Você está na página 1de 18

NED -ASE

Junte-se
Pela
Inteligência Emocional
Desenvolvimento,
liderança, gestão de tempo:

Paz EM TEMPOS DE CRISE É  QUE  SE


TRANSFORMA E CRESCE

#CampanhaAntiGuerra2017

Centro Universitário de Goiás


Pró-Reitoria E@D
NED - ASE
OLÁ ALUNO(A) DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE GOIÁS!

PARABÉNS VOCÊ RECEBEU O ASE!

MAS, NÃO SE ESQUEÇA DE OLHAR SE SUA T1 DO ED SE FOI VALIDADA!

A ATIVIDADE SUPERVISIONADA DE ENSINO-ASE É COMPOSTA POR 


TRÊS EXERCÍCIOS T1, AV1 E AV2

Junte-se
FIQUE ATENTO(A) ÀS DATAS!

REALIZAÇÃO DA TAREFA 01 (T1)

24/04/2020 A 04/05/2020

REALIZAÇÃO DA AVALIAÇÃO 01 (AV1)

Pela
15/05/2020 A 25/05/2020

REALIZAÇÃO DA AVALIAÇÃO 02 (AV2)

29/05/2020 A 08/06/2020

COMO FAZER A T1?

Paz
APÓS  A  LEITURA, ANÁLISE  E INTERPRETAÇÃO  DO
CONTEÚDO  ABAIXO,  ELABORE  UMA  DISSERTAÇÃO  COM  NO MÍNIMO 
UMA PÁGINA,   EM  UM   DOCUMENTO DE  TEXTO (WORD),
  ANEXE  E  ENVIE NA  ATIVIDADE    T1 DO ASE NO PORTAL 
EDUCACIONAL.

LEMBRE-SE, SUA  ATIVIDADE  DEVE  TER A APRESENTAÇÃO DO  TEMA,


DEPOIS  O  DESENVOLVIMENTO  CRÍTICO  DO  TEMA APRESENTADO E AO
FINAL A CONCLUSÃO.

ESTA ATIVIDADE NÃO TEM SUBSTITUTIVA

BONS ESTUDOS!
#CampanhaAntiGuerra2017
ATENCIOSAMENTE,
EQUIPE DO NED

Centro Universitário de Goiás


Pró-Reitoria E@D
PÁGINA 02

COMO DESENVOLVER SUA


INTELIGÊNCIA EMOCIONAL
Os empreendedores precisam cada vez mais saber lidar com pessoas e emoções.

Sofia Esteves - Endeavor

Já faz tempo que o QI deixou de ser a Todo empreendedor que já passou ou


melhor medida para avaliar as pretende passar daquela fase em que faz
capacidades de um indivíduo. Graças a tudo sozinho terá que administrar um
pesquisas sobre a inteligência emocional, time. Todo empreendedor terá clientes
catapultadas pelo trabalho do psicólogo que demandam uma série de habilidades
Daniel Goleman, sabemos que entender as que vão além de uma expertise específica,
nossas emoções e as dos outros é como relacionamento e entendimento de
fundamental para ter sucesso na vida cenário. No fundo, tudo isso são
pessoal e profissional. Quando o assunto habilidades não cognitivas, que
é a sobrevivência e crescimento de um costumamos chamar de inteligência
negócio, os empreendedores precisam emocional.
não apenas de conhecimentos técnicos, A boa notícia é que, como quase tudo em
mas saber lidar com pessoas e com nossa vida, a inteligência emocional
emoções. Hoje, nenhum empreendedor pode ser praticada e cultivada. Não é
sobrevive sem isso. fácil mudar nossa maneira de agir e de
reagir, mas não é uma missão impossível.

As emoções descontroladas tolhem o


intelecto. Mas podemos colocá-las sob
controle; essa capacidade emocional é a
aptidão mestra, facilitando todos os tipos
de inteligência.

Daniel Goleman
A inteligência emocional tem cinco componentes: autoconhecimento, autocontrole,
motivação, empatia e habilidades sociais.

Comece com o autoconhecimento


Para mim, o aspecto mais importante é o autoconhecimento. É o primeiro passo para
melhorar. Muita gente me pergunta: mas como desenvolvo o autoconhecimento? Há
desde as dicas tradicionais, como ter um coach ou um terapeuta e ter um olhar atento
para si mesmo, mas também há tarefas práticas e de curto prazo que você pode realizar
para se conhecer melhor.
Uma delas é convidar três ou quatro pessoas próximas a você para descobrir sobre seus
pontos fracos e fortes. Pergunte a elas: você me chamaria para te ajudar a resolver que
tipo de problema? E em que situação você jamais lembraria de mim para te ajudar a
resolver? Talvez elas digam que você seria ótimo para resolver um conflito entre
pessoas. Por outro lado, podem te dizer que jamais te chamariam para organizar um
fluxo de trabalho. Esse feedback pode ser um ótimo ponto de partida para começar a
entender onde as pessoas mais (e menos) enxergam seu potencial.
Outra alternativa é fazer um inventário comportamental. Existem várias ferramentas de
diagnóstico de personalidade. Elas podem dizer muito sobre um indivíduo e dar
informações como: você é atento ao detalhe? Dá espaço para o outro? Gosta de
construir junto? É centralizador?

