Você está na página 1de 7

Universidade Estadual de Campinas

Faculdade de Engenharia de Alimentos


Departamento de Engenharia de Alimentos
TA 836 A – Profa. Tania Forster

Lista de Exercícios 2

1. Dimensionar um tanque séptico retangular para uma empresa de produção de queijos com 100
funcionários. Considerando que a empresa trabalha com 3 turnos, pode-se considerar seus ocupantes como
sendo permanentes com padrão médio. A profundidade do tanque séptico é de 1,80m, a largura equivale a 2
vezes a base e a temperatura média do mês mais frio do local 23°C e tempo de intervalo de limpeza de 2
anos. A concentração de DBO afluente ao tanque séptico é de 500 mg/L e a eficiência esperada do sistema
em termos de remoção de DBO é de 55%. Calcular:
a) Contribuição per capita de esgoto (C)
b) Contribuição per capita de lodo fresco (Lf)
c) Contribuição diária total de esgoto (Q) (m3/d)
d) Tempo de detenção hidráulico (TDH)
e) Volume do tanque séptico (V) (m3)
f) Dimensões (L, B e H) (m)
g) Taxa de aplicação hidráulica superficial (I) (m3/m2.d)
h) Estimativa da concentração de DBO no efluente final (S) (mg/L)
Resp: C=130 L/hab.d; Lf= 1,0 L/hab.d; Q=13000 L/d; TDH=0,5 dias; V=17,2 m2; Dimensões:
4,4mx2,20mx1,8m; I= 1,36 m3/m2.d; S=225 mgDBO/L

2. Dimensionar um sistema de tanque séptico para uma indústria de processamento de carnes pequena com
50 trabalhadores de acordo com as disposições das normas NBR 7229 e 13969 considerando os seguintes
elementos de projeto: padrão de residências contribuintes de média; intervalo entre limpezas do tanque de 1
ano, temperatura média de 22ºC; altura 2,0 m; tanques retangulares L é igual a 2B. Concentração de DQO
afluente ao tanque séptico é de 780 mg/L e a eficiência esperada do sistema em termos de remoção de DQO
é de 55%. Calcular:
a) Contribuição per capita de águas residuárias (C)
b) Contribuição per capita de lodo fresco (Lf)
c) Contribuição diária total de águas residuárias (Q) (m3/d)
d) Tempo de detenção hidráulico (TDH) (d)
e) Volume do tanque séptico (V)
f) Dimensões (L, B e H) (m)
g) Taxa de aplicação hidráulica superficial (I) (m3/m2.d)
h) Estimativa da concentração de DBO no efluente final (S) (mg/L)
Resp: C= 130 L/hab.d; Lf= 1,0 L/hab.d; Q= 6500 L/d; TDH=0,67 d; V= 8,2 m3; Dimensões:
1,43mx2,86mx2,0m; I=1,58 m3/m2.d; S= 351 mg/L

3. Calcule os requisitos de nitrogênio e fósforo de um sistema de tratamento anaeróbio com as seguintes


características: tipo de substrato: carboidratos; concentração de substrato no afluente de 0,350 gDQO/L;
Y=0,15 g SSV/gDQO; relação SST/SSV=1,14 g SST/gSSV; Cnut=65 mg de N/gSST; Cnut=0,015 g de
P/gSST.
Calcular:
a) Rnut para N
b) Rnut para P e relação DQO:N:P
Resp: Rnut_N= 0,0039 g N/L; Rnut_P= 0,0009 g P/L; relação: 350:4:1
__________________________________________________________________________________________
1
Universidade Estadual de Campinas

