Você está na página 1de 49

SIMPOSIO DE

DOUTRINAS BÍBLICAS 2020


MARCAS DE UM
CRISTÃO

"Em Antioquia, foram os discípulos, pela primeira vez, chamados cristãos" (At
11.26). Fundamentados nesta revelação bíblica, estaremos estudando sobre as
marcas de um verdadeiro discípulo de Jesus. Aquele que decide seguir o Mestre,
consequentemente, abraça um modo de vida que demonstra as virtudes de Cristo. A
primeira característica de um autêntico seguidor de Jesus é a semelhança com seu
Senhor. O próprio Jesus apontou a relevância desta realidade espiritual quando
afirmou: "Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos..." (Jo 11.35).
Ser cristão não é apenas levar o nome de Cristo, mas, manifestar o Seu caráter,
Suas virtudes e Suas marcas. O verdadeiro crente revela no seu comportamento, na
sua linguagem, no modo de vestir, em suas reações, nas suas crenças, no seu interior,
enfim, em todas as áreas da sua vida, o que o apóstolo Paulo afirmou: "Já estou
crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que
agora vivo na carne vivo-a na fé do Filho de Deus, o qual me amou e se entregou
a si mesmo por mim" (Gl 2.20).
Que ao final deste Simpósio de Doutrinas Bíblicas, cada um de nós estejamos
ainda mais parecidos com o nosso Senhor Jesus Cristo. Que as Suas marcas estejam
evidenciadas em nossas vidas, credenciando-nos a portar o honroso título de cristão.

Pr. Ailton José Alves


Pastor Presidente da IEADPE
MARCAS DE UM CRISTÃO
MARCAS DE UM CRISTÃO

GLOSSÁRIO
ALUDIR: fazer menção, referir, mencionar.

ANTROPOCENTRISMO: forma de pensamento comum a certos sistemas


filosóficos e crenças religiosas que atribui ao ser humano uma posição de
centralidade em relação a todo o universo.

CORROBORAR: apoiar, confirmar, comprovar.

CREDENCIAR: tornar habilitado ou qualificado para algo.

CRÍVEL: em que se pode crer, acreditável, verossímil.


DESIGREJADOS: aqueles que afirmam servir a Jesus sem fazer parte de
uma igreja local. Pessoas sem vínculo denominacional, autônomas.

EMANOU: nasceu, proveu, procedeu.

EXIGUIDADE: escassez, carência.

IMPRESCINDÍVEL: de que se não pode prescindir, indispensável.

INSÓLITO: que não é costume, extraordinário, raro, singular.


MÁRTIR: pessoa que sofre ou morre por uma crença, idéia ou causa.

MODUS OPERANDI: modo de operação, modo de agir.

PRAXE: aquilo que habitualmente se faz; costume, prática, rotina.

RATIFICAR: confirmar, validar, autenticar.

RESPALDAR: apoiar, aceitar, aprovar, abraçar.


Sigo as pegadas do Mestre,
No viver, no crer, no coração, nas virtudes que persigo,
É por graça que assim vivo, sou discípulo, sou cristão.

Me comparam ao meu Senhor, se por escárnio, zombaria ou não, não importa


o que digam, quer me aplaudam ou aflijam sou um crente, sou cristão.

A verdade que conheço,


Não é quimera, ilusão,
É divina, não é sonho,
Não criada, não é conto, tenho fé, sou cristão.

O caminho é estreito, Desprezo, dor, perseguição,


É o preço do amor que abracei, resignado o Mestre seguirei, sou escravo, sou
cristão.
VIVENDO EM ORAÇÃO

VIVENDO EM

ORAÇÃO

VERSÍCULO CHAVE: AT 1.14

"TODOS ESTES PERSEVERAVAM

UNANIMEMENTE EM ORAÇÃO E SÚPLICAS, COM AS MULHERES, E MARIA,

MÃE DE JESUS, E COM SEUS IRMÃOS."


MARCAS DE UM CRISTÃO

INTRODUÇÃO

Nesta série de estudos que agora inicia-


mos, vamos estudar sobre as práticas da
vida cristã. A praxe de um discípulo de
Jesus o credencia a testemunhar de sua
REFLEXÃO fé, pois, é impossível desassociar esta fé
A vida de oração do Senhor de uma vida regrada e disciplinada pelos
Jesus influenciou Seus
parâmetros que o Mestre estabeleceu na
apóstolos. A vida de oração
dos apóstolos deve ser um Sua Palavra. Por que os irmãos de
estímulo para a nossa Antioquia foram "pela primeira vez,
caminhada cristã. chamados cristãos? (At 11.26). Pela
vida semelhante à de Cristo, pela
similaridade de conduta, de linguagem e
HINOS SUGERIDOS: de costumes, pelo estilo de vida
296, 427 E 577 (HC)
inspirada e influenciada pelo Mestre!

TEXTO BASE: Nosso desafio, nestes últimos dias da

AT 12.1-5 Igreja na terra, é mostrar que somos


seguidores de Cristo, através do nosso
testemunho. Nesta primeira aula,
abordaremos a relevância da oração na
vida de um verdadeiro cristão.

OBJETIVOS:
> Analisar a vida de oração dos primeiros
cristãos.

> Avaliar a importância da oração para a


nossa vida espiritual.
VIVENDO EM ORAÇÃO

1. um lugar de máxima relevância no


0 EXEMPLO DE ORAÇÃO cotidiano daqueles crentes. É assim
DA IGREJA PRIMITIVA. também para nós? É um valor central e
imprescindível em nossas vidas?
Os crentes primitivos foram crentes de Perseverar na oração é se manter
oração. Esta é uma prática que começou firme, se dedicar, se empenhar e
inspirada no exemplo de Jesus (Mc 1.35; Lc permanecer nesta prática espiritual ( Lc
5.16; 6.12; Hb 5.7), passando pelos cristãos 18.1; 1 Ts 5.17).
do primeiro século (At 1.14; 3.1),
perpetuando-se através dos anos na vida da 1.3. AS ORAÇÕES ERAM CONSTANTES E

Igreja até chegar aos dias atuais. Os crentes UNÂNIMES (AT 1.14). "...estes perseve-

sempre foram ensinados e estimulados a ravam unanimemente em oração e

viver sob o manto da oração. súplicas...". Duas condições se destacam


neste versículo:

1.1. A IGREJA PERSEVERAVA NA ORAÇÃO.


a) Perseveravam (gr. proskartereo): ser de-
O texto bíblico é claro e esclarecedor: “E
dicado, ser fiel, continuar o tempo todo
perseveravam... nas orações" (At 2.42). O
num lugar, perseverar e não desfalecer.
verbo perseverar, nesta passagem (grifo
Assim deve ser a vida de oração de um
nosso), no modo em que é empregado,
autêntico discípulo de Jesus (Fp 1.4).
significa: ser, estar, existir, acontecer. Assim,
b) Unânimes (gr. homothumadon): com
entendemos que a Igreja estava atuante
uma mente, de comum acordo, com
pela oração, existia por causa da oração, se
uma paixão (At 4.24; 12.12). Este vo-
movia pelo poder da oração e tudo o que
cábulo aparece 10 vezes em Atos dos
nela acontecia era resultado da oração! Não
Apóstolos. É composto de duas palavras
pode haver Igreja, crentes, milagres, dons,
que significam "em uníssono". Dá ideia
evangelização e manifestação do Espírito,
de música: um conjunto de notas é
sem o recurso espiritual eficaz e
tocado e, mesmo que diferentes, as
insubstituível que é a oração.
notas harmonizam em grau e tom. Assim
também o Espírito Santo harmoniza,
1.2. A ORAÇÃO ERA UM VALOR CENTRAL
guia e inspira as orações na Igreja e na
PARA A IGREJA PRIMITIVA. Isto significa
vida particular de cada crente (Jo
dizer que a oração era uma prioridade na
14.16,17; Rm 8.26,27).
vida dos primeiros cristãos, ocupando
MARCAS DE UM CRISTÃO

da oração.
2.3. GERA MILAGRES (AT 3. 1-9;
2. 12.5-17). O resultado da oração da Igreja é
a manifestação de sinais e prodígios.
O VALOR DA ORAÇÃO
CONGREGACIONAL 2.4. AS ORAÇÕES CONGREGACIONAIS

(AT 12.5). SÃO PODEROSAS (AT 4.24-31). O


contexto nos fala de perseguição, prisão e
ameaças sofridas por Pedro e João. Quando
Os cristãos primitivos perceberam a im-
portância de orar juntos. Este princípio é foram liberados, reportaram a situação aos
irmãos. Então, todos unânimes, decidiram
seguido por aqueles que se congregam em
igrejas locais e seguem o padrão bíblico, orar ao Senhor. Por que aquela oração foi
poderosa, sendo um modelo para as ora-
como a nossa Igreja Evangélica Assembléia
de Deus em Pernambuco, que desde os ções congregacionais no tempo presente?