Identifique características que você precisa desenvolver e pratique o autocontrole


Uma vez que você começa a perceber as características com as quais você tem mais
dificuldade, pode decidir desenvolvê-las. E decidir é uma das palavras chaves no
processo de trabalhar a sua inteligência emocional. Para que haja mudança, é preciso
que a pessoa tenha uma vontade genuína de mudar e esteja disposta a praticar novos
hábitos. A mudança precisa fazer sentido, seja porque você se incomoda com a maneira
como se comporta hoje ou porque realizar melhor o seu trabalho exige o
desenvolvimento de outras habilidades. Qual é o seu incentivo para investir tempo e
energia nisso?
Para melhorar cada um dos aspectos da inteligência emocional, depois o incentivo, é
necessário praticar. Por exemplo, se você percebe ou é alertado por alguém que tende
a interagir pouco com as pessoas porque está sempre olhando o celular, tenha como
meta diminuir esse hábito. Da próxima vez que estiver em reunião ou almoçando com o
time, deixe o telefone fora do alcance. Dedique sua atenção ao outro. Fazer com que
seu cérebro resista ao impulso de pegar o telefone e checar as mensagens é um enorme
esforço. Mas vigiar suas atitudes e forçar uma mudança fará com que, em alguns meses,
um novo hábito seja criado.Segundo Daniel Goleman, que citou o exemplo do celular em
um de seus artigos, outra ótima forma de praticar é fazer ensaios mentais. Atletas
olímpicos, por exemplos, treinam seus movimentos em pensamento, não apenas na hora
do treino. Vale também usar bons exemplos. Como uma pessoa que é excelente nessa
habilidade que estou querendo melhorar se comportaria nessa situação? Pense nela
antes de agir.
Valorize seus pontos fortes e saiba delegar
Conheça e valorize seus pontos fortes, aquelas características que você apresenta
naturalmente. São elas que serão o seu diferencial como pessoa ou profissional.
Ninguém consegue ser bom em tudo ou mudar completamente sua maneira de ser.
Conhecer suas facilidades faz com que você saiba quais funções pode desempenhar sem
precisar delegar.
Eu, por exemplo, vejo como meus pontos fortes a comunicação, a criatividade e a
paixão por pessoas. Sei que me desenvolvo muito mais vivendo experiências em
ambientes diversos do que passando horas lendo livros teóricos. Porém, tenho que me
esforçar para organizar meus pensamentos e para cumprir minha agenda de
compromissos. Como essas características são fundamentais para o sucesso do meu
negócio, não posso delegá-las. Ao mesmo tempo, tenho dificuldade de cuidar de rotinas
e controles operacionais, mas essas funções eu posso delegar. Assim, trouxe pessoas
para o time que fazem isso de maneira brilhante.
Ninguém é super-homem ou super-mulher. Sabendo disso, cerque-se de pessoas que
possuam habilidades que lhe faltam, para que você aprenda com elas e para que te
complementem no dia-a-dia. Um empreendedor não pode achar que, sozinho, vai
resolver todos os problemas da empresa.

Para criar empatia, evite a falsidade


Também não adianta tentar enganar a sua essência como pessoa. É preciso encontrar
caminhos para o controle e a empatia, por exemplo, com os quais você esteja
confortável. Por exemplo, alguém mais tímido não será da noite para o dia uma pessoa
que com o olhar já se conecta com alguém, que dá um sorriso largo e já começa a
conversar. Se a timidez incomoda, ela pode procurar um curso de teatro, aprendendo a
se relacionar através da representação. Ou, na hora de fazer networking, se é difícil se
conectar pessoalmente, por que não tentar um primeiro contato via email, LinkedIn ou
através de um amigo em comum?

Peça feedback para continuar o ciclo virtuoso


Para garantir que você está melhorando e continuar o processo de autoconhecimento,
busque feedback. Isso lhe permitirá entender como outros enxergam o processo de
mudança e te motivará a encontrar novos pontos para melhorar.  Sabemos que, no caso
dos empreendedores, motivação para fazer cada dia melhor é o que não falta!

para saber mais, acesse o site: https://endeavor.org.br/desenvolvimento-


pessoal/como-desenvolver-inteligencia-emocional/
PÁGINA 02

AS LEIS DO TRIUNFO 
NAPOLEON HILL
Leis comentadas por:
Profª Ms. Ana Cândida Franco de Oliveira
Coordenadora dos Cursos de Tecnologia
Coordenadora de Projetos Incubadora Aldeia Anhanguera
Instrutora Master Mind

