Você está na página 1de 82

Ano Lectivo 2010/2011

Departamento da Educação Pré-Escolar

PROJECTO CURRICULAR DO
DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO
PRÉ-ESCOLAR

ANO LECTIVO 2010-2011


ÍNDICE

Introdução…………………………………………………………………………………………………………………2
1. Recursos Físicos e Materiais………………………………………………………………………………………3
1.1. Espaços…………………………………………………………………………………………………….……..3
1.2. Segurança……………………………………………………………………………………..………………..6
1.3. Equipamentos……………………………………………………………………………………………..…..7
2. Funcionamento e Organização…………………………………………………………………………………12
2.1. População Escolar………………………………………………………………………………………….14
2.2. Actividades Extracurriculares…………………………………………………………………………15
2.3. Componente de Apoio à Família……………………………………………………………..
……..17
2.4. Calendário Escolar………………………………………………………………………………………….19
2.5. Horário de Funcionamento…………………………………………………………………………….19
2.6. Atendimento à Família……………………………………………………………………………………
20
3. Perfil de Competências dos alunos…………………………………………………………………………..21
3.1. Área de Formação Pessoal e Social…………………………………………………………………
22
3.2. Área de Expressão e Comunicação…………………………………………………………………23
3.3. Área de Conhecimento do
Mundo………………………………………………………………….29
3.4. Competências Gerais a atingir pelos alunos no final da Educação Pré-escolar.31
4. Projecto de Departamento………………………………………………………………………………………32
5. Plano Anual de Actividades………………………………………………………………………………………38
5.1. P.A.A. do Departamento…………………………………………………………………………………
38
5.2. Actividades de Articulação com o 1º CEB……………………………………………………….45
6. Avaliação…………………………………………………………………………………………………………………61
6.1. Avaliação dos alunos………………………………………………………………………………………
62
6.2. Avaliação do Projecto de
Departamento………………………………………………………..62
6.3. Avaliação do
P.A.A………………………………………………………………………………………….62
7. Anexos…………………………………………………………………………………………………………………….62
e seguintes

2
INTRODUÇÃO

A escola actual deixou de ser um local onde apenas, se fazem transmissão de conhecimentos. Face aos
desafios da sociedade, pretende-se também que seja um espaço onde se desenvolve nos alunos/crianças,
competências básicas que lhes permitam a resolução dos mais diversos problemas da vida em sociedade,
sem que os mesmos esqueçam os valores subjacentes a todos os seus actos e atitudes, tais como: a
tolerância, a partilha; a responsabilização; a autonomia; o espírito crítico; a participação activa; o respeito
(por si próprio e pelos outros); a defesa do ambiente; a promoção para a saúde…assim, a Escola deverá ser
o primeiro patamar do sistema educativo onde esses valores deverão começar a ser construídos vividos e
solidificados.

A Educação pré-escolar ao longo da sua existência tem vindo a sofrer alterações, quer a nível estrutural,
quer a nível pedagógico. Actualmente tem uma importância acrescida no contributo para a melhoria da
qualidade de educação, o que está bem presente nas Orientações Curriculares, no seu princípio geral: “A
educação pré-escolar é a primeira etapa da educação básica no processo de educação ao longo da vida,
sendo complementar da acção educativa da família com a qual deve estabelecer estreita relação,
favorecendo a formação e o desenvolvimento equilibrado da criança, tendo em vista a sua plena
inserção na sociedade como ser autónomo, livre e solidário.”

 Ao elaborar este Projecto Curricular de Departamento, que se pretende que seja um documento de
orientação pedagógica para todo o departamento, foram tidos como quadro de referência, os princípios
orientadores previstos nas Orientações Curriculares para a Educação Pré-escolar, que vinculam a
intencionalidade do processo educativo neste nível de educação e ensino e os objectivos gerais enunciados
na Lei-Quadro da Educação Pré-Escolar. Começamos por fazer a apresentação dos recursos físicos e
materiais dos diversos edifícios, seguindo-se a apresentação do modo de funcionamento e organização
deste nível de Educação e Ensino.

3
Este Departamento também fez uma leitura detalhada das Metas de Aprendizagens publicadas
recentemente pela DGIDC e também a partir deste documento orientador decidiu elaborar o perfil de
competências que as crianças/alunos deverão apresentar no final da educação Pré-escolar. Dessa forma e
conhecendo a realidade das crianças deste meio, decidiu-se elaborar, criteriosamente e de uma forma
exequível as competências que, as crianças deste departamento terão no final da Educação Pré-escolar,
promovendo-se a intencionalidade educativa de uma forma continuada e articulada.

4
1 - RECURSOS FÍSICOS E MATERIAIS
1.1 - ESPAÇOS
INTERIOR

SALA DE ACTIVIDADES CASAS DE BANHO GABINETE DE ARRECADAÇÃO COZINHA REFEITÓRIO HALL


FREGUESIA JARDIM DE ATENDIMENTO
INFÂNCIA
Nº ÁREA ADEQUADA DEFICIENTES SIM NÃO SIM NÃO SIM NÃO SIM NÃO S N
I Ã
ADEQUADA M O

SIM NÃO SIM NÃO SIM NÃO

Alqueidão da J.I. Alqueidão da 2 x X X X X X X X


Serra Serra
Arrimal J.I. Arrimal 1 X X X X X X X X

Calvaria de J.ICalvaria de Cima. 2 X X X X X X X X X


Cima
J.I. S.Jorge 1 X X X X X X X X

Juncal J.I.Casais Garridos 1 X X X X X X X X

J.I. Cumeira de Cima 1 X X X X X X X X

J.I.Juncal 1 X X X X X X X X

Mendiga J.I.Mendiga 1 X X X X X X X X

Pedreiras J.I. Cruz da Légua 1 X X X X X X X X

J.I. Pedreiras 1 X X X X X X X X

5
J.ITremoceira 1 X X X X X X X X

São Bento J.I. S.Bento 1 X X X X X X X X

J.I. Porto de Mós 3 X x x x x x x x x


São João
J.I. Fonte do Oleiro 1 X X X X X X X X

São Pedro J.I. Corredoura 1 X X X X X X X X

J.I. Tojal de Cima 1 X X X X X X X X

Serro Ventoso J.I. Serro Ventoso 2 X X X X X X X X

EXTERIOR

ÁREA SUPERFÍCIES DE IMPACTO CAIXA DE AREIA EQUIPAMENTOS


FREGUESIA JARDIM DE
ADEQUADA CALÇADA RELVA TERRA PAVIMENTO COBE DESC ADEQUADO ESTADO DE
INFÂNCIA DE RTA OBER CONSERVA
BORRACHA TA ÇÃO

SIM NÃO SIM NÃO B RAZOÁVEL


O
M

Alqueidão da J.I. Alqueidão da X X X X X X X X


Serra Serra
Arrimal J.I. Arrimal X X X X X X X

Calvaria de J.ICalvaria de Cima. X X X X X X X


Cima
J.I. S.Jorge X X X X X X

6
Juncal J.I.Casais Garridos X X X X X X X X

J.I. Cumeira de Cima X X X X X X X

J.I. Juncal X X X X X

Mendiga J.I.Mendiga X X X X X X X X

Pedreiras J.I. Cruz da Légua x x x x x

J.I. Pedreiras X X X X X X X

J.ITremoceira X X X X X X X

São Bento J.I. S.Bento X X X X X X X

São João J.I. Porto de Mós x x x x x x x

J.I. Fonte do Oleiro X X X X X X X X

J.I. Corredoura X X X X X
São Pedro
J.I. Tojal de Cima X X X

Serro Ventoso J.I. Serro Ventoso X X X X X X

1.2 - SEGURANÇA

7
EXTINTOR SAÍDAS DE RAMPAS VEDAÇÃO PORTÃO COM CAMPAÍNHA ALARME
EMERGÊNCIA FECHADURA
FREGUESIA JARDIM DE IDENTIFICADAS DE
SEGURANÇA
INFÂNCIA

ESTADO DE
CONSERVAÇÃO

SIM NÃO SIM NÃO SIM NÃO SIM NÃO SIM NÃO SIM NÃO

BOM MAU

Alqueidão da J.I. Alqueidão da X X X X X X X


Serra Serra
Arrimal J.I. Arrimal X X X X X X X

Calvaria de Cima J.ICalvaria de Cima. X X X X X X X X

J.I. S.Jorge X X X X X X X X

Juncal J.I.Casais Garridos X X X X X X X

J.I. Cumeira de Cima X X X X X X X

J.I.Juncal X X X X X X X

Mendiga J.I.Mendiga X X X X X X X

Pedreiras J.I. Cruz da Légua X X X X X X X

J.I. Pedreiras X X X X X X X

J.ITremoceira X X X X X X X X X

São Bento J.I. S.Bento X X X X X X X

8
J.I. Porto de Mós X X X X X X X X X
São João
J.I. Fonte do Oleiro X X X X X X X

São Pedro J.I. Corredoura X X X X X X X

J.I. Tojal de Cima X X X X X X

Serro Ventoso J.I. Serro Ventoso X X X X X X X

1.3 – EQUIPAMENTOS

MATERIAL PEDAGÓGICO

ADEQUADO SUFICIENTE ESTADO DE CONSERVAÇÃO


FREGUESIA JARDIM DE INFÂNCIA
SIM NÃO SIM NÃO BOM MAU

Alqueidão da Serra J.I. Alqueidão da Serra X X X

Arrimal J.I. Arrimal X X X

J.ICalvaria de Cima. X X X
Calvaria de Cima
J.I. S.Jorge X X X

J.I.Casais Garridos X X X

Juncal J.I. Cumeira de Cima X X X

J.I.Juncal X X X

Mendiga J.I.Mendiga X X X

Pedreiras J.I. Cruz da Légua X X X

9
J.I. Pedreiras X X X

J.ITremoceira X X X

São Bento J.I. S.Bento X X X

J.I. Porto de Mós X X X


São João
J.I. Fonte do Oleiro X X X

J.I. Corredoura X X X
São Pedro
J.I. Tojal de Cima X X razoável

Serro Ventoso J.I. Serro Ventoso X X razoável

10
11
MOBILIÁRIO
ADEQUADO SUFICIENTE ESTADO DE CONSERVAÇÃO
FREGUESIA JARDIM DE INFÂNCIA
SIM NÃO SIM NÃO BOM MAU

X x razoável
Alqueidão da Serra J.I. Alqueidão da Serra
X X X
Arrimal J.I. Arrimal

J.ICalvaria de Cima. X X X
Calvaria de Cima
J.I. S.Jorge X X X

J.I.Casais Garridos X X X

Juncal J.I. Cumeira de Cima X X X

J.I.Juncal X X X

Mendiga J.I.Mendiga X X X

J.I. Cruz da Légua X X X

Pedreiras J.I. Pedreiras X X X

J.ITremoceira X X Bom e Razoável

São Bento J.I. S.Bento X X X

J.I. Porto de Mós X X X - razoável


São João
J.I. Fonte do Oleiro X X X

J.I. Corredoura X X X
São Pedro
J.I. Tojal de Cima X X razoável
12
Serro Ventoso J.I. Serro Ventoso XX X X
FREGU JARDIM TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO
ESIA DE
INFÂNCI
A COMPUTA IMPRESSORA MÁQUINA LEITOR DE CD TELEVISÃO WEBCAM LEITOR DE TELEFONE QUADRO PROJECTOR INTERNET OUTROS
FOTOGRÁFICA DVD INTERACTIVO DE SLIDES
DOR DIGITAL

Q E Q E Q E Q ESTA Q EST Q E Q E Q ES Q EST Q E


U S U S U S U DO U AD U S U S U TA U AD U S
S N
A T A T A T A DE A O A T A T A DO A O A T I Ã
N A N A N A N CON N DE N A N A N DE N DE N A
T D T D T D T SERV TI CO TI D T D TI CO TI CO TI D M O
I O I O I O I AÇÃ D NSE D O I O D NS D NS D O
D D D D D D D O A RV A D D A ER A ER A D
A E A E A E A D AÇ D E A D D VA D VA D E
D C D C D C D E ÃO E C D E E ÇÃ E ÇÃ E C
E O E O E O E O E O O O
N N N N C N
B M B M B M B M B M B M B M B M B M B M
O A O A O A O A O A O A O A O A O A O A
M U M U M U M U M U M U M U M U M U M U
Alqueidão J.I. Alqueidão 1 X 1 X 1 X 2 X 1 X 1 X 1 X 1 X 1 X X
da Serra da Serra
1 X 1 X 1 X 1 X 1 X 1 X 1 X 1 X 0 0 X Leitor
Arrimal J.I. Arrimal de VHS

J.ICalvaria de 2 X X 2 X 1 X 1 x 1 X 1 X 1 X 1 X 0 1 X
Calvaria de Cima.
Cima 1 X 1 X 0 1 X 1 X 1 X 1 X 1 X 0 1 X
J.I. S.Jorge
Juncal J.I.Casais 1 X 1 X 0 1 X 1 X 1 1 X 1 X 0 0 X
Garridos
J.I. Cumeira 1 X 1 X 1 X 1 X 1 X 1 X 1 X 0 0 1 X X
de Cima
13
J.I.Juncal 1 X 2 X 1 X 2 X 1 X 1 X 1 X 1 X X

Mendiga J.I.Mendiga 2 X 2 X 1 X 2 X 1 X 1 X 1 X 1 X 0 0 X

J.I. Cruz da 1 X 1 X 1 X 0 1 X 1 X 1 X 1 X 0 1 X X
Légua
2 X X 1 X 1 X 1 X 1 X 1 X 1 X 1 X x
Pedreiras J.I. Pedreiras
3 X 2 X 1 X 1 X 1 X 1 X 1 X 2 X X 1
J.ITremoceira
MP4
São Bento J.I. S.Bento 2 X 2 X - 1 X 1 X - 1 X - 1 X X -

J.I. Porto de 7 3 4 3 X 2 X 1 X 1 X 3 X 1 X 1 X 1 X X
Mós
São João
J.I. Fonte do 2 X 1 X 1 X 1 X 1 X 1 X 1 X 1 X X
Oleiro
J.I. 1 X 1 X 1 X 1 X 1 X 1 X 1 X 1 X 0 0 X
Corredoura
São Pedro
J.I. Tojal de 1 X 1 X 1 X 1 X 1 X 1 X 1 X 0
Cima
Serro J.I. Serro 1 X 1 X 0 1 X 1 X 1 X 1 X 1 X 0 0
Ventoso Ventoso

14
2 – FUNCIONAMENTO E ORGANIZAÇÃO
O Funcionamento e organização do Jardim de Infância dependem das disposições definidas superiormente
e são estabelecidas na primeira reunião de início de ano lectivo, de acordo com os interesses e
necessidades das famílias, conforme estabelece a Lei-Quadro da Educação Escolar e conforme o
consignado no Regulamento Interno do Agrupamento de Escolas de Porto de Mós, nos seus artigos 137º e
138º.

