Você está na página 1de 35

EXTERNATO CANTINHO DO CÉU

1º Ciclo do Ensino Secundário

FICHA DE APOIO
DA 10ª CLASSE

Nome do Aluno: _____________________________________ Nº_____, Turma: ____


1º Trimestre
Matola, Março de 2020
A presente ficha é concebida no âmbito do período de suspenção obrigatória das aulas devido ao surto do
CORONAVIROS (COVID-19).

A ficha apresenta tarefas referentes às diversas disciplinas da classe, apresentadas de acordo com as áreas
curriculares, nomeadamente:

1. Comunicação e Ciências Sociais (Português, Inglês, Francês, História e Geografia);


2. Matemática e Ciências Naturais (Biologia, Física, Química, Matemática e Educação Visual);
3. Actividades Práticas e Tecnológicas (Noçóes de Empreendedorismo, Agropecuária e TIC’s).
Importa destacar que, em termos de organização, o texto contém: apontamentos, fichas de exercícios e temas
para investigação.
a) Apontamentos
No que diz respeito aos apontamentos, os alunos devem copiar para os cadernos das respectivas disciplinas
observando as normas de organização do caderno estabelecidas na Instituição.
b) Fichas de Exercícios
Para a resolução dos exercícios, os alunos devem em primeiro fazer a revisão dos conteúdos patentes nos
cadernos e/ou nos livros, pois trata-se por um lado de conteúdos já abordados e por outro de conteúdos que
fazem parte desta ficha. Ademais, poderá consultar outras fontes em função das possibilidades.
c) Temas para Investigação
Relativamente aos temas para investigação, os alunos devem seguir a senguinte estrutura. Estes trabalhos
podem ser digitados ou manuscritos em folhas A4.

Estrutura dos Trabalhos de Investigação a serem produzidos


1. Capa
2. Índice
3. Introdução
4. Resumo Teórico
5. Conclusão
6. Bibliografia
Exemplo de formulação de uma Bibliografia:
a) Se for do Livro: MUCAVELA, Zito Viegas; Física da 11ª Classe; editora plural; 2015.
b) Se for da Internet: www.mundodafísica.co.br. (Extraído no dia 10 de Maio de 2017 às 08:00h)

Para terminar, sugere-se que cada aluno elabore um plano de estudo, de modo a garantir a execução das
tarefas orientadas. Ademais, recomenda-se que o estudo seja realizado no mínimo de segunda a sexta-feira,
preferencialmente no mesmo horário para permitir melhor assimilação/acomodação dos conteúdos.

Votos de Bom Trabalho Campeã (o)!

2
Externato Cantinho do Céu
EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO

Conjugação Perifrástica

Para a resolução das questões seguintes, consulta na Pág. 31 do Livro de Lígua Portuguesa - Plural Editores.

➢ Indica o conceito de conjugação perifrástica.


➢ Como é formada a conjugação perifrástica?
➢ Quais são os valores expressos pela conjugação perifrástica?
➢ Produz frases utilizando a conjugação perifrástica.

Textos Multiusos

Texto expositivo/explicativo Pág. 40/41 Texto Editores


➢ Indica as ideias essenciais expressas pelo texto.
➢ Caracteriza a mancha gráfica do texto.
➢ Identifica a estrutura do texto em análise.
Aponta, a partir do texto:
➢ Enunciados de exposição.
➢ Enunciados de explicação.
➢ Enunciados baliza.
Características linguísticas
Identifica:
➢ Nominalizações.
➢ Frases na voz passiva.
➢ Apagamento do sujeito falante.
➢ Uso do presente do indicativo com valor atemporal.
➢ Articuladores de discurso.
Produção:
Produz, em 30 linhas, um texto expositivo-explicativo subordinado ao tema: “Coronavírus”

3
Externato Cantinho do Céu
Section1
Write three statements or sentences ( third conditional ) .
__________________________________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________________________________
Section2
Make up or write statements
a) Present perfect b) present perfect c) present perfect continuous
d) Past perfect e) future perfect f) future continuous.

Section3
Check in grade 10 books notes about definite and indefinite articles : and give examples.
__________________________________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________________________________

Section4
Checkup quantifiers. Eg: many.
__________________________________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________________________________

5. In no more hundred (100) words write a composition and mention the ways of preventing Coronavirus
in your country ( Mozambique).

__________________________________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________________________________

4
Externato Cantinho do Céu
Pendant les cours de langue français vous avez appris des nouveaux contenus pour communiquer en
français et se débrouiller dans des différentes situations de communication.

Répondez les questions de façon claire et objective.

1. Indiquez l’itinéraire à partir de votre école jusqu’à au Shoprite de Matola. (voir le livre a la page,
18,19,20,21)
__________________________________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________________________________

2. Identifiez les moyens de transports qui vous connaissez (voir pages 26,27)

__________________________________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________________________________

3. Quelle est l’importance de moyens de transports pour le développement économique de ton pays.
__________________________________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________________________________

4. Mentionnez les animaux domestiques et sauvages

__________________________________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________________________________

5. Traduisez ce petit texte en français

« Lavar as mãos com água e sabão de forma constante, é uma das medidas que pode salvar
vidas contra o COVID-19 »
__________________________________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________________________________

5
Externato Cantinho do Céu
EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO

1. A partir de 1885, cumprindo com os compromissos de Berlim, as potências imperialistas iniciaram um


processo de ocupação dos territórios africanos.
a) Que formas de administração foram introduzidas pelos europeus?
b) Caracteriza uma das formas de administração.
c) Que forma de administração foi usada em Moçambique por Portugal?

2. Enumera os tipos de administração usadas pelo colonialismo em África.

3. Copia a frase abaixo e completa-a.


a) No sudoeste africano (Namíbia) os grupos étnicos que impuseram forte resistência aos colonos foram: os
…………….…….. e os ……………..……... Estes eram liderados por …………..……….e ..………..………respectivamente.
4.Diferencia as companhias majestáticas das companhias arrendatárias.
5.Quando foi assinado e qual era o objectivo do Tratado Windsor?
6.Qual era objectivo de Portugal ao apresentar o Mapa Cor-de Rosa?
7.Localiza a Primeira Guerra Mundial no tempo e no espaço.
a) Indica 3 causas da Primeira Guerra Mundial.
b) Relaciona o atentado de Sarajevo com o início da Primeira Guerra Mundial.
c) Quais são os blocos que defrontaram na IGM?
d) Enumera os integrantes de cada um dos blocos.
e) Enumera as fases da IGM.
f) Caracteriza a segunda fase.
g) Explica o motivo da entrada dos EUA nesta guerra.
h) Indica as causas da saída da Rússia na IGM.
i) Explica o papel dos africanos na IGM.
j) Indica os Representantes do Conselho dos 4, participantes na Conferência de Paris.
k) Onde e quando foi assinado o Tratado de Versalhes?
l) Enumera 4 decisões desta Conferência.
m) Indica em que contexto surgiu a Sociedade das Nações.
n) Enumera 4 objectivos da sociedade das nações.
o) Indica 4 consequências da IGM, ao nível demográfico e social.

6
Externato Cantinho do Céu
1ºTEMA: PRINCIPAIS RECURSOS MINERAIS
2. Recursos Minerais Metálicos
1. Recursos Minerais Energéticos
➢ Ouro: Manica, Zambézia e Tete;
➢ Carvão: Tete, Niassa e Manica;
➢ Ferro: Manica e Nampula;
➢ Gás natural: Bacia Moçambicana
➢ Cobre: Tete e Manica;
(Pande e Temane, em Inhambane; e Buzi, em Sofala);
➢ Platinóides: Tete;
➢ Petróleo: Bacia do Rovuma, em Cabo Delgado.
➢ Pegmatitos: Zambézia;
3. Recursos Minerais Não Metálicos
➢ Terras raras: Zambézia, Tete e Sofala;
➢ Mármore: Cabo Delgado;
➢ Areias pesadas: Zambézia, Nampula e Gaza.
➢ Granito negro: Manica Tete e Nampula;
➢ Granito vermelho: Niassa;
➢ Grafite: Cabo Delgado, Tete e Nampula;
➢ Fluorite: Sofala e Tete;
➢ Diatomites: Maputo e Sofala;
➢ Apatite: Nampula e Tete;
➢ Bentonite: Maputo;
➢ Bauxite: Manica e Zambézia;
➢ Calcário: Maputo, Sofala e Nampula;
➢ Caulino: Zambézia e Nampula;
➢ Pedras preciosas e semipreciosas (esmeraldas, turmalinas, ágatas e granadas): Zambézia e
Nampula, Cabo Delgado, Niassa e Tete.

EXERCÍCIO
1. Representa as unidades geológicas no mapa: Pré-câmbrico e Fanerozóico.

2ºTEMA: PEDOGEOGRAFIA DE MOÇAMBIQUE

OS SOLOS
1. Norte predominam solos argilosos: franco argiloso e argilosos vermelhos e castanhos profundos. No
litoral predominam solos arenosos de dunas costeiras e fluviais;
2. Centro:
➢ Solos franco argiloso;
➢ Solos arenosos avermelhados;
➢ Solos fluviais.