De um dia para outro, tivemos nossa vida De tal maneira descreveu suas obras, deixando
mudada, hábitos alterados, para muitos, o  lições a serem aprendidas, vividas e seguidas
trabalho mudou de endereço, para outros  um para tornar as pessoas mais forte, mais
recomeço, é hora de inovar, criar, empreender, confiantes, mais assertivas e consequentemente
diante de um desafio inimaginável em uma mais felizes. Lembrando que a regra para
altura dessa do ano de 2020 que iniciou com sobreviver é: “ser maior que o problema”.
tantas expectativas positivas e que agora nos Estou falando de Napoleon Hill, pesquisador e
testa em todos os sentidos. escritor, nasceu no estado da Virginia (EUA) em
Uma realidade dolorosa que não é privilégio de 1883 e viveu até 1970. Desenvolveu e entregou
nós brasileiros, uma guerra declarada com um ao mundo a primeira e a maior pesquisa
inimigo mortal. Desesperar, desanimar, comportamental de todos os tempos, onde por
desistir? Jamais! Nunca! em hipótese alguma! É 20 anos entrevistou e investigou grandes
uma oportunidade para exercitar a criação de vencedores e suas vidas profissional, com o
uma mente mestra, a confiança em nós mesmos, objetivo de identificar as razões pelas quais tão
a iniciativa e liderança, o entusiasmo, o poucos alcançam o sucesso.
autocontrole entre outros. Entrevistou mais de dezesseis mil pessoas,
Por isso vamos, para alguns conhecer, para dentre elas as quinhentas mais ricas e
outros relembrar, a obra mais conhecida de um importantes da época.  Dessa pesquisa (1908
autor visionário que antecipou uma grande – 1928)   originou o livro “A Lei do Triunfo”, a
parte do que estamos vivendo com uma filosofia filosofia que mais influenciou líderes, estadistas
evolutiva que teve como missão resgatar o que e empreendedores no mundo todo,
de melhor existe em nós seres humanos. brilhantemente detalhadas em 17 Leis.
A versão original dessa obra, publicada há quase um século, tem 1.128 páginas em
oito volumes. A inspiração para essa Filosofia do Sucesso, Hill deve a Andrew Carnegie,
um irlandês que iniciou sua carreira como operador de telégrafo e se tornou  um
empresário que não só era o homem mais rico do mundo na época, mas o segundo
homem mais rico que a humanidade já conheceu.Carnegie reconhecia que sua maior
fortuna, consistia no conhecimento e aplicação de princípios por meio dos quais
acumulou sua riqueza e sua missão era encontrar alguém que transformasse esse
conhecimento de tal forma que pudesse ser compreendido e aplicado por qualquer
pessoa que então quisesse.
  Essa filosofia, influenciou e continua a influenciar, porque entre tantos livros sobre
a ciência do comportamento humano, este permanece tão atual mesmo passados mais
de cem anos do início da pesquisa, pela forma objetiva e metodológica com que aborda
o tema e os resultados alcançados na vida das pessoas que praticaram e praticam seus
ensinamentos.
  Em sua pesquisa, Napoleon Hill foi em busca de respostas como um cientista que
procura desvendar um grande segredo da natureza. Buscou uma fórmula para a
realização e o triunfo das pessoas, de maneira pragmática, inflexível, incansável e
implacável, até que a verdade lhe fosse revelada.
  Ele não foi o primeiro a se horrorizar com a pobreza e a desigualdade, nem o
primeiro a escrever sobre como triunfar na vida, mas tornou-se o maior nome do
comportamento humano, porque reuniu tudo sobre o assunto de forma organizada e
científica, criando um método que permite a qualquer pessoa construir uma vida de
qualidade   acima da média. Foi o primeiro a descrever a incrível ferramenta que é 
MasterMind – Mente Mestra.
  A Lei do Triunfo ganhou vida própria, pela transformação que provocou na vida de
cada um dos seus leitores, e teve continuidade pelos outros livros que Napoleon Hill
escreveu sobre  as Leis e pela metodologia em forma treinamento, criada e aplicada por
ele próprio até a sua morte, em 1970 - mais 42 anos de pesquisa, quando deixou ao
mundo esse precioso legado, aos cuidados da Fundação que leva seu próprio nome –
The Napoleon Hil Foundation, EUA e MasterMind Brasil – Representante para a América
do Sul e todos os países de língua portuguesa, seus legítimos herdeiros. Até o dia de
hoje – mais 50 anos, considerando o ano de 2020 somam 112 anos de pesquisa
ininterrupta, sem qualquer registro de refutação, que mantém Napoleon Hill no topo
como o autor mais vendido, lido e estudado no mundo dos negócios e como a primeira
e maior pesquisa comportamental deste planeta.   
  Na primeira etapa dessa magnífica obra, vamos conhecer oito das dezessete leis,
(não necessariamente em ordem sequencial) que se forem compreendidas e aplicadas,
certamente transformarão também a sua vida como vem acontecendo em todo esse
tempo pelo mundo afora. São elas:
- 2ª Lei   -   Aliança de Mentes (Master Mind) consiste em   uma aliança de duas ou mais
mentes trabalhando em perfeita harmonia para a realização de um objetivo comum
 bem definido a todos os envolvidos.
- 3ª Lei - Confiança em si mesmo – o desenvolvimento da auto confiança, começa com
o enfrentamento  do medo e na capacidade de realizar seus sonhos. Querer é poder.
- 4ª Lei  - Hábito de
Economizar – Pela repetição, qualquer ato se torna um hábito. Requer força de caráter,
determinação e firme poder de decisão. Mas é possível. Lembrando que o ato de
economizar vai muito além de guardar ou acumular dinheiro. Por exemplo, como
cuidamos do nosso maior patrimônio: o nosso TEMPO.

- 5ª Lei - Iniciativa e Liderança – Iniciativa, é a base da liderança.


Ganhamos ou perdemos de acordo com a natureza dos planos que elaboramos e
executamos. Será que somos seguidores, ou temos seguidores. Essa é a base da
liderança.
 
- 7ª  Lei Ter Entusiasmo – È a força, a energia  que vem de dentro de cada ser humano ,
é o poder necessário para definir e conquistar  um propósito, para criar um master
mind  e a incitativa e a liderança para realizar seus sonhos.
 
- 8ª Lei - Auto Controle – A capacidade de dominar nossos pensamentos, permite
controlar todas as circunstâncias da vida. Desde o apetite, o hábito de poupar, a
postura profissional a capacidade de controlar nossos instintos... entre outros.
 
- 9ª Lei   - Fazer mais que o Combinado – Surpreender as pessoas fazendo de boa
vontade além do que elas esperam, é valorizar os relacionamentos tanto familiar quanto
profissional e alcançar um patamar que bem poucas pessoas alcançam.
 
- 10ª Lei Uma Personalidade Agradável – Com empatia, respeito, generosidade, amor,
integridade e honestidade, teremos portas abertas e pessoas felizes a nossa volta.
 
- 14ª Lei Tirar Proveito do Fracasso – O fracasso quando aceito como aprendizado, será
sempre uma benção, jamais uma derrotada.
 
Na sequência vamos conhecer um pouco mais dessas leis. Leia,releia, reflita sobre elas,
tenhamos em mente, que nossa vida é dirigida por nossos pensamentos. Quando nos
abastecemos de energias e pensamentos positivos somos fortalecidos para enfrentar as
adversidades.

2ª LEI - ALIANÇA DE MENTES – MASTER MIND


O CAMINHO PARA O SUCESSO!

