Você está na página 1de 62

1

SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO ................................................................................... 4

2 RELAÇÕES INTRAPESSOAL E INTERPESSOAL ........................... 5

3 COMUNICAÇÃO HUMANA ............................................................... 9

3.1 Canal ......................................................................................... 11

4 BARREIRAS À COMUNICAÇÃO ..................................................... 12

5 COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL ............................................. 14

6 GRUPOS ......................................................................................... 17

6.1 Fases do grupo ......................................................................... 19

7 FEEDBACK...................................................................................... 20

7.1 O que é Feedback? ................................................................... 20

7.2 As dificuldades de dar e receber feedback:............................... 22

7.3 Feedback de Grupo: .................................................................. 23

8 COMPREENSÃO EMPÁTICA ......................................................... 26

9 MOTIVAÇÃO ................................................................................... 28

9.1 Conceito de Motivação .............................................................. 28

9.2 Ciclo motivacional ..................................................................... 28

9.3 Tipos de Motivação ................................................................... 29

10 FRUSTRAÇÃO ............................................................................. 31

10.1 Conflito ................................................................................... 32

11 TEORIAS DA MOTIVAÇÃO ......................................................... 33

12 Principais teorias .......................................................................... 33

13 INTELIGÊNCIA EMOCIONAL ...................................................... 36

13.1 O que é inteligência emocional? ............................................ 36

13.2 Importância das emoções ...................................................... 37

14 ÉTICA E CIVILIZAÇÃO ................................................................ 38

2
15 RACIONALIDADE E LIBERDADE ................................................ 39

16 CIVILIZAÇÃO E VALORES .......................................................... 42

17 ÉTICA E VALORES ...................................................................... 45

18 ÉTICA E LEI ................................................................................. 46

19 CONCEITO DA ÉTICA ................................................................. 48

19.1 Conceitos da ética profissional............................................... 50

19.2 A ética profissional e a filosofia do agir humano – o ser


ético/axiológico. ............................................................................................ 51

19.3 Ética profissional: quando se inicia esta reflexão? ................. 52

19.4 Ética profissional e relações sociais ....................................... 54

20 QUAIS OS LIMITES DE UM CÓDIGO DE ÉTICA? ...................... 55

21 ÉTICA E SISTEMA ECONÔMICO ................................................ 56

22 ÉTICA E MEIO AMBIENTE .......................................................... 56

23 DEVERES PROFISSIONAIS ........................................................ 59

BIBLIOGRAFIA BÁSICA ........................................................................ 62

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR ....................................................... 62

3
1 INTRODUÇÃO

Prezado aluno!

O Grupo Educacional FAVENI, esclarece que o material virtual é


semelhante ao da sala de aula presencial. Em uma sala de aula, é raro –
quase improvável - um aluno se levantar, interromper a exposição, dirigir-se ao
professor e fazer uma pergunta , para que seja esclarecida uma dúvida
sobre o tema tratado. O comum é que esse aluno faça a pergunta em voz alta
para todos ouvirem e todos ouvirão a resposta. No espaço virtual, é a mesma
coisa. Não hesite em perguntar, as perguntas poderão ser direcionadas ao
protocolo de atendimento que serão respondidas em tempo hábil.
Os cursos à distância exigem do aluno tempo e organização. No caso da
nossa disciplina é preciso ter um horário destinado à leitura do texto base e à
execução das avaliações propostas. A vantagem é que poderá reservar o dia da
semana e a hora que lhe convier para isso.
A organização é o quesito indispensável, porque há uma sequência a ser
seguida e prazos definidos para as atividades.

Bons estudos!

4
2 RELAÇÕES INTRAPESSOAL E INTERPESSOAL

Fonte:3.bp.spot.com

As relações interpessoais tiveram como um de seus primeiros


pesquisadores o psicólogo Kurt Lewin. MAILHIOT (1976: 66), ao se referir a uma
das pesquisas realizadas por esse psicólogo, afirma que ele chegou à
constatação de que “A produtividade de um grupo e sua eficiência estão
estreitamente relacionadas não somente com a competência de seus membros,
mas, sobretudo com a solidariedade de suas relações interpessoais”.
Schutz, um outro psicólogo, trata de uma teoria das necessidades
interpessoais: necessidade de ser aceito pelo grupo, necessidade de
responsabilizar-se pela existência e manutenção do grupo, necessidade de ser
valorizado pelo grupo. Tais necessidades formam a tríade de que fala MAILHIOT
(1976: 67), quando este faz referência aos estudos de Schutz: necessidades de
inclusão, controle e afeição, respectivamente.
Ao discorrer acerca da humanização no ambiente de trabalho, COSTA
(2002: 21) aponta as relações interpessoais como um dos elementos que
contribuem para a formação do relacionamento real na organização:
É necessário observar a operação real da organização, aqui incluídas, as
relações interpessoais, que constituem a sua seiva vital. Os elementos formais
(estrutura administrativa) e informais (relacionamento humano, que emerge das
5
experiências do dia-a-dia) integram-se para produzir o padrão real de
relacionamento humano na organização: como o trabalho é verdadeiramente
executado e quais as regras comportamentais implícitas que governam os
contatos entre as pessoas – esta é a estrutura de contatos e comunicações
humanas a partir da qual os problemas de política de pessoal e de tomada de
decisões podem ser compreendidos e tratados pelos administradores Os autores
são unânimes em reconhecer a grande importância do tema “relações
interpessoais” tanto para os indivíduos quanto para as organizações,
relativamente à produtividade, qualidade de vida no trabalho e efeito sistêmico.
Falar sobre Relacionamento não é fácil, entendê-lo também não.
Principalmente quando levamos em consideração os níveis de relacionamento e
os prováveis personagens do mesmo.
Sendo interpessoal, intrapessoal, com o cliente interno ou externo, o
relacionamento é fator fundamental e, muitas vezes definitivo na vida dos
indivíduos. É necessário possuir habilidades para manter um bom convívio
consigo, com os clientes, colegas de trabalho, amigos ou com alguém que,
simplesmente, só precisa de um minuto de sua atenção para esclarecer uma
dúvida.
Todos somos capazes e estamos aptos a desenvolver tais habilidades,
em muitos casos, uns personagens conseguem superar ou unir a habilidade à
personalidade, tornando-se parceiros / companheiros desejáveis ao convívio.
Outros nem sempre conseguem atingir níveis de satisfação tão relevantes e
perceptíveis, o que não quer dizer que eles sejam incapazes de manter um
relacionamento com alguém. Na verdade, não é nada fácil, mesmo. Porém,
como tudo na vida, é preciso treino e perseverança. Pessoalmente e
profissionalmente, as pessoas que não conseguem ou não estão preparadas
para conviver com os semelhantes e administrar conflitos estão fadadas à
solidão e ao fracasso. O que também não quer dizer que isso seja o fim.
Quando nos aproximamos de alguém é porque temos uma necessidade
para ser satisfeita. O mercado quando dispõe e uma vaga exige como
competência o relacionamento. Gostamos de falar e ser ouvidos, queremos
atenção, ficamos felizes com bons resultados em equipe, sorrimos quando
somos compreendidos, ficamos polivalentes quando o grupo está entrosado.

6
Fonte:encrypted-tbn3.gstatic.com

As habilidades e os "macetes" dos relacionamentos inter e intrapessoais


perpassam por estas atitudes, que posteriormente geram sentimentos como o
da fidelidade. A percepção é a primeira destas. Ao estarmos atentos ao que
acontece em nossa casa, trabalho, reuniões fraternas e detectamos que algo
está diferente, os indivíduos que mantém relações conosco respondem com a
"verdade" ao que foi percebido.
E também acontece quando tratamos da relação EU – COMIGO.
Trabalhar a percepção pode ser fácil e divertido.
Inicialmente esteja atento a sua realidade e interrogue-se, respondendo
sinceramente. A verdade vem como a segunda habilidade. Todo e qualquer
relacionamento é baseado essencialmente na confiança. A criança confia nos
pais, logo a ama; o amigo confia na amiga, logo se confidenciam; o cliente confia
no produto e no vendedor, logo compra e defende.
Apresentar e oferecer o que somos realmente capazes de realizar para
nos aproximar, e fidelizar é um dever. Além disso, a flexibilidade e ser um
negociador não fazem mal algum. Nada está totalmente correto ou equivocado.
Tudo depende do ponto de vista de cada um. Visão esta, que está diretamente
ligada as pré-experiências e a bagagem cultural de cada indivíduo. Visto que,
as relações interpessoais são o resultado de tudo que cada pessoa já
estabeleceu durante a vida.

7
Fonte: acomsistemas.com.br

Para completar o ciclo do relacionamento, a responsabilidade com que


devem ser tratadas as expectativas do outro é considerável e irrestrita. Como já
foi mencionado, todos querem se realizar durante o relacionamento. Ora
recebendo a atenção desejada, ora obtendo bons resultados nos negócios. Para
isso, a empatia vem como auxiliador. Respeitar o outro e assumir por um instante
a posição dele faz do convívio uma interação.
Tornamos a repetir, estar em contato com o semelhante é uma atividade
que precisa ser mantida, aprimorada e reciclada, sempre. A cada dia novos
conceitos sobre o bem – estar, mercado e comportamento surgem. Não existem
seres iguais e é por esta razão que somos chamados de indivíduos. Cada qual
recebe a informação e a compreende de maneira diferente. Não devemos nos
apegar apenas as praxes e protocolos, o bem do relacionamento é a conexão
entre as pessoas e a possibilidade de ficarmos diferentes com isso.

