Você está na página 1de 125

Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

EU VOU PASSAR !!

Aula 05 – Coerência e Coesão Textual - Texto


Curso: Português – Resumo + Questões Comentadas
Professor: Bruno Spencer

`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

Aula 05 - Resumão
Coerência e Coesão Textual - Texto

Olá amigos!
Tudo bem??? Vamos à nossa última aula teórica do curso.
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

Estudaremos nesta aula dois assuntos importantíssimos para provas de


concurso.
Em ambos, a teoria é muitíssimo simples, mas é necessário muita
prática, para resolvermos as questões sem embaraço.
Caso tenham dificuldade nas questões de coerência coesão, revisem as
aulas sobre pronomes, preposições e conjunções.
Vamos lá pessoal, força nos estudos!!!
Boa aula!!!

Sumário

1 – Coerência e Coesão Textual ................................................................ 3


2 – Texto ............................................................................................... 4
3 – Questões Comentadas ..................................................................... 13
4 – Lista de Exercícios ........................................................................... 79
EU VOU PASSAR !!

5 - Gabarito ........................................................................................125
6 - Referencial Bibliográfico...................................................................125

Prof. Bruno Spencer 2 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

1 – Coerência e Coesão Textual

Coerência e Coesão Textual - O que é isso?


São elementos fundamentais à construção textual, pois, para
escrevermos um bom texto, necessitamos que ele soe como uma unidade. Para
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

isso, precisamos utilizar de maneira correta os elementos de coesão textual


e expor os nossos argumentos de forma coerente.

Coerência

As informações apresentadas não devem se contradizer, pois isso


provocaria a incoerência do texto.

A falta de coerência deixa o texto sem sentido. É como você dizer que
está feliz porque perdeu o emprego e foi abandonado pela(o)
namorada(o).

•Ex. O impeachment é algo importante para a nossa democracia. Ele


constitui-se em um mecanismo de controle político instituido pela nossa
Constituição.
EU VOU PASSAR !!

Coesão

Quando não utilizamos bem os elementos coesivos (pronomes,


preposições, conjunções, substantivos e etc), o nosso texto fica como
uma colcha de retalhos mal costurada, de difícil entendimento, pois as
informações ficam “soltas” e com muitas repetições desnecessárias.
Os elementos de coesão é que fazem esse papel de “costurar” as
informações, ligando-as de modo a constituir uma unidade textual.

•Ex. O Brasil é um país rico em recursos minerais. Aqui podemos


encontrá-los em abundância.

Isso é o que chamamos de coesão referencial.

Prof. Bruno Spencer 3 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

Note que, tanto o advérbio “aqui”, como o pronome “os” fazem


referência a termos já citados no texto (referência ANAFÓRICA). É a utilização
adequada desses recursos que faz um texto coeso.
Podemos, por meio da coesão referencial nos referir a um termo, um
período ou mesmo a um parágrafo inteiro.
Exemplo:
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

A dengue, hoje em dia, é um dos grandes problemas da saúde pública no


Brasil. Ela ocorre principalmente em áreas sem saneamento básico e causa
grandes transtornos à população mais carente, que é a mais vulnerável.
Essa situação ocorre devido à falta de investimentos do governo federal,
estadual e municipal.
No trecho acima, temos dois exemplos de coesão referencial. O pronome
“ela” substitui o substantivo “dengue”, enquanto a expressão “essa situação”
faz referência a todo o parágrafo anterior, fazendo a ligação com o novo
parágrafo e com as novas informações apresentadas no texto dissertativo.

OBSERVAÇÃO
A partir de hoje, quando ler um texto, preste bem atenção a esses
elementos de ligação, que aparecem constantemente, principalmente no início
de orações, períodos e parágrafos.

2 – Texto
EU VOU PASSAR !!

Interpretação Textual
Para interpretarmos corretamente um texto, precisamos
identificar nele dois pontos principais:

1 - Qual a ideia central?

2 - Qual sua intenção?

Algo que devemos ter muito cuidado é para não nos empolgarmos e
EXTRAPOLAR as informações fornecidas pelo texto, pois certamente
estaremos nos deixando levar pela nossa criatividade, que nesse momento é
algo perigoso.

Tipologia Textual

Prof. Bruno Spencer 4 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

Os tipos textuais são constituídos por diferentes características próprias


e peculiares que os diferenciam. São eles:

Narrativos

Descritivos

Instrucionais
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

Dissertativos

Vamos ver as principais características de cada um deles. Certamente você já


conhece todos eles, ainda que não ligue o tipo ao nome.

Textos NARRATIVOS

São utilizados para contar ou narrar estórias ou histórias, fatos e


acontecimentos.
Têm sempre um narrador que pode ser na primeira pessoa (narrador
personagem) ou na terceira (narrador observador).
Por consequência temos sempre a presença de AÇÃO, de
PESONAGENS e por vezes de discurso direto ou indireto.
São exemplos de textos narrativos: contos, fábulas, romances, lendas,
ficções, textos jornalísticos de notícias, biografias, quadrinhos e etc.
•Ex. "Dizem por ai, mas não tenho certeza, que meu sorriso fica mais
feliz quando te vejo, dizem também que meus olhos brilham, dizem
também que é amor, mas isso sim é certeza." (Dom Casmurro, Machado
de Assis)
EU VOU PASSAR !!

Textos DESCRITIVOS

Servem para descrever lugares ou ambientes, pessoas, momentos,


objetos e etc.
Normalmente, são utilizados dentro de um texto narrativo e
caracterizam-se pela ampla utilização de adjetivos, comparações e
recursos linguísticos (metáforas, sinestesia e etc) para que possamos
“visualizar” algo que está sendo descrito ou até mesmo nos
“transportarmos” para um determinado lugar ou um determinado
momento.

•Ex. “A minha alegria acordava a dele, e o céu estava tão azul, e o ar tão
claro, que a natureza parecia rir também conosco. São assim as boas
horas deste mundo.” (Dom Casmurro, Machado de Assis)

Prof. Bruno Spencer 5 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

Textos INSTRUCIONAIS

São utilizados para transmitir ORIENTAÇÕES ou INSTRUÇÕES ao


interlocutor. É característico deste tipo o uso dos verbos no modo
imperativo, a linguagem direta e objetiva, sem uso de
argumentações.
São classificados com INJUNTIVOS quando visam meramente
transmitir orientações ou instruções como em bulas de remédio,
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

manuais de instrução, receitas culinárias.


Quando possuem caráter COERCITIVO (de obrigar a fazer ou não-
fazer), são chamados de PRESCRITIVOS.
Exemplos de textos prescritivos são as leis, decretos e atos
normativos em geral.

Textos DISSERTATIVOS

Normalmente, contêm uma introdução do tema, um


desenvolvimento (exposição ou argumentação) e uma conclusão.
Podemos subdividi-lo em dois subtipos: os textos dissertativos
EXPOSITIVOS e os textos dissertativos ARGUMENTATIVOS.
Os textos expositivos são utilizados para exposição de um assunto
sem a preocupação de convencer o leitor de determinada opinião,
portanto são IMPARCIAIS, não cabendo impressões pessoais ou pontos
de vistas do autor.
Exemplos desses textos são as aulas, seminários, matérias jornalísticas
informativas.
Já os textos argumentativos, são escritos com a intenção de levar o
leitor a concordar com o ponto de vista do autor por meio de uma
EU VOU PASSAR !!

argumentação consistente por ele apresentada.


Normalmente são utilizadas comparações, estatísticas, opiniões de
autoridades no assunto, fatos e etc.

Gêneros Textuais
Grande parte dos gêneros textuais são nossos velhos conhecidos. Desde
crianças, já escutamos contos, lendas, fábulas e à medida que vamos crescendo
passamos a ler os romances, ficções, artigos científicos, textos jornalísticos e
etc. Para entrarmos nos pormenores de cada gênero textual, teríamos que fazer
um curso de literatura, o que não é o nosso objetivo neste momento. Assim,
vamos fazer uma lista exemplificativa de alguns dos gêneros textuais
existentes.
 Romance
 Ficção
 Conto

Prof. Bruno Spencer 6 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

 Lenda
 Fábula
 Poema
 Artigo de opinião
 Reportagem
 Notícia
 Crônica
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

 Receita culinária
 Lista de compras
 Curriculum vitae
 Telefonema
 Aula expositiva
 Debate
 Seminário
 Conferência
 E-mail
 Carta
 Diário
 Relato de viagem
 Biografia
 Piada
 Relatório
 Resumo
 Resenha
 Ofício
 Memorando
 Lei
EU VOU PASSAR !!

 Decreto
 Instrução Normativa
 Portaria

Prof. Bruno Spencer 7 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

Recursos Linguísticos
Vamos conhecer alguns recursos linguísticos utilizados na produção de
textos, cujos conceitos podem ser necessários para a resolução de determinada
questão, ou mesmo nos auxiliarem a chegar a uma melhor compreensão da
peça textual.

DENOTAÇÃO
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

•Quando uma palavra é utilizada no seu sentido


ou próprio ou literal.
SENTIDO •Ex. O leão é uma fera selvagem.
DENOTATIVO

CONOTAÇÃO
•Quando uma palavra é utilizada em sentido
ou figurado.
SENTIDO •Ex. Minha esposa ficou uma fera.
CONOTATIVO

•Figura de linguagem utilizada para fazer uma


METÁFORA comparação utilizando-se de uma conotação.
•Ex. Ela é um anjo, de nada reclama.

•Não confundir a comparação com a metáfora.


COMPARAÇÃO •Ex. Ela é meiga como um anjo, de nada
reclama.
EU VOU PASSAR !!

OBS. Repare que na COMPARAÇÃO existe a presença de termos comparativos:


como, tal como, tal qual e etc.

PROSOPOPEIA •Quando se atribui características humanas a


OU seres inanimados.
PERSONIFICAÇÃO •Ex. As pedras vão cantar. Chora viola!

•Quando utiliza-se uma palavra no lugar de


outra de sentido próximo, relacionado.
•Ex. Ela gosta de ler Paulo Coelho. (os livros
METONÍMIA
escritos por Paulo Coelho)
•Ex. Bebeu um copo de água. (a água que estava
dentro do copo)

Prof. Bruno Spencer 8 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

•É um recurso de linguagem utilizado para


suavizar ou amenizar determinadas expressões.
EUFEMISMO
•Ex. Ele faltou com a verdade. = Ele mentiu.
•Ele foi para o além. = Ele morreu.
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

•É um recurso utilizado com o objetivo de


expressar exagero.
HIPÉRBOLE
•Ex. Estou morrendo de fome!
•Já repeti isso mil vezes.

•É um tipo de metáfora que passou a ser utilizada


como linguagem usual.
CATACRESE
•Ex. Pé da mesa, batata da perna, maçã do rosto,
dente de alho, asa da xícara.

•É o que conhecemos por duplo sentido.


AMBIGUIDADE
•Ex. A cachorra da sogra dele ficou doente.

OBS. A ambiguidade é um recurso muito utilizado para causar efeitos


humorísticos. Deve ser ferrenhamente evitada em textos mais formais e,
principalmente, quando tratar-se de documentos oficiais.
EU VOU PASSAR !!

•É uma figura que surge do contraste de


ANTÍTESE opostos.
•Ex."Não existiria som se não houvesse o silêncio."

•Quando dizemos algo oposto ao que realmente é,


com intuito de criticar, ridicularizar ou satirizar
IRONIA algo.
•Ex. Você está cheiroso como um gambá.

Prof. Bruno Spencer 9 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

•Quando substituímos um nome por uma


característica ou fato marcante a ele
PERÍFRASE relacionados.
•Ex. Fomos ao show do Rei. (= Roberto Carlos)
•Nasceu na Veneza Brasileira. (= Recife)
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

•Mistura de percepções sensoriais.


SINESTESIA •Ex. Seu olhar era quente como brasa. (as
percepções visual e térmica se misturam)

•Quando há duas ideias com estruturas idênticas


•Ex. Gosto de trabalhar e de estudar.
PARALELISMO
•Ex. Todos os dias, ela ensina crianças e come
muito chocolate.

OBS. O primeiro exemplo é um caso de paralelismo SEMÂNTICO. Note que


“estudar” e “trabalhar” possuem uma ligação semântica, pois são atividade
de caráter intelectual que têm uma relação entre si.
Já o segundo exemplo apresenta um caso simplório de paralelismo
SINTÁTICO, pois ensinar crianças e comer chocolates não têm uma ligação
semântica evidente. Porém, evita-se escrever duas frases repetindo-se a
mesma estrutura: Todos os dias ela ensina crianças. Todos os dias ela come
chocolate.
EU VOU PASSAR !!

•Quando um texto está inserido em


outro de maneira direta ou indireta.
INTERTEXTUALIDADE
•São exemplos de intertextualidade a
CITAÇÃO, a PARÁFRASE e a PARÓDIA.

•É quando mencionamos em nosso texto conteúdo


originário de obra de outro autor. As citações
CITAÇÃO
devem ser acompanhadas da devida referência à
obra e ao autor originais.

Prof. Bruno Spencer 10 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

•É quando escreve-se um texto, tomando um outro


PARÁFRASE
como base.

Exemplo:
Canção do Exílio
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

(Gonçalves Dias)
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o sabiá;
As aves que aqui gorjeiam,
Não gorjeiam como lá
(...)

Canto de Regresso à Pátria


(Oswald de Andrade)
Minha terra tem palmares,
Onde gorjeia o mar;
Os passarinhos daqui,
Não cantam como os de lá
(...)
EU VOU PASSAR !!

•Quando escreve-se uma obra similar à original,


PARÓDIA
porém, normalmente com um sentido cômico.

•É uma dedução LÓGICA que podemos fazer com


INFERÊNCIA
segurança a partir das informações apresentadas.

OBS. Não confundir inferência com elucubração. A inferência é algo


logicamente dedutível a partir do texto e não algo acrescentado pela
criatividade do leitor.

Prof. Bruno Spencer 11 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

•É uma informação implícita no texto que


podemos inferir com segurança, pois há
PRESSUPOSTO informações suficientes para isso.
•Ex. Pedro deixou de fumar. (pressuposto: Pedro
fumava)
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

•Semelhante ao pressuposto, também é uma


informação implícita. Porém, há de se tomar
muito cuidado com eles, pois não há
garantias que sejam verdadeiros, são
hipóteses.
SUBENTENDIDO
•Ex. Ela disse: Aqui está muito quente!
(subentendido: ela quer que abra as janela, que
ligue um ventilador ou ar condicionado; ela
quer tomar um banho de piscina; ela quer tirar
as roupas e etc.)

OBS. Repare que o subentendido vai de encontro ao que falamos


anteriormente: CUIDADO para não EXTRAPOLAR o sentido do texto!!!

•É uma redundância, que pode ser um vício ou


uma figura de linguagem, dependendo da maneira
PLEONASMO como for utilizado.
•Ex. Todos saíram para fora. (vício de linguagem)
•Eu canto o meu canto de paz. (figura de
linguagem)
EU VOU PASSAR !!

Vamos praticar pessoal!!!

Prof. Bruno Spencer 12 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

3 – Questões Comentadas

1) FCC/AJ/TRE SP/Administrativa/"Sem Especialidade"/2017


Atenção: Para responder à questão, considere o texto abaixo.
Sandberg, que mudou totalmente o conceito espectador/obra de arte com o seu
trabalho de duas décadas no Museu Stedelijk, de Amsterdã, iniciou sua palestra
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

elogiando a arquitetura do nosso MAM-RJ que, segundo ele, segue a sua teoria
de que o público deve ver a obra de arte de frente e não de lado, como acontece
até agora com o museu convencional de quatro paredes. O ideal, disse ele, é
que as paredes do museu sejam de vidro e que as obras estejam à mostra em
painéis no centro do recinto. O museu não é uma estrutura sagrada e quem o
frequenta deve permanecer em contato com a natureza do lado de fora:
A finalidade do museu de arte contemporânea é nos ajudar a ter consciência da
nossa própria época, manter um espelho na frente do espectador no qual ele
possa se reconhecer. Este critério nos leva também a mostrar a arte de todos
os tempos dentro do ambiente atual. Isso significa que devemos abolir o
mármore, o veludo, as colunas gregas, que são interpretações do século XIX.
Apenas a maior flexibilidade e simplicidade. A luz de cima é natural ao ar livre,
mas artificial ao interior. As telas são pintadas com luz lateral e devem ser
mostradas com luz lateral. A luz de cima nos permite encerrar o visitante entre
quatro paredes. Certos museólogos querem as quatro paredes para infligir o
maior número possível de pinturas aos pobres visitantes.
É de capital importância que o visitante possa caminhar em direção a um quadro
e não ao lado dele. Quando os quadros são apresentados nas quatro paredes,
o visitante tem de caminhar ao seu lado. Isso produz um efeito completamente
EU VOU PASSAR !!

diferente, especialmente se não queremos que ele apenas olhe para o trabalho,
mas o veja. Isso é ainda mais verdadeiro em relação aos grandes museus de
arte contemporânea. Eles são grandes porque o artista moderno quer nos
envolver com o seu trabalho e deseja que entremos em sua obra. Ao organizar
o nosso museu, devemos ter consciência da mudança de mentalidade da nova
geração. Abolir todas as marcas do establishment: uniformes, cerimoniais,
formalismo. Quando eu era jovem, as pessoas entravam nos museus nas pontas
dos pés, não ousavam falar ou rir alto, apenas cochichavam.
Realmente não sabemos se os museus, especialmente os de arte
contemporânea, devem existir eternamente. Foram criados numa época em que
a sociedade não estava bastante interessada nos trabalhos de artistas vivos. O
ideal seria que a arte se integrasse outra vez na vida diária, saísse para as ruas,
entrasse nas casas e se tornasse uma necessidade. Esta deveria ser a principal
finalidade do museu: tornar-se supérfluo”.
(Adaptado de: BITTENCOURT, Francisco. “Os Museus na Encruzilhada” [1974],
em Arte-Dinamite, Rio de Janeiro, Editora Tamanduá, 2016, p. 73-75)

Prof. Bruno Spencer 13 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

...que o visitante possa caminhar em direção a um quadro e não ao lado dele.


(3º parágrafo)
Isso produz um efeito completamente diferente, especialmente se não
queremos que ele apenas olhe para o trabalho, mas o veja. (3º parágrafo)
...no qual ele possa se reconhecer. (2º parágrafo)
Nos segmentos acima, os pronomes sublinhados referem-se, respectivamente,
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

a:
a) visitante − trabalho − ele
b) quadro − trabalho − espelho
c) quadro − efeito − espectador
d) visitante − efeito − museu
e) quadro − ele − espectador
Comentários:
Afirmativa I – “...que o visitante possa caminhar em direção a um quadro e
não (caminhar – verbo implícito) ao lado dele.”
O pronome “dele” refere-se ao termo “quadro”, pois “o visitante” (sujeito) é
justamente quem há de caminhar ao seu lado.
O pronome é utilizado acima com a intenção de evitar a repetição do
substantivo “visitante”.
Afirmativa II – “Isso produz um efeito completamente diferente, especialmente
se não queremos que ele apenas olhe para o trabalho, mas o veja.”
A segunda afirmativa assemelha-se muito com a primeira.
EU VOU PASSAR !!

Dessa vez, o pronome “o” evita a repetição desnecessária do substantivo


“trabalho”.
O “visitante” (sujeito) deve olhar o trabalho e vê-lo (ver o trabalho).
Afirmativa III - “A finalidade do museu de arte contemporânea é nos ajudar a
ter consciência da nossa própria época, manter um espelho na frente do
espectador no qual ele possa se reconhecer.”
O termo “espectador” é substituído pelo pronome “ele”, enquanto o nome
“espelho” referenciado pelo pronome relativo “no qual”.
É uma interpretação semântica, afinal, certamente, o espelho é um objeto no
qual a pessoa pode reconhecer-se.
Note que todos são casos de referência ANAFÓRICA. Os pronomes referem-se
a substantivos previamente citados no texto.
Gabarito: B

Prof. Bruno Spencer 14 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

2) FCC/Ana RH/ALMS/2016
Instituições e riscos
Sem convívio não há vida, sem convívio não há civilização. Mas para conviver
neste pequeno planeta, para se afastar da barbárie, os homens necessitam de
princípios e de regras, em suas múltiplas formas de agrupamento. Orientados
por tantos e tão diferentes interesses, premidos pelas mais diversas
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

necessidades, organizamo-nos em associações, escolas, igrejas, sindicatos,


corporações, clubes, empresas, assembleias, missões etc., confiando em que a
força de um objetivo comum viabiliza a unificação de todos no corpo de uma
instituição. É o sentido mesmo de uma coletividade organizada que legitima a
existência e o funcionamento das instituições.
Mas é preciso sempre alertar para o fato de que, criadas para permitir o convívio
civilizado, as instituições também podem abrigar aqueles que se valem de seu
significado coletivo para mascarar interesses particulares. A corrupção e a
fraude podem tirar proveito do prestígio de uma instituição, alimentando-se de
sua força como um parasita oportunista se aproveita do hospedeiro saudável.
Não faltam exemplos de deturpações e desvios do bom caminho institucional,
provocados exatamente por aqueles que deveriam promover a garantia do
melhor roteiro. Por isso, não há como deixar de sermos vigilantes no
acompanhamento das organizações todas que regem nossa vida: observemos
sempre se são de fato os princípios do bem coletivo que estão orientando a ação
institucional. Sem isso, deixaremos que a necessidade original de convívio, em
vez de propiciar a saúde do empreendimento social, dê lugar ao atendimento
do egoísmo mais primitivo.
(Teobaldo de Carvalho, inédito)
EU VOU PASSAR !!

Os dois últimos períodos do texto são introduzidos pelas expressões “Por isso”
e “Sem isso”, que nesse contexto se referem, precisamente,
a) a um mesmo antecedente: a necessidade de ficarmos alertas.
b) a um mesmo antecedente: a ocorrência do parasitismo oportunista.
c) a estes dois respectivos antecedentes: um convívio civilizado e a boa saúde
do empreendimento social.
d) a estes dois respectivos antecedentes: desvios do roteiro desejável e
necessidade de vigilância.
e) a estes dois respectivos antecedentes: os bons princípios coletivos e o
egoísmo mais primitivo.
Comentários:
“Não faltam exemplos de deturpações e desvios do bom caminho
institucional, provocados exatamente por aqueles que deveriam promover a
garantia do melhor roteiro. Por isso, não há como deixar de sermos vigilantes

Prof. Bruno Spencer 15 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

no acompanhamento das organizações todas que regem nossa vida:


observemos sempre se são de fato os princípios do bem coletivo que estão
orientando a ação institucional. Sem isso, deixaremos que a necessidade
original de convívio, em vez de propiciar a saúde do empreendimento social, dê
lugar ao atendimento do egoísmo mais primitivo.”
Note que o primeiro “isso” faz referência ao desvio do rumo institucional
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

(período imediatamente anterior), enquanto o segundo “isso” refere-se ao


período imediatamente anterior a ele, que trata da necessidade de vigilância no
acompanhamento das organizações.
Gabarito: D

3) FCC/Ag/ALMS/Apoio Legislativo/2016
Serviço público
Entre os serviços oferecidos pelo Estado (com recursos provenientes da
arrecadação de impostos) e a população (sobretudo os que dependem
inteiramente da qualidade desses serviços), está a figura do servidor público.
Para fazer essa importante mediação, costuma-se garantir ao servidor a
estabilidade e o salário que lhe permitam exercer sua função com a
independência e a dignidade de quem não pode e não deve se submeter a troca
de favores ou de vantagens que não as da legislação que rege seu contrato de
trabalho.
Não convém esquecer que entre os servidores públicos, além dos que se
entregam ao cumprimento da burocracia, estão aqueles que têm importância
fundamental em áreas vitais como a Educação, a Saúde, a Segurança, o controle
EU VOU PASSAR !!

do meio ambiente e outras que concorrem diretamente para qualificar nosso


nível de vida. Há quem julgue que todos os empreendimentos sociais deveriam
regular-se pelo Mercado, e não pelo Estado. Para quem assim pensa, a figura
do servidor público surge não como um cidadão operoso e eficiente, mas como
um entrave à excelência dos negócios, que se regulamentariam por si mesmos.
É nessa ordem de coisas que professores, médicos, agentes de segurança e
tantos outros profissionais do setor público precisam tomar em suas mãos a
responsabilidade de quem estabelece, na prática, o vínculo entre o cidadão e o
Estado, o indivíduo e sua cidadania. O contato entre o servidor e a população
deve espelhar uma relação de confiança em que, cidadãos ambos, reconhecem-
se como integrantes de uma mesma ordem social mediada pelo direito público
e não pelo privilégio privado. O equilíbrio entre o que o Estado tem o dever de
oferecer e o Mercado tem o interesse em vender e comprar é um desafio a ser
enfrentado pela sociedade moderna. A figura do servidor público é não apenas
emblemática: é a encarnação do vínculo profissional e humano entre os direitos
do povo e os deveres do Estado .
(Josimar Castelo, inédito)

Prof. Bruno Spencer 16 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

Atente para as seguintes frases:


I. O servidor público carece de estabilidade e boa remuneração.
II. A falta de estabilidade e de boa remuneração fragiliza a condição do servidor.
III. Um servidor fragilizado deixa de ser eficiente.
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

As frases acima estão articuladas com correção e coerência em:


a) Quando a condição de um servidor é fragilizada pela falta de estabilidade e
boa remuneração, ele deixa de ser eficiente.
b) Por falta de estabilidade e de boa remuneração, de cujas se mostra carente,
o servidor fragilizado fica ineficiente.
c) Não há eficácia, quando um servidor, sempre carente de estabilidade e
remuneração, deixa por isso de ser eficiente.
d) Por ser fragilizado, mesmo porque ele carece de estabilidade e boa
remuneração, um servidor deixa de ser eficiente.
e) Um servidor se torna ineficiente, caso a estabilidade e a boa remuneração
venham a faltar-lhe, assim lhe fragilizando.
Comentários:
Alternativa A – Correta – Perfeita utilização dos conectivos, estabelecendo as
relações semânticas adequadas.
Alternativa B – Incorreta – A frase acima é totalmente incoerente (sem
sentido), além de apresentar erro na utilização do pronome “cujo” e no emprego
das vírgulas.
EU VOU PASSAR !!

Alternativa C – Incorreta – O período está gramaticalmente correto, no entanto


modifica o sentido original das frases do enunciado, inclusive, estabelecendo
uma ligação de causa e consequência entre a eficiência e a eficácia.
Alternativa D – Incorreta – A frase está gramaticalmente correta, mas deixa de
estabelecer o sentido original, o qual condiciona a fragilidade do servidor à
falta de estabilidade e de boa remuneração (relação de causa e consequência)
“A falta de estabilidade e de boa remuneração fragiliza a condição do servidor.”
Alternativa E – Incorreta – O período não me parece 100% fiel ao sentido
original das três frases, mas também não podemos dizer que está
semanticamente errado.
No entanto encontramos dois erros gramaticais no final do período, um no
emprego da vírgula (falta dela) e o outro na utilização do pronome relativo
errado.
Um servidor se torna ineficiente, caso a estabilidade e a boa remuneração
venham a faltar-lhe, assim lhe fragilizando.

