Você está na página 1de 316

A BATALHA

ESPIRITUAL
P. LORENZO SCÚPOLI

O livro que São Francisco de Sales levou consigo e leu durante 19 anos

1
PRÓLOGO

OS ELOGIOS QUE UM GRANDE SANTO FEZ


A ESTE LIVRO
Monsenhor Pedro Camus no seu belo livro
intitulado: "O Espírito de S. Francisco de Sales"
(cuja leitura recomendamos porque faz um grande
bem) diz o seguinte: "Perguntei a S. Francisco quem
era o seu director ou mestre de espírito, e ele
respondeu-me tirando do seu bolso o pequeno livro
"O COMBATE ESPIRITUAL". "Este é aquele que,
com a ajuda divina, me governou e guiou desde
a minha juventude; este é o meu mestre e director
das coisas do espírito e da vida interior. Desde que
eu era estudante na Universidade de Pádua, um
Padre Teatino recomendou-mo e aconselhou-me a
lêlo frequentemente, segui os seus conselhos e achei-
o extremamente útil. Foi composto por um sacerdote
muito santo dessa comunidade".
O próprio Monsenhor Camus nos diz que, apesar
de S. Francisco de Sales ter tido muito apreço e
aconselhado o belo livro "Imitação de Cristo",
aconselhou ainda mais a leitura de "O Combate
Espiritual".
E acrescenta: "Entre os livros de leitura espiritual
recomendados pelo nosso santo, aquele pelo qual ele

1
sentia a maior estima era O Combate Espiritual".
Nunca se cansou de recomendar a sua leitura, e
declarou que a levava consigo há mais de
dezassete anos seguidos, lendo um capítulo
todos os dias, e recebendo sempre luzes celestiais
cada vez que lá fazia alguma leitura.
Muitos dos ensinamentos que São Francisco de Sales
traz no seu famoso livro
"Filotea, ou Introdução à Vida Devota", são
retirados de O Combate
Espiritual.
Entre os livros que aí recomenda para progredir na
vida de perfeição, O Combate Espiritual está na
primeira linha.
NAS SUAS CARTAS. Mais de mil cartas do
grande doutor da Igreja, São Francisco de Sales,
foram recolhidas em vários volumes e em vários
deles elogia muito o seu querido livrinho "O
Combate Espiritual", vejamos alguns exemplos.
Na Carta 32 diz: "Este outro livro que estás a ler é
bom, mas é um pouco confuso e difícil". Por outro
lado, A Guerra Espiritual é muito mais ordenada,
mais clara, e será mais útil quando a lerem.
Na sua Carta 55 afirma: "O Combate
Espiritual" é um livro extremamente útil. Sempre o

1
carreguei comigo durante 15 anos e nunca o li sem
tirar partido disso.
Na Carta 48 a uma abadessa, ele a aconselha:
"Leia o livreto O Combate Espiritual e verá que
vai adquirir muita paz interior".
Na sua carta 16, a uma senhora casada,
recomenda: "Entre os exercícios de devoção, o que
mais vos aconselho é que leiam frequentemente O
Combate
Espiritual. Recomendo vivamente este livro porque
a sua leitura faz muito bem.
Na sua Carta 94 à viúva escreve: "Para vencer as
tentações, leia o COMBATE ESPIRITUAL. Este é o
meu livro favorito. E aquele que eu prefiro sempre
mais. Durante dezoito anos carreguei-o sempre
comigo, e nunca o li sem obter algum benefício para
a alma". 24 de Julho de 1607 (Esta carta está nos
documentos da causa de canonização)
A uma pessoa que tinha sofrido uma grande dor,
escreveu a sua Carta 75 na qual diz: "Para obter a
graça de aceitar em paz as dores que nos chegam,
ajuda muito ler O Combate Espiritual, que tantas
vezes vos recomendei. Este pequeno livro traz
doutrinas muito úteis que dão à alma muita paz".

1
Vamos ouvir este grande santo e começar a ler
um livro tão bonito.

CAPÍTULO 1

"NENHUM ATLETA RECEBE A MEDALHA DO


CAMPEONATO SE NÃO TIVER

1
COMPETIDO DE ACORDO COM AS
REGRAS".

(2Tm 2, 5)
EM QUE CONSISTE A PERFEIÇÃO CRISTÃ, E
QUE, POR ORDEM
PARA O CONSEGUIR, É NECESSÁRIO LUTAR
E LUTAR, E QUATRO COISAS SÃO
NECESSÁRIAS PARA ESSA LUTA.
Se desejais, ó alma muito amada por Jesus Cristo,
alcançar o mais alto grau de santidade e perfeição
cristã, e viver em perpétua amizade com Deus nosso
Senhor, que é o empreendimento mais alto e glorioso
que se pode empreender e imaginar, o que deveis
saber primeiro é: em que consiste a perfeição cristã,
a verdadeira vida espiritual.
Muitas pessoas têm estado erradas e têm
acreditado que a perfeição e a santidade cristãs
consistem em outras coisas que na realidade não o
são. Assim, por exemplo, há quem imagine que para
alcançar a perfeição ou a santidade basta dedicar-se
a muitos jejuns e grandes penitências. Outras
pessoas, especialmente mulheres, acreditam que o
importante é dedicar-se a muitas orações, ouvir
missas, visitar templos, ler devoções.
Não faltam pessoas pertencentes a comunidades
religiosas que imaginam que para alcançar a

1
santidade basta cumprir exactamente os
regulamentos da sua comunidade e assistir a todas
as reuniões e eventos religiosos da sua congregação.
Não há dúvida de que todos estes são poderosos
meios para adquirir verdadeira perfeição e grande
santidade; se são empregados com prudência e
ajudam muito a adquirir força contra as nossas
próprias paixões e a fragilidade da nossa natureza,
servem para nos defender das agressões e tentações
dos inimigos da nossa salvação; além disso, são
muito eficazes para obter da misericórdia divina as
ajudas celestiais de que precisamos para progredir
em virtude. São úteis e necessárias, e mais ainda
para os principiantes.

MEIOS DE SANTIFICAÇÃO
O Espírito Santo está iluminando as pessoas
espirituais com os meios para alcançar a santidade.
Ele ensina-os a cumprir o que São Paulo disse:
"Castigo o meu corpo e reduzo à servidão, para
que, ensinando aos outros o caminho da
santidade, não o deixe de alcançar" (cf. 1 Cor 9,
27). Isto serve para punir o corpo pela rebeldia que
teve no passado contra o espírito, dominá-lo e mantê-
lo obediente às leis do Criador.

1
O Espírito Divino também inspira muitas almas a
dedicarem-se a viver como São Paulo desejava:
"Como cidadãos do céu" (Fil 3,20) e, portanto,
convida-os a dedicarem-se à oração, à meditação e a
pensar na Paixão e Morte de Nosso Senhor, e não por
curiosidade, nem para obter alegrias sensatas, mas
para melhor apreciar quão grande é a bondade e
misericórdia de Nosso Senhor, e quão terrível é a
nossa ingratidão e o nosso mal.
Às almas que desejam alcançar a santidade, o
Espírito Divino recorda-lhes muitas vezes aquelas
palavras de Jesus: "Se alguém quiser vir comigo,
neguese a si mesmo, tome a sua cruz do
sofrimento quotidiano e siga-me" (Mt 16,24). E
convida-os a seguir Cristo imitando os seus santos
exemplos, superando-se a si mesmos e aceitando
pacientemente a adversidade. Para isso, será de
grande ajuda para eles a frequência dos sacramentos,
especialmente o sacramento da penitência e da
Eucaristia. Estas permitirão que ganhem novo vigor e
adquiram a força e a energia necessárias para lutar
contra os inimigos da santidade.

O PERIGO DE ALMAS IMPERFEITAS


Há almas imprudentes que consideram ser o mais
importante para adquirir perfeição e santidade, para
se dedicarem a obras exteriores.

1
Algo prejudicial e prejudicial. Para muitas almas,
dedicar-se totalmente às obras exteriores faz mais
mal do que bem ao seu espírito, não porque essas
obras não sejam boas e recomendáveis, mas porque
se dedicam tão totalmente a elas que esquecem o
essencial e o mais necessário, que é reformar os seus
pensamentos, sentimentos e atitudes, não deixar
transbordar livremente as suas más inclinações;
estas expõem-nas a muitas armadilhas e tentações
dos inimigos da alma. (Neste caso, pode-se de facto
repetir a frase que São Bernardo escreveu ao seu
antigo discípulo Eugene, então Sumo Pontífice:
"Profissões malditas" que podem afastar-te da vida
espiritual e da santificação da tua alma).
Uma armadilha. Os inimigos da nossa salvação,
vendo que o número de ocupações que nos atraem e
nos afastam do verdadeiro caminho que conduz à
santidade, não só nos encoraja a segui-los, como
também nos enche!imaginação de ideias quiméricas
e falsas, tentando convencer-nos de que, dedicando-
nos a muitas acções externas, já estamos a ganhar
um maravilhoso paraíso eterno (esquecendo o que
disse um santo: "Gostaria que aqueles que estão tão
ocupados e preocupados com tantas obras exteriores
estivessem convencidos de que ganhariam muito
mais pela sua própria santidade e pelo bem dos
outros se se dedicassem um pouco mais ao que é
espiritual e sobrenatural; caso contrário, tudo estará a
conseguir pouco, ou nada, ou menos do que nada,

1
pois sem vida espiritual até se pode fazer mais mal do
que bem").

Outro engano. Há outra armadilha contra a nossa


vida espiritual, que é que durante a oração a nossa
cabeça se enche de grandes e até curiosos
pensamentos agradáveis sobre futuros apostolados e
obras para as almas, e em vez de dedicar este tempo
precioso a amar a Deus, a adorá-lo, a pensar nas
suas perfeições, a agradecer-lhe e a pedir-lhe que
nos perdoe os nossos pecados, dedicamo-nos a voar
como várias borboletas sobre muitos assuntos que
não são oração, e até como moscas voadoras a voar
com a nossa imaginação, sobre as lixeiras deste
mundo.

UM SINAL DE PERFEIÇÃO
Mesmo que a pessoa se dedique a muitas obras
externas e passe tempo em fantasias e imaginações,
o sinal para saber que grau de perfeição alcançou
a sua espiritualidade é descobrir que mudança e
transformação teve a sua vida, o seu
comportamento e os seus costumes. Porque se,
apesar de tantas obras e projectos, continuam a
desejar ser preferidos em relação aos outros,
mostram-se cheios de caprichos e rebeldes,
obstinados na sua própria opinião sem querer aceitar
a opinião dos outros, sem se preocuparem em aceitar

1
a opinião dos outros e sem se preocuparem em
observar as suas próprias misérias e fraquezas,
dedicam-se a observar com os olhos bem abertos as
falhas e misérias dos outros (repetindo o que Jesus
tanto criticou: (repetindo o que Jesus tanto criticou:
"eles olham o lixo nos olhos dos outros e não a trave
nos seus próprios olhos"). Este é um sinal de que o
grau da sua santidade ainda é muito baixo. E se
alguém se atreve a magoá-los na sua própria estima
com críticas ou comentários ou negações de
manifestações especiais de apreço, irrompe em
cólera e indignação. E quando lhes é dito que o
importante não é tanto o número de orações e
devoções que têm, mas a qualidade e o amor de Deus
e do próximo nestas práticas de piedade, ficam
zangados; ficam perturbados e inquietos e não
aceitam isto de ninguém. Ao fazê-lo, estão a
demonstrar que a sua santidade é ainda demasiado
pequena. E ainda mais se, para os levar a uma maior
perfeição, Nosso Senhor permite que as doenças, os
contratempos, as provações e as perseguições
cheguem até eles, então eles mostram que a sua
santidade é falsa, porque rebentam em queixas,
protestos e não aceitam conformar a sua vontade com
a Santíssima Vontade de Deus.

1
UM PECADOR MUITO DIFÍCIL DE
CONVERTER
A experiência cotidiana ensina que é mais fácil para
um pecador manifesto se converter do que para
aquele que se esconde e se cobre com o manto de
muitas obras externas de virtude. Pois estas almas
estão tão deslumbradas e cegas pelo seu orgulho que
é necessária uma graça extraordinária dos céus
para as converter e para as tirar da sua ilusão.
Estão sempre em perigo de permanecer no seu
estado de tibieza e prostração espiritual, porque
escureceram os olhos do seu espírito com um enorme
amor-próprio e um desejo insaciável de que as
pessoas as estimem e apreciem, e ao fazerem as
suas obras externas, que são em si boas, procuram
satisfazer a sua vaidade e atribuir a si próprios muitos
graus de perfeição, e na sua presunção e orgulho
vivem para censurar e condenar os outros.
A perfeição não consiste em se dedicar a muitas
obras exteriores. Porque, como diz São Paulo:
"Mesmo que eu faça as obras mais maravilhosas do
mundo, se não tiver amor a Deus e ao próximo, não
sou nada" (1 Cor 13).

QUAL É, ENTÃO, A BASE PARA A


OBTENÇÃO DA PERFEIÇÃO?

1
A base da perfeição e da santidade consiste em
cinco coisas:
1a Ao conhecer e meditar sobre a infinita grandeza
e bondade de Deus, a nossa fraqueza e forte
inclinação para o mal. Esta é a graça que São
Francisco de Assis pediu durante noites inteiras na
sua oração, até conseguir obtê-la: "Senhor:
conhece-Te; conhece-me".
2a Aceitar ser humilde e submeter a nossa vontade
não só à Majestade Divina, mas às pessoas que Deus
colocou para nos dirigir, aconselhar e governar.
3a Fazendo e sofrendo tudo unicamente pelo amor
de Deus e pela salvação das almas; para obter a
glória de Deus e para conseguir agradar-lhe sempre.
Assim cumprimos o primeiro mandamento que diz:
"Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, de
toda a tua alma e acima de todas as coisas.
4a Cumprir o que Jesus exige: negar-se a si mesmo,
aceitar a cruz dos sofrimentos que Deus permite vir
até nós, seguindo Jesus imitando os Seus exemplos;
aceitar o Seu jugo que é manso e leve, e aprender
d'Aquele que é manso e humilde de coração (cf. Mt
11,22).
5a Obedeçam ao que São Paulo aconselha: imitem
o exemplo de Jesus que não se aproveitou da sua
dignidade de Deus, mas se humilhou e se fez
obediente até a morte, até a morte de cruz (cf. Fil 2).

1
GRANDE ADIANTAMENTO PARA UMA
GRANDE AQUISIÇÃO
Alguém dirá: "É que há demasiadas condições a
serem pedidas". A razão é a seguinte: o que será
obtido não é uma perfeição qualquer, ou uma
perfeição de segunda classe, mas uma verdadeira
santidade. Por conseguinte, porque o que se
pretende alcançar tem um valor imenso, as quotas
que se exigem também são elevadas. Mas não são
impossíveis. Aqui devemos repetir o que Moisés disse
no Deuteronómio: "As ordens que são dadas não
estão para além das tuas forças, nem são coisas
estranhas que não possas praticar" (Dt 30).

LUTA DIFÍCIL, MAS GRANDE PRÉMIO


Estamos a escrever para aqueles que não se
contentam em levar uma vida medíocre, mas que
aspiram a obter a perfeição e a santidade espiritual.
Para isso é necessário lutar continuamente contra as
más inclinações que cada um sente em relação ao
vício e ao pecado; dominar e mortificar os sentidos,
tentar arrancar da nossa vida os maus hábitos que
adquirimos, o que não é possível sem uma incansável
e contínua dedicação à tarefa de alcançar a perfeição
e a santidade, ter sempre um espírito pronto,
entusiasta e corajoso, para não deixar de lutar para
ser melhor. Mas o prémio que nos espera é muito

1
grande, diz São Paulo: "Uma coroa de glória me
espera, que o Juiz Divino me dará, e não só a mim,
mas a todos os que esperaram com amor pela sua
aparição" (cf. 2 Tm 4, 8). "Mas ninguém receberá a
coroa se não tiver lutado de acordo com as
regras" (2Tm 2:5).

ALGO QUE É MUITO AGRADÁVEL A


DEUS
A guerra que temos de travar para alcançar a
santidade é a mais difícil de todas as guerras, porque
temos de lutar contra nós próprios, ou como diz São
Pedro: "Temos de lutar contra as más inclinações
do nosso corpo que lutam contra a alma" (cf. 1Pd
2, 11). Mas precisamente porque a batalha é mais
difícil e mais prolongada, é por isso que a vitória
alcançada é muito mais agradável a Deus e mais
gloriosa para aquele que consegue vencer; porque
aqui se cumpre o que diz o Livro Sagrado: "Aquele
que domina a si mesmo vale mais do que aquele
que domina uma cidade" (Pr 16,32). Conseguir
dominar as próprias paixões, conter as más
inclinações, reprimir os maus desejos e os maus
movimentos que nos assaltam, é uma obra que pode
ser mais agradável perante Deus do que se
executássemos obras brilhantes que nos dessem
fama e popularidade. Pelo contrário, é possível que,

1
embora façamos muitas obras externas admiráveis
perante as pessoas, não sejamos agradáveis perante
Deus porque aceitamos no nosso coração seguir as
más inclinações da nossa natureza e nos deixamos
levar e dominar pelas paixões desordenadas.
Portanto, temos de ter cuidado para não nos
contentarmos em fazer coisas que nos tornam
famosos e prestigiados aos olhos dos outros,
enquanto deixamos os nossos sentidos ir para o mal,
a sensualidade domina-nos e os maus hábitos tomam
conta da nossa forma de agir. Seria um erro fatal.
Quatro condições. Vimos em que consiste a
perfeição ou a santidade espiritual e que vantagens
ela tem. Agora vamos lidar com as quatro condições
necessárias para alcançar tal perfeição, para obter a
palma da vitória e ser vitoriosos na batalha para salvar
a alma e para obter um lugar elevado no céu. Estas
quatro condições são: Desconfiar de nós próprios,
confiar em Deus, exercer as qualidades que temos e
dedicar-nos à oração.
Iremos explicá-los nos capítulos seguintes.

A COROA DO PRÉMIO NÃO SERÁ


RECEBIDA SE NÃO FOR DISPUTADA
DE ACORDO COM AS NORMAS E
REGULAMENTOS
(2Tm 2, 25)

1
CAPÍTULO 2

a desconfiança de que você tem de parar


A desconfiança de si próprio é extremamente
necessária no combate espiritual, que sem essa
qualidade ou condição não só não conseguiremos
triunfar contra os inimigos da nossa santidade, como
nem sequer conseguiremos vencer os mais fracos
das nossas paixões. O que a profetisa Ana disse na
Bíblia será sempre cumprido: "O homem não triunfa
pela sua própria força" (cf. 1S 2,9). E o que o profeta
anunciou: "O meu povo disse: 'Eu sou forte'. Eu só
posso resistir ao inimigo. E ele foi entregue ao poder
dos seus opressores".
É necessário gravar esta verdade
profundamente na nossa mente, porque acontece
infelizmente que, embora na verdade não sejamos

1
nada e miséria, temos uma falsa estimativa de nós
próprios, acreditando sem qualquer fundamento, que
somos algo, que podemos algo, que seremos
capazes de superar por nós próprios e com as nossas
próprias forças.
Este erro é fatal e traz consequências fatais e é o
efeito de um orgulho prejudicial que é muito
desagradável aos olhos de Deus. E se o aceitarmos,
o que o salmista diz será cumprido em cada um de
nós: "Eu acreditei muito silenciosamente; nunca
falharei". Mas tu me tiraste a tua ajuda, ó Deus, e
eu caí na derrota e na opressão" (Sl 30).
Temos de nos convencer de que não há virtude,
nenhuma qualidade, nenhuma boa acção em nós que
não venha da bondade e misericórdia de Deus,
porque nós próprios, como diz S. Paulo, nem sequer
podemos dizer por nós mesmos que Jesus é Deus.
"Toda a nossa capacidade vem de Deus. Porque é
Deus quem trabalha em nós para querer e
trabalhar" (Fil 2,13). Só pela nossa própria força o
que somos capazes de produzir é: o mal, a
imperfeição e o pecado.
A desconfiança é em si mesma um dom do céu,
e Deus concede-a em maior grau às almas que Ele
destinou a uma dignidade superior, até que elas
possam repetir o que aquela famosa mulher da
antiguidade, Santa Ildegarda, disse: "A única coisa
de que posso estar absolutamente seguro em

1
relação a mim mesmo é a minha terrível fraqueza
por pecar e a minha terrível inclinação para o mal.
Um caminho: Deus conduz a alma à desconfiança
de si mesma, permitindo tentações quase
intransponíveis, quedas humilhantes, reacções
inesperadas e o aparecimento de inclinações
inconfessáveis na sua natureza, deixando-a durante
certos momentos numa noite tão escura na alma que
até para dizer um Pai Nosso sente cansaço e
indiferença. Desta forma, adquire-se a convicção da
impotência total e da incapacidade de caminhar para
a perfeição e a santidade, se o poder de Deus não
vier para ajudar.
As soluções. O principal remédio, dos quatro que
vamos aconselhar, é pensar e meditar até estarmos
convencidos de que pelas nossas próprias forças
naturais não somos capazes de nos dedicarmos a
fazer o bem e a evitar o mal, nem de nos
comportarmos de tal forma que mereçamos entrar no
Reino dos Céus. Em nossa memória devem estar
sempre aquelas palavras de Jesus: "Sem mim nada
podeis fazer".
O segundo remédio é pedir a Deus, com fervor e
humildade, muitas vezes a graça de confiar Nele e de
desconfiar de nós mesmos. Porque este é um dom do
céu, e para o obter é necessário, antes de mais,
reconhecer que não possuímos a desconfiança
necessária, depois convencer-nos de que não o

1
obteremos por nós próprios, mas que é necessário
prostrarmo-nos humildemente na presença do
Senhor e implorar-lhe, por infinita bondade, que se
digne concedê-lo a nós. E podemos ter a certeza de
que, se perseverarmos em pedi-lo, ele finalmente no-
lo concederá.
Há um terceiro remédio para adquirir
autoconfiança (no que diz respeito a alcançar a
santidade por nós mesmos) e consiste em habituar-
se pouco a pouco a não confiar na própria força para
conseguir manter a alma sem pecado, e a sentir um
medo real das armadilhas que as nossas más
inclinações, que sempre tendem para o pecado, nos
apresentarão; a lembrar que há inúmeros inimigos
que se opõem à nossa perfeição, que são
incomparavelmente mais astutos e mais fortes do que
nós, e que até conseguem fazer o que São Paulo já
temia: "Eles são transformados em anjos de luz,
para nos enganar" (1 Cor 11,14), e com a aparência
de que nos guiam para o céu, colocam armadilhas
para nós contra a nossa salvação. Com o salmista
podemos repetir: "Quantos são os inimigos da minha
alma, Senhor! e odeiam-na com um ódio cruel". E só
podemos repetir o apelo do Salmo 12: "Senhor, até
quando triunfarão os inimigos da minha alma?
Que o meu inimigo não diga: "Que os meus
adversários não se regozijem com o meu fracasso.

1
O quarto remédio é que, quando caímos em alguma
falha, devemos reflectir sobre quão grande é a nossa
fraqueza e inclinação para o mal, e pensar que Deus
provavelmente permite as falhas e as quedas para
nos iluminar melhor sobre a incrível incapacidade que
temos de alcançar a santificação por nós próprios, e
assim aprender a ser humildes e a reconhecer as
limitações e aceitar ser desprezados pelos outros.

CONDIÇÃO SEM A QUAL


Se não aceitarmos ser desprezados e humilhados,
nunca alcançaremos a autoconfiança, porque esta
assenta numa verdadeira humildade que nunca se
consegue sem receber humilhação e assenta
também num reconhecimento sincero de que, por nós
próprios, não merecemos senão desprezo e
humilhação.
Não espere por quando for tarde demais. É
melhor aceitar as pequenas humilhações que nos
chegam todos os dias por causa das nossas
fraquezas e misérias, e não as fazermos acontecer-
nos como pessoas muito orgulhosas e autoconfiantes
que só abrem os olhos para reconhecer as suas
fraquezas e más inclinações quando lhes acontecem
grandes e vergonhosas quedas. O que lhes acontece
é o que Santo Agostinho disse: "Receio que caiam em

1
defeitos que vos humilhem muito, porque noto que
tendes demasiado orgulho".
Quando Deus vê que os remédios mais fáceis e
suaves não têm efeito em fazer uma pessoa
reconhecer a sua incapacidade de resistir com as
suas próprias forças aos ataques do mal e de
alcançar a sua santificação, Ele então permite que se
siga a queda no pecado, que será mais ou menos
frequente e mais ou menos grave, de acordo com o
grau de orgulho e presunção que a alma tem. E se
houvesse uma pessoa tão isenta e livre dessa vã
confiança nas suas próprias forças, como, por
exemplo, a Santíssima Virgem Maria, certamente que
nunca cairia em qualquer culpa.
Boa consequência. De tudo isto deves tirar a
seguinte conclusão: sempre que caíres em alguma
falha, deves reconhecer humildemente que, sem a
ajuda de Deus, não és capaz sequer de produzir um
bom pensamento ou de resistir a uma única tentação,
e deves pedir ao Senhor que te conceda a sua luz e
esclarecimento para te convencer do teu próprio nada
e da necessidade absoluta e indispensável que tens
de ajuda divina; e deves resolver não presumir ou
pensar em vão que, por ti próprio, vais alcançar a
santidade ou a virtude. Pois se acreditares no que não
és e imaginares que podes fazer o que não podes,
continuarás certamente a cair nas mesmas falhas que
antes, e talvez até em piores papagaios de papel.

1
CAPÍTULO 3

CONFIANÇA EM DEUS
Embora a desconfiança de nós próprios seja tão
importante e tão necessária nesta luta, porém, se tudo
o que temos é essa desconfiança, seremos
certamente desarmados e derrotados por inimigos
espirituais.
É absolutamente necessário que tenhamos
grande confiança em Deus, que é o autor de todas

1
as coisas boas que nos acontecem e de quem só nós
podemos esperar vitórias no campo espiritual. Porque,
tal como por nós mesmos, o que vamos conseguir
serão falhas frequentes e quedas perigosas que nos
devem levar a viver sempre desconfiando das nossas
próprias forças, assim podemos estar certos de que,
com a ajuda de Deus e da Sua grande bondade,
podemos esperar vitória contra os inimigos da nossa
salvação, progresso na virtude e crescimento na
perfeição, se, desconfiando das nossas próprias
fraquezas e más inclinações e confiando muito no
poder e no desejo divino de Nosso Senhor para nos
ajudar, rezamos a Ele de todo o coração para vir em
nosso auxílio.

OS MEIOS PARA GANHAR CONFIANÇA


EM DEUS
Quatro são os meios para alcançar progressos na
confiança em Deus.
A primeira: pedi-lo muitas vezes e com humildade,
na nossa oração. Jesus prometeu: "Todo aquele que
pede recebe". Meu Pai dará o bom espírito
àqueles que lho pedirem" (Lc 11,11).
O segundo meio é: pensar no grande poder e na
infinita bondade de Deus, que o move a conceder
sempre muito mais do que lhe é pedido. Lembre-se

1
do que o anjo disse à Virgem Maria: "nada é
impossível com Deus" (Lc 1,38).
É muito útil pensar de vez em quando que Deus,
devido à Sua imensa bondade e ao excesso de amor
com que Ele nos ama, está sempre pronto e disposto
a darnos a cada hora e a cada dia tudo o que
precisamos para a vida espiritual e para alcançar a
vitória contra o egoísmo e as más inclinações, se Lhe
pedirmos com confiança filial. O Salmo 145 diz:
"Deus satisfaz os bons desejos dos seus fiéis".

UMA COISA A LEMBRAR


Para aumentar a nossa confiança em Nosso Senhor,
pensemos que há 33 anos que ele vive nesta terra,
no meio de sacrifícios e sofrimento, a fim de salvar as
nossas almas. Recordemos que cada um de nós é a
ovelha perdida que, pela sua própria imprudência, se
afastou do rebanho do Senhor, e Ele veio chamar-nos
noite e dia para voltar a ser um daqueles que o
acompanharão para sempre no céu. Suor, sangue e
lágrimas ele teve de derramar para nos fazer voltar ao
número das suas ovelhas fiéis. Se por uma ovelha
que se desviou tanto se arriscou a ir tão longe para a
procurar, quanto mais irá ele ajudar aqueles de nós
que o procuram e gritam e imploram pela sua ajuda?
Quando ouve a ovelha rugir do precipício onde caiu,
com medo do uivo dos lobos já ouvidos à distância, o
bom Pastor corre para a proteger e defender. E ele

1
não a humilha, nem a golpeia, nem lhe atira à cara a
sua imprudência, mas leva-a carinhosamente sobre
os ombros para onde está o grupo de ovelhas que se
manteve fiel. Consideremos que a nossa alma está
representada naquela pobre ovelha, à qual Jesus
está imensamente interessado em salvá-la dos
perigos do mundo, do diabo e da carne, e tenta todos
os dias conduzi-la à santidade.
A moeda em falta. Jesus narrou o caso de uma
mulher que perdeu uma moeda de prata, o
equivalente a um dia de mercado para a família. Ela
varre a casa e sacode os tapetes e móveis até
conseguir encontrá-la, e convida com muita alegria os
vizinhos a felicitá-la pela grande alegria que sente por
ter recuperado a moeda perdida. E Jesus, naquele
belo capítulo 15 do Evangelho de São Lucas em que
narra estas parábolas, diz-nos que no céu, Deus e os
seus anjos sentem grande alegria por uma alma que
já estava perdida e que agora está recuperada para o
Reino de Deus. Deus também sente a alegria de
encontrar o que foi perdido. E cada um de nós pode
dar-lhe essa alegria voltando na nossa vida de
pecado à vida de graça e de santidade. E quem mais
se interessa por este acontecimento é o nosso Divino
Salvador.

Eu estou à porta e bato à porta. No Livro do


Apocalipse Jesus diz: "Eis que eu estou à porta e
bato. Se alguém me abrir a porta da sua alma, eu

1
entrarei e comeremos juntos" (Ap 3,21). Com isto,
Nosso Senhor mostra o grande desejo que Ele tem de
viver na nossa alma, de dialogar connosco e de nos
dar os Seus dons e graças. E se Ele vem com tanta
boa vontade, não nos concederá os favores que
desejamos?
O terceiro remédio para alcançar uma grande
confiança em Deus é rever de vez em quando o que
a Sagrada Escritura diz sobre como é importante
confiar em Nosso Senhor. Por exemplo, o Salmo 2 diz:
"Bem-aventurados os que confiam em Deus". E o
Salmo 19 diz: "Alguns confiam na sua própria riqueza".
Outros confiam nas suas armas defensivas. Nós, por
outro lado, confiamos em Deus e imploramos a Sua
ajuda, enquanto os outros caem, nós conseguimos
ficar de pé". E o salmista acrescenta mais tarde:
"Senhor, porque confio em ti, não serei
confundido para sempre" (Sl 24). Aqueles que
confiam em Deus não serão rejeitados por Ele (cf. Sl
33). Aqueles que confiam em Deus verão que Ele
agirá em seu nome. Estou velho e nunca vi ninguém
confiar em Deus e falhar (cf. Sl 36). Aqueles que
confiam no Senhor são como o Monte Sião; não
serão movidos ou derrubados por ataques ou
contratempos (cf. Sl 124). Aqueles que confiam em
Deus serão abençoados, prosperarão e serão
felizes (cf. Pr 28).

1
A Sagrada Escritura diz 77 vezes que para aqueles
que confiam em Deus virão bênçãos, felicidade, paz,
progresso e bênção. Se o diz 77 vezes, é que isso é
demasiado importante para que possamos esquecer.
É por isso que o profeta exclamou: "Sabeis quem
o Senhor prefere? Aqueles que confiam na sua
misericórdia. Ninguém jamais confiou em Deus e foi
abandonado por Ele (cf. Ecl 2,11).

O quarto e último remédio para adquirirmos ao


mesmo tempo desconfiança da nossa própria força e
grande confiança em Deus, é que quando nos
propomos a fazer algum bom trabalho ou a alcançar
alguma virtude ou qualidade, fixamos a nossa
atenção primeiro na nossa própria miséria, fraqueza
e depois no enorme poder e desejo de Deus
Equilibraremos o medo que vem da nossa
incapacidade e inclinação para o mal, com a garantia
de que nos inspiramos na poderosa ajuda que o bom
Deus nos quer enviar, e determinar-nos-emos a agir
e a lutar corajosamente. "Eu, mais as minhas forças e
capacidades, sou o mesmo: nada. Mas eu, os meus
pontos fortes, as minhas capacidades, mais a ajuda
de Deus, somos os mesmos: incontáveis sucessos.
"Não é que nós próprios não possamos fazer nada,
diz São Paulo: toda a nossa suficiência vem de
Deus". A auto-suficiência orgulhosa leva ao fracasso.

1
A confiança humilde em Nosso Senhor alcança êxitos
formidáveis.
As três forças: com desconfiança em nós mesmos
e confiança em Deus, unidos à oração constante,
poderemos fazer grandes obras e alcançar vitórias
maravilhosas. Vamos fazer o julgamento e veremos
efeitos inesperados.
Mas se não confiarmos na nossa miséria e não
depositarmos toda a nossa confiança na ajuda de
Deus, e se negligenciarmos a oração, acabaremos
em tristes derrotas espirituais. Quanto mais
confiarmos em Deus, mais favores receberemos dele.
Lembremo-nos sempre do que o Senhor disse a um
grande santo: "Não vos esqueçais que tenho poder
e bondade para vos dar muito mais do que podeis
ousar pedir ou desejar. Isto é o que São Paulo já
tinha ensinado há tantos séculos atrás (Ef 3,20).

SENHOR: BENDITOS OS QUE CONFIAM EM


TI (SALMO 83)

CAPÍTULO 4

1
COMO PODEMOS SABER SE
TRABALHAMOS COM
DESCONFIANÇA EM NÓS PRÓPRIOS E
CONFIANÇA EM DEUS
Muitas vezes as almas que acreditam ser o que não
são, imaginam que já conseguiram desconfiança em
si mesmas e confiança suficiente em Deus; mas isso
é um erro e um engano que só se sabe bem quando
se cai em algum pecado, pois então a alma fica
inquieta, desanimada, aflita e perde a esperança de
poder progredir em virtude; e tudo isso é um sinal de
que ela não confiou em Deus, mas em si mesma, se
o seu desespero e tristeza são muito grandes, esse é
um argumento claro de que ela confiou muito em si
mesma e pouco em Deus.
Diferença: Aquele que desconfia muito de si próprio,
da sua fraqueza e inclinação para o mal, e põe toda a
sua confiança em Deus, quando comete alguma falta,
não se desanima, ou fica demasiado inquieto, ou
desesperado, porque sabe que as suas falhas são um
efeito natural da sua fraqueza e do pouco cuidado que
teve em aumentar a sua confiança em Deus; Pelo
contrário, com esta amarga experiência aprende a
desconfiar mais das suas próprias forças e a confiar
mais humildemente na bondade de Nosso Senhor,
odiando com toda a alma as faltas cometidas e as
paixões desordenadas que levam a esses erros; mas
a sua dor e arrependimento são suaves, pacíficos,

1
humildes, cheios de confiança de que a misericórdia
divina terá compaixão dele e o perdoará; regressa de
novo às suas práticas de piedade e põe-se a enfrentar
os inimigos da sua salvação com mais coragem, mais
força e mais sacrifício do que antes.
Uma causa enganosa: nisto é importante que
algumas pessoas espirituais pensem e considerem
que quando caem em alguma culpa são afligidas e
desencorajadas com excesso, muitas vezes, querem
mais livrar-se da inquietação e da dor que o seu
pecado lhes proporciona, do que recuperar de novo a
plena amizade com Deus; e se procuram rapidamente
o confessor não é tanto para ter o Senhor feliz, mas
para recuperar a paz e a tranquilidade do seu espírito
(é por isso que um certo confessor de um religioso
que lhe disse que tinha gritado naquela tarde ao seu
superior, disse: "Porque hoje ainda não confesse".
Espere até três dias e quando tiver pedido desculpas
ao seu superior, venha pedir perdão através do seu
confessor". Desta forma, ele evita aquele padre que
apenas procurará obter a sua própria paz e
tranquilidade, em vez de procurar primeiro a paz e a
amizade com Deus e com a pessoa ofendida).
Perguntas muito importantes: de vez em quando
cada um se deve perguntar: qual é a causa da tristeza
que sinto por ter pecado? por ter desagradado ao bom
Deus? por ter magoado os outros? por ter rapado
horrivelmente a minha alma que está a ser vigiada por

1
Deus e pelos seus anjos? Que perdi um grau de
brilhantismo e glória para a eternidade? Que trouxe
sobre mim mais um castigo para o dia em que o Juiz
Justo pagará cada um de acordo com as suas obras
e conduta? Ou será simplesmente que a minha auto-
estima e orgulho foram feridos? Ou que a minha
aparência de santidade foi diminuída? É importante
fazer esta pergunta muitas vezes.

CAPÍTULO 5

O ERRO DE ALGUMAS PESSOAS QUE


CONFUNDEM O MEDO E PESSIMISMO
COM QUALIDADE OU VIRTUDE
Há um erro muito comum que consiste em acreditar
que é uma virtude, uma boa qualidade desanimar,
desanimar, deixar-se vencer pela tristeza e pelo
pessimismo quando se comete algum erro. Nestes
casos acontece quase sempre que a amargura
sentida por ter pecado não provém principalmente da
dor de ter ofendido e desagradado a Deus, mas que
o orgulho foi ferido quando a própria miséria e
fraqueza, a confiança que se tinha na própria força e
capacidade de resistir ao mal, falhou completamente.
Perigo de pessoas orgulhosas. Normalmente, as
almas presunçosas que se julgam mais capazes de

1
serem boas do que realmente são, não dão a devida
importância aos perigos que lhes advêm e às
tentações que lhes podem advir, e depois, quando
caem numa e reconhecem por amarga experiência
quão grande é a sua miséria e fraqueza, maravilham-
se e preocupam-se com a sua queda como se esta
fosse algo novo e estranho, porque vêem o ídolo do
amor-próprio e da falsa autoconfiança, sobre o qual
depositaram imprudentemente a sua esperança,
desmoronando-se e provando que são almas que
põem mais confiança nas suas próprias forças do que
na ajuda de Deus, deixam-se levar pela tristeza, pelo
desânimo e até pelo desespero.

ALGO QUE NÃO ACONTECE COM OS


HUMILDES
Isto não acontece às almas verdadeiramente
humildes que não confiam na sua própria força ou
capacidade de resistir ao mal, mas apenas na ajuda
e bondade de Deus, porque quando caem em alguma
culpa, apesar de sentirem grande dor por terem
ofendido o Deus bom, por terem sujado a sua alma e
por terem magoado os outros, não se perguntam,
nem desanimam, porque sabem muito bem que a sua
queda é um efeito natural da sua terrível fraqueza e
da impressionante inclinação que a sua natureza
sente para o mal.

1
Estas almas repetem o que aquele antigo santo
disse: "Temo tudo por causa da minha malícia, da
minha fraqueza e da minha inclinação para o mal.
Eu espero tudo da bondade e misericórdia de
Deus. Todos os dias vemos a luta entre a fraqueza
humana e a omnipotência de Deus.
Na verdade, o que os santos dizem é verdade: "A
humildade produz
tranquilidade". A única coisa de que a pessoa
humilde está certa é da sua fraqueza. Mas ele
permanece alegre se, ao mesmo tempo, vive na
certeza de que a bondade de Deus nunca o
abandonará. "Nunca te abandonarei", diz o Senhor
várias vezes na Sagrada Escritura.
Não admira que um director espiritual tenha dito a
alguém que lhe pediu conselhos: "Tu não és mais
santo porque não és mais humilde".
Como os três jovens no forno (dos quais fala o profeta
Daniel), temos de dizer: "Senhor, pecamos. É por
isso que, com toda a justiça, tantas humilhações
nos sobrevieram".
Quando Santo Agostinho se lembrou dos terríveis e
tantos pecados da sua vida, não lamentou nem
desanimou, mas proclamou a maravilhosa bondade
de Deus que soube perdoar-lhe.

1
CAPÍTULO 6

1
ADVERTÊNCIAS IMPORTANTES PARA
ADQUIRIR A DESCONFIANÇA EM
Sim MESMO E CONFIANÇA EM DEUS
Como grande parte da força de que precisamos
para sair vitoriosos dos ataques dos inimigos da
nossa salvação depende da desconfiança em nós
próprios e da confiança em Deus, recordaremos
alguns avisos que são muito úteis para alcançar estas
duas qualidades.

UMA CONDIÇÃO SEM A QUAL NADA É


OBTIDO
Em primeiro lugar, devemos ter em conta como
verdade que não admite qualquer discussão ou
dúvida, que embora tenhamos todos os talentos e
qualidades, quer sejam naturais, quer tenham sido
adquiridos pelos nossos próprios esforços, quer
tenhamos uma inteligência prodigiosa, quer
conheçamos a Sagrada Escritura de cor, servimos o
nosso Senhor durante muitos anos, estamos
habituados a servi-lo e a comportar-nos bem,
Seremos sempre totalmente incapazes de obedecer
devidamente ao Criador e de cumprir plenamente as
nossas obrigações, se a poderosa força de Deus com
protecção especial não fortalecer o nosso coração em

1
todas as ocasiões quando se trata de fazer o bem e
evitar o mal, fazer algumas boas acções ou vencer
alguma tentação, sair do perigo ou ser capaz de
suportar a cruz da tribulação.
É necessário gravar profundamente esta
verdade na nossa memória, não deixar passar os
dias sem meditar sobre ela, considerá-la, e assim
evitaremos o defeito chamado presunção que
consiste em acreditarmo-nos mais capazes de
sermos bons e não de sermos maus do que realmente
somos, e assim evitaremos caminhar de forma
imprudente e imprudente confiando nas nossas
próprias forças.
Algo fácil para Deus. No que diz respeito à
confiança em Deus, recordemos o que diz o Livro
Sagrado: "É fácil para Deus dar-nos a vitória sobre
todos os inimigos da nossa alma, sejam eles poucos
ou muitos, sejam fortes ou fracos, sejam velhos e
experientes ou jovens e exaltados" (1S 14:6).
A partir deste princípio fundamental, vamos concluir
que, embora a alma seja atacada por todos os
pecados e vícios, cheia de imperfeições, maus
hábitos e inclinações horrendas, embora depois de ter
feito todos os esforços para reformar os hábitos não
se note qualquer progresso na virtude, ela sente e
reconhece em si mesma uma maior inclinação para o
mal e mais facilmente peca, Isto não significa que
devemos perder a coragem e a confiança em Deus,

1
nem deixar de lutar, nem abandonar as práticas de
piedade, mas antes dedicar-nos com maior
entusiasmo a tentar fazer o bem e evitar o mal, porque
neste combate espiritual não se declara derrotado
quem não deixa de lutar e de confiar em Deus,
quem nunca deixa de ajudar aqueles que querem sair
vencedores com a sua ajuda e assistência, embora
muitas vezes ele permita que sejam derrotados. Se
tiveres a ajuda de Deus podes perder batalhas, mas
nunca perderás a guerra.

CAPÍTULO 7

COMO FAZER BOM USO DOS DOIS


PODERES QUE TEMOS RECEBIDA: O
ENTENDIMENTO E A VONTADE
Se no combate espiritual tivéssemos apenas duas
armas: confiança em Deus e desconfiança em nós
próprios, o mais provável seria não conseguirmos
superar as nossas paixões e cairmos em muitas e
graves falhas. É por isso que é necessário
acrescentar a estas duas qualidades duas outras
muito importantes: fazer bom uso da nossa
compreensão e fortificar a nossa vontade.

1
OS DOIS VÍCIOS QUE ATACAM O
ENTENDIMENTO
Há dois grandes vícios que pervertem, prejudicam
muito a compreensão e são a ignorância e a
curiosidade vã (compreensão é a faculdade ou
aptidão ou capacidade que temos de comparar,
julgar, raciocinar ou tirar conclusões).
O primeiro defeito: a ignorância. A ignorância
consiste em não saber o que devemos saber, o que
seria bom para nós saber. A ignorância impede o
entendimento de possuir e conhecer a verdade, que
é o objecto para o qual a inteligência foi feita. É da
maior necessidade que a alma que deseja alcançar a
perfeição se esforce por adquirir cada dia mais e mais
conhecimentos espirituais e procure saber cada vez
mais o que deve fazer para alcançar a perfeição e
adquirir as virtudes e o que deve evitar para conseguir
superar as paixões.

COMO SE ADQUIREM AS LUZES QUE


AFASTAM A IGNORÂNCIA?
A escuridão da ignorância é afastada por duas
luzes muito especiais. A primeira destas luzes é a
oração, pedindo frequentemente ao Espírito Santo
que ilumine o que devemos fazer, dizer, e evitar.
Jesus disse: "Meu Pai celestial dará o Espírito

1
Santo àqueles que Lhe pedirem" (cf. Lc 11,15). E,
mais tarde, acrescenta: "O Espírito Santo guiá-los-
á para a verdade plena e recordar-lhes-á tudo o
que lhes tenho dito" (Jo 16,13). O Espírito Santo nos
falará muitas vezes através da Sagrada Escritura (se
nós a lermos), especialmente através dos Evangelhos
Sagrados. Ele também nos falará através da leitura
de livros piedosos (se quisermos reservar algum
tempo para a leitura) e muitas vezes através dos
pregadores e superiores religiosos que Deus colocou
para nos guiar. Jesus disse sobre eles: "Quem os
ouve, ouve a mim" (cf. Lc 10,16). É por isso que é
tão importante submeter o nosso julgamento e
opinião ao dos superiores e guias espirituais.