Organização da Educação Pré-Escolar

1. Os horários dos estabelecimentos de Educação Pré-escolar estão consignados na Portaria nº 583/97 de 1 de


Agosto.

2. A componente lectiva que corresponde à Componente Educativa tem a duração de cinco horas diárias distribuídas
por dois blocos:
a) O primeiro bloco, preferencialmente de três horas, corresponde ao período da manhã;
b) O segundo bloco tem a duração de duas horas e corresponde ao período da tarde;
c) A frequência do Jardim de Infância deve ser assídua e pontual. É dado um período de tolerância de 15 minutos, nos
períodos da manhã e da tarde. Em casos excepcionais permite-se a entrada das crianças mediante justificação dos
pais.

3. A componente não lectiva corresponde à Componente de Apoio à Família (CAF) e é distribuída de acordo com as
necessidades das famílias, podendo estar distribuída por três períodos:
a) Período da manhã, que antecede a componente lectiva;
b) Período do almoço;
c) Período da tarde, após a componente lectiva.

Componente de Apoio à Família

1. A componente de apoio à Família, presta um serviço de complemento de horário do Jardim-de-infância às famílias


que o requererem.

2. De acordo com a Lei-Quadro para a Educação Pré-Escolar a componente de apoio à família resulta das
necessidades sentidas pelos Encarregados de Educação, de acordo com o levantamento feito pelos Educadores de
Infância e pelo Órgão de Gestão, no acto da inscrição das crianças.

3. Para além dos Encarregados de Educação, são intervenientes neste processo:

a) A Direcção Regional de educação do Centro;


b) O Centro Regional da Segurança Social;
c) A Câmara Municipal de Porto de Mós;

4. Durante o mês de Julho deverá ser feita uma reunião com todas as entidades directamente envolvidas no
processo, para definir todo o funcionamento da componente.

5. A componente é composta pelos serviços de refeição e prolongamento de horário:


a) O serviço de refeição deve ser feito em salas apropriadas ou adaptadas para o efeito;
b) O prolongamento de horário deve ser feito em espaços, tanto quanto possível, fora da sala de actividades e com
materiais diversificados.

6. O pessoal que supervisiona estes serviços é da responsabilidade da autarquia ou das entidades que os asseguram
e compõe-se de um Animador e Auxiliares em número suficiente para garantir as condições de segurança e higiene.
15
7. O serviço de apoio à família realiza-se durante o período de almoço e nas horas subsequentes ao encerramento
das actividades lectivas, não podendo ser responsabilizado o Educador ou o Agrupamento, por qualquer incidente
que possa ocorrer. Todas as crianças que frequentem esse serviço, estão cobertas pelo seguro escolar.

8. A supervisão pedagógica da Componente de Apoio à Família é da responsabilidade do órgão de gestão do


Agrupamento e da Educadora:

a) É da competência do Educador responsável pelo grupo, programar as actividades, fazer o seu acompanhamento e
avaliação através de reuniões com a animadora;
b) A supervisão pedagógica é realizada após as cinco horas lectivas diárias, no âmbito da componente não lectiva de
estabelecimento.

9. A CAF assegura a totalidade do horário do Jardim-de-infância nas seguintes condições:

a) Faltas da Educadora quando previamente comunicadas;


b) Interrupções das actividades lectivas.

16
2.1 -POPULAÇÃO ESCOLAR

Nº de Crianças Proximidade da EB1


Jardim Nº
Assistentes
Freguesia de da 3 4 5 6 NEE Educadoras
operacionais Sim Não
Sala Total
Infância Anos Anos Anos Anos

Alqueidão da J.I. Alqueidão da 1 8 3 7 18 1 Ana Luisa Correia X


Serra Serra 2 4 6 8 18 Paula Costa 1 X
Arrimal J.I. Arrimal 1 6 5 7 1 19 0 Mónica Maurício 1 X
Calvaria de J.ICalvaria de 1 16 7 23 Emília Serrano 1 X
Cima Cima. 2 5 17 2 24 Esperança Macedo 1 X
J.I. S.Jorge 1 3 5 17 25 Anabela Guerra 1 X

J.I.Casais 1 7 3 2 1 13 Rosa Matos 1 X


Garridos
Juncal J.I. Cumeira de 1 7 5 3 15 1 Helena Carvalho 1 X
Cima
J.I.Juncal 1 4 12 9 25 Cecília Cordeiro 1 X
Mendiga J.I.Mendiga 1 7 6 5 18 1 Marisa Monteiro X
1 6 3 6 15 Sílvia Fino 1 X
J.I. Cruz da Légua
Pedreiras X
J.I. Pedreiras 1 2 8 9 1 20 2 Mª Carmo Sousa 1 X
J.ITremoceira 1 14 1 8 23 Graça Duarte 1 X
São Bento J.I. S.Bento 1 2 10 2 14 Fátima Bértolo 1 X
1 15 15 Conceição Carvalho 1 X
J.I. Porto de Mós 2 4 20 1 25 Mª José Silva 1 X
São João 3 18 3 4 25 Ana Fernandes 1 X
J.I. Fonte do 1 5 10 4 19 Élia Lopes 1 X
Oleiro X
J.I. Corredoura 1 6 8 10 1 25 3 Irene do Vale 1 X
São Pedro 1 5 5 5 15 Margarida Oliveira 1 X
J.I. Tojal de Cima
1 0 11 7 18 Élia Ferreira 1
Serro Ventoso J.I. Serro Ventoso
2 11 0 0 11 Mª Helena Barralé 1
2.2 - ACTIVIDADES EXTRA CURRICULARES
17
Actividade física e
Adaptação ao meio aquático Música Inglês
desportiva
Jardim de
Freguesia
Infância
1ºPeríodo 2ºPeríodo 3ºPeríodo

J.I. Alqueidão da Serra X X X


Alqueidão da 1
Serra 2 X X X

Arrimal J.I. Arrimal X X X


J.ICalvaria de Cima X X X
Calvaria de 1
Cima 2 X X X

J.I. S.Jorge X X X

J.I.Casais Garridos X X X

Juncal J.I. Cumeira de Cima X X X

J.I.Juncal X X X

Mendiga J.I.Mendiga X X X

J.I. Cruz da Légua X X X

Pedreiras J.I. Pedreiras X X X

J.ITremoceira X X X

São Bento J.I. S.Bento X X X

São João J.I. Porto de Mós X X X


1
2 X X X
3 X X X
18
J.I. Fonte do Oleiro X X

J.I. Corredoura X X X
São Pedro
J.I. Tojal de Cima X X X
J.I. Serro Ventoso X X X
1
Serro Ventoso
2 X X X

2.3 - COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA

19
Entidade Promotora ALMOÇO PROLONGAMENTO
Jardim de
Freguesia OUTRA Fora do Nº de
Infância C.M.P.M.
Nº de No Fora do Edifício Nº de Nº de
No Edifício Edifício Acompanha
Alunos Edifício ONDE? Acompanhantes Alunos
QUAL? ONDE? ntes

1 11 X 2,ficando 1
J.I. Alqueidão da X 17
Refeitório até às 17h30
Alqueidão Serra 1
da Serra
X 18 Refeitório 10 X
2
2 0
Arrimal J.I. Arrimal X 18 X

J.ICalvaria de Cima Casa do 14 Casa


19 Salão Paroquial
1 Povo Amarela
Calvaria de 5 3
Casa do 20 Casa
Cima 2 Povo
23 Salão Paroquial
Amarela

Casa do 4/5 18 2/ 3
23 1º ciclo 1º CEB
J.I. S.Jorge Povo

Centro 4 9 X 2
Paroquial 12 X
J.I.Casais Garridos
do Juncal

3 10 No edifício 2
No refeitório Polivalente
Juncal J.I. Cumeira de Cima X 15
comum ao 1ºCEB comum ao
1º CEB

C.P. A. de X 2 19 C. P. A. 1
24
J.I.Juncal Juncal Juncal

18 X 14 X 1
Interessadas
Mendiga J.I.Mendiga X 2 no prolonga-
mento.
(Situação
provisória)
J.I. Cruz da Légua X 13 Salão da capela 2 9

20
2 até às
Na sala de
17,45h,
actividades
depois fica 1

Pedreiras
X 20 Jardim 2 14 não AAIP 1
J.I. Pedreiras

X AAI AAI
J.ITremoceira
Pedreiras
23 X 2 11
Pedreiras
1

X - 14 X - 1 9 X - 1
São Bento J.I. S.Bento
J.I. Porto de Mós X 10 9
1
2 X ADP 8 ADP 5 8
São João
3 X 22 14

X ADP 17 X Refeitório 2 14 X 1
J.I. Fonte do Oleiro

São Pedro J.I. Corredoura X ADP 22 X 2 15 X 2

J.I. Tojal de Cima X 15 X 3 7 X 1

J.I. Serro Ventoso X 16 X 3 8 X 1


Serro 1
Ventoso 2 X 11 X 3 5 X 1

21
2.4 - CALENDÁRIO ESCOLAR 2010/2011

Início – 13 de Setembro 2010

Fim – 5 de Julho de 2011

Interrupções Lectivas:

Natal: de 21 de Dezembro a 31 de Dezembro

Informações aos pais: 23 de Dezembro

Carnaval: de 7 a 9 de Março

Páscoa: de 12 a 21 de Abril

Informação aos pais: 14 de Abril

Entrega de avaliação de final de ano: 8 de Julho

2.5 - HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO

Todos os Jardins de Infância do agrupamento têm o seguinte horário:

Período da manhã: das 9 horas às 12 horas

Período da tarde: das 13horas e 30 minutos às 15horas e 30 minutos

São excepção os Jardins de Infância de Porto de Mós e Tremoceira, cujo horário é :

Período da manhã: das 9 horas às 12 horas

Período da tarde: das 14 horas às 16horas

2.6 - ATENDIMENTO À FAMÍLIA


22
O atendimento às Famílias é feito em dias e horas estabelecidas na primeira reunião de pais em cada Jardim
de Infância, durante uma hora por mês.

JARDIM DE INFÂNCIA EDUCADORAS DIA DA SEMANA HORÁRIO OBSERVAÇÕES

Paula Costa
Alqueidão da Serra Ana Luísa 1ª Segunda-feira 15.30h às 16.30h

Arrimal Mónica Maurício 1ª Quarta-feira 12h às 13h


Esperança Macedo
1ªs e 2ªs
Calvaria de Cima Segundas-feiras
15.30h às 16h
Emília Paiva
Casais Garridos Rosa Matos 1ª Segunda-feira 12h às 13h
Irene Vila Nova 2ªs e 3ªs Terças-
Corredoura feiras
15.30h às 16h
1ªs e 3ªs Terças-
Cruz da Légua Silvia Fino
feiras
15.30h às 16h
1ªs e 3ªs Terças-
Cumeira de Cima Helena Carvalho
feiras
15.30h às 16h
1ªs Segundas e
Fonte do Oleiro Élia Lopes
Terças-feiras
15.30h às 16h

Juncal Cecília Cordeiro 2ªs Terças-feiras 15.30h às 16.30h


1ªs Segundas-
Mendiga Marisa Monteiro
feiras
15.30h às 16.30h
1ªs e 3ªs Terças-
Pedreiras Carmita Sousa
feiras
15.30h às 16h
Ana Fernandes
Maria José Silva 1ªs e 3ªs Terças-
Porto de Mós feiras
16h às 16.30h
Conceição Carvalho
1ªs e 3ªs
S. Bento Fátima Marto
Segundas-feiras
15.30h às 16h
1ªs e 3ªs
S. Jorge Anabela Guerra
Segundas-feiras
15.30h às 16h
Élia Ferreira 1ªs e 3ªs Terças-
Serro Ventoso Helena Barralé
15.30h às 16h
feiras
12h às 12.30h
Tojal Margarida Oliveira 1ª Terça-feira
15.30h às 16h
1ªs e 3ªs Terças-
Tremoceira Graça Duarte
feiras
16h às 16.30h

23
3 - PERFIL DE COMPETÊNCIAS DAS CRIANÇAS
OBJECTIVOS GERAIS PEDAGÓGICOS DEFINIDOS PARA A EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

- Promover o desenvolvimento pessoal e social da criança com base em experiências de vida democrática,
numa perspectiva de educação para a cidadania.

- Fomentar a inserção da criança em grupos sociais diversos, no que respeita à diversidade das culturas,
favorecendo uma progressiva consciência como membro da sociedade.

- Contribuir para a igualdade de oportunidades no acesso à escola e para o sucesso da aprendizagem.

- Estimular o desenvolvimento global da criança no respeito pelas suas características individuais, ensinando
comportamentos que favoreçam aprendizagens significativas e diferenciadas.

- Desenvolver a expressão e a comunicação através de linguagens múltiplas como meios de relação, de


informação, de sensibilização estética e de compreensão do mundo.

- Despertar a curiosidade e o pensamento crítico.

