Você está na página 1de 6

MÓDULO: TRIBUTO E SEGURANÇA JURÍDICA SEMINÁRIO II – ESPÉCIES TRIBUTÁRIAS

SEMINÁRIO DE CASA

IBET-MANAUS

Aluno: Luan Carlos Brasil Barbosa

Questões

1º) Efetue, de forma fundamentada, proposta de classificação jurídica dos tributos,


evidenciando os critérios classificatórios adotados. A destinação do produto da
arrecadação tributária é relevante para a classificação jurídica dos tributos e
consequente definição das espécies tributárias? Considerar, na análise da pergunta, o
art. 167, inciso IV, da CF/88, e o art. 4º do CTN. (Vide anexo I). A legislação tributária
pode proibir a compensação de tributos entre diferentes espécies sob a justificativa
de que a destinação das receitas são diferentes? (Vide REsp 1.449.713)

Resposta - Os critérios utilizados na classificação dos tributos são 3, quais sejam:

a) Exigência constitucional de previsão legal de destinação específica para o produto da


arrecadação;

b) Exigência constitucional de previsão legal de vinculação entre a materialidade do


antecedente normativo e uma atividade estatal referida ao contribuinte;

c) Exigência constitucional de previsão legal de restituição do montante arrecadado ao


contribuinte, ao cabo de determinado período.

Esses três critérios informam e delimitam a competência impositiva atribuída as pessoas


políticas de direito público interno para a instituição de tributos, facilitando a
identificação das cinco espécies autorizadas pelo texto constitucional: impostos, taxas,
contribuições de melhorias, contribuições e empréstimos compulsórios.
Desta forma, quando há destinação do produto de sua arrecadação dos tributos já se
nota a natureza jurídica do tributo (de taxa, contribuição de melhoria, contribuições,
empréstimo compulsório), dependendo dos comandos estabelecidos pela lei que vier a
institui-lo. E, conforme a hipótese de que se trate, modifica-se o regime jurídico aplicável
(capacidade contributiva, anterioridade).

2º) Que é taxa? Que se entende por o “serviço público” e “poder de polícia”? (Vide
anexo II). Há necessidade de comprovação da efetiva fiscalização para cobrança da
taxa de poder de polícia? (Vide anexos III, IV e V).

Resposta - Taxas são tributos que possuem com o fato gerador o exercício regular do
poder de polícia, ou a utilização, efetiva ou potencial, de serviço público específico e
divisível, prestado ao contribuinte ou posto à sua disposição. A diferenciação entre
prestação de serviço público e o poder de polícia é tarefa difícil, pois há sempre uma
utilização do serviço público em sentido lato. Contudo, o CTN estabelece a diferença
entre os fatos geradores do tributo, onde poder de polícia é a atividade da administração
pública que, limitando ou disciplinando direito, interesse ou liberdade, regula a pratica
de ato ou abstenção de fato, em razão de interesse público concernente a segurança,
higiene, ordem ,aos costumes, disciplina da produção e do mercado, ao exercício de
atividades econômicas dependentes de concessão ou autorização do poder público, à
tranquilidade pública ou ao respeito a propriedade e aos direitos individuais e coletivos.

O texto constitucional diferencia as taxas decorrentes do exercício do poder de polícia


daquelas de utilização de serviços específicos e divisíveis, facultando apenas a estas a
prestação potencial do serviço público. A regularidade do exercício do poder de polícia
é imprescindível para a cobrança da taxa.

3º) Que diferencia taxa de preço público? (Vide voto do Min. Carlos Velloso na ADI
447). Os serviços públicos de energia elétrica, água e esgoto, quando prestados
diretamente pelas pessoas jurídicas de direito público, são remuneráveis por taxa? E
no caso de concessão desses serviços? (Vide anexos VI e VII). E os serviços que, embora
prestados pelo Poder Público, são suscetíveis de prestação pela iniciativa privada em
regime concorrencial? (Vide anexo VIII).

Resposta - Para ocorrer a exigência de taxa é necessário a submissão ao regime de


direito público. O serviço governamental ocorre quando houver prestação de utilidade
ou comodidade oferecida pelo estado e fruível diretamente pelos administrados; neste
caso é exigido preço.

A noção de preço é típica do direito privado, estando sujeitas ao regime contratual,


enquanto o regime jurídico das taxas é público. Conforme o STF, a diferença entre os
dois deve ser verificada em razão da essencialidade do serviço público:

- Serviços essenciais ao interesse público: são aqueles prestados a um particular, mas no


interesse da comunidade. Podem ser prestados por taxa ou por tarifa, depende da lei
que disciplinar o serviço público.

- Serviços públicos propriamente estatais: são inerentes ao estado, são reflexos de sua
soberania. Estes serviços são indelegáveis e por isso não remunerados por taxa.

- Serviços não essenciais ao interesse público: são aqueles prestados exclusivamente ao


interesse do contribuinte e, por isso, são remunerados por preços públicos. Serviços
que mesmo prestados diretamente pelas pessoas jurídicas de direito público devem ser
remunerados por preço, em razão da sua não essencialidade e por não se configurar
como um serviço de utilização compulsória, por exemplo, telefonia, energia elétrica, gás.