Prof. Bruno Spencer 17 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

Um servidor se torna ineficiente, caso a estabilidade e a boa remuneração


venham a faltar-lhe, assim, fragilizando-o.
OBS – Em relação ao pronome “se”, a ênclise é a forma de colocação pronominal
mais adequada, pois não há palavra de atração. Podemos considerar a forma
acima em uma linguagem informal.
Gabarito: A
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

4) FCC/Esc/BB/"Sem Área"/2013
Atenção: Para responder à questão, considere o texto abaixo.
Ao longo do século XVII, a Holanda foi um dos dois motores de um fenômeno
que transformaria para sempre a natureza das relações internacionais: a
primeira onda da chamada globalização. O outro motor daquela era de
florescimento extraordinário das trocas comerciais e culturais era um império
do outro lado do planeta − a China. Só na década de 1650, 40 000 homens
partiram dos portos holandeses rumo ao Oriente, em busca dos produtos
cobiçados que se fabricavam por lá. Mas a derrota em uma guerra contra a
França encerrou os dias da Holanda como força dominante no comércio mundial.
Se o século XVI havia sido marcado pelas grandes descobertas, o seguinte
testemunhou a consequência maior delas: o estabelecimento de um poderoso
cinturão de comércio que ia da Europa à Ásia. "O sonho de chegar à China é o
fio imaginário que percorre a história da luta da Europa para fugir do
isolamento", diz o escritor canadense Timothy Brook, no livro O chapéu de
Vermeer.
Isso determinou mudanças de comportamento e de valores: "Mais gente
EU VOU PASSAR !!

aprendia novas línguas e se ajustava a costumes desconhecidos". O estímulo a


esse movimento era o desejo irreprimível dos ocidentais de consumir as
riquezas produzidas no Oriente. A princípio refratários ao comércio com o
exterior, os governantes chineses acabaram rendendo-se à evidência de que o
comércio significava a injeção de riqueza na economia local (em especial sob a
forma de toneladas de prata).
Sob vários aspectos, a China e a Holanda do século XVII eram a tradução de
um mesmo espírito de liberdade comercial. Mas deveu-se só à Holanda a
invenção da pioneira engrenagem econômica transnacional. A Companhia das
Índias Orientais − a primeira grande companhia de ações do mundo, criada em
1602 − foi a mãe das multinacionais contemporâneas. Beneficiando-se dos
baixos impostos e da flexibilidade administrativa, ela tornou-se a grande
potência empresarial do século XVII.
(Adaptado de: Marcelo Marthe. Veja, p. 136137, 29 ago. 2012)

Isso determinou mudanças de comportamento e de valores ... (3o parágrafo)

Prof. Bruno Spencer 18 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

O pronome grifado evita a repetição, no texto, da expressão:


a) o estabelecimento de um poderoso cinturão de comércio.
b) a primeira onda da chamada globalização.
c) a derrota em uma guerra contra a França.
d) o desejo irreprimível dos ocidentais.
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

e) a injeção de riqueza na economia local.


Comentários:
O pronome “isso” funciona como elemento de coesão textual, fazendo
referência ao conteúdo do parágrafo anterior (referência anafórica) e ligando-
o com parágrafo seguinte. O pronome “isso” refere-se precisamente ao trecho
marcado em azul que é a ideia principal do parágrafo anterior.
“Se o século XVI havia sido marcado pelas grandes descobertas, o seguinte
testemunhou a consequência maior delas: o estabelecimento de um
poderoso cinturão de comércio que ia da Europa à Ásia. "O sonho de
chegar à China é o fio imaginário que percorre a história da luta da Europa para
fugir do isolamento", diz o escritor canadense Timothy Brook, no livro O chapéu
de Vermeer.
Isso determinou ... “
Gabarito: A

5) FCC/AJ/TRF 3/Apoio Especializado/Arquivologia/2014


Atenção: Para responder à questão, considere o texto abaixo.
EU VOU PASSAR !!

A dor, juntamente com a morte, é sem dúvida a experiência humana mais bem
repartida: nenhum privilegiado reivindica ignorância em relação a ela ou se
vangloria de conhece-la melhor que qualquer outro. Violência nascida no próprio
âmago do indivíduo, ela dilacera sua presença e o esgota, dissolve-o no abismo
que nele se abriu, esmaga-o no sentimento de um imediato sem nenhuma
perspectiva. Rompe-se a evidência da relação do indivíduo consigo e com o
mundo.
A dor quebra a unidade vivida do homem, transparente para si mesmo enquanto
goza de boa saúde, confiante em seus recursos, esquecido do enraizamento
físico de sua existência, desde que nenhum obstáculo se interponha entre seus
projetos e o mundo. De fato, na vida cotidiana o corpo se faz invisível, flexível;
sua espessura é apagada pelas ritualidades sociais e pela repetição incansável
de situações próximas umas das outras. Aliás, esse ocultar o corpo da atenção
do indivíduo leva René Leriche a definir a saúde como “a vida no silêncio dos
órgãos”. Georges Canguilhem acrescenta que ela é um estado de “inconsciência
em que o sujeito é de seu corpo”.

Prof. Bruno Spencer 19 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

(Adaptado de: BRETON, David Le. Antropologia da Dor, São Paulo, Editora
FapUnifesp, 2013, p. 256)

Os pronomes grifados nos segmentos ... enraizamento físico de sua existência,


... sua espessura é apagada... e ... ela é um estado de inconsciência... (2o
parágrafo) referem-se, respectivamente, a:
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

a) enraizamento físico, corpo e atenção do indivíduo.


b) homem, corpo e saúde.
c) dor, vida cotidiana e saúde.
d) enraizamento físico, corpo e vida no silêncio.
e) homem, vida cotidiana e saúde.
Comentários:
Vamos retomar o texto e examinar bem os períodos para verificarmos os
termos referentes dos pronomes indicados. Todos fazem referência
anafórica (a termos citados anteriormente no texto).
A dor quebra a unidade vivida do homem, transparente para si mesmo
enquanto goza de boa saúde, confiante em seus recursos, esquecido do
enraizamento físico de sua existência (existência de quem?), desde que
nenhum obstáculo se interponha entre seus projetos e o mundo.
De fato, na vida cotidiana o corpo se faz invisível, flexível; sua espessura é
apagada (a espessura de que é apagada?) pelas ritualidades sociais e pela
repetição incansável de situações próximas umas das outras.
EU VOU PASSAR !!

Aliás, esse ocultar o corpo da atenção do indivíduo leva René Leriche a definir a
saúde como “a vida no silêncio dos órgãos”. Georges Canguilhem acrescenta
que ela é um estado de “inconsciência (ela quem?) em que o sujeito é de seu
corpo”.
Gabarito: B

6) FCC/TJ/TRF 2/Administrativa/"Sem Especialidade"/2012


Atenção: A questão baseia-se no texto abaixo.
Quantas janelas você abre no computador enquanto checa seus e-mails e
atualizações de amigos em redes sociais pelo celular? Você consegue cozinhar,
conversar ao telefone e pôr o bebê para dormir com igual competência?
Cuidado. O bombardeio de informações e a quantidade de tarefas a serem
executadas ao mesmo tempo podem comprometer sua capacidade de
concentração e, no final das contas, você acabará não fazendo nada direito. Ter
um perfil multitarefeiro, associado à "geração Y" − jovens nascidos nos anos 80

Prof. Bruno Spencer 20 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

− pode também ser sinônimo de falta de atenção e de trabalho mal feito, o que
afeta a empregabilidade.
Com a demanda de informação nos dias de hoje, em que um incidente em
qualquer canto pode repercutir em vários países ao redor do mundo, o tempo
de concentração diminuiu. Do ponto de vista dos departamentos de recursos
humanos, esse pouco tempo de concentração pode ser um problema para a
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

geração Y nas empresas, principalmente porque as organizações precisam da


dedicação de tempos longos a reuniões extensas.
A aposta em trabalhadores multitarefeiros está voltada para a quantidade de
informações que alguém pode absorver frente às diversas fontes e dados
eletrônicos disponíveis hoje. No entanto, as pesquisas mostram que aqueles que
mantêm foco em mais de uma atividade ao mesmo tempo são uma raridade. O
que se tem hoje são pessoas que, devido ao meio em que estão inseridas, se
tornaram "multitarefeiras crônicas", mas não conseguem ser boas nos atributos
relacionados ao multitarefismo: prestar atenção somente ao conteúdo
relevante, armazená-lo na memória e alternar o foco nas tarefas.
Um pesquisador alerta, no entanto, que as pessoas, de modo geral, já sentem
estresse e vários problemas emocionais relacionados à correria da multitarefa.
Pouco tempo de descanso, cabeça atolada de problemas e impossibilidade de
concentração por mais de 20 minutos em uma leitura, por exemplo, são
características marcantes das mentes altamente atarefadas. "A sociedade,
normalmente, comete um terrível engano ao encorajar as pessoas a realizarem
multitarefas", diz.
(Maíra Lie Chao. Planeta, São Paulo, Editora Três, julho de 2011, p. 4246, com
adaptações)
EU VOU PASSAR !!

... devido ao meio em que estão inseridas ... (3o parágrafo)


O segmento denota, no contexto, noção de
a) causa.
b) condição.
c) consequência.
d) finalidade.
e) temporalidade.
Comentários:
“O que se tem hoje são pessoas que, devido ao meio em que estão inseridas,
se tornaram "multitarefeiras crônicas" “
A questão é bem simples, exigindo do candidato o reconhecimento do valor
semântico do segmento acima. Note que o uso da conjunção causal “devido”

Prof. Bruno Spencer 21 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

já nos dá uma dica. De fato, a oração em análise é causa da oração seguinte


“se tornaram "multitarefeiras crônicas”.
Gabarito: A

7) FCC/AJ/TRE RO/Judiciária/2013
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

Atenção: Considere o texto abaixo para responder à questão.


Pintor, gravador e vitralista, Marc Chagall estudou artes plásticas na Academia
de Arte de São Petersburgo. Seguindo para Paris em 1910, ligou-se aos poetas
Blaise Cendrars, Max Jacob e Apollinaire − e aos pintores Delaunay, Modigliani
e La Fresnay.
A partir daí, trabalhou intensamente para integrar o seu mundo de
reminiscências e fantasias na linguagem moderna derivada do fauvismo e do
cubismo.
Na década de 30, o clima de perseguição e de guerra repercute em sua pintura,
onde surgem elementos dramáticos, sociais e religiosos. Em 1941, parte para
os EUA, onde sua esposa falece (1944). Chagall mergulha, então, em um
período de evocações, quando conclui o quadro "Em torno dela", que se tornou
uma síntese de todos os seus temas.
(Adaptado de: educação.uol.com.br/biografias/marcchagall. html)

No texto, evita-se a repetição do termo onde (3o parágrafo), substituindo o


segmento onde surgem por:
a) em que apresenta.
EU VOU PASSAR !!

b) cuja apresenta.
c) que apresentam.
d) que passa a apresentar.
e) na qual apresenta-se.
Comentários:
No período acima, o pronome relativo “onde” foi utilizado substituindo “em sua
pintura”, porém com função de adjunto adverbial de lugar. Vamos explicar
colocando a oração em ordem direta:
elementos dramáticos, sociais e religiosos (sujeito) surgem (V Intansitivo) em
sua pintura (onde) – AAV de lugar
Alternativa A – Incorreta – Ao utilizarmos o termo “que apresenta”, o sujeito da
oração passa a ser “que” referindo-se a “sua pintura”, por isso não cabe a
preposição “em”, pois não se pode preposicionar o sujeito. Por outro lado,
se usarmos a forma passiva poderíamos utilizar a expressão “em que”.

Prof. Bruno Spencer 22 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

“... em sua pintura, em que se apresentam/em que são apresentados


elementos dramáticos, sociais e religiosos”
Alternativa B – Incorreta – O pronome “cuja” é inadequado para o texto, pois
indica posse.
Alternativa C – Incorreta – A forma é incorreta, pois, o sujeito passaria a ser
“que” se referindo a “sua pintura” devendo o verbo “apresentar” ser flexionado
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

no singular.
“... em sua pintura, que apresenta elementos dramáticos, sociais e religiosos”
Alternativa D – Correta – Aqui, o termo “sua pintura” passa a ser o sujeito da
oração, no entanto a correção e sentido da oração são preservados.
“... em sua pintura, que passa a apresentar elementos dramáticos, sociais e
religiosos”
Alternativa E – Incorreta – A alternativa estaria correta, se o verbo
“apresentar-se” estivesse no plural concordando com o sujeito passivo
“elementos dramáticos, sociais e religiosos”, constituindo-se a forma PASSIVA
SINTÉTICA.
“... em sua pintura, na qual apresentam-se/na qual são apresentados
elementos dramáticos, sociais e religiosos”
Gabarito: D

8) FCC/AJ/TRT 19/Judiciária/"Sem Especialidade"/2014


Atenção: Para responder à questão, considere o texto abaixo.
EU VOU PASSAR !!

O MAQUINISTA empurra a manopla do acelerador. O trem cargueiro começa a


avançar pelos vastos e desertos prados do Cazaquistão, deixando para trás a
fronteira com a China.
O trem segue mais ou menos o mesmo percurso da lendária Rota da Seda,
antigo caminho que ligava a China à Europa e era usado para o transporte de
especiarias, pedras preciosas e, evidentemente, seda, até cair em desuso, seis
séculos atrás.
Hoje, a rota está sendo retomada para transportar uma carga igualmente
preciosa: laptops e acessórios de informática fabricados na China e enviados
por trem expresso para Londres, Paris, Berlim e Roma.
A Rota da Seda nunca foi uma rota única, mas sim uma teia de caminhos
trilhados por caravanas de camelos e cavalos a partir de 120 a.C., quando Xi'an
− cidade do centro-oeste chinês, mais conhecida por seus guerreiros de
terracota − era a capital da China.
As caravanas começavam cruzando os desertos do oeste da China, viajavam
por cordilheiras que acompanham as fronteiras ocidentais chinesas e então
percorriam as pouco povoadas estepes da Ásia Central até o mar Cáspio e além.

Prof. Bruno Spencer 23 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

Esses caminhos floresceram durante os primórdios da Idade Média. Mas, à


medida que a navegação marítima se expandiu e que o centro político da China
se deslocou para Pequim, a atividade econômica do país migrou na direção da
costa.
Hoje, a geografia econômica está mudando outra vez. Os custos trabalhistas
nas cidades do leste da China dispararam na última década. Por isso as
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

indústrias estão transferindo sua produção para o interior do país.


O envio de produtos por caminhão das fábricas do interior para os portos de
Shenzhen ou Xangai − e de lá por navios que contornam a Índia e cruzam o
canal de Suez − é algo que leva cinco semanas. O trem da Rota da Seda reduz
esse tempo para três semanas. A rota marítima ainda é mais barata do que o
trem, mas o custo do tempo agregado por mar é considerável.
Inicialmente, a experiência foi realizada nos meses de verão, mas agora
algumas empresas planejam usar o frete ferroviário no próximo inverno boreal.
Para isso adotam complexas providências para proteger a carga das
temperaturas que podem atingir 40 °C negativos.
(Adaptado de: www1.folhauol.com.br/FSP/newyorktimes/122473)

Há relação de causa e consequência, respectivamente, entre


a) o aumento dos custos trabalhistas no leste da China e a atual transferência
da produção industrial para o interior do país.
b) a redução de tempo no atual transporte por trem na Rota da Seda e a
aceleração da venda de produtos de informática.
c) o uso de caminhões para o transporte de carga e a atual mudança da
EU VOU PASSAR !!

geografia econômica da China.


d) a retomada do transporte de mercadorias pela Rota da Seda e o aumento
nos custos do transporte marítimo.
e) a suspensão do uso da Rota da Seda no fim da Idade Média e a diminuição
na demanda do Ocidente por especiarias e seda.
Comentários:
Alternativa A – Correta – “Os custos trabalhistas nas cidades do leste da China
dispararam na última década. (causa) Por isso as indústrias estão transferindo
sua produção para o interior do país. (consequência)”
Alternativa B – Incorreta – O texto não aponta relação causal entre a diminuição
do “tempo no atual transporte por trem na Rota da Seda e a aceleração da
venda de produtos de informática”. Ele apenas indica que, hoje, está sendo
utilizada para esse transporte.

Prof. Bruno Spencer 24 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

“Hoje, a rota está sendo retomada para transportar uma carga igualmente
preciosa: laptops e acessórios de informática fabricados na China e enviados
por trem expresso para Londres, Paris, Berlim e Roma.”
Alternativa C – Incorreta – Não há relação de causa.
Alternativa D – Incorreta – O texto informa que o transporte marítimo é, na
verdade, mais barato, porém agrega custo devido ao tempo que leva para
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

chegar ao destino.
Alternativa E – Incorreta – O texto não indica a causa por que a Rota da Seda
caiu em desuso.
Gabarito: A

9) FCC/TJ/TRT 15/Apoio Especializado/Enfermagem/2015


Atenção: Para responder à questão, considere o texto abaixo.
O termo saudade, monopólio sentimental da língua portuguesa, geralmente se
traduz em alemão pela palavra “sehnsucht”. No entanto, as duas palavras têm
uma história e uma carga sentimental diferentes. A saudade é um sentimento
geralmente voltado para o passado e para os conteúdos perdidos que o passado
abrigava. Embora M. Rodrigues Lapa, referindo-se ao sentimento da saudade
nos povos célticos, empregue esse termo como “ânsia do infinito”, não é esse o
uso mais generalizado. Emprega-se a palavra, tanto na linguagem corrente
como na poesia, principalmente com referência a objetos conhecidos e amados,
mas que foram levados pela voragem do tempo ou afastados pela distância.
A “sehnsucht” alemã abrange ao contrário tanto o passado como o futuro.
Quando usada com relação ao passado, é mais ou menos equivalente ao termo
EU VOU PASSAR !!

português, sem que, contudo, lhe seja inerente toda a escala cromática de
valores elaborados durante uma longa história de ausências e surgidos em
consequência do temperamento amoroso e sentimental do português. Falta à
palavra alemã a riqueza etimológica, o eco múltiplo que ainda hoje vibra na
palavra portuguesa.
A expressão “sehnsucht”, todavia, tem a sua aplicação principal precisamente
para significar aquela “ânsia do infinito” que Rodrigues Lapa atribuiu à saudade.
No uso popular e poético emprega-se o termo com frequência para exprimir a
aspiração a estados ou objetos desconhecidos e apenas pressentidos ou
vislumbrados, os quais, no entanto, se julgam mais perfeitos que os conhecidos
e os quais se espera alcançar ou obter no futuro.
Assim, a saudade parece ser, antes de tudo, um sentimento do coração
envelhecido que relembra os tempos idos, ao passo que a “sehnsucht” seria a
expressão da adolescência que, cheia de esperanças e ilusões, vive com o olhar
firmado num futuro incerto, mas supostamente prometedor. Ambas as palavras
têm certa equivalência no tocante ao seu sentido intermediário, ou seja, à sua
ambivalência doce-amarga, ao seu oscilar entre a satisfação e a insatisfação.

Prof. Bruno Spencer 25 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

Mas, como algumas de suas janelas dão para o futuro, a palavra alemã é
portadora de um acento menos lânguido e a insatisfação nela contida
transforma-se com mais facilidade em mola de ação.
(Adaptado de: ROSENFELD, Anatol. Doze estudos. São Paulo, Imprensa oficial
do Estado, 1959, p. 2527)
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

... sem que, contudo, lhe seja inerente toda a escala cromática de valores...
(2º parágrafo)
... um sentimento do coração envelhecido que relembra os tempos idos (4º
parágrafo)
... a insatisfação nela contida transforma-se com mais facilidade em mola de
ação. (4o parágrafo)
Os elementos destacados acima referem-se, no contexto, respectivamente, a:
a) “sehnsucht” alemã − tempos idos − mola de ação
b) termo português − saudade − palavra alemã
c) escala cromática de valores − tempos idos − insatisfação
d) “sehnsucht” alemã − coração envelhecido − palavra alemã
e) escala cromática de valores − coração envelhecido − mola de ação
Comentários:
 “A “sehnsucht” alemã abrange ao contrário tanto o passado como o futuro.
Quando usada com relação ao passado, é mais ou menos equivalente ao
termo português, sem que, contudo, lhe seja inerente toda a escala
EU VOU PASSAR !!

cromática de valores...”
...sem que, contudo, toda a escala cromática de valores seja inerente a ela (a
“sehnsucht” alemã).

 “Assim, a saudade parece ser, antes de tudo, um sentimento do coração


envelhecido que relembra os tempos idos...”
Quem relembra os tempos idos?? O coração envelhecido, claro.

 Mas, como algumas de suas janelas dão para o futuro, a palavra alemã é
portadora de um acento menos lânguido e a insatisfação nela contida
transforma-se com mais facilidade em mola de ação. “
Onde está contida a insatisfação? Na palavra alemã.
Gabarito: D

Prof. Bruno Spencer 26 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

10) FCC/ACI (CGM São Luís)/Pref SL/Abrangência Geral/2015


Atenção: A questão refere-se ao texto que segue.
Pretende-se discutir aqui alguns aspectos da obra de Gilberto Freyre focalizando
seu livro de estreia, Casa-grande & senzala, cuja publicação em 1933 levanta
questões até hoje importantes para o entendimento do passado brasileiro.
Cabe observar, antes de prosseguir, que o debate intelectual sobre os destinos
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

do país estava, naquele momento(a), profundamente marcado pelo tema da


mestiçagem.
Mas a mestiçagem, isto é, o contato sexual entre grupos étnicos distintos,
costumava ser apresentada como um problema: ora implicava esterilidade −
biológica e cultural −, inviabilizando assim o desenvolvimento nacional, ora
retardava o completo domínio da raça branca, dificultando o acesso do Brasil
aos valores da civilização ocidental.
O enorme impacto produzido pelo surgimento da obra, que(b) aprofundava a
contribuição pioneira de alguns outros autores como Manuel Quirino, Lima
Barreto e Manoel Bomfim, concorreu para alterar essa avaliação(c), ao enfatizar
não só o valor específico das influências indígenas e africanas, como também a
dignidade da híbrida e instável articulação de tradições que(d) teria
caracterizado a colonização portuguesa. Isso(e) só foi possível, segundo o
próprio Gilberto, pelo seu vínculo com a antropologia americana e com a
orientação relativista de Franz Boas − ele obteve um título de mestre em
Columbia, em 1922 − que lhe teria permitido separar a noção de raça da de
cultura e conferir a esta última primazia na análise da vida social.
(ARAÚJO, Ricardo Benzaquen de. "Chuvas de verão. 'Antagonismos em
equilíbrio' em Casagrande & senzala de Gilberto Freyre. In: Um enigma
EU VOU PASSAR !!

chamado Brasil: 29 intérpretes e um país. André Botelho e Lilia Moritz


Schwarcz (oganizadores). São Paulo: Companhia das Letras, 2009, p. 200)

Associam-se corretamente um segmento do texto e o trecho que ele retoma,


precisamente demarcado, em:
a) naquele momento / do passado brasileiro.
b) que / impacto.
c) essa avaliação / o acesso do Brasil aos valores da civilização ocidental.
d) que / a híbrida e instável articulação de tradições.
e) Isso / a colonização portuguesa.
Comentários:
Alternativa A – Incorreta – O AAV “naquele momento” retoma o ano de 1993,
quando foi publicada a obra de Gilberto Freire. É o único momento citado no
texto.

Prof. Bruno Spencer 27 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

“Pretende-se discutir aqui alguns aspectos da obra de Gilberto Freyre


focalizando seu livro de estreia, Casa-grande & senzala, cuja publicação em
1933 levanta questões até hoje importantes para o entendimento do passado
brasileiro.
Cabe observar, antes de prosseguir, que o debate intelectual sobre os destinos
do país estava, naquele momento, profundamente marcado pelo tema da
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

mestiçagem. “
Alternativa B – Incorreta – O pronome relativo “que” retoma “obra” e equivale
a “a qual”.
“O enorme impacto produzido pelo surgimento da obra, que/a qual
aprofundava a contribuição pioneira de alguns outros autores...”
Alternativa C – Incorreta – O termo “essa avaliação” refere-se ao fato de julgar-
se a mestiçagem um problema.
“Mas a mestiçagem, isto é, o contato sexual entre grupos étnicos distintos,
costumava ser apresentada como um problema: ora implicava esterilidade −
biológica e cultural −, inviabilizando assim o desenvolvimento nacional, ora
retardava o completo domínio da raça branca, dificultando o acesso do Brasil
aos valores da civilização ocidental.
O enorme impacto produzido pelo surgimento da obra, que aprofundava a
contribuição pioneira de alguns outros autores como Manuel Quirino, Lima
Barreto e Manoel Bomfim, concorreu para alterar essa avaliação
Alternativa D – Correta – O pronome relativo “que” retoma o termo equivalendo
ao pronome “a qual”.
“ao enfatizar não só o valor específico das influências indígenas e africanas,
EU VOU PASSAR !!

como também a dignidade da híbrida e instável articulação de tradições que


teria caracterizado a colonização portuguesa.
Alternativa E – Incorreta – O pronome “isso” refere-se a todo o período anterior
que trata da contribuição da obra para a mudança de perspectiva em relação à
colonização portuguesa.
“O enorme impacto produzido pelo surgimento da obra, que aprofundava a
contribuição pioneira de alguns outros autores como Manuel Quirino, Lima
Barreto e Manoel Bomfim, concorreu para alterar essa avaliação, ao enfatizar
não só o valor específico das influências indígenas e africanas, como também a
dignidade da híbrida e instável articulação de tradições que teria caracterizado
a colonização portuguesa. Isso só foi possível, segundo o próprio Gilberto, pelo
seu vínculo com a antropologia americana e com a orientação relativista de
Franz Boas...
Gabarito: D

11) FCC/AJ/TRE PB/Administrativa/2015

Prof. Bruno Spencer 28 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

Atenção: Considere o texto abaixo para responder à questão.


O rio Paraíba corria bem próximo ao cercado. Chamavam-no "o rio". E era tudo.
Em tempos antigos fora muito mais estreito. Os marizeiros e as ingazeiras
apertavam as duas margens e as águas corriam em leito mais fundo. Agora era
largo e, quando descia nas grandes enchentes, fazia medo. Contava-se o tempo
pelas eras das cheias. Isto se deu na cheia de 93, aquilo se fez depois da cheia
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

de 68. Para nós meninos, o rio era mesmo a nossa serventia nos tempos de
verão, quando as águas partiam e se retinham nos poços. Os moleques saíam
para lavar os cavalos e íamos com eles. Havia o Poço das Pedras, lá para as
bandas da Paciência. Punham-se os animais dentro d’água e ficávamos nos
banhos, nos cangapés. Os aruás cobriam os lajedos, botando gosma pelo casco.
Nas grandes secas o povo comia aruá que tinha gosto de lama. O leito do rio
cobria-se de junco e faziam-se plantações de batata-doce pelas vazantes. Era o
bom rio da seca a pagar o que fizera de mau nas cheias devastadoras. E quando
ainda não partia a corrente, o povo grande do engenho armava banheiros de
palha para o banho das moças. As minhas tias desciam para a água fria do
Paraíba que ainda não cortava sabão.
O rio para mim seria um ponto de contato com o mundo. Quando estava ele de
barreira a barreira, no marizeiro maior, amarravam a canoa que Zé Guedes
manobrava.
Vinham cargueiros do outro lado pedindo passagem. Tiravam as cangalhas dos
cavalos e, enquanto os canoeiros remavam a toda a força, os animais, com as
cabeças agarradas pelo cabresto, seguiam nadando ao lado da embarcação.
Ouvia então a conversa dos estranhos. Quase sempre eram aguardenteiros
contrabandistas que atravessavam, vindos dos engenhos de Itambé com
destino ao sertão. Falavam do outro lado do mundo, de terras que não eram de
EU VOU PASSAR !!

meu avô. Os grandes do engenho não gostavam de me ver metido com aquela
gente. Às vezes o meu avô aparecia para dar gritos. Escondia-me no fundo da
canoa até que ele fosse para longe. Uma vez eu e o moleque Ricardo chegamos
na beira do rio e não havia ninguém. O Paraíba dava somente um nado e corria
no manso, sem correnteza forte. Ricardo desatou a corda, meteu-se na canoa
comigo, e quando procurou manobrar era impossível. A canoa foi descendo de
rio abaixo aos arrancos da água. Não havia força que pudesse contê-la.
Pus-me a chorar alto, senti-me arrastado para o fim da terra. Mas Zé Guedes,
vendo a canoa solta, correu pela beira do rio e foi nos pegar quase que no Poço
das Pedras. Ricardo nem tomara conhecimento do desastre. Estava sentado na
popa. Zé Guedes porém deu-lhe umas lapadas de cinturão e gritou para mim:
− Vou dizer ao velho!
Não disse nada. Apenas a viagem malograda me deixou alarmado. Fiquei com
medo da canoa e apavorado com o rio. Só mais tarde é que voltaria ele a ser
para mim mestre de vida.