seus primórdios e por toda sua trajetória,


a) Reconheceram o poder de Deus (v.
tem a oração como um de seus pilares.
24):
Vejamos a importância da oração
"Senhor, tu és o que fizeste o céu, e a terra, e o
congregacional, olhando o exemplo da
mar, e tudo o que neles há".
Igreja Primitiva.
b) Oraram fundamentados na Palavra de
Deus (v.25; ver. SI 2.1,2): "...que disseste
2.1. ELA INFLUENCIA EM DECISÕES. Na
pela boca de Davi, teu servo: Por que bramaram
escolha de obreiros (Mc At 1.24-26), na
as gentes, e os povos pensaram coisas vãs?..."
obra missionária (At 13.1-3) e na resolução
c) Pediram ousadia e poder (w.29,30):
de questões (At 15 1-35).
"...
e concede aos teus servos ... ousadia
2.2. TORNA POSSÍVEL O AVIVAMENTO
......... enquanto estendes a mão para
(AT 2.1-4). Diz o texto que eles estavam
curar... sinais e prodígios..."
reunidos e, de repente, foram cheios do
d) Foram atendidos pelo Senhor (v.31):
Espírito Santo. A Igreja teve seu início numa
"E, tendo eles orado, moveu-se o lugar
reunião de oração, os crentes foram ba-
em que estavam reunidos; e todos foram cheios
tizados como resposta de oração, ouviram
do Espírito Santo e anunciavam com
(...um som como de um vento...) e viram (... e
ousadia a palavra de Deus".
foram vistas por eles línguas repartidas como que de
fogo...) manifestações espirituais sob o poder
PERSEVERANDO NA PALAVRA

3. 3.4. ELA PRODUZ LIVRAMENTO (AT


O PODER DA ORAÇÃO 16.25-34).
DEVOCIONAL Paulo e Silas experimentaram o poder da
oração num tempo de grande perseguição.
Há maravilhosos exemplos no livro dos Atos Os momentos mais insólitos da vida do
dos Apóstolos sobre o efeito que a oração crente devem ser vividos à sombra da
produz na vida devocional do crente. oração.
Devemos sempre ter em mente o que nos
afirma o apóstolo Tiago (chamado o "joelho 3.5. ELA NOS DÁ ESPERANÇAS E NOVAS

de camelo", porque desenvolveu PERSPECTIVAS (AT 27.20-25). A

calosidades em seus joelhos, resultado de adversidade e a falta de expectativas não

passar longos períodos orando): "A oração desanimam um crente que vive em oração.

feita por um justo pode muito em seus efeitos" (Tg Todos estavam sem esperança de salvação

1.16). no navio onde Paulo viajava, mas, o servo


do Senhor foi respondido em suas orações

3.1. ELA NOS DÁ EXPERIÊNCIAS e disse: "Porque, esta mesma noite, o anjo de

PESSOAIS COM DEUS (AT 10.1-8). Deus, de quem eu sou e a quem sirvo, esteve

Cornélio alcançou visão, visitação, resposta comigo, dizendo: Paulo, não temas! ... e eis que Deus

e direção como fruto de oração. te deu todos quantos navegam contigo. Portanto, ó
varões, tende bom ânimo! Porque creio em Deus

3.2. ELA NOS FAZ COMPREENDER A que há de acontecer assim como a mim me foi dito"

VONTADE DE DEUS (AT 10.9-23; CL 1.9). (VV.23-25).

Pedro compreendeu a vontade divina


enquanto orava. CONCLUSÃO
A oração é uma arma poderosa e eficaz.
3.3. ELA MUDA CONCEITOS, CONDUTAS Ore por sua família, ore por sua igreja,
ore por sua nação, ore por milagres, ore
E PROPÓSITOS (AT 9.11). A conversão de
crendo, ore em seu quarto, ore no
Paulo foi seguida de momentos de comu- templo, ore sempre... ore agora!
nhão e contrição espiritual. Como resultado,
ele recebeu visão (At 9.12), revelação (At
9.15; Gl 1.11-24), cura e poder do Espírito
Santo (At 9.17,18).
PERSEVERANDO NA PALAVRA

PERSEVERANDO NA

PALAVRA

VERSÍCULO CHAVE: AT 2.42

"E PERSEVERAVAM NA DOUTRINA DOS

APÓSTOLOS, E NA COMUNHÃO, E NO

PARTIR DO PÃO, E NAS ORAÇÕES."


MARCAS DE UM CRISTÃO

REFLEXÃO INTRODUÇÃO
"Pois toda a Escritura Sagrada é
inspirada por Deus e é útil para
Aceitar a Bíblia Sagrada como única
ensinar a verdade, condenar o
erro, corrigir as faltas e ensinar a regra de fé e conduta é uma das marcas
maneira certa de viver" que identificam tanto uma igreja
(2 Tm 3.16 - Nova Tradução na verdadeira quanto um genuíno cristão.
Linguagem de Hoje).
Uma das características marcantes da
vida do crente é a afeição à Palavra de
Deus. Esse foi o exemplo dos primeiros
cristãos. Não era necessário insistir ou
coagi-los a amar a Palavra, era um sen-
timento natural e espontâneo. O Espírito
Santo os inspirava e fomentava o desejo

HINOS SUGERIDOS: pelo aprendizado e prática das Sagradas

259, 505 E 506 (HC) Escrituras. A perseverança na sã doutrina,


a defesa das verdades bíblicas, o estudo
TEXTO BASE: sistemático da Bíblia, o amor e a
AT 2.37-42 dedicação à Palavra de Deus, são marcas
de um genuíno cristão, de um verdadeiro
discípulo de Jesus Cristo.

OBJETIVOS:
> Compreender a importância da Palavra
de Deus para a vida cristã.

> Estimular o amor e a devoção às


Escrituras.
PERSEVERANDO NA PALAVRA

Cristo, Sua encarnação, Sua morte e res-


surreição e Sua iminente volta para arre-
1. batar a Igreja. O crente que persevera na
PERSEVERANDO doutrina crê na pessoa do Espírito Santo, no
NA DOUTRINA DOS batismo com fogo, na atualidade dos dons

APÓSTOLOS. espirituais. Todas as doutrinas bíblicas são


críveis para quem persevera nos ensinos das

No Novo Testamento, a palavra grega mais Escrituras, sem incredulidades ou

utilizada para definir doutrina é didachê, contestações. O cristão genuíno é marcado

cujo significado é "instrução, ensino". A por sua fé perseverante, inabalável e

igreja primitiva fazia uso deste vocábulo incondicional na inspiração plenária da

para referir-se "a doutrina dos apóstolos" Bíblia.

(At 2.42) ou a "doutrina do Senhor" (At


1.2. PERSEVERAR NA DOUTRINA É
13.12). Não era uma doutrina qualquer, não
ESTUDAR A PALAVRA (AT 17.11,12). O
era de origem humana, era divina. Ela
estudo contínuo das Sagradas Escrituras
emanou do próprio Cristo, foi normatizada
norteia o nosso relacionamento com Deus,
e ensinada pelo colégio apostólico que Ele
com a Igreja e com os nossos semelhantes.
mesmo constituiu, devendo ser seguida por
Este estudo, contudo, tem de ser
aqueles que abraçam a fé cristã: “Portanto
persistente, sistemático e ordenado, para
ide, fazei discípulos... ensinando-os a guardar
que nos inteiremos de todo o conselho (gr.
todas as coisas que eu vos tenho mandado..."
boule: propósito, querer, vontade) de Deus
(Mt 28.19,20).
(At 20.27). Portanto, perseverar na doutrina
é compreender, pela Palavra, a direção de
1.1. PERSEVERAR NA DOUTRINA É CRER
Deus para o nosso viver.
NA PALAVRA. Na autêntica vida cristã não
há lugar para heresias nem apostasias.
1.3. PERSEVERAR NA DOUTRINA É
Nestes últimos dias, muitos são os que
APROFUNDAR-SE NO CONHECIMENTO
surgem dissimulando suas inverdades
DE DEUS. Os apóstolos se dedicavam ao
doutrinárias, com o único intuito de destruir
ensino, porque entendiam que a Palavra
a comunhão dos santos (2 Ts 2.3; 2 Pe 2.1).
gera comunhão, intimidade e conhecimento
Porém, é uma marca do verdadeiro cristão
do Senhor (At 5.42; 18.11; 20.20; 28.31).
crer e defender tudo o que a Palavra de
Deus ensina sobre a pessoa de
MARCAS DE UM CRISTÃO

da palavra de Deus (Jo 17.14-17). Ele orou


a Deus dizendo: "Santifica-os...} Santificar
2. (gr. hagiazo) é separar do profano e dedicar
A AÇÃO DA PALAVRA a Deus, limpar externamente, purificar
NA IGREJA. internamente pela renovação da alma.
Portanto, a mensagem verdadeiramente
Podemos listar diversas atuações da Palavra bíblica confronta o pecado e prepara a
de Deus na vida da Igreja do Senhor. Vamos Igreja para vencer o mundo através da
destacar três dessas operações espirituais. consagração a Deus.