Aliança de Mentes – Mente Mestra – Master Mind, é a segunda lei (ou princípio),
originária da pesquisa de Napoleon Hill (A Lei do Triunfo-1908-1928). Essa lei deve-se a
resposta a uma pergunta sobre a causa de seu sucesso, feita a Andrew Carnegie o
multimilionário empresário americano, o segundo homem mais rico do mundo de todos
tempos em valores atualizados (conforme dados da revista Forbes e estimativas feitas
pelo jornal britânico The Times), em uma entrevista realizada pelo então jovem
jornalista Hill em 1908.
Acreditava Hill, como acredita a maioria das pessoas, que o dinheiro é o símbolo para
medir o sucesso de alguém. Qual não foi sua surpresa, quando o Sr. Carnegie
respondeu: “Atribuo a minha fortuna e o meu sucesso, à “Mente Mestra” que temos na
minha empresa, formada por todos os membros de minha equipe: diretores, gerentes,
contadores, químicos entre outros... Nenhum deles em particular possui essa mente a
que me refiro, mas a soma de todas essas pessoas, coordenadas em um espírito de
cooperação mútua, constitui a harmonia que resultou em minha fortuna pessoal, bem
como na de cada um da equipe”.
Dessa forma, entendeu Hill, que aliança de mentes consiste em duas ou mais mentes
que trabalhem em perfeita harmonia para a realização de um objetivo comum bem
definido. Isso é, para termos sucesso, é necessária a cooperação de todos ao nosso
redor.
Fato esse, que pode ser constatado todos os dias; você já viu alguém ter sucesso
sozinho, sem a colaboração de outras pessoas?  Esse princípio inicia na família, a
realização de um objetivo comum, seja a compra de um imóvel, uma viagem, uma festa,
entre outros, só é possível, se as mentes se unirem, e todos os esforços forem
direcionados nessa união. Se alguém do grupo familiar torcer contra, enfraquece o
projeto e sua concretização torna-se praticamente impossível.
  A mente mestra é formada pela harmonia entre as mentes, dessa forma, se apenas
dois se unirem em um propósito, a energia resultante dessa união forma uma terceira
força que estará à disposição para o fortalecimento de cada um e do propósito final.
A missão comum entre os participantes de um time de futebol ou de trabalho, é o fator
mais importante para formar uma aliança de mentes, pois, se houver competição entre
os envolvidos, enfraquece o todo e cada um fica tão vulnerável que a concorrência os
derrotará facilmente. Se não podemos vencer sozinhos, também não podemos vencer
rodeados por pessoas desleais e sem motivação.
  A liderança e o poder pessoal são os atrativos para que as pessoas se aproximem de
nós. O exemplo de Andrew Carnegie que mesmo sem conhecer detalhes técnicos sobre
ferro ou engenharia, construiu um império da siderurgia, porque soube se cercar de
pessoas que conheciam mais que ele, mas que, no entanto, eram lideradas por ele. O
depoimento dos que trabalharam com ele ao longo de sua história, é de que a sua maior
qualidade era inspirar pessoas.
Ao formarmos essa aliança de mentes, esse master mind, no trabalho, nos negócios,
na família ou na comunidade, devemos lembrar que cada integrante desse time deve
sentir que está comprometido com o objetivo maior e que sua função, seja qual for, é
fundamental para se alcançar o resultado esperado.

3ª  LEI – CONFIANÇA EM SI MESMO

E VOCÊ – ACREDITA EM SI MESMO?


Acredite em si mesmo e o mundo também acreditará Querer é Poder!
A 3ª Lei descrita por Napoleon Hill em seu livro A Lei do Triunfo (1908-1928) é a
CONFIANÇA EM SI MESMO.
Inúmeras vezes, ao analisarmos o resultado de algum empreendimento que
realizamos, nos deparamos com a decepção ou frustração por não ter alcançado o que
esperávamos. Nem sempre antes de iniciarmos uma atividade, nos certificamos se
nossa autoconfiança frente ao que buscamos está sólida e estruturada.
Para alcançar poder, prestígio e sucesso, precisamos acreditar em nós mesmo e em
nosso propósito. A autoconfiança é um dos bens mais preciosos que alguém pode ter,
pois ela é persuasiva, contagiante atrai energias positivas para tudo que quisermos
empreender.
De acordo com Hill (A Lei do Triunfo 39ª ed. 2015) o medo, impede à pessoa de
confiar em si mesma e para ele, existem seis medos básicos que, com maior ou menor
intensidade, cada ser humano vivencia durante sua existência.
São eles:

Medo da Pobreza - a falta do dinheiro, em um mundo capitalista apavora; para ele, nada
há que proporcione mais sofrimento e humilhação do que a pobreza mas o excesso de
dinheiro, também provoca o medo de perdê-lo. Medo da Velhice:  esse medo para
muitas pessoas está relacionado à falta de saúde, de dinheiro, de companhia entre
outros.

Medo da Crítica -   impede à criatividade, tolhe sonhos, é um dos maiores medos da


sociedade. Medo de perder o amor de alguém -  esse medo, pode conduzir a atitudes
violentas como a raiva, o ciúme, a sensação de abandono. Medo da Doença -
a enfermidade nos enfraquece psicologicamente, remete a sensação de inferioridade.

Medo da Morte -   caracterizado pelo temor do desconhecido. Para podermos enfrentar
esses medos, temos que, primeiro identificar aquele que mais nos atrapalha e acreditar
conforme Hill, que o pensamento é a forma de energia mais altamente organizada que
conhecemos e repousa dentro de nós e que o direcionamento para pensamentos
positivos, unido à autossugestão, poderá nos levar ao triunfo em nossos
empreendimentos.

A confiança em si mesmo ou autoconfiança, mesmo nos piores desafios, é o


combustível necessário para vencer cada batalha. A confiança em si mesmo e no seu
potencial, aliada a crença e a objetivos bem definidos, conduzem ao sucesso, lembrando
que, para Hill, “A escada do sucesso, nunca está congestionada em seu topo”.