8
3 COMUNICAÇÃO HUMANA

Fonte: ruadireita.com

Quem nunca ouviu falar sobre as aventuras de Robson Crusoé, um


navegante que ficou a ermo numa ilha deserta, cercada de água por todos os
lados e sem ter para onde ir? Ao se deparar com a solidão naquele lugar, Crusoé
logo sentiu uma grande dificuldade que, talvez, muitos de nós ainda não
dedicamos um tempo para reflexão: a necessidade de comunicar-se com
alguém.
A comunicação, sem dúvida, é o centro de todo relacionamento, seja ele
pessoal, profissional, etc. Ela é a chave para o desenvolvimento de uma relação
saudável com o outro, uma vez que pode ser considerada a arte do entender e
do fazer-se entender.
Em poucas palavras, a comunicação é o processo verbal ou não verbal
de transmitir uma informação a uma outra pessoa de maneira que ela entenda o
que está sendo expresso. A comunicação, portanto, não está limitada à fala, à
linguagem oral, mas também é possível por meio de gestos, símbolos,
expressões, bem como qualquer outra forma que contenha em si um significado
inteligível, compreensível.
A comunicação, portanto, ocorre quando, ao emitirmos uma mensagem,
nos fazemos entender por uma pessoa e modificamos seu comportamento. Isso
9
é possível através da linguagem, que é a representação do pensamento por meio
de sinais que permitam a comunicação e a interação entre as pessoas.
Podemos encontrar pelo menos quatro níveis de comunicação:

 Nível quatro – é uma comunicação altamente superficial, em que


os indivíduos apenas se olham ou falam estritamente o necessário,
limitando-se, no máximo, a um bom dia ou a uma pequena
informação.
 Nível três – é uma comunicação ainda superficial, mas aqui as
pessoas tratam-se com um mínimo de cordialidade e sorrisos.
Neste nível os indivíduos ainda não saíram das suas “cascas” para
tornar conhecido aos outros o que pensam e sentem, ou seja, a
comunicação ainda está limitada.
 Nível dois – aqui os indivíduos começam a relatar suas ideias e
pensamentos, o que marca o início de uma comunicação real. As
pessoas estão dispostas a correr o risco de expor suas ideias e
soluções próprias, mas ainda impõem barreiras para a
comunicação plena, talvez como mecanismo de defesa e forma de
conhecer os outros passo a passo. É o tão conhecido “pé atrás”,
mas a comunicação neste nível abre possibilidades para o
aprofundamento das relações interpessoais e dos laços de
confiança, imprescindíveis na comunicação de nível um.
 Nível um – é uma comunicação total. As pessoas estão dispostas
a compartilhar seus sentimentos, ideias e pensamentos. Esta
comunicação está baseada na honestidade e na abertura
completa, ou seja, subentende-se que neste nível de comunicação
as pessoas possuem um alto grau de conhecimento e confiança
umas nas outras, estabelecendo um relacionamento interpessoal
pleno e baseado no diálogo como forma de solução de problemas
e conflitos.

10
A forma de comunicação humana mais utilizada é, sem dúvida, a
comunicação verbal. E todo ato de comunicação envolve sempre seis
componentes essenciais. São eles:
 O emissor (ou locutor) – é aquele que diz algo a alguém
 O receptor (ou interlocutor) – aquele com quem o emissor se
comunica
 A mensagem – tudo o que foi transmitido do emissor ao receptor
 O código – é o conjunto de sinais convencionados socialmente que
permite ao receptor compreender a mensagem (ex: a língua
portuguesa e os sinais de trânsito)
 O canal (ou contato) – é o meio físico que conduz a mensagem ao
receptor (e: o som e o ar)
 O referente (ou contexto) – é o assunto da mensagem
Todos esses elementos são indispensáveis à comunicação verbal, e
podem ser assim esquematizados:

Mensagem
Referente
Emissor ----------------------------------------------------- Receptor
3.1 Canal

Código

O mais importante da atividade comunicativa, como já foi dito, é a


compreensão do que se está querendo expressar e, através deste ato, podemos
tornar conhecida à nossa maneira de ser, pensar e agir. Isto quer dizer que a
forma como nos comunicamos denuncia quem somos na realidade. Através da
maneira peculiar como cada um se comunica e pelo fato de cada indivíduo
possuir um jeito próprio de ser, a comunicação tende a enfrentar algumas
barreiras, as quais surgem da heterogeneidade de pensamentos, sentimentos e
ideias. Mas, é preciso saber como lidar com essas barreiras, de forma que a

11
comunicação não fique comprometida e os possíveis conflitos possam ser
resolvidos da maneira mais adequada.

4 BARREIRAS À COMUNICAÇÃO

Fonte:beruby.com

A comunicação se realiza adequadamente e o seu objetivo é atingido,


quando a mensagem for interpretada da mesma maneira pelo comunicador e
pelo recebedor da comunicação. Quando se fazem interpretações semelhantes,
cada um dos participantes transmite ao outro o seu pensamento e o seu
sentimento sobre o objeto da comunicação. Isto não significa que os
participantes precisem concordar totalmente com o pensamento sobre o objeto
da comunicação. Podem discordar, mas, se um apreende precisamente os
pensamentos do outro, a comunicação foi satisfatória.
Quando a comunicação se estabelece mal ou não se estabelece entre
pessoas ou entre grupos, resultam alguns fenômenos psíquicos chamados
BLOQUEIOS, FILTRAGEM E RUÍDOS.
Ruído é a interrupção da comunicação através de mecanismos externos,
sons estranhos à comunicação, visualizações que comprometem a
comunicação, ou mecanismos utilizados pelo locutor, que seja incompreendido

12
pelo interlocutor. A partir do momento em que se elimina o ruído a comunicação
tende a se estabelecer.
Bloqueio é a interrupção total ou provisória da comunicação e
paradoxalmente parecem comprometer menos a evolução da comunicação do
que a filtragem.
Filtragem é o mecanismo de seleção, danosa, dos aspectos da
comunicação que erroneamente interessam aos interlocutores.
Desde que surge um bloqueio, ele obriga os interlocutores a questionar
suas comunicações e geralmente lhes permite reatá-las e restabelecê-las em
clima mais aberto e em uma base mais autêntica. Desde que cada interlocutor,
tenha tomado consciência de que neles, e entre eles, existem obstáculos às suas
trocas.
Em caso de filtragem, a comunicação tende a acompanhar-se de
reticências e de restrições mentais, degradando-se pouco a pouco em
mensagens cada vez mais ambíguas e equivocadas.
Alguns aspectos podem ser refletidos com a finalidade de minimizar as
barreiras na comunicação:
 Comunicação é sempre uma via de mão dupla. Uma das melhores
maneiras de fortalecer a comunicação é desenvolver a habilidade
não apenas de falar, mas de ouvir também. Dar a atenção
completa, inclusive com os olhos e as expressões faciais. Quando
concentramos nossa atenção, mostrando que não estamos apenas
escutando com os ouvidos, poderemos nos identificar com o que a
outra pessoa está sentindo ou experimentando.
Consequentemente, a pessoa que nos fala também nos dará a
atenção que desejamos quando formos nós os locutores.
 É preciso o momento certo para se comunicar. Às vezes passamos
por cima dos sentimentos das pessoas, sem observarmos se estão
preparadas para ouvirem determinadas coisas ou se aquele
momento é adequado para uma conversa mais séria. É preciso boa
vontade e discernimento para saber qual a melhor ocasião para
que o diálogo seja eficaz.

13
 A precipitação ao responder pode ser prejudicial. Esperar o outro
terminar de dizer o que pensa, para que então se possa emitir o
próprio pensamento, pode ser uma grande arma para resolver uma
barreira de comunicação. Às vezes pensamos que sabemos o que
o outro vai dizer e, sem vacilar, cortamos o seu momento na
conversa. Somente depois descobrimos que não era nada daquilo
que iria falar, correndo o risco de criarmos uma barreira ainda
maior.
 É preciso estar aberto à cordialidade. Nunca será demais estarmos
dispostos a desejar um bom dia, pedir desculpas, dizer obrigado,
pedir por favor... e a sorrir. Às vezes, gestos como estes desarmam
mecanismos de defesa e formas de ser não muito dadas ao contato
pessoal, ao diálogo e à interação.
Colocando-se no lugar do outro, poderemos fazer da comunicação um
importante instrumento de fortalecimento das relações interpessoais.

5 COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL

Fonte: noticias.universia.pt

14
A aprendizagem, como já vimos, pressupõe uma busca criativa da
inovação, ao mesmo tempo em que lida com a memória organizacional e a
reconstrói. Pressupõe, também, motivação para aprender. E motivação só é
possível se as pessoas se identificam e consideram nobres as missões
organizacionais e se orgulham de fazer parte e de lutar pelos objetivos. Se há
uma sensação de que é bom trabalhar com essa empresa, pode-se vislumbrar
um crescimento conjunto e ilimitado. Se há ética e confiança nessa relação, se
não há medos e se há valorização à livre troca de experiências e saberes.
Nesse aspecto, é possível perceber que a comunicação organizacional
pode se constituir numa instância da aprendizagem pois, se praticada com ética,
pode provocar uma tendência favorável à participação dos trabalhadores, dar
maior sentido ao trabalho, favorecer a credibilidade da direção (desde que seja
transparente), fomentar a responsabilidade e aumentar as possibilidades de
melhoria da organização ao favorecer o pensamento criativo entre os
empregados para solucionar os problemas da empresa (Ricarte, 1996).
Para Ricarte, um dos grandes desafios das próximas décadas será fazer
da criatividade o principal foco de gestão de todas as empresas, pois o único
caminho para tornar-se uma empresa competitiva é a geração de ideias criativas;
a única forma de gerar ideias é atrair para a empresa pessoas criativas; e a
melhor maneira de atrair e manter pessoas criativas é proporcionando-lhes um
ambiente adequado para trabalhar.
Esse ambiente adequado pressupõe liberdade e competência para
comunicar. Hoje, uma das principais exigências para o exercício da função
gerencial é certamente a habilidade comunicacional. As outras habilidades
seriam a predisposição para a mudança e para a inovação; a busca do equilíbrio
entre a flexibilidade e a ética, a desordem e a incerteza; a capacidade
permanente de aprendizagem; saber fazer e saber ser.
Essa habilidade comunicacional, porém, na maioria das empresas, ainda
não faz parte da job-description de um executivo. É ainda uma reserva do
profissional de comunicação, embora devesse ser encarada como
responsabilidade de todos, em todos os níveis.
O desenvolvimento dessa habilidade pressupõe, antes de tudo, saber
ouvir e lidar com a diferença. É preciso lembrar: sempre apenas metade da

15
mensagem pertence a quem a emite, a outra metade é de quem a escuta e a
processa. Lasswell já dizia que quem decodifica a mensagem é aquele que a
recebe, por isso a necessidade de se ajustarem os signos e códigos ao repertório
de quem vai processá-los.
Pode-se afirmar, ainda, que as bases para a construção de um ambiente
propício à criatividade, à inovação e à aprendizagem estão na autoestima, na
empatia e na afetividade. Sem esses elementos, não se estabelece a
comunicação nem o entendimento. Embora durante o texto tenhamos exposto
inúmeros obstáculos para o advento dessa nova realidade e que poderiam nos
levar a acreditar, tal qual Luhman (1992), na improbabilidade da comunicação,
acreditamos que essa é uma utopia pela qual vale a pena lutar.
Mas é preciso ter cuidado. Esse ambiente de mudanças, que traz consigo
uma radical mudança no processo de troca de informações nas organizações e
afeta, também, todo um sistema de comunicação baseado no paradigma da
transmissão controlada de informações, favorece o surgimento e a atuação do
que chamo de novos Messias da comunicação, que prometem internalizarem
nas pessoas os novos objetivos e conceitos, estimularem a motivação e o
comprometimento à nova ordem de coisas, organizarem rituais de passagem em
que se dá outro sentido aos valores abandonados e introduz-se o novo.

