Você está na página 1de 2

CARMELITAS: A REFORMA TERESIANA

Detalhes
Publicado em 12 dezembro 2018

Ordem do Carmo, Ordem Carmo, Regra dos Irmãos da Bem Aventurada Virgem Maria do Monte Carmelo, Order of Carmelites,
Martinho Lutero, REFORMA TERESIANA Carmelo da Encarnação em Ávila Mosteiro de São José,

A aprovação da Forma de Vida transformada em Regra da Ordem do Carmo foi uma semente que nasceu
vigorosa e cresceu e desenvolveu-se prodigiosamente em toda a Europa, tornando-se uma Ordem de muita
influência no contexto de Igreja mas em meio a erva daninha do cisma de Martinho Lutero que, dividiu a
Igreja em muitos países da Europa, divisão que afetou profundamente a vida das Ordens Religiosas
provocando forte enfraquecimento da disciplina moral e religiosa. Mas há males que vêm para o bem! Foram
surgindo indisciplina da vida religiosa através de diversas Reformas que desenvolveram às Ordens
Religiosas o antigo vigor.
A Ordem do Carmo- A Reforma Teresiana e a Reforma Turonense! Essas duas Reformas tiveram
características bem comuns: impuseram obediência, humildade e amor ao silêncio, meditação e busca do
Ideal Contemplativo do Carmelo! Outros resultados das Reformas: vida mais simples e frugal, amor à
pobreza evangélica.
Teresa de Jesus ou DÁviIa, nasceu em 1515; aos 20 anos fugiu de casa e ingressou no Carmelo da
Encarnação em Ávila. A comunidade número das Irmãs era da fidalguia espanhola; muitas delas tinham até
amas particulares para servi-las; havia muito indisciplina que as agradou Teresa; ela conquistou a simpatia
de algumas companheiras e partiram para a fundação de um convento pobre e mal cuidad( José. O ideal de
Teresa era voltar à austeridade original da Regra do Carmelo. Esta empresa não foi fácil; ela sofreu muito,
mas por fim Carmelitas: João Batista Rossi; isso foi em 1567. O Padre Geral encorajou a continuar a sua
obra de Reforma. A Divina Providência cc muitas qualidades e mais ainda de muitas virtudes: foi o Carmelita
Frei João de São Matias e juntos, lançaram-se a essa grande empresa de Reforma da Ordem do Carmo.
Enfrentando toda a sorte de dificuldades e de contratempos fundaram os Mosteiros tanto das Monjas como
dos Frades. Além do pequeno Mosteiro de São José, Teresa com o apoio de Frei João Matias, fundou,
espalhados pela Espanha mais de 16 Mosteiro e o Frei João de São Matias, que depois se chamou João da
Cruz, fundou em Duruelo o primeiro Mosteiro dos Frades.
As aventuras de Sta. Teresa estão escritas em sua obra: O livro das Fundações. Teresa faleceu em Alba de
Tormes a 04 de outubro de 1582. A obra da Reforma Teresiana estava consolidada mas faltava o
reconhecimento oficial da Ordem do Carmo. Isso aconteceu numa Assembléia Geral da Ordem do Carmo
em junho de 1593, 11 anos após a morte de Sta Teresa. E a 29 de dezembro de 1593 o Papa Clemente VIII
com um documento oficial, a Constituição Apostólica Pastoralis Oficio confirmou o decreto da Assembléia da
Ordem realizada em Cremona/ltália. Assim se constituiu uma Ordem do Carmo independente que se
chamou a ORDEM DOS CARMELITAS DECALÇOS ficando a mesma sob a jurisdição de um Superior Geral
com o nome de Preposto Geral.
Esse foi o desfecho final da Reforma idealizada por Sta. Teresa de Jesus e São João da Cruz, ambos
considerados os fundadores da Ordem dos Carmelitas Descalços chamados também de Teresianos. Ë bom
que se entenda que a Espiritualidade e o Carisma dos dois ramos em nada diferem um do outro; a diferença
está exatamente na Constituição de duas estruturas de governo; cada Ordem do Carmo com o seu governo
próprio, e as duas com residência em Roma. Todos nós, Carmelitas Calçados e Descalços somos Igreja,
somos uma só Família, somos todos Irmãos!