2.1. ELA COLOCA EM EVIDÊNCIA A 2.3. ELA CONDUZ O CULTO DE ACORDO

PESSOA DE CRISTO (AT 5.42; 1 CO 1.23). COM OS PRINCÍPIOS BÍBLICOS. Os ele-

O tema central da Bíblia é o Senhor Jesus. mentos do culto cristão estão exarados nas

Consequentemente, a mensagem da Igreja páginas da Bíblia Sagrada. Vamos abordar o

é Cristocêntrica, ou seja, tem como tema valor do culto congregacional em uma lição

central o Cristo, Seus ensinos, Seus atri- mais à frente, mas, precisamos sempre

butos, Seus atos e Suas promessas. A ratificar o valor, a relevância e a

proclamação apostólica era inconfun- insubstituibilidade da Palavra de Deus na

divelmente Cristocêntrica. A primeira vida da Igreja. Ela é o elemento central das

mensagem da Igreja (At 2.14-36) exaltou a nossas reuniões, deve ser reverenciada (Ne

Jesus e mostrou um modelo a ser seguido. 8.1-9; At 20.7-12) e servir como base de

O livro dos Atos dos apóstolos menciona 15 toda a liturgia do culto a Deus. Quando o

pregações, e elas giram em torno da pessoa culto gira em torno da Palavra de Deus, os

de Cristo. A mensagem Cristocêntrica da louvores são inspirados, a pregação é

Igreja desperta o desejo pela salvação (At poderosa, a adoração é genuína, a

16.30), pelo milagre (At 8.5-8), pela sã contribuição é feita com alegria e o

doutrina e suas ordenanças (At 8.35-39; resultado é a edificação do Corpo de Cristo.

17.10-12) e estimula a fé em Jesus (Rm A compreensão da vontade de Deus, de

10.17). Seus princípios imutáveis, de Seus planos


para a Igreja e cada crente em particular,

2.2. ELA SANTIFICA O CORPO DE são resultados da proeminência da Sua

CRISTO, A SUA IGREJA. Em sua oração Palavra.

sacerdotal, Jesus alude o poder santificador


PERSEVERANDO NA PALAVRA

3.3. NOS DÁ COMUNHÃO COM DEUS


3. (JO 14.23). Jesus nos prometeu: “Se
O PODER DA PALAVRA NA alguém me ama, guardará (gr. tereo:
VIDA PARTICULAR DO atender, observar, experimentar) a minha
CRISTÃO. Palavra, e meu o amará, e viremos (gr.
erchomai: aparecer, apresentar-se,
Jamais esqueçamos da sentença bíblica: mostra-se, conhecer) para ele, e faremos
"Bem-aventurado o varão... tem o seu prazer nele morada". Analisando os termos em
na lei do SENHOR, e na sua lei medita de dia destaque, entendemos que, quando o
e de noite ... será como a árvore plantada crente guarda e medita na palavra de Deus
junto a ribeiros de águas ... e tudo quanto é alcançado pelas revelações divinas.
fizer prosperará" (Sl 1.1-3). Que efeitos a
Palavra de Deus produz na vida do cristão? 3.4. NOS GARANTE A PROSPERIDADE
É impossível descrever todos os resultados EM TODOS OS NOSSOS
que ela gera na vida do crente..., mas, EMPREENDIMENTOS (JS 1.8). Esta é a
observemos algumas destas atuações. promessa de Deus para quem ama a Sua
Palavra, nela medita e por ela se orienta:
3.1. NOS DÁ VITÓRIA CONTRA 0 “Tudo quanto fizer, prosperará (hb. tsalach:
PECADO (SL 119.11). No texto, esconder avançar, ser proveitoso, conduzir a um bom
(hb. tsaphan) é guardar, armazenar, resultado)" (Sl 1.3). Esta prosperidade é a
entesourar, ocultar. Assim, o crente, com o garantia do Senhor que, se observarmos a
coração dominado pela Palavra, é Sua Palavra, nossa vida espiritual, nossa
capacitado a rejeitar as ofertas do pecado e família, nossos projetos pessoais, enfim,
continuar no propósito de agradar a Deus todas as coisas que empreendemos,
(1 Jo 2.14). alcançarão a Sua benção e aprovação.

3.2. NOS ORIENTA NAS DECISÕES DA


VIDA (SL 119.105). A Palavra de Deus é
CONCLUSÃO
"Como são doces para o meu
uma bússola infalível e o crente jamais deve
paladar as tuas palavras! Mais que o
rejeitar a sua direção. Quando ela não trata mel para a minha boca!"
especificamente do nosso problema, certa- (S1119.103 - Nova Versão Internacional)
mente irá nos mostrar um princípio que nos
orientará no caminho a seguir.
TESTEMUNHAS DE CRISTO

TESTEMUNHAS DE

CRISTO

VERSÍCULO CHAVE: AT 4.20

"PORQUE NÃO PODEMOS DEIXAR DE

FALAR DO QUE TEMOS VISTO E OUVIDO."


MARCAS DE UM CRISTÃO

INTRODUÇÃO

O livro de Atos dos Apóstolos mostra o


começo e o desenvolvimento da evan-
gelização mundial. Ele revela o início da
obra missionária, os primeiros missioná-
REFLEXÃO rios, os primeiros mártires, as primeiras
O poder do Espírito Santo é
igrejas, os lugares inicialmente alcança-
dado aos discípulos de Jesus,
para que eles testemunhem de dos, os primeiros crentes, as primeiras
seu Mestre. mensagens e os primeiros avivamentos.
O escritor Lucas, na sua inspirada narra-
tiva, revela que a obra iniciada pelo pró-
prio Jesus (Jo 9.4) foi continuada pelos
Seus discípulos, constituídos como Suas
testemunhas. Nestes últimos dias, a voz
do Mestre continua ecoando e convo-
cando a todos nós: "..., mas recebereis a
virtude do Espírito, que há de vir sobre
vós, e ser-me-eis testemunhas..." (At 1.8).
HINOS SUGERIDOS:
Que possamos responder ao chamado
167, 394 E 437 (HC)
de Cristo, dizendo como Pedro e João:
TEXTO BASE: "...não podemos deixar de falar do que
AT 1.1-8 temos visto e ouvido" (At 4.20).

OBJETIVOS:
> Definir o que é uma verdadeira
testemunha de Cristo.

> Mostrar que uma testemunha de Jesus é


um mártir.
TESTEMUNHAS DE CRISTO

1. Mas, eles responderam como autênticas


TESTEMUNHA DE CRISTO É testemunhas de Cristo: "não podemos...
ALGUÉM QUE O CONHECE. vimos e ouvimos..." (At 4 20).

A definição de testemunha (gr. martus) é: > Vimos (gr. eido). perceber com os olhos,

alguém que presencia algo, aqueles que por discernir, descobrir, observar, experimen-

seu exemplo provam a força e genuinidade tar algum estado ou condição, conhecer.

de sua fé em Cristo até a morte. Os > Ouvimos (gr. akuo): perceber o sentido

dicionários da língua portuguesa ratificam do que é dito, entender, aprender,

esta significação, definindo: a pessoa que compreender.

relata um fato que viu ou ouviu.


