Você está na página 1de 3

Seção 1 ISSN 1677-7042 Nº 65, sexta-feira, 3 de abril de 2020

9. In casu, o conteúdo das leis impugnadas - constituição e registro de E M E N T A: ARGUIÇÃO DE DESCUMPRIMENTO DE PRECEITO FUNDAMENTAL
comissões partidárias provisórias e de coligação partidária, registro de candidaturas e (CF, ART. 102, § 1º) - SITUAÇÃO DE PONTECIALIDADE DANOSA DERIVADA DE CORTE
diplomação de eleitos nas Eleições de 2016 - revela a inexistência de pertinência temática UNILATERAL IMPOSTO PELO CHEFE DO PODER EXECUTIVO ESTADUAL À PROPOSTA
entre a defesa dos interesses dos profissionais da segurança pública e privada. ORÇAMENTÁRIA ELABORADA PELA DEFENSORIA PÚBLICA LOCAL - ADMISSIBILIDADE, OU
1. Agravo a que se nega provimento.
NÃO, DO CONTROLE, MEDIANTE ARGUIÇÃO DE DESCUMPRIMENTO, DAS ETAPAS QUE
DECISÕES COMPÕEM O PROCESSO DE FORMAÇÃO DAS LEIS, INCLUSIVE DOS VETOS GOVERNAMENTAIS:
Argüição de Descumprimento de Preceito Fundamental O "STATUS QUAESTIONIS" NA JURISPRUDÊNCIA DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL -
(Publicação determinada pela Lei nº 9.882, de 03.12.1999) SUPERVENIENTE PROMULGAÇÃO E PUBLICAÇÃO DA LEI ORÇAMENTÁRIA ANUAL COM A
MANUTENÇÃO DOS VETOS APOSTOS PELO GOVERNADOR DO ESTADO - CONSEQUENTE
Julgamentos PERDA DO OBJETO DA PRESENTE ARGUIÇÃO DE DESCUMPRIMENTO, QUE OBJETIVA, TÃO
SOMENTE, A SUSPENSÃO DO PROCESSO LEGISLATIVO E A INCLUSÃO, NO PROJETO DE LEI
AG.REG. NA ARGUIÇÃO DE DESCUMPRIMENTO DE PRECEITO FUNDAMENTAL 529 (29) ORÇAMENTÁRIA ANUAL, DA PROPOSTA ENCAMINHADA ORIGINALMENTE PELA DEFENSORIA
ORIGEM : 529 - SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL PÚBLICA ESTADUAL - PREJUDICIALIDADE RECONHECIDA - PRETENSÃO DE
PROCED. : ESPÍRITO SANTO INCONSTITUCIONALIDADE QUE JÁ NÃO PODE MAIS SER APRECIADA EM SEDE DE ARGUIÇÃO
RELATOR : MIN. GILMAR MENDES DE DESCUMPRIMENTO, POR DIRIGIR-SE, AGORA, A ATO ESTATAL POSITIVO DE ÍNDOLE PÓS-
AGTE.(S) : SINDICATO NACIONAL DAS EMPRESAS DE AVIACAO AGRICOLA CONSTITUCIONAL (LEI ESTADUAL Nº 10.437) - POSTULADO DA SUBSIDIARIEDADE -
ADV.(A/S) : EDUARDO ANTONIO FELKL KUMMEL (169826/RJ, 30717/RS, 26186/SC, EXISTÊNCIA, NO ORDENAMENTO POSITIVO, DE INSTRUMENTO PROCESSUAL APTO A SANAR,
9195-A/TO) E OUTRO(A/S)
DE MODO EFICAZ, A SITUAÇÃO DE LESIVIDADE ALEGADAMENTE RESULTANTE DO ATO
AGDO.(A/S) : PREFEITO DO MUNICÍPIO DE BOA ESPERANÇA
ESTATAL IMPUGNADO - CONSEQUENTE INVIABILIDADE DA ARGUIÇÃO DE DESCUMPRIMENTO
ADV.(A/S) : PROCURADOR-GERAL DO MUNICÍPIO DE BOA ESPERANÇA
AGDO.(A/S) : CÂMARA MUNICIPAL DE BOA ESPERANÇA - PRECEDENTES - PARECER DA PROCURADORIA-GERAL DA REPÚBLICA PELO NÃO
ADV.(A/S) : SEM REPRESENTAÇÃO NOS AUTOS PROVIMENTO DESTA ESPÉCIE RECURSAL - RECURSO DE AGRAVO IMPROVIDO.
AM. CURIAE. : ASSOCIAÇÃO AGRICULTURA FORTE
ARGUIÇÃO DE DESCUMPRIMENTO DE PRECEITO FUNDAMENTAL 482 (34)
ADV.(A/S) : EDUARDO ANTONIO FELKL KÜMMEL (30717/RS)
ORIGEM : 000000000229201539 - CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO
ADV.(A/S) : RICARDO VOLLBRECHT (39143/RS)
PROCED. : DISTRITO FEDERAL
AM. CURIAE. : SINDICATO NACIONAL DOS AERONAUTAS (SNA)
RELATOR : MIN. ALEXANDRE DE MORAES
ADV.(A/S) : PAULO FERNANDO CORRÊA DE SOUZA (403620/SP)
ADV.(A/S) : MÁRCIA CRISTINA GEMAQUE FURTADO (0145072A/SP) REQTE.(S) : PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA
AM. CURIAE. : CONFEDERACAO DA AGRICULTURA E PECUARIA DO BRASIL INTDO.(A/S) : CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO
ADV.(A/S) : RUDY MAIA FERRAZ (22940/DF) PROC.(A/S)(ES) : ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO
ADV.(A/S) : CAROLINA CARVALHAIS VIEIRA DE MELO (18579/DF) AM. CURIAE. : ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS BRASILEIROS - AMB
ADV.(A/S) : RODRIGO DE OLIVEIRA KAUFMANN (23866/DF, 374576/SP) ADV.(A/S) : ALBERTO PAVIE RIBEIRO (07077/DF, 53357/GO)