Fonte: ibccoaching.com.br

16
Hoje, não é raro encontrar-se nos corredores das organizações
profissionais da mudança cultural, agentes da nova ordem, verdadeiros profetas
munidos de fórmulas infalíveis, de cartilhas iluministas, capazes de minar
resistências e viabilizar uma nova cultura e que se autodenominam
reengenheiros da cultura.
Esses profissionais se aproveitam da constatação de que a comunicação
é, sim, instrumento essencial da mudança, mas se esquecem de que o que
transforma e qualifica é o diálogo, a experiência vivida e praticada, e não a
simples transmissão unilateral de conceitos, frases feitas e fórmulas acabadas
tão próprias da chamada educação bancária descrita por Paulo Freire.
E a viabilização do diálogo e da participação tem de ser uma política de
comunicação e de RH. A construção e a viabilização dessa política é, desde já,
um desafio aos estrategistas de RH e de comunicação, como forma de criar o tal
ambiente criativo a que Ricarte de referiu e viabilizar, assim, a construção da
organização qualificante, capaz de enfrentar os desafios constantes de um
mundo em mutação, incerto e inseguro.

6 GRUPOS

O GRUPO
(Paulo Cavalcanti de Moura)

O grupo é assim:
Gente que é gente
E que não sabe que os outros são gente
Como a gente,
Com um lado bom e outro ruim

No grupo tem de tudo:


Botucudo e tupiniquim.
Tem falador e tem mudo,
Mas ninguém é igual a mim.

17
Tem doutores e tem tímidos,
Agressivos e dominados
Tem mãe e tem filhos,
Tem até mascarados.

E o grupo vai girando,


Mudando a vida da gente
O calado sai falando,
O pessimista contente

O gruo e como a vida,


Mas se entra, já vamos indo
Quem ri acaba chorando,
Quem chora, acaba rindo

Uma coisa a gente aprende:


Que o outro é como eu
Chora, ri, ama e sente
Mas quase tudo depende da gente:
Que grupo danado! Que vivência atroz!
O eu e o tu se atacam
Mas depois eles se amam,
Em benefício de nós.

Em Sociologia, um grupo é um sistema de relações sociais, de interações


recorrentes entre pessoas. Também pode ser definido como uma coleção de
várias pessoas que compartilham certas características, interajam uns com os
outros, aceitem direitos e obrigações como sócios do grupo e compartilhem uma
identidade comum — para haver um grupo social, é preciso que os indivíduos se
percebam de alguma forma afiliados ao grupo.
Segundo Costa (2002), o grupo surgiu pela necessidade de o homem
viver em contato com os outros homens. Nesta relação homem-homem, vários
fenômenos estão presente; comunicação, percepção, afeição liderança,

18
integração, normas e outros. À medida que nós nos observamos na relação eu-
outro surge uma amplitude de caminhos para nosso conhecimento e orientação.
Cada um passa a ser um espelho que reflete atitudes e dá retorno ao
outro, através do feedback.
Para encontrarmos maior crescimento, a disponibilidade em aprender se
faz necessária. Só aprendemos aquilo que queremos e quando queremos.
Nas relações humanas, nada é mais importante do que nossa motivação
em estar com outro, participar na coordenação de caminhos ou metas a alcançar.
Um fato merecedor de nossa atenção é que o homem necessita viver com
outros homens, pela sua própria natureza social, mas ainda não se harmonizou
nessa relação.
Lewin (1965) considerou o grupo como o terreno sobre o qual o indivíduo
se sustenta e se satisfaz. Um instrumento para satisfação das necessidades
físicas, econômicas, políticas, sociais, etc.

Fonte: insightgestao.com.br

6.1 Fases do grupo

 INICIAL – é o momento e que o grupo está na expectativa, faz


perguntas quanto às normas e as regras do jogo. As atitudes são
torpes e mal coordenadas, também denominada de Infância
Grupal.

19
 INTERMEDIÁRIA - momento de confrontação e conflitos de
dependência e contra dependência pode ser uma fase
dificultadora. Aborda o movimento e o momento do grupo,
denominada de Adolescência Grupal.
 FINAL – apoia a ideia do outro, pode ser também uma fase
dificultadora, se os membros dos grupos formarem relações duais,
desfacelando o grupo. Aqui temos a Maturidade Grupal.

7 FEEDBACK

Fonte: unileverhealthinstitute.com.br

7.1 O que é Feedback?

Feedback é um termo muito utilizado na eletrônica que significa


realimentação, ou seja uma parcela do sinal da saída de algum circuito
eletrônico, sendo aplicado novamente na entrada para que seja novamente
aproveitado. Isso pode gerar uma situação desejável ou não, pois em certos
casos essa realimentação não é desejada. É o caso do som da microfonia.

20
O Feedback também é utilizado onde é necessário um controle de alguma
situação ou objeto, quando poderá ser positivo ou negativo e em função disso,
um circuito de controle estabilizará a saída.
Nas relações interpessoais que dependem do comportamento humano, o
termo Feedback apresenta grande importância por verificar que todo
comportamento dirigido requer Feedback negativo, pois sinais do objetivo são
necessários para a orientação do comportamento.
Na visão de Rosenblueth, Wiener e Bigelow (1943), o comportamento
pode ser dividido em dois tipos, os "de Feedback" e "não-Feedback".
O comportamento de Feedback poderá ser dividido em duas partes:
previsível e não previsível e o comportamento de não feedback ocorre quando
não há retorno do objeto no decorrer de determinadas atitudes.
O processo de Feedback poderá ser útil na modificação de
comportamentos, é comunicação de uma pessoa ou um grupo no sentido de
fornecer informações de como essa pessoa está sendo afetada, contribuindo
assim para direcionar seus objetivos. Para ser eficaz e contribuir para essas
mudanças é necessário que seja:
 Descritivo ao invés de avaliativo: Quando não há envolvimento
emocional, o sujeito se torna menos defensivo, se sentindo à
vontade para utilizar as informações de retorno e aplicá-las da
melhor forma possível.
 Específico ao invés de Geral: Em determinado momento que você
diz a alguém que ele é "dominador", isso poderá ter menos
importância do que demonstrar isso quando ele se comportar
assim, em determinada ocasião.
 Compatível com as necessidades: O Feedback pode ter caráter
destrutivo quando apenas as necessidades do comunicador forem
levadas em consideração e as do receptor esquecidas.
 Dirigido: Poderá gerar frustração caso o receptor só reconheça
suas falhas, naquilo em que não tem o controle para mudar.
 Solicitado ao invés de Imposto: Será mais proveitoso quando o
receptor indagar algo que os que observam possam responder.

21
 Oportuno: O Feedback será mais proveitoso logo após um
determinado comportamento, onde o sujeito estará mais flexível,
mas dependerá de alguns fatores como emocionais e
receptividade.
 Esclarecimento para assegurar comunicação precisa: Um modo de
comprovar uma ideia é o receptor repetir o Feedback, para que o
transmissor possa se assegurar de que foi bem entendido. Quando
em um Grupo de Treinamento, o Feedback poderá ser comparado
e compartilhado entre os participantes do grupo.
Na prática, é observado a dificuldade de se dar e receber Feedback,
que poderá ser comprovado através da observação dos insucessos frequentes
na comunicação interpessoal.

Fonte:planningit.files.wordpress.com

7.2 As dificuldades de dar e receber feedback:

O Homem sofre grande dificuldade em aceitar as suas limitações,


principalmente ter que as admitir diante de pessoas que ele não confia ou em
caso de ambiente de trabalho podem até afetar a sua imagem (status). O receio
do que as pessoas podem pensar, o sentimento de invasão de privacidade e/ou
medo de não obter o apoio que esperam para suas limitações e necessidades,

22
faz com que elas se fechem, dificultando assim a abertura para a interação e
troca de Feedback, tão necessário em uma relação.
Quando nós percebemos que estamos contribuindo para o problema e
que precisaremos mudar algo em nós mesmos para melhorarmos a validação
do Feedback, poderemos agravar o problema, nos fechando (negação) e
passando ao outro toda culpa, apontando seus erros e até mesmo agredindo-o.
A resolução de alguns problemas pode se dá através do reconhecimento
de alguns traços da nossa personalidade que até então tentamos disfarçar.
Procurando pensar no assunto, poderemos melhorar nossa conduta,
contribuindo assim para uma melhor relação e troca de Feedback.
Muitas vezes as pessoas não estão preparadas, psicologicamente para
receber feedback, sendo assim elas os interpretam mal e se sentem magoadas
com a intervenção, pois feedback em nossa cultura, ainda é percebido como
uma crítica e implicará em reações emocionais imprevisíveis. Mesmo com toda
a dificuldade é muito importante para nós darmos e recebermos feedback, seja
ele positivo ou negativo para que possamos avaliar e corrigir os nossos erros e
com isso melhorarmos como pessoas.
Para superar as dificuldades de dar e receber Feedback, é necessário
uma relação de confiança recíproca e o reconhecimento de que Feedback é um
processo conjunto, diminuindo assim as barreiras entre o comunicador e o
receptor. Devemos aprender a ouvir e expressar nossas opiniões sem reações
emocionais defensivas e/ou ofensivas intensas.
Todos nós gostamos de dar conselhos, pois de certa forma, isso nos faz
sentirmos importantes, porém poderá vir daí o perigo de pensar no Feedback
como uma forma de mostrar nossa inteligência e habilidade, não contribuindo
assim para a verdadeira utilidade do Feedback para o receptor.

7.3 Feedback de Grupo:

O grupo também tem necessidade de receber informações sobre o seu


desempenho. Ele pode precisar saber se há muita rigidez nos procedimentos,
se está havendo utilização de pessoas e de recursos, qual o grau de confiança
no líder e outras informações sobre o seu nível de maturidade como grupo.

23
Os mesmos problemas envolvidos no feedback individual estão presentes
no grupo em maior ou menor grau. Assim, o grupo pode receber feedback de:
 Membros atuando como participantes-observadores.
 Membros selecionados para desempenhar uma função específica
de observador para o grupo.
 Consultores externos ou especialistas que vêm para fazer
observações, valendo-se de perspectivas mais objetivas.
 Formulários, questionários, folhas de reação, entrevistas.

