Você está na página 1de 25

1

UNIP - UNIVERSIDADE PAULISTA

VITOR LUCAS SILVA ALVES RA- 1921614

BANCO DO BRASIL

PIM III

ABADIANIA-GO

2019
2

UNIP - UNIVERSIDADE PAULISTA

VITOR LUCAS SILVA ALVES RA- 1921614

BANCO DO BRASIL

PIM III

Projeto Integrado
Multidisciplinar III para curso técnico
superior em gestão financeira
apresentado à Universidade Paulista –
UNIP

ABADIANIA-GO

2019
3

RESUMO

No Projeto Integrado Multidisciplinar (PIM III), do Curso superior em gestão


financeira inclui as seguintes disciplinas: Recursos humanos da administração
pública, Contabilidade e Estatística aplicada. Tem como objetivo realizar a análise
da empresa BANCO DO BRASIL, que atua como intermediário nas operações de
compra e venda de ações via agências e internet. Para elaboração do projeto, foi
realizado estudo das disciplinas abordadas no semestre, empregando o conteúdo
estudado e a realidade da própria empresa.

Palavras-chave: Analise do sistema de recursos humanos, Contabilidade e


Estatística aplicada.
4

ABSTRACT

The Integrated Multidisciplinary Project (PIM III) of the Higher Course in


Financial Management includes the following subjects: Public Administration
Human Resources, Accounting and Applied Statistics. Its objective is to perform
the analysis of the company BANCO DO BRASIL, which acts as an intermediary
in the operations of buying and selling shares through agencies and internet. To
elaborate the project, a study of the subjects approached in the semester was
carried out, using the studied content and the reality of the company itself.

Keywords: Human Resources System Analysis, Accounting and Applied


Statistics.
5

SUMÁRIO

1. INTRODUÇÃO......................................................................................
06
2. DESCRIÇÃO DA EMPRESA................................................................
07
2.1 Missões, Valores e Visão da empresa.................................................
07
3. DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS.......................
08.09
3.1 ONOGRAMA DA ENTIDADE BANCO DO BRASIL....................... 09.10
3.2PLANEJAMENTO ESTRATÉTICO RECURSOS HUMANOS…10.11.12
3.3 GESTÃO DE PESSOAS DO BANCO DO BRASIL....................12.13.14
4.CONTABILIDADE..............................................................................14.15
4.1 PATRIMÔNIO LIQUÍDO DO BANCO DO
BRASIL................................15
4.3 PATRIMÔNIO.................................................................................15.16
4.4BALANÇO PATRIMONIAL E PATRIMONIO LÍQUIDO..............16.17.18
4.5 FLUXO DE CAIXA.....................................................................18.19.20
5. ESTATÍSTICA
APLICADA................................................................20.21
5.1 ÍNDICE DE SATISFAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DO
BB...............21.22
5.2 ENGANJAMENTO DE FUNCIONARIOS.........................................23
5.3 ESTATÍSTICA DE CRIMES PARA
TRABALHADORES..................23.24
6

1. INTRODUÇÃO

O BB (Banco do Brasil) fundado em 12 de outubro de 1808, foi a primeira instituição


bancária a operar no pais com mais de 200 anos de existência. A marca “Banco do
Brasil” é uma das mais conhecidas e valorizadas pelos brasileiros, que reconhecem
na instituição confiança, credibilidade, segurança e modernidade.
A vocação do BB para políticas públicas tem como foco no desenvolvimento
sustentável do país e no comunitário, sendo um importante diferencial da empresa.
Diferencial que pode ser conferido na DRS (Estratégia de Desenvolvimento
Sustentável). Por meio da adoção de práticas economicamente viáveis,
ambientalmente corretas e socialmente justas a estratégia negocial DRS busca
aperfeiçoar economicamente locais, gerar trabalho e garantir renda de forma
sustentável, inclusiva e participativa.
Em 2010, ano que comemorou 202 anos, o Banco do Brasil permaneceu
como a maior instituição financeira da América latina, somando 811,2 bilhões em
ativos. Para assegurar sua liderança em um país continental, o Banco do Brasil
atua em todos os setores do mundo financeiro desde o bancário, passando por
cartões, administração de recursos de terceiros, seguros, previdência e
capitalização.
7

Com abrangência nacional e presente em mais de 3.550 municípios


brasileiros por meio da sua rede própria de atendimento. O Banco do Brasil possui
presença física em 23 países, e por meio de uma rede de 1.039 bancos
correspondentes, alcança 140 países. O Banco do Brasil possui mais de 109 mil
funcionários e com mais de 54,4 milhões de clientes.