3. Sul:
➢ Solos arenosos;
➢ Solos fluviais;
➢ Solos delgados

Características
➢ Os solos franco argiloso avermelhados ocupam a maior parte do território e são vulneráveis à erosão;

7
Externato Cantinho do Céu
➢ Os solos argilosos vermelhos e castanhos profundos são de boa permeabilidade e drenagem e são pouco
vulneráveis à erosão.
➢ Os solos franco argiloso arenosos e acastanhados predominam no Sul da província de Tete e ao longo da
bacia do Zambeze;
➢ Os solos arenosos são de baixa fertilidade e fraco poder de retenção da água;
➢ Os solos fluviais são de elevada fertilidade e encontram-se nos vales dos principais rios e no curso médio e
inferior do Zambeze;
➢ Os solos delgados localizam-se na fronteira Sul, são pouco profundos e pouco aptos para a agricultura.

Importância dos Solos


➢ Constituem o meio básico para a produção agrícola permitindo o desenvolvimento económico do homem.

EXERCÍCIO
1. Representa no mapa os solos de Moçambique.

3ºTEMA: MORFOLOGIA DE MOÇAMBIQUE

O relevo de Moçambique apresenta-se em forma de escadaria, vai descendo do interior para a costa ou vai
subindo da costa para o interior, é resultado de processos endogenéticos ou endógenos, aqueles que vão
dar formas positivas ao relevo (montanhas e planaltos) e os processos exogenéticos ou exógenos, aqueles
que vão dar formas negativas ao relevo (planície e bacias).

Principais Formas de Relevo

As principais formas de relevo são: planícies, planaltos e montanhas.

a) Planícies a sua altitude varia de 0 a 200 metros, têm a sua maior representatividade no Sul do rio Save
e formam a planície moçambicana ocupando cerca de 1/3 do território moçambicano:
➢ Planície do Lúrio em Nampula;
➢ Planície do Buzi em Sofala;
➢ Planície do Save em Inhambane;
➢ Planície do Limpopo em Gaza;
➢ Planície do Incomati em Maputo.
b) Planaltos a sua altitude varia de 200 a 1000 metros, ocupam 2/3 (dois terços) do território nacional,
ao longo da fronteira sudoeste, nas províncias de Maputo e Gaza, no centro interior alargando-se em
quase toda a zona norte do país (planalto moçambicano) com a excepção do litoral e formam:
➢ Planalto da Marávia em Tete;
➢ Planalto da Angónia em Tete;
➢ Planalto de Lichinga em Niassa;
➢ Planalto de Moeda em Cabo Delgado;
➢ Planalto Moçambicano em Nampula e Zambézia;
➢ Planalto de Chimoio em Manica.
c) Montanhas têm uma altitude superior a 1000 metros encontrando-se mais no Centro e Norte do país e
ao longo da fronteira sudoeste.
➢ Cadeia de Maniamba-Amaramba em Niassa, o ponto mais alto localiza-se na serra Jéci com 1836m e o
monte Mecula com 1798m;
➢ Formações Chire-Namúli em Nampula e Zambézia, o ponto mais alto são o monte Namúli com 2419m e
a serra Inago com 1807m;
➢ Maciço de Chimanimani em Manica, o ponto mais alto, que por sinal é o mais alto do país, é o monte
Binga com 2436m, o monte Gorongué ou Gorongoza com 1887m e a serra Choa com 1844m;

8
Externato Cantinho do Céu
➢ Cadeia dos Libombos em Gaza e Maputo, o ponto mais alto e o monte M’ponduine com 801m no distrito
da Namaacha.
NB: Ainda podemos destacar, na província da Tete, o monte Domué com 2095m e o monte Chirobué com
1692m.

Relação Relevo Hidrografia

Existe uma relação porque a maior parte dos rios moçambicanos nascem nos países vizinhos do Oeste
desaguando no Oceano Índico, passam pelas terras altas do Oeste, no Centro e Norte do país (montanhas e
planaltos) realizando uma erosão em forma de “V” e cavam pelas profundidades, enquanto que no Sul,
correm em planícies, cavam vales largos em forma de “U” e descreve meandros:

EXERCÍCIO
1. Representa o relevo no mapa.

4ºTEMA: CLIMATOLOGIA DE MOÇAMBIQUE

Tipos de Climas

Em Moçambique predomina o clima tropical com os seus subtipos:

➢ Norte: Clima Tropical de Altitude e Húmido;


➢ Centro: Clima Tropical Húmido;
➢ Sul: Clima Tropical Seco e semi Árido ou Desértico.
Factores que influenciam o clima de Moçambique

Os factores que influenciam o clime de Moçambique são: a altitude, a latitude, a continentalidade, a


corrente quente do Canal de Moçambique, a zona de convergência intertropical e os ventos alísios.

➢ Altitude as regiões mais elevadas têm temperaturas baixas e a precipitação verifica-se nos lugares onde a
temperatura é mais elevada como Marávia e Angónia;
➢ Latitude fazem parte as regiões próximas do equador, o Norte do país tem maior precipitação e humidade
porque sofre a influência das baixas pressões equatoriais.
➢ Continentalidade as regiões de baixas altitudes apresentam elevada temperatura e secura porque
encontram-se mais afastadas do mar daí apresentarem uma pluviosidade baixa é o caso do Sul de Tete,
Pafuri, Chicualacuala e Massingir;
➢ A Corrente Quente do Canal de Moçambique influencia para que as regiões do litoral tenham maior
evaporação e humidade devido à combinação das altas pressões subtropicais e os ventos alísios.
➢ Zona de Convergência Intertropical constitui uma frente de ar quente, resultante do encontro com os
ventos alísios que se deslocam para norte ou para sul em relação a linha do equador em combinação com
o movimento anual aparente do sol, quando se desloca para sul, entre Setembro e Março, influencia o clima
da zona norte e centro do país.
➢ Os ventos alísios são ventos constantes que sopram dos trópicos para o equador, o nosso país sofre a
influência dos ventos alísios do sudeste que proporcionam chuvas ao longo do litoral.
NB: é devido a conjugação destes factores que o país apresenta as seguintes regiões climáticas:

1. Zona Norte estende-se de Rovuma até Angoche, sofre a influência da CIT (zona de Convergência
Intertropical) com duas estações: a estação chuvosa e quente, no verão com aguaceiros e trovoadas
frequentes de Setembro a Março; e a estação seca caracterizada pela redução da humidade de Abril a
Agosto.

9
Externato Cantinho do Céu
2. Zona Centro é uma zona intermédia entre o Norte e o Sul, é caracterizado por frequentes trovoadas,
ventos fortes e nuvens que sofrem a influência da CIT originando precipitações de Dezembro a Março.
3. Zona Sul é uma zona fora da influência da CIT, é uma zona seca coincidindo com altas pressões
subtropicais e a deslocação dos ventos.
Características

Observa a tabela:

Clima Localização Temperatura (ºC) Precipitação (mm) Factor

Norte (com a Entre 800 e 1000mm Latitude, CIT, ventos


Clima Tropical excepção das zonas anuais; a estação alísios e corrente
Húmido montanhosas), Sofala T> 20ºC chuvosa dura 7 a 8 quente do Canal de
e o litoral sul meses Moçambique
Sul de Tete e o T> 20ºC com elevadas Entre 300 e 800mm
Clima Tropical interior do sul do Save amplitudes térmicas anuais; a estação
Seco chuvosa dura 4 a 5 Continentalidade
meses
P> 1000mm anuais; a
Clima Tropical de Zonas montanhosas Entre 18 e 20ºC estação chuvosa dura Altitude
Altitude 7 a 9 meses
Província de Gaza Entre 24 e 26ºC e P≤ 300mm anuais; a Continentalidade e
Clima semi-árido (Pafuri e elevadas amplitudes estação chuvosa dura altas pressões
Chicualacuala) térmicas 3 a 4 meses subtropicais
Fonte: Autores

EXERCÍCIOS
1. Representa os climas no mapa.
2. Identifica o tipo de clima e constrói os respectivos gráficos termopluviométricos. (este trabalho deve ser
entregue num papel milimétrico).
Tab.1 Beira

Meses J F M A M J J A S O N D
TºC 27,4 27,6 26,7 25,5 23,1 20,9 20,5 21,3 22,3 23,5 26,5 26,6
P(mm) 265 245 224 105 95 48 37 30 27 29 133 234

Tab.2 Mapai

Meses J F M A M J J A S O N D
TºC 26 27,2 25,9 24,5 21,8 19,1 18,7 23 25,1 26,3 27 23,8
P(mm) 101,4 106,6 79,4 22,1 15,2 6,2 3,2 0,7 8,8 16,2 16,2 39

TRABALHO DE INVERTIGAÇÃO

Tema Nº 1 : Divisão celular: Meiose (Definição, fases e Importância biológica)

Tema Nº 2: Comparação entre mitose e meiose.