- Proporcionar à criança momentos de bem-estar e de segurança, nomeadamente no âmbito da saúde


individual e colectiva.

- Proceder à despistagem de inadaptações, deficiências ou precocidades e promover a melhor orientação e


encaminhamento da criança.

- Incentivar a participação das famílias no processo educativo e estabelecer relações de efectiva colaboração
coma comunidade.

Segundo as Orientações Curriculares para a Educação Pré-escolar, são três as áreas de conteúdo a considerar
no planeamento e avaliação das situações e oportunidades de aprendizagem:

1. Área da Formação Pessoal e Social


2. Área da Expressão e comunicação
3. Área do Conhecimento do Mundo

ÁREAS DE CONTEÚDO

As Áreas de Conteúdo da Educação Pré-escolar, segundo as Orientações Curriculares, aparecem como meio de
facilitar a articulação e comunicação entre Educadores e docentes dos outros níveis de ensino.

As diferentes Áreas deverão ser consideradas também como meio facilitador do planeamento e da avaliação
de experiências e oportunidades educativas.

24
3.1 - ÁREA DE FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL
Esta Área contempla um dos princípios em que se fundamenta a organização curricular do Sistema Educativo e
corresponde a um processo que terá em vista a formação de cidadãos conscientes, com base na aquisição de
espírito crítico e na interiorização de valores sociais.
A importância desta Área decorre da perspectiva de que o ser humano influencia e sofre influências do meio
que o rodeia, e de como esta influência leva à aprendizagem da sua identidade e desenvolve a sua autonomia.
A área de formação pessoal e social integra todas as outras áreas de conteúdo pois, tem a ver com a forma
como a criança se relaciona consigo própria, com os outros e com o mundo, num processo que implica o
desenvolvimento de atitudes e valores. Esta área de conteúdo integra dois âmbitos curriculares: A criança e o
seu corpo; Desenvolvimento Afectivo e Socialização.

Objectivos do Educador:
- Fomentar a autonomia e a responsabilidade, dentro de um espírito democrático e participação activa;
- Aprofundar o conhecimento de si próprio e do outro, desenvolvendo atitudes de auto-estima;
- Promover uma educação para a cidadania e multiculturalidade, valorizando a diferença e o respeito pelo
outro.

Na Área de Formação Pessoal e Social, a criança deve:


No âmbito – A criança e o seu corpo
· Identificar as diferentes partes do seu corpo, as suas características e qualidades pessoais.
· Conhecer e utilizar os sentidos na exploração do seu corpo, na classificação de objectos e na identificação
de sensações e percepções.
· Aplicar conscientemente normas de higiene pessoal.
· Ser autónomo nas refeições, no vestir, despir e calçar.
No âmbito – Desenvolvimento Afectivo e socialização
· Identificar e controlar os próprios sentimentos, emoções, necessidades..., assim como identificar e
respeitar os dos outros.
· Cumprir regras simples.

3.2 - ÁREA DE EXPRESSÃO E COMUNICAÇÃO

25
Esta Área engloba as aprendizagens relacionadas com o desenvolvimento psicomotor e simbólico que
determina a compreensão e o progressivo domínio das diferentes formas de linguagem.
Nesta área distinguem-se vários domínios curriculares – Domínio das expressões (âmbito da expressão
motora, expressão dramática, expressão plástica e expressão musical), Domínio da linguagem oral e
abordagem à escrita e o domínio da matemática -, que se consideram dever estar intimamente relacionados,
porque todos eles se referem à aquisição e à aprendizagem de códigos que são meios de relação com os
outros, de recolha de informação e de sensibilização estética, indispensáveis para a criança representar o seu
mundo interior e o mundo que a rodeia.

DOMÍNIO DAS EXPRESSÕES


MOTORA – Desenvolvimento da coordenação dinâmica geral, do equilíbrio e da postura, da coordenação
manual, da percepção sensorial, a fim de levar a criança a um melhor domínio e utilização do seu próprio
corpo, instrumento de relação com o mundo.

Objectivos do Educador:

- Favorecer o desenvolvimento e estruturação do esquema corporal no que diz respeito à consciência do seu
próprio corpo: respiração, lateralidade, coordenação e equilíbrio corporal e coordenação óculo-manual
(motricidade global e fina).
- Proporcionar actividades que contribuam para um maior desenvolvimento sensorial da criança e um
melhoramento da sua orientação espaçio-temporal.

No Domínio da Expressão Motora, a criança deve:


Reconhecer a direita e a esquerda em relação ao seu corpo.

· Controlar as diferentes formas de deslocação: andar, correr, saltar... coordenando os diversos movimentos
implicados.

· Identificar e descrever a ordenação espacial de objectos situados à sua volta.

· Orientar-se no tempo e no espaço através da aplicação de noções básicas como: velocidade, duração,
cadência regular.

· Perceber acções simultâneas e de sucessão.

· Esperar pacientemente pela sua vez.

DRAMÁTICA – Meio de descoberta de si e do outro, de afirmação de si perante o outro. Tomada de


consciência, através do jogo simbólico, das suas reacções e do seu poder sobre a realidade, criando situações
de comunicação verbal e não verbal.

26
Objectivos do Educador:

- Fomentar a dinâmica de grupo através da colaboração/cooperação, inter-ajuda e inter-relação entre todos.

- Favorecer a fantasia e sensibilidade da criança, através da livre expressão (ex: jogo de faz-de-conta),
criatividade e comunicação com os outros.

- Proporcionar à criança tempos de brincadeira espontânea nas diferentes áreas da sala e no recreio para
que esta vivencie sentimentos e liberte desejos e tensões interiores.

No Domínio da Expressão Dramática, a criança deve:

. Movimentar-se de forma livre, utilizando gestos, atitudes e movimentos.

· Compreender mensagens que os outros, crianças e adultos, lhe comunicam através de gestos.

· Reproduzir gestos codificados para transmitir mensagens diversas.

· Utilizar os recursos expressivos do corpo para evocar situações, acções, desejos e sentimentos.

· Interpretar e reproduzir com o corpo situações imaginárias (dramatização de histórias).

· Improvisar jogos dramáticos a partir de diversos elementos (objectos, um local, uma acção, personagens,
um tema).

· Usar os fantoches como elementos facilitadores da expressão de sentimentos e desejos.

· Reproduzir dramaticamente situações quotidianas e relatos literários.

· Criar os seus próprios jogos/brincadeiras na área do faz-de-conta.

PLÁSTICA – Relacionada com a Expressão Motora, implica um controle da motricidade fina e um envolvimento
e desejo de explorar e realizar um trabalho pelo prazer da sua realização e não pelo produto final. É uma
linguagem de expressão não verbal que deve disponibilizar à criança diferentes materiais, técnicas e situações
de modo a favorecer o processo de iniciativa, de exploração, aperfeiçoamento e criatividade.

27
Objectivos do Educador:

- Desenvolver a expressão plástica no sentido de que esta se constitua como meio de representação,
comunicação e recriação dos diferentes momentos vivenciados no Jardim de Infância.

- Proporcionar situações e diversidade de técnicas e materiais susceptíveis de alargar as experiências bi e


tridimensionais, a partir de diferentes níveis de texturas, dimensões, volumes e formas.

No Domínio da Expressão Plástica, a criança deve:

. Fazer desenhos com técnicas e materiais diferentes e exprimindo factos, acontecimentos, vivências,
fantasias e desejos (figurativo e não figurativo).

· Representar o seu corpo através de desenho, pintura.

· Pintar respeitando os contornos - controle do traço – a linha -.

· Fazer a figura humana e representá-la através da cor.

· Utilizar várias técnicas de pintura, estampagem e modelagem.

· Modelar figuras reconhecíveis.

· Fazer composições com diversos materiais.

· Inventar sequências de imagens.

· Conhecer as cores e saber misturar as cores primárias para obtenção das secundárias.

· Estruturar o espaço gráfico e exprimir-se plasticamente por meio da cor.

· Destrezas como rasgar, cortar, recortar.

· Explorar os objectos no espaço tridimensional (volume e espaço tridimensional).

MUSICAL – Assenta num trabalho de exploração de sons, dos diversos aspectos que os caracterizam
(intensidade, timbre, duração e altura) e ritmos que a criança produz, explora, identifica e reproduz. Gira em
torno de cinco eixos fundamentais: escutar, cantar, dançar, tocar e criar, a fim de desenvolver a sua
sensibilidades estética.

28
Objectivos do Educador:

- Integrar a criança no mundoNo sonoro


Domínio daaExpressão
que Musical,
rodeia, para a criança
que esta deve: racionalize e descubra como
percepcione,
expressar-se através
. Identificar sons dele.ambiente próximo.
do meio
-· Produzir
Motivar aritmos
criança para a música,
distintos promovendo
a partir do a suacom
próprio corpo, desinibição
objectosemusicais,
criatividade.
com instrumentos musicais...

· Adaptar os movimentos corporais a ritmos pré-estabelecidos.

· Reproduzir pequenas melodias.

· Dizer rimas e lengalengas com entoação.

· Ajustar-se ao ritmo de canções e melodias tanto individualmente como em grupo.

· Acompanhar canções com gestos e percursão corporal.

· Conhecer os sons e os nomes dos instrumentos musicais mais comuns.

· Discriminar ritmos, vozes, melodias...

· Reconhecer a importância do silêncio.

DOMÍNIO DA LINGUAGEM ORAL E DA LINGUAGEM ESCRITA

A abordagem à escrita situa-se numa perspectiva mais lata de literacia enquanto competência global para a
leitura no sentido da interpretação e tratamento da informação, que implica a “leitura” da realidade das
“imagens” e de saber para que serve a escrita.
Trata-se, fundamentalmente, de trabalhar o código oral e de facilitar o contacto com a escrita, desenvolvendo
a capacidade de usar a linguagem como meio eficiente de participação na vida e expressão das suas ideias,
sentimentos e emoções.

Objectivos do Educador:

- Criar situações de comunicação e informação em diferentes contextos (verbal, não verbal, simbólica e
escrita), motivadoras e desinibidoras para a criança.

- Promover situações e actividades que ajudem a criança na aquisição de vocabulário, na construção de


frases correctas de complexidade progressiva e na exploração do carácter lúdico e rítmico da linguagem.

- Promover a utilização das novas tecnologias enquanto forma de expressão, informação e registo.

- Proporcionar à criança a descoberta do prazer da leitura e da escrita.

29
No Domínio da Linguagem oral e da Linguagem escrita, a criança deve:

. Utilizar correctamente na expressão oral o vocabulário adequado a diferentes situações e temas.

· Participar em diálogos e conversas de grupo.

· Identificar nos objectos do quotidiano formas, tamanhos, cores e símbolos.

· Usar correctamente o “ontem”, o “hoje” e o “amanhã”.

· Ler as imagens de uma história com sequência lógica.

· Contar uma história sem a ajuda de ilustrações e relatar uma situação com sequência.

· Usar frases compostas.

· Fazer analogias verbais.

· Reproduzir trava-línguas, lengalengas, rimas…

· Fazer jogos de letras e palavras.

· Segurar o lápis com a tríade perfeita.

· Fazer reproduções de imagens, grafismos e figuras geométricas.

· Registar através da escrita o seu nome em letras maiúsculas.

· Localizar em textos letras iguais às do seu nome.

DOMÍNIO DA MATEMÁTICA

As aprendizagens matemáticas fundamentam-se na vivência do espaço e do tempo. É a partir da sua posição e


deslocação no espaço, bem como da relação com os objectos que ocupam um espaço, que a criança pode
aprender o que está atrás e à frente, à direita e à esquerda, em cima e em baixo, perto e longe.
Partindo de situações espontâneas como as comparações, as organizações em função da cor, volume e forma,
a criança deverá tomar consciência das primeiras noções lógicas que lhe permitirão classificar, seriar, ordenar
objectos e formar conjuntos, construindo assim a noção de número.

Objectivos do Educador:

- Iniciar a criança na construção das primeiras estruturas lógico-matemáticas e espaciais, familiarizando-a na


linguagem matemática. 30
No Domínio da Matemática, a criança deve:

. Diferenciar números e letras.

· Fazer correspondências.

· Utilizar o vocabulário: pesado/leve, vazio/cheio, muito/pouco, mais/menos.

· Reconhecer formas e representar conjuntos.

· Classificar, seriar, ordenar e agrupar objectos segundo uma ou mais qualidades.

· Estabelecer relações de grandeza entre objectos (pequeno, médio, grande).

· Fazer medições.

· Comparar comprimentos.

· Identificar uma linha aberta e uma linha fechada.

· Fazer composições com figuras geométricas.

· Comparar itinerários curtos e longos.

· Deslocar-se num espaço determinado e representá-lo graficamente.

NOVAS TECNOLOGIAS

Utilizar as novas tecnologias de informação e comunicação para o enriquecimento da formação pessoal e


social, para o aprofundar do conhecimento do mundo, de uma forma lúdica e em articulação com actividades
realizadas no dia a dia.

3.3 - ÁREA DO CONHECIMENTO DO MUNDO


31
O ser humano desenvolve-se e aprende em interacção com o mundo que o rodeia. O interesse, a curiosidade e
o desejo de exploração são inerentes ao ser humano. Na criança a curiosidade natural e o desejo de aprender
são fomentados e alargados na Educação Pré-escolar através do contacto com novas situações que são, ao
mesmo tempo, ocasiões de descoberta, exploração do mundo e respeito pela Natureza. Esta área, se bem que
formalmente sudividida em dois âmbitos curriculares – Meio Físico e Meio Social – aglutina integralmente o
mundo das experiências físicas (meio natural) e a compreensão da realidade social. Os conhecimentos destes
dois âmbitos devem cruzar-se para que a compreensão dos fenómenos naturais seja projectada sobre a
realidade cultural e social que o homem vai conquistando e, por sua vez, tendo em conta a exigência humana
de interpretar e valorizar a realidade natural, justificando o seu uso, cuidado e protecção.

