massachusetts
autorizou a criação de um colégio, instalado dois anos depois quando o
jovem pastor John Harvard legou à nova instituição uma biblioteca de 400
volumes. Desde o início, o propósito primário do Harvard College foi a
preparação de pastores, mas seus objetivos não se limitavam a isso. A
educação primária e secundária também preocupou os líderes puritanos. A
“Cartilha da Nova Inglaterra” (The New England Primer), um livro que
ensinava noções básicas de leitura e redação através da Oração do Pai
Nosso, dos Dez Mandamentos e do Credo dos Apóstolos, tornou-se o livro-
texto mais popular de todas as colônias no século 18. Essa ênfase ao ensino
fez da Nova Inglaterra um dos lugares mais alfabetizados do mundo.

1.3.2 Crises

À medida que o tempo passou, um número cada vez maior de filhos dos
pioneiros deixou de ter a mesma experiência religiosa que os seus pais, não
podendo assim se tornar membros plenos da igreja. O problema agravou-
se quando esses filhos começaram a casar-se e ter os seus próprios filhos.
Segundo a teologia reformada dos puritanos, os convertidos tinham o
privilégio de trazer seus filhos para o batismo como selo da graça pactual
de Deus. Agora, muitos daqueles que haviam sido batizados como crianças
não estavam apresentando-se voluntariamente para confessar a Cristo;
todavia, queriam que seus filhos fossem batizados. O dilema era delicado:
os líderes puritanos desejavam preservar a igreja para os crentes
verdadeiros, mas também queriam manter tantas pessoas quanto possível
sob a influência da igreja. Um sínodo de ministros reunido em 1662
encontrou a solução através do “half-way covenant” (pacto do meio-
termo), pelo qual a segunda geração podia apresentar os filhos para o
batismo e filiação parcial à igreja. Todavia, a Santa Ceia e outros privilégios
ficavam reservados para aqueles que pudessem testificar sobre uma
atuação específica da graça de Deus em suas vidas.

Outras crises surgiram no final do século 17. A guerra contra os índios em


1675-76 trouxe devastação para as vilas mais afastadas e causou a morte de
centenas de colonos. Em 1685, as colônias da Nova Inglaterra perderam as
suas assembléias representativas e foram colocadas com Nova York e Nova
Jersey sob o controle da coroa inglesa. Esse expediente foi um esforço do
rei Tiago II (1685-88), um católico romano, no sentido de refrear os
protestantes radicais do Novo Mundo. Em 1687, a Igreja da Inglaterra
passou a oficiar o seu culto em Boston. As colônias recuperaram em parte a
sua autonomia depois que o parlamento substituiu o rei por novos
monarcas, William e Mary, em 1688. O novo estatuto de Massachusetts
(1691) era muito mais secular que o original. Ele estipulava que o
governador seria nomeado pelo rei. Ainda mais importante, agora o direito
de eleger a legislatura colonial seria determinado pela propriedade e não
pela filiação à igreja.

Uma das crises mais perturbadoras ocorreu em Salem Village, ao norte de


Boston, em 1692. Embora os processos e execuções por feitiçaria não
fossem desconhecidos na Nova Inglaterra, os eventos de Salem foram
muito além de incidentes anteriores. Em conseqüência de diversos fatores
religiosos, psicológicos e políticos e de vários meses de excitação
descontrolada, vinte pessoas foram executadas (quase todas mulheres e a
maioria por enforcamento). Finalmente, quando começaram a ser feitas
acusações contra indivíduos de caráter ilibado e quando líderes como
Increase Mather, o pastor de Boston, protestaram contra os
procedimentos, o movimento rapidamente se esvaziou. Eventualmente,
chegou-se à conclusão que o diabo estivera mais atuante nos acusadores e
naqueles que lhes deram ouvidos do que nas pessoas acusadas. Até hoje
esses episódios constituem-se em uma mancha na reputação dos
puritanos.

Apesar desses problemas e do declínio religioso associado com a crescente


prosperidade material dos habitantes da Nova Inglaterra, as igrejas
puritanas continuaram a exercer um papel central na sua sociedade por
longo tempo.

1.3.3 Dissidências

Em meados do século 17, vários indivíduos e grupos desafiaram o


“caminho da Nova Inglaterra” e alguns deles foram banidos para a
pequena colônia de Rhode Island.

(a) Os batistas, que partilhavam de várias das convicções dos puritanos,


surgiram em Massachusetts logo após as primeiras migrações. A mais
antiga igreja batista da Inglaterra, fundada por John Smyth nas
proximidades de Londres em 1612, associou o calvinismo básico dos
puritanos com as práticas batismais dos menonitas holandeses, que
batizavam crentes adultos ao professarem a sua fé. Os puritanos sentiam-
se ameaçados pelos batistas, especialmente por sua insistência em que o
estado não tinha qualquer papel a desempenhar nas igrejas, bem como
pela maneira como as suas práticas batismais rompiam o vínculo existente
entre a fé pessoal, a orientação da igreja e a participação na sociedade mais
ampla. John Clarke, o principal pioneiro batista da Nova Inglaterra,
chegou em 1639 em Rhode Island, onde fundou a cidade de Newport. No
mesmo ano, foi fundada a primeira igreja batista da América.

Outro personagem ligado aos batistas foi o controvertido Roger Williams


(1603?-1683), que chegou a Massachusetts em 1631 depois de tornar-se
conhecido como um zeloso pregador puritano. Irrequieto e contestador,
Williams inicialmente fixou-se em Plymouth e em 1633 assumiu o
pastorado da igreja de Salem. Dentro de pouco tempo, as suas opiniões
atraíram a ira das autoridades da colônia. Ele afirmava que os puritanos no
tinham direito às terras indígenas do Novo Mundo porque tais terras
tinham sido espoliadas e, portanto, os estatutos coloniais eram ilegítimos.
Além disso, indivíduos que não haviam confessado a Cristo não podiam ter
responsabilidades em um pacto social. Os magistrados erravam ao impor a
freqüência à igreja e outros deveres espirituais, uma vez que as verdadeiras
ações cristãs procedem do coração.

Essas idéias ameaçavam quase todos os aspectos da vida da colônia e por


isso Williams foi expulso. John Winthrop propôs que o seu banimento
ocorresse na primavera, mas William resolveu partir em outubro de 1635.
Após um inverno rigoroso, ele finalmente chegou à Baía de Narragansett
em abril de 1636, onde fundou a cidade de Providence. Roger Williams é
conhecido como o primeiro grande “democrata” dos Estados Unidos, uma
reputação parcialmente justificada. Sob sua liderança, Rhode Island
tornou-se a primeira região das colônias norte-americanas em que a
liberdade de culto foi estendida a quase todos os grupos. Foi também a
primeira colônia que tentou uma separação entre as instituições da igreja e
do estado. Todavia, antes de tudo Williams foi um completo puritano. As
suas razões para defender a liberdade de culto e a separação entre igreja e
estado foram sobretudo religiosas.

(b) Anne Hutchinson (1591-1643) foi outra fiel puritana que incomodou as
autoridades de Massachusetts. Ela emigrou para a Nova Inglaterra a fim de
ficar perto do seu pastor, John Cotton, que se transferiu para Boston em
1633. Anne apreciava particularmente a sua mensagem sobre a livre graça
de Deus. Logo após a sua chegada, ela iniciou uma reunião de meio de
semana para comentar o sermão de Cotton no domingo anterior e tratar de
outras questões espirituais. Eventualmente, surgiu a suspeita de que as
suas idéias estavam se aproximando do antinomismo (para os puritanos, o
erro segundo o qual os cristãos não precisam dos Dez Mandamentos para
mostrar-lhes como viver). Em suas reuniões, ela argumentava que o crente
possuía o Espírito Santo e, portanto, não estava preso às exigências da lei.
Além disso, o simples fato de uma pessoa obedecer as leis da sociedade não
queria dizer que ela era realmente cristã. Como John Cotton ensinava
claramente, a salvação era pela graça e não pelas obras da lei.

As idéias de Hutchinson eram um corolário legítimo da teologia puritana


básica. A dificuldade estava no choque dessas noções com o projeto dos
puritanos na Nova Inglaterra. Se os indivíduos ficassem entregues a si
mesmos, o que seria da sociedade piedosa que os puritanos desejavam tão
ardentemente? As autoridades iniciaram um processo judicial em que a
senhora Hutchinson fez a sua própria defesa, citando as Escrituras e
argumentando cuidadosamente contra os líderes da colônia. Porém,
quando parecia que Anne Hutchinson havia silenciado os seus opositores,
ela cometeu o erro fatal de afirmar que o Espírito Santo comunicava-se
diretamente com ela à parte das Escrituras. Assim sendo, ela e seus
seguidores foram banidos em 1638. Após uma breve estadia em Rhode
Island e em Long Island, Anne fixou residência na colônia de Nova York,
onde pouco depois ela e a maior parte da sua família foram mortos pelos
índios.

(c) Cotton Mather (1662-1728) foi o mais notável líder dos puritanos no
período anterior ao Primeiro Grande Despertamento. Ele pastoreou a
igreja Old North Church, em Boston, ao lado do seu pai, Increase Mather, e
foi um grande defensor do Caminho da Nova Inglaterra. Todavia, Cotton
também se mostrou muito tolerante para com outras expressões do
cristianismo (no final da sua vida ele participou da ordenação de um pastor
batista quando isso ainda era considerado um passo bastante radical). Ele
foi também um escritor prolífico, tendo publicado mais de 400 livros e
panfletos, manteve uma vasta correspondência e foi um ardoroso promotor
da ciência (entre outras coisas, ele introduziu a vacinação contra varíola
em Boston).

1.4 Outros grupos

1.4.1 Anglicanos

Fora da Nova Inglaterra, a Igreja Anglicana foi o principal grupo religioso


existente nas antigas colônias inglesas. Ela tornou-se a igreja oficial da
Virgínia, partes da cidade de Nova York (1693), Maryland (1702), Carolina
do Sul (1706) e do Norte (1715) e Geórgia (1758). Todavia, os problemas
eram muitos, a começar do enorme tamanho das paróquias e da carência
de recursos. A falta de um bispo residente também criou sérias
dificuldades. No entanto, a igreja contou com os serviços de alguns líderes
dedicados como James Blair (1656-1743), que foi comissário ou
administrador da igreja da Virgínia por mais de meio século. Entre outras
coisas, ele fundou o “William and Mary College” em 1693. Outro líder
destacado foi Thomas Bray (1656-1730), o comissário da Igreja da
Inglaterra em Maryland entre 1696 e 1700. Durante sua breve estadia, ele
fundou duas agências que se tornariam muito influentes: a Sociedade para
a Promoção do Conhecimento Cristão (SPCK, 1699), que fornecia livros
para ministros e leigos, e a Sociedade para a Propagação do Evangelho em
Regiões Estrangeiras (SPG, 1701), voltada para missões entre os indígenas.
John Wesley, o fundador do metodismo, passou dezoito meses frustrantes
na Georgia com um jovem missionário (meados da década de 1730).