Muito depende da intervenção do Espírito Santo para


eliminar a nossa ignorância. Precisamos de nos
deixar programar pelo Espírito Santo. Temos de
investigar o que o Espírito Divino quer de nós. Não se
pode falar bem ou pensar bem ou agir como Deus
realmente deseja, sem a iluminação do Espírito Santo.
É por isso que é necessário dizer-lhe muitas vezes e
todos os dias "Vem Espírito Santo". Ele é a fonte
inesgotável de imaginação e de boas ideias. Ele dá-
nos uma nova forma de olhar e de apreciar as
pessoas, o mundo, a história e a nós próprios. Ele é o
grande pedagogo ou professor que nos ensina como
amar, como fazer bom uso da nossa liberdade, do
tempo, dos dons e qualidades que Deus nos deu e

1
como saber em cada caso o que será mais agradável
a Deus e o que é desagradável a Nosso Senhor.
A segunda luz para dissipar a ignorância é
dedicar-se continuamente a considerar, analisando
as situações que se apresentam e as coisas que
queremos dizer ou fazer, para examinar se são boas
e convenientes para nós ou se são más e podem
prejudicar-nos, qualificando o que valem, não pelas
aparências ou de acordo com a opinião do mundo,
pois a Escritura diz: "Deus não olha para o que
aparece no exterior, mas para a santidade do
coração e o valor interior" (1S 16:7) e valorizá-los
de acordo com a ideia que o Espírito Santo inspira em
nós. Esta forma de analisar e avaliar coisas e
situações nos fará saber com evidência que o que o
mundo ama e procura com tanto ardor é ilusão e
mentira; que as honras e os prazeres da terra não são
nada mais que aflição e fumo levados pelo vento,
como diz Eclesiastes: "Vaidade de vaidades, todo
vazio e aflição de espírito" (Eccl 1).
A luz do Espírito Santo nos fará ver que as
humilhações, ofensas e desprezo que nos causam
são ocasiões para obtermos a verdadeira glória para
o céu; que é perdoar e fazer o bem àqueles que nos
ofenderam é um sinal de que também nós seremos
perdoados por Deus e que não seremos punidos com
todo o rigor que os nossos pecados merecem; que ser
bom para todos, mesmo para os maus e ingratos, é

1
fazer-nos como o bom Deus que faz chover sobre os
bons e os maus e faz brilhar o sol até sobre os mais
ingratos.
O Espírito Santo, se o invocamos com fé,
convencer-nos-á de que é melhor renunciar aos
prazeres do mundo do que viver gozando tudo o que
queremos. Esse prémio é ganho muito mais
obedecendo humildemente do que dando ordens a
muitos. Que saber e reconhecer humildemente o que
somos é uma ciência que nos torna mais úteis do que
todas as outras ciências que nos podem encher de
orgulho. Que para superar, para dominar maus
desejos e más inclinações e para tomar o contrário
em muitos pequenos desejos que não eram tão
necessários, pode obter para nós uma grande
personalidade, e o que o Livro Sagrado disse será
cumprido em nós: "Quem se domina a si mesmo
vale mais do que quem domina uma cidade" (Pr
16,32).

CAPÍTULO 8

1
AS CAUSAS QUE NOS IMPEDEM DE JULGAR E
QUALIFICAR
DEVIDAMENTE
SITUAÇÕES E A REGRA A OBSERVAR
PARA CONHECÊ-LOS BEM
Uma razão muito importante para não julgarmos e
qualificarmos devidamente as situações e as coisas é
que, assim que elas chegam à nossa imaginação, nos
deixamos imediatamente levar pela simpatia ou
antipatia para com elas, a simpatia e a antipatia
cegam a razão e desfiguram assim as pessoas, as
situações e as coisas que parecem diferentes do que
realmente são.
Um remédio. Se queremos estar livres deste grave
perigo, temos de estar alerta para não darmos a
nossa opinião só porque gostamos ou não gostamos
dela.
Quando uma situação, uma pessoa, um objecto, uma
acção é apresentada à mente, é necessário dar-se
tempo para julgá-la e examiná-la lentamente, sem
paixão, sem demasiada simpatia ou antipatia, antes
que a vontade esteja determinada a amá-la ou a odiá-
la, a aceitá-la ou rejeitá-la, a declará-la agradável ou
desagradável. Se a vontade, antes de analisar e
conhecer bem o objecto, está inclinada a amá-lo ou a
odiá-lo, então o entendimento já não é livre de o
conhecer como realmente é em si mesmo, porque a

1
paixão desfigura-o de forma a forçá-lo a formar uma
ideia falsa, e depois está inclinada a amá-lo ou a odiá-
lo veementemente, e não cumpre as regras e as
medidas ou não ouve o que a razão aconselha.
E ao deixar-se levar pela inclinação natural, o
entendimento torna-se cada vez mais obscuro e
representa a vontade como o objeto, mais odioso ou
mais bondoso do que antes, de modo que se a
pessoa não fizer um esforço para não se deixar levar
por preconceitos e inclinações, o seu entendimento e
a sua vontade vão fazêla mover-se num círculo
vicioso que vai de erro em erro, de abismo em abismo
e de escuridão em escuridão. É por isso que, embora
estejamos apaixonados por algo, é melhor abstermo-
nos de julgar o assunto até que a paixão se acalme.
Prudência. Deve-se ter muito cuidado para não ter
uma afeição desordenada pelas coisas antes de
examinar ou saber o que elas realmente são em si
mesmas, com a luz da razão, especialmente com a
luz sobrenatural que o Espírito Santo envia àqueles
que oram a ele com fé, e para tentar obter a luz da
prudência que se obtém consultando pessoas que
sabem sobre o assunto.

E também naquilo em que ele é bom. Note-se que


esta prudência, para não nos deixarmos levar pela
inclinação antes de julgar, é necessária não só
naquilo que pode ser perigoso, mas também naquilo
que é bom em si mesmo, porque nestas obras, por

1
serem dignas de admiração e apreço, pode haver o
perigo de nos deixarmos levar mais pelo próprio gosto
do que pela conveniência. Pois basta que haja uma
circunstância de tempo, ou de lugar, que não seja
conveniente para estas obras, pois não é conveniente
fazê-las nesse momento.
É por isso que deve saber sempre como consultar
quem sabe. Nem tudo pode ser dito em todo o lado e
nem sempre tudo pode ser feito, mesmo que sejam
coisas muito boas, porque tudo tem o seu tempo e o
seu lugar, se não se seguir as regras da prudência
mesmo para se dedicar a obras muito boas, pode-se
cometer muitos absurdos. É por isso que é tão
necessário pedir muito ao Espírito Santo o dom do
conselho através do qual sabemos quando, onde e
como devemos fazer e dizer o que temos de fazer e
dizer.
Pedido diário. Um santo disse que todos os dias
devemos pedir ao Espírito Santo que nos conceda a
virtude da prudência, que é o que nos ensina
quando, como e onde, devemos dizer e fazer tudo.
Será que de vez em quando pedimos realmente ao
Espírito Divino que nos conceda a virtude da
prudência? Se ainda não o pedimos, comecemos a
pedi-lo a partir de hoje.

1
CAPÍTULO 9

OUTRO VÍCIO DO QUAL DEVEMOS LIBERTAR O


ENTENDIMENTO PARA
QUEM PODE SABER E JULGAR BEM O
QUE É ÚTIL
O segundo vício ou defeito que pode fazer muito mal
à nossa compreensão é a curiosidade vã, enchendo
a nossa mente com muitos pensamentos e
conhecimentos inúteis que nos fazem mais mal do
que bem.
Há muitas coisas e muitos acontecimentos que, por
não os conhecermos, não perdemos nada, mas o
facto de os estarmos a descobrir enche-nos a mente
de distracções inúteis. Deveríamos estar tão mortos
quanto o conhecimento que não é útil para a nossa
santidade e perfeição espiritual. O velho provérbio
dizia: "Para notícias curiosas e novas não se
preocuparão, porque se tornarão velhas e vocês as
conhecerão".
É necessário reunir a nossa compreensão para não
deixar que ela se espalhe em vão por uma pilha de
notícias e conhecimentos profanos e mundanos que
só servem para dispersar a mente e não nos
permitem ter uma recordação ou meditar calmamente.

1
No que não me serve para a minha santificação,
porquê viver pensando?

A MELHOR CIÊNCIA
Cada um de nós deve repetir com São Paulo: "Só
desejo conhecer Jesus Cristo, e Jesus Cristo
crucificado" (1 Cor 2,2). Conhecer a sua vida, a sua
morte, a sua ressurreição, a sua ascensão e a sua
glorificação; compreender as suas mensagens, imitar
os seus bons exemplos, recordar o quanto fez e
continua a fazer pelos seus seguidores, o que pede e
os desejos de cada um de nós.

NUVENS SEM ÁGUA


Das outras coisas, especialmente aquelas que não
são necessárias para a nossa santificação e salvação
que não nos servirão para sermos úteis aos outros e
crescer em virtude, porquê viver querendo conhecê-
las e conhecê-las? Quantas coisas há a ignorar sem
perder nada, e, em vez disso, sabê-las enche-nos o
coração de ansiedade. Nisto, é verdade o que o sábio
Séneca disse no primeiro século: "Quanto mais
curiosamente me dedicava a conhecer os
pormenores da vida humana, menos bem me tornei
um ser humano. São Judas Tadeu chama a este
conhecimento: "Nuvens sem água, árvores sem

1
frutos, ondas que não trazem nada além de
espuma" (Judas 12).

Quando queremos saber uma coisa, perguntemo-


nos: isto será benéfico para a minha santificação ou
para o bem que eu posso fazer pelos outros? Se não
for, dedicar-me a investigá-la e querer saber pode ser
curiosidade prejudicial, ou mesmo uma armadilha
para os inimigos da minha salvação, que querem
encher o meu cérebro de baratas que não deixam o
maná da sabedoria celestial ser aí bem preservado.
Se seguirmos esta regra, estaremos livres de muitas
preocupações inúteis, porque o inimigo da alma,
quando vê que não pode obrigar-nos a cometer falhas
graves, tenciona pelo menos encher-nos de
preocupações para nos tirar a nossa paz. E assim, se
não conseguir fazer-nos parar de rezar, pelo menos
tenta encher-nos de pensamentos e imaginações
durante a oração, para que a nossa atenção não
esteja em Deus, na sua glória, no seu poder e na sua
bondade, nas graças e bênçãos que desejamos obter,
mas na multidão de projectos fantásticos e nas
memórias de acontecimentos que viemos a conhecer.
E assim ele consegue que, em vez de nos
arrependermos da nossa maldade e de odiarmos o
pecado e de formarmos resoluções firmes para alterar
as nossas próprias vidas, em vez de nos encher de
actos de amor a Deus e de desejos de perseverar na

1
sua santa amizade até à morte, nos dediquemos a
distrair-nos de pensamentos vaporosos que podem
até enchernos de orgulho e presunção na crença de
que já somos aquilo que planeámos ser e que já não
precisamos de direcção espiritual ou de correcção. E
isso traz-nos o grande erro de nos convencermos de
que já somos bons, só porque planeámos sêlo. (E de
pensar para ser bom e tornar-se bom, há um imenso
abismo).
Mal incurável. Este mal é muito perigoso e quase
incurável, porque quando a mente está cheia de
novas teorias, ideias fantásticas e planos loucos, a
pessoa chega a estar convencida de que é melhor do
que os outros (só porque planeou sêlo, sem ainda o
ser remotamente). Quem conseguirá desiludi-lo?
Como será capaz de reconhecer o seu erro? Como
será capaz de se deixar guiar por um director
espiritual prudente, se já se imagina uma autoridade
em relação ao espírito? É um cego que lidera um cego;
o orgulho cego que lidera o entendimento cego pela
vaidade. Nós, por outro lado, deveríamos repetir com
o antigo sábio: "Em assuntos do espírito só sei que
não sei nada", mesmo que o orgulho nos
convencesse de que somos mais sábios do que
Salomão.

1
CAPÍTULO 10

COMO EXERCER A VONTADE. E O FIM PARA


O QUAL DEVEMOS FAÇA
TODAS AS COISAS
Já vimos como evitar os defeitos que podem
prejudicar a compreensão, e agora vamos estudar
como evitar aquilo que pode prejudicar a vontade,
para que possamos alcançar um grau de perfeição tal
que, renunciando às nossas próprias inclinações, o
que procuramos é sempre cumprir a santa vontade de
Deus.
Uma condição. Devemos advertir que não basta
querer e procurar fazer sempre o que Deus manda e
deseja, mas também é necessário querer e fazer
estas obras para agradar a Nosso Senhor.

1
Uma armadilha. Você precisa dominar suas
próprias inclinações. Porque a natureza, desde o
pecado original, está tão inclinada a entregar-se, que
em todas as coisas, mesmo nas mais espirituais e
santas, a primeira coisa que procura é a sua própria
satisfação e prazer. E daí um perigo, que é o de que,
quando surge a ocasião de fazermos um bom
trabalho, possamos dedicar-nos a ele e amá-lo, mas
não porque seja a vontade de Deus ou porque Lhe
agrada, mas porque agrada às nossas próprias
inclinações e porque nos dá a satisfação de fazer o
que Deus manda.
E mesmo na mais santa das coisas, por exemplo,
no desejo de viver em contínua comunicação com
Deus, pode ser que procuremos mais o nosso próprio
interesse do que obter a Sua glória e cumprir a Sua
Santa Vontade, e esta última deve ser o único objecto
a ser proposto por aqueles que o amam, o procuram
e querem cumprir a Sua Lei divina.
Remédio. Para evitar este perigo, que é muito
prejudicial para aqueles que desejam alcançar a
perfeição e a santidade, devemos resolver, com a
ajuda do Espírito Santo, não querer ou empreender
qualquer acção, excepto com o único propósito de
agradar a Deus e cumprir a Sua Santíssima Vontade,
para que Ele possa ser o princípio e o fim de todas as
nossas acções. Devemos imitar o que fez São
Gregório Magno que, ao escrever as suas admiráveis

1
obras, de vez em quando suspendeu o seu trabalho e
disse: "Senhor, é para ti, é para a tua glória". É para
a salvação das almas. Que nada eu faça para agradar
as minhas inclinações e afectos, mas para ter sempre
em mim a vossa santa vontade cumprida.
Técnica. É muito conveniente que, quando surgir a
ocasião de fazermos algum bom trabalho, levantemos
primeiro uma oração a Deus para lhe pedir que nos
esclareça se é da Sua vontade que o façamos, e
depois examinemos a nós próprios para ver se o que
vamos fazer é feito para agradar ao nosso Senhor.
Desta forma, a vontade habitua-se a querer o que
Deus quer e a trabalhar com o único motivo de O
agradar e de obter a sua maior glória. Do mesmo
modo, é conveniente proceder quando queremos
rejeitar e deixar de fazer alguma coisa. Devemos
primeiro elevar os nossos espíritos a Deus para lhe
pedir que os ilumine, se na realidade Ele quiser que
não o façamos, e se, ao deixarmos de o fazer, lhe
agradarmos. É bom dizer de vez em quando: "Senhor:
ilumina-nos sobre o que devemos dizer, fazer, evitar
e obrigar-nos a fazer, dizer e evitar".
Engano encoberto. É importante lembrar que
existem grandes e pouco conhecidos enganos que a
natureza corrompe, o que com pretextos hipócritas
nos faz acreditar que o que procuramos com as
nossas obras não é outra finalidade que não seja
agradar a Deus. E daqui vem que nos excitamos com

1
algumas coisas e sentimos repulsa por outras apenas
para agradar e satisfazer-nos, mas entretanto
continuamos convencidos de que este entusiasmo ou
repulsa se deve apenas ao nosso desejo de agradar
a Deus ou ao medo de O ofender. Para isso existe
um remédio; para corrigir continuamente a
intenção e propor seriamente dominar a nossa velha
condição inclinada ao pecado e substituí-la por uma
nova condição dedicada apenas a agradar a Deus; ou
como São Paulo disse: "Renunciem ao velho
homem com os seus vícios e luxúrias e vistam-se
do novo homem de acordo com
Jesus Cristo" (cf. Col 3,9).
Um método. São Bernardo disse de tempos a
tempos ao seu orgulho, à sua sensualidade, vaidade
e amor-próprio: "Não foi por vós que comecei este
trabalho nem é por vós que o continuarei a fazer". E
outro santo repetiu: "No dia da recompensa eterna, só
as obras que fiz por ele e pelo bem dos outros me
servirão para receber felicitações de Deus". O que
quer que haja para agradar à minha vaidade ou à
minha sensualidade, terei perdido para sempre. Seria
muito triste se o meu fim fosse dito pelo Senhor como
foi pelos fariseus: "Ele fez tudo para ser felicitado e
estimado pelo povo, ou para agradar aos seus gostos?
Pois bem, ele já recebeu o seu prémio na Terra. Que
ele não espere nada do céu.

1
O leme. Quem quer que guie um barco precisa de
estar continuamente a guiá-lo na direcção que se
propôs a seguir, porque o primeiro erro que comete,
as ondas e o vento vão empurrar o barco numa
direcção totalmente diferente. Assim é com as nossas
acções. Precisamos de reacender e reafirmar
continuamente a intenção de fazer tudo por Deus e
apenas por Ele, porque o amor-próprio é tão traiçoeiro
que a mais pequena negligência nos leva a mudar a
nossa intenção, e o que começamos a fazer por Deus
podemos facilmente acabar por fazer apenas para
agradar a nós próprios. E seria uma grande perda.
Um sintoma ou sinal de aviso. Acontece
frequentemente que quando uma pessoa se dedica a
fazer um bom trabalho não só para agradar a Deus,
mas sobretudo para satisfazer os seus gostos e
inclinações, quando Deus o impede de progredir no
seu trabalho com alguma doença, acidente ou falha
económica, devido à oposição de superiores ou
vizinhos, fica zangado, irritado, inquieto, começa a
murmurar, a queixar-se e até a dizer que Nosso
Senhor deve mostrar-se mais compassivo e generoso
com o seu trabalho. E daí decorre que o que o moveu
não foi apenas para agradar ao Criador, mas para
satisfazer os seus próprios gostos. Porque, se fosse
só por Deus, ele O deixaria calmamente, quando lhe
parecesse melhor, levar a sua obra a uma conclusão
feliz, se fosse pela sua maior glória, e, se não fosse,

1
deixá-la-ia desaparecer, porque então já não era
digna de existir.
Exame. É por isso que, de vez em quando, cada um
se deve perguntar a si próprio: fico demasiado
preocupado se as obras que empreendo não forem
bem sucedidas ou não resultarem de acordo com os
meus planos? Fico descontente se o Senhor, com os
feitos que Ele me permite que me aconteçam, me
disser: "Ainda não é tempo... Devemos esperar um
pouco mais? Tenho de me lembrar que o importante
não é que as minhas obras tenham muito êxito na
Terra, mas que Deus esteja contente com o que faço.
Que não é a acção que tem valor, mas sim a intenção
com que é feita.
Algo que acrescenta muito valor. A intenção de
fazer tudo pelo amor de Deus e pela Sua maior glória
aumenta tanto o valor das nossas obras que, apesar
de serem de muito pouco valor em si mesmas, se
forem feitas puramente para Deus, tornam-se de
maior preço e recompensa do que outras obras,
apesar de serem de maior valor em si mesmas, se
forem feitas para outros fins. Assim, por exemplo,
uma pequena esmola dada a uma pessoa pobre
(pequena, mas que nos custa. Porque o que não
custa é lixo e não tem prêmio) se essa pequena
esmola é dada por amor a Deus, porque o próximo
representa Jesus Cristo, pode ser de maior preço e
obter um prêmio maior, do que alguns gastos

1
enormes que são feitos em obras brilhantes, mas por
aparecer e por ganhar a admiração dos outros.
Algo que não é fácil. Não nos iludamos nem
alimentemos as nossas esperanças. Este negócio de
fazer sempre tudo por amor de Deus não será fácil no
início, mas parecerá muito difícil para nós. Mas, com
o tempo, não só se tornará fácil como até agradável
para nós, e adquiriremos o hábito de fazer tudo por
amor ao bom Deus de quem recebemos tudo de bom.
Como a pedra filosofal. Os antigos acreditavam na
lenda de que havia uma pedra que transformava
tudo o que tocava em ouro. Chamaram-lhe "a
Pedra Filosofal", e procuraram-na em todo o lado, e
como bem podem imaginar nunca a encontraram
porque tal pedra não existe. Mas no espiritual há, e
consiste nisto que temos vindo a recomendar:
oferecer tudo o que fazemos apenas pelo amor de
Deus e para Lhe agradar. A acção que oferecemos
por Deus torna-se automaticamente ouro para a vida
eterna. Em algo do mais alto preço para a eternidade.
É por isso que deveríamos começar hoje a tentar
adquirir o muito bom hábito de dirigir todos os
anteriores para um único fim: o amor e a glória de
Deus.

1
ALGO QUE SE OBTÉM AO PERGUNTAR
É preciso lembrar que este formidável costume de
fazer tudo por Deus e apenas por Ele não é algo que
a criatura humana alcance apenas com os seus
esforços e propósitos. Isto é algo importado do Céu
e se Nosso Senhor não no-lo conceder por uma graça
especial da Sua, não o obteremos. É por isso que
temos de o pedir tanto nas nossas orações. E para
nos encorajar a fazê-lo, devemos muitas vezes
meditar sobre os inúmeros benefícios e favores que
Deus nos tem feito e continua a fazer, considerando
que tudo isto é feito por puro amor e sem qualquer
interesse da vossa parte.
"NÃO SE PODE ACREDITAR SE O QUE SE
PROCURA É A GLÓRIA E O LOUVOR QUE
VEM DOS OUTROS, E NÃO A
GLÓRIA QUE VEM DO ÚNICO DEUS". (Jo
5,44)

1
CAPÍTULO 11

1
ALGUMAS COISAS PARA PENSAR EM MOVER A
VONTADE DE PROCURAR, EM TODAS AS
COISAS, AGRADAR A DEUS
Há algumas verdades que, se meditarmos nelas e
as recordarmos, moverão a vontade de vontade em
todas as nossas acções e em todo o nosso
comportamento, de procurar agradar a Deus no que
fazemos, dizemos e pensamos. São as seguintes:
1o Considere o quanto o amor de Deus tem feito
por nós. Por exemplo: ele criou-nos do nada. Ele nos
deu uma alma feita à Sua imagem. Ele deu-nos
domínio sobre criaturas irracionais para nos servir.
Quando estávamos em perigo de nos perdermos para
sempre, Ele enviou não um anjo para nos salvar, mas
o seu próprio Filho em pessoa. E não nos resgatou
nem pagou o preço da nossa libertação com ouro e
prata, mas com o sangue precioso do seu Santíssimo
Filho. E para que pudéssemos lutar com sucesso na
vida, ele deixou-nos o Corpo e o Sangue de Cristo
como nosso alimento.
2° Pensar que Deus vive nos defendendo em
todos os momentos. O Salmo diz: "O teu guardião
não dorme". Aquele que vigia o povo escolhido não
dorme nem deixa um momento de vigilância. "O
Senhor te protege na sua sombra; está à tua direita
para te guardar, pronto para te defender de todo o
mal" (cf. Sl 120). E outro salmista exclama: "Ainda

1
que meu pai e minha mãe me abandonem, o Senhor
Deus nunca me abandonará" (cf. Sl 27). Que melhor
prova ou demonstração de amor poderia o bom Deus
dar-nos? É por isso que devemos amá-lo
intensamente.
3º Lembrem-se o quanto o nosso Criador nos
estima. Ele pode repetir-nos o que disse para o
Profeta: "Que mais poderia eu fazer por vós que
não tenha feito? A sua estima por cada um de nós é
tão grande e o seu desejo de nos salvar e tornar-nos
santos é tão grande que nos enviou do céu o melhor
tesouro que tinha: o seu próprio Filho. E permitiu que
ele morresse na cruz com a mais ignominiosa das
mortes para que pudesse pagar as nossas dívidas à
Justiça Divina e obter para nós um lugar na glória
eterna. E este Jesus tornou-se em todas as coisas
como nós, excepto no pecado. E ele aprendeu
através do sofrimento a compreender aqueles de nós
que sofrem.
Temos de honrar aqueles que nos honram. É isso
que os grandes da terra tentam fazer. E quem nos
honrou mais em toda a nossa existência do que nosso
Senhor? Ele nos fez seus filhos, irmãos e irmãs de
seu Filho Jesus Cristo, templos do Espírito Santo e
herdeiros do céu. Que de vez em quando recordemos
estes sinais de apreço e afecto que Ele nos tem dado,
para que também Lhe possamos dar amor e gratidão
em troca.

1
AMEMOS A DEUS PORQUE ELE NOS AMOU
PRIMEIRO
(St. John)
CAPÍTULO 12

AS FORÇAS QUE FAZEM GUERRA UMAS


CONTRA AS OUTRAS,
NO NÓS
Em cada um de nós há duas grandes forças que
fazem a guerra sem cessar. A primeira é a vontade
superior, a força espiritual, que, guiada pela razão e
pela fé, quer elevar-nos ao comportamento de um ser
racional, de alguém que é o Filho de Deus, e cujo
destino é a vida eterna do céu. A outra grande força,
que é chamada inferior, é uma força material, guiada
pelas paixões, pelas inclinações da natureza carnal e
muitas vezes pelas atracções do mundo, sensual e
pelas tentações do diabo. Esta segunda força
chamada "apetite sensível" não conseguirá
conduzirnos ao mal se a vontade guiada pela razão e
iluminada pelo Espírito Santo a travar e a guiar.
A guerra continua. São Job disse que a vida da
pessoa humana nesta terra é como o serviço militar
em tempo de guerra, ou como o dia de um trabalhador
em tempo de grande trabalho. A guerra espiritual

1
entre a vontade superior guiada pela razão e a inferior
guiada pelas paixões durará uma vida inteira. A partir
do momento em que tivermos o uso da razão até ao
último suspiro, essa guerra será total e incessante.
Haverá tempos de maior paz e tempos de maior
combate, mas a luta nunca cessará nesta terra. Aqui
se cumpre o que Jesus anunciou: "Eu não vim para
trazer paz, mas guerra" (cf. Mt 10,34).
Os quatro cavalos. Um antigo autor dizia que a
pessoa humana viaja por este mundo numa
carruagem conduzida por quatro cavalos. Dois
brancos e dois pretos. Os dois brancos são a razão e
a vontade. E os dois negros são as paixões e as más
inclinações. E para saber para onde cada um irá,
temos de descobrir quem deixamos ir ao leme, Deus
ou o diabo, ou o egoísmo. Se é Deus quem nos
conduz com as suas santas inspirações, o fim será a
glória eterna e a santidade. Mas se deixarmos o diabo
com as suas tentações conduzir-nos, o fim será o mal
e até a condenação eterna. Quem está hoje a
conduzir a minha carruagem?
O pior infortúnio. Tal como ter recebido de Deus o
gosto pela oração e por pensar no celestial e no
sobrenatural, é um dom maravilhoso que nunca
podemos agradecer devidamente, assim o pior
infortúnio espiritual que pode acontecer a uma pessoa
é talvez contrair um mau hábito, adquirir um mau
hábito. Não há nada que escravize tanto como um

1
mau hábito. Jesus disse com razão: "Aquele que
comete pecado torna-se escravo do pecado" (Jo
8,34). Aqueles que na sua juventude adquiriram
algum mau hábito, alguma facilidade para fazer
alguma má acção, adquirida pela repetição, sofrem
uma dor indescritível quando tentam alterar a sua má
vida e quebrar as correntes que os mantêm
escravizados ao mundo e à carne, mudam a sua vida
e começam a consagrar-se inteiramente ao serviço
de Deus. Pois a sua vontade é tão vigorosamente
combatida pelos seus maus hábitos e tão
enfraquecida pela repetição frequente dos seus actos
perversos que agora sentem como se tivessem uma
segunda natureza, e os golpes que recebem das suas
más inclinações são tão fortes e violentos que sem
graça especial ou ajuda de Deus não conseguirão
resistir sem cair repetidamente. Nisto se cumpre o
que São Paulo disse: "Eu faço o mal que não quero
fazer, mas o bem que quero fazer não posso fazer".
Vejo na minha carne uma lei e uma inclinação que
vão contra a lei da minha razão e me escravizam.
É a lei do pecado. A inclinação para o mal" (cf. Rm
7,18).
Uma felicidade e um fracasso. Esta luta que
acabamos de descrever não é tanto sofrida por duas
classes de pessoas: 1o aqueles que se acostumaram
a viver na graça de Deus e sem maus hábitos, e 2o
aqueles que se acostumaram a viver no pecado e
escravos dos seus vícios. Os primeiros são felizes

1
porque vivem fazendo a vontade de Deus e desfrutam
da sua amizade e paz, enquanto os segundos têm
uma paz aparente: a paz dos cemitérios, onde só há
morte e decadência.
Outra condição sem a qual não o faz. Ninguém terá
a ilusão de que conseguirá adquirir a virtude e a
perfeição para servir a Deus como deve, se não se
dedicar a negar a si mesmo, a tirar-lhe muitas das
suas inclinações e desejos de uma vida fácil e
confortável, se não tiver uma resolução firme para
sofrer e superar a antipatia que sente em si mesmo
para renunciar a muitos pequenos prazeres que lhe
são apresentados.
Jesus disse: "O reino dos céus sofre violência, e
aqueles que a praticam conquistam" (Mt 11,12).
Na subida à perfeição encontramos muitos que
ficaram a meio caminho e não puderam avançar e
progredir porque lhes faltava uma condição: negar-
se a si próprios, tomar o rumo oposto. E
permaneceram correndo atrás de borboletas
enganosas de aparente alegria, colhendo flores não
perfumadas de pequenos gostos que não satisfazem
plenamente; e não conseguiram subir até ao cume da
santidade. Faltava-lhes a primeira condição que
Jesus exigia daqueles que diziam querer segui-lo:
"Se alguém quer vir após mim, negue-se a si
mesmo" (cf. Mt 16,24). Quantos pequenos afectos e
gostos terrenos renunciei para ser fiel a Jesus? Se

1
neste dia eu desse um pequeno nó num fio por cada
vez que recusasse e oferecesse algum pequeno
sacrifício, quantos nós conseguiria eu dar? No Dia do
Julgamento esse relato parecerá muito claro, e
quanto maior for o número de vezes que recusei e fui
contrário, tanto maior será a minha recompensa no
céu.

A CAUSA DE TÃO POUCOS TEREM


ÊXITO
Porque é que tantas pessoas enveredam pelo
caminho da santidade, mas tão poucas atingem a
perfeição? A razão é muito simples: eles não se
negaram a si próprios. É verdade que muitos deles
talvez tenham escapado de grandes quedas e de
contrair vícios terríveis, mas depois, no caminho para
a perfeição, perderam o ânimo e desanimaram
porque viram que essa negação de si mesmos é uma
tarefa diária e de hora em hora e não se dedicaram a
combater os resíduos da sua própria vontade e das
más inclinações que ainda permanecem na sua
natureza, Para dominar as paixões cada vez mais
inflamadas e renovadas nos seus corações, deixaram
que tudo isso se apoderasse do seu espírito e os
impedisse de ascender à santidade. Faltava-lhes
aquela qualidade que Jesus exige quando diz:
"Aquele que perseverar até o fim será salvo" (Mt

1
10,22). Faltava-lhes perseverança, na luta pela
santidade.
Não basta não ser mau. Há pessoas que imaginam
que só alcançarão a santidade se evitarem fazer o
mal. E isto não é suficiente. Assim, por exemplo, há
pessoas que se contentam em não roubar, mas
entretanto estão muito apegadas à sua riqueza, não
distribuem esmolas e ajudam na medida em que Deus
quer que elas distribuam. Outros procuram
expressamente honra e louvor, mas sentem grande
alegria quando lhes são oferecidos, e nunca os
recusam ou fazem nada para os evitar. Há alguns fiéis
que não comem com gula, mas preferem sempre
comer a comida mais deliciosa e deixar de lado
qualquer comida que lhes pareça menos agradável.
Há crentes que não falam mal de ninguém nem dizem
mentiras, e nisto são admiráveis, mas, por outro lado,
nunca são capazes de silenciar as palavras inúteis
que gostam de dizer. Contentam-se em ser bons, mas
não se esforçam por atingir a perfeição.

AS CONVERSAÇÕES QUE PARAM A


MEIO CAMINHO
Quando Jesus enviou os seus discípulos para pregar,
disse-lhes: "Não parem para falar no caminho" (Lc
10,4), pois as pessoas do Oriente estão habituadas a
parar e conversar por longos períodos no caminho

1
com os viajantes que encontram, e o tempo precioso
é gasto nestas conversas. É necessário que me
pergunte de vez em quando: "É isto que estou a dizer
melhor do que o silêncio? Pois teremos que dar
conta de cada palavra inútil no dia do julgamento"
(cf. Mt 12,36). Que nunca tenham de dizer sobre nós
o que uma pessoa piedosa disse sobre alguém que
acompanhou nas suas conversas: "Já perdeu
muitas ocasiões em que teve de ficar calado". Ou
o que dizem que o santo exclamou quando lhe
perguntaram o que pensava de uma certa pessoa
muito piedosa mas muito faladora: "É uma boa
pessoa, mas infelizmente não conseguiu colocar uma
porta na sua língua para a manter um pouco mais
fechada.
O que o levou a fazer isto? Na vida de uma santa,
é dito que um dia, quando ela estava diante da
imagem de um Cristo pingando sangue, ela lhe
perguntou: "Senhor, quem te fez assim? -E pareceu-
lhe que o Cristo respondeu: "A tua tagarelice inútil" -
o que é que este exemplo me vai ensinar?
Perigo. Quem não dominar a sua língua corre o
risco de também não conseguir dominar as suas
outras paixões. O que a Imitação de Cristo diz será
cumprido: "Como ela é lasciva e imoral, assim é ela
com a sua língua, e assim é ela com as suas paixões
e inclinações malignas. Pelo contrário: o exercício da
vontade que fazemos de tentar evitar que a nossa

1
língua diga o que deve dizer, e de dizer sempre o que
é mais conveniente, reforçará o nosso carácter de tal
forma que, sem o percebermos, adquiriremos força
para dominar também as paixões e as más
inclinações.
Uma ilusão. Muitas almas que se dedicam à vida
espiritual caem numa ilusão que não é fácil de
descobrir a princípio (ilusão é imaginar que ela existe
e é, o que na realidade não existe e não é como se
imagina). E a sua ilusão consiste em pensar que
estão realmente a progredir em santidade e perfeição,
quando o que estão a fazer é seguir os seus próprios
gostos e inclinações. Muitos acreditam que estão
trabalhando pelo amor de Deus, quando o que estão
fazendo é amar a si mesmos (se de fato pode ser
chamado de "amar a si mesmos" para seguir seus
próprios caprichos). E assim escolhem os exercícios
e práticas de piedade que estão mais de acordo com
os seus gostos, rejeitando e pondo de lado aqueles
que lhes causam algum desconforto ou não lhes
agradam muito.
O remédio. A solução para evitar cair nesta ilusão
consiste em aceitar de bom grado as dores e
dificuldades que encontramos todos os dias no
exercício da perfeição, pois quanto maiores forem os
esforços que temos de fazer, maiores serão as
vitórias e os prémios que Deus nos concederá, e mais
seguramente obteremos as virtudes de que

1
necessitamos. Por isso um santo famoso, a alguém
que lhe pediu um favor, mas depois lhe disse que era
melhor não o fazer porque fazê-lo lhe custaria um
sacrifício sério, respondeu: "E se não me custasse um
sacrifício, que prémio me daria Nosso Senhor? O bom
dos favores que fazemos é que eles nos custam
sacrifícios".

O REINO DOS CÉUS EXIGE QUE SE FAÇA


VIOLÊNCIA A SI MESMO, E AQUELES
QUE SE DOMINAM A SI MESMOS,
OBTÊM-NA.
(Mt 11, 12)

1
CAPÍTULO 13

COMO COMBATER A SENSUALIDADE, E


O QUE ACTUA A
A VONTADE DE ADQUIRIR O BOM HÁBITO DE
FAZER O BEM
Recordemos o que São Paulo disse: "Temos uma
luta contínua, porque a parte espiritual da nossa
personalidade nos convida a fazer o bem, mas a parte
material e sensível nos inclina a fazer o mal".
Para sermos vitoriosos nesta luta, que é uma luta
diária e que dura toda a nossa vida, é necessário
utilizar determinadas técnicas que enumeramos a
seguir:
Antes de mais nada. Quando os movimentos e as
declarações da nossa sensualidade parecem ir contra
o que a razão aconselha, é necessário rejeitá-los
resolutamente desde o início sem parar para os
aceitar de qualquer forma. Se consentirmos com eles,
eles começam a crescer e a escravizar-nos.

1
A segunda coisa. Temos de fazer actos contrários
aos que as paixões e as más inclinações nos
propõem. Assim, por exemplo, se a raiva quer
convidar-nos à vingança, devemos rezar pelo bem da
pessoa que nos ofendeu. Se a tristeza tenta nos
inclinar para o desânimo, devemos cultivar
pensamentos de alegria e esperança. Se o orgulho
nos incita a acreditar em algo e a desejar louvores,
temos de nos lembrar que não somos nada e que o
louvor humano é fumo que é levado pelo vento. Se é
a impureza que nos move, devemos lembrar o rasgo
interior que todo pecado impuro produz na alma e a
perda do bom nome e da paz que toda impureza traz
para a alma, etc.
Uma armadilha. Os inimigos da alma, quando
vêem que reagimos fortemente contra as suas
armadilhas ou desejos de nos fazer o mal, então
param por um tempo, trazendo-nos tentações para
que nós, acreditando já sermos fortes, deixemos de
fugir das ocasiões e pensemos com louco orgulho que
já somos capazes de resistir ao mal. Nisto, é de facto
conveniente cumprir o que São Paulo aconselha:
"Trabalhai na vossa própria santificação com
temor e tremor" (Pt 2,12) "E, se estais de pé, cuidai
de não cairdes" (1 Cor 10,12). Porque assim que
começarmos a acreditar que somos capazes de ser
santos pelas nossas próprias forças, vamos começar
a ter quedas muito humilhantes. Deus resiste aos
orgulhosos (Tiago 4:6). É por isso que o profeta Isaías

1
diz: "O que Deus quer é que permaneças humilde
perante Ele".
Terceira lei. Odeio o que é mau. Acontece
frequentemente que depois de termos feito grandes
esforços para resistir e repelir os ataques dos inimigos
da salvação, depois de termos pensado e reflectido
que esta resistência é algo muito agradável a Deus,
de um momento para o outro percebemos que não
estamos a salvo nem livres do perigo de sermos
derrotados numa nova batalha; por isso é
conveniente que nos exercitemos em sentir um
grande ódio e repugnância pelo vício que queremos
derrotar, e tentemos adquirir para com ele, não só
aversão, repugnância mas também repugnância e
horror. O que mais nos deve repelir é a fealdade do
pecado.
Meio quarto. Para tornar a alma forte contra vícios,
maus hábitos e inclinações perversas, é necessário
fazer muitos actos interiores que são
directamente contrários às nossas paixões
desordenadas.
Por exemplo. Se queremos adquirir o bom hábito de
ter paciência, quando alguém faz ou diz algo que nos
deixa impacientes, nos enche de mau feitio e raiva, é
necessário amar, aceitar esse mau tratamento e até
desejar que esse tratamento duro nos seja dado
novamente, para que tenhamos a oportunidade de
exercer paciência. E isto por uma razão: porque

1
não podemos aperfeiçoar-nos e exercer a virtude
sem praticar actos contrários ao vício que
desejamos corrigir. Assim, por muito que desejemos
ter paciência, se não fizermos actos contrários à
impaciência, não conseguiremos arrancar do nosso
coração o vício de ficar impacientes e descontentes
com o que quer que seja, que vem de não querermos
ser contra ou de não termos o nosso orgulho e a
nossa auto-estima feridos. E enquanto esta raiz de
orgulho for preservada na alma, do desejo de que os
nossos caprichos sejam satisfeitos e de que nada
aconteça ao contrário dos nossos desejos e gostos,
estaremos sempre em constante perigo de cair no
defeito da impaciência.
Um remédio que não pode faltar. Que ninguém
imagine que alcançará qualquer virtude se não
destruir o vício oposto, praticando actos contínuos e
repetidos contra esse vício. Mil vezes se pode desejar
ver-se livre de uma má amizade, mas se não se fizer
actos contrários a esse afecto pecaminoso, a má
amizade continuará a prejudicar-me. E já sabemos o
que São Paulo disse: "As más amizades
corrompem os bons hábitos".
Alguns poucos actos não são suficientes. Já
sabemos que, para adquirir um mau hábito ou um
vício, são necessários muitos pecados repetidos e, da
mesma forma, para obter uma virtude contrária a esse
vício, são necessários bons actos repetidos e

1
frequentes até se conseguir adquirir o bom hábito
capaz de enfrentar o vício e de o afastar. E mais: são
necessários mais bons atos de virtude para
formar um bom hábito, do que atos pecaminosos
para formar um vício, porque o vício é auxiliado por
paixões e más inclinações, enquanto a virtude é
oposta pela nossa natureza corrompida e viciada pelo
pecado.
Faça-o mesmo que isso custe. Tudo o que vale a
pena custa. Não pensemos que fazer actos de virtude
contrários aos vícios é algo fácil e agradável. Nada
disso! Por exemplo, tratar com bondade e paciência
aqueles que nos humilham e nos ofendem. Isso ajuda
muito a alcançar a paciência, mas não é nada fácil.
Vejamos outro exemplo: ser frio, até mesmo
desprezível, mostrar aversão e horror e até "más
maneiras" perante uma amizade que fere a alma; isso
vai contra a nossa vontade e é algo verdadeiramente
dispendioso. Mas é por isso que o prémio que Deus
nos vai dar será muito maior. Portanto, não deixemos
de fazer esses actos contrários aos vícios, mesmo
que pareça que o nosso coração sangra e a nossa
alma agoniza com o sofrimento. A coroa de glória que
nos espera é muito grande.
Cuidado com os pequenos inimigos. O Livro dos
Cânticos diz: "Temos de caçar os pequenos
roedores, porque eles podem destruir as nossas
culturas" (cf. Ct 2,15). Na vida espiritual, temos de

1
cumprir esta ordem. Não devemos contentar-nos em
atacar e deitar fora os movimentos mais fortes e
violentos das paixões, mas também os mais leves e
os mais pequenos. Pois estes pequenos movimentos
servem para que outros nos ataquem e derrotem, tal
como os pequenos servem os grandes ladrões para
entrar nas casas, com os pequenos entrando primeiro
pelas janelas para abrir a porta para os grandes
entrarem. E é assim que se formam maus hábitos e
vícios, começando por deixar entrar pequenas
imperfeições na vida quotidiana e estas abrem as
portas aos mais velhos.
Uma supervisão perigosa. Muitas pessoas
negligenciaram e não se mortificaram em evitar
pequenas falhas, deixando-se levar pelas paixões e
más inclinações em coisas fáceis e aparentemente
sem grande importância, e acreditaram que só
deveriam mortificar-se nas paixões mais difíceis e
sérias, quando menos o imaginavam, sentiam o
poderoso assalto dos inimigos da sua salvação e
sofriam enormes danos espirituais. Assim, por
exemplo, tendo feito um voto de castidade, imagina-
se alguém que pode viver de mãos dadas, dando
pequenas carícias, lançando frequentes olhares
afectuosos ao seu rosto, dizendo palavras de
bajulação e não afectos necessários, olhando cenas
ou representações que são materialistas e até
sensuais, aceitando demasiada familiaridade no trato
com pessoas jovens ou sentimentais, etc. No

1
momento em que lhe parecem ser pequenas coisas.
Mas quando menos pensa nisso, pode encontrar-se
nos abismos mais assustadores do pecado e da
sensualidade, e incapaz de reagir às suas inclinações
perversas. E o que Jesus disse se cumpre: "Aquele
que não é fiel numa coisa pequena também não
será fiel numa coisa grande" (Lc 16,10).
É preciso mortificar no que é lícito. Na vida
espiritual, há um ditado muito antigo que se cumpre
sempre. É assim: "Aquele que não se mortifica no
que é lícito, não se mortifica no que é ilícito".
Chama-se lícito o que é permitido, o que pode ser
feito ou dito sem cometer pecado. Temos de distinguir
entre o que é simplesmente lícito e o que é necessário.
O que é necessário deve ser feito e sempre dito. Mas
o que só é lícito, não é necessário, se não for feito ou
dito, produzirá grandes bens espirituais porque a
pessoa se acostuma mais facilmente a dominar a si
mesma, e quando as atrações das paixões e dos
maus instintos chegam, ela já tem força de vontade e
será capaz de superar muitas tentações. Quantos, e
quantos são, que deixaram de dizer uma coisa viva
que lhes ocorreu e a mantiveram calada pela
mortificação. E mais tarde, quando, num momento de
cólera, lhes veio o desejo de dizer algumas palavras
ofensivas, já não as diziam, porque se tinham
exercitado em silenciar o que desejavam dizer.

1
Revisão útil. Esperemos que de vez em quando
revejamos estes remédios que temos aconselhado,
porque se os praticarmos obteremos uma verdadeira
reforma na nossa vida interior e na sua prática
obteremos gloriosas vitórias espirituais e, em pouco
tempo, faremos grandes progressos em virtude e
cresceremos em virtude e em santidade quase sem
nos apercebermos disso. Por que não experimentá-
los nós próprios?
O oposto é muito prejudicial. A experiência tem
demonstrado que se não seguirmos os conselhos que
acabamos de dar, mesmo que façamos belos planos
para progredir no espiritual, ficaremos sem fazer
progressos reais na virtude, porque o progresso no
espiritual não consiste em fazer planos fantásticos de
santidade, mas em realizar todos os dias o que nos
pode levar a alcançar as virtudes, a evitar os vícios e
a agradar ao Redentor e Salvador Crucificado com o
nosso comportamento.
Com pequenos actos, adquire-se as virtudes. A
experiência de milhões de pessoas demonstrou que,
tal como os maus hábitos e os maus costumes são
formados em nós pela repetição frequente de actos
com os quais os apetites sensuais e as más
inclinações se opõem às boas intenções da vontade,
assim também as virtudes e os bons costumes são
adquiridos por actos frequentes e repetidos da
vontade com a qual tentamos conformar-nos ao que

1
Deus deseja, manda e exerce na prática de uma
virtude ou de outra.
Assim como uma pessoa não pode ser
definitivamente viciosa e corrupta, por mais que as
suas más inclinações tentem corrompê-la e levá-la ao
mal, se a sua vontade persistir em querer comportar-
se de uma forma que agrade a Deus, assim também
ninguém jamais conseguirá ter virtude e santidade,
por mais inspiração que a graça divina lhe envie, se a
sua vontade não estiver seriamente determinada a
dedicar-se a fazer o bem e a evitar o mal.

