Você está na página 1de 9

Drenagem de subsolo

Máximo Ramalho

Ramalho Comercial, São Paulo, São Paulo, Brasil, vendastecnicas@ramalho1.com.br

Gabriela Poliszuk

Ramalho Comercial, São Paulo, São Paulo, Brasil, gabriela@ramalho1.com.br.

Fabio Garcia

Ramalho Comercial, São Paulo, São Paulo, Brasil, fabio@ramalho1.com.br.

Introdução:

O caso de obra relata a drenagem da cortina do subsolo com um geoespaçador para o


empreendimento residencial nomeado London Blue localizado na R.Gabrielle D’
Annuzio, 1002 – Campo Belo – São Paulo – SP.

Antigamente as drenagens de muro eram realizadas com formas de madeira, brita como
material drenante e geotêxtil como filtro, porém além do desgaste da mãe de obra este
método tem maior espessura, maior custo e é precária em termos ambientais, já que
utilizam agregados como meio drenante. Já é usual a aplicação de um geocomposto
drenante entre solo e os pranchões ou vigotas de concreto; nesta etapa da obra o
geossintético executa a função de filtrar a água presente na terra seja pluvial ou de
lençol freático, drená-la através do seu núcleo até um sistema drenante de trincheira
localizadas abaixo da drenagem vertical. O processo é de rápida e fácil instalação,
pouca espessura, fácil de transportar e se tratando de um produto polimérico
confeccionado industrialmente, apresenta características definidas através de ensaio,
obtendo resultados fiéis de desempenho.

Problema encontrado:

A preocupação do projeto era realizar um sistema de captação e direcionamento de água


proveniente de lençol freático na região noroeste e nordeste da obra, nas outras
localidades a finalidade da drenagem era captar a água que eventualmente encontrasse
as estruturas de contenção. O subsolo tem 12 m de profundidade e não poderia deixar
que jorrões ou filetes de água encontrassem a estrutura do empreendimento.

Solução:

Pensando nisto optou-se por um sistema de drenagem com um geoespaçador em PEAD


em contato direto com os pranchões de madeira e perfil metálico. Portanto, após a
execução do corte do terreno, realizou-se uma camada de contenção de 5 cm de
concreto entre os perfis metálicos e após os pranchões de madeira foi instalado o
sistema de drenagem (geoespaçador) que conduziu a água até as trincheiras drenantes,
construídas com geotêxtil não tecido de poliéster ao envolto, brita n° 2 e geotubo de
PEAD de 4” , assim como mostra a seção tipo dos anexo 1 e 2.

O geoespaçador de PEAD – Maxdren GS - tem saliências com altura de 7 mm


espaçadas a cada 1,5 cm na horizontal e na vertical e a cada 0,5 cm na diagonal; com
capacidade de vazão de água à 100 kPa de pressão e gradiente hidráulico unitário de
1,95 l/s.m. A instalação foi realizada com os nódulos fixados com rolhas de vedação nos
pranchões de madeira junto aos perfis metálicos verticais, foi especificado uma
sobreposição 3 nódulos que foi vedada com uma fita asfáltica aluminizada.

O geoespaçador foi aplicado sobre as pranchas de madeira, sem contato com o solo que
dispensou o uso do geotêxtil, como um geocomposto drenante. Foram utilizados 1.700
m² do geoespaçador em PEAD em todo o subsolo.

O produto atendeu perfeitamente o propósito, aderiu a superfície uniformemente,


reduziu a espessura do sistema de drenagem, o tempo de mão de obra e o cronograma
em até 72%. Por sua característica leve foi fácil o manuseio na obra. O geoespaçador
reduziu o empuxo hidrostático e o uso de agregados com elemento drenante na obra
trazendo um grande benefício ao meio ambiente. No anexo 3 mostra o comparativo do
sistema de drenagem utilizando o geossintético e o processo de drenagem convencional
com formas de madeira, geotêxtil e brita, mostrando uma economia de 70 % a cada
metro linear.

A obra é de propriedade e de construção da Brookfield Incorporações Ltda e teve como


fornecedor dos geossintéticos a Ramalho Comercial Ltda.
Anexos
Seção tipo:

Anexo 1: Representação do corte transversal sem escala da fundação e drenagem de


subsolo.

Anexo 2: Representação do corte longitudinal sem escala da fundação e drenagem do


subsolo.
Dreno com Brita 1 Dreno com Geossintético
Custo por Custo por
Custo Custo
Material metro metro
Unitário Unidade Quantidade Unitário Unidade Quantidade
linear de linear de
R$ R$
muro R$ muro R$
Geoespaçador
- - - - 16,20 m2 12,00 194,40
em PEAD

Brita n° 1 141,02 m3 3,75 528,82 - - - -


Geotêxtil
nãotecido de 3,45 m2 27,60 95,22 - - - -
poliéster
Tábua para
forma
7,30 ml 1,00 7,30 - - - -
30 x 2,5 cm (1"x
12")

Pedreiro 4,50 h 1,71 7,70 - - - -

Ajudante 3,77 h 5,27 19,87 3,77 h 1,92 7,24


Custo Total por
metro linear de - - - 658,91 - - - 201,64
muro

Anexo 3: Comparativo do sistema convencional de drenagem com geossintético por


metro linear de drenagem na obra, portanto considerando uma área de 12,00 m².
Arquivos Fotográficos

Fotografia 1: Etapa final da execução da fundação com os perfis metálicos.

Fotografia 2: Detalhe da vazão do lençol freático.


Fotografia 3: Início da execução do sistema de drenagem vertical.

Fotografia 4: Detalhe do geoespaçador entre os perfis metálicos.


Fotografia 5: Início da execução do sistema de drenagem vertical.

Fotografia 6: Detalhe dos da fixação com rolhas de vedação nos pranchões de madeira
Fotografia 7: Etapa final do sistema de drenagem de subsolo.

Fotografia 8: Detalhe do geoespaçador após a concretagem do subsolo.


Fotografia 9: Perspectiva ilustrada da fachada.