Você está na página 1de 25

O caminho

de Jonas 

R O G E R I O G I R O L D O

©
INTRODUÇÃO
EU SOU 3

O MITO DE JONAS 4

O MONSTRO DAS
PROFUNDEZAS 8

11 A VIAGEM DE VOLTA

15 A RAIVA DE JONAS

18 E AGORA JONAS?

23 NOSSO GPS

Eu NUNCA mais vou fingir


que não conheço ou não sinto
a minha própria percepção
sempre presente do "EU SOU"
KEN WILBER
O CAMINHO DE JONAS |  2

Eu acredito que cada um de nós tem uma

maneira única e insubstituível de encarnar a

vida. De ser inteligente - a maneira de uma

pessoa ser inteligente não é a mesma maneira

da outra. O modo de amar de um não é o

modo de amar do outro. Trata-se, então, de

nos interrogarmos sobre o nosso modo, único,

de sermos inteligentes, de sermos humanos,

de estarmos vivos. É o que se pode chamar de

nossa vocação, ou de nossa missão.

JEAN YVES LELOUP

PARA MINHA RAINHA


IRACI, SEMPRE COMIGO
E POR MIM

PARA MEUS MESTRES E


COLEGAS DE JORNADA
TRANSPESSOAL DA
UNIPAZ-PR

E PARA TI MEU FILHO


QUE TANTO AMO
O CAMINHO DE JONAS |  3

INTRODUÇÂO Além das respostas serem diferentes para cada

EU SOU
um, elas também podem ser equivocadas. Faz-se
necessário entender o que é desejo do Eu (e do
Ego) e o que é desejo do Self.
A BUSCA
Ou então o que é desejo próprio e o que é sombra
do meio, da sociedade, da família, de tudo que
Quando frequentamos qualquer evento de pode ter nos influenciado durante a vida.
autodesenvolvimento uma sensação sempre está
pairando no ar : a sensação de busca, a sensação de Existem várias formas de entrar em contato com
querer ir além, de um "querer saber" até onde cada aquilo que é genuíno em nós. De escutar o Self e
um pode chegar e de quais são suas mais profundas não o ego. Meditações, recolhimento, orações,
motivações e missão. terapia, experiências culminantes, yoga, e uma
infinidade de outras práticas que podem nos fazer
A busca de autodesenvolvimento e auto realização entrar em contato com nosso real self.
é uma constante entre indivíduos adultos,
principalmente na segunda metade da vida. A Psicologia Transpessoal, através de seus
teóricos e pesquisadores, nos auxilia a navegar
Entre os trinta e os trinta e cinco anos, uma por esse labirinto. Trata-se de um conhecimento
mudança importante está ocorrendo na psique transdisciplinar, que se dedica ao estudo da
humana. Traços que tinham desaparecido desde a consciência e seus diferentes estados. Como inclui
infância começam a vir à superfície. Convicções a dimensão da espiritualidade como parte da
acalentadas, princípios morais e de vida, de natureza humana torna mais abrangente e
repente, são questionados. atualizada a compreensão do ser humano.

Nesse trajeto de autodescoberta várias portas e


possibilidades de contato com esse “Eu Sou” podem
ser abertas e apresentadas ao indivíduo na Esse texto versa sobre a busca do ser e da
tentativa de responder perguntas como: autorrealização. Eu uso o mito de Jonas, ou o
Livro de Jonas se você preferir, e o olhar de
Quem eu sou ? Qual é meu objetivo de vida ? alguns teóricos da Psicologia, principalmente a
Como posso realizar meu propósito e ser feliz? Transpessoal, como linha de condução nessa teia
O que é afinal este EU SOU ? Como você, que de saberes milenares. Ah, e é sempre bom um
agora lê essas linhas, identifica este seu EU ? pouco de poesia.
Quais são as sensações, sentimentos, percepções
relacionadas quando falamos “EU SOU”? O que é Te Desejo um Bom Caminho !!!
o EU afinal ?
O CAMINHO DE JONAS |  4

PARTE 1

O MITO DE JONAS
O CHAMADO

O Livro de Jonas é um dos livros do Antigo Todos se voltam à Jonas, lhe pressionam até que
Testamento. Na estória Jonas é chamado algumas ele assume seus erros e lhes diz para que o joguem
vezes por Deus, mas ele prefere ficar deitado, resiste no mar, pois ele é a causa de todo aquele
à ação, resiste ao chamado. sofrimento. Ele desobedeceu Deus e por isso o
Barco estava sendo atacado por estes fortes
Deus aparece inicialmente em sonho e lhe diz para ventos.
levantar-se e ir até Nínive e pregar aos moradores
que ele, Deus, tem consciência de sua maldade, de Como a tempestade não cessava os homens não
suas loucuras e sua doença. tiveram outra alternativa a não ser jogar Jonas ao
mar. E imediatamente os ventos cessaram. Os
Jonas fica assustado e foge, ao invés de ir a Nínive homens então entenderam o poder daquele que é
ele vai para Társis, em um Barco, tentando fugir da e se ajoelharam na presença dele.
presença de Deus e da sua missão.
Assim que Jonas foi jogado ao Mar Aquele que É
Ocorre então que o todo poderoso lança um grande preparou um grande peixe para engolí-lo. E nas
vento sobre o mar, causando uma grande entranhas do grande animal ficou por três dias e
tempestade e um quase naufrágio do Barco. três noites. Jonas clamou por ajuda, reconheceu
seus erros e o poder daquele que É .
Os marinheiros assustados com a tempestade que
não cessa, jogam a sorte entre si para tentar Se viu no inferno mas confiou mais uma vez que
descobrir por que esse mal lhes acontece e os dali poderia sair, clamando ao todo poderoso para
dados caem em Jonas. que ele pudesse então cumprir o seu desejo, de ir
pregar em Nínive.
O CAMINHO DE JONAS |  5

No momento em que aceitou verdadeiramente sua


missão o peixe o vomitou para a terra firme. Ouviu
uma vez mais o chamado do Todo Poderoso para ir
pregar em Nínive. Dessa vez Jonas se levantou e foi
pregar em Nínive, conforme ordenado.

E em todos os cantos da cidade Jonas dizia para


abandonarem o mau e a violência pois, caso assim
não o fizessem, em 40 dias a cidade seria destruída.
As pessoas acreditaram e mudaram seus atos e até o
Rei ordenou a todos jejum e bons atos para que o
todo Poderoso tivesse piedade da cidade.
Leloup faz a seguinte análise do mito de Jonas e
Deus vendo o arrependimento poupou a cidade. seu chamado:  
Jonas ficou revoltado com a piedade divina. Em
sua irritação Jonas foi sentar-se fora da cidade. O "Portanto Jonas, num primeiro momento é o

todo Poderoso fez nascer uma árvore sobre a arquétipo do homem deitado, adormecido,

cabeça de Jonas para dar-lhe proteção, o que do homem que não quer se levantar e não

alegrou muito a Jonas. quer cumprir missão alguma. É o arquétipo

do homem que foge, que foge da sua

identidade, que foge da sua palavra interior,


Porém naquela mesma noite Deus mandou um que foge desta presença do Self no interior

verme que destruiu a planta. E quando nasceu o do Eu. Esta fuga de sua voz interior vai

sol o Todo Poderoso enviou um vento muito provocar um certo número de problemas no

exterior dele mesmo. "


quente. Com o sol e vento pairando fortemente
sobre si Jonas não pode suportar tanto sofrimento JEAN YVES LELOUP
e pede a morte.
O mesmo acontece conosco quando fugimos de
Aquele que É então diz a Jonas: “tu tivesses nossa vocação, quando negamos nossa essência,
piedade de uma planta que não te custou esforço podem ocorrer consequências muito ruins , não
algum, que nasceu e morreu sem tua ação, e apenas para nós mas também para os que estão à
esperas que eu não tenha piedade dessa cidade nossa volta.
em que existem pessoas que não conseguem
distinguir entre sua mão direita ou esquerda, o Nessa mesma linha muito antes de Leloup ,
bem do mal, além de todos os animais que aí Maslow em seu Livro “Introdução à Psicologia do
vivem?” Ser”, nos faz o seguinte recorte sobre não entrar
em contato com o todo de si:

"O ajustamento normal do homem médio, dotado de

bom senso, bem ajustado, implica uma contínua

rejeição bem sucedida de grande parte da natureza

humana mais profunda, tanto volitiva como cognitiva.