Objectivos do Educador:

_ Proporcionar a criação de laços de comunicação, entre o sujeito e o mundo dos outros, enquanto conjunto
de trocas que a criança estabelece com o mundo que a rodeia (família, escola, crianças, adultos, sociedade,
etc.).

_ Sensibilizar/despertar a criança para domínios científicos no âmbito da saúde, do ambiente, da


meteorologia, da geologia, da física, da geografia, da biologia, da educação sexual, da educação ambiental,
do consumismo e de outras situações passíveis de exploração e descoberta do mundo.

_ Possibilitar à criança a experimentação, observação, descoberta e reflexão, em situações do meio


ambiente, incentivando o seu espírito científico.

_ Incentivar a participação das famílias no processo educativo e estabelecer relações de efectiva


colaboração com a comunidade.

Na Área do conhecimento do Mundo, a criança deve:

Âmbito - Meio Social

· Dizer o seu nome, idade e morada.

· Identificar e estabelecer relações de parentesco.

· Representar a sua família através do desenho e da pintura.

· Descrever lugares, actividades e momentos passados com amigos, familiares… .

32
· Conhecer o seu grupo familiar e de jardim de infância.

· Conhecer as normas e modos de comportamento social da família e do jardim de infância.

· Estabelecer com os outros relações de comunicação e integração grupal (participação, colaboração,


ajuda, cooperação).

· Realizar tarefas diárias e resolver pequenos problemas quotidianos.

· Conhecer os diferentes tipos de trabalho – profissões e serviços – da sua localidade.

·Conhecer algumas das formas mais habituais de transporte de pessoas e mercadorias.

Âmbito - Meio Físico

· Conhecer os animais do meio ambiente e classifica-los segundo a sua deslocação, características


externas, habitats e alimentação.

· Conhecer as plantas do meio ambiente, as suas características gerais e a sua utilidade.

· Identificar as etapas do ciclo vital dos animais e das plantas.

· Identificar as características mais destacadas dos corpos sólidos, líquidos e gasosos do meio.

· Conhecer os diferentes fenómenos atmosféricos (chuva, neve, granizo, nevoeiro, etc, e os efeitos que
provocam no meio.

· Utilizar adequadamente termos básicos relativos à organização do tempo (noções e ritmos temporais, as
estações do ano, os dias da semana, os meses do ano...).

3.4.COMPETÊNCIAS GERAIS A ATINGIR PELAS CRIANÇAS NO FINAL DA


EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR
33
A Lei-Quadro para a Educação Pré-Escolar (Lei nº5/97) define os objectivos gerais para este nível de educação.
Destes objectivos decorrem as competências gerais que a criança deve adquirir ao longo da Educação Pré-
Escolar:

1. Usar correctamente a língua materna para pensar, compreender e comunicar;

2. Compreender e utilizar formas de expressão não verbal;

3. Organizar e registar informação recolhida em fontes de diversa natureza;

4. Trabalhar em cooperação com os outros;

5. Realizar actividades específicas deste nível de educação de forma autónoma e responsável;

6. Compreender referências culturais e cientificas básicas para compreender a realidade e saber actuar no seu
quotidiano;

7. Saber aplicar as pré-aptidões:

a. Sócio-Emocionais - autonomia na higiene e na alimentação, interacção com os adultos, flexibilidade e


condutas de cooperação;
b. Psicomotores – adequada organização e estruturação espacio - temporal;
c. Cognitivos:

i. Atenção - persistência, curiosidade e exploração;

ii. Percepção - captação de estímulos e observação sistemática;

iii. Conceptualização - antecipação, sequencialização, estratégias de resolução de problemas e de aquisição de


conhecimentos.

34
Ano Lectivo 2010/2011

Departamento da Educação Pré-Escolar

4 – PROJECTO DE DEPARTAMENTO

Agrupamento de Escolas de Porto de Mó s

Projecto “À Descoberta de Mente Aberta”


Departamento da Educaçã o Pré-Escolar

2010/2011
INTRODUÇÃO
35
A educação pré-escolar como primeira etapa da educação básica no processo de educação ao longo
da vida, desempenha um papel fundamental na estruturação dos alicerces que darão suporte a todo
o desenvolvimento pessoal e social da criança.
A Lei-Quadro da Educação Pré-Escolar define como principais objectivos, entre outros, “promover o
desenvolvimento pessoal e social da criança com base em experiências de vida democrática numa
perspectiva de educação para a cidadania”, favorecer “uma progressiva consciência como membro
da sociedade”, bem como “despertar a curiosidade e o pensamento crítico” da criança tendo em vista
uma melhor compreensão do mundo que a rodeia. Partindo dos saberes já adquiridos pelas crianças,
e da sua curiosidade natural procuraremos, não só, concretizar estes objectivos, como também
estimular o seu desejo de aprender e compreender o porquê das coisas, dando sentido ao mundo
que a rodeia.
No presente ano lectivo o Departamento da Educação Pré-escolar, ao reflectir sobre o Projecto
Curricular dos Jardins de Infância, atendendo às linhas orientadoras do Projecto Educativo, decidiu
adoptar um tema aglutinador comum “ À Descoberta de Mente Aberta” que, sendo muito
abrangente, permite a cada educador desenvolvê-lo consoante a sua realidade e contexto de
trabalho.

FUNDAMENTAÇÃO

Entre a criança e o meio estabelece-se uma relação dialéctica da qual resulta um desenvolvimento
linguístico, cognitvo e social.
Dependendo dos estímulos que o meio oferece, a criança vai ter maior ou menor oportunidade de
desenvolver a sua linguagem e adquirir regras de boa convivência social.
Neste processo, a família, como primeiro agente de educação, tem um papel preponderante na
estimulação da criança e na construção da sua formação pessoal e social.
No dia a dia, constatamos que algumas famílias têm uma atitude demasiado permissiva, demitindo-
se, em muitos casos, de se assumirem como primeiros e principais educadores. No sentido da
Responsabilização, torna-se imperativo distinguir os papéis de cada interveniente no processo
educativo, criando ainda uma sintonia de valores entre a escola e a família.

36
Se o processo cognitivo é universal, as estratégias utilizadas pela criança para aceder e utilizar as
informaçãoes, têm muito a ver com a individualidade de cada uma, com a sua maturação e com os
estímulos que recebe do meio envolvente. À medida que se vão adquirindo mais conhecimentos, as
estratégias vão sendo cada vez mais elaboradas, permitindo à criança consciencializar-se dos seus
próprios conhecimentos, adaptá-los e utilizá-los em novas situações.
Desta forma, a criança tem uma motivação intrínseca, o que a leva a procurar novos meios de
conhecimento.
Todas as actividades na Área da Formação Pessoal e Social, do Conhecimento do Mundo, da
Matemática, no domínio das Expressões, não se realizam sem que haja Comunicação, sem que haja
linguagem. Por isso, podemos afirmar que a linguagem está presente em todos os momentos vividos
no Jardim de Infância, sendo também o elo de ligação entre diversas áres de conteúdo. Logo, é
inprescindível a partilha de Informação e Saberes, elevando o espírito de Cooperação e Articulação,
numa atitude de Respeito e Cidadania para uma Escola de Sucesso.
Este tema irá servir de âncora ao desenvolvimento de um Projecto Pedagógico articulado, criativo e
multifacetado, promovendo uma abordagem integradora das diversas áreas de conteúdo que
constam das Orientações Curriculares para a Educação Pré-Escolar: Formação Pessoal e Social, Área
de Expressão e Comunicação, Área do Conhecimento do Mundo. Dará também unidade pedagógica
aos diversos Projectos a desenvolver, ao longo do ano lectivo, em todos os Jardins de Infância do
nosso Agrupamento.

TEMÁTICAS PRIORITÁRIAS
Face aos problemas/ necessidades da comunidade escolar, definiram-se, para serem trabalhadas as
seguintes temáticas, indicadas como prioritárias:

1. Comunicação
2. Educação para os valores
3. Educação ambiental

OBJECTIVOS GERAIS
1. Promover a comunicação na comunidade educativa;
2. Promover regras e boas práticas de convivência social;

37
3. Promover a aquisição de novos saberes;
4. Implicar todos os intervenientes no processo educativo conferindo-lhes tarefas e
responsabilidades;
5. Promover o respeito ambiental como garante de uma vida equilibrada.

OBJECTIVOS ESPECÍFICOS

a) Tomar conhecimento de si e do outro;


b) Aprender a respeitar as diferenças;
c) Promover o intercâmbio/articulação entre os Jardins de Infância e outros ciclos de ensino;
d) Estabelecer elos de comunicação com a comunidade educativa;
e) Possibilitar o contacto com diversos suportes de comunicação e informação;
f) Possibilitar situações de convívio à socialização/comunicação e troca de conhecimentos;
g) Promover o conhecimento do património local, artístico e cultural;
h) Promover práticas educativas que estimulem a adpoção de comportamentos saudáveis,
correctos e seguros;

PÚBLICO ALVO

a) Alunos da Educação Pré-escolar do Agrupamento


b) Comunidade educativa

DURAÇÃO
Para o quadriénio 2010/2014

METODOLOGIA

Cada educador no seu Jardim de Infância escolherá as temáticas a abordar, assim como as estratégias
a utilizar, tendo em conta os interesses e as necessidades do grupo.

O projecto será desenvolvido em pequenos grupos que serão formados por proximidade geográfica
e/ou de interesses comuns.

38
PLANIFICAÇÃO DAS ACTIVIDADES
Calendari-
Actividades Recursos
zação
Actividades de Intercâmbio e articulação:
Comemoração de datas festivas com o 1º ciclo e outros organismos

 Intercâmbio entre os Jardins de Infância:


- Visitas
- Troca de correspondência
- Comunicação através das TIC
- Criação de história circular
Visitas e actividades culturais:
“Vamos ao Teatro” – “O Quebra-Nozes” e AnimaTeatro
 Exposição de Pintura – visita guiada
 Visita ao Castelo de Porto de Mós e Leiria e Mosteiro de Batalha

 Visita à PSP de Leiria Comunidade


 Visita à Pia do Urso S. Mamede
escolar e
 Visita às grutas de Mira de Aire ou Alvados ou St. António
educativa,
 Visita a Óbidos Ao longo do
Autarquia
ano lectivo
 Viagem de comboio a S. Martinho do Porto
e
Actividades em colaboração com outras entidades: outras
 A equipa de Saúde Escolar vai à escola entidades
 Bombeiros Voluntários de Juncal, Porto de Mós
 Actividades de articulação com Escola Segura sobre Prevenção e
Segurança
 Desfile de Carnaval sobre os temas do Projecto
 Os Oleiros vão à Escola
 Visita ao Lar de Idosos
 Participação no Concurso “Pilhas de Livros” e recolha de Tampas

 Visita de intercâmbio à Cercilei – Porto de Mós


Actividades de divulgação do projecto:
 Publicação nos blogues dos Jardins
 Exposição dos trabalhos realizados no âmbito do projecto, no 3º
período, na sede do Agrupamento

39
AVALIAÇÃO
A avaliação será feita em cada Jardim de Infância através de:
 Registos das crianças
 Registos do educador
 Reflexão e avaliação conjunta sobre o desenvolvimento do projecto em reuniões de Departamento ao
longo do ano

40
5 – PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES
5.1 - PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES DO DEPARTAMENTO

DESIGNAÇÃO DA LOCAL E PROMOTORES/ DESTINATÁRIO OBJECTIVOS AVALIAÇÃO ORÇA-


ACTIVIDADE DATA DINAMIZADORES S MENTO
- Respeitar a
Pelos alunos - Registos
diferença
Atelier Itinerante de Jardins de diversos
- Interagir com
construção e pintura Infância Alunos a Pelo educador- Registo
Educadores de pessoas 1,5 € por
de brinquedos em frequentar os de observação do
alguns Jardins de portadoras de criança
madeira, “Os Ao longo do Jardins de Infância envolvimento e
Infância deficiência
Malmequeres” ano lectivo participação na
- Estimular a
actividade
criatividade
- Estimular o
Pelos alunos - Registos
interesse e
Jardim de diversos
participação da
Infância de Educadora de Pelo educador- Registo
Comunidade comunidade na
Feira do Outono Tojal infância e Animadora de observação do
Educativa vida escolar
da CAF de Tojal envolvimento e
- Angariar fundos
Outubro participação na
para uma visita
actividade
de estudo
Porto de Mós,
Fonte do Oleiro, - Respeitar a Pelos alunos - Registos
Tojal, Cumeira, Alunos a diferença diversos
Visita de
Serro Ventoso, frequentar os - Interagir com Pelo educador- Registo
intercâmbio à Educadores de
Corredoura, Jardins de Infância pessoas de observação do
Cercilei – Porto de infância
Pedreiras, e os utentes da portadoras de envolvimento e
Mós
Calvaria, Cercilei deficiência participação na
Mendiga, Casais actividade
Garridos
41
Pelos alunos - registos
Educadores de
diversos
Batalha infância de: - Conhecer,
Alunos a Pelo educador: Registo
Visita Mosteiro de Pedreiras, Cruz da respeitar e
frequentar os de observação do
Batalha Ao longo do Légua, Cumeira, valorizar o
Jardins de Infância envolvimento e
ano lectivo Corredoura, Calvaria, património
participação na
Serro Ventoso, Tojal
actividade
Educadores de
Pelos alunos - registos
infância: Pedreiras,
Diversos Jardins diversos
Cruz da Légua, - Conhecer,
de Infância Alunos a Pelo educador: Registo
Visita ao Castelo de Cumeira, respeitar e
frequentar os de observação do
Leiria Corredoura, Calvaria, valorizar o
Ao longo do Jardins de Infância envolvimento e
Serro Ventoso, Tojal, património
ano lectivo participação na
S. Jorge, Casais
actividade
Garridos
Educadores de
Pelos alunos: registos
infância: Pedreiras, - Conhecer a
diversos
Leiria Cruz da Légua, Instituição e o
Alunos a Pelo educador: Registo
Cumeira, serviço que
Visita à PSP de Leiria frequentar os de observação do
Ao longo do Corredoura, Calvaria, presta
Jardins de Infância envolvimento e
ano lectivo Serro Ventoso, Tojal, - Respeitar a
participação na
S. Jorge, Casais autoridade
actividade
Garridos
Pelos alunos: registos
diversos
Porto de Mós Educadores de - Conhecer,
Alunos a Pelo educador: Registo
Visita ao Castelo de alguns Jardins de respeitar e
frequentar os de observação do
Porto de Mós Ao longo do Infância valorizar o
Jardins de Infância envolvimento e
ano lectivo património
participação na
actividade