Faculdade de Engenharia de Alimentos


Departamento de Engenharia de Alimentos
TA 836 A – Profa. Tania Forster

4. Dimensionar um filtro anaeróbio quadrado não submerso para o efluente de tanque séptico de uma
pequena indústria de polpa de frutas com 80 funcionários. A temperatura média do mês mais frio é de 23ºC.
Considere: altura da camada de meio de suporte de 0,75 m; altura da lâmina d’água acima do material de
enchimento de 0,3m e altura da câmara de fundo de 0,75m; concentração de DBO do afluente ao filtro,
S0= 0,4 KgDBO/m3; eficiência de remoção de DBO esperada é de E=45%. Calcular:
a) Contribuição per capita de águas residuárias (C) (L/hab.d)
b) Contribuição per capita de lodo fresco (Lf) (L/hab.d)
c) Estimativa de contribuição diária de águas residuárias (Q) (m3)
d) TDH (d)
e) Volume total (m3)
f) Dimensões: B, H (m)
g) Volume da camada de suporte (V_s) (m3)
h) Taxa de aplicação hidráulica superficial (I) (m3/m2.d), atenderá a legislação?, justifique.
i) Carga orgânica volumétrica do filtro e carga orgânica da camada do meio de suporte (Cv e Cv_s)
(KgDBO/m3.d)
j) Estimativa da concentração de DBO no efluente final (S) (mg/L)
Resp: C= 70 L/hab.d; Lf= 0,3 L/hab.d; Q= 5600 L/d; TDH= 0,75 d; V= 6,72m3; Dimensões:
1,93mx1,93mx1,8m; Vs= 2,79 m3; I= 1,50 m3/m2.d; Cv= 0,33 KgDBO/L.d; Cv_s= 0,8 KgDBO/L.d;
S= 220,0 mgDBO/L.

5. Para o dimensionamento da área de um filtro anaeróbio circular não submerso, de uma fábrica de
queijos com 103 funcionários, os parâmetros de projeto são: altura da caixa de fundo de 0,6 m, altura da
camada de meio de suporte de 0,60 m e espaço sobressalente de 0,50m. O meio filtrante é o bambu assim
um volume de espaço vazio deve ser considerado com fator de porosidade do meio filtrante é de 90%. O
projeto deve ser elaborado de acordo com as exigências ambientais, sendo a temperatura das águas
residuárias de 24ºC. Calcular:
a) Contribuição per capita de esgoto (C) (L/hab.d)
b) Contribuição per capita de lodo fresco (Lf) (L/hab.d)
c) Estimativa de contribuição diária de esgotos (Q) (m3/d) e TDH (d)
d) Volume do filtro biológico (m3)
e) Dimensões: DxH (m)
f) Taxa de aplicação hidráulica superficial (I) (m3/m2.d), atenderá a legislação?, justifique.
g) Volume na camada de meio de suporte (V_s) (m3)
h) Volume do meio de suporte superficial considerando a porosidade (m3)
Resp: C=70 L/hab.d; Lf= 0,3 L/hab.d; Q= 7,21 m3/d; TDH= 0,67d; V=7,73 m3; dimensões:
2,41mx1,7m; I= 1,58 m3/m2.d; V_s=2,73 m3; Vs_p= 2,45 m3

6. Dimensionar um filtro anaeróbio de acordo com as diretrizes da NBR 13969 de 1997. A vazão média é
de 10000 L/d e a temperatura de 15°C. Considere: altura da camada de meio de suporte de 0,60 m; altura da
lâmina d’água acima do material de enchimento de 0,10 m e altura da câmara de fundo de 0,60 m;
porosidade do meio de suporte: 50%. Calcular: a) Altura útil total (H)
b) Volume total do filtro (V) (m3)
c) Área total (A) (m2)
d) Taxa de aplicação hidráulica superficial (I) (m3/m2.d) atenderá a legislação?, justifique.
Resp: H= 1,3m; V= 12,0 m3; A= 9,23 m2; I= 1,083 m3/m2.d, sim atenderá a legislação NBR 12209 onde
a faixa ideal é de 0,8-5,0 m3/m2.d
2
Universidade Estadual de Campinas