Ajustar-se bem ao mundo da realidade significa uma

divisão da pessoa. Significa que a pessoa volta as

costas a muito de si mesma porque é perigoso. Mas é

agora evidente que, assim fazendo, ela também perde

muito, visto que essas mesmas profundidades também

são a fonte de todas as suas alegrias, de sua

capacidade lúdica, de sua capacidade para amar, rir

e, mais importante que tudo, para nós, de sua

capacidade criadora. Ao proteger-se contra o seu

inferno íntimo, a pessoa também se separa do céu que

tem dentro de si. No caso extremo, temos a pessoa

obsessiva, tensa, rígida, hirta, controlada, cautelosa,

que não pode rir nem jogar ou amar, ou ser confiante,

infantil ou “boba”. A sua imaginação, as suas intuições,

a sua flexibilidade, a sua emotividade, tendem a ser

estranguladas ou distorcidas."

ABRAHAM MASLOW
O CAMINHO DE JONAS |  6

Aquilo que não aceitamos em nosso inconsciente se Ser um humano é ser imperfeito, ter defeitos,
transforma na tempestade que vem balançar o cometer erros. É através da aceitação dessa
barco. Não apenas o nosso barco, mas também os verdade que se inicia o caminho da transformação.
barcos ao redor. É importante entender essa O abandono da dualidade e a aceitação da
consequência da não realização, os impactos nas complexidade. Temos ainda mais dificuldade em
vidas que passam ao largo da nossa. aceitar que temos defeitos quando a mensagem
parte de outras pessoas. De imediato nos
O ponto de mutação, o momento decisivo para a defendemos e buscamos ir para o lado “bom”,
mudança de direção de Jonas se dá quando ele “correto”, para o dual.
reconhece, quando ele aceita e ele assume para a
tripulação que ele é o responsável. Com certeza esse foi o primeiro impulso de Jonas
ao ser questionado pelos homens, negar, polarizar,
Momento mágico este portanto. É aí que tudo e manter a dualidade. Mas , em um determinando
começa a mudar. E assim é em nossas vidas, em um momento veio a coragem, e ele deixou seu
caminho transpessoal. O momento que olhamos para egoísmo de lado e assumiu sua humanidade.
nós, entendemos, aceitamos e reconhecemos
perante nós e perante os demais, nossa essência. Aí Para esconder esse imperfeito criamos as
se inicia o trabalho, é o primeiro passo de uma máscaras , as idealizações da dualidade, do bom ,
jornada de encontro consigo mesmo. do bem sucedido, do perfeito. As máscaras de
tanto usadas, muitas vezes vão tomando a forma
É o que Susan Thesenga chama de aceitação de do rosto , mas nunca serão o rosto.
nossas dualidades. Existe uma limitação dualista e
nós, como espécie estamos constantemente
tentando definir e restringir nossa complexidade Fiz de mim o que não soube,

E o que podia fazer de mim não o fiz.


como se fôssemos apenas isto ou aquilo. O dominó que vesti era errado.

Conheceram-me logo por quem não era e não

Ou o sujeito é feliz ou infeliz, bom ou mau, desmenti, e perdi-me.

equilibrado ou louco, e por aí vai. A tentativa de Quando quis tirar a máscara, Estava pegada

à cara.
colocar o rótulo é para que estejamos satisfeitos com
Quando a tirei e me vi ao espelho, Já tinha
uma resposta final. envelhecido.

Estava bêbado, já não sabia vestir o dominó

É preciso aos poucos ensinar nossa mente que não tinha tirado.

dualista considerar a totalidade e a complexidade Deitei fora a máscara e dormi no vestiário

Como um cão tolerado pela gerência Por ser


da experiência humana e abandonar o “isto ou inofensivo.
aquilo” dual e incompleto. E vou escrever esta história para provar que

sou sublime.

FERNANDO PESSOA
O CAMINHO DE JONAS |  7

Este belo poema de Fernando Pessoa nos mostra a Vimos que em meio ao profundo desespero Jonas
tristeza de uma vida não vivida, de uma vida conseguiu encontrar-se com sua bússola interna -
inventada, de uma realidade não aceita. A fuga é um com seu Deus - e entender o que precisava
enorme desperdício de energia que se recupera pela entender naquele momento.
simples aceitação.
Somos todos Jonas, porém cada pessoa está
Podemos ver isso na história de Jonas. Enquanto enfrentando isso em um momento de seu processo
fugia , tentando ir em outra direção, ficou tão evolutivo.
cansado que adormeceu no Barco por horas.
Alguns como ele, após a angústia e o sofrimento
Uma vez tendo reconhecido seus erros Jonas intenso, poderão entrar em contato com a Luz.
mergulha no Oceano. Ele mergulha e se acalma Outros talvez não estejam prontos ou não se
profundamente. A calma da aceitação, da liberação permitam passar por esse processo.
de todo um peso. Que linda metáfora para o
mergulho no inconsciente e o término da fuga. Outros já passaram por isso em outros
momentos da vida e conseguem ser serenos no
A metáfora que se completa com a estada no ventre “olho do furacão”, entendem o que está
do Grande Peixe, nos lembrando de quão profundo acontecendo e servem como luz e suporte para os
pode ser esse mergulho. Ali no ventre do Monstro demais.
ele sofre, chora, encara seus medos até seus limites.
Quando não mais suporta clama ao seu Deus, clama Não existe “certo” ou “errado. Existe o processo de
à sua essência. Clama àquilo que está sempre cada ser que precisa ser cuidado, honrado e
presente, o imutável “Eu Sou”. respeitado.

A maior riqueza do homem é sua

incompletude.

Nesse ponto sou abastado.

Palavras que me aceitam como

sou— eu não aceito.

Não aguento ser apenas um

sujeito que abre portas, que puxa

válvulas, que olha o relógio, que

compra pão às 6 da tarde, que vai

Com a Pandemia mundial do Coronavírus, lá fora, que aponta lápis,que vê a

acontecendo no momento em que escrevo esse uva etc. etc.

texto, as pessoas estão enfrentando o mergulho Perdoai.


involuntário na “boca do monstro”. Estão Mas eu preciso ser Outros.
obrigados a ficar em casa. E uso “casa” aqui de
Eu penso renovar o homem usando
forma metafórica e também não metafórica.
borboletas.

Para a casa de tijolo que lhe abriga das


intempéries, mas também a sua casa humana de MANOEL DE BARROS
corpo, mente e espírito. Neste isolamento forçado
as reações são as mais diversas, ansiedade e
depressão estão entre as mais comuns.

Somos muitos "Jonas" fugindo do encontro


consigo mesmo.
O CAMINHO DE JONAS |  8

PARTE 2 Se nos afastamos da sombra ou estamos


O MONSTRO DAS alienados à sua presença ela pode se tornar
perigosa , pode nos trair a qualquer momento.
PROFUNDEZAS Foi sábia a decisão de Jonas de se entregar às
O ENCONTRO COM A SOMBRA profundezas e encarar o “monstro” de frente.

