Você está na página 1de 14

Fluidos de corte

• “Fluidos de corte são aqueles líquidos e gases aplicados na ferramenta


e no material que está sendo usinado, a fim de facilitar a operação de
corte.”
Fonte: Mark´s Standard Handbook for Mechanical Engineers, 8th Edition.
– Freqüentemente são chamados de lubrificantes ou refrigerantes em virtude
das suas principais funções na usinagem:
reduzir o atrito entre a ferramenta e a superfície em corte. (lubrificação)
e diminuir a temperatura na região de corte. (refrigeração)
– O uso correto dos fluidos de corte nos processos de usinagem pode trazer
muitos benefícios, observados na qualidade e na produtividade.
Por outro lado, se não forem manipulados e tratados corretamente, eles podem
ser nocivos a saúde e ao meio ambiente.
Assim, a escolha do fluido de corte influi diretamente na qualidade do
acabamento superficial das peças, na produtividade, nos custos operacionais e
também na saúde dos operadores e no meio-ambiente.

CSA - FLUIDOS DE CORTE 1


Funções e Finalidades dos fluidos de corte
• Os fluidos de corte cumprem, nas suas aplicações, uma ou mais das
seguintes funções:
a) Refrigerar a região de corte.
b) Lubrificar as superfícies em atrito.
c) Arrastar o cavaco da área de corte.
d) Proteger a ferramenta, a peça e a máquina contra oxidação e corrosão.
• Eles são utilizados quando as condições de trabalho são desfavoráveis,
podendo trazer os seguintes benefícios:
– Redução da Força e Potência necessárias ao corte;
Redução do consumo de Energia;
Diminuição da Temperatura da peça e da ferramenta em trabalho;
Desobstrução da região de corte;
Aumento da Vida da ferramenta;
Eliminação do aresta postiça;
Melhor Acabamento da superfície usinada.

CSA - FLUIDOS DE CORTE 2


Classificação dos fluidos de corte
• Não há um consenso a respeito da classificação dos fluidos de corte. Aqui
apresentamos a classificação segundo Stemmer,1995.
O termo "Meios lubri-refrigerantes", usado pelo referido autor é mais abrangente
e se refere a qualquer substância (ou mistura) usada para lubrificar e/ou refrigerar
uma operação de corte.
Os meios lubri-refrigerantes são classificados em 4 grupos, de acordo com as
substâncias (ou misturas) que os compõem:
– Meios lubri-refrigerantes miscíveis com a água
Ex.: Soluções aquosas e Emulsões

– Meios lubri-refrigerantes não miscíveis com a água


Ex.: Óleos graxos e Óleos minerais

– Gases e névoas

– Sólidos
Ex.: Bissulfeto de Molibdênio (MoS2)

CSA - FLUIDOS DE CORTE 3


Classificação dos fluidos de corte
• Segundo Coppini, Dinis e Marcondes os diversos fluidos de corte
podem ser classificados em:
– I- Ar
– II - Aquosos:
• Água;
• Emulsões ( óleos solúveis );
• Microemulsões (fluidos semi-sinteticos);
• Soluções quimicas (fluidos sinteticos);
– III- Óleos:
• Óleos minerais;
• Óleos graxos;
• Óleos compostos;
• Óleos de extrema pressão;
• Óleos de usos múltiplos;
CSA - FLUIDOS DE CORTE 4
Qualidades e propriedades desejáveis nos fluidos de corte
• Os fluidos de corte são modificados com aditivos - compostos químicos que
melhoram propriedades inerentes aos fluidos ou lhes atribuem novas
características. Em geral, esses aditivos caem em uma das duas classes: (1)
aqueles que afetam uma propriedade física, como viscosidade; (2) aqueles cujo
efeito é puramente químico, como anticorrosivos e anti-oxidantes.

• Por exemplo, óleos com aditivos de extrema pressão (EP) são compostos de
enxofre, cloro ou fósforo, que reagem em altas temperaturas (200 a 1000oC),
formando na zona de contato sulfetos, cloretos ou fosfetos, constituindo uma
película anti-solda na face da ferramenta e assim, minimizando a formação da
aresta postiça.