Faculdade de Engenharia de Alimentos


Departamento de Engenharia de Alimentos
TA 836 A – Profa. Tania Forster

7. Dimensionar um sistema de filtro anaeróbio para operar após um sistema de tanque séptico de acordo
com a NBR 13969 de 1997 de uma padaria que não tem ligação ao sistema de esgotamento sanitário e onde
trabalham 50 funcionários, sendo conhecidos os seguintes dados de projeto:
- padrão médio; concentração de esgotos afluente ao tanque: concentração de DBO inicial de 300 mg/L;
temperatura média do mês mais frio é de 20°C; Eficiência esperada do sistema em termos de remoção de
DBO: E=75%
Calcular:
a) Contribuição per capita de águas residuárias (C)
b) Contribuição diária de águas residuárias (Q)
c) Tempo de detenção hidráulico (TDH) (d)
d) Volume do filtro anaeróbio total (V) (m3)
e) Área total (A) (m2)
f) Dimensões de um filtro circular e outro quadrado (m)
g) Estimativa da concentração de DBO do efluente final (S) (mg/L)
Resp: C= 130 L/hab.d; Q= 6,5 m3/d; TDH= 0,67d; V= 7,0m3; A= 4,67m2; dimensões:
2,16mx2,16mx1,5m (quadrado) e 2,43mx1,5m (circular); S= 75,0 mg/L.

8. Dimensionar um sistema de filtro anaeróbio para o pós-tratamento de efluentes gerados em um reator


UASB de uma estação de tratamento de águas residuárias domésticas, sendo conhecidos os seguintes
elementos de projeto: população de 20000 habitantes; altura da camada de meio de suporte de 0,60 m; altura
da lâmina d’água acima do material de enchimento de 0,60 m e altura da câmara de fundo de 0,30 m; vazão
afluente média de 3000 m3/d; temperatura de 25ºC; concentração de DBO inicial 0,33 KgDBO/m3;
eficiência de remoção de DBO esperada para o filtro é de 70%. Calcular:
a) tempo de detenção hidráulico (d)
b) volume total do filtro (V) (m3)
c) altura total do filtro e - área total do filtro
d) volume da camada de suporte
e) taxa de aplicação hidráulica superficial (I)
f) carga orgânica volumétrica média aplicada ao filtro anaeróbio total e ao meio de suporte (Cv e Cv_s)
(KgDBO/m3.d)
g) estimativa da concentração de DBO no efluente final (S) (mg/L)
Resp: TDH= 0,5d; V= 2400 m3; H= 1,5m; A= 1600 m2; V_s= 960,0 m3; I = 1,87 m3/m2.d;
Cv= 0,41 Kg DBO/m3.d; Cv_s= 0,106 Kg DBO/m3.d; S= 99,0 mg/L.

3
Universidade Estadual de Campinas

Faculdade de Engenharia de Alimentos


Departamento de Engenharia de Alimentos
TA 836 A – Profa. Tania Forster

9. Estimar o acréscimo das concentrações de DQO e DBO no efluente de um reator UASB para os seguintes
dados: População: P=20.000 hab; Vazão afluente média: Q=3000 m3/d; DBO afluente ao reator UASB:
S0_UASB_DBO= 333 mg/L; DQO afluente ao reator UASB: S0_UASB_DQO= 600 mg/L; Eficiência
média de remoção de DBO esperada para o reator UASB de 70%; Eficiência média de remoção de DQO
esperada para o reator UASB de 65%. Calcular:
a) Concentração de DBO e DQO no efluente do reator UASB considerando a utilização de decantadores
COM retentores de escuma (mg/L)
b) Carga orgânica do afluente em termos de DBO e DQO (Kg/d)
c) Estimativa da acumulação de escuma nos decantadores UASB em termos de DBO e DQO (Pescuma) (L/d)
d) Estimativa da carga orgânica decorrente das características físico-químicas da escuma acumulada nos
decantadores em termos de DBO e DQO (Lescuma) (g/d)
e) Concentração de DBO e DQO no efluente do reator UASB considerando a utilização de decantadores
SEM retentores de escuma
f) Estimativa do impacto da não utilização de retentores de escuma na deterioração da qualidade do efluente
no reator em termos de DBO e DQO
Resp: a) S_DBO= 100 mg/L; S_DQO= 210,0 mg/L; b) Lo_DBO= 999,0 KgDBO/d; L_DQO= 1800 Kg DQO/d;
c) P_escuma= 19,98 LDBO/d; P_escuma= 72LDQO/d; L_escumaDBO= 839,16 gDBO/d; L_escuma DQO= 11232 gDQO/d; sem
retentores: S_escumaDBO= 100,28 mg DBO/L; S_escumaDQO= 213,74 mg DQO/L; em termos de DBO= 0,3%; em
termos de DQO= 1,78% sendo desprezível o impacto da qualidade do efluente na utilização de retentores.