Prof. Bruno Spencer 29 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

(REGO, José Lins do. "O Rio". In: VV.AA. O Melhor da Crônica Brasileira. Rio
/de Janeiro: José Olympio Editora, 1997, p. 43)

Só mais tarde é que voltaria ele a ser para mim mestre de vida. (último
parágrafo)
Não havia força que pudesse contê-la. (3º parágrafo)
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

Nas grandes secas o povo comia aruá que tinha gosto de lama. (1º parágrafo)
Nas frases acima, os pronomes sublinhados referem-se respectivamente a:
a) rio − canoa − aruá
b) Zé Guedes − água − aruá
c) rio − correnteza − povo
d) Zé Guedes − canoa − povo
e) Zé Guedes − correnteza – aruá
Comentários:
O pronome “ele” refere-se ao rio. Repare que ele, o rio, é quem ocupa o centro
do texto.
 Não disse nada. Apenas a viagem malograda me deixou alarmado. Fiquei
com medo da canoa e apavorado com o rio. Só mais tarde é que voltaria
ele a ser para mim mestre de vida.
A canoa é que precisava ser detida para não descer rio abaixo.
 A canoa foi descendo de rio abaixo aos arrancos da água. Não havia força
EU VOU PASSAR !!

que pudesse contê-la.


O que tinha gosto de lama? Os aruás.
 Nas grandes secas o povo comia aruá que tinha gosto de lama.
Gabarito: A

12) FCC/TJ/TRT 6/Administrativa/Segurança/2012


Atenção: A questão refere-se ao texto seguinte.
Os livros de história sempre tiveram dificuldade em falar de mulheres que não
respeitam os padrões de gênero, e em nenhuma área essa limitação é tão
evidente como na guerra e no que se refere ao manejo de armas.
No entanto, da Antiguidade aos tempos modernos a história é fértil em relatos
protagonizados por guerreiras. Com efeito, a sucessão política regularmente
coloca uma mulher no trono, por mais desagradável que essa verdade soe.
Sendo as guerras insensíveis ao gênero e ocorrendo até mesmo quando uma
mulher dirige o país, os livros de história são obrigados a registrar certo número

Prof. Bruno Spencer 30 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

de guerreiras levadas, consequentemente, a se comportar como qualquer


Churchill, Stálin ou Roosevelt.
Semíramis de Nínive, fundadora do Império Assírio, e Boadiceia, que liderou
uma das mais sangrentas revoltas contra os romanos, são dois exemplos. Esta
última, aliás, tem uma estátua à margem do Tâmisa, em frente ao Big Ben, em
Londres. Não deixemos de cumprimenta-la caso estejamos passando por ali.
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

Em compensação, os livros de história são, em geral, bastante discretos sobre


as guerreiras que atuam como simples soldados, integrando os regimentos e
participando das batalhas contra exércitos inimigos em condições idênticas às
dos homens. Essas mulheres, contudo, sempre existiram. Praticamente
nenhuma guerra foi travada sem alguma participação feminina.
(Adaptado de Stieg Larsson. A rainha do castelo de ar. São Paulo: Cia. das
Letras, 2009. p. 78)

Com efeito, a sucessão política regularmente coloca uma mulher no trono, por
mais desagradável que essa verdade soe.
Uma redação alternativa para a frase acima, em que se mantêm a correção, a
lógica e, em linhas gerais, o sentido original, é:
a) Embora a sucessão política regularmente coloca uma mulher no trono, por
mais desagradável que soe essa verdade, isso é fato.
b) Realmente, porquanto soe desagradável essa verdade, a sucessão política
coloca, regularmente uma mulher no trono.
c) De fato, embora essa verdade soe desagradável, a sucessão política costuma
colocar uma mulher no trono.
EU VOU PASSAR !!

d) Para todos os efeitos, soa desagradável a verdade de que a sucessão política


frequentemente se coloca uma mulher no trono.
e) Conquanto a sucessão política, regularmente, coloque uma mulher no trono
soam a alguns desagradável essa verdade.
Comentários:
Com efeito (afirmação), a sucessão política regularmente coloca uma mulher
no trono, por mais desagradável que (concessão) essa verdade soe.
Repare que no período acima, há dois conectores, um com valor afirmativo e
o outro com valor concessivo. Para mantermos a coerência da frase ela
deverá ser reescrita com conectores de mesmos valores nos respectivos
lugares.
Alternativa A – Incorreta – O uso de duas conjunções concessivas tornou a frase
incoerente.
Embora (concessiva) a sucessão política regularmente coloca uma mulher no
trono, por mais desagradável que (concessiva) soe essa verdade, isso é fato.

Prof. Bruno Spencer 31 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

Alternativa B – Incorreta – A banca trocou a conjunção “conquanto” = embora


= ainda que pela conjunção de causa ou explicação “porquanto”, o que deixou
o período incoerente. Há também uma colocação equivocada de vírgula após
“coloca”, separando o verbo de seu complemento.
Realmente (afirmação), porquanto (causa/explicação) soe desagradável essa
verdade, a sucessão política coloca, regularmente uma mulher no trono.
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

Alternativa C – Correta – A construção manteve o padrão original, mesmo


modificando a ordem das orações.
De fato (afirmação), embora (concessiva) essa verdade soe desagradável, a
sucessão política costuma colocar uma mulher no trono.
Alternativa D – Incorreta – Com as correções propostas abaixo, o período ficaria
gramaticalmente correto, no entanto não mantém o mesmo sentido do período
original, que tem ideia de oposição (concessão) entre os dois fatos.
Para todos os efeitos, soa desagradável a verdade de que a sucessão política
frequentemente se coloca uma mulher no trono.
Alternativa E – Incorreta – Embora não tenha utilizado o conectivo de afirmação,
a alternativa estaria corretamente grafada, caso não houvesse o erro de
concordância no verbo SOAR e a omissão da vírgula que separa as orações
subordinadas.
Conquanto (concessiva) a sucessão política, regularmente, coloque uma mulher
no trono, soam soa a alguns desagradável essa verdade.
Gabarito: C
EU VOU PASSAR !!

13) FCC/TJ/TRE RO/Administrativa/2013


Atenção: Considere o texto abaixo para responder à questão.
"Temos de agir agora para evitar o pior", comentou o agrônomo Eduardo Assad,
pesquisador da Embrapa, ao apresentar as conclusões de um dos capítulos do
primeiro relatório do Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas − PBMC. Os
pesquisadores esperam que as informações sirvam para nortear a elaboração e
a implantação de políticas públicas e o planejamento das empresas.
Os desafios apontados no relatório são muitos. Ele indica que as consequências
da elevação da temperatura média global serão dramáticas no Brasil. De acordo
com os modelos computacionais de simulação do clima, a agricultura será o
setor mais afetado, por causa das alterações nos regimes de chuva. "Mesmo
que a quantidade de chuva fique inalterada, a disponibilidade de umidade do
solo deve diminuir, em consequência da elevação da temperatura média anual,
que intensifica a evapotranspiração", diz outro especialista. Segundo ele, esse
fenômeno deve prejudicar os cultivos agrícolas em regiões onde a escassez de
água é constante, como o semiárido nordestino.

Prof. Bruno Spencer 32 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

Uma provável consequência da redução da produtividade agrícola e da área de


terras aptas à agricultura é a queda na renda das populações, intensificando a
pobreza e a migração da área rural para as cidades que, por sua vez, deve
agravar os problemas de infraestrutura (habitação, escola, saúde, transporte e
saneamento).
Os efeitos na agricultura já podem ser dimensionados. "De 1990 a 2010, a
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

intensidade da precipitação dobrou na região do cerrado", diz Assad, "e o padrão


tecnológico atual da agricultura ainda não se adaptou a esses novos padrões".
Agora, segundo ele, torna-se imperioso investir intensivamente em sistemas
agrícolas consorciados, e não somente na produção agrícola solteira, de modo
a aumentar a fixação biológica de nitrogênio, reduzir o uso de fertilizantes e
aumentar a rotação de culturas. "Temos de aumentar a produtividade agrícola
no Centro-Oeste, Sudeste e Sul, para evitar a destruição da Amazônia. A
reorganização do espaço rural brasileiro agora é urgente."
Cheias e secas mais frequentes e intensas devem causar uma redução na
produção agrícola também por outra razão. Pesquisadores da Embrapa
concluíram que algumas doenças − principalmente as causadas por fungos − e
pragas podem se agravar em muitas culturas analisadas, em decorrência da
elevação dos níveis de CO2 do ar, da temperatura e da radiação ultravioleta,
acenando com a possibilidade de aumento de preços e redução da variedade de
cereais, hortaliças e frutas.
Cheias e secas devem também alterar a vazão dos rios e prejudicar o
abastecimento dos reservatórios das hidrelétricas, acelerar a acidificação da
água do mar e reduzir a biodiversidade dos ambientes aquáticos brasileiros. A
perda de biodiversidade dos ambientes naturais deve se agravar; alguns já
perderam uma área expressiva – o cerrado, 47%, e a caatinga, 44% − a ponto
EU VOU PASSAR !!

de os especialistas questionarem se a recuperação do equilíbrio biológico


característico desses ambientes seria mesmo possível.
(Adaptado de: FIORAVANTI, Carlos. Revista FAPESP, agosto de 2013, p. 23 e
24)
"Mesmo que a quantidade de chuva fique inalterada, a disponibilidade de
umidade do solo deve diminuir, em consequência da elevação da temperatura
média anual, que intensifica a evapotranspiração", diz outro especialista. (2º
parágrafo)
Redigida de modo diverso, mantém-se o sentido original da fala do especialista,
com clareza e articulação lógica correta, em:
a) Tendo-se elevado a temperatura média anual, com a perda de água do solo,
a quantidade de chuva permanece ainda sem alteração e ainda mais, a umidade
do solo não se mantém disponível.
b) Contanto que se mantenha a precipitação de chuvas nas áreas destinadas à
agricultura, com intensificação da perda de água do solo, haverá uma
diminuição, como resultado do aumento da temperatura média anual.

Prof. Bruno Spencer 33 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

c) Enquanto que, com a manutenção da quantidade de chuva, o aumento da


perda de água é consequência da elevação da temperatura média anual, com
intensidade maior no solo.
d) Ainda que se mantenha a precipitação pluvial, haverá diminuição de áreas
aptas à agricultura, resultante da intensificação da perda de água do solo,
devido ao aumento da temperatura média anual.
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

e) Sem redução da quantidade de chuva, no entanto, o solo permanece menos


úmido, mesmo com o aumento da temperatura média anual, ampliando a perda
de água por transpiração.
Comentários:
"Mesmo que a quantidade de chuva fique inalterada, a disponibilidade de
umidade do solo deve diminuir, em consequência da elevação da temperatura
média anual, que intensifica a evapotranspiração", diz outro especialista. “
Alternativa A – Incorreta – Que confusão foi feita do período original...
Alternativa B – Incorreta – A conjunção “contanto que” tem valor condicional
enquanto a expressão na oração original traz um valor concessivo.
Alternativa C – Incorreta – A frase está incoerente devido ao uso indevido do
termo “enquanto que”.
Alternativa D – Correta – As conjunções “ainda que” e mesmo que” são
equivalentes. Além disso, foi mantida a coerência na argumentação do período.
Alternativa E – Incorreta – O uso incorreto dos conectivos “no entanto” e
“mesmo com” provocou o erro no período, o qual ficaria correto da seguinte
maneira:
EU VOU PASSAR !!

Mesmo sem redução da quantidade de chuva, no entanto, o solo permanece


menos úmido, mesmo com devido ao aumento da temperatura média anual,
ampliando a perda de água por transpiração.
Gabarito: D

14) FCC/Cons Leg (Cam Mun SP)/Biblioteconomia/2014


Atenção: A questão referem-se ao texto seguinte.
[Representações da infância]
Para vários escritores, as origens de suas narrativas estão na infância e na
juventude, cujo mundo é uma promessa de um futuro livro. A memória incerta
e nebulosa do passado acende o fogo de uma ficção no tempo presente.
Cada escritor elege seu paraíso. E a infância, um paraíso perdido para sempre,
pode ser reinventada pela literatura. Mas há também vestígios de inferno no
passado, e isso também interessa ao escritor. Traumas, decepções, desilusões

Prof. Bruno Spencer 34 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

e conflitos alimentam trançados de eventos, tramas sutis ou escabrosas,


veladas ou escancaradas.
Cenas e conversas que presenciamos − ou que foram narradas por amigos e
parentes − permanecem na nossa memória com a força de algo verdadeiro, que
nos toca e inquieta. A infância, com seus sonhos e pesadelos, é prato cheio para
a psicanálise, mas também para a literatura.
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

(HATOUM, Milton. Um solitário à espreita. São Paulo: Companhia das Letras,


2013. p. 180)

A frase A infância, com seus sonhos e pesadelos, é prato cheio para a


psicanálise, mas também para a literatura está reescrita de modo a conservar
o sentido, a correção e a clareza em:
a) Por meio de seus sonhos e pesadelos, a infância não é apenas prato cheio
para a literatura, e ainda o é para a psicanálise.
b) Tanto a literatura como a psicanálise absorvem o prato cheio da infância,
assim como seus sonhos e pesadelos.
c) Por constituir um prato cheio tanto para a psicanálise como a literatura, a
infância se apresenta com sonhos e pesadelos.
d) Constituída por sonhos e pesadelos, não só a psicanálise, pois também a
literatura, veem na infância o prato cheio.
e) Tanto a psicanálise como a literatura encontram na infância, com os sonhos
e pesadelos que ela encerra, um prato cheio.
Comentários:
EU VOU PASSAR !!

Alternativa A – Incorreta – A expressão “por meio de” tem valor semântico de


meio, enquanto a expressão original “com” tem valor de inclusão. Ainda, a
expressão “e ainda” deveria ser substituída por mas também.
Alternativa B – Incorreta – A frase distorceu o sentido da frase original.
Alternativa C – Incorreta – A alternativa pecou ao atribuir um valor de causa
ao fato de a infância “constituir um prato cheio tanto para a psicanálise como a
literatura”.
Alternativa D – Incorreta – Não clareza na frase proposta. Pelo contrário, a
forma como é construída leva o leitor a crer que a psicanálise é constituída de
sonhos e pesadelos.
Alternativa E – Correta
Gabarito: E

15) FCC/AJ/TRF 2/Apoio Especializado/Taquigrafia/2012


Atenção: Para responder à questão, considere o texto abaixo.

Prof. Bruno Spencer 35 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

As Cartas de amor de Fernando Pessoa a Ofélia Queiroz foram dadas a público


23 anos após a morte do poeta1; as cartas de Ofélia a Pessoa foram publicadas
recentemente2. Possuímos, assim, a íntegra da correspondência entre os dois.
O namoro teve duas fases. A primeira durou de março a novembro de 1920; a
segunda, de setembro de 1929 a janeiro de 1930. Da primeira fase, ficaram
trinta e tantas cartas; da segunda, pouco mais de uma dezena.
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

Ofélia foi, ao que se sabe, o único amor de Pessoa; Pessoa, o único amor de
Ofélia. O namoro foi intenso e tenso, breve no tempo factual, longo na duração
existencial; mas, como se diz vulgarmente, "não deu certo". Alguns dados
biográficos são necessários para se entender essas cartas; e naturalmente
insuficientes para se entender esse amor. Entender um amor é sempre uma
pretensão vã; considerando-se a complexidade do indivíduo-poeta em questão,
querer compreender melhor sua obra à luz dessa correspondência seria uma
pretensão desmedida.
1 Cartas de amor de Fernando Pessoa. Lisboa/Rio de Janeiro; Ática/Camões,
1978.
2 Lisboa, Assírio Alvim, 1996.
(Leyla Perrone-Moisés. "Sinceridade e ficção nas cartas de amor de Fernando
Pessoa". In: Prezado senhor, prezada senhora: estudos sobre cartas. Org.
Walnice Galvão, Nádia Battella Gotlib. São Paulo: Companhia das Letras,
2000, p. 175)

Ofélia foi [...] o único amor de Pessoa; Pessoa, o único amor de Ofélia.
Outra formulação para a frase acima que, preservando a clareza e a correção,
EU VOU PASSAR !!

gera sentido equivalente é:


a) Ofélia e Pessoa foram ambos o único amor.
b) Os dois − Ofélia e Pessoa − tiveram um único amor recíproco.
c) Os únicos amores de Ofélia e Pessoa foram eles próprios.
d) Ofélia e Pessoa amaram unicamente um ao outro.
e) Ofélia e Pessoa amaram-se unicamente a si próprios.
Comentários:
Alternativa A – Incorreta – A frase está incompleta, devendo ser complementada
pela expressão de reciprocidade “um do outro”.
Alternativa B – Incorreta – A frase peca ao não deixar claro que Ofélia foi o
amor recíproco de Pessoa.
Alternativa C – Incorreta – A frase não destacou o sentido de reciprocidade.
Alternativa D – Correta – A oração sintetizou com clareza e coerência o texto
proposto.

Prof. Bruno Spencer 36 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

Alternativa E – Incorreta – O sentido do texto ficou distorcido, pois um amava


o outro e não a si mesmos.
Gabarito: D

16) FCC/AJ/TRE SP/Apoio Especializado/Análise de


Sistemas/2012
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

Atenção: A questão refere-se ao texto abaixo.


Você está conectado?
Alguns anos atrás, a palavra "conectividade" dormia em paz, em desuso, nos
dicionários, lembrando vagamente algo como ligação, conexão. Agora, na era
da informática e de todas as mídias, a palavra pulou para dentro da cena e
ninguém mais admite viver sem estar conectado. Desconfio que seja este o
paradigma dominante dos últimos e dos próximos anos, em nossa aldeia global:
o primado das conexões.
No ônibus de viagem, de que me valho regularmente, sou quase uma ilha em
meio às mais variadas conexões: do vizinho da direita vaza a chiadeira de um
fone de ouvido bastante ineficaz; do rapazinho à esquerda chega a viva
conversa que mantém há quinze minutos com a mãe, pelo celular; logo à frente
um senhor desliza os dedos no laptop no colo, e se eu erguer um pouquinho os
olhos dou com o vídeo − um filme de ação − que passa nos quatro monitores
estrategicamente posicionados no ônibus. Celulares tocam e são atendidos
regularmente, as falas se cruzam, e eu nunca mais consegui me distrair com o
lento e mudo crepúsculo, na janela do ônibus.
Não senhor, não são inocentes e efêmeros hábitos modernos: a conectividade
EU VOU PASSAR !!

irrestrita veio para ficar e conduzir a humanidade a não sabemos qual destino.
As crianças e os jovens nem conseguem imaginar um mundo que não seja
movido pela fusão das mídias e surgimento de novos suportes digitais. Tanta
movimentação faz crer que, enfim, os homens estreitaram de vez os laços da
comunicação.
Que nada. Olhe bem para o conectado ao seu lado. Fixe-se nele sem receio, ele
nem reparará que está sendo observado. Está absorto em sua conexão, no
paraíso artificial onde o som e a imagem valem por si mesmos, linguagens
prontas em que mergulha para uma travessia solitária. A conectividade é, de
longe, o maior disfarce que a solidão humana encontrou. É disfarce tão eficaz
que os próprios disfarçados não se reconhecem como tais. Emitimos e cruzamos
frenéticos sinais de vida por todo o planeta: seria esse, Dr. Freud, o sintoma
maior de nossas carências permanentes?
(Coriolano Vidal, inédito)

A conectividade é, de longe, o maior disfarce que a solidão humana encontrou.

Prof. Bruno Spencer 37 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

A frase acima pode ser reescrita, sem prejuízo para a clareza, a correção e o
sentido, da seguinte forma:
a) À distância, a maior camuflagem da nossa solidão são os meios com que nos
conectamos.
b) Nenhum disfarce de nossa solidão chegou a ser mais eficaz do que o da
conectividade atual.
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

c) Nossa dissimulada solidão é preferível, como sempre foi, do que já foi nossa
ansiedade de comunicação.
d) Pela conectividade, mal conseguimos disfarçar a necessidade maior de
imergirmos em nossa solidão.
e) O disfarce de uma geral e efetiva conectividade oculta o fato de que jamais
superamos nossa solidão.
Comentários:
Alternativa A – Incorreta – A expressão “de longe” não indica distância, mas
sim intensidade.
Alternativa B – Correta – A frase manteve a clareza e o sentido da frase original.
Alternativa C – Incorreta – Além de não representar a frase original, a frase
proposta não tem coerência e nem mesmo correção gramatical, pois quem
prefere, prefere uma coisa a outra.
Alternativa D – Incorreta – O sentido da frase é totalmente diverso do original.
Alternativa E – Incorreta - Novamente, o sentido da frase original foi modificado.
Gabarito: B
EU VOU PASSAR !!

17) FCC/AJ/TRF 2/Judiciária/Execução de Mandados/2012


Atenção: A questão refere-se ao texto abaixo.
A natureza humana do monstro
Um antigo provérbio latino adverte: “Cuidado com o homem de um só livro”.
Hollywood, no entanto, conhece apenas um tema quando realiza filmes de
monstros, desde o arquetípico Frankenstein, de 1931, ao recente megassucesso
Parque dos dinossauros. A tecnologia humana não deve ir além de uma ordem
decretada deliberadamente por Deus ou estabelecida pelas leis da natureza.
Não importa quão benignos sejam os propósitos do transgressor, tamanha
arrogância cósmica não pode senão levar a tomates assassinos, enormes
coelhos com dentes afiados, formigas gigantes nos esgotos de Los Angeles ou
mesmo fenomenais bolhas assassinas que vão engolindo cidades inteiras ao
crescerem. Esses filmes, no entanto, originaram-se de livros muito mais sutis
e, nessa transmutação, distorceram suas fontes de modo a impedir até o mais
vago reconhecimento temático.

Prof. Bruno Spencer 38 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

A tendência começou em 1931, com Frankenstein, o primeiro grande filme


“falado” de monstro a sair de Hollywood, que determinou a sua temática através
da estratégia mais “despojada” que se poderia conceber. O filme começa com
um prólogo (antes mesmo da apresentação dos títulos), durante o qual um
homem bem vestido, em pé sobre o palco e com uma cortina atrás de si, adverte
os espectadores dos sustos que talvez levem. Em seguida, anuncia a temática
mais profunda do filme: a história de “um homem de ciência que buscou criar
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

um homem à sua própria semelhança, sem considerar os desígnios de Deus”.


O Frankenstein original de Shelley é um livro rico, com inúmeros temas, mas
encontro nele pouco que confirme a leitura hollywoodiana. O texto não é nem
uma diatribe acerca dos perigos da tecnologia, nem uma advertência sobre uma
ambição desmesurada contra a ordem natural. Não encontramos nenhuma
passagem que trate da desobediência a Deus − um assunto inverossímil para
Mary Shelley e seus amigos livres-pensadores.
Victor Frankenstein é culpado de uma grande deficiência moral, mas o seu crime
não consiste em transgredir uma ordem natural ou divina por meio da
tecnologia.
O seu monstro era um bom homem, num corpo assustadoramente medonho.
Victor fracassou porque cedeu a uma predisposição da natureza humana − o
asco visceral pela aparência do monstro − e não cumpriu o dever de qualquer
criador ou pai ou mãe: instruir a sua progênie e educar os outros para aceitála.
(Adaptado de Stephen Jay Gould. Dinossauro no palheiro. S. Paulo, Cia. das
Letras, 1997, p.7989)

... tamanha arrogância cósmica não pode senão levar a tomates assassinos,
EU VOU PASSAR !!

enormes coelhos com dentes afiados...


A frase acima pode ser reescrita, mantendo-se a correção e a lógica, com a
substituição do segmento grifado por:
a) pode levar tão somente a.
b) não pode levar a nada se não a.
c) não pode levar à exceção de.
d) pode levar a tudo menos a.
e) pode não levar apenas a salvo de.
Comentários:
Alternativa A – Correta – A expressão “não... senão” tem sentido equivalente
a somente/apenas.
Alternativa B – Incorreta – O sentido está incorreto pois trocou-se o termo
senão por “se não”.

Prof. Bruno Spencer 39 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

Alternativa C – Incorreta – A expressão “à exceção de” tem valor oposto a


somente/apenas.
Alternativa D – Incorreta - A expressão “tudo menos” tem valor oposto a
somente/apenas.
Alternativa E – Incorreta – A expressão “a salvo de” tem valor oposto a
somente/apenas.
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

Gabarito: A

18) FCC/AM/MPE PB/Analista de


Sistemas/Desenvolvedor/2015
Atenção: Considere o texto abaixo para responder à questão.
O que me moveu, inicialmente, a fazer este texto foi uma sensação produzida
por uma viagem ao Havaí. Sensação de que se é parte de um cenário. Na praia
de Waikiki, os hotéis têm lobbies que se comunicam, pontuados por belíssimos
(mas falsos) jardins tropicais, sem uma folha no chão, lagos com peixes
coloridos, tochas, belos gramados e, evidentemente, muitas lojas. Um filme de
Elvis Presley.
Honolulu é um dos milhares de exemplos a que podemos recorrer. A indústria
do turismo cria um mundo fictício de lazer, onde o espaço se transforma em
cenário e, desse modo, o real é transfigurado para seduzir e fascinar.
O espaço produzido pela indústria do turismo é o presente sem espessura, sem
história, sem identidade. O lugar é, em sua essência, produção humana, visto
que se transforma na relação entre espaço e sociedade. O sujeito pertence ao
lugar como este a ele. A indústria turística produz simulacros de lugares.
EU VOU PASSAR !!

Mas também se produzem modos de apropriação dos lugares. A indústria do


turismo produz um modo de estar em Nova York, Paris, Roma, Buenos Aires...
É evidente que não se pode dizer que essas cidades sejam simulacros, pois é
claro que não o são; entretanto, o pacote turístico ignora a identidade do lugar,
sua história e modo de vida, banalizando-os.
Os pacotes turísticos tratam o turista como mero consumidor, delimitando o que
deve ou não ser visto, além do tempo destinado a cada atração, num incessante
"veja tudo depressa".
Essa rapidez impede que os olhos desfrutem da paisagem. Passa-se em
segundos por séculos de civilização, faz-se tábula rasa da história de gerações
que se inscrevem no tempo e no espaço. Num autêntico tour de force
consentido, pouco espaço é destinado à criatividade. Por sua vez, o turista vê
sufocar um desejo que nem se esboçou, o de experimentar.
No fim do caminho, o cansaço; o olhar e os passos medidos em tempo produtivo,
que aqui se impõe sem que disso as pessoas se deem conta. Não cabem passos

Prof. Bruno Spencer 40 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

lentos, olhares perdidos. O lazer produz a mesma rotina massacrante,


controlada e vigiada que o trabalho.
Como indústria, o turismo não parece criar a perspectiva do lazer como
possibilidade de superação das alienações do cotidiano. Só a viagem como
descoberta, busca do novo, abre a perspectiva de recomposição do passo do
flâneur, daquele que se perde e que, por isso, observa. Walter Benjamin lembra
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

que "saber orientar-se em uma cidade não significa muito. No entanto, perder-
se numa cidade, como alguém se perde numa floresta, requer instrução".
(Adaptado de Ana Fani Alessandri Carlos. Disponível em:
http://www.cefetsp.br/edu/eso/lourdes/turismoproducaonaolugar.html)
... pois é claro que não o são... (4º parágrafo)
... banalizando-os. (4º parágrafo)
... que se inscrevem no tempo e no espaço. (6º parágrafo)
Os elementos sublinhados acima referem-se, respectivamente, a:
a) simulacros − a identidade do lugar, sua história e modo de vida − gerações
b) pacote turístico − modo de vida − tábula rasa
c) cidades − os pacotes turísticos − gerações
d) simulacros − os pacotes turísticos − história
e) pacote turístico − a identidade do lugar, sua história e modo de vida − tábula
rasa
Comentários:
Vamos fazer as correspondências pelas cores.
EU VOU PASSAR !!