• As qualidades exigidas variam de acordo com a aplicação e, às vezes, são até


contraditórias. Não existe um fluido de características universais, que atende a
todas as exigências. No desenvolvimento de meios lubri-refrigerantes, a
melhoria de certas qualidades, por exemplo pelo uso de aditivos, induz
freqüentemente a piora de outras. Daí a necessidade do estudo de cada caso
por especialistas, para a seleção do tipo de lubri-refrigerante mais adequado.
CSA - FLUIDOS DE CORTE 5
Qualidades e propriedades desejáveis nos fluidos de corte
• Em adição às propriedades de lubrificar e refrigerar, os
fluidos de corte devem ter ainda as seguintes:
•propriedades anticorrosivas
•propriedades antiespumantes
•propriedades antioxidantes
•compatibilidade com o meio-ambiente
•propriedades de lavagem
•alta capacidade de absorção de calor
•alta capacidade de umectação
•boas propriedades antidesgaste
•boas propriedades antisolda ou EP
•estabilidade durante a estocagem e o uso
•ausência de odor forte e/ou desagradável
•ausência de precipitados sólidos ou outros de efeito negativo
•viscosidade adequada
•transparência, se possível

CSA - FLUIDOS DE CORTE 6


Comparação entre as propriedades dos fluidos de corte

Propriedades dos fluidos de corte Soluções Emulsões Oleos

Poder lubrificante baixo intermediario alto


Poder refrigerante alto intermediario baixo
Velocidade de corte alta alta baixa
Admite aditivo EP sim sim sim
Sucetivel a infectação bacteriana não sim sim
Propriedades anticorrosivas fracas fracas boas

CSA - FLUIDOS DE CORTE 7


Problemas comuns no uso de fluidos de corte
• "O manuseio incorreto, por exemplo, pode gerar resultados desagradáveis que vão desde
problemas no processo de fabricação e ataques à saúde dos operadores até o descarte
prematuro deste produto." GAINER, 1993
O uso de meios lubri-refrigerantes exige cuidados especiais na sua manipulação, manutenção,
transporte e armazenagem, para que possam ser superados os problemas expostos a seguir.

Corrosão de peças e/ou da máquina:


A presença de água nas soluções e emulsões pode acelerar um processo de corrosão. (usar
aditivos anticorrosivos)

Infectação por bactérias:


O crescimento de bactérias pode resultar em odores ofensivos, manchas nas peças e máquinas,
problemas com filtros e clarificadores e redução da vida do fluido de corte (principalmente
emulsões e óleos).

Sujeiras e impurezas:
Partículas metálicas, óleos hidráulicos e de lubrificação da máquina e maus hábitos de higiene
dos operadores podem tanto prejudicar as peças, ferramentas e máquinas quanto reduzir a
vida do fluido de corte.

Risco de incêndio:
Fluidos integrais podem entrar em combustão. É necessário atenção às condições de corte e à
formulação do óleo. Também metais como o Magnésio podem provocar ignição quando em
contato com a água. Assim, não se usam soluções ou emulsões com o magnésio.
CSA - FLUIDOS DE CORTE 8
Problemas comuns no uso de fluidos de corte
• Ataque à saúde:
Névoa de óleo podem irritar a pele e as vias respiratórias. O contato freqüente da
pele com fluidos de corte (principalmente os que contém óleo na composição) pode
resultar numa variedade de problems de pele, havendo diferentes mecanismos de
ataque e com diferentes manifestações. (recomenda-se hábitos de higiene constantes
e cremes protetores para a pele).

• Poluição do Meio-Ambiente:
Um litro de óleo pode tornar impróprio para o uso um milhão de litros de água
potável. Por esse e muitos outros motivos é necessária total atenção ao tratamento e
destino do fluido de corte usado.