10. Dimensionar um reator anaeróbio retangular de manta de lodo, sendo conhecidos os seguintes
elementos de projeto: População: P=20.000 hab; base=L/2; vazão afluente média: Q=3000 m3/d; vazão
afluente máxima diária: Qd=3600 m3/d; vazão afluente máxima horária: Qh=5400 m3/d; concentração média
DBO afluente ao UASB: S0_UASB_DBO=333 mg/L; concentração média DQO afluente ao UASB:
S0_UASB_DQO=600 mg/L; Temperatura das águas residuárias: T=21ºC? Calcular:
a) Carga afluente média de DQO (L0_UASB_DQO) (Kg/d)
b) TDH (h) e volume do reator (V) (m3)
c) Estimar o número de reatores (Nr) e Volume de cada reator (Vr)
d) Estimar a altura do reator (H) (m)
e) Área de cada reator (Ar) e dimensões (L e B)
f) Número de distribuidores (Nd) e adoção de área de influência de distribuição (Ad) se São Paulo (Cetesb)
g) Fazer o esquema dos tubos de distribuição no sistema de reatores e mostrar a quantidade de tubos ideal
total dos reatores
h) Carga hidráulica volumétrica (Chv) (m3/m3.d) e Carga orgânica volumétrica (Cv) (Kg/m3).d)
i) Taxa de aplicação superficial (m3/m2.d)
Resp: a) Lo_DBO= 1800,0 KgDBO/d; b) TDH= 7,0 h e V= 1000 m3; c) Nr= 2 e Vr= 500 m3; d) Ar= 111,11m2 e foi
estimado h=4,5m assim “15,0mx7,45mx4,5m”; f) Nd= 55 tubos em cada reator e Nd= 50 tubos real e desejável;
Ad=2,0m2; Chv=3,0 m3/m3.d, Cov=1,8 Kg/m3.d; I=13,50 m3/m2.d

11. Quais são e explique as 4 etapas bioquímicas que ocorrem durante o tratamento anaeróbio (nome da
etapa, substrato e produtos, microrganismos envolvidos)

12. Cite 3 vantagens e desvantagens do tratamento anaeróbio quando comparado ao tratamento aeróbio.

___________________________________________________________________________________

4
Universidade Estadual de Campinas

Faculdade de Engenharia de Alimentos


Departamento de Engenharia de Alimentos
TA 836 A – Profa. Tania Forster

13. Dimensionar uma lagoa facultativa quadradas com base nos seguintes dados: população de 20.000 hab;
vazão afluente de 3000 m3/d; concentração de DBO efluente 350 g/m3, coeficiente de remoção de DBO (K)
de 0,35 d-1 na temperatura 20°C, coeficiente de temperatura de (θ) de 1,05. Calcule:
a) Carga de efluente de DBO5 (Kg/d)
b) Área requerida (A) (m2), calcular taxa d aplicação superficial a parti de uma temperatura de 23°C
c) Adotar profundidade e justificar (H) (m)
d) Volume (V) (m3)
e) Tempo de detenção hidráulico (TDH) (d)
f) Coeficiente de remoção de DBO em uma temperatura de um líquido qualquer (KT) (d-1)
g) Estimativa da DBO solúvel no efluente, considerando um modelo de mistura completa (S) (mg/L), atende
a legislação?
h) Dimensões L e B
Resp: a) L= 1050 KgDBO/d; b) A=33700 m2; c) H= 2,0 m; d) V=67400 m3; e) TDH=22,5d; f) KT = 0,4051 d;
g) S= 34,60 mg/L; L= 183,5 m.