2. Descrição da empresa

O Banco do Brasil tem como razão social: “BANCO DO BRASIL S.A”,


inscrita sob o número de CNPJ 00000000000191, é uma sociedade de
economia mista, com participação do Governo Federal do Brasil em 54% das
ações. Existe a mais de 210 anos no brasil.
A empresa foi aberta no ano de 1808, por João IV de Portugal onde
se fundou em Rio de Janeiro. Desde então o Banco do Brasil vem crescendo
e inovando sempre para melhor atender aos seus clientes.

2.1 Missão, Valores e Visão da Empresa.

Missão:
O alinhamento dos negócios com os princípios da sustentabilidade e do
desenvolvimento sustentável do Brasil e cumprir sua função pública com
eficiência.

Visão:
A “visão do futuro” do Banco do Brasil, atualizada para o período 2011-
2015, mantém os compromissos históricos.
O Banco acredita que cada desafio enfrentado, cada decisão tomada em
harmonia com está visão guiará a empresa em direção ao crescimento e ao
desempenho esperado pelos acionistas, pelas sociedades, pelos clientes e por
8

todos os colaboradores e públicos de interesse.


Valores:
Respeito ao consumidor
Ética e transparência
Marca com diferencial competitivo
Comprometimento com solidez, rentabilidade, eficiência e inovação
Para a atividade de gestão de riscos
Respeito a diversidade
Compromisso com acionistas e a sociedade

3. DESENVOLVIMENTO DE RECUSRSOS HUMANOS

O setor de recursos humanos dentro de uma empresa desempenha


um papel muito importante, pois é através dele que o administrador pode
perceber o que realmente seus funcionários necessitam e planejar um plano
de ação para resolver esse problema
“Quando se fala em Administração de Recursos humanos, torna-se
como referência a administração das pessoas que participam das
organizações e que nelas desempenham determinados papéis. ”
(Chiavenato, 2002, p. 19)
As pessoas fazem parte da organização, sem elas nada funciona
dentro da empresa. Administrar pessoas significa lidar com elas, que fazem
parte da empresa. Há diversas formas de organizações que compõem um
mercado, mas todas elas buscam atingir seus objetivos e suas metas nesse
mercado que está se inovando constantemente, e as empresas devem saber
se inovar e acompanhar esse mercado com grande crescimento, e é através
dessas pessoas que compõem a organização, que o administrador irá atingir
o que a empresa busca.
O contexto em que funciona a Administração de Recursos
9

Humanos é representado pelas organizações e pelas pessoas que delas


participam. As organizações são constituídas de pessoas e dependem delas
para atingir os seus objetivos e também cumprir suas missões. E para as
pessoas, as organizações constituem um meio pelo qual elas podem
alcançar vários objetivos pessoais, com um mínimo de custo de tempo, de
esforço e de conflito. Muitos desses objetivos pessoais jamais poderiam ser
alcançados apenas por meio do esforço pessoais isolado. As organizações
surgem exatamente para aproveitar a sinergia dos esforços de vários
indivíduos que trabalham em conjunto. (Chiavenato, 2002, p. 19)
As pessoas passaram a desempenhar um papel importante dentro de
todas as organizações, não são consideradas somente instrumentos de
trabalho, mas sim ferramentas que ajuda no desenvolvimento da empresa, a
cada dia os administradores reconhecem as habilidades que esses
funcionários desenvolvem na organização em que trabalha.

3.1 ONOGRAMA DA ENTIDADE BANCO DO BRASIL


A estrutura de governança corporativa do Banco do Brasil é composta
pela Assembleia Geral, pelo Conselho de Administração, assessorado pelo
Comitê de Auditoria e pela Auditoria Interna, e pela Diretoria Executiva,
formada pelo Conselho Diretor (presidente e nove vice-presidentes) e por 26
diretores estatutários. O BB mantém ainda, em caráter permanente, um
Conselho Fiscal
10

Os principais órgãos da Administração são o Conselho de


Administração (CA), o Conselho Diretor (CD) e a Diretoria Executiva (DE).
Seus membros devem ser brasileiros, dotados de notórios conhecimentos,
inclusive sobre as melhores práticas de governança corporativa e de
sustentabilidade, experiência, idoneidade moral, reputação ilibada e
capacidade técnica compatível com o cargo, conforme estabelecido no artigo
11 do Estatuto do Banco do Brasil.