1
CAPÍTULO 14

O QUE FAZER QUANDO A NOSSA VONTADE


PARECE DERROTADA E DERROTADA
POR PAIXÕES E MAUS INSTINTOS
Acontece-nos frequentemente que a nossa vontade
é muito fraca e sem forças suficientes para podermos
resistir aos ataques e agressões das paixões e dos
desejos perversos que nos convidam a fazer o mal.
Nestes casos não devemos desanimar ou parar de
lutar, e embora os atractivos do mal sejam
extremamente fortes, mesmo que tenhamos caído
muitas vezes é necessário recordar sempre este
princípio encorajador: "Na luta pela santidade, o
que conta e vale a pena não é apenas o número de
vitórias ou derrotas que obtemos, mas o esforço
que fazemos para nos mantermos sempre fiéis à
vontade de Deus. Perder uma batalha ou dez não é
perder a guerra. Aqueles que continuam a lutar
podem acabar triunfando.
Uma pergunta. A alma deve muitas vezes perguntar-
se: quero realmente vencer esta paixão? quero
triunfar sobre esta má inclinação? tenciono
seriamente tentar agir de forma a que o meu bom

1
Deus seja feliz com o meu comportamento? faço
esforços para não me deixar derrotar por este vício ou
mau hábito? quero preferir qualquer outro mal ao
pecado? Se for possível responder afirmativamente,
já existe uma grande esperança de triunfo. Macabeus
na Bíblia Sagrada disse: "É o mesmo para Deus
conceder a vitória com muita força como com
pouco". Embora mostre força em muito pouco, a
nossa própria fraqueza proporcionará mais uma
ocasião para a omnipotência e misericórdia de Deus
conceder vitórias.
E se a situação se tornar desesperada? Pode
acontecer frequentemente que os inimigos da nossa
santidade nos ataquem com tanta violência que os já
debilitados e cansados se sintam impotentes para
resistir. Também neste caso, não devemos desistir.
Temos de dizer a nós próprios: "Eu não desisto. Eu
não concordo. Eu não entrego as minhas armas". "Sei
em quem pus a minha esperança, e estou certo de
que Ele é o Poderoso para defender os meus
tesouros" (2Tm 1:12). O pior derrotado é aquele que
facilmente se declara derrotado. Temos de repetir
com o salmista: "Meu Deus, vem em meu auxílio. Ó
Senhor, apressa-te em ajudarme" (Sl 69). "Vê,
Senhor, como eles atacam. Não me abandone.
Deus da minha salvação". "Lembre-se, Senhor,
que no caminho por onde vou, eles esconderam
uma armadilha para mim. E se perseverarmos em
confiar em Deus e implorarmos a sua ajuda,

1
poderemos repetir as palavras do Salmo: "Se o
Senhor não nos tivesse ajudado, as águas
espumosas teriam chegado ao nosso pescoço". Mas
o Senhor era bom e não permitiu que a corrente nos
transportasse".
Uma ajuda muito eficaz. A fim de ajudar a vontade
de não ser totalmente derrotada nos ataques que
recebe das paixões e inclinações para o mal, produz
um efeito muito bom ao pensar como é útil e rentável
resistir a essas tentações e alcançar a vitória. Pensar
que as recompensas que receberemos de Deus se
formos vitoriosos será muito grande e que os males
dos quais seremos livres se não aceitarmos as más
insinuações são imensos.
Um exemplo. Suponhamos que o inimigo que nos
ataca é a impaciência. Que somos afligidos por
alguma perseguição injusta, ou que um trabalho é
irritante e cansativo, ou que um sofrimento é muito
doloroso, ou que uma situação se torna desagradável
e repugnante para nós e que queremos explodir em
actos de impaciência e mau humor e começar a
queixar-nos e a protestar. Nesse caso, vale a pena
pensar no seguinte:
1º Considerai que merecemos este mal por causa
dos nossos pecados, e se ele nos aconteceu por
nossa causa com maior razão, porque temos de
suportar a ferida que fizemos com as nossas próprias
mãos.

1
Se o mal não veio até nós por nossa culpa,
considerai que serve para pagar os pecados da vida
passada, aqueles que ainda não foram punidos pela
Justiça Divina e dos quais não fizemos a devida
penitência. Muito melhor pagar aqui onde ganhamos
méritos e glória pelo sofrimento, do que ter de ir pagá-
los no purgatório, onde talvez as penas sejam mais
rigorosas e com menos mérito. Quando pensamos
nisso, temos de receber os sofrimentos e os
retrocessos não só com paciência, mas também com
alegria e graças a Deus por eles.
Recordemos quando temos algo que nos faz sofrer
e que nos convida à impaciência, que se aceitamos
as dores e os contratempos de cada dia estamos
cumprindo a condição que Jesus exige para poder
entrar no Reino dos Céus, que é entrar pela porta
estreita do sofrimento e da mortificação, e aquilo que
São Paulo tanto recomendava: "É preciso passar
por muitas tribulações para entrar no Reino de
Deus" (At 14,21).
Não esqueçamos que quanto mais sofremos e
quanto mais somos humilhados nesta terra, mais nos
parecemos com Jesus, cuja vida foi cheia de
sofrimento e humilhação. E quanto mais formos como
Jesus Cristo aqui na terra, tanto mais alto será o
nosso lugar no céu.
Mas o que devemos pensar em todas as ocasiões
em que temos de sofrer, é que ao receber

1
pacientemente os nossos sofrimentos estamos a
cumprir a vontade de Deus, pois Aquele que muito
bem poderia ter impedido que tais sofrimentos
chegassem até nós, permitiu-os, e se Ele os permite,
é certamente para o nosso bem, pois Ele só deseja o
nosso maior bem. Aqui não entendemos por que Ele
permite tais infortúnios, pois nesta vida vemos o que
Deus permite como se Ele olhasse para um tapete
pelas costas e visse apenas um torrão de trapos em
desordem. Mas na próxima vida veremos o tapete
do lado direito e então estaremos convencidos de
que tudo o que Deus permitiu que nos acontecesse
foi uma verdadeira obra de arte dedicada a santificar-
nos e a tornar-nos dignos de grandes recompensas e
de muita glória no céu. Quanto mais pacientemente
aceitarmos o que Deus permite que nos aconteça,
tanto mais felizes seremos com o nosso Senhor.

CAPÍTULO 15

ALGUNS AVISOS IMPORTANTES SOBRE A FORMA


COMO SE DEVE
PARA APRESENTAR O COMBATE ESPIRITUAL.
QUAIS OS INIMIGOS QUE

1
DEVEM SER COMBATIDOS. E POR QUE MEIOS
PODEM SER DERROTADOS
Em primeiro lugar, devemos recordar que o
combate espiritual deve ser feito todos os dias e
durante toda a nossa existência na Terra. Não
podemos deixar de lutar, mesmo quando nos faltam
apenas alguns minutos de vida. Esta batalha deve
ser apresentada com constância e perseverança
na absoluta convicção de que, por muito grandes e
poderosos que sejam os inimigos da nossa santidade
e por muito mortíferos que sejam os seus ataques, o
Deus que nos protege é muito mais poderoso e as
defesas que Ele quer proporcionar são mais eficazes.
Cada um de nós pode repetir o que São Judas Tadeu
diz na sua carta na Bíblia Sagrada: "Ao Deus Todo-
Poderoso que é capaz de nos manter vitoriosos
na luta pela salvação, e de libertar a nossa alma
de toda a mancha, a Ele seja glória e honra para
sempre" (Judas 2425).
O principal inimigo a combater é o amor-próprio,
o orgulho, o desejo de satisfazer as próprias
inclinações indevidas e de satisfazer as próprias
paixões. E isto ao ponto de já acharmos agradáveis
as humilhações e os desdéns que as pessoas nos
querem fazer, e os contratempos que vêm contra os
nossos próprios gostos e inclinações.
É preciso não esquecer que neste campo as
vitórias são difíceis, imperfeitas, escassas e de

1
pouca duração. E não desanimeis se reparardes que
a vossa própria força já não é suficiente para serdes
vitoriosos, pois as energias que nos faltam serão
dadas pelo bom Deus, se lhe pedirmos com fé.
Podemos sempre dizer com São Paulo: "Eu posso
fazer todas as coisas por Cristo que me fortalece"
(Fil 4,13).
Não devemos desanimar quando consideramos
quão grande é a multidão e a fúria dos inimigos da
salvação, porque muito maior do que eles é o poder
de Deus e Sua bondade, e o amor que Ele tem por
nós, e muito mais numerosos do que os adversários
espirituais são os anjos do céu e as orações dos
santos que cuidam de nós e nos acompanham na
batalha. Estas considerações têm encorajado tantas
pessoas muito débeis e de tão grande inclinação que,
apesar das suas más inclinações e da investida das
suas paixões, conseguiram sair triunfantes na luta
para permanecerem fiéis às ordens do Senhor Deus.
Também não devemos desanimar quando
percebemos que os inimigos da alma são tão difíceis
de derrotar e que a guerra espiritual é de todos os dias
e de todas as horas, que não terá fim até que nossa
vida na terra termine, e que somos ameaçados por
todos os lados, e muitas vezes a ruína espiritual
parece quase inevitável, porque, como diz Santo
Agostinho: "Com os inimigos da salvação acontece

1
como com um cão selvagem amarrado com uma
corrente:
Ele não nos pode morder se não nos aproximarmos
demasiado dele. Podemos estar certos de que o
nosso Divino Capitão não libertará de tal forma as
correntes destes inimigos que permitirá que eles nos
destruam, se não nos aproximarmos deles de forma
imprudente. Nunca os inimigos do nosso Salvador
poderão dizer: "Nós o conquistamos". Deus luta
conosco, e quando lhe parece oportuno Ele nos
concederá vitórias se elas forem para o nosso bem e
para a Sua maior glória, mesmo que muitas vezes
acabemos com feridas. Se resolvermos nunca deixar
de lutar, acabaremos por receber a coroa que Deus
tem reservada para os vencedores.

CAPÍTULO 16

A FORMA COMO NÓS, COMBATENTES DO


BAPTISMO, DEVEMOS PLANEAR
AS LUTAS TODAS AS MANHÃS
Todas as manhãs, depois de nos confiarmos a Deus
e de Lhe agradecermos por nos ter mantido vivos até
hoje, e de Lhe oferecermos o que vamos fazer neste
dia e de nos confiarmos à Sua Divina Misericórdia
para nos acompanhar em todas as horas do novo dia,

1
devemos considerar imediatamente que vamos estar
num campo de batalha, na presença de numerosos
inimigos da nossa salvação e com a necessidade
absoluta de os combater e derrotar, se não quisermos
que eles nos dominem e nos encham de infelicidade.
O exame de bem-estar. Todas as manhãs, durante
alguns minutos, temos de fazer o teste de previsão,
que consiste em prever ou ver antecipadamente quais
são os inimigos que nos vão atacar nos dias de hoje.
Qual é o vício ou mau hábito que queremos dominar
e evitar neste dia? Qual é a paixão dominante ou a
má inclinação que temos de rejeitar e conter; quais
são os perigos que hoje se vão colocar contra a nossa
virtude. Que ocasiões podem vir e colocar-nos em
risco de perder ou diminuir a nossa amizade com
Deus. Imaginemos imediatamente que neste dia
seremos acompanhados por um Grande Capitão, que
é Jesus Cristo o Amigo que nunca falha, e por
companheiros que nos ajudarão a lutar, como o anjo
da guarda e os santos da nossa devoção a quem
muitas vezes imploramos e que nunca deixam de
interceder em nosso nome. Se temos medo de ser
atacados pelo diabo, que é o nosso inimigo mais feroz,
invoquemos o glorioso Arcanjo São Miguel, que foi
quem derrotou Lúcifer na batalha no céu (Apocalipse
12).
Não esqueçamos que "somos templos do
Espírito Santo" (1 Coríntios 3:16) e que o Espírito

1
Divino nos dê coragem e poder para sermos
vitoriosos nas batalhas espirituais, se O invocamos
para nos ajudar. O grito de batalha deveria ser as
palavras do Salmo 69 que os antigos monges do
deserto repetiam tantas vezes: "Meu Deus, vem em
meu auxílio. Senhor, apressai-vos a ajudar-me.
Quanto mais vezes as repetirmos, mais ajuda do céu
virá até nós.
Todas as manhãs, devemos ouvir as palavras do
Salmo 94, enquanto elas são ditas a cada um de nós:
"Hoje espero que ouças a voz de Deus que te diz:
'Não endureças o teu coração como os antigos
rebeldes no deserto, que me repeliram e eu não os
deixei descansar'.

Comecemos o dia invocando a Sagrada Família:


"Jesus, José e Maria, eu te dou meu coração e alma",
e ao nosso anjo da guarda: "Anjo da minha guarda,
minha doce companhia, não me abandone, noite ou
dia" .
Todas as manhãs é necessário lembrar: "Qual é o
meu defeito dominante?". Qual é esse defeito que me
faz cometer mais falhas e me dá mais derrotas
espirituais? Cada pessoa tem uma falha dominante.
É quase sempre um dos sete pecados capitais:
orgulho, ganância, raiva, inveja, impureza, gula ou
preguiça. Qual é o defeito que pretendo combater

1
este ano? Como vou encarar isso hoje? Se eu vencê-
lo, receberei grandes prêmios de Deus, mas se ele
me derrotar, ele me encherá de tristeza e amargura.
Eu tenho que lembrar os maravilhosos prêmios que
Jesus Cristo prometeu aos vencedores. Ele diz no
Apocalipse: "Eu venho e trago meu salário comigo e
a cada um darei de acordo com suas obras. Farei dos
vencedores herdeiros do meu Reino" (Ap 22). Mas é
necessário lembrar também que, se me deixar
dominar pelo meu defeito dominante, a terrível
lágrima interna que o pecado produz virá a mim, o
humilhante sentimento de derrota e a amargura sem
fim que toda derrota espiritual traz e que quer voltar
no tempo da vida, para que a coisa ruim que eu tenha
pensado, dito ou feito, eu nunca teria dito, pensado
ou feito. Essa memória amarga leva a evitar novas
quedas.

OS VENCEDORES SÃO DADOSPARA A


COROA DA GLÓRIA
QUEM NUNCA DEIXA

1
Capítulo 17

Como os movimentos repentinos das


paixões devem ser suprimidos
Existem ataques imprevisíveis e traiçoeiros às
paixões que, se a alma não é avisada e preparada,
podem lhe dar derrotas muito amargas. São como
aquelas emboscadas que os bandidos tendem a fazer
cumprir a lei e causam baixas muito dolorosas,
porque os surpreendem em lugares onde menos
imaginavam e da maneira que os militares não

1
pensavam que iriam atacá-los. O mesmo acontece
com a alma. Uma ofensa que não era esperada, uma
humilhação que não se suspeitava que pudesse
acontecer, uma tentação impura que era impensável,
violenta e perigosa, uma profunda depressão após
certos sucessos e algumas alegrias intensas, etc. O
que fazer nesses casos?
1ºJá dissemos que o teste de previsão ajuda muito,
ou seja, pensar com quem vamos lidar, onde vamos
estar, que ocasiões eles nos apresentarão,
conjecturar e calcular o que pode nos acontecer
nesses casos. Assim, em qualquer ataque imprevisto
dos inimigos da alma, estaremos preparados com
cautela ou prudência, a fim de não nos deixarmos
vencer tão facilmente. "O soldado avisado não morre
em guerra" ou, se morrer, custa mais para os inimigos
eliminá-lo.
2o Nestes casos de ataques surpresa, é
extremamente conveniente elevar seu coração a
Deus e pedir sua ajuda. Muitos e muitos sucumbiram
à tentação porque, naquele exato momento,
esqueceram-se de confiar a Nosso Senhor. Não há
outro momento em que seja tão necessário, diríamos
como obrigatório, rezar, como em momentos de
tentação súbita e inesperada.
3o Se o ataque é de impaciência e a raiva quer
violentamente defender nossos próprios direitos
quando alguém se opõe a nós ou tenta impedir

1
nossos planos, e precisamos naquele momento ser
capazes de resistir ao mal sem sermos levados pela
impaciência, então devemos Pensar que esse
aborrecimento que chega até nós certamente foi
permitido por Deus, porque com ele ele obterá algo
de bom que, por enquanto, não entendemos o que é.
Então você tem que dizer para si mesmo: "Mas por
que não aceitar esta cruz que o Senhor me envia?
Não é essa ou aquela pessoa que me traz esse
desapontamento, é o Pai Celestial que permitiu e tudo
o que Ele que isso aconteça comigo é para o meu
bem maior Quanto mais eu sofro, mais me
assemelharei ao meu Redentor crucificado e, quanto
mais eu sou Jesus, mais alto será meu lugar na glória
celestial. E continue pensando: o Divino Mestre disse
que aqueles que sofrem com paciência possuirão a
Terra. A raiva parece ganhar vitórias, mas o que ela
consegue são derrotas espirituais. Em vez disso, a
paciência tem a eficácia infinita de conquistar
corações. A raiva deixa uma semente de ódio na alma
do outro. A mansidão fortalece a personalidade. A
raiva a princípio parece justificada. A mansidão não
aceita desculpas falsas por mau humor. Se eu
implorar a Jesus, Ele me enviará ao Espírito Santo,
que me dará a capacidade de controlar minha
impaciência. A raiva deixa uma semente de ódio na
alma do outro. A mansidão fortalece a personalidade.
A raiva a princípio parece justificada. A mansidão não
aceita desculpas falsas por mau humor. Se eu
implorar a Jesus, Ele me enviará ao Espírito Santo,

1
que me dará a capacidade de controlar minha
impaciência. A raiva deixa uma semente de ódio na
alma do outro. A mansidão fortalece a personalidade.
A raiva a princípio parece justificada. A mansidão não
aceita desculpas falsas por mau humor. Se eu
implorar a Jesus, Ele me enviará ao Espírito Santo,
que me dará a capacidade de controlar minha
impaciência.

4. Um ótimo remédio.Para não sucumbir a ataques


imprevistos, devemos gradualmente remover e tentar
reduzir nossa afeição pelo que nos faz pecar. Por
exemplo, se for uma amizade prejudicial, lembre-se
do que São Paulo disse: "As más amizades
corrompem os bons hábitos" (1 Coríntios 15, 33) e
diga para si mesmo: "Essa amizade me causa muito
dano. Não me convém de maneira alguma". Se o
ataque da raiva é porque eles querem pegar algo que
nos pertence, devemos nos convencer de que quanto
menos apegados nossos corações estiverem aos
bens da terra, mais livres seremos e mais nosso
espírito se elevará a Deus.

1
Capítulo 18

1
MANEIRAS MUITO IMPORTANTES DE COMBATE
AO VICE IMPURO
Todos podemos repetir as palavras de São Paulo:
"Sinto em mim uma lei da carne que luta
continuamente contra o espírito. A carne tem desejos
e tendências contrárias ao espírito, e o espírito sente
inclinações contrárias à carne" (Gl 5, 17)
Contra o vício da impureza, devemos lutar mais
fortemente do que contra todos os outros, porque ele
é o mais traiçoeiro e aquele que nunca para de fazer
guerra contra nós. Aonde quer que formos, levaremos
nosso corpo, e sempre haverá inclinações
pecaminosas que, se negligenciarmos, podem levar-
nos a cair no pecado no momento menos esperado.
Na luta contra a impureza, certas técnicas devem ser
usadas que produzam resultados muito bons. Por
exemplo:
ANTES DA TENTAÇÃO.Devemos lutar contra as
causas que nos levam à impureza e evitar lidar com
pessoas que podem ser uma ocasião de tentação
pecaminosa. Lembremos que nesta questão de
castidade, aqueles que sabem fugir no tempo são
vitoriosos, porque se nos expormos à ocasião,
sempre será cumprida a advertência que os antigos
mestres espirituais repetiram: "Quando chegar a
ocasião e agradar, você cairá todas as vezes" . É inútil
colocar um pedaço de papel perto de uma chama
ardente e dizer: "Não quero que queime". Não importa

1
quanto propósito tenhamos que não queime, ele
queimará.
Se, por obrigação, temos de tratar certas amostras
humanas que nos atraem com muita força, é
necessário fazer o sacrifício de nos mostrarmos frios
e quase indiferentes no tratamento, porque qualquer
liberdade que dermos ao nosso sentimentalismo, ela
explodirá como as águas de uma barragem quando
Quando as comportas são abertas, todas as nossas
boas intenções de preservar a santa pureza serão
arrastadas e transportadas para o abismo.
Você nunca pode confiar em si mesmo.Embora
tenhamos servido a Deus por 25 anos ou mais,
lembremos que o espírito de impureza geralmente faz
em uma hora o que não é capaz há muitos anos. E
quando menos suspeitamos, pode fazer uma jogada
traiçoeira e nos derrotar. Mesmo se tivéssemos a
força de Sansão, a coragem de Davi e a sabedoria de
Salomão, pode acontecer conosco que se nos
expormos à ocasião em que caímos tão
miseravelmente em pecados impuros como
aconteceu com esses personagens famosos. Nisto,
não há pessoa que possa afirmar: "Não vou beber
desta água". E é o esgoto mais apodrecido e
envenenado que existe.
Cuidado com certas amizades espirituais.A
experiência mostra todos os dias que o perigo nunca
é tão traiçoeiro como quando são feitas certas

1
amizades que não têm medo porque têm aparências
tão inofensivas que não se pode suspeitar que o
inimigo da salvação esteja lá procurando nossa ruína.
Por exemplo, amizades entre primos, entre tios e
sobrinhas, entre cunhados; ou amizades por causa da
gratidão, já que essa pessoa nos fez um favor (ou
planeja fazê-lo) ou porque suas qualidades são muito
apreciadas ou a sabedoria e os bons conselhos que
sabem dar, ou precisam receber, etc. As visitas
frequentes começam. Longas conversas, pequenos
presentes e, enquanto isso, o veneno do prazer do
sentimentalismo e da alegria dos sentidos está se
infiltrando nessas amizades, e a alma está se
excitando, a razão está cega. Pouco a pouco o nome
de tio, primo, cunhado, benfeitor, amigo, conselheiro
etc. desaparece, e apenas o nome de "pessoa de
outro sexo", "pessoa cuja presença agrada
sensibilidade e sentimentalismo" permanece. E agora,
em vez de poder dizer: "eu te amo", o que se pode
dizer é "eu gosto de você", "você me atrai" ... e as
quedas sérias estão se aproximando perigosamente.
Você não deve confiar nas resoluções e nas boas
intenções que foram tomadas,porque mesmo que
tenhamos proposto morrer antes de ofender a Deus,
se inflamarmos o amor sensual com conversas doces,
suaves e frequentes, a paixão assumirá o controle de
tal maneira que nossos corações não se importarão
mais se a outra pessoa estiver relacionada, familiar
ou direcionada espiritualmente ou aspirando a um

1
grau especial de santidade e, a fim de satisfazer a
inclinação pecaminosa, todos os deveres são
esquecidos e até a santa lei de Deus, estamos
interessados em escandalizar e perder boa reputação
diante dos outros. E nesses casos todas as
exortações de amigos, os propósitos e planos que
foram feitos para preservar a santa virtude, serão
inúteis e vaidosos, esqueceremos o medo de ofender
e desagradar a Deus, e mesmo se tivéssemos diante
do mesmo fogo do inferno, não pararíamos os
impulsos aos quais as chamas impuras de nossa
paixão sensual nos levam. Portanto, resta-nos
apenas uma solução: fugir, fugir, como fugir de uma
víbora venenosa ou alguém com uma infecção muito
contagiosa ou um cão raivoso, ou um louco que ataca
com um facão afiado ou um touro feroz que Ele ataca
tudo o que encontra. Fuja, se não queremos perder a
vida da alma, a paz do coração e as bênçãos de Deus.

1
Capítulo 19

OUTROS MÉTODOS EFICAZES PARA EVITAR QUEDA


DE IMPURIDADE
1o É necessário evitar a ociosidade. Em águas
estagnadas, todos os erros ruins e infecções mortais
se multiplicam. É sempre necessário estar tão
ocupado que possamos responder ao que aquele
discípulo disse ao seu santo diretor espiritual que o
havia aconselhado que, para evitar tentações impuras,
ele deveria sempre se dedicar a ocupações que o
preenchessem o tempo todo. Quando o Pai
perguntou se ele havia sido tentado naqueles dias,
ele respondeu: "E a que horas?" Um grande mestre
do espírito exclamou: "Pode fazer mais mal à alma
não fazer nada do que receber tentações do diabo".
O que realmente vale a pena ponderar.
2o Não julgue mal os outros. Cassiano conta que
um monge se dedicou a julgar os outros com tanta
severidade que o Senhor permitiu que tentações
quase enlouquecedorantes lhe chegassem e, ao
consultar o padre Abbot, ele disse: "É a consequência
de se ter dedicado a condenar os outros no tribunal.
do seu cérebro. Não condene ninguém e você verá o

1
fogo de suas paixões se apagar. " Ele fez isso e
descansou de ataques tão terríveis.
Quando sabemos que alguém caiu em pecados
escandalosos, pensemos: "Se eu tivesse estado com
os sentimentos e as fraquezas que me dominam,
talvez tivesse pecado o mesmo e ainda pior". E
repitamos o que Santo Agostinho disse: "Não há
pecado que outro ser humano tenha cometido que eu
não possa cometer". E, em vez de desprezar a outra
pessoa, murmurar, criticar ou publicar suas falhas,
oremos por sua conversão, peçamos a Deus que lhe
conceda força de vontade para não continuar caindo,
e andemos com mais cautela para que a próxima
vítima não seja prejudicada. os inimigos da alma
conseguem nos derrotar.
Lembremos que, se formos fáceis em julgar e
condenar os outros e em desprezá-los, Deus nos
corrigirá às nossas próprias custas, permitindo-nos
cair nas mesmas falhas que condenamos, para que
reconheçamos nosso orgulho e, portanto, cheios de
humildade, nos corrijamos com maus hábitos. de
condenar e depreciar os outros. Porque o que São
Paulo disse pode ser cumprido: "Por que você
condena os outros, se você faz o mesmo que
condenar?" (Rm 2).
Se vivermos condenando e desprezando os outros,
sempre estaremos em perigo de cair nas mesmas
falhas que condenamos e publicamos.

1
E TENHA MUITO CUIDADO COM OS
PENSAMENTOS DO ORGULHO
Um diretor espiritual muito experiente afirmou:
"Quando vejo alguém aceitar de bom grado os
pensamentos do orgulho, tenho certeza de que
haverá tentações terríveis de impureza e quedas
humilhantes. Porque" Deus resiste ao orgulho "(St 4,
6).
Se alguém é convencido de que já alcançou tanta
perfeição que os inimigos de sua pureza não estão
em condições de fazer guerra com ele e derrotá-lo,
ele os olha com desprezo, iludindo-se de que ele já
tem antipatia suficiente e Por causa do nojo e horror
por não aceitar suas sugestões, pode acontecer que
você caia mais facilmente.

E O QUE FAZER QUANDO A


TENTAÇÃO CHEGAR?
A primeira coisa a fazer nesses casos é descobrir
de onde vem a tentação, seja de fora ou de dentro.
Se vier de fora através dos olhos, ouvidos, amizades
perigosas, idéias sem vergonha que se espalham
entre as pessoas ou modas impróprias. Ou, se é que
vem de dentro: da nossa imaginação, dos desejos
sensuais que nos assolam, de maus pensamentos ou

1
lembranças impróprias ou de maus hábitos que
adquirimos.
Se vier de foraé absolutamente necessário travar
os sentidos para poder dominá-los. "Olhos que não
vêem, coração que não sente", diz o ditado. Mas
olhos que vêem, corações que sentem e
provavelmente também consentem. Devemos fazer o
pacto que o santo Jó fez com seus olhos. Ele diz:
"Concordamos em não olhar para corpos atraentes"
(Jb 31, 1). Certas músicas não têm "letras", mas
"latrinas" e, se as ouvirmos com prazer, ficaremos
empolgados com o mal. Conversas impuras às vezes
causam mais emoção do que tatear, e isso é um
desastre para a alma. Existem certos "exemplos"
humanos cuja proximidade produz uma inclinação tão
grande em relação ao pecado, que se não evitarmos
o tratamento e a amizade deles e não abandonarmos
a presença deles a tempo, iremos diretamente à
nossa ruína espiritual. Depois choraremos as
cataratas, mas será tarde demais. Temos que repeti-
los bravamente (mesmo que apenas em pensamento).
"A amizade deles é prejudicial para minha alma. A
empresa deles me traz muito mais mal do que bem."
Se o ataque vier de dentro,Por causa de nossos
maus desejos, pensamentos impuros ou maus
hábitos adquiridos, é absolutamente necessário fazer
algumas pequenas mortificações de tempos em
tempos. Pare de comer alguma coisa, pare de beber

1
algumas vezes quando tivermos vontade de fazê-lo
etc., porque a mortificação fortalece a vontade. E
encha a mente com bons pensamentos através de
leituras piedosas e lembranças de eventos edificantes,
como os narrados pela Bíblia Sagrada ou os lidos nas
Vidas dos Santos ou nos livros formativos. Duas
idéias não podem existir ao mesmo tempo no cérebro.
Portanto, se enchermos o cérebro de idéias sagradas
com boas lembranças e leituras úteis, elas ocuparão
o espaço das idéias pecaminosas e terão que ir
embora. Mas se eles encontrarem seus cérebros
vazios de idéias lucrativas,

Como orar em tentação.No Evangelho, há um


aviso de Jesus que nunca devemos esquecer ou
deixar de cumprir. Diz o seguinte: "Ore para não cair
em tentação. Porque o espírito está pronto, mas a
carne é fraca" (Mt 27, 41) e o Divino Mestre
acrescenta um aviso de enorme importância: "Certos
espíritos impuros não vão embora, exceto com o
oração "(Mc 9:29). Quando chega a tentação, é
necessário apresentar a Deus muitas pequenas
petições para vir em nosso auxílio. O que diríamos de
um capitão que, vendo seu batalhão atacado por
forças que o ultrapassavam em número e em armas,
não enviou mensagens aos principais comandos
pedindo reforços? E nós, quando sentimos o ataque

1
do mundo, o diabo e a carne, ficaremos sem pedir
ajuda ao Senhor Deus dos exércitos?
É necessário dizer-lhe com o Salmo: "Olha, Senhor,
eles me atacam, e não tenho para onde fugir. Lute
contra o seu Senhor contra aqueles que fazem guerra
comigo e diga à minha alma:" Eu sou a sua vitória "(Sl
34). “Não dê à fúria dos falcões assassinos esta
pomba indefesa que é minha pobre alma.” “Não me
abandone, Deus da minha salvação.” “Não abandone
o trabalho das suas mãos” etc.
Um remédio muito útil.Muitas pessoas
experimentaram com grande benefício alcançar a
vitória contra as tentações, encarando com carinho o
crucifixo e, enquanto pensavam em cada uma das
feridas de Jesus, nas mãos, nos pés e nas laterais,
diga-lhe com São Bernardo: "Senhor: quando o
traiçoeiro pardal das minhas tentações me ataca para
tirar minha vida da graça e da amizade com Deus, eu,
como um pássaro tímido, voo com meus
pensamentos para me esconder naquelas rachaduras
da minha rocha, naquelas suas cinco feridas, e aí eu
consigo me libertar do inimigo traiçoeiro. " "Jesus:
você morreu por mim, e que sacrifício farei para
preservar a sua santa amizade? Peço-lhe que
imprima na minha alma os sentimentos mais vívidos
de fé, esperança e caridade, dor dos meus pecados e
propósito de nunca te ofender,

1
"Algo para não pensar."Há um erro em muitas
pessoas que pode causar-lhes um grande dano, é
acreditar que para fugir da tentação, especialmente a
tentação da impureza, eles devem se dedicar a
pensar em quão ruim e feio esse pecado é. Isso é
extremamente prejudicial, pois produz "fixação" da
mente sobre o que é impuro, o que aumenta e excita
ainda mais as tentações e inclinações pecaminosas,
e coloca a vontade em risco de deleitar-se com essas
memórias e depois consentir naquilo que deleite. O
oposto disso é verdade. O que é conveniente nesses
casos é separar totalmente a imaginação, o
pensamento ou a memória dos objetos impuros e
dedicar-se a pensar em outras coisas. Porque se você
parar de pensar em repelir eles, considerando-os
prejudiciais e perigosos, o que você ganha é tornar-
se mais obcecado por esses problemas e gravá-los
em sua mente. E como o cérebro é o que dirige toda
a sexualidade humana, se estiver infectado e
envenenado com essas memórias e idéias fixas, todo
o organismo é pervertido e vai diretamente para o mal.
Lembrar-se dessas coisas é um truque do diabo se
disfarçando de anjo de luz.
Por outro lado, se nos dedicarmos a pensar na
Paixão e Morte de Jesus, essa memória útil
conseguirá afastar pensamentos prejudiciais. Não
nos dediquemos a lembrar as impurezas que tivemos,
nem mesmo a nos arrepender e rejeitar, mas
considerando-as como obras do diabo, tentamos

1
nunca pensar nelas. E nessas situações difíceis,
vamos mostrar que sabemos como nos voltar para a
Santíssima Virgem. Ela sempre ajuda
admiravelmente.

1
Capítulo 20

O JEITO DE COMBATE AO VICE DE LA


PEREZA
Diz o Livro de Provérbios: "Passei pelo campo dos
preguiçosos: todas as ervas daninhas, todo descuido.
Um pouco de sono, outro pequeno sono e outra
mãozinha descansando, e a miséria chegará a ele
como um mensageiro, sem confundir o destinatário"
(Pr 24, 30). É necessário tentar combater o vício da
preguiça, porque esse defeito não apenas nos
impede de alcançar a santidade, mas gradualmente
nos entrega aos inimigos de nossa salvação.
A abelha.Salomão, em Provérbios, diz: "Veja a
abelha como ela funciona continuamente. É um
exemplo digno de imitação". (Pr 6, 6) E o fabulista
Esopo costumava dizer que a cigarra que passa bons
momentos cantando, quando chega a hora ruim, vai
até a formiga para lhe dar um pouco de comida e a
formiga responde: "Enquanto eu trabalhava, você
descansava e cantava. Agora, enquanto desfruto de
minhas provisões, você sofre fome e sofre ". É um
retrato do que aguarda tantas pessoas que se
dedicam à preguiça.

1
Um inimigo.Antes de tudo, você precisa fugir da vã
curiosidade. De querer saber as últimas notícias que
aconteceram perto ou longe. Nós já dissemos que os
antigos repetiram o ditado: "Ao conhecer novas
notícias, não se preocupe, que quando envelhecerem
eles saberão facilmente".
Quantas coisas e notícias existem que, se não as
conhecermos, não perderemos nada e teremos mais
paz.
Faça seu dever.Os romanos disseram que o
melhor remédio para superar a preguiça é "fazer o
tempo todo o que deve ser feito e bem-feito". E uma
santa recomendou a seus clientes: "Que Deus,
quando nos ver no trabalho, possa dizer: 'Muito bem'".
Cuidado com um mau hábito.Também dissemos
anteriormente que aqueles que dirigem almas
afirmam que a pior coisa que pode acontecer a uma
pessoa neste mundo é adquirir um mau hábito, um
mau hábito. Isso se torna uma nova natureza e
escraviza completamente a alma. Assim, se
adquirirmos o mau hábito ou o hábito de nos
deixarmos levar pela preguiça, nossa personalidade
se tornará precária e a vontade ficará paralisada.
Deixe o funeral continuar.Lendas antigas dizem
que uma jovem ficou tão preguiçosa que não queria
mais fazer trabalhos domésticos.

1
. "Não, não é assim sem amassar ou brindar." E a
moça preguiçosa, muito calma, deitou-se novamente
no caixão e exclamou: "Então: deixe o funeral
continuar". Quantas pobres vítimas de preguiça dizem
a mesma coisa no mundo hoje. Contanto que você
não precise trabalhar ou esforçar-se, deixe o funeral
continuar! E eles continuam a viajar em direção ao
fracasso e à miséria final. Que fatalidade!
Cuidado com a precipitação.Uma das
especialidades em que a preguiça se manifesta é
aquela em que as coisas são feitas com pressa, a
toda velocidade, sem rodeios e mal feitas. É melhor
fazer pouco, bem feito e com cuidado, do que fazer
muitas coisas de maneira leve e descuidada. O que
Deus recompensa não será apenas o número de
obras que realizamos, mas, sobretudo, o cuidado e a
dedicação com que os realizamos. É melhor fazer
menos, mas trabalhos bem feitos, do que dedicar-se
a muitas coisas e deixá-las sem vergonha pela
metade.
Um aviso assustador. Deus diz no Apocalipse: "Eu
tenho algo contra alguns, e isso é que eles perderam
o entusiasmo que tinham no começo. Se eles não
mudarem, eu os removerei do lugar onde os coloquei.
E se eles forem mornos, indiferentes, vomitarei eles
de mim. boca "(Ap 3:16).

1
DEUS REMOVE O QUE NÃO É UTILIZADO
É necessário lembrar que Deus gradualmente tira
seus dons e agradece àqueles que se deixam vencer
pela preguiça e morno, e ele os concede em
abundância àqueles que se dedicam com diligência e
fervor para fazer bem o que têm que fazer. Existem
carismas ou dons celestiais que são perdidos porque
não foram usados. Por que o Criador dará auxílios
especiais àqueles que não se esforçam para usá-los
e tirar proveito deles?
Divida-os e você os derrotará.Os antigos
guerreiros romanos, quando enviaram um novo chefe
para combater os inimigos, deram-lhe este conselho
tático: "divida-os e eles os derrotarão. Não ataque
todos eles quando estiverem em um único grupo, mas
por setores, e isso os tornará mais facilmente
vencidos". . Algo semelhante deve ser aconselhado
na luta espiritual. Não vamos dizer: "Vou superar
todos os meus defeitos de uma vez". Isso é o mesmo
que não dizer nada. Por outro lado, se dissermos:
"Este ano vou combater um defeito que tenho", então
focaremos todas as nossas energias de combate em
um único ponto, alcançaremos boas vitórias e o que
a Imitação de Cristo diz será cumprido: "Quem quer
que seja ano em que luta fortemente contra um de
seus defeitos, alcançará uma perfeição muito
especial ".

1
Um único dia todos os dias.Algo semelhante ao
acima deve ser recomendado em relação ao tempo.
Não vamos dizer: "Toda a minha vida vou passar
lutando contra esses defeitos". Tal afirmação pode
nos desencorajar porque a luta parece muito longa.
Mas se dissermos: "Hoje, mesmo que apenas por
hoje, por essas 12 horas vou combater meu defeito
dominante", a luta parecerá mais suportável, porque
um dia somos capazes de lutar. Amanhã tentaremos
dizer a mesma coisa, e assim cumpriremos o que
Jesus aconselhou: "Não se preocupe com o amanhã.
Todos os dias seus esforços são suficientes" (Mt 6,
34). Um grande santo foi perguntado por que ela não
estava desanimada em sua luta para alcançar a
santidade e superar seus defeitos e superar as
dificuldades que encontrou e ela respondeu: " É que
eu não vivo apenas um dia por dia. Por 12 ou 24 horas,
eu me encorajo a lutar, confiando na poderosa ajuda
de Deus. Mas se eu pensasse no combate de todos
os 365 dias do ano e dos dias que me restam na terra,
ficaria cheio de desânimo e preguiça. Mas um dia por
dia, quem não é capaz de resistir e lutar? "
Ore por pequenas taxas.Essa mesma técnica
deve ser usada em termos de oração, para impedir
que a preguiça nos domine. Não tente ficar com muita
atenção por uma hora, nem mesmo meia hora. Mas,
em vez disso, diga um para si mesmo: "Vou orar com
amor e fervor pelos próximos cinco minutos". Então,
se a preguiça e a decepção vierem a mim, suspendo

1
a oração. E, por assim dizer, nos próximos cinco
minutos. E assim, depois de 20 minutos ou meia hora,
você já se sente cansado e desanimado em orar,
depois suspenda a oração para não aumentar o
descontentamento e o descontentamento, porque
essa interrupção, em vez de nos causar danos, pode
servir como descanso e então podemos orar
novamente com maior fervor. Os monges antigos do
deserto, quando sentiram que preguiça e relutância
em orar vieram até eles, eles se dedicaram a fazer
apenas pequenas orações que chamaram de
"ejaculatórias" (jacula era uma flecha que foi enviada
com uma mensagem. E a pequena oração é uma
pequena flecha espiritual que enviamos ao céu com
alguma mensagem pedindo ajuda ou agradecendo).
Quantas ejaculações ou pequenas orações envio ao
céu todos os dias? Os santos foram informados até
mil por dia. Quantos eu direi? E com quanto amor ao
bom Deus, ou à Santíssima Virgem ou ao meu anjo
ou aos santos? Quantos eu direi? E com quanto amor
ao bom Deus, ou à Santíssima Virgem ou ao meu anjo
ou aos santos? Quantos eu direi? E com quanto amor
ao bom Deus, ou à Santíssima Virgem ou ao meu anjo
ou aos santos?
Uma lista muito benéfica.A experiência mostrou que,
quando você tem muitas coisas a fazer, é muito útil e
útil fazer uma lista das dez principais coisas a fazer,
listá-las em ordem de importância e tentar fazê-las
nessa ordem. E se temos várias ocupações, elas nos

1
parecem muitas e até difíceis, isso pode nos trazer
inquietação, ansiedade, exaustão nervosa e até mau
humor. Mas se pretendemos tornar apenas os dez
mais importantes e fazemos uma lista de acordo com
a ordem de importância que eles têm, e continuamos
a executá-los um por um, como se cada um fosse a
única coisa que devemos fazer na vida, sem nos
dedicarmos. ao pensar em um trabalho enquanto
fazemos outro, nosso desempenho será admirável,
paz e tranquilidade nos acompanharão e desgaste
nervoso será muito menor. Cada trabalho deve ser
realizado como se fosse o único que devemos realizar
na vida e com todo o cuidado possível. Este é um
grande segredo para adquirir perfeição e santidade.
Atenção.Se não cumprirmos o conselho acima,
pode acontecer que a preguiça nos domine e que, ao
deixar muitos deveres não cumpridos, obrigações e
comissões se acumulem até termos uma grande
confusão ou inquietação na alma, nervosismo e
precipitação no que fazemos, e negligência dos
deveres diários. E o que Cristo narrou sobre as cinco
virgens tolas que foram buscar o óleo para suas
lâmpadas e quando quiseram entrar na festa da
santidade e as portas se fecharam e permaneceram
do lado de fora (cf. Mt 25, pode acontecer conosco)
1-13).
Lembremos todos os dias que quem nos deu a
manhã não nos promete que nos dará a tarde e que

1
quem nos deu hoje não prometeu nos dar amanhã.
Vamos usar este dia como se fosse o último dia da
nossa vida e não esquecermos que, na hora da morte,
teremos que dar a Deus uma conta próxima da
maneira como usamos todos os momentos da nossa
vida.
Finalmente, vamos nos convencer de que podemos
desistir no dia em que não tivermos cumprido bem
nossos deveres e não tivermos feito o que
deveríamos ter feito naquele dia, ou ter feito isso de
forma descuidada e ruim. No dia em que não
alcançamos vitórias contra a preguiça e contra a
relutância que sentimos pelo trabalho, podemos
colocar o título: "Dia perdido". Que um dia de nossas
vidas nunca passe sem superar nossas más
inclinações, sem dar graças e louvores a Deus por
seus benefícios e bondade, e sem lembrar a
maravilhosa obra que Jesus Cristo fez oferecendo
sua vida, paixão e morte para alcançar a salvação de
Deus. nossa alma. A ele seja a glória junto com o Pai
e o Espírito Santo por séculos infinitos. Amém.

E O SENHOR DIZ: "PORQUE VOCÊ FOI


Fiel na pequenina, eu a constituirei
muito" (Lc 19, 17)

1
Capítulo 21

COMO DEVEMOS GOVERNAR NOSSOS


SENTIDOS E USÁ-LO PARA CONTEMPLAR
AS DIVINAS REALIDADES
Um dos cuidados mais delicados que sempre
devemos ter é saber como governar bem nossos
sentidos, porque a natureza corrompida os inclina e
os encoraja a se dedicarem a delícias e excessos, e
a tentar obter prazer exageradamente sensual e,
assim, prejudicar a vontade, enganar a compreensão
e manchar a alma.

1
OS MEDICAMENTOS.Os autores espirituais
experimentaram alguns remédios que produziram
efeitos muito bons para poder governar bem os
sentidos e mantê-los em direção ao sobrenatural.
São os seguintes:
O primeiroO que fazer é não dar muita liberdade
aos sentidos e saber controlá-los de tal maneira que
eles não se dediquem ao que é necessário e não a
falsas delícias ou gostos exagerados, porque se lhes
deixarmos muita liberdade, eles causarão muita
seriedade. dano à alma e isso a impedirá muito no
caminho para a perfeição. Toda pessoa que se dedica
a tentar alcançar a santidade deve poder repetir o que
aquele santo disse: "Nunca concedi a meus sentidos
um deleite que Nosso Senhor não gostou".
Os cinco filhos.Santo Agostinho disse que temos
que percorrer os caminhos desta vida guiando cinco
crianças extremamente inquietas, que ao mesmo
tempo nos ajudam muito a tornar nossa viagem à
eternidade mais agradável e amigável, também pode
ser que, se os deixarmos ir e deixá-los ir para Onde
quer que eles querem, eles podem mergulhar em
abismos muito perigosos. E que essas cinco crianças
são os cinco sentidos. Os santos sempre tiveram
muito cuidado para não exagerar o vínculo com o qual
mantinham os sentidos e, assim, conseguiram mantê-
los disciplinados, isso os ajudou muito a alcançar a
perfeição.

