Você está na página 1de 4

Carnivore: Funcionamento

A black-box Carnivore consiste em um PC rodando Microsoft Windows 2000 ou


Windows/NT e vários softwares proprietários (código-fechado).

A intenção primária do projeto Carnivore é analisar um volume muito grande de e-mails e qualquer
tipo de informação que possa vir a transitar através de uma rede. O processo de análise da rede
utilizado por ele é passivo o tempo todo, justamente para torná-lo o mais furtivo e discreto
possível dentro do segmento de rede.

OBS: Se você não conhece o conceito de análise passiva, leia:

 Análise Passiva: Analisando seu tráfego de

maneira segura

 Análise passiva (parte 2)

Carnivore teoricamente pode scanear milhões de e-mails por segundo - processando um pouco
mais de 6 gigabytes (6.000 megabytes) de informação a cada hora. Mas as informações alvo são
muito mais seletivas na prática. Utilizando um método de scan baseado nas linhas de Subject e
nos Headers das mensagens que entram ou saem da rede, o sistema define qual informação vai
ser relevante em determinada investigação criminal.

A informação coletada é separada em discos especiais e transmitida através de uma linha dial-up
segura.

"O sistema não está sujeito a abusos por que ele requer profissionais especializados para instalá-lo
e operá-lo, e para operação ser conduzida deve-se ter ordens da corte federal e o trabalho é
vistoriado e acompanhado de perto pelos provedores"

Fonte: FBI

Todo caso, Carnivore coleta apenas alguns bits de informação de cada pacote que trafega.
Mensagens em que usuários encriptam seu conteúdo utilizando ferramentas como por exemplo
PGP, não serão "crackeadas" pelo sistema. Decodificar essas mensagens "offline" pode requerer
esforços por parte da investigação.

Para o Carnivore ganhar acesso a esse montante de informação seu hardware deve ser plugado
diretamente na rede, em uma localização central do fluxo. Devido a maioria das comunicações por
meio de internet atravessar grandes provedores, o FBI instala o Carnivore Box dentro do data
center do provedor. Controles físicos e de acesso remoto garantem a segurança máxima ao
sistema (isso é o que eles dizem).

O FBI já empregou o Carnivore em vários casos. Pela Lei, os resultados dessas análises realizadas
pelo mesmo não podem tornar-se públicas.

Reações ao Carnivore

Network sniffers não são ferramentas novas. Por anos foram comuns as práticas de sniffing, como
por exemplo para roubar informações de e-mails que transitam em ambientes corporativos. Um
sistema que pode scanear e-mails pode ser facilmente expandido para monitorar transferências de
arquivos, seções de chat e várias outras maneiras de tráfego digital.

As funcionalidades do Carnivore são configuráveis, mas a maneira que ele deverá agir é
coordenada por leis de interceptação de mensagens.

Uma das reações públicas negativas ao Carnivore é a respeito da possibilidade do sistema


modificar protocolos padrões de rede para facilitar a interceptação, tornando assim sua função
primária numa verdadeira destruidora da privacidade pública.

Na época que o projeto entrou em vigor existiram vários grupos que protestavam contra sua
implementação.

Um site da época (www.stopcarnivore.org) dizia que "a interceptação federal está indo longe
demais", e mantinha uma área de feedback com a lista de provedores que mantinham box do
Carnivore em sua rede.

Em todo caso o Carnivore trouxe novas maneiras de tecnologias para análise. Usando este fato, o
grupo Network ICE desenvolveu um programa open-source chamado altivore, que duplicou os
recursos do Carnivore, tais como:

 Monitoramento de e-mails individuais (usando

headers e o conteúdo completo)

 Monitoramento de acessos individuais a certos

serviços como Web, FTP, etc.

Com o altivore o pessoal da Network ICE tentou educar o público sobre o Carnivore e também
sobre o seu potencial envolvido.