3.2 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO BANCO DO BRASIL

Administrar mais de 100 mil empregados espalhados por mais de


5.000 pontos de atendimento não é uma tarefa simples. Este gigantismo é
usado como argumento para promover (se compararmos com a concorrência,
vide benchmarking, este argumento cai por terra, afinal o Bradesco também é
grande) a centralização excessiva e defensiva do processo decisório através
de uma otimização engessadora. Como dar flexibilidade e autonomia para
que as agências, que são a base da organização, possam atuar como
devem? Buscar-se-á no benchmarking alternativas que permitam refletir sobre
as causas deste engessamento, e como pensar sobre a promoção da
mudança. O benchmarking, ao permitir a comparação com as empresas
excelentes de um mesmo setor, nos oferece elementos empíricos concretos
sobre os quais pode-se refletir sobre as causas das dificuldades da empresa
escolhida como objeto do estudo de caso. Busca-se compreender,
fundamentalmente, que elementos de gestão teriam mais probabilidade de
trazer uma mobilidade capaz de tornar o Banco do Brasil competitivo e
proativo em um mercado em constante mutação e que pune implacavelmente
as empresas que não acompanham as suas exigências.
O Banco do Brasil atua em um cenário complexo, caracterizado pela
interdependência das relações entre a empresa e os seus públicos de
relacionamento, que reconhecem a necessidade de fortalecimento dos
11

vínculos entre a marca e os stakeholders.


A partir dessa percepção, o processo de planejamento
estratégico inicia-se com os estudos de inteligência competitiva, quando
monitorada a indústria financeira, os concorrentes e outros players fora da
indústria, analisando seu posicionamento e suas estratégias nos mais
variados negócios e processos.
São realizados também análises externas (microambiente),
identificando tendências, temas emergentes e incertezas que podem impactar
o ambiente financeiro e influenciar na dinâmica competitiva da organização,
como o aumento da regulação dos sistemas financeiros nacional e
internacional, maior participação de serviços nas receitas dos bancos,
crescimento dos serviços financeiros digitais, intensificação dos crimes contra
instituições do sistema financeiro, elevação do padrão de exigência e do
poder de negociação dos consumidores, entre outros.
Empregamos essas informações na construção de diferentes cenários
que combinam visões da macroeconomia, da indústria financeira e de
mercados relevantes para o Banco do Brasil no horizonte temporal de cinco
anos. Esses cenários prospectivos fundamentam discussões estratégicas em
que buscamos identificar os principais desafios. Com base nesses insumos,
na avaliação de estratégias e no diagnóstico do ambiente interno, definimos
os objetivos estratégicos da organização. Dessa forma, considerando os
riscos e as oportunidades para o ciclo estratégico, identificamos desafios que
impactam diretamente o Banco. Alguns destaques são: rentabilidade e gestão
do capital, eficiência, negócios digitais e melhoria da experiência dos clientes.
A Estratégia do Banco do Brasil é corporativa e fruto do trabalho
participativo entre diversas áreas. Na etapa de avaliação dos ambientes
externo e interno, as áreas e especialistas do mercado participam fornecendo
e construindo conteúdos que apoiam as discussões estratégicas. Na etapa de
desenvolvimento da estratégia, são realizados encontros com a Diretoria
Executiva e os Conselhos Diretor e de Administração, com o fim de debater e
definir a Estratégia da Marca e propostas de desafios, movimentos e objetivos
estratégicos do BB.
Considerando as análises efetuadas, mantivemos a Estratégia da
Marca, por seu caráter permanente, e realizamos ajustes pontuais nas
12

orientações estratégicas para maximizar o alcance dos objetivos na revisão


anual da Estratégia Corporativa do Banco do Brasil para o período 2015-
2019.
A essência da marca Banco do Brasil, norteada pelo conceito “Banco
de mercado com espírito público”, foi materializada na Crença, na Missão, na
Visão e nos Valores da empresa.
Considerando a Estratégia da Marca do BB, as escolhas estratégicas
para o período visam conciliar o planejamento de capital, a rentabilidade
ajustada ao risco no crescimento de negócios e o retorno para os acionistas.
Pautados nos princípios da sustentabilidade, continuaremos priorizando o
aumento da rentabilidade, da eficiência, da produtividade e das receitas com
prestação de serviços.

3.2 GESTÃO DE PESSOAS NO BANCO DO BRASIL

O conceito de Gestão de Pessoas é uma associação de


habilidades e métodos, políticas, técnicas e práticas definidas, com o objetivo
de administrar os comportamentos internos e potencializar o capital humano
nas organizações. Fazer a Gestão de Pessoas é uma garantia de que todas
as necessidades dos funcionários serão atendidas e de que os mesmos
estarão dentro dos cargos e funções que têm a capacidade para exercer. Se
você não conseguir ter esse controle, provavelmente terá problemas em gerir
seu time, o que pode gerar conflitos internos, alta rotatividade de pessoas e,
consequentemente, a baixa lucratividade e cancelamento de contratos da
corporação.
No Banco do Brasil a gestão de pessoas propõe incorporar os
princípios do desenvolvimento sustentável no planejamento de suas
atividades, negócios e práticas administrativas, envolvendo os seus
stakeholders.A relação do Banco do Brasil com seus funcionários é norteada
por uma política de Gestão de Pessoas que visa transformar o potencial de
cada um em diferencial competitivo, por meio da educação corporativa, da
transparência e dos programas de ascensão, de qualidade de vida,
recompensa e gestão do desempenho.A avaliação do desempenho
organizacional vai além dos indicadores de natureza econômica,
13