Fonte: ib7.org

À medida que os membros amadurecem e desenvolvem suas habilidades


em dar e receber feedback individual, tornam-se, também, hábeis em dar
feedback ao grupo como um todo, sempre que necessário e oportuno.
Os resultados individuais também servem de feedback individual: cada
membro do grupo recebe um quadro com auto percepção e heteropercepção de
seu superior imediato e de três subordinados seus.
A sessão de feedback é uma das mais ricas do laboratório de treinamento,
tanto a nível individual quanto a nível grupal, permitindo aos membros
processarem as informações individuais e grupais, sem defensividade, num
clima aberto, de apoio mútuo e com abordagem de resolução de problemas.

24
Alguns aspectos importantes que devem ser considerados dentro de uma
organização para facilitar a interação interpessoal, satisfazendo o próprio
funcionário, o chefe e a empresa.
Fatores que contribuem para que a organização tenha equipes
consolidadas ou em formação em que seus participantes tenham tais
capacidades:
 Propor mudanças nas quais acreditam;
 Discutir as mudanças propostas, procurando compreender suas
causas e avaliando as consequências;
 Encorajar uns aos outros a expressarem suas ideias e seu
potencial;
 Buscar e repassar os conhecimentos;
 Assumir a responsabilidade pelos resultados que a equipe produz;
 Identificar e administrar conflitos na equipe, entre equipes, com
fornecedores e clientes;
 Negociar e otimizar recursos;
 Dar e solicitar feedback;
 Dar e solicitar apoio;
 Desenvolver nas pessoas essa difícil habilidade de dar e buscar
feedback;
 Otimizar os resultados da empresa;
 Ajudar a evitar erros e potencializar acertos;
 Apoiar a linha de frente a deixar no cliente um gostinho de "quero
mais";

Implantar acompanhamento e feedback do desempenho:

 Definição de resultados a serem atingidos;


 Sistemática de mensuração de resultados;
 Definição de planos de autodesenvolvimento;
 Sistemática de feedback;

25
Acompanhar evolução das pessoas:

 Definir resultados a serem atingidos;


 Pesquisar periodicamente a satisfação do cliente;
 Acompanhar planos de autodesenvolvimento;
 Dar periodicamente feedback aos fornecedores;
 Rever continuamente os procedimentos para garantir resultados;

8 COMPREENSÃO EMPÁTICA

Fonte: sucesso.powerminas.com

A compreensão dos outros, um dos aspectos mais importantes nas


relações humanas, é a aptidão de se colocar no lugar do outro, ou seja, ver e
perceber com os olhos do outro. A essa aptidão denominamos sensibilidade
social ou empatia.
Entende-se que empatia é diferente de simpatia, de antipatia ou d apatia.
Simpatia você sente em relação ao outro, quando esse outro lhe remonta
lembranças, atitudes, ideias que lhe são agradáveis, que lhe atraem. Tem-se
simpatia por Maria, sinto-me alegre se ela está alegre, triste se está triste e vibro
com seus sucessos.

26
Na atitude empática compreendo como Maria se sente (alegre ou triste) e
sua maneira de agir em função desses sentimentos, mas não me envolvo neles.
Sou capaz de compreendê-la, mas não de sentir o que ela sente (simpatia). A
atitude empática independe da simpatia, não precisamos gostar nem simpatizar
com a pessoa, precisamos ter sensibilidade para compreender como a pessoa
se sente frente a uma determinada situação ou sentimento.
Se você for lidar com pessoas, você deverá:
 Compreender as pessoas (sensibilidade social, empatia);
 Ter flexibilidade de ação (comportamento) em função das atitudes
e sentimentos que você conseguiu empatizar.

Flexibilidade de comportamento significa que você deve conduzir-


se apropriadamente numa situação dada, com determinada pessoa. Veja os
casos que seguem:
Se Maria – criança de 05 anos me agride;
Se Paulo – um adolescente de 13 anos me agride;
Se meu pai – um adulto me agride;
Se meu chefe – também adulto me agride;
Se minha namorada – a quem amo, me agride...
...não posso ter uma reação uniforme para com todos os casos. Se
assim agir, não terei flexibilidade de comportamento, me faltou empatia
(compreender o comportamento de cada um, com as suas peculiaridades).
Isso significa que devo ter um repertório de condutas que varia
conforme a situação e a pessoa.
Este tipo de comportamento você poderá desenvolver
submetendo-se a um treinamento em sensibilidade social e flexibilidade de
comportamento.
Você poderá começar a desenvolver sensibilidade social e
flexibilidade de comportamento através- de:
 Melhor conhecimento de si próprio;
 Melhor compreensão dos outros;
 Melhor convivência em grupo;

27
 Desenvolvimento de aptidões para um relacionamento mais
eficiente com os outros.

9 MOTIVAÇÃO

Fonte: carreiras.empregos.com.br

9.1 Conceito de Motivação

Conjunto de forças internas que mobilizarão o indivíduo para atingir um


dado objetivo como resposta a um estado de necessidade, carência ou
desequilíbrio.
A palavra motivação vem do latim movere, que significa "mover". A
motivação é, então, aquilo que é susceptível de mover o indivíduo, de levá-lo a
agir para atingir algo (o objetivo), e de lhe produzir um comportamento orientado.

9.2 Ciclo motivacional

 Necessidade. É o motivo, a razão de ser da ação. É provocada por


um estado de desequilíbrio devido a uma carência ou privação (ex.:
falta de alimento no organismo).

28
 Impulso ou pulsão. É a atividade desenvolvida pela necessidade
ou motivo, isto é, a energia interna que impele o indivíduo a agir
num dado sentido. (Ex.: força que move o indivíduo para obter
comida).
 Resposta. É a atividade desenvolvida e desencadeada pela pulsão
para atingir algo. (ex.: procurar comida).
 Incentivo. É o objetivo para o qual se orienta a ação. (Ex. ingerir o
alimento).
 Saciedade. É a satisfação decorrente de se ter atingido o objetivo
pretendido (depois de se ter ingerido o alimento, a fome
desaparece).

Este comportamento sequencial volta a repetir-se sempre que se repete


a necessidade que o provoca.

9.3 Tipos de Motivação

Fonte: noticias.universia.com.br

Não existe uma classificação para as motivações, mas várias. As


motivações podem classificar-se em dois grandes grupos:

29
1. Motivações fisiológicas (primárias, básicas, biológicas,
orgânicas): as que estão ligadas à sobrevivência do organismo e não resultam
de uma aprendizagem. Elas provocam no organismo certos impulsos para o
restabelecimento do seu equilíbrio. Estas motivações encontram-se
estreitamente ligadas com determinado estado interno do organismo. Exemplos:
respiração, fome, sede, sexo, evitar o frio e o calor, sono, etc. A homeostasia
designa o mecanismo que regulação o equilíbrio interno do organismo.
2. Motivações sociais (secundárias, culturais): as que dependem
essencialmente de aprendizagens, isto é, foram adquiridas no processo de
socialização. Exemplos: Necessidade de convivência (afiliação), de
reconhecimento, de êxito social, de segurança, etc. Este grupo pode ser
subdividido, por exemplo, entre motivações sociais centradas no indivíduo e ou
centradas na sociedade.
 Centradas no indivíduo (autoafirmação): desejo de
segurança, de ser aceito, de pertencer a um grupo,
de alcançar um estatuto social elevado, de
enriquecer, etc.
 Centradas na sociedade (independentes dos nossos
interesses particulares): respeito pelo próximo, de
solidariedade, de amizade, de amor, etc.

Há que questione esta divisão das motivações, afirmando que todas elas
têm um fundo comum: a busca do prazer, o único e verdadeiro motivo de todas
as ações humanas.

30
10 FRUSTRAÇÃO

Fonte: pucminas.br

Quando o indivíduo está motivado para atingir um dado objetivo, e por um


obstáculo qualquer não o consegue atingir, vive um estado de frustração. Este
sentimento depende de muitos fatores: personalidade do sujeito, idade, natureza
da motivação, tipo de obstáculo, etc.
Reações à frustração. Não existe uma reação tipo para determinada
frustração, as respostas às frustrações dependem de muitos fatores como acima
aludimos.
Comportamentos resultantes da frustração:
 Agressão (direta ou deslocada). Esta agressão denomina-se direta
quando é dirigida contra a fonte que provocou a frustração, e deslocada
se dirige para outras pessoas ou objetos. Ex. A criança agride o pai que
a impede de brincar (agressão direta); A criança proibida de brincar,
destrói os brinquedos com que o pai a impede de brincar (agressão
deslocada);
Ao longo do processo de socialização, o indivíduo aprende a lidar com as
frustrações, inibindo, deslocando, dissimulando, ou compensando as suas
manifestações de agressividade. Em situações extremas, o indivíduo pode dirigir

31
as suas manifestações de agressividade deslocada para ele próprio
(autoagressão).
 Apatia (indiferença ou inatividade). Face a contínuas frustrações o
indivíduo pode cair na reação apática (indiferença perante a fonte da
frustração). A pulsão motivadora do comportamento é reduzida ou
eliminada.

10.1 Conflito

Estado de tensão que resulta de uma tensão interior vivida pelo sujeito
quando se debate com motivações inconciliáveis.
Kurt Lewin classificou os conflitos em três grupos:
 Conflito aproximação/ aproximação. Decisão sobre duas coisas
desejáveis, mas incompatíveis. Ex.: Escolher entre uma festa e uma
viagem;
 Conflito afastamento/ aproximação. Decisão sobre algo que comporta
aspectos positivos, mas também negativos. Ex. Fazer uma viagem, mas
ficar sem dinheiro.
 Conflito afastamento/ afastamento. Decisão sobre duas coisas
igualmente desagradáveis, mas inevitáveis. Ex.: Para uma criança -
comer a sopa ou ir para a cama.

32
11 TEORIAS DA MOTIVAÇÃO

Fonte: esoterikha.com

12 PRINCIPAIS TEORIAS

Teoria de Abraham Maslow. Este psicólogo, fundador da psicologia


humanista, descreve o processo como o indivíduo passa das necessidades
básicas, como se alimentar, a necessidades superiores como as cognitivas ou
estéticas. Maslow estabelece uma estrutura hierarquia das necessidades
partindo da ideia que se não se satisfaz uma necessidade básica, torna-se
impossível satisfazer outras de ordem superior. Se tivermos fome (necessidade
fisiológica), por exemplo, somos incapazes de nos concentrarmos em atividades
estéticas. Esta ideia aplica-se a todas as atividades da vida humana, afirmando
também que todos os homens aspiram à auto realização plena das suas
potencialidades.