1
Como sublimar a vista.Chamamos de sublimar o
esforço que fazemos para elevar nossos
pensamentos às esferas superiores. Ocasionalmente,
devemos pensar que os olhos foram feitos para ver
Deus e que "o veremos como ele é" (1Jo 3, 2).
Quando Natanael ficou surpreso com as maravilhas
que estava vendo, Jesus disse algo a ele que agora
conta a cada um de seus seguidores: "Maravilhas
muito maiores eles verão mais tarde" (Jo 1:50) e em
sua oração sacerdotal na Última Ceia, ele perguntou
a ele. Ao Pai celestial por tudo que amamos, um
imenso favor: "Para que um dia contemplem a glória
que você me deu" (Jo 17,
24)
Vamos pensar de tempos em tempos: "Meus olhos
foram feitos para que eu pudesse ver Deus e os seres
celestiais, e não quero enlamear ou manchar minha
visão, parando para desgastá-la e ver o que pode me
prejudicar aqui na terra". Os antigos repetiram um
lema latino que diz: "Ad maiora nati sumus": "Nas
ações muito mais elevadas nascemos". Por que ficar
como galinhas cavando as latas de lixo da terra, se
podemos parecer águias em direção ao céu?
Uma comparação que foi muito
impressionante.Uma santa que escreveu livros
muito bonitos sobre misticismo, isto é, a arte de elevar
a alma para Deus e para o celestial, narra o que
aconteceu com ela quando iniciou sua vida de

1
ascensão espiritual. Sua principal falha era que ele
tinha muito carinho sensível por pessoas que tinham
uma beleza física especial, e isso o impediu de
prejudicar seu caminho para a santidade. Em seguida,
dedicou-se a pedir com fé especial a Nosso Senhor
que a curasse dessas paixões prejudiciais, e lhe foi
concedido por alguns breves momentos ver um pouco
a face gloriosa de Jesus Cristo no céu. E ela diz que
desde então as belezas das criaturas humanas da
Terra lhe pareciam tão pouco atraentes como se
fossem baratas e, em vez de sentirem paixões
sensíveis em relação aos belos seres deste mundo, o
que ele começou a ter era uma "indiferença santa"
diante de toda beleza que tem que morrer e se tornar
pus e vermes. Se o Senhor nos desse esse favor,
obteríamos uma impressionante liberdade espiritual
que nos permitiria subir muito alto em nossa vida
espiritual.
Vamos pensar que toda a beleza nesta terra foi
criada por Deus. E se essas belas criaturas são tão
agradáveis à nossa vista, quanto mais o Criador de
toda a beleza nos atrai? É por isso que um santo
exclamou: "Oh Deus, se neste mundo que passa e
morre, há tanta beleza, quão maior será a sua infinita
beleza, se o Criador de toda a beleza é Você? Por
que ficar perseguindo borboletas coloridas neste
mundo? , se eu puder elevar minha mente e meu
coração a Deus, autor de toda a beleza, cuja beleza

1
e bondade serão o meu santo deleite por toda a
eternidade? ".
O GOSTO.Ao comermos uma comida agradável,
pensemos no banquete celestial, onde saborearemos
para sempre as iguarias mais requintadas, e
tornaremos nossas as palavras do evangelho: "Bem-
aventurados os que conseguem alcançar o banquete
do Reino de Deus" (Lc 14:15). Quando sentimos sede
forte, lembremo-nos daquela sede ardente que Jesus
sofreu na cruz. Conta-se a um santo que, na parte
mais quente do verão, quando sua sede a
atormentava, dedicou-se a pensar na aterradora
secura da garganta que Jesus sofreu quando foi
crucificado, tão forte e terrível que o obrigou a chorar
"Estou com sede", e meditando sobre esse tormento
do Redentor, ela foi encorajada a sofrer também o
martírio da sede, pela salvação das almas. Espero
que a memória da sede de Jesus no Calvário nos leve
a nunca beber mais do que o necessário.
O OLFATO.Quando sentimos um perfume suave e
agradável, e sentimos o aroma das flores e os
perfumes refinados que, de acordo com o Livro de
Provérbios, "fazem o coração feliz" (Pr 27, 9), lembre-
se de que o Livro do Apocalipse anuncia que cada dia
"os seres celestiais carregam diante do trono de
nosso Senhor alguns cálices muito doces e
aromáticos, cheios de perfumes e que esse incenso é
a oração dos fiéis na terra" (cf. Ap 5, 8). E quando

1
tivermos que experimentar o descontentamento de
algum fedor desagradável, especialmente o que
provém de alguns corpos gravemente enfermos ou de
certos corpos em decomposição, não devemos
esquecer que esse é o caso e, muito pior, o fedor de
uma alma no pecado, que é verdadeiramente
desagradável. na presença de Deus e de seus santos.
"Você parece estar vivo, mas você está morto"
(Ap3.1) Digamos a Nosso Senhor: "Desejo que o que
Paulo disse que alguns de seus fiéis possam repetir
de nossas vidas:" Seu sacrifício sobe a Deus como
um aroma doce que Ele aceita com prazer "(Fp 4:18).
O OUVIDO.Quando ouvimos uma música muito
agradável, lembre-se de que toda melodia
verdadeiramente bela é inspirada pelo Espírito Santo.
Os artistas quando compõem algumas peças
musicais famosas podem afirmar o que um autor
famoso disse "enquanto componho minha música, só
preciso escrevê-la, porque está atingindo meu
cérebro e meus ouvidos, como se viesse do céu". E
ao ouvir algumas peças musicais que nos movem e
nos trazem alegria para a alma, digamos: "Se isso
está aqui no exílio, como será na verdadeira pátria
onde a inspiração será total? Em uma grande festa
em uma catedral, enquanto o orquestras e coros
cantaram belas composições musicais, um famoso
arcebispo, tremendo de emoção, disse para o
próximo a ele: 'Meu irmão: se é assim que é aqui,

1
Como será no céu? "É o que se chama sublimando o
que entra pelos sentidos."

Capítulo 22

1
COMO PODEMOS SER VÁLIDOS DE SERES
VISÍVEIS PARA LEVANTAR O
CORAÇÃO A DEUS
Certos santos, como São Francisco, Santo Antônio
de Pádua, São Domingos de Guzmán, São Gertrudes
e muitos outros, receberam do Espírito Santo o dom
da piedade que consiste em sentir para com Deus um
amor como as crianças mais gratas do mundo sentem
por batatas mais amáveis por aí. E esse dom de
piedade fez com que os mais diversos seres
conscientes se usassem para elevar seus corações
ao bom Deus.
Assim, São Francisco ouviu os pássaros cantarem
e exclamou: "Passarinhos da floresta, com seus
cantos, estão me ensinando a nunca parar de louvar
meu Deus e cantar em sua homenagem". E ele via as
lindas flores do campo e dizia: "Por favor, continue me
lembrando que eu também sempre devo viver de
frente para o céu, em direção ao meu sol que é Jesus
Cristo e que exala continuamente o perfume das
minhas orações". Santo Antônio de Pádua andou
pelos campos cantando alegremente e dizendo:
"Quero unir a voz dos pássaros, o perfume das flores
e a ressonância das correntes, para louvar e
abençoar meu Criador". Algo parecido aconteceu com
Santo Domingo.

1
Diz-se de uma santa que, no meio das tempestades
mais terríveis, enquanto as outras se escondiam por
medo de raios, ela se inclinava na varanda de sua
casa e sorria exclamando: "Quão poderoso é o meu
Deus Pai. Que maravilhoso ter Pai. e amigo do ser
mais poderoso que existe! ".
Um jovem que em muito pouco tempo alcançou
grande santidade, disse a seu pai em uma noite
estrelada, olhando para o céu: "Pai, se o céu é tão
bonito deste lado, como será do outro lado?" E ele
estava animado ao pensar no Paraíso que nos espera.
O Salmo 8 diz: "Oh, Senhor: quando contemplo o
céu, o trabalho de suas mãos, a lua e as estrelas que
você criou, eu me pergunto: Qual é o ser humano para
que você se lembre dele?"
São Francisco de Assis, quando viu um cordeiro
branco bonito, inocente, manso e pacífico no campo,
pegou-o nos braços e disse com entusiasmo: "Ó
cordeirinho sem mancha, que você se deixe levar ao
matadouro sem apresentar a menor resistência;
quanto você me lembra o querido Cordeiro de Deus
que foi trazido ao Calvário sem oferecer a menor
oposição, e que morreu sem ter machucado ninguém
e demonstrando a mais admirável mansidão e a mais
perfeita inocência ".
Quando sentimos uma forte chuva ou uma garoa
contínua, pensemos que esta é a graça e a ajuda que

1
Deus nos envia do céu, às vezes grandes e vistosas
como as águas de uma forte chuva, e outras vezes
pequenas, mas contínuas, como as de uma chuvisco
suave.
Quando vemos algumas árvores frutíferas,
perguntamo-nos: "Produzirei frutos da vida eterna em
minha vida? Ou serei uma árvore que não produz
frutos ou produz mal?
Em algum momento em que ouvimos um corvo de
galo, pensamos: "O que esse corvo de galo me dirá?
Será que me dirá como São Pedro:" Você negou seu
Senhor. Diga desculpa?".
Se nos aproximarmos da margem de um rio,
pensamos: "Nossas vidas são as águas que correm
em direção ao mar que está morrendo. Lá
encontraremos o oceano infinito que é o poder e a
bondade de Deus ...
Quando vemos uma imagem da Santíssima Virgem,
lembremo-nos de que esta boa Mãe nos espera no
céu e está pronta para vir nos ajudar na Terra toda
vez que pedirmos sua poderosa proteção. Vamos
pensar o mesmo quando vemos a imagem de um anjo
ou santo.
Quando vemos uma pomba voar, pensamos no
Espírito Santo e, ao contemplarmos uma mãe
abraçando seu filho, lembremo-nos do que Deus diz

1
na Sagrada Escritura: "Como uma mãe consola seu
filho pequeno, assim confortarei meus fiéis" (Is 66, 13)

QEU NOSSA MENTE É DIRECIONADA LÁ ONDE OS


BENS REAIS esperam por nós Cf.

"VAMOS REZAR" de uma Santa Missa.

Capítulo 23

1
A MANEIRA DE GOVERNAR A LÍNGUA
O Salmo 18 faz um pedido importante a Deus: "Ó
Senhor: que as palavras da minha boca sejam tão
agradáveis para você e, para isso, que os
pensamentos do meu coração também sejam
agradáveis para você". A linguagem do ser humano a
ser contida dentro dos limites da prudência deve ser
cuidadosamente governada, porque todos estamos
inclinados a falar mais do que deveríamos e a dizer o
que não é conveniente. Ou como o apóstolo Tiago diz:
"Os seres humanos são capazes de domar as
mesmas bestas. Mas a única coisa que deixamos de
dominar completamente é a própria linguagem" (cf. St
3).
Muita conversaQuase sempre vem da falta de
autocontrole. E assim como você não pode controlar
sua língua, também não pode controlar outras
inclinações indevidas da natureza. Muita conversa
também vem do prazer que você sente por se ouvir,
esquecendo que os outros não sentem a mesma
satisfação quando nos ouvem do que quando
conversamos.
Desses sacos cheios de palavras em que você
não deve confiar demais,dizem os psicólogos. Muita
conversa pode resultar de que estamos muito
apaixonados por nossa própria opinião e queremos
impor isso a outras pessoas, tentando dominar a
conversa e que todos nos ouçam como professores.

1
Conversaçãoou hábito de falar demais, traz
conseqüências prejudiciais. Isso leva à preguiça (o
loquaz tem uma língua mais longa que a mão, diz o
ditado, o que significa que suas obras não são iguais
às suas palavras). Em muita conversa, não haverá
falta de pecado, afirma o livro de Provérbios. É que a
loquacidade leva a contar mentiras, murmurar, dizer
o que deve ser silencioso, pronunciar palavras inúteis
e até prejudiciais. Não é de admirar que São Bernardo
tenha recomendado: "Devemos comprar de Deus
com oração a graça de falar para fazer muito bem, e
nunca o mal".
Não vamos ficar muito tempo conversando com
pessoas que mostram que estão cansadas da nossa
conversa. E mesmo com aquelas pessoas que são
altamente educadas e nos ouvem com aparente
atenção, vamos tentar não cansá-las com verborragia
exagerada. Espero que todos que lidam conosco
desejem nos ouvir novamente e que ninguém precise
deixar nossa presença com indigestão intelectual por
nos ouvir falar tanto.
Tenha cuidado com a ênfase.A ênfase é chamada
de dar muita força às expressões que dizemos. Isso
e falar com uma voz muito alta produz repulsa para
aqueles que nos ouvem, porque mostra que temos
exagerado a segurança no que afirmamos e que
queremos impor o que estamos dizendo. E isso é
vaidade.

1
Você nunca deve falar de si mesmo,nem das
próprias coisas nem dos parentes, mas, quando há
uma necessidade real de fazê-lo, e nesses casos é
necessário proceder com grande contenção e ser o
mais breve possível, porque aqui o orgulho facilmente
leva ao exagero e inflaciona a vaidade de alguém. .
Se ouvimos que alguém gosta de falar sobre sua
própria pessoa, sua família e ações, não o
desprezamos, mas devemos ter cuidado para não
imitá-lo nisso. E nem falemos de nós mesmos para
nos desprezar e diminuir, porque o amor próprio é tão
traiçoeiro, que, para nos fazer falar de nossa própria
pessoa, não nos interessa que esteja sob o pretexto
de nos desprezar, que afinal de contas o que estamos
procurando é aparecer e ser o protagonista, mesmo
que você tenha que usar o disfarce do seu próprio
desprezo.
O vizinho é bem falado ou não falado.Nisso, como
em todas as nossas conversas, devemos praticar
esta regra ou norma que os diretores espirituais
antigos aconselharam: "Se falarmos, diga algo melhor
do que o silêncio". Uma santa parecia ouvir em uma
visão que seu anjo da guarda estava lhe dando este
conselho: "Nunca diga um julgamento negativo contra
ninguém", que passa a ser como o equivalente ao
mandamento de Jesus: "Não condene e eles não
serão condenados por Deus "(cf. Mt 7, 1).

1
E quando soubermos que eles falam mal de outras
pessoas, cumpramos o que o sábio antigo
recomendou: "Faça uma cara tão triste que parece
que vamos chorar". Quem está falando contra o
próximo notará na nossa cara que sua conversa nos
desagrada e talvez ele não ouse mais segui-la. Um
padre que tinha a reputação de ser um verdadeiro
homem de Deus, ao ouvir um colega falar mal de
outro dia, disse: "E o que você ganha ao dizer isso?"
O outro entendeu e ficou em silêncio. Vamos nos
fazer essa pergunta quando desejamos falar contra
alguém. "E o que ganho com isso?"
Vamos falar de Deus e de suas obras e favores,E
cumpramos o que o anjo Rafael disse a Tobias:
"Nunca devemos ter vergonha de contar os favores
que foram recebidos de Deus". Mas, como somos
pessoas bastante ignorantes sobre essas questões,
preferimos ouvir outras pessoas que falam melhor do
que nós, quando há quem queira proclamar as
maravilhas do nosso Criador.
Assim, cumpriremos o que o Livro do Eclesiástico
aconselha: "Toda boa conversa sobre Deus, vamos
ouvi-la com prazer".
Assuntos mundanos e prejudiciais, não vamos
nomeá-los. Nisto é necessário cumprir o que o
apóstolo São Paulo ordenou: "Impurezas, males, os
temas que levam à ganância, ou sejam nomeados
entre nós", porque queremos alcançar a santidade.

1
Palavrões, piadas pesadas ou mentiras não estão
bem em nossos lábios, mas ação de graças (cf. Ef 5:
4). Palavras indecentes, mesmo que sejam ditas sem
intenção maliciosa, podem prejudicar as pessoas
fracas que nos ouvem. Lábios dedicados a louvar e
abençoar a Deus não devem ser dedicados a falar
coisas más ou prejudiciais. É por isso que o apóstolo
Tiago exclama: "Nunca deve acontecer que a língua,
com a qual abençoamos a Deus, se dedique a
amaldiçoar os outros. A partir dessa fonte da qual
somente as doces águas da bênção devem fluir, a
águas amargas da maldição "(cf. St 3, 9).
Olho: antes de falar: conecte o cérebro.Os sábios
sempre recomendaram que quem quer alcançar a
perfeição se acostume ao fato de que cada palavra
que chega aos lábios passa primeiro pelo cérebro,
para que seja julgado se deve ser pronunciado ou se
é melhor mantê-lo quieto. Muitas coisas que, no calor
da conversa, parecem à primeira vista ditas, se você
raciocina com calma, chega à conclusão de que seria
melhor enterrá-las em silêncio e, em vez de dizê-las,
suprimi-las. É necessário ficar calado muitas vezes as
experiências que acontecem conosco, porque o
impulsivo nem sempre é o melhor e, freqüentemente,
o menos conveniente. Os diretores espirituais
freqüentemente perguntam às pessoas que lideram:
"Quantas abstinências de palavras você fez hoje em
dia pela salvação de almas e como penitência por
seus pecados?" Porque eles sabem muito bem que,

1
se alguém dominar o idioma, será mais fácil controlar
os impulsos. Infelizmente, muitos de nós deveriam ser
informados com frequência: "Hoje você perdeu a
oportunidade de ficar quieto sobre algo que não
deveria dizer".
O SILÊNCIO.Um dos remédios mais úteis para
formar uma verdadeira personalidade é se acostumar
a ficar calado, o que não é necessário dizer: "Fale
menos e você será mais feliz", disse um mestre
espiritual a seus discípulos. Quem se acostuma a
disciplinar e restringir sua língua para não dizer o que
não é apropriado, está adquirindo com esse exercício
de vontade a capacidade de alcançar grandes vitórias
espirituais posteriormente. De Santo Domingo de
Guzmán, seu primeiro biógrafo diz: "Falou poucas
palavras ao falar de assuntos mundanos. Mas quando
eles tratavam de Deus, assuntos religiosos e
espirituais, ele falava com entusiasmo".
Remédios para obtê-lo.Para se acostumar a ficar
calado, é muito útil pensar e meditar sobre as grandes
vantagens alcançadas ao se manter calado e sobre
os males resultantes de falar mais do que deveria. O
silêncio ajuda muito a obter lembranças na oração. O
apóstolo Tiago disse: "Quem sabe travar a língua
também sabe como acabar com as outras inclinações
do corpo" (St 3, 2). Mas ele imediatamente acrescenta:
"A língua que não está mortificada é como uma faísca
que incendeia uma cana inteira, ou como um veneno

1
que contamina toda a existência daqueles que a
possuem".
Se os pecados que cometeram com a língua fossem
removidos da vida de algumas pessoas, eles
diminuiriam muito o número de falhas e a quantidade
de aborrecimentos que eles tiveram e proporcionaram
a outros.
Para ficar quieto, aprenda mantendo-se
quieto.Os estudantes universitários pediram a um
famoso monge que os aconselhasse sobre um
método para aprender a dominar suas próprias
inclinações, e ele apenas respondeu com uma cruz
nos lábios. Ele queria dizer-lhes que, se eles
conseguissem dominar sua língua, eles também
dominariam as outras inclinações. É necessário
silenciar algo todos os dias. Algo que não dizê-lo não
prejudica a nós ou a outros. Espero que cumpramos
o que o Livro de Eclesiastes recomenda: "Sejam
poucas as tuas palavras" (Ecl 5, 1-2). Mas sejam
poucos e gentis; poucos e agradáveis; poucos e
felizes. Poucos e lucrativos. Para que o que acontece
com certas pessoas que falam pouco, mas quando
abrem os lábios, é repreender, criticar para amargar
a vida de outras pessoas. Eles dão uma má
impressão com esse modo de falar, que embora seja
pouco, é desagradável.

1
Cuidado com o MUTISMO
Há pessoas que confundem o fato de ser poucas
palavras com um silêncio desagradável ao tratar os
outros. Um mutismo educado, artificial e exagerado
que os faz parecer muito informados sobre tudo o que
os outros dizem, ou como se não estivessem
interessados na conversa que os que estão ao seu
redor têm. Felizmente, porém, também existem
pessoas que falam muito pouco, mas atribuem tanta
importância ao que os outros dizem, que seu
tratamento se torna verdadeiramente agradável e
amigável. Quem transforma o que os outros dizem em
ouro ganha sua simpatia. Mas quem se comporta em
conversas como uma estátua que nem fala nem
parece ouvir o que os outros dizem se torna
indesejável. Uma pergunta a tempo. Um suporta o
que o outro diz. Mostrar interesse pelo assunto com o
qual estão lidando etc.,
Um prato. Ao pé de uma imagem em uma estrada,
havia esta bela inscrição:
"Senhor, ensina-nos a orar e ouvir. Falar e ficar
em silêncio." Bela oração, digna de ser repetida
muitas vezes ao longo de nossas vidas.

PODE NOSSA CONVERSA CHEGAR DO SAL DO


PRAZER E DA
A BONDADE

1
(Mc 9, 50)

Capítulo 24

COMO ESCAPAR DA PREOCUPAÇÃO E EVITAR


AS PREOCUPAÇÕES DO
CORAÇÃO
Quando os inimigos da alma não podem fazer uma
pessoa viver cometendo pecados graves, pelo menos

1
tentam fazê-la viver cheia de preocupações e se
preocupando com milhares de coisas. E é necessário
lembrar que, quando a paz do coração é perdida,
todos os esforços devem ser feitos para recuperá-la e
tentar garantir que nada no mundo consiga obter que
vivamos cheios de preocupações ou preocupações.
Temos que considerar como disse-nos aquelas
palavras que foram ditas no tempo do profeta Elias:
"O Senhor não está em comoção e tumulto" (1R 19,
9) e fazer à nossa alma a reprovação que Marta fez a
Jesus: " Você trabalha para muitas coisas e apenas
uma é necessária. "
Lamento, mas não remorso.Quando cometemos
erros, devemos sentir uma tristeza suave por ter
ofendido um Deus tão bom e que ele tem sido tão
generoso conosco. Sentir em relação à nossa alma
manchada e derrotada a mesma simpatia que
teríamos em relação a uma pessoa que
consideramos querida e que vemos cair em falhas e
pecados. Mas o arrependimento deve ser calmo, sem
preocupações exageradas ou falta de encorajamento.
Porque este último não seria mais verdadeiro
arrependimento ou contrição por ter ofendido a Deus,
mas remorso ou repulsa porque pecamos muito.

1
PACIÊNCIA NAS
CONTRARIEDADES
A paciência, segundo Saint Thomas, é a virtude pela
qual, na presença do mal, não nos deixamos vencer
pela tristeza ou nojo. Jesus estabeleceu como
condição segui-lo para suportar com paciência a cruz
do sofrimento diário. E estes nunca sentirão falta de
ninguém. Às vezes, será uma doença, outras uma
situação financeira séria, ou um acidente, ou a morte
de um ente querido, ou uma pessoa que nos trate sem
caridade ou que nos humilhe, ou que seja um trabalho
cansativo e ingrato, ou viagens irritantes. , ou
situações imprevistas que encerram todos os nossos
planos etc.

TRÊS ATITUDES
Diante desses contratempos, podemos adotar uma
dessas três atitudes:
1º. A de Jesus no Jardim das Oliveiras:grite: "Pai,
se não for possível que este cálice de amargura me
deixe, seu santo será feito." Essa atitude traz paz na
terra e recompensas imensas no céu. E como Jesus,
o Pai nos enviará um anjo para nos confortar.
2a Atitude: a dos antigos estóicos.Suportar os
males sem vacilar, pelo único prazer de fazer parecer
que o mal não pode se mover ou se opor a ele. Essa

1
atitude admira as pessoas, mas por não terem os
detalhes de oferecer tudo pelo amor de Deus, elas
podem ser deixadas sem muita recompensa pelo céu.
3a. Atitude: a dos renegados.Eles sofrem
amaldiçoando e negando. Deles, o Apocalipse diz
que os sofrimentos que os atingem não os aproveitam
para melhorar e pagar por seus pecados, mas os
tornam piores e mais amaldiçoados. Um exemplo
clássico é o do ladrão maligno que, ainda sofrendo na
cruz, ainda zombava de Jesus em vez de pedir
perdão e oferecer seus sofrimentos (exatamente o
oposto do que seu companheiro fez, que se
aproveitou desses tormentos para oferecê-los a
Cristo e obter ele levará na mesma tarde para o
Paraíso).
Por que Deus nos permite sofrer?O sofrimento
que chega até nós não é uma vingança de Deus. Ele
é grande demais para se vingar de gorgulhos tão
pequenos quanto nós. Para cada falha, ele impõe
uma sanção, mas não como vingança, mas por
rigorosa justiça. Os sofrimentos que chegam até nós
não significam que Deus não está nos ouvindo ou que
está descontente conosco. Não. Ele permite os
sofrimentos para que possamos pagar-lhe as dívidas
que temos por tantas falhas que cometemos e para
que com elas ganhemos grandes prêmios pelo céu.
Preveja o que vai acontecer.Para não explodir de
impaciência quando os contratempos vierem, é

1
conveniente se acostumar a antecipar que
dificuldades se apresentarão durante o dia. Que em
uma viagem que vamos fazer, teremos atrasos muito
chatos? Bem, se os previmos, quando eles chegarem,
não nos irritarão tanto porque tínhamos preparado
para suportá-los. E assim teremos menos
preocupações.
Lembre-se de que tudo se torna bom.Vamos nos
convencer de que os contratempos e dificuldades que
nos são apresentados não são realmente males, mas
uma oportunidade de obter bens para a alma e para
a eternidade. Pode ser que os fins para os quais Deus
permite que esses sofrimentos cheguem a nós
permaneçam ocultos e desconhecidos para nós, mas
podemos ter certeza de que, no final de nossa vida,
ao atingir a eternidade, poderemos repetir o que José
lhes disse no Egito a seus irmãos que o venderam
como escravo: "Foi Deus quem permitiu o que parecia
ser um grande mal. E ele permitiu porque um grande
bem resultaria" (Gn 45). Lembrar isso liberta você de
muitas preocupações.
Vamos tentar sempre ser felizes.A tristeza causa
um grande dano ao coração e não é benéfico para a
alma, e quase sempre vem da lembrança das poucas
coisas desagradáveis que nos aconteceram e do
esquecimento das muitas coisas agradáveis e úteis
que Deus nos permitiu fazer. acontecer. É do
interesse de nossos inimigos da santidade que

1
vivemos tristemente porque a tristeza apaga o
entusiasmo e tira os espíritos para fazer o bem. Mas
viver triste (se não é porque você sofre de uma
doença que produz tristeza, e então você deve tentar
curá-la com medicamentos, pois pode levar a outros
males muito graves e prejudiciais) viver triste é uma
ingratidão para Deus, porque para todos Fato
desagradável ou prejudicial que acontece conosco,
temos dez ou mais fatos agradáveis e úteis.

CUIDADO COM DESEJOS EXAGERADOS


OU INSTANTÂNEOS
Outra das armadilhas que produz inquietação na alma
é o preenchimento de desejos, planos exagerados e
a dedicação a tentar colocá-los em prática
rapidamente. Os orientais dizem que quanto mais paz
uma pessoa tem, mais ele sabe como moderar seus
desejos. Quando um desejo nos ocorre ou um plano
ocorre, peçamos ao Espírito Santo que nos esclareça
se isso vem de Deus e é para o nosso bem maior.
Espero que também possamos consultar uma pessoa
prudente e espiritual. E então tentamos mortificar
nossa vivacidade excessiva que deseja nos levar a
tentar colocar em prática imediatamente o que nos
ocorreu. Essa mortificação torna nosso trabalho mais
perfeito e agradável a Deus do que se o tivéssemos
feito com pressa e com muita rapidez. As pessoas
prudentes gradualmente deixam fermentar as idéias

1
em seus cérebros, cozinhando-as com o fogo da
oração e o combustível chamado "pedir conselhos a
quem sabe". Jesus disse que, se um trabalho é
iniciado sem calcular se ele pode ser terminado, e
então não pode ser terminado, as pessoas vão tirar
sarro de nós e dizer: "Começou e não conseguiu
terminar". Vamos devagar e podemos ir mais longe.
Cuidado com as lembranças amargas.Para evitar
esse mal tão prejudicial que é a inquietação, é
conveniente remover de nossas mentes aquelas
lembranças amargas e tristes que desejam aninhar-
se como roedores prejudiciais. Ao pensar nisso, o que
você obtém é que eles estão gravados na mente de
tal maneira que mais tarde não seremos capazes de
fugir dali. E são lembranças que, em vez de nos
ajudar a melhorar, o que eles fazem é encher nossas
almas com preocupações vãs e amargura inútil. Que
alguém nos humilhou e nos atacou injustamente?
Bem, com isso ele fez nossa humildade crescer e nos
exercitou com paciência. Que cometemos muitos
pecados graves na vida passada? Mas nós já os
confessamos e pedimos a Deus muitas vezes para
nos perdoar? Por que continuar se lembrando deles?
Antes, submergimos eles no imenso oceano da
bondade e misericórdia de Deus e, assim, a promessa
do profeta Miquéias será cumprida: "Você, ó Deus,
jogará todos os nossos pecados no fundo do mar,
para não lembrá-los novamente" (Mt 7 19).

1
Por que continuar nos atormentando com essas
memórias de um passado que, não importa o quanto
nos sintamos ansiosos, não podemos mudar ou fazer
com que isso não aconteça? Confiamos o passado a
Deus e nos dedicamos a viver o presente com alegria
e otimismo, procurando agradá-lo com nosso bom
comportamento.
Que nós tivemos uma tremenda imprudência
que nos causou enormes perdas?Aproveitemos
esta experiência amarga para aprender lições para o
futuro, mas não nos tornemos amargos chorando pelo
leite derramado, pois com o choro não seremos
capazes de coletar nada. Vamos começar de novo
com coragem, porque muitas pessoas perderam
imprudentemente suas economias e, com a ajuda de
Deus, conseguiram se recuperar e ressurgir. Mas se
nos deixarmos levar pela preocupação e pela
depressão, acabaremos com a nossa saúde nervosa,
diminuiremos a nossa vida e, com esses cuidados,
não conseguiremos remediar nada, diz São Pedro:
"Colocemos as nossas preocupações nas mãos de
Deus, que está interessado em nós" ( 1P 5, 7).
Vamos analisar nossos arrependimentos.Se eles
nos levam a confiar mais na divina misericórdia de
Deus, a pedir perdão e a começar uma vida mais
virtuosa, a sermos mais humildes e mais
compreensivos com os outros, então eles são
benéficos. Mas se eles apenas nos enchem de

1
amargura e desânimo, vamos rejeitá-los como
provenientes do mau espírito, porque eles podem ser
sugestões do inimigo para nos fazer viver cheios de
inquietação inútil.
Quando nos lembramos de eventos
dolorosos,Vamos analisar se a memória desses
eventos serve para atacar nosso orgulho e amor
próprio, que é o inimigo mais temível que temos. Se a
memória dele nos leva a ter mais gratidão a Deus e
menos confiança em nossas próprias forças. Se
lembrando desses fatos, passamos a pedir mais
ajuda de Deus e seu perdão. Nesses casos, são
lembranças úteis. Mas se, pelo contrário, quando
lembramos desses eventos amargos, ficamos
inquietos, desanimados, ficamos com mais medo de
fazer o bem e mais pessimistas, e nos enchemos de
ressentimentos e vingança, ficamos impacientes,
amargos e rejeitados com raiva pelo que nos fez
sofrer, então sim, com muito cuidado, que o anjo das
trevas caminha até lá, que está triste todos os dias e
minutos de sua vida e quer nos infectar com sua
tristeza e amargura. Deus é paz e seus pensamentos
são de paz e não de amargura. Vamos repetir as
palavras que um santo costumava dizer: "Tristeza e
melancolia, fora da minha alma".
Viver lembrando o passado com nojo é uma tristeza
inútil. Nem um milímetro vai mudar mais. Por outro
lado, é reconfortante lembrar o que o livro do

1
Apocalipse diz, que no final de nosso tempo o Livro
da Vida será aberto onde tudo o que sofremos for
escrito e cada um será pago de acordo com seus
méritos. Que consolo pensar que nenhum de nossos
sofrimentos será esquecido por Deus. Ele permitiu
que eles viessem até nós, ele saberia recompensá-
los muito bem e seu prêmio será eterno e maravilhoso.
Uma memória como essa beneficia a alma e é cheia
de entusiasmo.

CVAMOS NOSSAS PREOCUPAÇÕES NAS MÃOS DE


DEUS, Deixe-o saber
NOS LEVARÁ AS SOLUÇÕES

(Salmo 55)

Capítulo 25

O QUE DEVEMOS FAZER QUANDO SOFREM


ALGUM DERROTA NA LUTA
ESPIRITUAL

1
“Sete vezes o justo cai, mas muitas outras vezes
ele se levanta.” Diz o Livro de Provérbios. e como
a coisa mais séria não é cair em fraquezas e misérias,
mas permanecer caído e não se levantar a tempo,
acrescenta: "Por outro lado, o imprudente permanece
afundado em sua miséria espiritual" (Pv 24, 16).
Quando cometemos uma falta, seja por falta de
consideração ou surpresa, ou por malícia e
premeditação, o importante é não desanimar, não
parar de lutar para recuperar a amizade com Deus, a
paz e a pureza da alma. Quando fazemos, dizemos
ou pensamos algo que é contrário à lei de Deus,
temos que dizer humildemente ao nosso Senhor: "Oh
meu Deus: acabei de demonstrar o que sou: miséria,
fraqueza, má inclinação. Mas o que mais se poderia
esperar? de uma criatura tão miserável e fraca quanto
eu, mas cai, infidelidade e pecados? "
Então, vamos dedicar alguns momentos para
considerar o quão fraco e inclinado somos e quão vil
e miserável é a nossa natureza pecaminosa, e sem
desanimar, fiquemos sagrados contra as paixões e
maus hábitos e exclamaremos: "Eu não teria parado
se sua infinita bondade, meu Deus, ele não teria me
ajudado, mas teria cometido crimes ainda mais
graves ".
E agradecemos a Deus por nos ter perdoado tantas
vezes, para que o que Jesus disse se cumpra: "Quem
é perdoado, ama muito" (Lc 7, 47). Vamos admirar

1
sua infinita bondade que nos apoiou com tanta
paciência admirável até hoje e pedir que ele nunca
nos liberte de sua mão sagrada, porque se ele nos
libertar, afundaremos no abismo de todos os vícios.
Digamos a ele freqüentemente a oração do
cobrador de impostos do evangelho: "Senhor,
misericordioso, sou pecador" (Lc 18, 13). E vamos
acrescentar: "Ó Senhor, nunca permita que eu me
afaste de Ti. Pecamos e cometemos iniqüidade, mas
sua misericórdia é maior que nossa miséria, e seu
poder muito maior que nossa fraqueza. Não olhe para
a infidelidade, mas no desejo que temos de recuperar
sua amizade divina ".
Algo que não combina.Não vamos parar para
pensar se Deus nos perdoou ou não. Isso pode nos
causar preocupação e perda de tempo. Se
lamentamos. Se temos a firme intenção de não
continuar cometendo essas falhas, se humildemente
pedirmos perdão ao Senhor e confessarmos
oportunamente, não mais duvidemos se Deus nos
perdoou ou não. Ele continua a repetir para nós as
palavras que disse através do rei Davi: "Um coração
humilhado e arrependido, Deus nunca o despreza" (Sl
51, 19).
Colocemo-nos com confiança nas mãos da bondade
divina e, embora tenhamos cometido muitas faltas,
lembremo-nos do que o Senhor disse por meio do
profeta: "Embora por suas faltas sua alma seja

1
vermelha como a roupa mais vermelha, eu a tornarei
branca como a neve" (cf É 1, 18). Cultivemos um
verdadeiro medo de nossa total fraqueza, má
inclinação, um santo horror e repulsa a tudo o que é
pecado e ofensa a Deus; procuremos nos comportar
com maior prudência e cuidado. E se fizermos o que
pudermos, Deus cuidará de nos conceder o que não
podemos alcançar por nossa própria força.
Não vamos esquecer as cataratas, porque a
memória delas pode ser útil para caminhar com mais
cuidado no futuro. E lembre-se sempre de quão
grande é a bondade de Deus que, apesar de tantas
infidelidades que tivemos, ele continua a nos amar
com um amor tão imenso. Ele continua repetindo para
nós: "Com amor eterno eu te amei" e "Eu lhe darei a
beleza espiritual que você tinha antes" (Jr 31, 3).

1
Capítulo 26

OS QUATRO TIPOS DE AÇÕES ERRADAS QUE


EXISTEM EM PESSOAS RELATIVAS
AO PECADO
E explicação da primeira
apresentação
Na luta contra o pecado, muitas pessoas podem e
têm uma dessas quatro ações, que são
extremamente erradas e perigosas:

1
1a Existem aqueles que se escravizaram ao pecado
e não pensam em sair dessa escravidão.
2a Outros querem sair dessa escravidão, mas
nunca começam seriamente a tentar se livrar dessa
opressão.
3a Muitas pessoas imaginam que já progrediram
muito no caminho da perfeição e não percebem que
sua fraqueza e fraqueza diante do pecado as mantêm
enormemente longe da santidade e perfeição.
4a Outras pessoas, depois de atingirem um alto
grau de virtude, negligenciam a si mesmas e caem
em uma terrível ruína espiritual e em grande perigo de
se perderem.
Vamos estudar essas quatro ações erradas para ver
se estamos em alguma delas e tentar sair de lá.

PRIMEIRA AÇÃO ERRADA: SEJA


ESCRAVO DE PECADO E NÃO PENSE EM
SAIR DA ESCRAVIDÃO.
Nada é tão desejado pelos inimigos de nossa
salvação que nos deixe em paz e tranqüilidade em
relação aos pecados. Quaisquer pensamentos ou
desejos de conversão que vierem a nós tentarão
desligá-los e afastá-los. Se alguém quiser aconselhar
que seria melhor mudar a vida e iniciar um

1
comportamento mais de acordo com a lei de Deus,
mude imediatamente de assunto e é sobre isso. as
coisas não são discutidas.
E os três inimigos da santificação: o mundo, o diabo,
e a carne ou paixões da carne, esforçam-se para nos
fornecer continuamente novas oportunidades de
pecar, armadilhas e laços traiçoeiros para que
continuemos novamente em falhas antigas; e eles
tentam endurecer nossa consciência de tal maneira
que não somos mais movidos pela bondade que Deus
teve por nós, nem pelas sanções que Sua Divina
Justiça nos enviará contra nossos males, nem pelas
perdas e danos que virão a nós pelo pecado. E assim
a alma pecaminosa corre continuamente em direção
à sua perdição, cai de abismo em abismo, e se afasta
cada vez mais da perfeição e santidade, e se Deus
não intervir com um milagre de sua graça, a ruína será
total.
Existem dois remédios parar nesta corrida para o
abismo do pecado.
O primeiro é ouvir inspirações e
arrependimentosque sentimos em consciência. O
poeta disse: "A consciência dos culpados corrige tão
cedo e bem que poucos são enforcados dentro de
suas almas", Santo Agostinho afirmou: "O pior perigo
para um pé ferido é que ele não dói mais, porque
então não tem mais. O mal terrível e assustador para
uma alma pecadora é que ele não sente mais remorso

1
por ter pecado. Se ele não a sentir, ficará
irremediavelmente perdido. Mas se sua consciência o
morder e prestar atenção à sua consciência, ele ainda
ele espera emendas e salvação.
O segundo remédio é clamar muito a
Deus,pedindo sua ajuda e perdão. Vamos olhar para
o crucifixo e pedir-lhe que nos dê verdadeira contrição
por nossa iniquidade. Vamos olhar para a pintura da
Virgem Maria e para ela, que é um refúgio para os
pecadores, digamos: "Venha, minha mãe, para minha
ajuda, eles estão me derrotando". E Deus cumprirá o
que prometeu no Apocalipse: "Ele deixará cair gotas
de cura nos olhos de sua alma, para que você veja a
feiúra de suas falhas e abomine e consiga evitá-las".

TENGO CONTRA VOCÊ, QUE VOCÊ PERDEU SEU


FERVOR ANTES.

DESCUBRA ONDE VOCÊ CAIU. ARREPENDER E


VOLTAR AO BOM
CONDUTA. Se você não se arrepender, irei e removerei
você do site importante
ONDE VOCÊ ESTÁ

(Ap 2, 4)

1
Capítulo 27

A SEGUNDA AÇÃO ERRADA. NÃO COMEÇA SÉRIO


A TENTAR SE LIVRE DA ESCRAVIDÃO DO
PECADO
Muitos conhecem o mau estado de sua consciência
e até querem melhorar seu comportamento, mas são
enganados por uma armadilha extremamente
perigosa: partir para mais tarde começar a se
reformar seriamente. Esquecem que quem sempre
diz "Mais tarde" acaba dizendo: "Nunca". É
necessário que resolvam não deixar para amanhã os
esforços que não queriam fazer ontem. Porque a
desculpa mais complicada é dizer: "Vou me dedicar
primeiro a alguns problemas que tenho em mãos e
depois verei como tentar melhorar meu
comportamento". E o "depois" se torna "nunca".

1
O "senhor depois". Antígono, rei da Macedônia, foi
chamado de "o senhor mais tarde", porque, sempre
que pediam um favor, ele respondia com essa
pequena frase: "mais tarde" e depois ficava sem
conceder os favores que lhe haviam sido pedidos. O
mundo está cheio de homens e mulheres que
poderiam adotar um segundo sobrenome, após o qual
as pessoas o conhecem e seu segundo sobrenome
pode ser: "Mais tarde", porque é o que sempre dizem
que uma voz na alma Ele propõe a eles: "Comece a
se comportar melhor, seja convertido, comece uma
vida de virtude, fervor e santidade". Os camponeses
repetem um ditado que diz: "Quem economiza para
mais tarde, economiza para o cachorro", é como dizer:
"Partir para mais tarde é desistir do que deve ser feito
agora".
Hoje é meu dia.Os psicólogos recomendam propor
um slogan muito útil: "Hoje é o meu dia". Se vou
começar a receber um tratamento amigável, por que
não começar hoje? Por que sair para mais tarde? Vou
começar a calar a boca o que não devo dizer? Desde
quando? Desde manhã? E por que não a partir de
hoje? Eu quero dominar meus olhos para que eles
não sigam o que não é conveniente para minha alma?
Desde a próxima semana? E não seria melhor agora?
Quem me garante que o amanhã virá para mim? O
apóstolo Santiago diz: "Não diga 'amanhã farei isso
ou aquilo', porque não sabemos se o amanhã virá
para nós". Eu quero fazer um pouco de penitência

1
pelos meus pecados e pela salvação das almas?
Muito bem. Mas o melhor será começar a partir de
hoje, para que amanhã você não tenha mais o desejo
ou a vontade de fazê-lo. Cada um de nós deve repetir
o que um pecador respondeu a um santo pregador
que lhe perguntou: E quando você quer se converter?
e o outro respondeu: "Quero converter hoje". Senhor,
deixa eu ver. Quando um cego quis que Jesus tirasse
sua terrível cegueira, ele gritou "Senhor, eu posso
ver". Algo semelhante devemos implorar muitas
vezes também: "Senhor, o que vejo, o que devo
corrigir em mim mesmo e como corrigi-lo". E
lembrando-se de nossa terrível fraqueza e fraqueza
para poder atacar o mal, repita para Deus as palavras
que o herói Balac disse na Bíblia Sagrada: "Se você
vier comigo, irei combater; se você não vier, não
ouso". "Eu quero converter hoje." Senhor, deixa eu
ver. Quando um cego quis que Jesus tirasse sua
terrível cegueira, ele gritou "Senhor, eu posso ver".
Algo semelhante deve ser solicitado muitas vezes
também por nós "Senhor, o que vejo, o que devo
corrigir em mim mesmo e como corrigi-lo". E
lembrando-se de nossa terrível fraqueza e fraqueza
para poder atacar o mal, repita para Deus as palavras
que o herói Balac disse na Bíblia Sagrada: "Se você
vier comigo, irei para o combate; se você não vier, não
ouso". "Eu quero converter hoje." Senhor, deixa eu
ver. Quando um cego quis que Jesus tirasse sua
terrível cegueira, ele gritou "Senhor, eu posso ver".
Algo semelhante deve ser solicitado muitas vezes

1
também por nós "Senhor, o que vejo, o que devo
corrigir em mim mesmo e como corrigi-lo". E
lembrando-se de nossa terrível fraqueza e fraqueza
para poder atacar o mal, repita para Deus as palavras
que o herói Balac disse na Bíblia Sagrada: "Se você
vier comigo, irei combater; se você não vier, não
ouso". o que devo corrigir em mim mesmo e como
corrigi-lo. "E lembrando-se de nossa terrível fraqueza
e fraqueza para poder atacar o mal, repita a Deus as
palavras que o herói Balaque disse na Bíblia
Sagrada:" Se você vier comigo, irei a combate; se
você não vier, não ouso ". o que devo corrigir em mim
mesmo e como corrigi-lo. "E lembrando-se de nossa
terrível fraqueza e fraqueza para poder atacar o mal,
repita a Deus as palavras que o herói Balaque disse
na Bíblia Sagrada:" Se você vier comigo, irei a
combate; se você não vier, não ouso ".
Agora eu começo. Os professores de espírito
recomendam a seus discípulos que se digam de
tempos em tempos: "Agora eu começo", "a partir de
hoje eu quero mudar", "não deixarei para depois os
esforços que até agora eu não queria fazer".
O inferno está cheio de bons propósitos.Os
santos padres de antigamente repetiram um ditado:
"O inferno está cheio de boas intenções", para
significar que muitos se perderam porque, embora se
propusessem a se emendar, nunca se arriscaram a
começar a fazê-lo. Hoje poderíamos exclamar: "O

1
número de mal-sucedidos está cheio de pessoas que
fizeram planos para melhorar, mas nunca começaram
a cumpri-los". Minha alma não estará entre os que
não se arriscaram a começar agora a lutar
resolutamente contra a escravidão do pecado? Se for,
tenho que lançar meu pedido de independência agora
e começar a lutar contra um opressor tão terrível.

HOJE:

SE ESCUTEMOS A VOZ DE DEUS (QUE CHAMA A


CONVERSÃO) NÃO
Vamos apertar nosso coração (NUNCA DEIXE DEPOIS
TORNE-SE NÓS (Salmo 94)

1
Capítulo 28

A TERCEIRA AÇÃO ERRADA IMAGINE QUE JÁ


ESTÁ
PERTO DA SANTIDADE, QUANDO ESTIVER
MUITO LONGE DELE
Há outro erro grave em relação ao pecado:
esquecer as paixões, vícios, maus hábitos e
inclinações perversas que temos e nos dedicar a fazer
planos quiméricos e fantásticos sobre uma santidade
que não imaginamos mais, apenas porque
imaginamos e desejamos. E o que o poeta disse se
cumpriu: "Enquanto o jardim está secando, o rio está
caindo". Enquanto vivemos pensando em uma
santidade idealista e imaginária, paramos de
combater as más inclinações que nos levam ao
pecado e, seguindo belas borboletas que voam pelo
ar, esquecemos de caçar ratos que devoram os
produtos de nosso jardim.

1
DÊ O QUE VOCÊ NÃO TEM
E acontece que projetos fantásticos são feitos sobre
o que você não tem ou tem em mãos e, em vez disso,
sobre o que precisamos fazer e responder,
negligenciamos isso. Acontece conosco como quem
disse: "Se eu tivesse dois carros alegóricos de luxo,
daria um aos pobres". E um amigo perguntou-lhe: "E
se você tivesse dois carrinhos de mão, também daria
um para os pobres?" -Não. Não não Isso! - E por que?
Porque eu tenho os dois caminhões. Quão fácil é
propor heroísmo com o que você não tem, mas quão
difícil é ser generoso com o que você tem.

VALOR AO LONGO E PERDIDO AO LADO


De certas pessoas dizem quem as conhece: "Antes
do perigo, muita ousadia. Chegou a hora: muito
medo". Algo semelhante acontece com tantas
pessoas em seus projetos espirituais e de santidade;
Eles imaginam que, se a perseguição chegar, eles
darão suas vidas no meio de terríveis tormentos por
defender a religião sagrada, e com essa imaginação
eles já acreditam em pessoas santas. Mas, assim que
cometem o menor crime, surgem protestos e, com o
menor sofrimento de doença, vivem reclamando. São
fáceis de desejar uma santidade brilhante e distante,
mas rejeitam a humilde santidade que lhes é
oferecida dia após dia.

1
RemédiosPara evitar esses delírios de nossa
imaginação, é necessário que pensemos
concretamente sobre quais são os inimigos espirituais
que nos atacam e os que devemos combater. Em vez
de viver imaginando situações fantásticas para o
futuro, situações que certamente nunca chegarão a
nós, vamos analisar calmamente quais são os perigos
e ocasiões que podem nos fazer falhar agora no
presente: aquelas explosões de nosso mau humor,
esses pensamentos de orgulho , que desejam
aparecer e obter a estima dos outros; aquela amizade
que rouba nossos corações do amor que devemos
dirigir somente a Deus e às almas; aquela ânsia de
possuir cada vez mais, aquela tristeza que traz tanta
fraqueza ... etc.

Tenha cuidado para confundir o sonho


com a realidade
O erro de tantas pessoas é imaginar que, porque eles
já fizeram o propósito ou a resolução de se comportar
muito bem, isso significa que, na realidade, eles já
estão próximos da santidade. Nada mais errado.
Alguém pode saber muito bem o que ele deve fazer e
que bem ele quer alcançar, e como ele deve se
comportar, mas se ele se lembra de suas paixões,
suas más inclinações, a fraqueza de sua vontade e os
ataques tão ferozes que eles tentavam dar a ele os
inimigos de sua alma, em vez de imaginar que ele já
está perto da santidade, o que ele sentirá será um

1
grande medo de sua própria fraqueza e um desejo
normal de implorar a ajuda do Deus Todo-Poderoso e
pedir que a graça não caia em tentação e perseverar
no bem até a morte.