contemplando a geração de valores sociais como a defesa dos direitos


humanos e do trabalho, o bem-estar dos funcionários, a promoção da
diversidade, o respeito às diferenças e a inclusão social.
A eleição do Banco do Brasil como uma das melhores
empresas para se trabalhar decorre destes fatos acima destacados, mas
também por outras iniciativas como a concessão da licença-maternidade de
seis meses; o Programa Pró-equidade de Gênero; o Plano Odontológico; os
Comitês de Ética; a realização de dois certames de certificação interna de
conhecimentos.
O BB encerrou o exercício de 2010 com 109.026 funcionários,
ante os 103.971 em 2009. Já a taxa de rotatividade do Banco do Brasil ficou
em 5,35%, com 5.700 funcionários desligados. Para atender a demanda de
melhores produtos e serviços, o Banco do Brasil investe em treinamento e
educação de seus funcionários. Ao final de 2010 havia no Banco 9.323
funcionários bolsistas nas modalidades graduação e pós-graduação.
Considerando treinamentos em geral, e cursos de formação superior
(graduação e pós-graduação) o Banco do Brasil registrou 13,55 milhões de
horas de treinamento ao final de 2010. Além disso, o Banco do Brasil
disponibilizou a seus funcionários a participação no Programa de Certificação
Interna de Conhecimentos, como estratégia de capacitação e qualificação
profissional. Ao final de 2010, 36,8 mil funcionários foram certificados. O
Banco do Brasil incentiva a obtenção de certificações tais como a CPA 10 e a
CPA 20. Estas certificações destinam-se à certificação dos profissionais que
desempenham atividades de comercialização e distribuição de produtos de
investimento nas agências. Ao final de 2010, 61,4 mil funcionários possuíam
tais certificações e o Banco do Brasil é a instituição financeira com maior
número de funcionários certificados. Vale ressaltar que o Banco do Brasil
incentiva a obtenção de certificados em prevenção e combate à lavagem de
dinheiro sendo que, no ano de 2010, foram certificados 3.003 funcionários.
Para auxiliar seus funcionários a aprimorar seus talentos, crescer
profissionalmente e contribuir para a realização dos negócios, o Banco do
Brasil investe em capacitação e também conta com a Universidade
Corporativa do Banco do Brasil.
O Banco possui iniciativas que visam garantir a qualidade de
14

vida no trabalho de seus funcionários, desenvolvendo e gerenciando vários


programas que visam à melhoria na qualidade de vida dos funcionários, tais
como PCMSO (Programa de Controle Médico da Saúde Ocupacional), Sesmt
(Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do
Trabalho do BB), Tabas (Programa de Controle do Tabagismo), Pavas
(Programa de Assistência às Vítimas de Assalto e Sequestro), Programa de
Reconhecimento de Funcionários e Programa de Qualidade de Vida no
Trabalho. Desde 2003 o Banco do Brasil inclui em seus EPS (Exames
Práticos de Saúde) uma série de exames, estratégias e ações que visam a
prevenção de doenças, ainda que não ocupacionais, e a promoção da saúde,
tais como exames preventivos de cânceres ginecológicos (útero, mamas, etc.)
e masculinos (próstata); avaliações e orientações sobre estresse e riscos
coronarianos; orientações educativas e preventivas, tratamento para
eliminação do hábito do tabagismo; avaliação específica do sistema
osteomuscular; adoção de pausas e redução da jornada de trabalho por
indicação médica nos casos de distúrbios osteomusculares; e exames
laboratoriais para avaliação do colesterol total, HDL, trigliceridemia e glicemia.
Esses e outros vários programas que o Banco do Brasil
oferece aos seus funcionários da empresa, que visa sempre no conforto e
bem-estar do trabalhador.
A empresa visa sempre melhoras para seus funcionários e
clientes oferecendo sempre um bom desempenho em seu dia a dia. Mas, a
empresa vem caindo seu desempenho ao passar dos anos até reduzindo o
seu número de funcionários. Com um programa de reconstrução de cargos e
pontos de atendimento, além do lançamento de um programa com
desligamento incentivado e da criação de uma entidade de inteligência
artificial, ou seja, o Banco do Brasil busca sempre inovações para a sua
empresa.

