Você está na página 1de 7

Universidade Estadual Vale do Acaraú – UVA/IDECC

Curso: Administração
Disciplina: Português
Assunto: Os elementos da comunicação e as funções da linguagem

EXERCÍCIOS SOBRE OS ELEMENTOS DE COMUNICAÇÃO 


1. O pai conversa com a filha ao telefone e diz que vai chegar atrasado para o jantar. 
Nesta situação, podemos dizer que o canal é: 
a) o pai 
b) a filha 
c) fios de telefone 
d) o código 
e) a fala 
2. Assinale a alternativa incorreta: 
a) Só existe comunicação quando a pessoa que recebe a mensagem entende o seu significado. 
b) Para entender o significado de uma mensagem, não é preciso conhecer o código. 
c) As mensagens podem ser elaboradas com vários códigos, formados de palavras,desenhos, números, etc. 
d) Para entender bem um código, é necessário conhecer suas regras. 
e) Conhecendo os elementos e regras de um código, podemos combiná-los de várias maneiras, criando 
novas mensagens. 
3. Uma pessoa é convidada a dar uma palestra em Espanhol. A pessoa não aceita o convite, pois não sabia falar
com fluência a língua Espanhola. Se esta pessoa tivesse aceitado fazer esta palestra seria um 
fracasso porque: 
a) não dominava os signos 
b) não dominava o código 
c) não conhecia o referente 
d) não conhecia o receptor 
e) não conhecia a mensagem 
4. Um guarda de trânsito percebe que o motorista de um carro está em alta velocidade. Faz um gesto pedindo para
ele parar. Neste trecho o gesto que o guarda faz para o motorista parar, podemos dizer que é: 
a) o código que ele utiliza 
b) o canal que ele utiliza 
c) quem recebe a mensagem 
d) quem envia a mensagem 
e) o assunto da mensagem 
5. A mãe de Felipe sacode-o levemente e o chama: “Felipe está na hora de acordar”. 
O que está destacado é: 
a) o emissor 
b) o código 
c) o canal 
d) a mensagem 
e) o referente 
6. Podemos afirmar que Referente é: 
a) quem recebe a mensagem 
b) o assunto da mensagem 
c) o que transmite a mensagem 
d) quem envia a mensagem 
e) o código usado para estabelecer comunicação

EXERCÍCIOS SOBRE AS FUNÇÕES DA LINGUAGEM

Leia os textos a seguir e determine a função de cada um:

Texto A

A índia Everon, da tribo Caiabi, que deu a luz a três meninas, através de uma operação cesariana, vai ter alta
depois de amanhã, após ter permanecido no Hospital Base de Brasília desde o dia 16 de março. No início, os
índios da tribo foram contrários à idéia de Everon ir para o hospital mas hoje já aceitam o fato e muitos já
foram visitá-la. Everon não falava uma palavra de Português até ser internada e as meninas serão chamadas de
Luana, Uiara e Potiara.
Jornal da Tarde, 13 jul. 1982

_________________________________________________________________________

Texto B

Uma morena
Não ofereço perigo algum: sou quieta como folha de outono esquecida entre as páginas de um livro, sou
definida e clara como o jarro com a bacia de ágata no canto do quarto – se tomada com cuidado, verto água
limpa sobre as mãos para que se possa refrescar o rosto mas, se tocada por dedos bruscos, num segundo me
estilhaço em cacos, me esfarelo em poeira dourada. Tenho pensado se não guardarei indisfarçáveis remendos
das muitas quedas, dos muitos toques, embora sempre os tenha evitado aprendi que minhas delicadezas nem
sempre são suficientes para despertar a suavidade alheia, mesmo assim insisto: meus gestos, minhas palavras
são magrinhos como eu, e tão morenos, que esboçados a sombra, mal se destacam do escuro, quase
imperceptível me movo, meus passos são inaudíveis feito pisasse sempre sobre tapetes, impressentida, mãos
tão leves que uma carícia minha, se porventura a fizesse, seria mais branda que a brisa da tardezinha. Para
beber, alem do chá, raramente admito um cálice de vinho branco, mas que seja seco para não esbrasear em
excesso minha garganta em ardores...
ABREU, Caio Fernando. Fotografias. In: Morangos mofados. 2. ed. São Paulo, Brasiliense, 1982. p. 93

_________________________________________________________________________
    
Texto C

_ Você acha justo que se comemore o Dia Internacional da mulher?