10
Externato Cantinho do Céu
1º TEMA: INTENSIDADE DA CORRENTE ELÉCTRICA
Intensidade da Corrente Eléctrica – é a quantidade de carga que percorre um condutor num determinado
intervalo de tempo.
Q
Matematicamente escrevemos: I = ;
t
Onde: I é intensidade da corrente eléctrica, Q é a carga eléctrica em (C) e Δt é o tempo.
𝒄
A unidade da intensidade da corrente eléctrica é Ampère (A) em homenagem a André Marie Ampère. (𝑨 = 𝑺).
Outras Unidades: 1mA=10-3A; 1μA=10-6A.
Exemplos:
1. Uma pilha fornece a uma lâmpada uma carga de 35000μC em 5 segundos. Nessa condições qual é a
intensidade da corrente eléctrica percorrida pelo condutor que liga a lâmpada da pilha?
Dados Fórmula Resolução
Q = 35000C = 35.10 −3 C Q 35.10 −3 C
I= I=
t = 5s t 5s
I =? I = 6.10 −3 A  I = 6mA
2. Um condutor eléctrico é atravessado por 6,2.1013 electrões em um segundo. Qual será a intensidade da
corrente se os electrões transitam em 1 segundo?
Dados Fórmula Resolução
N = 6,2.1013 Q 6,2.1013  1,6.10−19 C
I= Onde Q = N .e I=
e = 1,6.10 −19 C t 1s
−9
N .e 9,3.10 C
t = 1s I= I=
t 1s
I =?
I = 9,3.10− 6 A  I = 9,3A

2º TEMA : TENSÃO ELÉCTRICA


Experiência de Demonstração. Uma pilha ligada a uma lâmpada). Vamos esquematizar no quadro o esquema
e mostrar ao mesmo tempo o sentido da corrente eléctrica. Iremos medir a tensão usando o voltímetro.
Tensão eléctrica ou diferença de potencial (ddp) é a quantidade de energia que um gerador fornece para
movimentar uma carga eléctrica durante um condutor.
Matematicamente escrevemos:
E
U = el
q
Onde: Eel é a energia eléctrica dada em Joule (J);
q é carga eléctrica dada por Coulomb (C);
U é a tensão eléctrica.
A unidade da Tensão no sistema internacional é Volt (V) em homenagem ao inventor da primeira pilha
Alessandro Volta. Ela resulta de Joule por Coulomb (J/C=V).
A energia eléctrica criada por um gerador pode ser resultado da transformação de várias formas de energia,
como, por exemplo, energia mecânica, química, atómica etc.
Neste caso existem os Geradores eléctricos que são aparelhos com a função de transformar outras formas de
energia (química, mecânica, atómica, radiante, térmica, etc) em energia eléctrica.

11
Externato Cantinho do Céu
Exemplo
1. A pilha usada na experiência de demonstração na aula é de 9V. Sabendo que a energia gerada pela pilha
é de 2J, determine:
a) A carga transportada no condutor?
Dados Fórmula Resolução
U = 9V E
U = el 2J
q q=
E el = 2 J 9V
Eel = ,222C  q = 222mC
q=? q= q 0
U
3. Qual é a tensão eléctrica total de um conjunto de 250 baterias, que sustentam um sistema fotovoltaico
para regadio no distrito de Boane, sabendo que elas precisam de 0,006kJ de energia para colocar em
movimento 6mC.
Dados Fórmula Resolução
U =? 6J
Eel U=
Eel = 0,006kJ = 6 J U= 2.10 −3 C
q
q = 2mC = 2.10 −3 C U = 3.10 3 V = 3000V
4. Calculada a tensão eléctrica total qual é a tensão de cada uma das baterias?
U total 3000V
U= U =  U = 12V
N º de Baterias 250

3º TEMA: NOÇÃO DE RESITÊNCIA ELÉCTRICA.


Resistência Eléctrica é a oposição que um condutor oferece a passagem da corrente eléctrica.
Ela é provocada porque os electrões livres no seu movimento interagem entre si e com os iões da rede cristalina
do metal.
Matematicamente escrevemos:

U - é a tensão eléctrica em Voltes (V),


U
R = . Onde: I - é a intensidade da corrente em ampere (A)
I R - é a resistência eléctrica dada por 1𝛺 = 1𝑉/1𝐴

A unidade no SI da Resistência é ohm (  ) em homenagem ao cientista George Simon Ohm.


O aparelho usado para medir a residência de um condutor chama-se ohmímetro.
Exemplo
1. Calcula a resistência eléctrica, se a tensão é de 24V e a intensidade da corrente eléctrica é de 2A.
Dados Fórmula Resolução
𝑈 24𝑉
𝑈 = 24𝑉 𝑅= 𝑅= ⟹ 𝑅 = 12𝛺
𝐼 2𝐴
𝐼 = 2𝐴
R=?

4º TEMA: NOÇÃO DE CIRCUITO DA CORRENTE.


Circuito da Corrente Eléctrica – é o caminho percorrido pelas cargas
eléctricas durante o seu movimento ordenado.
Elementos de um Circuito Eléctrico
1. Fios de Ligação (f) – são dispositivos capazes de conduzir as cargas
eléctricas quando são ligados a uma fonte da corrente eléctrica. Eles têm
a função de interligar os diferentes elementos do circuito.

12
Externato Cantinho do Céu
2. Gerador da corrente eléctrica ou fonte da corrente eléctrica (G) – É um dispositivo capaz de
transformar em energia eléctrica outra modalidade de energia (como Química e mecânica), mantendo
assim uma diferença de potencial nos extremos do circuito.

3.
4. Interruptor (K) – são elementos que servem para ligar ou desligar um circuito eléctrico, isto é interromper
a circulação da corrente eléctrica.

a) Receptores eléctricos - São dispositivos que transformam a energia eléctrica em outras formas de energia.
Ex: Lâmpadas (L) transformam energia eléctrica em energia luminosa.

b) Resistências (R) – transformam toda a energia eléctrica em calor ou seja energia térmica. (ex: aquecedores,
o ferro eléctrico, o chuveiro eléctrico).

c) Motores (M) – Transforma energia electrica em energia cinética.

d) Campainhas – Transforma energia eléctrica em energia sonora.

5. Aparelhos de medição da corrente eléctrica – são instrumentos usados para medir a intensidade da
corrente eléctrica e a tensão eléctrica.
a) Amperímetro (A) – mede a intensidade da corrente eléctrica.
b) Voltímetro (V) – mede a ddp ou tensão eléctrica nos extremos de um gerador ou de
um receptor

Exemplo de circuito da corrente


1. Dado o circuito abaixo:
a) Identifica os elementos nele patentes.
b) Indica o sentido real e convencional da intensidade da corrente eléctrica.

5º TEMA: FACTORES DE QUE DEPENDE A RESISTÊNCIA ELÉCTRICA DE UM CONDUTOR


Por várias experiências realizadas chegou-se a conclusão de que a resistência eléctrica de um condutor
depende do seu comprimento (  ), área da secção transversão e material de que é feito(Material de
fabrico).
a) Comprimento (l) do condutor: Se dois condutores A e B feitos do
mesmo material e com a mesma área da secção transversal, tiverem
comprimentos diferentes, terá maior resistência o que tiver maior
comprimento porque a resistência é directamente proporcional ao comprimento do condutor.
Isto é: R ~ 
b) Área (S) da secção transversal: Se dois condutores C e D, feitos do
mesmo material e com o mesmo comprimento, tiverem áreas das secções
transversais diferentes, terá maior resistência o que tiver menor área da
secção transversal porque a resistência é inversamente proporcional à área da secção transversal do
condutor.

13
Externato Cantinho do Céu
1
Isto é: R ~
S
c) Material de que é feito o Condutor: Dois condutores com as mesmas dimensões (mesmo comprimento e
mesma área da secção transversal), mas de materiais diferentes, terão resistências diferentes e são
influenciados por uma grandeza física chamada resistividade (  ).

Conclusão: A resistência de um condutor metálico é directamente proporcional ao comprimento e


inversamente proporcional a área da secção transversal.
Isto é: R - é a resistência específica dada em ohm (  )

R=

Onde:
 - é o comprimento do condutor em metros (m)
S S - é a área da secção transversal em metro quadrado (m2)ou (mm2)
 - é a resistividade do material dada por (m) ou (mm2 m)
Tabela de Resistividade de alguns materiais
Resistividade (  )
Material ( m ) (cm )
(mm2 / m)
Cobre 1,7.10-8 1,7.10-2 1,7.10-6
Prata 1,6.10-8 1,6.10-2 1,6.10-6
Alumínio 2,8.10-8 2,8.10-2 2,8.10-6
Ferro 10.10-8 10.10-2 10.10-6
Tungsténio 5,5.10-8 5,5.10-2 5,5.10-6
De acordo com a tabela podemos afirmar que os metais têm uma resistividade baixa, sendo a prata o melhor
condutor. E os maus condutores têm resistividade muito elevada.