Leloup nos lembra que a Bíblia não menciona “Baleia”. Maslow, o qual já citamos anteriormente,
Em hebraico a palavra peixe se assemelha mais a um discorreu sobre esta tentativa de adequação do
“monstro marinho”. No imaginário popular e em homem à estes aspectos “ocultos” e sua
algumas traduções se popularizou a história de Jonas tentativa de adequação à realidade. Isso pode
dentro da Baleia, mas parece que não era exatamente provocar uma dualidade, ao mesmo tempo que a
uma Baleia e sim um ser bem mais assustador. pessoa pode virar as costas à aspectos
fundamentais de sua existência.
Quando Jonas não encontrava mais saída no exterior
ele se jogou à profundidade do mar, do inconsciente, e Ela vira as costas por que para ela parece ser
foi parar no ventre deste grande monstro marinho. extremamente perigoso, mas assim fazendo
também está virando as costas para muito de
Quando não há mais saída lá fora a única saída está lá seu potencial.
dentro.
Leloup nos lembra que quando amamos alguém
No Evangelho Jesus responde aos que lhe pedem verdadeiramente amamos inclusive seus
sinais : “Não lhes será dado outro sinal senão o de defeitos. Pois a sombra é o que dá relevo à luz.
Jonas (MT 16:4).
Tornar-se adulto e tornar-se consciente desse
Ou seja, a resposta está na profundidade de seu ser, complementar é entender e aceitar que pode
busca e encontrará. É o caminho da sombra, o existir um diferente, um aspecto obscuro, e que
caminho do enfrentamento de seus monstros. isso faz parte do todo.

"É nossa face oculta, o lado indesejável e não reconhecível da psique individual. Representa o pacote de

memórias pessoais que desconhecemos de nossa estória, a partir da concepção, abrangendo o período

fetal e o grande impacto do nascimento, o nível perinatal do inconsciente, tão bem pesquisado e

explorado por Stanislav Grof. Ainda, de modo especial, os anos iniciais da existência, a primeira infância.

Parcialmente, é um produto da dinâmica repressiva, constituindo os aspectos dissonantes da persona,

suprimidos e recalcados, desvelados pela pesquisa freudiana. Por outro lado, como ampliou Jung,

constela também os aspectos não cultivados e abandonados de nossa psique, incluindo atividades

subliminares e indiferenciadas, destituídas da intensidade energética necessária à sua conscientização,

bem como os complexos, agregados psíquicos dotados de fortes cargas afetivas, incompatíveis com o

perfil atitudinal consciente da persona."

ROBERTO CREMA
O CAMINHO DE JONAS |  9

Não está errado querer focar nas coisas positivas


da vida. O problema está em ignorar e reprimir o "O encontro com nós mesmos é, inicialmente, o

encontro com nossa sombra. A sombra é uma


que é vulnerável, negativo, frágil.
passagem estreita, uma porta apertada, de cuja

constrição dolorosa ninguém que desça ao


O problema é o “faz de conta” da perfeição
fundo do poço haverá de ser poupado. Mas nós
inexistente. Vida e morte andam juntas, assim como precisamos aprender a nos conhecermos, para
a luz e a sombra. É na incorporação dos opostos que saber quem somos. Porque aquilo que chega

ocorre a cura. procurando a porta é, surpreendentemente, uma

extensão amorfa, cheia de incertezas,

É na aceitação plena e no permitir-se mergulhar no aparentemente sem lado de dentro ou de fora,

ventre do monstro que se inicia o processo de sem parte de cima ou de baixo, sem aqui nem lá,

inteireza, aceitação e integração das dualidades. sem meu nem seu, sem bem nem mal. É o mundo

da água...onde sou indivisivelmente isto e

Assim como Jonas tentou ir para Társis ao invés de aquilo; onde experimento o outro em mim, e o-

outro-que-não-sou-eu experimenta a mim."


Nínive, muitas vezes tentamos nos manter em um
estado de não-consciência, tentando evitar o
CARL GUSTAV JUNG
inevitável, negar o inegável. Este estado de não-
consciência é perpetuado quando estamos focados
em aceitar apenas o lado positivo da vida e negar o Percebe-se que a descrição de Jung se assemelha
outro lado. Se assim é feito a vida se transforma em muito a um monstro, a um monstro marinho. Jonas
uma ilusão e nosso crescimento espiritual será foi até o fundo, passou pela “porta” apertada. Se
incompleto. entregou a este sofrimento, a esse enlevo com o
desconhecido.
Somente há vida por que há morte, há escuridão por
que existe a luz. É a lei da vida, a dualidade, os O exercício mais importante nesse encontro com o
opostos e sua integração. Para ter amor e poder é Monstro é o exercício de trazê-lo para o campo
também necessário sentir medo e impotência. Não consciente.
dá para excluir os estados “maus” pois sem eles a
percepção dos estados “bons” não será completa. É
preciso abertura e aceitação.

E quando há aceitação ela é completa , para tudo.


Segundo Filon de Alexandria só se pode renunciar
O que ocorre com a sombra é que ela tem força
aquilo que anteriormente se conheceu.
exatamente por estar no campo da
inconsciência, daquilo que não vemos , não
"Além do portal da fraqueza sentida está a sua percebemos ou não queremos perceber.
força. Além do portal da dor sentida estão o

prazer e a alegria. Além do portal do medo A sombra está escondida nas nossas vergonhas
sentido estão a segurança e a certeza. Além do mais secretas , naqueles aspectos sexuais,
portal da solidão sentida está a capacidade de
físicos, emocionais dos quais temos uma
ter satisfação, amor e companheirismo. Além do
profunda vergonha e nos negamos a encarar.
portal da aceitação das carências da infância
Aqueles sentimentos privados que nos
está a satisfação de agora. PGP 190"
envergonham e não somos capazes de trazer à
luz.
SUSAN THESENGA
O CAMINHO DE JONAS |  10
Ela também está disfarçada em nossas projeções,
naquilo que odiamos no outro ou que nos faz reagir
de forma muito intensa. Se o asco é muito grande ou
o ódio carregado de paixão provavelmente se trata
de uma transferência da sombra que não queremos
encarar. Tudo aquilo que não podemos suportar em
nós fica mais fácil esconder no outro.

Ela está escondida em nossos vícios, nos nossos


comportamentos compulsivos, naquelas atitudes
que “não conseguimos explicar”. Os vícios em álcool,
sexo, jogos, comida, trabalho... estão disfarçando
algo que não queremos ou não conseguimos encarar.
Estão deixando em segundo plano desejos profundos
que não podem ser encarados de frente.

A sombra usa essas e outras camuflagens, mas


normalmente , em algum momento da segunda
metade da vida começamos a perceber mais
conscientemente a existência de tudo aquilo que
foi negligenciado, disfarçado, escondido, na
primeira metade da vida.

"No coração da sombra existe a luz. E no


Robert Johnson, discípulo de Jung, usa um outro
coração da luz existe a sombra. A experiência
arquétipo para falar sobre as sombras, ou a
do ser é a experiência do círculo que mantém os
dualidade humana e o processo de integração. Ele dois juntos...
usa o mito grego dos Gêmeos Castor e Pólux . Castor Tornar-se adulto é passar da idade dos

era mortal e Pólux imortal. Castor morre em uma contrários para a idade do complementar, para

batalha e seu irmão imortal Pólux fica tão um outro modo de olhar as coisas. Se alguém diz

inconsolável que Zeus não tem outra saída a não ser algo contrário ao que penso e sou capaz de

permitir que Pólux dividisse sua imortalidade com o entender esse contrário como complementar,

irmão. Até que a divisão (integração) fosse feita, no vou crescer em consciência e em compreensão.

entanto, toda uma série de tentativas aconteceram. Se, em vez de rejeitar ou negar alguns

elementos de minha vida obscura, sou capaz de

acolhê-los, tornar-me-ei mais inteiro."


