Você está na página 1de 13

Psicologia: Ciência e Profissão Abr/Jun. 2018 v. 38 n°2, 262-274.

https://doi.org/10.1590/1982-3703003762017

Aconselhamento Psicológico como Construção Social

Laura Vilela e Souza


Universidade de São Paulo, SP, Brasil.

Resumo: Este trabalho tem como objetivo apresentar as contribuições da perspectiva


construcionista social para se pensar o campo do Aconselhamento Psicológico. Os principais
pressupostos construcionistas sociais na área da psicologia social e da terapia familiar são
colocados em diálogo com as definições contemporâneas de Aconselhamento Psicológico a
partir da crise pós-moderna vivida nessa disciplina. Considerando-se a inexistência de estudos
nacionais no tema, as teorias construcionistas sociais utilizadas no campo do aconselhamento
em outros países são brevemente apresentadas e as produções internacionais da área cujos
autores assumem o uso de aconselhamento em uma perspectiva construcionista social são
discutidas. Esses aspectos servem de base para o tecer de algumas considerações críticas sobre
o uso dessa perspectiva no campo do Aconselhamento e para proposição do Aconselhamento
Psicológico como uma prática de produção de sentidos sobre um plano de ação de reconexão
de pessoas, redes e instituições, com a inclusão de múltiplos protagonistas e com o profissional
como facilitador desse processo conectivo, como parceiro na redescrição do sofrimento
individual em termos de agenda de transformação social.
Palavras-chave: Aconselhamento Psicológico, Construcionismo Social, Estudo Teórico.

Counselling Psychology as Social Construction

Abstract: This paper aims to present the contributions of the social constructionist perspective
to the understanding of Counselling Psychology. The main social constructivist assumptions in
the field of ​​social psychology and family therapy are put into dialogue with the contemporary
definitions of Counselling Psychology, in view of the postmodern crisis experienced by this
discipline. Considering the lack of Brazil-wide studies on the subject, we briefly present some
social constructionist theories used in the field of counselling in other countries. Additionally,
we discuss international studies whose authors address the use of counselling from a social
constructionist perspective. These aspects provide the basis for critical considerations on the
use of this perspective in the field of Counselling. They also enable us to propose Counselling
Psychology as a way to produce meaning in an action plan for reconnecting people, networks and
institutions, with the inclusion of multiple protagonists and professionals acting as facilitators
of this connective process and as partners in the redescription of individual suffering in a social
transformation agenda.
Keywords: Psychological Counselling, Social Constructionism, Theoretical Study.

262
Souza, L. V. (2018). Aconselhamento como Construção Social.

Asesoramiento Psicológico como Construcción Social

Resumen: Este trabajo tiene como objetivo presentar las contribuciones de la perspectiva
construccionista social para pensar el campo del Asesoramiento Psicológico. Los principales
supuestos del construccionismo social en el área de la psicología social y de la terapia familiar
se ponen en diálogo con las definiciones contemporáneas de Asesoramiento Psicológico
a partir de la crisis posmoderna vivida en esa disciplina. Al considerar la inexistencia de
estudios nacionales en el tema, las teorías construccionistas sociales utilizadas en el campo del
asesoramiento en otros países son brevemente presentadas y las producciones internacionales
del área cuyos autores asumen el uso de asesoramiento en una perspectiva construccionista
social son discutidas. Estos aspectos sirven de base para el tejer de algunas consideraciones
críticas sobre el uso de esa perspectiva en el campo del asesoramiento y para la proposición
del asesoramiento psicológico como una práctica de producción de sentidos sobre un plan de
acción de reconexión de personas, redes e instituciones, inclusión de múltiples protagonistas y
con el profesional como facilitador de ese proceso conectivo, como aliado en la re descripción
del sufrimiento individual en términos de agenda de transformación social.
Palabras clave: Asesoramiento Psicológico, Construcionismo Social, Estudio Teórico.

Como afirmam Strawbridge e Woolfe (2010) na um processo de aconselhamento que seja uma ajuda
abertura da terceira edição do Handbook of Coun- para o cliente chegar, ele próprio, à reflexão de como
selling Psychology , localizar profissionalmente e defi- deve viver a própria vida e responder a seus dilemas?
nir intelectualmente Aconselhamento Psicológico é Quais as consequências de se pensar uma relação de
uma tarefa complexa. Desde seus primórdios, essa é ajuda quando o profissional faz uso de seu conheci-
uma disciplina psicológica rebelde às formatações e mento circunscrito de mundo para orientar o outro?
avessa a uma identidade coerente e estável, uma vez Essas questões fomentaram os movimentos de con-
que sua história é marcada pela exploração de suas traposição à definição de AP derivado do uso da teo-
incoerências, pelo embate entre epistemologias dís- ria traço-fator. Carl Rogers, ator fundamental nesse
pares na sua definição, pela polêmica de suas seme- movimento crítico, desestabilizou a área com seu
lhanças e diferenças com outras disciplinas psicoló- entendimento de que um atendimento em AP deveria
gicas e pela problematização de seu próprio nome e ser uma relação de ajuda em um espaço acolhedor e
objeto de estudo. permissivo, com o foco no cliente e não no problema
Nos primórdios dessa disciplina nos Estados Uni- ou na busca por diagnósticos, com atitudes profissio-
dos da América nos anos da década de 1950, o uso da nais de empatia, autenticidade, congruência interna e
teoria traço-fator definia um Aconselhamento Psicoló- aceitação positiva do cliente e seus conteúdos, o que
gico (AP) preocupado com sua cientificidade, com um criaria uma atmosfera facilitadora para o desenvolvi-
olhar psicométrico e psicodiagnóstico do ser humano, mento da pessoa e para o seu protagonismo nas deci-
posicionando o conselheiro como alguém que, a partir sões em sua vida.
de seu conhecimento especializado, orienta e conduz Com a entrada de Rogers nesse cenário, “há um
o cliente a encontrar melhores formas de se adaptar ao transbordamento daquilo que era, e é ainda, muitas
mundo (Altmaier, & Ali, 2012). Como salienta Schmidt vezes, considerado clínico” (Schmidt, 2009, p. 7). O que
(2009), essa teoria define AP como um processo edu- antes separava AP de psicoterapia – o primeiro focando
cativo e normativo que justifica o poder do profissio- em dilemas individuais circunstanciais, com o uso de
nal como especialista sobre a vida do outro, e justifica, testes para colaborar nesse processo em um atendi-
inclusive, o próprio nome “aconselhamento”. mento breve; e o segundo focando o atendimento de
Mas dar conselhos deve ser o papel do profissio- situações graves, com a necessidade de “aprofunda-
nal de AP? Qual a implicação ética de se posicionar o mento” e extensão do processo na intenção de mudan-
cliente como passivo nesse processo? Será possível ças de personalidade – agora os torna indistintos (Sch-