6º TEMA: LEI DE OHM E GRÁFICO DA INTENSIDADE DA CORRENTE EM FUNÇÃO DA TENSÃO


O físico alemão George Simon Ohm, através de experiências realizadas concluiu que, para a maioria dos
condutores, os quocientes (U/I) são iguais, ou seja, a resistência do condutor é constante.
Com isso a lei de Ohm tem o seguinte enunciado:
Para um condutor metálico, a uma dada temperatura, a resistência eléctrica é constante.
U
Isto é: = R = Constante
I
A maioria dos condutores obedece à lei de ohm, tal como os metais. Por isso são conhecidos como
condutores óhmicos.
7º TEMA:GRÁFICO DA INTENSIDADE DA CORRENTE EM FUNÇÃO DA TENSÃO
Para condutores óhmicos (os que obedecem a lei de ohm) o gráfico da
intensidade da corrente em função da tensão é uma linha recta dado que se
trata de um valor constante da resistência. Por isso os condutores óhmicos
também são chamados de condutores lineares.
E para condutores não óhmicos (os que não obedecem a lei de ohm) o
gráfico da intensidade da corrente em função da tensão conhecida como curva
característica do condutor é uma linha curva, pois a resistência vária com a tensão.

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO
1. Considera um condutor metálico, percorrido por uma corrente eléctrica. Durante 10 segundos uma
secção transversal desse condutor é atravessada por 2x1020 electrões. Considerando a carga elementar
𝑒 = 1,602 × 10−19 𝐶, determina:
a) A quantidade de carga eléctrica em Coulomb, que corresponde a esse número de electrões.
14
Externato Cantinho do Céu
b) A intensidade da corrente eléctrica, em ampere, que passa pela secção transversal.
2. Quando se estabelece uma diferença de potencial nos terminais de um condutor de 6V, ele é atravessado,
a cada minuto, por uma carga de 15C. Calcula, para este condutor:
a) A intensidade da corrente eléctrica que o percorre;
b) A sua resistência eléctrica;
c) A energia eléctrica transferida por unidade de carga.
3. Qual é a carga eléctrica que passa pela secção transversal de um condutor durante uma hora, sabendo-
se que a intensidade da corrente é constante e vale 2 Ampere.
4. A diferença de potencial entre dois pontos de um condutor é de 10 volts. A intensidade da corrente é
constante e é igual a 4 Ampere. Qual é a resistência eléctrica entre esses dois pontos do condutor?
5. Faz a correspondência entre os elementos de um circuito eléctrico da coluna I e as afirmações da coluna II.
Coluna I Coluna II
(A) Transforma energia química em energia eléctrica
1. Fios de Ligação (B) Transforma energia eléctrica em energia radiante
2. Pilha Seca e térmica
3. Interruptor (C) Transforma energia eléctrica em energia química
4. Lâmpada (D)Abre e fecha o circuito eléctrico
(E) Liga os elementos de um circuito eléctrico entre si.
6. Um fio de cobre tem 1,0mm de diâmetro e 1,0m de comprimento. Sabendo que a resistência do cobre à
−8
20ºC, é de 1,7 10 m , calcula o valor da resistência do fio a essa temperatura.
7. Para montagem de uma linha de alta tensão, entre duas cidades distantes 60km, uma da outra, foi usado
fio de cobre (resistividade igual 1,7x10-8Ω.m), com 5,1cm2 de secção.
a) Calcula a resistência dessa linha.
b) Supõe que o engenheiro de construção pretende reduzir para metade a resistência da linha. Como ele
não pode alterar a distância entre as duas cidades, explica que procedimentos deverá adoptar?
8. Um condutor, quando submetido a uma tensão de 5V, é percorrido por uma corrente de 25mA; quando
submetido a uma tensão de 25V, é percorrido por uma corrente de 100mA.
a) Qual é o valor da resistência eléctrica desse condutor em cada caso?
b) Esse condutor obedece à lei de Ohm nesse intervalo? Justifica.
9. A tabela seguinte mostra o valor da tensão (U) a que um resistor é submetido e a correspondente
intensidade da corrente eléctrica (I) que o atravessa.
U (V ) 1,2 1,5 2 3
I (mA) 240 300 400 500
a) Constrói o gráfico IxU.
b) Qual é o valor da resistência eléctrica em cada par dos valores de tensão corrente?
c) Baseando-te nos resultados das alíneas anteriores, achas que esse resistor obedece à lei de Ohm?
Justifica a tua resposta.
10. Durante uma experiência laboratorial foram medidos os valores da d.d.p. aplicada nos extremos de um
condutor e a intensidade da corrente eléctrica que o percorria, conforme a tabela a seguir.
U (V ) 0 1,5 3,0 4,5 6,0 7,5 9,0
I ( A) 0 0,5 1,0 1,5 2,0 2,5 3,0
a) Desenha um circuito eléctrico simples que permite efectuar a experiência mencionada.
b) Representa graficamente os dados da tabela. Trata-se de um condutor óhmico? Justifica a tua resposta.
c) Calcula a resistência do condutor.

15
Externato Cantinho do Céu
1º TEMA: HISTÓRIA DO SURGIMENTO DA QUÍMICA ORGÂNICA
Há muito que os cientistas se têm preocupado com a questão de como a vida começou na Terra, e se existe
vida em algum outro lugar no universo. Há alguma evidência de que no início da história da Terra, muitos
compostos orgânicos necessários para o surgimento da vida foram criados quando relâmpagos passavam
pela atmosfera da Terra. Outra evidência sugere que a vida começou nas profundezas do oceano, onde saídas
de jactos quentes poderiam ter suprido a energia para as reacções entre matérias-primas que levaram a
moléculas de base carbono. Há ainda uma outra evidência que sugere que sedimentos de barro poderiam
ter fornecido o ambiente no qual ocorreram reacções que resultaram nas moléculas orgânicas necessárias
à vida.
A Química orgânica estuda os compostos de carbono, ou seja, dedica-se à observação sistemática dos
compostos de carbono, com excepção do CO, CO2 e sais do ácido carbónico e sua interpretação. Na natureza
existe grandes quantidades de compostos orgânicos, cerca de 7x106.
Desenvolvimento histórico da Química Orgânica
A Química, como outra ciência, teve um desenvolvimento contínuo nas várias fases da história. A Química
orgânica em particular, desde os tempos pré-históricos. Isto se justifica pelos inúmeros processos químicos
de vasta aplicação, relacionados com este ramo da química que eram realizados desde muitos anos A.C.,
como por exemplo:
✓ Fermentação do suco da uva produzindo o vinho;
✓ Extracção de gorduras e azeite dos animais e plantas;
✓ Obtenção do vinagre, por fermentação do vinho;
✓ Extracção de corante das plantas;
No finais do séc. XVIII, em simultâneo com o estudo das combinações químicas, verificou-se um
desenvolvimento acentuado da ciência Química Orgânica, com as contribuições de Schelle (1766 – 1769)
químico sueco, que começou a isolar da matéria sintética e introduzindo métodos adequados para extracção
de compostos orgânicos dos produtos vegetais e animais, entre eles :
✓ Ácido tartárico do tártaro;
✓ Ácido acético do leite fermentado;
✓ Ácido málico de maçã verde;
✓ Ácido úrico da urina
✓ Extracção da Glicerol da gordura;
✓ Extracção do acido acético do limão;
Este trabalho teve grande impacto para o desenvolvimento da Química Orgânica, porque até esta época
eram conhecidos poucos compostos orgânicos e poucos eram obtidos sob forma de espécie química
definida. Com o decorrer do tempo, o número de compostos orgânicos aumentava, e os químicos notavam
16
Externato Cantinho do Céu
diferenças acentuadas entre as propriedades destes com os compostos minerais; por exemplo, os compostos
orgânicos apresentam baixos pontos de fusão e ebulição relativamente aos compostos orgânico. Daí que:
Bergmann (1777), fez a primeira classificação dos compostos orgânicos e os minerais.

Compostos Orgânica – os compostos obtidos dos organismos vivos.

Compostos Minerais – compostos inorgânicos, obtidos do reino mineral.

Em 1802 Jacob Berzelius (Químico Sueco) fundamentou a classificação de Bergmann, através da teoria da
força vital ou Vitalismo, segundo a qual “ Os compostos orgânicos só poderiam ser obtidos dos seres vivos e
sob influência duma força divina”.

Esta teoria teve aceitação por parte dos químicos da época, pois, enquanto os compostos minerais eram
facilmente obtidos no laboratório, falhavam as tentativas de obtenção dos orgânicos, até que Fredric Wöhler
(1928), discípulo de Berzelius, conseguiu obter um composto orgânico (a Ureia) a partir de um composto
inorgânico (o cianato de amónio), no laboratório. Esta síntese pode ser traduzida pela seguinte equação

NH4OCN ∆ NH2 – CO – NH
(Cianato de amónio) ( Ureia)
Esta síntese foi um marco importante para se ultrapassar a teoria do Vitalismo, visto que após esta síntese,
um grande número de compostos orgânicos foi produzido a partir de matéria não viva.

