Você está na página 1de 4

Escola Básica e Secundária Alfredo da Silva

10ºANO DE FÍSICA E QUÍMICA A Trabalho Laboratorial Física AL2.1.


Nome: ___________________________________________________________________ nº: ____ Turma: _____
Nome: ___________________________________________________________________ nº: ____ Turma: _____

AL 2.1 – Características de uma pilha

Objetivo: Determinar as características de uma pilha a partir da sua curva característica.

Questão inicial: Quais são os valores das grandezas características de uma pilha?

1.Orientações

Para realizar esta atividade experimental à distância deverá começar por ler as páginas 84 a 86 do manual.
Em seguida deverá ler a introdução e resolver as questões pré-laboratoriais que se encontram no ponto 3
deste documento.
Terminada esta tarefa deve aceder à Escola Virtual e realizar a tarefa: Atividade Laboratorial 2.1 – Características
de uma pilha, visualizando o vídeo da atividade laboratorial, ponto 4 deste documento.
Em seguida deverá analisar os resultados fornecidos no ponto 5 (Trabalho Laboratorial) deste documento e
responder às questões que constam deste tópico.
Finalmente deve passar à análise e resolução das questões pós-laboratoriais que se encontram no ponto 6 deste
documento.
A resposta às questões pré-laboratoriais, trabalho laboratorial e questões pós-laboratoriais deverá ser
efetuada em grupo de dois alunos e publicada na plataforma classroom até ao dia 17 de maio, em
documento devidamente identificado.

Bom trabalho!

2. Introdução
O gerador é um dispositivo elétrico caracterizado por apresentar uma determinada tensão ou diferença de
potencial elétrico nos seus terminais. Esta tensão é designada força eletromotriz do gerador e corresponde
à energia transferida, por unidade de carga, para as cargas elétricas que o atravessam. Se se tratar de um
gerador de tensão elétrica constante, como uma pilha, cria-se no circuito uma corrente elétrica contínua.
Num gerador ideal a diferença de potencial elétrico disponibilizada ao circuito é constante e igual à força
eletromotriz independentemente da corrente elétrica fornecida. Num gerador real, como a pilha, a
existência de uma resistência interna própria do gerador faz com que a energia que este fornece a um
circuito elétrico seja inferior à energia total que ele transforma. Esta resistência também é responsável pelo
facto da tensão elétrica de um gerador não ser independente da corrente elétrica que percorre o circuito e
do gerador não poder ser considerado ideal.
No entanto, para determinados valores da corrente elétrica, a tensão varia de modo linear com a corrente
elétrica. Esta relação pode ser expressa por:
U útil , gerador =ε gerador −Ri , gerador I Equação 1

Analisando a expressão verifica-se que em circuito aberto, isto é, quando a corrente elétrica é nula a
diferença de potencial nos terminais do gerador corresponde à sua força eletromotriz:

U útil , gerador =ε gerador Equação 2

Existindo corrente elétrica, ou seja, em circuito fechado, a tensão elétrica nos terminais do gerador é
inferior à sua força eletromotriz.
A determinação das características de um
gerador, força eletromotriz e resistência
interna, pode ser realizada com base na curva
característica do gerador. Esta curva
corresponde à função U = f(I), que pode ser
obtida medindo a diferença de potencial
elétrico para diferentes valores de corrente
elétrica num circuito simples, tal como mostra
o esquema de montagem. De acordo com o
esquema, além do gerador, devem-se associar
uma resistência variável e um interruptor.

3. Questões Pré-laboratoriais

Questão 1 - Uma pilha é um gerador de tensão contínua. Este gerador diz-se eletroquímico pois o
movimento orientado de iões que nele ocorre tem origem em reações químicas. A primeira pilha foi
inventada pelo italiano Alessandro Volta no final do século XVIII. Construiu uma célula eletroquímica
formada por dois metais diferentes (zinco e cobre), chamados elétrodos, em contacto com uma solução
boa condutora, chamada eletrólito (por exemplo, uma solução ligeiramente ácida). Esta célula permitia
obter uma pequena diferença de potencial elétrico, pelo que Volta associou várias células em série, para
obter uma diferença de potencial maior. O conjunto destas células assim “empilhadas” passou a ser
designado por pilha. A corrente elétrica numa pilha termina quando cessam as reações químicas que a
produzem (diz-se que a pilha “descarrega”). Atualmente há diversos tipos de pilhas com os mais
variados elétrodos e eletrólito. Dê exemplos de elétrodos e de soluções que possam ser eletrólitos.