263
Psicologia: Ciência e Profissão Abr/Jun. 2018 v. 38 n°2, 262-274.

midt, 2015). AP, nessa lógica, passa a ser a disciplina adentra esse campo de forma expressiva e inspira
que pensa a relação de ajuda a qualquer pessoa em novas práticas (Clarkson, 1998; Coyle, 1998; Davy,
qualquer contexto. É a disciplina que tem como objeto 2010), sendo considerada uma abordagem “forte-
de estudo a própria relação profissional-cliente, e que mente emergente” (Strawbridge, & Woolfe, 2010) e
passará a pesquisar esse relacionamento, suas carac- grande aposta para desenvolvimentos futuros signifi-
terísticas, seus elementos formativos e sua influência cativos na área (Haverkamp, 2012). Ainda que desde
no processo de mudança do cliente (Sheeffer, 1976). meados do início desse século e em vários países mais
Godstein (2010) aborda esse e outros desacordos na pesquisas sejam realizadas sobre aconselhamento e
área como característica do AP de resistência a auto- construcionismo social (Strong, 2000; Strong, 2005),
ridades classificatórias. Já Strawbrige e Woolfe (2010) no Brasil não se encontram estudos publicados que
somam-se ao coro daqueles que entendem que a dife- adotem essa perspectiva em AP.
renciação de AP das demais disciplinas psicológicas é Como resgata Schmidt (2009), a presença em
tarefa árdua ou até infrutífera. diferentes países e especialmente nos Estados Unidos
Schmidt (2009) escreve sobre “o jogo identitá- de centros de atendimento psicopedagógico aos estu-
rio” em AP contrapondo a busca moderna da “pureza dantes nas Universidades permitiu com que a área de
dos modelos” com a valorização pós-moderna dos Aconselhamento Psicológico fosse explorada a partir
“híbridos” que essa disciplina produz. Dessa forma, de diferentes práticas e teorias. No Brasil, como afirma
a autora nos convida a acolhermos as “ambiguida- a autora, a ausência desses centros e a predominante
des e ambivalências” em AP, o histórico de “desaco- orientação humanista dos coordenadores dos primei-
modações” disciplinares inaugurado com Rogers” e o ros serviços de aconselhamento psicológico nas uni-
“desconforto” com o seu nome, a partir da valorização versidades brasileiras fez com que AP aparecesse nos
dessa disciplina-indisciplinar, de uma “identidade primeiros currículos de cursos nacionais em Psico-
que se processa entre lugares” (p. 16). Estar entre-lu- logia ligado à teoria rogeriana. Ao longo dos anos, as
gares ou na “área de fronteira”, como propõe a autora, marcas desse histórico e a relevância das produções
é aproveitar da liberdade das não classificações, cons- sobre AP nessas universidades, manteve a predomi-
truindo AP a partir de uma posição “instável” (p. 17). nância de pesquisas e publicações sobre AP na abor-
Essa instabilidade, como reforça Schmidt, só é sinal dagem centrada na pessoa, somando-se a publica-
de fraqueza frente a uma lógica disciplinar moderna ções na perspectiva fenomenológica-existencial, mas
em Psicologia que toma o mapa psicológico e suas sem expressivo investimento no estudo de AP a partir
divisões em áreas como reflexos “da realidade”, e não de outras teorias (Scorsolini-Comin, & Santos, 2013).
como produções sócio-históricas contextualizadas e Buscando fomentar uma discussão crítica sobre
dependentes dos parâmetros, instrumentos e direcio- AP, este estudo tem como objetivo apresentar e discu-
namentos utilizados para as leituras dos terrenos psi. tir as contribuições que a perspectiva construcionista
O alerta pós-moderno é para entendermos que qual- social pode trazer para se pensar esse campo, bus-
quer definição do que venha a ser entendido como cando compreender de que forma os pressupostos
AP só pode ser compreendida e avaliada a partir do filosóficos do construcionismo inspiram e redefinem
parâmetro escolhido para essa definição, a partir das AP, de que forma essa perspectiva tem sido utilizada
comunidades de inteligibilidade que participam as por teóricos e pesquisadores do campo, e quais os
pessoas que a definem e dos interesses sociais, éticos limites dessas construções e os desafios postos para o
e políticos envolvidos nessa produção de sentidos. futuro dessa disciplina.
A partir das influências pós-modernas, como Para tanto, as definições dos principais pres-
mencionam Strawbridge e Woolfe (2010), AP supostos construcionistas sociais feitas por autores
assume-se, na atualidade, como uma disciplina que proeminentes na área da psicologia social e da tera-
valoriza a multiplicidade teórica, resiste à metanar- pia familiar (Gergen, 2009; Ibañez, 2001; McNamee,
rativas, se mantém crítica à racionalidade científica 2005) são colocadas em diálogo com as definições
e atenta às relações de poder e ideologias envolvidas contemporâneas de AP a partir da crise pós-moderna
na produção de conhecimento na área. Nesse cená- vivida nessa disciplina. Em seguida, as teorias cons-
rio, a perspectiva construcionista social, justamente trucionistas sociais utilizadas no campo do AP são
por afinar-se a tais posicionamentos pós-modernos, brevemente apresentadas. Além disso, as produções