SEJA ALERTA RELÓGIOS E ORE,


PORQUE O ESPÍRITO É LOGO, MAS A
CARNE É FRACA (Mc 14, 38) CAPÍTULO 29

A ÚLTIMA E MAIS PERIGOSA AÇÃO EM


RELAÇÃO AO PECADO: SAIR
PARA LUTAR E CAIR NA RUÍDA
ESPIRITUAL
A quarta armadilha apresentada a nós pelos
inimigos de nossa santidade é conseguir que
paremos de lutar contra o pecado e permanecemos
calmos em nossos maus hábitos, vícios e conduta
defeituosa.
Um engano:Se alguém sofre de impaciência e de
mau humor por causa das doenças que surgem,
existe o perigo de se dedicarem a pensar em quantas
boas obras maiores eles fariam se estivessem em
perfeita saúde e em quanto melhor poderiam servir a
Deus e ao próximo se essas doenças eles saíram. E
assim, em vez de combater a impaciência e o mau

1
humor, o que você está fazendo é apoiar sua rebelião
interior e fomentar seu desgosto contra o que está
sofrendo. E ele está inquieto, angustiado e impaciente,
porque sua saúde não é perfeita. E, em vez de lutar
contra a impaciência, o que ele está fazendo é
alimentá-la e fortalecê-la, considerando sua doença
como um impedimento para fazer boas obras (como
se Deus precisasse tanto das boas obras que vamos
fazer) e ele imagina isso por causa de a doença em
que seu progresso na virtude cessa (sendo que o que
acontece é o oposto, se ele sofre com paciência e
pelo amor de Deus suas doenças). E, em vez de
iniciar uma luta contra o vício do mau humor e da
impaciência, o que acontece com ele é que ele
insensivelmente cai nesses dois grandes defeitos e
se deixa vencer por eles.
Um remedio.Quando essas imaginações nos
chegam, de que, se curarmos as doenças que
sofremos, serviremos melhor a nosso Senhor,
pensamos que provavelmente não será assim,
porque quando a saúde estiver completa, nossos
sentimentos de piedade e fervor continuarão.
provavelmente seja muito menos forte do que
tínhamos enquanto sofria. É por isso que um santo
disse a uma mulher doente que lhe implorou uma
bênção para curar-se de uma doença longa e
dolorosa: "Se ele é curado, ele nunca será um santo.
grau de glória no céu ". Ela concordou alegremente
em continuar sofrendo e, de fato, passou a ter uma

1
santidade admirável. É que existem pessoas que não
são santificadas com saúde total,
E se a inquietação persistir em nós, em perfeita
saúde, faremos mais boas obras, pensemos que
provavelmente em sua sabedoria Deus determinou
que não somos nós que realizamos essas boas obras;
em vez disso, com nossos sofrimentos, ganhamos a
conversão de muitos pecadores e a salvação de
muitas almas, e vamos obter perdão de nossos
próprios pecados.
Cuidado com a tristeza.Há um pecado que, se
negligenciarmos e pararmos de combatê-lo, ele se
aninhará em nossos corações e nos causará um
enorme dano. É tristeza. O Livro Sagrado diz: "A
tristeza é inútil e apenas danos trazem a pessoa". É
necessário que nunca paremos de lutar contra nossa
má inclinação para nos entristecermos com o que não
é pecado nem ofende a Deus. Por exemplo, quando
alguém fica doente, começa a se sentir triste por
causa do desconforto que causa aos que cuidam
deles, mas quando melhora, não se lembra mais das
instituições de caridade que fez com eles. O que o
entristeceu foi seu orgulho. Outros se deixam levar
pela tristeza, dizendo que esses sofrimentos estão
chegando a ele como um castigo por seus pecados,
mas quando ele recupera sua saúde, eles vêem quão
pouco se arrepende dos males de sua vida. Sua
tristeza não veio do arrependimento, mas da

1
impaciência. Quantos há que suspiram tristes porque
não têm maior riqueza para se dedicarem a muitas
obras de caridade, mas se o fizessem, não fariam tais
obras. Portanto, é muito perigoso parar de lutar contra
a tristeza e deixar-se dominar por essa terrível
inclinação a viver triste. E o mesmo deve ser dito de
qualquer outro vício ou pecado.

Se aceitamos os bens de Deus, por que


também aceitamos os males?
(Jb 2)

1
CAPÍTULO 30

UMA ARMADILHA MORTAL PARA


EVITAR: QUE AS MESMAS VIRTUTAS NOS
CAUSAM A SUPERAR-SE POR ORGULHO
Uma das armadilhas mais traiçoeiras que podem
ser apresentadas a nós no caminho da santidade é
que, considerando as virtudes e qualidades que
temos, nos dedicamos a sentir complacência e auto-
estima exagerada e, assim, nos deixamos dominar
pelo orgulho, vaidade e vanglória.
Os santos aconselham: "É preciso lembrar as
misérias e fraquezas do passado para evitar o orgulho
presente e futuro". Temos que dizer com Santo
Agostinho: "Todo o bem que tenho é um presente
totalmente gratuito de Deus. A única coisa que tenho
são minhas fraquezas e o que fiz são meus males".
É necessário ter em mente uma verdade dita por
São Paulo, que pode nos libertar de muitos orgulho e

1
orgulho. É assim: "O que você tem que não recebeu?
E se você o recebeu, por que está tão orgulhoso como
se não o tivesse recebido?" (cf. 1Co4, 7).
Seja adequadamente avaliado.Cada um deve se
valorizar, separando claramente o que é seu e o que
ele recebeu livremente de Deus. E de acordo com
isso, considere quantas razões você pode se orgulhar.
Se você se qualifica dessa maneira, em vez de viver
com uma alma cheia de orgulho e vaidade, o que você
fará é viver humildemente agradecendo ao bom Deus.
Um olhar para o passado.Eu tenho que pensar
sobre o que eu era cem anos atrás. Nada puro. E não
havia nada que eu pudesse fazer sozinho para me
tornar algo. Você precisa me perguntar: o que seria
de mim se a misericórdia e o poder de Deus não
tivessem preservado minha vida? Se Nosso Senhor
me deixar por um momento, voltarei imediatamente a
nada. O apóstolo Santiago diz: "Somos fumaça que
aparece por um momento e depois desaparece" (SM,
14). E o santo Jó afirmou: "O ser humano é como uma
flor: brota e logo murcha e desaparece como uma
sombra que desaparece" (Jb 14, 2). Se este é quem
eu sou, como posso me dedicar ao orgulho e à
vaidade?
E, quanto às obras espirituais, devo pensar sobre
isso: que boas obras eu poderia fazer sem a ajuda de
Deus? São Paulo afirmou: "Não podemos fazer nada
sozinhos, mas nossa suficiência vem de Deus".

1
A memória dos erros cometidos.Se eu começar a
me lembrar da multidão de pecados que cometi, e
mesmo daqueles que eu poderia ter cometido se a
bondade de Deus não tivesse me defendido e me
ajudado, e não encontrarei em mim nada mais que
fraqueza, infidelidade, maus hábitos e inclinações
perversas. E essa memória deve me levar, me manter
humilde e agradecer infinitamente a Deus que me
perdoou tanto e que me livrou de tantos males.
A verdade e somente a verdade. Mas nesses
julgamentos que fazemos sobre nós mesmos, é
necessário não exagerar ou afirmar algo que não
esteja de acordo com a verdade.
Não quer dizer que tenhamos feito errado que
realmente não fizemos, nem que fizemos o que
realmente não fizemos. Mas se estivermos satisfeitos
com a verdade, já teremos o suficiente para nos
humilhar e não sermos cheios de orgulho vã. E para
não nos considerarmos superiores aos outros, não
somos.
Cuidado com a escravidão. Como realmente não
merecemos elogios, mas sim humilhação, é
necessário viver muito alerta para evitar ser dominado
por uma escravidão extremamente prejudicial que
consiste em viver pensando sobre "o que os outros
dirão sobre mim? Que bom nome terei diante dos
outros? O que você acha do meu curso? Tudo isso
pode ser orgulho, vaidade e desejo de aparecer bem.

1
Mas, não pareça humilde por orgulho.É
necessário aceitar humilhações e não querer
aparecer diante dos outros, mas isso não significa que
eles nos tenham como pessoas humildes, porque
então verificamos que estamos mostrando humildade,
mas por puro orgulho. "Túmulos alvejados", Jesus
chamou essa classe de indivíduos, acrescentando
que suas aparências são lindas como lápides
brilhantes de cemitérios, mas seu interior é horrível
como a podridão de uma sepultura.
E se eles nos derem honras?Às vezes pode
acontecer que as pessoas nos parabenizem e façam
elogios em nosso nome. Nestes casos, devemos
repetir a frase do salmista: "Não a nós, Senhor, não a
nós, mas ao teu nome, seja a glória" (Sl 115, 1). Ou o
que o profeta Daniel repetiu: "O Senhor Deus merece
toda a honra, e nós a confusão e a humilhação". E
voltando nossos pensamentos para a pessoa que nos
elogia e parabeniza, repitamos internamente o que
Jesus disse: "Somente Deus é bom" (Lc 18, 19) e
pensemos: "Essas pessoas me elogiam porque só
conhecem externamente minhas aparências de
bondade, mas se Eles me conheceriam como
realmente sou, certamente não falavam assim a meu
favor. Posso repetir com São Bernardo: "Sou
especializado em me vestir como uma boa pessoa, e
por isso me elogiam.

1
E se a memória das boas obras que fizemos vier
a nós?Às vezes, quando nos lembramos das boas
obras que conseguimos realizar, pensamentos de
vaidade podem vir até nós. Então devemos fazer o
seguinte raciocínio: "Tudo o que pude fazer do bem é
uma dádiva do bom Deus, uma generosidade de sua
infinita bondade. Não explico como, a partir deste
abismo de corrupção e iniqüidade que é minha
pessoa, esses Boas obras. Só posso repetir a frase
do Livro Sagrado: “Foi o Senhor quem fez isso.” E
com humildade e com uma língua de louvor,
repetimos as frases mais bonitas da Virgem Maria em
sua música: “O Senhor fez em mim maravilhas. Glória
ao Senhor "(Lc 1:49). Além disso, devemos pensar
que as boas obras que fizemos durante todo o curso
de nossa vida, não apenas eles não correspondem à
imensa quantidade de luz e ajuda que recebemos de
nosso Senhor, mas foram acompanhados por
grandes defeitos e imperfeições, e que talvez em
muitos casos faltasse a pureza da intenção de fazê-
las exclusivamente para a glória de Deus e bom das
almas. E se os examinarmos bem, talvez em vez de
produzir vanglória, eles nos encherão de confusão
quando vermos o quão melhor poderíamos tê-los feito
e como os manchamos com tantas imperfeições.
Uma comparação útil.Quando alguém pensa que
alcançou um alto grau de perfeição em uma arte, por
exemplo, música, basta ir a um concerto em que um
grande professor faz demonstrações de suas mais

1
altas qualidades artísticas. Ouvi-lo diminui muito a
crença do iniciante de que ele alcançou um grau muito
alto nesta arte. Isso pode acontecer conosco se
compararmos nossas boas ações com as dos santos.
Teremos então que repetir o que aquele grande
pregador disse: "Comparados em santidade e boas
obras com os grandes santos, não somos nada além
de galinhas molhadas e burros mortos". E o que
diremos se compararmos nossa virtude e nossas
boas obras com as de Jesus Cristo? Seria como
comparar um gorgulho insignificante a uma montanha
imponente.
E se nos compararmos a Deus?Com sua infinita
santidade. Com suas obras maravilhosas e seu
trabalho contínuo para todos, sua generosidade sem
limites, sua capacidade inesgotável de perdoar e sua
pureza total? Quem pode sentir orgulho se
comparando a Deus?
Não exponha os tesouros.Segundo a Sagrada
Escritura, uma vez que o rei Ezequias mostrasse aos
embaixadores da Babilônia todos os tesouros que
estavam em Jerusalém, e o profeta Isaías o alertou
que os babilônios, conhecendo tantos tesouros,
seriam cheios de ganância, eles chegariam,
roubariam todos eles e eles os levariam para a
Babilônia. E assim aconteceu (cf. 2R 13, 20). Algo
semelhante pode acontecer com aqueles que vivem
descobrindo diante dos outros as graças e os dons

1
que receberam de Deus, mas ostentam isso não para
fazer o bem às almas, mas para inflar seu próprio
orgulho. Os inimigos da alma vêm e roubam-lhe todos
os seus méritos e lucros que ele poderia ter
acumulado para o céu.
A base de tudo.Santo Agostinho repetiu: "Se
alguém quer alcançar a santidade, deve começar a
cultivar a humildade. Não porque essa seja a virtude
principal (já que a virtude número um é a caridade),
mas porque a humildade é a base mais segura para
a construção. o edifício da perfeição ". E quanto mais
cavamos a memória de nossas misérias e fraquezas,
e quanto mais descobrimos o fundo do nosso próprio
nada, mais o Arquiteto Divino colocará em nossas
vidas as pedras mais sólidas para construir o edifício
da perfeição. Nunca acreditamos que já conhecemos
perfeitamente nossa própria miséria e fraqueza. Bem,
se algo pudesse ser infinito nas criaturas humanas,
estaria em nossa fragilidade e fraqueza.
Um segredo.Para obter que Deus venha conceder
muitos triunfos, é necessário permanecer muito
humilde, porque Ele se distancia daqueles que se
levantam mais do que deveriam e se aproxima
daqueles que se rebaixam humilhando-se. Seus
favores e graças são como as águas das chuvas que
não ficam nos picos mais altos, mas descem para
descansar nos vales profundos. O que Jesus disse
será sempre cumprido: quem quer que seja colocado

1
no último lugar do banquete, o Senhor vem e o leva a
uma das posições principais (cf. Lc 14, 10).
Um favor a ser agradecido.Se Deus, em sua
infinita bondade, nos concede a graça de nos
acostumarmos a permanecer sempre em bom grau
de humildade, não paremos de agradecer a ele por
receber grande favor, pois assim nos assemelhamos
a Jesus Cristo, que é o Filho do Altíssimo e Senhor
dos Senhores. Ele se humilhou até lavar os pés de
seus apóstolos e até a morte e a morte na cruz. E é
por isso que Deus lhe concedeu imensa glória e um
nome diante do qual os céus, a terra e os abismos
dobram seus joelhos. E é que todo mundo que se
humilhar será exaltado.

1
Capítulo 31

POUCOS LUTOS PARA CADA DIA


Quem deseja conquistar a santidade nunca pode
parar de lutar contra tudo o que se opõe à perfeição.
O primeiro e mais frequente combate que ele terá que
sustentar no dia a dia estará atacando suas paixões,
especialmente aquelas que mais atacam sua alma, e
tentando alcançar pouco a pouco, mas sem se cansar
ou desanimar, as virtudes contrárias à sua maus
hábitos, paixões e inclinações impróprias. E não
esqueça que as virtudes e paixões estão tão ligadas
entre si que, quando uma virtude progride, as outras
também crescem e, quando uma luta contra um vício,
as outras também diminuem.

1
Não defina prazos.Algo que pode preencher com
desejos e ilusões é estabelecer prazos para adquirir
uma virtude ou superar um vício ou mau hábito. Nisso,
o importante não está em quanto tempo a vitória é
alcançada, mas em não parar de lutar, embora os
sucessos alcançados não sejam muito rápidos e
perceptíveis. Deus não apenas recompensa as
vitórias alcançadas, mas sobretudo os esforços feitos
para obtê-las. Nosso dever não é alcançar a perfeição,
mas lutar continuamente por ela.
Não pare. Na luta contra as más tendências, é
necessário não sair um único dia sem fazer algo para
progredir na virtude, porque nisso acontece como
aqueles que estão remando rio acima: se soltarem os
remos por um momento, a corrente os levará embora.
Nunca acredite que já chegamos.Se alguém
imagina que já alcançou o grau de perfeição e
santidade que Deus deseja de cada um, está
totalmente errado. Isso levaria a não aproveitar as
novas oportunidades que surgem todos os dias para
praticar a virtude e rejeitar o mal, porque ele imagina
que é isso que deve fazer.
Uma figura ideal.Uma pessoa muito espiritual via
em um sonho um caráter maravilhoso, praticando as
virtudes mais excelentes e lutando bravamente contra
tudo o que se opunha à santidade e com uma alma
verdadeiramente bela e admirável. E com grande
emoção ele perguntou: "Quem é? Quem é? E uma

1
voz celestial lhe disse:" Era isso que Deus queria que
você se tornasse. Pena que você ainda está tão longe
do que Nosso Senhor quer que você seja. ”Ele
acordou suspirando de decepção, mas decidiu não
parar de trabalhar dia a dia para alcançar sua
perfeição, porque percebeu a que distância ainda
estava da verdadeira santidade. Até onde vou
pessoalmente? Eu ficaria aterrorizado se soubesse.
Não perca nenhuma chance.De alguém que
sofreu uma ofensa e explodiu em gritos e
reclamações, disse seu diretor espiritual: "Que pena.
Ele perdeu a chance de ficar quieto e ganhar um
grande prêmio pela eternidade!" Que isso não pode
ser dito de nós a qualquer momento. Pelo contrário,
devemos aproveitar ao máximo todas as
oportunidades que surgirem para praticar qualquer
uma das virtudes, seja paciência, silêncio, humildade,
caridade, alegria, piedade, perdão, etc.
E vamos fugir com medo de todas as ocasiões
para pecar. Fuja, sempre fuja, porque a sedução ou
atração pelo mal é de todas as forças que mais
arrasta, e até as pessoas mais fortes são levadas pelo
vento como uma folha.
Pratique as pequenas virtudes.Existem algumas
virtudes ou costumes de fazer o bem que não são de
grande aparência, mas que se praticadas todos os
dias progridem admiravelmente na santidade, sua
prática e exercício não prejudicam o corpo. Assim, por

1
exemplo, ser gentil e ter um bom relacionamento com
os outros, falando bem de todos e nunca ruim de
ninguém, fazendo pequenos favores, prestando
serviços humildes; a pontualidade de acordar de
manhã e chegar a qualquer lugar a tempo e tentar não
se atrasar para nenhuma de nossas obrigações;
Gastar alguns minutos por dia lendo algumas páginas
de um livro espiritual, mesmo que nos custe um
pequeno sacrifício (um sacrifício que Deus saberá
recompensar muito bem nesta vida e na eternidade),
sabendo como permanecer calado nas horas em que
é melhor fique quieto que fale; sempre mostrando
uma cara feliz, embora na alma ou no corpo haja
sofrimentos; orando para que Deus abençoe aqueles
que nos ofenderam; freqüentemente lembrando os
favores de Nosso Senhor e dando graças; parar de
comer algo que nos atrai e gosta muito etc. Talvez
sejam pequenas virtudes, mas pode acontecer com
elas como as areias do mar que são tão pequenas,
mas juntas formam uma parede que não permite que
as ondas destrutivas que tentam inundar a Terra
passem. E essas ondas podem ser nossas paixões e
tentações. mas pode acontecer com eles, como as
areias do mar, tão pequenas, mas unidas, todas elas
formam um muro que não permite a passagem das
ondas destrutivas que tentam inundar a terra. E essas
ondas podem ser nossas paixões e tentações. mas
pode acontecer com eles, como as areias do mar que
são tão pequenas, mas unidas, todas elas formam um
muro que não deixa passar as ondas destrutivas que

1
tentam inundar a terra. E essas ondas podem ser
nossas paixões e tentações.
Concentre todos os esforços no mesmo ponto.
Um sábio antigo afirmou: "Espero muito daqueles que
concentram todos os seus esforços na conquista de
uma única virtude ou na derrota de um único vício.
Eles obterão resultados admiráveis". Vamos
concentrar todos os nossos pensamentos, todos os
desejos, esforços e orações que fazemos, para tentar
combater algum defeito determinado e obter a virtude
ou qualidade oposta. Isso é extremamente útil e muito
agradável a Deus.
Assim como São Paulo disse: "Se você come, se
bebe ou se dedica a fazer qualquer outra coisa, faça
tudo pela maior glória de Deus" (1Co 10, 31), então
digamos sobre isso que estamos recomendando : Se
trabalhamos, descansamos, oramos, meditamos,
estamos em casa ou fora dela, sempre temos um fim
diante de nossos olhos e nossas intenções, para
realizar o movimento à vontade: lutar contra algum
defeito que nos domine e alcançar a virtude ou
qualidade oposta.
SACRIFICANDO DESEJOS INDESEJADOS
O filósofo oriental chamado Buda, que influenciou
tanto os povos da Ásia, sempre repetia para seus
discípulos: "Se você quer ter paz de alma e progresso
espiritual, precisa lutar sem compaixão contra todo

1
desejo indevido ou moderado e contra o que é apenas
buscar prazer (o prazer é o que produz satisfação
para os sentidos. Em vez disso, a alegria é o que
produz satisfação para o espírito.) Os vícios recebem
força e vigor de tudo o que produz prazer e deleite
para os sentidos. Evitando os últimos,
necessariamente os vícios estão enfraquecendo e
perdendo poder sobre a vontade e o espírito.

Cuidado com pequenas delícias


Um princípio que nunca falha na espiritualidade é que
quem não se mortifica em pequenas delícias também
não poderá se controlar quando chegarem as
atrações mais marcantes do prazer. Aqui é verdade o
que Jesus disse: "Quem não é capaz de ser fiel nos
pequenos não poderá ser fiel nos grandes" (Lc 19,17).
Embora pequenos prazeres não sejam uma culpa
séria ou ofendam a Deus, notoriamente, no entanto,
não poder fazer o sacrifício de se abster deles,
enfraquece a vontade e a prepara negativamente
para que, quando as grandes batalhas cheguem, não
seja mais capaz de resistir. Por exemplo, certas
demonstrações muito sensíveis de afeto: olhares
muito afetuosos, apertos de mão, pequenas carícias
no rosto, comer doces frequentes durante o dia,
andando curiosamente olhando ao redor, vivendo
curiosamente ouvindo notícias do mundo e fofocando
de outros, não sendo capaz de silenciar certas
experiências que vêm à mente etc. Tudo isso não

1
será uma grande ofensa a Deus, mas contribui muito
para enfraquecer a vontade. Nunca esqueçamos a
advertência de São Paulo: "Se vivermos dando prazer
às inclinações da carne, terminaremos muito mal.
Mas se, com a ajuda do Espírito Santo, restringirmos
os desejos do corpo, teremos uma vida plena" (Rm 8,
13) . Se vivermos gostando das inclinações da carne,
terminaremos muito mal. Mas se, com a ajuda do
Espírito Santo, restringirmos os desejos do corpo,
teremos uma vida plena "(Rm 8:13). Se vivermos
gostando das inclinações da carne, terminaremos
muito mal. Mas se, com a ajuda do Espírito Santo,
restringirmos os desejos do corpo, teremos uma vida
plena "(Rm 8:13).
Uma dica muito útil.Se alguém não fez uma
confissão geral por toda a vida, saiba que será de
grande benefício para você, por seu progresso
espiritual e pela paz de seu espírito, que você tenha
um pequeno livro que fala sobre como fazer uma boa
confissão e leia-o lentamente. duas ou três vezes, e
depois encontre um padre muito espiritual e
compreensivo e confesse todos os pecados que você
se lembra da sua vida. Você verá quão profunda será
uma alegria. É o começo de uma nova etapa da sua
vida em zero pecados. É um "borrão e nova conta". E
peça ao confessor que também lhe conceda
absolvição por todos os pecados que foram
esquecidos ou que não foram confessados. Então, o

1
que Jesus disse será cumprido: "Todo aquele que é
perdoado de pecados é perdoado" (Jo 20:23).
Pedir isso é como repetir o que o salmista implorou
ao Senhor: "Ó Deus: perdoa-me os pecados que
estão escondidos de mim" (Sl 18). E Cristo nos dirá o
que disse ao paralítico e ao pecador: "Seus pecados
estão perdoados". Que melhor você pode nos dizer?
Será a mais reconfortante de todas as suas notícias.

QUEM É FIEL NO POUCO, TAMBÉM ESTARÁ


NO LOTE (LC
16,10)

Capítulo 32

HÁ SIM DO QUE ESTEJA SATISFEITO COM


ADQUIRIR POUCO PARA POUCO AS
VIRTUDES E EXERCÍCIO PRIMEIRO EM UMA
VIRTUDE E ENTÃO EM
OUTRA
Um erro de iniciante. Muitas pessoas, quando
começam seu esforço para adquirir santidade e lutar
contra os inimigos de sua perfeição, caem em um erro

1
que pode causar-lhes um grande dano, e consiste em
propor, com um fervor indiscreto e exagerado de
espírito, adquirir todas as virtudes de uma só vez. e
abandonar para sempre todos os defeitos e vícios. E
como isso não é possível de forma alguma, então o
desânimo vem e eles são preenchidos com desânimo.
Esqueceram o que o sábio Salomão repetiu tanto:
"Quem abraça muito, pressiona pouco".
Pouco a pouco. Os camponeses dizem: "De grão
em grão, a galinha preenche a colheita" e algo
semelhante acontece na alimentação da alma para
obter santidade. É necessário contentar-se em
crescer pouco a pouco na perfeição. É assim que
plantas, animais e seres humanos crescem: quase
sem que ninguém perceba, mas se esse crescimento
for contínuo, são alcançados resultados muito
satisfatórios.
Por exemplo: alguém quer ter paciência. Não que
hoje ele vá para a cama sendo um maldito e amanhã
ele se levante já possuindo a paciência de São Jó.
Não. Fingir que isso seria querer colher maçãs de um
arbusto de cebola. Havia um homem que estava com
tanta raiva que ele até matou um inimigo. E é dito
desse indivíduo que, após 40 anos de intenso
trabalho para obter paciência, ele se tornou o homem
mais humilde e humilde de seu tempo. Seu nome era:
Moisés, o libertador de Israel. Mas ele não era
paciente em uma semana ou um mês. Aqui o que

1
Jesus disse continua: "Com a perseverança deles,
eles serão salvos". Os que perseverarem serão os
vencedores (Mt 24, 13).
Apenas uma virtude de cada vez. Muitos
tentaram se dedicar ao cultivo de todas as virtudes ao
mesmo tempo e terminaram sem força e sem espírito.
Eles não se lembraram do princípio de combate que
os famosos guerreiros romanos tinham: "Divida-os e
ele os vencerá". Um por um, os inimigos da santidade
podem ser vencidos. Uma a uma, as virtudes são
alcançadas. Mas todos eles são pesados demais para
nós, para nossos ombros fracos.
Repita, repita, que algo permanece. Temos que nos
estabelecer todos os meses e todos os anos para
cultivar alguma virtude especial e determinada de que
precisamos. O Espírito Santo, se o pedirmos, nos
esclarecerá qual deve ser a virtude que pretendemos
adquirir com maior cuidado do que os outros. E sobre
essa virtude ou qualidade, temos que repetir e repetir
boas ações até que elas se tornem um hábito. Porque
isso é uma virtude: o hábito de fazer certas boas
ações. Assim como o cérebro de repetir alguns
ensinamentos os torna um fosso e há para sempre
gravado o que foi aprendido pela repetição, assim, no
desejo de repetir tantos bons atos, um gosto e
facilidade são formados para repetir esses mesmos
atos. E digamos novamente: é nisso que consiste
uma virtude: adquirir o hábito de fazer certos atos.

1
Motive-se. Os santos dizem que não é necessário
afirmar que as pessoas não querem fazer certas boas
obras, mas sim dizer que o que acontece com essas
pessoas é que elas não as motivaram o suficiente
para se dedicarem a essas boas obras. É isso que
acontece com a nossa vontade. Pode ser que o que
está faltando a motive mais sobre o quanto
ganharemos se nos dedicarmos à virtude que
queremos praticar. Veremos que, se motivarmos a
vontade, estará mais inclinado a adquirir essa virtude.

Capítulo 33

PARA ALCANÇAR UMA VIRTUDE QUE


VOCÊ PRECISA AMAR E ESTIMATIVA
MUITO
Na filosofia, esse princípio é ensinado: "Ninguém
ama o que não sabe. Ninguém está entusiasmado
com o que não aprecia". Portanto, se queremos ter
alguma virtude ou excelente maneira de trabalhar, é
necessário que promovamos em nossos corações um
grande amor por essa virtude e que, no cérebro,
tentemos formar uma verdadeira admiração por essa
qualidade. Se conseguirmos isso, a vontade se
moverá e tentará resolutamente alcançá-la, e
esforçar-se para superar as dificuldades que surgem
e corajosamente suportar as penalidades e

1
contratempos que a conquista da referida virtude
exige.
Ganho duplo. Acontece que, se ficarmos
entusiasmados com uma virtude e trabalharmos para
alcançá-la, juntos alcançaremos outras virtudes,
porque elas são altamente unidas uma à outra e o que
é feito em favor de uma resulta em favor de outra, e o
trabalho que é Faz para alcançar uma virtude, serve
muito, como uma preparação para adquirir várias
outras qualidades. Assim, por exemplo, aqueles que
se esforçarem para obter paciência com isso também
obterão bondade, e aqueles que se exercitarem com
humildade alcançarão simultaneamente mansidão. E
praticando a mortificação, a virtude da castidade é
admiravelmente adquirida. Cada virtude que cresce e
é aperfeiçoada, por sua vez, aperfeiçoa outras
virtudes. E, portanto, vencemos enormemente toda
vez que tentamos crescer e progredir em alguma
virtude.

CULTIVAR AFEÇÃO E ADMIRAÇÃO


É especialmente importante que tentemos aumentar
nossa afeição e inclinação em relação à virtude que
desejamos alcançar ou aumentar. Esse afeto e
admiração são alcançados com o pensamento
frequente de quão agradável é essa virtude para Deus,
quão bela e excelente é em si mesma, e quão útil e

1
lucrativa é para quem a pratica. Por isso, ajuda muito
ler alguns escritos que refletem sobre essa virtude.
Assim, São Bernardo ficou muito entusiasmado com
a virtude da generosidade em dar esmolas ao ler os
maravilhosos sermões de São João Crisóstomo e
São Basílio sobre os enormes frutos que são
alcançados ao ajudar os necessitados.
Milhares e até milhões de pessoas conseguiram
preservar a santa virtude da pureza, ou recuperá-la
se a tivessem perdido, ouvindo a grandeza e
maravilhas dessa virtude explicada, ou lendo escritos
que a elogiam e apresentam seu grande valor. .
Faça um plano de combate. Todas as manhãs, você
deve se perguntar: O que vou fazer hoje para crescer
nesta virtude que me propus a alcançar este ano?
Que perigos podem me ser apresentados hoje?
Como posso vencê-los ou evitá-los? É necessário
concentrar todas as forças (físicas, emocionais e
espirituais) e focalizá-las na conquista dessa virtude.
Isso produz uma força irresistível. É muito
conveniente colocar todo o coração, isto é, toda a
nossa personalidade a serviço da concussão da
virtude que desejamos obter. Torna-se impossível
para as pessoas adquirirem certas virtudes, não
porque não têm capacidade para obtê-las, mas
porque não têm uma consagração total e
perseverante ao esforço para alcançá-las. Aqueles
que apenas com o coração e com relutância

1
alcançam o bem que desejam, não alcançam
resultados verdadeiramente positivos. O que
desejamos intensamente, se é para o nosso bem,
mais cedo ou mais tarde, podemos obtê-lo da
bondade de Deus. Os sábios dizem: "Cuidado com o
que você quer, porque se lhe convém, você o
receberá", se você não se cansar de tentar obtê-lo.
Procure por modelos. Para adquirir uma virtude, é
muito conveniente procurar exemplos de pessoas que
a praticaram. Aqueles que desejam ter sucesso em
uma profissão aproveitam a leitura de biografias e
estudam a vida de pessoas que praticaram essa
profissão com sucesso. E o mesmo acontece com as
virtudes. E que modelos melhores do que a vida de
Jesus e dos santos? Portanto, se a virtude que você
deseja alcançar é pureza ou castidade,
E se se trata de alcançar a virtude da paciência,
pensemos nos exemplos de São Jó que, quando
perdeu todos os seus bens e sua saúde, não pecou
com a língua e disse: "Deus me deu", Deus me tirou,
bendito seja Deus. E, acima de tudo, no admirável
exemplo de Nosso Senhor Jesus Cristo, em Sua
Santíssima Paixão e Morte, que aceita todos os
sofrimentos que os oferecem para a salvação das
almas, e fica calado quando inventa a mais terrível
calúnia: e quando cometem contra ele a injustiças
mais assustadoras Quem não gostaria de sofrer com

1
paciência em silêncio, depois de meditar exemplos
tão sublimes?

UM RECURSO PRODIGIOSO
A experiência de muitos séculos ensinou que um
dos meios mais lucrativos que existe para se
apaixonar por uma virtude e se empolgar em praticá-
la é lembrar as frases da Bíblia Sagrada que falam a
favor dessa virtude. Os grandes mestres espirituais
aconselham a copiar várias dessas frases e, espero,
aprender algumas de cor e recitá-las com frequência
até que se tornem parte de nosso crédito intelectual.
Por exemplo: se a virtude que queremos possuir é a
fé, podemos lembrar frases como estas: "Como é a
sua fé, assim serão as coisas que acontecerão com
você" (Mt 15:28). Se eles tivessem fé como um grão
de mostarda, diriam a esta montanha que se mudasse
daqui e fosse para o mar, e ela os obedeceria (Mt
17:20). Tenha fé em Deus. Tudo o que você pedir em
oração, acredite que você já o alcançou, e você o
alcançará (Mc 10:24) Tudo é possível para quem tem
fé (Mc 9:23). Por que tenham medo, pessoas de
pouca fé? (Mt 8, 26). É um exercício verdadeiramente
proveitoso e agradável continuar procurando nas
Sagradas Escrituras outras frases que falam sobre fé
ou outras virtudes. Encontraremos tesouros e
progrediremos espiritualmente.

1
Se o que estamos tentando alcançar é paciência,
lembremos, por exemplo, as seguintes frases: "A
pessoa que tem paciência vale mais do que aquela
que consegue dominar uma cidade" (Pv 16, 32). Com
paciência, eles salvarão sua alma (cf. Lc 21, 19). Um
dos sinais para ser um bom apóstolo é ter muita
paciência (cf. 2Co 12, 12): A caridade é paciente. (cf.
1Co 13).
JACULATÓRIO. Nas guerras antigas, eles eram
chamados de "jácula" ou algumas flechas acesas que
foram lançadas para espalhar incêndios ou transmitir
mensagens em pleno combate. Esperamos que
essas pequenas frases das Sagradas Escrituras
sirvam como ejaculações, ou flechas acesas que
enviamos ao céu para levar nossas mensagens a
Deus, pedindo sua ajuda e proteção para conseguir
que em nossa alma um verdadeiro fogo de amor e
entusiasmo sobre as virtudes que queremos alcançar.

Capítulo 34

QUE NO COMBATE ESPIRITUAL, NÃO


AVANÇAR É VOLTAR, E NÃO CRESCER É
DIMINUIR
Na luta para adquirir as virtudes, devemos sempre
ter em mente o lema dos grandes educadores da

1
personalidade: "No sentido espiritual, não avançar é
regredir e aqueles que não crescem ficam
empequenecidos.
O Papa São Gregório Magno repetiu: "Lembremos
que, para melhorar, se não avançarmos, recuamos
em direção ao abismo e, se pararmos pelo caminho,
acontece como a esposa de Ló:" nos tornamos
estátuas eles não crescem mais ".
Cuidado com as múmias. As múmias ou cadáveres
secos encontrados no Egito e em outros lugares
passaram séculos e séculos sem crescer uma
polegada. Como eles os deixaram quando os
embalsamaram, agora eles estão depois de tanto
tempo. Algo semelhante pode acontecer com aqueles
que param de lutar para progredir na virtude e diminuir
seus defeitos e pecados. Há pessoas que parecem
ter lançado suas virtudes, seus defeitos, suas
qualidades e suas más inclinações no gelo, depois de
anos e anos permanecem como estavam no início de
sua vida espiritual. Que pena! Aconteceu com eles
como múmias. É verdade que eles não apodreceram,
mas também não tiveram crescimento. E não crescer
espiritualmente é diminuir.

1
O EMPREGADO QUE NÃO UTILIZOU
O TALENTO
Para aqueles que param de lutar e se esforçam para
melhorar e crescer em virtude, pode acontecer o que
Jesus disse que aconteceu com o empregado
preguiçoso que recebeu um talento. Essa parábola do
empregado preguiçoso é um convite à atividade, ao
desafio. Quando Jesus diz que o funcionário que não
trabalhou seu talento foi punido, ele não anuncia
nenhuma injustiça por parte de Deus, mas alerta
seriamente que cada um será exigido de acordo com
sua capacidade de agir. Mesmo que alguém acredite
que as capacidades que recebeu são muito poucas
(apenas um talento), lembre-se de que o funcionário
de talento também teria sido informado, como o dos
cinco talentos, "Venha e entre no Reino de seu
Senhor", se você se esforçar. por produzir o que ele
recebeu. Mas ele deu desculpas. Ele amava seu
próprio conforto mais do que o bem que ele poderia
ter feito e alcançado. A vida não estava amarga. Ele
demonstrou muito pouco interesse em produzir o que
havia recebido do Senhor, e Jesus o chamou:
"Empregado mau e preguiçoso". E esse mesmo
Jesus será nosso juiz. Que ele não precisa nos dizer
algo semelhante. Quem parar de trabalhar para
melhorar, deixará de receber muitas graças e ajuda
espiritual que chegariam do céu se ele se esforçasse
em lutar com entusiasmo para melhorar sua maneira
de trabalhar.

1
Quem parar fica com frio. Quando subimos uma
montanha íngreme e começamos a descansar na
beira da estrada para descansar, o guia nos diz:
"Cuidado, se eles pararem, ficam com frio e perdem o
entusiasmo". O mesmo é verdade no caminho
espiritual. Deixar de subir traz muita perda de espírito
e um resfriamento muito prejudicial ao espírito.
A prática produz felicidade. Um grande ator disse
que se ele parasse de ensaiar por alguns dias, seus
ouvintes perceberiam ou pelo menos ele próprio
perceberia. Em vez disso, muitos artistas declaram
que trabalhar todos os dias para progredir em sua
própria arte produz um gosto ou um gosto. , uma
instalação e um progresso que os admira. O mesmo
acontece em virtude. Se trabalharmos dia a dia para
fazer algo pela virtude que estamos tentando alcançar
e contra o vício que queremos evitar, alcançaremos
uma facilidade muito reconfortante para crescer no
bem e conseguir fazê-lo com maior prazer e lucro.
Muitas tristezas e dificuldades que estavam no início
deste trabalho espiritual difícil serão diminuídas até
que desapareçam, com base na prática,
Vamos realmente fazer isso agora?

VOCÊ VIU ALGUÉM QUE TRABALHA PARA


CONCLUIR O QUE DEVE FAZER? NÃO
PERMANECERÁ ENTRE OS ÚLTIMOS.

1
ESTARÁ ENTRE O PRIMEIRO (Provérbios)

Capítulo 35
VOCÊ DEVE SE EXPOSTAR PARA LUTAR
PARA ADQUIRIR CORAGEM,
AGILIDADE E FORÇA DA VONTADE
Nenhuma qualidade cresce, mas é exercida, e
muitas qualidades são diminuídas e enfraquecidas
pela falta de exercício. Portanto, é necessário não
perder nenhuma oportunidade que surgir para
exercer qualquer virtude. E tenhamos cuidado para
não fugir daquelas ocasiões que são contrárias às
nossas más inclinações, porque nessas ocasiões é
possível alcançar grande crescimento e perfeição nas
qualidades e virtudes que queremos cultivar e
alcançar.
Uma exceção. A única coisa que não podemos e
nunca devemos nos expor a ocasiões é o que se
refere à santa virtude da pureza ou castidade.
Naquele que está exposto cai irremediavelmente. É
inútil colocar um pedaço de papel perto de uma
chama ardente e dizer: "Não quero que queime". Não
importa quanta força de vontade tenhamos, o papel
acenderá. As paixões impuras são tão escravizadoras
e ofuscantes que nos derrotam toda vez que nos
expomos à ocasião do pecado. Nesse campo, existe

1
apenas uma solução: fugir, fugir, fugir do perigo. Mas
em outras virtudes podemos nos expor ao ataque. Por
exemplo.
Paciência. Eles falam de uma santa muito famosa
que, quando ela foi ao hospital para cuidar dos
doentes, pediu que lhe permitissem cuidar dos mais
ingratos, nojentos, rudes e mal-humorados, porque
assim ela poderia se exercitar mais em virtude da
paciência. E é que ninguém crescerá em paciência se
não houver alguém que o ofenda e faça o contrário.
Jesus foi criado para crescer mais em santidade por
aqueles que o insultavam, batiam nele, cuspiam nele,
açoitavam e crucificavam, do que aqueles que
cantavam "Hosana" para ele. Porque aqueles que o
ofenderam lhe permitiram praticar heroicamente a
santa virtude da paciência. Se não aceitamos lidar
com pessoas que nos tratam mal, como vamos
adquirir a virtude da paciência?
Os negócios cansados. Uma das maneiras mais
práticas de aumentar a paciência é aceitar negócios
cansativos e monótonos, ocupações desconfortáveis,
com superiores ou colegas que nos tratam mal e nos
dedicar a essas tarefas com alegria e perseverança.
Que ter que fazer as mesmas atividades exaustivas e
pouco atraentes todos os dias, nas mesmas horas, é
o que o Evangelho chama: "A cruz de todos os dias"
(Lc 9:23). E se não nos resignamos a aceitar esses

1
empregos, nunca aprenderemos a sofrer
pacientemente.
As humilhações. Ninguém chega à humildade, mas
tem alguém para humilhá-lo. Por isso, um grande
místico disse que tinha compaixão pelas pessoas a
quem todos os tratavam extremamente bem e
ninguém os tratava mal, porque, como então eles são
humildes se não recebem humilhações de ninguém?
Oh: quanto nosso Redentor cresceu em humildade
quando comparado ao assassino Barrabás e as
pessoas preferiram aquele criminoso diante de Jesus,
e quando ele foi coroado como rei da zombaria, andou
pelas ruas vestidas de louco e crucificado entre dois
ladrões , deu um tapa, cuspiu e desprezado com as
piores provocações. Não é de admirar que Santo
Inácio de Loyola tenha dito: "Se ninguém me humilhar
no lugar em que moro, vestirei-me loucamente e
passarei pelas ruas para que as pessoas me
humilhem e me insultem, para que eu possa praticar
a virtude da humildade". Não vamos fugir daqueles
que nos humilham. Seu tratamento nos santifica.
O incipiente lutador. Quando um soldado começa a
treinar para a guerra ou um lutador olímpico começa
a se preparar para sua futura liderança nos estádios,
eles o treinam com outros lutadores que são mais
veteranos do que são e com mais técnicas e
habilidades. Sofrem quedas, derrotas, golpes e até
lesões e, às vezes, parece que nunca conseguirão ter

1
sucesso, mas treinam, treinam e adquirem tanta
facilidade para lutar que, quando menos pensam que
são vitoriosos. Portanto, em virtude: se não nos
cansarmos e pararmos de treinar, um dia faremos
parte do grupo de vencedores.

NÃO É O QUE SEMENTE


NÃO É NADA OU CULTIVANDO.

É CRISTO QUE DÁ OS FRUTOS E A COLHEITA


(São Paulo)

Capítulo 36

PARA APRENDER AO SUCESSO, VOCÊ


DEVE ACEITAR AS OCASIÕES QUE
COMEÇAM A COMBATER E NÃO
DIVULGAR-SE DO QUE DIZ CONTRA AS
NOSSAS INCLINAÇÕES
Para aprender a ter sucesso na virtude, não basta
expor-se ao combate, mas você também deve aceitar
e até com alegria as coisas que se opõem às nossas
inclinações, sabendo que quanto mais dolorosas e

1
dolorosas elas são, mais lucrativas elas se tornarão.
seja para o nosso avanço espiritual. E se implorarmos
constantemente a graça e a ajuda de Deus, nada
parecerá impossível de suportar e tudo funcionará a
favor de nossa perfeição.
Duplo efeito da oração. Quando pedimos a Deus
que nos conceda uma virtude, também estamos
pedindo que ele nos conceda os meios para obtê-la,
se ficarmos chateados porque ele nos envia esses
meios, então já estamos fazendo uma oração inútil,
porque, por um lado, pedimos uma virtude e, por outro,
não queremos que nos seja concedido o modo de
colocá-lo em prática. Assim, por exemplo, quando
pedimos a virtude da paciência, é mais provável (ou
talvez não) que Deus nos envie sofrimentos,
contratempos, ofensas às pessoas, dureza no
tratamento que elas nos dão, aversões e outros meios
que aumentam muito a paciência. E se pedirmos a
Nosso Senhor que nos conceda a virtude da
humildade, certamente Ele permitirá que humilhações
e tratamentos severos cheguem até nós, e até
fraquezas que nos desacreditem um pouco. É que
sem humilhação nunca seremos humildes e sem
contratempos nunca adquiriremos paciência. Muitas
das virtudes mais admiráveis são o resultado das
adversidades que Deus permite que venham a nós,
que se sofreram ao aceitar a vontade do Senhor,
contribuindo maravilhosamente para formar em nós
as virtudes de que mais precisamos.