Questão 2 - Que grandezas físicas caracterizam uma pilha? Indique o seu significado físico.

Questão 3 - Considere um circuito com um gerador e um condutor puramente resistivo de resistência R


variável.
a) Como poderia, a partir de uma medição direta, medir a força eletromotriz da pilha? Justifique esse
procedimento.
b) Qual é a expressão da diferença de potencial fornecida pelo gerador em função de grandezas elétricas
do circuito?
c) Esboce a curva característica da pilha, isto é, o gráfico da função U(I).
d) Para obter a curva característica da pilha é necessário fazer variar a corrente. Varia-se assim, também, a
diferença de potencial nos terminais da pilha. Para tal deve haver uma resistência variável no circuito.
Que dispositivos existem que permitem a variação da resistência num circuito?

4. Visualização da Atividade Laboratorial na Aula preparada na Escola Virtual

5. Trabalho Laboratorial
Considere que numa aula laboratorial, um grupo de alunos estudou as características de um gerador.
Alguns grupos de alunos utilizaram pilhas novas, enquanto outros utilizaram pilhas já usadas de modo a
comparar as características das diferentes pilhas. Os alunos montaram o circuito de acordo com o esquema
da figura 1.
Observe o esquema da figura 1 e responda às questões.

Questão 1 – Identifique o tipo de associação para o amperímetro e para o voltímetro.

Questão 2 – Que diferença de potencial está a medir o voltímetro?

Questão 3 – A variação da resistência do circuito deve ser controlada, pois se as correntes forem
inicialmente muito grandes a pilha descarregar-se-á facilmente. Na execução laboratorial os alunos
deverão partir de resistências pequenas e ir aumentando o seu valor ou devem fazer o contrário?

Após a realização da atividade laboratorial os alunos obtiveram os resultados que em seguida se


apresentam.
Pilha nova (de 4,5 V)

Ensaio 1º 2º 3º 4º 5º 6º 7º 8º
I/mA (0,1mA) 0,0 76,5 69,8 30,2 21,0 60,2 16,1 43,8 10,2
U/V (0,01V) 4,46 4,30 4,31 4,38 4,40 4,32 4,41 4,36 4,43

Pilha usada (de 4,5 V)

Ensaio 1º 2º 3º 4º 5º 6º 7º 8º
I/mA (0,1mA) 0,0 75,4 69,5 52,0 19,5 28,0 14,0 39,1 10,0
U/V (0,01V) 4,43 4,19 4,22 4,28 4,38 4,35 4,40 4,32 4,42

Questão 4 – Registe numa tabela os valores de U e I, em unidades SI, indicando as respetivas incertezas de
leitura dos aparelhos de medida.

6. Questões Pós-laboratoriais

Questão 1 - A partir da tabela de dados experimantais, trace os gráficos U (I) para cada uma das pilhas.
Os gráficos obtidos estão de acordo com a previsão teórica? (Insira aqui as imagens dos gráficos que
obtiver).

Questão 2 - Determine as retas de ajuste aos dados experimentais e obtenha, a partir das suas equações,
a resistência interna e a força eletromotriz das pilhas.

Questão 3 - Compare o valor da força eletromotriz obtido com o valor da medição direta, para cada pilha.
São muito diferentes? Como explica essa diferença?

Questão 4 - Compare os resultados obtidos com a pilha nova e com a pilha usada. Tire conclusões.

Questão 5 - Em que condições a pilha transfere mais rapidamente energia para o circuito, quando a
resistência no circuito é grande ou pequena? Justifique.

Questão 6 - Observe a figura seguinte: é possível acender um LED com os quatro limões, mas o mesmo
poderá não acontecer com uma lâmpada de fio de tungsténio. Qual será a razão?

Você também pode gostar