Decisão: O Tribunal, por maioria, negou provimento ao agravo regimental, nos Decisão: O Tribunal, por unanimidade, conheceu da arguição de descumprimento
termos do voto do Relator, vencido o Ministro Marco Aurélio. Não participou deste de preceito fundamental, confirmou a medida cautelar e julgou procedente o pedido
julgamento, por motivo de licença médica, o Ministro Celso de Mello. Plenário, Sessão formulado para declarar a inconstitucionalidade da decisão administrativa proferida pelo
Virtual de 20.3.2020 a 26.3.2020. Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) no pedido de providências (PP)
0.00.000.000229/2015-39, nos termos do voto do Relator. Os Ministros Edson Fachin e Luiz
MEDIDA CAUTELAR NA ARGUIÇÃO DE DESCUMPRIMENTO DE PRECEITO (30)
FUNDAMENTAL 656 Fux acompanharam o Relator com ressalvas. Não participou deste julgamento, por motivo de
ORIGEM : 656 - SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL licença médica, o Ministro Celso de Mello. Plenário, Sessão Virtual de 21.2.2020 a 2.3.2020.
PROCED. : DISTRITO FEDERAL Ementa: CONSTITUCIONAL. FEDERALISMO E MINISTÉRIO PÚBLICO. INEXISTÊNCIA
RELATOR : MIN. RICARDO LEWANDOWSKI DE UMA ÚNICA CARREIRA COMUM A TODOS OS MINISTÉRIOS PÚBLICOS ESTADUAIS E AO
REQTE.(S) : REDE SUSTENTABILIDADE MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO. INCONSTITUCIONALIDADE DA REMOÇÃO, POR PERMUTA
ADV.(A/S) : BRUNO LUNARDI GONCALVES (62880/DF) E OUTRO(A/S) NACIONAL, ENTRE MEMBROS DE MINISTÉRIOS PÚBLICOS DIVERSOS. VIOLAÇÃO AO PRINCÍPIO
INTDO.(A/S) : SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA DO CONCURSO PÚBLICO. SÚMULA VINCULANTE 43 DO STF. ARGUIÇÃO DE DESCUMPRIMENTO
AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO DE PRECEITO FUNDAMENTAL CONHECIDA E JULGADA PROCEDENTE.
ADV.(A/S) : SEM REPRESENTAÇÃO NOS AUTOS 1. O Ministério Público da União e os Ministérios Públicos dos Estados são
disciplinados por leis complementares próprias, cuja iniciativa é facultada aos respectivos
Decisão: Após os votos dos Ministros Ricardo Lewandowski (Relator), Dias Toffoli Procuradores-Gerais, as quais estabelecem a organização, as atribuições e o estatuto de
(Presidente), Edson Fachin e Alexandre de Moraes, que deferiam a medida liminar pleiteada cada Ministério Público (art. 128, § 5º, da CF).
para suspender a eficácia dos itens 64 a 68 da Tabela 1 do art. 2º da Portaria 43, de 21 de 2. Por força do princípio da unidade do Ministério Público (art. 127, § 1º, da
fevereiro de 2020, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento/Secretaria de
Defesa Agropecuária, até a decisão definitiva do Plenário desta Corte na presente ADPF, CF), os membros do Ministério Público integram um só órgão sob a direção única de um
pediu vista dos autos o Ministro Roberto Barroso. Não participou deste julgamento, por só Procurador-Geral. Só existe unidade dentro de cada Ministério Público, não havendo
motivo de licença médica, o Ministro Celso de Mello. Plenário, Sessão Virtual de 20.3.2020 unidade entre o Ministério Público de um Estado e o de outro, nem entre esses e os
a 26.3.2020. diversos ramos do Ministério Público da União.
3. A remoção, por permuta nacional, entre membros do Ministério Público dos
MEDIDA CAUTELAR NA ARGUIÇÃO DE DESCUMPRIMENTO DE PRECEITO (31) Estados e entre esses e membros do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios,
FUNDAMENTAL 658 admitida na decisão impugnada, equivale à transferência, ou seja, forma de ingresso em
ORIGEM : 658 - SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL carreira diversa daquela para a qual o servidor público ingressou por concurso, vedada pelo
PROCED. : DISTRITO FEDERAL art. 37, II, da Constituição Federal e pela Súmula Vinculante 43, segundo a qual "é
RELATOR : MIN. RICARDO LEWANDOWSKI inconstitucional toda modalidade de provimento que propicie ao servidor investir-se, sem
REQTE.(S) : PARTIDO SOCIALISMO E LIBERDADE (P-SOL) prévia aprovação em concurso público destinado ao seu provimento, em cargo que não
ADV.(A/S) : ANDRE BRANDAO HENRIQUES MAIMONI (29498/DF, 7040/O/MT) E OUTRO(A/S) integra a carreira na qual anteriormente investido".
INTDO.(A/S) : SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA 4. Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental conhecida e julgada
AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO
procedente.
ADV.(A/S) : SEM REPRESENTAÇÃO NOS AUTOS
Decisão: Após os votos dos Ministros Ricardo Lewandowski (Relator), Dias Toffoli Secretaria Judiciária
(Presidente), Edson Fachin e Alexandre de Moraes, que deferiam a medida liminar pleiteada PATRÍCIA PEREIRA DE MOURA MARTINS
para suspender a eficácia dos itens 64 a 68 da Tabela 1 do art. 2º da Portaria 43, de 21 de Secretária
fevereiro de 2020, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento/Secretaria de
Defesa Agropecuária, até a decisão definitiva do Plenário desta Corte na presente ADPF,
pediu vista dos autos o Ministro Roberto Barroso. Não participou deste julgamento, por
motivo de licença médica, o Ministro Celso de Mello. Plenário, Sessão Virtual de 20.3.2020 Atos do Poder Executivo
a 26.3.2020.
EMB.DECL. NA ARGUIÇÃO DE DESCUMPRIMENTO DE PRECEITO (32) DECRETO Nº 10.306, DE 2 DE ABRIL DE 2020
FUNDAMENTAL 310
ORIGEM : ADPF - 310 - SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Estabelece a utilização do Building Information
PROCED. : DISTRITO FEDERAL Modelling na execução direta ou indireta de obras e
serviços de engenharia realizada pelos órgãos e pelas
RELATOR : MIN. ALEXANDRE DE MORAES entidades da administração pública federal, no âmbito
EMBTE.(S) : CONSELHO FEDERAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL - CFOAB da Estratégia Nacional de Disseminação do Building
ADV.(A/S) : OSWALDO PINHEIRO RIBEIRO JUNIOR (16275/DF) Information Modelling - Estratégia BIM BR, instituída
EMBDO.(A/S) : ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS BRASILEIROS - AMB E OUTRO(A/S) pelo Decreto nº 9.983, de 22 de agosto de 2019.
ADV.(A/S) : ALBERTO PAVIE RIBEIRO (07077/DF, 53357/GO) E OUTRO(A/S)
ADV.(A/S) : LIZANDRA NASCIMENTO VICENTE (39992/DF) O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84,
ADV.(A/S) : GUILHERME DEL NEGRO BARROSO FREITAS (48893/DF) caput, incisos IV e VI, alínea "a", da Constituição,
Decisão: O Tribunal, por unanimidade, rejeitou os embargos de declaração DECRETA:
interpostos pelo Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (CFOAB), nos termos
do voto do Relator. Não participou deste julgamento, por motivo de licença médica, o Objeto e âmbito de aplicação
Ministro Celso de Mello. Plenário, Sessão Virtual de 20.3.2020 a 26.3.2020.
Art. 1º Este Decreto estabelece a utilização do Building Information Modelling -
Acórdãos BIM ou Modelagem da Informação da Construção na execução direta ou indireta de obras
e serviços de engenharia, realizada pelos órgãos e pelas entidades da administração pública
AG.REG. NA ARGÜIÇÃO DE DESCUMPRIMENTO DE PRECEITO FUNDAMENTAL 330 (33) federal, no âmbito da Estratégia Nacional de Disseminação do Building Information
ORIGEM : ADPF - 330 - SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Modelling - Estratégia BIM BR, instituída pelo Decreto nº 9.983, de 22 de agosto de 2019.
PROCED. : PARAÍBA
RELATOR : MIN. CELSO DE MELLO Parágrafo único. O BIM será implementado de forma gradual, obedecidas as
AGTE.(S) : ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE DEFENSORES PÚBLICOS - ANADEP fases estabelecidas no art. 4º.
ADV.(A/S) : CIANE FIGUEIREDO FELICIANO DA SILVA (0006974/PB)
AGDO.(A/S) : GOVERNADOR DO ESTADO DA PARAÍBA Art. 2º Ficam vinculados às ações de disseminação do BIM previstas neste Decreto:
PROC.(A/S)(ES) : SEM REPRESENTAÇÃO NOS AUTOS
I - Ministério da Defesa, por meio das atividades executadas nos imóveis
Decisão: O Tribunal, por unanimidade e nos termos do voto do Relator, negou jurisdicionados ao Exército Brasileiro, à Marinha do Brasil e à Força Aérea Brasileira; e
provimento ao agravo regimental. Ausente, justificadamente, o Ministro Dias Toffoli,
participando, na qualidade de Presidente do Tribunal Superior Eleitoral, da 2ª Assembleia II - Ministério da Infraestrutura, por meio das atividades coordenadas e executadas:
Geral e Conferência Internacional da Associação Mundial de Órgãos Eleitorais, organizadas
pela Associação Mundial de Órgãos Eleitorais (AWEB), e, neste julgamento, ausente a Ministra a) pela Secretaria Nacional de Aviação Civil, para investimentos em aeroportos
Cármen Lúcia. Presidiu o julgamento o Ministro Ricardo Lewandowski. Plenário, 19.08.2015. regionais; e