264
Souza, L. V. (2018). Aconselhamento como Construção Social.

internacionais da área cujos autores assumem o uso redes que sustentam esses “existentes” em AP. Ibañez
de AP em uma perspectiva construcionista social são (2001), ao escrever sobre a proposta construcionista
levantadas e discutidas. Por fim, esses aspectos são social em ciência, e ao argumentar que os objetos psi-
sintetizados e servem de base para o tecer de algumas cológicos não procedem da natureza humana, mas de
considerações críticas sobre o uso dessa perspectiva nossas práticas de objetivação, alerta que essa afirma-
no campo do AP. ção não é o mesmo que questionar a existência das coi-
sas, ou negar que exista uma realidade que impõe limi-
tes a nossos modos de conhecê-la. Mas que qualquer
Aconselhamento psicológico e os
pressupostos construcionistas sociais realidade só passa a existir para o ser humano a par-
A entrada das apreciações construcionistas tir de seus modos de acessá-la. Não é possível, assim,
sociais nas ciências humanas já data de algumas separar realidade de conhecimento.
décadas (considerando-se como um marco possível Strawbridge e Woolfe (2010) apresentam AP na
o artigo de Gergen de 1985, famoso pela apresenta- contemporaneidade como uma disciplina que busca
ção de uma síntese do construcionismo social). Ger- se construir a partir de parâmetros menos individu-
gen (2009) apresenta as premissas de investigações alistas, menos profissionais centrados, com interesse
construcionistas sociais: Primeira premissa: “Aquilo no bem-estar das pessoas e não na busca por psico-
que consideramos como experiência do mundo não diagnósticos e maior preocupação com o “estar em
determina por si só os termos em que o mundo é relação” do que com a “especialidade técnica”. Pode-
compreendido” (p. 301). Segunda premissa: “Os ter- mos articular esses aspectos com as contribuições
mos com os quais entendemos o mundo são artefa- construcionistas sociais.
tos sociais historicamente situados de intercâmbios Com relação a parâmetros menos individualis-
entre as pessoas” (p. 303). Terceira premissa: “O grau tas em AP, o foco na linguagem e não em elementos
com que uma dada forma de entendimento prevalece estruturais do “eu” do cliente responde a uma das
ou se sustenta através do tempo não depende funda- principais críticas construcionistas em Psicologia, a
mentalmente da validade empírica da perspectiva em saber, a crítica à noção de um “eu” autocontido; fruto
questão, mas das vicissitudes dos processos sociais” de uma lógica que coloca o cliente como a célula
(p. 304). Quarta premissa: “As formas de compreensão indivisível última da sociedade, como fonte de ação
negociadas são de uma importância crítica na vida e como separado de um mundo externo. Aposta-se,
social, na medida em que estão integralmente conec- outrossim, no ser relacional (Gergen, 2009), em um
tadas com muitas outras atividades das quais partici- “eu” que se produz momento a momento, que se
pam as pessoas” (p. 306). constitui nas interações, que nasce das próprias for-
As implicações dessas premissas para se pensar AP mas utilizadas para narrar-se ou ser narrado, e, por-
é a de que os termos que povoam essa disciplina reifi- tanto, é dinâmico, múltiplo, flexível, aberto a renarra-
cam seus objetos. Subjetividade, racionalidade, habili- ções e reconstruções. Novamente cabe a ressalva de
dade, recurso interno, experiência, mundo mental, psi- que não se está falando em termos de uma natureza
quismo são opções discursivas que constroem noções discursiva do “eu”, mas que qualquer descrição de self
específicas sobre quem é o ser humano, como ele fun- só se garante em termos da legitimação de seu uso e
ciona e como podemos ajudá-lo. Tomar essas noções não em sua fidedignidade com relação a como o “eu”
como representações de como as coisas são “na” reali- é “realmente”. O relativismo não é ontológico, mas
dade é perder de vista a historicidade de sua produção. epistemológico. Nosso apego à descrição essencialista
Diferentes teorias em AP competem como visões dis- de self nos impede de entender essa como uma das
tintas sobre o foco de sua atuação, seja ele o compor- opções possíveis de entendimento do ser humano, em
tamento humano, a cognição, aspectos inconscientes, uma visão ocidentalizada e individualista. Pensar o eu
percepções, sentidos ou significados. Cada uma delas é a partir de metáforas relacionais é explorar as ações
legitimada em comunidades de inteligibilidade distin- humanas em termos de corresponsabilização e não
tas cujas redes de atores produzem realidades, objetos, de culpabilização individual (McNamee, & Gergen,
verdades, fatos, argumentos e evidências, levando, ao 1999). Priorizar as explicações relacionais das ações
fim, a produção de diferentes APs que convivem em humanas, com o cuidado de não cair em explica-
diferentes contextos linguísticos e interações. São essas ções deterministas sociais, não é tirar do cliente sua

265
Psicologia: Ciência e Profissão Abr/Jun. 2018 v. 38 n°2, 262-274.

noção de agenciamento pessoal, mas criar metáforas seus efeitos pragmáticos dá o parâmetro da utilidade
que, em vez de falar em termos de intencionalidade como alternativa ao da “verdade” dos fatos psicológi-
individual, falem em ações conjuntas, em respostas cos, sendo que a definição do que vai ser útil deve ser
sistêmicas, ligando os problemas individuais a condi- uma coprodução profissional-cliente.
ções relacionais e sociais mais amplas. A exploração Com relação ao foco no “estar com” o cliente e não
de diferentes visões sobre a problemática do cliente é na especialidade técnica, é afirmar, como o faz McNa-
um contraponto às terapias tradicionais que buscam mee (2005), que, “quando nos preocupamos com o que
a singularidade das interpretações psicológicas. as pessoas estão fazendo juntas, o método e os mode-
Com relação ao questionamento do profissional los que utilizamos se tornam menos importantes do
como especialista sobre o cliente, Ibañez (2001) traz que trabalhar juntos para desenvolver futuros possí-
contribuições para se pensar AP a partir da crítica a veis” (p. 11). Dessa forma, a ideia culturalmente aceita
uma Psicologia moderna que ao tratar seus conheci- de profissionalismo como sinônimo de adoção de um
mentos de forma “ingênua” não reconheceu seu uso modelo bem-sucedido de atendimento, como explica a
autoritário na definição de quem são as pessoas, seus autora, é substituída pela avaliação das teorias e méto-
males e caminhos para suas soluções. No campo do dos de intervenção como formas de envolvimento
AP, podemos pensar que esse autoritarismo se con- profissional-cliente, sustentadas por práticas específi-
figura na crítica ao uso do conhecimento especiali- cas. A partir de uma postura de “incerteza produtiva” o
zado do profissional na condução do atendimento profissional poderá “selecionar uma teoria ou técnica
sem a participação do cliente. Mas mais do que isso, como uma opção de prática (como oposta a uma ver-
é entender que qualquer definição de ser humano dadeira opção) aumentando nossa habilidade para nos
permite algumas ações e restringe outras e que a jus- envolvermos relacionalmente com os clientes” (p. 26).
tificativa para seu uso em AP não se sustenta mais na Assim, pensar AP como construção social1
noção moderna de cientificidade. Questionar o status implica um duplo movimento. O primeiro é o de reco-
da produção científica não é desprezar seu valor, mas, nhecer suas teorias como construções e não como
como afirma Ibañez, é abrir a reflexão sobre as nor- representações da realidade, avaliando as implicações
mativas que fazem parte dessas convenções e posi- de seu uso, o lugar que o profissional ocupa no atendi-
cionar o psicólogo como responsável pelos efeitos que mento, as relações de poder que nele se desenvolvem
sua visão de mundo e prática produzem. e os potenciais de ação humana que promovem. É um
Com relação a ênfase no bem-estar do cliente e não movimento metateórico. O segundo movimento é o
na busca de doenças, Gergen e Warhuus (2001) apon- de, considerando-se que teorias são opções discursi-
tam que ao deixar de se buscar a interpretação mais vas (McNamee, 2005), podemos explorar outras cons-
verdadeira sobre a problemática do cliente o profissio- truções teóricas que possam performam AP a partir
nal pode acolher a multiplicidade de possibilidades de da resposta às críticas que se colocam no campo na
construção “do real” e, assim, problematizar os efeitos atualidade. A criação teórica, nesse caso, responde a
negativos que as descrições de déficit pessoal podem crítica de Ibañez (2001) de que ocupar um lugar de
trazer para a vida de uma pessoa. Ao se entender que relativismo radical em ciência não é, de forma alguma,
os problemas não existem de forma independente de sinônimo de passividade ética ou política. A postura
nossas interpretações é possível deixar de se focalizar filosófica construcionista social entende ética como
os problemas para olhar para os recursos e potenciali- a constante posição de reflexividade sobre o caráter
dades do cliente, para sua rede de apoio e de seu con- construído das teorias, responsabilizando teóricos e
texto. O foco nas potencialidades ao invés do déficit e profissionais pelas construções de mundo que fabri-
histórias de insucesso é o entendimento de que “não cam e pela forma que respondem aos dispositivos de
são os problemas do mundo que determinam a nossa dominação e desigualdades sociais, as diferenças cul-
forma de falar [...] mas é através das nossas convenções turais das pessoas e a sua diversidade.
linguísticas que nós determinamos que algo é um pro- Nomear uma teoria como construcionista social é
blema” (p. 50). A avaliação da intervenção a partir de um desafio na medida em que as propostas construcio-