Ironicamente, a Igreja da Inglaterra eventualmente teve o seu maior êxito


em regiões nas quais não era a igreja oficial. Durante os grandes
reavivamentos de meados do século 18, os moradores da Nova Inglaterra
que buscavam uma igreja mais moderada e menos entusiástica voltaram-se
em grande número para o anglicanismo. Eventualmente os missionários
anglicanos fundaram um certo número de igrejas fortes na Pensilvânia,
Nova Jersey e Long Island.
1.4.2 Católicos romanos

George Calvert (1580?-1632) e seu filho Cecil (1605-1675), primeiro e


segundo Lordes Baltimore, foram os fundadores de Maryland, a única das
colônias norte-americanas originais a ter uma significativa influência
católica romana. George Calvert, que se converteu ao catolicismo em 1625,
foi secretário de estado do rei Tiago I da Inglaterra. Calvert teve de
renunciar por não poder jurar fidelidade à Igreja Anglicana quando Carlos
I sucedeu o seu pai como rei naquele mesmo ano. Todavia, Carlos I estava
ansioso em recompensar os Calvert pelos leais serviços prestados ao seu
pai e a si próprio, desejo que cumpriu ao dar à família um grande título de
propriedade no Novo Mundo (1632). A colônia resultante recebeu o nome
da esposa católica de Carlos I, Maria Henrietta da França. Além de
interesses econômicos, os Calvert queriam criar um refúgio para os
católicos ingleses. Ao mesmo tempo, eles também estavam interessados
em atrair colonos protestantes. Em 1649, Cecil promulgou para Maryland
o famoso “Ato Concernente à Religião”, que ofereceu liberdade de culto a
todos os que se considerassem cristãos, fossem eles católicos, anglicanos
ou puritanos. Em 1691, a concessão original de Maryland foi retirada da
família Calvert, sendo restituída em 1715, quando o quarto Lorde Baltimore
ingressou na Igreja da Inglaterra. Maryland permaneceu na posse dos
Calvert até a revolução americana e mesmo depois disso continuou a ser
um centro do catolicismo americano.

1.4.3 Quakers

Outro grupo cristão inglês que veio para o Novo Mundo foram os quakers
(quacres) ou “friends” (amigos), como preferiam chamar-se sob a
inspiração de George Fox (1624-1691). Em 1656, duas mulheres quacres,
Ann Austin e Mary Fisher, chegaram a Boston com sua mensagem sobre a
“luz interior de Cristo” e sua crítica da religião formal e externa, sendo
imediatamente expulsas pelas autoridades. A despeito das multas e açoites
que sofreram, os quacres continuaram indo para Massachusetts, até que,
em 1659-61, quatro deles foram enforcados por sedição, blasfêmia e
contínua perturbação da paz. Logo, muitos quacres estabeleceram-se em
Rhode Island, apesar da pequena simpatia de Roger William pelas suas
doutrinas.

Os quacres acabaram fundando a sua própria colônia, a Pensilvânia,


através de William Penn (1644-1718), filho mais velho do almirante de
mesmo nome que capturou a Jamaica dos holandeses em 1655. William, o
filho, uniu-se aos “amigos” em 1666, foi preso por escrever um folheto
criticando as doutrinas da Igreja da Inglaterra e, enquanto na prisão,
escreveu o clássico devocional No Cross, No Crown (1669). Desejoso de
encontrar um refúgio para os seus correligionários, ele apoiou uma
expedição quacre a Nova Jersey em 1677-78. Em 1681, ele recebeu do rei
Carlos II uma enorme área de terra para saldar uma grande dívida de que
seu pai era credor. A Pensilvânia (“selva de Penn”) tornou-se o lugar com
maior tolerância religiosa em todo o mundo. Em 1682 fundou-se a cidade
de Filadélfia e foi publicada a “Estrutura de Governo” da colônia. A
Pensilvânia prosperou desde o início, recebendo colonos de muitas partes
da Europa. Já em 1683, a cidade de Germantown (“cidade alemã”) foi
fundada por menonitas alemães e quacres holandeses. Penn também se
destacou pela maneira justa como tratou os indígenas. Ele residiu em sua
colônia somente em dois breves períodos (1682-84 e 1699-1701). Um dos
quacres mais destacados na história americana foi o pacifista e
abolicionista John Woolman (1720-1772).

1.4.4 Presbiterianos

Desde o século 17, muitos calvinistas que aceitavam a forma de governo


presbiteriana foram do continente europeu para os Estados Unidos. Dentre
os primeiros estavam os holandeses que fundaram Nova Amsterdã (depois
Nova York) em 1623. Os huguenotes franceses também foram em grande
número para a América do Norte, fugindo da perseguição religiosa em sua
pátria. Um numeroso contingente de reformados alemães igualmente
emigrou para os Estados Unidos entre 1700 e 1770. Esses imigrantes
formaram as suas próprias denominações e mais tarde muitos deles
ingressaram na Igreja Presbiteriana dos Estados Unidos.

Muitos presbiterianos escoceses foram diretamente da Escócia para os


Estados Unidos nos primeiros tempos da colonização. Todavia, foram os
escoceses-irlandeses os principais responsáveis pela introdução do
presbiterianismo naquele país. Durante o século 18, pelo menos 300 mil
cruzaram o Atlântico. Eles se radicaram principalmente em Nova Jersey,
Pensilvânia, Maryland, Virgínia e nas Carolinas. No oeste da Pensilvânia,
eles fundaram Pittsburgh, a cidade mais presbiteriana dos Estados Unidos.

O primeiro líder do presbiterianismo norte-americano foi Francis


Makemie (1658-1708), que nasceu na Irlanda, estudou na Escócia e foi
enviado como missionário ao Novo Mundo. Makemie evangelizou em
muitas regiões (Nova Inglaterra, Nova York, Maryland, Virgínia, Carolina
do Norte e Barbados) e fundou uma igreja presbiteriana em Snow Hill,
Maryland, em 1684. Em 1706, ele reuniu presbiterianos de diferentes
origens (ingleses, galeses, escoceses, escoceses-irlandeses e da Nova
Inglaterra) no Presbitério de Filadélfia, que adotou como padrão
doutrinário a Confissão de Fé de Westminster. Em 1707, Makemie foi
preso pelo governador de Nova York, Lord Cornbury, por pregar numa
residência de Long Island sem uma licença. Makemie defendeu-se
apelando ao Ato de Tolerância (Inglaterra, 1689), que concedeu liberdade
religiosa aos quacres. Ele foi absolvido, mas teve de pagar as elevadas
despesas do seu julgamento. Esse episódio firmou a imagem dos
presbiterianos como defensores da liberdade e granjeou novo respeito pela
denominação.

Em 1717 foi organizado o Sínodo de Filadélfia, constituído pelos


Presbitérios de Filadélfia, New Castle (Delaware) e Long Island (depois
Nova York). Ao todo, a denominação tinha apenas dezenove pastores,
quarenta igrejas e cerca de três mil membros. Em 1729, foi aprovado o “Ato
de Adoção”, que aprovou a Confissão de Fé e os Catecismos de
Westminster como padrões doutrinários do Sínodo.

1.4.5 Reformados holandeses e alemães

A Igreja Reformada de Nova Amsterdã foi uma igreja oficial de 1628 até
1664, quando a cidade foi transferida para o controle dos ingleses e passou
a denominar-se Nova York. Mais tarde, graças a novas ondas de imigrantes
e pastores mais atuantes, surgiram fortes igrejas holandesas em Nova York
e Nova Jersey. Quase ao mesmo tempo chegaram os imigrantes
reformados vindos do sul da Alemanha, que em 1740 possuíam cerca de
cinqüenta igrejas, quase todas na Pensilvânia.

Com isso, ampliou-se um fenômeno que viria a caracterizar a nova nação –


sua grande diversidade religiosa –, fato até então desconhecido na Europa.
Até meados do século 18, muitos outros grupos cristãos foram para a
América, motivados principalmente pelo desejo de liberdade religiosa,
como os menonitas, batistas alemães, schwenkfelders (Kaspar
Schwenkfeld, 1489-1561), huguenotes e irmãos morávios, vários deles
inspirados pelo movimento pietista.

1.4.6 Índios e escravos

Com algumas exceções, o contato dos ingleses com os índios foi mais um
obstáculo do que um auxílio para a difusão da fé. Dois antigos pastores de
Massachusetts, John Eliot (1604-1690) e Thomas Mayhew Jr. (1621-1657),
fizeram um esforço significativo de evangelização dos indígenas
americanos. Eliot, pastor congregacional em Roxbury, perto de Boston,
reuniu um bom número de conversos em “praying towns” (cidades de
oração) e traduziu a Bíblia para a língua algonquim. Seus esforços
resultaram na criação da primeira sociedade missionária da Inglaterra, a
Sociedade para a Propagação do Evangelho na Nova Inglaterra (1649). Em
Martha’s Vineyard e outras ilhas próximas, Mayhew, seu pai (após a morte
do filho) e outros membros da família alcançaram ainda maior êxito que
Eliot, talvez porque aceitaram um pouco mais da cultura indígena na
civilização cristã que estabeleceram. A chamada Guerra do Rei Filipe
(1675-76) entre os colonos e os índios foi grandemente prejudicial para as
missões indígenas. Os próprios índios cristianizados foram internados em
uma ilha da baía de Boston e quase todos morreram devido ao frio,
doenças e fome.

Os primeiros escravos africanos chegaram à Virgínia em 1619. Dentro de


pouco tempo, a escravidão tornou-se um dos principais aspectos da
sociedade das colônias sulistas. Foi também um importante fator
econômico nas demais colônias, pois o tráfico de escravos enriqueceu
muitos comerciantes de Nova York, Newport, Boston e outros centros
comerciais do norte. A princípio, praticamente nenhum indivíduo ou
denominação questionou a escravidão. Somente no final do século 17
alguns quacres e menonitas alemães começaram a protestar contra a
mesma. O primeiro protesto conhecido surgiu em Germantown,
Pensilvânia, em 1688. Nesse período inicial da história americana,
aparentemente poucos escravos abraçaram a fé cristã.

1.5 Conclusões parciais

O que se pode concluir sobre o cristianismo da América do Norte depois de


um século de colonização inglesa?

(a) Os padrões europeus continuavam a dominar a vida religiosa, seja na


Nova Inglaterra puritana, na Virgínia anglicana ou na Pensilvânia quacre e
menonita.

(b) O novo ambiente estava efetuando mudanças nesse legado europeu:


tolerância religiosa, pluralismo, maior participação dos leigos, interesse
missionário por grupos não-europeus.

(c) A maior parte dos colonos permaneceu em contato com as igrejas. A


adesão integral na realidade era baixa (de 5% dos adultos no sul a 1/3 dos
adultos na Nova Inglaterra), mas a participação relativamente regular nas
atividades religiosas parece ter sido elevada. As evidências sugerem que em
1700 até 80% dos habitantes freqüentavam algum tipo de culto religioso
com certa regularidade.

(d) A distribuição das igrejas refletia a herança étnica e denominacional


das primeiras colônias. Em 1740, três das quatro denominações com maior
número de igrejas eram inglesas e protestantes: congregacional (423
igrejas), anglicana (246) e batista (96), e a quarta era escocesa (ou
escocesa-irlandesa) e protestante: presbiteriana (160). A seguir, vinham os
grupos da Europa continental: luteranos (95 igrejas), reformados
holandeses (78) e reformados alemães (51). Havia ainda 27 igrejas
católicas romanas, quase todas em Maryland. Uma série de grupos
menores concentrava-se na Pensilvânia e áreas adjacentes. Numa exceção
entre os centros urbanos, Nova York, com suas nove igrejas de oito
denominações, refletia em uma só localidade o pluralismo cristão que as
colônias como um todo estavam começando a exibir.