Liebig (1830), aperfeiçoou as técnicas de análise elementar e demonstrou que os compostos orgânicos
seguiam as leis de proporções múltiplas.

Koble, partindo de substâncias puramente inorgânicas produziu compostos orgânicos.

C, H2O, S Ácido acético

BERTHOLLET ( 1855), também produziu substâncias orgânicas a partir de substâncias puramente


inorgânicas:
CS2 e H2S CH4
CO / Ca(OH)2 Ácido fórmico
C / H Eteno
BUTLEROV (1860), Teoria química da estrutura; a ligação característica dos compostos orgânicos é a ligação
atómica o carbono é tetravalente.

Kekule (1857 – 1867), esclareceu a estrutura do Benzeno.

Label & Van’t Hoof (1874), mostraram que as quatro ligações do carbono nos compostos orgânicos são feitas
numa estrutura espacial.

LEWIS (1916), Explicou as ligações atómicas que é formado por um par de electrões.

Huquel (1930), avançou com a teoria quântica e isomeria.

17
Externato Cantinho do Céu
Importância da teoria da força vital
Esta teoria teve um impacto negativo no desenvolvimento da Química Orgânica, à medida que inibia
tentativas de avanço nesta área, pois, os químicos estavam convictos de que só e só de matéria viva poderia
ser sintetizado o composto orgânico.

No decurso de todos estes focos histórico Lavoisier (1784), aperfeiçoou os métodos de separação das
substâncias e concedeu à análise dos compostos através da combustão, tendo verificado que durante a
combustão todos os composto orgânicos davam dióxido de carbono e água, como produtos e concluiu que
seriam todos eles formados por Carbono e Hidrogénio. Com a queda da teoria de Berzelius, o conceito de
Bergamann caiu em desuso e recorreu-se aos trabalhos de Lavoisier para fazer verificação da sua
veracidade, modificando assim o conceito dado por Bergamann, passando a Química Orgânica a ser química
do Carbono ou parte da química que estuda os compostos do carbono, suas estruturas, reactividades e
aplicações.

Objecto de estudo da Química Orgânica


A Química Orgânica tem como o objecto de estudo os compostos do carbono, suas estruturas e suas
aplicações.

Importância do estudo da Química Orgânica


A Química Orgânica desempenha um papel fundamental no desenvolvimento do Homem, da ciência e da
técnica, visto que os seus conhecimentos e os seus compostos podem ser aplicados na: medicina, indústria
alimentar, agrícola, petroquímica, entre outras na forma de combustível, proteínas, plásticos,
medicamentos, borrachas, sabões, tintas, etc.

Teoria de estrutura dos compostos orgânicos


Em 1861, Butlerov formulou a teoria para as estruturas dos compostos orgânicos. Este cientista considerava
que os átomos não se dispunham de qualquer maneira, mas sim, segundo uma determinada ordem,
verificada através do método químico de representação de uma fórmula química.

Estrutura química é a sequências de ligações de átomos, moléculas, bem como as influências mútuas.

A estrutura química dos compostos orgânicos baseia-se nos seguintes critérios:

1. Os átomos e as moléculas ligam-se entre si numa ordem sucessiva segundo a sua valência.

2. Os átomos de carbono ligam-se entre si, formando cadeias carbónicas o que condiciona a variedade dos
compostos orgânicos.

3. O carbono é tetravalente, podendo formar ligações covalentes, que podem ser: simples, duplas e triplas.

–C–C–C–C– –C–C=C–C– –C–C≡C–C–

Simples Dupla Tripla


18
Externato Cantinho do Céu
Comparação dos compostos orgânicos dos inorgânicos
Critério de comparação Compostos orgânicos Compostos inorgânicos
Composição Apresentam C, H, O, N, S e P Apresentam composições diversificadas
Combustibilidade São todos combustíveis Raramente combustíveis
Natureza São moleculares e apolares São iónicos e apolares
Pontos de fusão e ebulição Relativamente baixos Altos
Propriedades gerais dos compostos orgânicos
✓ Apresentam átomos de carbono na sua composição;
✓ Geralmente, são insolúveis em água, mas solúveis em solventes orgânicos;
✓ Apresentam ligação covalente e atómica;
✓ São combustíveis
✓ Apresentam o fenómeno de isomeria;
✓ As suas reacções são geralmente raras;
Classificação das cadeias carbónicas
Cadeia carbónica é a sequência de átomos de carbono ligados entre si.

Homogénea
Quanto a natureza {
Heterogénea
aberta Quanto à disposição {Normal ou lenear
Ramificada
Saturada
{Quanto ao tipo de carbono {Insaturada
Cadeias
cicloalcanos
Não aromática {cicloalcenos
cicloalcinos
fecchda
mononucleares
aromática { condensadas
{ { polinucleare {
isoladas

Classificação de carbonos numa cadeia carbónica

Tipo de fórmulas químicas


Tipo de fórmula Estrutural Recional Molecular
H H H H
Exemplo
H–C–C–C–C-H CH3 – CH2 – CH2 – CH3 C4H10

H H H H

19
Externato Cantinho do Céu
Classificação dos compostos orgânicos
A duas maneiras de classificar os compostos orgânicos:
a) Segundo o esqueleto fundamental: que indica como os átomos se ligam entre si.
b) Segundo o grupo funcional e halogéneos ligados ao esqueleto fundamental.
Em 1870 Sharlenmeyer classificou os compostos orgânicos em:

Hidrocarbonetos compostos exclusivamente constituídos por Carbono e Hidrogénio.

Derivados dos Hidrocarbonetos qualquer composto cujo hidrogénio foi substituído por um átomo diferente.
EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO SOBRE INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA QUÍMICA ORGÂNICA

1. Química Orgânica é a Química do mundo vivo, visto que o carbono é o centro da vida.
a) O que é Química Orgânica?
b) Qual é o seu objecto de estudo?
c) Qual é a sua importância para a sociedade?
d) Por que é que o Carbono é visto como o centro da vida?

2. No início do séc. XIX, Berzelius lançou uma teoria que mais tarde caiu em desuso.
a) Como ficou conhecida a teoria?
b) Explique, argumentando, o pensamento deste cientista.
c) Qual foi o impacto desta teoria no que diz respeito ao desenvolvimento da Química Orgânica?
3. Foi graças a um trabalho árduo de um seguidor de Berzelius que a química orgânica teve
posteriormente grandes avanços.
a) Identifica o seguidor de Berzelius que esteve por detrás desse trabalho.
b) Traduz usando a linguagem química o trabalho deste.
4. Qual é a propriedade típica do carbono que o diferencia dos demais elementos químicos?
5. Como se explica a existência de maior número de compostos orgânicos em relação aos número dos
compostos inorgânico?
6. Enuncia os pontos principais da teoria estrutural de Butlerov.
7. O que são compostos orgânicos?
8. Por que é que, se diz que a química orgânica é a química dos compostos do carbono?
9. Define os seguintes conceitos:
a) Fórmula molecular.
b) Fórmula estrutural.
10. Qual é o tipo de ligação química característico nos compostos orgânicos?
11. Como se explica o facto de os compostos orgânicos apresentarem baixos pontos de fusão e ebulição
comparativamente aos compostos inorgânicos?
12. Os átomos de carbono ligam-se entre si formando ligações simples, duplas e triplas. Que tipo de
ligação ocorre nestes?
13. Os compostos químicos são representados por meio de fórmulas químicas.
a) Representa as fórmulas estruturais e racionais para cada composto: C 4H10 e C5H12
b) Representa as fórmulas moleculares e racionais:
14. Representa uma cadeia carbónica que contenha um total de oito átomos de carbono e que seja
homogénea, saturada e com apenas carbonos primários e quaternários.
15. Define os seguintes conceitos:
a) Isomeria.
b) Isómeros

20
Externato Cantinho do Céu
1º TEMA: FUNÇÃO QUADRÁTICA

Definição

Chama-se função quadrática, ou função polinomial do 2º grau, qualquer função f de IR em IR dada por
uma lei da forma f(x) = ax2 + bx + c, onde a, b e c são números reais e a 0.