1
Um erro comum de entendimento do construcionismo social é o de entender que essa perspectiva faria uma afirmação de que “as coi-
sas” são de natureza social. Essa é justamente a diferença entre se falar em termos de “AP como construção social”, como está colocado
no título deste trabalho, e não “a construção social do AP”.

266
Souza, L. V. (2018). Aconselhamento como Construção Social.

nistas se propõem dentro de um movimento dinâmico White e Epston (1990) entendem as construções
e múltiplo em ciência (Souza, 2014), com autores que narrativas como as formas pelas quais as pessoas orga-
se aproximam em alguns pontos e se distanciam em nizam suas experiências e dão sentido a elas por meio
outros (Burr, 2003), com autores que ainda que sejam do relato. As narrativas têm para os autores caráter
reconhecidos como construcionistas e tenham suas teo- constitutivo, “modelam vidas e relações” (p. 29, tradu-
rias assim classificadas não se posicionam ou se posicio- ção nossa). Ao estruturar essas narrativas, as pessoas
naram em vida como construcionistas (Rasera, & Japur, fazem uma seleção de eventos que, segundo os auto-
2004), pela crítica desse movimento à própria noção de res, podem acabar se tornado narrativas dominantes
teoria, que implica a ideia de representação de realidade sobre quem são e sobre suas vidas, deixando de lado
e a preferência de muitos na área em se falar de cons- uma riqueza não explorada de narrativas alternativas.
trucionismo não como teoria ou abordagem, mas como A edição dessas narrativas e o aparecimento de rela-
perspectiva ou discurso (Guanaes-Lorenzi, Moscheta, tos dominantes relacionam-se à noção de Foucault de
Corradi-Webster, &. Souza, 2014) ou como postura filo- verdades normalizadoras tal como nos lembra Rasera
sófica (McNamee, 2005). Reconhecendo esse desafio e Japur (2004):
e suas razões é possível identificar a menção e uso de
algumas teorias terapêuticas como respondendo a uma há aspectos de nossas vidas que deixam de ser
sensibilidade construcionista social, sendo elas: Terapia narrados, pois não se encaixam nos parâmetros
Narrativa, Terapia Focada na Solução e Terapia Colabo- descritos em tais verdades. A consideração do
rativa. São também essas as teorias que têm inspirado as poder constitutivo destas narrativas dominantes
práticas no campo do AP em diferentes países. traduz a sensibilidade construcionista desta pro-
posta terapêutica aos valores promovidos por tais
O uso das teorias construcionistas verdades (p. 433).
sociais no campo do
Aconselhamento Psicológico A partir da noção de narrativa dominante, Nei-
Strong (2007) afirma que o início do uso das teo- meyer (1998) propõe os objetivos do profissional de AP
rias construcionistas sociais em AP remonta ao iní- de ajudar o cliente a resistir a essas narrativas, externa-
cio dos anos 2000, com o aumento crescente de sua lizar o problema separando-o da identidade do cliente,
presença nos currículos de graduação em Psicologia examinar os efeitos dessas narrativas na vida da pes-
a partir dessa data. O autor menciona as duas princi- soa, dar extrema atenção aos momentos nos quais o
pais influências do uso das teorias construcionistas no cliente não está sob os efeitos negativos dessas nar-
campo do AP: a de que o diálogo profissional-cliente rativas (momentos de resistência), historiciar as con-
constrói, sustenta e desconstrói os entendimentos do quistas do cliente com relação a elas, e recrutar pessoas
cliente sobre si mesmo e sua vida e a de que essa cons- (audiência) que possam colaborar, durante o processo
trução/desconstrução deve acontecer de forma cola- de atendimento, na descrição de narrativas alternativas
borativa. Daí o foco do AP nas realidades conversacio- às dominantes trazidas pelo cliente. A partir da noção
nais criadas na interação profissional-cliente. de narrativa dominante e de seu poder na limitação
Neimeyer (1998) aponta a Terapia Narrativa das possibilidades na vida das pessoas, o AP narrativo
como a mais “consciente na adoção de um parâme- propõe ajudar o cliente a se libertar dessas narrativas e
tro discursivo na intervenção” (p. 11) dentre as teo- conquistar a autoria de sua vida.
rias pós-modernas utilizadas em AP. Ele menciona os Segundo Davy (2010), externalizar o problema do
principais teóricos narrativos, Michael White e David cliente é a negociação com o cliente de uma nova defi-
Epston, e sua contribuição para o olhar do profissio- nição do problema que mostre que pessoa e problema
nal sobre a forma como os clientes internalizam dis- são entidades separadas. Isso permite, segundo o
cursos culturalmente dominantes passando a olhar autor, desconstruir o status de verdade das descrições
para si mesmos como culpados por problemas que de eu do cliente, permitindo que outras vozes e valo-
poderiam ser lidos de maneira social, levando a diag- res entrem na conversa em AP que possam contradi-
nósticos de doenças mentais que separam as pessoas zer o problema e ampliar formas de ação. Portanto, o
de suas redes de apoio e as alienam dos processos profissional conduz um processo intencional de rea-
pelos quais podem obter a melhora. valiação e reorganização de narrativas. O AP narrativo