2. Americanização (1700-1800)

Do início do século 18 até o início do século 19, três fenômenos


contribuíram decisivamente para moldar a nacionalidade norte-americana
e conferir um caráter peculiar ao cristianismo norte-americano: o Grande
Despertamento, a Guerra da Independência e a Revolução Americana.

2.1 O Grande Despertamento

O reavivamento colonial foi denominado “um grande e geral


despertamento” porque atingiu tantas regiões e tantos aspectos da vida
colonial. Embora o despertamento tenha sido mais um surto de piedade
avivamentista do que um evento distinto, ele foi enormemente importante
tanto para as igrejas quanto para a sociedade americana. Na Nova
Inglaterra, o reavivamento trouxe nova vida para muitas igrejas
congregacionais e incentivou grandemente o crescimento dos batistas. Nas
colônias centrais, os presbiterianos e os reformados holandeses, após
algumas divisões iniciais, também cresceram rapidamente. No sul, que foi
alcançado por último, o avivamento produziu um renovado crescimento
dos batistas e começou a preparar o caminho para o grande movimento
metodista do período posterior à revolução.

Os primeiros sinais do Grande Despertamento surgiram na década de 1720


em igrejas reformadas holandesas de Nova Jersey, quando o jovem pastor
Theodore Frelinghuysen (1691-1784), que tivera contato com o pietismo na
Holanda, desafiou as pessoas a terem um conhecimento mais profundo e
experimental da fé cristã. Entre os indivíduos afetados por esse avivamento
estava o presbiteriano Gilbert Tennent (1703-1764), que fora preparado
para o ministério por seu pai, William Tennent, no modesto “Log College”
(1736). Como pastor em New Brunswick, Gilbert tornou-se o líder do
avivamento em sua denominação. Logo, surgiram dois grupos no
presbiterianismo: o “New Side”, representando a preocupação puritana
com uma fé experimental, e o “Old Side”, com sua insistência na doutrina
correta, própria dos escoceses-irlandeses. De 1745 a 1758, houve dois
sínodos rivais – Filadélfia (defensor da ortodoxia de Westminster) e Nova
York (avivalista), que eventualmente se uniram.

O Grande Despertamento atingiu a Nova Inglaterra a partir de um


avivamento ocorrido na cidade de Northampton, Massachusetts, em 1734-
35. Em 1739, o avivamento ressurgiu e difundiu-se amplamente em toda a
região. Embora composto de avivamentos locais, o Grande Despertamento
produziu dois líderes “nacionais”, um pregador inglês e um teólogo da
Nova Inglaterra.

2.1.1 George Whitefield (1714-1770)

Whitefield talvez tenha sido o protestante mais conhecido em todo o


mundo no século 18. Com certeza ele foi o líder religioso mais conhecido
nos Estados Unidos naquele século. Whitefield era um ministro da Igreja
da Inglaterra e foi colega de John e Charles Wesley no Clube Santo de
Oxford, nas décadas de 1720 e 1730. Mais tarde, ele iria transmitir aos
irmãos Wesley algumas práticas que caracterizariam o movimento
metodista, como pregações ao ar livre e a evangelização de pessoas comuns
que tinham poucas ligações com as igrejas. Whitefield visitou rapidamente
a Geórgia em 1738 para auxiliar na fundação de um orfanato. Ao retornar
às colônias no ano seguinte, a sua reputação de pregador dramático o
precedeu. A sua visita causou enorme impacto. Quando esteve na Nova
Inglaterra no outono de 1740, multidões de até oito mil pessoas reuniram-
se todos os dias para ouvi-lo, durante mais de um mês (nessa época, toda a
população da Nova Inglaterra não passava de 290 mil habitantes). A
campanha de Whitefield, um dos episódios mais notáveis de toda a história
do cristianismo americano, foi o principal evento do Grande
Despertamento da Nova Inglaterra. Ele haveria de retornar muitas vezes às
colônias americanas, onde faleceu em 1770 como havia desejado: em meio
a outra campanha evangelística.
Ao contrário de outros reavivalistas posteriores, Whitefield era um
calvinista que acentuava o poder de Deus na salvação. Ele rompeu com
John Wesley em 1741 por causa do arminianismo deste, com sua ênfase no
livre arbítrio humano. (Mais tarde, eles reconciliaram-se como amigos,
mas não em sua teologia, e Wesley pregou um afetuoso sermão memorial
após a morte de Whitefield.) Por outro lado, Whitefield interessava-se
muito mais pela pregação do que pela teologia. Ele sabia como falar às
pessoas simples, com uma linguagem igualmente simples, e apelava
fortemente ao coração. Além disso, ele também pregou quase todos os seus
sermões extemporaneamente, sem anotações. Desse modo, Whitefield
contribuiu para o estilo mais democrático e popular do cristianismo
americano.

2.1.2 Jonathan Edwards (1703-1758)

Se Whitefield foi o pregador mais importante do Grande Despertamento,


Edwards foi o principal apologista do movimento e o maior teólogo
americano por mais de um século. Aos 21 anos, ele tornou-se pastor-
auxiliar do seu avô, Salomon Stoddard (1643-1729), na Igreja
Congregacional de Northampton, Massachusetts. Stoddard foi um líder
notável que procurou ir além do “pacto do meio termo” ao defender que
todos os que vivessem vidas externamente corretas podiam participar da
comunhão. Ele também propôs que as igrejas congregacionais criassem
um modelo de supervisão “conexional” ou “presbiteriano” para orientar as
igrejas locais e os seus ministros.

Muitas das obras teológicas de Edwards resultaram do seu esforço em


defender os reavivamentos coloniais como verdadeiras obras de Deus. O
seu sermão “Pecadores nas Mãos de um Deus Irado”, pregado em Enfield,
Connecticut, em 1741, é seu escrito mais conhecido, mas ele gastou a maior
parte do seu tempo preparando estudos mais formais, inclusive uma
profunda análise dos fenômenos do reavivamento, publicada com o título
Tratado Sobre as Afeições Religiosas (1746). Essa obra argumenta que o
verdadeiro cristianismo não é revelado pela quantidade ou intensidade das
emoções religiosas, e sim quando um coração é transformado para amar a
Deus e buscar a sua vontade.

Após a morte de Edwards, seus amigos publicaram sua obra A Natureza da


Verdadeira Virtude (1765), onde ele insiste que a experiência da graça de
Deus é o único fundamento para uma moralidade autêntica e duradoura. A
experiência humana ordinária pode explicar a bondade humana ordinária,
mas não a “verdadeira virtude”. Anteriormente, o livro A Liberdade da
Vontade (1754) havia apresentado idéias calvinistas tradicionais acerca da
salvação com um novo enfoque. Seu argumento básico foi que a vontade
não é uma entidade verdadeira, mas uma expressão do motivo mais forte
existente no ser da pessoa. Em outras palavras, a natureza pecaminosa não
pode agradar a Deus a menos que Deus, por uma infusão da graça,
transforme o caráter do pecador. Edwards deu sustentação à ênfase dessa
obra através de outro livro, O Pecado Original (1758), no qual argumentou
que toda a humanidade estava presente em Adão quando este pecou.
Assim sendo, todas as pessoas partilham do caráter pecaminoso e da culpa
que Adão trouxe sobre si mesmo.

Edwards foi um teólogo fascinado com a majestade e o esplendor do Ser


Divino. Os grandes temas da sua teologia foram a grandeza e a glória de
Deus, a total dependência da humanidade pecadora em relação a Deus no
que se refere à salvação e a beleza etérea da vida de santidade. A obra de
Jonathan Edwards e seus seguidores foi a contribuição mais significativa
na área da teologia surgida na América do Norte no século 18. Ver Alderi S.
Matos, “Jonathan Edwards: Teólogo do Coração e do Intelecto”, Fides
Reformata III:1 (Janeiro-Junho 1998), 72-87; Gaustad, Documentary
History, I:214-220; e Hardman, Issues in American Christianity, 52-57.

2.1.3 Efeitos religiosos dos reavivamentos

Os reavivamentos produziram, pelo menos por algum tempo, um aumento


no número de adesões às igrejas e o fortalecimento espiritual de muitas
comunidades cristãs. 2) A mensagem cristã foi levada de modo mais direto
a grupos marginalizados da sociedade. Um exemplo inspirador foi o de
David Brainerd (1718-1747), que se tornou um zeloso missionário junto aos
indígenas do leste de Nova Jersey e cujo Diário foi publicado por Jonathan
Edwards. No trabalho entre os escravos destacou-se o presbiteriano
Samuel Davies (1723-1761), especialmente em Virgínia. 3) O avivamento
também gerou um movimento de reforma social através de seguidores de
Edwards. Samuel Hopkins (1721-1803), que foi pastor em Newport, Rhode
Island, protestou insistentemente contra a escravidão. 4) O despertamento
gerou um maior interesse pela educação, tanto para pastores quanto para
leigos. Como conseqüência direta ou indireta do movimento, vários
“colégios” importantes foram fundados: Princeton (presbiteriano, 1746),
Brown (batista, 1760), Queens (mais tarde Rutgers; reformado holandês,
1764) e Dartmouth (congregacional, 1769), destinado especialmente aos
indígenas convertidos.

Conclusão: o Grande Despertamento foi o primeiro acontecimento


nacional dos Estados Unidos. Whitefield e suas façanhas evangelísticas
foram tópicos comuns de discussão desde o Maine até a Geórgia. Pastores
de todas as colônias corresponderam-se para incentivar o reavivamento.
De igual modo, líderes contrários ao entusiasmo avivalista, como o Rev.
Charles Chauncy, de Boston, também estabeleceram conexões para tentar
levar o movimento ao descrédito. O despertamento acelerou o processo
que cada vez mais levava os imigrantes europeus a se identificarem como
“americanos”. Ao mesmo tempo, essa nova identidade produziu uma
crescente suspeita contra a Europa, especialmente a Inglaterra. Conceitos
religiosos utilizados no avivamento, tais como “liberdade”, “virtude” e
“tirania”, muito em breve passaram a ter também conotações políticas.
Finalmente, a ênfase dada pelos pregadores às pessoas comuns como
objeto da graça de Deus, ao lado da importância de uma decisão pessoal
com respeito ao evangelho, fortaleceram noções de igualdade, democracia
e responsabilidade pessoal que contribuíram para o processo que levou à
independência dos Estados Unidos.

2.2 A Época Revolucionária

Na segunda metade do século 18, a atenção de muitos americanos afastou-


se do grande interesse religioso produzido pelo Grande Despertamento
para concentrar-se em uma longa série de acontecimentos políticos e
militares de grande relevância: a Revolução Americana (1775), a
Declaração de Independência (1776), a Guerra contra a Inglaterra (até
1783) e a promulgação da Constituição Americana (1789).

Nesse período, o evento de maior significação para as igrejas foi a


implantação da liberdade religiosa, uma ruptura radical com os princípios
de uniformidade e união entre igreja e estado que haviam caracterizado a
civilização ocidental por mais de mil anos. Essa foi a origem do que
conhecemos hoje como denominacionalismo. A nível nacional, a liberdade
religiosa foi garantida por dois importantes documentos. O artigo 6º da
Constituição Federal declarou: “Nenhum teste religioso jamais será exigido
como qualificação para qualquer ofício ou cargo público nos Estados
Unidos”. Em 1791, a Primeira Emenda à Constituição dispôs que “o
Congresso não promulgará nenhuma lei referente ao estabelecimento da
religião ou que proíba o exercício da mesma”. Com isso, todas as igrejas
passavam a ser associações voluntárias, teoricamente iguais perante a lei.
(Todavia, em Massachusetts o congregacionalismo continuou a ser a igreja
oficial até 1833!).