“Mas também se produzem modos de apropriação dos lugares. A indústria do


turismo produz um modo de estar em Nova York, Paris, Roma, Buenos Aires...
É evidente que não se pode dizer que essas cidades sejam simulacros, pois é
claro que não o são; entretanto, o pacote turístico ignora a identidade do lugar,
sua história e modo de vida, banalizando-os.”
“Essa rapidez impede que os olhos desfrutem da paisagem. Passa-se em
segundos por séculos de civilização, faz-se tábula rasa da história de gerações
que se inscrevem no tempo e no espaço. Num autêntico tour de force
consentido, pouco espaço é destinado à criatividade. Por sua vez, o turista vê
sufocar um desejo que nem se esboçou, o de experimentar.”
Item 1 – “não se pode dizer que essas cidades sejam simulacros, pois é claro
que não o são” - (pois é claro que essas cidades não são simulacros)
Item 2 – “a identidade do lugar, sua história e modo de vida, banalizando-os.”
– (banalizando a identidade do lugar, sua história e modo de vida)
Item 3 – “... faz-se tábula rasa da história de gerações que se inscrevem no
tempo e no espaço. – (as gerações inscrevem-se no tempo e no espaço)

Prof. Bruno Spencer 41 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

Gabarito: A

19) FCC/AJ/TRE SP/Administrativa/"Sem Especialidade"/2017


Atenção: Para responder à questão, considere o texto abaixo.
Sandberg, que mudou totalmente o conceito espectador/obra de arte com o seu
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

trabalho de duas décadas no Museu Stedelijk, de Amsterdã, iniciou sua palestra


elogiando a arquitetura do nosso MAM-RJ que, segundo ele, segue a sua teoria
de que o público deve ver a obra de arte de frente e não de lado, como acontece
até agora com o museu convencional de quatro paredes. O ideal, disse ele, é
que as paredes do museu sejam de vidro e que as obras estejam à mostra em
painéis no centro do recinto. O museu não é uma estrutura sagrada e quem o
frequenta deve permanecer em contato com a natureza do lado de fora:
“A finalidade do museu de arte contemporânea é nos ajudar a ter consciência
da nossa própria época, manter um espelho na frente do espectador no qual ele
possa se reconhecer. Este critério nos leva também a mostrar a arte de todos
os tempos dentro do ambiente atual. Isso significa que devemos abolir o
mármore, o veludo, as colunas gregas, que são interpretações do século XIX.
Apenas a maior flexibilidade e simplicidade. A luz de cima é natural ao ar livre,
mas artificial ao interior. As telas são pintadas com luz lateral e devem ser
mostradas com luz lateral. A luz de cima nos permite encerrar o visitante entre
quatro paredes. Certos museólogos querem as quatro paredes para infligir o
maior número possível de pinturas aos pobres visitantes.
É de capital importância que o visitante possa caminhar em direção a um quadro
e não ao lado dele. Quando os quadros são apresentados nas quatro paredes,
o visitante tem de caminhar ao seu lado. Isso produz um efeito completamente
EU VOU PASSAR !!

diferente, especialmente se não queremos que ele apenas olhe para o trabalho,
mas o veja. Isso é ainda mais verdadeiro em relação aos grandes museus de
arte contemporânea. Eles são grandes porque o artista moderno quer nos
envolver com o seu trabalho e deseja que entremos em sua obra. Ao organizar
o nosso museu, devemos ter consciência da mudança de mentalidade da nova
geração. Abolir todas as marcas do establishment: uniformes, cerimoniais,
formalismo. Quando eu era jovem, as pessoas entravam nos museus nas pontas
dos pés, não ousavam falar ou rir alto, apenas cochichavam.
Realmente não sabemos se os museus, especialmente os de arte
contemporânea, devem existir eternamente. Foram criados numa época em que
a sociedade não estava bastante interessada nos trabalhos de artistas vivos. O
ideal seria que a arte se integrasse outra vez na vida diária, saísse para as ruas,
entrasse nas casas e se tornasse uma necessidade. Esta deveria ser a principal
finalidade do museu: tornar-se supérfluo”.
(Adaptado de: BITTENCOURT, Francisco. “Os Museus na Encruzilhada” [1974],
em Arte-Dinamite, Rio de Janeiro, Editora Tamanduá, 2016, p. 73-75)

Prof. Bruno Spencer 42 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

Considerando-se o contexto, mantêm-se as relações de sentido e a correção


gramatical substituindo-se
a) supérfluo por “imprescindível” (4º parágrafo)
b) abolir por “libertar” (2º parágrafo)
c) encerrar por “terminar” (2º parágrafo)
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

d) infligir por “impor” (2º parágrafo)


e) formalismo por “descompostura” (3º parágrafo)
Comentários:
Alternativa A – Incorreta – Supérfluo poderia ser substituído por PRESCIDÍVEL
(algo de que se pode abrir mão). O vocábulo “imprescindível” é justamente o
contrário.
Alternativa B – Incorreta – O verbo ABOLIR significa BANIR, EXTINGUIR.
Quando se fala em abolir a escravatura, fala-se em acabar com a escravatura.
“Isso significa que devemos abolir o mármore, o veludo, as colunas gregas”
Alternativa C – Incorreta – O verbo ENCERRAR foi empregado com o sentido de
LIMITAR, PRENDER.
“A luz de cima nos permite encerrar o visitante entre quatro paredes.”
Alternativa D – Correta – INFLINGIR = IMPOR
Alternativa E – Incorreta – O autor menciona o termo “formalismo” no sentido
de excesso de formalidades, o que nada tem a ver com “descompostura”.
Gabarito: D
EU VOU PASSAR !!

20) FCC/Ag OE/Pref Campinas/2016


Pechada
O apelido foi instantâneo. No primeiro dia de aula, o aluno novo já estava sendo
chamado de “Gaúcho”. Porque era gaúcho. Recém-chegado do Rio Grande do
Sul, com um sotaque carregado.
− Aí, Gaúcho!
− Fala, Gaúcho!
Perguntaram para a professora por que o Gaúcho falava diferente. A professora
explicou que cada região tinha seu idioma, mas que as diferenças não eram tão
grandes assim. Afinal, todos falavam português.
− Mas o Gaúcho fala “tu”! − disse o Jorge, que era quem mais implicava com o
novato.
− E fala certo − disse a professora. − Pode-se dizer “tu” e pode-se dizer “você”.
Os dois estão certos.

Prof. Bruno Spencer 43 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

O Jorge fez cara de quem não se entregara.


Um dia o Gaúcho chegou tarde na aula e explicou para a professora o que
acontecera.
− O pai atravessou a sinaleira e pechou.
− O quê?
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

− O pai. Atravessou a sinaleira e pechou.


A professora sorriu. Depois achou que não era caso para sorrir. Afinal, o pai do
menino atravessara uma sinaleira e pechara.
Podia estar, naquele momento, em algum hospital. Gravemente pechado. Com
pedaços de sinaleira sendo retirados do seu corpo.
− O que foi que ele disse, tia? − quis saber o Jorge.
− Que o pai dele atravessou uma sinaleira e pechou.
− E o que é isso?
− Gaúcho... Quer dizer, Rodrigo: explique para a classe o que aconteceu.
− Nós vinha...
− Nós vínhamos.
− Nós vínhamos de auto, o pai não viu a sinaleira fechada, passou no vermelho
e deu uma pechada noutro auto.
A professora varreu a classe com seu sorriso. Estava claro o que acontecera?
Ao mesmo tempo, procurava uma tradução para o relato do gaúcho. Não podia
admitir que não o entendera. Não com o Jorge rindo daquele jeito.
EU VOU PASSAR !!

“Sinaleira”, obviamente, era sinal, semáforo. “Auto” era automóvel, carro. Mas
“pechar” o que era? Bater, claro. Mas de onde viera aquela estranha palavra?
Só muitos dias depois a professora descobriu que “pechar” vinha do espanhol e
queria dizer bater com o peito, e até lá teve que se esforçar para convencer o
Jorge de que era mesmo brasileiro o que falava o novato. Que já ganhara outro
apelido: Pechada.
− Aí, Pechada!
− Fala, Pechada!
(VERÍSSIMO, Luis Fernando. “Pechada”. Revista Nova Escola. São Paulo,
maio/2001. Disponível em:t thp://revistaescola.abril.com.br/fundamental-
1/pechada-634220.shtml)

Um termo empregado com sentido figurado está sublinhado em:


a) A professora sorriu.
b) Os dois estão certos.

Prof. Bruno Spencer 44 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

c) A professora varreu a classe com seu sorriso.


d) “Sinaleira”, obviamente, era sinal, semáforo.
e) Recém-chegado do Rio Grande do Sul, com um sotaque carregado.
Comentários:
Alternativa A – Incorreta – A frase possui sentido totalmente denotativo.
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

DENOTAÇÃO
•Quando uma palavra é utilizada no seu sentido
ou próprio ou literal.
SENTIDO •Ex. O leão é uma fera selvagem.
DENOTATIVO

Alternativa B – Incorreta – Novamente, temos uma denotação, pois o termo


“certo” foi utilizado em seu sentido literal.
Alternativa C – Correta – Aqui, o autor utilizou uma figura de linguagem
chamada metáfora, portanto se trata de uma linguagem conotativa.

CONOTAÇÃO
•Quando uma palavra é utilizada em sentido
ou figurado.
SENTIDO •Ex. Minha esposa ficou uma fera.
CONOTATIVO

•Figura de linguagem utilizada para fazer uma


METÁFORA comparação utilizando-se de uma conotação.
EU VOU PASSAR !!

•Ex. Ela é um anjo, de nada reclama.

Alternativa D – Incorreta – O termo “sinaleira” é apenas uma maneira regional


de chamar o substantivo semáforo, não se constituindo em figura de linguagem.
Alternativa E – Incorreta – O termo “sotaque” tem caráter denotativo e significa
as características da fala de determinada região.
Gabarito: C

21) FCC/Ag FRT/ARTESP/Técnico em Contabilidade -


Administração/2017
Atenção: Para responder à questão considere o texto abaixo.
Aplicativos para celular e outros avanços tecnológicos têm transformado as
formas de ir e vir da população e podem ser grandes aliados na melhoria da
mobilidade urbana.

Prof. Bruno Spencer 45 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

Segundo a União Internacional dos Transportes Públicos (UITP), simulações


feitas nas capitais de países da União Europeia mostram que a combinação de
transporte público de alta capacidade e o compartilhamento de carros e caronas
poderia remover até 65 de cada 100 carros nos horários de pico.
(Adaptado de: Aplicativos e tecnologia mudam a mobilidade urbana.
Disponível em: http://odia.ig.com.br)
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

A forma verbal poderia, no segundo parágrafo, atribui à expressão remover


até 65 de cada 100 carros nos horários de pico sentido
a) falacioso.
b) factual.
c) imperativo.
d) conclusivo.
e) conjectural.
Comentários:
Alternativa A – Incorreta – Falácia significa uma mentira, o que não é o caso.
Alternativas B e C – Incorretas – O modo subjuntivo é sempre utilizado para
indicar possibilidades, hipóteses e não fatos. Estes são próprios do modo verbal
indicativo. Já o modo imperativo está relacionado a comandos, ordens e
pedidos.
Alternativa D – Incorreta – Ainda que o período esteja no final do texto, ele
traz informações de cunho argumentativo – dados de estudos – e não de cunho
EU VOU PASSAR !!

conclusivo. Estas normalmente são introduzidas por conjunções conclusivas,


como: assim, dessa forma, portanto e etc.
Alternativa E – Correta – O texto traz uma informação de um estudo que
demonstra uma possibilidade, probabilidade ou mesmo uma conjectura.
Gabarito: E

22) FCC/AJ/TRT 24/Judiciária/Oficial de Justiça Avaliador


Federal/2017
A representação da “realidade” na imprensa
Parece ser um fato assentado, para muitos, que um jornal ou um telejornal
expresse a “realidade”. Folhear os cadernos de papel de ponta a ponta ou seguir
pacientemente todas as imagens do grande noticiário televisivo seriam
operações que atualizariam a cada dia nossa “compreensão do mundo”. Mas
esse pensamento, tão disseminado quanto ingênuo, não leva em conta a
questão da perspectiva pela qual se interpretam todas e quaisquer situações
focalizadas. Submetermo-nos à visada do jornalista que compôs a notícia, ou

Prof. Bruno Spencer 46 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

mesmo à do câmera que flagra uma situação (e que, aliás, tem suas tomadas
sob o controle de um editor de imagens), é desfazermo-nos da nossa própria
capacidade de análise, é renunciarmos à perspectiva de sujeitos da nossa
interpretação.
Tanto quanto os propalados e indiscutíveis “fatos”, as notícias em si mesmas,
com a forma acabada pela qual se veiculam, são parte do mundo: convém
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

averiguar a quem interessa o contorno de uma análise política, o perfil criado


de uma personalidade, o sentido de um levante popular ou o alcance de uma
medida econômica. O leitor e o espectador atentos ao que leem ou veem não
têm o direito de colocar de lado seu senso crítico e tomar a notícia como espelho
fiel da “realidade”. Antes de julgarmos “real” o “fato” que já está interpretado
diante de nossos olhos, convém reconhecermos o ângulo pelo qual o fato se
apresenta como indiscutível e como se compõe, por palavras ou imagens, a
perspectiva pela qual uma bem particular “realidade” quer se impor para nós,
dispensando-nos de discutir o ponto de vista pelo qual se construiu uma
informação.
(Tibério Gaspar, inédito)
Diante das informações que habitualmente nos oferecem os jornais e os
noticiários, devemos, segundo o autor do texto,
a) considerar como fatos efetivos apenas aqueles que ganham igual dimensão
em todos os veículos.
b) imaginar que os interesses existentes na divulgação dos fatos acabam por
destituí-los de importância.
c) interpretar as notícias de modo a excluir delas o que nos pareça mais
problemático ou inverossímil.
EU VOU PASSAR !!

d) ponderar que tais informações são construídas a partir de um ponto de vista


necessariamente particular.
e) avaliar os fatos noticiados segundo o ângulo que melhor se afine com os
nossos valores pessoais.
Comentários:
Alternativa D – Correta – Nesse tipo de questão, prefiro deter-me na
interpretação da alternativa correta, que elucubrar sobre a inventividade da
banca.
Vejam bem, para esse tipo de questão, precisamos necessariamente ler o texto,
ok?
O tema central do texto é justamente o fato de não podermos tomar como
verdades uma notícia jornalística sem antes analisarmos criticamente, pois
ela retrata a visão de uma outra pessoa (ou pessoas) sobre determinado fato e
que pode também ser influenciada por diversos motivos ou interesses.

Prof. Bruno Spencer 47 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

“Antes de julgarmos “real” o “fato” que já está interpretado diante de nossos


olhos, convém reconhecermos o ângulo pelo qual o fato se apresenta como
indiscutível e como se compõe, por palavras ou imagens, a perspectiva pela
qual uma bem particular “realidade” quer se impor para nós”
Portanto, apenas a letra D traz uma afirmação condizente com aquilo que o
autor pretendeu transmitir em seu texto.
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

Gabarito: D

23) FCC/AJ/TRE SP/Judiciária/2017


Atenção: Para responder à questão, considere o texto abaixo.
Amizade
A amizade é um exercício de limites afetivos em permanente desejo de
expansão. Por mais completa que pareça ser uma relação de amizade, ela vive
também do que lhe falta e da esperança de que um dia nada venha a faltar.
Com o tempo, aprendemos a esperar menos e a nos satisfazer com a finitude
dos sentimentos nossos e alheios, embora no fundo de nós ainda esperemos a
súbita novidade que o amigo saberá revelar. Sendo um exercício bem-sucedido
de tolerância e paciência – amplamente recompensadas, diga-se – a amizade é
também a ansiedade e a expectativa de descobrirmos em nós, por intermédio
do amigo, uma dimensão desconhecida do nosso ser.
Há quem julgue que cabe ao amigo reconhecer e estimular nossas melhores
qualidades. Mas por que não esperar que o valor maior da amizade está em ser
ela um necessário e fiel espelho de nossos defeitos? Não é preciso contar com
o amigo para conhecermos melhor nossas mais agudas imperfeições? Não cabe
EU VOU PASSAR !!

ao amigo a sinceridade de quem aponta nossa falha, pela esperança de que


venhamos a corrigi-la? Se o nosso adversário aponta nossas faltas no tom
destrutivo de uma acusação, o amigo as identifica com lealdade, para que nos
compreendamos melhor.
Quando um amigo verdadeiro, por contingência da vida ou imposição da morte,
é afastado de nós, ficam dele, em nossa consciência, seus valores, seus juízos,
suas percepções. Perguntas como “O que diria ele sobre isso?” ou “O que faria
ele com isso?” passam a nos ocorrer: são perspectivas dele que se fixaram e
continuam a agir como um parâmetro vivo e importante. As marcas da amizade
não desaparecem com a ausência do amigo, nem se enfraquecem como
memórias pálidas: continuam a ser referências para o que fazemos e pensamos.
(CALÓGERAS, Bruno, inédito)

A frase inicial A amizade é um exercício de limites afetivos em permanente


desejo de expansão deixa ver, no contexto, que em uma relação entre amigos

Prof. Bruno Spencer 48 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

a) os sentimentos mútuos são restritos, devido à desconfiança que sempre


estamos a alimentar uns dos outros.
b) a afetividade é indispensável, embora alimentemos dentro de nós o desejo
de uma plena autossuficiência.
c) a afetividade é verdadeira, conquanto se estabeleça em contornos restritivos
que gostaríamos de ver eliminados.
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

d) os sentimentos predominantes passam a ser indesejáveis quando se percebe


o quanto podem ser falsos.
e) a afetividade, aparentemente real, revela-se ilusória, diante dos modelos
ideais de afeto que conservamos do nosso passado.
Comentários:
Alternativa A – Incorreta – O autor não utiliza esse enfoque negativo de
“desconfiança”, mas de limitação de cada um, inclusive de nós mesmos.
“Com o tempo, aprendemos a esperar menos e a nos satisfazer com a finitude
dos sentimentos nossos e alheios”
Alternativa B – Incorreta – O auto refere-se ao desejo de completude da
amizade e não da pessoa, o que vai em sentido oposto, pois significaria uma
vida solitária.
“Por mais completa que pareça ser uma relação de amizade, ela vive também
do que lhe falta e da esperança de que um dia nada venha a faltar.”
Alternativa C – Correta – Isso, mesmo verdadeira, a afetividade submete-se ao
limite de cada um.
Alternativas D e E – Incorretas – Essa abordagem negativa nada tem a ver
EU VOU PASSAR !!

com o texto, que traz uma visão positiva da amizade.


“Se o nosso adversário aponta nossas faltas no tom destrutivo de uma acusação,
o amigo as identifica com lealdade, para que nos compreendamos melhor.”
Gabarito: C

24) FCC/TJ/TRF 3/Administrativa/"Sem Especialidade"/2014


Atenção: Para responder à questão, considere o texto abaixo.
Texto I
O canto das sereias é uma imagem que remonta às mais luminosas fontes da
mitologia e da literatura gregas. As versões da fábula variam, mas o sentido
geral da trama é comum.
As sereias eram criaturas sobre-humanas. Ninfas de extraordinária beleza,
viviam sozinhas numa ilha do Mediterrâneo, mas tinham o dom de chamar a si
os navegantes, graças ao irresistível poder de sedução do seu canto. Atraídos
por aquela melodia divina, os navios batiam nos recifes submersos da beira-

Prof. Bruno Spencer 49 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

mar e naufragavam. As sereias então devoravam impiedosamente os


tripulantes.
Doce o caminho, amargo o fim. Como escapar com vida do canto das sereias?
A literatura grega registra duas soluções vitoriosas. Uma delas foi a saída
encontrada por Orfeu, o incomparável gênio da música e da poesia.
Quando a embarcação na qual ele navegava entrou inadvertidamente no raio
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

de ação das sereias, ele conseguiu impedir a tripulação de perder a cabeça


tocando uma música ainda mais sublime do que aquela que vinha da ilha. O
navio atravessou incólume a zona de perigo.
A outra solução foi a de Ulisses. Sua principal arma para vencer as sereias foi o
reconhecimento franco e corajoso da sua fraqueza e da sua falibilidade − a
aceitação dos seus inescapáveis limites humanos.
Ulisses sabia que ele e seus homens não teriam firmeza para resistir ao apelo
das sereias. Por isso, no momento em que a embarcação se aproximou da ilha,
mandou que todos os tripulantes tapassem os ouvidos com cera e ordenou que
o amarrassem ao mastro central do navio. O surpreendente é que Ulisses não
tapou com cera os próprios ouvidos − ele quis ouvir. Quando chegou a hora,
Ulisses foi seduzido pelas sereias e fez de tudo para convencer os tripulantes a
deixarem-no livre para ir juntar-se a elas. Seus subordinados, contudo,
cumpriram fielmente a ordem de não soltá-lo até que estivessem longe da zona
de perigo.
Orfeu escapou das sereias como divindade; Ulisses, como mortal. Ao se
aproximar das sereias, a escolha diante do herói era clara: a falsa promessa de
gratificação imediata, de um lado, e o bem permanente do seu projeto de vida
− prosseguir viagem, retornar a Ítaca, reconquistar Penélope −, do outro. A
EU VOU PASSAR !!

verdadeira vitória de Ulisses foi contra ele mesmo. Foi contra a fraqueza, o
oportunismo suicida e a surdez delirante que ele soube reconhecer em sua
própria alma.
(Adaptado de: GIANETTI, Eduardo. Autoengano. São Paulo, Cia. das Letras,
1997. Formato e-BOOK)

Depreende-se do texto que as sereias atingiam seus objetivos por meio de


a) dissimulação.
b) lisura.
c) observação.
d) condescendência.
e) intolerância.
Comentários:

Prof. Bruno Spencer 50 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

A questão é bem tranquila, abordando um pouco de interpretação textual e


semântica das palavras.
O segundo parágrafo responde com clareza à pergunta acima.
“As sereias eram criaturas sobre-humanas. Ninfas de extraordinária beleza,
viviam sozinhas numa ilha do Mediterrâneo, mas tinham o dom de chamar a si
os navegantes, graças ao irresistível poder de sedução do seu canto.
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

Atraídos por aquela melodia divina, os navios batiam nos recifes submersos da
beira-mar e naufragavam. As sereias então devoravam impiedosamente os
tripulantes. “
O único termo cujo significado adequa-se à situação é “dissimulação”, que
acontece quando o objetivo principal (devorar os tripulantes) é dissimulado
ou encoberto por uma situação aparente (a beleza física e a sedução do
canto).
Gabarito: A

25) FCC/Cons Leg/Cam Mun SP/Biblioteconomia/2014


Atenção: Para responder à questão, considere o texto abaixo.
Celebridades
Todos sabemos qual é a atividade de um médico, de um engenheiro, de um
publicitário, de um torneiro mecânico, de um porteiro. Mas o que faz,
exatamente, uma celebridade − além de ser célebre? Vejam que não me refiro
a quem alcançou sucesso pela competência na função que exerce; falo das
celebridades que estão acima de um talento específico e se tornaram célebres
ninguém sabe exatamente por quê.
EU VOU PASSAR !!

Ilustro isso com um caso contado pelo poeta Ferreira Gullar. Andando numa rua
do Rio de Janeiro, com sua inconfundível figura − magérrimo, rosto comprido e
longos cabelos prateados − foi avistado por um indivíduo embriagado que deve
tê-lo reconhecido da televisão, onde sempre aparece, que lhe gritou da outra
calçada: − Ferreira Gullar! Sujeito famoso que eu não sei quem é!
Aqui, a celebração não era do poeta ou de sua obra: era o reconhecimento de
uma celebridade pela celebridade que é, e ponto final. Isso faz pensar em
quanto o poder da mídia é capaz de criar deuses sem qualquer poder divino,
astros fulgurantes sem o brilho de uma sólida justificativa. E as consequências
são conhecidas: uma vez elevada a seu posto, a celebridade passa a ser ouvida,
a ter influência, a exercitar esse difuso poder de um “formador de opinião”.
Cobra-se da celebridade a lucidez que não tem, atribui-se-lhe um nível de
informação que nunca alcançou, conta-se com um descortino crítico que lhe
falta em sentido absoluto. Revistas especializam-se nelas, fotografam-nas de
todos os ângulos, perseguem-nas onde quer que estejam, entrevistam-nas a
propósito de tudo. Esgotada, enfim, uma celebração (até mesmo as
celebridades são mortais), não faltam novos ocupantes do posto.

Prof. Bruno Spencer 51 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

À falta de algum mérito real, as oportunidades da sorte ou da malícia bem-


sucedida acabam por presentear pessoas vazias com o cetro e a coroa de uma
realeza artificial. Mas um artifício bem administrado, sabemos disso, pode
ganhar o aspecto de uma qualidade natural. O que se espera é que sempre haja
quem não confunda um manequim vazio com uma cabeça com cérebro dentro.
(Diógenes Lampeiro, inédito)
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

No dicionário Houaiss, o verbete tautologia apresenta, entre outras, a seguinte


acepção: proposição analítica que permanece sempre verdadeira, uma vez que
o atributo é uma repetição do sujeito. Com essa acepção, o qualificativo de
tautológicas pode ser aplicado às passagens do texto em que o conceito de
celebridade remete
a) ao mérito real que algumas celebridades demonstram no exercício de funções
profissionais específicas.
b) à possibilidade de alguém gozar de celebração pelo fato de passar a ser
reconhecido como uma celebridade.
c) ao fato de que numa sociedade de consumo todo e qualquer indivíduo tem
seu momento de celebridade.
d) à possibilidade de que a celebração de alguém resista à passagem do tempo,
tornando-se vitalícia.
e) ao fato de que os grandes criadores passam a ser identificados publicamente
a partir do mérito de suas obras.
Comentários:
EU VOU PASSAR !!

Alternativa A – Incorreta – A afirmativa contraria o trecho seguinte: “Vejam que


não me refiro a quem alcançou sucesso pela competência na função que
exerce”
Alternativa B – Correta – “falo das celebridades que estão acima de um talento
específico e se tornaram célebres ninguém sabe exatamente por quê. “
Alternativa C – Incorreta – A alternativa traz NOVAS ideias que não foram
citadas no texto, por isso EXTRAPOLOU o seu conteúdo.
Alternativa D – Incorreta – “Esgotada, enfim, uma celebração (até mesmo as
celebridades são mortais), não faltam novos ocupantes do posto. ”
Alternativa E – Incorreta – O trecho seguinte contradiz a alternativa:
“avistado por um indivíduo embriagado que deve tê-lo reconhecido da televisão,
onde sempre aparece, que lhe gritou da outra calçada: − Ferreira Gullar! Sujeito
famoso que eu não sei quem é! Aqui, a celebração não era do poeta ou de
sua obra: era o reconhecimento de uma celebridade pela celebridade que é, e
ponto final. “
Gabarito: B

Prof. Bruno Spencer 52 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

26) FCC/TJ/TRT 15/Apoio Especializado/Enfermagem/2015


Atenção: Para responder à questão, considere o poema abaixo.
“Você não está mais na idade
de sofrer por essas coisas”'
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

Há então a idade de sofrer


e a de não sofrer mais
por essas, essas coisas?
As coisas só deviam acontecer
para fazer sofrer
na idade própria de sofrer?
Ou não se devia sofrer
pelas coisas que causam sofrimento
pois vieram fora de hora, e a hora é calma?
E se não estou mais na idade de sofrer
é porque estou morto, e morto
é a idade de não sentir as coisas, essas coisas?
(ANDRADE, Carlos Drummond de. Essas coisas. As impurezas do branco. Rio
de Janeiro: José Olympio, 3. ed., 1976, p.30)
EU VOU PASSAR !!

Considerando-se que elipse é a supressão de um termo que pode ser


subentendido pelo contexto linguístico, pode-se identifica-la no verso:
a) As coisas só deviam acontecer
b) Ou não se devia sofrer
c) e a de não sofrer mais
d) é a idade de não sentir as coisas, essas coisas?
e) Você não está mais na idade
Comentários:
Alternativa A – Incorreta – Não há qualquer termo elíptico na frase. Observe
que todos os termos essenciais da oração estão presentes.
“As coisas só deviam acontecer para fazer sofrer na idade própria de sofrer?”
Alternativa B – Incorreta – Não há qualquer termo elíptico na frase.
“Ou não se devia sofrer pelas coisas que causam sofrimento pois vieram fora de
hora, e a hora é calma?”