A Ordem do Carmo a reforma de turonense.

Além da Reforma Teresiana, houve outras Reformas na Ordem do Carmo: a de Albí/França, a de


Mãntua/ltalia e a de Turaine/França, sendo que esta foi a mais importante e duradoura. Recordemo-la! Já
vimos a importância da atuação do Pe. Geral o Beato João Soreth na fundação das Monjas de Clausura e da
Ordem Terceira do Carmo, no seu empenho de reformar as comunidades, levando-as à observância mais
rigorosa da Regra da Ordem do Carmo, na restauração da vida comum, na implantação de um estilo de vida
mais simples, pobre e frugal. O século XVI foi de grande desenvolvimento da Ordem do Carmo na Europa. A
Reforma implantada por Sta. Teresa de Jesus e 5. João da Cruz, espalhou-se na França e em outros países
da Europa. Na França, entretanto, a Ordem do Carmo estava em crise no fim do século XVI. Havia religiosos
que levavam uma vida edificante, mas havia também aqueles que não correspondiam à sua vocação de
Carmelitas. A Comunidade de Angers não andava bem até que nela entrou Felipe Thibaut nela professando.
Felipe Thibaut, muito inteligente, dotado de grande capacidade, chegou até a pensar em ingressar na Ordem
dos Cartuxos e mesmo em abraçar a Reforma Teresiana, mas o seu ideal era implantar na sua Província
uma Reforma diversa à de Sta. Teresa de Jesus; ele não queria se separar da Ordem do Carmo. Seu ideal
era implantar a experiência fundante do carisma Carmelitano, a experiência da comunhão intima com Deus e
tinha como lema: Mais união menos perfeição, convencido de que a união e a fraternidade dariam uma base
mais sólida para a Reforma do que as práticas externas. Ele não queria uma Ordem independente e buscava
também garantias econômicas para favorecer novas fundações. Com bom senso diplomático resumiu ao
mínimo conflitos com aqueles religiosos que não aceitavam a sua Reforma e assim ele foi conquistando até
os estudantes, os Irmãos Leigos, e os religiosos à simpatia da Reforma como ele idealizava. Assim
concretizou-se a Reforma Turonense que exerceu grande influência em toda a Europa.
Em 1603 o Pe. Geral Henrique SíIvio promulgou os Estatutos da Reforma Turonense. O Carmelita Pierre
Behout, grande amigo de Thibaut, foi nomeado Prior do Convento de Rennes que, 1605 se tornou a base da
Reforma Turonense. Um religioso que muito contribuiu para a consolidação da Reforma Turonense foi o
Irmão Leigo Jean de Moulin que na profissão tomou o nome de Frei ~João de São Sansão. A linha espiritual
planejada por Felipe Thibaut foi implantada nas comunidades: Thibaut foi eleito Prior do Convento de
Rennes em 1608, que já estava com 50 religiosos; essa Comunidade foi a base, a força primeira da Reforma
Turonense.
SÍNTESE DA ESPIRITUALIDADE IMPLANTA POR THIBAUT
-Meditação periódica e individual feita em Comunidade;
-Oração aspirativa implantada por Frei João de São Sansão;
-Métodos vários de exercícios da Presença de Deus.
Com estes elementos de Espiritualidade os Religiosos Carmelitas voltaram à vida de oração, à solidão, ao
silêncio, enfim à Contemplação, que tinha caracterizado o Carmelo desde a sua origem. Em 1635 as
Constituições da Reforma Turonense foram aprovadas pela Ordem do Carmo e oficialmente reconhecidas
pelo Papa Urbano VII em 1639.
As Reformas implantadas na Espanha, na França, em toda a Europa despertaram Religiosos e Leigos ao
seguimento de Cristo Senhor Nosso, Filho de Deus e da Virgem Maria, a Glória e o Esplendor do Carmelo.