Você está na página 1de 4

INTRODUÇÃO

O que é o STROBE?
STROBE - É um guia de redação científica que foi disponibilizado para orientar
na escrita de estudos observacionais. O STROBE está entre os mais
recomendados por periódicos da área da epidemiologia 1.
A sigla STROBE significa em inglês “Strengthening the Reporting of
Observational Studies in Epidemiology”, traduzido para o português significa
Aprimorando a Apresentação de Resultados de Estudos Observacionais em
Epidemiologia 2.
Este instrumento foi originalmente publicado em inglês. Em seguida, grupos de
pesquisa de diferentes países traduziram a listagem de verificação e os
princípios básicos para outros idiomas, inclusive para o português e espanhol,
as versões traduzidas em vários idiomas estão disponíveis no link:
https://www.strobe-statement.org/index.php?id=strobe-translations 2.

O que são estudos observacionais?


Refere-se aos estudos/pesquisas onde o pesquisador simplesmente observa o
paciente, as características da doença ou transtorno, e seu progresso, sem
interferir ou alterar qualquer condição que esteja investigando 2. Estudos
observacionais são apontados como os mais apropriados para evidenciar
implicações adversas raras ou tardias conexas a certos tratamentos e
usualmente oferecem uma indicação mais precisa sobre o que é alcançado na
prática clínica cotidiana, pois partem de situação dada e a partir daí observam
as condições resultantes, que podem ser contextodependente 3 .

As recomendações do STROBE são para quais estudos observacionais?


• Estudos transversais
Trata-se do estudo no qual a exposição e a condição de saúde dos
participantes são determinadas concomitantemente, ou seja, no mesmo
momento ou intervalo de tempo analisado 3.

• Estudos de caso-controle
Diz respeito ao estudo no qual o pesquisador distribui os indivíduos como
doentes ou portadores de uma situação clínica e não doentes ou não
portadores da situação clínica e verifica, retrospectivamente, se houve
exposição anterior a um fator entre os doentes e os não doentes. Os
indivíduos doentes ou portadores são denominados "casos", e os não
doentes ou não portadores de "controle”. Nesse estudo, o parâmetro a ser
observado é a exposição ou não a um fator. Por seguinte, comparam-se as
proporções de exposição prévia a determinado fator, entre os doentes e os
não doentes 3.

• Estudos de coorte
Refere-se ao estudo no qual o pesquisador distribui os indivíduos como
expostos e não expostos a um fator em estudo, acompanha-os durante um
certo período de tempo para verificar a incidência de uma doença ou situação
clínica entre os expostos e não expostos. Nesse estudo, o parâmetro a ser
observado é a presença ou não da doença. A comparação será entre a
proporção dos que ficaram doentes dentre os expostos, e a proporção dos
que ficaram doentes entre os não expostos 3.

QUAL O OBJETIVO DA INICIATIVA STROBE?


Apresentar uma recomendação que direcione como se relata estudos
observacionais de forma mais adequada, utilizando a recomendação como um
guia que orienta à escrita de estudos observacionais, sem que seja vista como
prescrição de como deve ser feita uma pesquisa. Suplementarmente, pode ser
utilizado para facilitar a leitura crítica das publicações de estudos observacionais
por parte de editores, revisores e leitores em geral 2.

QUAL A METODOLOGIA ADOTADA PARA O STROBE?


1. Primeiramente, ao escolher utilizar o STROBE, deve-se entender que é
uma iniciativa internacional de especialistas, pesquisadores e editores de
periódicos de diversas áreas que oferecem um modelo que poderá ser
seguido, para melhorar o relato da pesquisa observacional, composto por
itens relacionados a informações que deveriam estar presentes no título,
resumo, introdução, metodologia, resultados e discussão de artigos
científicos que descrevem estudos observacionais 2.
2. Foi estabelecido uma lista de verificação dos itens que devem ser
incluídos nos artigos que relatam os estudos observacionais. Dezoito
itens se aplicam aos estudos de coorte, caso-controle e estudos
transversais e quatro itens são específicos para cada um desses três
desenhos de estudo. Os itens com estrela indicam que as informações
devem ser fornecidas separadamente para casos e controles em estudos
de caso-controle ou grupos expostos e não expostos em estudos de
coorte e de seção transversal 2,4.
3. É aconselhado aos autores a abordagem de todos os itens em algum
lugar do artigo, porém os autores esclarecem que não prescreveram um
local preciso ou ordem. Por exemplo, pode-se discutir o relatório de
resultados em vários itens separados, assim como os autores podem
abordar vários itens em uma única seção de texto ou em uma tabela 4.
4. Ressalta-se que as recomendações não são prescrições para a criação
ou condução de estudos, nem ditam a metodologia ou exigem uma
apresentação uniforme 4.