4. CONTABILIDADE

Segundo Santos (2007) a contabilidade relata asmutações sofridas


pelo patrimônio da entidade e gera informações quantitativas e qualitativas
sobre ela, tanto em termo físico e monetário.
15

No livro da UNIP (2002) Santos descreve três funções diferentes


exercidas pela contabilidade

1- Orientação: compreender a elaboração de relatórios contábeis


(balanço patrimonial e resultado do exercício) por meio dos quais é
comunicada a situação econômica e financeira da entidade, com o
objetivo de informações úteis.

2- Controle: constitui- se de processos pelos quais a administração é


informada de que a entidade está agindo de acordo com os planos
e as políticas anteriormente estabelecidas.

3- Registro: para que possa existir controle e orientação, é necessário


que os fatos econômicos e financeiros que ocorrem numa entidade
sejam registrados. Entende-se por registro, a análise e a
classificação dos fatos, bem como a escrituração e o arquivo dos
documentos gerados pelos fatos.

4.1 PATRIMÔNIO LIQUÍDO DO BANCO DO BRASIL

A companhia Banco do Brasil encerrou o segundo trimestre de 2019 com um


lucro líquido de R$ 4,20 bilhões. No acumulado dos últimos doze meses, a
empresa acumulou um lucro líquido de R$ 14,93 bilhões. No dia 30 junho 2019,
a companhia Banco do Brasil possuía um ativo total de R$ 1,60 trilhão e um
patrimônio líquido de R$ 91,69 bilhões.O resultado representa um aumento de
45,7% na comparação com os 3 primeiros meses do ano passado, quando a
instituição lucrou R$ 2,7 bilhões. Se comparado com o resultado do 4º trimestre,
o lucro foi 5,3% maior.Já o lucro líquido ajustado do banco, que exclui itens
extraordinários, somou R$ 4,2 bilhões no período entre janeiro e março, valor
40,3% maior se comparado ao mesmo período de 2018.

"Esse foi o maior resultado nominal em um trimestre na história do BB",


informou o banco, em comunicado.
16

4.2 PATRIMÔNIO

Segundo o dicionário MICHAELIS (2000) o patrimônio é quaisquer


bens materiais ou morais, pertencentes a uma pessoa, instituição ou
coletividade.
O capital social do Banco do Brasil, totalmente subscrito e
integralizado, de R$ 67.000.000 mil (R$ 67.000.000 mil em 31.12.2017 e em
31.03.2017) está dividido em 2.865.417.020 ações ordinárias representadas
na forma escritural e sem valor nominal. A União Federal é a maior acionista,
detendo o controle.
O Banco poderá, independentemente de reforma estatutária, por
deliberação e nas condições determinadas pela Assembleia Geral dos
Acionistas, aumentar o Capital Social até o limite de R$ 120.000.000 mil,
mediante a emissão de ações ordinárias, concedendo-se aos acionistas,
preferência para a subscrição do aumento de capital, na proporção do número
de ações que possuírem.
O Banco do Brasil é um dos maiores do Brasil com um enorme capital
social que traz benefícios para a economia do país.
Em 26.09.2012, o Banco do Brasil firmou Contrato de Mútuo com a
União, na qualidade de instrumento híbrido de capital e dívida, no valor de até
R$ 8.100.000 mil, sem prazo de vencimento, com remuneração prefixada,
pagamentos de juros semestrais, cujos recursos foram destinados ao
financiamento agropecuário

4.3 BALANÇO PATRIMONIAL E PATRIMONIO LÍQUIDO

O balanço patrimonial é uma demonstração contábil que tem, por


finalidade, apresentar a posição contábil, financeira e econômica de uma
entidade (em geral, uma empresa) em determinada data, representando uma
posição estática (posição ou situação do patrimônio em determinada data). ...
Patrimônio Líquido = Ativo - Passivo.
A companhia Banco do Brasil encerrou o segundo trimestre de 2019
com um lucro líquido de R$ 4,20 bilhões. No acumulado dos últimos doze
17

meses, a empresa acumulou um lucro líquido de R$ 14,93 bilhões. No dia 30


junho 2019, a companhia Banco do Brasil possuía um ativo total de R$ 1,60
trilhão e um patrimônio líquido de R$ 91,69 bilhões.