42
- Conhecer,
Pelos alunos: registos
Educadores de respeitar e
diversos
S. Mamede infância de: valorizar a
Alunos a Pelo educador: Registo
Visita à Pia do Urso Alqueidão da Serra, herança cultural
frequentar os de observação do
S. Mamede Ao longo do Fonte do Oleiro, e ambiental
Jardins de Infância envolvimento e
ano lectivo Juncal e Tojal - Experimentar
participação na
um percurso
actividade
sensorial
Pelos alunos: registos
Mira de Aire, - Conhecer, diversos
Visita às grutas de Educadores de
Alvados ou Alunos a respeitar e Pelo educador: Registo
Mira de Aire ou alguns Jardins de
Santo António frequentar os valorizar o de observação do
Alvados ou St. Infância
Jardins de Infância património e o envolvimento e
António
Ao longo do ambiente participação na
ano lectivo actividade
Pelos alunos: registos
Educadores de
diversos
infância de: - Conhecer,
Óbidos Alunos a Pelo educador: Registo
Alqueidão da Serra, respeitar e
Visita a Óbidos frequentar os de observação do
Fonte do Oleiro, valorizar o
2º período Jardins de Infância envolvimento e
Juncal e Tojal património
participação na
actividade
Nos diversos Pelos alunos: registos
Jardins de - Conhecer, diversos
Infância Alunos a respeitar e Pelo educador: Registo
Os Bombeiros vão à Educadores de
frequentar os valorizar a de observação do
Escola infância
Jardins de Infância profissão e o envolvimento e
Ao longo do voluntariado participação na
ano lectivo actividade
Intercâmbio entre os Entre todos os Educadores de Alunos a - Promover o Pelos alunos: registos
Jardins de Infância: Jardins de infância frequentar os conhecimento e diversos
43
a partilha entre
grupos
- Visitas
- Desenvolver a
- Troca de Pelo educador: Registo
Infância capacidade de
correspondência de observação do
comunicação em
- Comunicação Jardins de Infância envolvimento e
Ao longo do grupo
através das TIC participação na
ano lectivo - Promover
- Criação de história actividade
atitudes de
circular
respeito e
cooperação
Pelos alunos: registos
- Dar a conhecer
diversos
actividades e
Exposição de Pelo educador: Registo
Sede do materiais
divulgação do de observação do
Agrupamento – Educadores de Comunidade pedagógicos
projecto conjunto na envolvimento e
infância Educativa criados e
sede do participação na
Final do ano utilizados nos
Agrupamento actividade
lectivo Jardins de
Pelos visitantes:
Infância
Livro de visitas
- Desenvolver o
gosto pela arte
- Cultivar nos
Pelos alunos: registos
alunos o sentido
diversos
de beleza e
Leiria Educadores de Alunos a Pelo educador: Registo
Visita a Exposição de harmonia
infância de: Porto de frequentar o de observação do
pintura - Tomar contacto
A calendarizar Mós e Tremoceira Jardim de Infância envolvimento e
com diferentes
participação na
representações
actividade
gráficas,
artísticas e
estéticas
44
Lares de idosos
Educadores de - Promover o
em: Porto de Pelos alunos: registos
infância de: Porto de respeito pelos
Mós, Juncal, Alunos a diversos
Mós, Juncal, mais velhos
Calvaria, Cruz frequentar o Pelo educador: Registo
Visita ao Lar de Calvaria, Cruz da - Partilhar
da Légua, Jardim de Infância de observação do
Idosos Légua, Alqueidão da saberes
Alqueidão da e utentes do Lar envolvimento e
Serra -Promover o
Serra de idosos participação na
intercâmbio
Ao longo do actividade
entre instituições
ano lectivo
- Promover a
criatividade
Pelos alunos: registos
Nos diversos - Conhecer uma
diversos
Jardins de actividade
Educadores de Alunos a Pelo educador: Registo
Os Oleiros vão à Infância tradicional
infância de alguns frequentar os de observação do
escola - Proporcionar
Jardins de Infância Jardins de Infância envolvimento e
Ao longo do experiências
participação na
ano lectivo sensoriais
actividade
diversificadas

Educação
Ambiental: - Promover o
- Concurso Pilhas de respeito pelo Pelos alunos: registos
Nos diversos
Livros Ambiente diversos
Jardins de
- Hortas pedagógicas -Estimular o Pelo educador: Registo
Infância Educadores de Comunidade
- Recolha de Tampas espírito de de observação do
infância Educativa
- Recolha de rolhas intervenção e envolvimento e
Ao longo do
de cortiça participação na participação na
ano lectivo
- Reciclagem preservação da actividade
- Compostagem Natureza

Viagem de Comboio S. Martinho do Educadores de Alunos a - Conhecer um Pelos alunos: registos


45
meio de
transporte diversos
Porto infância de: Fonte do
diferente – o Pelo educador: Registo
Oleiro, Tojal,
a S. Martinho do frequentar os comboio de observação do
Corredoura,
Porto Jardins de Infância - Conhecer um envolvimento e
Alqueidão da Serra,
meio ambiente participação na
A calendarizar Juncal
diferente – a actividade
praia
Pelos alunos: registos
diversos
Marinha
Visita à Aldeia de Alunos a Pelo educador: Registo
Grande Educadora de - Vivenciar a
Natal – Marinha frequentar os de observação do
infância de Pedreiras época festiva
Grande Jardins de Infância envolvimento e
Dezembro
participação na
actividade
Pelos alunos: registos
diversos
- Proporcionar
Educadores de Alunos a Pelo educador: Registo
Feira da criança Exposalão da momentos
infância de alguns frequentar os de observação do
Batalha lúdicos
Jardins de Infância Jardins de Infância envolvimento e
03/12/2010 diferentes
participação na
actividade
- Desenvolver o
Educadores de
gosto pela arte Pelos alunos: registos
Lisboa infância de: Porto de
dramática e diversos
Mós, Pedreiras,
Vamos ao Teatro Alunos a musical Pelo educador: Registo 15 € por
Novembro e Tremoceira, S. Jorge,
“Quebra-nozes” frequentar os - Tomar contacto de observação do aluno
Corredoura,
TIL Jardins de Infância com diferentes envolvimento e
representações participação na
A calendarizar Casais Garridos e
artísticas e actividade
Mendiga
estéticas
46
- Utilizar as TIC Pelos alunos: registos
como suporte de diversos
Alunos a
comunicação, Pelo educador: Registo
Durante o ano Educadores de Porto frequentar os
Projectos eTwinning aprendizagens e de observação do
lectivo de Mós e Tremoceira Jardins de Infância
conhecimentos envolvimento e
entre Jardins participação na
Europeus actividade

ACTIVIDADES E PROJECTOS A AGUARDAR CALENDARIZAÇÃO

ACTIVIDADES JARDINS DE INFÂNCIA INTERVENIENTES


Projectos e Concursos propostos pelo
Departamento, pelo Agrupamento ou outros Todos
Organismos

Projecto Itinerante da Biblioteca Municipal Todos

Projectos da BECRE Todos

PNL Todos

Desfile de Carnaval em Porto de Mós Alguns

Semana da Educação/Dia Mundial da Criança Todos

“Concurso Pilhas de Livros” Todos

47
5.2 - ACTIVIDADES DE ARTICULAÇÃO COM O 1º CEB – 1º PERÍODO

DESIGNAÇÃO DA LOCAL E PROMOTORES/ DESTINATÁRIO OBJECTIVOS AVALIAÇÃO ORÇA-


ACTIVIDADE DATA DINAMIZADOR S MENTO
ES
- Integração dos alunos que Pelos alunos: registos
Baptismo do S. Jorge Professores e frequenta pela 1ª vez os 2 diversos
Caloiro Educadora de S. Alunos estabelecimentos de Ensino Pelo educador: Registo de
Inicio do ano Jorge, Fonte do observação do
Jogos tradicionais Lectivo Oleiro envolvimento e
participação na actividade

Educadora e - Partilhar experiências e Pelos alunos: registos


Correspondencia professoras de saberes diversos
por e-mail Pedreiras Pelo educador: Registo de
Alunos observação do
envolvimento e
participação na actividade
A turma do 1º Educadora e - Promover : convívio, diálogo, Pelos alunos: registos
ano vai ao jardim professora do 1º Alunos do partilha de recursos diversos
de inf. Outubro ano das Jardim e do 1º Pelo educador: Registo de
Act. Expressão Pedreiras ano observação do
plástica envolvimento e
participação na actividade
Passeio Pela Educadora e Alunos - Observar a transformação da Pelas crianças - Registos
localidade Professoras do 1º natureza diversos
Estações do ano 24/09/10 Ciclo de Pelo educador -Registo de
48
11/05/2011 Alqueidão da observação do envolvimento
Serra e participação na actividade

-Educadora -Alunos do JI e -Assinalar o Dia Mundial da Pelos professores:


-Professora 1º da Eb1 de Música e Dia Internacional das -Registo de observação do
“Música que JI Tremoceira ciclo Tremoceira Pessoas idosas envolvimento e
rejuvenesce” - Professores de -Avós ou outros -Através da música e do participação dos alunos e
Danças de roda, música e de idosos convívio, criar pontes entre a dos adultos na actividade
baile com 1-10-2010 Educação Física significativos infância e as pessoas mais
cavaquinhos, das AECs para as crianças idosas
canções diversas -“Grupo de -Elementos do
cavaquinhos” “Grupo de
das Pedreiras cavaquinhos”
-Assistentes
operacionais
Dia Mundial da Refeitório Educadora e - Reconhecer e fomentar bons Pelos alunos: registos
Alimentação Professoras de hábitos alimentares diversos
(confecção de 15/10/2010 Cumeira de Todos os alunos Pelo educador: Registo de
salada de fruta, Cima, Tojal, observação do
compota de Fonte do Oleiro envolvimento e
fruta, marmelada participação na actividade
e gelatina)
Visita à Porto de Educadora e Alunos do - Observar o processo de Observação do
Cooperativa de Mós professoras do Jardim de selecção e tratamento da maçã envolvimento e
Porto de Mós 1º Ciclo de Tojal Infância e 1º participação das crianças
Outubro Ciclo Registos diversos
Professores - Reviver e dinamizar uma Pelos alunos: registos
Dia do Bolinho 29 de e Educadoras de tradição local diversos
Confecção de Outubro S. Jorge, Tojal, - Proporcionar às crianças uma Pelo educador: Registo de
bolos e saquinhas Corredoura, experiência culinária de tradição observação do
Nas Calvaria de Alunos envolvimento e
49
respectivas Cima, Cumeira participação na actividade
localidades de Cima, Serro
Ventoso, Tojal,
Casais Garridos,
S. Bento,
Alqueidão da
Serra, Fonte do
Oleiro, Arrimal
Nas Educadora e - Sensibilizar as crianças para os Registos gráficos e
respectivas Professoras de valores e afectos a ter com os fotográficos
localidades Mendiga idosos.
Festa dos avós 29/10/2010 - Proporcionar momentos de
Educadora e Todas os alunos convívio entre os avós e os netos -
05/11/2010 Professoras de e avós Promover a comunicação oral e
Serro Ventoso tradicional

Educadora e
Refeitório Professoras de
08/11/2010 Cumeira de
Cima

15/11/2010 Educadora e
Professoras de
S. Bento
Programa - Proporcionar aos alunos uma Pelas crianças –
Educativo nas oportunidade de contactar Participação e interesse
escolas “Primeiro directamente com o tema da pelas actividade propostas
a Segurança” - Educadoras e Segurança Rodoviária. Pelo educador / professor-
Brisa- Auto- Professoras de Alunos - Despertar o interesse das registo e observação do
Novembro
estradas de Serro Ventoso crianças para o tema da envolvimento e
Portugal Segurança Rodoviária, através participação nas
50
de actividades propostas pela actividades
Brisa.
11 Novembro Professores Alunos - Viver a tradição e Promover a Pelos alunos: registos
Magusto e Educadoras de e Comunidade participação da família na vida diversos
A Lenda de S. Nas S. Jorge, escolar escolar Pelo educador: Registo de
Martinho respectivas Corredoura, - Promover o convívio e o observação do
localidades Cruz da Légua, intercâmbio entre as crianças envolvimento e
Cumeira de que frequentam os dois participação na actividade
Cima, Serro estabelecimentos de ensino
Ventoso,
Tremoceira,
Pedreiras, Porto
de Mós, Casais
Garridos, S.
Bento, Tojal,
Alqueidão da
Serra, Fonte do
Oleiro, Arrimal,
Mendiga
Apanha da Educadores Avós disponíveis - Preservar a tradição Pelos alunos- Registos
azeitona e Visita Professoras de -Acompanhar os trabalhos diversos - (orais, através
ao lagar Nas Tremoceira, rurais desta altura do ano da expressão plástica,
respectivas -Aceitar a colaboração que os expressão dramática, etc)
localidades Educadores avós possam dar para a
Professoras de Alunos concretização desta actividade Pelo educador - Registo de
Serro Ventoso, observação do
1º período envolvimento e
participação na actividade