• Práticas incorretas no descarte de fluidos de corte são:


•Manejo inadequado
•Ausência de tratamento
•Armazenagem inadequada
•Transporte impróprio
•Entrega a receptores não autorizados
•Disposição de resíduos em local não autorizado
CSA - FLUIDOS DE CORTE 9
Critérios de Seleção
• Escolher o fluido de corte ideal para cada situação é tão complexo quanto
escolher o material e o tipo da ferramenta. Para isso, é fundamental conhecer
amplamente o processo de produção. O engenheiro deve ter claro qual é o
objetivo a ser alcançado com o uso do fluido: maior produção, mais vida de
ferramenta ou precisão dimensional para citar alguns.

São muitos os fatores que influenciam a escolha de um fluido de corte. Aqui


são citados os mais comuns:
Processo de Usinagem
Máquina-Ferramenta utilizada
Produção (diversidade de produtos e matérias)
Análise Econômica
Operadores e Meio Ambiente
Recomendações dos Fabricantes

CSA - FLUIDOS DE CORTE 10


Critérios de Seleção
• Variáveis de Corte
Como regra geral:
usinabilidade baixa > baixa vc > Lubrificação > Fluidos integrais.
usinabilidade alta > alta vc > Refrigeração > Soluções ou Emulsções.

• Material da Peça
– Alumínio, latão, bronze, cobre e magnésio.
Devem ser usinados a seco ou com óleos inativos sem enxofre. Com magnésio
nunca usar fluido à base de água pois ha risco de ignição. Na usinagem do alumínio
geralmente trabalha-se a seco ou com refrigeração para controlar dilatação térmica.
Na usinagem de ligas de Al + Zn não usar soluções pois ha risco de incêndio.
– Ferro Fundido:
Cinzento e o Maleável usina-se geralmente usinagem a seco.
Esferoidal utiliza-se emulsão.
– Aço:
Os aços possuem usinabilidade muito variada, admitem todos os tipos de fluido de
corte, portanto a escolha se da baseada em outros fatores que não o material da
peça

CSA - FLUIDOS DE CORTE 11


Critérios de Seleção
Material da Ferramenta

•Aço Rápido: qualquer fluido.


Para uso em altas velocidades de corte (vc) > refrigeração.

•Metal Duro: usinagem a seco ou refrigerante para aumentar a vida da


ferramenta e proporcionar alta vc. (seleção criteriosa)

•Cerâmica: geralmente a seco (evitar o uso de refrigerante para não ocorrer


choque térmico).

•Diamante: refrigerado por soluções.

CSA - FLUIDOS DE CORTE 12


Critérios de Seleção:
• Máquina-Ferramenta utilizada
Operações específicas e exigentes: Fluidos especialmente aditivados.
Ex.: brochadeira, rosqueadeiras.

Operações variadas: Fluidos de uso geral, de grande compatibilidade.


Ex.: Centros de Usinagem.
• Produção (diversidade de produtos e matérias)
A variedade de produtos e o volume de produção em uma indústria também
devem ser considerados na escolha dos fluidos de corte. Uma produção variada
tende a exigir variados tipos de fluidos de corte. Neste caso, para reduzir custos
de estocagem e outros relativos ao fluido de corte, busca-se um fluido que
atenda satisfatoriamente às várias exigências da fábrica simultaneamente.

• Análise Econômica
Geralmente há mais de um produto (fluido) que se enquadra nas exigências do
processo de fabricação. Assim, uma boa análise da relação custo-benefício
pode determinar qual dos produtos será comprado.

CSA - FLUIDOS DE CORTE 13


Critérios de Seleção:
• Operadores e Meio Ambiente
Saúde
•não irritar a pele
•não formar névoa (fumaça)
•resistir a bactérias

Descarte
•Fluidos que não agridam o meio ambiente, que possam ser facilmente tratados
e que possam ser reutilizados após manutenção (readitivação).

• Recomendações dos Fabricantes


Os fabricantes de fluido de corte são um grande auxílio na escolha de um
produto. Mas também deve-se considerar as recomendações dos fabricantes da
máquina-operatriz e da ferramenta.

CSA - FLUIDOS DE CORTE 14

Você também pode gostar