BALANÇO PATRIMONIAL
2T 2019

Ativo total 1.601.798.332 Passivo total 1.601.798.332


Ativo circulante 930.820.082 Passivo 1.201.840.117
Circulante
Ativo Realizável a 629.082.491 Passivo Exigível 308.052.098
Longo Prazo Longo Prazo
Ativo permanente 41.895.759 Resultados de 308.052.09
Exercícios
Futuros
Patrimônio Líquido 91.685.951

O banco teve uma alta de 45,7% em comparação com o de mesmo


período em 2018. Esse valor é correspondente a R$ 4 bilhões de lucro
líquido.
No ano anterior o Banco do Brasil registrou um lucro total de R$ 2,7
bilhões. A instituição atribui ao crescimento: a redução de despesas de
provisão de crédito, o aumento das rendas de tarifas e da margem financeira,
além do controle de custos.
“Esse foi o maior resultado nominal em um trimestre na história do
Banco do Brasil“, afirmou a instituição. Já o retorno sobre o patrimônio líquido
do BB atingiu 16,8%, uma alta de 1,4%. Entretanto, esse desempenho
continua abaixo do registrado pelos concorrentes.

BALANÇO PATRIMONIAL

NOTA 31/03/19 31/12/18


ATIVO CIRCULANTE 1.458.726 1.929.239
Caixa e equivalentes de caixa 559.079 877.938
Ativos por impostos correntes 85.669 44.348
Comissões a receber 813.969 1.006.939
Outros ativos 9 14
ATIVO NÃO CIRCULANTE 1.171.839 1.149.957
18

Ativos financeiros ao valor justo por meio do resultado 441.488 434.767


Ativos financeiros mensurados pelo custo amortizado 501.400 493.531
Investimentos em Participações Societárias 17.537 19.072
Ativos por impostos diferidos 9.681 8.864
Outros ativos 201.733 193.723
TOTAL DO ATIVO 2.630.565 3.079.196

NOTA 31/03/19 31/12/18


PASSIVO CIRCULANTE 1.113.907 2.034.698
Dividendos a pagar -- 515.602
Provisões trabalhistas, fiscais e cíveis 10.458 17.880
Passivos por impostos correntes 243.984 606.483
Comissões a apropriar 816.478 858.846
Outros passivos 42.987 35.887
PASSIVO NÃO CIRCULANTE 1.054.127 997.590
Provisões trabalhistas, fiscais e cíveis 8.187 --
Comissões a apropriar 1.045.940 997.590
TOTAL DO PASSIVO 2.168.034 3.032.288

NOTA 31/03/19 31/12/18


PATRIMÔNIO LÍQUIDO 462.531 46.908
Capital social 36.211 36.211
Reserva de capital 4.975 4.975
Reservas de lucro 5.888 5.888
Outros resultados abrangentes acumulados (166) (166)
Lucros Acumulados 415.623 --
TOTAL DO PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO 2.630.565 3.079.196

4.4 FLUXO DE CAIXA

O fluxo de caixa do Banco do Brasil entre o 1° trimestre de 2018 em


relação ao 1° trimestre de 2019
19

Fluxo de caixa proveniente das operações 31/03/19 31/12/18

Lucro líquido do período 415.623 391.370

Ajustes ao lucro:
Resultado de investimentos em participações societárias 1.535 --
Constituição e reversão com provisões cíveis, fiscais e 765 (999)
trabalhistas
Atualização líquida de dividendos 5.487 3.951
Lucro ajustado 423.410 394.322

Variações patrimoniais
Ativos financeiros a valor justo por meio do resultado (6.721) (6.713)
Ativos por impostos correntes e diferidos (42.138) (28.545)
Comissões a receber 192.970 49.730
Outros ativos (8.005) (2.192)
Comissões a apropriar 5.982 (30.225)
Passivos por impostos correntes e diferidos (362.499) (285.984)
Outros passivos 7.100 2.293
CAIXA GERADO (CONSUMIDO) PELAS ATIVIDADES 210.099 92.686
OPERACIONAIS

Fluxo de caixa proveniente de investimento


Variação dos ativos financeiros mensurado ao custo (7.869) (7.807)
amortizado
CAIXA GERADO (CONSUMIDO) PELAS ATIVIDADES (7.869) (7.807)
DE INVESTIMENTO

Fluxos de caixa provenientes das atividades de


financiamento
Dividendos pagos (521.089) (345.499)
CAIXA GERADO (CONSUMIDO) PELAS ATIVIDADES (521.089) (345.499)
DE FINANCIAMENTO

Variação líquida de caixa e equivalentes de caixa (318.859) 260.620)


Início do período 877.938 743.746
Fim do período 559.079 483.126
Aumento/(redução) de caixa e equivalentes de caixa (318.859) (260.620)

Informações complementares das operações


Imposto de renda pago no período 417.602 368.869
Contribuição social paga no período 159.899 139.119
Total dos impostos pagos 577.501 507.988
20