Prof. Bruno Spencer 53 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

Alternativa C – Correta – Na oração está elíptico o termo “idade”, para se


evitar uma repetição desnecessária.
“Há então a idade de sofrer e a (idade) de não sofrer mais”
Alternativa D – Incorreta – Ao contrário da elipse, o autor utilizou-se do
pleonasmo, com o termo “essas coisas”, para dar ênfase à afirmação.
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

•É uma redundância, que pode ser um vício ou


uma figura de linguagem, dependendo da maneira
PLEONASMO como for utilizado.
•Ex. Todos saíram para fora. (vício de linguagem)
•Eu canto o meu canto de paz. (figura de
linguagem)

Alternativa E – Incorreta - Não há qualquer termo elíptico no trecho indicado.


Gabarito: C

27) FCC/ATE/SEFAZ PI/2015


Instrução: A questão refere-se ao texto seguinte.
Filosofia de borracharia
O borracheiro coçou a desmatada cabeça e proferiu a sentença tranquilizadora:
nenhum problema com o nosso pneu, aliás quase tão calvo quanto ele. Estava
apenas um bocado murcho.
− Camminando si sgonfia* − explicou o camarada, com um sorriso de
pouquíssimos dentes e enorme simpatia.
EU VOU PASSAR !!

O italiano vem a ser um dos muitos idiomas em que a minha abrangente


ignorância é especializada, mas ainda assim compreendi que o pneu do nosso
carro periclitante tinha se esvaziado ao longo da estrada. Não era para menos.
Tendo saído de Paris, havíamos rodado muito antes de cair naquele emaranhado
de fronteiras em que você corre o risco de não saber se está na Áustria, na
Suíça ou na Itália. Soubemos que estávamos no norte, no sótão da Itália, vendo
um providencial borracheiro dar nova carga a um pneu sgonfiato.
Dali saímos − éramos dois jovens casais num distante verão europeu,
embarcados numa aventura que, de camping em camping, nos levaria a
Istambul – para dar carga nova a nossos estômagos, àquela altura não menos
sgonfiati. O que pode a fome, em especial na juventude: à beira de um himalaia
de sofrível espaguete fumegante, julguei ver fumaças filosóficas na sentença do
tosco borracheiro. E, entre garfadas, sob o olhar zombeteiro dos companheiros
de viagem, me pus a teorizar.
Sim, camminando si sgonfia, e não apenas quando se é, nesta vida, um pneu.
Também nós, de tanto rodar, vamos aos poucos desinflando. E por aí fui, inflado
e inflamado num papo delirante. Fosse hoje, talvez tivesse dito, infelizmente

Prof. Bruno Spencer 54 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

com conhecimento de causa, que a partir de determinado ponto carecemos


todos de alguma espécie de fortificante, de um novo alento para o corpo, quem
sabe para a alma.
* Camminando si sgonfia = andando se esvazia. Sgonfiato é vazio; sgonfiati é
a forma plural.
(Adaptado de: WERNECK, Humberto – Esse inferno vai acabar. Porto Alegre,
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

Arquipélago, 2011, p. 8586)

Atente para a seguinte construção: O borracheiro explicou-nos que os pneus


haviam esvaziado com o uso, e que era fácil resolver aquele problema.
Empregando-se o discurso direto, a frase deverá ser: O borracheiro explicou-
nos:
a) − Os pneus com o uso tinham esvaziado, mas seria fácil resolver o problema.
b) − Os pneus se esvaziaram com o uso, é fácil resolver este problema.
c) − Com o uso os pneus terão se esvaziado, seria fácil resolver esse problema.
d) − Os pneus com o uso estavam vazios, vai ser fácil resolver seu problema.
e) − Com o uso os pneus estão esvaziando, problema este que seria fácil
resolver.
Comentários:
Alternativa A – Incorreta – A frase está empregando o discurso indireto.
Alternativa B – Correta – A primeira oração expressa um fato concluído,
portanto é correta a utilização do pretérito perfeito do indicativo. No entanto, a
EU VOU PASSAR !!

segunda oração expressa algo que ainda haveria de ser resolvido pelo
borracheiro, por isso a utilização do presente do indicativo também está
adequada, já que se trata de um discurso direto.
Alternativa C – Incorreta – O futuro do presente indicativo composto indica a
ocorrência de um fato anterior a outro também no futuro ou um fato futuro
iniciado no presente, portanto é inadequado para indicar um fato passado. A
segunda oração está na forma indireta.
Alternativa D – Incorreta – A forma verbal “estavam vazios” indica um estado,
portanto é inadequada para expressar um fato já concluído (os pneus
esvaziaram).
Alternativa E – Incorreta – A expressão “estão esvaziando” indica uma ação no
presente e não no passado. A frase está gramaticalmente incorreta e
incoerente devido a desarmonia na correlação verbal, além de estar na
forma indireta.
Gabarito: B

Prof. Bruno Spencer 55 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

28) FCC/AJ/TRT 1/Apoio Especializado/Tecnologia da


Informação/2014
Atenção: A questão refere-se ao texto seguinte.
A cultura brasileira em tempos de utopia
Durante os anos 1950 e 1960 a cultura e as artes brasileiras expressaram as
utopias e os projetos políticos que marcaram o debate nacional. Na década de
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

1950, emergiu a valorização da cultura popular, que tentava conciliar aspectos


da tradição com temas e formas de expressão modernas.
No cinema, por exemplo, Nelson Pereira dos Santos, nos seus filmes Rio, 40
graus (1955) e Rio, zona norte (1957) mostrava a fotogenia das classes
populares, denunciando a exclusão social. Na literatura, Guimarães Rosa
publicou Grande sertão: veredas (1956) e João Cabral de Melo Neto escreveu o
poema Morte e vida Severina − ambos assimilando traços da linguagem popular
do sertanejo, submetida ao rigor estético da literatura erudita.
Na música popular, a Bossa Nova, lançada em 1959 por Tom Jobim e João
Gilberto, entre outros, inspirava-se no jazz, rejeitando a música passional e a
interpretação dramática que se dava aos sambas-canções e aos boleros que
dominavam as rádios brasileiras. A Bossa Nova apontava para o despojamento
das letras das canções, dos arranjos instrumentais e da vocalização, para
melhor expressar o “Brasil moderno”.
Já a primeira metade da década de 1960 foi marcada pelo encontro entre a vida
cultural e a luta pelas Reformas de Base. Já não se tratava mais de buscar
apenas uma expressão moderna, mas de pontuar os dilemas brasileiros e
denunciar o subdesenvolvimento do país. Organizava-se, assim, a cultura
engajada de esquerda, em torno do Movimento de Cultura Popular do Recife e
EU VOU PASSAR !!

do Centro Popular de Cultura da União Nacional dos Estudantes (UNE), num


processo que culminaria no Cinema Novo e na canção engajada, base da
moderna música popular brasileira, a MPB.
(Adaptado de: NAPOLITANO, Marcos e VILLAÇA, Mariana. História para o
ensino médio. São Paulo: Atual, 2013, p. 738)

Estes dois segmentos constituem respectivamente, no contexto dado, a


expressão de uma causa e de seu efeito:
a) interpretação dramática / despojamento das letras das canções (3o
parágrafo)
b) assimilando traços da linguagem popular / submetida ao rigor estético da
literatura erudita (2o parágrafo)
c) rejeitando a música passional / inspirava-se no jazz (3o parágrafo)
d) Organizava-se, assim, a cultura engajada de esquerda / Cinema Novo e
canção engajada (4o parágrafo)

Prof. Bruno Spencer 56 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

e) a primeira metade da década de 1960 / luta pelas Reformas de Base (4o


parágrafo)
Comentários:
Alternativa A – Incorreta – Os dois termos referem-se à “Bossa Nova”, mas não
têm qualquer relação de causa, mas antes de oposição, pois, se a Bossa Nova
“rejeita a interpretação dramática”, ela “aponta para o despojamento das letras
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

e canções”.
“Na música popular, a Bossa Nova, lançada em 1959 por Tom Jobim e João
Gilberto, entre outros, inspirava-se no jazz, rejeitando a música passional e a
interpretação dramática que se dava aos sambas-canções e aos boleros que
dominavam as rádios brasileiras. A Bossa Nova apontava para o despojamento
das letras das canções, dos arranjos instrumentais e da vocalização, para
melhor expressar o “Brasil moderno”. “
Alternativa B – Incorreta – O segundo trecho (sublinhado) tem função
explicativa em relação ao primeiro. Analisando a relação sintática do dois,
temos que o segundo tem função de adjunto adnominal do primeiro, sendo
classificado como uma oração subordinada adjetiva explicativa reduzida de
particípio.
“Na literatura, Guimarães Rosa publicou Grande sertão: veredas (1956) e João
Cabral de Melo Neto escreveu o poema Morte e vida Severina − ambos
assimilando traços da linguagem popular do sertanejo, submetida ao rigor
estético da literatura erudita. “
Alternativa C – Incorreta – Assim como na alternativa A, os dois termos também
se referem à “Bossa Nova”, mas não têm qualquer relação de causa, mas de
oposição, pois, a Bossa Nova “inspirava-se no jazz”, porém rejeitava “a
EU VOU PASSAR !!

música passional”.
“Na música popular, a Bossa Nova, lançada em 1959 por Tom Jobim e João
Gilberto, entre outros, inspirava-se no jazz, rejeitando a música passional e
a interpretação dramática que se dava aos sambas-canções e aos boleros que
dominavam as rádios brasileiras. A Bossa Nova apontava para o despojamento
das letras das canções, dos arranjos instrumentais e da vocalização, para
melhor expressar o “Brasil moderno”. “
Alternativa D – Correta – O trecho “num processo que culminaria no” estabelece
a relação de causa e efeito entre o primeiro e o segundo termo. A lógica aqui
é simples: a primeira ação culminou na segunda (tem o sentido de
causar/desencadear).
“Organizava-se, assim, a cultura engajada de esquerda, em torno do Movimento
de Cultura Popular do Recife e do Centro Popular de Cultura da União Nacional
dos Estudantes (UNE), num processo que culminaria no Cinema Novo e na
canção engajada, base da moderna música popular brasileira, a MPB. “

Prof. Bruno Spencer 57 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

Alternativa E – Incorreta – A forma verbal “foi marcada” não estabelece


qualquer relação de causa entre os dois termos, mas indica que o segundo (a
luta pelas Reformas de Base) foi uma característica do primeiro (a primeira
metade da década de 1960).
“Já a primeira metade da década de 1960 foi marcada pelo encontro entre a
vida cultural e a luta pelas Reformas de Base. “
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

Gabarito: D

29) FCC/TJ/TRT 1/Administrativa/2013


Atenção: A questão refere-se ao texto abaixo.
Visão monumental
Nada superará a beleza, nem todos os ângulos retos da razão. Assim pensava
o maior arquiteto e mais invocado sonhador do Brasil. Morto em 5 de dezembro
de insuficiência respiratória, a dez dias de completar com uma festa, no Rio de
Janeiro onde morava, 105 anos de idade, Oscar Niemeyer propusera sua própria
revolução arquitetônica baseado em uma interpretação do corpo da mulher.
Filho de fazendeiros, fora o único ateu e comunista da família, tendo ingressado
no partido por inspiração de Luiz Carlos Prestes, em 1945. Como a agremiação
partidária não correspondera a seu sonho, descolara-se dela, na companhia de
seu líder, em 1990. “O comunismo resolve o problema da vida”, acreditou até
o fim. “Ele faz com que a vida seja mais justa. E isso é fundamental. Mas o ser
humano, este continua desprotegido, entregue à sorte que o destino lhe impõe.”
E desprotegido talvez pudesse se sentir um observador diante da
monumentalidade que ele próprio idealizara para Brasília a partir do plano-piloto
EU VOU PASSAR !!

de Lucio Costa. Quem sabe seus museus, prédios governamentais e catedrais


não tivessem mesmo sido construídos para ilustrar essa perplexidade? Ele
acreditava incutir o ardor em quem experimentava suas construções.
Bem disse Le Corbusier que Niemeyer tinha “as montanhas do Rio dentro dos
olhos”, aquelas que um observador pode vislumbrar a partir do Museu de Arte
Contemporânea de Niterói, um entre cerca de 500 projetos seus. Brasília, em
que pese o sonho necessário, resultara em alguma decepção. Niemeyer vira a
possibilidade de construir ali a imagem moderna do País. E como dizer que a
cidade, ao fim, deixara de corresponder à modernidade empenhada? Houve um
sonho monumental, e ele foi devidamente traduzido por Niemeyer. No Planalto
Central, construíra a identidade escultural do Brasil.
(Adaptado de Rosane Pavam. CartaCapital, 07/12/2012,
www.cartacapital.com.br/sociedade/avisaomonumental2/)

Quem sabe seus museus, prédios governamentais e catedrais não tivessem


mesmo sido construídos para ilustrar essa perplexidade? (3º parágrafo)

Prof. Bruno Spencer 58 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

De acordo com o contexto, o sentido do elemento grifado acima pode ser


adequadamente reproduzido por:
a) descompasso.
b) problemática.
c) melancolia.
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

d) estupefação.
e) animosidade.
Comentários:
Alternativa A – Incorreta – descompasso = desarmonia, desacordo, divergência
Alternativa B – Incorreta – problemática = questão, dificuldade
Alternativa C – Incorreta – melancolia = tristeza, desânimo, abatimento
Alternativa D – Correta - A questão aborda a semântica do termo “perplexidade”
que tem como sinônimos os termos “estupefação”, surpresa, assombro. Ele
refere-se ao sentimento de Oscar Niemeyer frente à monumentalidade de
Brasília.
Alternativa E – Incorreta – animosidade = aversão, rancor, inimizade
Gabarito: D

30) FCC/AJ/TRE RO/Judiciária/2013


Atenção: Considere o texto abaixo para responder à questão.
Pintor, gravador e vitralista, Marc Chagall estudou artes plásticas na Academia
EU VOU PASSAR !!

de Arte de São Petersburgo. Seguindo para Paris em 1910, ligou-se aos poetas
Blaise Cendrars, Max Jacob e Apollinaire − e aos pintores Delaunay, Modigliani
e La Fresnay.
A partir daí, trabalhou intensamente para integrar o seu mundo de
reminiscências e fantasias na linguagem moderna derivada do fauvismo e do
cubismo.
Na década de 30, o clima de perseguição e de guerra repercute em sua pintura,
onde surgem elementos dramáticos, sociais e religiosos. Em 1941, parte para
os EUA, onde sua esposa falece (1944). Chagall mergulha, então, em um
período de evocações, quando conclui o quadro "Em torno dela", que se tornou
uma síntese de todos os seus temas.
(Adaptado de: educação.uol.com.br/biografias/marcchagall.html)

Para manter as relações de sentido e a correção gramatical do texto, o termo


derivada (2o parágrafo) NÃO pode ser substituído por:

Prof. Bruno Spencer 59 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

a) provida.
b) advinda.
c) proveniente.
d) originária.
e) oriunda.
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

Comentários:
Observe que a questão foi cobrada em um concurso de nível superior. Essa é
uma daquelas que não se pode perder de jeito nenhum!!!
Derivada = provinda (não é provida), advinda, proveniente, originária e
oriunda
Gabarito: A

31) FCC/Ana Con/TCE-MT/2013


Atenção: A questão refere-se ao texto seguinte.
O preço da virtude
Nossas qualidades naturais são, já por si, virtuosas? Pessoas de temperamento
calmo e índole generosa, por exemplo, podem ser vistas como gente
indiscutivelmente meritória? Mulheres e homens bem-intencionados devem ser
julgados apenas com base em suas boas intenções? Tais perguntas nos levam
a um complicado centro de discussão: haverá algum valor moral nas ações que
se executam com naturalidade, sem o enfrentamento de qualquer obstáculo, ou
o que é natural não encerra virtude alguma, já que não encontra qualquer
EU VOU PASSAR !!

adversidade?
Há quem defenda a tese de que somente há virtude numa ação benigna cujo
desempenho implica algum sacrifício do sujeito. A virtude estaria, assim, não
na natureza do indivíduo, mas na sua firme disposição para sacrificar-se em
benefício de um outro ser ou de um ideal. O sacrifício indicaria o desprendimento
moral, o ato desinteressado, a disposição para pagar um preço pela escolha
feita: eu me disponho a passar fome para que essa criança se alimente; eu
deixo de usufruir um prazer para que o outro possa experimentá-lo.
Nessa questão, valores éticos e valores religiosos podem até mesmo se
confundir. A palavra sacrifício tem o sagrado na raiz; mas não é preciso ser
religioso para se provar a capacidade de renúncia. Quanto ao preço a pagar,
não há dúvida: sempre reconheceremos mais mérito em quem foi capaz de agir
passando por cima de seu próprio interesse do que naquele que agiu sem ter
que enfrentar qualquer ônus em sua decisão.
(TRANCOSO, Doroteu. Inédito)

Prof. Bruno Spencer 60 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

Considere as seguintes afirmações:


I. No primeiro parágrafo, o conceito de adversidade está empregado para
caracterizar situações em que não há necessidade de sacrifício.
II. No segundo parágrafo, deve-se entender por ação benigna aquela que
implica, necessariamente, o sacrifício de quem a executa.
III. No terceiro parágrafo, reafirma-se a tese de que os sacrifícios pessoais são
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

inerentes às ações autenticamente virtuosas.


Em relação ao texto, está correto APENAS o que se afirma em
a) II e III.
b) I.
c) II.
d) III.
e) I e II.
Comentários:
Item I – Incorreta – O sentido de adversidade é justamente o contrário do que
é afirmado neste item. O termo “adversidade” foi empregado no sentido de
dificuldade, sacrifício ou obstáculo.
Item II – Incorreta – O autor é claro ao afirmar que isso é uma tese defendida
por algumas pessoas e não necessariamente uma realidade.
“Há quem defenda a tese de que somente há virtude numa ação benigna
cujo desempenho implica algum sacrifício do sujeito. “
Item III – Correta – De fato o terceiro parágrafo reafirma a tese estabelecida
EU VOU PASSAR !!

no segundo.
Gabarito: D

32) FCC/AJ/TRF 4/Judiciária/"Sem Especialidade"/2014


Atenção: Para responder à questão, considere o texto abaixo.
Um programa a ser adotado
O PET − Programa de Educação pelo Trabalho − está fazendo dez anos, que
serão comemorados num evento promovido pelo TRF4, que contará com
representantes da Fase − Fundação de Atendimento Socioeducativo do Rio
Grande do Sul.
Há dez anos seria difícil imaginar um interno da Fase em cumprimento de
medida socioeducativa saindo para trabalhar em um tribunal e, no final do dia,
retornar à fundação. Muitos desacreditariam da iniciativa de colocar um
adolescente infrator dentro de um gabinete de desembargador ou da

Prof. Bruno Spencer 61 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

Presidência de um tribunal. Outros poderiam discriminar esses jovens e deseja-


los longe do ambiente de trabalho.
Todas essas barreiras foram vencidas. Em uma década, o PET do TRF4 se tornou
realidade, quebrou preconceitos, mudou a cultura da própria instituição e a vida
de 154 adolescentes que já passaram pelo projeto. São atendidos jovens entre
16 e 21 anos, com escolaridade mínima da 4ª série do ensino fundamental. O
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

tribunal enfrenta o desafio de criar, desenvolver e, principalmente, manter um


programa de reinserção social. Os resultados do trabalho do PET com os
menores que cumprem medida socioeducativa na Fase são considerados muito
positivos quando se fala de jovens em situação de vulnerabilidade social.
Durante esses dez anos, 45% dos participantes foram inseridos no mercado de
trabalho e muitos já concluíram o ensino médio; cerca de 70% reorganizaram
suas vidas e conseguiram superar a condição de envolvimento em atividades
ilícitas.
Na prática, os jovens trabalham durante 4 horas nos gabinetes de
desembargadores e nas unidades administrativas do tribunal. Recebem
atendimento multidisciplinar, com acompanhamento jurídico, de psicólogos e de
assistentes sociais. Por meio de parcerias com entidades, já foram realizados
cursos de mecânica, de padaria e de garçom. Destaque a considerar é o projeto
“Virando a página”: oficinas de leitura e produção textual, coordenadas por
servidores do TRF4 e professores e formandos de faculdades de Letras.
(Adaptado de: wttp://www2.trf4.jus.br/trf4/controlador.php? acao=
noticia_visualizar&id_noticia=10129)

No contexto, o sentido do elemento sublinhado em


EU VOU PASSAR !!

a) Outros poderiam discriminar esses jovens (2º parágrafo) é o de distinguir,


enfatizar.
b) em cumprimento de medida socioeducativa (2º parágrafo) é o de
observância, atendimento.
c) manter um programa de reinserção social (3º parágrafo) é o de remissão,
retroação.
d) em situação de vulnerabilidade social (3º parágrafo) é o de impropriedade,
informalidade.
e) Recebem atendimento multidisciplinar (4º parágrafo) é o de socialista,
democrático.
Comentários:
Alternativa A – Incorreta – O termo “discriminar” foi empregado no sentido de
segregar, marginalizar, isolar.
Alternativa B – Correta – A palavra “cumprimento” foi, de fato, utilizada com o
sentido de atendimento, observância.

Prof. Bruno Spencer 62 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

Alternativa C – Incorreta – O termo “reinserção social” tem o sentido inserir


novamente as pessoas na sociedade.
Alternativa D – Incorreta – A palavra “vulnerabilidade” tem o sentido de
fragilidade, indefensabilidade, insegurança.
Alternativa E – Incorreta – O termo “atendimento multidisciplinar” significa que
o atendimento abrange diversas áreas (disciplinas): jurídico, psicológico e de
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

assistência social.
Gabarito: B

33) FCC/AJ/TRT 3/Judiciária/Oficial de Justiça Avaliador


Federal/2015
Atenção: A questão refere-se ao texto que segue.
A matéria abaixo, que recebeu adaptações, é do jornalista Alberto Dines, e foi
veiculada em 9/05/2015, um dia após as comemorações pelos 70 anos do fim
da Segunda Guerra Mundial.
Quando a guerra acabar…
Abre parêntese: há momentos − felizmente raros − em que a história pessoal
se impõe às percepções conjunturais e o relato na primeira pessoa, embora
singular, parcial, às vezes suspeito, sobrepõe-se à narrativa impessoal, ampla,
genérica. Fecha parêntese.
O descaso e os indícios de esquecimento que, na sexta-feira (8/5), rodearam
os setenta anos do fim da fase europeia da Segunda Guerra Mundial
sobressaltaram. O ano de 1945 pegou-me com 13 anos e a data de 8 de maio
EU VOU PASSAR !!

incorporou-se ao meu calendário íntimo e o cimentou definitivamente às


efemérides históricas que éramos obrigados a decorar no ginásio.
Seis anos antes (1939), a invasão da Polônia pela Alemanha hitlerista − e logo
depois pela Rússia soviética − empurrou a guerra para dentro da minha casa
através dos jornais e do rádio: as vidas da minha avó paterna, tios, tias, primos
e primas dos dois lados corriam perigo. Em 1941, quando a Alemanha rompeu
o pacto com a URSS e a invadiu com fulminantes ataques, inclusive à Ucrânia,
instalou-se a certeza: foram todos exterminados.
A capitulação da Alemanha tornara-se inevitável, não foi surpresa, sabíamos
que seria esmagada pelos Aliados. Nova era a sensação de paz, a certeza que
começava uma nova página da história e perceptível mesmo para crianças e
adolescentes. A prometida quimera embutida na frase “quando a guerra acabar”
tornara-se desnecessária, desatualizada.
A guerra acabara para sempre. Enquanto o retorno dos combatentes brasileiros
vindos da Itália era saudado delirantemente, matutinos e vespertinos − mais
calejados do que a mídia atual − nos alertavam que a guerra continuava feroz
não apenas no Extremo Oriente, mas também na antiquíssima Grécia, onde

Prof. Bruno Spencer 63 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

guerrilheiros de direita e de esquerda, esquecidos do inimigo comum − o nazi-


fascismo − se enfrentavam para ocupar o vácuo de poder deixado pela
derrotada barbárie.
Sete décadas depois − porção ínfima da história da humanidade −, aquele que
foi chamado Dia da Vitória e comemorado loucamente nas ruas do mundo
metamorfoseou-se em Dia das Esperanças Perdidas: a guerra não acabou. Os
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

Aliados desvincularam-se, tornaram-se adversários. A guerra continua, está aí,


espalhada pelo mundo, camuflada por diferentes nomenclaturas, inconfundível,
salvo em breves hiatos sem hostilidades, porém com intensos ressentimentos.
(Reproduzido da Gazeta do Povo (Curitiba, PR) e do Correio Popular
(Campinas, SP), 9/5/2015; intertítulo do Observatório da Imprensa, edição
849)

O segmento do texto que está traduzido de maneira a não prejudicar o sentido


original é:
a) (linhas 1 e 2) a história pessoal se impõe às percepções conjunturais / o
relato da própria pessoa infunde veracidade aos fatos da conjuntura.
b) (linha 8) incorporou-se ao meu calendário íntimo / passou a fazer parte de
minhas memórias negativas mais intensas.
c) (linha 9) e o cimentou definitivamente às efemérides históricas / e o conectou
por fim às catástrofes históricas.
d) (linha 17) A capitulação da Alemanha tornara-se inevitável / a fragmentação
da Alemanha era considerada indiscutível.
e) (linha 33) camuflada por diferentes nomenclaturas / disfarçada sob o véu de
EU VOU PASSAR !!

distintos nomes.
Comentários:
Alternativa A – Incorreta – As duas expressões têm sentidos diferentes. A
segunda indica a confirmação da percepção conjuntural, enquanto a primeira
indica a sua sobreposição pela percepção pessoal.
“há momentos ... em que a história pessoal se impõe às percepções conjunturais
e o relato na primeira pessoa, embora singular, parcial, às vezes suspeito,
sobrepõe-se à narrativa impessoal, ampla, genérica. Fecha parêntese. “
Alternativa B – Incorreta – Pelo contrário, a data foi um marco positivo para
o autor, pois marca o fim da fase europeia da Segunda Guerra Mundial. O autor
tinha diversos familiares correndo perigo em países envolvidos na guerra.
“as vidas da minha avó paterna, tios, tias, primos e primas dos dois lados
corriam perigo”
Alternativa C – Incorreta – O termo “efemérides” significa um acontecimento
histórico/fato importante e não uma catástrofe.

Prof. Bruno Spencer 64 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

Alternativa D – Incorreta – O termo “capitulação” foi empregado no sentido de


derrota/rendição, enquanto “fragmentação” indica divisão/fracionamento.
Alternativa E – Correta
camuflada = disfarçada sob o véu
diferentes nomenclaturas = distintos nomes
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

Gabarito: E

34) FCC/ATE/SEFAZ PI/2015


Instrução: A questão refere-se ao texto seguinte.
Filosofia de borracharia
O borracheiro coçou a desmatada cabeça e proferiu a sentença tranquilizadora:
nenhum problema com o nosso pneu, aliás quase tão calvo quanto ele. Estava
apenas um bocado murcho.
− Camminando si sgonfia* − explicou o camarada, com um sorriso de
pouquíssimos dentes e enorme simpatia.
O italiano vem a ser um dos muitos idiomas em que a minha abrangente
ignorância é especializada, mas ainda assim compreendi que o pneu do nosso
carro periclitante tinha se esvaziado ao longo da estrada. Não era para menos.
Tendo saído de Paris, havíamos rodado muito antes de cair naquele emaranhado
de fronteiras em que você corre o risco de não saber se está na Áustria, na
Suíça ou na Itália. Soubemos que estávamos no norte, no sótão da Itália, vendo
um providencial borracheiro dar nova carga a um pneu sgonfiato.
EU VOU PASSAR !!