267
Psicologia: Ciência e Profissão Abr/Jun. 2018 v. 38 n°2, 262-274.

critica a noção de self como autônomo, circunscrito, processo de mudança é, para Winslade, o argumento
com necessidades internas, passando a tratar self do caráter político do aconselhamento.
como “em relação”, “múltiplo” e “contingente”. O pro- A participação de audiências no processo de AP
cesso de contar histórias participa da construção da (convidar pessoas significativas para o cliente para
própria noção de subjetividade. participar da conversa), segundo Strong (2000), é uma
AP como locus de reposicionamento do cliente rica colaboração da abordagem narrativa que permite
frente aos discursos sociais acontece, de acordo com conversas de caráter improvisado e espontâneo que
Winslade (2005) a partir dos seguintes passos: ampliam as possibilidades de entendimento sobre o
que acontece com o cliente, além de permitir o envol-
1. Construção de confiança no relacionamento e vimento de outras pessoas na construção de ações de
exploração dos problemas que trazem a pessoa mudança, em uma aposta na dissolução de proble-
para o aconselhamento. 2. Desenvolvimento de mas no âmbito comunitário e não apenas individual.
uma conversa de externalização que descons- Strong (2005, 2007) menciona a “postura de
trua a história de problema e o localize no uni- curiosidade” e a “postura de não saber” como contri-
verso do discurso. 3. Mapeamento das posições buições relevantes da Teoria Colaborativa no campo
discursivas que a pessoa é convidada na história do AP. Segundo Rasera e Japur (2004), a abordagem
do problema. 4. Identificação dos esforços da colaborativa é “uma das tentativas mais explícitas de
pessoa de resistência a ser posicionada dessa construção de um modo de fazer psicoterapia pautado
forma. 5. Investigação das preferências da pessoa pelo referencial construcionista” (p. 435). Segundo
pelas formas de reposicionamento que fariam a Anderson (2016), a Teoria Colaborativa trata-se de
diferença. 6. Desenvolvimento de uma descrição “um modo de ser” na relação profissional-cliente que
dessa mudança de posição que esteja localizada envolve uma investigação conjunta do que o cliente
na história pessoal, na comunidade de pertença aponta como problemático, com o estímulo do pro-
e em discursos/conhecimentos alternativos que fissional para que o cliente tenha curiosidade sobre
possam servir para sustentar a mudança de posi- novos modos possíveis de olhar para o problema.
cionamento face as afirmações persistentes dos Nessa postura, a autora afirma o cliente como espe-
discursos dominantes (p. 358, tradução nossa). cialista de sua própria vida. A curiosidade é a postura
que se coaduna com a noção epistemológica constru-
Como menciona Winslade (2005), as mudanças cionista social de que não há uma melhor definição
vividas pelo cliente não se dão a partir de uma origem sobre a dificuldade do cliente que possa ser avaliada
cognitiva, mas são “públicas e sociais”, implicando por parâmetros externos aos criados nas comunida-
a forma como as pessoas respondem as nossas his- des linguísticas das quais participam os envolvidos na
tórias. A noção foucaultiana de discurso assumida conversa, no caso, profissional e cliente.
pela abordagem narrativa envolve, como menciona o Para Anderson (2016), a postura de não saber
autor, “uma série padronizada de sentidos e práticas refere-se à atitude humilde do profissional de não
sociais estabelecidas por meio de uma multitude de assumir que possui informações privilegiadas na inter-
conversações (faladas e escritas) através de um cená- pretação do que vive o cliente. Curiosidade e saber
rio social amplo” (p. 357). Portanto, a possibilidade coproduzido trabalham na contramão das noções
de externalizar o problema é a forma do indivíduo tradicionais em Psicologia que, dada sua marca here-
responder a esse cenário social mais amplo, renego- ditária, colocam o profissional como investigador e
ciando posições de poder e produção de sentidos nos conhecedor especializado sobre o outro. Neutralidade
microcosmos relacionais. Das construções micros- profissional não é elemento de legitimação da prática,
sociais nascem mudanças macrossociais e discursos ao contrário, há a posição profissional de “multipar-
alternativos são criados para fazer frente aos discur- cialidade, a qual considera e trabalha com todas as
sos dominantes. Assim, a noção de mudança defen- visões presentes no sistema simultaneamente [...]
dida na abordagem narrativa é a de que não é possível uma combinação das especialidades do terapeuta e
mudar de forma direta os discursos dominantes nos do cliente” (Rasera, & Japur, 2004, p. 436).
encontros de AP, mas a forma como o cliente se posi- Segundo Martins, Santos e Rasera (2013), a Tera-
ciona frente a eles. Essa forma de entendimento do pia Focada na Solução aproxima-se da proposta cons-

268
Souza, L. V. (2018). Aconselhamento como Construção Social.

trucionista nos seguintes aspectos: de que não há entrevistas com clientes e profissionais, concluíram
uma definição melhor ou mais fidedigna do problema que o uso dessas teorias levou à valorização da lin-
do cliente na recusa do diagnóstico como único guia guagem do cliente, à identificação de perspectivas de
do profissional no atendimento, na preferência pelo vida alternativas na conversa, à identificação de forças
olhar prospectivo com relação a vida do cliente, e na e recursos, ao desenvolvimento de um entendimento
valorização das próprias definições do cliente sobre compartilhado e ao esforço para falar de forma dife-
sua situação. Essa teoria, segundo seu principal autor, rente sobre a situação problemática:
de Shazer (1985), propõe atendimentos breves, orien-
tados para o futuro, com objetivos específicos, focado Intervenções construcionistas em aconselha-
em soluções ao invés da exploração de problemas. mento precisam ser iniciadas e coelaboradas de
Na busca por essas soluções, algumas técnicas são formas que ampliem as formas de compreensão
propostas, tais como a busca por soluções prévias já do cliente, ao invés de ser a oferta dos conselhei-
encontradas pelo cliente com relação ao tema abor- ros de uma perspectiva diferente que requeira
dado, busca de momentos de “exceção” nos quais que o cliente fale de fora de onde ele está pro-
tenha havido sucesso do cliente para lidar com a duzindo sentido (Strong, & Nielsen, 2008, p. 25,
problemática em questão, perguntas voltadas para o tradução nossa).
futuro idealizado pelo cliente e não para o seu pas-
sado, e a pergunta do milagre, muito utilizada em AP Em uma síntese integrativa, Saéz (2006) resume
(Strong, 2005; 2007). o que essas três teorias construcionistas (narrativa,
A pergunta do milagre ajuda o cliente a descrever colaborativa e focada na solução) têm em comum:
passos que ele possa começar a tomar na direção da a ideia de que a experiência da realidade se constrói
solução idealizada. O propósito dessa pergunta é o de com outras pessoas; a valorização do conhecimento
tirar a atenção do cliente de um presente de desespe- produzido na conversa; a valorização do conheci-
rança e desalento para um futuro no qual os proble- mento do cliente; a construção de uma relação de
mas tenham sido superados. Essa pergunta pode ser respeito e colaboração; o posicionamento do cliente
rascunhada como: Imagine que você acordou e esse
como protagonista do processo; o profissional com
problema do qual estamos falando desapareceu. Qual
uma atitude transparente sobre suas próprias con-
seria o primeiro pequeno detalhe que você iria reparar
cepções, valores e teorias de mundo; e o interesse por
para saber que ele desapareceu? Como as pessoas que
todos aspectos da vida do cliente que mostram poten-
gostam de você saberiam que esse problema desapa-
cial de mudanças positivas, recursos, experiências
receu? Teve algum dia recente no qual você viveu algo
exitosas passadas, e o que considera como valioso.
parecido com como seria seu dia nesse dia do mila-
gre? A partir dessas perguntas, são explorados quais
pequenos elementos de mudança estão envolvidos na Implicações do Aconselhamento
construção desse milagre e quais são as possibilida- Psicológico como construção social
des de a pessoa já os incluir na sua vida. Algumas críticas com relação ao uso dessas teorias
Ao assumir essas teorias, corre-se o risco de reduzir no campo da psicoterapia podem também ser pensa-
a proposta de AP a elas, perdendo justamente o caráter das para a crítica de seu uso no campo do AP. Rasera
do inesperado que surge da proposta construcionista e Japur (2004) mencionam: o risco de se instituciona-
de foco na linguagem. Nesse sentido, Strong e Nielsen lizar uma prática construcionista; o risco de reduzir o
(2008) entendem o uso dessas propostas a partir da discurso construcionista a essas teorias; o risco da con-
avaliação de sua promoção no engajamento do cliente versa ficar circunscrita ao âmbito local, sem sua articu-
em conversas construtivas, na produção de novos sen- lação com o contexto macrossocial e problematização
tidos e aberturas. É, segundo esses autores, a aposta em de noções de desigualdade e discriminação social; o
seu uso como alternativa ao entendimento de AP como risco do foco individualista ao se enfatizar “o senso de
encontro para coleta de informações, diagnóstico ou autocompetência do cliente” (p. 436); e o risco de redu-
orientação. Esses autores, em pesquisa realizada a par- zir discurso às falas individuais das pessoas.
tir da análise de vídeo-sessões de atendimentos em Gergen e Warhuss (2001) destacam que olhar
AP a partir da perspectiva construcionista social, e de para a dimensão relacional nos atendimentos pro-