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico 5 Documento assinado digitalmente conforme MP nº 2.200-2 de 24/08/2001,
http://www.in.gov.br/autenticidade.html, pelo código 05152020040300005 que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
Seção 1 ISSN 1677-7042 Nº 65, sexta-feira, 3 de abril de 2020

b) pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes - DNIT, para III - terceira fase: a partir de 1º de janeiro de 2028, o BIM deverá ser utilizado
reforço e reabilitação estrutural de obras de arte especiais. no desenvolvimento de projetos de arquitetura e engenharia e na gestão de obras
referentes a construções novas, reformas, ampliações e reabilitações, quando consideradas
Parágrafo único. Os órgãos e as entidades da administração pública federal não de média ou grande relevância para a disseminação do BIM, nos termos do disposto no
referidos no caput poderão adotar as ações de implementação do BIM nos termos do art. 10, e abrangerá, no mínimo:
disposto neste Decreto, independentemente da finalidade do uso do BIM, prevista ou não
neste Decreto, em quaisquer das fases do art. 4º. a) os usos previstos na primeira e na segunda fase; e
Definições b) o gerenciamento e a manutenção do empreendimento após a sua
construção, cujos projetos de arquitetura e engenharia e cujas obras tenham sido
Art. 3º Para fins do disposto neste Decreto, consideram-se: desenvolvidos ou executados com aplicação do BIM.
I - ampliação - modificação das características de construção preexistente que Parágrafo único. Quando as características técnicas do empreendimento não
resulte no aumento de um dos seguintes parâmetros ediG cáveis: comportarem uma ou mais disciplinas dos modelos de arquitetura e engenharia de que
trata a alínea "a" do inciso I do caput a aplicação do BIM poderá se restringir às disciplinas
a) área de implantação; compatíveis com o empreendimento.
b) área bruta de construção; Art. 5º Além do disposto no art. 4º, será observado o seguinte quanto à
implementação do BIM:
c) área total de construção; ou
I - na execução direta de obras e serviços de arquitetura e engenharia, a
d) quantitativo de pisos acima ou abaixo da cota de soleira; aplicação do BIM será realizada em uma ou mais etapas do ciclo de vida da construção; e
II - Building Information Modelling - BIM ou Modelagem da Informação da II - na execução indireta, por meio de contratação de obras e serviços de
Construção - conjunto de tecnologias e processos integrados que permite a criação, a arquitetura e engenharia, o edital e o instrumento contratual deverão prever a obrigação
utilização e a atualização de modelos digitais de uma construção, de modo colaborativo, de o contratado aplicar o BIM em uma ou mais etapas do ciclo de vida da construção.
que sirva a todos os participantes do empreendimento, em qualquer etapa do ciclo de vida
da construção; § 1º Os instrumentos de repasse firmados entre órgãos ou entidades da
administração pública federal, vinculados às ações de disseminação do BIM, e órgãos ou
III - ciclo de vida da construção - conjunto das etapas de um empreendimento entidades, de quaisquer esferas de governo, consórcio público ou entidade sem G
ns lucrativos
que abrange: deverão condicionar a transferência de recursos Gnanceiros oriundos do Orçamento Fiscal e
da Seguridade Social da União à execução direta ou indireta de obras e serviços de
a) o programa de necessidades; engenharia por meio da aplicação do BIM, nos termos do disposto neste Decreto.
b) a elaboração dos projetos de arquitetura e engenharia em seus diversos ns do disposto no inciso II do caput, na execução indireta de obras
§ 2º Para G
níveis de desenvolvimento ou detalhamento; e serviços de engenharia, os contratantes deverão incluir, no edital ou no instrumento
contratual, a obrigação de os contratados utilizarem o BIM para a execução de programas,
c) a execução da obra; projetos e atividades de interesse recíproco.
d) o comissionamento; e Regras gerais do instrumento convocatório e do contrato
e) as atividades de gerenciamento do uso e de manutenção do empreendimento Art. 6º A obrigação de o contratado utilizar o BIM deverá abranger, no mínimo:
após a sua construção;
I - os usos do BIM a que se refere o art. 4º, obedecidas as suas fases de
IV - construção nova - estrutura derivada de projeto de arquitetura e engenharia disseminação;
inaugural, não caracterizada como ampliação, reforma ou reabilitação de estrutura preexistente;
II - a disponibilização dos arquivos eletrônicos, que deverão conter os modelos
V - modelo BIM - base de dados fundamentada em objetos virtuais, que contém e os documentos técnicos que compõem o projeto de arquitetura e engenharia, em
informações codificadas e incorpora seus relacionamentos, o que possibilita diversas formato aberto (não proprietário) e em outro formato exigido pela contratante no edital
visualizações, organizações e cálculos que integram informações gráficas e não gráficas; de licitação;
VI - obra de arte especial - estrutura que, em razão de suas proporções e III - o atendimento das exigências do órgão ou da entidade contratante em
características peculiares, requer projeto especíG
co, tais como pontes, viadutos ou túneis; relação aos níveis de detalhamento e de informação requeridos nos projetos de
arquitetura e engenharia;
VII - projeto de arquitetura e engenharia - atividade de criação, conceituação,
dimensionamento e planejamento, realizada anteriormente à execução da obra, em IV - a manutenção das condições de habilitação e qualiG cação exigidas no
qualquer nível de desenvolvimento ou detalhamento, a qual pode se referir a: processo licitatório, durante a execução do contrato, em conformidade com as obrigações
a) anteprojeto; assumidas, para garantia da proteção e da conservação dos serviços executados;