Entendemos, portanto, que Pedro e João
afirmavam não poder negar os prodígios, os
1.1. SER TESTEMUNHA DE JESUS É TER
atributos, os ensinos, a trajetória de Jesus.
INTIMIDADE COM ELE (MT 13.11).
Assim somos nós. Como negar os milagres,
Vivenciam esta condição aqueles que
as respostas, os livramentos, as
tiveram uma experiência pessoal com Cristo,
manifestações espirituais, o poder e a
creem nos Seus atributos divinos, Sua
presença do Senhor Jesus em nosso viver?
encarnação, morte, ressurreição e
Não podemos, porque também "...vimos e
glorificação. Uma testemunha de Jesus
ouvimos...". Aleluia.
conhece segredos, detalhes, forma de agir,
de falar e outros aspectos de seu Senhor.
1.3. UMA TESTEMUNHA DE CRISTO
Algumas referências bíblicas exemplificam
NUNCA ESTARÁ SOZINHA (AP 1.9-20). O
este pensamento: Jo 13.23-26; Lc 24.35.
relacionamento de uma testemunha de
Jesus não é unilateral. Vemos esta realidade
1.2. SER TESTEMUNHA DE JESUS
na vida do apóstolo João, que foi preso pelo
IMPLICA EM TESTEMUNHAR. Uma
testemunho de Jesus (v.9), mas, na hora de
genuína testemunha de Cristo não pode
maior solidão e sofrimento, foi visitado de
ocultar o conhecimento que tem a Seu
forma extraordinária e especial pelo seu
respeito (At 4.18-20; 5.18-32). Pediram aos
Senhor, de quem testemunhava com de-
apóstolos que "... não falassem, nem
terminação. Jesus conhece e autentica a fé e
ensinassem, no nome de Jesus" (At 4.18).
a coragem das Suas fiéis testemunhas (Mt
Pediram que testemunhas não
7.21-23; Ap 2.13).
testemunhassem!
MARCAS DE UM CRISTÃO

2. SE IMPORTA COM AS CONSEQUÊNCIAS


UMA TESTEMUNHA DE (AT 20.22-24). O apóstolo Paulo não co-
CRISTO É UM MÁRTIR. locou sua vida como prioridade, mas, o
chamado para ser testemunha de Cristo e
A verdadeira testemunha de Jesus não nega do Evangelho (v.24).
a sua fé, ainda que venha a sofrer ou morrer
pelo seu Senhor (At 5.40,41; Fp 1.27-30; 2.3. DOIS TIPOS DE MARTÍRIO. Em

Hb 12.4). relação aos sofrimentos por causa de Cristo,


podemos classificá-los em duas categorias:

2.1. TESTEMUNHANDO EM JERUSALÉM


a) O martírio sangrento. É o sofrimento
(LC 24.45-49). Jesus disse aos discípulos
que muitos padeceram, e ainda pa-
que eles seriam alcançados pelo poder do
decem, em vários lugares, por amor a
Espírito Santo, e começariam a testemunhar
Jesus e pelo testemunho da sua fé. Mui-
em Jerusalém. O que isso significa?
tos foram os que sofreram açoites (At
16.22-24), flagelos, torturas, apedreja-
a) Representa o ciclo mais próximo.
mentos (At 7.55-60), morte violenta (At
Nossa missão tem como ponto de
12.1,2) e outros tipos de martírios, cruéis
partida o nosso lar, nossos vizinhos,
e injustos, por causa do testemunho de
nossa cidade, o lugar em que estamos.
Cristo
b) Representa o lugar mais hostil. Jerusa-
b) O martírio branco. É o sofrimento
lém representa o lugar da indiferença
cotidiano, o morrer diário do crente por
(Mt 23.37; Lc 13.34), da perseguição (At
amor a Jesus, sem sangue, mas, também
8.1), das lágrimas (Lc 19.41) e do
cruel e injusto. Ele está caracterizado no
martírio (At 7.58-60).
desprezo, na zombaria, na discriminação,
c) A Jerusalém de cada testemunha.
no preterimen- to, na rejeição, nos
Onde é a nossa Jerusalém? É onde
olhares e sorrisos irônicos, nas palavras
somos rejeitados, perseguidos, des-
caluniosas, na perseguição ideológica,
criminados! É o lugar ou a circunstância
acadêmica, familiar ou social que o
onde devemos mostrar a nossa
crente enfrenta por ser uma testemunha
fidelidade com ousadia e coragem (Pv
de Jesus (1 Pe 4.12-16).
24.10; At 28.30,31). É onde recebemos
poder!
2.2. UMA TESTEMUNHA DE JESUS NÃO
TESTEMUNHAS DE CRISTO

Deus se manifesta em nossas debilidades,


3. passamos a compreender que não podemos
UMA TESTEMUNHA DE viver sem este poder. Então, clamamos,
JESUS É ALGUÉM COM buscamos, choramos e declaramos que sem
PODER. Ele nós não podemos seguir, testemunhar,
viver (SI 51.11; Ez 37.9,10; Rm 8.26).
O poder é o próprio Deus atuando em
nossa frágil natureza, capacitando-nos a 3.3. 0 PODER É A OUSADIA NO ESPÍRITO
sermos legítimas testemunhas de Cristo. SANTO. Devemos orar como os primeiros
cristãos oraram ao Senhor: "... concede aos teus
3.1. 0 PODER É A AÇÃO DO ESPIRITO
servos que falem com toda a ousadia..." (At 4.29).
SANTO: “...recebereis a virtude do Espírito Santo,
A palavra ousadia (gr. parrhesia) dá o sentido
que há de vir sobre vós..." (At 1.8).
de liberdade, de falar francamente e sem
segredos (Hb 10.19). O poder do Espírito
a) Recebereis (gr. lambano): pegar com a
Santo nos dá conhecimento e acesso aos
mão, agarrar uma pessoa a fim de usá-la,
mistérios divinos: batismo no Espírito Santo,
pegar algo para ser carregado, tomar
dons espirituais, cânticos espirituais, sinais e
posse. Ser testemunha é ser conduzido
prodígios.
pelo poder do Espírito Santo, na vitória
contra a carne e na autoridade para
testemunhar de Cristo.
b) Há de vir (gr. eperchomaí): chegar,
aproximar-se, estar cerca, surpreender
alguém. Fala do Espírito Santo, descendo CONCLUSÃO
e agindo em alguém. O poder que o Sejamos testemunhas autênticas de
nosso Senhor Jesus Cristo neste mundo.
crente recebe para ser testemunha vem
"Pois Deus não nos deu espírito de
do alto, capacitando o incapaz, fortale- covardia, mas de poder, de amor e de
cendo o fraco, usando o indigno e sur- equilíbrio. Portanto, não se envergonhe
preendendo pela autoridade conferida às de testemunhar do Senhor..."
(2 Tm 1.7,8 - Nova Versão Internacional).
testemunhas (At 4.13).

3.2. 0 PODER É A DEPENDÊNCIA DO


ESPÍRITO SANTO. Quando a virtude do
Espírito de
0 CULTO CONGREGACIONAL

O CULTO
CONGREGACIONAL

VERSÍCULO CHAVE: 2.46

"E, PERSEVERANDO UNÂNIMES TODOS

OS DIAS NO TEMPLO E PARTINDO O

PÃO EM CASA, COMIAM JUNTOS COM

ALEGRIA E SINGELEZA DE CORAÇÃO"


INTRODUÇÃO

REFLEXÃO
Estamos vivendo um período onde a
O culto congregacional é uma
demonstração de amor e humanidade vive em intensa correria, as
reverência ao Senhor, pessoas vivem afobadas e ocupadas em
daqueles que foram seus afazeres e sem tempo de parar. Esta
alcançados por Sua graça.
situação prejudica inclusive a comunhão
na família e na igreja. Esta lição vem nos
alertar sobre a necessidade de
congregar, mesmo em uma época em
que a pressa faz parte de nosso
cotidiano, e combater a ideia dos que se
proclamam desigrejados. Deus esta-
beleceu um lugar onde pudesse
encontrar-se de forma mais pessoal com
HINOS SUGERIDOS: Seu povo: "E me farão um santuário,
210, 243 E 426(HC) para que eu possa habitar no meio deles"
(Ex 25.8). Nos dias de hoje a Igreja se
TEXTO BASE: reúne em lugares separados para a
AT 1.12-14
adoração, no intuito de prestar culto ao
Deus Eterno. Devemos, portanto, seguir a
orientação divina quanto ao culto
congregacional: "Não deixemos de
congregar-nos, como é costume de
alguns" (Hb 11.25).
OBJETIVOS:
> Estudar sobre a importância da reunião
congregacional.

> Compreender o poder da adoração da


Igreja.
O CULTO CONGREGACIONAL

1. pessoas o admirava, e a João, seu


CULTO: UM MOMENTO DE companheiro: "... por que olhais tanto para
ADORAÇÃO. nós..." (At 3.12). No culto só há espaço para
exaltar aquele que está sendo adorado, e
A palavra culto é originária do vocábulo não pessoas ou grupos. Nada ou ninguém
latino cultus, e significa adoração ou prevalece ou se sobrepõe à adoração
homenagem que se presta ao Supremo Ser. verdadeira e genuína no culto cristão.
No grego, duas palavras são utilizadas para
culto: latreia, significando serviço, adoração; 1.3. ATITUDES A SEREM OBSERVADAS

e proskyneo, que significa reverenciar, NO CULTO. As atitudes e motivações que

render homenagem, baixar-se para beijar, nos acompanham no culto, e mesmo antes

prostrar-se para adorar. O culto é um dele, são fundamentais para que a nossa

momento de adoração, serviço e oferta e o nosso serviço sejam agradáveis a

homenagem a Deus. Marca o encontro do Deus.