<< Página anterior Próxima página >>

Páginas do artigo
1. Introdução: O projeto Carnivore
2. Carnivore: Funcionamento
3. Instalando e executando o Altivore em sua box
4. Considerações finais

Outros artigos deste autor


PortSentry: Melhorando a segurança do seu Linux
Segurança extrema com LIDS: novos recursos
Libsafe: Protegendo Linux contra Smashing Overflow
OpenVZ: Virtualização para servidores Linux
Race condition - vulnerabilidades em suids

Leitura recomendada
Criptografia com Loop-AES
Como recuperar a senha de root usando uma live distro
Transferindo arquivos de modo seguro entre Windows e Linux
Cliente Linux no servidor LDAP
Wow! O que esta câmera de segurança está fazendo aí?

Comentários
[1] Comentário enviado por silver_bit em 06/11/2004 - 06:15h:

Otimo Artigo, Todos os seus artigos sao de 1a.


Parabens pela qualidade!!!

[2] Comentário enviado por chumbeto em 06/11/2004 - 08:21h:

Y2h4ck é o doutor da segurança no VOL. É isso aí cara, muito bom... Nota 10.0

[3] Comentário enviado por mordecai em 06/11/2004 - 10:03h:

O link fornecido no artigo estava offline, mas acabei encontrando aqui:

http://downloads.securityfocus.com/tools/altivore.c

Bom artigo !

[4] Comentário enviado por acvsilva em 06/11/2004 - 13:02h:

Buuuuuuuuuuuuu !!!!!!!! ;-)


Ai, ai... que meda...

Meu rapaz, seu artigo está EXCELENTE !!!


Gostei principalmente da primeira parte sobre o origem so software.
Valew...

[5] Comentário enviado por Caiapó em 06/11/2004 - 13:09h:

Muito bom artigo, Anderson.


__________________________________________________________
Será que a guerra contra o crime justifiva o prévio cerceamento do direito individual?
Esse recurso - "carnivore e altivore" - é uma violência contra a liberdade. É como se alguém
abrisse e lêsse suas cartas antes de você. E é especialmente preocupante saber que seu uso foi
criado exatamente pelo pais que se auto denomina "Terra da liberdade". Prova de que essa
expressão não passa de um golpe de "marketing".
Ao menos se esse recurso tivesse sido debatido pela sociedade e aprovado pela maioria,
minimizaria a senssação de violação de direitos.
Em breve a estátua da liberdade terá a tocha substituida por um par de algemas.

[]s!
Wesley Caiapó

[6] Comentário enviado por removido em 06/11/2004 - 21:25h:

Parabéns pelo artigo nota 10 mesmo.....

[7] Comentário enviado por y2h4ck em 08/11/2004 - 06:43h:

Bom, realmente a implementação deste tipo de tecnologia é algo que fere profundamente os
direitos privados. Imaginem, se para um administrador ( competente e que entende do que está
fazendo ) instalar um sistema IDS em sua rede é necessário uma aprovação da politica de
privacidade dos usuários.

Portanto é necessario estar por dentro de tudo que ocorre entre os pontos das redes onde estamos
conectados :)

[]s a todos que comentaram o artigo. Logo te mais

Spawn Y2h4ck

[8] Comentário enviado por andreguerra em 08/11/2004 - 06:55h:

Não há como divergir das opiniões postadas acima. Realmente excelente artigo. Alias, MAIS UM
excelente artigo. Parabens Anderson.

Forte abraço,

André

[9] Comentário enviado por felipebalbi em 08/11/2004 - 11:05h:

Excelente ferramenta.
Ótimo artigo,
parabéns

[]'s
Felipe Balbi

[10] Comentário enviado por matpestana em 08/02/2007 - 18:43h:

omg :O isso eh mto bão,sô! vlw!!!!!

[11] Comentário enviado por capitainkurn em 09/05/2007 - 16:08h:

Excelente artigo, parabéns!

[12] Comentário enviado por luissmaia em 12/09/2007 - 15:46h:


Esta de parabéns muito bom artigo. principalmente pra quem ta iniciando na segurança de
redes...Valww mesmo.

[13] Comentário enviado por kalib em 08/01/2008 - 17:20h:

Interessantíssimo o assunto abordado....