Dali saímos − éramos dois jovens casais num distante verão europeu,
embarcados numa aventura que, de camping em camping, nos levaria a
Istambul – para dar carga nova a nossos estômagos, àquela altura não menos
sgonfiati. O que pode a fome, em especial na juventude: à beira de um himalaia
de sofrível espaguete fumegante, julguei ver fumaças filosóficas na sentença do
tosco borracheiro. E, entre garfadas, sob o olhar zombeteiro dos companheiros
de viagem, me pus a teorizar.
Sim, camminando si sgonfia, e não apenas quando se é, nesta vida, um pneu.
Também nós, de tanto rodar, vamos aos poucos desinflando. E por aí fui, inflado
e inflamado num papo delirante. Fosse hoje, talvez tivesse dito, infelizmente
com conhecimento de causa, que a partir de determinado ponto carecemos
todos de alguma espécie de fortificante, de um novo alento para o corpo, quem
sabe para a alma.
* Camminando si sgonfia = andando se esvazia. Sgonfiato é vazio; sgonfiati é
a forma plural.
(Adaptado de: WERNECK, Humberto – Esse inferno vai acabar. Porto Alegre,
Arquipélago, 2011, p. 8586)

Prof. Bruno Spencer 65 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

Por valorizar recursos expressivos da linguagem, o autor da crônica,


a) na expressão quase tão calvo quanto ele (1º parágrafo), qualifica o
borracheiro com um termo familiarmente aplicado a um pneu já muito gasto.
b) no segmento minha abrangente ignorância é especializada (3º parágrafo), é
irônico ao atribuir à ignorância qualidades aplicáveis a um alto conhecimento.
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

c) na expressão num distante verão europeu (4º parágrafo), utiliza um indicador


de tempo para denotar a extensão do território percorrido.
d) em à beira de um himalaia (4º parágrafo), deixa claro que os viajantes agora
se acercavam de uma alta cordilheira, semelhante à asiática.
e) em inflado e inflamado (5º parágrafo), vale-se de sinônimos para reforçar o
estado de espírito reflexivo da personagem.
Comentários:
Alternativa A – Incorreta – A expressão “quase tão calvo quanto ele” qualifica
o pneu, comparando-o com o borracheiro de cabeça “desmatada”.
Alternativa B – Correta – Isso, o autor utilizou-se de um jogo de palavras
contrárias (abrangente e especializada) formando uma ironia suave e
inteligente, para expressar que o italiano era uma das suas línguas menos
conhecidas. Note que ambas as expressões citadas normalmente referem-se ao
termo conhecimento e não ignorância, aí está o caráter irônico da frase.

•Quando dizemos algo oposto ao que realmente é,


com intuito de criticar, ridicularizar ou satirizar
IRONIA algo.
EU VOU PASSAR !!

•Ex. Você está cheiroso como um gambá.

Alternativa C – Incorreta – A palavra “distante” não foi utilizada no seu sentido


denotativo de distância física, mas com sentido figurado dando ideia de tempo,
de algo há muito ocorrido.

DENOTAÇÃO
•Quando uma palavra é utilizada no seu sentido
ou próprio ou literal.
SENTIDO •Ex. O leão é uma fera selvagem.
DENOTATIVO

Alternativa D – Incorreta – A palavra “Himalaia” foi utilizada em sentido


figurado ou conotativo, para indicar a altura do prato de espaguete.

CONOTAÇÃO
•Quando uma palavra é utilizada em sentido
ou figurado.
SENTIDO •Ex. Minha esposa ficou uma fera.
CONOTATIVO

Prof. Bruno Spencer 66 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

Alternativa E – Incorreta – De fato, o autor vale-se das expressões “inflado e


inflamado” para reforçar o estado de espírito reflexivo da personagem, no
entanto a alternativa peca ao apontar as duas como sinônimos.
Gabarito: B

35) FCC/Cons Leg/AL PB/2013


Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

Atenção: Considere o texto abaixo para responder à questão.


Já estamos habituados ao romance anual de José Lins do Rego; uma escapada
ao Nordeste em sua companhia faz parte do nosso ritmo de vida. Durante cinco
anos, em livros ora mais plenamente realizados, como Menino de engenho e
Banguê, ora mais fracos, como Doidinho, mas sempre vivos e verdadeiros, o
romancista nos trazia mais um caso da família de José Paulino, mais uma
vicissitude do Santa Rosa, mais um aspecto da existência nas lavouras de cana
do Nordeste, e da indústria do açúcar. Com Usina esgotou o assunto. Sem se
repetir, não poderia continuar a estudar o mesmo tema.
Que daria José Lins do Rego sem o açúcar, sem as recordações de infância?
Essa pergunta era formulada por todos quantos admiramos o seu talento e
seguimos com interesse a expansão da sua força criadora. Pureza foi a resposta
do romancista e a pedra de toque nos permitiu aquilatar com segurança da sua
capacidade de criar livremente, sem o ponto de partida das evocações de gente
e coisas familiares.
José Lins do Rego mostrou [...] poder prescindir da terra para formar o
ambiente, dos canaviais que assobiam ao vento, das pastagens sonoras de
mugidos, dos rios de cheias aterradoras, das matas floridas, de tudo aquilo que
EU VOU PASSAR !!

constitui, sobretudo em Menino de engenho, um fundo de beleza e poesia. E


sobretudo provou que, embora as raízes de sua vocação de romancista se
alimentem do seu provincianismo, não está escravizado à literatura regionalista,
não é apenas o cronista do Nordeste.
(Trecho da nota de Lúcia Miguel Pereira ao romance Pureza, de José Lins do
Rego. 5 ed. Rio de Janeiro. José Olympio, 1956, com atualização ortográfica
em respeito ao Acordo vigente)

É correto afirmar, considerando-se o teor do texto, que a autora


a) defende a literatura voltada para aspectos regionais, como superior a
qualquer outra.
b) aponta para uma mudança favorável na criação literária de um romancista
nordestino.
c) analisa o viés repetitivo dos temas abordados por um escritor nordestino, o
que lhe tira a originalidade.

Prof. Bruno Spencer 67 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

d) aborda a permanência, nos romances nordestinos, de temas já esgotados,


como o do ciclo do açúcar.
e) avalia a importância de um romancista como divulgador dos problemas
sociais e econômicos do Nordeste.
Comentários:
Alternativa A – Incorreta – No fechamento do texto, a autora nega totalmente
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

a possibilidade dessa interpretação, ao afirmar que José Lins do Rêgo é mais


que um regionalista.
“E sobretudo provou que, embora as raízes de sua vocação de romancista se
alimentem do seu provincianismo, não está escravizado à literatura regionalista,
não é apenas o cronista do Nordeste. “
Alternativa B – Correta – O texto afirma que após esgotar o tema, José Lins do
Rêgo surpreendeu com o romance “Pureza” partindo para a abordagem de
outros temas, o que o fez transcender o rótulo de escritor regionalista.
“Pureza foi a resposta do romancista e a pedra de toque nos permitiu aquilatar
com segurança da sua capacidade de criar livremente, sem o ponto de partida
das evocações de gente e coisas familiares. “
Alternativa C – Incorreta – O texto afirma que, mesmo escrevendo sobre temas
afins, o autor apenas esgotara o assunto com “Usina”, sem que até então
houvesse qualquer repetição.
“Com Usina esgotou o assunto. Sem se repetir, não poderia continuar a estudar
o mesmo tema. “
Alternativa D – Incorreta – O texto afirma que após esgotar o tema, José Lins
do Rêgo surpreendeu com o romance “Pureza” partindo para a abordagem de
EU VOU PASSAR !!

outros temas, o que o fez transcender o rótulo de escritor regionalista.


“Pureza foi a resposta do romancista e a pedra de toque nos permitiu aquilatar
com segurança da sua capacidade de criar livremente, sem o ponto de partida
das evocações de gente e coisas familiares. “
Alternativa E – Incorreta – O texto não faz qualquer abordagem nesse sentido,
focando apenas a questão literária.
Gabarito: B

36) FCC/Cons Leg/AL PB/2013


Atenção: Considere o texto abaixo para responder à questão.
Já estamos habituados ao romance anual de José Lins do Rego; uma escapada
ao Nordeste em sua companhia faz parte do nosso ritmo de vida. Durante cinco
anos, em livros ora mais plenamente realizados, como Menino de engenho e
Banguê, ora mais fracos, como Doidinho, mas sempre vivos e verdadeiros, o
romancista nos trazia mais um caso da família de José Paulino, mais uma

Prof. Bruno Spencer 68 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

vicissitude do Santa Rosa, mais um aspecto da existência nas lavouras de cana


do Nordeste, e da indústria do açúcar. Com Usina esgotou o assunto. Sem se
repetir, não poderia continuar a estudar o mesmo tema.
Que daria José Lins do Rego sem o açúcar, sem as recordações de infância?
Essa pergunta era formulada por todos quantos admiramos o seu talento e
seguimos com interesse a expansão da sua força criadora. Pureza foi a resposta
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

do romancista e a pedra de toque nos permitiu aquilatar com segurança da sua


capacidade de criar livremente, sem o ponto de partida das evocações de gente
e coisas familiares.
José Lins do Rego mostrou [...] poder prescindir da terra para formar o
ambiente, dos canaviais que assobiam ao vento, das pastagens sonoras de
mugidos, dos rios de cheias aterradoras, das matas floridas, de tudo aquilo que
constitui, sobretudo em Menino de engenho, um fundo de beleza e poesia. E
sobretudo provou que, embora as raízes de sua vocação de romancista se
alimentem do seu provincianismo, não está escravizado à literatura regionalista,
não é apenas o cronista do Nordeste.
(Trecho da nota de Lúcia Miguel Pereira ao romance Pureza, de José Lins do
Rego. 5 ed. Rio de Janeiro. José Olympio, 1956, com atualização ortográfica
em respeito ao Acordo vigente)

E sobretudo provou que, embora as raízes de sua vocação de romancista se


alimentem do seu provincianismo ...
Depreende-se do emprego da expressão grifada que seu correto entendimento
está em:
EU VOU PASSAR !!

a) uma maneira de ser e de mostrar aspectos e costumes próprios de uma


província ou região.
b) exprimir habitualmente um mau gosto acentuado, consolidado em uma
província ou região isolada.
c) tentar corrigir o atraso no modo de vida e nos costumes típicos de
determinada região ou província.
d) criar personagens sem expressão, por estarem inseridas em um meio
provinciano bastante atrasado.
e) dedicar-se à criação de romances cujo interesse extrapola as características
de determinada região.
Comentários:
Alternativa A – Correta – “Já estamos habituados ao romance anual de José Lins
do Rego; uma escapada ao Nordeste em sua companhia faz parte do nosso
ritmo de vida. “

Prof. Bruno Spencer 69 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

Alternativa B – Incorreta – O texto reconhece o talento do escritor e a qualidade


de sua obra.
Alternativa C – Incorreta – A autora demonstra ter prazer ao ler as obras
regionalistas do escritor.
“o ambiente, dos canaviais que assobiam ao vento, das pastagens sonoras de
mugidos, dos rios de cheias aterradoras, das matas floridas, de tudo aquilo que
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

constitui, sobretudo em Menino de engenho, um fundo de beleza e poesia.“


Alternativa D – Incorreta – Mais uma alternativa que contradiz o texto. “Durante
cinco anos, em livros ora mais plenamente realizados, como Menino de engenho
e Banguê, ora mais fracos, como Doidinho, mas sempre vivos e verdadeiros”
Alternativa E – Incorreta – De fato José Lins do Rêgo criou romances cujo
interesse extrapola as características de determinada região, no entanto, não é
esse o sentido da expressão “do seu provincianismo”.
Gabarito: A

37) FCC/Cons Leg/AL PB/2013


Atenção: Considere o texto abaixo para responder à questão.
Já estamos habituados ao romance anual de José Lins do Rego; uma escapada
ao Nordeste em sua companhia faz parte do nosso ritmo de vida. Durante cinco
anos, em livros ora mais plenamente realizados, como Menino de engenho e
Banguê, ora mais fracos, como Doidinho, mas sempre vivos e verdadeiros, o
romancista nos trazia mais um caso da família de José Paulino, mais uma
vicissitude do Santa Rosa, mais um aspecto da existência nas lavouras de cana
do Nordeste, e da indústria do açúcar. Com Usina esgotou o assunto. Sem se
EU VOU PASSAR !!

repetir, não poderia continuar a estudar o mesmo tema.


Que daria José Lins do Rego sem o açúcar, sem as recordações de infância?
Essa pergunta era formulada por todos quantos admiramos o seu talento e
seguimos com interesse a expansão da sua força criadora. Pureza foi a resposta
do romancista e a pedra de toque nos permitiu aquilatar com segurança da sua
capacidade de criar livremente, sem o ponto de partida das evocações de gente
e coisas familiares.
José Lins do Rego mostrou [...] poder prescindir da terra para formar o
ambiente, dos canaviais que assobiam ao vento, das pastagens sonoras de
mugidos, dos rios de cheias aterradoras, das matas floridas, de tudo aquilo que
constitui, sobretudo em Menino de engenho, um fundo de beleza e poesia. E
sobretudo provou que, embora as raízes de sua vocação de romancista se
alimentem do seu provincianismo, não está escravizado à literatura regionalista,
não é apenas o cronista do Nordeste.

Prof. Bruno Spencer 70 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

(Trecho da nota de Lúcia Miguel Pereira ao romance Pureza, de José Lins do


Rego. 5 ed. Rio de Janeiro. José Olympio, 1956, com atualização ortográfica
em respeito ao Acordo vigente)

Com Usina esgotou o assunto. Sem se repetir, não poderia continuar a estudar
o mesmo tema.
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

As afirmativas acima conduzem à correta interpretação de que, segundo a


autora, José Lins do Rego
a) apresentava uma visão infantil em seus romances regionais − e, portanto,
sujeita a interpretações equivocadas dos fatos vivenciados em sua história.
b) estava sendo redundante nos temas abordados em seus romances − a vida
no Nordeste durante sua infância −, porém continuava ainda a explorá-los.
c) com Pureza, ainda era visto e reconhecido como um escritor voltado para um
único tema − a vida no Nordeste dos engenhos de açúcar e sua transformação
em usinas.
d) somente deveria mudar os temas trabalhados em seus romances quando
todos os aspectos regionais − especialmente a natureza da região nordestina –
tivessem sido abordados.
e) já havia abordado todas as facetas do seu mundo particular − o engenho e
a produção do açúcar − e se tornaria monótono e enfadonho caso continuasse
a explorar esses temas.
Comentários:
Alternativa A – Incorreta – Em seu texto, a autora reconhece o talento do
EU VOU PASSAR !!

escritor e a qualidade de sua obra.


“provou que, embora as raízes de sua vocação de romancista se alimentem do
seu provincianismo, não está escravizado à literatura regionalista, não é apenas
o cronista do Nordeste. “
Alternativa B – Incorreta – O texto afirma que, mesmo escrevendo sobre temas
afins, o autor apenas esgotara o assunto com Usina, sem que até então
houvesse qualquer repetição.
“Com Usina esgotou o assunto. Sem se repetir, não poderia continuar a estudar
o mesmo tema. “
A afirmativa também entra em contradição com o segundo parágrafo do texto.
“Que daria José Lins do Rego sem o açúcar, sem as recordações de infância?
Essa pergunta era formulada por todos quantos admiramos o seu talento e
seguimos com interesse a expansão da sua força criadora. Pureza foi a resposta
do romancista e a pedra de toque nos permitiu aquilatar com segurança da sua
capacidade de criar livremente, sem o ponto de partida das evocações de gente
e coisas familiares. “

Prof. Bruno Spencer 71 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

Alternativa C – Incorreta – Pureza foi uma demonstração de que o escritor era


capaz de ir além de suas memórias de infância retratadas de forma singular em
seus primeiros livros.
Alternativa D – Incorreta – O texto afirma que a partir de Usina não havia mais
aspectos de sua infância e dos canaviais do Nordeste a serem abordados sem
que houvesse repetições.
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

Alternativa E – Correta
Gabarito: E

38) FCC/AJ/TRT 1/Judiciária/Execução de Mandados/2013


Atenção: A questão refere-se ao texto abaixo.
Confiar e desconfiar
Desconfiar é bom e não custa nada − é o que diz o senso comum, valorizando
tanto a cautela como a usura. Mas eu acho que desconfiar custa, sim, e às vezes
custa demais. A desconfiança costuma ficar bem no meio do caminho da
aventura, da iniciativa, da descoberta, atravancando a passagem e impedindo
− quem sabe? – uma experiência essencial.
Por desconfiar deixamos de arriscar, permitindo que a prudência nos imobilize;
por cautela, calamo-nos, não damos o passo, desviamos o olhar. Depois,
ficamos ruminando sobre o que teremos perdido, por não ousar.
O senso comum também diz que é melhor nos arrependermos do que fizemos
do que lamentarmos o que deixamos de fazer. Como se vê, a sabedoria popular
também hesita, e se contradiz. Mas nesse capítulo da desconfiança eu arrisco:
EU VOU PASSAR !!

quando confiar é mais perigoso e mais difícil, parece-me valer a pena. Falo da
confiança marcada pela positividade, pela esperança, pelo crédito, não pela
mera credulidade. Mesmo quando o confiante se vê malogrado, a confiança terá
valido o tempo que durou, a qualidade da aposta que perdeu. O desconfiado
pode até contar vantagem, cantando alto: − Eu não falei? Mas ao dizer isso,
com os pés chumbados no chão da cautela temerosa, o desconfiado lembra
apenas a estátua do navegante que foi ao mar e voltou consagrado. As estátuas,
como se sabe, não viajam nunca, apenas podem celebrar os grandes e ousados
descobridores.
“Confiar, desconfiando” é outra pérola do senso comum. Não gosto dessa
orientação conciliatória, que manda ganhar abraçando ambas as opções. Confie,
quando for esse o verdadeiro e radical desafio.
(Ascendino Salles, inédito)

Quanto ao sentimento da desconfiança, o texto manifesta clara divergência do


senso comum, pois, para o autor, esse sentimento

Prof. Bruno Spencer 72 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

a) leva, como é sabido, à prática da prudência, que é a chave das grandes


criações humanas.
b) traz, como poucos sabem, a consequência de esperar que tudo acabe se
resolvendo por si mesmo.
c) acaba, como poucos reconhecem, por impedir que se tomem iniciativas
audazes e criativas.
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

d) traduz, como poucos sabem, a vantagem de se calcular muito bem cada


passo das experiências essenciais.
e) importa, como é sabido, em eliminar a dose de irracionalidade que deve
acompanhar a prudência conservadora.
Comentários:
Alternativa A – Incorreta – O texto fala justamente o contrário.
“Por desconfiar deixamos de arriscar, permitindo que a prudência nos imobilize”
Alternativa B – Incorreta – O trecho a seguir contradiz a afirmativa.
“Por desconfiar deixamos de arriscar, permitindo que a prudência nos imobilize;
por cautela, calamo-nos, não damos o passo, desviamos o olhar. Depois,
ficamos ruminando sobre o que teremos perdido, por não ousar. “
Alternativa C – Correta – “A desconfiança costuma ficar bem no meio do
caminho da aventura, da iniciativa, da descoberta, atravancando a passagem e
impedindo − quem sabe? – uma experiência essencial. “
Alternativa D – Incorreta – O texto expressa ideia contrária à alternativa.
“Mas nesse capítulo da desconfiança eu arrisco: quando confiar é mais perigoso
EU VOU PASSAR !!

e mais difícil, parece-me valer a pena. “


Alternativa E – Incorreta – Na questão da confiança, o autor desafia a
racionalidade e a prudência, uma vez que estes apontam predominantemente
no sentido da desconfiança.
“Por desconfiar deixamos de arriscar, permitindo que a prudência nos imobilize”
Gabarito: C

39) FCC/AJ/TRT 1/Judiciária/Execução de Mandados/2013


Atenção: A questão refere-se ao texto abaixo.
Confiar e desconfiar
Desconfiar é bom e não custa nada − é o que diz o senso comum, valorizando
tanto a cautela como a usura. Mas eu acho que desconfiar custa, sim, e às vezes
custa demais. A desconfiança costuma ficar bem no meio do caminho da
aventura, da iniciativa, da descoberta, atravancando a passagem e impedindo
− quem sabe? – uma experiência essencial.

Prof. Bruno Spencer 73 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

Por desconfiar deixamos de arriscar, permitindo que a prudência nos imobilize;


por cautela, calamo-nos, não damos o passo, desviamos o olhar. Depois,
ficamos ruminando sobre o que teremos perdido, por não ousar.
O senso comum também diz que é melhor nos arrependermos do que fizemos
do que lamentarmos o que deixamos de fazer. Como se vê, a sabedoria popular
também hesita, e se contradiz. Mas nesse capítulo da desconfiança eu arrisco:
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

quando confiar é mais perigoso e mais difícil, parece-me valer a pena. Falo da
confiança marcada pela positividade, pela esperança, pelo crédito, não pela
mera credulidade. Mesmo quando o confiante se vê malogrado, a confiança terá
valido o tempo que durou, a qualidade da aposta que perdeu. O desconfiado
pode até contar vantagem, cantando alto: − Eu não falei? Mas ao dizer isso,
com os pés chumbados no chão da cautela temerosa, o desconfiado lembra
apenas a estátua do navegante que foi ao mar e voltou consagrado. As estátuas,
como se sabe, não viajam nunca, apenas podem celebrar os grandes e ousados
descobridores.
“Confiar, desconfiando” é outra pérola do senso comum. Não gosto dessa
orientação conciliatória, que manda ganhar abraçando ambas as opções. Confie,
quando for esse o verdadeiro e radical desafio.
(Ascendino Salles, inédito)

Atente para as seguintes afirmações:


I. No primeiro parágrafo, os termos cautela e usura são atributos de que o autor
se vale para exprimir o que vê como desvantagens da mais cega confiança.
II. No segundo parágrafo, o segmento ficamos ruminando sobre o que teremos
EU VOU PASSAR !!

perdido refere-se aos remorsos que sentimos depois de uma iniciativa


intempestiva.
III. No terceiro parágrafo, a expressão mera credulidade é empregada para
distinguir a ingenuidade do homem crédulo da consciência ativa do confiante.
Em relação ao texto, está correto o que se afirma em
a) I, II e III.
b) I e III, apenas.
c) II e III, apenas.
d) II, apenas.
e) III, apenas.
Comentários:
Item I – Incorreta – Tanto “cautela” como “usura” estão associados no texto à
desconfiança.

Prof. Bruno Spencer 74 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

“Desconfiar é bom e não custa nada − é o que diz o senso comum, valorizando
tanto a cautela como a usura. “
Item II – Incorreta – Ao contrário, o autor refere-se ao fato de não agirmos
em virtude de alguma desconfiança.
“Por desconfiar deixamos de arriscar, permitindo que a prudência nos
imobilize; por cautela, calamo-nos, não damos o passo, desviamos o olhar.
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

Depois, ficamos ruminando sobre o que teremos perdido, por não ousar. “
Item III – Correta – Podemos considerar que o termo “consciência ativa” refere-
se ao trecho “confiança marcada pela positividade, pela esperança, pelo
crédito”.
“Falo da confiança marcada pela positividade, pela esperança, pelo crédito, não
pela mera credulidade. “
Gabarito: E

40) FCC/AJ/TRF 5/Judiciária/"Sem Especialidade"/2013


Atenção: Para responder à questão, considere o texto abaixo.
O arroz da raposa
Julio Cortázar tem um conto que sai de um palíndromo − “Satarsa”. Um menino
brinca de desarticular as palavras. No fundo, um escritor é um sujeito que pela
vida afora continua a mexer com as palavras. Para diante delas, estranha esta,
questiona aquela. O menino de Cortázar, que devia ser ele mesmo, virava a
palavra pelo avesso e se encantava. Saber que a leitura pode ser feita de trás
para diante é uma aventura.
EU VOU PASSAR !!

E às vezes dá certo. No conto “Satarsa”, a palavra é ROMA. Lida ao contrário,


também faz sentido. Deixa de ser ROMA e vira AMOR. Para o leitor adulto e
apressado, isso pode ser uma bobagem. Para o menino é uma descoberta
fascinante. Olhos curiosos, o menino vê a partir daí que o mundo pode ser
arrumado de várias maneiras. Não só o mundo das palavras. É a partir dessa
possibilidade de mudar que o mundo se renova. E melhora.
Ou piora. Não teria graça se só melhorasse. O risco de piorar é fundamental na
aventura humana. Mas estou me afastando da história do Cortázar. E sobretudo
do que pretendo dizer. Ou pretendia. No embalo das palavras, vou me deixando
arrastar de brincadeira, como o menino do conto. Um dia ele encontrou esta
frase: “Dábale arroz a la zorra el abad”. Em português, significa: “O vigário dava
arroz à raposa”. Soa estranho isso, não soa?
Mesmo para um menino aberto ao que der e vier, a frase é bastante surrealista,
mas o que importa é que a oração em espanhol pode ser lida de trás para diante.
E fica igualzinha. Pois este palíndromo não só encantou o menino Cortázar,
como decidiu o seu destino de escritor. Isto sou eu quem digo.

Prof. Bruno Spencer 75 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

Ele percebeu aí que as palavras podem se relacionar de maneira diferente. E


mágica. Sem essa consciência, não há poeta, nem poesia. Como a criança, o
poeta tem um olhar novo. Lê de trás para diante. Cheguei até aqui e não disse
o que queria. Digo então que tentei uma série de anagramas com o Brasil de
hoje. Quem sabe virando pelo avesso a gente acha o sentido?
(Adaptado de Otto Lara Resende. Bom dia para nascer. S.Paulo: Cia. das
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

Letras, 2011. p.2967)

No texto, o autor sugere que


a) as frases mais estranhas seriam aquelas mais plenas de sentido.
b) as palavras só adquiririam sentido quando lidas pelo avesso.
c) o conhecimento do Brasil atual só pode ser aprofundado por meio da poesia.
d) o conto “Satarsa”, de Julio Cortázar, seria autobiográfico.
e) a poesia só seria válida quando colocada a serviço da atuação política.
Comentários:
Alternativa A – Incorreta – A afirmativa extrapola o significado do texto e
distorce o seu significado.
Alternativa B – Incorreta – A afirmativa extrapola o significado do texto e
distorce o seu significado.
“O menino de Cortázar, que devia ser ele mesmo, virava a palavra pelo avesso
e se encantava. Saber que a leitura pode ser feita de trás para diante é uma
aventura. “
EU VOU PASSAR !!

Alternativa C – Incorreta – No trecho abaixo, com a palavra “anagrama”, o autor


expressa uma ideia de reorganização ou releitura para buscar um sentido, como
Julio Cortázar fazia com as palavras.
“Digo então que tentei uma série de anagramas com o Brasil de hoje. Quem
sabe virando pelo avesso a gente acha o sentido? “
Alternativa D – Correta – Podemos inferir esta ideia da seguinte afirmação: “O
menino de Cortázar, que devia ser ele mesmo, virava a palavra pelo avesso
e se encantava. Saber que a leitura pode ser feita de trás para diante é uma
aventura ... Pois este palíndromo não só encantou o menino Cortázar, como
decidiu o seu destino de escritor”.
Alternativa E – Incorreta – Não há qualquer informação no texto que nos leve a
inferir que na abordagem literária do escritor haja presença de elementos
políticos.
Gabarito: D

41) FCC/AJ/TRF 5/Judiciária/"Sem Especialidade"/2013

Prof. Bruno Spencer 76 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

Atenção: Para responder à questão, considere o texto abaixo.


