Você está na página 1de 3

Falando um pouco sobre o

TOD
No TOD o comportamento da criança vai além de uma simples birra, até
porque alguns comportamentos opositivos temporários são comuns em
determinadas faixas etárias e fazem parte do desenvolvimento normal da
criança.
Por: Camila M. Fernandes

O TOD(Transtorno Opositivo Desafiador) é uma condição


comportamental muito comum em crianças em idade escolar.
O TOD consiste em um padrão de comportamentos negativos, hostis e
desafiadores, de forma persistente. Esses comportamentos são observados
nas interações sociais da criança. Ocorre principalmente com adultos e com
figuras de autoridade, mas também aparece na interação da criança com os
colegas da escola.
O TOD pode ser e/ou estar relacionado com outras questões
comportamentais e pode proceder ao desenvolvimento do transtorno de
conduta, uso abusivo de drogas entre outros.
As principais características do transtorno opositivo desafiador são: 
perda frequente de paciência, discussão com adultos e figuras de autoridade,
recusa a obedecer e seguir regras, se aborrece com facilidade e mostra-se
muito raivoso, agressivo e irritado. São crianças que tem dificuldade em
controlar seu comportamento e suas emoções.

Os ambientes mais comuns para manifestar os sintomas são na escola e


em casa. Esses sintomas acabam gerando prejuízo não somente na vida
escolar, mas também na área social e ocupacional.
No TOD o comportamento da criança vai além de uma simples birra, até
porque alguns comportamentos opositivos temporários são comuns em
determinadas faixas etárias e fazem parte do desenvolvimento normal da
criança. No TOD lidamos com crianças que apresentam sintomas severos
que podem gerar prejuízos em várias áreas da vida, atrapalhando
principalmente o relacionamento familiar.

Vale ressaltar que nem toda agitação de uma criança é sinal de


algum transtorno, há agitações comuns em crianças. Crianças costumam ter
bastante energia e de vez em quando acabam desobedecendo regras ou até
mesmo desafiando adultos, com o objetivo de testar sua autoridade, mas a
preocupação dos pais ou responsáveis deve existir quando esse
comportamento agitado e desafiador começa a prejudicar a vida da criança em
família, na escola e na sociedade como um todo.
A avaliação e diagnóstico devem ser feitos por um Neuropsiquiatra ou
Neurologista, ambos infantis.
Critérios Diagnósticos:
Um padrão de humor raivoso/irritável, de comportamento
questionador/desafiante ou índole vingativa com duração de pelo menos seis
meses, como evidenciado por pelo menos quatro sintomas de qualquer das
categorias seguintes e exibido na interação com pelo menos um indivíduo que
não seja um irmão:

1 - Com frequência perde a calma;


2 - Com frequência é sensível ou facilmente incomodado;
3 - Com frequência é raivoso e ressentido;
4 - Frequentemente questiona figuras de autoridade ou, no caso de crianças e
adolescentes, adultos;
5 - Frequentemente desafia acintosamente ou se recusa a obedecer a regras
ou pedidos de figuras de autoridade;
6 - Frequentemente incomoda deliberadamente outras pessoas;
7 - Frequentemente culpa outros por seus erros ou mau comportamento;
8 - Foi malvado ou vingativo pelo menos duas vezes nos últimos seis meses.
O TOD é dividido em três eixos:
– Humor raivoso/irritável (item 1,2 e 3 citados acima);
– Comportamento questionador/desafiante (item 4, 5, 6 e 7 citados acima);
– Índole vingativa (item 8 citado acima).
Na escola:
– Discute com professores e colegas
– Recusa-se a trabalhar em grupo
– Não aceita ordens
– Não realiza deveres escolares
– Não aceita críticas
–  Deseja tudo a seu modo
– Responsabiliza os outros por seu comportamento
Suas causas são complexas e multifatoriais. Existem os fatores
biológicos, psicológicos e sociais.
Transtornos associados ao TOD: TDAH (Transtorno de déficit de
atenção e hiperatividade), Transtorno de ansiedade generalizada, depressão
infantil, Transtorno de humor bipolar.
Tratamento:
– Medicamentoso: ajudam no manejo doa sintomas e podem diminuir a
impulsividade, agressividade e nervosismo (vale lembrar que a medicação é
utilizada apenas quando o diagnóstico for feito e por orientação médica caso
seja necessário o uso).
– Psicoterapia na abordagem cognitivo comportamental: visa diminuir o
negativismo e modificar as habilidades de comunicação, controle do impulso e
treino de habilidades sociais.
– Psicoeducação: informar e orientar pais e familiares sobre o diagnóstico,
sintomas e tratamento.

Referências:
TEIXEIRA, G. O reizinho da cada. Manual para pais de crianças opositivas,
desafiadoras e desobedientes. 5ª Ed. Rio de Janeiro, 2014.
DSM-V- Manual Diagnostico e Estatístico de Transtornos Mentais, 5ª Ed, 2014.
Facebook.com/psicocamilafernandes
https://psicologiaacessivel.net/2017/01/11/falando-um-pouco-sobre-tod/

Você também pode gostar