4ªLEI – O HÁBITO DE ECONOMIZAR


O HÁBITO DE ECONOMIZAR – Para uma vida mais leve

A quarta lei do Triunfo, é o Hábito de Economizar . Para Hill, a economia é uma


questão de hábito (A Lei do Triunfo- 27ª edição pág. 178) e uma vez fixado na mente,
impele voluntariamente a pessoa à ação. Se fixarmos na mente a ideia de que nossa
capacidade de ganhar dinheiro se limita a uma determinada quantia, nunca chegaremos
a ganhar mais do que isso, aceitaremos a limitação e logo nos sentiremos mergulhados
no medo da pobreza, que conforme mencionado por ele está entre os seis maiores
medos da humanidade. No entanto, nem por isso uma grande parte das pessoas se
preocupa em economizar.
Não só economizar dinheiro em cédulas, moedas, ou seja, como for, mas também
economizar tempo gasto em frente ao computador, celular, dormindo mais que o
necessário, trabalho que precisa ser refeito, entre outros.
Segundo ele, desenvolver o hábito de economizar, não significa se privar de tudo nem
viver com pensamento de escassez, significa conservar o que ganha de maneira
sistemática, bem como visualizar novos horizontes e novas oportunidades. Gastar mais
do que se ganha, nos envolve em um círculo vicioso que quando percebemos, perdemos
o fio da meada.
Assim como economizar é um hábito, o acúmulo de dívidas também o é. A pobreza,
não pode ser encarada como destino final, e somente o objetivo bem definido, a atitude
positiva e a repetição diária de que em tudo posso economizar um pouco, nos levará ao
hábito de economizar.
Se a lei do hábito for compreendida e aplicada em uma rotina diária, o de economizar
conduzirá ao sucesso. De acordo com Hill, se alguém formar o hábito de pensar e falar
em prosperidade e abundância, muito em breve evidências materiais começarão a
manifestar-se sob forma de novas oportunidades, mais amplas e inesperadas.
Tenho um amigo, que desenvolveu esse hábito desde muito cedo, ele tinha um único
cartão de crédito e nele deixava anexada uma frase “preciso mesmo disso?” e dessa
forma estabeleceu um limite em seus gastos e conseguiu economizar.
O segredo então, é dominar nossos hábitos, porque sem economizar não é possível
realizar nenhum sonho. Cada um de nós tem ou pode ter sua própria maneira de
desenvolver esse hábito, o mais importante é a sensação de segurança que podemos
desfrutar, formando-se assim, uma das maiores fontes de poder individual que se
conhece, quando sabemos que podemos contar com uma reserva financeira, para
nossos objetivos e até para os imprevistos.

5ª LEI – INICIATIVA E LIDERANÇA


 INICIATIVA E LIDERANÇA A TRILHA DA COMPETÊNCIA
 
“Lembremo-nos de que nosso único limite é aquele que fixamos na mente”
 
Iniciativa e liderança é a quinta (5ª) Lei do Triunfo que, de acordo com
Napoleon Hill  (1908-1928), são características  indispensáveis para alcançar um
objetivo principal bem definido, sem elas, nenhuma pessoa conhecerá o sucesso, nem 
faz mais que o combinado em nenhum segmento da vida. O sucesso é atingido quando
cada passo em direção a ele, for trilhado com iniciativa e liderança.
Para Hill iniciativa, é a qualidade excepcionalmente rara que incita, ou antes, impele
a pessoa a fazer o que é preciso, sem ser necessário que alguém lhe ordene. A iniciativa
é base para a liderança, é o poder que começa uma ação, é a coragem para agir por
conta própria.
A Liderança começa com a iniciativa e o compromisso de liderar escolhas e a própria
vida, por isso, a importância de primeiramente ser líder de si mesmo, ter confiança em
si mesmo, dessa forma, para ser um líder é preciso desenvolver a iniciativa.
Nós, seres humanos, estamos classificados em duas categorias: líderes e seguidores.
É extremamente importante nos posicionarmos em qual delas estamos.  Uma vez que
essa escolha seja feita, devemos nos preparar para o que virá.  Um dos pontos
interessantes entre tantos, na pesquisa realizada por  Hill, da qual resultou as Leis do
Triunfo, foi o de que todos os entrevistados tinham um perfil de líder e não de
seguidor. Todos tomaram a iniciativa de assumir o controle de suas próprias vidas, de
empreender, de buscar novos horizontes e levar com eles outras pessoas nesse
caminho.

Um dos maiores desafios do líder está em fazer com que os liderados queiram fazer
o que é preciso e de boa vontade.

Para o desafio de desenvolver iniciativa e liderança, Hill menciona algumas qualidades


necessárias: formar o hábito de, após  recolher e organizar todos os fatos disponíveis
em uma situação tomar decisões rápidas e firmes; ser proativo e se antecipar aos
problemas; ter coragem de propor melhorias – lembrando que coragem é a qualidade
essencial da qual dependem a iniciativa e a liderança - coragem física  –    que é
enfrentar o medo  e coragem moral – que é a  força de caráter a firmeza de espírito; ter
iniciativa para agir sem esperar alguém mandar; encarar o trabalho duro com 
responsabilidade, persistência e determinação;  conhecer seus liderados saber com
precisão o que pode esperar de cada um, entre outros.

Durante a segunda guerra mundial, o Major C. A. Bach, fez um discurso em uma


formatura de cadetes americanos e duas de suas frases mais marcantes mencionadas
nesse evento foram: “Nunca devem pedir a um de seus soldados, para empreender o
que não serão capazes de empreender”, e a outra, “Pode-se dominar um exército,
conhecendo a alma dos seus soldados (pag.244)”. Aprender, entender, compreender e
refletir sobre a dinâmica do comportamento humano, deve ser um dos principais
interesse e estudo daqueles que exercem liderança.
Aquilo que dermos ao mundo receberemos de volta; esses novos tempos tem
necessidade de uma liderança cooperativa e inovadora; é preciso liderar a adversidade
a intolerância, a multiplicidade, os conflitos, a desilusão e a velocidade das mudanças.
O líder, então, passa a ser o condutor de pessoas, que com inciativa e coragem inova
projetos e celebra a vida.