b) projeto básico; V - a execução dos serviços com o cumprimento do programa de necessidades


e das diretrizes do projeto de arquitetura e engenharia referencial, elaborado direta ou
c) projeto executivo; ou indiretamente pelo órgão ou pela entidade contratante, durante a fase preparatória da
licitação da obra, sem prejuízo do disposto na legislação nas normas técnicas;
d) outras etapas de projeto não deG
nidas em lei;
VI - a obtenção de autorizações governamentais e o pagamento de despesas
VIII - reabilitação - processo de intervenção realizado em construção referentes a taxas, alvarás e registros em entidades públicas considerados necessários à
preexistente, que aumente a capacidade de suporte de uma estrutura ou adeque as suas execução dos serviços contratados;
dimensões para suprir necessidades funcionais atuais ou futuras, para fins de aumento da
vida útil do empreendimento após a sua construção; e VII - a responsabilidade pelo treinamento e pela capacitação dos proG ssionais
alocados para executar os serviços sem quaisquer ônus adicionais para o órgão contratante;
IX - reforma - modiGcação das características de uma construção preexistente, de
modo a alterar componentes originais do projeto de arquitetura e engenharia, desde que VIII - a correção das deG
ciências apontadas pelo órgão contratante na execução
o volume e a área inicial não sejam alterados. dos serviços, em particular, aqueles decorrentes de vícios ou falhas; e

Fases de implementação IX - a declaração de que os direitos autorais patrimoniais disponíveis,


decorrentes da elaboração dos projetos e modelos BIM de arquitetura e engenharia e das
Art. 4º A implementação do BIM ocorrerá de forma gradual, obedecidas as obras, serão cedidos, sem qualquer limitação, ao respectivo órgão ou entidade contratante,
seguintes fases: no ato da contratação.

