Você está na página 1de 36

Encontro de Altos Dirigentes

AICEP
Maputo
19-21 Novembro de 2015

Política e regulação nas plataformas online

João Confraria
Universidade Católica Portuguesa

11/18/2015 AICEP Maputo jc 1


Política
Regulação
Plataformas
Online

11/18/2015 AICEP Maputo jc 2


Política e regulação nas plataformas online

• Política e regulação
• O mundo que nós perdemos
• Entre o bem e o mal
• Facilidades e plataformas
• Angústias europeias
• O desaforo feito virtude e o faroeste cibernáutico
• Os serviços universais

11/18/2015 AICEP Maputo jc 3


Política e regulação nas plataformas online

• Política e regulação
• O mundo que nós perdemos
• Entre o bem e o mal
• Facilidades e plataformas
• Angústias europeias
• O desaforo feito virtude e o faroeste cibernáutico
• Os serviços universais

11/18/2015 AICEP Maputo jc 4


Política e regulação

• Política e regulação
– Exercício do poder de Estado
• Política
– Legislação – governo e assembleia de deputados
• Regulação
– Implementar a legislação
• Mas
– ….alguma parte do que é regulação hoje já foi política no
passado

11/18/2015 AICEP Maputo jc 5


Política e regulação

• Regulação
– Dependente do Governo
• Implementação ao nível de uma direção geral, instituto
público, por vezes)
– Independente do Governo
• Implementação por CA de entidade reguladora
(instituto público de regime especial, autoridade
independente)
• E as empresas públicas?

11/18/2015 AICEP Maputo jc 6


Política e regulação nas plataformas online

• Política e regulação
• O mundo que nós perdemos
• Entre o bem e o mal
• Facilidades e plataformas
• Angústias europeias
• O desaforo feito virtude e o faroeste cibernáutico
• Os serviços universais

11/18/2015 AICEP Maputo jc 7


O mundo que nós perdemos

• Estabelecimento de preços nas empresas públicas


– Estabelecimento de preços que garantissem a viabilidade
financeira das empresas públicas e a sua capacidade de
financiar investimentos em
– Cobertura da população
– Qualidade de rede
– Novas redes e serviços
• Preços orientados para os custos nas empreas privadas
reguladas
• Subsidiação cruzada entre regiões e entre grupos de
consumidores
– Serviço universal

11/18/2015 AICEP Maputo jc 8


O mundo que nós perdemos

• Normalização
– Nível internacional
• UPU
• UIT
– Redes e serviços
• Interligação – interoperabilidade de redes e de serviços
• Equipamentos de rede e equipamentos terminais –
econmomias de escala
• Gestão das frequências radioelétricas
– Economias de escala na produção de equipamentos
radio
– Interoprabilidade de redes e serviços

11/18/2015 AICEP Maputo jc 9


Política e regulação nas plataformas online

• Política e regulação
• O mundo que nós perdemos
• Entre o bem e o mal
• Facilidades e plataformas
• Angústias europeias
• O desaforo feito virtude e o faroeste cibernáutico
• Os serviços universais

11/18/2015 AICEP Maputo jc 10


O bem que nós fizémos…
…de vez em quando

• Controlo do poder de monopólio


– Acessibilidade dos preços
• Incentivos ao investimento
– Cobertura das populações e dos países
• Subsidiação cruzada
• Direito de interligação
• Garantia de interoperabilidade de redes e serviços

11/18/2015 AICEP Maputo jc 11


Uma asneira ou outra …
…de quando em vez

• Entre a “captura” e o “populismo”


• Subordinação da gestão das empresas públicas aos ciclos
políticos
• Incentivos à eficiência e remuneração dos investimento

11/18/2015 AICEP Maputo jc 12


As origens dos erros

• Dificuldades práticas da resolução de problemas para os quais


havia soluções teoricamente correctas
• Opções políticas
– Populistas
– Interesses financeiros de curto prazo do Estado

11/18/2015 AICEP Maputo jc 13


Política e regulação nas plataformas online

• Política e regulação
• O mundo que nós perdemos
• Entre o bem e o mal
• Facilidades e plataformas
• Angústias europeias
• O desaforo feito virtude e o faroeste cibernáutico
• Os serviços universais

