Você está na página 1de 3

Construindo um lar

Acontece a toda hora. Um rapaz conhece uma moça. Começam a namorar.


Apaixonam-se. Ficam noivos. Planejam o casamento. Casam-se.

Sem dúvida, algumas pessoas gastam tanto ou mais tempo planejando a


festa de seu casamento do que com o planejamento do seu matrimônio e do
seu lar. A festa de casamento é uma comemoração de um dia, quando se
ligam duas pessoas na relação mais íntima conhecida na humanidade. O
matrimônio, contudo, foi instituído por Deus para durar toda a vida. Em nossa
sociedade, as festas das bodas são tão romantizadas que as meninas
crescem sonhando e planejando o dia quando serão a bela Cinderela com um
longo vestido de cauda flutuante. Literalmente falando, centenas de horas e
muito dinheiro são gastos em algumas festas de casamento, enquanto alguns
matrimônios não duram o tempo suficiente para se pagarem as despesas
feitas com elas.

O lar bem sucedido é aquele que é construído de acordo com as


especificações divinas. Ele merece muito mais esforço e sacrifício do que
uma festa de casamento. A estabilidade do lar repousa sobre o entendimento
de que o matrimônio é idéia de Deus, não do homem, e Deus insiste em que
a relação que ele ordenou é boa! Casais que estejam determinados a ter
matrimônios felizes, completos, precisam reconhecer o significado de
construir sua vida em comum de acordo com o plano que Deus revelou.

Amor: o adesivo divino


O apóstolo Paulo descreveu o manto de Cristo que deveria envolver as vidas
de todos os santos (Colossenses 3:12-15). "Acima de tudo isto, porém, esteja
o amor, que é o vínculo da perfeição." O amor é a qualidade que traz consigo
todos os outros atributos num único propósito.

No matrimônio, o amor é a cola que liga um homem e uma mulher como se


fossem um só, e faz com que eles se adiram um ao outro quando outras
forças estiverem atuando para separá-los. O amor que mantém intacto um
matrimônio não é limitado ao sentimento meloso e exagerado que aflora
através das veias de um rapaz adolescente e faz com que suas bochechas
brilhem e seus joelhos tremam quando aquela moça especial lhe fazer uma
pergunta na aula de álgebra. Nem o amor é o erotismo intenso que está
sendo inculcado às massas como se fosse amor. O amor que mantém um
matrimônio é um amor aprendido com Deus, que mergulha suas raízes
profundamente no coração e muda tanto sentimentos como comportamento.

Quando o Espírito Santo nos ensinou sobre este tipo de amor, ele não passou
muito tempo explicando como se sente este amor. Em vez disso, ele delineou
meticulosamente para nós o comportamento do amor (1 Coríntios 13:4-8): "O
amor é paciente, é benigno; o amor não arde em ciúmes, não se ufana, não
se ensoberbece, não se conduz inconvenientemente, não procura os seus
interesses, não se exaspera, não se ressente do mal; não se alegra com a
injustiça, mas regozija-se com a verdade; tudo sofre, tudo crê, tudo espera,
tudo suporta. O amor jamais acaba." Esposos e esposas precisam chegar a
entender que Deus não falou meramente como nos deveríamos sentir um
para com o outro; o Senhor nos conduziu em nosso comportamento um para
com o outro.

Paciência e tolerância: livrando-se do egoísmo


Crianças mal acostumadas tornam-se adultos egoístas, e pessoas egoístas
são maus parceiros em qualquer tipo de relacionamento. Não há meio de se
compartilhar uma casa, uma família, ou uma vida juntos sem disposição a
dar. O Senhor fala diretamente deste ponto (Efésios 5:22 e segs.) quando ele
instrui as esposas a que "sejam submissas ao seu próprio marido, como ao
Senhor," e imediatamente instrui os maridos: "amai vossa mulher, como
também Cristo amou a Igreja, e a si mesmo se entregou por ela."

Sua mulher tem algumas verrugas e algumas manchas? Você também tem.
Você se cansa de agüentar as imperfeições dela? Ela se cansa das suas. Ele
tem algumas maneiras que são imensamente incômodas? Você também.
Você descobriu que ele não é perfeito? Ele descobriu a mesma coisa em
você. Você quer que sua esposa passe por cima de ninharias e preste
atenção no que realmente importa? Você tem que ser o modelo para esse
comportamento. Dar -- e dar mais e mais -- é um elemento essencial para a
construção de um lar.

Visão e amizade:
compartilhar metas e andar juntos
O profeta perguntou há muito tempo, "Andarão dois juntos, se não houver
entre eles acordo?" (Amós 3:3). Construir um lar bem sucedido carece
unidade de propósito. Uma pessoa, cujo primeiro compromisso é servir o
Senhor, freqüentemente se achará em desacordo com outra pessoa cujo
primeiro desejo é ganhar dinheiro, ou divertir-se, ou trabalhar. Abençoado, na
verdade, é o homem ou mulher que pode olhar para seu lar e afirmar
confiantemente, "Eu e a minha casa serviremos ao Senhor". O
compartilhamento de um propósito comum na vida dá uma âncora que
segurará o lar durante as tormentas.

Sonhos e visões precisam ser partilhados vezes e mais vezes. Amigos são
aqueles que cuidam, que partilham, que ansiosamente dão em benefício uns
dos outros. Uma das chaves da construção de um lar feliz é alimentar sua
amizade com seu esposo. Façam os sacrifícios necessários, mas dediquem
tempo um ao outro. Faça as pequenas coisas, ofereça gentilezas, e converse
com a pessoa com quem você está passando a vida. Quanto mais
intimamente se conhecerem um ao outro, mais plenamente se entenderão e
mais forte se tornará o laço que fazem dos dois um só.

Os cristãos farão bem em dar bastante tempo e atenção a construir o tipo de


lar que querem; a casa pode vir depois. O lar precisará um suprimento
abundante dos materiais básicos, tais como amor, paciência, tolerância,
visão e amizade. Edificar um lar bem sucedido, feliz, é uma das maiores
oportunidades que hoje há para que os cristãos mostrem ao mundo a
sabedoria de Deus. Um homem e uma mulher, servindo ao Senhor,
comprometidos um com o outro, educando crianças com valores fortes,
amando mais um ao outro no fim da vida do que nunca, bem, esse é o
verdadeiro tipo de lar com que milhões de pessoas apenas sonham.

por David Thomley