7ª LEI – TER ENTUSIASMO


ENTUSIASMO A ENERGIA DO CORPO E DA ALMA

O entusiasmo foi definido por Napoleon Hill (1908-1928) como a sétima “Lei do
Triunfo”, segundo ele, é um estado de espírito que inspira e incita a pessoa à ação para
cumprir determinada tarefa.
A palavra entusiasmo, do grego en + theos (Deus dentro) significava inspiração ou
possessão por uma entidade divina ou pela presença de Deus; arrebatamento
extraordinário daqueles que estavam sob inspiração divina.
Dessa forma, se explica porque as pessoas entusiasmadas irradiavam e contagiavam
energia.Atualmente  é utilizada para descrever o prazer maior de fazer alguma coisa,
, o gosto intenso  por algo e  por desenvolver alguma atividade com paixão e dedicação.
Uma pessoa entusiasmada está disposta a enfrentar dificuldades e desafios, não se
deixando abater e transmitindo confiança aos que estão ao seu redor.
De acordo com Hill (2008, p 320) ninguém consegue manter-se entusiasmado se não
possuir um objetivo principal bem definido, é necessário saber aonde se deseja chegar.
É preciso estabelecer metas tangíveis e mensuráveis para que o objetivo seja alcançado
e isso depende exclusivamente de cada pessoa, ninguém pode ter entusiasmo no lugar
de outra.
      Para empreender, inovar, criar, ter iniciativa, liderar, ter um desempenho acima da
média, é necessária essa energia, que ultrapassa o conhecimento, a habilidade e a
atitude que é a paixão traduzida em entusiasmo.
O entusiasmo é contagiante e afeta de maneira vital não somente o entusiasta mas
também os que entram em contato com ele. Se você puser entusiasmo no seu trabalho,
ele não será difícil ou monótono, se puser entusiasmo no seu estudo, ele não será um
peso, se puser entusiasmo nos seus projetos familiar, social, voluntário, entre outros 
eles se realizarão em menor tempo.
Muitas empresas promovem palestras, seminários ou outros eventos com enfoque
principal em desenvolver a capacidade de seus colaboradores de trabalhar com prazer e
determinação, pois acreditam que o entusiasmo é indispensável para o sucesso
profissional.
Entusiasmo é a chama ardente, a emoção intensa que nos impulsiona, que vem de
dentro e irradia nas atitudes, na fala, na expressão corporal .Para   Hill (1928) é possível
acender a chama do entusiasmo quando se esforça para ser entusiasmado e repetindo o
mote criado por Frank Bettger (Arte  de Vender 1978) :
HAJA COM ENTUSIASMO E SERÁ ENTUSIASTA,  vamos em frente!!!
 
8ª LEI - AUTOCONTROLE
Autocontrole – A capacidade de dominar nosso pensamento                                            
       
“Os pensamentos que predominam nossa mente nos levarão ao sucesso ou ao fracasso”
    
A 8ª Lei do Triunfo (Napoleon Hill 1908-1928) é o Autocontrole, que é o domínio
sobre nós mesmos, de sermos líderes da nossa própria vida, de controlar nossos
pensamentos e consequentemente nossas ações.
Temos controle absoluto sobre nossos pensamentos e sobre tudo que criamos,
certo? Por quê então não exercemos esse controle para uma vida mais feliz? Como ser
então o único comandante de nossa própria vida? Pensamentos positivos e construtivos
devem povoar nossa mente na realização de um propósito definido, pois quando nos
recusamos a aceitar tudo que for contrário ao nosso objetivo principal, estamos
praticando o autocontrole e nos tornando donos de nós mesmos.
Se estudarmos a vida de heróis do cotidiano, de pessoas bem-sucedidas, famosas e
de grandes triunfadores no mundo dos negócios, veremos que o sucesso delas foi
proporcional à capacidade que tiveram de dominar suas mentes, ao manter o controle
equilibrado das suas emoções. Para Hill, o sucesso é, em grande parte, uma questão de
negociação harmoniosa com outras pessoas e isso requer autocontrole em abundância.
O autocontrole ou a falta dele é motivo para felicidade ou infelicidade. Na realização de
grandes negócios, no sucesso dos relacionamentos, na condução de projetos bem-
sucedidos; se analisarmos uma das principais capacidades que exercemos para o êxito,
encontramos o autocontrole explícito nas respostas de perguntas importantes, e até
nas próprias perguntas e quando conservamos atitude positiva e entusiasmo diante dos
desafios cotidianos. O autocontrole nos proporciona disciplina, já a falta dele, pode
causar sérios danos à saúde física e mental e os que não o exercem, conforme Hill (27ª
edição 2005) perdem uma grande força, indispensável na luta para conquistar seus
objetivos.
Uma pessoa com autocontrole, não se deixa envolver por emoções negativas e
consequentemente destrutivas, como a raiva, o ciúme, a inveja, a ganância, egoísmo;
até mesmo emoções positivas quando levadas ao exagero, saem do nosso controle e
ficamos vulneráveis a comportamentos, pensamentos e atitudes, que nos farão infelizes
e arrependidos.
O autocontrole é uma forma de deixar agir a imaginação, a criatividade e o entusiasmo,
transformando pensamento em ação, tornando-nos donos do nosso próprio destino e
não permitindo que ninguém nos influencie negativamente, nem pense ou tome atitude
por nós.
Um novo ano repleto de expectativas positivas está quase chegando, desejo que o
autocontrole permeei nossas ações. Feliz 2020.
 
9ªLEI – FAZER MAIS QUE O COMBINADO E VOCÊ... TEM O HÁBITO DE FAZER  MAIS
QUE O COMBINADO?
 