11/18/2015 AICEP Maputo jc 14


Facilidades e plataformas

• As plataformas online e o problema das mulheres nas


discotecas
• A normalização e a Angústia do Regulador Míope
• Propriedade intelectual e benefícios da ilegalidade … e do
trabalho cooperativo
• O meio dia da regulação transnacional e o ocaso da regulação
nacional?
• O potencial de asneira

11/18/2015 AICEP Maputo jc 15


Plataformas online e o problema das mulheres
nas discotecas
• Porque é que as mulheres muitas vezes pagam menos para entrada nas
discotecas do que os homens?
– Mercado com dois lados: homens e mulheres, intermediado por uma
plataforma, que é a discoteca
– Neste mercado o serviço transacionado é
• prestado pela plataforma
• permitir que as pessoas se encontrem
– O lado que gera maiores benefícios ao outro tende a ter preços mais
baixos para partiicpar no mercado
• Se houvesse regulação dos preços da discoteca, o preço a pagar por cada
um dos lados corresponderia ao custo que esse lado impõe quando
participa no grupo reduzido do benefício que dá ao outro lado

11/18/2015 AICEP Maputo jc 16


Além das discotecas

• Uma rede de telecomunicações fixas e uma rede de telecomunicações


móveis interligadas podem ser entedidas como uma plataforma que
permite que os clientes de uma tenham acesso aos clientes da outra
– Reduzir os preços das terminações pode levar a um aumento de
preços no outro lado do mercado
• Os operadores de radiodifusão sonora e televisiva podem ser vistos como
paltaformas que põem em contacto os produtores de conteúdos com os
ouvintes e espectadores
– Uma larga quota de audiência não significa necessariamente poder de
mercado, se o poder negocial dos produtores de conteúdos for muito
elevado
– Televisão e rádio por satélite concorrem com a televisão e rádio por
difusão terrestre e com televisão por cabo na compra de cnteúods
ainda que se possam dirigir a audiência diferentes
11/18/2015 AICEP Maputo jc 17
Roubo de propriedade intelectual das
plataformas online
• Violação de direitos de autor
– Música
• Efeitos de curto prazo
– Vantajoso para os consumidores
– Prejudicial para produtores
• Efeitos de longo prazo
– Prejuízos para produtores e consumidores?
• Distribuição tradicional privilegia um número reduzido de “estrelas”
• Músicos menos conhecidos passam a divulgar mais facilmente a sua
produção
– Modelo de negócio mais baseados nos espectáculos ao vivo
– Consumidores acedem a maior variedade
– Custos da repressão são suportáveis?

11/18/2015 AICEP Maputo jc 18


Software “open source”

• Deve ser promovido por políticas públicas?


• Produção open source enviesada pelos benefícios não
monetários que proporciona aos programadores
– Resolução de problemas específicos
– Reputação

11/18/2015 AICEP Maputo jc 19


Normalização / estandardização

• Os efeitos de rede podem dar origem a normas inferiores. Há,


em teoria, políticas públicas / regulação que podem resolver o
problema.
• Regulação ex post
– Uma certa falta de concorrência
• Regulação ex ante
– Angústia do Regulador Míope

11/18/2015 AICEP Maputo jc 20


Regulação ex post / defesa da concorrência

• Incentivar a coordenação entre as empresas


mas…
• Tal corresponde a escolher a concorrência no
mercado em detrimento da concorrência pelo
mercado

11/18/2015 AICEP Maputo jc 21


A Angústia do Regulador Míope

• Paradoxo da Janela de Oportunidade Estreita


• Dilema do Gigante Cego
• Órfãos Tecnológicos

• (David, 1987 cit Peitz, 2011)

11/18/2015 AICEP Maputo jc 22


O potencial de asneira

• Erros de políticas e de regulação podem ser cometidos não


por dificuldades de implementação de soluções teoricamente
correctas mas por dificuldade de identificar uma solução
teoricamente correcta
– E ainda sem se falar da sua implementação

11/18/2015 AICEP Maputo jc 23


Política e regulação nas plataformas online

• Política e regulação
• O mundo que nós perdemos
• Entre o bem e o mal
• Facilidades e plataformas
• Angústias europeias
• O desaforo feito virtude e o faroeste cibernáutico
• Os serviços universais

11/18/2015 AICEP Maputo jc 24


Angústias europeias

• Concorrência e investimento
• Regulação europeia ou nacional
• Neutralidade de rede
• Defesa do consumidor

11/18/2015 AICEP Maputo jc 25


Concorrência e investimento

• A concorrência com base em infraestruturas alternativas


• Os acessos regulados
• O problema do acesso à fibra onde não há fibra

11/18/2015 AICEP Maputo jc 26


Regulação europeia ou nacional?

