Você está na página 1de 4

A CONSTRUÇÃO DO PARÁGRAFO ARGUMENTATIVO

De modo geral, um parágrafo argumentativo está centrado numa ideia principal, ou ideia-núcleo,
que nada mais é do que um desdobramento da tese apresentada na introdução do texto a partir da
investigação e análise de suas causas e/ou consequências.

TEMA
Desafios para a formação
educacional de surdos no Brasil

TESE (INTRODUÇÃO)
“Ainda que a educação inclusiva
seja uma garantia legal, os
surdos não são contemplados
pelo ensino regular, já que
persistem obstáculos para sua
inclusão no espaço escolar.”

DESDOBRAMENTO
(IDEIA-NÚCLEO DO
PARÁGRAFO ARGUMENTATIVO)
Falta de profissionais
preparados
[causa]

“Uma das grandes dificuldades


para a inclusão dos surdos no
espaço escolar é a ausência
de profissionais preparados
para a prática de uma
educação inclusiva, sendo o
Estado o agente principal de
regulação do ensino e
formação de profissionais
capacitados.”

Antes de escrever, é necessário planejar. Planejar não envolve só a seleção de ideias, mas
também a estruturação delas em um texto, que será organizado em parágrafos. É preciso também
organizar as informações dentro do parágrafo, para que ele seja completo, fluido e coerente.
ESTRUTURA DO PARÁGRAFO ARGUMENTATIVO

O desenvolvimento ocupa a maior parte da redação, e é nele em que a tese (da introdução) é
sustentada e problemas são identificados para a proposição de uma intervenção no parágrafo final do
texto. O desenvolvimento pode ser trabalhado em dois ou três parágrafos, cada um contendo uma ideia-
núcleo, ou desdobramento da tese principal. A esse parágrafo chamamos parágrafo argumentativo, pois
é por meio dele que será desenvolvida a argumentação em defesa da tese.

O parágrafo argumentativo não deve ser expresso em um só período/ frase, uma vez que pode se
tornar confuso (devido à ausência de pausas/ pontuação) ou incompleto. Três elementos, em ordem,
devem estar presentes nele:

1. TÓPICO FRASAL: é a introdução do parágrafo (um período inicial em que se expressa a


ideia-núcleo – desdobramento da tese principal);

2. DESENVOLVIMENTO DO PARÁGRAFO: comprovação da ideia-núcleo apresentada no


tópico frasal, ou seja, argumentação propriamente dita a partir de dados, informações, citações;

3. CONCLUSÃO DO PARÁGRAFO: desfecho em que se chega a um resultado comprovado


pela argumentação, reconhece-se o problema identificado no parágrafo e demonstra-se certa marca de
autoria.

PARÁGRAFO ARGUMENTATIVO

[TÓPICO FRASAL] + [DESENVOLVIMENTO] + [CONCLUSÃO]

EXEMPLO:

Em primeiro lugar, uma das grandes dificuldades para a inclusão dos surdos no espaço escolar é
a ausência de profissionais preparados para a prática de uma educação inclusiva, sendo o Estado o
agente principal de regulação do ensino e formação de profissionais capacitados [tópico frasal]. A
Constituição de 1988 prevê a garantia da educação para todos os indivíduos, no entanto, é falha a
atuação do Estado na formação educacional dos deficientes auditivos. A falta de acessibilidade para
alunos surdos se relaciona tanto à falta de intérpretes de Libras nas escolas públicas, quanto à
formação precária de professores, que não engloba o ensino inclusivo [desenvolvimento]. Logo, sem o
cumprimento da garantia de um espaço escolar que o acolha, diante da falta de profissionais
capacitados, infelizmente, o deficiente auditivo vê negado pelo Estado seu direito à educação de
qualidade [conclusão].