A nova realidade afetou alguns grupos mais do que outros, tais como os
congregacionais, batistas e quakers, que já eram independentes. As igrejas
filiadas a suas matrizes européias precisaram organizar-se nacionalmente,
a começar da Igreja Anglicana. Sob a liderança de William White, foi criada
a Igreja Episcopal Protestante dos Estados Unidos, cuja primeira
convenção geral reuniu-se em Filadélfia em 1785. Dois anos depois, White
e Samuel Provoost foram sagrados bispos pelo arcebispo de Cantuária. Em
1784 foi formada a Igreja Metodista Episcopal, que teve como primeiros
líderes ou superintendentes o pioneiro Francis Asbury e Thomas Coke,
nomeados pelo próprio Wesley, os quais em 1787 passaram a ser bispos. A
primeira Conferência Geral reuniu-se em 1792. Os presbiterianos já eram
autônomos, mas aproveitaram a oportunidade para completar a sua
organização eclesiástica. Sua Assembléia Geral reuniu-se pela primeira vez
em 1789.

O período revolucionário também viu o surgimento de novos grupos nos


Estados Unidos, alguns deles bastante heterodoxos, como foi o caso dos
unitários (antitrinitários), que haviam surgido na Inglaterra já no final do
século 16. A primeira igreja unitária inglesa só foi organizada em 1773, em
Londres. Em 1787, a King’s Chapel, de Boston, a mais antiga igreja
episcopal da Nova Inglaterra, tornou-se a primeira igreja declaradamente
unitária, sob a liderança de seu pastor, James Freeman. Mais tarde, o
unitarismo iria causar um grande cisma nas igrejas congregacionais. Outro
grupo não ortodoxo surgido nessa época foi o dos universalistas (no
aspecto soteriológico). Os primeiros universalistas ingleses e americanos
foram trinitários, mas eventualmente o movimento abraçou a posição
unitária. Um líder influente foi Hosea Ballou (1771-1852), pastor residente
em Boston. Os universalistas realizaram sua primeira convenção em
Filadélfia, em 1790.

2.3 Os presbiterianos

De 1741 a 1758, os presbiterianos dividiram-se em dois grupos por causa de


diferenças acerca do avivamento e da educação teológica: Ala Velha
(Sínodo de Filadélfia) e Ala Nova (Sínodo de Nova York). Na época da
Revolução Americana, vários evangelistas notáveis como Samuel Davies,
Alexander Craighead e Hugh McAden trabalharam com grande êxito no sul
do país, especialmente na Virgínia e nas Carolinas. Os presbiterianos
tiveram uma atuação destacada na revolução. O Rev. John Witherspoon
(1723-1794), um escocês que foi presidente da Universidade de Princeton
por vinte e cinco anos, foi o único pastor que assinou a Declaração de
Independência dos Estados Unidos, em 1776. Muitos presbiterianos
lutaram na guerra da independência.

2.4 Desdobramentos teológicos

As mudanças introduzidas na teologia mediante acomodações ao


raciocínio da revolução foram sutis, porém amplas. O que aconteceu entre
os teólogos da Nova Inglaterra ilustra essas mudanças. Dois discípulos de
Jonathan Edwards, Joseph Bellamy (1719-1790) e Samuel Hopkins (1721-
1803), chegaram à conclusão de que Deus somente pune os pecados que os
seres humanos efetivamente cometem, e não uma pecaminosidade
herdada de Adão. Eles não repudiaram a teologia calvinista recebida de
Edwards, mas a influência de idéias contemporâneas sobre a felicidade
humana e os direitos individuais, bem como a necessidade de justificar
todos os princípios intelectuais por meio da razão, ficam evidentes na sua
obra. Pouco depois, teólogos como Jonathan Edwards Jr. (1745-1801) e
Timothy Dwight (1752-1817), um neto de Jonathan Edwards,
desenvolveram ainda mais alguns conceitos que valorizavam a capacidade
humana inata e se afastavam de uma plena afirmação da soberania de
Deus.

3. O “século protestante” (1800-1900)

Os evangélicos deram uma grande contribuição na Guerra da


Independência, tanto no aspecto prático quanto ideológico. No entanto,
após a Revolução as igrejas estavam claramente desorganizadas e o papel
do cristianismo na nova cultura nacional não estava de modo algum
garantido. A filiação formal às igrejas estava em declínio, tendo chegado ao
seu ponto mais baixo na década de 1790 (de 5 a 10% da população adulta).
Reagindo contra essa situação, as igrejas superaram a confusão reinante e
empreenderam vigorosas campanhas para evangelizar o povo e cristianizar
a cultura. Juntos, os representantes das igrejas coloniais e os dinâmicos
líderes das novas denominações formaram uma frente protestante que
dominou a percepção pública da religião nos Estados Unidos. O “império
evangélico” esteve na vanguarda até que o pluralismo cristão e a
diversidade cultural introduziram uma nova realidade.

3.1 A “América evangélica” (1800-1865)

3.1.1 O Segundo Despertamento

O Segundo Grande Despertamento foi o reavivamento mais influente da


história do cristianismo nos Estados Unidos. Desde 1795 até por volta de
1810 surgiu um renovado interesse pelo cristianismo em todo o país. Por
sua vez, essa renovação serviu de modelo e ímpeto para ondas semelhantes
de reavivamento que continuaram a ocorrer em toda a nação até depois da
Guerra Civil.
Na região da fronteira, o novo interesse religioso resultou do dedicado
trabalho missionário de presbiterianos, batistas e metodistas. Um evento
importante foi o “camp meeting” realizado em Cane Ridge, no Kentucky,
em 1801. Os “camp meetings” eram vibrantes reuniões evangelísticas ao ar
livre com a duração de vários dias, nos quais os participantes ficavam
alojados em tendas e ouviam diferentes pregadores. Os resultados de Cane
Ridge foram notáveis: ao lado de muitas manifestações emocionais houve
um rápido crescimento das igrejas, não somente presbiterianas, mas
principalmente metodistas e batistas. Os pregadores itinerantes metodistas
(“circuit riders”) e os pregadores-colonos batistas espalharam-se pelo sul e
pelo oeste em números impressionantes. Na década de 1830 esses dois
grupos haveriam de ultrapassar os congregacionais e os presbiterianos,
tornando-se as maiores denominações não somente no sul, mas em todo o
território nacional.

Mark Noll fornece dados estatísticos impressionantes sobre as alterações


verificadas nos percentuais de filiação religiosa nos Estados Unidos entre a
independência e meados do século 19:

-1776
-1850

Congregacionais
20,4%
Metodistas
34,2%
Presbiterianos
19,0%
Batistas
20,5%
Batistas
16,9%
Católicos romanos
13,9%
Episcopais
15,7%
Presbiterianos
11,6%
Metodistas
2,5%
Congregacionais
4,0%
Católicos romanos
1,8%
Episcopais
3,5%

No leste, o interesse pelo avivamento manifestou-se entre vários ministros


congregacionais de Connecticut. A manifestação mais visível ocorreu como
resultado do trabalho de Timothy Dwight (1752-1817), o neto de Jonathan
Edwards que se tornou presidente do Yale College em 1795. Em 1802
houve um grande avivamento no campus que levou à conversão de um
terço dos 225 estudantes, muitos dos quais tornaram-se agentes do
avivamento na Nova Inglaterra, no Estado de Nova York e no oeste. Logo,
quase não havia um lugar em que os cristãos não estivessem orando pelo
avivamento ou agradecendo a Deus por terem-no recebido.

Esses reavivamentos tiveram em comum com os despertamentos do


período colonial um forte interesse pela salvação pessoal e pela renovação
do cristianismo dos dois lados do Atlântico. Mas houve também
importantes diferenças. Enquanto o primeiro despertamento foi liderado
por congregacionais (Jonathan Edwards), anglicanos (George Whitefield) e
presbiterianos (Gilbert Tennent), o segundo foi rapidamente dominado
pelos metodistas, batistas e discípulos de Cristo (Barton Stone e Alexander
Campbell). O Segundo Despertamento também produziu efeitos mais
duradouros que o primeiro. A grande quantidade de sociedades
voluntárias surgidas nos Estados Unidos nas três primeiras décadas do
século 19 foi um resultado direto do daquele reavivamento.

Um dos alunos de Timothy Dwight, Lyman Beecher (1775-1863), dedicou-


se a arregimentar as forças do reavivamento em organizações permanentes
que visavam evangelizar e reformar os Estados Unidos. Graças aos seus
esforços, e aos de pessoas com a mesma visão, foram fundadas entidades
como a Junta Americana para Missões Estrangeiras (1810), a Sociedade
Bíblica Americana (1816), a Sociedade de Colonização para escravos
libertos (1817), a União Americana das Escolas Dominicais (1824), a
Sociedade Americana de Tratados (1825), a Sociedade Americana de
Educação (1826), a Sociedade Americana para a Promoção da Temperança
(1826), a Sociedade Americana de Missões Nacionais (1826) e muitas
outras organizações. Essas agências deram ao Segundo Despertamento
uma duradoura influência institucional que o primeiro não produziu.

A teologia do Segundo Grande Despertamento também foi diferente da


tradição reavivalista anterior. Com sua ênfase na soberania de Deus sobre
todas as coisas, Edwards e Whitefield haviam acentuado a incapacidade de
os pecadores salvarem a si mesmos. Em contraste, a teologia dos principais
avivalistas do século 19, tanto no norte quanto no sul, sugeriu que Deus
havia concedido a todas as pessoas a capacidade de irem a Cristo. Essa
mudança de perspectiva estava relacionada não somente com os eventos
políticos e intelectuais mais amplos, mas com o grande desejo de uma
teologia de ação que pudesse incentivar e justificar a expansão dos
reavivamentos.

3.1.2. Dois grandes líderes

Dois líderes personificaram de maneira especial as principais ênfases desse


avivamento. O primeiro foi o inglês Francis Asbury (1745-1816), que viajou
extensamente através dos Estados Unidos promovendo a causa metodista
e liderou a organização oficial dessa denominação em 1784. Pelo fato de ter
percorrido mais de 450 mil km, em grande parte a cavalo, ele conheceu o
interior americano melhor que qualquer um dos seus contemporâneos e foi
também o homem mais conhecido do seu tempo. Quando Asbury chegou
aos Estados Unidos em 1771, somente quatro missionários metodistas
davam assistência a cerca de 300 pessoas. Quando ele faleceu, havia 2 mil
pastores e mais de 200 mil metodistas no país.
Outro líder imensamente influente foi Charles Grandison Finney (1792-
1875), o mais famoso avivalista americano na parte intermediária do século
19. Convertido de modo dramático em 1821, ele imediatamente começou a
pregar de maneira vigorosa. Um grande reavivamento em Rochester no
inverno de 1830-31 deu-lhe notoriedade nacional. Nessa época, ele rompeu
definitivamente com o seu presbiterianismo de origem, que ele julgava
excessivamente burocrático e possuidor de uma teologia que não
valorizava a capacidade humana natural. Finney estabeleceu o seu quartel
general no Oberlin College, em Ohio, um centro de evangelismo e reforma
social. Ele escreveu livros que também divulgaram amplamente as suas
idéias, como Lectures on Revivals (1835) e Systematic Theology (1846-47).
Seu impacto foi especialmente forte no sentido de moldar as práticas do
avivamento. Entre as suas “novas medidas” estava o “banco ansioso”
(anxious bench), uma área especial, geralmente na frente do auditório, à
qual as pessoas eram chamadas para orar e ser exortadas quanto à
condição das suas almas. Outro recurso era o “protracted meeting”, as
reuniões noturnas que se prolongavam por várias semanas. Quando os
críticos diziam que as novas medidas davam excessiva ênfase à ação
humana na conversão e quase nenhuma a Deus, ele se defendia dizendo
que elas funcionavam.