Supremo Ser com os seus adoradores.


a) Quebrantamento (Lc 18.10-14). No
culto devemos nos despojar de qualquer
1.1. DEVEMOS ANSIAR PELO CULTO.
sentimento que impeça a adoração.
"Alegrei-me quando me disseram: vamos à
b) Gratidão (Sl 100.4). Sentimento de
Casa do Senhor" (SI 122.1). Alegrar (hb.
quem reconhece não ser digno de
samach) denota regozijar-se, estar alegre,
aceitação, mas, por graça, é recebido
exultar. Este é o sentimento que deve
pelo Senhor.
mover nosso coração ao estar no culto.
c) Reverência e profundo temor (Ec 5.1;
Jesus disse os Seus discípulos na reunião do
Mt 21.12). O reconhecimento de que a
cenáculo: "Desejei muito comer convosco
Casa do Senhor não é um lugar comum.
esta Páscoa, antes que padeça" (Lc 22.15). A
d) Discernimento espiritual (Gn 28.16,17).
Nova Bíblia Viva traduz: "Eu estava
A compreensão que o culto não é ape-
esperando muito ansiosamente esta hora,
nas uma reunião social, mas, uma evento
desejoso de comer a refeição da Páscoa com
de dimensões espirituais que transpõe o
vocês". Qual o sentimento que nos impele
terreno e alcança os Céus.
ao culto?
1.2. O CULTO EXALTA SOMENTE A
DEUS. Na cura do coxo em Jerusalém,
Pedro discursa no templo, quando as
MARCAS DE UM CRISTÃO

2. Senhor ordenou a leitura pública da Lei (Dt


ELEMENTOS DO CULTO 31.9-13; Ne 8.1-12). A leitura das Escrituras
CONGREGACIONAL era uma parte regular do culto da sinagoga
(Lc 4.16-19; At 13.15). De igual modo, os
A liturgia (gr. leitourgia: "serviço público", primeiros crentes do Novo Testamento,
significa a forma de organização do culto e quando se reuniam para o culto,
seu desenvolvimento) é um aspecto im- participavam da leitura da Palavra de Deus
portante no culto congregacional. A que (Cl 4.16; 1Ts 5.27).
utilizamos em nossos cultos comporta os
seguintes elementos: 2.4. CONTRIBUIÇÃO (1 CO 16.2; 2 CO
9.7; FP 4.18). A adoração a Deus abrange a
2.1. ORAÇÃO (AT 2.42; EF 5.20; 1 TM entrega voluntária de dízimos e ofertas,
2.8).
As orações podem ser de adoração, invo- como reconhecimento da bondade e da

cação, confissão, petição, agradecimento, provisão divina.

intercessão, etc. Nossos cultos começam, se


2.5. EXPOSIÇÃO DA PALAVRA DE DEUS.
desenvolvem e terminam num ambiente de
É o ápice do culto congregacional, o
oração. Seus efeitos se fazem notar nos
componente mais importante das nossas
demais elementos do culto.
reuniões de adoração no templo. A

2.2. LOUVOR. Os hinos devem ser espiri- exposição da Palavra de Deus é uma

tuais (Cl 3.16; Hb 13.15), destacando-se necessidade intrínseca à Igreja e um dos

pela beleza da melodia, exaltando as ver- principais motivos para a realização dos

dades bíblicas e promovendo a verdadeira cultos.

adoração. Louvar a Deus é essencial à


a) A Palavra gera conversão (At 2.37). O
adoração cristã. O louvor era um elemento
relato de Lucas nos mostra o primeiro
relevante na adoração de Israel (SI 100.4;
culto da Igreja, a primeira pregação e as
150.1-6), bem como na adoração cristã
primeiras conversões. Esta é o modelo
primitiva (At 2.46,47; Hb 2.12).
que devemos seguir (Rm 10.14).

2.3. LEITURA BÍBLICA. É o momento no b) A Palavra produz avivamento (At


10.44). O inevitável efeito da Palavra é
qual toda a congregação reverencia a
produzir um verdadeiro mover do
Palavra de Deus. Nos tempos do Antigo
Espírito Santo.
Testamento, o
O CULTO CONGREGACIONAL

c) A palavra produz fé (At 14.7-10; Rm 3.5. O ESPÍRITO SANTO ENCHERÁ O


10.17). A Palavra produz a fé que torna SEU POVO (AT 4.31). O Espírito de Deus
possível as operações de Deus. está em nossos cultos para renovar,
fortalecer e encher de poder cada sincero
3. adorador. Haverá manifestações do Espírito
AS BÊNÇÃOS DO CULTO no meio da Igreja (1 Co 12.7-13).
CONGREGACIONAL
3.6 DEUS SANTIFICARÁ 0 SEU POVO
Quando os crentes se reúnem para adorar a PELA SUA PALAVRA E PELO SEU
Deus, são alcançados pelas bênçãos que ESPÍRITO (JO 17.17-19). No culto somos
Deus reservou aos "...verdadeiros adora- santificados pelo poder da Palavra e pelo
dores, que adoram o Pai em espírito e em agir do Espírito Santo. Somos repreendidos,
verdade" (Jo 4.23), exortados, edificados, despertados e
encorajados à vida de consagração e
3.1. JESUS ESTARÁ NO CULTO (MT piedade.
18.20). A promessa é que Ele está no
meio (gr. mesos), ou seja, no centro,
entre eles, entre os que adoram.
3.7. HAVERÁ CONSOLO E PROMESSAS
(LC
3.2. HAVERÁ CHUVAS DE BÊNÇÃOS (SL
2.27-29; 1 TS 4.18). Sempre que estamos
29.11; 133.1-3; EZ 34.26).
no culto ao Senhor, há promessas,
Há uma benção especial em cada culto que
consolação e respostas da parte de Deus. Se
participamos.
estás no culto, poderás ouvir a voz do
Senhor: "Vai em paz, e o Deus de Israel te
3.3. RECEBEREMOS FARTURA DE
conceda a tua petição que lhe pediste" (1 Sm
ALEGRIA (SL 122.1,2; JO 15.11). O Espírito
1.17).
Santo tem uma porção de alegria para os
que cultuam ao Senhor.

3.4. HAVERÁ RESPOSTAS ÀS ORAÇÕES


(2 CR 7.11-16; TG 5.15). Os ouvidos de CONCLUSÃO
Vem tu, ó Rei dos reis, Guiar os teu
Deus estão atentos ao que acontece no
fiéis pra te louvar. Grande e glorioso
culto. Deus encontrou Zacarias no templo e
Ser, Pai de todo o poder, Vem sobre
disse-lhe: "não temas, porque a tua oração nós reger, oh! Deus sem par. (185-HC)
foi ouvida" (Lc 1.13).
0 LOUVOR DO CRISTÃO

O LOUVOR
DO CRISTÃO

VERSÍCULO CHAVE: AT 2.47

"LOUVANDO A DEUS E CAINDO NA

GRAÇA DE TODO O POVO. E TODOS OS

DIAS ACRESCENTAVA O SENHOR À IGREJA

AQUELES QUE SE HAVIAM DE SALVAR."


MARCAS DE UM CRISTÃO

REFLEXÃO dos armados... o senhor pôs emboscadas


O louvor para o cristão é um
contra os filhos de Amom e de Moabe e os
recurso imprescindível à sua
das montanhas de Seir... e foram desbarata-
vida de adoração.
É também uma arma nas dos." (2 Cr 20.21,22). "...Paulo e Silas
batalhas pela fé. oravam e cantavam hinos a Deus... E, de
repente, sobreveio um tão grande

HINOS SUGERIDOS: terremoto, que os alicerces do cárcere se

3, 148 E 244 (HC) moveram, e logo se abriram todas as


portas, e foram soltas as prisões de todos"
TEXTO BASE: (At 16.25,26).
AT 2.46,47; 16.22-26 O louvor do crente é uma resposta à graça
divina, uma expressão de gratidão e louvor
a Deus. Mas, é também uma ferramenta
poderosa na sua caminhada cristã. Há
poder no louvor! Os exemplos de Josafá
OBJETIVOS:
conduzindo um coral na guerra e de Paulo
> Analisar a importância do louvor na vida e Silas na prisão, mostram que há poder,
devocional do crente.
INTRODUÇÃO unção e respostas quando o povo de Deus
louva.