• Administrativo
• Soberania
• Mercado

11/18/2015 AICEP Maputo jc 27


Gestão do espectro radioelétrico

• Maior coordenação
– nos calendários de atribuição de novas faixas de
frequências?
– Compatível com soberanias nacionais?

11/18/2015 AICEP Maputo jc 28


Itinerância internacional de chamadas

• Eficiência de mercado ou redistribuição à escala europeia?

11/18/2015 AICEP Maputo jc 29


Neutralidade de rede

• Afirmado o princípio da neutralidade de rede


na União Europeia
• Princípio compatível com implementação de
técnicas de gestão de tráfego
• Princípio da subsidiariedade
– Segmentação do mercado europeu em mercados
nacionais?
– Exemplo: zero rating

11/18/2015 AICEP Maputo jc 30


Defesa do consumidor

• Lei geral de contratos ou regulamentação específica


• Privacidade e proteção de dados pessoais

11/18/2015 AICEP Maputo jc 31


Política e regulação nas plataformas online

• Política e regulação
• O mundo que nós perdemos
• Entre o bem e o mal
• Facilidades e plataformas
• Angústias europeias
• O desaforo feito virtude e o faroeste cibernáutico
• Os serviços universais

11/18/2015 AICEP Maputo jc 32


Os preços das “borlas”

• O cliente é o produto
– Modelos de negócio na Internet baseados em comportamentos
que no mundo material seriam considerados como violações de
privacidade
• Regulação
– Problema da transparência na Internet
• Os consumidores aceitam, ou não, esse comportamento?
– Aos operadores de comunicações eletrónicas o não é permitido
este comportamento
– Regulação assimétrica tem efeitos anti competitivos?

11/18/2015 AICEP Maputo jc 33


Cibersegurança pública

• Qual o nível de segurança individual na navegação na internet


– Roubo de identidade
• “Disclaimers”/Rejeição de responsabilidade em qualquer
carregamento ou atualização de aplicação ou programa
• Regulação
– Regime de responsabilidade civil
• Empresas proprietárias dos programas e aplicações
• Prestadores do serviço de acesso à Internet

11/18/2015 AICEP Maputo jc 34


Serviços Universais

• Hipótese de trabalho: levar a ideia a sério?


• Questões:
– SU: um direito de cidadania ou uma política de promoção
de acessos?
– Acessos a quê?
– Acesso a redes de comunicações eletrónicas e acesso a
redes postais são complementares por via do comércio
eletrónico?
– Redes postais
• Acesso tradicional para populações info excluídas?
• Acesso a pontos de entrega e de distribuição em horas e locais
acessíveis?

11/18/2015 AICEP Maputo jc 35


Conclusões

• Políticas e regulação tendem a verificar-se cada vez mais em contexto de


extrema incerteza sobre tecnologias, mercados e serviços
• Princípio de intervenção onde for estritamente necessário em função de
um conceito claro de interesse público
• Pode ser difícil definir claramente o interesse público ou, definindo-o,
estabelecer instrumentos bem definidos para o alcançar
• Evitar a asneira
– Evitar medidas com resultados muito incertos e que, caso a realidade se não
ajuste às previsões, podem provocar danos significativos e permanentes no
mercado
• Aprofundar as medidas de defesa do consumidor, designadamente no
domínio da segurança, privacidade e proteção de dados
• Aprofundar as medidas de proteção de dados empresariais
• Rever os conceitos de serviço universal em função de uma perspetiva
integrada de serviço universal postal e de comunicações eletrónicas

11/18/2015 AICEP Maputo jc 36

Você também pode gostar