Napoleon Hill, pesquisador e escritor, nasceu no estado da Virginia (EUA) em 1883 e
viveu até 1970. Desenvolveu por vinte anos, a maior pesquisa comportamental que se
tem notícia. Dessa pesquisa (1908 – 1928) originou o livro “A Lei do Triunfo”, o mais
vendido e estudado no mundo na área de Negócios. “O Hábito de Fazer mais que o
combinado” é a nona Lei (ou princípio) das dezessete que compõem esse livro e da qual
vamos comentar a seguir.
  A maioria das empresas tem a descrição de cargo, processo que elenca as atribuições
ou tarefas para todas as funções. Dessa forma, os colaboradores quando participam do
processo de integração, ficam sabendo exatamente o que se espera dele. Fato
importante para melhor adaptação ao cargo e também para que ele possa avaliar se está
preparado para os desafios da nova função.
  Existem pessoas, que cumprem rigorosamente tudo que está descrito nesse
documento mencionado, cumprem horário, entregam o trabalho no prazo solicitado,
enfim, fazem o combinado. Entretanto, quando a empresa solicita algo mais, seja
horário extra ou até mesmo sua colaboração com outro departamento, ele se sente
explorado, diz que não foi pago pra isso e prefere ficar “cheio de razão” do que se
preocupar com essa oportunidade que poderá lhe render dividendos no futuro. Quando
houver na empresa necessidade de diminuição do quadro de colaboradores, certamente
os escolhidos a ficar, serão aqueles que têm o hábito de fazer mais que o combinado.
  Nos últimos cinco anos, aumentou consideravelmente o número de profissionais
graduados que não encontram espaço no mercado de trabalho, fato esse que temos
acompanhado diariamente nos noticiários pelo alto índice de desemprego. As diversas
razões que levam a esse cenário, não podem ser fatores inibidores para analisarmos a
situação, pois a lei do mercado é dinâmica, o capital circulante não deixa de existir, ele
apenas muda de mãos. Não existe mudança sem iniciativa, assim como não existe
iniciativa, sem atitude positiva.
A atitude positiva e o entusiasmo são essenciais para descobrir novas alternativas. Se
nesse momento falta trabalho com vinculo empregatício, a possibilidade de pensar em
um negócio próprio deve ser considerada. Pessoas com comportamento empreendedor
estão sempre ocupadas com o que podem fazer de diferente, para agregar valor ao
negócio e ao cliente e dessa forma fazem mais que o combinado.
De acordo com Hill (2015) quem trabalha unicamente com a finalidade de ganhar a
vida raramente vai amar seu trabalho. Para ele, quando o amor entra em qualquer
atividade que realizamos, a qualidade do trabalho melhora imediatamente e aumenta
sua quantidade, sem que haja aumento considerável de cansaço (pág.383).
Assim, há trabalho com o qual não nos identificamos e nele encontramos frustração,
insatisfação e nenhuma vontade de fazer diferente; outros nos agradam pouco, nesse,
por responsabilidade, cumprimos as atribuições do cargo. Mas existe trabalho que
realmente amamos e por esse fazemos mais que o combinado.
  Se o seu trabalho não o satisfaz, não o realiza, não lhe permite desfrutar enquanto
trabalha, é hora de mudar; faça por você mesmo mais que o combinado. Cada pessoa
que faz apenas o necessário para permanecer no emprego, deixa espaço, para aquela
que faz mais que o combinado.
  Posso mencionar aqui, várias pessoas famosas que conquistaram a fama, fazendo
mais do que muitos da mesma equipe. Uma das mais comentadas quando se trata de
persistência, disciplina, bons relacionamentos, dedicação, entre outros, é o “Atleta do
século”, o “Rei” Pelé. Mesmo depois de famoso, enquanto os colegas depois do treino
iam descansar, ele ficava treinando exaustivamente todos os dias, até fazer mil chutes a
gol. Ele precisava disso? Sim, porque estava decidido a ser o melhor.
  Não precisamos ir longe da nossa realidade, estou certa de cada um (a) de nós,
temos em nossa família, em nosso convívio profissional ou social, alguém que não se
limita ao básico, que é detentor de força e determinação que nos surpreende, mas que
ao mesmo tempo nos encanta com tudo que é capaz de enfrentar e realizar .
  Mas o que é o hábito? É a repetição de um gesto, de um comportamento, de uma
atitude, de uma ação. Se fizermos repetidamente no nosso trabalho além do que
esperam que façamos, incorporaremos essa atitude ao nosso comportamento e isso se
tornará um hábito e quando menos esperarmos estaremos vivendo dessa forma e
consequentemente seremos reconhecidos. O hábito de fazer mais que o combinado,
requer persistência, determinação, ousadia positiva e muita vontade de vencer.
  As pessoas comuns fazem o combinado. Os campeões fazem mais que o combinado!
Henry Ford