Em uma delas existiu um acordo de que Pólux
passaria parte do tempo no submundo , no reino de
JEAN YVES LELOUP
Hades, o reino das sombras, e a outra parte do
tempo Castor passaria no Reino dos Deuses. A
polarização não funcionou e a integração foi a única
solução possível ao final.
Podemos ver claramente na trajetória de Jonas,
Ambos foram eternizados em um abraço celestial e os Gêmeos tentando se integrar. Fazendo esse
formam a constelação de Gêmeos, que serve como exercício de comparar esses dois mitos distintos
um protótipo e um ponto de navegação para todos podemos perceber a tentativa desesperada de
os humanos que se encontram no caminho para a integração dos “gêmeos internos” de Jonas.
totalidade.
A trajetória de encontro com a Sombra é a
De certa forma temos dentro de nós estes irmãos trajetória da busca das metades que foram
que se amam e querem ficar juntos, mas como em escondidas ou pouco olhadas no decorrer da
qualquer relação de irmãos pode existir também vida.
muita dificuldade de entendimento e de equilíbrio
entre as necessidades de cada um. É uma viagem em direção ao nosso mais
completo EU SOU, é uma trajetória rumo à
Irmãos podem ser amigos inseparáveis durante a Inteireza.
infância e depois não se suportarem durante a vida
adulta e, finalmente, se reconciliam. Assim como
existem aqueles que vão terminar a vida solitários
sem alcançar essa reaproximação.
O CAMINHO DE JONAS |  11

PARTE 3
A VIAGEM DE VOLTA "Há algo inerente e natural Que existia antes

O ENCONTRO COM O DIVINO do céu e da terra Inerte e insondável. Esse

algo permanece sozinho e nunca muda;

Quando Jonas está no limite do seu desespero, no Espalha-se por todo lugar e nunca fica

ventre do monstro, ele se conecta em algum exausto. Pode ser visto como a Mãe do

momento novamente com a luz. Como diz Leloup, Universo. Não sei o seu nome. Se for

ele se conecta com a bússola que é a única que pode obrigado a dar-lhe um nome, Chamo-o de

ajudar neste momento. Tao, e o nomeio como Supremo."

Quando estamos no Deserto nenhum mapa pode LAO TSÉ


ajudar-nos a sair dali, mas uma bússola sim. Ela dá a
direção, a orientação. Nos momentos de extremo
desespero é essa orientação interna que pode levar Maslow chama esses mesmos “encontros com o
para a luz. Jonas diz “minha salvação está na divino” de experiências culminantes. Abraham
lembrança do Ser”. Maslow foi um dos primeiros teóricos da Psicologia a
focar os momentos felizes e de realização pessoal e
O Ser é a bússola , o Ser é o caminho que sempre investigar seriamente as dimensões positivas da
está aí mesmo nos momentos mais escuros da vida. experiência humana.

O Professor Stanislav Grof em seu Livro “A Ele fez uma ampla pesquisa com muitas pessoas
Tempestuosa Busca do Ser” faz um excelente para entender o efeito das experiências positivas, de
apanhado das experiências de encontro com o suprema felicidade, de êxtase, de máximo gozo. Em
divino. Essas experiências não tem um padrão e 1967, com o conceito de “plena realização humana”,
mudam de pessoa para pessoa. Algumas vão diferencia então a Psicologia do Ser (S) que tem
encontrar o divino na meditação, outras na natureza, como foco principal as potencialidades humanas, da
em sonhos, nos esportes, em atividades corriqueiras Psicologia do vir a ser ou da Deficiência (D). 
do dia a dia ou em situações de extremo sofrimento e
provação. Para Maslow a ignorância é a causa básica dos
males humanos e esta é também uma das principais
Grof comenta ainda que algumas pessoas tem premissas da Psicologia Transpessoal. Devemos
facilidade em ter essas experiências enquanto outras conhecer não somente nossas potencialidades,
podem passar a existência sem ter esse contato com nossas características positivas e de realização, mas
o divino. O fato é que esses “encontros” são “ também nossas sombras , nossa ira e nossas
imprevistos, avassaladores e radicais, alterando limitações humanas.
completamente a percepção pessoal de si mesmo e
do mundo”.
O CAMINHO DE JONAS |  12

Uma pessoa não pode optar por uma vida a menos Por exemplo, Maslow chama de “Transcendência de
que consiga se ouvir e se conhecer para entender o Si Mesmo”, enquanto Piaget & Aurobindo nomeiam
que tem real significado para ela. Ele conclui em suas estágios elevados como “Mente intuitiva, Meta-
pesquisas que se a pessoa nega ou suprime suas mente, Mente Iluminada, Para-mente, Mente
motivações essenciais ela adoece, algumas vezes de Transcendental”.
maneira óbvia, outras de forma mais sutil. De acordo com Graves e sua linha de Valores estes
estágios elevados seriam o “Transcendente” e o de
Como resultado de sua pesquisa chegou a uma lista “Unidade”. Loevinger, finalmente, nomeia este
de “Valores S” ou Valores do Ser vivenciados nas estágio elevado de “Transpessoal”.
experiências culminantes, dentre eles citamos:
verdade, bondade, beleza, plenitude, transcendência Um aspecto importante do estudo de Wilber , e
da dicotomia, vitalidade, unicidade, perfeição, bastante adequado para análise em conjunto com o
justiça, simplicidade, auto-suficiência. mito de Jonas, é com relação à inteligência espiritual,
que evolui segundo o estágio de desenvolvimento de
Voltando ao nosso mito de Jonas poderíamos dizer consciência.
que ele, no ventre do monstro, viveu uma
experiência culminante e entrou em contato com Assim podemos ter indivíduos que, em um nível
esses valores elevados, quando então tudo fica inferior de desenvolvimento de consciência podem
claro e ele entende exatamente sua missão. apresentar também um nível inferior de
espiritualidade (mais arcaica, fundamentalista) e
Esse encontro com o “Ser” ou com a bússola é conforme evoluem os estágios de consciência a
também tema da audaciosa Teoria Integral de Ken inteligência espiritual também pode evoluir para
Wilber. Chamo de “audaciosa” a Teoria de Wilber uma visão mais ampla, pluralista, sistêmica e
por tentar abordar todos os conhecimentos e mais integral.
pesquisas psicológicas em uma única teoria. Sem
entrar no mérito do sucesso ou não dessa tentativa, Qual é o nível de Deus em que você acredita ? É a
ela é , sem sombra de dúvida, uma excelente bússola. pergunta posta por Wilber em sua Teoria. Qual é o
nível de Deus em que Jonas acredita ? É um Deus
Em seu Mapa da Visão Integral, Wilber compara a que alimenta fisicamente, ou emocionalmente e de
visão de diferentes pesquisadores , dentre eles forma transpessoal ? É um Deus Transpessoal ?
Maslow, Gebser, Aurobindo, Kegan, Loevinger, entre
outros na tentativa de abordar as linhas de Todos veneram algo - mesmo quem venera apenas
desenvolvimento humano e estados de a Lógica e a Ciência - o que você venera ? O que
consciência. Interessante observar que somente há Jonas venera ? Quando ele vê a Luz ele muda sua
uma mudança de nomenclatura mas em geral todos forma de ver Deus ? Ele muda a confiança neste
os estudiosos do tema falam de níveis elevados. Deus ? Parece que sim.
O CAMINHO DE JONAS |  13