Visita ao Professores Alunos - Conhecer o Património Pelos alunos: registos


Mosteiro da Batalha e Educadora da Histórico e cultural diversos
51
Batalha Corredoura Pelo educador: Registo de
1º Período observação do
envolvimento e
participação na actividade
Os Malmequeres- Jardim de Educadoras e Alunos do -Promover a inclusão e o -Observação da 72,00
Teatro de Infância ou Professoras de Jardim de respeito pelo outro participação e empenho
fantoches escola de 1º Alqueidão da Infância e 1º -Proporcionar novas dos alunos
-Jogos Ciclo Serra ciclo experiências -Registos
tradicionais A -Dar a conhecer diversos jogos e
-Expressão calendarizar técnicas de expressão plástica
plástica
Pelos alunos: registos
Colóquio para a Corredoura Câmara Pais e - Respeitar e Aceitar as diversos
Comunidade Municipal e Encarregados de Diferenças Pelo educador: Registo de
“Etnias e 1º Período Pessoal Docente Educação de observação do
Diferenças” Corredoura envolvimento e
participação na actividade
Educadora e Alunos e idosos - Promover o respeito pelos Pelos alunos: registos
Visita ao Lar de Lar de Cruz da Professoras de mais velhos diversos
Idosos Légua Cruz da Légua - Partilhar saberes Pelo educador: Registo de
-Promover o intercâmbio entre observação do
Data: Dia do instituições envolvimento e
idoso participação na actividade
Professores e Alunos - Promover e incentivar o gosto Pelos alunos: registos
Visita de Um Corredoura Educadora da pela leitura diversos
Escritor Corredoura Pelo educador: Registo de
1ºperíodo observação do
envolvimento e
participação na actividade
Visita às fábricas Educadoras e Alunos dos - Promover o convívio e o Pelos alunos: registos 200€

52
“Sumol e Pombal Professoras de Jardins e do 1º intercâmbio entre os alunos que diversos
Cuetara” e Cruz da Légua e ciclo frequentam os Pelo educador: Registo de
castelo de A Calvaria de Cima estabelecimentos de ensino observação do
Pombal calendarizar - Promover e aumentar envolvimento e
conhecimentos e experiências participação na actividade
Ida ao Teatro A definir Educadora e Alunos - Proporcionar o gosto pela arte Pelos alunos: registos A definir
Professoras do dramática. diversos
Juncal Pelo educador: Registo de
observação do
1ºPeríodo envolvimento e
participação na actividade
Nas Professores Alunos, Pais e - Promover a Multicultura- Pelos alunos: registos
respectivas e Educadora da comunidade Lidade diversos
localidades Corredoura, - Festejar o nascimento de Jesus Pelo educador: Registo de
Cumeira de - Promover o convívio entre o observação do
17/12/2010 Cima, pré-escolar, 1ºCiclo envolvimento e
Festa de Natal Tremoceira, participação na actividade
Pedreiras, Tojal,
Alqueidão da
Serra, Fonte do
Oleiro, Arrimal,
Cruz da Légua

Respectivas
Juntas de
Freguesia
Visita a Lisboa Lisboa Educadores Alunos - Proporcionar momentos Pelos alunos - Registos 500 €
Teatro e/ou ao Professoras lúdicos e de divertimento diversos autocarro e
Circo. Ver de Serro - Viver uma história através da Pelo educador - Registo de 12 € por
iluminação de 17/12/2010 Ventoso e fantasia observação do aluno para
Natal Mendiga - Envolver a criança na história envolvimento e entradas
53
que está a ser contada participação na actividade
- Enriquecimento dos
alunosatravés de novas
experiências
Actividades Tremoceira - Celebrar a época festiva do Registos fotográficos e de 3€ por
lúdicas no Pessoal Docente Alunos do Natal, partilhando momentos vídeo aluno da
Eurolândia Parck do Centro Centro recreativos em intercâmbio Registos elaborados pelos EB1 e 2€
17-12-2010 Educativo de Educativo de Eb1/Jardim Inf. alunos por aluno
São Bento São Bento do Jardim
de Infância

Juncal Alunos do - Intercâmbio e articulação Pelos alunos - Registos


Visita e troca de Todas as Professora do 2º Jardim de entre os ciclos diversos
salas Sextas- ano e Infância e do 2º - Sensibilizar para o Pelo educador - Registo de
feiras de Educadora ano conhecimento de si e dos outros observação do
tarde - Partilhar experiências envolvimento e
participação na actividade
“Vamos IEJ e Jardim Educadora e 5 Alunos do - Desenvolver actividades no Pelos alunos - Registos
contribuir para a de Infância de alunos do 12º Jardim de âmbito das ciências diversos
sociedade em Juncal ano, turma A Infância experimentais e da motricidade Pelo educador - Registo de
que vivemos” com crianças em idade pré- observação do
1º período Área de escolar envolvimento e
Projecto participação na actividade

ACTIVIDADES DE ARTICULAÇÃO COM O 1º CEB – 2º PERÍODO

DESIGNAÇÃO LOCAL E PROMOTORES/ DESTINATÁRIO OBJECTIVOS AVALIAÇÃO ORÇA-


DA DATA DINAMIZADORES S MENTO
ACTIVIDADE
Dia de Reis Padaria Professoras e Crianças e - Valorizar e viver as Pelos alunos: registos
54
Local Educadoras de alunos tradições diversos
(cantar os reis e Calvaria de Cima, -Conhecer a profissão de Pelo educador/Professor:
confecção de Janeiro Cumeira de Cima, padeiro Registo de observação do
coroas) Pedreiras, S. Jorge, - Recordar a história dos envolvimento dos alunos
Alqueidão da Serra, Reis Magos e o significado
Fonte do Oleiro dos presentes
Dia das Casa do Professoras e Alunos - Valorizar e viver as Resgistos de observação do
Candeias Povo Educadoras de tradições envolvimento de todos os
Calvaria Calvaria de Cima - Conviver e Respeitar os intervenientes
02/02/2011 idosos
Recinto Educadora e - Dar a conhecer a Observação
Bombeiros vão escolar Professoras de Todos os alunos importância dos Bombeiros Registos gráficos e
à Escola 11/02/2011 Cumeira de Cima, - Aprender regras de fotográficos
A segurança
calendarizar Alqueidão da Serra - Fomentar atitudes
responsáveis
Dia dos Amigos Alqueidão Educadoras e -Alunos do -Desenvolver relações de -Observação de atitudes
da Serra Professoras de Jardim de amizade
Jogos Alqueidão da Serra Infância e 1º -Promover o respeito pelo
Lanche ciclo outro
partilhado
Lisboa Educadoras e Alunos dos -Aumentar conhecimentos Pelos alunos: registos 600€
Teatro TIL “ Professoras de Jardins e do 1º -Promover o contacto com diversos
Quebra Nozes” Data: 2 de Cruz da Légua e ciclo a cultura Pelo educador:
Março Calvaria de Cima -Promover as vivências Registo de observação do
entre os ciclos envolvimento e
participação na actividade
Desfile de Diversas Educadores e - Socialização e promoção Pelos alunos: registos 300€
Carnaval localidades Professoras e/ou Alunos e do convívio divertido diversos
Câmara Municipal Comunidade - Desenvolver a imaginação Pelo educador: Registo de

55
Confecção de de Porto de Mós Educativa e criatividade observação do envolvimento
trajes e desfile 2º período e/ou Juntas de e participação na actividade
Freguesia ou
outras entidades
Lagoas de Educadores e - Promover o intercâmbio Pelas crianças - Registos
Arrimal e Professoras da EB1 Alunos entre escolas, partindo do diversos
Barragem de Serro Ventoso e conhecimento dos recursos Pelo educador / professor -
Dia Mundial da Pluvial de Arrimal naturais de cada uma das Registo de observação do
Água Serro localidades: Arrimal e Serro envolvimento e participação
Ventoso Ventoso. na actividade
- Comemorar o Dia Mundial
22,23,24 de da Água.
Março - Valorizar o património
natural local recursos
hidrícos – Barragem Pluvial
(Serro Ventoso) e Lagoas
(Arrimal).
A definir Professores e Alunos - Adquirir e Conhecer/ Pelos alunos: registos
Educadora de S. descobrir novas diversos
Jorge experiências Pelo educador: Registo de
Visita de Estudo - Dar a conhecer outros observação do envolvimento
2º Período Professores e saberes e práticas. e participação na actividade
Educadora de
Juncal
Salão da Educadora e Comunidade -Estimular o interesse e
capela de professoras de educativa participação da
Feira da Cruz da Cruz da Légua comunidade na vida escolar Pelos alunos: registos
Primavera Légua -Angariar fundos para diversos
realizar a visita de estudo Pelo educador: Registo de
com a venda de trabalhos observação do envolvimento
realizados pelos alunoss ao e participação na actividade
56
Março longo do ano lectivo, no Pela comunidade: interesse
Jardim e na escola demonstrado, envolvimento
e participação
- Festejar a chegada da
Primavera e o Dia Mundial
da Floresta
-Saber utilizar diversas
técnicas de expressão
plástica para a elaboração
dos diversos adereços para
Vamos enfeitar Recreio da Educadora e Alunos as árvores
as árvores dos Eb1 e professoras de -Trocar os adereços entre
recreios! recreio do Tremoceira as duas Instituições
Jardim de escolares, a fim de reforçar
Infância a partilha
Dia Mundial da Recinto Educadora e Todos os alunos - Desenvolver atitudes de Observação e registos
Árvore e da Escolar Professoras de respeito e preservação da gráficos e fotográficos
Floresta Cumeira de Cima, natureza
(plantar árvores Fonte do Oleiro
e arranjar os 21/03/2011
canteiros)
Passagem do Educadora e - Dar a conhecer a importância Pelas crianças - Registos
rio Lena na Professoras do 1º da água diversos
Visita ao leito do localidade Ciclo Pelo educador -Registo de
rio Lena Alunos observação do envolvimento e
21-03-11 participação na actividade
Semana da Educadoras e - Escritor - Sensibilizar para o prazer Pelos alunos - Registos
Leitura Nas Professoras de - Contador de de ouvir ler pela voz dos diversos
localidades Serro Ventoso histórias outros. Pelo educador - Registo de
- Pais e avós - Sensibilizar as crianças observação do envolvimento
57
- Alunos para a importância dos e participação na actividade
Março/Abril - Professoras livros e cuidados a ter com
Educadoras e - Educadoras os mesmos.
Semana da Professoras de - Promover a literacia.
Leitura Tremoceira - Envolver os pais no
“Conta-me uma processo da leitura.
história!” - Sensibilizar para a
importância do livro no
“Era uma vez…” Porto de Mós imaginário das crianças;
Dia dos Avós 2º período Professores e Alunos - Promover a participação Pelos alunos: registos
Educadora da da Família na vida escolar diversos
Corredoura Pelo educador: Registo de
observação do envolvimento
e participação na actividade
Calvaria - Professoras e Comunidade - Sensibilizar a comunidade Registos efectuados pelos
Plantar Calvaria Março Educadoras de escolar escolar para a protecção da alunos
Calvaria de Cima natureza
Casa do Professoras e - Proporcionar novas Pelos alunos: registos
Povo Educadoras da experiências culturais diversos
Animateatro Calvaria Calvaria de Cima Alunos Pelo educador: Registo de
Data a observação do envolvimento
marcar e participação na actividade

Visita ao Centro 2º Período Professores e - Conhecer o Património Pelos alunos: registos


de Educadora da Histórico e Cultural diversos
Interpretação Corredoura Alunos Pelo educador: Registo de
de Aljubarrota observação do envolvimento
e participação na actividade
- Tomar contacto com uma
S. Mamede Alunos do aldeia recuperada e Registos fotográficos em
58
Visita à Pia do A Pessoal Docente Centro conhecer o percurso vídeo
Urso calendarizar do Centro Educativo de Sensorial Registos vários, elaborados
(S. Mamede) na semana Educativo de São São Bento pelos alunos
de 4 a 8 de Bento
Abril de
2011
Professores e Alunos - Viver a tradição Pelos alunos: registos
Páscoa Diversas Educadoras de - Desenvolver atitudes de diversos
(Caça aos ovos) localidades Corredoura, respeito e trabalho de Pelo educador: Registo de
Cumeira de Cima, equipa observação do envolvimento
Tremoceira, - Divertir e confraternizar e participação na actividade
2º Período Pedreiras, Tojal,
Fonte do Oleiro
Educadora e Observar in loco o Observação, participação e
Visita à rádio 2ºperiodo Professoras de Todos os alunos funcionamento de alguns registo escrito pelos alunos
local Tojal órgãos de comunicação:
rádio, jornal
Dia Professoras e Alunos - Promover o gosto pela Pelos alunos - Registos
Internacional Educadoras de leitura; diversos
do Livro Infantil Serro Ventoso - Sensibilizar a criança para Pelo educador - Registo de
02/04/2011 Bibliotecários ouvir ler pela voz dos observação do envolvimento
Visita à outros. e participação na actividade
biblioteca - Incentivar as famílias a
contar histórias.