1
Domine-se no pequeno. Todo diretor espiritual que
é verdadeiramente sábio insiste que as grandes
virtudes são alcançadas mortificando a vontade em
pequenas ocasiões em detalhes quase insignificantes,
porque as vitórias que obtemos contra nós mesmos
em grandes ocasiões são mais gloriosas, mas
aquelas que Chegamos em pequenas ocasiões são
incomparavelmente mais frequentes.
Aceite o que acontece. Devemos partir de um
princípio ensinado por São Paulo e nunca nos
cansaremos de repetir: "Tudo acontece para o bem
daqueles que amam a Deus" (Rm 8:28). Todas as
coisas que acontecem neste mundo são permitidas
por Deus para nosso benefício, utilidade e lucro. No
final de nossa existência, veremos como Deus
escreveu diretamente com linhas tortas, e o que nos
parecia ser para o nosso mal acabou sendo para o
nosso bem.
Aceite o que Deus permite. Alguém dirá: mas como
é que o que é mau e pecaminoso provém de Deus, se
Ele odeia a iniquidade e o mal? Certamente, isso não
vem de Deus, mas Deus permite. Ele poderia muito
bem fazer isso não acontecer. Mas ele permitiu que
isso acontecesse conosco e ele nos ama
imensamente, por algo que ele permitirá que isso
tenha acontecido conosco. Aqueles que tomaram
suas propriedades eram ladrões e aqueles que
mataram seus empregados eram assassinos, mas ele

1
não se dedicou a culpá-los, mas exclamou: "Deus os
deu para mim, Deus os tomou para mim, bendito seja
ele Deus". Aqueles que crucificaram e açoitaram
Jesus eram maus, mas Ele disse: "Pai, se não for
possível que esses sofrimentos se afastem de mim,
não faça o que eu quero, mas o que você quer". Não
diz: "O que Pilatos quer, ou o que Caifás quer, mas"

E SE OS ATAQUES VEM DO QUE


FAVORECEMOS?
Alguns dizem: "Aceitaria com paciência que fui
ofendido e severamente tratado por pessoas a quem
não fiz nenhum favor. Mas o que não posso tolerar é
que as ofensas e o desprezo são cometidos por
pessoas que eu favoreci e ajudei. " Nesta situação,
devemos lembrar quem foram alguns dos que
ofenderam a Jesus. Por exemplo, Judas, alguém que
por três anos o vira dar o salto coxo, o mudo cantar,
o cego ver e o possuído ser libertado. Ele ouvira
Jesus os sermões mais bonitos e comoventes que
foram entregues no mundo e testemunhou dia após
dia e hora a hora qual é a vida e o comportamento de
um ser totalmente santo. E o que fez esse homem que
havia recebido do Redentor a maior honra da terra:
ser um dos seus 12 apóstolos? Bem, venda por 30
moedas e entregue com um beijo traiçoeiro.
E Pedro?Ele negou três vezes com um juramento.
E quando foi isso? A noite em que ele recebeu a
Primeira Comunhão do próprio Jesus; Na mesma

1
noite em que fora ordenado sacerdote. Ele, que
recebeu a imensa honra de ser nomeado chefe da
Igreja e visível substituição do próprio Cristo, quando
deixou de ser visível ao povo. E o que Jesus disse a
essa ingratidão? Bem, nada menos que este sublime:
"Pedro: Eu orei por você ... Se você me ama ...
Alimente minhas ovelhas. Alimente meus cordeiros".
Nesses dois casos, Jesus foi capaz de repetir o que
o Salmo 55 diz: "Se um inimigo me atacasse, tentaria
me esconder dele. Mas você é meu companheiro,
meu amigo e confidente, a quem me uni por uma doce
intimidade. juntos, passamos pela agitação pela casa
de Deus ". Se aconteceu ao Filho de Deus que seus
amigos mais íntimos falharam com ele, o que
diríamos que somos pecadores miseráveis? Muito
mais merecemos, pelos nossos males!
O que eu não gosto é que as ofensas são
cometidas por pessoas muito pecadoras.Há
pessoas que protestam que o sofrimento lhes chega
de pessoas muito adversas a Deus, e exclamam que
isso não pode vir da Vontade de Nosso Senhor,
porque Ele odeia aqueles que vivem agindo mal. Mas
lembramos quem foram os que atacaram Jesus: o
mesmo Satanás que o levou à parte mais alta do
templo para propor que ele se lançasse de lá por
orgulho e vaidade. Herodes, impuro e escandaloso,
que o vestiu de loucura e zombou dele. Caifás e Anás
eram invejosos e gananciosos, que odiavam com

1
todas as suas almas. Se Jesus aceitou os sofrimentos
que vieram de pessoas tão más, também não vamos
aceitar os sofrimentos que vêm a nós de pessoas que
são mais fracas que o mal?
E as tentações?Algo que certamente não
gostaríamos de ter e nunca são tentações,
especialmente aquelas que mais nos humilham.
Aqueles sentimentos indescritíveis que não somos
capazes de fazer com que não cheguem até nós.
Nesse caso, é preciso coragem, paciência e
resignação para não protestar contra o que está
acontecendo conosco. E lembre-se do que Deus lhe
respondeu. E lembre-se do que Deus respondeu a
São Paulo quando este apóstolo lhe implorou com
tanta insistência para remover dele aquele "aguilhão
da carne que lhe deu um tapa". O Senhor disse-lhe:
"Minha graça e minha ajuda são suficientes para você.
Porque na fraqueza meu poder brilha melhor" (cf. 2Co
12, 9).
Certas tentações nos fazem progredir mais em
humildade e paciência do que muitos sermões, e eles
nos persuadem infinitamente do que Jesus disse:
"Sem mim eles não podem fazer nada". A tentação
não nos torna mais fracos, mas descobre como
somos miseráveis e fracos ... E se Deus não vem com
sua ajuda muito especial, teremos que repetir com o
salmista: "Antes de sofrer tentações, eu disse: 'Não
hesitarei mas você retirou sua mão, Senhor, e caiu no

1
abismo mais profundo. " Parodiando o que São Jó
exclamou, vamos repetir em tempos de tentação: "Se
recebermos de Deus os bens que nos confortam, por
que não aceitar também as tentações humilhantes
que Ele permite que venham até nós". Deus sabe
como extrair bens, mesmo dos mesmos males.

Tudo acontece para o bem daqueles que


amam a Deus (Rm 8) CAPÍTULO 37

VANTAGEM DE CADA OCASIÃO PARA


CRESCER EM TODAS AS VIRTUDES
Os comerciantes adultos aproveitam até as
menores oportunidades que lhes são apresentadas
para obter lucros e, assim, aumentar seu capital.
Deveríamos fazer algo semelhante em relação às
virtudes: não deixar surgir nenhuma oportunidade,
sem obter algum ganho em alguma virtude, e assim
aumentar nossa santidade e o prêmio pela eternidade.
Um principal e muitos secundários.Temos
insistido que, em cada período da vida, devemos
buscar alcançar alguma virtude, colocando em sua
conquista um esforço maior do que o dedicado aos
outros, porque estamos precisando dessa virtude
mais do que os outros. Mas isso não significa que
paramos de tentar crescer em todas as outras

1
virtudes. É necessário agir como bons estudantes que
pretendem se especializar em uma determinada
ciência, que é a que mais os servirá em sua futura
profissão, mas, portanto, eles não param de estudar
várias outras ciências.
Alguns exemplos.Suponha que você nos critique por
uma boa ação que fizemos com boas intenções. Esta
é uma boa oportunidade para praticar a virtude da
justiça da intenção, que consiste em se preocupar
apenas com o que Deus pensa, e não com o que as
pessoas pensam. Ou eles nos dão uma correção com
palavras ásperas e até ofensivas, ou negam-nos fria
e duramente um favor que pedimos. Que boa ocasião
para praticar a virtude da humildade! E se uma
comida é desagradável ou desagradável e a comida
não é do nosso agrado e é escassa e mal preparada,
ou servida com relutância ... ocasião maravilhosa
para praticar a virtude da temperança ou mortificação.
E quando qualquer dor ou doença chega até nós, que
melhor ocasião para cultivar e cultivar a virtude da
paciência?
E o que devemos pensar então?Suponha que
sejamos maltratados ou que algo desagradável nos
aconteça. Pensemos então: "Não há punição que
possa ser igual à minha culpa. Muito mais é o que eu
mereço por tantos males que cometemos". Quando
uma pessoa pobre pede esmola e não sentimos muito
desejo de dar, lembre-se do que o Livro de Provérbios

1
diz: "Quem dá aos pobres empresta a Deus e Deus
volta", e pensamos: vou dar a isso pobre, e o bom
Deus saberá como devolver tudo multiplicado. Se
tivermos dificuldades e as coisas acontecerem de
maneira muito diferente do que queríamos, pensemos:
"Em nosso Senhor, aquele que permitiu que esses
males acontecessem comigo. Ele me ama e se ele
permite que eles aconteçam, é certamente porque ele
receberá um muito bom. "
A mosca e o leite.Camponeses relatam que duas
moscas caíram em um copo de leite. Um ficou
desanimado e deixou-se afogar, mas o outro chutou
e moveu tanto as pernas que ele conseguiu formar
creme e sentou-se no creme e conseguiu sobreviver.
Então nós: quando os momentos difíceis e amargos
chegarem, podemos ter duas maneiras de agir: uma:
desanimar e nos permitir ser derrotados. O outro,
tentando tirar o máximo proveito desta situação
dolorosa, "chutando", isto é, esforçando-se para
superar essa situação difícil e, assim, alcançar
vitórias na terra e recompensar no céu.
Aquele que foi atacado com limonazos.Eles dizem
que um ator iniciante não sabia como atuar no teatro
de uma maneira que agradava o público, e os
participantes enojados saíram para a rua, compraram
limões e voltaram ao palco o atacaram com limonazos.
E o paciente ator colecionou todos os limões, colocou-
os em um carrinho de mão, saiu à rua, vendeu-os e,

1
assim, recebeu seus bons centavos. Não é uma figura
do que podemos fazer quando a vida nos ataca com
mal-entendidos, amargura e maus momentos? Colete
tudo isso e faça uma boa limonada oferecendo tudo a
Deus com a maior paciência possível?

1
Capítulo 38

O QUE É NECESSÁRIO PARA FAZER UM


PLANO DE VIDA. TENTAR CUMPRIR
TODOS OS DIAS E NUNCA IMAGINAR
QUE JÁ ESTAMOS CUMPRIR
EXATAMENTE
Muitas pessoas que se dedicaram à educação
descobriram que um dos meios que mais ajuda a
progredir na virtude é fazer um plano de vida e
esforçar-se dia após dia para cumpri-lo da melhor
maneira possível.
É necessário propor uma grande importância para
se tornar "uma pessoa virtuosa, alguém que se
dedique a fazer o bem e tentar manter Deus feliz", e
dar mais valor a isso do que a qualquer título de honra
ou glória. A partir de agora, você deve decidir
trabalhar com sua própria personalidade e tomar a
decisão de não deixar um único dia de luta para
alcançar sua própria perfeição.
Algo que não é fácil.Os iniciantes imaginam que
crescer em perfeição não será difícil para eles, porque,

1
ao pensarem que sabem o que fazer e evitar, não
percebem por que não serão capazes de fazer um e
evitar o outro. Mas muito em breve eles perceberão
que essa tarefa é muito mais difícil do que
imaginavam e o que seu otimismo enganoso lhes
dizia. Como eles direcionam toda a atenção para
evitar uma falha, outra os surpreende; seus velhos
maus hábitos tiram proveito de seu descuido e fazem
peças muito prejudiciais; suas más inclinações são às
vezes mais fortes que sua vontade e mais astuciosas
que sua inteligência; e eles se convencem de que não
basta ter boa vontade e desejar ser melhor, mas que
uma graça ou ajuda especial de Deus é necessária,
uma e outra vez,
E Ele nos responderá com muita frequência o que
disse tantas vezes àqueles que iam curar: "Sim, eu
quero. Você está curado".
Uma lista importante:Devemos fazer uma lista das
virtudes que parecem mais importantes para nós e
que precisamos alcançar ao máximo, e nos dedicar a
repetir e repetir atos dessas virtudes até adquirir o
hábito de agir de acordo com ela. Mas não se esforce
para obtê-los todos de uma vez, mas um após o outro.
A aquisição da virtude anterior facilita a da próxima.
Os professores de arte sempre aconselham fazer um
plano do que deve ser feito ou realizado. É isso que
você precisa fazer espiritualmente: faça um plano: o
que eu quero receber? Que virtudes eu quero praticar?

1
Como eu estou praticando eles? Que sucessos e
quais fracassos estou tendo em sua conquista?
Remova ervas daninhas.Quem trabalha em uma
fazenda grande não pretende matar todas as ervas
daninhas de uma só vez, mas as inicia pouco a pouco,
até que o campo esteja limpo de ervas daninhas. É
isso que temos que fazer na alma: propor
gradualmente eliminar as falhas que cometemos
contra as virtudes que tentamos praticar e iniciar as
que estão reaparecendo.
E para isso dizer orações ejaculatórias frequentes,
confiando ao Senhor que nos ajude e nos ilumine.
Descobertas impressionantes. Se nos
examinarmos com freqüência sobre a maneira como
estamos cumprindo nosso Plano de Vida, ficaremos
surpresos ao encontrar em nós mesmos muito mais
falhas do que esperávamos, mas também teremos a
satisfação de verificar que pouco a pouco o número
de nossas falhas está diminuindo. .
Nunca acredite que já chegamos.Nunca devemos
nos convencer de que adquirimos um grau eminente
de virtude ou que triunfamos inteiramente sobre
alguma paixão. Isso nos levaria a se deixar levar pelo
orgulho, a negligenciar nossas defesas e depois
sofrer as mais humilhantes quedas. Vamos seguir o
conselho do apóstolo: "Quem estiver de pé, tenha
muito cuidado para não cair" (1Co 10, 12).

1
1
Capítulo 39

AQUELES QUE QUEREM OBTER VITÓRIAS


NA LUTA ESPIRITUAL DEVEM ACEITAR
RECEBIMENTO DE LESÕES, SOFRIMENTO
DE DORES, QUEDA E DESAPONTAGEM
Os dois caminhos de Hércules.A velha lenda dizia
que, quando o futuro campeão Hércules ainda era
muito jovem, ele sonhou que dois caminhos se
apresentavam: o amplo, fácil de descida suave, cheio
de rosas sem espinhos, restaurantes e dançarinos,
jogos e iguarias. , e ele tinha um sinal que dizia: "Este
é o caminho da facilidade e do esforço. Por meio dele,
chega-se à ruína e ao fracasso". Então ele viu outra
estrada estreita, morro acima, cheia de terreno
pedregoso e arvoredos espinhosos, sem bebidas
fáceis à mão ou pausas muito refrescantes, e uma
placa dizia: "Este é o caminho da dificuldade e do
esforço, ele se esforça para permanecer bom. Isso
leva ao auge da perfeição e santidade ".
Os dois caminhos de Jesus. 500 anos após o
sonho de Hércules, Cristo veio e nos deixou este
aviso de enorme importância: "Cuidado para sempre
percorrer o caminho estreito da dificuldade, porque a
estrada é larga e o caminho que leva à perdição é
largo e você é muitos que caminham por lá, mas quão
difícil é o caminho e quão estreito é o caminho que

1
leva à Vida Eterna, e quão poucos são os que viajam
por esse caminho "(Mt 7:13).
Portanto, temos que ter cuidado para não ouvir as
vozes dos inimigos de nossa santidade, que querem
que evitemos tudo o que é difícil ou que nos faz sofrer.
Isso seria um engano muito prejudicial.
Os pequenos sofrimentos estão se preparando
para os grandes.Eles falam de um rei antigo que,
para evitar ser envenenado um dia, se acostumava a
tomar uma pequena dose de "antídoto" todos os dias.
E mais tarde, quando em um momento de desespero
e desânimo, ele queria se suicidar tomando um
veneno, ele não podia mais se envenenar porque seu
corpo foi treinado para resistir. Algo semelhante
acontece com aqueles que estão se acostumando a
sofrer com paciência e, pelo amor de Deus, as
pequenas dificuldades e contratempos que surgem
todos os dias. Quando as enormes tristezas e
catástrofes chegarem, ele terá sua vontade tão forte
que será capaz de resistir sem desanimar ou se
render.
Uma regra muito útil.Algo que produz grande paz
e serenidade está se acostumando a aceitar de bom
grado sempre e em tudo o que Deus permite que
aconteça. Nunca chove muito nem faz muito calor,
mas a chuva cai que Deus achou bom cair e é o calor
que nosso Senhor providenciou para que
acontecesse. Um cabelo não cai da nossa cabeça

1
sem que Deus tenha dado a ordem de cair. E o que
esse Pai misericordioso permite que aconteça aos
filhos que ele tanto ama, certamente é para o bem
deles.
Bom negócio.Um santo disse: "O que eu quero que
aconteça comigo sempre acontece comigo". E
alguém lhe disse: "Isso é impossível, porque na vida
acontecem coisas para todos nós que não queremos
que aconteçam conosco". "E ela respondeu: 'É que
eu sempre quero o que Deus quer e permite.' E como
apenas o que Deus permite que aconteça, sempre
acontece o que eu quero." Como devemos ter muitas
vezes nos lábios essa bela oração de Jesus no jardim:
"Pai Celestial, não faça o que minha natureza humana
deseja, mas o que você deseja" (Mc 14:36).
E os pecados e tentações?Nossos pecados não
são a vontade de Deus, mas a nossa criação. Mas
mesmo com eles, nosso Senhor pode obter bens
porque nos torna mais humildes, mais solidários com
os fracos e nos fazem sentir mais necessitados do
perdão e da ajuda de Deus. Mas devemos odiá-los e
odiá-los sempre.
E as tentações?Trata-se de uma cruz pesada,
cansativa e difícil de carregar. Eles nos atacam como
cães loucos em todas as esferas da vida. Eles latem
e uivam à porta da nossa alma como lobos
procurando presas para destruir. Como moscas
cansadas e inoportunas, elas zumbem em nossos

1
ouvidos com frequência. Gostaríamos de não tê-los e
eles vêm até nós. Desejamos derrotá-los e eles nos
derrotam. Como morcegos escuros, eles flutuam
constantemente diante dos nossos olhos. Quando o
fogo da luxúria queima a carne se rebela como uma
louca louca. Até os maiores santos como São Paulo
tiveram que implorar a Deus que removesse esse
aguilhão da carne que lhes deu um tapa. Felizmente,
também para todos nós que os sofremos, Jesus disse:
"Vinde a mim, todos os que estão sobrecarregados,
eu os alivio" (Mt 11, 28).
Fraqueza total.Quantas vezes achamos que
teremos um dia perfeito. Não há nuvens no horizonte.
E uma oportunidade se apresenta e não paramos
mais, e não nos opomos a nenhuma resistência e não
pensamos nas consequências de nossa maldade ...
Depois de alguns momentos, estamos fora de
combate ... do desejo máximo de não pecar,
passamos imediatamente para pecar . Não somos
capazes de recordar a lembrança da amargura que a
última falha nos trouxe ... estamos indefesos contra a
primeira emoção ... as tremendas conseqüências que
nossa falha terá não vêm à nossa mente ...
Acreditamos que agora seremos capazes de nos
controlar e falharemos mais uma vez ... Temos
apenas uma solução: nos lançarmos como um
foguete às alturas para buscar a ajuda de Deus.

1
O que um santo disse. Uma alma da mais alta
espiritualidade disse: "Vi que um grande número de
inimigos espirituais me cercava com todos os tipos de
armas mortais e não tinha para onde correr sem ser
gravemente ferido; então, clamei ao Senhor e Ele
estendeu a mão e me levou para fora. A partir daí, ele
disse: “Confie em mim e eu o livrarei.” Vamos fazer
algo semelhante em momentos de tentação e
oferecer ao Senhor esse sofrimento irritante e
humilhante de contínuos ataques espirituais e lembrar
que a vantagem de sofrer tentações é que eles nos
mantêm. compreensivo com os outros.

E AS MELHORES MEMÓRIAS E
DESAPONTOS?
Outro dos sofrimentos que nosso Criador nos permite
sofrer é lembrar os tristes, humilhantes e dolorosos
que aconteceram conosco no passado. Gostaríamos
de esquecê-lo e apagá-lo da nossa memória, mas
resta tudo isso. Como um zumbido perpétuo em um
ouvido, como uma nuvem que nunca deixa um olho.
Aceitando tudo isso com paciência e por amor a Deus,
estamos ganhando mais prêmios pela eternidade do
que talvez imaginemos.
Arrependimentos.Na vida, seremos capazes de
esquecer muitas coisas: nomes de pessoas, lugares
por onde passamos, palavras que ouvimos, etc. Mas
algo que nunca podemos esquecer: são os pecados
graves que cometemos. Estes permanecem

1
indeléveis como uma tatuagem, na memória. Quando
um amante vai à praia, ele pede a um homem do
litoral que escreva o nome de sua amada no braço
como uma tatuagem. Mas acontece depois que ele
briga com aquela mulher e ele para de amá-la, e ainda
assim ele terá que carregar esse nome para sempre
na pele de seu braço, porque estava lá indelével. O
mesmo acontece com nossos pecados: não os
amamos mais, agora os odiamos, mas a memória
deles ficará gravada para sempre em nossa memória.
Que esse tormento nos sirva de penitência por todo o
mal que cometemos. E o mesmo se aplica a tantas
lembranças tristes da vida passada que não podemos
evitar. Não é de admirar que um psicólogo tenha dito:
"Se as pessoas não se lembrassem de como foi triste
na vida, mas de quão feliz e alegre foi, não haveria
neuróticos". Que o Senhor tenha misericórdia e
apague essas dolorosas lembranças de nossas
mentes, mas, embora Ele não permita que elas
partam, vamos oferecê-las como penitência por
nossos pecados.

JESUS DIZ:
"VENHA PARA MIM TODOS OS QUE ESTÃO
CANSADOS E
AGOBIADOS, QUE ALIMENTAREI "(Mt 11,
28) Capítulo 40

1
QUE É NECESSÁRIO EVITAR
EXAGERAÇÕES, PORQUE ELES
TRAZEM MAIS MAUS DO QUE
BOM
Existe um sério perigo na luta para adquirir as
virtudes e consiste em exagerar as boas ações que
fazemos e as penitências que impomos a nós
mesmos. São Paulo diz que "Satanás se disfarça de
anjo de luz para nos enganar" (cf. 2Co 11, 14) e ele
faz isso muitas vezes incitando-nos a cometer
exageros de piedade, enfraquecendo-se e cansando-
se rapidamente e precisa abandonar o caminho da
santidade. Ele está interessado em nos convencer de
que estamos fazendo grandes coisas e, portanto,
estamos cheios de orgulho.
Leituras.Alguns iniciantes têm tanto entusiasmo pela
leitura (notando que uma boa leitura eleva seus
espíritos e transforma suas almas) que se dedicam
com muita voracidade à leitura e leitura até se
cansarem mentalmente. Quando o governador da
Judéia quis desacreditar São Paulo, ele disse: "Pablo
é louco. Muitas leituras o fizeram perder a cabeça"
(Atos 26, 24). Isso não era verdade, e o Apóstolo
respondeu: "Não estou bravo, e as palavras que falei
são verdadeiras e vêm de uma mente equilibrada e
de um bom julgamento". Mas, em algumas pessoas,
acontece que eles têm um apetite desordenado para

1
ler e ler tudo, e quase sem digerir o que lêem, e com
ansiedade e pressa e querendo alcançar a sabedoria
máxima em um tempo muito curto, e o que eles
recebem é um cansaço mental. Assim como não ler
ou ler muito pouco leva a raquitismo mental e nanismo
espiritual, ler demais e com pressa e zelo leva à
exaustão e exaustão. Não é de admirar que o Livro
de Provérbios diga: "O mel é saboroso e proveitoso,
mas se for comido demais, é embalado. Você deve
comer apenas o suficiente, porque se exagerar, fará
com que você fique cheio e até vomite" (P 2, 16). E
bom mel para a alma é uma boa leitura. Obviamente,
para a grande maioria dos católicos, em vez de lhes
dizer para não lerem muito, o que eles precisam ser
aconselhados é ler um pouco mais, porque eles lêem
muito pouco, e talvez 90% do que lêem é mais
alimento para animais. que delicadeza para o espírito.
Eles lêem notícias, curiosidades, escândalos e outras
coisas do mundo, mas leituras que levam a alma à
santidade, Quão poucos eles estão realmente lendo!
Um grande diretor espiritual sempre aconselha: "Leia,
leia livros religiosos e sempre prefira os autores que
têm um S. por trás do nome, ou seja, livros escritos
por santos".
Penitências.Um dos erros mais prejudiciais para
quem começa a vida de santidade é dedicar-se a
imitar os grandes santos ao fazer penitências
exageradas, desproporcionais às suas forças. Os
camponeses repetem um ditado: "Um burro vivo que

1
nos ajuda a carregar cargas é mais útil para o nosso
trabalho do que um homem sábio que está morto no
cemitério". Deveríamos dizer algo semelhante na vida
espiritual: "Mais trabalho pode ser feito por quem
preserva sua saúde, tomando cuidado para não
exagerar na penitência do que quem perde sua saúde
exagerando em suas mortificações". Podemos imitar
os santos no amor ao silêncio, no apreço pela
humildade, na imensa caridade para com os outros e
no intenso amor a Deus, sofrendo pacientemente as
ofensas que cometem contra nós e os contratempos
e doenças que surgem em nosso caminho. , em não
comer ou beber gula, em lutar para evitar o pecado e
corrigir seus próprios defeitos. Mas, quanto às suas
terríveis penitências, se não recebermos uma graça
muito especial como a que receberam, seria melhor
não imitá-las, porque podemos prejudicar
irreparavelmente nossa saúde e desanimar no
caminho da santidade.

1
Capítulo 41

O PERIGO DE VIVER JULGANDO E


CONDENDO OUTROS
São Paulo escreveu algumas frases que se
tornaram famosas. É assim: "Você não tem desculpas,

1
quem quer que seja, você que se dedica a julgar e
condenar os outros, porque, ao julgar os outros, você
se condena, já que faz o mesmo que os outros que
condena" (Rm 2, 1).
Nosso orgulho e o desprezo que sentimos em
relação ao próximo nos fazem formar uma baixa idéia
das outras pessoas. E quanto mais alta a opinião de
que o orgulho nos forma, mais baixa é a opinião de
que nosso desprezo está se formando pelos outros, e
nos convencemos de que somos livres das
imperfeições que criticamos tanto nos outros. E isso
é uma mentira e um engano.
A fábula de Esopo.Esse poeta que viveu 500 anos
antes de Cristo pintou aqueles que criticam e
desprezam os outros, com duas sacolas penduradas
no pescoço. Aquele com os defeitos dos vizinhos bem
na frente de seus olhos para olhá-los e condená-los
continuamente. E o outro com seus próprios defeitos,
nas costas, para não vê-los ou conhecê-los. Esse é o
nosso retrato quando condenamos e julgamos.
Remédios para esse mal.Quando começamos a
pensar nos defeitos ou nos vícios de nosso próximo,
tente imediatamente afastar esse pensamento e se
recuse a formar julgamentos negativos sobre eles.
Nesses momentos, você deve dizer a si mesmo: "Não
tenho autoridade para julgar ou condenar os outros;
não tenho dados suficientes para julgar suas paixões,
defeitos e más inclinações. Tenho que considerar

1
essas palavras como escritas para mim mesmo." do
apóstolo: "Você pode imaginar que se dedica a julgar
e condenar, que comete a mesma coisa que condena,
que escapará do julgamento de Deus?" (Rm 2). E
essa outra promessa tão consoladora feita pelo
próprio Jesus que Ele será nosso juiz: "Não julgue e
você não será julgado. Não condene, e você não será
condenado "
(Lc 6:37).
Olhe para dentro.Para evitar o julgamento e a
condenação de outros, é necessário concentrar toda
a nossa atenção em nossas próprias misérias e
fraquezas. Se o fizermos, encontraremos tantas
coisas para corrigir e reformar dentro de nós que não
teremos mais tempo ou prazer em nos dedicar a julgar
os outros, e aprenderemos a encarar as falhas de
outros com caridade amável. Devemos pensar que,
se vivemos julgando que outros têm algum vício, pode
ser que também o tenhamos, porque, de acordo com
o velho ditado: "O ladrão julga por sua condição".
Assim como alguém que em sua infância sofreu
corrupção por parte de um adulto, quando ele atinge
a maioridade, vive continuamente julgando que os
adultos estão corrompendo menores, da mesma
forma atribuindo a outras pessoas certas misérias e
más inclinações,
Uma média impressionante.Se analisarmos
friamente os tempos que condenamos em nosso

1
entendimento ou em palavras para os outros,
veremos que na maioria das vezes condenamos,
estamos errados. Então, por que dedicar-se a uma
atividade que tem uma possibilidade tão grande de
erro? Quando sentimos a vontade de fazê-lo,
digamos a nós mesmos: "Como posso ousar julgar e
condenar os outros se tenho os mesmos defeitos e
inclinações piores do que eles? Se tenho um raio nos
olhos, por que criticar quem tem lixo na deles?
E se a falha for verdadeira e pública?Nesses
casos, pensemos que essa pessoa deve ter muitas
qualidades e virtudes ocultas e que provavelmente
fez muitas e boas ações que não conhecemos. E
considere que se Deus permitiu que você caísse
nessa falta, provavelmente foi para curar seu orgulho
e aumentar a humildade e torná-lo mais
compreensível com os outros. E que, portanto, seu
lucro quando essa falha for tornada pública será maior
do que a perda que ele sofreu com o descrédito que
lhe ocorreu.
E se a falha for enorme?E se o pecador não se
arrepender, endurecer e não mostrar inclinação para
a conversão? Nesses casos, depois de ter o propósito
de orar todos os dias pela conversão dos pecadores
(que este talvez seja o maior favor que podemos fazer
a eles e somente no céu saberemos o quanto fizemos
bem por eles, orando pela sua conversão), vamos
levantar nosso espírito para o céu e pensar em

1
quantos e quantos estão lá em cima desfrutando o
Paraíso Eterno depois de ter levado por muitos anos
uma vida de pecado que parecia impenitente e sem
esperança de conversão e, de repente, talvez por
causa das orações e sacrifícios que alguém Ele
ofereceu aos pecadores, eles receberam uma
daquelas graça que os místicos chamam de
"tumbativas" e eles mudaram suas vidas e depois
conseguiram alcançar a santidade, Como o ladrão à
direita na cruz ou o pecador do evangelho, eles
trocaram uma vida horrível de pecado por uma
situação de conversão e foram salvos. Por outro lado,
quantos e quantos que já estavam muito no caminho
da santidade estavam cheios de orgulho e presunção,
orgulho e desprezo pelos outros, e então caíram em
um abismo de misérias e fraquezas. É por isso que o
sábio diz no Livro O Eclesiástico: "Não julguemos
ninguém antes do fim da vida, porque há pessoas que
começaram bem e terminaram mal, e outras podem
começar muito mal e terminar muito bem". e vanglória
e desprezo pelos outros, e depois caiu em um abismo
de miséria e fraqueza. É por isso que o sábio diz no
Livro O Eclesiástico: "Não julguemos ninguém antes
do fim da vida, porque há pessoas que começaram
bem e terminaram mal, e outras podem começar
muito mal e terminar muito bem". e vanglória e
desprezo pelos outros, e depois caiu em um abismo
de miséria e fraqueza. É por isso que o sábio diz no
Livro O Eclesiástico: "Não julguemos ninguém antes
do fim da vida, porque há pessoas que começaram

1
bem e terminaram mal, e outras podem começar
muito mal e terminar muito bem".
Peça essa qualidade.Um dos favores que
devemos pedir ao Espírito Santo é o dom que,
segundo São Paulo, está acostumado a dar o Espírito
Santo àqueles que imploram por ele: bondade, isto é,
a qualidade de pensar com bondade e bem de todos
(Gl 5). Se Ele nos conceder essa inclinação feliz,
teremos certeza de que no dia do julgamento não
receberemos uma sentença condenatória, porque
Jesus prometeu: "Com o julgamento com o qual
julgam, serão julgados e com a medida que medirem,
eles serão medidos "(Mt 7, 1).
Na maioria das vezes, devemos ter nos lábios aquela
ejaculação que tantas pessoas repetiram milhares de
vezes e que transformou tantos corações duros e
inflexíveis em corações simpáticos e bondosos. Diz
assim: "Jesus manso e humilde de coração, faça
nossos corações como os seus". Então, o que o
Senhor prometeu por meio do profeta Ezequiel se
cumprirá em nós: "Eu mudarei seu coração de pedra
por coração de carne" (Ez 36:26), o coração duro e
condenador por um coração compreensivo e
perdoador. Muitos tentaram e pediram essa graça.
Por que não ensaiar também?
Se formos julgados pela medida que usamos para
julgar os outros, seria melhor usar uma medida ampla
e generosa, para que essa onda seja a que é usada

1
a nosso favor. Assim será cumprida a promessa de
Jesus: "Uma medida ampla, boa, generosa e
transbordante lhes será dada" (Lc 6,
38)

1
Capítulo 42

A ARMA MAIS PODEROSA PARA


SUPERAR NA LUTA ESPIRITUAL
Lembramos que são necessárias três condições
para emergir vitorioso nas batalhas do espírito:
desconfiar de que, por nossa própria força,
conseguiremos derrotar os inimigos da salvação;
confie imensamente em Deus e use da melhor
maneira possível as qualidades que foram recebidas.
Agora vamos lembrar a quarta arma, e a mais
poderosa e eficaz, que é a oração. Da oração, as
palavras que a Sagrada Escritura diz sobre sabedoria
podem ser repetidas: "Todos os outros bens vieram a
mim junto com ela". A oração é o canal através do
qual toda a ajuda que recebemos do céu é enviada
para nós. É a espada que Deus colocou em nossas
mãos para que combatamos os inimigos de nossa
salvação e os derrotemos.
A oração tem suas condições.Orar é falar com um
Deus que nos ama e nos escuta com infinita bondade

1
e com grande interesse em ajudar e nos defender.
Mas, ao orar, é preciso ter cuidado para cumprir
certas condições, para que a oração agrade Nosso
Senhor. Os santos dizem que, ao orar, devemos
realizar quatro ações: adorar, agradecer, pedir perdão
e pedir favores. Pode haver um perigo: que apenas
oremos para pedir favores e esquecemos de adorar,
dar graças ao bom Deus e pedir perdão pelas ofensas
que fizemos a ele. Quando você vai pedir um favor a
alguém, é muito importante conquistar a amizade e a
boa vontade de quem quer que conceda esse favor.
Fazemos assim com Deus? Pedimos desculpas pelas
ofensas que fizemos a você? Agradecemos por
tantos favores que você nos concedeu? Dizemos a
ele muitas vezes que o amamos? Ou apenas
perguntamos, perguntamos,
Ao fazer o pedido, é conveniente que por favor,
pergunte ao doador. Um santo disse que o céu deve
se cansar ao ouvir que alguns apenas pedem bens
materiais para esta terra, esquecem de pedir
conversão, salvação da alma, crescer em santidade e
obter a vida eterna. Essas são realmente coisas que
realmente agradam a Nosso Senhor e Ele as concede
com imenso prazer. É isso que pedimos mais? Não
esqueçamos que dos sete pedidos da Oração do
Senhor, apenas um é material. Os outros seis são
espirituais.

1
Vantagens da oração.Uma das maiores
qualidades que Deus deu a alguns de nós é que
gostamos de orar. Porque a oração nos ajudará a
atravessar, sem falhar, os lugares traiçoeiros onde a
tentação é encontrada. De manhã, a oração é a chave
que abre os tesouros de Deus e, à noite, é o manto
que nos coloca sob Sua Divina Proteção. Os mais
maravilhosos milagres e as mais poderosas
mudanças foram preparadas por muitas orações. Em
alguns apostolados, o que falha é que se gasta muito
tempo fazendo planos e pouco tempo em oração.
Assim, o apostolado se torna estéril. Toda pessoa
fervorosa deve dedicar dez por cento do dia à oração.
O defeito que começamos a confiar a Deus com toda
fé, desaparecerá e diminuirá visivelmente.
Uma condição sem a qual não.Para que a oração
tenha efeito, precisamos fazê-lo com grande
confiança no poder e na bondade de nosso Senhor.
São Paulo diz: "Deus tem poder e bondade para nos
dar muito mais do que ousamos pedir ou desejar" (Ef
3:20).
Podemos ter certeza de que, se lhe pedirmos com fé
e sem nos cansarmos, ele não nos negará a ajuda de
que precisamos material e espiritualmente. O santo
profeta repetiu: "Você sabe quem o Senhor prefere?
Aqueles que confiam em sua misericórdia". Vamos
tentar pertencer a esse número de favoritos de Deus.

1
Quanto mais confiamos nEle, mais seremos ajudados
por Sua bondade e Seu poder infinito.
Outra condição.Para que nossa oração seja
respondida favoravelmente pelo Criador, é
necessário que nosso desejo seja que a Vontade de
Deus seja cumprida, o que Deus quer, e não nossa
vontade ou nossos próprios caprichos. Porque nossa
própria vontade pode estar errada e pode nos fazer
pedir coisas que não nos convêm, e, em vez disso, a
Vontade Divina nunca está errada e o que ela quer
para nós é o que é melhor para nós. Então, digamos
ao nosso Senhor de tempos em tempos que, se o que
pedimos não servir ao nosso bem maior, por favor,
não o conceda. Mesmo nas virtudes e no progresso
espiritual, que se são bens que nos beneficiam
sempre e muito, pedimos tudo isso ao Senhor, mas
não para nos dar o prazer de sermos melhores e mais
estimados, mas para agradá-Lo mais e cumprir
melhor. sua vontade mais santa.

TRABALHE PARA QUE MERECEMOS O


QUE PEDIU
Os especialistas em oração recomendam que, para
agir com maior segurança o que pedimos do céu ao
orar, é muito conveniente que tentemos agir de tal
maneira que, com nosso bom comportamento,
ganhemos a simpatia do Deus Santo de quem

1
pedimos esses favores. É isso que as crianças fazem
quando tentam fazer com que o pai lhes conceda um
favor muito especial que desejam: depois, tentam se
comportar de uma maneira tão boa que o pai que está
muito satisfeito com seu bom comportamento está
mais inclinado a conceder o que pede.
Infelizmente, muitas vezes fazemos o oposto:
pedimos a Deus algum favor ou graça que
precisamos ou desejamos, mas, enquanto isso,
continuamos a nos comportar de maneira tão ruim
que, em vez de ganharmos a simpatia divina, o que
estamos conseguindo é aversão e antipatia pelo
nosso mal. Continuar. E então o que um grande
misticismo disse foi cumprido: "Com Deus, os bons
tempos, conseguimos tudo o que queremos e muito
mais. Mas, nos maus momentos, só temos falhas".
Antes de encomendar, obrigado.É extremamente
conveniente que, antes de pedir favores a Nosso
Senhor, lhe agradecemos por tantas coisas boas que
Ele teve até agora. É isso que as pessoas do mundo
sabem fazer quando pedem ajuda aos poderosos.
Antes que eles lembrem o quanto eles são gratos por
seus presentes anteriores. Dessa maneira, eles
ganham sua boa vontade em conceder-lhes novos
auxílios. É que lembrar com gratidão os favores
recebidos é um sinal de que você tem um coração
nobre e agradecido. Portanto, não deixemos passar
nenhum dia sem agradecer a Deus por alguns favores
específicos que Ele nos deu. Assim, cumprimos o

1
mandato do Livro Sagrado: "Devemos sempre ser
gratos. Agradecemos a Deus em tudo, que essa é sua
santa vontade" (1 Ts 5:18).

Empregue SEMPRE UM ADVOGADO, UM


INTERCESSOR
Quando você vai falar com uma autoridade muito
alta, é altamente recomendável estar acompanhado
por alguém que desfrute de grande estima e bom
nome entre o alto governo, por exemplo, um senador,
um membro da família muito estimado pelo
governante, um amigo seu etc. Algo semelhante é o
que devemos fazer quando nos dirigimos ao Deus
Altíssimo. Apresente-nos a Ele através do ser que Ele
mais ama e estima, Seu Filho mais amado, Jesus
Cristo. Por isso o Redentor nos deixou esta bela
promessa: "Tudo o que você pedir em meu nome, eu
farei (Jo 14:13). Tudo o que você pedir ao Pai em meu
nome, Ele concederá" (João 15:15). Qualquer favor
que desejemos obter do Pai Celestial, vamos sempre
implorar a ele dizendo que pedimos em nome de seu
amado Filho Jesus Cristo. E digamos a Jesus que
imploramos em nome de sua amada Mãe e dos
santos. Assim,
Oração irresistível.É uma oração perseverante, a
oração de alguém que nunca se cansa de pedir ajuda
divina. Jesus nos diz no Evangelho (cf. Lc 18) que

1
uma viúva, que não se cansa de implorar e pleitear,
conseguiu que um juiz frio e mau lhe fizesse justiça e
o libertou de um inimigo que queria deixá-lo na
miséria. E acrescenta ao Senhor: "Se isso foi feito por
um homem frio e mau, quanto mais meu Pai Celestial
fará se não se cansar de suplicar a ele?"
Aquele que não esperou.Uma senhora foi a uma
família rica pedir um vestido para sua filha pequena,
que era muito pobre. Essas pessoas começaram a
procurar nos armários o melhor vestido que tinham,
mas quando desceram o primeiro andar, a mulher já
acreditava que não lhe dariam nada. Ele não sabia
como esperar.
Mas e se demorar demais?Um dos perigos de
nossa oração é que, se Deus demorar muito para nos
conceder o que estamos pedindo, ficaremos
desencorajados e pararemos de implorar. É
necessário repetirmos até o fim as belas novas que
São Paulo nos disse: "Deus tem poder e bondade
para nos dar muito mais do que ousamos pedir ou
desejar" (Ef 3:20). Se Ele quer e pode ajudar, por que
parar de pedir Sua ajuda? Sempre partimos de um
princípio: "Aquele a quem pedimos é Todo-Poderoso".
"Deus nos ouve, diz São João, e se ele nos ouve, ele
nos ajuda" (1 João 5:14).
E se a graça que pedimos não nos
convém?Nesse caso, Deus infinitamente sábio e
bondoso nos concederá outras graças e ajudas que

1
são mais úteis e lucrativas. Mas a verdade é que ele
sempre cumprirá o que prometeu por meio de seu
profeta: "Você não terminou de falar em sua oração,
e eu já estou lhe enviando uma resposta a seu favor"
(Is 65, 24).
E se não formos dignos de ser ouvidos?Quando
Deus parece não querer atender aos nossos pedidos,
devemos nos humilhar e reconhecer que somos
indignos de que Ele nos ouve e nos ajuda, mas não
permanecemos na memória de nossas misérias e
males, mas antes pensamos em quão grande é sua
misericórdia e Sua misericórdia. admirável
generosidade e que Ele nos ajuda não porque somos
bons, mas porque Ele é bom; E tenhamos certeza de
que quanto maior nossa confiança na misericórdia
divina, maiores serão os favores que obteremos de
nosso Senhor. Entre aqueles que têm maior riqueza
e mais generosidade, mais ajuda pode ser obtida do
que quem é pobre e mesquinho.
Mas quem é mais rico, mais generoso e melhor amigo
do que o próprio Deus?
Nosso Criador não precisa que "o informemos"
sobre o que precisamos, porque "O Pai Celestial sabe
tudo que você precisa" (Lc 12:30), mas ele quer que
procuremos a Ele para confiar plenamente nele com
o que nos falta e deixarmos em suas mãos a solução,
aceitando sua santa vontade.

1
São João Crisóstomo diz: "Não existe criatura mais
poderosa do que aquela que ora com fé, porque tem
a seu favor uma promessa infalível que diz:" Peça e
isso será dado a você. "
Jesus não impôs limites ao que Deus nos concederá.
Cabe a nós não ter medo de perguntar, mesmo que o
que pedimos seja tão raro quanto pedir a uma árvore
ou montanha que comece de onde estão e se jogue
no mar (Mc 11, 23).
Orem sem muito esforço.É necessário não se
aprofundar nos problemas. De tanto arranhar uma
ferida, ela está apodrecendo cada vez mais. Deixe
Deus agir. Vamos deixar tanto medo. O medo não
está certo naqueles que confiam na bondade do
Senhor. Não vamos nos dedicar a analisar tanto os
problemas ou querer resolvê-los. Deixe Deus resolvê-
los.
Não basta pedir o material.As pessoas dizem: "Eles
crescem para que esse ou aquele problema possa ser
resolvido". Muito bem! Mas por que eles também não
perguntam: reze para que eu me converta? Se isso
acontecer, o que Jesus anunciou será cumprido:
"Todo o resto será adicionado a nós". A melhor
oração é aquela que parte do desejo de agradar a
Deus, do desejo de salvar almas, do desejo de
alcançar a própria conversão e a de muitas outras.
Não há nada que agrade mais a Nosso Salvador do

1
que isso. E se lhe pedirmos essas graças, você estará
sempre pronto para responder à nossa oração.

"QUANTO PERGUNTAR NO A FRASE,


ACREDITAM DO QUE JÁ A Ter
RECEBIDO, E A VOCÊ VAI TER " (MC
11,24)
Capítulo 43

OS DOIS TIPOS DE ORAÇÃO E COMO


FAZÊ-LO
Orar é elevar a mente de Deus para adorá-lo, dar-
lhe graça, pedir perdão e pedir as graças e favores
que precisamos.
A oração pode ser de duas maneiras: com palavras,
ou apenas com a mente. O primeiro é chamado de
sentença vocal. O segundo: oração mental.
ORAÇÃO VOCAL.É aquele em que falamos com
Deus com palavras. Por exemplo, dizemos a ele:
"Senhor e meu Deus, se é do seu agrado, se for para
o meu bem maior, conceda-me este ou aquele favor ...
Perdoe-me isto ou aquilo que está faltando ...
Obrigado por este ou outro benefício seu."

1
Quando sentimos perigosas tentações e corremos o
risco de cair em pecado, é conveniente dizer: "Senhor,
veja que eles estão me derrotando. Venha
rapidamente para me ajudar ... Meu Deus, venha em
meu auxílio. Senhor, se apresse em me ajudar ... Olhe,
Senhor. que na estrada em que eu avance eles
armaram uma armadilha para mim ... Não me
abandone, Deus da minha salvação ... Não me deixe
cair em tentação ... Santo Deus, Santo forte, Santo
imortal, livra-nos Senhor de todo o mal. .. etc.
Quando nos sentimos fracos e incapazes de ser
vitoriosos nas lutas espirituais, podemos dizer as
palavras do belo Salmo 86: "Incline seus ouvidos,
Senhor; ouça-me, sou uma pessoa pobre e
desamparada; salve seu servo que confia em você.
Eu chamo e você me escuta. Você é grande e faz
maravilhas. Dê-me um sinal favorável. Deixe os
inimigos da minha alma vê-lo e ir embora, porque
Você, Senhor, me ajude e me conforte. "
A ORAÇÃO MENTAL.Consiste em elevar a mente
a Deus, mas sem dizer nada a ele com palavras. Por
exemplo, quando começamos a pensar que sozinhos
não somos capazes de nos defender do mal e fazer o
bem, e cheios de amor a Deus, aumentamos nossa
confiança Nele com a certeza de que Sua ajuda
nunca estará faltando. Essa desconfiança de nós
mesmos e esse ato de fé no poder e na bondade de

1
Deus é uma verdadeira oração, mesmo que nenhuma
palavra tenha sido dita.
Também é feita uma oração mental quando
representamos a Deus nossa pobreza, miséria e
fraqueza absoluta, e lembrando a bondade com a
qual ele nos ajudou outras vezes, pensamos que no
presente e no futuro ele nos ajudará e ajudará. Essa
oração mental é extremamente útil para a alma e
sempre útil.

ALGUMAS REGRAS PARA ORAR


SIMPLESMENTE
1o Antes de tudo, reservemos alguns minutos todos
os dias para ficar sozinho, em paz e para falar com
Deus. 2 ° Vamos falar com Nosso Senhor com
simplicidade e natureza, como um filho amado, como
o pai mais gentil e amoroso. Vamos dizer a ele o que
nos preocupa. Não precisamos usar fórmulas
estranhas. Vamos falar com ele em nossas próprias
palavras, que ele os entende muito bem. 3o Vamos
entrar em diálogo com Deus também quando
estamos trabalhando. Digamos que te amamos, que
te agradecemos. Que lhe oferecemos o que estamos
fazendo. 4o Vamos nos convencer dessa grande
verdade: "Deus está conosco". Viaje conosco. Ele nos
acompanha como ar e luz em todas as horas do dia.

