Você está na página 1de 3

PEDAGOGIA EM AÇÃO: O PAPEL DO PEDAGOGO E SUAS

DIVERSAS ATUAÇÕES
O texto objeto dessa proposta de atividade fora “PEDAGOGIA EM
AÇÃO: O PAPEL DO PEDAGOGO E SUAS DIVERSAS ATUAÇÕES”; o qual,
busca de forma sucinta demonstrar não só todo caminhos percorrido pelo curso
de pedagogia ao longo de toda sua história no Brasil; onde torna claro que, a
constituição da graduação em Pedagogia, da forma pela qual a educação
chegou ao Brasil e a maneira como foi sendo reestruturada como se vê na
contemporaneidade; a identidade do pedagogo, o acompanha desde nasceu o
curso. A partir de 1939 a 1972, período em que foi considerado como o período
das regulamentações, com o objetivo de auxiliar no desenvolvimento de uma
identidade do curso de pedagogia, há tramitações de decretos na tentativa de
definir para o curso e para a destinação profissional de seus egressos.
A partir desse ponto, fora alterado o currículo, que nesse momento
passou a contar com uma estrutura base comum de estudos; passando a
oferecer à especialista habilitação específica para os conjuntos de tarefas
desempenhadas por ele; além de promover, uma maior procura pelo curso,
visto que passou a oferecer uma diversidade de especialidades. Em
contrapartida, essa grande procura somada a uma grande oferta contribuiu
para a deterioração do curso.
Contudo pedagogo infelizmente continuou a ter problemas no mercado
de trabalho, no que tange as escolas, visto que essa área de atuação agora
não dava conta de absorver tantos profissionais especialistas formados pelo
curso de Pedagogia, é importante dar um maior contorno que a palavra
habilitação, naquele momento ainda não existia no dicionário pedagógico, em
contra partida já se fazia presente no âmbito escolar, a exemplo: coordenação
pedagógica, inspeção escolar e a realização de trabalhos burocráticos. Tal fato
demonstra que o trabalho pedagógico não docente já existia muito antes do
surgimento da certificação da função pelas agencias formadoras
O segundo período, classificado como período das indicações:
identidade projetada, que se inicia em 1973 e vai até 1978, onde o curso de
pedagogia se desdobrou em variadas alternativas de habilitações que fariam
parte do que passou a chamar de licenciatura das áreas pedagógicas. No ano
de 1979 a 1998, deu-se o terceiro momento, onde em defesa da formação do
Pedagogo as propostas: identidade em discussão que foi considerado um dos
mais importantes e ricos, visto que as discussões se acirram com a
participação de professores e estudantes universitários em defesa do curso de
Pedagogia.
Dentre as atribuições destes institutos a manutenção do curso normal
superior para formação de docentes para educação infantil e séries iniciais do
ensino fundamental, abre-se a possibilidade de formação pedagógica aos
portadores de diplomas de qualquer nível superior que quisessem se dedicar
ao magistério na educação básica; o que contrariava tudo o que estava sendo
feito até o momento, com essa nova possibilidade de formação de professores,
a discussão sobre a necessidade ou não do curso de Pedagogia deu margem,
a especulações sobre a extinção do curso, uma vez que neste contexto a
pergunta que se colocava era qual será, então, a função do curso de
Pedagogia?, visto que a nova LDB, parecia indicar uma tentativa de extinção.
É cabível dizer que mais uma vez devido às grandes transformações
sociais que ocorrem nas sociedades, uma nova concepção de educação tem
sido exigida, e os estudos da pedagogia social vão ao encontro daqueles
sujeitos que historicamente sempre foram excluídos de todo esse processo de
modo como se enfatiza em grande parte dos cursos de pedagogia hoje; que
objetiva de maneira central à formação de profissionais capazes de exercer a
docência na Educação Infantil, assim como para a participação no
planejamento, gestão e avaliação de estabelecimentos de ensino, de sistemas
educativos escolares, bem como em organizações e no desenvolvimento
de programas não-escolares.
Logo é possível reconhecer na prática social uma imensa variedade de
práticas educativas, assim, uma diversidade de práticas pedagógicas; em
decorrência, é pedagoga toda pessoa que lida com algum tipo de prática
educativa relacionada com o mundo dos saberes e modos de ação, que de
forma alguma encontra-se restrita à escola. A formação de educadores
perpassa o âmbito escolar formal, abrangendo as esferas mais amplas da
educação não-formal e formal. De modo que, a formação profissional do
pedagogo pode desdobrar-se em múltiplas especializações profissionais,
sendo a docência uma entre elas.
O que difere a pedagogia escolar e pedagogia social, é que a primeira
tem toda uma história e é amplamente desenvolvida pela didática, uma ciência
ministrada nas universidades, em contrapartida a Pedagogia Social, se
desenvolve dentro de instituições não formais de educação; é uma disciplina
que de modo particular nasce no século XIX como resposta às exigências da
educação de crianças, adolescentes e adultos que vivem à margem,
fragilizados pela pobreza e dificuldades na área social.
Contudo, o texto base diz que embora um curso de pedagogia apresente
diversas possibilidades que o pedagogo pode desenvolver, a função do
pedagogo escolar é a atividade que apresenta o maior campo de estudo e de
trabalho ao egresso da Pedagogia.