269
Psicologia: Ciência e Profissão Abr/Jun. 2018 v. 38 n°2, 262-274.

fissionais abre uma série de possibilidades significa- na solução pensa mudança a partir de termos mentais
tivas frente aos malefícios que a individualização do e não está voltada para o entendimento de como os
problema e psicologização da vida do cliente trazem. sentidos trazidos pelo cliente na conversa se relacio-
Porém, a tradição de exploração das emoções, dese- nam com o contexto social mais amplo.
jos, memórias, sonhos é uma tradição importante Quando o cerne do AP está localizado no formato
na história do ocidente, permeando a construção da de relacionamento profissional-cliente colaborativo,
noção de um mundo interno privado que pode ser focado nos recursos do cliente, de caráter preventivo,
um valor para o cliente. O cuidado que os autores voltado para o entendimento do cliente sobre o pró-
mencionam tem relação com a avaliação de quando prio sofrimento, e sensível às questões sociais que
“encorajar realidades múltiplas é violar convenções envolvem esse sofrimento, o construcionismo social
culturais” (p. 49) e quando pode ser um recurso útil. é mais uma perspectiva que adentra a área para cola-
Com relação ao foco apreciativo, o cuidado é para borar nessa demarcação (como outras teorias já o
não desprezar as narrativas de problema trazidas pelo fizeram). A originalidade de sua contribuição pode ser
cliente, impondo um movimento de busca de recur- referenciada em seu foco no contexto conversacional
sos e soluções que pode não fazer sentido para a pes- como produtor de realidades, na abertura para ver-
soa: “Os problemas são sempre devido a uma tradição sões não essencialistas da identidade do cliente, e na
de valores particular; retirar legitimidade a um relato postura de reflexividade sobre a produção de sentidos
do ‘meu problema’ é também pôr em dúvida a tradi- na conversa (Neimeyer, 1998).
ção que lhe está associada” (p. 51). Quando AP se diferencia das demais disciplinas
Com relação à abordagem narrativa, os autores psicológicas, como menciona Haverkamp (2012), não
supracitados entendem que o limite pode estar na mais em termos de setting (AP realizado em poucos
troca de uma narrativa problemática por outra que encontros) e características do cliente (clientes com
acabe se reificando na vida do cliente, tornando-se “a” dificuldades adaptativas e pontuais de vida), mas na
narrativa única e verdadeira, perdendo-se a riqueza forma como AP olha para o relacionamento profissio-
da pluralidade de construções de eu. Além disso, não nal-cliente, concordamos com a autora que a maior
se deve tratar uma mudança no discurso como sinô- contribuição do paradigma construcionista social
nimo de melhora, o que os autores justificam como para essa disciplina é o de permitir compreender esse
sendo uma concepção individualista da mudança relacionamento de forma menos estática do que a
narrativa, não levando em conta o processo relacional literatura da área costuma apontar: “é a mudança do
de que deriva os sentidos do cliente e as dimensões foco da identificação de componentes do relaciona-
corporais e materiais do domínio discursivo. mento em AP para os sistemas determinados por sen-
Com relação ao uso de técnicas derivadas da Tera- tidos na relação” (p. 61). Por décadas, pesquisadores
pia Focada na Solução, Martins et al. (2013) ressaltam da área estudaram os elementos do relacionamento
o cuidado com a postura do profissional de restringir profissional-cliente em AP buscando compreender
as conversas apenas ao âmbito da busca de soluções quais características do profissional levariam a rela-
ou de conduzir o processo de forma hierárquica e não ção de ajuda a acontecer, qual a melhor forma de falar,
colaborativa. As intervenções dessa abordagem, de a melhor pergunta a ser realizada, o melhor modo de
caráter mais diretivo, devem ser pensadas a partir da receber o cliente, a melhor sequência da conversa etc.,
sua utilidade na conversa e não como foco necessário em uma lógica de investigação de variáveis justificada
de desenvolvimento do processo de ajuda. Os auto- por um paradigma moderno em ciência (Scheeffer,
res apontam ainda que outros pontos de tensão que 1976). A lógica de investigação construcionista social
merecem destaque entre a terapia de foco na solução não separa o que é do profissional e o que é do cliente,
e a perspectiva construcionista social são de que no e busca entender de que forma os sentidos produzidos
primeiro caso o foco está em mudanças de compor- na conversa constroem noções de eu, de mudança, de
tamento e não de discurso, tendo afastamentos epis- mundo e, inclusive, noções sobre a própria relação
temológicos entre as duas propostas; a terapia focada profissional-cliente.
na solução entende relações como interações entre Considerando-se os impactos da entrada dos
indivíduos isolados, e não como sendo também elas pressupostos construcionistas no campo do AP, Rudes
construções das práticas discursivas; a terapia focada e Guterman (2007) mencionam a dificuldade de mui-