Em sua teologia, Finney foi ainda mais arminiano que John Wesley. Este
sustentava que a vontade humana é incapaz de escolher a Deus sem a sua
graça preparatória. Finney rejeitou esse requisito: ele cria que era possível
uma condição permanente de vida espiritual superior para todo aquele que
a buscasse de todo o coração. Seguindo os teólogos da Nova Inglaterra, ele
aceitava uma noção governamental da expiação segundo a qual a morte de
Cristo foi uma demonstração pública da disposição de Deus em perdoar os
pecados antes que o próprio pagamento pelo pecado. Finney envolveu-se
com um grande número de iniciativas religiosas e sociais, mas seu maior
impacto, assim como o de Asbury, foi no sentido de modificar o caráter do
evangelicalismo norte-americano tornando-o menos calvinista, mais
arminiano e assim melhor identificado com os valores e as aspirações da
nova república.
3.1.3. Os batistas

O Segundo Grande Despertamento estimulou um enorme esforço


missionário, voltado tanto para o próprio país como para o exterior. Um
dos grupos que mais se destacaram nesse aspecto foram os batistas.
Especialmente nos estados do sul e nos novos estados do oeste americano
eles se tornaram líderes na evangelização da fronteira. Em 1812 havia perto
de 200 mil batistas nos Estados Unidos; em 1850 já eram mais de um
milhão.

No período anterior à Guerra Civil, a teologia batista foi


predominantemente calvinista. Uma importante confissão redigida para
uma convenção de New Hampshire em 1833 tornou-se uma declaração de
fé batista amplamente utilizada. (Ver Reily, História Documental, 129-
132). À exceção dos princípios de organização eclesiástica, as partes
doutrinárias dessa confissão aproximavam-se do tipo de teologia
promovido por congregacionais e presbiterianos conservadores. Ao mesmo
tempo, as práticas batistas davam grande ênfase à conversão pessoal e os
batistas também partilhavam da confiança americana nas capacidades de
um povo livre. Isso atenuava junto a muitos batistas as doutrinas
calvinistas da eleição incondicional e da expiação limitada. Mas durante
todo o século 19, os batistas continuaram parecidos com os calvinistas mais
antigos em sua teologia formal.

Apesar de sua defesa intransigente da autonomia das igrejas locais, os


batistas logo começaram a trabalhar em conjunto, especialmente na área
de missões. Em 1814 foi fundada a Convenção Missionária Geral, voltada
para missões estrangeiras, e em 1832 a Sociedade Batista de Missões
Nacionais. Por causa das tensões entre o norte e o sul em torno da
escravidão, foi formada em 1845 a Convenção Batista do Sul, quando os
batistas pela primeira vez assumiram uma estrutura denominacional
completa (a Convenção Batista do Norte só foi criada em 1905). Muitos
batistas resistiram contra essa nova denominação predominantemente
calvinista. Alguns eram arminianos, como os “batistas do livre arbítrio” ou
“batistas gerais”. Outros, embora calvinistas, eram defensores
intransigentes da autonomia da igreja local e não viam com bons olhos as
atividades missionárias e educacionais conjuntas que retiravam recursos e
pessoal do controle das congregações locais. Mais tarde, esses dissidentes
influenciaram o surgimento de uma ênfase conhecida como
“landmarkismo” na Convenção Batista do Sul, nome extraído do influente
livro An Old Landmark Re-Set (1854), de James R. Graves.

3.1.4. Visão missionária

As missões protestantes dos países de língua inglesa tiveram início em


1793, quando William Carey partiu da Inglaterra para a Índia. Pouco
depois, os americanos também deram início ao seu trabalho missionário
no exterior. Esse movimento resultou de um reavivamento ocorrido no
Williams College, em Massachusetts, que rapidamente alcançou os
estudantes do recém-criado Seminário Teológico de Andover, no mesmo
estado. Andover, a primeira escola de teologia dos Estados Unidos, foi
fundado em 1807 por um grupo de congregacionais trinitários da Nova
Inglaterra em protesto contra o desvio do Harvard College para o
unitarismo.

Sob a liderança de Samuel J. Mills, Jr. (1783-1818), foi fundada em 1810 a


Junta Americana de Comissionados para Missões Estrangeiras, que dois
anos depois enviou para a Índia e o Extremo Oriente os primeiros
missionários americanos, o mais famoso dos quais foi Adoniram Judson
(1788-1850). Judson tornou-se batista ainda durante a viagem para a Índia
e em 1814 ajudou a criar a Convenção Missionária Geral ou Convenção
Batista Trienal. Ele trabalhou por quase quarenta anos na Birmânia.
Devido a problemas de saúde, Samuel Mills não pode seguir para o
exterior, mas viajou amplamente pelo oeste americano e contribuiu para a
criação da Sociedade Americana de Missões Nacionais (1826).

3.1.5. Os presbiterianos

Em 1788, o Sínodo de Nova York e Filadélfia dividiu-se em quatro (Nova


York e Nova Jersey, Filadélfia, Virgínia e Carolinas). No dia 21 de maio de
1789, reuniu-se pela primeira vez a “Assembléia Geral da Igreja
Presbiteriana dos Estados Unidos da América”. Naquela época, a Igreja
Presbiteriana era a denominação mais influente do país. Em 1800, contava
com 180 pastores, 450 igrejas e cerca de 20 mil membros.

Em 1801, presbiterianos e congregacionais iniciaram um trabalho


cooperativo conhecido como “Plano de União”. O objetivo era evangelizar
com mais eficiência a população que estava indo para o oeste, a chamada
“fronteira”. O resultado foi um avanço fenomenal. Em 1837, a Igreja
Presbiteriana já contava com 2140 pastores, quase 3000 igrejas e 220 mil
membros. O Seminário de Princeton foi fundado em 1812 (entre seus
grandes professores estiveram Archibald Alexander, Charles Hodge, A.A.
Hodge e Benjamin B. Warfield).

Devido a uma controvérsia sobre os requisitos para a ordenação de


ministros, surgiu em 1810 a Igreja Presbiteriana de Cumberland, no
Tennessee. Uma divisão mais séria ocorreu entre os grupos conhecidos
como Velha Escola e Nova Escola, aquele sendo mais apegado aos padrões
de Westminster do que este. Em 1837, a Velha Escola obteve a maioria na
Assembléia Geral, cancelou o Plano de União de 1801 e excluiu quatro
sínodos inteiros, dividindo ao meio a denominação. Foi criada a Junta de
Missões Estrangeiras. Finalmente, em 1857 e 1861 ocorreram novas
divisões, desta vez ocasionadas pelo problema da escravidão. As igrejas
Nova Escola e Velha Escola do sul, favoráveis à escravidão, separaram-se
das do norte. Eventualmente, foram criadas duas grandes denominações
presbiterianas, a Igreja do Sul (PCUS, 1867) e a Igreja do Norte (PCUSA,
1870).

3.1.6 Grupos periféricos

Ao lado das denominações evangélicas principais, vários grupos periféricos


surgiram nos primeiros anos da república americana. Um desses grupos foi
iniciado por William Miller (1782-1849), um colono do Estado de Nova
York que anunciou o retorno de Cristo para 1843-44. Quando isso não
ocorreu, alguns abandonaram o movimento, mas outros perseveraram.
Ainda outros continuaram a sustentar convicções adventistas em diversos
movimentos menores. Um destes, sob a liderança de Ellen White (1827-
1915), concluiu que Cristo havia de fato voltado como Miller tinha predito,
mas que o retorno foi espiritual, para a presença do Pai. Esse foi o início
dos modernos adventistas do sétimo dia.

Se os milleritas estavam na linha divisória entre os evangélicos e os


sectários, os mórmons liderados por Joseph Smith (1805-1844) ficaram
claramente do lado de fora. Nascido em uma família profundamente
religiosa originária da Nova Inglaterra e residente no Estado de Nova York,
Miller começou a ter visões de seres celestiais no início da década de 1820.
Alguns anos depois, declarou ter recebido do anjo Moroni o Livro de
Mórmon, que detalhava o relacionamento especial de Deus com os
habitantes pré-históricos da América e as tribos perdidas de Israel. Um
ano após publicar a tradução do livro (1830), Smith e seus seguidores
mudaram-se para Ohio. Depois que Smith foi morto por uma turba em
Illinois, Brigham Young tornou-se seu sucessor e liderou os mórmons em
sua grande migração para a região do Lago Salgado, em Utah (1846-48).

Outro acontecimento notável do início do período republicano foi a criação


de denominações afro-americanas. Tal foi o caso da Igreja Metodista
Episcopal Africana, fundada por Richard Allen (1760-1831) em 1814, em
Filadélfia. Na década seguinte, as igrejas e denominações negras estavam
atuando em diversas áreas, como missões e reforma social. Em 1845, os
negros batistas do norte fundaram a Sociedade Missionária Batista
Africana. No sul escravagista, tais oportunidades foram muito mais
limitadas.

Outro grupo que adquiriu grande visibilidade nesse período foi a Igreja
Católica. Em 1789, quando houve a eleição do primeiro bispo católico dos
Estados Unidos, havia cerca de 35 mil católicos no país, sessenta por cento
deles em Maryland, e pouco mais de trinta sacerdotes. Em 1830, o número
total de católicos havia ultrapassado a casa dos 300 mil. Nos trinta anos
seguintes, enquanto a população nacional aumentou duas vezes e meia (de
13 para 31,5 milhões), a população católica cresceu quase dez vezes,
totalizando mais de 3 milhões de pessoas. A causa mais importante desse
aumento foi a imigração, principalmente da Irlanda e da Alemanha.
No mesmo período, chegaram da Europa muitos imigrantes protestantes,
particularmente luteranos e pietistas alemães, reformados holandeses e
luteranos escandinavos. Entre 1800 e 1920, os Estados Unidos receberam
cerca de 40 milhões de imigrantes, entre os quais estava uma significativa
minoria protestante. Muitos desses imigrantes formaram igrejas que
inicialmente eram ligadas a organizações européias, mas depois se
tornaram denominações autônomas.

3.1.7 Teologia protestante

Os teólogos estavam entre os intelectuais mais respeitados dos Estados


Unidos antes da Guerra Civil. A obra de quase todos eles exibia algumas
convicções comuns como a inspiração divina das Escrituras, um interesse
pelos problemas teológicos definidos pela tradição calvinista dos puritanos
e de Edwards e o uso da filosofia escocesa do senso comum como método
intelectual. Essa filosofia afirmava que os sentidos físicos comunicam
informações fidedignas sobre o mundo exterior e dava ênfase ao sentido
moral (consciência) acerca do mundo espiritual. Esses teólogos também se
interessavam pela cultura americana, afirmando os princípios de liberdade
política, republicanismo e oportunidades democráticas que haviam sido
abraçados pela Revolução.