O arroz da raposa
Julio Cortázar tem um conto que sai de um palíndromo − “Satarsa”. Um menino
brinca de desarticular as palavras. No fundo, um escritor é um sujeito que pela
vida afora continua a mexer com as palavras. Para diante delas, estranha esta,
questiona aquela. O menino de Cortázar, que devia ser ele mesmo, virava a
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

palavra pelo avesso e se encantava. Saber que a leitura pode ser feita de trás
para diante é uma aventura.
E às vezes dá certo. No conto “Satarsa”, a palavra é ROMA. Lida ao contrário,
também faz sentido. Deixa de ser ROMA e vira AMOR. Para o leitor adulto e
apressado, isso pode ser uma bobagem. Para o menino é uma descoberta
fascinante. Olhos curiosos, o menino vê a partir daí que o mundo pode ser
arrumado de várias maneiras. Não só o mundo das palavras. É a partir dessa
possibilidade de mudar que o mundo se renova. E melhora.
Ou piora. Não teria graça se só melhorasse. O risco de piorar é fundamental na
aventura humana. Mas estou me afastando da história do Cortázar. E sobretudo
do que pretendo dizer. Ou pretendia. No embalo das palavras, vou me deixando
arrastar de brincadeira, como o menino do conto. Um dia ele encontrou esta
frase: “Dábale arroz a la zorra el abad”. Em português, significa: “O vigário dava
arroz à raposa”. Soa estranho isso, não soa?
Mesmo para um menino aberto ao que der e vier, a frase é bastante surrealista,
mas o que importa é que a oração em espanhol pode ser lida de trás para diante.
E fica igualzinha. Pois este palíndromo não só encantou o menino Cortázar,
como decidiu o seu destino de escritor. Isto sou eu quem digo.
Ele percebeu aí que as palavras podem se relacionar de maneira diferente. E
EU VOU PASSAR !!

mágica. Sem essa consciência, não há poeta, nem poesia. Como a criança, o
poeta tem um olhar novo. Lê de trás para diante. Cheguei até aqui e não disse
o que queria. Digo então que tentei uma série de anagramas com o Brasil de
hoje. Quem sabe virando pelo avesso a gente acha o sentido?
(Adaptado de Otto Lara Resende. Bom dia para nascer. S.Paulo: Cia. das
Letras, 2011. p.2967)
Atente para as afirmações abaixo.
I. A frase Sem essa consciência, não há poeta pode ser corretamente reescrita
do seguinte modo: Não há essa consciência em quem não seja poeta.
II. A frase este palíndromo não só encantou o menino Cortázar, como decidiu o
seu destino de escritor tem seu sentido corretamente reproduzido nesta outra
construção: este palíndromo, além de ter encantado o menino Cortázar,
decidiu o seu destino de escritor.
III. Em Mesmo para um menino aberto ao que der e vier, a frase é bastante
surrealista, a substituição do verbo é por parecia implica a alteração do
segmento grifado para um menino aberto ao que desse e viesse.

Prof. Bruno Spencer 77 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

Está correto o que consta em


a) I, II e III.
b) II, apenas.
c) I e III, apenas.
d) II e III, apenas.
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

e) I, apenas.
Comentários:
Item I – Incorreta – A reescritura da frase não mantém a ideia de condição
entre a ausência dessa consciência e a não existência de poetas.
Item II – Correta – A expressão “não só...como”, indicando adição, foi
corretamente substituída pela expressão “além de”.
Item III – Correta – Ao modificar o verbo e o tempo verbal para o pretérito
imperfeito do indicativo, a alteração dos verbos DER e VIER para o pretérito
imperfeito do subjuntivo se faz necessária para manter a harmonia da
correlação verbal e a coerência do texto.
Gabarito: D

Valeu pessoal.
Nas próximas aulas teremos provas,
para praticar mais e testar nosso conhecimento.
EU VOU PASSAR !!

Abraço!!!

Prof. Bruno Spencer 78 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

4 – Lista de Exercícios

1) FCC/AJ/TRE SP/Administrativa/"Sem Especialidade"/2017


Atenção: Para responder à questão, considere o texto abaixo.
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

Sandberg, que mudou totalmente o conceito espectador/obra de arte com o seu


trabalho de duas décadas no Museu Stedelijk, de Amsterdã, iniciou sua palestra
elogiando a arquitetura do nosso MAM-RJ que, segundo ele, segue a sua teoria
de que o público deve ver a obra de arte de frente e não de lado, como acontece
até agora com o museu convencional de quatro paredes. O ideal, disse ele, é
que as paredes do museu sejam de vidro e que as obras estejam à mostra em
painéis no centro do recinto. O museu não é uma estrutura sagrada e quem o
frequenta deve permanecer em contato com a natureza do lado de fora:
A finalidade do museu de arte contemporânea é nos ajudar a ter consciência da
nossa própria época, manter um espelho na frente do espectador no qual ele
possa se reconhecer. Este critério nos leva também a mostrar a arte de todos
os tempos dentro do ambiente atual. Isso significa que devemos abolir o
mármore, o veludo, as colunas gregas, que são interpretações do século XIX.
Apenas a maior flexibilidade e simplicidade. A luz de cima é natural ao ar livre,
mas artificial ao interior. As telas são pintadas com luz lateral e devem ser
mostradas com luz lateral. A luz de cima nos permite encerrar o visitante entre
quatro paredes. Certos museólogos querem as quatro paredes para infligir o
maior número possível de pinturas aos pobres visitantes.
É de capital importância que o visitante possa caminhar em direção a um quadro
e não ao lado dele. Quando os quadros são apresentados nas quatro paredes,
EU VOU PASSAR !!

o visitante tem de caminhar ao seu lado. Isso produz um efeito completamente


diferente, especialmente se não queremos que ele apenas olhe para o trabalho,
mas o veja. Isso é ainda mais verdadeiro em relação aos grandes museus de
arte contemporânea. Eles são grandes porque o artista moderno quer nos
envolver com o seu trabalho e deseja que entremos em sua obra. Ao organizar
o nosso museu, devemos ter consciência da mudança de mentalidade da nova
geração. Abolir todas as marcas do establishment: uniformes, cerimoniais,
formalismo. Quando eu era jovem, as pessoas entravam nos museus nas pontas
dos pés, não ousavam falar ou rir alto, apenas cochichavam.
Realmente não sabemos se os museus, especialmente os de arte
contemporânea, devem existir eternamente. Foram criados numa época em que
a sociedade não estava bastante interessada nos trabalhos de artistas vivos. O
ideal seria que a arte se integrasse outra vez na vida diária, saísse para as ruas,
entrasse nas casas e se tornasse uma necessidade. Esta deveria ser a principal
finalidade do museu: tornar-se supérfluo”.
(Adaptado de: BITTENCOURT, Francisco. “Os Museus na Encruzilhada” [1974],
em Arte-Dinamite, Rio de Janeiro, Editora Tamanduá, 2016, p. 73-75)

Prof. Bruno Spencer 79 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

...que o visitante possa caminhar em direção a um quadro e não ao lado dele.


(3º parágrafo)
Isso produz um efeito completamente diferente, especialmente se não
queremos que ele apenas olhe para o trabalho, mas o veja. (3º parágrafo)
...no qual ele possa se reconhecer. (2º parágrafo)
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

Nos segmentos acima, os pronomes sublinhados referem-se, respectivamente,


a:
a) visitante − trabalho − ele
b) quadro − trabalho − espelho
c) quadro − efeito − espectador
d) visitante − efeito − museu
e) quadro − ele − espectador

2) FCC/Ana RH/ALMS/2016
Instituições e riscos
Sem convívio não há vida, sem convívio não há civilização. Mas para conviver
neste pequeno planeta, para se afastar da barbárie, os homens necessitam de
princípios e de regras, em suas múltiplas formas de agrupamento. Orientados
por tantos e tão diferentes interesses, premidos pelas mais diversas
necessidades, organizamo-nos em associações, escolas, igrejas, sindicatos,
corporações, clubes, empresas, assembleias, missões etc., confiando em que a
EU VOU PASSAR !!

força de um objetivo comum viabiliza a unificação de todos no corpo de uma


instituição. É o sentido mesmo de uma coletividade organizada que legitima a
existência e o funcionamento das instituições.
Mas é preciso sempre alertar para o fato de que, criadas para permitir o convívio
civilizado, as instituições também podem abrigar aqueles que se valem de seu
significado coletivo para mascarar interesses particulares. A corrupção e a
fraude podem tirar proveito do prestígio de uma instituição, alimentando-se de
sua força como um parasita oportunista se aproveita do hospedeiro saudável.
Não faltam exemplos de deturpações e desvios do bom caminho institucional,
provocados exatamente por aqueles que deveriam promover a garantia do
melhor roteiro. Por isso, não há como deixar de sermos vigilantes no
acompanhamento das organizações todas que regem nossa vida: observemos
sempre se são de fato os princípios do bem coletivo que estão orientando a ação
institucional. Sem isso, deixaremos que a necessidade original de convívio, em
vez de propiciar a saúde do empreendimento social, dê lugar ao atendimento
do egoísmo mais primitivo.
(Teobaldo de Carvalho, inédito)

Prof. Bruno Spencer 80 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

Os dois últimos períodos do texto são introduzidos pelas expressões “Por isso”
e “Sem isso”, que nesse contexto se referem, precisamente,
a) a um mesmo antecedente: a necessidade de ficarmos alertas.
b) a um mesmo antecedente: a ocorrência do parasitismo oportunista.
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

c) a estes dois respectivos antecedentes: um convívio civilizado e a boa saúde


do empreendimento social.
d) a estes dois respectivos antecedentes: desvios do roteiro desejável e
necessidade de vigilância.
e) a estes dois respectivos antecedentes: os bons princípios coletivos e o
egoísmo mais primitivo.

3) FCC/Ag/ALMS/Apoio Legislativo/2016
Serviço público
Entre os serviços oferecidos pelo Estado (com recursos provenientes da
arrecadação de impostos) e a população (sobretudo os que dependem
inteiramente da qualidade desses serviços), está a figura do servidor público.
Para fazer essa importante mediação, costuma-se garantir ao servidor a
estabilidade e o salário que lhe permitam exercer sua função com a
independência e a dignidade de quem não pode e não deve se submeter a troca
de favores ou de vantagens que não as da legislação que rege seu contrato de
trabalho.
Não convém esquecer que entre os servidores públicos, além dos que se
EU VOU PASSAR !!

entregam ao cumprimento da burocracia, estão aqueles que têm importância


fundamental em áreas vitais como a Educação, a Saúde, a Segurança, o controle
do meio ambiente e outras que concorrem diretamente para qualificar nosso
nível de vida. Há quem julgue que todos os empreendimentos sociais deveriam
regular-se pelo Mercado, e não pelo Estado. Para quem assim pensa, a figura
do servidor público surge não como um cidadão operoso e eficiente, mas como
um entrave à excelência dos negócios, que se regulamentariam por si mesmos.
É nessa ordem de coisas que professores, médicos, agentes de segurança e
tantos outros profissionais do setor público precisam tomar em suas mãos a
responsabilidade de quem estabelece, na prática, o vínculo entre o cidadão e o
Estado, o indivíduo e sua cidadania. O contato entre o servidor e a população
deve espelhar uma relação de confiança em que, cidadãos ambos, reconhecem-
se como integrantes de uma mesma ordem social mediada pelo direito público
e não pelo privilégio privado. O equilíbrio entre o que o Estado tem o dever de
oferecer e o Mercado tem o interesse em vender e comprar é um desafio a ser

Prof. Bruno Spencer 81 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

enfrentado pela sociedade moderna. A figura do servidor público é não apenas


emblemática: é a encarnação do vínculo profissional e humano entre os direitos
do povo e os deveres do Estado .
(Josimar Castelo, inédito)

Atente para as seguintes frases:


Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

I. O servidor público carece de estabilidade e boa remuneração.


II. A falta de estabilidade e de boa remuneração fragiliza a condição do servidor.
III. Um servidor fragilizado deixa de ser eficiente.
As frases acima estão articuladas com correção e coerência em:
a) Quando a condição de um servidor é fragilizada pela falta de estabilidade e
boa remuneração, ele deixa de ser eficiente.
b) Por falta de estabilidade e de boa remuneração, de cujas se mostra carente,
o servidor fragilizado fica ineficiente.
c) Não há eficácia, quando um servidor, sempre carente de estabilidade e
remuneração, deixa por isso de ser eficiente.
d) Por ser fragilizado, mesmo porque ele carece de estabilidade e boa
remuneração, um servidor deixa de ser eficiente.
e) Um servidor se torna ineficiente, caso a estabilidade e a boa remuneração
venham a faltar-lhe, assim lhe fragilizando.

4) FCC/Esc/BB/"Sem Área"/2013
EU VOU PASSAR !!

Atenção: Para responder à questão, considere o texto abaixo.


Ao longo do século XVII, a Holanda foi um dos dois motores de um fenômeno
que transformaria para sempre a natureza das relações internacionais: a
primeira onda da chamada globalização. O outro motor daquela era de
florescimento extraordinário das trocas comerciais e culturais era um império
do outro lado do planeta − a China. Só na década de 1650, 40 000 homens
partiram dos portos holandeses rumo ao Oriente, em busca dos produtos
cobiçados que se fabricavam por lá. Mas a derrota em uma guerra contra a
França encerrou os dias da Holanda como força dominante no comércio mundial.
Se o século XVI havia sido marcado pelas grandes descobertas, o seguinte
testemunhou a consequência maior delas: o estabelecimento de um poderoso
cinturão de comércio que ia da Europa à Ásia. "O sonho de chegar à China é o
fio imaginário que percorre a história da luta da Europa para fugir do
isolamento", diz o escritor canadense Timothy Brook, no livro O chapéu de
Vermeer.

Prof. Bruno Spencer 82 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

Isso determinou mudanças de comportamento e de valores: "Mais gente


aprendia novas línguas e se ajustava a costumes desconhecidos". O estímulo a
esse movimento era o desejo irreprimível dos ocidentais de consumir as
riquezas produzidas no Oriente. A princípio refratários ao comércio com o
exterior, os governantes chineses acabaram rendendo-se à evidência de que o
comércio significava a injeção de riqueza na economia local (em especial sob a
forma de toneladas de prata).
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

Sob vários aspectos, a China e a Holanda do século XVII eram a tradução de


um mesmo espírito de liberdade comercial. Mas deveu-se só à Holanda a
invenção da pioneira engrenagem econômica transnacional. A Companhia das
Índias Orientais − a primeira grande companhia de ações do mundo, criada em
1602 − foi a mãe das multinacionais contemporâneas. Beneficiando-se dos
baixos impostos e da flexibilidade administrativa, ela tornou-se a grande
potência empresarial do século XVII.
(Adaptado de: Marcelo Marthe. Veja, p. 136137, 29 ago. 2012)

Isso determinou mudanças de comportamento e de valores ... (3o parágrafo)


O pronome grifado evita a repetição, no texto, da expressão:
a) o estabelecimento de um poderoso cinturão de comércio.
b) a primeira onda da chamada globalização.
c) a derrota em uma guerra contra a França.
d) o desejo irreprimível dos ocidentais.
e) a injeção de riqueza na economia local.
EU VOU PASSAR !!

5) FCC/AJ/TRF 3/Apoio Especializado/Arquivologia/2014


Atenção: Para responder à questão, considere o texto abaixo.
A dor, juntamente com a morte, é sem dúvida a experiência humana mais bem
repartida: nenhum privilegiado reivindica ignorância em relação a ela ou se
vangloria de conhece-la melhor que qualquer outro. Violência nascida no próprio
âmago do indivíduo, ela dilacera sua presença e o esgota, dissolve-o no abismo
que nele se abriu, esmaga-o no sentimento de um imediato sem nenhuma
perspectiva. Rompe-se a evidência da relação do indivíduo consigo e com o
mundo.
A dor quebra a unidade vivida do homem, transparente para si mesmo enquanto
goza de boa saúde, confiante em seus recursos, esquecido do enraizamento
físico de sua existência, desde que nenhum obstáculo se interponha entre seus
projetos e o mundo. De fato, na vida cotidiana o corpo se faz invisível, flexível;
sua espessura é apagada pelas ritualidades sociais e pela repetição incansável
de situações próximas umas das outras. Aliás, esse ocultar o corpo da atenção

Prof. Bruno Spencer 83 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

do indivíduo leva René Leriche a definir a saúde como “a vida no silêncio dos
órgãos”. Georges Canguilhem acrescenta que ela é um estado de “inconsciência
em que o sujeito é de seu corpo”.
(Adaptado de: BRETON, David Le. Antropologia da Dor, São Paulo, Editora
FapUnifesp, 2013, p. 256)
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

Os pronomes grifados nos segmentos ... enraizamento físico de sua existência,


... sua espessura é apagada... e ... ela é um estado de inconsciência... (2o
parágrafo) referem-se, respectivamente, a:
a) enraizamento físico, corpo e atenção do indivíduo.
b) homem, corpo e saúde.
c) dor, vida cotidiana e saúde.
d) enraizamento físico, corpo e vida no silêncio.
e) homem, vida cotidiana e saúde.

6) FCC/TJ/TRF 2/Administrativa/"Sem Especialidade"/2012


Atenção: A questão baseia-se no texto abaixo.
Quantas janelas você abre no computador enquanto checa seus e-mails e
atualizações de amigos em redes sociais pelo celular? Você consegue cozinhar,
conversar ao telefone e pôr o bebê para dormir com igual competência?
Cuidado. O bombardeio de informações e a quantidade de tarefas a serem
executadas ao mesmo tempo podem comprometer sua capacidade de
EU VOU PASSAR !!

concentração e, no final das contas, você acabará não fazendo nada direito. Ter
um perfil multitarefeiro, associado à "geração Y" − jovens nascidos nos anos 80
− pode também ser sinônimo de falta de atenção e de trabalho mal feito, o que
afeta a empregabilidade.
Com a demanda de informação nos dias de hoje, em que um incidente em
qualquer canto pode repercutir em vários países ao redor do mundo, o tempo
de concentração diminuiu. Do ponto de vista dos departamentos de recursos
humanos, esse pouco tempo de concentração pode ser um problema para a
geração Y nas empresas, principalmente porque as organizações precisam da
dedicação de tempos longos a reuniões extensas.
A aposta em trabalhadores multitarefeiros está voltada para a quantidade de
informações que alguém pode absorver frente às diversas fontes e dados
eletrônicos disponíveis hoje. No entanto, as pesquisas mostram que aqueles que
mantêm foco em mais de uma atividade ao mesmo tempo são uma raridade. O
que se tem hoje são pessoas que, devido ao meio em que estão inseridas, se
tornaram "multitarefeiras crônicas", mas não conseguem ser boas nos atributos

Prof. Bruno Spencer 84 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

relacionados ao multitarefismo: prestar atenção somente ao conteúdo


relevante, armazená-lo na memória e alternar o foco nas tarefas.
Um pesquisador alerta, no entanto, que as pessoas, de modo geral, já sentem
estresse e vários problemas emocionais relacionados à correria da multitarefa.
Pouco tempo de descanso, cabeça atolada de problemas e impossibilidade de
concentração por mais de 20 minutos em uma leitura, por exemplo, são
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

características marcantes das mentes altamente atarefadas. "A sociedade,


normalmente, comete um terrível engano ao encorajar as pessoas a realizarem
multitarefas", diz.
(Maíra Lie Chao. Planeta, São Paulo, Editora Três, julho de 2011, p. 4246, com
adaptações)

... devido ao meio em que estão inseridas ... (3o parágrafo)


O segmento denota, no contexto, noção de
a) causa.
b) condição.
c) consequência.
d) finalidade.
e) temporalidade.

7) FCC/AJ/TRE RO/Judiciária/2013
Atenção: Considere o texto abaixo para responder à questão.
EU VOU PASSAR !!

Pintor, gravador e vitralista, Marc Chagall estudou artes plásticas na Academia


de Arte de São Petersburgo. Seguindo para Paris em 1910, ligou-se aos poetas
Blaise Cendrars, Max Jacob e Apollinaire − e aos pintores Delaunay, Modigliani
e La Fresnay.
A partir daí, trabalhou intensamente para integrar o seu mundo de
reminiscências e fantasias na linguagem moderna derivada do fauvismo e do
cubismo.
Na década de 30, o clima de perseguição e de guerra repercute em sua pintura,
onde surgem elementos dramáticos, sociais e religiosos. Em 1941, parte para
os EUA, onde sua esposa falece (1944). Chagall mergulha, então, em um
período de evocações, quando conclui o quadro "Em torno dela", que se tornou
uma síntese de todos os seus temas.
(Adaptado de: educação.uol.com.br/biografias/marcchagall. html)

No texto, evita-se a repetição do termo onde (3o parágrafo), substituindo o


segmento onde surgem por:

Prof. Bruno Spencer 85 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

a) em que apresenta.
b) cuja apresenta.
c) que apresentam.
d) que passa a apresentar.
e) na qual apresenta-se.
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

8) FCC/AJ/TRT 19/Judiciária/"Sem Especialidade"/2014


Atenção: Para responder à questão, considere o texto abaixo.
O MAQUINISTA empurra a manopla do acelerador. O trem cargueiro começa a
avançar pelos vastos e desertos prados do Cazaquistão, deixando para trás a
fronteira com a China.
O trem segue mais ou menos o mesmo percurso da lendária Rota da Seda,
antigo caminho que ligava a China à Europa e era usado para o transporte de
especiarias, pedras preciosas e, evidentemente, seda, até cair em desuso, seis
séculos atrás.
Hoje, a rota está sendo retomada para transportar uma carga igualmente
preciosa: laptops e acessórios de informática fabricados na China e enviados
por trem expresso para Londres, Paris, Berlim e Roma.
A Rota da Seda nunca foi uma rota única, mas sim uma teia de caminhos
trilhados por caravanas de camelos e cavalos a partir de 120 a.C., quando Xi'an
− cidade do centro-oeste chinês, mais conhecida por seus guerreiros de
terracota − era a capital da China.
EU VOU PASSAR !!

As caravanas começavam cruzando os desertos do oeste da China, viajavam


por cordilheiras que acompanham as fronteiras ocidentais chinesas e então
percorriam as pouco povoadas estepes da Ásia Central até o mar Cáspio e além.
Esses caminhos floresceram durante os primórdios da Idade Média. Mas, à
medida que a navegação marítima se expandiu e que o centro político da China
se deslocou para Pequim, a atividade econômica do país migrou na direção da
costa.
Hoje, a geografia econômica está mudando outra vez. Os custos trabalhistas
nas cidades do leste da China dispararam na última década. Por isso as
indústrias estão transferindo sua produção para o interior do país.
O envio de produtos por caminhão das fábricas do interior para os portos de
Shenzhen ou Xangai − e de lá por navios que contornam a Índia e cruzam o
canal de Suez − é algo que leva cinco semanas. O trem da Rota da Seda reduz
esse tempo para três semanas. A rota marítima ainda é mais barata do que o
trem, mas o custo do tempo agregado por mar é considerável.
Inicialmente, a experiência foi realizada nos meses de verão, mas agora
algumas empresas planejam usar o frete ferroviário no próximo inverno boreal.

Prof. Bruno Spencer 86 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

Para isso adotam complexas providências para proteger a carga das


temperaturas que podem atingir 40 °C negativos.
(Adaptado de: www1.folhauol.com.br/FSP/newyorktimes/122473)

Há relação de causa e consequência, respectivamente, entre


Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

a) o aumento dos custos trabalhistas no leste da China e a atual transferência


da produção industrial para o interior do país.
b) a redução de tempo no atual transporte por trem na Rota da Seda e a
aceleração da venda de produtos de informática.
c) o uso de caminhões para o transporte de carga e a atual mudança da
geografia econômica da China.
d) a retomada do transporte de mercadorias pela Rota da Seda e o aumento
nos custos do transporte marítimo.
e) a suspensão do uso da Rota da Seda no fim da Idade Média e a diminuição
na demanda do Ocidente por especiarias e seda.

9) FCC/TJ/TRT 15/Apoio Especializado/Enfermagem/2015


Atenção: Para responder à questão, considere o texto abaixo.
O termo saudade, monopólio sentimental da língua portuguesa, geralmente se
traduz em alemão pela palavra “sehnsucht”. No entanto, as duas palavras têm
uma história e uma carga sentimental diferentes. A saudade é um sentimento
geralmente voltado para o passado e para os conteúdos perdidos que o passado
EU VOU PASSAR !!

abrigava. Embora M. Rodrigues Lapa, referindo-se ao sentimento da saudade


nos povos célticos, empregue esse termo como “ânsia do infinito”, não é esse o
uso mais generalizado. Emprega-se a palavra, tanto na linguagem corrente
como na poesia, principalmente com referência a objetos conhecidos e amados,
mas que foram levados pela voragem do tempo ou afastados pela distância.
A “sehnsucht” alemã abrange ao contrário tanto o passado como o futuro.
Quando usada com relação ao passado, é mais ou menos equivalente ao termo
português, sem que, contudo, lhe seja inerente toda a escala cromática de
valores elaborados durante uma longa história de ausências e surgidos em
consequência do temperamento amoroso e sentimental do português. Falta à
palavra alemã a riqueza etimológica, o eco múltiplo que ainda hoje vibra na
palavra portuguesa.
A expressão “sehnsucht”, todavia, tem a sua aplicação principal precisamente
para significar aquela “ânsia do infinito” que Rodrigues Lapa atribuiu à saudade.
No uso popular e poético emprega-se o termo com frequência para exprimir a
aspiração a estados ou objetos desconhecidos e apenas pressentidos ou

Prof. Bruno Spencer 87 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

vislumbrados, os quais, no entanto, se julgam mais perfeitos que os conhecidos


e os quais se espera alcançar ou obter no futuro.
Assim, a saudade parece ser, antes de tudo, um sentimento do coração
envelhecido que relembra os tempos idos, ao passo que a “sehnsucht” seria a
expressão da adolescência que, cheia de esperanças e ilusões, vive com o olhar
firmado num futuro incerto, mas supostamente prometedor. Ambas as palavras
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

têm certa equivalência no tocante ao seu sentido intermediário, ou seja, à sua


ambivalência doce-amarga, ao seu oscilar entre a satisfação e a insatisfação.
Mas, como algumas de suas janelas dão para o futuro, a palavra alemã é
portadora de um acento menos lânguido e a insatisfação nela contida
transforma-se com mais facilidade em mola de ação.
(Adaptado de: ROSENFELD, Anatol. Doze estudos. São Paulo, Imprensa oficial
do Estado, 1959, p. 2527)

... sem que, contudo, lhe seja inerente toda a escala cromática de valores...
(2º parágrafo)
... um sentimento do coração envelhecido que relembra os tempos idos (4º
parágrafo)
... a insatisfação nela contida transforma-se com mais facilidade em mola de
ação. (4o parágrafo)
Os elementos destacados acima referem-se, no contexto, respectivamente, a:
a) “sehnsucht” alemã − tempos idos − mola de ação
b) termo português − saudade − palavra alemã
EU VOU PASSAR !!

c) escala cromática de valores − tempos idos − insatisfação


d) “sehnsucht” alemã − coração envelhecido − palavra alemã
e) escala cromática de valores − coração envelhecido − mola de ação

10) FCC/ACI (CGM São Luís)/Pref SL/Abrangência Geral/2015


Atenção: A questão refere-se ao texto que segue.
Pretende-se discutir aqui alguns aspectos da obra de Gilberto Freyre focalizando
seu livro de estreia, Casa-grande & senzala, cuja publicação em 1933 levanta
questões até hoje importantes para o entendimento do passado brasileiro.
Cabe observar, antes de prosseguir, que o debate intelectual sobre os destinos
do país estava, naquele momento(a), profundamente marcado pelo tema da
mestiçagem.
Mas a mestiçagem, isto é, o contato sexual entre grupos étnicos distintos,
costumava ser apresentada como um problema: ora implicava esterilidade −
biológica e cultural −, inviabilizando assim o desenvolvimento nacional, ora

Prof. Bruno Spencer 88 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

retardava o completo domínio da raça branca, dificultando o acesso do Brasil


aos valores da civilização ocidental.
O enorme impacto produzido pelo surgimento da obra, que(b) aprofundava a
contribuição pioneira de alguns outros autores como Manuel Quirino, Lima
Barreto e Manoel Bomfim, concorreu para alterar essa avaliação(c), ao enfatizar
não só o valor específico das influências indígenas e africanas, como também a
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

dignidade da híbrida e instável articulação de tradições que(d) teria


caracterizado a colonização portuguesa. Isso(e) só foi possível, segundo o
próprio Gilberto, pelo seu vínculo com a antropologia americana e com a
orientação relativista de Franz Boas − ele obteve um título de mestre em
Columbia, em 1922 − que lhe teria permitido separar a noção de raça da de
cultura e conferir a esta última primazia na análise da vida social.
(ARAÚJO, Ricardo Benzaquen de. "Chuvas de verão. 'Antagonismos em
equilíbrio' em Casagrande & senzala de Gilberto Freyre. In: Um enigma
chamado Brasil: 29 intérpretes e um país. André Botelho e Lilia Moritz
Schwarcz (oganizadores). São Paulo: Companhia das Letras, 2009, p. 200)

Associam-se corretamente um segmento do texto e o trecho que ele retoma,


precisamente demarcado, em:
a) naquele momento / do passado brasileiro.
b) que / impacto.
c) essa avaliação / o acesso do Brasil aos valores da civilização ocidental.
d) que / a híbrida e instável articulação de tradições.
e) Isso / a colonização portuguesa.
EU VOU PASSAR !!