Hierarquia das motivações (por ordem crescente):

 Necessidades fisiológicas (água, luz solar, alimento, oxigênio,


sexo, alojamento);

33
 Necessidades de segurança (estar livre do medo e das ameaças,
de não depender de ninguém, de autonomia, de não estar
abandonado, de proteção, de confidencialidade, de intimidade, de
viver num ambiente equilibrado);
 Necessidades de afeto ou de pertença (afiliação, afeto,
companheirismo, relações interpessoais, conforto, comunicação,
dar e receber amor);
 Necessidades de prestígio e estima social (respeito pela própria
dignidade pessoal, elogio merecido, autoestima, individualidade,
identidade sexual, reconhecimento);
 Necessidades de auto realização e criatividade (auto expressão,
utilidade, criatividade, produção, diversão e ócio);
 Cognitivas e de curiosidade, de conhecer o mundo (saber,
inteligência, estudo, compreensão, estimulação, valia pessoal);
 Estéticas (realização de possibilidades, autonomia pessoal, ordem,
beleza, intimidade, verdade, objetivos espirituais).

Fonte:zarife.com.br

Teoria Psicanalítica. O comportamento do indivíduo é motivado por uma


energia libidinal, que se manifesta sob a forma de pulsões. As satisfações destas
pulsões diminuem a tensão no indivíduo, mas também produzem prazer. Nem
sempre está satisfação se revela aceitável, o que origina frustrações e conflitos.

34
A fim de evitar as frustrações e os conflitos, e tendo em vista diminuir a
tensão interna, os mecanismos de controlo do ego (Eu), recorrem a várias
estratégias para a controlarem estas tensões e obterem alguma satisfação das
pulsões. Na maior parte tratam-se de respostas elaboradas pelo inconsciente,
sem que o indivíduo se dê conta disso.

Principais mecanismos de defesa do ego

 Recalcamento: Processo de esquecimento inconsciente de


lembranças desagradáveis. Os desejos e sentimentos inaceitáveis
são mantidos no inconsciente.
 Repressão: Processo voluntário e consciente pelo qual o indivíduo
esquece ou repele da consciência lembranças desagradáveis.
 Regressão: Retorno do indivíduo a formas de comportamento
próprias de uma idade inferior à sua, nomeadamente a aquelas em
que se sentia seguro e confiante.
 Projeção: Os desejos próprios são atribuídos a outras pessoas. O
indivíduo atribui a outros desejos que são seus.
 Identificação. Adoção de comportamentos daqueles que nos
impressionam e se nos impõe como modelos de comportamento.
 Sublimação: Substituição do objetivo da pulsão por outro
socialmente aceite e estimável. Deste modo o desejo é satisfeito
de modo indireto.
 Racionalização: Justificação, a posteriori, com o intuito de evitar
sentimentos de inferioridade que ponham em risco a autoestima.
 Compensação: Realização de atividades inferiores para
compensar outras tidas como superiores, mas face às mesmas o
indivíduo manifesta medos ou assume certas incapacidades para
a sua realização.
 Transferência: Mudança de um objeto proibido das pulsões para
outro, relacionado com aquele, mas socialmente aceitável.

35
13 INTELIGÊNCIA EMOCIONAL

Fonte: peakcursos.com.br

13.1 O que é inteligência emocional?

A Inteligência Emocional está relacionada a habilidades tais como motivar


a si mesmo e persistir mediante frustrações; controlar impulsos, canalizando
emoções para situações apropriadas; praticar gratificação prorrogada; motivar
pessoas, ajudando-as a liberarem seus melhores talentos, e conseguir seu
engajamento a objetivos de interesses comuns. (Gilberto Vitor)
Daniel Goleman, em seu livro, mapeia a Inteligência Emocional em cinco
áreas de habilidades:
 Auto - Conhecimento Emocional - reconhecer um sentimento
enquanto ele ocorre.
 Controle Emocional - habilidade de lidar com seus próprios
sentimentos, adequando-os para a situação.
 Auto - Motivação - dirigir emoções a serviço de um objetivo é
essencial para manter-se caminhando sempre em busca.
 Reconhecimento de emoções em outras pessoas.
 Habilidade em relacionamentos interpessoais.

36
As três primeiras acima se referem à Inteligência Intrapessoal. As duas
últimas, a Inteligência Interpessoal.

13.2 Importância das emoções

 Sobrevivência: Nossas emoções foram desenvolvidas


naturalmente através de milhões de anos de evolução. Como
resultado, nossas emoções possuem o potencial de nos servir
como um sofisticado e delicado sistema interno de orientação.
Nossas emoções nos alertam quando as necessidades
humanas naturais não são encontradas. Por exemplo, quando
nos sentimos sós, nossa necessidade é encontrar outras
pessoas. Quando nos sentimos receosos, nossa necessidade
é por segurança. Quando nos sentimos rejeitados, nossa
necessidade é por aceitação.
 Tomadas de Decisão: Nossas emoções são uma fonte valiosa
da informação. Nossas emoções nos ajudam a tomar decisões.
Os estudos mostram que quando as conexões emocionais de
uma pessoa estão danificadas no cérebro, ela não pode tomar
nem mesmo as decisões simples. Por quê? Porque não sentirá
nada sobre suas escolhas.
 Ajuste de limites: Quando nos sentimos incomodados com o
comportamento de uma pessoa, nossas emoções nos alertam.
Se nós aprendermos a confiar em nossas emoções e
sensações isto nos ajudará a ajustar nossos limites que são
necessários para proteger nossa saúde física e mental.
 Comunicação: Nossas emoções ajudam-nos a comunicar com
os outros. Nossas expressões faciais, por exemplo, podem
demonstrar uma grande quantidade de emoções. Com o olhar,
podemos sinalizar que precisamos de ajuda. Se formos
também verbalmente hábeis, juntamente com nossas
expressões teremos uma possibilidade maior de melhor
expressar nossas emoções. Também é necessário que nós

37
sejamos eficazes para escutar e entender os problemas dos
outros.
 União: Nossas emoções são talvez a maior fonte potencial
capaz de unir todos os membros da espécie humana.
Claramente, as diferenças religiosas, cultural e política não
permitem isto, apesar dar emoções serem "universais".

14 ÉTICA E CIVILIZAÇÃO

Fonte: professoresdosucesso.com.br

Os seres humanos agem conscientemente, e cada um de nós é senhor


de sua própria vida. Mas como resolvemos o que fazer? Você em algum lugar já
pensou em como você toma as decisões sobre o que fazer em determinada
situação? Você age impulsivamente, fazendo “o que der na telha” ou analisa
cuidadosamente as possibilidades e as consequências, para depois resolver o
que fazer?
A filosofia pode nos ajudar a pensar sobre a nossa vida. Chama-se ética
a parte da filosofia que se dedica a pensar as ações humanas e os seus
fundamentos. Um dos primeiros filósofos a pensar a ética foi Aristóteles, que
viveu na Grécia no século IV a.C . Esse filósofo ensinava numa escola à qual

38
deu o nome de Liceu, e muitas de suas obras são resultado das anotações que
os alunos faziam de suas aulas. As explicações sobre a ética foram anotadas
pelo filho de Aristóteles chamado Nicômaco, e por isso esse livro é conhecido
por nós com o título de Ética a Nicômaco.
Em suas aulas, Aristóteles fez uma análise do agir humano que marcou
decisivamente o modo de pensar ocidental. O filósofo ensinava que todo o
conhecimento e todo trabalho visa a algum bem. O bem é a finalidade de toda
ação. A busca do bem é o diferente é o que difere a ação humana da de todos
os outros animais.
Ele perguntou: Qual é o mais alto de todos os bens que se podem alcançar
pela ação? E como resposta encontrou: a felicidade. Essa resposta formulada
pelo filósofo encontra eco até nossos dias. Tanto o homem do cotidiano como
todos os grandes pensadores estão de acordo que a finalidade da vida é ser
feliz. Identifica-se o bem viver e o bem agir com o ser feliz.
No entanto, disse Aristóteles, a pergunta sobre o que é felicidade não é
respondida igualmente por todos. Cada um de nós responde de uma forma
singular. Essa singularidade na resposta é partilhada por outros indivíduos com
os quais convivemos. Portanto, no processo de nossa educação familiar,
religiosa e escolar aprendemos a identificar o ser feliz com os valores que
sustentam nossas ações.
Toda a produção humana consiste em criar condições para que o homem
seja feliz. Todas as religiões, as filosofias de todos os tempos, as conquistas
tecnológicas, as teorias científicas e toda a arte são criações humanas que
procuram apresentar condições para a conquista da felicidade. O processo
civilizatório iniciou-se com a promessa da felicidade.

15 RACIONALIDADE E LIBERDADE

O mesmo Aristóteles caracterizou os humanos como seres racionais que


falam. A dimensão anímica ou psíquica (psique=alma) dos seres humanos foi
concebida pelo filósofo como um conjunto de duas partes: um racional e a outra
privada de razão. A primeira se expressa pela atividade filosófica e matemática.

39
A Segunda, por seus elementos vegetativos e apetitivos. Isso permitiu a
hierarquização dos seres humanos.
Pela segunda parte da alma, somos iguais a todos os outros animais.
Movidos pelos instintos primários (fome, sede, sono, reprodução), somos
guiados pela necessidade de sobrevivência. Todos os seres humanos têm em
comum um problema único a resolver: como sobreviver. Necessitamos de
alimentos para aplacar nossa fome; de água para saciar a sede: dormir para
perpetuar a espécie. Mas o que nos diferencia dos outros animais? Segundo
Aristóteles, é a racionalidade. Nós somos capazes de planejar nossas ações, de
realizar escolhas e julgá-las, determinando seu valor. Agimos acreditando que
estamos fazendo o bem e, mesmo quando julgamos mal nossas ações, é sempre
o bem que estabelece o critério de tal julgamento.
Assim, os seres humanos identificam-se como tais pelas distinções que
são capazes de estabelecer com os outros animais e, por conseguinte, com todo
o reino da natureza. Os seres humanos definem-se pela capacidade de pensar,
falar, trabalhar e amar. Ainda com Aristóteles, podemos identificar três coisas
que controlam a ação: sensação, razão e desejo. A primeira não é princípio para
julgar ação, pois também os outros animais possuem sensação, mas não
participam da ação.