270
Souza, L. V. (2018). Aconselhamento como Construção Social.

tos profissionais de abandonarem a noção de um “self matizadora, que não se sustente nas dicoto-
verdadeiro”, uma vez que essa noção é um valor na mias, na noção de sujeito como entidade autô-
sociedade ocidental, locus da criação da própria dis- noma, independente e separada de todas essas
ciplina. Os autores mencionam também a resistência transformações que a sociedade globalizada,
de se abrir mão do olhar para o indivíduo como sujeito pós-industrial e tecnológica vem apresentando.
autônomo e independente para o olhar para os pro- Tais práticas psicológicas se voltam para a cole-
cessos relacionais e seus efeitos na construção de eu. tividade e para o caráter relacional e perfor-
Como mencionamos anteriormente, a preferência por mático na construção dos sentidos do mundo,
uma noção de “ser relacional” se sustenta na avaliação dos valores e da sociedade (Camargo-Borges,
do sentido de seu uso nas relações. Gergen (2009) a 2010, p. 49).
defende por entender os prejuízos sociais do individu-
alismo e pela necessidade de busca de alternativas. McNamee (2015) propõe que se pense em práti-
Como já alertava Lyddon (1998), as produções cas que explorem contextos relacionais e institucio-
construcionistas não devem estar isentas de avaliação nais mais amplos, resgatando os vínculos relacionais
em termos dos valores sociais que defendem. Essa e comunitários das pessoas que procuram ajuda e
autora problematiza a noção de empoderamento nas buscando, nessa mesma comunidade, outras versões
teorias construcionistas, afirmando não ficar clara a para o sofrimento individual, versões mais sistêmicas
distinção entre as dimensões pessoais e políticas do e socialmente implicadas. Pensar AP a partir da pro-
empoderamento e o papel de cliente e profissional posta dessa autora do conceito de “presença radical”,
nisso. A autora chama a atenção para que o processo ou seja, de uma mudança de foco do profissional do
de AP seja mais do que apenas o ganho no desenvol- cliente para o processo de relacionar-se, é ter a opor-
vimento de habilidades e recursos pessoais, mas seja tunidade de transformação dos discursos psicológi-
também espaço para os clientes se assumirem ativos cos de déficit individual para as opções de mudança
nas mudanças sociais, sendo essa uma dimensão social. AP não para tratar pessoas, mas para mudar
política do AP. Radicalizando o argumento, Clarkson instituições, com a atenção para os padrões sociais
(1998) faz frente aos questionamentos pós-moder- normativos que atravessam o processo de comunica-
nos em AP encarando-os como oportunidade para se ção profissional-cliente.
questionar em que medida continua fazendo sentido Uma apropriação de AP a partir do resgate de
justificar um atendimento de AP em mundo de tanta seu histórico e do reconhecimento de suas definições
injustiça social, propondo que essa disciplina se ana- contemporâneas permite pensar a prática de acon-
lise em termos da relevância de suas práticas frente às selhamento como uma relação de ajuda que se inicia
demandas das pessoas que atualmente buscam ajuda em um microcosmo interacional, mas que deve se
psicológica. Goldstein (2010), na esteira desse argu- expandir a partir da identificação de seus atravessa-
mento, defende que o futuro da prática de AP deverá mentos macrossociais, das materialidades e sociabi-
ser orientado para a atuação na comunidade, não lidades que o perpassa. Uma aposta para novos estu-
perdendo de vista o embebimento social das pessoas, dos na área está na exploração do AP como espaço de
seus valores culturais e espirituais, esse último sendo redescrição do sofrimento individual em termos de
um aspecto pouco valorizado em AP. Hansen (2012) e agenda de transformação social, como espaço para
Morato, Barreto e Nunes (2009) apresentam a prática se pensar estratégias de reconexão de pessoas favo-
de AP em diversos contextos, para além do setting clí- recendo movimentos de resposta ao individualismo
nico tradicional, com o foco nas competências mul- que impera em nossa sociedade contemporânea.
ticulturais do profissional e a defesa da justiça social. Para responder a esse desafio, AP tem ao seu dispor
Essas considerações sobre o futuro do AP tam- a riqueza da produção de conhecimento de décadas
bém são ventiladas entre teóricos construcionistas sobre um modo de fazer psicológico não psicologi-
sociais do campo da terapia que apontam a necessi- zante. Já a perspectiva construcionista social oferece,
dade de práticas críticas e transformadoras: por sua vez, um significativo conhecimento sobre a
promoção de práticas dialógicas e colaborativas com
alguns profissionais têm buscado desenvolver estratégias para adesão a ações grupais, coletivas e
uma prática mais emancipatória e menos estig- de corresponsabilização.

271
Psicologia: Ciência e Profissão Abr/Jun. 2018 v. 38 n°2, 262-274.

Referências

Altmaier, E., & Ali, S. R. (2012). A view across the life span of counseling. In E. Altmaier, & J. Hansen (Eds.), The
Oxford handbook of counseling psychology (pp. 3-10). New York, NY: Oxford University Press.
Anderson, H. (2016). A postura filosófica: O coração e a alma da prática colaborativa. In M. Grandesso (Ed.), Práti-
cas colaborativas e dialógicas em distintos contextos e populações: Um diálogo entre teoria e práticas (pp. 19-32).
Curitiba: CRV.
Burr, V. (2003). Social constructionism. NewYork, NY: Routledge.
Camargo-Borges, C. (2010). Terapia social: Desenvolvimento humano e mudança social. Arquivos Brasileiros de
Psicologia, 62(3): 1-114.
Clarkson, P. (1998). Counselling psychology: the next decade. In P. Clarkson (Ed.), Counselling psychology: Integra-
ting theory, research and supervised practice (pp. 1-18). New York, NY: Routledge.
Coyle, A. (1998). Qualitative research in counseling psychology: Using the counseling interview as a research
instrument. In P. Clarkson (Ed.), Counselling Psychology: Integrating theory, research and supervised practice
(pp. 56-73). New York, NY: Routledge.
Davy, J. (2010). A narrative approach to counseling psychology. In R. Woolfe, S. Strawbridge, B. Douglas, & W. Dry-
den. (Eds.), Handbook of counselling psychology (3rd ed., pp. 151-172). London: Sage.
Gergen, K. J. (2009). Relational being: beyond self and community. Oxford: Oxford University Press.
Gergen, K. J., & Warhuus, L. (2001). Terapia como construção social: Características, reflexões, evoluções. In M. M.
Gonçalves, & O. F. Gonçalves (Orgs.), Psicoterapia, discurso e narrativa: A construção conversacional da mudança
(pp. 27-64). Coimbra: Quarteto.
Goldstein, R. (2010). A narrative approach to counseling psychology. In R. Woolfe, S. Strawbridge, B. Douglas, & W.
Dryden. (Eds.), Handbook of counselling psychology (3rd ed., pp. 151-172). London: Sage.
Guanaes-Lorenzi, M. S. Moscheta, C. M. Corradi-Webster, & L. V. Souza (Orgs.). (2014). Construcionismo social:
Discurso, prática e produção do conhecimento. Rio de Janeiro, RJ: NOOS.
Hansen, J. I. C. (2012). Contemporary counseling psychology. In E. Altmaier & J. Hansen (Eds.), The Oxford han-
dbook of counseling psychology (pp. 917–922). New York, NY: Oxford University Press.
Haverkamp, B. E. (2012). The counseling relationship. In E. Altmaier & J. Hansen (Eds.), The Oxford handbook of
counseling psychology (pp. 32-70). New York, NY: Oxford University Press.
Ibañez, T. (2001). Psicologia social construccionista. México, DF: Universidad de Guadalajara.
Lyddon, WJ. (1998). Social construction in counselling psychology: A commentary and critique. Counselling Psy-
chology Quarterly, 11(2), 215.
Martins, P. P. S., Santos, C. P., & Rasera, E. F. (2013). A terapia focada na solução e suas aproximações ao dis-
curso construcionista social.  Estudos de Psicologia,  30(1), 111-120.  https://dx.doi.org/10.1590/S0103-
166X2013000100012
McNamee, S. (2005). Modelos de terapia familiar como recursos conversacionais. Família e Comunidade, 2(1),
9-36.
McNamee, S. (2015). Radical presence: Alternatives to the therapeutic state, European Journal of Psychothe-
rapy & Counselling, 17(4), 373-383. https://doi.org/ 10.1080/13642537.2015.1094504
McNamee, S., & Gergen, K. J. (1999). Relational responsibility: Resources for sustainable dialogue. Thousand
Oaks: Sage.
Morato, H. T. P., Barreto, C. L. B.T, & Nunes, A. P. (2009). (Orgs.), Aconselhamento psicológico numa perspectiva
fenomenológica existencial: Uma introdução. Rio de Janeiro, RJ: Guanabara Koogan.
Neimeyer, R. (1998). Social constructionism in the counselling context.  Counselling Psychology Quar-
terly, 11(2), 135.
Rasera, E. F., & Japur, M. (2004). Desafios da aproximação do construcionismo social ao campo da psicotera-
pia. Estudos de Psicologia (Natal), 9(3), 431 439. https://doi.org/10.1590/S1413-294X2004000300005