1. TÓPICO FRASAL: como se observa acima, o tópico frasal é sempre a apresentação da ideia-núcleo,
uma afirmação ou defesa sobre o tema. A respeito do tema “Desafios para a formação educacional de
surdos no Brasil”, o autor afirma como ideia-núcleo do parágrafo que a ausência de profissionais
preparados é uma das dificuldades para a inclusão educacional de surdos e é também uma
responsabilidade do Estado.

2. DESENVOLVIMENTO DO PARÁGRAFO: ocorre, nesta parte do texto, a sustentação da afirmação


feita no tópico frasal (ausência de profissionais preparados) por meio de uma estratégia comum e eficaz
a que chamamos “raciocínio silogístico” (ou silogismo). Primeiro, é apresentado um pressuposto teórico
a partir da citação de um documento oficial – fonte confiável – , a Constituição (“A Constituição de 1988
prevê a garantia da educação para todos os indivíduos”), que, então, é contrastado por um pressuposto
de natureza prática (“é falha a atuação do Estado na formação educacional dos deficientes auditivos. A
falta de acessibilidade para alunos surdos se relaciona tanto à falta de intérpretes de Libras nas escolas
públicas, quanto à formação precária de professores, que não engloba o ensino inclusivo”).

3. CONCLUSÃO DO PARÁGRAFO: o autor reconhece, aqui, o problema desenvolvido ao longo do


parágrafo, a falta de profissionais capacitados e a culpa do Estado, e demonstra autoria* mais
claramente com o uso de “infelizmente”, revelando seu posicionamento (o que é essencial em um texto
de inclinação argumentativa).

* MARCAS DE AUTORIA: A competência 3 da redação do Enem cobra de seus participantes não só a


seleção e organização de informações e fatos, mas também sua interpretação em defesa de um
posicionamento sobre o tema. A seleção de certos dados já demonstra autoria, na medida em que
revela uma escolha de abordagem, no entanto, na redação, é preciso reforçar a presença do autor e
seu ponto de vista por meio de argumentos originais (o que se vincula à exigência da competência 2 de
manifestação de repertório sociocultural). Além disso, podemos usar expressões para reforçar a autoria,
tais como “(in)felizmente”, “é preciso”, “é necessário”, “é evidente” na conclusão do parágrafo
argumentativo.

ESTRUTURAS COESIVAS

Ao lado de uma boa pontuação, são as estruturas coesivas, ou conectivos (conectam partes do
texto; tornam o texto coeso), que auxiliam na organização de informações conferindo-lhes certo sentido.
No exemplo acima, estão sublinhados os conectivos, aquele que abre o parágrafo é “em primeiro lugar”.
Observe que os parágrafos que seguem a introdução são iniciados por conectivos, com a finalidade de
vinculá-los aos parágrafos anteriores. Logo, no desenvolvimento é possível iniciar o primeiro parágrafo
argumentativo por “primeiramente” e o segundo por “em segundo lugar” ou “além disso”. Caso o
primeiro parágrafo de argumentação apresente uma causa para o problema evidenciado pela tese e o
segundo, uma consequência desse problema existir, é possível iniciar o segundo parágrafo indicando
consequência em relação ao anterior com “consequentemente”, “logo”, “desse modo”...

[informação principal], no entanto, [informação que contrasta com a principal]

Como dito anteriormente, os conectivos orientam o sentido do que segue (não só costuram o
texto, mas estabelecem sentido entre as partes dele). Assim, o uso de “no entanto” (sentido de
oposição; mas/ porém) cria contraste entre o que é previsto pela Constituição e o que realmente
acontece.

Do mesmo modo, “tanto ... quanto” revelam uma soma, duas informações que dizem respeito a
um mesmo fato, e poderia ser substituído pelo conectivo “e”.
Por fim, a conclusão do parágrafo é geralmente iniciada por um conectivo que indica conclusão
(“consequentemente”, “logo”, “desse modo”...). No caso do parágrafo acima, é usado “logo”.

Você também pode gostar