Vejamos alguns exemplos de função quadrática:

1. f(x) = 3x2 - 4x + 1, onde a = 3, b = - 4 e c = 1


2. f(x) = x2 -1, onde a = 1, b = 0 e c = -1
3. f(x) = 2x2 + 3x + 5, onde a = 2, b = 3 e c = 5
4. f(x) = - x2 + 8x, onde a = -1, b = 8 e c = 0
5. f(x) = -4x2, onde a = - 4, b = 0 e c = 0

Gráfico de uma função Quadrática

O gráfico de uma função polinomial do 2º grau, y = ax2 + bx + c, com a 0, é uma curva chamada
parábola.
x Y
Exemplo: -3 6
-2 2
Vamos construir o gráfico da função y = x2 + x:
-1 0
Primeiro, atribuímos a x alguns valores, depois, calculamos
o valor correspondente de y e, em seguida, ligamos os
pontos assim obtidos.
0 0
1 2
2 6

Observação: Ao construir o gráfico de uma função quadrática y = ax2 + bx + c, notaremos sempre que:

• se a > 0, a parábola tem a concavidade voltada para cima;


• se a < 0, a parábola tem a concavidade voltada para baixo;

Zero e Equação do 2º Grau

Chama-se zeros ou raízes da função polinomial do 2º grau f(x) = ax2 + bx + c , a 0, os números reais x
tais que f(x) = 0.

Então as raízes da função f(x) = ax2 + bx + c são as soluções da equação do 2º grau ax2 + bx + c = 0, as
quais são dadas pela chamada fórmula de Bhaskara:

Com isso temos:

21
Externato Cantinho do Céu
Observação

A quantidade de raízes reais de uma função quadrática depende do valor obtido para o radicando
, chamado discriminante, a saber:

• quando é positivo, há duas raízes reais e distintas;


• quando é zero, há só uma raiz real (para ser mais preciso, há duas raízes iguais);
• quando é negativo, não há raiz real.

Coordenadas do vértice da parábola

Quando a > 0, a parábola tem concavidade voltada para cima e um ponto de mínimo V; quando a < 0, a
parábola tem concavidade voltada para baixo e um ponto de máximo V.

Em qualquer caso, as coordenadas de V são . Veja os gráficos:

Imagem (Contradomínio)

O conjunto-imagem Im da função y = ax2 + bx + c, a 0, é o conjunto dos valores que y pode assumir.


Há duas possibilidades:

1ª - quando a > 0,

a>0

2ª quando a < 0,

a<0

22
Externato Cantinho do Céu
Construção da Parábola

É possível construir o gráfico de uma função do 2º grau sem montar a tabela de pares (x, y), mas seguindo
apenas o roteiro de observação seguinte:

1. O valor do coeficiente a define a concavidade da parábola;


2. Os zeros definem os pontos em que a parábola intercepta o eixo dos x;

3. O vértice V indica o ponto de mínimo (se a > 0), ou máximo (se a< 0);

4. A recta que passa por V e é paralela ao eixo dos y é o eixo de simetria da parábola;
5. Para x = 0, temos y = a · 02 + b · 0 + c = c; então (0, c) é o ponto em que a parábola corta o eixo dos y.

Sinal

Consideramos uma função quadrática y = f(x) = ax2 + bx + c e determinemos os valores de x para os quais y
é negativo e os valores de x para os quais y é positivos.

Conforme o sinal do discriminante = b2 - 4ac, podemos ocorrer os seguintes casos:

1º Para: >0

Nesse caso, a função quadrática admite dois zeros reais distintos (x1 ≠x2). a parábola intercepta o eixo Ox
em dois pontos e o sinal da função é o indicado nos gráficos abaixo:

Quando a > 0

y>0 (x < x1 ou x > x2)


y<0 x1 < x < x2

Quando a < 0

y>0 x1 < x < x2


y<0 (x < x1 ou x > x2)

23
Externato Cantinho do Céu
2º Para: =0

Quando a > 0

Quando a < 0

3º Para: <0

Quando a > 0

Quando a < 0

24
Externato Cantinho do Céu
1 Representa pelas suas projecções ortogonais as figuras abaixo

25
Externato Cantinho do Céu
26
Externato Cantinho do Céu
CONTEÚDOS ABORDADOS:
1. Conceito de Gestão.
2. A Importância da Gestão Empresarial para Pequenas, Médias e Grandes Empresas.
3. Variáveis básicas da teoria geral da administração.

TEMA: INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PEQUENA EMPRESA

Cada organização ou cada empresa requer a tomada de decisões, a coordenação de múltiplas actividades, a
condução de pessoas, a avaliação do desempenho, as acções de mudanças necessárias para atingir objectivos
previamente determinados.

Uma organização/empresa é uma combinação de pessoas e de tecnologias para atingir um determinado


objectivo; é constituída por pessoas, recursos financeiros e recursos materiais.

Um negócio torna-se uma organização quando possui metas formais, emprega várias pessoas e apresenta
uma estrutura formal que define as relações entre os seus membros.

Conceito De Gestão

Para que uma empresa atinja os objectivos, é indispensável que todos os recursos envolvidos funcionem em
perfeita coordenação.

A gestão não é um fim em si mesma, mas um meio de fazer com que as coisas sejam realizadas da melhor
forma possível com o menor custo e com a maior eficiência. Deste modo, podemos dizer que a gestão é o uso
racional de recursos humanos, financeiros e materiais existentes para atingir os objectivos da organização.

Gestão é a acção e o efeito de administrar ou dirigir um determinado negócio. Portanto, através de uma
gestão se desenvolverão uma diversidade de diligências que levarão ao cumprimento do objectivo traçado
de um negócio ou até mesmo de um simples desejo tão sumamente esperado.

Utiliza-se a gestão para orientar a resolver um problema específico, a concretizar um projecto. A gestão
também é usada para se referir à direcção e à administração que se realiza numa organização, empresa ou
negócio.

Gestão também pode ser definida como um conjunto de regras para executar, com a maior eficácia possível,
um negócio ou uma actividade empresarial; definitivamente, trata-se de obter sucesso em qualquer
empreendimento de carácter económico, financeiro ou político.

O termo gestão vem do latim “gestio-gestionis”, que significa executar, obter sucesso com meios adequados.
Com uma gestão de boa qualidade, pode-se obter êxito em tudo o que se propõe na vida.

A função da gestão é a optimização do funcionamento dos negócios ou das organizações através da


resolução, de tomar decisões que sejam racionais e fundamentadas na Coleta de informações que sejam
consideradas de relevância, e assim, contribuir para o seu desenvolvimento.

27
Externato Cantinho do Céu
Funções básicas da gestão

A gestão incorpora um conjunto de funções que permitem conduzir a empresa de forma a atingir os seus
objectivos nomeadamente:

Planeamento, Organização, Liderança e Controlo

Tarefas de gestão

Numa empresa, a gestão está subdividida em quatro áreas principais, que são:

✓ Gestão de produção, gestão de recursos humanos, gestão de marketing e gestão financeira

A Importância da Gestão Empresarial para Pequenas, Médias e Grandes Empresas

A Gestão Empresarial é responsável pelas decisões administrativas dentro do negócio. Essencial em toda
empresa, seja pequena, média ou grande, é ela que aponta as melhores acções, estratégias e assegura que
você tenha saídas diante de um problema. O profissional que realiza essas tarefas é encarregado de criar
planos para o melhor desenvolvimento da organização, incentivar seu crescimento, motivar os funcionários,
e um conjunto de outras tarefas que tem como foco alcançar os objectivos da empresa.

Para administrar tantas demandas e atribuições ao mesmo tempo, a Gestão Empresarial pode contar com a
tecnologia. Alguns softwares e ferramentas são capazes de organizar dados e informações que
proporcionam maior precisão nas acções diárias. Eles oferecem respostas rápidas e objectivas na hora de
solucionar um problema ou, quando é necessário, tomar uma decisão importante. Além disso, ajudam a
diminuir a carga de trabalho e optimizam os processos.

Estar por dentro das inovações tecnológicas e conhecer as ferramentas de optimização são diferenciais que
podem colocar sua empresa na frente da concorrência. Afinal, ter as informações do seu negócio, dos
funcionários e dos clientes com facilidade e praticidade é a melhor maneira de ser mais assertivo nas
decisões.

Os departamentos de recursos humanos e de departamento pessoal têm abandonado a concepção


tradicionalista de tratar apenas das questões legais referentes ao ingresso, permanência, remuneração,
férias e desligamento de funcionários. Essas funções ainda existem, e são de extrema importância, mas agora
as acções também estão ligadas ao alinhamento do departamento às questões estratégicas da alta cúpula da
administração.

Esta nova formatação possui também uma nova definição: gestão estratégica de pessoas, que atende às
questões até então desprezadas, mas que proporcionam diversos ganhos para a empresa. Entre as principais
funções, é possível citar:
• Ajudar a organização a atingir sua missão;
• Propiciar meios para a realização dos objectivos da empresa;
• Atribuir equilíbrio entre as expectativas das empresas e dos colaboradores;
• Gerir a produtividade e a qualidade;
• Criar métodos para melhorar o desempenho individual e organizacional;
• Desenvolver e reter talentos;
• Garantir a motivação e o comprometimento dos colaboradores;
• Garantir um ambiente de trabalho saudável;
• Gerir mudanças organizacionais.