O Banco do Brasil lucrou R$ 4,2 bilhões no 1º trimestre de 2019,


crescimento de 40,3% em relação ao mesmo período de 2018. Segundo o
banco, o resultado “foi impactado pelo aumento da Margem Financeira Bruta,
pela redução das despesas de provisão de crédito, pelo aumento das rendas
de tarifas e pelo controle de custos, que desempenharam abaixo da inflação”.
O retorno sobre o patrimônio líquido trimestral (RPSL) cresceu de 12,6% para
16,8% em relação ao 1º trimestre de 2018.
“É triste ver que o BB aumenta seu lucro na medida em que abandona
o atendimento ao povo mais pobre do país”, observou o secretário geral da
Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-
CUT), Gustavo Tabatinga, que é funcionário do banco.
Apesar do lucro, o banco público vem adotando a mesma política dos
bancos privados com relação ao fechamento de agências. Nos três primeiros
meses de 2019 o banco fechou 31 agências e 187 postos de atendimento.
Com o fechamento de agências, a cada dia aumenta o número de
cidades e bairros sem nenhuma unidade bancária. As pessoas precisam
realizar grandes deslocamentos para encontrar uma agência. Isso também
prejudica a economia das localidades onde não há agências bancárias,
principalmente o comércio local, uma vez que não há circulação de recursos
na cidade.
Com relação ao emprego, ao fim de março de 2019, o BB contava com
96.567 funcionários, com fechamento de 1.414 postos de trabalho em doze
meses.

5. ESTATÍSTICA APLICADA

Estatística aplicada é a ciência que se utiliza das teorias probabilísticas


para explicar a frequência da ocorrência de eventos, tanto em estudos
observacionais quanto em experimentos para modelar a aleatoriedade e a
incerteza de forma a estimar ou possibilitar a previsão de fenômenos futuros,
conforme o caso
Segundo Vieira (2013, p.1), a estatística é a ciência que fornece os
princípios e a metodologia para coleta, organização, apresentação, resumo,
análise e interpretação de dados. Seguindo este raciocínio é recorrente que
21

tal conhecimento torna-se parte fundamental de diversas áreas,


principalmente da área de pesquisas científicas. Através desta área é possível
aumentar o lucro das empresas, aumentar a qualidade dos processos ou
produtos, minimizar custos, tomar decisões de valor político ou econômico,
aumentar a análise crítica, entre outros.
Ao analisar uma empresa em suas quatro principais áreas: finanças,
produção, marketing e recursos humanos, percebe-se que os métodos
estatísticos influenciam diretamente ou indiretamente cada um destes
elementos. Enquanto nas finanças e na produção são feitas análises que
apontam valores quantitativos e são afetadas diretamente por estes
resultados, nas áreas de marketing e recursos humanos esses impactos
ocorrem de forma indireta. Reconhecendo as áreas citadas verifica-se um
enorme potencial de crescimento da empresa. Presume-se utilizar dos
conceitos e das fórmulas da área como indicadores de decisão para as
empresas e solução de problemas.
A estatística faz parte da área de estudo de pesquisa operacional que
oferece ferramentas para identificar problemas através de seus sintomas e
procurar solucioná-los para tomar a decisão correta (ANDRADE, 2009).

5.1 ÍNDICE DE SATISFAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DO BANCO DO BRASIL

O comprometimento com qualidade de vida, aprimoramento


profissional satisfação de seus funcionários e colaboradores está expresso
nas políticas do Conglomerado, onde se destacam os compromissos em:
Buscar conciliar os interesses do Conglomerado com os interesses dos
funcionários e suas entidades representativas, tendo a negociação como
prática permanente;
 Criar e manter condições de qualidade e segurança no ambiente de
trabalho e assegurar aos funcionários condições previdenciárias,
assistenciais, e de saúde que propiciem melhoria da qualidade de vida e do
desempenho profissional;
 Observar o desempenho profissional como referência nas decisões
que digam respeito a desenvolvimento, reconhecimento, retribuição e
22

ascensão profissional, utilizando critérios previamente estabelecidos e


baseados no mérito, competência e contribuição ao Conglomerado;
Considerar as práticas de mercado na retribuição aos funcionários;
Adotar os princípios de aprendizado contínuo e investir em educação
corporativa para permitir o desenvolvimento pessoal e profissional;
Manter contratos e convênios com instituições que asseguram aos
colaboradores condições previdenciárias, fiscais, de segurança do trabalho e
de saúde;
Atuar em conformidade com as orientações da Declaração Tripartite de
Princípios sobre Empresas Multinacionais e Política Social, da Organização
Internacional do Trabalho, das Diretrizes para Empresas Multinacionais, da
Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico, e as
Declaração Universal dos Direitos Humanos, da
Organização das Nações Unidas.
Não e atoa que o Banco do Brasil é um dos mais concorridos por vagas
de emprego em todo Brasil, ele abrange um imenso nível de benefícios aos
funcionários de sua empresa favorecendo em várias áreas como saúde,
segurança e entre outras.
Satisfação de clientes do Banco do Brasil
Grau de satisfação de 0 a 100
2014 2015 2016 2017

