Você está na página 1de 5

FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS ALBERT EINSTEIN

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM NEUROLOGIA CLÍNICA.

A Melhoria da qualidade de vida do Paciente


com Alzheimer através da Intervenção
musical.

Camila de Oliveira Braz


São Paulo
05/2016
INTRODUÇÃO

A Doença de Alzheimer constitui a forma mais comum de demência em idosos.


Atualmente mais de 25 milhões de pessoas no mundo todo. A doença é um distúrbio
neurológico degenerativo, progressivo e irreversível, que começa de maneira
silenciosa e culmina com a morte do paciente.

Esta pesquisa pretende analisar a qualidade de vida e o bem-estar dos Pacientes


com Alzhemeir por meio da Intervenção Musical em forma de sessões diárias de
escuta de obras que estejam relacionadas ao histórico de vida do indivíduo Portador
da doença.

Diversas pesquisas comprovam que a expressão facial do Idoso com Alzheimer


muda quando ele é submetido a sessões de Musicoterapias, e, principalmente,
quando a música possui vínculo com o paciente.

A World Federation of Music Therapy define musicoterapia como um processo


estruturado para facilitar e promover a comunicação, o relacionamento, a
aprendizagem, a mobilização, a expressão e a organização (física, emocional,
mental, social e cognitiva) que desenvolve potenciais e recupera funções do
indivíduo de forma que ele possa alcançar melhor integração entra e interpessoal e,
consequentemente, uma melhor qualidade de vida .

Não se sabe ao certo o motivo, mas a última memória a ser perdida pelo paciente
com DA é a memória Musical, e esta, por sua vez, serve como intermédio para o
resgate de algumas memórias antigas (memória de longo Prazo).

Em síntese, quando pacientes com DA são submetido a sessões musicais, muitos


conseguem refazer a ligação com o seu passado, mesmo que de maneira simplória,
e, desta forma, melhoram a sua qualidade de vida, por meio da conexão com si
mesmo.
OBJETIVO

O objetivo deste estudo é provar a melhoria da qualidade de vida dos Pacientes com
Doença de Alzheimer, através da intervenção por meio de sessões de escuta
musical. Além disso, pretende-se uma inserção do paciente com DA no convívio
Social, proporcionando uma maior integração entre pacientes e não pacientes.

Além da melhora da qualidade de vida como resultado final, este estudo tem a
intenção de resgatar memórias nos pacientes com DA, promover o estímulo
cognitivo, e, também, verificar as diferenças dos sintomas da depressão do antes e
pós das sessões musicais.
METODOLOGIA

Os Pacientes com DA serão submetidos a duas sessões de escuta musical por


semana. Primeiramente, escutarão obras que possuam ligação com o seu passado,
e, depois, obras que não possuam esta conexão.

Para a comprovação da melhoria da qualidade de vida, serão aplicas escalas de


depressão e também computadas as informações do cuidador sobre o
comportamento do paciente do antes e do depois das sessões de escuta musical.
Além disso, as sessões serão filmadas e as diferentes expressões faciais serão
fotografadas e comparadas.
BIBLIOGRAFIA

LEAO, Eliseth Ribeiro; FLUSSER, Victor. Música para idosos institucionalizados:


percepção dos músicos atuantes. Rev. esc. enferm. USP, São Paulo, v. 42, n. 1,
Mar. 2008 . Available from . access on 01 Sept. 2011.
http://dx.doi.org/10.1590/S0080- 62342008000100010..

SAYEG, Norton e GORZONI, Milton. Doença de Alzheimer. In: Revista Brasileira de


Medicina. vol. 50, n. 11. nov. 1993.

FORTUNA, Sonia Maria Castelo Branco. Doença de Alzheimer, qualidade de vida e


terapias. São Paulo: Alínea, 2005.

CUNHA, Rosemyriam. MUSICOTERAPIA NA ABORDAGEM DO PORTADOR DE


DOENÇA DE ALZHEIMER. Revista Científica/FAP, v.2, janeiro/dezembro, 2007,
16p.

ROCHA, Viviane Cristina da; BOGGIO, Paulo Sérgio. A música por uma óptica
neurocientífica. Per musi, Belo Horizonte, n. 27, Junho 2013.