28
Externato Cantinho do Céu
Variáveis básicas da teoria geral da administração

Tarefas:. Procurava padronizar a execução da tarefa, tornando o trabalho mais eficiente e permitindo a
especialização do trabalhador. É a fase em que administrar significa máxima eficiência possível. Também
podemos dizer que é a abordagem típica da escola da administração científica. A administração científica
representa uma primeira aproximação teórica aos estudos da administração empresarial e localizou-se,
inicialmente, no nível do trabalho individual de cada trabalhador. Simplificação e padronização tornaram o
trabalho mais eficiente. Daí a fragmentação das tarefas para permitir a especialização do trabalhador.

Estrutura: A teoria estruturalista foi desenvolvida por causa dos estudos realizados sobre as limitações e
rigidez encontrada no modelo burocrático. É a fase na qual administrar significa basicamente planejar e
organizar a estrutura de órgãos e cargos que compõem a empresa, dirigir e controlar as suas actividades. A
empresa deve ser mais eficiente do que os seus trabalhadores.

Pessoas: é a fase em que administrar é, sobretudo, lidar com pessoas. Também procura enfatizar as pessoas
dentro das empresas, deixando em segundo plano a estrutura e as tarefas. Esta abordagem da TGA (Teoria
Geral da Administração) foi uma reacção à abordagem mecanicista e rígida da teoria clássica e da teoria da
burocracia. Pode ser desdobrada em duas escolas ou teorias: Escola das Relações Humanas e Teoria
Comportamental.

Tecnologia: é a fase em que administrar significa lidar com a tecnologia, para extrair dela a máxima
eficiência possível.

Ambiente: surgiu com o aparecimento da Teoria da Contingência, segundo a qual não existe uma única
melhor maneira de organizar as empresas, pelo contrário, as características estruturais da empresa
dependem das características ambientais que a circundam. Assim a ênfase no ambiente, procura lidar com
as demandas do ambiente e obter o máximo de eficácia da empresa.

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO:

1. O que entendes por gestão?


2. Explica em tuas palavras a função da gestão.
3. Diz duas variáveis básicas da teoria geral da administração.
a) Explica uma a tua escolha.
4. O Sr. Mundau frequenta a 10ª classe curso nocturno na Escola Comunitária de Magude e é um
pequeno empreendedor no bairro onde vive. Ele fez um projecto para abertura de uma carpintaria
onde alistou como material:
Terreno 41.000,00MT, Custos da Madeira 6.000,00, Alpendre 8.000,00MT, Salários do pessoal 50% do valor do
alpendre, Equipamento (Máquinas) 40.000Mt, Cola, verniz e pregos 1/3 do custo da madeira, Salário do
gerente 4000,00Mt, Mobiliário 6500,00MT, Artigos de escritório 1200,00, Combustível 1200, Mt, motorizada
12.500,00MT, Instalação dos equipamentos e produção experimental 3.500,00MT,

a) Calcula o capital fixo.


b) Calcula o Capital Circulante sabendo que a previsão de vendas antes dos lucros cobrirem as despesas é
de 1.5 meses.
c) Calcula o custo do projecto.

29
Externato Cantinho do Céu
1º TEMA: CULTURA DE BANANEIRA

A banana (Musa spp.) é uma fruta de consumo universal,


sendo umas das mais consumidas no mundo, e, é
comercializada por dúzia, por quilo e até mesmo por
unidade. É rica em carbohidratos e potássio, médio teor em
açúcares e vitamina A. A bananeira é originária da Ásia.
Adapta-se nos climas quentes com muita água. A bananeira
é uma planta aquática e deve estar abrigada de vento forte.
A cultura de bananeira ocupa uma grande importância no
volume de frutas em Moçambique.

A expansão das áreas de produção intensiva da banana vem


responder à grande procura desta fruta a nível mundial.
Razão pela qual, no nosso país, temos empresas privadas para o cultivo da bananeira para posterior
exportação. A título de exemplo, temos a Metaneska Moçambique, Lda no distrito de Monapo na província
de Nampula, temos a Bananalândia nas regiões de Namaacha e Boane, na província de Maputo.

A bananeira também é produzida no sector familiar, onde os pequenos agricultores, usando as suas
tecnologias produzem em grandes escala nas regiões frescas de província de Manica, regiões de Macate.

Classificação taxonómica da bananeira

As bananeiras, produtoras de frutos comestíveis, foram classificadas, pela primeira vez, por Lineu, que as
agrupou no género Musa com as espécies: Musa cavendishii, Musa sapientum, Musa paradisiaca e Musa
corniculata. , Família Musaceae.

Morfologia

A Bananeira é uma planta herbácea, caracterizada pela exuberância de suas formas e dimensões das folhas.
Possui tronco curto e subterrâneo, representado pelo rizoma e o conjunto de bainhas das folhas de
pseudocaule. O rizoma constitui um órgão de reserva, onde se insere as raízes adventícias e fibrosas.
Entretanto, na linguagem popular este é chamado de tronco da bananeira.

A multiplicação da bananeira processa-se, naturalmente no campo, por via vegetativa, pela emissão de
novos rebentos. Entretanto, o seu plantio também pode ser feito por meio de sementes, processo este usado
mais frequentemente quando se pretende fazer a criação de novas variedades ou híbridos.

Exigências climáticas da bananeira


Abananeira, planta tipicamente tropical, exige calor constante. A faixa de temperatura óptima para o
desenvolvilmento das bananeiras comercias é de 26-28 graus centígrados, com mínimas não inferiores a 15
graus centígrados e máximas não superiores a 35 graus centígrados. Abaixo de 15 graus centígrados,
30
Externato Cantinho do Céu
actividade da planta é paralizada e, acima de 35 graus centígrados, o desenvolvimento é inibido
principalmente devido à desidratação dos tecidos especialmente das folhas.

Os Solos devem ser ricos em matéria orgânica profundos e permeáveis.


A Propagação das bananeiras é feita vegetativamente por meio de mudas densevolvidas a partir de gemas
do seu caule subterâneos, o rizoma. O ideal é que as mudas sejam oriundas de viveiros que são áreas
estabelecidas com a finalidade exclusiva de produção de material propagativo de boa qualidade.
No caso da inexistência de viveiros, as mudas devem ser obtidas de bananal com plantas bem vigorosas e
em óptimas condições fitossanitárias, cuja idade não seja superior à quatro anos e que não apresente
mistura de variedades e presença de plantas daninhas de difícil erradicação a exemplo da tiririca

Preparação do solo para o estabelecimento do bananal


A lavoura deve ter 30-40 cm de profundidade e feita 3 meses antes da plantação. É preciso canais de rega
ou valas de drenagem. As covas devem ser de 40 a 50 cm de profundidade e 50x70 cm de largura.
Geralmente, faz-se a plantação depois das primeiras chuvas. O compasso varia conforme o porte da planta.
Porém, consideram-se compassos de 3x3, 4x4 ou 5x5 metros.
A plantação pode ser realizada em qualquer época do ano, desde que as chuvas sejam bem distribuídas ou
que a área cultivada seja irrigada. Em condições de sequeiro, o plantio deve ocorrer após o período de maior
concentração de chuvas, uma vez que as necessidades de água para o cultivo da bananeira são menores nos
três primeiros meses após o plantio. A plantação deve ser escalonada para que haja produção durante todo
o ano.

Práticas culturais (rega,adubação, Desbaste e Desfolha)


A adubação é necessária, especialmente, em solos já explorados. Para além de aumentar a produção, a
adubação também tem em vista proteger as plantas de várias moléstias e das deficiências climáticas.
Recomenda-se a fórmula NPK em duas aplicações sendo a primeira no começo da estação chuvosa e a última
no fim da mesma.

Rega: para regiões onde a água é escassa, os métodos priorizados são recomendados: aspersão,
microaspersão, miniasperção e gotejamento.
O método da aspersão é o que molha completamente todo o solo (área molhada de 100%) e quando usado,
os aspersores devem ficar a 1 m do solo, ângulo de inclinação no máximo de 7 graus.
Frequência de irrigação
A irrigação por aspersão em solos franco-arenosos e arenosos pode ser feita em intervalos máximos de 7
dias em regiões semi-áridas a 10 dias em regiões húmidas.
A irrigação localizada, seja por gotejamento, microaspersão ou equivalente deve ser feita em intervalos
máximos de três dias para regiões húmidas e solos com teores de argila acima de 30%, e, pelo menos, duas
vezes por dia em solos arenosos.

Desbaste: Esta prática consiste em se seleccionar um dos filhos, eliminando-se os demais. Os filhos podem
começar a surgir dos 45 a 60 dias após o plantio. Seleccionar, preferencialmente, brotos profundos,
vigorosos e separados 15 a 20cm da planta mãe.
O desbaste é feito cortando-se, com facão, a parte aérea do filho rente ao solo. Em seguida, extrai-se a gema
apical ou ponto de crescimento. Pode-se também optar pelo simples corte das brotações, que, neste caso,
teriam que ser realizadas 3 a 4 vezes, para impedir o crescimento.