O último estágio da evolução do pensamento que havia começado com o


Grande Despertamento e com Jonathan Edwards foi denominado de
Teologia de New Haven (ou da Nova Inglaterra). Timothy Dwight, neto de
Edwards e presidente do Yale College na virada do século (1759-1817), foi
um personagem chave no sentido de modificar algumas doutrinas do
calvinismo colonial para utilização no século 19. Todavia, quem
desenvolveu de modo mais consistente a Teologia de New Haven foi seu
discípulo mais destacado, Nathaniel William Taylor (1786-1858). Em 1822,
Taylor tornou-se o primeiro professor da nova Escola de Teologia de Yale,
onde se considerava um herdeiro de Edwards e um campeão na luta contra
o unitarismo. Porém, Taylor era acentuadamente diferente de Edwards em
suas convicções acerca da natureza humana. Ele certa vez afirmou que as
pessoas têm “capacidade para o contrário” quando confrontadas com
escolhas morais. Com isso ele quis dizer que a pecaminosidade resulta de
atos pecaminosos e não de uma natureza pecaminosa herdada de Adão. De
fato, todas as pessoas pecam, mas elas não estão condicionadas a fazê-lo
em virtude da natureza humana em si. A Teologia de New Haven foi um
poderoso estímulo para o reavivamento e as reformas, uma vez que
fornecia uma justificativa para as pessoas confiarem em Deus ao mesmo
tempo em que exerciam ao máximo as suas próprias capacidades. Essa
teologia emergiu da tradição calvinista, mas a sua ênfase na capacidade
humana levou-a em direção ao metodismo que exercia grande influência
sobre a religiosidade americana.

O unitarismo combatido por Taylor e seus companheiros teve o seu melhor


representante na pessoa de William Ellery Channing (1780-1842).
Channing havia crescido sob a influência das pregações de Samuel
Hopkins, o discípulo mais fiel de Edwards, e teve uma experiência de
conversão enquanto estudava em Harvard. Em 1803, tornou-se pastor da
Igreja Congregacional de Federal Street, em Boston, onde permaneceu o
restante da sua vida. Sua presença, bem como o liberalismo do Harvard
College, fizeram de Boston a cidadela do unitarismo. Num famoso sermão
pregado em 1819, Channing investiu contra as doutrinas tradicionais da
Trindade, da divindade de Cristo, da depravação total e da expiação
vicária. Em outras ocasiões, ele afirmou a perfectibilidade dos seres
humanos, a paternidade de Deus, a perfeição moral de Cristo e a realidade
da ressurreição. Ele cria que a Bíblia registrava a inspiração, mas não era
inspirada em si mesma.

Charles Finney (1792-1875), quando ainda presbiteriano, leu as obras de


Nathaniel W. Taylor e concluiu que o mesmo estava correto: os seres
humanos têm dentro de si a capacidade de escolher a Cristo e viver vidas
santas. Após deixar o presbiterianismo, ele leu a obra Plain Account of
Christian Perfection, de John Wesley, e teve confirmada a sua crença na
possibilidade da “inteira santificação”. Quando Finney tornou-se professor
de teologia no Oberlin College (1835), sua teologia adquiriu forma
definitiva com os seguintes componentes: compromisso com as “novas
medidas” no avivamentismo, compromisso com a reforma moral e crença
em um segundo estágio, mais maduro, na vida cristã. Esta última
convicção foi desenvolvida por diferentes professores de Oberlin, que
usavam expressões como “santidade”, “perfeição cristã” e “batismo do
Espírito Santo”, que mais tarde exerceriam grande influência no
desenvolvimento de teologias evangélicas, “holiness” e pentecostais. A
influência de Finney foi ampliada consideravelmente por seus
colaboradores, entre os quais o primeiro presidente de Oberlin, Asa Mahan
(1799-1889), um enérgico proponente da Teologia de Oberlin.

Nem todos os calvinistas do século 19 estavam interessados em rever a sua


herança em resposta às circunstâncias contemporâneas. Entre aqueles que
insistiram em preservar o calvinismo tradicional estavam os teólogos do
Seminário de Princeton. Esse seminário, fundado em 1812, por mais de um
século foi o centro do calvinismo conservador americano. As convicções do
primeiro professor do seminário, Archibald Alexander (1772-1851),
determinaram as ênfases dessa teologia. Alexander era um homem de
profunda piedade pessoal cuja teologia formal associou algumas ênfases do
calvinismo europeu (Calvino, a Confissão de Westminster e Francisco
Turretino) com uma defesa anticatólica das Escrituras através de recursos
intelectuais definidos pela filosofia escocesa do senso comum.

Um discípulo de Alexander, Charles Hodge (1797-1878) transformou essa


perspectiva teológica em um poderoso sistema de pensamento ao longo
dos seus cinqüenta e seis anos como professor em Princenton. Hodge
utilizou as mesmas fontes que Alexander havia usado para defender a
glória de Deus (em vez da felicidade humana) como o propósito da vida,
afirmar o poder do Espírito Santo na salvação (contra idéias de
autodeterminação humana) e defender as Escrituras como a fonte
apropriada da teologia (em contraste com a experiência religiosa ou os
ditames da razão). Hodge certa vez afirmou orgulhosamente que nunca
havia surgido uma nova idéia em Princeton, com o que ele quis dizer que a
instituição queria transmitir a fé reformada como esta havia sido definida
nos séculos 16 e 17. Todavia, Hodge e os princetonianos fizeram algumas
adaptações à sua época, especialmente ao utilizarem os métodos científicos
correntes como modelo para o seu trabalho. A fórmula de Hodge, “a Bíblia
é para o teólogo o que a natureza é para o cientista”, foi usada para
preservar o calvinismo tradicional, mas tomou como certos alguns
conceitos e procedimentos que eram uma parte importante da vida
intelectual americana no século 19.

No sul, com sua ordem social mais conservadora, as formas mais antigas
da teologia tradicional sobreviveram de maneira ainda mais vigorosa do
que no norte. James H. Thornwell (1812-1862) e Robert Dabney (1820-
1898) foram defensores eficazes de um calvinismo não diluído pelas idéias
modernas de autodeterminação pessoal. Thornwell, que era ligado ao
Seminário Teológico de Columbia, tinha um calvinismo semelhante ao de
Hodge, com a diferença de que dava maior ênfase à integridade da igreja e
dos seus níveis superiores de jurisdição como um princípio espiritual.
Dabney articulou uma forma moderada do calvinismo de Westminster,
dando atenção especial às maneiras pelas quais a providência divina atua
lado a lado com o curso regular da natureza, antes que em oposição ao
mesmo. O calvinismo conservador dos dois teólogos também foi
influenciado decisivamente pelo seu contexto sulista, pois eles acharam
natural defender tanto a teologia tradicional quanto a ordem social
tradicional da escravidão.

Outros teólogos destacados do sul foram os batistas J. M. Pendleton (1811-


1891) e J. R. Graves (1820-1893), os articuladores do landmarkismo
(termo derivado de Provérbios 22.28), uma concepção segundo a qual a
organização eclesiástica e as práticas batistas eram as únicas formas cristãs
fiéis ao Novo Testamento, sendo que igrejas que manifestavam esse
rigoroso compromisso batista retrocediam até a época do Novo
Testamento. Também notabilizaram-se Barton W. Stone (1772-1844) e
Alexander Campbell (1788-1866), líderes dos chamados “cristãos” ou
“discípulos de Cristo”, um movimento restauracionista que buscava
recuperar a pureza original de um cristianismo voltado apenas para a
Bíblia.

Outro pensador muito influente foi Horace Bushnell (1802-1876), pastor


da Igreja Congregacional de Hartford, Connecticut. Com sua ênfase na
experiência, ele antecipou as teologias protestantes, tanto liberais quanto
conservadoras, que adotariam a experiência como seu princípio
fundamental. Bushnell foi influenciado por Friedrich Schleiermacher e
mais ainda por Samuel Taylor Coleridge, de quem aprendeu uma
concepção mais romântica de Deus, da humanidade e do mundo. Em sua
obra mais famosa, o tratado intitulado Christian Nurture (1847), ele
argumentou contra os aspectos grosseiros do avivamentismo popular e
defendeu um cristianismo centralizado no ambiente doméstico.

Uma tradição teológica que partilhava da mesma inquietação quanto ao


evangelicalismo reavivamentista surgiu no seminário reformado alemão de
Mercersburg, na Pensilvânia. Essa teologia foi articulada principalmente
por John Williamson Nevin (1803-1886) e Philip Schaff (1819-1893).
Nevin estudou com Charles Hodge em Princeton, mas concluiu que o
calvinismo do seu mestre era excessivamente “puritano” e que o
evangelicalismo americano em geral era muito influenciado por um
reavivalismo mecânico. Após tornar-se professor do pequeno seminário de
Mercersburg em 1840, ele sentiu o impacto do Catecismo de Heidelberg e
de teólogos alemães interessados na renovação das tradições da Reforma.
Respondendo a essas influências, Nevin criticou o reavivamentismo
americano por dar excessiva ênfase ao indivíduo. Ele também atacou a
ortodoxia calvinista americana por dar pouca ênfase à obra de Cristo e à
Ceia do Senhor. Schaff, que passou a trabalhar com Nevin em 1844, trouxe
consigo uma apreciação pela nova filosofia idealista alemã e um profundo
compromisso com a renovação da igreja nos moldes pietistas. A maior
influência desses teólogos somente se faria sentir no século XX.

3.1.8 As igrejas e a Guerra Civil

A Guerra Civil (1861-65) entre o norte e o sul dos Estados Unidos foi o
mais sangrento conflito armado de que aquele país já participou, com mais
de 620 mil soldados mortos. O sul ficou devastado, somente conseguindo
recuperar-se economicamente em meados do século XX. Houve duas
razões principais para a guerra: a definição dos Estados Unidos como
nação (um país unido ou um grupo de estados que podiam separar-se à
hora que quisessem?) e o problema da escravidão. Um momento decisivo
foi a emancipação dos escravos, decretada pelo presidente Abraham
Lincoln em 1863.

O cristianismo teve presença marcante na crise que resultou na Guerra


Civil e na própria guerra. Como na Revolução Americana, a fé cristã em si
não foi uma causa do conflito, mas ela proporcionou uma rede de
influências que intensificaram as divergências políticas, sociais e culturais
que resultaram no conflito. Tão intensos quanto o compromisso religioso
com a guerra foram os amplos efeitos religiosos que ela precipitou. No
aspecto prático, as igrejas foram usadas como postos de recrutamento e as
tropas eram enviadas para a batalha mediante a realização de um culto. As
mulheres foram mobilizadas para fazer uniformes para os exércitos. Os
ministros ficaram em situação difícil, presos entre a sua consciência e a
lealdade regional. Leonidas Polk, o bispo episcopal da Luisiana, tornou-se
um general no exército sulista. Muitos hinos foram escritos, dos quais o
mais famoso foi “The Battle Hymn of the Republic” (Vencendo Vem Jesus).