"...e ordenou cantores para o Senhor, que


louvassem à Majestade santa, saindo diante

> Destacar o louvor como recurso


indispensável à vida cristã.
O LOUVOR DO CRISTÃO
I

1. 1.2. O LOUVOR NÃO DEPENDE DAS CIR-


O LOUVOR NO CUNSTÂNCIAS. Quando Paulo e Silas can-
COTIDIANO CRISTÃO. taram na prisão não foi para provocar um
terremoto. O tremor veio sacudir o cárcere
Louvar a Deus promove uma mudança em porque eles estavam cantando! O terremoto
nosso espírito. O louvor abre uma fonte que não foi o objetivo, foi a consequência, o
rega a fé, a alegria, a paz e a esperança. O resultado de corações reverentes a Jesus.
louvor é um dos meios usados por Deus
para a renovação interior do crente (SI a) Cantando na alegria. "Está alguém ale-

103.1-5). O discípulo de Cristo terá muito gre? Cante louvores" (Tg 5.13). É o louvor

mais força espiritual se incluir o louvor em da gratidão a Deus nos momentos

seu caminhar diário com o Senhor (SI 34.1; favoráveis.

35.27; 148.14). b) Cantando na adversidade (At


16.22-24).

1.1 O LOUVOR DEVE SER UMA PRÁTICA Como estavam Paulo e Silas? Açoitados,

CONTÍNUA (HB 13.15). O texto nos revela feridos, presos e amarrados. O que fize-

princípios sobre a adoração pelo louvor: ram? O que faz um verdadeiro cristão:
adora e canta, a despeito da situação. O

a) "Ofereçamos sempre." O advérbio louvor espanta a escuridão e acende a

sempre é a tradução do termo grego luz de Deus, dissipando as dúvidas

diapantos, que significa: constante- provenientes de satanás. O louvor muda

mente, continuamente, do começo ao a atmosfera de uma vida, de um lar, de

fim, através. Que aprendemos? Que o um lugar. Martinho Lutero disse:

louvor deve estar presente em tudo que "quando não consigo orar, sempre canto".

façamos, nas atividades diárias, no culto John Wesley afirmou: "O louvor abre as

devocional ou congregacional, na portas para maior graça". Portanto, faça

oração, no lar, nos lábios, no coração (SI do louvor uma prática diária na sua

22.3; 138.1; 147.1; 149.6) trajetória de adorador. Responda a

b) "...Por Ele (Jesus - grifo nosso)". Ele é convocação divina: "...Faze-me ouvir a

o motivo, a inspiração, o alvo do louvor tua voz..." (Ct 2.14).

do crente. O princípio aprendido é que


Jesus nos leva a cantar, por causa Dele,
por meio Dele e para Ele (Rm 11.36).
MARCAS DE UM CRISTÃO

2. emboscadas..." (v.22). Nas lutas, nas


O LOUVOR EM perseguições, diante de ameaças e afrontas,
MOMENTOS ESPECÍFICOS. apenas louve! As armas da nossa luta não
são carnais, são poderosas em Deus, são
Há preciosos exemplos na Bíblia que esti- espirituais (2 Co 10.4).
mulam o louvor em momentos de grandes
dificuldades, perseguições ou desafios. A 2.3. NOS MOMENTOS DE GRANDE AFLI-
poesia do hino 302 da Harpa Cristã nos ÇÃO. Temos o exemplo do próprio Jesus
adverte: Em vez de murmurares, canta / Um que cantou na noite que antecedeu a Sua

hino de louvor a Deus! crucificação (Mt 26.30; Mc 14.30). O hino


cantado, provavelmente, foi parte do Hallel
2.1. NO CONFRONTO COM O REINO (Salmos 113-118 e 136), que habitual-
DAS TREVAS (1 SM 16.23). Os inimigos mente se cantava na festa da Páscoa.
invisíveis que se opõem ao crente, as "coisas
mortíferas" descritas por Jesus (Mc 16.18), a) Jesus cantou com resignação. Jesus
serão repreendidas pelo poder do louvor. cantou sabendo que iria enfrentar mo-
Quando louvamos há manifestação da mentos de dor, solidão e abandono (Is
presença de Deus, e, consequentemente, os 53.10). Ele cantou visualizando a cruz. As
agentes do mal são afugentados (Lc 8.28; nossas lutas inibem ou estimulam o
Tg 4.7). nosso louvor? (Hc 3.17-19).
b) Jesus ensinou que Deus é a nossa prio-
2.2. NAS LUTAS CONTRA INIMIGOS ridade. O momento era adverso, os
TERRENOS (2 CR 20.1-30). Nos discípulos estavam tristes, havia um
enfrentamentos contra o mundo, pessoas clima antagônico. Mas Jesus celebrou a
ou organizações, que nos desafiam e Páscoa, instituiu a Ceia do Senhor e
provocam a nossa fé, o louvor é uma arma cantou com os discípulos. A adversidade
poderosa e eficaz. Observemos que no não mudou a liturgia, o propósito, o
canto do exército de Israel não havia plano. Ele continuou cantando, o Pai era
provocações ao inimigo, apenas louvores a a prioridade (Jó 1.20,21; Jo 8.29).
Deus: "Louvai ao Senhor, porque a sua be-
nignidade dura para sempre" (v. 21). Ao ser
adorado, o próprio Deus se encarregou de
destruir os inimigos: "Tendo eles começado a
cantar e a dar louvores, pôs o SENHOR
0 LOUVOR DO CRISTÃO

3. trina da Trindade); 122 H.C. (doutrina


O LOUVOR do Batismo com o Espírito Santo).
CONGREGACIONAL b) Litúrgica. Na harpa encontramos hinos
para todos os tipos de celebrações rea-
O louvor era parte da adoração no Antigo lizadas por nossa igreja. Exemplos: 482
Testamento (SI 106.1; 111.1; 113.1; 117), e H.C (Ceia do Senhor); 447 H.C. (Batis-
foi inserido na liturgia da Igreja primitiva (At mo em águas).
2.47; Rm 15.10,11; 1 Co 14.15; Ef 5.19; Cl c) Devocional. Deve ser usada na vida de-
3.16; Hb 2.12). Neste tópico, queremos vocional em suas diversas necessidades.
destacar o canto congregacional na Exemplos: 17 H.C. (comunhão); 432
realidade da nossa igreja. H.C. (consagração).
d) Congregacional. Deve ser priorizada no
3.1. HINOS DOS GRUPOS, CORINHOS E canto congregacional. O louvor da igreja
HINOS AVULSOS. Devem ser voltados à se sobrepõe aos demais. Exemplos: 124
adoração da Trindade, sem H.C. (convocação ao louvor); 145 H.C.
antropocentrismo (onde o homem é o (adoração);
centro), isentos de heresias, inspirados,
bíblicos e que levem a congregação a
momentos de fervor e alegria espiritual. A
Palavra de Deus orienta: "cantando ao
Senhor com graça em vosso coração" (Cl
3.16).

3.2. HINOS CONGREGACIONAL. Em nos- CONCLUSÃO


O cristão expressa, através do louvor, o
sos cultos utilizamos a Harpa Cristã, o
que Deus operou em sua vida, sua fé,
hinário oficial das Assembléias de Deus no
esperança, crenças e, acima de tudo, seu
Brasil. Ela foi organizada no afã de auxiliar o amor ao Deus da sua adoração.
cântico congregacional nas diversas liturgias
da igreja. Vejamos algumas de suas
aplicações:
a) Doutrinária. Contêm hinos onde se so-
bressaem as doutrinas que acreditamos
e defendemos. Exemplos: 10 H.C. (dou-
O COTIDIANO DO CRISTÃO

O COTIDIANO
DO CRISTÃO

VERSÍCULO CHAVE: AT 5.42

"E TODOS OS DIAS, NO TEMPLO E

NAS CASAS, NÃO CESSAVAM DE ENSINAR

E DE ANUNCIAR A JESUS CRISTO."


MARCAS DE UM CRISTÃO

INTRODUÇÃO
REFLEXÃO
Nossas práticas cristãs são O Evangelho avançou na Igreja Primitiva
uma chancela da nossa fé impulsionado pela demonstração de
em Cristo e um testemunho poder nas pregações, nos milagres e nas
para o mundo.
operações do Espírito Santo. Entretanto,
estas manifestações eram corroboradas
pelas práticas cristãs observadas na vida
dos crentes. A generosidade, a
sinceridade, a unidade, os bons modos,

HINOS SUGERIDOS: a linguagem e todos os hábitos

131,432 E 591 (HC) praticados pelos primeiros cristãos, rati-


ficavam que eram verdadeiros discípulos
TEXTO BASE: de Jesus Cristo. O cristão tem um estilo
AT 2.42-47 de vida diferenciado, seu cotidiano é
marcado por usos, costumes e tradições
que o legitimam como seguidor de
Jesus. Essas práticas o aproximam de
Deus, fortalecem a sua fé, a comunhão
com o Espírito Santo e levam outros ao
conhecimento de Cristo (1 Pe 3.15).

OBJETIVOS:
> Mostrar que os hábitos diários de um
crente evidenciam sua fé.