I - primeira fase - a partir de 1º de janeiro de 2021, o BIM deverá ser utilizado § 1º O não cumprimento do disposto no inciso V do caput obrigará o
no desenvolvimento de projetos de arquitetura e engenharia, referentes a construções contratado a corrigir ou refazer os serviços às suas próprias e exclusivas expensas.
novas, ampliações ou reabilitações, quando consideradas de grande relevância para a
disseminação do BIM, nos termos do disposto no art. 10, e abrangerá, no mínimo: § 2º Observado o disposto no inciso VII do caput, os profissionais escolhidos
pelo contratado para executar os serviços deverão estar habilitados e comprovar
a) a elaboração dos modelos de arquitetura e dos modelos de engenharia experiência, conhecimento ou formação em BIM.
referentes às disciplinas de:
Art. 7º Os órgãos e as entidades vinculados à coordenação e à implementação
1. estruturas; do BIM poderão contratar serviços de engenharia para adaptar ao BIM os projetos de
arquitetura e engenharia, em qualquer nível de detalhamento, anteriormente elaborados
2. instalações hidráulicas; com emprego de outros processos ou tecnologias.

3. instalações de aquecimento, ventilação e ar condicionado; e Parágrafo único. Sem prejuízo do disposto nas normas de cada órgão ou
entidade, o documento que apresente a justificativa da necessidade de licitação poderá
4. instalações elétricas; estar acompanhado por projeto de arquitetura e engenharia desenvolvido em BIM.

b) a detecção de interferências físicas e funcionais entre as diversas disciplinas e Art. 8º Na contratação de serviços para a elaboração de projetos de arquitetura
a revisão dos modelos de arquitetura e engenharia, de modo a compatibilizá-los entre si; e engenharia, o contratante deverá deGnir o nível de detalhamento e de informação dos
modelos BIM para atender:
c) a extração de quantitativos; e
I - aos usos do BIM a que se refere o art. 4º, obedecidas as suas fases de
d) a geração de documentação gráG
ca, extraída dos modelos a que se refere este inciso; disseminação; e

II - segunda fase - a partir de 1º de janeiro de 2024, o BIM deverá ser utilizado II - ao programa de necessidades, observados os parâmetros mínimos e as
na execução direta ou indireta de projetos de arquitetura e engenharia e na gestão de melhores práticas para a execução de fluxos de trabalho com o uso do BIM.
obras, referentes a construções novas, reformas, ampliações ou reabilitações, quando
consideradas de grande relevância para a disseminação do BIM, nos termos do disposto no Art. 9º Os projetos de arquitetura e engenharia que não tenham requisitos
art. 10, e abrangerá, no mínimo: mínimos estabelecidos por lei federal, quando exigidos pelos editais ou instrumentos
contratuais publicados ou G rmados pelos órgãos e pelas entidades vinculados à
a) os usos previstos na primeira fase; disseminação do BIM, deverão ser elaborados pelo contratado e deverão atender:

b) a orçamentação, o planejamento e o controle da execução de obras; e I - aos parâmetros mínimos estabelecidos neste Decreto;

c) a atualização do modelo e de suas informações como construído (as built), II - às melhores práticas para a execução de fluxos de trabalho com o uso do BIM; e
para obras cujos projetos de arquitetura e engenharia tenham sido realizados ou
executados com aplicação do BIM; III -quando couber, ao disposto nas normas técnicas pertinentes.

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico 6 Documento assinado digitalmente conforme MP nº 2.200-2 de 24/08/2001,
http://www.in.gov.br/autenticidade.html, pelo código 05152020040300006 que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
Seção 1 ISSN 1677-7042 Nº 65, sexta-feira, 3 de abril de 2020

Disposições transitórias j) Credencial de Segurança Pessoal - significa uma determinação por uma
Autoridade de Segurança Competente de uma das Partes de que um indivíduo tenha
Art. 10. No prazo de noventa dias, contado da data de entrada em vigor deste recebido uma credencial de segurança para o Tratamento de Informação Classificada, de
Decreto, os titulares dos órgãos e das entidades a que se refere o art. 2º publicarão, no acordo com a sua legislação nacional em vigor;
âmbito de suas competências, ato com a deG nição dos empreendimentos, dos programas e
das iniciativas de média e grande relevância para a disseminação do BIM, o qual deverá k) Parte Receptora - designa a Parte, incluindo quaisquer entidades públicas ou
conter as suas especiG cações e as demais características necessárias à sua aplicação.
privadas sob sua jurisdição, que recebe Informações Classificadas da outra Parte, incluindo
Vigência quaisquer entidades públicas ou privadas sob sua jurisdição, nos termos deste Acordo;

Art. 11. Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação. l) Credenciamento de Segurança - designa o processo de emissão de uma
Habilitação de Segurança ou de uma Credencial de Segurança Pessoal por uma Autoridade
Brasília, 2 de abril de 2020; 199º da Independência e 132º da República. de Segurança Competente, em conformidade com a legislação nacional das Partes;