3.2 Os últimos anos da “América Protestante” (1865-1918)

Após a Guerra Civil, ocorreram enormes mudanças na sociedade


americana que afetaram profundamente o cenário religioso. O
protestantismo clássico – os grupos que se consideravam os protetores da
herança cristã americana e os construtores de uma sociedade nitidamente
protestante – viu a sua influência declinar com a passagem dos anos. Na
segunda metade do século 19 houve um grande crescimento do número de
cristãos não-protestantes (católicos, ortodoxos) ou que não eram de língua
inglesa (alemães, holandeses, escandinavos), bem como de não-cristãos
(judeus, muçulmanos, orientais). Além disso, surgiram crescentes tensões
dentro da própria comunidade protestante majoritária. Todavia, por algum
tempo os protestantes brancos anglo-saxônicos continuaram a exercer
forte influência e a dedicar-se com entusiasmo a atividades missionárias
(nacionais e estrangeiras) e sociais.

3.2.1 Missões
O ímpeto de difundir o evangelho tornou-se ainda mais forte após a Guerra
Civil. Um reavivamento ocorrido em 1857-58, às vezes denominado o
“despertamento dos homens de negócios” por causa da participação de
destacados empresários urbanos na promoção do mesmo, havia
estabelecido um modelo para o evangelismo urbano posterior e também
elevado as expectativas quanto às atividades missionárias no exterior.

O evangelista mais conhecido da segunda metade do século 19 foi Dwight


Lyman Moody (1837-1899). Moody nasceu no interior de Massachusetts e
passou parte da adolescência em Boston, vindo ali a converter-se. Pouco
antes da Guerra Civil, mudou-se para Chicago, onde se envolveu com o
trabalho da Associação Cristã de Moços e passou a dar assistência às
crianças pobres da cidade. Em 1873, convidou o cantor evangélico Ira
Sankey (1840-1908) para acompanhá-lo numa campanha evangelística na
Inglaterra. Os resultados foram muito além das suas mais ousadas
expectativas. Regressaram dois anos mais tarde aos Estados Unidos
cercados de enorme celebridade e deram início a uma série de memoráveis
campanhas que marcaram profundamente as igrejas e a sociedade. Essa
revitalização chegou num momento em que o país sofria com o fracasso da
reconstrução do sul, o temor da influência católica e os problemas da
expansão urbana e industrial.

Moody inaugurou um novo estilo de pregação e evangelismo, mais


comedido e melhor adaptado à época do pós-guerra, que seria seguido por
muitos de seus sucessores até os nossos dias (Billy Graham). Ele ampliou a
sua influência através de importantes instituições que fundou, como um
centro de treinamento para obreiros leigos em Chicago (o futuro Instituto
Bíblico Moody) e as conferências missionárias de verão realizadas perto da
sua residência em Northfield, Massachusetts. Dessas conferências resultou
a criação do Movimento Voluntário Estudantil (1876), que inspirou
milhares de jovens a dedicarem suas vidas ao esforço missionário mundial.

Os principais promotores de missões estrangeiras nessa época foram


homens como o presbiteriano Arthur Tappan Pierson (1837-1911), um dos
fundadores da Missão do Interior da África; o batista Adoniram Judson
Gordon (1836-1895), fundador do Instituto de Treinamento Missionário de
Boston; A. B. Simpson (1843-1919), o fundador da igreja Aliança Cristã e
Missionária; John R. Mott (1865-1955), autor da famosa senha “A
evangelização do mundo nesta geração”; e principalmente Robert Eliott
Speer (1867-1947), que, após participar do Movimento Voluntário
Estudantil, foi por mais de quarenta anos (1891-1937) o secretário da Junta
de Missões Estrangeiras da Igreja Presbiteriana dos Estados Unidos.

Nas últimas décadas do século 19 houve um crescimento impressionante


das missões protestantes norte-americanas através do mundo, coincidindo
com a própria expansão econômica, política e militar dos Estados Unidos.
Isso criou uma mistura de motivações missionárias e nacionalistas que por
vezes gerou sérios problemas. Na mesma época, ganhou ímpeto a
tendência de aproximação dos missionários e agências de diferentes
denominações, que resultou na realização de grandes conferências
missionárias dos dois lados do Atlântico e contribuiu para o surgimento do
movimento ecumênico do século XX.

3.2.2. Envolvimento social

Além do interesse por missões, as igrejas americanas também se


envolveram em atividades políticas e de reforma social, como a campanha
contra a venda e o consumo de bebidas alcoólicas (o movimento da
temperança). Os protestantes preocuparam-se especialmente com os
problemas gerados pela expansão econômica e o resultante crescimento
das cidades. Os centros urbanos tornaram-se lugares em que os muitos
imigrantes e outras minorias viviam na pobreza, sem usufruir a
prosperidade que beneficiava a tantos ao seu redor. Um das iniciativas
mais bem-sucedidas no sentido de enfrentar esses problemas foi o Exército
de Salvação. Essa organização religiosa e caritativa foi criada na Inglaterra
na década de 1860 por William Booth, sendo levada para os Estados
Unidos em 1880. No início do século XX, o Exército da Salvação já possuía
mais de novecentos locais de atendimento no país, proporcionando
assistência religiosa, alimento, abrigo, assistência médica, educação
primária, treinamento profissional, assistência jurídica e outros serviços.
Outra iniciativa de grande impacto foi o movimento do Evangelho Social,
que esteve em evidência desde aproximadamente 1880 até o início da
Grande Depressão, em 1929. Um dos primeiros articuladores do
movimento foi Washington Gladden (1836-1918), um ministro
congregacional que atuou em Massachusetts e Ohio e foi ardoroso defensor
dos direitos dos trabalhadores. Charles Sheldon, um pastor do Kansas
também contribuiu para popularizar o Evangelho Social através do seu
famoso livro Em Seus Passos (1897). Porém, o mais importante expoente
desse movimento foi Walter Rauschenbusch (1861-1918), um pastor batista
de origem alemã que trabalhou por dez anos no bairro novaiorquino
conhecido como Hell’s Kitchen (“cozinha do inferno”) antes de tornar-se
professor de história da igreja no Seminário de Rochester. Seu contato
direto com a exploração dos operários e a indiferença das autoridades
fizeram dele um crítico da ordem estabelecida. Todavia, seu principal
interesse foi buscar nas Escrituras uma mensagem para os problemas da
sociedade industrial. Esse esforço resultou em alguns livros marcantes
publicados no início do século XX: O Cristianismo e a Crise Social (1907),
Orações do Despertamento Social (1910), Cristianizando a Ordem Social
(1912) e Uma Teologia do Evangelho Social (1917).

3.2.3 Desafios intelectuais

O novo ambiente urbano posterior à Guerra Civil ofereceu pressões


comerciais mais intensas, maior acesso à educação superior e crescente
contato com pessoas de diferentes grupos étnicos e religiosos, fatores esses
que contribuíram até certo ponto para solapar o caráter evangélico da fé
nacional. Além dessas mudanças sociais, ocorreram alguns deslocamentos
intelectuais que apontavam para a fragmentação do cristianismo
protestante que por mais de um século havia dominado a religião pública
dos Estados Unidos.

O período pós-guerra testemunhou o surgimento da moderna universidade


americana, começando com Harvard, em 1869, e Johns Hopkins, em 1876,
seguidas de Stanford, Universidade de Chicago, Yale, Princeton, Columbia,
Michigan e Winsconsin. Os recursos para essas instituições vieram da nova
classe de riquíssimos empresários como Ezra Cornell, Johns Hopkins,
Cornelius Vanderbilt, Leland Stanford, James Duke e John D. Rockefeller.
O objetivo das mesmas não era mais a formação do caráter, como havia
sido tradicionalmente, mas a instrução especializada, em nível de pós-
graduação, segundo o modelo alemão de vida acadêmica. Essa tendência
foi acompanhada do enfraquecimento da influência cristã nessas
instituições e de uma quase ilimitada confiança na ciência.

Certas proposições acerca da Bíblia também causaram um grande impacto.


Boa parte dos estudos avançados vindos da Europa no final do século 19
parecia minar a antiga confiança que a maior parte dos americanos havia
depositado na veracidade das Escrituras. As novas concepções da crítica
histórica transformaram a Bíblia de uma fonte inquestionável de
autoridade religiosa em um problema que exigia crescente atenção e
gerava crescente controvérsia.

Ao contrário do que aconteceria a partir de 1920, as primeiras adaptações


dos protestantes às novas condições sociais e às idéias críticas modernas
foram relativamente isentas de traumas. As atitudes quanto à evolução
constituem um bom exemplo. Na primeira década e meia após a
publicação da obra de Charles Darwin, A Origem das Espécies (1859),
tanto líderes religiosos quanto cientistas demonstraram grande ceticismo
quanto à teoria da evolução através da seleção natural. Pensadores
progressistas como Horace Bushnell se uniram a conservadores como
Charles Hodge e moderados como Phillips Brooks no sentido de rejeitar
essa teoria como uma afronta às sensibilidades morais e às pressuposições
teistas. Por outro lado, o mais notável dos primeiros defensores de Darwin
nos Estados Unidos foi Asa Gray, um botânico de Harvard que insistia que
a teoria da evolução era compatível com o desígnio inteligente de Deus
com relação ao universo, bem como com o cristianismo ortodoxo,
trinitário.

Mais tarde, quando o mundo científico gradualmente veio a aceitar os


princípios evolucionários gerais, os protestantes começaram a dividir-se.
Charles Hodge considerou a evolução proposta por Darwin como
“ateísmo”, porque ele não encontrou nas obras desse autor qualquer
espaço para o propósito divino no controle do mundo. Do outro lado
estavam pensadores que alteraram radicalmente algumas concepções
cristãs tradicionais para adaptá-las ao modelo evolucionário, mas não
havia muitos deles até o início do século XX. Muito mais comum do que a
pura e simples rejeição ou aceitação do darwinismo foram as tentativas de
fazer pequenos ajustes tanto no pensamento cristão tradicional quanto nas
concepções populares acerca do cosmos, como foi o caso de alguns
professores de Yale e Princeton. Esses protestantes sentiam que a fé cristã
histórica e a crença tradicional no ordenamento divino do mundo podiam
harmonizar-se com a crença em algum tipo de evolução.

Benjamin B. Warfield (1851-1921), professor do Seminário de Princeton e


principal defensor da inerrância das Escrituras no final do século 19,
escreveu em 1888 que não julgava haver qualquer afirmação geral na
Bíblia ou no relato da criação que fosse oposta à evolução. Outros
indivíduos que tentaram reter a antiga fé com alguma mistura de
elementos modernos foram, por exemplo, os presbiterianos William G. T.
Shedd (1820-1894) e Charles A. Briggs (1841-1913), e os batistas Augustus
H. Strong (1836-1921) e Edgar Young Mullins (1860-1928). As diferenças
que existiam entre eles eram consideráveis, mas o que tinham em comum
era um protestantismo que ainda possuía as marcas do século 19. Eles
estavam tão preocupados em preservar quanto ou mais que em inovar;
estavam interessados em assimilar (ou pelo menos considerar plenamente)
os últimos avanços da ciência e prontos a utilizar certas associações de
recursos teológicos que no século seguinte tornaram-se incompatíveis,
escrevendo suas teologias para orientar tanto a igreja quanto a cultura
geral.