14. Dimensionar uma lagoa facultativa retangular (L=2B) de acordo com os seguintes dados de projeto:
população de 42.000 hab; vazão afluente de 3983 m3/d; concentração de DQO afluente 413 g/ m3,
coeficiente de remoção de DQO (K20) de 0,41 d-1 e temperatura 28°C, coeficiente de temperatura de (θ) de
1,05. Calcule:
a) Carga do afluente de DQO (Kg/d);
b) Área requerida (A) (m2) considerando a temperatura média do ar no mês mais frio 23°C;
c) Adotar profundidade e justificar (H) (m);
d) Volume (V) (m3);
e) Tempo de detenção hidráulico (TDH) (d);
f) Coeficiente de remoção de DQO em uma temperatura de um líquido qualquer (d-1);
g) Estimativa da DQO solúvel no efluente, considerando um modelo de mistura completa (S) (mg/L), atende
a legislação?
h) Dimensões L e B

Resp: a) L= 1645 KgDBO/d; b) A=52927,25 m2; c) H= 2,0 m; d) V=105854,00 m3; e) TDH=26,58d; f) KT =


0,6056 d; g) S=24,16g/m3.

5
Universidade Estadual de Campinas

Faculdade de Engenharia de Alimentos


Departamento de Engenharia de Alimentos
TA 836 A – Profa. Tania Forster

Tipo Contribuição per capita de águas Contribuição per capita de lodo fresco
residuárias (C) (L/hab.d) (Lf) (L/hab.d)
Padrão alto 160 1,0
Padrão médio 130 1,0
Padrão baixo 100 1,0
Alojamento provisório 80 1,0
Fábrica 70 0,3

Contribuição diária total Tempo de detenção hidráulico, TDH, (dia)


(L/d) T<10°C 10≤ T ≥ 25°C T> 25°C
Até 1500 1,17 1,00 0,92
De 1501 a 3000 1,06 0,92 0,83
De 3001 a 4500 1,00 0,83 0,75
De 4501 a 6000 0,92 0,75 0,67
De 6001 a 7500 0,83 0,67 0,58
De 7501 a 9000 0,75 0,58 0,50
Mais que 9000 0,75 0,50 0,50

Intervalo entre limpezas Valores de K (dia) por faixa de temperatura ambiente (°C)
(anos)
de tanques e filtros TºC< 10°C 10≤ T ≥ 21°C TºC>21°C
1 94 65 57
2 134 105 97
3 174 145 137
4 214 185 177
5 254 225 217

Volume de tanque e filtros (m3) Profundidade (m)


Até 60 1,20
De 6,0 a 10,0 1,50
Mais de 10,0 1,80

Parâmetro
Cescuma_DQO 156 g/L
Cescuma_DBO 42 g/L
Cescuma_ST 95 g/L
Yescuma_DQO 0,04 L/Kg
Yescuma_DBO 0,02 L/Kg

Temperatura °C Tempo de detenção hidráulico, TDH (horas) para


vazões média e reatores UASB
15 a 18 10,0
18 a 22 8,0
22 a 25 7,0
>25 6,0
6
Universidade Estadual de Campinas

Faculdade de Engenharia de Alimentos


Departamento de Engenharia de Alimentos
TA 836 A – Profa. Tania Forster

Sistemas Área de influência de cada distribuidor (m2) em reatores


UASB
ETE Nova Vista, MG 3,0
ETE Rio de Peixe, MG 2,4
Cetesb, SP 2,0
Cali, Colômbia 4,0