Fonte:overlane.files.wordpress.com

40
A ação é um movimento deliberativo, isto é, a origem da ação é a escolha.
Os homens diferem dos demais animais porque são capazes de realizar
escolhas. O desejo está na raiz dessas escolhas: a razão é o seu guia. Para
Aristóteles, o desejo é a força motriz, o impulso gerador de todas as nossas
ações. Mas esta força motriz deve seguir o curso traçado pela razão. A razão
guia, conduz o desejo ao encontro de seu objetivo.
Realizar escolhas é eleger objetos para o desejo. O critério das escolhas
é sempre racional. O motivo é sempre emocional, ou seja, impulsionados pelo
desejo movemo-nos em direção aos objetos. Nesse sentido, a capacidade
racional de realizar escolhas permite-nos afirmar nossa condição de liberdade.
O exercício da liberdade é a capacidade de escolher. Nisso os seres humanos
podem se desviar do determinismo pelo padrão genético de suas espécies.
Quando olhamos um filhote de cachorro, por exemplo, somos capazes de dizer
seu comportamento futuro. Ao olhar para um bebê é impossível prever seu
comportamento, suas ações e suas intenções.
É a escolha que define o caráter de um ser humano. Suas virtudes se
manifestam nas escolhas que realiza no curso de sua condição mortal. Aqui se
apresentam algumas questões éticas de grande relevância. Quais os critérios
que norteiam as escolhas que um homem faz em sua vida? Quais são os valores
que pautam suas ações? Quais objetivos pretende atingir com quais meios
efetivará sua realização? Afirma-se que toda ação deve ser justa e boa. Mas, o
que determina a justiça e a bondade? O que é ser justo? O que é ser bom?

Fonte: editoraargos.org

41
No exercício da liberdade, cada um de nós se relaciona com outros
indivíduos e dessas relações emerge a realidade social. Chamamos sociais
nossas relações com os outros no mundo. A sociedade é uma construção
histórica pautada numa lei fundamental: é proibido matar o semelhante. No
entanto, numa rápida olhada em qualquer jornal, por exemplo, descobrimos que
o assassinato é praticado das mais diferentes formas: guerras, fome, assaltos,
atentados, terroristas...Vez ou outra, ouvimos dizer que essas ações são
desumanas. Mas como, se foram praticadas por seres da mesma espécie,
animais racionais?

16 CIVILIZAÇÃO E VALORES

A civilização parece não respeitar a lei fundamental que criou para que
pudesse existir. É proibido matar! Se existem práticas homicidas, os critérios de
bondade e justiça não são cumpridos. Os assassinatos revelam o conflito
irremediável entre a liberdade e a lei. A lei foi constituída para garantir o exercício
da liberdade. No entanto, acaso deveríamos julgar livres os indivíduos que
praticam crimes? Seriam eles livres em suas ações ou não? O critério de justiça
determina a prisão (perda da liberdade) para quem cometer homicídio. Mas por
que os pobres são condenados à prisão? Por que os chamados “crimes de
colarinho-branco” não são punidos com a prisão? Observe que essas questões
remetem ao chamado da reflexão ética.
Em 1930, um médico vienense chamado Sigmund Freud – o criador da
psicanálise – publicou um livro com o sugestivo título O mal-estar na civilização.
Nessa obra, Freud fez um diagnóstico do processo civilizatório e constatou que
os seres humanos estão condenados a viver nesse conflito irremediável entre as
exigências pulsionais (a liberdade) e as restrições (as leis).
Freud Retoma a clássica questão aristotélica que atravessa toda a história
ocidental: O que os homens pedem da vida e o que desejam nela realizar? A
resposta é categórica: a felicidade. Os homens querem ser felizes e assim
permanecer. Toda ação tem em vista a conquista da felicidade.
Par analisar por que nos afastamos desse propósito, Freud apresenta
uma reflexão decisiva para pensarmos a Ética civilizatória como processa de

42
felicidade: “Grande parte das lutas humanas centraliza-se em torno da tarefa
única de encontrar uma acomodação conveniente – isto é, uma acomodação
que traga felicidade – entre essa reinvindicação do indivíduo (liberdade) e as
reivindicações culturais do grupo (leis), e um dos problemas que incide sobre o
destino da humanidade é o saber se tal acomodação pode ser alcançada por
meio de alguma específica de civilização (religião, ciência, filosofia, arte) ou se
esse conflito é irreconciliável” (p.116). A posição de Freud é clara: o conflito é
irremediável.
A tarefa da civilização é humanizar esse animal racional chamado
homem. Acompanhando os argumentos de Freud na obra citada, podemos
encontrar elementos para caracterizar o processo civilizatório construído pelos
seres humanos. A civilização é concebida como tudo aquilo por meio do que a
vida humana se elevou acima de sua condição animal. Os humanos são seres
da cultura. A cultura é a morada do homem. O acesso aos bens culturais
produzidos em toda a história é o que define nossa condição humana. O homem
é um animal cujo maior desejo é tornar-se humano.

Fonte:encrypted-tbn1.gstatic.com

A elevação apontada por Freud é o que diferencia dos outros animais. A


vida humana difere da vida dos animais em dois aspectos: os conhecimentos e
as capacidades adquiridas para controlar as forças da natureza; e os
regulamentos (leis, normas, regras) para ajustar as relações dos homens uns
com os outros.

43
Na luta pela sobrevivência em um mundo sombrio e assustador, o animal
racional teve de enfrentar três grandes desafios: o poder superior da natureza,
que nos ameaça com forças de destruição, a fragilidade de seu próprio corpo,
condenado à dissolução; e as leis que regulam suas ações sociais. Os
conhecimentos científicos e tecnológicos procuram responder a esses desafios.
As práticas religiosas, os sistemas de crenças também. As teorias filosóficas e
as produções artísticas inserem-se nessa tarefa de encontrar caminhos para
esses desafios humanos.
A conclusão derradeira de Freud é que a civilização tem que ser defendida
contra o indivíduo e que seus regulamentos, suas instituições e suas ordens
dirigem-se a essa tarefa (...) fica-se com a impressão de que a civilização é algo
que foi imposto a uma maioria resistente por uma minoria que compreendeu
como obter a posse dos meios de poder e coerção, somos submetidos ao
processo civilizatório. Desde o nascimento até a morte, somos atravessados
pelos critérios que sustentam a civilização: o bem e a justiça.
Finalmente, como relacionar à ética (instância individual) e civilização
(instância coletiva)? A ética, pensada no campo da lei, leva-nos às mesmas
conclusões que Freud. Ao obter a posse dos meios de poder e coerção, uma
minoria impões seus valores à grande maioria que resiste. Mas a conclusão de
Freud nos permite pensar o poder também como resistência por parte da
maioria. Nesse caso, o Estado aparece como o grande gerenciador desse
conflito, por meio de seu sistema de leis e práticas de coerção (prisão, por
exemplo).

Fonte: www.fleury.com.br

44
Há outra forma também de pensarmos a ética: como exercício estético.
Em meio a esse conflito irreconciliável entre as exigências individuais por
liberdade e as restrições impostas pelo regulamento social, podemos criar
condições para instaurar uma ética da beleza: fazer da vida uma obra de arte,
criar condições para que cada um produza sua própria vida como quem esculpe
o mármore ou pinta uma tela. O mármore ou a tela seriam as
imposições/restrições impostas pela civilização e das quais podemos escapar,
mas, como sujeitos de nossa vida, podemos esculpir/pintar com o formão e o
pincel de nossa liberdade.

17 ÉTICA E VALORES

Fonte: gti.projetointegrador.com.br

Ser Humano  Influenciado pelo ambiente


(A família à qual pertence; a classe econômica da qual faz parte aquela
família; a raça da qual faz parte; a religião; o país onde nasceu ...).

Conjunto de informações a respeito da vida – entre tantas informações


questões ligadas a “Justiça Social”. Ocorrência: Valores diferenciados para fatos
e coisas.

45
Exemplo:

Na escala de valores de uma família de baixa renda, o valor atribuído às


necessidades básicas, certamente, encontra-se em patamar superior ao do valor
atribuído às necessidades menos imediatas, como o lazer. Esse quadro é
diferente quando a escala de valores é de uma família de alta renda, cujas
necessidades básicas já estão, a priori, totalmente atendidas.

Portanto, quanto maior o distanciamento verificado entre as condições de


vida das pessoas, certamente maior será a diferença no que se refere ao
conjunto de informações recebido de forma individual, da mesma forma que
diferentes serão as necessidades a que cada um a busca atender de maneira
mais imediata, vale dizer, maior será o distanciamento entre seus valores.

Objetivos diferentes  Conflitos  Escala de valores

18 ÉTICA E LEI

Fonte:encrypted-tbn3.gstatic.com

46
O conceito ou preceito ético é uma regra aplicável à conduta humana. O
preceito possui duas características essenciais:
 Destina-se a adequar a ação humana ao conceito do bem e da
moral.
 Pode ser aplicado pela simples determinação do ser humano,
independentemente de qualquer coação externa.
Como os preceitos éticos são regras, muitos estudiosos aplicam-lhes o
princípio – típico das normas jurídicas – da possibilidade de não atendimento
sem violação dos princípios. Essa corrente de pensamento aceita a ideia de que
um comportamento pode não ser exatamente de conformidade com a regra
ética, mas mesmo assim pode não contrariar esse preceito. Para qualificar esse
comportamento, tais pensadores utilizam a palavra aético, que é um
comportamento que não é ético, mas que também não contraria a regra ética.
Não concordamos com tal corrente de pensamento. Por essa razão, para
nós os comportamentos valorados à luz das regras ética só podem ser éticos ou
antiéticos.
A lei é uma norma aprovada pelo povo de um país, que possui as
seguintes características fundamentais:
 Resulta de um processo formal de elaboração, do qual a sociedade
participa diretamente ou através de seus representantes.
 É dotada de sanção, ou seja, a sua desobediência gera uma
penalidade.
 É sempre atribuída, o que significa que cada direito outorgado a
alguém impõe um dever, para a mesma ou para outra pessoa.

47
19 CONCEITO DA ÉTICA

Fonte: grupoa.com.br

Pode-se, de forma simplificada, definir o termo ética como sendo um ramo


da filosofia que lida com o que é moralmente bom ou mau, certo ou errado.
 Uso popular do termo ética: Ética diz respeito aos princípios de
conduta que norteiam um indivíduo ou grupo de indivíduos.
 A expressão ética pessoal é normalmente aplicada em referência
aos princípios de conduta das pessoas em geral.
 A expressão ética profissional serve como indicativo de conjunto
de normas que baliza a conduta dos integrantes de determinada
profissão.
 Os filósofos referem-se à ética para denotar o estudo teórico dos
padrões de julgamentos morais, inerentes às decisões de cunho
moral.
 A reflexão ética não pode pretender converter os agentes sociais
em indivíduos éticos, mas pode instrumentalizá-los para que
decidam consequentemente, de acordo com o que a coletividade
espera deles.