"Tive, há cinco anos, uma experiência

arrebatadora, que me conduziu à escrita

deste livro. Estava sentado à beira-mar, num

fim de tarde de Verão, vendo as ondas

surgirem e sentindo o ritmo da minha

respiração, quando repentinamente dei

conta do desenvolvimento de todo o meu

meio ambiente numa gigantesca dança

cósmica. Sendo um físico, eu sabia que a

areia, rochas, águas e ar que me rodeavam

são feitas de moléculas e átomos vibrantes, e

que estes consistem em partículas que

interagem umas com as outras, criando e

destruindo outras.Sabia também que a

atmosfera da Terra é continuamente

"Existem tantas “descrições” desse Espírito bombardeada por «raios cósmicos »,


quantas existem da expansão das ondas de partículas de alta energia que provocam

consciência ultravioleta. Mas todas elas múltiplas colisões à medida que penetram no

estão de acordo quanto ao Espírito - ou ar. Tudo isto me era familiar pela minha

qualquer que seja o nome e além da investigação na física das altas energias,

multiplicidade cultural - ser o Fundamento e mas até ali só tinha sentido isso através de

o destino de toda existência, uma Realidade gráficos, diagramas e teorias matemáticas.

infinita que existe atrás, acima , dentro e Sentado na praia, as minhas anteriores

como todo o próprio universo manifesto. experiências vivificavam-se; «vi» cascatas de

Existe alguma prova desse Deus? Sim, com energia descendo de um espaço externo,

certeza, e é a seguinte: leve o seu onde as partículas eram criadas e

desenvolvimento até as ondas ultravioleta de destruídas ritmicamente; «vi» os átomos dos

sua própria percepção e então observe. E elementos e os do meu corpo participando

experimente, toque, sinta, cheire e conte-nos nesta dança cósmica de energia; «senti» o

o que viu. Mas uma coisa é certa: não é um meu ritmo e «ouvi» o seu som, e nesse

Deus mítico, não é materialismo científico e momento soube que era a Dança de Shiva, o

nem pluralismo. Todos esses três falharam em Senhor dos Dançarinos adorado pelos

dar respostas satisfatórias ao mistério da hindus."

existência e esta é exatamente a razão. Eles

não estavam ainda suficientemente inteiros FRITJOF CAPRA


para ver a Visão Total de seu próprio Ser, seu

próprio Vir-a-ser e seu próprio Despertar."

KEN WILBER

Muitos anos depois Otto Scharmer e Peter Senge ,


Em outros dois livros, um mais recente, de 2007: dois “gurus” modernos do mundo corporativo se
Presença, propósito humano e o campo do futuro, de juntam com outros dois executivos (Betty e Joseph)
Peter Senge, Otto Scharmer, Joseph Jaworski e para repensar os paradigmas dos negócios e do
Betty Sue Flowers; e o outro de 1989 : O Tao da mundo, para repensar o futuro e possíveis modelos
Física, de Fritjof Capra, temos análises precisas e para esse futuro.
muito ricas desse momento de encontro com a
Unidade, ou experiências de pico, ou culminantes. Com uma nomenclatura diferente temos a descrição
Enfim, nomes diversos para experiências similares. de uma experiência similar de unidade e de
comunhão com o todo vivida por Joseph Jaworski
A experiência de Fritjof Capra deu origem ao seu durante um retiro meditativo:
livro - o Tao da Física - ricamente descrita por ele no
prefácio da 1a. edição :
O CAMINHO DE JONAS |  14

"De repente, tudo se aquietou. Mas então, das profundezas do Oceano, como mísseis varando o

ar, as baleias saltaram fora outra vez. Suas caudas cortaram as ondas, elas se imobilizaram por

um instante no espaço e mergulharam novamente, sem que eu percebesse a mínima ondulação na

superfície. Fizeram isso três vezes. Quando terminaram, ajoelhei-me à beira do penhasco,

soluçando: “Ó Deus, e se maltratarmos essas baleias? E se danificarmos esta costa, Ó Deus? Que

acontecerá? Então, bem à minha frente, a uma distância de cem metros, uma baleia solitária

saudou-me com quatro esguichos. Silêncio. Passou-se um minuto e, à minha esquerda, outra

baleia rolou sobre as ondas quatro vezes. Depois, nada. Fiquei ajoelhado por muito tempo. Era

como se sangrasse por uma ferida aberta. Meu coração estava inteiramente aberto e fundiram-se

com o das baleias. Não havia separação entre nós. Permaneci por muito tempo nesse estado

de intensa compaixão, como se estivesse em solo sagrado ou dentro de uma catedral. Eu sabia

que jamais seria o mesmo."

JOSEPH JAWORSKI

Assim, voltando ao nosso mito, ao ter a experiência Será possível nos tornarmos autênticos sem esse
com a Luz dentro do Monstro Jonas tem a certeza mergulho de encontro com a sombra? Será que a
sobre esse Deus e toda dúvida se dissipa. E sem a autenticidade que achamos ter pode ser apenas mais
dúvida ele está pronto para abraçar sua missão e uma projeção daquilo que ainda não aceitamos ?
fazer sua viagem de volta, sua viagem para Nínive.
Todo mundo quer viver mas ninguém quer morrer.
Jonas enfrentou seus próprios monstros internos É preciso “morrer” para enxergar o que é autêntico
dentro do Monstro. Ele tinha ali neste encontro em nós. É preciso morrer para o que é ilusório e ter
consigo mesmo a missão de enxergar sua a coragem de ver o rosto sem as máscaras já
autenticidade e perder os medos comuns, como o quase coladas ao corpo.
medo de não ser igual aos outros, o medo de ser
criticado, o medo de não ser bom o suficiente, o É preciso enfrentar o monstro, é preciso morrer, é
medo de não fazer parte. preciso passar pelo deserto. São tantas metáforas
para o mesmo processo. O processo de olhar-se
A autenticidade libera o homem de todos esses profundamente.
medos. Jesus disse uma vez aos seus seguidores:
“Parem de mentir. O que vocês não amam, não o "É sobre viver a experiência, tanto a

façam.” Parem de mentir, ou em outras palavras experiência do desastre, quanto a

“sejam autênticos”. Por que se não fizermos o que experiência do silêncio. Porque às vezes nós

queremos viver a experiência do silêncio, mas


amamos não faremos muita coisa, por que é SER o
nós não queremos viver a experiência do
que qualifica nossos atos.
desastre. “Ah, não, mas aí eu vou ter que

fugir, correr e escapar, como é que eu vou


Quanto Jonas decidiu mergulhar ele teve que olhar
experimentar isso? Isso é muito doloroso!” Por
nos olhos de sua covardia e amá-la para poder sair
isso que eu disse a vocês que os Krenak
dela. Precisou aprender a não ter mais medo do seu
decidiram que nós estamos dentro do
medo para aprender a ser corajoso. Cada pessoa tem
desastre. Não precisa ninguém ir lá e tirar a
seus inimigos em si mesmo. Amar os inimigos não é
gente. Nós vamos atravessar o deserto. Tem
amar alguém que nos persegue mas aprender a
que atravessar o deserto, uai! Toda vez que
amar aquela parte de nós que não aceitamos.
você encontrar um deserto você vai sair

correndo? Quando aparecer um deserto,

atravessa ele!