80,41 75,24 74,38 63,701


68,742

Nota-se que o grau de satisfação dos funcionários da empresa Banco


do brasil por meio de dados vem ao decorrer do tempo diminuindo comparado
aos anos anteriores sendo que de 2014 para 2017 teve um declínio de 11,67
ou seja, foi algo bem grande e inesperado pois, a meta para 2017 era de
78,483

5.2 ENGAJAMENTO DE FUNCIONÁRIOS

Os funcionários engajados investem em hora extra, esforço e iniciativa


23

para contribuir para o sucesso da empresa. Eles possuem pensamentos de


dono, trazendo entusiasmo, paixão e energia para o trabalho que
desenvolvem.
Engajamento de funcionários do Banco do Brasil em (%)

Total em (%) 2017 2016 2015

Total de engajados 60,62 64,51 64,51

Feminino 58,30 62,50 62,50

Masculino 62,20 65,90 65,90

A meta estabelecida para 2017 era retornar ao patamar de 64,51% de


funcionários ativamente engajados medido em 2015/2016. O não atingimento
dessa meta justifica-se pelo impacto da reorganização institucional que
implementamos no segundo semestre de 2016, com consequências para
parte do funcionalismo até o fim do primeiro semestre de 2017. O conjunto de
medidas executadas na reorganização institucional, que teve como objetivo
adequar nossa estrutura a um cenário cada vez mais dinâmico e desafiador,
produziu uma série de movimentações de pessoal, o que influencia
diretamente a percepção e o sentimento dos funcionários.

5.3 ESTATÍSTICA DE CRIMES PARA TRABALHADORES

O Fantástico, da TV Globo, exibiu uma matéria sobre os crescentes


casos no país de sequestro de familiares de gerentes de banco por quadrilhas
de criminosos que visam o dinheiro das agências como pagamento do
resgate. Em Minas Gerais, estado que registra o maior número das
ocorrências este ano, as ações são comandadas de dentro de presídios.
A reportagem, no entanto, omite que bancários alvos dos bandidos
também são vítimas de demissões após o crime. Além disso, mostra que o
setor bancário apresenta à mídia hegemônica estatísticas desse tipo de
crime, que são desconhecidas do movimento sindical bancário, apesar de
cobradas pelas entidades representativas dos trabalhadores.
24

Além do sequestro de familiares de gerentes, que resulta em tortura


psicológica contra os trabalhadores, os bancos omitem também estatísticas
de outras modalidades de crimes, entre elas a chamada “saidinha de banco”.
À TV Globo, o setor informou que desde 2017 foram registrados no
país 100 casos de sequestro de familiares de bancários, onze deles apenas
no estado de São Paulo.
Os bancários vítimas de sequestro, que escolhem acertadamente,
mesmo em uma situação extrema de violência psicológica e por vezes física,
a preservação da sua vida e a de seus familiares, são demitidos por um setor
que prioriza o dinheiro que já está segurado.
O gerente da agência do Banco do Brasil de Santo Antônio do
Leverger, a 35 km de Cuiabá, e a família dele foram sequestrados em Cuiabá.
Conforme o delegado Diogo Santana, da Gerência de Combate ao
Crime Organizado (GCCO), o tipo de crime é conhecido como “sapatinho”.
Nesse caso, o gerente é liberado para ir ao banco fazer o saque do
dinheiro, enquanto a família é mantida refém.
Esse tipo de sequestro vem aumentando cada vez mais em cada ano
Minas Gerais, já contabilizou quatro sequestros de bancários em 2019
O crime do sapatinho se enquadra na modalidade de extorsão
mediante sequestro, que cresceu quase 36,2% no estado na comparação
entre 2017 e 2018.
Os números disponibilizados no site da Secretaria de Estado de
Segurança Pública (Sesp) mostram que, em 2017, foram 58 casos no estado,
contra 79 de do ano passado. Somente em 2019, outros três casos foram
registrados, em Serro, e Itaobim, no Alto Jequitinhonha, e Igaratinga, na
Região Centro-Oeste.

6. CONSIDERAÇÕES FINAIS
25

Você também pode gostar