1
Ele está ao nosso lado 24 horas e 60 minutos a cada
hora. E ele quer nos ajudar. Você quer nos ajudar.
Desfrute de nos ajudar. Mas aguarde nosso pedido de
ajuda. 5o Vamos orar com a absoluta certeza de que
nossa oração é ouvida e respondida por Deus sempre
e sempre. E confiemos aos pecadores que
desejamos converter e a todos os que negociaram ou
irão negociar conosco. 6. Quando oramos, temos
idéias positivas e não negativas. "Se Deus está
conosco, quem pode contra nós?" 7o Devemos
sempre declarar ou pensar, quando começamos a
orar, que aceitamos o que Deus permite que aconteça
conosco, porque, embora ele não nos conceda o que
pedimos, sempre nos concederá o que for para o
nosso bem maior. Ele nos ama demais e é por isso
que ele nos dá o que é melhor para nós. Quando
oramos, deixamos todos os problemas nas mãos de
Deus. Vamos lembrar o que o Salmo 55 diz: "Ponha
seus problemas nas mãos do Senhor, e Ele agirá".
Vamos pedir que ele nos dê forças para fazer o que
temos que fazer, e o resto deixamos tudo em suas
mãos Todo-Poderosas. 9 - Todos os dias, rezemos
por nossa cidade, por nosso país. É o que o profeta
Jeremias aconselha dizendo: "Ore pela cidade e pelo
país em que vive, porque o bem deles será o seu
bem" (Jr 39, 17).

1
Capítulo 44

COMO ORAR ATRAVÉS DA MEDITAÇÃO


Entendemos meditando cuidadosamente aplicando
o pensamento para considerar algum tema religioso.
Meditar está subindo para Deus através da reflexão.
A meditação é um dos melhores meios para progredir
na vida espiritual.
Quem quiser alcançar um bom grau de perfeição e
santidade deve passar pelo menos meia hora todos
os dias neste exercício de oração chamado
meditação. E um dos temas que mais ajudam a obter
um verdadeiro amor a Deus e uma total rejeição de
todo pecado é a Paixão e Morte de Jesus Cristo.

1
COMO MEDITAR SOBRE DO A PAIXÃO?
Suponha que queremos alcançar a virtude da
paciência. Para alcançá-lo, será de enorme benefício
meditar nos sofrimentos de Jesus na Paixão. Por
exemplo, em A oração no jardim: como depois de
pedir várias vezes ao Pai para tirar esse cálice de
amargura, porque temos todo o direito de pedir a
Deus que retire certos sofrimentos de nós, se parece
adequado ir embora) vendo isso O Pai Celestial não
pretendia libertá-lo dos tormentos que o aguardavam,
disse com a mais admirável paciência: "Pai, se não é
possível que este cálice me deixe, isso não deve ser
feito como eu quero, mas como você quer. faça sua
santa vontade. " Nunca na história houve uma agonia
tão terrível como a de Jesus naquela noite (que o fez
suar gotas de sangue), mas nunca foi mostrada uma
oração que demonstrasse paciência admirável. É isso
que devemos repetir quando as amargas horas da
vida chegarem a nós: "Pai, que seja feita a tua santa
vontade". E como recompensa por sua admirável
renúncia, Jesus recebeu a visita de um anjo que o
confortou, e ele não teve mais nenhum momento de
desânimo em toda a sua admirável paixão e morte. É
que o Senhor causa dor, mas também coragem, se
recorrermos à sua bondade. Jesus foi visitado por um
anjo que o confortou, e ele não teve mais nenhum
momento de desânimo em toda a sua admirável
paixão e morte. É que o Senhor causa dor, mas

1
também coragem, se recorrermos à sua bondade.
Jesus foi visitado por um anjo que o confortou, e ele
não teve mais nenhum momento de desânimo em
toda a sua admirável paixão e morte. É que o Senhor
causa dor, mas também coragem, se recorrermos à
sua bondade.
E na flagelação: podemos meditar sobre como essas dores
devem ser agudas e atrozes, nas quais seu corpo foi literalmente
esmagado por golpes, sem deixar lugar sem ferimentos da
cabeça aos pés. E lá em tais tormentos insuportáveis, ele não é
ouvido chorando ou protestando, mas com impressionante
paciência ele oferece ao Pai Deus toda a sua tortura por nossos
pecados e pela salvação de nossa alma. Que o Senhor Jesus
seja abençoado.

Na coroação de espinhos:Cuspem nele, vendam-


no, socam-no, vestem-no com uma capa zombeteira,
colocam um junco em seu bastão e enfiam espinhos
muito afiados e estilhaçantes em sua cabeça ... E todo
esse tempo ele fica em silêncio. "Como uma ovelha
enquanto a corta, sem protesto" (disse o profeta).
Pelo contrário, não somos capazes de receber a
menor ofensa ou o menor desprezo sem demonstrar
descontentamento e sem protestar. Jesus: ensina-
nos a sofrer, como você sofreu.
O julgamento de Pilatos. Absolutamente injusto,
sem uma única evidência contra ele. O mesmo juiz
declarou que JesusEle é justo e não encontra falhas
nEle. E, no entanto, ele o condena à morte por medo
de perder o emprego. Quão humildemente Jesus

1
mostrou durante esse julgamento e que grande
paciência. Que lição formidável para nós!
A subida ao Calvário.O profeta havia dito que o
levariam "como um cordeiro ao matadouro, sem
resistir". O santo pelos pecadores. O justo pelos
injustos. Oh, como Jesus nos ensina a aceitar a cruz
de nossos sofrimentos diários e suportá-la
pacientemente por nossos próprios pecados e pela
conversão dos pecadores.
E sua agonia na cruz.Vamos meditar como ele
rejeitou o vinho misturado com fel, porque poderia
entorpecê-lo, anestesiá-lo e Ele queria sofrer todos os
tormentos vivos para salvar nossa alma. Pensemos
que naquelas horas o tempo em que ele não estava
em santo silêncio estava orando. Ensinar-nos a sofrer
orando. E ele orou por aqueles que não queriam que
ele os perdoasse e, por eles, pediu perdão e procurou
a desculpa de que eles não sabiam o que estavam
fazendo. Que posição dolorosa naquelas três horas
que pareciam séculos. Se ele se apoiasse, sentiria
uma dor insuportável. Se pendesse de suas mãos,
eles rasgariam suas unhas. Se ele olhou para frente,
viu inimigos o insultando. Se ele foi para a direita, viu
sua Mãe Santíssima morrendo de angústia e amor por
ele. Se ele virou os olhos para a esquerda, viu o
ladrão do mal zombando dele. Se ele olhou para o céu,
O Pai Celestial também se escondeu e o deixou sofrer
o pior martírio que um ser humano pode sofrer,

1
quando se viu abandonado por Deus, e gritou
entusiasmado: "Meu Deus, meu Deus, por que você
me abandonou?" A sede o atormentou enormemente
por causa de tanto sangue que ele derramou e ele
teve que exclamar: "Estou com sede" e eles lhe
deram vinagre para beber e ele o tomou. E com sua
admirável paciência, ele abriu para nós as portas do
Paraíso Eterno. Bendito seja você para sempre,
Senhor. e deram-lhe vinagre para beber, e ele tomou.
E com sua admirável paciência, ele abriu para nós as
portas do Paraíso Eterno. Bendito seja você para
sempre, Senhor. e deram-lhe vinagre para beber, e
ele tomou. E com sua admirável paciência, ele abriu
para nós as portas do Paraíso Eterno. Bendito seja
você para sempre, Senhor.
Quem para quem? Ao meditarmos sobre essas
questões importantes, façamos a pergunta que São
Tomás de Aquino se perguntou: "Quem sofreu?
Como ele sofreu? Por quem ele sofreu? Vamos
pensar no mesmo Filho de Deus. Aquele Jesus que
poderia desafiar todos os seus inimigos dizendo: "Se
alguém sabe que cometi algum pecado, devo dizer"
(Jo 8:46) e ninguém poderia dizer nada contra ele,
porque em sua vida nunca houve a menor falha. Ele,
tão extremamente puro e santo, permitiu que Deus
sofresse tanto, e disso deduzimos que o sofrimento é
permitido por nosso Senhor, não porque ele queira
nos punir ou porque nos esqueceu, mas para que

1
cresçamos em santidade e consigamos salvar muitas
almas. Ajudará muito a sofrer com maior paciência.
E como ele sofreu?Com a paciência mais
impressionante e cheia de amor pelo Pai Deus e por
nós, pecadores pobres. E isso deve servir de exemplo
para que aprendamos a sofrer da mesma maneira,
sem negar, sem xingar, sem protestar, pelo amor de
Deus e das almas.
Conclusão:Muitas vezes pedimos a Jesus que, já
que ele sabia sofrer com tanta paciência, em um
silêncio tão impressionante e com um amor tão
grande pelo Pai Deus e pelas almas, ele também nos
concede a graça de saber como sofrer com ele: sem
demonstrar impaciência, orar e cheio de silêncio; por
amor a Deus e ao próximo e com a maior paciência
possível. Se pedirmos essa graça muitas vezes, Ele
a concederá em uma quantidade admirável.
Objetivo.Decidamos pedir muitas vezes a virtude da
paciência, porque precisamos dela todos os dias e, se
não pedirmos, não a teremos. Agradecemos ao Pai
Celestial por nos ter dado em seu Filho amado
exemplos sublimes da santíssima paciência. E
olhemos de vez em quando para o crucifixo e
repitamos o que São Bernardo disse: "Seria uma
pena que, após um chefe coroado de espinhos,
açoitado, cuspido, insultado e pregado a uma cruz,
silencioso e cheio de paciência, vivamos com nojo.
por ter que sofrer alguns pequenos sofrimentos ". Se

1
Cristo sofreu tanto por nós, é justo que também
soframos as penalidades que Deus permite que
aconteçam conosco, e que os ofereçamos por seu
reino e pela salvação de almas, especialmente
aqueles que mais precisam de sua misericórdia.
Muitas almas estão perdidas, porque não há quem
sofra pacientemente pela salvação dos pecadores. O
sofrimento é uma grande arma para conquistar almas
se for aceito com paciência, em silêncio e por amor a
Deus.

1
Capítulo 45

COMO PODEMOS MEDITAR SOBRE A


VIRGEM ABENÇOADA
Ninguém ama o que não sabe.Ninguém aprecia a
pessoa de quem não conhece as qualidades que
possui. Portanto, se realmente queremos amar e
apreciar a Santíssima Virgem, devemos meditar de
tempos em tempos em suas maravilhosas
qualidades e em sua admirável grandeza.
A mais abençoada de todas as mulheres.Vamos
elevar o Espírito a Deus e pensar que entre todos os
bilhões que existiram no mundo, a mulher que Deus
abençoou mais do que todos os outros é Maria
Santíssima. Santa Isabel, ao cumprimentá-la, disse-
lhe iluminada pelo Espírito Santo: "Você é a mais
abençoada de todas as mulheres" (Lc 1:42). Deus
abençoa muito as mulheres. (Abençoar é consagrar
algo ao serviço de Deus. É também desejar favores,
ajuda e agradecimentos do céu para aqueles que
recebem a bênção). Algumas mulheres são
extremamente abençoadas por Deus porque levam
uma vida muito piedosa e cheia de boas obras, mas
entre todas as mulheres santas e virtuosas que

1
existiram e existirão na Terra, aquela que recebeu e
sempre receberá mais bênçãos, ajuda e
agradecimentos. é a Virgem Maria. É por isso que
devemos sentir admiração por ela,
Cheio de graça,O Arcanjo Gabriel a chamou de
"cheia de graça" e disse: "Não tema, porque você
encontrou a graça diante de Deus". Graça é amizade
com Deus. A boa vontade e preferência de Nosso
Senhor em relação a uma pessoa. E nenhuma outra
criatura em toda a história foi tão agradável ao Criador
e recebeu dele tantas preferências quanto Maria
Santíssima. Ela pode nos dar aquele presente
maravilhoso chamado "Graça de Deus", amizade com
Nosso Senhor. Em outras palavras: que "nós
gostamos dele", que somos do seu agrado e o
número de seus favoritos. É um favor que devemos
pedir muitas vezes através de Nossa Senhora. (O
oposto da "Graça de Deus" é o pecado. Maria foi
preservada de todo pecado e pode interceder diante
de seu Filho Divino, para que Ele nos liberte da
escravidão do pecado, que é o pior de toda
escravidão, e que nos perdoa todas as nossas falhas
e, assim, vivemos em sua amizade divina aqui na
terra e para sempre no céu. Vamos pedir-lhe esse
grande favor muitas vezes).

1
MARÍA TEM TODAS AS
VIRTUDES
Se meditarmos nas virtudes da Santa Virgem, nós a
amaremos mais e talvez até a imitemos em algumas
delas. Então, vamos meditar em sua fé: ela acreditava,
apesar de todas as aparências em contrário. Em uma
criança chorando, faminta, precisando de toda a
ajuda de uma mãe, ela teve que acreditar que era
Deus. Antes de um simples trabalhador da cidade,
que o povo chamava de "filho do carpinteiro", Maria
acreditava que ele era o salvador do mundo. Antes
que seu filho pregasse uma cruz como malfeitor, ela
continuou acreditando que ele era o Redentor
Universal e que seu reino não teria fim. Não é de
admirar que sua prima Isabel lhe tenha dito: "Bem-
aventurados os que creram. Tudo o que o Senhor
disse a você será cumprido em você" (Lc 1:45).
Vamos admirar a fé de Maria e pedir-lhe um favor
especial: que ela obtenha de seu Filho Divino que
aumente nossa fé.

SUA CARIDADE E ESPÍRITO DE


SERVIÇO
Ele correu para ajudar Isabel porque estava sempre
com pressa quando se tratava de ajudar aqueles que
pedem ou precisam urgentemente. Em Caná, ele
insiste diante de seu Filho Divino e faz Jesus avançar
sua hora de fazer milagres e transformar água em
vinho, e continua a fazer o mesmo favor diante de

1
tantas pessoas que precisam de Jesus para mudar a
água desagradável de uma vida sem boas obras.
aquele vinho generoso chamado caridade, bondade,
conversão e santidade.
Maria, Mãe Dolorosa. Meditar de tempos em
tempos sobre as dores ou sofrimentos sofridos pela
Mãe de Deus pode ser muito útil para nós, porque isso
nos encoraja a sofrer com mais paciência e a oferecê-
las pelo amor de Deus e pela salvação do próximo.
Sua primeira dor:ver seu amado filho nascer em uma
manjedoura, em uma canoa para alimentar os
animais e em absoluta pobreza. Sua segunda dor:
ouvir dos lábios de Simeon que muitas pessoas iriam
contra Jesus e que por causa dele uma espada de dor
perfuraria o coração da mãe. A terceira dor: a fuga
para o Egito com o recém-nascido. A quarta dor: aos
12 anos de idade, sofrer por três dias muito dolorosos
a ausência de seu filho perdido e depois encontrado
no templo. A quinta dor: ouvir a sentença de morte
que Pilatos lançou contra Jesus na sexta-feira ao
meio-dia e depois encontrá-lo no caminho para o
Calvário e vê-lo quebrado, humilhado e sangrando. A
sexta dor: ver Jesus morrer minuto a minuto no
Calvário sem poder ajudá-lo. A sétima dor: assistir ao
seu enterro sagrado, que foi um dos funerais mais
pobres e menos frequentados dos amigos que já
existiram no mundo. Essa separação de seu filho foi
muito dolorosa para ela. Através do sofrimento, Maria,

1
Mãe das Dores, aprendeu a entender quem é que
sofre nesta vida e, por esse motivo, vem nos consolar
e nos dar coragem nas horas de dor, se pedirmos sua
intercessão.

MARÍA: QUEM GANHA


FAVORECIMENTO
Os grandes santos repetiram muitas vezes que
nunca se ouviu que alguém se confiasse à Virgem
Maria e ela o abandonou e não lhe concedeu proteção.
Depois de seu Divino Filho, não temos ajuda mais
poderosa e eficaz que Nossa Senhora. Se não fomos
mais ajudados por ela, é porque não temos mais fé
em sua intercessão. Maria pode fazer muito diante de
nosso Senhor, porque suas orações são pedidos da
mãe e Jesus é o melhor Filho que já existiu e ela
nunca negará a sua Mãe Santíssima o que ela pede
por nós. Portanto, nunca nos cansemos de implorar
por sua preciosa proteção.

MARIA: AQUELE O AMOR DE


JESUS MAIS
O grau de nossa felicidade no céu dependerá muito
do grau de amor que tivemos por Jesus Cristo nesta
terra. Maria, por causa de seu imenso amor por Jesus,
foi levada à alta posição que ocupa no céu. Por 33
anos ela esteve com ele e passou a amá-lo com um
imenso amor, tão grande quanto ela nunca teve e não
terá nenhuma criatura na terra. A devoção a Maria

1
deve nos levar a amar mais a Jesus. Ela disse a Santa
Brígida: "O que eu mais quero é que as pessoas
amem meu Filho Jesus Cristo". Vamos perguntar-lhe
muitas vezes: "Oh Maria: faça-nos amar a Jesus
como você O ama". Ela, mais do que São Paulo
poderia dizer:
"Eu não vivo mais, mas é Cristo quem vive em Mim."

A PROPRIEDADE DE MARIA É FAZER


AMOR A JESUS CRISTO
Maria não é uma rival de Cristo, que tira o amor que
lhe devemos, mas quanto mais a amamos, mais
amaremos seu filho, porque ela é a causa dEle pela
qual tanto a amamos. É por isso que dizemos de
tempos em tempos: "Oh Jesus: que amamos sua
Santa Mãe como você a amou. Oh Maria: que Jesus
é sempre o centro e o fim de tudo o que fazemos,
dizemos, pensamos e sofremos. amemos como você,
com todos os nossos corações nesta vida e podemos
continuar amando-o para sempre no céu. "

Capítulo 46

1
Vamos meditar em uma devoção que nos faz
tanto: o
DEVOÇÃO PARA SAN JOSÉ
A experiência ensina que quem mora perto de um
forno com temperatura muito alta se preserva
necessariamente com mais calor do que os que são
removidos do fogo, e que um tecido que adere a um
perfume muito fino também adquire seu aroma suave.
São José viveu por muitos anos ao lado da mais alta
fornalha de caridade que já existiu na terra, que é
Jesus Cristo, e junto com a Mãe de Deus, que sempre
ardia em amor por Nosso Senhor e em caridade pelos
outros. E ninguém como os dois exalou um perfume
tão requintado de santidade. Por esse motivo, São
José tinha necessariamente um alto grau de amor a
Deus e de caridade para com o próximo e estava
infectado com a santidade de Jesus e Maria. É
impossível que quem se aproxima de um grande
incêndio não participe do calor de suas chamas. E
que chama maior de amor sobrenatural pode haver
além da que ardeu nos corações de Jesus e Maria? E
José ficou lá com eles por um longo tempo.
Quando Deus confere a uma pessoa uma
responsabilidade especial, ele concede a ele por
justiça as qualidades necessárias para exercer o
ofício que lhe foi confiado. E São José foi confiada por
Nosso Senhor à mais alta responsabilidade de ser o
guardião dos dois maiores tesouros que o Criador

1
enviou a este mundo: O Filho de Deus e a Mãe do
Redentor. Portanto, sem dúvida, ele concedeu ao
Santo Patriarca todas as excelentes qualidades
necessárias para uma responsabilidade tão delicada
e imensa.
Intervenções admiráveis.Muitas maravilhas são
contadas sobre as intervenções que esse grande
santo fez para aqueles que se confiam a ele com fé.
Conceder ajuda no espiritual e no material; ele recebe
luzes e luzes do céu para resolver problemas e
dificuldades e se torna um diretor invisível magnífico
para ensinar a orar e meditar. Se alguém não tem
alguém para ensiná-lo a orar e meditar, confie-se a
este santo poderoso e você verá resultados que
excedem tudo o que você esperava.
Cristo mostra sua gratidão.Se nosso Senhor
concede tantos favores aos devotos por intercessão
dos outros santos, porque eles foram tão fiéis a ele
nesta terra e mostraram tanto amor, quantos favores
mais ele concederá por intercessão do que se
dedicou por 30 anos, dia e noite, para comparecer
proteger, ajudar, amar e fazer feliz Jesus Cristo e sua
Mãe Santíssima? Jesus, que é o melhor de todos os
filhos, ele pode parar de recompensar esse pai
adotivo que só o amava e se importava com ele nesta
terra? Cristo tem as mesmas qualidades no céu que
Ele tinha na terra. E aqui ele amou e apreciou São

1
José imensamente. Portanto, no céu, ela ainda o ama
e concede a ele o que ele pede por nós.
Um favor especial. Santa Brígida e São Bernardo de
Siena espalharam muito a devoção a São José, e
esses dois santos recomendaram que pedíssemos a
um patrão tão gentil uma graça muito especial: que
ele nos ensine a amar a Jesus como o amava.
Algo que vale a pena invejar.São João
Evangelista colocou a cabeça no coração de Cristo na
Última Ceia. Isso é algo que merece uma inveja
sagrada. Mas São José teve Jesus como criança em
seu coração muitas vezes, nos braços por muito
tempo e em sua casa até os 30 anos de idade. Que
felicidade digna de santa inveja.
Experiência prazerosa.Ao lidar com pessoas
fervorosas, é possível verificar que não há ninguém
que tenha devoção a São José e mostre a ele que ele
ama e confia nele, e que ele não tira vantagem e
cresce em virtude. Os favores que lhe são confiados
e os perigos que ele consegue libertar são
surpreendentes. Basta ter a experiência de orar a ele
com devoção, e logo fica evidente como essa
devoção é benéfica. Outros santos têm uma
especialidade para ajudar em certos assuntos, mas
São José recebeu a especialidade para ajudar em
todos os tipos de problemas. Os santos são grandes
porque eles obedeceram a Cristo. São José é grande
porque Cristo o obedeceu.

1
Grande santidade.O Evangelho diz que São José já
era pouco antes de se casar. Quão mais santo ele se
tornaria se morasse junto com a mais santa das
mulheres e com quem é mais santo por Cristo Jesus?
São José: peça a Jesus e Maria que nos concedam a
graça de amá-los como você os amou e de se tornar
santos. Amém.

SAN JOSE: PADRÃO DE VIDA


INTERIOR: ENSINE-NOS A ORAR, A
SOFRE E PARE

Capítulo 47

1
ALGUNS SENTIMENTOS AFETIVOS QUE
PODEMOS SAIR DA MEDITAÇÃO NA
PAIXÃO DE JESUS CRISTO
O lugar onde você aprende melhor.Eles falam do
grande sábio de São Boaventura que alguém
admirado pela sabedoria desse admirável médico lhe
perguntou: onde ele aprendeu tanta ciência? E que o
santo o levou a um Cristo crucificado, diante de quem
passou muitas horas orando e meditando, e disse-lhe:
"Foi aqui que consegui aprender o bem que sei", e
eles dizem que o crucifixo de São Boaventura tinha
os pés e os pés. mãos usadas de tantos beijos que
receberam dos lábios do santo. De fato, a meditação
sobre a Paixão de Cristo produziria muito bons
sentimentos de afeição por Nosso Senhor.
Algo que conseguiu se mover.Um homem
tremendamente vingativo entrou no templo um dia e
viu uma foto de Jesus amarrada à coluna e uma placa
embaixo que dizia: "Ele não voltou insulto por insulto".
Então ele viu outra pintura onde Jesus foi açoitado e
esta inscrição: "Quando o fizeram sofrer, ele não
ameaçou" (1P 2:23) e uma pintura de Cristo crucificou
com esta lenda: "Pai, perdoa-os porque eles não
sabem o que estão fazendo". Ele começou a olhar
para essas imagens e meditar em seus sinais e, a
partir daquele dia, nunca mais se vingou de ninguém.
É aquela meditação sobre a Santa Paixão cheia de
bons sentimentos.

1
AS CINCO TEMAS
Cinco ferimentos foram feitos a Jesus em suas
mãos, pés e lado na cruz, mas antes disso ele
também teve que sofrer cinco tormentos dolorosos
que deveriam ser meditados de tempos em tempos.
1o O tormento da angústia. Este martírio de Jesus
durou três horas no Jardim das Oliveiras. Ele queria
sofrer por si próprio quão terrível é o sofrimento da
depressão, tristeza, preocupação. Como ele tinha que
ser o consolador de todos aqueles que tiveram que
passar por esses terríveis tormentos da alma, ele os
sofreu primeiro, para que não soframos dores ou
angústias que sofremos por Ele não sofrer primeiro. A
Sagrada Escritura diz que, ao sofrer, ele aprendeu a
entender aqueles que sofrem. Muito poucas pessoas
na história são informadas de que tiveram um medo
tão terrível que as fez suar sangue. E Jesus sofreu.
Em momentos de tristeza e depressão, pensemos
que nosso Salvador também passou por esses
sofrimentos e, em vez de desespero, façamos o que
Ele fez: Oremos com confiança ao Pai, e seremos
consolados por sua grande bondade. Santo Inácio diz:
"Lembremos que Jesus no Jardim, quanto maiores
seus sofrimentos, mais e mais ele orava. Imitemo-lo
também nisso".
2 ° O tormento das humilhações.Quando Judas lhe
deu um beijo à meia-noite da quinta-feira santa, as

1
horas mais humilhantes de sua vida começaram para
Jesus. Um soldado de Caifás deu um soco terrível no
rosto por dar uma resposta franca. Então, senadores,
soldados e todos os tipos de pessoas passaram para
dar um soco nele e cuspir na cara dele. De manhã,
Herodes o fez se vestir de louco, e eles o levaram
pelas ruas. Os soldados o coroaram rei da zombaria
e os vendaram com socos e disseram: "Adivinha
quem o atingiu?" Pilatos colocou o povo para escolher
quem eles preferiam se Jesus ou o bandido Barrabás
e a multidão liderada por escribas e fariseus
preferissem Barrabás. E quando o crucificaram, o
colocaram no meio de dois ladrões ... É que Jesus
queria sofrer toda a amargura das mais terríveis
humilhações. Ao contemplarmos essas ações
admiráveis, sintamos o desejo de aceitar, como Ele e
por amor a Deus e às almas, as humilhações que
Deus permite que venham até nós.
3o O martírio das injustiças. Jesus suportou em sua
Santa Paixão as maiores injustiças. Caifás e os outros
senadores carregavam um monte de falsas
testemunhas que inventavam mentiras e se
contradiziam, e sem permitir que nenhuma defesa
sentenciasse Jesus à morte. Pilatos declarou que não
encontrou motivo para condená-lo, e mesmo assim o
condenou à morte na cruz. Ele disse que Jesus era
justo e santo, mas ele o açoitou como um criminoso.
Eles libertaram Barrabás que havia cometido
assassinato; em vez disso, Jesus que não havia

1
cometido o menor crime, o levou a crucificar. E tudo
isso pelos nossos pecados. Porque julgamos e
condenamos injustamente os outros. E para nos
ensinar a sofrer pacientemente quando outros forem
injustos em nos julgar.
4 ° O martírio da crueldade.Eles deram um tapa nele.
E o Evangelho usa para isso uma palavra que
significa "socos na pele". Chicotearam-no com cintos
afiados, com pedaços de chumbo ou osso nas
extremidades. Uma coroa de espinhos muito afiados
foi perfurada em sua cabeça mais sensível e
dolorosamente perfurou sua pele. Todo o seu corpo
foi despedaçado em sua mais dolorosa paixão, e tudo
isso, pedindo perdão ao Pai Deus pelos pecados que
cometemos, dando prazer às paixões desordenadas
do nosso corpo, e nos ensinando que devemos fazer
algum sacrifício de vez em quando para dominar o
pecado. más inclinações de nossa carne.
5º O martírio da cruz. Vamos pensar na dor que ele
sofreu quando chegou ao Calvário e eles tiraram o
manto que estava grudado no sangue que ele havia
derramado na flagelação e, assim, tiraram partes de
sua pele, com muita dor. Pensemos nos golpes de
martelo que atingiam as unhas nas mãos e nos pés,
e como Ele "clamou a Deus Pai com um grande
clamor e muitas lágrimas" (Hb 5, 7). Suas mãos e pés
foram perfurados e seus ossos podiam ser contados
(Salmo 21). Ao meditarmos nas dores tão intensas

1
que nas horas da cruz que ele sofreu nas feridas das
mãos e dos pés, excitamos nossos corações a amar
cada vez mais um bom Redentor que derramou até a
última gota de seu sangue para nos salvar. . Vamos
perguntar-lhe: "Por quem você sofre, bom Jesus?" E
ele nos responderá: "Por seus pecados, para salvá-lo,
Sentimos consolo e esperança ao pensar que Cristo
Jesus, com sua morte, pagou por nossos pecados,
apaziguou a justa vontade de Deus (Ef 6) e abriu para
nós as portas do Paraíso Eterno. Pensemos que a
melhor consequência que podemos obter da
meditação sobre a sagrada Paixão de Jesus Cristo é
adquirir um ódio total ao pecado, uma repulsa
absoluta por tudo o que é uma ofensa a Deus e um
intenso desejo de lutar contra todas as paixões e más
inclinações que eles nos levam a cometer erros e
desagradar nosso Salvador.
Vamos pensar: Jesus Cristo, o Filho de Deus, o
Criador e dono de tudo o que existe, pacientemente
aceitou esta morte ignominiosa nas mãos de suas
criaturas, e não vou aceitar que as pessoas me
ofendam, me humilhem e me tratem mal. ? Jesus
sofreu uma angústia tão terrível, a fim de nos salvar,
e eu não aceitarei as tristezas diárias para ajudá-lo a
salvar almas? O que farei para mostrar minha
gratidão a esse grande amigo que fez sacrifícios tão
enormes para alcançar minha salvação?

1
Capítulo 48

OS FRUTOS QUE PODEMOS OBTER DA


MEDITAÇÃO EM
A CRUZ E NAS VIRTUDES DE JESUS
CRISTO
O primeiro que podemos obter meditando na cruz
e nas virtudes de nossos salvadores um profundo
arrependimento por nossos pecados que causaram
sua paixão e morte, um grande desejo de reparar as
ofensas que cometemos a ele e um esforço contínuo
para alcançar a conversão dos pecadores.
O segundoO que devemos fazer ao meditar sobre a
paixão e a cruz do Redentor é pedir-lhe, com
confiança, perdão de todos os nossos defeitos,
convencidos de que foi obtendo o perdão que ele
sofreu tormentos tão atrozes. Lembrando deles,
devemos sentir um verdadeiro ódio e repulsa por
nossos males, e um grande amor por aqueles que
sofreram tanto para nos salvar.
O terceiro deve ser esforçar-se com toda a vontade
de nos afastar do coração e sufocar em nossas vidas
as inclinações indevidas que nos levam ao pecado.

1
O quarto que nos propomos imitar as virtudes
admiráveis de Jesus, que segundo o que São Pedro
diz "sofreu por nós, deixando-nos um exemplo para
seguirmos os seus passos" (1P 2:21).

UMA MANEIRA PRÁTICA DE FAZER ESTA


MEDITAÇÃO COM FRUTA
Lembremo-nos de um método que produz bons
frutos ao fazer meditação neste tópico muito
importante. É composto por quatro pontos:
1o Pense no que Jesus Cristo fez olhando para o

Deus Pai enquanto sofria. 2o Medite sobre o que o

Pai Deus fez enquanto seu Filho sofria na cruz.

3o Pense em como Jesus se sentiu em relação a


nós enquanto sofria de sua sagrada paixão.
4 Medite sobre o que devemos fazer para quem sofreu
tanto para nos salvar.
1º. Jesus, enquanto sofria na cruz elevando sua
mente para seu Pai, para a infinita Divindade de quem
o profeta Isaías disse: "Todas as nações estão diante
dele como um gótico da água, e as maiores ilhas
parecem um grão de poeira, e a terra inteira é como
nada antes. Ele "(s 40, 17) e ofereceu à santidade de

1
Deus todos os seus sofrimentos na reparação pelas
infidelidade, insultos e desprezo de todas as criaturas
humanas, e agradeceu-lhe por seus infinitos favores
e pediu que os humanos concedem a graça de
agradar e obedecer ao Criador.
2 ° Pai Deus do céuEle olhou com grande satisfação
o imenso amor de seu Filho, que se ofereceu com
uma enorme generosidade para pagar perante a
Divina Justiça os pecados de todos os descendentes
de Adão. O livro de Gênesis diz que, quando Deus
contemplou do céu a grande iniquidade do povo "ele
se arrependeu de ter criado seres humanos" (Gn 6, 6).
Mas, depois de ver na cruz se oferecer com infinito
carinho para pagar pelos males de toda a
humanidade, o Pai Deus sentiu verdadeira alegria por
ter criado a criatura humana, porque nisso seu Filho
Preferido encontrou todas as suas complacências e
Deus abriu Novamente, os Portões do Paraíso Eterno
que estavam fechados desde que Adão e Eva se
revoltaram contra seu Criador, e de agora em diante
para Deus não há mais impedimentos para que seus
filhos da terra passem para sua alegria no céu.
3o Imagine como Jesus se sentiu em relação a nós
enquanto sofria seu martírio na Santa Paixão. Ele nos
viu tão fracos, tão mal inclinados, tão atrozmente
atacados pelo mundo, pelo diabo e pelas paixões da
carne, tão assustadoramente inclinados ao mal desde
que nossos primeiros pais perderam a amizade de

1
Deus no Paraíso Terrestre. Ele viu os grandes perigos
de nos condenar que sempre teríamos. Ele observou
claramente a horrenda feiúra de nossos pecados e a
gravidade de nossas falhas. Ele sabia perfeitamente
que "Deus perdoa, mas não deixa culpa sem sanção"
(Êx 34, 7) e que, portanto, as consequências de cada
pecado são dolorosas e prejudiciais. E ele também
entendeu que, sem a ajuda do poder divino, somos
totalmente incapazes de converter e manter a
amizade com Deus. Então, durante sua Santa Paixão,
ele orou por nós. Ele pediu perdão por todos os
pecados dos pecadores e apagou com seu Santo
Sangue a sentença de condenação que deveríamos
ter recebido pelos pecados.
São Paulo diz em uma bela comparação que:
"Jesus tomou a conta dos nossos pecados e dívidas
com Deus, lavou-a com seu sangue e pendurou-a na
cruz como algo já cancelado" (Cl 2:14). Durante sua
paixão, ele estava orando por nós pecadores. Bendito
seja!
4o Vamos agora pensar no que devemos fazer para
quem sofreu tanto para nos salvar. O amor se paga
com amor. O que Jesus Cristo quer que ofereçamos
em resposta a tudo o que ele sofreu para nos redimir?
Será que aceitamos com alegria e paciência a cruz de
sofrimentos que Deus permite que venha a nós todos
os dias e assim o ajude a salvar pecadores e diminuir
as tristezas que nos aguardam pelo purgatório? Será

1
que lutamos um pouco mais para evitar os pecados
que tanto desagradam a Divindade? Será que nos
sacrificamos mais generosamente pelos outros,
imitando o Salvador que deu a vida para nos redimir?
Vamos considerar a cruz de Jesus como um livro
aberto, no qual devemos ler e aprender todos os dias
de nossas vidas. Na vida de São Francisco de Assis,
diz-se que ele já estava morrendo dizendo: "Traga-me
meu livro". Trouxeram-lhe vários livros, mas ele já
estava cego e os rejeitou. Por fim, trouxeram o
crucifixo para ele e depois o encheram de beijos nas
mãos, nos pés, nas feridas do lado e na coroa de
espinhos, ele repetiu alegremente: "Neste livro
aprendi a amar meu Redentor". E ele morreu dizendo
ao Salvador que o amava de todo o coração. Vamos
olhar para Cristo pregado na cruz e lembrar o quanto
ele nos amou e, em vez disso, vamos dizer muitas
vezes: "Eu te amo, Jesus. Senhor, você sabe que eu
te amo. Oh, bom Jesus: que eu te ame muito mais.
Que todos nós te amemos sempre mais e mais". E ele
morreu dizendo ao Salvador que o amava de todo o
coração. Vamos olhar para Cristo pregado na cruz e
lembrar o quanto ele nos amou e, em vez disso,
vamos dizer muitas vezes: "Eu te amo, Jesus. Senhor,
você sabe que eu te amo. Oh, bom Jesus: que eu te
ame muito mais. Que todos nós te amemos sempre
mais e mais". E ele morreu dizendo ao Salvador que
o amava de todo o coração. Vamos olhar para Cristo
pregado na cruz e lembrar o quanto ele nos amou e,
em vez disso, vamos dizer muitas vezes: "Eu te amo,

1
Jesus. Senhor, você sabe que eu te amo. Oh, bom
Jesus: que eu te ame muito mais. Que todos nós te
amemos sempre mais e mais".
Perigo.Pode acontecer que nos ocupemos por muito
tempo meditando sobre o que Jesus sofreu na cruz e
o modo como ele sofreu, mas depois, quando
recebemos tristezas, sofrimentos e contradições, nos
dedicamos a negar e amaldiçoar, como se nunca
tivéssemos pensado. na cruz do Salvador. Então
aconteceria conosco os soldados que juram seus
chefes e prometem defender a bandeira da pátria,
mas assim que o inimigo aparece para atacá-los, eles
fogem e deixam o campo de batalha. Que pena que,
depois de contemplar na cruz de Cristo, como num
espelho, o modo como devemos sofrer, depois que a
oportunidade de sofrer algo se apresentar,
esquecemos tudo e, em vez de imitar o Salvador, nos
deixamos dominar por impaciência e desânimo.

1
Capítulo 49

DETALHES SOBRE O SACRAMENTO DA


EUCARISTIA
Até agora, aprendemos a usar certos meios
espirituais extremamente úteis para progredir na
virtude e vencer contra os inimigos de nossa
santificação. Agora vamos ver a maneira mais
excelente de progredir na perfeição. É a Santa
Eucaristia. De todas as armas espirituais, é o mais
eficaz vencer os inimigos de nossa virtude e
santificação.
Diferença.Os outros sacramentos recebem toda a
sua força nos méritos de Cristo, da graça que Ele
obteve por nós e de sua poderosa intercessão em
nosso favor. Mas a Eucaristia contém o próprio Jesus

1
Cristo, com seu corpo e sangue, sua alma e sua
divindade. Com os outros sacramentos, lutamos
contra os inimigos da alma com os meios fornecidos
por Jesus Cristo. Com isso, lutamos apoiados e
acompanhados pelo próprio Redentor, pois Ele disse:
"Quem come minha carne e bebe meu sangue
permanece em Mim e eu nele".
(JN 6, 56).

O QUE DEVEMOS FAZER ANTES DE


COMUNICAR
Se temos uma falta séria na alma, é necessário que
confessemos antes de receber a Comunhão, pois
São Paulo disse: "Quem comer este pão
indignamente será culpado ou culpado do corpo do
Senhor" (1Co 11:27). Se temos apenas pecados
veniais, é conveniente, contudo, pedir perdão ao
Senhor por tantas pequenas infidelidade de
pensamentos, palavras e ações que cometemos
todos os dias: "Coração humilhado e arrependido,
Deus não o despreza" (Sl 51). Devemos pensar
"quem vem a quem". O Criador do céu e da terra para
uma criatura pobre e miserável. O puro e santo para
uma alma pecadora e manchada. Jesus Cristo vem
com muito amor para nós e, em vez disso, o
recebemos com frieza, indiferença e até ingratidão.
Peçamos que Ele nos ajude a preparar-nos bem para

1
a vinda dele à nossa alma. Vamos invocar a
Santíssima Virgem, ao Anjo da Guarda e a algum
santo de nossa devoção, para que ele possa obter
para nós a graça de nos prepararmos bem para a
Santa Comunhão. Não passemos imediatamente do
trabalho diário para receber Jesus na Eucaristia sem
gastar alguns minutos nos preparando. Quanto
melhor a preparação, maiores serão os frutos da
comunhão.
Vamos colocar alguma intenção em cada
comunhão.Isso dará mais interesse e entusiasmo a
esse sacramento sagrado. Por exemplo, um dia
ofereceremos comunhão para pedir ao Senhor que
nos conceda vitória sobre nosso defeito dominante.
Outro dia, receberemos a Comunhão para pedir que
ele aumente nossa fé ou caridade, ou que nos
conceda a paciência de que tanto precisamos, ou que
nos preserve a santa virtude da pureza, ou que
converta algum pecador, etc. Quando ele comunica
com a intenção especial de obter alguma ajuda
especial do céu, sente mais fervor. Que Jesus não
precise continuar dizendo essas palavras: "Até agora
eles não pediram nada em meu nome". Ele continua
repetindo para nós sua grande promessa: "Se você
me pedir algo em meu nome, eu o farei" (Jo 14, 13).

Algo que deve ser lembrado e não


esquecido.Antes de receber Jesus na Santa
Eucaristia, é conveniente lembrar como ele tem uma

1
grande aversão ao pecado e como repugna
totalmente sua infinita pureza por tudo que é mau e
mancha na alma. Por isso, pedimos perdão e
declaramos que odiamos nossos pecados e que
queremos declarar guerra total e constante contra
nossas inclinações perversas e os maus hábitos que
adquirimos. Nada odeia Nosso Senhor tanto quanto o
pecado. Temos sido rebeldes e ingratos com o
Redentor, e ele ainda vem nos visitar. Digamos que a
partir de agora não queremos ofendê-lo.

Capítulo 50

MÉTODO PRÁTICO DE PREPARAÇÃO


PARA A COMUNHÃO SANTA PARA QUE
possamos progredir no amor de Deus
Se queremos que a Santa Comunhão produza em
nós sentimentos e afetos de amor a Deus, devemos
lembrar o imenso amor que nosso Senhor teve por
nós e, esperançosamente, na noite anterior já
estamos pensando na comunhão que faremos no dia
seguinte. Pensemos que este Deus, cujo poder e
majestade não tem limites, não se contenta em nos
ter criado e nos enviou seu próprio Filho para pagar
com seus sofrimentos as dívidas de nossos pecados,

1
deu a ele seu Santíssimo Filho como alimento para a
alma no Sagrado Eucaristia. Na verdade, o que Santo
Agostinho disse foi cumprido aqui: "Sendo Deus tão
poderoso, tão sábio e tão gentil, ele não encontrou
outro presente melhor para nos tornar, a não ser o seu
próprio e o Santo Filho".
Comparação.Pensemos: é possível que quem é
eterno e infinito fique na minha pobre alma que é tão
pequena e miserável? Tão grande é o seu amor por
nós. Que mérito eu poderia ter para o Salvador dos
idiotas vir me visitar? Nenhum. O bom Deus busca
algum ganho com esta demonstração de seu infinito
amor por mim? Nada. Eu sou nada e menos que nada
e, portanto, nada pode ser ganho por me amar. Seu
amor é infinitamente livre. Sua bondade e somente
sua bondade é a razão pela qual você vem me visitar
na Sagrada Comunhão. Em Deus, não há o menor
interesse em obter lucros com o amor que ele nos
mostra, porque ele não precisa deles nem podemos
dar a ele. Tudo é fruto de sua infinita generosidade.
Alojamento indigno.Pensarei como indignamente
recebo em minha alma o Visitante Divino. Com uma
alma manchada, ingrata, infiel, fria e cheia de
maldade. A manjedoura de Belém, por mais pobre e
miserável que fosse, não era remotamente tão
indigna de receber o rei do céu quanto minha pobre
alma está manchada de todo tipo de infidelidade.
Antes dessa consideração, devo fazer atos de

1
admiração. O Deus Mais Puro e Santíssimo pode
visitar uma alma tão pecaminosa quanto a minha?
Você poderia pedir mais demonstrações de seu amor?
Agora você pode repetir para mim as palavras do
profeta: "O que mais eu poderia fazer por você que
não fiz?"
Petições.Antes de comunicar, ou se quiser, depois, é
conveniente fazer ao Jesus Sacramental alguns
pedidos como estes: "Senhor: Você faz o sacrifício vir
a mim. Conceda que eu também possa me santificar
por Você. Você é amor eterno. Que este meu coração,
que é como um bloco de gelo, se acenda em amor ao
meu Criador e Redentor. Você vive eternamente no
céu. Conceda-me a graça de me tornar independente
do que é meramente mundano, terreno e material.
Você está interessado em vir Faça-me viver por você,
por você e em você. Você é santidade em pessoa.
Livra-me, pobre pecador, da escravidão em que tenho
paixões e vícios. infinito. Decore minha alma com a
beleza das virtudes. "
Isso deve ser pensado esperançosamente antes de
receber a Comunhão. E quando chegar a hora de
receber o Jesus Sacramental, pensemos brevemente
em quem vamos receber? Jesus, o mesmo que
estava nos braços da Virgem Maria em Belém. O
mesmo que estava pendurado na cruz no Calvário.
Aquele que ressuscitou. O Filho preferido de Deus, o
Pai. O juiz dos vivos e dos mortos. O Redentor e

1
Salvador. O mais gentil e humilde dos seres que
viveram na terra. E para quem vem? para uma alma
muito pecadora. E digamos a ele de todo o coração:
"Senhor, não sou digno de entrar em minha casa, mas
uma palavra sua será suficiente para me curar".

1
Capítulo 51

COMO AGRADECER APÓS COMUNHÃO


Depois de termos recebido a Sagrada Comunhão,
devemos nos reunir em meditação piedosa e adorar
com profunda humildade e reverência ao Senhor,
dizendo o seguinte ou algo semelhante: "Senhor e
meu Deus, você sabe com que facilidade o ofendo;
você conhece o domínio que eles têm. sobre mim
paixões, especialmente algumas, e quão poucas e
fracas são minhas forças para vencê-las e dominá-
las.Seu poder e bondade dependerão em grande
parte da vitória, e embora eu queira fazer o possível
para ter sucesso contra minhas más inclinações, no
entanto, somente se você me enviar sua poderosa
ajuda, espero obter bons resultados ".
Em seguida, dirigindo-nos ao Pai Celestial,
agradeceremos a ele por ter nos dado seu Santo Filho
na Santa Eucaristia, e ofereceremos a ele essa
comunhão por alguma intenção especial,
especialmente para alcançar a vitória contra alguns
pecados que discutimos e repetimos mais. E
oferecemos a ele o objetivo de lutar da melhor

1
maneira possível contra as tentações e os perigos
espirituais que fazem guerra à nossa alma, repetindo
atos de fé e esperança, lembre-se de que "se
fizermos a nossa parte o que pudermos, o o poder de
Deus fará o que não podemos obter. "
Sabendo que "todo bem espiritual vem de Deus"
(Tiago 1:17), é muito justo que lhe agradecemos
freqüentemente por tantos favores que ele vive nos
concedendo diariamente, pelas vitórias que ele nos
permite alcançar contra os inimigos de nossa
santidade e pela boas obras que ela nos permite fazer
e os males dos quais nos liberta tantas vezes. Mas o
favor mais conveniente de agradecer é a visita que
Nosso Senhor Jesus Cristo nos faz na Santa
Comunhão. Somente no céu conheceremos o valor
infinito desse presente de Deus: nos dar o corpo e o
sangue do seu Santo Filho, como alimento.
Uma razão.Para nos encorajar a ser mais gratos a
Nosso Senhor, devemos pensar sobre qual é o
propósito que o move a nos conceder tantos e tantos
favores. Ele faz isso apenas porque nos ama, porque
deseja nosso bem maior, porque somos muito
importantes para ele, porque sua generosidade é
infinita e ele sente mais prazer em dar do que em
receber. Como não podemos abençoar e louvar um
Deus tão bom?
Outra razão.Pensemos também: o que há em nós
que merece tantas coisas boas do bom Deus? Nada

1
de bom, mas, pelo contrário, infidelidade, ingratidão,
mal. É por isso que devemos dizer a ele: "Oh, Senhor:
como é possível que você visite um ser tão infeliz e
cheio de manchas e culpa como eu? Como você pode
viver preenchendo favores uma criatura pobre que
não corresponde à sua bondade?" Que você seja
abençoado e louvado para todo o sempre. "
E o que ele pede de nós?Nosso Senhor apenas
pede que o amemos. Que possamos pagar amor com
amor. Que possamos nos esforçar para atendê-lo da
melhor maneira possível; que tentamos tornar nossa
vida agradável a Ele. Vamos ter sentimentos de
gratidão por um Deus tão bom e nos encher de
desejos de fazer e cumprir sempre e com toda a Sua
Santíssima Vontade.