AILTON KRENAK
O CAMINHO DE JONAS |  15

PARTE 4 Um Jonas furioso e inconformado se recolhe no alto


de um monte, constrói um abrigo espera para ver o
A RAIVA DE JONAS que aconteceria com a cidade.
A FANTASIA DA SEPARATIVIDADE
Deus então faz brotar uma árvore para lhe proteger
Deus vem então uma segunda vez a Jonas e lhe diz do forte sol e calor. Jonas se alegra mas na
para ir pregar em Nínive, dizer ao povo que a cidade madrugada do dia seguinte Deus coloca uma lagarta
será destruída em 40 dias se as maldades não para atacar a planta , a qual simplesmente
cessarem. Dessa vez Jonas simplesmente se levanta, desaparece.
aceita sua missão e cumpre. Ele não tem mais medo
do que antes lhe apavorava e o fazia fugir. Este é o Ele entra mais uma vez em fúria e em profundo
poder da inteireza. Esse é o poder da autenticidade. sofrimento com o sol e calor que quase o fazem
desmaiar e diz que seria melhor morrer do que viver.

"Nós não temos nenhum poder sobre uma Deus então lhe pergunta: “ Você tem alguma razão
pessoa que é autêntica, sobre alguém que é para estar tão furioso por causa de uma planta?” , ao
honesto sobre si mesmo. Você pode lhe dizer que ele responde que sim , preferindo morrer.
tudo o que quiser e não o fará tremer. Mas Como se dissesse “ eu sei da minha vida”. O Senhor
alguém que mente a si mesmo, mesmo se então lhe diz : Você tem pena dessa planta, embora
ele tem grandes ideias, grandes teorias, não a tenha podado nem a tenha feito crescer. Ela
diante de certas situações ele se porá a nasceu numa noite e na outra noite morreu.
tremer, porque ele não é um com ele mesmo. Contudo, Nínive tem mais de cento e vinte mil
Porque está dividido em si mesmo. " pessoas que não sabem nem distinguir a mão
direita da esquerda, além de muitos rebanhos. Não
JEAN YVES LELOUP deveria eu ter pena dessa grande cidade?" (JONAS
4-11)
Jonas fica surpreso em ver que todos se
arrependem, inclusive os líderes da perdição e
Como é difícil para Jonas amar o inimigo, amar
maldade pela qual passava a cidade.
Nínive. Representaria Nínive aqui suas sombras ,
seus medos?
A cidade, ao invés da destruição, volta a prosperar e
se elevar. Jonas marca então uma audiência com o
Mesmo tendo passado por tudo o que passou, nas
Rei e exige punição com morte para todos os que
profundezas do monstro um medo ainda persiste. De
lideraram as maldades que quase levaram a cidade à
forma similar nosso corpo muitas vezes nos mostra
destruição total.
nosso medo arraigado.

O Rei está muito feliz e não aceita punir ninguém que


tenha se arrependido.
O CAMINHO DE JONAS |  16

Quantas vezes já passamos por um profundo


processo e perdoamos em nosso coração e em nossa
mente determinada pessoa, mas quando a
encontramos pessoalmente nosso estômago se
revira , trememos frente ao antes “inimigo”?

O que é esse medo de amar ? De simplesmente


liberar-nos do ódio e amar? Quantas camadas de
amor e de perdão existem ? Como alcançar esse
amor realmente incondicional , que não fica apenas
nas camadas mentais e do ego? Um amor que quebre
as camadas grossas de ego?

Talvez resida aí o grande ensinamento do mito de


Jonas, o ensinamento do AMOR. Nos mostrar o
quanto é difícil esse processo. O AMOR verdadeiro
que é capaz de realmente perdoar aqueles que
fizeram as grandes maldades. Fica evidente em
Jonas um apego ao ego mesmo depois da experiência
culminante que viveu no ventre do Monstro.

Mesmo depois de abraçar a sua integridade uma


parte dele se nega a amar, uma parte dele se nega a "Existe um aspecto muito sutil do

perdoar. O ego ainda está presente e dominante, pensamento: é que a sua natureza própria

como se quisesse falar “Eu sou o justo aqui, o inimigo é de tudo dividir. Mais particularmente, o

não é e deve morrer”. Quantas vezes temos visto conceito do eu divide a nossa percepção em

duas partes: eu e o mundo, o espaço interior


esse comportamento nas discussões
e o espaço exterior, você e os objetos, e
contemporâneas?
assim por diante. Na realidade esta divisão é

ilusória, pois a ciência nos ensina que tanto o


James C. Coyne, escritor, psicólogo e psiquiatra
ser humano como os objetos e mundo ao seu
afirma que a necessidade de ter sempre razão é um
redor são constituídos de energia, e da
mal moderno capaz de afetar a nossa saúde física e
mesma energia. Assim, nada é separado,
emocional.
neste nível de compreensão, da verdadeira

natureza das coisas. Esta ilusão ou fantasia é


O que o arquétipo quer nos mostrar é o caminho da
que constitui a causa primordial de todos os
verdadeira compreensão. Amar o inimigo neste caso
nossos problemas, pois, por causa dessa
é amar a sombra que há em mim. Isso é a verdadeira
miragem da separação, nos apegamos a
libertação. É liberar-me de todos os apegos
tudo o que nos dá prazer, evitamos ou
definitivamente. Citando mais uma vez o Mestre
rejeitamos tudo o que nos causa dor e
Leloup: "É entender que no coração da sombra ficamos indiferentes ao que não nos causa
existe a luz, e no coração da luz existe a sombra. O dor. Isso se refere a coisas, pessoas ou
ser completo e livre é o ser que passa pela mesmo ideias."
experiência verdadeira da união desses dois pólos
em um único círculo. " PIERRE WEIL

Aquela sensação de UNIDADE sobre a qual falamos


Construímos , muitas vezes, um verdadeiro abismo
no capítulo anterior é pontual , é uma experiência
entre nós e as demais espécies deste Planeta.
que nos mostra um caminho.
Poderíamos dizer que quanto maior o ego maior é
esse abismo, maior é a fantasia da separatividade. Aí
Quando o meditador Joseph Jaworski vivencia a
está a raiz da raiva, da possessividade, da indiferença,
unidade com as Baleias ele está vivenciando e
das guerras, das discussões desnecessárias.
entendendo o que Pierre Weil chama de “fantasia da
separatividade”.
Criamos “barreiras” inexistentes entre nós e o todo.
E essas barreiras formam a arquitetura da nossa
A fantasia de que os animais , a natureza , os outros
realidade. De uma realidade inventada e complexa de
estão separados. Para ele , através daquela
seres separados e encastelados em suas torres
experiência com as Baleias, ficou claro que a
egóicas.
separação é apenas uma ilusão.
O CAMINHO DE JONAS |  17

Em decorrência da fantasia da separatividade , uma


miragem coletiva, já que a maioria da humanidade
está submetida, desenvolvemos três tipos de
atitudes básicas: o apego a tudo o que nos propicia
prazer - coisas , pessoas, ideias; a rejeição a tudo o
que nos ameaça; e a indiferença ao que não nos
causa nem prazer nem dor.

Essas atitudes geram uma série de comportamentos


ou sintomas como por exemplo possessividade, "Sinto que todas as estrelas brilham em mim.

ciúme, medo, depressão, rivalidade, competição, O mundo irrompe em minha vida como

orgulho. inundação.

As flores desabrocham em meu corpo.

Muitos desses comportamentos e sentimentos por Toda a juventude da Terra e da água fumega

serem reforçados por padrões sociais acabam em meu coração como incenso, e o sopro de

criando um círculo vicioso extremamente negativo todas as coisas brinca em meus pensamentos

em que seres humanos desajustados criam como numa flauta"

sociedades desajustadas , as quais por sua vez


reprimem seres humanos desajustados , uma grande RABINDRANATH TAGORE
e absurda normose coletiva.

Podemos facilmente relacionar o comportamento de


Jonas com as atitudes mencionadas por Pierre Weil.
Ele demonstra um grande apego aos seus conceitos
sobre o que seria “justiça”.