10ª LEI – PERSONALIDADE AGRADÁVEL

Uma Personalidade Agradável - O segredo de quem se destaca na multidão


                                                           
    Uma personalidade agradável é a 10ª Lei descrita por Napoleon Hill (1883-1970) em
seu livro “A Lei do Triunfo”. Segundo ele, nossa personalidade é a soma total das
características mentais, espirituais, físicas e hábitos que nos distinguem de todas as
outras pessoas. É o fator que determina se uma pessoa é amada ou não pelas outras.
Para ele, ser uma pessoa que as outras querem ter por perto é atingir a excelência
desta do Triunfo.
A personalidade de uma pessoa impressiona favorável ou desfavoravelmente quem
dela se aproxima. Uma personalidade agradável pode ser adquirida por qualquer pessoa
que tenha vontade de aprender a negociar o seu caminho pela vida sem passar por cima
de ninguém. E para Hill, é um dos pilares que toda pessoa de sucesso deve construir,
para levar sua carreira a patamares mais altos, além da competência.
Algumas pessoas tem dificuldade em serem agradáveis, e por mais que se esforcem
não conseguem um resultado positivo, então o que fazer?  Se você é uma dessas
pessoas, e já tentou mudar seus hábitos e ainda assim não teve o resultado esperado,
associe-se a pessoas que tem o que lhe falta e você poderá se completar.
Acompanhando a história de grandes triunfadores, encontramos Henry Ford, que  é
exemplo disso, ele sabia que não tinha uma personalidade agradável mas, fazendo uso 
do princípio MasterMind, cercou-se de pessoas com tal capacidade e alcançou o
sucesso que todos conhecemos, pois sabia que os negócios são resultados diretos de
interações humanas.
Deve haver um equilíbrio, pois podemos impressionar positivamente, vestindo roupas
finas e caras, sendo simpáticos apenas externamente para conseguir o que queremos,
mas se o coração estiver cheio de inveja, egoísmo, mesquinharia, ódio e amargura, não
atrairemos alguém de bem, apenas pessoas semelhantes.
“Gentileza gera gentileza” - frase dita e repetida milhares de vezes - de acordo com
Hill, é a característica mais valiosa conhecida pela raça humana. Não custa nada ser
gentil e ainda pode retornar em rendimentos fabulosos, não só no ambiente de
trabalho, como no familiar e social se for praticada como um hábito, num espírito de
sinceridade. Vivemos a “era da colaboração” e ser gentil é deixar mais leve e agradável
o caminho que percorremos; é deixar marcas suaves pela vida afora. Hill menciona
alguns fatores que constituem uma personalidade agradável: o modo de apertar as mãos
ao cumprimentar, um aperto de mão firme - sem ser rude - é cativante, expressão do
olhar - olhos que transparecem sinceridade e interesse - falar olhando nos olhos da
outra pessoa, sorrir sempre, ouvir atentamente, ter conversas agradáveis, não viver se
lamentando, a maneira de se vestir e a postura do corpo, a voz – tom e volume - a
diplomacia,  a escolha das palavras, elegância, altruísmo, expressão facial, pensamentos
dominantes, entusiasmo, honestidade - intelectual, moral e econômica-  magnetismo,
entre outros...
Fica o convite: Vamos fazer uma avaliação desses pontos da nossa personalidade e
descobrir quais deles precisamos melhorar para fazer da nossa vida e da vida das
pessoas que nos cercam um ambiente mais agradável e feliz.

14ª LEI – TIRAR


PROVEITO DO FRACASSO
Tirar proveito do Fracasso – Uma nova maneira de encarar o que não deu certo
 
A 14ª (décima quarta) Lei descrita por Napoleon Hill (1883-1970) em seu livro “A Lei
do Triunfo” é o Fracasso. Para ele, há que se lembrar, que “fracasso” é um termo
negativo e dessa forma, sempre foi mal utilizado, por isso traz tristezas e provações
que poderiam ser evitadas por  um imenso numero de pessoas. Mas que a partir de sua
pesquisa, essa palavra passa a ter um novo significado.
Mencionando o que se encontra na página 631 da 27ª edição (José Olympio Editora)
desse maior sucesso da literatura empresarial mundial, se considerarmos o  “fracasso”
como uma  “derrota temporária” e acreditarmos que a derrota temporária em geral  é
um “mal que vem para bem”,  teremos estímulo para dirigir nossas energias em sentido
diferente e mais proveitoso Para Hill, muitas vezes a derrota nos fala uma “linguagem
muda” que não entendemos de imediato, porque quando isso é possível, não repetimos
o mesmo erro, ele próprio se coloca nesse patamar, pois por inúmeras vezes se viu em
situações extremamente difíceis e repetia sempre “caia sete vezes, levante oito” e
descobriu a tempo que  - nada conhece mais o fracasso do que o sucesso.
      O primeiro fracasso de Thomas Edison foi quando seu professor o enviou de volta
para casa com um bilhete informando seus pais que ele não conseguiria ser instruído,
isso o abalou de tal maneira que o transformou no gênio que conhecemos.
      Os fracassos de Abraham Lincoln como lojista, soldado e advogado, não o impediu,
muito pelo contrário, o preparou para se tornar o maior presidente que os Estados
Unidos conheceram.
     Lembre-se de alguém que você conhece, na sua família, trabalho ou meio social, que
se tornou mais forte e decidido depois de derrotas e adversidades. Se aceitarmos na
nossa mente que nem derrotas temporárias nem adversidades constituem em fracasso e
sim em aprendizagem, seremos recompensados futuramente.
  Mas como desenvolver um mecanismo que nos torne fortes, persistentes, criativos
para tirar proveito do fracasso? Lembrando sempre – toda derrota é temporária –
perguntando sempre: qual a lição que aprendi e em que ela me fortalece – agradeçamos
cada derrota pois a oportunidade de sobrevivermos a ela, nos tornará mais fortes e
capazes de provar nossa capacidade.
  O verdadeiro empreendedor tira proveito do fracasso, ele compreende que quando
isso acontece, é porque faltou conhecimento,  técnica, ou prática, ou as três juntas por
isso é  importante ter a mente aberta para o novo,  ter força e coragem para
começar de novo, energia e disposição para  buscar o preparo necessário para
desenvolver determinada atividade. Nada supera o preparo.
 
“A derrota é uma força destruidora, apenas quando a aceitamos como um fracasso,
porém, se a aceitarmos como uma lição necessária será sempre uma benção”.
 
 
Referências:
HILL, Napoleon. A Lei do Triunfo. 29ª Edição. José Olympio. Rio de Janeiro
2007.____________. O Manuscrito Original. As Leis do Triunfo e do Sucesso.
Citadel. Porto Alegre. 2017.____________. A Lei do Triunfo para o Século 21: um
épico da ciência e do comportamento/ uma interpretação Jamil Albuquerque, Márcio
Abbud, Walter Kaltenbach . Ed Napoleon Hill. Ribeirão Preto . 2009.____________.
A Escada para o Triunfo. Citadel. Porto Alegre. Ed. 2019.
Assista o vídeo!

https://www.youtube.com/watch?v=U93uM35dSiE

Bons
Estudos
EQUIPE DO NED