48
 A ética representa, pois, uma tomada de posição ideológico-
filosófica que remete aos interesses sociais envolvidos.
A moral, como sinônimo de ética, pode ser conceituada como o conjunto
de normas que, em determinado meio, granjeiam a aprovação para o
comportamento dos homens.

Fonte:images.slideplayer.com.br

A ética, como expressão única do pensamento correto, conduz à ideia da


universalidade moral, ou ainda, à forma ideal universal do comportamento
humano, expressa em princípios válidos para todo o pensamento normal e sadio.

49
19.1 Conceitos da ética profissional

Fonte: colaboremais.com.br

As lideranças sociais têm um poder e uma responsabilidade decisivos em


relação à ética. Nenhuma nação, povo, ou grupo social pode realizar seu projeto
histórico sem lideranças. A liderança social é o elemento de ligação entre os
interesses do grupo social e as oportunidades históricas disponíveis para realizá-
los. A responsabilidade ética da liderança, portanto, se pudesse ser medida, teria
o tamanho e o peso dos direitos reunidos de todos aqueles que ela representa e
lidera.
A liderança social tem uma tripla responsabilidade ética: institucional,
pessoal e educacional. Institucional, porque devem cumprir fiel e estritamente os
deveres que lhe são atribuídos.
Liderança pessoal porque devem ser cada uma delas, um exemplo de
cidadania: justas e eticamente íntegras. Liderança educacional porque, além de
ser um exemplo, deve dialogar com os que ela lidera, de modo a ampliar a sua
consciência política e a fazê-los crescer na cidadania.
A moral disciplina o comportamento do homem consigo mesmo. Tratam
dos costumes, deveres e modo de proceder dos homens com os outros homens,
segundo a justiça e a equidade natural, ou seja, os princípios éticos e morais são
na verdade os pilares da construção de uma identidade profissional e sua moral

50
mais do que sua representação social contribui com a formação da consciência
profissional.
Os princípios éticos e morais são, na verdade, os pilares da construção
de um profissional que representa o Direito Justo, distinguindo-se por seu talento
e principalmente por sua moral e não pela aparência.
De forma sintética, João Baptista Herkenhoff (2001) exterioriza sua
concepção de ética; o mundo ético é o mundo do “deve ser” (mundo dos juízos
de valor), em contraposição ao mundo do “ser” (mundo dos juízos de realidade).
Todavia, “a moral é a parte subjetiva da ética”. “O homem nem sempre pode o
que quer, nem quer sempre o que pode. Ademais, sua vontade e seu poder não
concordam com seu saber. Quase sempre as circunstâncias externas
determinam a sua sorte” (D’HONDT, 1966, p. 105).

19.2 A ética profissional e a filosofia do agir humano – o ser


ético/axiológico.

A ética é indispensável ao profissional, porque na ação humana “o fazer”


e “o agir” estão interligados. O fazer diz respeito à competência, à eficiência que
todo profissional deve possuir para exercer bem a sua profissão.
O agir se refere à conduta do profissional, ao conjunto de atitudes que
deve assumir no desempenho de sua profissão.
O estudo e o conhecimento da Deontologia (do grego deontos = dever e
logos = tratado) se voltam para a ciência dos deveres, no âmbito de cada
profissão.
É o estudo dos direitos, emissão de juízos de valores, compreendendo a
ética como condição essencial para o exercício de qualquer profissão.
A ética é indispensável ao profissional, porque na ação humana “o fazer”
e “o agir” estão interligados. O fazer diz respeito à competência, à eficiência que
todo profissional deve possuir para exercer bem a sua profissão. O agir se refere
à conduta do profissional, ao conjunto de atitudes que deve assumir no
desempenho de sua profissão.
Tanto a moral como o direito baseiam-se em regras que visam estabelecer
certa previsibilidade para as ações humanas. Ambas, porém, se diferenciam.

51
Fonte:4.bp.spot.com

A moral estabelece regras que são assumidas pela pessoa, como uma
forma de garantir o seu bem-viver. Independe das fronteiras geográficas e
garante uma identidade entre pessoas que sequer se conhecem, mas utilizam
este mesmo referencial moral comum.
O direito busca estabelecer o regramento de uma sociedade delimitada
pelas fronteiras do Estado. As leis têm uma base territorial, que valem apenas
para a área geográfica onde uma determinada população ou seus delegados
vivem.
A ética é o estudo geral do que é bom ou mau, correto ou incorreto, justo
ou injusto, adequado ou inadequado. Um dos seus objetivos é a busca de
justificativas para as regras propostas pela Moral e pelo Direito. Ela é diferente
de ambos – Moral e Direito – pois não estabelece regras.

19.3 Ética profissional: quando se inicia esta reflexão?

Esta reflexão sobre as ações realizadas no exercício de uma profissão


deve iniciar bem antes da prática profissional. A fase da escolha profissional,
ainda durante a adolescência muitas vezes, já deve ser permeada por esta

52
reflexão. A escolha por uma profissão é optativa, mas ao escolhê-la, o conjunto
de deveres profissionais passa a ser obrigatório.
Geralmente, quando você é jovem, escolhe sua carreira sem conhecer o
conjunto de deveres que está prestes a assumir, tornando-se parte daquela
categoria.
Toda a fase de formação profissional, o aprendizado das competências e
habilidades, referentes à prática específica numa determinada área, devem
incluir a reflexão, antes do início dos estágios. Ao completar a formação em nível
superior, a pessoa faz um juramento, que significa sua adesão e
comprometimento com a categoria profissional onde formalmente ingressa. Isso
caracteriza o aspecto moral da chamada Ética Profissional, a adesão voluntária
a um conjunto de regras estabelecidas como sendo as mais adequadas para o
seu exercício.
É fundamental ter sempre em mente que há uma série de atitudes que
não estão descritas nos códigos de todas as profissões, mas que são comuns a
todas as atividades que uma pessoa pode exercer.
Atitudes de generosidade e cooperação no trabalho em equipe, mesmo
quando exercidas solitariamente em uma sala, fazem parte de um conjunto maior
de atividades que dependem do bom desempenho desta.
Uma postura proativa, por exemplo, é não ficar restrito às tarefas
solicitadas, mas contribuir para o engrandecimento do trabalho, mesmo que
temporário.
Se sua tarefa é varrer ruas, você pode se contentar em varrer e juntar o
lixo, mas você pode também tirar o lixo que vê que está prestes a cair na rua,
podendo futuramente entupir uma saída de escoamento e causando uma
acumulação de água quando chover.

53
19.4 Ética profissional e relações sociais

Fonte: uapi.ufpi.br

O varredor de rua que se preocupa em limpar o canal de escoamento de


água da chuva; o auxiliar de almoxarifado que verifica se não há umidade no
local destinado para colocar caixas de alimentos; o médico cirurgião que confere
as suturas nos tecidos internos antes de completar a cirurgia; a atendente do
asilo que se preocupa com a limpeza de uma senhora idosa após ir ao banheiro;
o contador que impede uma fraude ou desfalque, ou que não maquia o balanço
de uma empresa; o engenheiro que utiliza o material mais indicado para a
construção de uma ponte, todos estão agindo de forma eticamente correta em
suas profissões, ao fazerem o que não é visto, ou aquilo que, alguém vendo, não
saberá quem fez.
As leis de cada profissão são elaboradas com o objetivo de proteger os
profissionais, as pessoas que dependem deles. Há, porém muitos aspectos não
previstos especificamente e que fazem parte do compromisso do profissional
com a ética, aquele que, independentemente de receber elogios, faz a coisa
certa.

54
20 QUAIS OS LIMITES DE UM CÓDIGO DE ÉTICA?

Um código de ética não tem força jurídica de lei universal, porém deveria
ter força simbólica para tal. Embora um código de ética possa prever sanções
para os descumprimentos de seus dispositivos, estas dependerão sempre da
existência de uma legislação, que lhe é juridicamente superior, e por ela limitado.
Por essa limitação, o código de ética é um instrumento frágil de regulação dos
comportamentos de seus membros.
Essa regulação só será ética quando o código de ética for uma convicção
que venha do íntimo das pessoas. Isso aumenta a responsabilidade do processo
de elaboração do código de ética, para que ele tenha a força da legitimidade.
Quanto mais democrático e participativo esse processo, maiores as
chances de identificação dos membros do grupo com seu código de ética e, em
consequência, maiores as chances de sua eficácia.
O princípio fundamental que constitui a ética é este: o outro é um sujeito
de direitos e sua vida deve ser digna tanto quanto a minha deve ser. O
fundamento dos direitos e da dignidade do outro é a sua própria vida e a sua
liberdade (possibilidade) de viver plenamente.
As obrigações éticas da convivência humana devem pautar-se não
apenas por aquilo que já temos, realizamos, somos, mas também por tudo aquilo
que poderemos vir a ter, a realizar, a ser. As nossas possibilidades de ser são
parte de nossos direitos e de nossos deveres. É parte da ética da convivência.
A atitude ética é uma atitude de amor pela humanidade. A moral
tradicional do liberalismo econômico e político acostumaram-nos a pensar que o
campo da ética é o campo exclusivo das vontades e do livre arbítrio de cada
indivíduo. Nessa tradição, também, a organização do sistema econômico-
político-jurídico seria uma coisa “neutra”, “natural”, e não uma construção
consciente e deliberada dos homens na sociedade.

55
21 ÉTICA E SISTEMA ECONÔMICO

O sistema econômico é o fator mais determinante de toda a ordem (e


desordem) social. É o principal gerador dos problemas, assim como das
soluções éticas. O fato de o sistema econômico parecer ter vida própria,
independente da vontade dos homens, contribui para ofuscar a responsabilidade
ética dos que estão em seu comando.
O sistema econômico mundial, do ponto de vista dos que o comandam, é
uma vasta e complexa rede de hábitos consentidos e de compromissos
reciprocamente assumidos, o que faz parecer que sua responsabilidade ética
individual não existe.
A moral dominante do sistema econômico diz que pelo trabalho qualquer
indivíduo pode ter acesso à riqueza. A crítica econômica diz que a reprodução
da miséria econômica é estrutural. Sendo assim, dentro de uma visão ética, pode
se dizer que se exigem transformações radicais e globais na estrutura do sistema
econômico.