Como metodologia para aprimorar a aplicabilidade da iniciativa STROBE,


estaremos disponibilizando:
✓ links de sites onde você poderá encontrar artigos referentes ao TEMA:
https://www.strobe-statement.org/index.php?id=strobe-home
https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1743919114002131?via%3Dihub#cebib00
10
https://doi.org/10.1590/S0034-89102010000300021.

✓ slide em pdf com o check-list mais detalhado, que posteriormente será


discutido online com os demais colegas;
✓ artigos em pdf referente aos estudos observacionais que podem adotar o
STROBE, com demarcações dos itens;
✓ uma avaliação para averiguação do conhecimento sobre o tema abordado
para os colegas da disciplina.

CONSIDERAÇÕES SOBRE O STROBE


• Para alguns autores, a iniciativa é percebida como uma estratégia
importante por estar relacionada com a melhoria na qualidade da
descrição de estudos observacionais. Outros autores vêem a iniciativa
com ressalvas;
• Certos editores se mostram reticentes diante do fato de a Iniciativa
STROBE buscar formalizar a descrição de estudos elaborados em um
campo de pesquisa tão heterogêneo como a epidemiologia,
particularmente em se tratando de estudos observacionais. Dizem que
esta iniciativa poderia prejudicar a execução e descrição de pesquisas
singulares e criativas.
• O STROBE, assim como outras recomendações sobre o relato de
pesquisas devem ser vistas como documentos em desenvolvimento que
requerem avaliação contínua, refinamento e, se necessário, alteração;
• Os princípios apresentados neste artigo e na lista de verificação STROBE
estão abertos a alterações à medida que novas evidências e comentários
críticos se acumulam;
• O site do STROBE ( http://www.strobe-statement.org/ ) fornece um fórum
para discussão e sugestões de melhorias na lista de verificação, é bem
explicativo e oferece informações sobre um bom relato de estudos
epidemiológicos;
• Várias revistas solicitam aos autores que sigam a declaração STROBE
em suas instruções aos autores (consulte http://www.strobe-
statement.org/ para obter a lista atual );
• Os periódicos que publicam as recomendações do STROBE fornecem
acesso aberto. A declaração STROBE é, portanto, amplamente acessível
à comunidade biomédica.

REFERÊNCIAS
1. Galvão TF, Silva MT, Garcia LP. Ferramentas para melhorar a qualidade e a
transparência dos relatos de pesquisa em saúde: guias de redação científica.
Epidemiologia e Serviços de Saúde. junho de 2016;25(2):427–36. Available from:
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2237-
96222016000200427&lng=en. https://doi.org/10.5123/s1679-49742016000200022.
2. Malta M, Cardoso LO, Bastos FI, Magnanini MMF, Silva CMFP da. Iniciativa STROBE:
subsídios para a comunicação de estudos observacionais. Revista de Saúde Pública.
junho de 2010;44(3):559–65. Available from:
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-
89102010000300021&lng=en. https://doi.org/10.1590/S0034-89102010000300021.
3. Hochman B, Nahas FX, Oliveira Filho RS de, Ferreira LM. Desenhos de pesquisa. Acta
Cirurgica Brasileira. 2005;20:2–9. Available from:
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-
86502005000800002&lng=en. https://doi.org/10.1590/S0102-86502005000800002.
4. Vandenbroucke JP, von Elm E, Altman DG, Gøtzsche PC, Mulrow CD, Pocock SJ, et al.
Strengthening the Reporting of Observational Studies in Epidemiology (STROBE):
explanation and elaboration. Int J Surg. dezembro de 2014;12(12):1500–24. Available
from:http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1743919114002131.
https://doi.org/10.1016/j.ijsu.2014.07.014.