272
Souza, L. V. (2018). Aconselhamento como Construção Social.

Rudes, J., & Guterman, J. T. (2007), The value of social constructionism for the counseling profession: A reply
to Hansen. Journal of Counseling & Development, 85, 387-392. https://doi.org/10.1002/j.1556-6678.2007.
tb00606.x
Sáez, M. T. (2006). Las terapias posmodernas: Una breve introducción a la terapia colaborativa, la terapia narrativa
y la terapia centrada en soluciones. Psicología Conductual, 14(3), 511-532.
Shazer, S. (1985). Keys to solution in brief therapy. New York, NY: WW Norton.
Scheeffer, R. (1976). Estudos sobre aconselhamento psicológico. Rio de Janeiro, RJ: Editora Getúlio Vargas.
Schmidt, M. L. S. (2009). O nome, a taxonomia e o campo do aconselhamento psicológico. In H. T. P. Morato, C. L.
B. T., & A. P. Nunes (Orgs.), Aconselhamento Psicológico numa perspectiva fenomenológica existencial: Uma intro-
dução (pp. 1-20). Rio de Janeiro, RJ: Guanabara Koogan.
Schmidt, M. L. S. (2015). Aconselhamento psicológico como área de fronteira.  Psicologia USP,  26(3), 407-
413. https://doi.org/10.1590/0103-656420140033
Scorsolini-Comin, F., & Santos, M. A. (2013). Counseling Psychology: A view of the scientific production in the Bra-
zilian postgraduation. Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano, 23(3), 338- 345.
Souza, L. V. (2014). Discurso construcionista social: Uma apresentação possível. In C. Guanaes-Lorenzi, M. S.
Moscheta, C. M. Corradi-Webster, & L. V. Souza (Orgs.), Construcionismo social: Discurso, prática e produção do
conhecimento (pp. 49-72). Rio de Janeiro, RJ: NOOS.
Strawbridge, S., & Woolfe, R. (2010). Counselling psychology: Origins, developments and challenges. In R.
Woolfe, S. Strawbridge, B. Douglas, & W. Dryden. (Eds.), Handbook of counselling psychology (3rd ed., pp.
3-22). London: Sage.
Strong, T. (2007). Accomplishments in social constructionist counseling: Micro-analytic and retrospective analy-
ses. Qualitative Research in Psychology, 4(1-2), 85-105. https://doi.org/10.1080/14780880701473466
Strong, T. (2000). Six orienting ideas for collaborative counsellors. European Journal of Psychotherapy, Counselling
and Health, 3(1), 25-42.
Strong, T. (2005). Understanding in counselling: A preliminary social constructionist and conversa-
tion analytic examination. British Journal of Guidance & Counselling, 33(4), 513-533. https://doi.
org/10.1080/03069880500327538
Strong, T., & Nielsen, K. (2008). Constructive conversations: Revisiting selected developments with clients and cou-
nsellors. Counselling and Psychotherapy Research, 8(4), 253-260.
White, M., & Epston, D. (1990). Médios narrativos para fines terapéuticos. Buenos Aires: Paidós.
Winslade, J. M. (2005) Utilising discursive positioning in counselling. British Journal of Guidance & Counselling,
33(3), 351-364. https://doi.org/10.1080/03069880500179541

Laura Vilela e Souza


Docente do Departamento de Psicologia da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade de São Paulo,
Ribeirão Preto – SP. Brasil.
E-mail: laura@ffclrp.usp.br
Apoio financeiro FAPESP mediante auxílio regular de pesquisa Processo: 2015/08224-0.

Endereço para envio de correspondência:


Av. Bandeirantes, 3900. Bairro Monte Alegre. CEP: 14040-901.
Ribeirão Preto – SP. Brasil.

Recebido 05/09/2017
Reformulado 24/03/2018
Aprovado 11/04/2018

273
Psicologia: Ciência e Profissão Abr/Jun. 2018 v. 38 n°2, 262-274.

Received 09/05/2017
Reformulated 03/24/2018
Approved 04/11/2018

Recibido 05/09/2017
Reformulado 24/03/2018
Aceptado 11/04/2018

Como citar: Souza, L. V. (2018). Aconselhamento psicológico como construção social.


Psicologia: Ciência e Profissão, 38(2), 262-274. https://doi.org/10.1590/1982-3703003762017

How to cite: Souza, L. V. (2018). Counselling psychology as social construction.


Psicologia: Ciência e Profissão, 38(2), 262-274. https://doi.org/10.1590/1982-3703003762017

Cómo citar: Souza, L. V. (2018). Asesoramiento psicológico como construcción social.


Psicologia: Ciência e Profissão, 38(2), 262-274. https://doi.org/10.1590/1982-3703003762017

274