JAIR MESSIAS BOLSONARO m) Terceiros - designa os Estados, qualquer organização internacional, governos
Fernando Azevedo e Silva ou indivíduos que representam organismos estatais ou organizações, que não sejam Partes
Paulo Guedes do presente Acordo; e
Tarcisio Gomes de Freitas
n) Tratamento da Informação Classificada - designa um conjunto de ações
DECRETO Nº 10.307, DE 2 DE ABRIL DE 2020 referentes à produção, recepção, classificação, utilização, acesso, reprodução, transporte,
transmissão, distribuição, arquivamento, armazenamento, eliminação, avaliação, destinação
Promulga o Acordo entre a República Federativa do ou controle da Informação Classificada, em qualquer grau de sigilo.
Brasil e o Reino da Suécia sobre Troca e Proteção
Mútua de Informação Classificada, firmado em ARTIGO 2
Estocolmo, em 3 de abril de 2014. Níveis de Classificação de Sigilo
O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, 1. As Partes, de acordo com sua legislação nacional, concordam que os níveis
caput, inciso IV, da Constituição, e de classificação de sigilo correspondem entre si e são considerados como equivalentes:
Considerando que o Acordo entre a República Federativa do Brasil e o Reino da a) Para Informações Classificadas fornecidas pelas Autoridades de Defesa do
Suécia sobre Troca e Proteção Mútua de Informação Classificada foi firmado em Estocolmo, Reino da Suécia:
em 3 de abril de 2014;
. No Reino da Suécia Na República Federativa do Brasil
Considerando que o Congresso Nacional aprovou o Acordo por meio do Decreto Autoridades de Defesa
Legislativo nº 181, de 19 de dezembro de 2018; e . HEMLIG/TOP SECRET ULTRASSECRETO
HEMLIG/SECRET SECRETO
Considerando que o Acordo entrou em vigor para a República Federativa do
.

HEMLIG/CONFIDENTIAL SECRETO
Brasil, no plano jurídico externo, em 11 de outubro de 2019, nos termos do seu Artigo 15;
.

. HEMLIG/RESTRICTED RESERVADO
DECRETA:
b) Para Informações Classificadas fornecidas por Outras Autoridades do Reino
Art. 1º Fica promulgado o Acordo entre a República Federativa do Brasil e o da Suécia:
Reino da Suécia sobre Troca e Proteção Mútua de Informação Classificada, firmado em
Estocolmo, em 3 de abril de 2014, anexo a este Decreto. . No Reino da Suécia Na República Federativa do Brasil
Outras Autoridades
Art. 2º São sujeitos à aprovação do Congresso Nacional atos que possam . HEMLIG ULTRASSECRETO
resultar em revisão do Acordo e ajustes complementares que acarretem encargos ou AV SYNNERLIG BETYDELSE
compromissos gravosos ao patrimônio nacional, nos termos do inciso I do caput do art. 49 FÖR RIKETS SÄKERHET
da Constituição. . HEMLIG SECRETO

Art. 3º Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação. c) Para Informações Classificadas fornecidas por República Federativa do Brasil:
Brasília, 2 de abril de 2020; 199º da Independência e 132º da República. . Na República Federativa do No Reino da Suécia
Brasil
JAIR MESSIAS BOLSONARO . Autoridades de Defesa Outras Autoridades
Ernesto Henrique Fraga Araújo . ULTRASSECRETO HEMLIG/TOP SECRET HEMLIG
AV SYNNERLIG BETYDELSE
ACORDO ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASILE O REINO DA SUÉCIA SOBRE FÖR RIKETS SÄKERHET
TROCA E PROTEÇÃO MÚTUA DE INFORMAÇÃO CLASSIFICADA . SECRETO HEMLIG/SECRET HEMLIG
A República Federativa do Brasil,
e 2. Qualquer Informação Classificada fornecida com base no presente Acordo
O Reino da Suécia, deverá ser marcada com o nível de classificação de sigilo adequado de acordo com a
doravante referidas em conjunto como "Partes" legislação nacional da Parte de Origem e, onde for apropriado, possuir estampado o nome
ou separadamente como "Parte", do país detentor e fornecedor da Informação Classificada.