_  Nada mais justo! Afinal de contas, você está entendendo, a mulher há séculos, certo, vem sendo vítima de
exploração e discriminação, concorda? Já houve alguns avanços, sabe, nas conquistas femininas. Você
percebeu? Apesar disso, ainda hoje a situação da mulher continua desfavorável em relação à do homem,
entende?

_________________________________________________________________________

Texto D

Mulher, use o sabonete X.


Não dispense X: ele a tornará tão bela quanto à estrelas de cinema.
_________________________________________________________________________

Texto E

Mulher. [Do lat. Muliere.] S. f. 1. Pessoa do sexo feminino após a puberdade. 


[Aum.: mulherão, mulheraça, mulherona.] 2. Esposa.

FERREIRA, Aurélio Buarque de H. Novo dicionário da língua portuguesa, Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1975.
________________________________________________________________________________

Texto F
    
A mulher que passa

Meu Deus, eu quero a mulher que passa.


Seu dorso frio é um campo de lírios
Tem sete cores nos seus cabelos
Sete esperanças na boca fresca!

Oh! Como és linda, mulher que passas


Que me sacia e suplicias
Dentro das noites, dentro dos dias!

Teus sentimentos, são poesia.


Teus sofrimentos, melancolia.
Teus pêlos leves são relva boa 
Fresca e macia.
Teus belos braços são cisnes mansos
Longe das vozes da ventania.

Meu Deus, eu quero a mulher que passa!

MORAIS, Vinícius de. A mulher que passa. In:____. Antologia poética. 4. ed. Rio de Janeiro, Ed. Do autor,
1960. p.90.

_________________________________________________________________________
EXERCÍCIOS SOBRE NÍVEIS DE LINGUAGEM

Para falar e escrever bem, é preciso, além de conhecer o padrão formal da Língua Portuguesa, saber adequar
seu uso ao contexto discursivo. Para exemplificar este fato, o texto abaixo, de Luís Fernando Veríssimo
apresenta  situações de discurso oral que fogem à expectativa do ouvinte. Os textos e as questões foram
aplicados em provas do ENEM e vestibulares de várias universidades.

Aí, galera!
Jogadores de futebol podem ser vítimas de estereotipação. Por exemplo, você pode
imaginar um jogador de futebol dizendo “estereotipação”? E, no entanto, por que não?
-        Aí, campeão. Uma palavrinha pra galera.
-        Minha saudação aos aficionados do clube e aos demais esportistas,  aqui presentes ou
no recesso dos seus lares.
-        Como é?
-        Aí, galera.
-        Quais são as instruções do técnico?
-        Nosso treinador vaticinou que, com um trabalho de contenção coordenada, com
energia otimizada, na zona de preparação, aumentam as probabilidades de, recuperado o
esférico, concatenarmos um contragolpe agudo com parcimônia de meios e extrema
objetividade, valendo-nos da desestruturação momentânea do sistema oposto, surpreendido
pela reversão inesperada do fluxo da ação.
-        Ahn?
-        É pra dividir no meio e ir pra cima pra pegá eles sem calça.
-        Certo. Você quer dizer mais alguma coisa?
-        Posso dirigir uma mensagem de caráter sentimental, algo banal, talvez mesmo
previsível e piegas, a uma pessoa à qual sou ligado por razões, inclusives, genéticas?
-        Pode.
-        Uma saudação para a minha progenitora.
-        Como é?
-        Alô, mamãe!
-        Estou vendo que você é um, um…
-        Um jogador que confunde o entrevistador, pois não corresponde à expectativa de que
o atleta seja um ser algo primitivo com dificuldades de expressão  e assim sabota a
estereotipação?
-        Estereoquê?
-        Um chato?
-        Isso.
(Luis Fernando Veríssimo. Correio Braziliense, 13.05.1998)
Assinale a única alternativa correta:
1. O texto retrata duas situações relacionadas que fogem à expectativa do público. São elas:
a. (   ) a saudação do jogador aos fãs do clube, no início da entrevista, e a saudação final dirigida à sua mãe.
b. (   ) a linguagem muito formal do jogador, inadequada à situação da entrevista, e um jogador que fala, com
desenvoltura, de modo muito rebuscado.
c. (   ) O uso da expressão “galera”, por parte do entrevistador, e da expressão “progenitora”, por parte do
jogador.
d. (   ) o desconhecimento, por parte do entrevistador, da palavra “estereotipação”, e a fala do jogador em “é
pra dividir no meio e ir pra cima pra pegá eles sem calça”.
e. (   ) O fato de os jogadores de futebol serem vítimas de estereotipação e o jogador entrevistado não
corrresponder ao estereótipo.