11) FCC/AJ/TRE PB/Administrativa/2015


Atenção: Considere o texto abaixo para responder à questão.
O rio Paraíba corria bem próximo ao cercado. Chamavam-no "o rio". E era tudo.
Em tempos antigos fora muito mais estreito. Os marizeiros e as ingazeiras
apertavam as duas margens e as águas corriam em leito mais fundo. Agora era
largo e, quando descia nas grandes enchentes, fazia medo. Contava-se o tempo
pelas eras das cheias. Isto se deu na cheia de 93, aquilo se fez depois da cheia
de 68. Para nós meninos, o rio era mesmo a nossa serventia nos tempos de
verão, quando as águas partiam e se retinham nos poços. Os moleques saíam
para lavar os cavalos e íamos com eles. Havia o Poço das Pedras, lá para as
bandas da Paciência. Punham-se os animais dentro d’água e ficávamos nos
banhos, nos cangapés. Os aruás cobriam os lajedos, botando gosma pelo casco.
Nas grandes secas o povo comia aruá que tinha gosto de lama. O leito do rio
cobria-se de junco e faziam-se plantações de batata-doce pelas vazantes. Era o
bom rio da seca a pagar o que fizera de mau nas cheias devastadoras. E quando

Prof. Bruno Spencer 89 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

ainda não partia a corrente, o povo grande do engenho armava banheiros de


palha para o banho das moças. As minhas tias desciam para a água fria do
Paraíba que ainda não cortava sabão.
O rio para mim seria um ponto de contato com o mundo. Quando estava ele de
barreira a barreira, no marizeiro maior, amarravam a canoa que Zé Guedes
manobrava.
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

Vinham cargueiros do outro lado pedindo passagem. Tiravam as cangalhas dos


cavalos e, enquanto os canoeiros remavam a toda a força, os animais, com as
cabeças agarradas pelo cabresto, seguiam nadando ao lado da embarcação.
Ouvia então a conversa dos estranhos. Quase sempre eram aguardenteiros
contrabandistas que atravessavam, vindos dos engenhos de Itambé com
destino ao sertão. Falavam do outro lado do mundo, de terras que não eram de
meu avô. Os grandes do engenho não gostavam de me ver metido com aquela
gente. Às vezes o meu avô aparecia para dar gritos. Escondia-me no fundo da
canoa até que ele fosse para longe. Uma vez eu e o moleque Ricardo chegamos
na beira do rio e não havia ninguém. O Paraíba dava somente um nado e corria
no manso, sem correnteza forte. Ricardo desatou a corda, meteu-se na canoa
comigo, e quando procurou manobrar era impossível. A canoa foi descendo de
rio abaixo aos arrancos da água. Não havia força que pudesse contê-la.
Pus-me a chorar alto, senti-me arrastado para o fim da terra. Mas Zé Guedes,
vendo a canoa solta, correu pela beira do rio e foi nos pegar quase que no Poço
das Pedras. Ricardo nem tomara conhecimento do desastre. Estava sentado na
popa. Zé Guedes porém deu-lhe umas lapadas de cinturão e gritou para mim:
− Vou dizer ao velho!
Não disse nada. Apenas a viagem malograda me deixou alarmado. Fiquei com
EU VOU PASSAR !!

medo da canoa e apavorado com o rio. Só mais tarde é que voltaria ele a ser
para mim mestre de vida.
(REGO, José Lins do. "O Rio". In: VV.AA. O Melhor da Crônica Brasileira. Rio
/de Janeiro: José Olympio Editora, 1997, p. 43)

Só mais tarde é que voltaria ele a ser para mim mestre de vida. (último
parágrafo)
Não havia força que pudesse contê-la. (3º parágrafo)
Nas grandes secas o povo comia aruá que tinha gosto de lama. (1º parágrafo)
Nas frases acima, os pronomes sublinhados referem-se respectivamente a:
a) rio − canoa − aruá
b) Zé Guedes − água − aruá
c) rio − correnteza − povo
d) Zé Guedes − canoa − povo

Prof. Bruno Spencer 90 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

e) Zé Guedes − correnteza – aruá

12) FCC/TJ/TRT 6/Administrativa/Segurança/2012


Atenção: A questão refere-se ao texto seguinte.
Os livros de história sempre tiveram dificuldade em falar de mulheres que não
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

respeitam os padrões de gênero, e em nenhuma área essa limitação é tão


evidente como na guerra e no que se refere ao manejo de armas.
No entanto, da Antiguidade aos tempos modernos a história é fértil em relatos
protagonizados por guerreiras. Com efeito, a sucessão política regularmente
coloca uma mulher no trono, por mais desagradável que essa verdade soe.
Sendo as guerras insensíveis ao gênero e ocorrendo até mesmo quando uma
mulher dirige o país, os livros de história são obrigados a registrar certo número
de guerreiras levadas, consequentemente, a se comportar como qualquer
Churchill, Stálin ou Roosevelt.
Semíramis de Nínive, fundadora do Império Assírio, e Boadiceia, que liderou
uma das mais sangrentas revoltas contra os romanos, são dois exemplos. Esta
última, aliás, tem uma estátua à margem do Tâmisa, em frente ao Big Ben, em
Londres. Não deixemos de cumprimenta-la caso estejamos passando por ali.
Em compensação, os livros de história são, em geral, bastante discretos sobre
as guerreiras que atuam como simples soldados, integrando os regimentos e
participando das batalhas contra exércitos inimigos em condições idênticas às
dos homens. Essas mulheres, contudo, sempre existiram. Praticamente
nenhuma guerra foi travada sem alguma participação feminina.
(Adaptado de Stieg Larsson. A rainha do castelo de ar. São Paulo: Cia. das
EU VOU PASSAR !!

Letras, 2009. p. 78)

Com efeito, a sucessão política regularmente coloca uma mulher no trono, por
mais desagradável que essa verdade soe.
Uma redação alternativa para a frase acima, em que se mantêm a correção, a
lógica e, em linhas gerais, o sentido original, é:
a) Embora a sucessão política regularmente coloca uma mulher no trono, por
mais desagradável que soe essa verdade, isso é fato.
b) Realmente, porquanto soe desagradável essa verdade, a sucessão política
coloca, regularmente uma mulher no trono.
c) De fato, embora essa verdade soe desagradável, a sucessão política costuma
colocar uma mulher no trono.
d) Para todos os efeitos, soa desagradável a verdade de que a sucessão política
frequentemente se coloca uma mulher no trono.

Prof. Bruno Spencer 91 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

e) Conquanto a sucessão política, regularmente, coloque uma mulher no trono


soam a alguns desagradável essa verdade.

13) FCC/TJ/TRE RO/Administrativa/2013


Atenção: Considere o texto abaixo para responder à questão.
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

"Temos de agir agora para evitar o pior", comentou o agrônomo Eduardo Assad,
pesquisador da Embrapa, ao apresentar as conclusões de um dos capítulos do
primeiro relatório do Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas − PBMC. Os
pesquisadores esperam que as informações sirvam para nortear a elaboração e
a implantação de políticas públicas e o planejamento das empresas.
Os desafios apontados no relatório são muitos. Ele indica que as consequências
da elevação da temperatura média global serão dramáticas no Brasil. De acordo
com os modelos computacionais de simulação do clima, a agricultura será o
setor mais afetado, por causa das alterações nos regimes de chuva. "Mesmo
que a quantidade de chuva fique inalterada, a disponibilidade de umidade do
solo deve diminuir, em consequência da elevação da temperatura média anual,
que intensifica a evapotranspiração", diz outro especialista. Segundo ele, esse
fenômeno deve prejudicar os cultivos agrícolas em regiões onde a escassez de
água é constante, como o semiárido nordestino.
Uma provável consequência da redução da produtividade agrícola e da área de
terras aptas à agricultura é a queda na renda das populações, intensificando a
pobreza e a migração da área rural para as cidades que, por sua vez, deve
agravar os problemas de infraestrutura (habitação, escola, saúde, transporte e
saneamento).
EU VOU PASSAR !!

Os efeitos na agricultura já podem ser dimensionados. "De 1990 a 2010, a


intensidade da precipitação dobrou na região do cerrado", diz Assad, "e o padrão
tecnológico atual da agricultura ainda não se adaptou a esses novos padrões".
Agora, segundo ele, torna-se imperioso investir intensivamente em sistemas
agrícolas consorciados, e não somente na produção agrícola solteira, de modo
a aumentar a fixação biológica de nitrogênio, reduzir o uso de fertilizantes e
aumentar a rotação de culturas. "Temos de aumentar a produtividade agrícola
no Centro-Oeste, Sudeste e Sul, para evitar a destruição da Amazônia. A
reorganização do espaço rural brasileiro agora é urgente."
Cheias e secas mais frequentes e intensas devem causar uma redução na
produção agrícola também por outra razão. Pesquisadores da Embrapa
concluíram que algumas doenças − principalmente as causadas por fungos − e
pragas podem se agravar em muitas culturas analisadas, em decorrência da
elevação dos níveis de CO2 do ar, da temperatura e da radiação ultravioleta,
acenando com a possibilidade de aumento de preços e redução da variedade de
cereais, hortaliças e frutas.

Prof. Bruno Spencer 92 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

Cheias e secas devem também alterar a vazão dos rios e prejudicar o


abastecimento dos reservatórios das hidrelétricas, acelerar a acidificação da
água do mar e reduzir a biodiversidade dos ambientes aquáticos brasileiros. A
perda de biodiversidade dos ambientes naturais deve se agravar; alguns já
perderam uma área expressiva – o cerrado, 47%, e a caatinga, 44% − a ponto
de os especialistas questionarem se a recuperação do equilíbrio biológico
característico desses ambientes seria mesmo possível.
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

(Adaptado de: FIORAVANTI, Carlos. Revista FAPESP, agosto de 2013, p. 23 e


24)
"Mesmo que a quantidade de chuva fique inalterada, a disponibilidade de
umidade do solo deve diminuir, em consequência da elevação da temperatura
média anual, que intensifica a evapotranspiração", diz outro especialista. (2º
parágrafo)
Redigida de modo diverso, mantém-se o sentido original da fala do especialista,
com clareza e articulação lógica correta, em:
a) Tendo-se elevado a temperatura média anual, com a perda de água do solo,
a quantidade de chuva permanece ainda sem alteração e ainda mais, a umidade
do solo não se mantém disponível.
b) Contanto que se mantenha a precipitação de chuvas nas áreas destinadas à
agricultura, com intensificação da perda de água do solo, haverá uma
diminuição, como resultado do aumento da temperatura média anual.
c) Enquanto que, com a manutenção da quantidade de chuva, o aumento da
perda de água é consequência da elevação da temperatura média anual, com
intensidade maior no solo.
EU VOU PASSAR !!

d) Ainda que se mantenha a precipitação pluvial, haverá diminuição de áreas


aptas à agricultura, resultante da intensificação da perda de água do solo,
devido ao aumento da temperatura média anual.
e) Sem redução da quantidade de chuva, no entanto, o solo permanece menos
úmido, mesmo com o aumento da temperatura média anual, ampliando a perda
de água por transpiração.

14) FCC/Cons Leg (Cam Mun SP)/Biblioteconomia/2014


Atenção: A questão referem-se ao texto seguinte.
[Representações da infância]
Para vários escritores, as origens de suas narrativas estão na infância e na
juventude, cujo mundo é uma promessa de um futuro livro. A memória incerta
e nebulosa do passado acende o fogo de uma ficção no tempo presente.
Cada escritor elege seu paraíso. E a infância, um paraíso perdido para sempre,
pode ser reinventada pela literatura. Mas há também vestígios de inferno no

Prof. Bruno Spencer 93 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

passado, e isso também interessa ao escritor. Traumas, decepções, desilusões


e conflitos alimentam trançados de eventos, tramas sutis ou escabrosas,
veladas ou escancaradas.
Cenas e conversas que presenciamos − ou que foram narradas por amigos e
parentes − permanecem na nossa memória com a força de algo verdadeiro, que
nos toca e inquieta. A infância, com seus sonhos e pesadelos, é prato cheio para
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

a psicanálise, mas também para a literatura.


(HATOUM, Milton. Um solitário à espreita. São Paulo: Companhia das Letras,
2013. p. 180)

A frase A infância, com seus sonhos e pesadelos, é prato cheio para a


psicanálise, mas também para a literatura está reescrita de modo a conservar
o sentido, a correção e a clareza em:
a) Por meio de seus sonhos e pesadelos, a infância não é apenas prato cheio
para a literatura, e ainda o é para a psicanálise.
b) Tanto a literatura como a psicanálise absorvem o prato cheio da infância,
assim como seus sonhos e pesadelos.
c) Por constituir um prato cheio tanto para a psicanálise como a literatura, a
infância se apresenta com sonhos e pesadelos.
d) Constituída por sonhos e pesadelos, não só a psicanálise, pois também a
literatura, veem na infância o prato cheio.
e) Tanto a psicanálise como a literatura encontram na infância, com os sonhos
e pesadelos que ela encerra, um prato cheio.
EU VOU PASSAR !!

15) FCC/AJ/TRF 2/Apoio Especializado/Taquigrafia/2012


Atenção: Para responder à questão, considere o texto abaixo.
As Cartas de amor de Fernando Pessoa a Ofélia Queiroz foram dadas a público
23 anos após a morte do poeta1; as cartas de Ofélia a Pessoa foram publicadas
recentemente2. Possuímos, assim, a íntegra da correspondência entre os dois.
O namoro teve duas fases. A primeira durou de março a novembro de 1920; a
segunda, de setembro de 1929 a janeiro de 1930. Da primeira fase, ficaram
trinta e tantas cartas; da segunda, pouco mais de uma dezena.
Ofélia foi, ao que se sabe, o único amor de Pessoa; Pessoa, o único amor de
Ofélia. O namoro foi intenso e tenso, breve no tempo factual, longo na duração
existencial; mas, como se diz vulgarmente, "não deu certo". Alguns dados
biográficos são necessários para se entender essas cartas; e naturalmente
insuficientes para se entender esse amor. Entender um amor é sempre uma
pretensão vã; considerando-se a complexidade do indivíduo-poeta em questão,

Prof. Bruno Spencer 94 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

querer compreender melhor sua obra à luz dessa correspondência seria uma
pretensão desmedida.
1 Cartas de amor de Fernando Pessoa. Lisboa/Rio de Janeiro; Ática/Camões,
1978.
2 Lisboa, Assírio Alvim, 1996.
(Leyla Perrone-Moisés. "Sinceridade e ficção nas cartas de amor de Fernando
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

Pessoa". In: Prezado senhor, prezada senhora: estudos sobre cartas. Org.
Walnice Galvão, Nádia Battella Gotlib. São Paulo: Companhia das Letras,
2000, p. 175)

Ofélia foi [...] o único amor de Pessoa; Pessoa, o único amor de Ofélia.
Outra formulação para a frase acima que, preservando a clareza e a correção,
gera sentido equivalente é:
a) Ofélia e Pessoa foram ambos o único amor.
b) Os dois − Ofélia e Pessoa − tiveram um único amor recíproco.
c) Os únicos amores de Ofélia e Pessoa foram eles próprios.
d) Ofélia e Pessoa amaram unicamente um ao outro.
e) Ofélia e Pessoa amaram-se unicamente a si próprios.

16) FCC/AJ/TRE SP/Apoio Especializado/Análise de


Sistemas/2012
Atenção: A questão refere-se ao texto abaixo.
EU VOU PASSAR !!

Você está conectado?


Alguns anos atrás, a palavra "conectividade" dormia em paz, em desuso, nos
dicionários, lembrando vagamente algo como ligação, conexão. Agora, na era
da informática e de todas as mídias, a palavra pulou para dentro da cena e
ninguém mais admite viver sem estar conectado. Desconfio que seja este o
paradigma dominante dos últimos e dos próximos anos, em nossa aldeia global:
o primado das conexões.
No ônibus de viagem, de que me valho regularmente, sou quase uma ilha em
meio às mais variadas conexões: do vizinho da direita vaza a chiadeira de um
fone de ouvido bastante ineficaz; do rapazinho à esquerda chega a viva
conversa que mantém há quinze minutos com a mãe, pelo celular; logo à frente
um senhor desliza os dedos no laptop no colo, e se eu erguer um pouquinho os
olhos dou com o vídeo − um filme de ação − que passa nos quatro monitores
estrategicamente posicionados no ônibus. Celulares tocam e são atendidos
regularmente, as falas se cruzam, e eu nunca mais consegui me distrair com o
lento e mudo crepúsculo, na janela do ônibus.

Prof. Bruno Spencer 95 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

Não senhor, não são inocentes e efêmeros hábitos modernos: a conectividade


irrestrita veio para ficar e conduzir a humanidade a não sabemos qual destino.
As crianças e os jovens nem conseguem imaginar um mundo que não seja
movido pela fusão das mídias e surgimento de novos suportes digitais. Tanta
movimentação faz crer que, enfim, os homens estreitaram de vez os laços da
comunicação.
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

Que nada. Olhe bem para o conectado ao seu lado. Fixe-se nele sem receio, ele
nem reparará que está sendo observado. Está absorto em sua conexão, no
paraíso artificial onde o som e a imagem valem por si mesmos, linguagens
prontas em que mergulha para uma travessia solitária. A conectividade é, de
longe, o maior disfarce que a solidão humana encontrou. É disfarce tão eficaz
que os próprios disfarçados não se reconhecem como tais. Emitimos e cruzamos
frenéticos sinais de vida por todo o planeta: seria esse, Dr. Freud, o sintoma
maior de nossas carências permanentes?
(Coriolano Vidal, inédito)

A conectividade é, de longe, o maior disfarce que a solidão humana encontrou.


A frase acima pode ser reescrita, sem prejuízo para a clareza, a correção e o
sentido, da seguinte forma:
a) À distância, a maior camuflagem da nossa solidão são os meios com que nos
conectamos.
b) Nenhum disfarce de nossa solidão chegou a ser mais eficaz do que o da
conectividade atual.
c) Nossa dissimulada solidão é preferível, como sempre foi, do que já foi nossa
EU VOU PASSAR !!

ansiedade de comunicação.
d) Pela conectividade, mal conseguimos disfarçar a necessidade maior de
imergirmos em nossa solidão.
e) O disfarce de uma geral e efetiva conectividade oculta o fato de que jamais
superamos nossa solidão.

17) FCC/AJ/TRF 2/Judiciária/Execução de Mandados/2012


Atenção: A questão refere-se ao texto abaixo.
A natureza humana do monstro
Um antigo provérbio latino adverte: “Cuidado com o homem de um só livro”.
Hollywood, no entanto, conhece apenas um tema quando realiza filmes de
monstros, desde o arquetípico Frankenstein, de 1931, ao recente megassucesso
Parque dos dinossauros. A tecnologia humana não deve ir além de uma ordem
decretada deliberadamente por Deus ou estabelecida pelas leis da natureza.
Não importa quão benignos sejam os propósitos do transgressor, tamanha

Prof. Bruno Spencer 96 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

arrogância cósmica não pode senão levar a tomates assassinos, enormes


coelhos com dentes afiados, formigas gigantes nos esgotos de Los Angeles ou
mesmo fenomenais bolhas assassinas que vão engolindo cidades inteiras ao
crescerem. Esses filmes, no entanto, originaram-se de livros muito mais sutis
e, nessa transmutação, distorceram suas fontes de modo a impedir até o mais
vago reconhecimento temático.
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

A tendência começou em 1931, com Frankenstein, o primeiro grande filme


“falado” de monstro a sair de Hollywood, que determinou a sua temática através
da estratégia mais “despojada” que se poderia conceber. O filme começa com
um prólogo (antes mesmo da apresentação dos títulos), durante o qual um
homem bem vestido, em pé sobre o palco e com uma cortina atrás de si, adverte
os espectadores dos sustos que talvez levem. Em seguida, anuncia a temática
mais profunda do filme: a história de “um homem de ciência que buscou criar
um homem à sua própria semelhança, sem considerar os desígnios de Deus”.
O Frankenstein original de Shelley é um livro rico, com inúmeros temas, mas
encontro nele pouco que confirme a leitura hollywoodiana. O texto não é nem
uma diatribe acerca dos perigos da tecnologia, nem uma advertência sobre uma
ambição desmesurada contra a ordem natural. Não encontramos nenhuma
passagem que trate da desobediência a Deus − um assunto inverossímil para
Mary Shelley e seus amigos livres-pensadores.
Victor Frankenstein é culpado de uma grande deficiência moral, mas o seu crime
não consiste em transgredir uma ordem natural ou divina por meio da
tecnologia.
O seu monstro era um bom homem, num corpo assustadoramente medonho.
Victor fracassou porque cedeu a uma predisposição da natureza humana − o
asco visceral pela aparência do monstro − e não cumpriu o dever de qualquer
EU VOU PASSAR !!

criador ou pai ou mãe: instruir a sua progênie e educar os outros para aceitála.
(Adaptado de Stephen Jay Gould. Dinossauro no palheiro. S. Paulo, Cia. das
Letras, 1997, p.7989)

... tamanha arrogância cósmica não pode senão levar a tomates assassinos,
enormes coelhos com dentes afiados...
A frase acima pode ser reescrita, mantendo-se a correção e a lógica, com a
substituição do segmento grifado por:
a) pode levar tão somente a.
b) não pode levar a nada se não a.
c) não pode levar à exceção de.
d) pode levar a tudo menos a.
e) pode não levar apenas a salvo de.

Prof. Bruno Spencer 97 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

18) FCC/AM/MPE PB/Analista de


Sistemas/Desenvolvedor/2015
Atenção: Considere o texto abaixo para responder à questão.
O que me moveu, inicialmente, a fazer este texto foi uma sensação produzida
por uma viagem ao Havaí. Sensação de que se é parte de um cenário. Na praia
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

de Waikiki, os hotéis têm lobbies que se comunicam, pontuados por belíssimos


(mas falsos) jardins tropicais, sem uma folha no chão, lagos com peixes
coloridos, tochas, belos gramados e, evidentemente, muitas lojas. Um filme de
Elvis Presley.
Honolulu é um dos milhares de exemplos a que podemos recorrer. A indústria
do turismo cria um mundo fictício de lazer, onde o espaço se transforma em
cenário e, desse modo, o real é transfigurado para seduzir e fascinar.
O espaço produzido pela indústria do turismo é o presente sem espessura, sem
história, sem identidade. O lugar é, em sua essência, produção humana, visto
que se transforma na relação entre espaço e sociedade. O sujeito pertence ao
lugar como este a ele. A indústria turística produz simulacros de lugares.
Mas também se produzem modos de apropriação dos lugares. A indústria do
turismo produz um modo de estar em Nova York, Paris, Roma, Buenos Aires...
É evidente que não se pode dizer que essas cidades sejam simulacros, pois é
claro que não o são; entretanto, o pacote turístico ignora a identidade do lugar,
sua história e modo de vida, banalizando-os.
Os pacotes turísticos tratam o turista como mero consumidor, delimitando o que
deve ou não ser visto, além do tempo destinado a cada atração, num incessante
EU VOU PASSAR !!

"veja tudo depressa".


Essa rapidez impede que os olhos desfrutem da paisagem. Passa-se em
segundos por séculos de civilização, faz-se tábula rasa da história de gerações
que se inscrevem no tempo e no espaço. Num autêntico tour de force
consentido, pouco espaço é destinado à criatividade. Por sua vez, o turista vê
sufocar um desejo que nem se esboçou, o de experimentar.
No fim do caminho, o cansaço; o olhar e os passos medidos em tempo produtivo,
que aqui se impõe sem que disso as pessoas se deem conta. Não cabem passos
lentos, olhares perdidos. O lazer produz a mesma rotina massacrante,
controlada e vigiada que o trabalho.
Como indústria, o turismo não parece criar a perspectiva do lazer como
possibilidade de superação das alienações do cotidiano. Só a viagem como
descoberta, busca do novo, abre a perspectiva de recomposição do passo do
flâneur, daquele que se perde e que, por isso, observa. Walter Benjamin lembra
que "saber orientar-se em uma cidade não significa muito. No entanto, perder-
se numa cidade, como alguém se perde numa floresta, requer instrução".

Prof. Bruno Spencer 98 de 125


`ˆÌi`Ê܈̅Ê̅iÊ`i“œÊÛiÀȜ˜ÊœvÊ
www.exponencialconcursos.com.br ˜vˆÝÊ*ÀœÊ* Ê `ˆÌœÀÊ

/œÊÀi“œÛiÊ̅ˆÃʘœÌˆVi]ÊۈÈÌ\Ê
ÜÜÜ°ˆVi˜ˆ°Vœ“É՘œVŽ°…Ì“
Curso: Português
Resumo + Questões Comentadas
Prof. Bruno Spencer - Aula 05

(Adaptado de Ana Fani Alessandri Carlos. Disponível em:


http://www.cefetsp.br/edu/eso/lourdes/turismoproducaonaolugar.html)
... pois é claro que não o são... (4º parágrafo)
... banalizando-os. (4º parágrafo)
... que se inscrevem no tempo e no espaço. (6º parágrafo)
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

Os elementos sublinhados acima referem-se, respectivamente, a:


a) simulacros − a identidade do lugar, sua história e modo de vida − gerações
b) pacote turístico − modo de vida − tábula rasa
c) cidades − os pacotes turísticos − gerações
d) simulacros − os pacotes turísticos − história
e) pacote turístico − a identidade do lugar, sua história e modo de vida − tábula
rasa

19) FCC/AJ/TRE SP/Administrativa/"Sem Especialidade"/2017


Atenção: Para responder à questão, considere o texto abaixo.
Sandberg, que mudou totalmente o conceito espectador/obra de arte com o seu
trabalho de duas décadas no Museu Stedelijk, de Amsterdã, iniciou sua palestra
elogiando a arquitetura do nosso MAM-RJ que, segundo ele, segue a sua teoria
de que o público deve ver a obra de arte de frente e não de lado, como acontece
até agora com o museu convencional de quatro paredes. O ideal, disse ele, é
que as paredes do museu sejam de vidro e que as obras estejam à mostra em
painéis no centro do recinto. O museu não é uma estrutura sagrada e quem o
EU VOU PASSAR !!

frequenta deve permanecer em contato com a natureza do lado de fora:


“A finalidade do museu de arte contemporânea é nos ajudar a ter consciência
da nossa própria época, manter um espelho na frente do espectador no qual ele
possa se reconhecer. Este critério nos leva também a mostrar a arte de todos
os tempos dentro do ambiente atual. Isso significa que devemos abolir o
mármore, o veludo, as colunas gregas, que são interpretações do século XIX.
Apenas a maior flexibilidade e simplicidade. A luz de cima é natural ao ar livre,
mas artificial ao interior. As telas são pintadas com luz lateral e devem ser
mostradas com luz lateral. A luz de cima nos permite encerrar o visitante entre
quatro paredes. Certos museólogos querem as quatro paredes para infligir o
maior número possível de pinturas aos pobres visitantes.
É de capital importância que o visitante possa caminhar em direção a um quadro
e não ao lado dele. Quando os quadros são apresentados nas quatro paredes,
o visitante tem de caminhar ao seu lado. Isso produz um efeito completamente
diferente, especialmente se não queremos que ele apenas olhe para o trabalho,
mas o veja. Isso é ainda mais verdadeiro em relação aos grandes museus de
arte contemporânea. Eles são grandes porque o artista moderno quer nos