Ao mesmo tempo, os novos conhecimentos romperam o relacionamento


existente entre o protestantismo evangélico e a vida intelectual da nação ao
eliminarem o controle protestante da educação superior americana e
abrirem a porta para interpretações seculares da vida. Mais que isso, no
alvorecer do século XX, surgiram dois pólos de teologia protestante
radicalmente opostos: modernismo e fundamentalismo. Os modernistas
eram protestantes que sentiam ser necessário adaptar a fé cristã às normas
definidoras da cultura moderna. Os representantes mais destacados dessa
posição foram homens como o ministro congregacional Theodore Munger
(1830-1910), o professor e presidente do Seminário Union de Nova York,
Arthur Cushman McGiffert (1861-1933), e especialmente o deão da Escola
de Teologia da Universidade de Chicago, Shailer Mathews (1863-1941),
autor do conhecido livro A Fé do Modernismo (1924).

As respostas fundamentalistas aos novos desafios abrangeram um amplo


espectro. De um lado houve intelectuais respeitados como J. Gresham
Machen (1881-1937), professor de Novo Testamento no Seminário de
Princeton e autor do livro Cristianismo e Liberalismo (1923); do outro
lado, proponentes do dispensacionalismo pré-milenista como Cyrus I.
Scofield (1843-1921), autor da edição comentada da Bíblia que leva o seu
nome. Um movimento protestante ainda mais conservador no final do
século 19 foi o que recebeu o nome de “holiness” (santidade), derivado do
metodismo e um precursor direto do pentecostalismo do século XX.

Fonte

Mark A. Noll, A History of Christianity in the United States and Canada


(Grand Rapids: Eerdmans, 1992).

Bibliografia

1. História da igreja

Cairns, Earle E., O Cristianismo através dos Séculos: Uma História da


Igreja Cristã (São Paulo: Vida Nova, 1988).

Douglas, J. D., ed. geral, The New International Dictionary of the Christian
Church, 2ª ed. (Grand Rapids: Zondervan, 1978).

Dowley, Tim, ed., Atlas Vida Nova da Bíblia e da História do Cristianismo


(São Paulo: Vida Nova, 1997).

González, Justo L., Uma História Ilustrada do Cristianismo, 10 vols. (São


Paulo: Vida Nova).

González, Justo L., A History of Christian Thought, 3 vols., ed. rev.


(Nashville: Abingdon, 1975/1987).

Kee, Howard Clark et al., Christianity: A Social and Cultural History (Nova
York: Macmillan, 1991).

Latourette, K. S., A History of Christianity: Vol. II – Reformation to the


Present, ed. rev. (Nova York: Harper Collins, 1975 [*1953]).

Meyer, Carl S., Church History from Pentecost to the Present (Chicago:
Moody, 1970).

Neill, Stephen, História das Missões (São Paulo: Vida Nova, 1989).

Nichols, R. H., História da Igreja Cristã, 10ª ed. rev. (São Paulo: Casa
Editora Presbiteriana, 1997).

Tucker, Ruth A., “… Até aos Confins da Terra”: Uma História Biográfica
das Missões Cristãs, 2ª ed. (São Paulo: Vida Nova, 1996).

Walker, W., R. A. Norris, D. W. Lotz e R. T. Handy, A History of the


Christian Church, 4a. ed. (Nova York: Scribner’s, 1985). [*1970]

Walton, R. C., Chronological and Background Charts of Church History


(Grand Rapids: Zondervan, 1986).

Williams, Terri, Cronologia da História Eclesiástica em Gráficos e Mapas


(São Paulo: Vida Nova, 1993).

2. História religiosa dos EUA

Ahlstrom, Sydney, A Religious History of the American People (New


Haven: Yale University Press, 1972).

Bedell, George C., Leo Sandon, Jr. e Charles T. Wellborn, Religion in


America (Nova York: Macmillan, 1975).
Bowden, Henry Warner e P. C. Kemeny, eds., American Church History:
Reader (Nashville: Abingdon, 1998).

Brauer, Jerald C., Protestantism in America: A Narrative History


(Filadélfia: Westminster, 1965).

Gaustad, Edwin S., A Religious History of America, nova ed. rev. (Nova
York: Harper San Francisco, 1990).

Gaustad, Edwin S., ed., A Documentary History of Religion in America to


the Civil War, 2ª ed. (Grand Rapids: Eerdmans, 1993).

______, ed. A Documentary History of Religion in America: Since 1865,


2ª ed. (Grand Rapids: Eerdmans, 1993).

Hall, David D., ed., Lived Religion in America: Toward a History of


Practice (Princeton: Princeton University Press, 1998).

Hardman, Keith J., Issues in American Christianity: Primary Sources with


Introductions (Grand Rapids: Baker, 1993).

Hatch, Nathan O., The Democratization of American Christianity (New


Haven: Yale University Press, 1989).

Melton, J. Gordon, ed., The Encyclopedia of American Religions, 3 vols.


(New York: Triumph Books, 1991).

Noll, Mark A., A History of Christianity in the United States and Canada
(Grand Rapids: Eerdmans, 1992). [*1974]

Noll, Mark A. et al, eds., Eerdmans’ Handbook to Christianity in America


(Grand Rapids: Eerdmans, 1983).

Reid, Daniel G., ed., Concise Dictionary of Christianity in America


(Downers Grove: InterVarsity, 1995).

Sweet, Leonard I., The Evangelical Tradition in America (Macon: Mercer


University, 1997).
Williams, Peter W., America’s Religions: Traditions and Cultures (Nova
York: MacMillan, 1990).

Revista Christian History: “The American Puritans” (Vol. XIII, Nº 1, 1994);


“Jonathan Edwards and the Great Awakening” (IV:4, 1985); “George
Whitefield” (XII:2, 1993); “Spiritual Awakenings in North America”
(VIII:3, 1989); “Camp Meetings and Circuit Riders” (XIV:1, 1995); “The
American Revolution” (XV:2, 1996); “The Untold Story of Christianity and
the Civil War” (XI:1, 1992); “How the West was Really Won” (XIX:2,
2000); “The Unconventional Dwight L. Moody” (IX:1, 1990).

3. Grupos, personagens e movimentos

Bloom, Harold, The American Religion: The Emergence of the Post-


Christian Nation (Nova York: Touchstone, 1993).

Chryssides, George D. The Elements of Unitarianism (Shaftesbury,


Inglaterra: Element, 1998).

Finney, Charles G., Lectures on Revival (Minneapolis: Bethany, 1988).

______ , Finney’s Systematic Theology: The Complete and Newly


Expanded 1878 Edition (Minneapolis: Bethany, 1994).

Hall, David D. Worlds of Wonder, Days of Judgment: Popular Religious


Beliefs in Early New England (Cambridge: Harvard Univ. Press, 1990).

______ , ed. The Antinomian Controversy, 1636-1638: A Documentary


History, 2ª ed. (Durham: Duke University, 1990).

______, ed. Witch-Hunting in Seventeenth-Century New England: A


Documentary History, 1638-1692 (Boston: Northeastern University Press,
1991).

Hambrick-Stowe, Charles E. The Practice of Piety: Puritan Devotional


Disciplines in Seventeenth-Century New England (Chapel Hill: The
University of North Carolina Press, 1982).
Hardman, Keith J., Seasons of Refreshing: Evangelism and Revivals in
America (Grand Rapids: Baker, 1994).

Hart, D.G., ed. Reckoning with the Past: Historical Essays on American
Evangelicalism from the Institute for Study of American Evangelicals
(Grand Rapids: Baker, 1995).

Hoeksema, Gertrude, A Watered Garden: A Brief History of the Protestant


Reformed Churches in America (Grand Rapids: Reformed Free, 1992).

Marsden, George M. Understanding Fundamentalism and Evangelicalism


(Grand Rapids: Eerdmans, 1996).

Pollock, John, Moody Without Sankey (Geanies House, Escócia: Christian


Focus Publications, 1995 [*1963]).

Religion in America: From the Coming of Europeans to the 1870s”


(apostila, Harvard Divinity School).

Williams, Peter W., America’s Religions: Traditions and Cultures (Nova


York: Macmillan, 1990).

Períodos: Mark Noll, A History of Christianity in the United States and


Canada (1992).

I. Primórdios

1. Expansão européia e colonização católica: Nova Espanha, Nova


França, Maryland
2. A Reforma inglesa e os puritanos: Inglaterra, Virgínia, Plymouth
3. Outros primórdios: batistas, anglicanos, quakers, presbiterianos,
reformados e pietistas, índios e escravosII. Americanização
4. Renovação da piedade (1700-1750): Solomon Stoddard e Cotton
Mather; o Grande Despertamento (George Whitefield e Jonathan
Edwards); seus efeitos
5. As igrejas na revolução: patriotas e monarquistas; a fé dos
fundadores; a escravidão
6. A revolução nas igrejas: separação igreja-estado; democracia
populista; teologia americanaIII. O “Século Protestante”
7. Mobilização evangélica: o Segundo Grande Despertamento;
metodistas e batistas; Finney; mulheres; missões
8. Os “forasteiros”: adventistas, mórmons, negros, católicos, imigrantes
9. A “América Evangélica” (1800-1865): missões, educação, teologia,
política
10. [O Canadá cristão]
11. Os últimos anos da “América Protestante” (1865-1918): evangelismo e
missões, reforma moral, política protestante, o Evangelho Social, o
movimento ecumênicoIV. A Emergência do Pluralismo Religioso
12. A Guerra Civil
13. Grupos não-brancos e não-protestantes: negros, ortodoxos, católicos
14. O protestantismo abalado: desafios intelectuais e teológicos
15. Legados da “América Cristã”(a) Sydney Ahlstrom, A Religious History
of the American People (1972)

I. Prólogo Europeu: catolicismo, Reforma, puritanismo, colonização


II. A Fundação do Império Protestante: Nova Inglaterra, Rhode Island,
colônias do sul e colônias centrais (holandeses, puritanos, quakers,
anglicanos, pietistas reformados e luteranos)
III. O Século de Despertamento e Revolução: presbiterianismo, o Grande
Despertamento, Jonathan Edwards e teologia, catolicismo, iluminismo,
revolução
IV. A Era Dourada do Evangelicalismo Democrático: unitarianismo,
teologia da Nova Inglaterra, o Segundo Grande Despertamento, metodistas
e batistas, presbiterianos e congregacionais, seitas e movimentos
comunitários
V. Religiões Competidoras: luteranismo, catolicismo, anti-catolicismo e
movimento natisvista, judaísmo, romantismo
VI. Escravidão e Expiação: reformas humanitárias, escravidão e divisão,
Guerra Civil e reconstrução, igrejas negras, igrejas brancas do sul
VII. As Dores da Transição: crescimento urbano, imigração, teologia
liberal, evangelho social, tensões no protestantismo e catolicismo,
protestantismo militante
(b) Edwin Gaustad, A Religious History of America (1990)

I. A Era da Exploração (1492-1607): índios americanos; primeiros


esforços missionários e colonizadores dos franceses, espanhóis e ingleses
II. A Era da Colonização (1607-1775): a religião das colônias inglesas
III. A Era da Expansão (1775-1898): revolução e separação igreja-
estado,despertamento e inovações, evangelização do oeste, abolicionismo e
Guerra Civil, diversidade religiosa e imigração, urbanização e
industrialização
IV. A Era do Império (1898-1962): da Guerra Hispano-Americana até o
Vaticano II; tema: o ingresso dos EUA no cenário mundial; missões
domésticas e mundiais; grupos religiosos; controvérsias teológicas.