2. O texto mostra uma situação em que a linguagem usada é inadequada ao contexto. Considerando as
diferenças entre língua oral e escrita, assinale a opção que representa também uma inadequadação da
linguagem usada no contexto apresentado.
a.(   ) “O carro bateu e capotô, mas num deu para  vê direito.” – comentário de um pedestre que assistiu ao
acidente, com outro que vai passando.
b.(   ) “E aí, ô meu! Como vai essa força?” – um jovem que fala com um amigo.
c.(   ) “Só um instante, por favor. Eu gostaria de fazer uma observação.”- alguém comenta em uma reunião de
trabalho.
d.(   ) “Venho manifestar meu interesse em candidatar-me ao cargo de Secretária Executiva dessa conceituada
empresa.”- alguém que escreve uma carta candidatando-se a um emprego.
e.(   ) “Porque se a gente não resolvê as coisas como tem que ser, a gente corre o risco de termos, num futuro
próximo, muito pouca comida nos lares brasileiros.” – um professor universitário discursando em um
congresso internacional.

3. A expressão “pegá eles sem calça”, no texto, poderia ser substituída, sem comprometimento do sentido,
por:
a. (   ) pegá-los na mentira.
b. (   ) pegá-los desprevenidos.
c. (   ) pegá-los em flagrante.
d. (   ) pegá-los rapidamente.
e. (   ) pegá-los momentaneamente.

4. Os trechos abaixo retratam a fala de jovens sobre sua própria linguagem:


A gíria é um meio muito legal de se comunicar, é irado falar de um jeito que os professores e o pessoal lá de
casa não entendem. (Gabriel, 14 anos).
O “tipo assim” é o espaço que a gente usa pra pensar as palavras. (Marco, 15 anos)
A gente não fala mais “é uma brasa, mora!”, que era moda nos tempos do meu pai. No lugar disso, falamos
outras coisas. (Daniela, 16 anos).
Cara, eu também sei falar formalmente, mas não gosto. Não me dirijo ao padre do colégio com um aí,
velhinho! (Victor, 17 anos)
A partir da leitura dos trechos, diga se é falsa (F) ou verdadeira (V) cada uma das afirmações:
a. (   ) Na fala de Gabriel, percebe-se que adultos e jovens usam a língua de forma igual.
b. (   ) Segundo Marco, “tipo assim” é uma forma de resumir uma informação.
c. (   ) A fala de Daniela revela que a língua não é um fato social estático, ao contrário, varia ao longo do
tempo.
d. (   ) Victor sabe que o uso da língua varia conforme o grau de intimidade entre as pessoas, ou seja, que usar
linguagem formal ou informal é questão de adequação à situação.

5. Suponha que um aluno se dirige a um colega de classe nesses termos: “Venho respeitosamente solicitar-lhe
se digne emprestar-me seu livro de matemática.” A atitude desse aluno se assemelha à atitude do indivíduo
que:
a. (   ) comparece ao baile de gala trajando smoking.
b. (   ) vai à audiência com um juiz trajando short e camiseta.
c. (   ) vai à praia de terno e gravata.
d. (   ) vai ao estádio de futebol de chinelo e bermuda.

6. Gênero textual 3: Tirinha.


O  uso  da  linguagem  nos  quadros abaixo  sofre variação lingüística.
 

a.( ) Social
b.( ) literária.
c.( ) formal.
d.( ) informal
7 Gênero textual 4: Poema Qual a variação lingüística retratada no texto abaixo?
Vício na fala
Para dizerem milho dizem mio
Para melhor dizem mió
Para pior pio
Para telha dizem teia
Para telhado dizem teiado
 E vão construindo telhados.
Oswald de Andrade. Obras Completas)