Já o serviço de água e esgoto, sua essencialidade se faz clara quando não for possível a
sua dispensa, sendo cobrado através de taxas. Quando o serviço for prestado através de
concessão será remunerado por tarifa. Em relação aos serviços que embora prestados
pelo poder público sejam suscetíveis de prestação pela iniciativa privada em regime
concorrencial, depende da compulsoriedade do serviço.
4º) Há necessidade do valor exigido a título de taxa referir-se ao custo do serviço
prestado? Caso essa referibilidade não seja verificada, é possível a restituição? No
caso de excessiva dificuldade de mensurar o custo do serviço prestado, como fixar a
base de cálculo da taxa? (considerar em sua resposta o exemplo das taxas judiciais –
vide anexos IX, X e XI)

Resposta - O princípio da referibilidade da taxa ocorre quando o particular recebe um


benefício e, em troca, remunera o Estado por isso. Fala-se, ainda, que o fato gerador da
taxa é um fato do Estado, em que ele exerce determinada atividade e cobra d a pessoa
a quem se beneficia da sua atuação.

Esta referibilidade da atividade estatal ao particular é basilar para instituição da taxa,


não havendo previsão de lucro ou vantagem ou qualquer proveito. Em síntese, o
particular recebe um benefício e, em troca, remunera o Estado por isso, sem existência
de lucro. Este valor exigido deve corresponder ao serviço prestado pelo ente estatal.
Caso seja realizado o pagamento a maior desta taxa, poderá haver restituição sob o
argumento enriquecimento ilícito do estado, bem como pelo fato das taxas não
poderem ter com o instituto visar o lucro.

Caso haja dificuldade na mensuração da base de cálculo da taxa, poderá ser usado com
o alternativa a adoção dos valores fixos retirados da atividade econômica do
contribuinte específico, não podendo ter base de cálculo própria de imposto, tendo
em vista o posicionamento do STF no seguinte sentido: “é constitucional a adoção de
valores fixos retirados da atividade econômica do contribuinte para a mensuração do
'quantum debeatur' de taxa”.

5º) Sobre a contribuição de melhoria pergunta-se: (i) Quais os requisitos e limites à


cobrança da contribuição de melhoria? (ii) A Lei que a institui deve ser produzida antes
do início da obra ou pode ser posterior à sua conclusão e à valorização imobiliária? Se
for apresentado laudo comprovando a perspectiva de gastos, poderia ser exigido o
tributo antes da conclusão da obra e da valorização imobiliária? (Vide anexos XII e
XIII).
Resposta - Os requisitos e limites à cobrança da contribuição de melhor ia são: a de
limitação das áreas direta e indiretamente beneficiadas e a relação dos imóveis nela
compreendidos; memorial descritivo do projeto; orçamento da obra; determinação da
parcela do custo das obras a ser ressarcida pela contribuição, com o correspondente
plano de rateio entre os imóveis beneficiados.

Para cada obra é necessária um a lei especifica para tratar sobre a cobrança do tributo.
Não é possível um a lei genérica tratar sobre as contribuições de melhoria e depois por
meio do edital ser exigido a contribuição. O edital tem a finalidade de apresentar os
dados relativos à obra, seus custos e o respectivo plano de rateio. Quanto ao momento
de apresentação do edital não há previsão legal, assim, é necessário apresentação do
edital apenas na conclusão da obra. O STJ decidiu que o momento de conclusão da obra
para a cobrança da contribuição de melhorias, uma vez eu, somente após a obra, se
concretizo um dos elementos do fato gerador, que e a definição da valorização
imobiliária. A única exceção é quando a obra esteja parcialmente concluída e com a
possibilidade de já apurar a valorização dos imóveis. Desta forma, é possível que, caso a
obra esteja parcialmente concluída e laudo seja apresentado demonstrando a
valorização, o tributo seja exigido antes da conclusão da obra. Contudo, se não ocorrer
a comprovação da valorização não é possível a cobrança do tributo.

6º) Os adicionais ao IPI, ICMS e ISS sobre supérfluos destinados ao Fundo de Combate
a Erradicação da Pobreza, constantes do Ato das Disposições Constitucionais
Transitórias (art. 79, introduzido pela EC n. 31/00), se enquadram em qual espécie?
Pode o “adicional” de imposto ter destinação específica? E ser de natureza tributária
diversa do tributo adicionado? (Vide anexos XV e XVI e XVII)

Resposta - Os adicionais têm destinação vinculada ao Fundo de Combate a erradicação


da pobreza. Os adicionais ao IPI, ICMS e ISS não podem ser considerados impostos ou
contribuições de melhoria, pois estes não podem ter destinação específica para o
produto de arrecadação. Não podem ser considerados empréstimos compulsórios, pois
estes exigem a restituição do montante arrecadada, ao cabo de determinado período, o
que não acontece com os adicionais. Resta, portanto, as taxas e contribuições. Contudo,
os adicionais não podem ser taxas, pois estes são tributos vinculados a uma atividade
estatal, seja através da prestação de serviço público ou pelo poder de polícia, fato que
não ocorrem com os adicionais. Desta forma, os adicionais ao IPI, ICMS e ISS são espécies
de contribuições, pois não são vinculados a um a atividade estatal, tem uma destinação
específica do produto de arrecadação e não tem restituição do montante arrecadado ao
longo de determinado período. Sim, adicional deve ter destinação específica, como é o
caso da questão, eis que é destinado ao Fundo de Combate a erradicação da pobreza,
sob pena de desvio de finalidade e inconstitucionalidade da sua criação. É possível que
a natureza jurídica seja diversa do tributo adicionado, uma vez que o fato gerador e os
elementos da regra matriz de incidência é que são determinantes para identificação da
espécie tributária apresentada ao caso concreto e não o seu adicional.