22 ÉTICA E MEIO AMBIENTE

Fonte: infojovem.org.br

56
A voracidade predatória do sistema econômico vigente o faz enxergar a
natureza tão somente como fonte de matérias-primas para a produção de
mercadorias. Com isso, a natureza torna-se ela própria uma mercadoria.
O trabalho é a ação humana que transforma a natureza para o homem.
Mas, para que cumpra essa finalidade de sustentar e humanizar o homem deve
realizar-se de modo autossustentável para a natureza e para o homem. A
voracidade predatória de nosso sistema econômico está rompendo
perigosamente o equilíbrio de auto - sustentabilidade entre a natureza e o
homem. Preservar e cuidar da natureza é o mesmo que preservar e cuidar da
humanidade, das gerações atuais e futuras. Preservar e cuidar do meio ambiente
é uma responsabilidade ética diante da natureza humana.
O pensamento pós-moderno rejeita o conceito defendido pela
modernidade de que existem verdades absolutas e fixas. Toda verdade é relativa
e depende do contexto social e cultural em que as pessoas vivem. Cada um
percebe a verdade de sua própria forma. Não há “verdade”, mas sim “verdades”
que não se contradizem, mas se complementam. Isso inclui verdades religiosas.
Conceitos como “Deus” são totalmente relativos. A única “inverdade” que
existe é insistir em dizer que existe verdade fixa e absoluta!
Nesta época de pós-modernidade, surgiu o conceito do politicamente
correto – na mentalidade pluralista e inclusivista, a opinião e as convicções de
todos têm de ser respeitadas. A razão para esse “respeito” é que a opinião de
um é vista como tão verdadeira quanto à do outro. Assim, torna-se politicamente
incorreto criticar as opiniões, a conduta e as preferências morais, políticas e
religiosas de alguém.
O contemporâneo é incerto e ainda problemático, precisando de
ressignificações dos papéis e das funções, cujos atores humanos têm a plateia
humana sem bússola e sempre os temas centrais dos atos são a ética.
Existem quatro eixos de conteúdos relativos à ética. São eles: respeito
mútuo, justiça, diálogo e solidariedade.
Quando nos referimos ao espectro ético em uma determinada prática
social/profissional, de maneira que possamos reconhecer a existência de
expectativas e de avaliações, cabe-nos sempre uma profunda indagação: o que
se tem feito e dito a respeito de nós, profissionais da área Metalúrgica?

57
Qual a nossa imagem de ética vivenciada? Essa imagem de um educador
se considerada como ética revela a essência de minha função profissional e
obscurece uma prática contrária aos princípios que acredito existirem?
A transgressão da ética surge pela inconformidade e pela falta do
conhecimento e não necessariamente pela má-fé, se não estiverem atreladas ao
não moral. No entanto, não podemos esquecer que no campo da ética, não
devemos estabelecer configurações apriorísticas.
As regras dificilmente serão as mesmas, porém, mesmo quando o
conhecimento e as competências são diferentes, a funcionalidade processual
formal deve ser explicitada. Caso haja rompimentos de regras, é preciso rever o
contrato e refletir a prática no campo da dialética, nascendo à semente ética do
sucesso de qualquer profissão.
Reconstruir valores de forma contínua, convergentes e integradores ao
conhecimento de outras disciplinas, permite desenvolver, no campo filosófico,
espaços para a compreensão existencial sob vários ângulos da prática humana
que dão real sentido à vida social e profissional.

Fonte:cptstatic.s3.amazonaws.com

Numa perspectiva mais ampla e comparativa, se o tecido social resulta


dos diversos vetores individuais e coletivos, não é demais admitir que o vácuo
ético – nas relações entre profissionais, organizações, fornecedores e

58
consumidores – tem forte correlação com a fragilidade da ética pessoal, está
hoje bem caracterizada pelo excessivo interesse do indivíduo por si próprio, pelo
individualismo exacerbado, pelo narcisismo desmedido e pelo frágil sentido de
solidariedade.
Com efeito, se as organizações são dirigidas por pessoas que assimilam
não virtudes, e se estas pessoas moldam as crenças das organizações, na
medida em que o homem despreza valores humanos, as organizações tendem
a fazer o mesmo e a resvalar na moral e, às vezes, a abandonar a ética.

23 DEVERES PROFISSIONAIS

Fonte: sobreasrelacoes.com.br

Quando direcionamos nossas capacidades e níveis de competências para


permitir um desempenho eficaz da profissão escolhida, estamos exercitando
deveres éticos. A satisfação de quem recebe esses benefícios é o referencial
das nossas atitudes que governam as ações do indivíduo perante o outro, ele
próprio, a sociedade e o Estado.
O compromisso diante de um agregado de deveres éticos compatíveis
com a tarefa profissional, precisa superar o “complexo de valores” pertinentes a
cada profissão, até tornar-se um valor mais amplo da ética profissional universal.

59
O primeiro dever está na escolha da profissão seguida do conhecimento
sobre ela para finalmente ser capaz de exercê-la dentro de uma prática plena de
conduta cujos lastros de valoração profissional sejam os valores adotados pela
classe, sociedade e pelo próprio indivíduo. É preciso que o sujeito e sua
profissão façam um “casamento” pleno de prazer e influxos de amor.
A escolha das tarefas deve ser a proveniência do dever a ser cumprido,
visando à qualidade da execução, dentro de uma conduta valorosa e refletida
por práticas úteis e cheias de usufrutos e benefícios. Aí, sim, ocorrerá o pleno
dever ético.
A identificação prazerosa com as tarefas de um trabalho precisa de
convicções da escolha e dos sentimentos envolvidos com a escolha autônoma,
pois quando um aluno perguntou a Mozart: “O que devo compor mestre?”
Ele respondeu: - “É preciso esperar”. A impaciência do aluno o fez
retrucar, dizendo que o mestre já compunha desde os 5 anos, ao que o gênio da
música lhe respondeu: “Mas eu nunca perguntei a ninguém o que deveria
compor”.
O dever deve fluir como um sentimento que faz bem e não como algo que
precisa ser cumprido a todo preço, para rapidamente se livrar do peso provocado
pela falta de condições essenciais de opção. A consciência é que monitora as
transgressões éticas que violentam a vontade humana e ela mesma é
responsável pela corrupção que fragmenta o ser ao longo da vida.
Quem aceita tarefas sem ter a capacidade de exercê-las, é condenável
como prática antiética em função dos prejuízos que pode vir a causar a terceiros,
desde que anteriormente seu juízo os tenha identificado. Essa infração ética
precisa ser superada pelo dever profissional de buscar conhecimentos e
competências necessários para a execução de tarefas desafiadoras. Não
reconhecer que uma decisão faz a grande diferença diante das possíveis
consequências, já significa uma premissa antiética.
Como profissional deve-se permanentemente refletir sobre a condição
humana para se reconhecer permanentemente aprendizado com os outros
identificando situações em que o exigível não é executável. Todo profissional
tem o dever de conhecer e aprimorar-se no exercício da sua prática profissional
como também produzir avaliações sobre os níveis de competências emocionais,

60
profissionais, intelectuais e cognitivas necessárias para que o exigível seja algo
natural e sem traumas.
Encontrar-se com os sentimentos que nutrem o dever ético profissional é
buscar a consciência necessária para dominar o conhecimento, ter posse
relativa do saber, percepção integral do objeto de trabalho e traçar seus objetivos
voltados à qualidade ou eficácia das tarefas. Não se deve esquecer os limites do
cumprimento dos deveres e das condições pelas quais o dever da ética fica
comprometido pelas circunstâncias alheias à vontade humana, permitindo que
forças externas se sobreponham.
Os “achismos do quase bom” ou das intenções por negligência, que levam
a aceitar o “menos mal” não podem ser justificativas para o trabalho ineficaz. O
alcance da plenitude ética é decorrente do êxito profissional e do caminho
percorrido pela prática valorosa e virtuosa em interação humana, social e
institucional, interagindo com suas competências intrapessoais voltadas para o
êxtase das realizações e aos sentimentos do dever cumprido.
É dessa matriz que surgem o zelo e a busca constantes da excelência
que faz o grande encontro com os sentimentos de lealdade com aquele que é
beneficiado. Cada virtude identifica uma capacidade desejável ou uma
habilidade necessária que enseja deveres a cumprir, sempre de acordo com a
natureza de uma determinada tarefa, normalmente normalizada no interesse de
grupos profissionais.
A qualidade do desempenho das tarefas vai identificar uma relação entre
o caráter do profissional e o exercício de sua profissão. Qualquer profissão,
dentro das doutrinas morais ou da ética, requer uma visão holística de mundo
onde o micro social interage com o macrossocial e em todas as relações
imagináveis do indivíduo. Ainda, é através da profissão exercida que se
consegue a liberdade do processo de dominação ou nos instalamos através dela,
podendo chegar até o absolutismo ostensivo ou à ditadura.
Pela profissão exercida, abrem-se as dimensões dos “saberes das
conveniências isoladas”, de grupos ou ambiências ligadas às causas e efeitos
humanos próprios, capazes de construir sucessos ou fracassos nas múltiplas
relações interpessoais e intrapessoais geradas no tempo e espaço e que,
permanentemente exigem reflexões de conduta ética.

61
BIBLIOGRAFIA BÁSICA

ALVES, Rubem. Estória de quem gosta de ensinar: o fim dos vestibulares.


13° ed. São Paulo: Papirus, 2000.

MATTAR, João. Filosofia e ética. São Paulo: Pearson Education do Brasil,


2014.

FELIZARDO, Aloma Ribeiro. Ética e direitos humanos: uma perspectiva


profissional. Curitiba: InterSaberes, 2012.

MARINS, Luiz. Motivação: do querer ao fazer. São Paulo: Papirus 7 Mares,


2013.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

ALENCASTRO, Mario Sergio Cunha. Ética e meio ambiente: construindo as


bases para um futuro sustentável. Curitiba: InterSaberes, 2015.

MARCHIORI, Marlene Regina. Cultura e comunicação organizacional: um


olhar estratégico sobre a organização. 1° ed. São Paulo: Difusão Editora,
2017.

VASQUES, Enzo Fiorelli. Técnicas de negociação e apresentação. São Paulo:


Pearson Education do Brasil, 2014.

CORTELLA, Mario Sergio. Ética e vergonha na cara!. São Paulo: Papirus 7


Mares, 2014.

SILVA, Reinaldo O. da. Teorias da administração. São Paulo: Pearson Prentice


Hall, 2008.

62