Capítulo 52

A COMUNHÃO ESPIRITUAL
A comunhão espiritual consiste em um intenso
desejo de Jesus Cristo entrar em nossos corações, e
um fervoroso pedido para que Ele realmente venha.

1
Difere da Comunhão Sacramental, pois, no último,
Jesus fica visivelmente sob o disfarce de pão, na
Santa Hóstia, enquanto na Comunhão Espiritual sua
visita é invisível. Há também a diferença de que a
comunhão sacramental não pode ser recebida muitas
vezes todos os dias; em vez disso, a comunhão
espiritual pode ser feita a qualquer momento, de
qualquer lugar e quantas vezes a pessoa deseja.
Como fazer isso?Os autores piedosos
recomendam a seguinte maneira de fazer a
Comunhão Espiritual. 1o Peça perdão a nosso
Senhor pelas ofensas que fizemos a ele. Em seguida,
peça a ela com fé e humildade que deseje chegar à
nossa alma, apesar de quão manchada e indigna ela
seja. Diga a ele que precisamos da visita dele porque
somos fracos, cheios de fraqueza e miséria e
atacados por terríveis inimigos espirituais. Que ele se
digne nos trazer suas ajudas e graças espirituais e
venha nos fortalecer em nossas lutas. Nem sempre
vamos contar tudo isso: podemos dizer algo
semelhante ou melhor. Mas o essencial é que temos
o desejo de que Jesus Cristo venha visitar nossa alma
e oramos para que, de fato, ele nos faça essa visita
sagrada.
As vantagens.Quando precisamos mortificar e
superar algumas das paixões ou tendências
perversas que nos atacam, ou queremos crescer em
alguma virtude ou qualidade que nos falta, ou se

1
somos apresentados a angústias, problemas ou
dificuldades especiais, é muito útil pedir a Jesus que
venha para a nossa alma. Para fazer esta Comunhão
Espiritual, não é necessário confessar naqueles dias,
mas é necessário pedir perdão por nossos pecados e
ter uma firme resolução de não querer cometê-los de
agora em diante. Para que o visitante se sinta feliz, é
necessário que a pessoa visitada e o local onde ele
chega sejam agradáveis. E como nosso Senhor se
sentirá feliz se a pessoa que o convidar quiser
continuar pecando e sua alma estiver manchada
demais e não houver esforços para purificar e corrigir?
Após a Comunhão Espiritual,Devemos agradecer
a bom Jesus por essa visita que ele tão
generosamente nos faz. Ele nunca vem de mãos
vazias. Então, toda vez que você nos visita, se você
encontrar boas disposições em nós, alguma graça ou
ajuda espiritual nos traz.
FÓRMULA. Geralmente a fórmula usada para fazer a
Comunhão Espiritual é esta (mas outras podem ser
usadas): "Meu Jesus: acredito firmemente que você
está no Santíssimo Sacramento do altar. Adoro você
acima de todas as coisas. Amo você de todo o
coração. Quero que você chegue ao meu coração,
mas como não posso recebê-lo agora
sacramentalmente, peço que você venha
espiritualmente à minha alma (breve pausa. Neste
momento, paremos por alguns momentos para fazer

1
atos de amor, confiar e pedir agradecimentos de que
precisamos). Se você já veio, aprecio profundamente
sua visita e peço que nunca permita que eu me afaste
de você. Venha, Senhor Jesus, Pai Eterno: ofereço a
você o mais precioso Sangue de Jesus Cristo na
expiação de meus pecados e pelas necessidades dos
outros. Santa Igreja e a conversão dos pecadores.
Amém.

Capítulo 53

COMO OFERECER TODOS A


DEUS
Como Abel.O livro de Gênesis diz que Abel
ofereceu a Deus as primícias ou primícias de seu
rebanho e acrescenta: "Deus olhou com muito bons
olhos e satisfação pela oferta de Abel". Como homem
santo, devemos ter como lema "o melhor para o
Senhor". No Salmo 49, Deus nos diz: "Ofereça-me um
sacrifício de ação de graças. E eu te livrarei e você
me glorificará".
Uma condição útil.É altamente desejável que
geralmente ofereçamos a Deus o que fazemos,
dizemos, pensamos e sofremos, o que possuímos e

1
todos os nossos bons desejos. Mas, para que essa
oferta seja totalmente do agrado do Senhor, é
conveniente que a unamos às ofertas que Jesus
Cristo fez ao Pai Celestial durante sua vida mortal, de
tudo o que ele fez, pensou, falou e sofreu. Isso dá
imenso valor ao pouco que podemos oferecer em
nossa pobreza.
Um exemplo para imitar.Tudo o que Jesus sofreu e
trabalhou, pensou e disse, ofereceu com grande amor
ao Pai Celestial a maior glória de Deus e a salvação
das almas. A carta aos hebreus diz: "Durante os dias
de sua vida mortal, Cristo ofereceu orações e súplicas
a Deus, com um forte clamor e lágrimas, e foi ouvido
por sua atitude obediente" (Hb 5, 7). Vamos juntar
nossas ofertas àquelas feitas por Jesus e, assim, elas
adquirirão grande valor e simpatia especial aos olhos
do Pai Deus. Essa é a primeira condição para que as
ofertas que fazemos sejam bem aceitas.
A segunda condição.Não está tendo nenhum
apego indevido ou exagerado às criaturas. Porque se
nosso coração está muito apegado ao que está nesta
terra, não oferecemos mais a Deus um coração inteiro,
mas um coração dividido: metade para nosso Senhor
e metade para nosso egoísmo e criaturas. E o que
estamos oferecendo não é nosso, mas de outra
pessoa, porque o demos a outros seres.
E portanto, mesmo que ofereçamos e ofereçamos,
sempre permaneceremos no meio do caminho da

1
santidade e da perfeição, porque permanecemos
ligados à costa deste mundo e é impossível
navegarmos até o Porto Eterno. E isso acontece
conosco, como o marinheiro que rema e remar à noite
e ao amanhecer vê que ele não se afastou da costa,
porque seu barco estava amarrado com uma corrente
à praia e isso o impedia de ultrapassar e avançar.
Embora não seja tão total.Somos criaturas fracas
e, portanto, o bom Deus não exigirá que, para
oferecer a ele o que fazemos, dizemos e pensamos
que já estamos totalmente desapegados das criaturas.
Mas pede que nos esforcemos ao máximo para nos
tornarmos independentes do apego exagerado ao
que é terreno.
E que lhe oferecemos todas as nossas inclinações,
pedindo humildemente que as endireite e purifique e
nos conceda a força necessária para negar a nós
mesmos e nos distanciar de tudo que nos distancia de
Deus. Jesus disse que a primeira condição para
conseguir isso é "negar a si mesmo". Mas nunca
podemos conseguir isso sem ajuda especial do céu e
uma força do Espírito Santo. O que é realizado com
fervorosa e constante oração.
Terceira condição.Para que nossa oferta a Deus
lhe seja agradável, devemos cumprir o que Jesus
disse: "Quem quiser me seguir, aceite sua cruz de
sofrimento diário" (Lc 9:23). É necessário repetir nas
horas de sofrimento, angústia e dor a bela oração de

1
Jesus no Jardim: "Pai: se é possível que este cálice
de amargura se afaste de mim, mas não para fazer o
que quero, mas para fazê-lo. que você quer "(Lc 22,
42). Senhor: faça comigo o que quiser. Estou em suas
mãos e me coloco totalmente sob sua vontade divina,
para que você possa dispor de mim e de meus bens
como achar melhor. Estou certo de que tudo o que
você permitir que eu aconteça será para o meu bem
maior. Mas eu imploro que, se você me der dor,
também me dará coragem para suportar. "
Uma intenção conveniente.Lembremos de tempos
em tempos as ofensas que, na vida passada,
cometemos ao nosso Senhor e oferecemos em
pagamento a elas o bem que fazemos e dizemos, e
os sofrimentos que nos chegam, e tudo isso junto com
as boas obras de Jesus Cristo e os terríveis
sofrimentos de sua vida, paixão e morte. (Eu mereço
mais pelos meus pecados, disse Santo Inácio).
Portanto, quando chegar a hora do julgamento, já
teremos cancelado boa parte das contas que tivemos
que pagar no Purgatório. E não esqueçamos que tudo
isso deve ser oferecido não apenas para nós mesmos,
mas também para a conversão de pecadores, a
santificação para sacerdotes, o trabalho de
missionários, a salvação dos moribundos e o resto
das almas abençoadas. Mas o objetivo principal será
sempre fazer as pazes com Deus por nossos próprios
pecados.

1
Repita isso com freqüência.Ao viajar em um navio,
é necessário que o piloto esteja continuamente
guiando o leme em direção à meta em que deve ser
alcançado, porque os ventos e as ondas tendem a
desviá-lo da rota que deve seguir. É o que acontece
na jornada para as eternas praias do céu: o menor
descuido e egoísmo ou preguiça, orgulho ou apego
exagerado ao que é terreno nos desvia do verdadeiro
objetivo de que devemos nos colocar em tudo o que
fazemos, dizemos, pensamos e nós sofremos. E
então devemos repetir muitas vezes nossa oferta ao
Senhor Deus. "Tudo por você, meu Deus." "Que as
palavras da minha boca, os pensamentos da minha
cabeça e os desejos do meu coração vos sejam
agradáveis, ó Senhor" (Sl 18) Antes da morte, Senhor,
do que me dedicar a trabalhar apenas por criaturas.
O mal de Salomão.Na vida espiritual, chama-se: "O
mal de Salomão", pelo terrível erro que consiste em
ter começado a trabalhar para agradar a Deus, ele
acaba se dedicando a dar prazer às criaturas e se
tornar seu escravo. Foi o que aconteceu com o rei
Salomão, que a princípio foi generoso e piedoso e
construiu um belo templo para o Senhor, mas depois
se deixou ser escravizado por criaturas e acabou
perdendo a fé. Que Deus nos salve de cair no terrível
"mal de Salomão".

1
Capítulo 54
O QUE FAZER QUANDO AS SECAS
CHEGAM
ESPIRITUAL
Quando uma pessoa começa sua vida espiritual, em
geral ela sente muitos confortos e alegrias na alma. É
o que os autores chamam de "doçura de Deus".
Parece bonito orar. Ele adora ler livros espirituais.
Sinta-se fervoroso ao receber os sacramentos, etc.
Isso é muito útil porque estimula a vida de fervor, de
piedade e nos encoraja a continuar no caminho da
santidade.
Um perigo e uma norma.Mas se essas alegrias
são muito grandes e até exageradas, é preciso ter
cuidado para que quem as produza seja inimiga das
almas. E isso é um perigo, porque então pode
acontecer que o espírito fique excitado pela doçura de
Deus e não pelo Deus da doçura.

1
Nesses casos, é necessário seguir uma norma
muito importante: pergunte a si mesmo: essas
consolações e alegrias espirituais produzem
alterações em minha vida? Eles trazem reformas nos
meus costumes? Nesse caso, eles vêm de Deus e
podemos descansar tranqüilos. Se, pelo contrário,
nós os amamos, é porque eles nos causam doçura e
alegria, e porque ajudam os outros a pensar melhor
em nós mesmos, então devemos ter muito cuidado,
pois eles podem vir do inimigo da alma.
A SECA.Mas muitas vezes acontece que após o
primeiro fervor e alegria, uma seca espiritual
avassaladora começa a atingir a alma. Ele não gosta
mais de orar. Ler os livros espirituais não diz nada.
Ele recebe os sacramentos sem nenhuma emoção e
até friamente, por mais que deseje ter fervor. Parece-
lhe que ele não avança em nada. Isto é o que os
santos chamam de "A noite escura da alma". É algo
que faz você sofrer muito e pode durar muito tempo.
Em algumas almas santas, isso dura anos e anos.
De onde isso pode vir?As causas da secura
espiritual podem ser diversas. 1o Eles podem vir do
diabo que tenta nos desencorajar na vida espiritual,
nos separar do caminho da santidade e nos converter
novamente nas alegrias da vida mundana. 2o Eles
podem vir de nossa natureza humana, que é muito
inclinada e sempre busca o material e não o espiritual,
e o terreno mais que o eterno. O próprio São Paulo

1
reclamou dizendo: "Sinto em meu corpo uma força
que luta contra o espírito".
3o Pode ser que a secura espiritual venha de um
plano que Deus tenha para nos tornar independentes
dos gostos e alegrias deste mundo e, assim, ficar
animado com as alegrias e alegrias da eternidade.
Quando o da terra não mais atrai ou se apaixona, o
do céu pode atrair muito mais. Também pode ser que,
com esse sofrimento, pagemos a Deus algumas das
dívidas que temos por nossos pecados e aprendamos
a entender aqueles que estão passando por essa
situação dolorosa. Outra razão poderia ser: que
nosso Senhor tem tantos prêmios excelentes
preparados para nós no céu que nos permite grandes
sofrimentos na terra, para que possamos ganhar com
eles aquelas alegrias que nos esperam na eternidade.
O que fazer quando chega a secura?Antes de
tudo, vamos examinar se não é em nossa alma que
existe algum defeito que desagrada a Deus, alguma
falta repetida que tira a nossa devoção sensata. Se
for esse o caso, devemos nos dedicar seriamente a
corrigir esse defeito e evitar essa falta, não tanto para
desfrutar da doçura espiritual do fervor, mas
sobretudo para evitar o que ofende e desagrada a
Deus.
Mas se não vemos em nosso comportamento
nenhuma falha ou defeito especial que não estamos
tentando corrigir, então o que precisamos fazer é

1
aceitar humildemente o que Deus permite que
aconteça conosco. Repita o que São Jó disse: "Se
aceitamos bens de Deus, por que não devemos
também aceitar males?" (Jb 2, 10). Mas de maneira
alguma vamos abandonar as práticas de piedade,
boa leitura e recepção. Vamos aceitar essa secura
como "o cálice da amargura" que o Senhor nos
permite, e como Cristo no Getsêmani, digamos ao Pai
Deus: "Se não é possível que eu saia deste cálice,
santa vontade. "Talvez com uma hora de secura
espiritual, estamos ganhando mais prêmios pelo céu
e salvando mais almas,
Não seja desencorajado.A secura espiritual é uma
cruz que o Senhor envia e Jesus nos deixou dizendo:
"Quem quiser ser meu discípulo deve aceitar a cruz
todos os dias". É necessário dizer repetidamente:
"Isso também acontecerá". "O Senhor me deu as
alegrias e consolações espirituais e o Senhor as tirou
de mim. Bendito seja Deus."
E clame a Deus.Não é conveniente que as pessoas
falem sobre essa situação dolorosa pela qual
estamos passando, porque elas não nos entenderão;
ao contrário, vão tirar sarro de nós e nos convidar a
abandonar a vida espiritual. O diretor espiritual deve
ser informado e solicitado conselhos. Mas quem deve
voltar com toda a alma e sem desanimar é o bom
Deus. Repita a frase que Jesus, no auge de sua
secura espiritual, na cruz, disse-lhe: "Meu Deus, meu

1
Deus, por que você me abandonou? Repita certas
frases dos Salmos que são muito reconfortantes,
como por exemplo" Não me abandones, Deus da
minha salvação. "Diga a ele o que São Pedro repetiu
três vezes a Jesus:" Senhor: você sabe que eu te amo.
"Ou o que Tobias disse:" Senhor; Você nos permite
descer às profundezas mais profundas da tristeza,
mas você também pode nos fazer subir aos mais altos
graus de alegria e paz. Você é quem produz a calma
e a tempestade, a alegria e o choro. Portanto, tenha
piedade de mim e digne-se a consolar-me, se essa é
a sua Santa Vontade (Tb 13, 3).
Uma memória muito oportuna.Nessas ocasiões, é
muito útil lembrar a terrível angústia e desolação de
Jesus no Jardim, quando ele disse: "Minha alma está
triste até a morte". E ao pensar que Nosso Redentor,
quanto mais tristeza e angústia ele sentia, mais e
mais ele orava ao Pai Deus. Vamos imitá-lo também
nisso.

Capítulo 55

E SIM CHEGAR AS Tentações?


Para muitas pessoas que se dedicam à vida
espiritual, um dos martírios que mais lhes causam
sofrimento são as tentações contínuas que surgem
em seu caminho. Para eles, o que as Escrituras

1
Sagradas anunciavam estava escrito: "Se você se
dedicar à vida espiritual, prepare-se para a tentação".
Se Jesus, o Santo dos Santos, sofreu as três
tentações no deserto, quanto mais teremos que sofrer,
nós que somos a própria fraqueza? Além disso, o
inimigo da salvação está mais interessado em atacar
aqueles que querem tirar almas dele e levá-las para o
céu, do que aqueles que já estão na escravidão para
pecar, obedecer e seguir seus conselhos perversos.
A visão de Santo Antônio.É narrado por esse santo
antigo que, em uma visão, ele viu que para um bairro
inteiro havia apenas um demônio tentando fazer as
pessoas pecarem, enquanto para uma única pessoa
espiritual havia sete demônios os atacando. E
perguntando por que, eles responderam: "É que entre
os mundanos eles se convidam para pecar, mas para
as pessoas espirituais os espíritos do inferno são
necessários para fazê-los pecar". Para que servem as
tentações? Um santo disse que o grande perigo para
uma pessoa seria não ter tentações, devorar orgulho
e desprezar os fracos; E um santo acrescentou: "Não
temo ninguém tanto quanto alguém que não é
tentado", porque isso pode esfriar muito em sua vida
de piedade.
1o Que confiamos mais em Deus e imploramos
sua misericórdia.

1
2o Para que não confiemos em nós mesmos, de
nossa fraqueza e tendência ao mal e falta de força de
vontade para resistir ao pecado.
3o Ser mais compreensivo com os fracos.San
Bernardo disse que é conveniente para muitas
pessoas serem fracas e mal-dispostas e com pouca
resistência, para que possam entender os pobres
pecadores que caem mais por fraqueza do que por
mal. Santo Agostinho, lembrando-se de sua vida
passada tão manchada e indigna, repetiu: "Não há
necessidade de um ser humano não se comprometer,
que eu não possa se comprometer". Então eu tenho
que ter um ótimo entendimento para aqueles que
caem e são manchados e teimosos ".
Não se preocupe ou se preocupe.Quando o
espírito impuro nos incomoda com pensamentos
impuros e imaginações abomináveis, não sejamos
angustiados ou desanimados. Vamos lembrar o que
Jesus perguntou a Santa Catarina quando ela se
queixou dos pensamentos horríveis que lhe
ocorreram: "Diga-me, você consentiu com esses
pensamentos ruins?" - "Não, Senhor, eu os odiei com
toda a minha alma" - respondeu ela, - e o Senhor
acrescentou: "Esse ódio e ódio por maus
pensamentos lhe foram concedidos por eu, que
estava lá testemunhando sua batalha espiritual para
lhe dar mais tarde o prêmio pelo seu vitória"-.

1
Não pare de rezar.Nestes casos, digamos muitas
frases ejaculatórias pequenas e tentemos enviar o
pensamento para outros assuntos. Vamos invocar a
Santíssima Virgem, concebida sem a mancha do
pecado original. Quem pisar na cabeça da serpente
infernal, obterá para nós do seu Filho Divino a vitória
contra o demônio tentador.

1
Capítulo 56

A IMPORTÂNCIA DO EXAME DE
CONSCIÊNCIA
Outra condição sem a qual nada. Os historiadores
dizem que o grande matemático Pitágoras, que viveu
500 anos antes de Cristo, e cuja sabedoria era tão
estimada no Oriente que muitos estudantes de
diferentes países seriam aceitos como discípulos,
nunca admitiu um aluno se ele não se comprometesse.
fazer um exame diário da consciência, no qual três
perguntas deveriam ser feitas: "O que eu fiz? Como eu
fiz? Por que eu fiz isso?", e as histórias antigas que
com esse método conseguiam melhorar o
comportamento de muitos pessoas.
A demanda de Santo Inácio.Este grande santo que
levou tantas almas à santidade exigiu que seus
discípulos fizessem um duplo exame de consciência
todos os dias, sem exceção. Um sobre o seu

1
comportamento geral e o outro sobre o defeito que ele
pretendia corrigir naquele mês ou naquele ano. Ele
insistia que todo mês houvesse um dia de retiro
mensal para pensar em Deus, na alma e na
eternidade. Em relação ao dia da aposentadoria
mensal, aqueles que tinham ocupações muito sérias
ou que faziam viagens longas os isentavam de
qualquer outra prática de piedade, menos do que
fazer um exame de consciência de como estava seu
comportamento naquele mês, pois afirmaram que
sem o exame da consciência é impossível progredir
em santidade e perfeição.
A primeira coisa a fazerSanto Inácio recomenda
que, ao iniciarmos o exame da consciência,
pensemos por um momento na presença de Deus,
que nosso Senhor está nos vendo, nos ouvindo e está
conosco o tempo todo, como o ar que nos rodeia. E
então agradecemos por um favor especial e pedimos
que nos conceda suas luzes e iluminações para saber
quais são as nossas falhas que mais lhe desagradam
e o que devemos fazer para evitá-las.
Como um raio de sol.Quando estamos dentro de
uma sala e um raio de sol entra pela janela, vemos
muitos pequenos lixo no ar que não podíamos ver a
olho nu. É esse o caso quando, no exame da
consciência, pedimos que o Espírito Santo nos
ilumine: veremos muitas de nossas falhas que

1
estavam passando despercebidas e que não
tínhamos percebido antes.
AS CAUSAS.O sábio Pitágoras disse que, no exame
da consciência, não basta perguntar a si mesmo, que
mal fiz? mas também por que eu fiz isso? Muitas
pessoas se examinam, mas não progridem em
santidade, porque não descobrem quais são as
causas que os levam a repetir seus pecados, e
enquanto a causa não terminar, o pecado não irá
parar de ocorrer, assim como enquanto a aranha não
for morta, ela não deixará de ter. teia de aranha. Por
exemplo, descubro que frequentemente me desdobro
em breves explosões de temperamento. Eu tenho que
me perguntar: por que essas explosões de
impaciência? Será que o orgulho me domina? Será
que eu não descanso a tempo e meus nervos estão
quebrados? Será que dou muita importância a fatos e
palavras que não o têm? Estou chateado com coisas
que Deus não gosta? E então, por que se preocupar
com isso?
Evite ocasiões.Se eu sei que em tal lugar ou
pessoa, ou em tal situação, caio e peço, no entanto,
vou para lá, sem necessidade séria e continuo a lidar
com essas pessoas ou me expô a essa situação, com
isso estou pecando porque estou me expondo para a
ocasião, e a experiência me ensina que, quando a
ocasião chegar e for agradável, cairei sempre. A
experiência me ensinou demais para que eu tenha a

1
teimosia de querer continuar insistindo. O sábio já
disse isso nas Sagradas Escrituras: "Quem se expõe
ao perigo perecerá nele".
No exame, é necessário perguntar "que ocasiões
me levam a pecar? O que posso fazer para evitar
essas ocasiões? São Paulo diz que Deus não
permitirá que tentações nos sejam maiores que
nossas forças, mas isso com a condição de não nos
expormos culpados. para a ocasião do pecado. Se
nos expormos, e a Justiça Divina não é obrigada a
nos dar uma força extraordinária para vencer. Não
devemos esquecer que a tentação é como um cão
corajoso amarrado a uma corrente. Se nos
aproximarmos até onde a corrente atingir para os
modernos, ele vai nos morder.
Objetivo determinado.No exame, não basta dizer:
"Não o farei novamente". Isso e nada é quase o
mesmo. Devemos fazer propósitos específicos e
determinados: "Eu farei isto e isto", "Evitarei essa
ocasião" ... etc. E então implore a Nosso Senhor que
nos conceda força de vontade para cumprir os
propósitos. Nisso, o que Jesus disse é verdade: "Sem
Mim, você não pode fazer nada". E repita para nosso
Senhor a oração que a alma santa lhe disse: "Senhor:
faça o que você não gosta, também não me agrade.
Senhor: se uma amizade pode me prejudicar, não
sinta nenhuma atração por essa pessoa. mas repulsa
e antipatia ". Isso evita grandes males e pecados.

1
Pagar a dívida.Se inadvertidamente quebrarmos a
porcelana ou a panela de um vizinho e pedirmos que
ele nos perdoe, ele poderá nos dizer "sim, terei prazer
em perdoá-lo. Mas, por favor, me pague o preço da
panela". O Juiz Divino pode nos dizer algo
semelhante quando pedimos perdão toda vez que
fazemos o exame da consciência (porque fazer o
exame sem pedir perdão a Deus seria uma falha
muito prejudicial, pois Ele é ofendido e é necessário
pedir que Ele nos perdoe). O que então nosso Senhor
nos dirá? "Eu te perdoo de bom grado. Mas você vai
me pagar pela falha cometida? Como? De que
maneira?" "Fazer um exame de consciência sem
pretender oferecer boas ações em penitência pelas
ofensas cometidas será deixar esse exame deficiente,
coxo e caolho. Que eu falei demais? Oferecerei ao
Senhor que calar a boca um pouco mais neste dia?
Tratar os outros com severidade? Bem, hoje vou me
esforçar para ser um pouco mais gentil. O que eu
deixei escapar da preguiça? Bem, como seria bom se,
como penitência por essas falhas, eu li neste dia uma
ou duas páginas de um livro espiritual. Dessa maneira,
conseguiremos trazer à tona o mesmo mal que já
fizemos e progrediremos na perfeição e santidade. "

Capítulo 57

1
COMO NESTA LUTA ESPIRITUAL
DEVEMOS PERSEGUIR ATÉ A MORTE
O que mais há para pedir.De todos os favores de
Deus, talvez o que mais lhe devemos pedir seja
perseverar no bem até a morte. Para alcançar a
virtude da perseverança, devemos dedicar-nos com
muito cuidado ao longo da vida, e para obter a graça
de preservar até o fim, é necessário sempre mortificar
e dominar as paixões, porque elas nunca morrem
enquanto vivemos e sempre crescem em nossos
corações. como ervas daninhas em um campo fértil
quando você não toma cuidado para cortá-las ou
podá-las.
Um erro muito prejudicial. Seria uma loucura e
uma imprudência prejudicial pensar que chegará um
momento em nossa vida em que não sentiremos o
ataque dos inimigos de nossa santidade, porque essa
guerra não termina até que a vida terrena termine e a
pessoa que não está preparada combater suas
paixões e suas tendências ao mal, quando menos
pensa que perderá batalhas espirituais e até a paz de
sua alma.
Na luta para obter a santidade, temos que lutar
contra inimigos espirituais irreconciliáveis, dos quais
nunca podemos esperar paz ou trégua, porque o
trabalho deles é atacar incessantemente e também os
espíritos infernais nos odeiam até a morte. Nesse

1
caso, o perigo de ser derrotado nunca é maior do que
quando imaginamos que não seremos atacados.
Mas não desanime. Embora os inimigos da
santificação e da perfeição sejam muitos, formidáveis,
eles nos atacam em todos os lugares e sempre, no
entanto, não devemos desanimar por causa de seu
número e força, porque nesta batalha apenas aqueles
que não empregam são definitivamente derrotados
aquelas duas armas formidáveis que são a oração e
a mortificação, e as que não evitam ocasiões de
pecado ou estão cheias de orgulho, auto-suficiência e
muita autoconfiança, ou falta suficiente confiança no
poder e na bondade de Deus.
Temos um bom chefe.Aqueles de nós que lutam
pela perfeição cristã podem estar confiantes porque
temos um chefe que nunca é derrotado. É Jesus
Cristo, o rei dos reis e o senhor dos senhores, a quem
o Pai Celestial concedeu para sair vitorioso contra
todos os seus inimigos, como afirmado no livro do
Apocalipse (cf. Ap 6, 2). Ele é mais poderoso do que
todos os que fazem guerra contra nossa alma e "tem
o poder e a bondade de nos dar muito mais do que
ousamos pedir ou desejar" (Ef 3:20). Cristo, o Senhor,
nos dará muitas vitórias, desde que não confiemos
em nossa própria força, mas em sua grande
misericórdia.
E se levar tempo para nos ajudar? Pode ser que
Nosso Senhor demore muito tempo para nos ajudar e

1
parece que Ele nos deixará à mercê dos perigos que
nos cercam.
Não desanimemos com isso, porque Ele nunca deixa
de responder àqueles que imploram Sua proteção, e
Ele providenciará as coisas de tal maneira que o que
parece ser para pior, será para o nosso bem.
Mas não negligencie nenhum inimigo. É importante
que não paremos de lutar contra nenhum dos inimigos
da santificação e que não paremos de lutar contra
nenhuma das paixões, vícios ou más inclinações,
porque apenas um deles que paramos de lutar pode
nos prejudicar como uma faísca em um tanque. de
combustível, ou uma flecha envenenada que perfura
o coração.

1
Capítulo 58

A ÚLTIMA LUTA. Aquele que nos espera no


momento da
MORTE
O patriarca Jó disse que esta vida é como um
combate contínuo, como um serviço militar em
tempos de guerra (Jb 7, 1) e talvez as batalhas mais
difíceis sejam aquelas que aparecem no fim da vida,
as últimas batalhas. E estes são definitivos porque
nossa sorte eterna pode depender deles. O Livro de

1
Eclesiástico ensina: "O Senhor pagará o dia da morte
a cada um de acordo com o que tem sido seu
comportamento; e, no final da vida de cada um,
descobrirá como realmente eram suas obras.
Somente no final de uma existência alguém chega
saber quanto vale uma pessoa "(Ecl 11:26).
Como vive se Morre.Santo Agostinho repetiu:
"Qualis vita, mors et ita", que significa: como a vida
tem sido, assim será a morte. É por isso que a partir
de agora que estamos em saúde, com vigor, força e
clareza mental, devemos nos exercitar na luta contra
as paixões, tentações e tendências ao mal, porque
quando as forças estão ausentes e a mente está
ofuscada e enfraquecida, será muito mais difícil ser
capaz de lutar bem. Somente se nos acostumarmos
agora a ser vitoriosos contra os inimigos de nossa
salvação, teremos o hábito de triunfar contra eles e,
na hora final, conseguiremos derrotá-los.
Uma memória saudável.O Livro Sagrado aconselha:
"Pensemos no que nos espera no fim da vida, e assim
evitaremos muitos pecados". E ele acrescenta:
"prepare sua alma para a prova, e assim você terá
vitórias no final de sua existência" (Ecl 2, 3). É muito
útil pensar em nossa própria morte de tempos em
tempos, porque, quando vier, causará menos medo e
nosso espírito estará muito preparado para enfrentar
as últimas batalhas.

1
Um perigo.Quem tem muito apego aos bens deste
mundo não quer pensar na morte que pode chegar a
ele, nem no passo que ele terá que dar para a
eternidade e, portanto, seus efeitos desordenados,
em vez de diminuir, crescem incessantemente e
estão aumentando, escravizando-os. cada vez mais.
Não foi esse o caso de São Paulo, que exclamou:
"Quem me separará do amor de Cristo? Nem mesmo
a morte, pois para mim a morte é um ganho" (Fp 1:21).
Ele era tão independente do que é terreno e material.
Essa morte não o assustou, mas que sua memória o
consolou quando ele pensou que, quando ela
chegasse, ela receberia o grande prêmio prometido
para aqueles que servem e amam a Cristo neste
mundo.
Você tem que saber ensaiar.Um moribundo disse
com humor a quem admirava seu nervosismo:
"Perdoe minha falta de calma, mas é a primeira vez
que tenho que morrer" (e certamente foi a única e a
última): lembre-se de que morrer Será algo que
faremos apenas uma vez e que, se fizermos errado,
nunca mais conseguiremos recuperar esse erro. É
por isso que é conveniente se preparar bem a partir
de agora. No próximo capítulo, explicaremos as
quatro últimas batalhas que nos podem ser
apresentadas nos momentos finais de nossa
existência e como ser vitorioso.

1
Cada um tem que morrer apenas uma vez,
e depois da morte vem o
julgamento (Hb 9, 27)

1
Capítulo 59

AS QUATRO TENTAÇÕES DO TEMPO DA


MORTE
A experiência observada em outras pessoas mostra
que, na hora final, quatro tentações que trazem
sofrimento, angústia e dano podem atingir a alma, que
são: tentação contra a fé, pensamentos de desespero,
tentação da vanglória e ilusões vãs e enganosas.
Vamos analisá-los um por um.
1º. Tentações contra a fé. Mesmo pessoas muito
piedosas podem ter sérias dúvidas contra sua própria
fé nas últimas horas de suas vidas. É necessário não
lhes dar importância exagerada e fazer muitos atos de
fé. "Creio, Senhor, mas aumenta a minha fé. Creio,
Senhor: ajuda a minha incredulidade" (Mc 9:24). Se
essas dúvidas continuarem a surgir, trazidas pelos
inimigos de nossa alma, não há necessidade de se
preocupar, porque o Senhor sabe que por dentro não
aceitamos tais tentações. Uma alma muito santa
disse em seus momentos finais: "Nunca na minha
vida tive tantas tentações contra a fé como nos
últimos dias da minha doença. Mas também nunca na

1
minha vida fiz tantos atos de fé, como fiz nestes
últimos meses". Total: ele saiu ganhando, porque,
embora as dúvidas que lhe surgiam fossem
frequentes e sérias,
Quando essas dúvidas atormentadoras surgirem,
vamos oferecer a nosso Senhor o sofrimento que elas
nos trazem, e pedir que ele nos dê forças para resistir
a elas, e vamos confiar às pessoas que estão
sofrendo esse mesmo tormento de tentações contra
a fé. Digamos: "Senhor, creio naqueles que não
acreditam. Aumenta toda a fé. Amém."
2 ° A tentação do desespero. Consiste em um medo
exagerado e um verdadeiro terror ao lembrar as
muitas e graves falhas que cometemos ao longo de
nossas vidas. Nesse caso, vale lembrar as palavras
tão consoladoras de Jesus: "Quem vier a mim, não
rejeitarei" (Jo 6:37). Vamos a Ele com nossas orações
e nosso arrependimento e Jesus cumprirá sua Santa
Palavra e não nos expulsará, porque antes que o céu
e a terra passem até que nem uma única palavra da
Sagrada Escritura seja mais cumprida.
Se a tentação do desespero continuar, lembre-se do
que o belo Salmo 103 diz: "Como o leste está longe
do oeste, o Senhor remove nossos pecados. Ele
perdoa todos os seus pecados. O Senhor é
compassivo e misericordioso. Ele nem sempre é
acusando ou abrigando rancor perpétuo. Ele não nos

1
trata como nossos pecados merecem ou nos paga de
acordo com nossa culpa ".
Vamos ter algumas frases da Sagrada Escritura
gravadas em nossas mentes para lembrar quando
tentações de desespero nos atacam, especialmente
nas horas finais de nossas vidas. Por exemplo: "Deus
enviou seu Filho ao mundo, não para condenar, mas
para salvar o mundo através dele" (Jo 3,17).
"Eu não vim procurar justos, mas
pecadores",Jesus disse. Lembremos a famosa frase
que Ele disse ao pecador arrependido: "Ele é muito
perdoado porque mostra muito amor" (Lc 7:47) e
digamos repetidamente: "Jesus, eu te amo".
Lembremo-nos das belas notícias que o profeta
Miquéias nos disse: "Deus lançará nossos pecados
ao fundo do mar, para nunca mais vê-los" (Mil, 19). E
digamos a ele muitas vezes: Senhor, confio na sua
misericórdia. Pai, pequei contra o céu e contra ti.
"Senhor Deus, eu sou um pecador." E não
esqueçamos as notícias que Jesus nos disse, que o
publicano que repetiu essa última oração foi perdoado
pelo Senhor e recuperou sua santa amizade (cf. Lc
18). Como publicano do evangelho, se pedirmos
perdão a Deus, seremos perdoados por Deus.
3o A tentação da vanglória. Vainglory é chamado de
orgulho pelo que não é, ou por coisas que não
merecem orgulho. Se pensamentos de orgulho nos
ocorrem quando nos lembramos do pouco de bem

1
que conseguimos fazer, lembremo-nos da frase de
São Paulo: "O que você tem que não recebeu? E se
você o recebeu, de que se orgulha?" (cf. 1Co 4, 7).
Não acreditemos que os sucessos e triunfos que a
bondade e a generosidade do Senhor nos permitiram
alcançar são uma recompensa por nossos méritos.
Tudo é um presente gratuito do bom Deus. "Quando
um pensamento de orgulho nos chega para o sucesso,
pensemos nas falhas e fraquezas cometidas no
passado." Isto é aconselhado pelos professores
espirituais. E lembre-se de que todos os nossos
esforços e qualidades teriam sido inúteis sem a
bênção e sem a ajuda de Deus.
4 ° A TENTAÇÃO DE ILUSÕES E APARELHOS
FALSOS. São Paulo diz que o inimigo das almas se
disfarça de "anjo da luz", para nos enganar (cf. 2Co
11) e pode até nos apresentar alucinações,
sensações ou imagens que não correspondem à
realidade, para tentar nos criar. mais santo e mais
avançado em virtude de quem realmente somos. Não
vamos ouvi-los. O cérebro doente sabe como criar
imagens que não são verdadeiras. Alguns para
assustar e outros para encher de alegria exagerada.
Vamos nos convencer de que essas imaginações e
falsas representações não devem ter uma
importância maior do que aquela dada a um sonho
que ocorre enquanto a vontade não está dirigindo ou
governando nosso pensamento. Em outras palavras:
sem importância.

1
FINAL FELIZ.Vamos mentalmente para a nossa
morte antes que ela nos atinja. A coisa boa que, na
hora da morte, gostaríamos de ter feito, vamos fazê-
lo a partir de agora. Vamos fazer um inventário
dizendo: "Na hora da morte, o que vou querer ter e o
que desejo renunciar? O que não posso resistir ao
julgamento da última hora, devo sair agora." Para ter
um final feliz, você precisa prepará-lo bem.
Idade curta. Um sábio muito velho foi perguntado:
"Quantos anos ele tem? E ele respondeu:" Oito ou
nove anos "- por que ele diz isso? Eles disseram. E
ele respondeu:" É que eu só tenho os últimos oito ou
nove anos em que Eu vivi me preparando para morrer.
O resto eu perdi. Assim como só tenho as moedas
que tenho agora. O resto, as que gastei, não tenho
mais. "
Surpresa alegre.Um dos maiores sábios que a Igreja
Católica teve, um grande devoto da Virgem Maria e
de São José, já estava morrendo: "Nunca pensei que
morrer seria tão tranquilo". Desejo a mim mesmo e
desejo a todos os leitores uma morte assim: feliz e em
paz com Deus. Amém.

1
1
MISTÉRIOS DO ROSÁRIO

MISTÉRIOS ALEGRES

[Segunda e sábado)

A Anunciação do Anjo à Virgem Maria.


A visita da Virgem Maria a Santa Isabel.
O nascimento de Jesus Cristo no portal de Belém.
A apresentação do menino Jesus no templo.
Jesus encontrou entre os doutores do templo.

MISTÉRIOS DOLOROSOS

[Terça e sexta)
A oração de Jesus Cristo no jardim.
A flagelação de Jesus Cristo na coluna.
A coroação de espinhos.
A ascensão de Jesus Cristo ao Calvário com a cruz
nas costas.

1
A crucificação e morte de Jesus Cristo.

MISTÉRIOS GLORIOSOS

(Quartas e domingos)
A ressurreição de Jesus Cristo.
A ascensão de Jesus Cristo ao céu.
A vinda do Espírito Santo sobre a Virgem Maria e
os apóstolos.
A suposição da Virgem Maria no céu.
A coroação da Virgem Maria, a glória dos anjos e
dos santos.

MISTÉRIOS LEVES
(Quinta-feira) o
batismo de Jesus.

1
O casamento em Caná.
O anúncio do Reino.
A transfiguração.
A Eucaristia.

ÍNDICE

Prólogo Os elogios feitos por um grande santo


sobre este livro.
Capítulo 1 "Nenhum atleta recebe a medalha de
campeão, se ele não competiu de acordo com os
regulamentos."

1
Capítulo 2 A desconfiança de ter em si mesma.
Capítulo 3 Confie em Deus.
Capítulo 4 Como podemos saber se agimos com
desconfiança em nós mesmos e com confiança
em Deus.
Capítulo 5 O erro de algumas pessoas que
confundem medo e pessimismo com qualidade
ou virtude.
Capítulo 6 Avisos importantes para adquirir
autoconfiança e confiança em Deus.
Capítulo 7 Como fazer bom uso dos dois poderes
que recebemos: o entendimento e a vontade.
Capítulo 8 As causas que nos impedem de julgar e
qualificar adequadamente as situações e a
regra que deve ser observada para conhecê-
las bem.
Capítulo 9 Outro vício do qual devemos libertar o
entendimento para que ele possa conhecer e
julgar bem o que é útil.
Capítulo 10 Como exercitar a vontade. O fim pelo
qual devemos fazer todas as coisas.
Capítulo 11 Algumas coisas em que
pensar para mover a vontade de

1
procurar, em todas as coisas,
agradar a Deus.
Capítulo 12 As forças que fazem guerra entre si
dentro de nós.
Capítulo 13 Como combater a sensualidade e o
que age a vontade deve fazer para adquirir o
bom hábito de fazer o bem.
Capítulo 14 O que deve ser feito quando nossa
vontade parece derrotada e derrotada por
paixões e maus instintos.
Capítulo 15 Algumas observações
importantes sobre como o combate
espiritual deve ser apresentado. Contra os
quais inimigos devem ser combatidos, de
que maneira eles podem ser derrotados.
Capítulo 16 Como combatentes de Cristo,
devemos planejar a luta todas as manhãs.
Capítulo 17 Como movimentos bruscos de paixão
devem ser reprimidos.
Capítulo 18 Maneiras muito importantes de
combater o vício impuro.
Capítulo 19 Outros métodos eficazes para evitar
cair na impureza.

1
Capítulo 20 A maneira de lutar contra o vício da
preguiça.
Capítulo 21 Como devemos governar nossos
sentidos e usá-los para contemplar as
realidades divinas.
Capítulo 22 Como podemos usar seres visíveis
para elevar nossos corações a Deus.
Capítulo 23 A maneira de governar o idioma.
Capítulo 24 Como fugir da inquietação e evitar
preocupações do coração.
Capítulo 25 O que devemos fazer quando
sofrermos derrota no combate espiritual.
Capítulo 26 Os quatro tipos de ações erradas que
existem nas pessoas em relação ao pecado.
Capítulo 27 O segundo desempenho errado. Não
comece seriamente a tentar se libertar da
escravidão do pecado.
Capítulo 28 A terceira ação errada:
imagine que você já está perto da
santidade, quando está enormemente
longe dela.
Capítulo 29 A última e mais perigosa ação em
relação ao pecado: pare de lutar e caia em
ruína espiritual.

1
Capítulo 30 Uma armadilha mortal a ser evitada:
o fato de que as mesmas virtudes nos levam a
ser vencidos pelo orgulho. Capítulo 31 Pequenas
batalhas que devem ser realizadas todos os dias.

Capítulo 32 Você deve se contentar em adquirir


as virtudes pouco a pouco e se exercitar
primeiro em uma virtude e depois em outra.
Capítulo 33 Para alcançar uma virtude, é
necessário amá-la e apreciá-la altamente.
Capítulo 34 Que no combate espiritual, não
avançar é voltar e não crescer é diminuir.
Capítulo 35 Você precisa se expor ao combate
para adquirir coragem, agilidade e força de
vontade.
Capítulo 36 Para aprender a ter sucesso, você
precisa aceitar as oportunidades que surgem
para lutar e não se aborrecer com o que vai
contra nossas inclinações.
Capítulo 37 Aproveite todas as oportunidades
para crescer em todas as virtudes.
Capítulo 38 Que é necessário fazer um plano de
vida. Tente cumpri-lo todos os dias e nunca imagine
que já o estamos cumprindo exatamente.

1
Capítulo 39 Quem deseja obter vitórias em
combate espiritual deve aceitar receber feridas,
sofrer dores, cair e ficar decepcionado.
Capítulo 40 É necessário evitar exageros, porque
trazem mais mal do que bem.
Capítulo 41 O perigo de viver julgando e
condenando os outros.
Capítulo 42 A arma mais poderosa para vencer
em combate espiritual.
Capítulo 43 Os dois tipos de oração e como fazê-
los.
Capítulo 44 Como orar através da meditação.
Capítulo 45 Como podemos meditar na Virgem
Maria.
Capítulo 46 Meditemos em uma devoção que nos
faz muito bem: a devoção a São José.
Capítulo 47 Alguns sentimentos amorosos que
podemos obter da meditação sobre a Paixão
de Jesus Cristo.
Capítulo 48 Os frutos que podemos obter da
meditação na cruz e nas virtudes de Jesus
Cristo.
Capítulo 49 Detalhes sobre o sacramento da
Eucaristia.

1
Capítulo 50 Método prático de nos prepararmos
para a Santa Comunhão, para que possamos
progredir no amor a Deus.
Capítulo 51 A maneira de agradecer após a
comunhão.
Capítulo 52 A comunhão espiritual.
Capítulo 53 Como nos oferecer completamente a
Deus.
Capítulo 54 O que fazer quando a secura
espiritual chegar.
Capítulo 55 E se as tentações vierem?
Capítulo 56 A importância do exame de
consciência.
Capítulo 57 Como neste combate espiritual
devemos perseverar até a morte.
Capítulo 58 A última luta. Quem nos espera na
hora da morte
Capítulo 59 As quatro tentações da hora da morte.

1
Este livro foi digitalizado em 6 de novembro de
2011, para uso dos fiéis em Nosso Senhor Jesus
Cristo e para aqueles que o consideram
necessário para seu crescimento espiritual.
Deus tenha piedade de nós e nos salve para a vida
eterna. Amém
OFICINA DE SAN PABLO BOGOTÁ 2011.
Com as devidas licenças eclesiásticas