> Entender que o cotidiano do crente é


guiado pelo Espírito Santo.
0 COTIDIANO DO CRISTÃO

emoções, sua família, sua igreja, seu


Pastor, seus amigos e todas as áreas da
1. sua vida com o manto da oraçã o.
A DEVOÇÃO DO CRENTE. 1.2. A LEITURA DIÁRIA DA BÍBLIA. A
própria Bíblia descreve, em linguagem clara
Jesus foi o maior exemplo e incentivador da e inconfundível, como devemos proceder
vida devocional. O dia a dia do crente deve em relação a ela: ansiar por ler (Sl 119.148),
ser estimulado pelo padrão ensinado pelo compreender (At 17.11), amar (Sl
Mestre (Jo 13.15). Os primeiros cristãos 119.47,113), fazer a nossa fonte de alegria
copiaram este estilo de vida, um modelo e prazer (Sl 119.16,47), guardar (SI 119.11),
que nós também devemos seguir. Há confiar (Sl 119.42), obedecer (Sl 119.17,67;
muitas práticas que nos amparam na vida Tg 1.22-24), etc.
espiritual: a oração, a leitura devocional, o
estudo sistemático da Palavra, a adoração, a 1.3. A MEDITAÇÃO (SL 19.14). Meditar é

ação de graças, a intercessão, o jejum, os despertar a mente, repensar e demorar-se

louvores, etc. Apenas mencionaremos sobre um assunto, aplicar a si próprio tudo

alguns, pela exiguidade de espaço. que se sabe sobre a obra, os caminhos, os


propósitos e as promessas de Deus. Há um
1.1. A PRÁTICA DA ORAÇÃO. Ore diaria- tradicional hino que diz: "No viver por este
mente, fale com Deus frequentemente, mundo/Pensa em Deus/Pensa em Deus/Seu
comente com Ele seus problemas e permita amor é mui profundo/Pensa em Deus/ No
que o Senhor participe de suas aflições (1 viver pensa em Deus/Pensa em Deus/Pensa
Pe 5.7). em Deus/Entre dores ou prazeres pensa em
Deus". Meditar também é contemplar
a) Comece o dia orando (Mc 1.35). Faça (admirar, apreciar) a Deus.
da oração um hábito matinal.
b) Estabeleça horários e lugares para 1.4. A ADORAÇÃO (JO 4.23). Esta atitude
orar. O exercício da oração prat icado contínua consiste em dar ao Senhor o
diariamente em nossa casa ( Mt 6.6) e no louvor em tudo que fazemos no cotidiano.
templo ( At 3.1), nos dá constância na Inclui falar, cantar, ouvir, ler, testemunhar,
prática de orar ( Lc 22.39). comer, vestir ou qualquer outra coisa (1 Co
c) Defina propósitos na oração (Jó 1.5; 10.31).
Tm 2.1-3). Cubra sua vida espiritual, suas
MARCAS DE UM CRISTÃO

2. dia de Pentecostes, o Espírito Santo foi


VIVENDO COM O derramado sobre aqueles que decidem
ESPÍRITO SANTO. seguir a Jesus, dando-lhes a revelação dos
mistérios divinos e o acesso ao
No livro dos Atos dos apóstolos, que baseia sobrenatural.
as lições deste simpósio, encontramos 70
menções da pessoa bendita do Espírito a) O batismo com o Espírito Santo (At

Santo, mostrando-nos que o cristão não 1.4,5,8; 2.1-4; 10.44-46; 11.16; 19.2-6).

pode prescindir das Suas orientações, poder O revestimento de poder com a

e presença em seu dia-a-dia. evidência física das línguas sobrenaturais


faladas pelo crente conforme o Espírito

2.1. O CARÁTER MOLDADO PELO concede.

ESPÍRITO SANTO (GL 5.22,23; EF 5.9). A b) Dons espirituais (1 Co 12.1-11). Os

evidência de que alguém vive um dons espirituais são dotações

verdadeiro cristianismo é a manifestação do sobrenaturais concedidas pelo Espírito

fruto do Espírito em sua vida (Mt 3.8; 7.20; Santo ao crente, para o serviço e

Jo 15.1-8,16). É através da Sua presença execução dos propósitos de Deus na

que o Espírito Santo produz no crente o Seu igreja. Devem ser buscados e vividos em

fruto, moldando o caráter e a conduta de nosso cotidiano (1 Co 12.31): "... a

quem é discípulo de Jesus. Cheio do palavra da sabedoria ... a palavra da

Espírito, o crente, então, vive regido pelos ciência a fé... os dons de curar... a

atributos de Cristo: "Mas o fruto do Espírito operação de maravilhas... a profecia...

é: amor, gozo, paz, longanimidade, o discernir os espíritos... a variedade de

benignidade, bondade, fé, mansidão, línguas ...a interpretação das línguas

temperança ... E os que são de Cristo (1 Co 12.8-10).

crucificaram a carne com as suas paixões e c) Mais experiências. Orientação (At

concupiscências. Se vivemos (gr. zao: modo 11.12), visões (At 9.10), sonhos (At

de viver e agir) no Espírito, andemos (gr. 2.17), revelações (At 20.23; 27. 23-25),

stoicheo: conduzir-se, caminhar) também no pregações poderosas (At 6.10), direção

Espírito" (Gl 5.22,24,25). (At 16.7) e unção (At 10.38). O Espírito

2.2. O ESPÍRITO NOS CONDUZ ÀS EXPE- Santo já foi derramado. Desfrute daquilo

RIÊNCIAS ESPIRITUAIS (AT 2.4; 4.31; que você já recebeu!

6.3,10; 8.29; 10.44; 21.11). A começar no


0 COTIDIANO DO CRISTÃO

3.3. CONTRA O REINO DAS TREVAS (AT


3. 16.16-18). Este episódio ilustra esta reali-
AS BATALHAS DIÁRIAS DO dade espiritual. Enquanto nos esforçamos
CRISTÃO. para fazer a vontade do Senhor, o inimigo
das nossas almas arregimenta seus exér-
Um discípulo de Jesus precisa estar cons- citos contra a Igreja e cada crente em
ciente da realidade espiritual que enfrenta particular. É o seu modus operandi contra os
cotidianamente. Todos os dias, enfrentamos servos de Deus (Lc 22.31). Mas, a promessa
grandes batalhas, e precisamos vencê-las de Cristo está firme: "... eu roguei (gr.
pelo poder de Deus (Ef 6.10-18). deomai: desejar, ansiar, suplicar, orar) por ti,
para que a tua fé não desfaleça (gr. ekleipo:
3.1. CONTRA A CARNE. A natureza falhar, renunciar, cessar)" (Lc 22.32).
humana é um oponente cruel e persistente, Lembremo-nos, também, das palavras de
que nos distancia da vontade de Deus e da Jesus aos Seus discípulos, quando falava
ação do Espírito Santo. Mesmo os mais dos ataques de Satanás: "não lhes fará dano
eminentes homens de Deus foram por ela algum" (Mc 16.18).
afligidos, como o apóstolo Paulo (Gl
5.16-18). Contudo, todos os dias, pelo
poder do Espírito de Deus, estamos
vencendo as inclinações da nossa carne
(Rm 7.23,23; 8.5-9).

3.2. CONTRA O MUNDO. O sistema desta


sociedade distanciada de Deus luta contra
os discípulos de Jesus (At 13.6-10; 19.8,9).
CONCLUSÃO
Nossa luta diária é contra "os principados,
Lembremo-nos que todos os dias, ao
contra as potestades, contra os príncipes acordar, estamos escrevendo um novo
das trevas deste século, contra as hostes capítulo das nossas vidas. Que eles sejam
permeados de práticas cristãs louváveis,
espirituais da maldade, nos lugares
que engrandeçam o nome de nosso
celestiais" (Ef 6.12). Mas, a nossa fé em
Senhor Jesus Cristo.
Cristo e a nossa fidelidade a Ele nos garante
a vitória sobre o mundo (Jo 17.9-26; 1 Jo
5.4).
A CONDUTA DO CRISTÃO

A CONDUTA
DO CRISTÃO

VERSÍCULO CHAVE: AT 11.26

"E SUCEDEU QUE TODO UM ANO

SE REUNIRAM NAQUELA IGREJA

E ENSINARAM MUITA GENTE. EM

ANTIOQUIA, FORAM OS DISCÍPULOS, PELA

PRIMEIRA VEZ, CHAMADOS CRISTÃOS."