No interesse da segurança nacional e com a finalidade de assegurar a proteção 3. As Partes deverão marcar todas as Informações Classificadas recebidas da outra
de Informações Classificadas trocadas no âmbito de instrumentos de cooperação ou Parte com o nível de classificação equivalente, de acordo com o parágrafo 1 deste Artigo.
contratos celebrados entre as Partes, seus indivíduos credenciados, bem como órgãos e
entidades públicas e privadas; 4. As Partes deverão comunicar uma à outra quaisquer modificações na
legislação nacional relacionadas às marcas de classificação de sigilo.
Desejando estabelecer um conjunto de regras e procedimentos sobre a
segurança de Informação Classificada, em conformidade com o ordenamento jurídico das 5. A Parte de Origem deverá:
Partes em vigor,
a) tão logo possível, notificar a Parte Receptora sobre qualquer alteração na
Acordam o seguinte: classificação de sigilo das informações classificadas fornecidas;

ARTIGO 1 b) informar a Parte Receptora sobre quaisquer condições de liberação ou


Definições limitações quanto ao uso das Informações Classificadas fornecidas.

Para os efeitos do presente Acordo, o termo: ARTIGO 3


Proteção da Informação Classificada
a) Contrato Sigiloso - designa um contrato ou subcontrato, incluindo qualquer
negociação pré-contratual, cujo objeto contenha ou envolva Informações Classificadas; 1. As Partes tomarão todas as medidas apropriadas, em conformidade com suas
respectivas legislações nacionais, para assegurar que o nível de proteção atribuído à
b) Informação Classificada - significa informação, independentemente da sua Informação Classificada recebida esteja de acordo com o nível de classificação de sigilo
forma e características, trocada entre, ou produzida pelas Partes ou por qualquer entidade equivalente, conforme estabelecido no artigo 2º do presente Acordo.
pública ou privada sob a jurisdição das Partes, e que, de acordo com a legislação de cada
uma das Partes, foi classificada como tal e requer proteção contra perda, divulgação não 2. Nada neste Acordo deve prejudicar o previsto na legislação nacional das
autorizada ou outro comprometimento; Partes, em relação ao direito dos indivíduos de obter acesso a documentos públicos ou
informações de caráter público, à proteção dos dados pessoais ou à proteção de
c) Autoridade Competente de Segurança - CSA - significa uma autoridade de Informações Classificadas.
segurança de uma da Parte que é responsável pela implementação dos requisitos de
segurança abrangidos pelo presente Acordo; 3. Em conformidade com a legislação nacional, cada Parte assegurará que
medidas apropriadas serão implementadas para a proteção de Informações Classificadas
d) Comprometimento - designa qualquer forma de utilização indevida, dano ou processadas, armazenadas ou transmitidas em sistemas de comunicações e informações,
acesso não autorizado, alteração, divulgação ou destruição de informação classificada, bem enquanto for necessário para garantir a confidencialidade, integridade, disponibilidade e,
como qualquer outra ação ou omissão, que possa resultar em perda de sua quando aplicável, o não repúdio e autenticidade da Informação Classificada, bem como um
confidencialidade, integridade ou disponibilidade;
nível apropriado de responsabilidade e rastreabilidade de ações em relação a essas
e) Autoridades de Defesa - designa as autoridades do Reino da Suécia, para as informações.
quais se aplicam os regulamentos de segurança das Forças Armadas da Suécia;
ARTIGO 4
f) Habilitação de Segurança - significa a determinação por uma Autoridade de Divulgação e Uso de Informação Classificada
Segurança Competente de uma das Partes de que uma entidade pública ou privada
localizada em seu país possui habilitação de segurança e atende as necessárias medidas de 1. Cada Parte deverá assegurar que as Informações Classificadas fornecidas ou
segurança dentro de uma instalação específica para o tratamento da Informação trocadas no âmbito do presente Acordo não sejam:
Classificada, de acordo com a legislação nacional em vigor;
a) desclassificados ou reclassificadas com nível de sigilo inferior, sem o prévio
g) Necessidade de conhecer - designa a condição segundo a qual o acesso à consentimento por escrito da Parte de Origem;
Informação Classificada pode ser concedido a um indivíduo, para o adequado exercício de
cargo, função, emprego ou atividade; b) utilizadas para fins diferentes dos estabelecidos pela Parte de Origem;

h) Parte de Origem - significa a Parte, bem como qualquer entidade pública ou c) divulgada a terceiros sem o prévio consentimento por escrito da Parte de
privada sob sua jurisdição, que envia a Informação Classificada à Parte Receptora nos Origem, e sem que haja um acordo ou convênio apropriado para a proteção da Informação
termos deste Acordo; Classificada com a terceira parte envolvida.

i) Outras Autoridades - Autoridades no Reino da Suécia, para as quais se 2. O princípio do consentimento da Parte de Origem deve ser respeitado por cada
aplicam as regras de segurança do Conselho da Polícia Nacional; uma das Partes, de acordo com as suas normas constitucionais e sua legislação nacional.

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico 7 Documento assinado digitalmente conforme MP nº 2.200-2 de 24/08/2001,
http://www.in.gov.br/autenticidade.html, pelo código 05152020040300007 que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.