Como assim perdoar quem fez mal? Como assim


perdoar meu inimigo? O apego gera a rejeição , a
raiva, e ele escolhe se afastar , se colocar em
negação.
O CAMINHO DE JONAS |  18

PARTE 5
Por isso faz-se tão importante o processo de auto-
E AGORA JONAS ? observação e de autocuidado constante.
O CAMINHO
Em uma passagem interessante da biografia de
Mas bastaria passar por uma experiência culminante Pierre Weil, também conhecido como “Samurai da
de Unidade para entender e desfazer a ilusão da Paz”, ele precisa fazer a seguinte escolha: em 1982,
separatividade? com o perigo nuclear iminente, hesita entre fazer um
retiro tibetano de três anos ou juntar-se a Bernard
Nosso mito em estudo mostra que não é tão simples Benson em um movimento pela paz mundial. Ele
voltar à realidade após uma experiência culminante opta pelo retiro, privilegiando então a sua paz
e aplicar os aprendizados da experiência. interior.

Toda sua fúria pela não punição e depois com a Pema Chodron, seguidora dos milenares
planta que nasce e morre em sua cabeça mostra que ensinamentos Budistas, em seu Livro “Quando Tudo
Jonas não assimilou em seu comportamento de se Desfaz” , aborda essa questão se referindo ao
forma definitiva o entendimento da Unidade. Ele não caminho de aprendizado como um objetivo.
consegue perdoar o outro pois para ele ainda “é o
outro”. O objetivo do autodesenvolvimento não está no
futuro e sim em cada dia vivido. Devemos trazer
Como pesquisou Stanislav Grof passar por conosco os aprendizados de cada dia. E esse
experiências culminantes por si só não é a garantia caminho tem uma característica única para cada
de iluminação. Assim como existem muitas pessoas um.
evoluídas que não passaram por experiências
culminantes. Poderíamos dizer então que o sucesso Não é como uma estrada que já está no mapa com
está no processo e não na experiência? origem e destino, é um caminho que passa a existir
momento a momento e em seguida se desfaz.
Uma experiência isolada pode sim quebrar barreiras,
mostrar caminhos, ser uma grande porta para a Se existe um momento em que é possível a
mudança profunda. Mas o encontro com o “Eu Sou” iluminação é agora, não existe outro momento. Este
integral exige uma caminhada, exige um processo de momento que em seguida vai se desfazer.
desenvolvimento pessoal.
O que muda é a forma como me relaciono com esse
Assim como aconteceu com Jonas que não momento. Se existe esforço e desejo de estar mais
conseguiu se entregar totalmente ao amor mesmo presente nesse momento, agora, existe a
depois de ter vivido as experiências intensas de possibilidade de construir mais presença no futuro.
amor, os condicionamentos da mente e do corpo
precisam ser pouco a pouco sentidos e cuidados.
O CAMINHO DE JONAS |  19

"Quando nos vemos no que nos parece ser uma situação ruim ou dolorosa e pensamos: “Bem, como

é que isso pode ser a iluminação?”, devemos apenas ter em mente a ideia de caminho, a noção de

que aquilo que parece indesejável não nos fará fatalmente adormecer nem desencadeará nossas

reações habituais. Podemos permitir que nos mostre o estágio em que estamos e que nos lembre

de que os ensinamentos encorajam a precisão e suavidade, a bondade amorosa em todos os

momentos. Quando vivemos assim, sentimos frequentemente — talvez continuamente — que

estamos diante de uma encruzilhada, sem nunca saber o que temos pela frente.

Viver assim é viver na insegurança. Muitas vezes, ficamos presos a um dilema — o que devo fazer

com o fato de alguém estar muito aborrecido comigo? O que fazer com a raiva que sinto por

alguém? Basicamente, a instrução diz para não tentar resolver o problema, mas permitir que essa

exata situação nos desperte ainda mais, em vez de ficarmos amortecidos pela ignorância.

Podemos aproveitar as situações difíceis como estímulo para dar um salto, para avançar na

direção da ambiguidade."

PEMA CHODRON

Jonas se deixou levar pela emoção negativa do ódio Pierre Weil seguiu uma das receitas mais antigas das
e da raiva. Ele tinha uma escolha, todos nós temos tradições multimilenares, do Oriente e do Ocidente
uma escolha. para o que chamamos acima de “processo de
desenvolvimento pessoal”, já que apenas a
E essa escolha acontece AGORA. não depende de experiência culminante não é garantia de mudança
um mapa, não depende de um plano. E se escolhemos definitiva.
mal podemos também AGORA aprender com o
resultado da má escolha. Ele escolheu o recolhimento no silêncio e na
meditação uma ou duas vezes por dia.
Tirar as vendas da ignorância, abandonar os medos
conscientes e inconscientes da plenitude. Não existe
"Meditar consiste em ficar quieto, se
fórmula mágica momentânea. Existe um processo
recolher, se adentrar, é deixar passar
que se retroalimenta, que consiste em auto-
os pensamentos e as emoções que
observação constante e consciente , escolhas ,
aparecem na mente. Neste ato de
aprendizados e começar de novo a cada momento.
tranquilizar a mente aparece a

verdadeira natureza do Espírito, no


Começar agora.
qual inexiste a separação, pois se

vivencia a indivisibilidade do espírito

pessoal e do espírito do Universo. O

Universo é autoconsciente. A nossa

consciência percebida pela mente

como individual é , na realidade, a

autoconsciência do universo.

PIERRE WEIL
O CAMINHO DE JONAS |  20

"A alma não está correndo de um lado para o outro lá fora no mundo físico; ela não pode ser vista

com microscópios ou telescópios ou chapas fotográficas. Se você quiser ver a alma, você precisa

se voltar para dentro. Precisará desenvolver a sua consciência. Precisará crescer e evoluir na sua

capacidade para perceber as camadas mais profundas do seu Eu, que revelam níveis superiores da

realidade; o grande interior que está além: quanto maior é a profundidade, mais elevada é a

realidade. …

Todas as vezes em que nós, modernos, fazemos um momento de pausa e ficamos em silêncio,

ouvindo tudo com muito cuidado, o vislumbre da nossa natureza mais profunda começa a brilhar e

somos levados aos mistérios das profundezas, no chamado do interior, na radiância infinita de um

esplendor que o tempo e o espaço esqueceram - somos levados ao domínio Espiritual que tudo

permeia, que a ponta de lança dos nossos honrados ancestrais descobriu em primeiro lugar. E eles

eram bons o bastante para nos deixar um mapa geral desse domínio infinito, um mapa chamado de

Grande Ninho do Ser, um mapa dos nossos próprios interiores, uma arqueologia do nosso

próprio Espírito."

KEN WILBER

Como vemos acima, Ken Wilber chegou à conclusões "Mas Deus disse a Jonas: "Você tem

parecidas em seus estudos da Psicologia Integral , alguma razão para estar tão furioso

falando sobre todas as camadas e todos os níveis de por causa da planta?" Respondeu ele:

desenvolvimento humano. "Sim, tenho! E estou furioso ao

ponto de querer morrer". Mas o

Interessante observar que nosso mito, Jonas , Senhor lhe disse: "Você tem pena

buscou o silêncio. Ao se deparar com todos aqueles dessa planta, embora não a tenha

sentimentos desagradáveis buscou o silêncio de um podado nem a tenha feito crescer.

lugar afastado da cidade. Ela nasceu numa noite e numa noite

morreu.Contudo, Nínive tem mais de

E foi nesse silêncio que se aprofundou em cento e vinte mil pessoas que não

seu descontentamento, sua raiva, e seu sabem nem distinguir a mão direita

ensimesmamento, como se estive em um ciclo muito da esquerda, além de muitos

negativo de sofrimento e autopunição. rebanhos. Não deve ria eu ter pena

dessa grande cidade?"