MARCAS DE UM CRISTÃO

INTRODUÇÃO
REFLEXÃO
O modo de vida de um verdadeiro O cristão é um representante de Cristo
cristão mostra ao mundo a Pessoa na terra, portanto, deve demonstrar em
de Cristo. seu comportamento semelhanças com
seu Senhor. Ele precisa desempenhar de
maneira satisfatória seu papel de
discípulo de Jesus perante sua família, a
Igreja e o mundo. Será que todos
podemos dizer: "Quem me vê a mim, vê a
Cristo? Este é o nosso desafio. Quando
HINOS SUGERIDOS:
olharam para Estevão, no Sinédrio, as
111, 131 E 330 (HC)
pessoas "viram o seu rosto como se fosse

TEXTO BASE: o rosto de um anjo" (At 6.15). Quando

AT 11.19-26 Filipe chegou em Samaria, Lucas registra


que “havia grande alegria naquela
cidade" (At 8.8). O estilo de vida de um
crente ou seu comportamento em uma
situação específica, revela o caráter de
OBJETIVOS: Cristo, corrobora a propagação do

> Pontuar a necessidade de vivermos Evangelho e contribui para a expansão


como autênticos cristãos. do Reino de Deus através da Igreja.
"Assim resplandeça a vossa luz diante dos
homens" (Mt 5.16).
> Ressaltar que a conduta cristã
chancela a mensagem da Igreja.
A CONDUTA DO CRISTÃO

1. chamá-la de conduta do coração, dos


O PADRÃO ÉTICO DOS pensamentos, das intenções, da vontade.
DISCÍPULOS FOI ENSINADO Jesus ensinou sobre esta realidade de forma
PELO PRÓPRIO CRISTO. muito clara (Mt 5.8, 21-28; Lc 6.45). Nosso
coração precisa se conduzir de acordo com
Ética se relaciona com os costumes ou os princípios divinos, ser influenciado pela
práticas sociais de um grupo, de um povo. Palavra e pela ação do Espírito Santo (Jo
Jesus ensinou aos Seus discípulos sobre a 16.13; Ef 5.18, Fp 2.13; Cl 3.16; Hb 4.12).
necessidade de uma vida cheia de virtudes, Que grande desafio temos para o nosso
valores morais e espirituais, segundo a coração: "...de sorte que haja em vós o
Palavra de Deus e a atuação do Espírito mesmo sentimento que houve em
Santo (Mt 5.2,22,28,32,34,39,44,48; 2 Co Cristo..." (Fp 2.5).
3.17, 18; Gl 5.22,23).
1.4. A CONDUTA EXTERIOR. É a parte

1.1. COMO JESUS ENSINOU AOS visível da transformação operada pela

DISCÍPULOS (AT 1.1,2). Jesus fez (exemplo regeneração (1 Co 6.9-11; 2 Co 5.17). A

prático), ensinou (instrução) e deu manda- conduta do crente precisa estar de acordo

mentos (ordenou). Ele foi o modelo de uma com aquilo que Jesus ensinou, para que a

vida que reflete o caráter que Deus espera sua vida respalde suas palavras e suas

de Seus servos. Todas as vezes que crenças. Em relação ao testemunho cristão,

estivermos diante de uma decisão, uma si- Jesus afirmou:

tuação, devemos perguntar: “Como Jesus


a) "Vós sois o sal da terra" (Mt 5.13). A
agiria nesta circunstância"?
ilustração do sal fala do nosso caráter, de
que somos a preservação do querer divino
1.2. A ÉTICA CRISTÃ É SUPERIOR AOS
neste mundo.
PRINCÍPIOS HUMANOS. O padrão divino
b) "Vós sois a luz do mundo" (Mt 5.14). É
para a conduta de um cristão suplanta o
uma alusão ao nosso testemunho. Ser
que é estabelecido pelos homens. O que
(gr. este), é estar, existir. Luz (gr. phos)
Jesus diz é superior aos conceitos do
significa emitir raios, fogo, brilho. Portan-
mundo, em relação a família, pureza, se-
to, Jesus estava dizendo que o crente
xualidade, honestidade ou qualquer outro
está no mundo para brilhar, e com a sua
tema (Mt 5.20).
vida, com o seu testemunho, revelar, as
1.3 A CONDUTA INTERIOR. Podemos
MARCAS DE UM CRISTÃO

verdades de Deus para os homens (Fp


2.15).
MARCAS DE UM CRISTÃO

que ele pregava! Assim como o


Evangelho é comprovado pelos sinais
2. (Mc 16.15-18), nossa mensagem (sobre
A CONDUTA CRISTÃ fé, santidade, pureza, amor, perdão,
APROVADA. bondade, etc.) será ratificada pelo nosso
testemunho.
O comportamento de um cristão genuíno
não passa desapercebido: "não se pode 2.3. O RECONHECIMENTO DO REINO
esconder uma cidade edificada sobre um DAS TREVAS (AT 19.11-15). Uma vida
monte" (Mt 5.14). íntegra diante de Deus dará ao cristão
poder sobre as investidas do maligno. O
2.1 O TESTEMUNHO DA IGREJA (AT espírito maligno reconheceu o poder do
16.1,2). nome de Jesus na boca e na vida de Paulo
Nossa conduta como cristão e discípulo de (vv. 11-13).
Jesus Cristo precisa passar pelo crivo da
Igreja (At 9.36-42; 22.12; 3 Jo 12). Se o 2.4. O TESTEMUNHO DIVINO. Quando
noivo (Jesus) perguntar pelo testemunho de decidimos glorificar a Deus através de nosso
cada um nós, o que noiva (Igreja) res- viver, recebemos a aprovação e o teste-
ponderá? munho dos Céus.

2.2. O TESTEMUNHO DAS PESSOAS (AT a) O testemunho da vida de Jó (Jó 1.8). O


8.6).
Senhor falou com alegria de Seu servo.
O exemplo de Filipe é muito pertinente para
b) O testemunho da vida de Estevão (At
ilustrar esta realidade.
7.55,56). Jesus o recebeu com honras

a) "...prestavam atenção ao que Filipe di- nos Céus, mas, foi generoso ao mostrar a

zia...": Isto é, davam ouvidos, acredita- Estevão, ainda em vida, esta realidade

vam no que ele falava. Seu falar não era espiritual.

contestado, suas palavras eram críveis (1 c) O testemunho de Paulo (At 27.23-25).

Sm 3.19; 16.18; Mt 5.37). Jesus se apresentou a Paulo como de-

b) "...porque ouviam e viam os sinais que monstração que cuida e acompanha

ele fazia..." Filipe tinha credibilidade quem O honra na terra.

porque o seu discurso era comprovado d) O exemplo do próprio Jesus (Mt

pelas ações, viam nele o cumprimento do 3.16,17).


A CONDUTA DO CRISTÃO

O Pai testemunhou do prazer que o Filho glória em glória na mesma imagem, como
lhe proporcionava. Que seja assim pelo Espírito do Senhor" (2 Co 3.18). No
conosco! falar, no agir, no olhar, no sentir, sejamos
semelhantes ao Mestre! Um cristão do
século XXI, deve revelar o mesmo Cristo
3. mostrado pelos primeiros cristãos (Mt
10.25a).
A HONRA DE SER
CRISTÃO. 3.3. SER CRISTÃO É PADECER POR
JESUS:
“Em Antioquia, foram os discípulos, pela
"Se vocês são insultados por causa do nome
primeira vez, chamados cristãos" (At 11.26).
de Cristo, felizes são vocês, pois o Espírito da
Eles foram assim chamados por serem
glória, o Espírito de Deus, repousa sobre
seguidores de Cristo. Por que é tão honroso
vocês. Se algum de vocês sofre, que não seja
ser cristão? Por que somos assim
como assassino, ladrão, criminoso, ou como
denominados? Analisemos.
quem se intromete em negócios alheios.
Contudo, se sofre como cristão, não se enver-
3.1. SOMOS UM POVO DIFERENTE. Se foi
gonhe, mas glorifique a Deus por meio desse
por escárnio ou não, que os crentes foram
nome." (1 Pe 4.14-16 - Nova Versão
chamados de cristãos, não importa. O que
Internacional).
estava sendo comprovado é que eram
diferentes, com costumes distintos e
conceitos contrários da sociedade à sua
volta. Esta postura sempre foi uma
característica do povo de Deus (Et 3.8) e
daqueles que desejam agradá-Lo (Dn 3.12;
6.13).
CONCLUSÃO
Aquele que anda com Jesus, será por Ele
3.2. SER CRISTÃO É SER SEMELHANTE A
recebido, como Estevão (At 7.56).
CRISTO. Este é o trabalho do Espírito Santo
Ele verá o Seu Senhor, como João (Ap
em nosso viver: "Mas todos nós, com rosto 1.17). Ele sempre será assistido e
descoberto, refletindo como um espelho a socorrido pelo Seu Mestre, como foi
Paulo (At 27.23).
glória do Senhor, somos transformados de