ACTIVIDADES DE ARTICULAÇÃO COM O 1º CEB – 3º PERÍODO

DESIGNAÇÃO DA LOCAL E PROMOTORES/ DESTINATÁRIOS OBJECTIVOS AVALIAÇÃO ORÇA-


ACTIVIDADE DATA DINAMIZADOR MENTO
ES

59
Pinhal junto Educadora e Alunos a -Intercâmbio e articulação Pelos alunos: registos
ao Jardim- professoras de frequentar estes entre os ciclos diversos
Dia da Espiga de-infância Cruz da Légua, estabelecimentos -Observar e explorar o meio Pelo educador: Registo de
Piquenique Alqueidão da de ensino ambiente observação do envolvimento
Dia da Serra, Mendiga - Promover o respeito pelo e participação na actividade
espiga ambiente
Apresentação do Na Biblioteca Educadora e - Comemorar o Dia mundial do Pelas crianças - Registos
livro "Canteiro dos da escola Professoras do 1º livro diversos
livros" Ciclo Alunos Pelo educador -Registo de
28-04-11 observação do envolvimento e
participação na actividade
Visita de Um 3º período Professores e Alunos - Promover e Incentivar o Pelos alunos: registos
Escritor Educadora de S. gosto pela leitura em todas diversos
Jorge as faixas etárias. Pelo educador: Registo de
observação do envolvimento
e participação na actividade
Viagem de 3º Período Professores e Alunos - Adquirir novos Pelos alunos: registos
Comboio Educadora de conhecimentos diversos
Corredoura Pelo educador: Registo de
observação do envolvimento
e participação na actividade
Educadores - Promover a parceria entre Pelos alunos - Registos
Serro Professoras de Jardim de Infância /EB1 e diversos
Escola segura Ventoso Serro Ventoso Alunos Escola segura Pelo educador - Registo de
- Incutir atitudes de observação do envolvimento
Maio respeito por si e pelos e participação na actividade
outros
- Enriquecer os
conhecimentos das crianças
e aplicá-los em situações

60
reais.
Visita de estudo Lisboa Educadora e Alunos a -respeito pela natureza Pelos alunos: registos
Data: a professoras de frequentar estes - Observar o habitat das diversos
marcar Cruz da Légua estabelecimentos diferentes espécies Pelo educador: Registo de
de ensino - Estabelecer algumas observação do envolvimento
Educadora e relações entre as e participação na actividade
Jardim Zoológico 05/05/2001 professoras de características do meio físico
1 Cumeira de e os animais que nele vivem
Cima - Valorizar a importância
dos animais para os seres
Educadoras e humanos
09/06/2011 professoras de - Observar e conhecer
Serro Ventoso diversos tipos de animais
TIL Educadores e Crianças e alunos - Proporcionar novas Envolvimento dos alunos A definir
Visita de estudo “Quebra- professores de experiências
nozes” Calvaria de Cima
Dia de Professores e - Articular diferentes níveis Pelos alunos: registos
intercâmbio Educadora da de ensino diversos
Articulação 3º Período Corredoura Alunos Pelo educador: Registo de
Pré/1º CEB e observação do envolvimento
1ºCEB/2ºCEB e participação na actividade
Os finalistas do Sala do 1º Educadora e Alunos finalistas - Promover o conhecimento Pelos alunos - Registos
Jardim de ano professora do 1º do Jardim e mais próximo com a diversos
Infância ano das alunos do 1º ano realidade Pelo educador - Registo de
vão à escola Junho Pedreiras, Porto observação do envolvimento
de Mós, S. e participação na actividade
Bento, Tojal,
Tremoceira
Dia Mundial da A definir Educadores - Sensibilizar para o Pelos alunos - Registos
Criança Professoras de conhecimento de si e dos diversos

61
Serro Ventoso, outros Pelo educador - Registo de
01/06/2011 Juncal, Tojal, Alunos - Ter a noção dos seus observação do envolvimento
Piquenique Casais Garridos, direitos e deveres e participação na actividade
S. Bento, - Viver de forma divertida
Tremoceira, este dia
Alqueidão da
Serra, Mendiga
Festa do Junho Educadores e Alunos -Aprender a reciclar Pelos alunos : registos
ambiente professores da Comunidade -Sensibilizar para o respeito diversos
Calvaria de Cima do meio ambiente Pelo educador/Professor:
Registo de observação do
envolvimento das crianças,
alunos e comunidade
Pessoal Docente - Convívio de encerramento Registos fotográficos
Visita à Quinta da Serra de do Centro Alunos do Centro do ano lectivo com Registos diversos pelos
Escola Santo Educativo de Educativo de São propostas de actividades alunos 14€ por
António São Bento Bento diversificadas, em contacto Registos da participação e aluno
Monitores da com a Natureza envolvimento dos alunos
21/06/2010 Quinta
Jardim de Educadora, Alunos do Jardim - Convívio, respeito pelas Pelos alunos: registos
Atelier das Infância, professora do1º e alunos do 1º regras, pelos outros e pelos diversos
Expressões salas do 1º ciclo e ciclo espaços utilizados Pelo educador: Registo de
ciclo e professores das observação do envolvimento
Jardim A. E. C. das e participação na actividade
Público Pedreiras
Reconhecimento Localidades Alunos do Jardim - Partilha de vivências e Pelos alunos: registos
do espaço Educadoras e de Infância e 1º saberes diversos
Visitas de Ao longo do Professoras ciclo Pelo educador: Registo de
intercâmbio ano Comunidade observação do envolvimento
e participação na actividade

62
Professores e - Promover a participação Pelos alunos: registos
Educadora de S. Toda a de toda a Comunidade diversos
Festa de Final de Jorge, Cumeira comunidade Educativa na Vida da Escola Pelo educador: Registo de
ano 3º período de Cima, Serro educativa observação do envolvimento
Ventoso, Juncal, e participação na actividade
Tremoceira,
Festa de Verão Tojal, Alqueidão
da Serra, Fonte
do Oleiro

63
6 – AVALIAÇÃO

A avaliação na Educação Pré-escolar é feita de acordo com o estabelecido no


artigo 144º do Regulamento Interno do Agrupamento de Escolas de Porto de Mós.

1. O regime de funcionamento, de Avaliação e Certificação de Aprendizagens dos alunos do pré-


escolar até ao ensino secundário encontra-se disperso por diferentes diplomas dos quais se
destacam alguns, e que remetem para o Regulamento Interno do Agrupamento, determinadas
especificações:
2. A avaliação na Educação Pré-escolar decorre do estipulado na Lei-Quadro da Educação Pré-
escolar (Lei Nº5/97, de 10 de Fevereiro), das Orientações Curriculares para a Educação Pré-escolar
(Despacho 5220/97 de 10 de Julho), do Perfil Específico de Desempenho do Educador de Infância
(Decreto -Lei nº 241/2001 de 30 de Agosto).

De acordo com a circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007, transcrevemos as disposições definidas para a


avaliação.

Finalidade
A avaliação é um elemento integrante e regulador da prática educativa que implica procedimentos
adequados à especificidade da actividade educativa no Jardim de infância, tendo em conta a eficácia das
respostas educativas. Permitindo uma recolha sistemática de informações, a avaliação implica uma
tomada adequação do processo educativo às necessidades de cada criança e do grupo, tendo em conta a
sua evolução.
A avaliação visa:
 Apoiar o processo educativo, permitindo ajustar metodologias e recursos, de acordo com as
necessidades e os interesses de cada criança e as características do grupo, de forma a melhorar as
estratégias de ensino/aprendizagem;
 reflectir sobre os efeitos da acção educativa, a partir da observação de cada criança e do grupo,
reconhecendo a pertinência e sentido das oportunidades educativas proporcionadas e o modo como
contribuíram para o desenvolvimento de todas e de cada uma, de modo a estabelecer a progressão
das aprendizagens;
 envolver a criança num processo de análise e de construção conjunta, inerente ao desenvolvimento
da actividade educativa, que lhe permita, enquanto protagonista da sua própria aprendizagem,
tomar consciência dos progressos e das dificuldades que vai tendo e como as vai ultrapassando;
 contribuir para a adequação das práticas, tendo por base uma recolha sistemática de informação
que permita ao educador regular a actividade educativa, tomar decisões, planear a acção;
 conhecer a criança e o seu contexto, numa perspectiva holística, o que implica
desenvolverprocessos de reflexão, partilha de informação e aferição entre os vários intervenientes –
pais, equipa e outros profissionais – tendo em vista a adequação do processo educativo.
Princípios
A avaliação na Educação Pré-Escolar assenta nos seguintes princípios:
• Coerência entre os processos de avaliação e os princípios subjacentes à organização e gestão do currículo
definidos nas OCEPE;
• Utilização de técnicas e instrumentos de observação e registo diversificados;
• Carácter marcadamente formativo da avaliação;
• Valorização dos progressos da criança;
61
Intervenientes
São intervenientes no processo de avaliação:
• o educador
• a(s) criança(s)
• a equipa
• os encarregados de educação

Avaliação final
Compete ao educador:
• elaborar o Relatório de Avaliação do Projecto Curricular de Grupo/Turma
• produzir um documento escrito com a informação global das aprendizagens mais significativas de cada
criança, realçando o seu percurso, evolução e progressos.
• comunicar aos pais/encarregados de educação, bem como aos educadores/professores o que as crianças
sabem e são capazes de fazer.

6.1 – AVALIAÇÃO DOS ALUNOS

São realizadas trimestralmente, sendo disponibilizadas informações aos respectivos pais e encarregados de
educação, conforme anexo. No final de ciclo, serão elaboradas as Fichas de avaliação/transição que serão
entregues aos encarregados de educação e aos professores que darão continuidade ao percurso escolar do
aluno, conforme anexo.

6.2 – PROJECTO DE DEPARTAMENTO ”À DESCOBERTA DE MENTE ABERTA”

É feita no final de cada período, para que sejam feitas as necessárias reformulações e no final do ano
lectivo, em reunião de departamento, sendo registada em acta.

6.3 – PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES

No final de cada período, em reunião de departamento e registada em acta.

7 – ANEXOS

7.1. Fichas de avaliação trimestral

7.2- Ficha de transição para o 1º CEB

7.3. Regulamento Interno dos Jardins de Infância

62
Ano Lectivo 2010/2011

Departamento da Educação Pré-Escolar

Jardim de Infância de…………………………….

7.1. Fichas de avaliação trimestral


1ª 2ª 3ª
SÍNTESE Avaliação Avaliação Avaliação

I P D I P D I P D
Identidade
FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL
Autonomia
Relações pessoais
Observações:

EXPRESSÃO
MOTORA
Exploração lúdica do espaço

Observações:

Utilização dos materiais


REGISTO DE INFORMAÇÃO DO PRÉ-ESCOLAR
EXPRESSÃO Utilização das diversas
PLÁSTICA técnicas
Sentido estético Ano Lectivo

JARDIM DE INFÂNCIA DE Observações:


Aluno ____________________________________________________ Data Nasc____/____/____ 2010/2011
Jogo simbólico
1ª Avaliação ____/____/____ Idade: Jogo dramático
___anos e ___meses
EXPRESSÃO É assíduo: Sim  Não 
DRAMÁTICA
2ª Avaliação ____/____/____ Idade: ___anos e ___meses É pontual: Sim  Não 
EXPRESSÃO Observações:

E
Identificação de sons
COMUNICAÇÃ Sentido de ritmo
EXPRESSÃO Memória auditiva
O MUSICAL Exploração lúdica do som
Conhecimento de
instrumentos
Observações:

Vocabulário
LINGUAGEM Articulação
ORAL Construção frásica
Interesse pela comunicação
Observações:

Relação com os materiais


EMERGÊNCIA Interesse pelo código escrito
DA ESCRITA
Grafismo
Observações:

Noções espaço-temporais
MATEMÁTICA Conceitos e operações
Resolução de problemas
Observações:
Ano Lectivo 2010/2011

Departamento de Educação Pré escolar

Jardim de Infância de ____________________________

I: Inicia P: Progride D: Domina

EDUCAÇÃO ESPECIAL/ ESTRATÉGIAS DE INTERVENÇÃO:

O Educador/Prof. de Educação Especial_______________________

O Educador da Turma__________________________
O Enc. de Educaçã o: ________________________________

Data: ___/___/______
Data: ___/___/______

7.2- Ficha de transição para o 1º CEB

Jardim de Infância de……………………………..


Nome: ----------------------------------------------------------------------------------------------------- Ano Lectivo:

Idade:----------------------------------

REGISTO DE OBSERVAÇÃO

ÁREA DE FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL


DOMINÍO DA
IDENTIDADE

DOMINÍO DAS
RELAÇÕES COM
OUTROS
DOMINÍO DA
AUTONOMIA

ÁREA DA EXPRESSÃO E COMUNICAÇÃO


DOM
MOTORA
ÍNIO
DAS
PLÁSTICA
EXPR
ESSÕ
DRAMÁTICA
ES
MUSICAL
DOM
ORAL
ÍNIO
DA
LING
Abordagem à
UAG ESCRITA
EM

DOMÍNIO DA MATEMÁTICA
ÁREA DO CONHECIMENTO DO MUNDO
DOMINÍO DO MEIO
SOCIAL
DOMINÍO DA
HIGIENE E SAÚDE
DOMINÍO DO MEIO
FÍSICO E NATURAL

ASSIDUIDADE:

Há que ter em conta que cada criança é um ser individual, uma personalidade única em
desenvolvimento, com características e necessidades próprias. O ritmo de desenvolvimento de
cada uma varia atendendo à sua herança genética, ao meio familiar e social, bem como aos
estímulos e vivências proporcionados.

O que está registado neste documento for observado no final do ano lectivo, sendo a criança um
ser em permanente construção, estes dados poderão já estar alterados no inicio do novo ano
escolar.

Observações:

O/A Educador/a de Infância O Encarregado de Educação


Ano Lectivo 2010/2011

Departamento de Educação Pré escolar

Jardim de Infância de ____________________________

7.3. Regulamento Interno dos Jardins de Infância

REGULAMENTO INTERNO

JARDIM DE INFÂNCIA DE

ANO LECTIVO 2010 / 2011


NOME E CATEGORIA DAS PESSOAS QUE TRABALHAM

NO JARDIM DE INFÂNCIA:

Educadora de Infância

Nome:

Auxiliar de Acção Educativa

Nome:
REGULAMENTO INTERNO

I. NORMAS GERAIS DE FUNCIONAMENTO:

1. Calendário Escolar

1.1. Componente lectiva

1º Período:
Início - 1 de Setembro 2010
Termo - 20 de Dezembro 2010

2º Período:
Início - 3 de Janeiro 2011
Termo - 11 de Abril 2011

3º Período:
Início - 26 de Abril 2011
Termo - 5 de Julho 2011

1.2. Interrupções lectivas

Natal – Dias 27, 28, 29, 30 e 31 de Dezembro 2010


21, 22 e 23 de Dezembro de 2010 avaliações (crianças, PAA, informação aos pais)
Carnaval – 7, 8 e 9 de Março 2011
Páscoa – 15, 18, 19, 20 e 21 de Abril de 2011
12, 13 e 14 de Abril de 2011: avaliações (crianças, PAA, informação aos pais)
Fim do ano lectivo: 6, 7 e 8 de Julho de 2011: avaliações (crianças, PAA, informação aos pais)

2. Horário do Estabelecimento de educação:


1.Componente lectiva:

9 h - 12 h
13 h 30 m – 15 h 30 m

2. Componente de Apoio à Família:


……………………………
……………………….