Porém nesse mesmo silêncio ouve mais uma uma


vez Deus. Ouvir Deus é uma experiência JONAS , 9-11
culminante. É entrar em contato com a Unidade em
nós. É entrar em contato com o todo a partir do
silêncio sagrado.

Como nos ensina Pema é a atitude de Jonas neste


exato momento , sua atitude perante a pergunta que
lhe é apresentada de maneira divina - tendo o
silêncio como canal - que vai construir o seu
caminho.

O caminho não existe, ele vai sendo construído a


partir da resposta, ele vai sendo construído a partir
da atitude de Jonas a cada pergunta e situação que
se lhe apresenta

O Livro de Jonas termina exatamente nessa


passagem em que nosso herói tem mais uma vez esse
contato com o divino. Termina com a seguinte
pergunta do divino que ecoa uma vez mais :
O CAMINHO DE JONAS |  21

Em seu recolhimento , em seu silêncio, Jonas foi Jonas, ao ser atacado pela sombra, convide-a para
capaz de entrar em contato com as perguntas que sentar e tomar um chá.
precisavam ser feitas e respondidas.
Convide-a para bater um papo. Ao surgir a raiva
O Livro termina aí e não será por acaso pois a tente não sucumbir à tentação de culpar o outro.
pergunta pode ser divina, pode ser profunda, mas
quem vai responder e como vai responder é este Antes de atacar procure a origem . Antes de atacar ,
ser humano que a escuta. respire. Respire na Unidade e tente encontrar a
origem desse sentimento.
Com todas suas limitações e potencialidades
desenvolvidas até aquele precioso momento. Jonas, siga assim seu caminho, coletando as pedras ,
Não existe uma resposta certa ou uma resposta os diálogos e os silêncios.
errada. Existe a resposta possível para aquele ser
perfeito em sua imperfeição. Construindo o caminho que chega a cada momento
pois a graça da vida não está em saber o destino. A
Jonas, o caminho se constrói caminhando. graça e a realização está no próprio caminhar.

O silêncio é o ingrediente fundamental nesse E assim deixo a palavra final para o poeta, Antonio
caminhar. Parar para ouvir e para ver. Machado, caminhante não há caminho, se faz
caminho ao caminhar.
Jonas quando estiver no caminho lembre-se de
ouvir. Jonas quando estiver no caminho lembre-se E que a presença se faça única em nosso caminhar.
de parar.

Jonas você não é um ser separado do todo.

Aquele pássaro que canta e você não tem ouvidos


para ouvir , faz parte do todo. Aquela flor que
desabrocha em imensa beleza e perfume único
também faz parte dessa unidade.

Jonas, ao tropeçar, talvez seja o momento de parar.

Olhe a pedra em que tropeçou. Respire. Qual o


aprendizado desse momento ? O que é essa pedra ?
Quais as perguntas que ela esconde? Por que ela
apareceu nesse momento e nessa caminhada?
O CAMINHO DE JONAS |  22

Tudo passa e tudo fica

porém o nosso é passar,

passar fazendo caminhos

caminhos sobre o mar

Nunca persegui a glória

nem deixar na memória

dos homens minha canção

eu amo os mundos sutis

leves e gentis,

como bolhas de sabão

Gosto de ver-los pintar-se

de sol e grená, voar

abaixo o céu azul, tremer

subitamente e quebrar-se…

Nunca persegui a glória

Caminhante, são tuas pegadas

o caminho e nada mais;

caminhante, não há caminho,

se faz caminho ao andar

Ao andar se faz caminho

e ao voltar a vista atrás

se vê a senda que nunca

se há de voltar a pisar

Caminhante não há caminho

senão há marcas no mar…

Faz algum tempo neste lugar

onde hoje os bosques se vestem de espinhos

se ouviu a voz de um poeta gritar

“Caminhante não há caminho,

se faz caminho ao andar”…

Golpe a golpe, verso a verso…

Morreu o poeta longe do lar

cobre-lhe o pó de um país vizinho.

Ao afastar-se lhe viram chorar

“Caminhante não há caminho,

se faz caminho ao andar…”

Golpe a golpe, verso a verso…

Quando o pintassilgo não pode cantar.

Quando o poeta é um peregrino.

Quando de nada nos serve rezar.

“Caminhante não há caminho,

se faz caminho ao andar…”

ANTONIO MACHADO
O CAMINHO DE JONAS |  23

BIBLIOGRAFIA

NOSSO GPS
ECAPRA, Fritjof - O Tao da Física. Lisboa, PT : Imprensa Portuguesa, 1989

CHODRON, Pema - Quando tudo se desfaz : orientação para tempos difíceis. Rio de Janeiro, RJ: Gryphus,
2012

CREMA, Roberto - Antigos e Novos Terapeutas: abordagem transdisciplinar em terapia. Belo Horizonte,
MG : INEDE, 2019

FLOWERS, Betty Sue : JAWORSKI, Joseph: SENGE, Peter : SCHARMER, Otto- Presença: propósito
humano e o campo do futuro. São Paulo: Cultrix, 2007

GROF, Stanislav - A tempestuosa busca do ser: um guia para o crescimento pessoal através da crise de
transformação. São Paulo, Cultrix, 1990

JOHNSON, Robert A. - Viver a vida não vivida : a arte de lidar com sonhos não realizados e cumprir o seu
propósito na segunda metade da vida. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010

LELOUP, Jean-Yves - Cuidar do Ser : Filon e os Terapeutas de Alexandria. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011

LELOUP, Jean-Yves - Além da luz e da sombra: sobre o viver,o morrer e o ser. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011

LELOUP, Jean-Yves - Caminhos da Realização: dos medos do eu ao mergulho no ser. Petrópolis, RJ: Vozes,
2013

MAGALHÃES, Dulce - Atreva-se: Torne-se quem você é. Florianópolis: Instituto Dulce Magalhães , 2018

MASLOW, Abraham H. - Introdução à Psicologia do Ser. Rio de Janeiro, RJ: Editora Eldorado, 1987

PIERRAKOS, Eva - O Caminho da Autotransformação. São Paulo: Cultrix, 2007

SALDANHA, Vera.- Psicologia Transpessoal – Abordagem Integrativa – Um Conhecimento Emergente em


Psicologia da Consciência. Ijuí: Editora Unijuí, 2008.

SALDANHA, Vera : ACCIARI, Arlete Silva -Abordagem Integrativa Transpessoal: psicologia e


transdisciplinaridade. São Paulo: Editora Inserir, 2019

THESENGA, Susan - O Eu sem defesas: o método pathwork para viver uma espiritualidade integral. São
Paulo : Cultrix, 2015

WEIL, Pierre - Normose: a patologia da normalidade / Pierre Weil, Jean-Yves Leloup, Roberto Crema.
Petrópolis, RJ : Vozes, 2011

WEIL, Pierre - A Arte de Viver a Vida. Petrópolis, RJ: Vozes, 2017

WILBER, Ken - A Visão Integral : uma introdução à revolucionária Abordagem Integral da Vida, de Deus,
do Universo e de Tudo Mais. São Paulo: Cultrix, 2008

WILBER, Ken - O Espectro da Consciência . São Paulo: Cultrix , 1997

WILBER, Ken - Psicologia Integral. São Paulo: Cultrix, 2000

ZWEIG, Connie : WOLF, Steve -O Jogo das Sombras:Iluminando o lado escuro da alma. Rio de Janeiro:
Editora Rocco, 200
O CAMINHO DE JONAS |  24

Muito
Obrigado !
ROGERIO.GIROLDO@GMAIL.COM

©2020 - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

Você também pode gostar