31
Externato Cantinho do Céu
Desfolha: Consiste em eliminar as folhas secas que não mais exercem funções para a bananeira bem como
todas aquelas que, embora ainda verdes, possam interferir no desenvolvimento normal do fruto. O número
de operações dependerá da necessidade.

Eliminação da ráquis masculina (coração)


A eliminação do coração da bananeira proporciona aumento do peso do cacho, melhora a sua qualidade e
acelera a maturação dos frutos; reduz os danos por tombamento das bananeiras, além de ser uma prática
fitossanitária no controlo do moko.
A eliminação da ráquis masculina deve ser feita duas semanas após a emissão da última penca, mediante a
sua quebra ou corte efectuado 10 a15cm em baixo desta penca.
Corte de pseudocaule após a colheita
Do ponto de vista prático e económico o mais aconselhável é o corte do psedoucaule próximo ao solo,
imediatamente a pós acolheita do cacho, pelas sequentes razões:
• Evita que o pseudocaule, não cortado, promova a ocorrência de doenças;
• Acelera a melhoria das propriedades físicas e químicas do solo, graças á rápida e eficiente incorporação e
distribuição dos resíduos da colheita;
• Reduz custo com realização de um único corte.
Pragas: As principais pragas são os nemátodos
Doenças As doenças mais frequentes são: antracnose dos frutos, mancha clara ou escuro da folha, mancha
negra do fruto. Há ainda a ponta de charuto que ataca a parte terminal dos frutos, dando o aspecto de ponta
queimada de um charuto.
Colheita consiste em separar o cacho do caule e eliminação radical da planta. Cada soca ou pé de bananeira
produz apenas uma só vez dando um só cacho de banana, cujo peso pode ir aos 20 kg ou mais.

Cultura de Cajueiro
O cajueiro é originário da América do sul, concretamente do Brasil. Foi introduzido no continente africano
na 1ª metade do sec XVI, e mais tarde foi lançado para Ásia pelos portugueses.

Importância económica
O cajueiro é uma das fruteiras mais importantes de Moçambique. O nosso país era o primeiro produtor
mundial, participou com 37% da produção mundial na década 70, seguido da índia e Tanzânia.
Maiores produtores: Em Moçambique são: Nampula com 42%, Inhambane com 32% e Sofala em 30 lugar
com????.
O cajueiro é uma árvore de muita possibilidade:

Do fruto castanha do caju extrai se:


- Amêndoa que se consome principalmente como aperitivos e em douçaria.
- CNSL (líquido da casca ou bálsamo) que tem numerosas aplicações industriais como fábrica de resina,
vernizes, tintas, óleo de travões, etc.
- Farinha de castanha que se faz com amêndoa assada e descascada.
- Óleo de amêndoa que é muito usado como anestesia na cura de lepra, calos. Tem 80% de iodo.
Do falso fruto (pêra do caju)
ѐ utilizado para:
- Consumo em fresco, compotas, bebidas alcoólicas e refrigerantes.
Composição nutritiva
- Amêndoa é rica em óleo, proteínas e vitaminas.
-pêra do caju é rica em açúcares e vitaminas, sobretudo a vitamina C cujo teor é 5 vezes superiores à de
citrinos.

32
Externato Cantinho do Céu
- Do tronco – extrai-se a linha do cajueiro que se tira da casca do cajueiro.
-Resina do cajueiro – que se usa como substituto da gama arábica na fabricação de vernizes e em
curtumes (trabalho que se faz com a pele dos animais) e madeira para caixotes.
Finalmente, a copa que serve de sombra.

Classificação científica
FAMÍLIA: Anacardeaceae
GÉNERO: Anacardium
ESPÉCIE: A. Occidentale

Exigências ecológicas (clima e solo)


O cajueiro prefere climas tropicais onde as chuvas são abundantes. Adapta-se em quase todos os solos,
mas prefere terrenos leves arenosos, profundos, permeáveis e boa drenagem. Os solos sujeitos ao
encharcamento não são aptos para culturas de cajueiro.

Sementeira e plantação
Geralmente, a propagação do cajueiro é por semente. A castanha do caju pode ser semeada directamente no
local definitivo ou em viveiro. Cada covacho receberá 2 a 3 sementes.
Após a germinação, procede se à selecção em covacho da planta mais forte, com melhor vigor, e eliminam-
se as restantes. Em caso de não ter havido a germinação, devem-se cobrir as folhas fazendo-se a rentacha.
Antes da sementeira, faz se a selecção da semente que consiste em colocar a castanha num balde com água
e sal eliminando-se as castanhas que flutuarem porque, geralmente, estão vazias. No viveiro transplantam-
se apenas as plantinhas fortes e vigorosas. É necessário controlar o crescimento da raiz principal, de forma
a não atingir o fundo do plástico antes da transplantação evitando a deformação da própria raíz e,
consequentemente, a afectar o desenvolvimento da planta.

Práticas culturais
É necessário manter o terreno limpo de ervas daninhas. Por isso, aconselha-se consociar o cajueiro com
culturas anuais como: feijão, milho, mandioca e ananaseiro, especialmente nos primeiros anos de
implantação do cajual. As capinas devem ser feitas sempre que necessário, evitando cortar as raízes do
cajueiro.
Poda:
Esta operação cultural tem por objectivo facilitar os trabalhos culturais como as capinas, apanha sobre a
copa das árvores pelo que deve se eliminar todos os ramos rastejantes ou em contacto com o solo.
O corte dos ramos secos, mal formados, fracos, tem como finalidade facilitar o desenvolvimento normal da
árvore, o arejamento da copa, facilitando a apanha do caju, aumentar o vigor da árvore, melhorar o equilíbrio
entre a copa e a parte subterrânea.
Pragas e doenças
A principal praga do cajueiro é a bronca do tronco. O ataque manifesta-se com aparecimento do
escorrimento de resina. O seu combate faz se pincelando ou pulverizando o tronco por insecticidas.
O oídio é a doença mais frequente que tem atacado o cajueiro. O tratamento deve ser feito com base em
fungicidas apropriadas. Esta doença produz grandes prejuízos, pois, as flores quando atacadas, ficam secas
e caiem.
Colheita e armazenamento
A produção do cajueiro começa geralmente no 3º ano do seu desenvolvimento. A apanha da castanha de caju
deve ser feita mais frequente possível. A castanha que ficar no solo por muitos dias , pode apanhar chuva e
afecta a qualidade.

33
Externato Cantinho do Céu
Geralmente, a secagem da castanha do caju é feita no chão, de preferência de cimento ou esteira. O
armazenamento é feito no local coberto seco e ventilado.

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO
Responde às seguintes questões:
1. Quais são as vantagens da eliminação do coração na bananeira?
2. Que implicações têm o vento forte na cultura da Bananeira?
3. Qual é o fruto do cajueiro?
4. Qual é a designação que se dá ao caule da bananeira?
5. Por que é que a conservação da castanha do caju deve ser em solo seco?
6. Que importância tem o controlo de pragas e doenças para o cajueiro?
7. Qual é a importância do cajueiro?
8. O desbaste é muito importante para as culturas.
a) A não realização do desbaste que implicância tem na cultura da bananeira?
b) Por que se deve eliminar o pseudocaule da bananeira após o corte do cacho?

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO
1. Distinga hardware de sofware?
2. Aponte 3 características comuns que definem um computador e explique-as.
3. Indique as partes básicas de um computador.
4. Distinga memoria RAM da memória ROM e diga quais são as respectivas funções.
5. Qual é a importância da memória cache num computador?
6. Explique o que é motherboard.
7. Por que se diz que CPU é o verdadeiro computador?
8. Enumere três periféricos de input e três de output.
9. Indique elementos essenciais da motherboard.
10. Para que servem os barramentos num sistema informático?
11. Qual é o significado das siglas DVD e CD-ROM?
12. Qual é a função de um Scanner?
13. Por que se diz que a memoria RAM é volátil?
14. Por que se diz que o Bilhete de identidade de Moçambique é biométrico?
15. Indique algumas áreas da Biometria.

34
Externato Cantinho do Céu
A presente Ficha é resultado da compilação dos conteúdos dos livros da Texto Editores, Plural Editores,
Person/Longman Moçambique, Oxford e conteúdos da Internet.

Autores: JOAQUIM, Vasco; JOZINE, Victor; NHANTUMBO, Wilson; MUNGUAMBE, Adozinda; MAFANEQUELO, Élio;
MUCAVELA, Zito; CHAVANE, Dénio; MUNGUAMBE, Edson; MUNGUAMBE, Fernando; MONDLANE, Jeremias, MACAMO,
Elígio e PARRUQUE, Alexandre.

Compilação: MUCAVELA, Zito; e MUNGUAMBE, Edson;

Revisão Linguística: JOAQUIM, Vasco e MUCAVELA, Zito.

Maquetização: MUCAVELA, Zito Viegas.

Externato Cantinho do Céu, Matola, 26 de Março de 2020

35
Externato Cantinho do Céu