3. Horário das Educadoras:

Manhã -
Tarde -
Componente não lectiva -
4. Horário da Auxiliar de Acção Educativa:
Nome: ……………………………………
Manhã - ……………..
Tarde - ………………….
Nome: ………………………………….
Manhã - ……………………….
Tarde - …………………………….

5.O Atendimento aos pais:

O atendimento aos pais, para qualquer assunto relacionado com a frequência do Jardim de Infância será
feito nas ……….

5.1. Período de inscrições:

O período de inscrições será de 1 de Janeiro a 20 de Junho.


1. Documentos a apresentar no acto de inscrição :
a) Boletim de vacinas
b) Cédula pessoal
c) Declaração médica (declarando que a criança não é portadora de nenhuma
doença infecto- contagiosa).
d) Fotocópia do cartão da assistência médica devidamente actualizado
e) Ficha de inscrição preenchida pela educadora com os dados referentes à
criança.
2. Condições de admissão:

1º Crianças que frequentaram no ano anterior, o estabelecimento de educação em


que se pretendem matricular.

2º Crianças que se encontrem no ano anterior ao 1º ano da escolaridade obrigatória,


nos termos previstos no nº1 do art. 3º do Decreto lei nº 286\89 de 29 de Agosto.

3º Crianças com nee de acordo com o disposto nas alíneas a) e b) do nº1 do art. 6º
de Decreto Lei nº 319\91 de 23 de Agosto.

4º Crianças filhas de pais estudantes menores nos termos previstos no art. 4º da lei
nº 90\2001 de 20 de Agosto.

5º Crianças com irmãos já matriculados no estabelecimento de educação pretendido.

6º Crianças cuja residência dos pais e encarregados de educação se situe na freguesia


em que se localiza o estabelecimento de educação pretendido, ordenadas nos
termos previstos na alínea b) do art. 24 do decreto lei nº 542\79 de 31 de Dezembro.
7º Crianças cuja actividade dos pais e encarregados de educação se desenvolva na
freguesia em que se situa o estabelecimento de educação pretendido, ordenadas nos
termos previstos na alínea b) do art. 24 do Decreto lei nº 542\79, de 31 de
Dezembro.

6. Espaços:
 As salas do Jardim de infância são utilizadas apenas para actividades no período lectivo.
 As crianças durante a componente lectiva serão acompanhadas pelas Educadoras de Infância e
pelas auxiliares de acção educativa.
 O refeitório (sala polivalente) faz parte do edifício do Jardim de Infância.
 Durante o almoço as crianças serão acompanhadas por duas tarefeiras e uma animadora colocadas
pela Câmara Municipal.
Recreio.
 O Jardim de Infância dispõe de um espaço ao ar livre comum ao 1º CEB equipado com baloiços e
escorrega, uma zona de calçada, um ringue desportivo que é utilizado para o recreio dos alunos.

7. Saídas do Recinto Escolar:

- As visitas de estudo, passeios, etc., estão no plano de actividades, caso surja alguma oportuna será
comunicada ao respectivo Agrupamento para posterior aprovação em conselho pedagógico, para que as
crianças estejam cobertas pelo Seguro escolar.
- Nas saídas dentro da localidade, que não envolvem qualquer meio de transporte, as Educadoras de
Infância fixarão na porta do Jardim de Infância um aviso onde constará o local da visita.
- Quando decorrerem no Jardim de Infância projectos, que envolvam saídas com alguma periodicidade , os
encarregados de educação serão informados , e deverão assinar uma autorização para que os seus
educandos possam participar nessas saídas. Esta autorização terá efeitos no período em que decorrer o
projecto.
- Os encarregados de educação deverão assinar uma autorização para que os seus educandos possam
participar nos passeios e visitas de estudo.

8. Material didáctico
Todo o material didáctico deve constar do inventário do Jardim de Infância e só poderá ser utilizado pelas
Educadoras de Infância, pelas Auxiliares de Acção Educativa, pelas tarefeiras como acontece com o
material de exterior, e naturalmente pelas crianças, para o desenvolvimento das actividades educativas.

II.PESSOAL DOCENTE

O Director Pedagógico / Encarregado de Direcção/ Educadora de Infância

Funções:

1.Coordenar a aplicação do projecto educativo do estabelecimento de educação pré-escolar.


2.Coordenar a actividade educativa, garantindo, designadamente, a execução das orientações curriculares,
bem como as actividades de animação sócio-educativa.
3.Orientar tecnicamente toda a acção do pessoal docente, técnico e auxiliar.
4.Organizar, de acordo com as normas do estabelecimento, a distribuição do serviço docente e não
docente.
5. Estabelecer o horário de funcionamento de acordo com as necessidades da família, salvaguardando o
bem-estar das crianças e tendo em conta as normas do estabelecimento.

Funções:

6. Organizar, orientar e dinamizar as actividades desenvolvidas no Jardim de Infância de acordo com as


orientações curriculares.
7. Também é da responsabilidade do educador a gestão da verba atribuída pelo CEL-DREC.
8. As educadoras de infância serão responsáveis pela gestão das verbas atribuídas por entidades como a
Câmara Municipal; Junta de Freguesia e outras entidades.

Direitos

1. São garantidos ao pessoal docente os direitos estabelecidos para os funcionários e agentes do Estado
em geral, bem como os direitos profissionais do Estatuto da Carreira Docente.
2. Direito de participação no processo educativo.
3. Direito à formação e informação para o exercício da função educativa.
4. Direito ao apoio técnico, material e documental;
5. Direito à segurança na actividade profissional.
6. À não responsabilização por qualquer assalto que venha a ocorrer no Jardim de Infância.

Deveres

1. O pessoal docente está obrigado ao cumprimento dos deveres estabelecidos para os funcionários e
agentes do Estado em geral e dos deveres profissionais decorrentes do Estatuto da Carreira Docente.
2. Exercer a acção educativa de acordo com as necessidades de cada criança e do grupo.
3. Velar pela saúde e bem estar das crianças e tomar conhecimento de circunstâncias individuais ou
familiares com vista ao estabelecimento de uma boa relação.
4. Receber e atender os pais das crianças dentro dos horários estabelecidos.
5. Detectar e fornecer os elementos necessários à despistagem das deficiências das crianças.
6. Participar e colaborar, em trabalho de equipa, nas reuniões de pais e nas de programação, organização e
distribuição das actividades do Jardim de Infância.
7. Cuidar e conservar o equipamento e o material educativo.
8. Colaborar, a nível pedagógico. nas acções de aperfeiçoamento profissional .

III.PESSOAL NÃO DOCENTE


Auxiliar de Acção Educativa

Funções:
1. Ao auxiliar de acção educativa incumbe genericamente, nas áreas de apoio à actividade pedagógica, de
acção social escolar e de apoio geral, uma estreita colaboração no domínio do processo educativo das
crianças, desenvolvendo e incentivando o respeito e apreço pelo jardim de infância e pelo trabalho que,
em comum, nele deve ser efectuado.

2. Na área de apoio à actividade pedagógica :


- Colaborar com a educadora de infância no acompanhamento das crianças entre e durante as actividades
lectivas.
3. Zelar pela conservação e manutenção dos espaços do Jardim de Infância.
4. Na área de apoio social escolar:
- Prestar assistência em situações de primeiros socorros e, em caso de necessidade, acompanhar a criança
a unidades hospitalares.

5. Na área de apoio geral:


- Proceder à abertura e encerramento das portas de acesso às instalações.
- Proceder à limpeza e arrumação das instalações, zelando pela sua conservação.
- Abrir, fechar portas, portões e janelas, desligar o quadro de electricidade.

Deveres

1. Cumprimento das ordens dos seus superiores hierárquicos.


2. Diligência e aplicação no desempenho das respectivas funções.
3. Respeitar os seus superiores e colegas de trabalho.
4. Manter actualizados os conhecimentos necessários para desempenho do seu cargo.

Direitos:

Direitos funcionais: direito a licenças, férias e faltas.


a) Licenças:
A concessão de licenças depende da prévia ponderação da conveniência de serviço.
b) Férias:
A auxiliar tem direito a 22 dias úteis de férias, que gozará entre o termo de um ano lectivo e o início do ano
lectivo seguinte
c) Faltas por motivos vários:
Estas têm de ser comunicadas à educadora à Câmara Municipal e justificadas.

IV.ALUNOS
Assiduidade

1. Do interesse da criança e do seu grupo, a assiduidade no Jardim de Infância, deverá ser regular.
2. Na necessidade de uma criança faltar, mais de 3 dias consecutivos, os pais / encarregados de educação
deverão informar a Educadora de Infância.
3. As ausências por um mês não justificadas, determinam que a educadora contacte os Encarregados de
Educação, para que assinem a desistência, com o objectivo de abrir nova vaga. Caso os Encarregados de
Educação não compareçam, serão avisados por carta com aviso de recepção.
4. A frequência dos alunos é registada no respectivo diário de frequência.
5. A frequência do Jardim de Infância é facultativa.
6. A frequência do Jardim de Infância deverá ser precedida da apresentação dos documentos referenciados
no ponto nº 7 do presente regulamento

Higiene
As crianças deverão apresentar-se no Jardim de Infância com roupas limpas e higiene corporal, para o seu
próprio bem estar.

Segurança

1. As crianças que frequentam o Jardim de Infância estão abrangidas pelo seguro escolar.
2. Em caso de acidente a Educadora preencherá um formulário e orientará os pais para os trâmites a
seguir.

Enfermidade

As crianças que apresentem enfermidades tais como:


a) Vómitos
b) Diarreias
c) Febres
d) Dores de garganta e ou ouvidos
e) Outras;

Deverão permanecer em casa:


1. Se a criança ou um membro da sua família sofre de uma enfermidade contagiosa, deverá avisar a
educadora, não podendo a criança durante o período infecto-contagioso, frequentar o Jardim de Infância.
Quando regressar, deverá apresentar um certificado médico que declare o seu restabelecimento.
2. Em caso de doença súbita, a Educadora deverá contactar os pais/encarregados de educação, recorrendo
em caso de emergência ao Centro de saúde local ou ao Hospital.

V.ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO

Direitos
1. Participarem no processo educativo.
2. Terem conhecimento do projecto educativo e do regulamento interno e das actividades a realizar no
Jardim de Infância.
3. Serem informados das faltas da educadora, sempre que possível com 2 dias de antecedência.
4. Serem convocados para reuniões, com a devida antecedência.
5. Terem conhecimento da evolução dos seus educandos.
6. Poderem visitar o estabelecimento de educação.
Deveres
1. Participarem efectivamente no processo educativo.
2. Trazer os seus educandos em boas condições de higiene.
3. Favorecer a assiduidade e a pontualidade dos educandos.
4. Participarem activamente sempre que solicitados: em reuniões, actividades, elaboração de projectos,
etc.
5. Estarem informados sobre a actividade educativa.
6. Valorizarem os trabalhos realizados pelas crianças.

VI. ORGÃOS DE GESTÃO

Encarregado de Direcção
Cabe ao encarregado de direcção:

1. Representar o Jardim de Infância.


2. Cumprir as disposições legais e regulamentares, resolvendo os casos da sua competência e informando
sobre os restantes.
3. Orientar, coordenar e dinamizar as actividades do Jardim de Infância.
4. Incentivar a participação das famílias nas actividades do Jardim de Infância.
5. Fomentar o aperfeiçoamento técnico e profissional do pessoal em serviço, através de adequada
articulação com os serviços de formação competentes.

II. SUPORTES ADMINISTRATIVOS DO JARDIM DE INFÂNCIA


Diário de frequência

1. É da competência e responsabilidade das Educadoras, diariamente, assinalar as faltas/presenças de cada


criança.

Livro de ponto:
1. Deverá ser utilizado pelas Educadoras em exercício, auxiliares de acção educativa.
2. É rubricado diariamente, às horas da entrada e saída, em função dos horários respectivos.
Livro de actas:

Registo do que se passa nas reuniões de pessoas ou de orgãos colegiais. Interessa que se mencione tudo o
que foi dito, identificando-se o seu autor.

Livro de correspondência Expedida:

1. É da responsabilidade do director do Jardim de Infância.


2. Nele se regista a correspondência expedida, número e data, destinatário e assunto.

Livro F.: Inventário:

1. Deve ser inventariado todo o material e mobiliário utilizáveis.

Arquivo de correspondência recebida:

1. Será classificado por «Anos», «Assuntos », «Entidades»

Arquivo de inscrições:

1.As Inscrições serão arquivadas por ordem de idade dos alunos em dossier.

Arquivo de material pedagógico:


1. Listagem de todo o material pedagógico que existe no Jardim de Infância e que não foi mencionado no
livro de inventário. Sempre que a educadora cesse funções deve proceder à conferência do material para
que a listagem passe, nas devidas condições, para o seu substituto.

Este regulamento interno foi estruturado seguindo " Propostas para regulamento interno dos
estabelecimentos de educação pré-escolar" emanadas pela Direcção Regional de Educação do Centro.
Referências bibliográficas:
Estatuto da Carreira Docente
Orientações Curriculares para a Educação Pré-Escolar
Princípio geral e objectivos da Educação Pré-Escolar

Você também pode gostar