Você está na página 1de 4

TÍTULO: Usando ferramentas adequadas para permitir que pessoas cegas criem e acessem

diagramas esquemáticos¹

William Richard Everton Pinheiro ²


Allan Kassio Beckman Soares da Cruz ³

RESUMO

Um dos aspectos que ainda precisa ser totalmente acessível a pessoas com deficiências
visuais ou cegueira é a programação e a engenharia de software como uma profissão. Os
diagramas UML ainda são uma área a ser aprimorada no que diz respeito à acessibilidade:
como tornar esses diagramas mais disponíveis? Que tipo de representação é mais adequada e
eficiente? Esta dissertação fala sobre um esquema para navegar no diagrama da classe UML,
com foco na apresentação de informações espaciais com texto alternativo relacionado. Nesta
dissertação, tentamos descobrir se a metodologia sugerida está ajudando os programadores e
alunos com deficiência visual a identificar e ler os diagramas de classe com mais eficiência e
se eles podem construir um mapa cognitivo do diagrama. Descobrimos que o esquema de
navegação está ajudando a encontrar diferentes conexões e relações facilmente, mas é
necessário chegar a um ponto específico com um salto ou uma função de pesquisa.

Palavras-chave: UML, Acessibilidade, Deficiência Visual, Programação.

1 INTRODUÇÃO

À medida que o computador e o software estão se tornando parte da vida


cotidiana, a necessidade de mais engenheiros e desenvolvedores de software está crescendo
dia a dia. Estudar ciência da computação e engenharia de software como uma profissão deve
ser completamente aberto e disponível para quem quiser entrar nessa disciplina.

A dependência de imagens e conteúdo gráfico aumentou gradualmente no mundo


digital e do computador. O que costumava ser representação textual está sendo transformado
em qualquer tipo de representação gráfica com informações espaciais. Esse conteúdo gráfico
é disponibilizado para pessoas com deficiência visual por meio de diferentes tecnologias e
aplicativos em computadores e telefones, como leitores de tela e lupas com sonificação

¹ Dissertação apresentado à disciplina de Análise de Projetos de Sistemas do Centro Universitário UNDB.


² Aluno do 4° período do curso de Sistemas da Informação do Centro Universitário UNDB.
³ Professor, Mestre.
adequada. As imagens também são acessíveis através do fornecimento de texto alternativo
adequado à imagem. Isso deve ser criado ao criar o conteúdo gráfico, que não é fornecido na
maioria das vezes ou é muito geral. Também foram legisladas muitas leis e atos (Lei No
12.527) para garantir que as pessoas tenham acesso igual a tudo. E também foram definidas e
publicadas especificações para ajudar a tornar o conteúdo da Web mais acessível (WAI-
ARIA).

2 ESQUEMATIZAÇÃO UML POR PESSOAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL

Informações não textuais podem ser fornecidas para pessoas com deficiência
visual, usando descrição ou texto verbal. No entanto, esse texto pode não ser representativo
das informações da imagem, dependendo da pessoa que está fornecendo essas informações.
Outra maneira é a impressão tátil. Dessa maneira, preservaria as informações espaciais da
imagem, porém seria dispendioso, e apenas um subconjunto muito estreito de imagens seria
transferido para a imagem tátil e somente sob demanda; o que significa um acesso muito
limitado a essas informações para pessoas com deficiência visual. Encontrar uma maneira
complementar à anterior, com menos custos e maior disponibilidade, seria útil.

Tais transformações de textual para gráfica são feitas em diferentes níveis e de


diferentes maneiras. Essas transformações são feitas para imaginar e entender os sistemas de
uma maneira melhor. Os diagramas UML são um exemplo dessas representações gráficas,
que agora são uma grande parte do ensino de programação para estudantes e da compreensão
de sistemas de software. UML é uma linguagem de modelagem padrão com uma rica notação
gráfica e um conjunto abrangente de diagramas e elementos. Um aspecto que precisa ser
tornado totalmente acessível para pessoas com deficiência visual que desejam obter uma
participação na indústria de software e computador ou estudantes com deficiência visual que
desejam ter uma aula de programação única a UML. Como pode ser visto, essa dependência
do conteúdo visual não afeta apenas as pessoas com deficiência visual e cegas ao usar
computadores e novas tecnologias, mas também aquelas que desejam estudar ou trabalhar nas
áreas de estudo relacionadas a computadores.

Ao criar diagramas UML, eles são principalmente salvos e compartilhados em um


formato de imagem. Geralmente, a pesquisa sobre diagramas UML pode seguir duas
direções; a primeira direção é como programadores ou alunos com deficiência visual podem
criar um diagrama de UML; o segundo caminho é como disponibilizar diagramas existentes
que eles possam precisar ou querer "ler". Esta dissertação se preocupa principalmente com a
segunda.

Até agora, diferentes pesquisas mostram que não há tecnologias conhecidas e


famosas entre programadores ou estudantes com deficiência visual que os ajudam a ler e criar
diagramas UML. A maioria das pesquisas anteriores, feitas para tornar os gráficos acessíveis,
diz respeito à criação de gráficos ou diagramas acessíveis, o que significa que eles não terão
acesso a todo o conjunto de informações disponíveis a todos os outros, mas apenas aos
gráficos específicos criados. Outras preocupações são: qual nível de detalhe deve ser
fornecido e que tipo de representação é suficiente para tornar o diagrama compreensível por
um estudante programador ou programador com deficiência visual.

Para os diagramas UML, não se trata apenas de fornecer uma descrição textual
significativa, mas também de como as informações UML serão analisadas, representadas e
comunicadas de maneira que informações factuais e importantes não sejam perdidas; lembre-
se de que um programador com deficiência visual pode não estar trabalhando sozinho, mas
com uma equipe de pessoas com visão. Apresentar o posicionamento espacial dos nós pode
ser útil para eles e também ajudá-los a analisar, comunicar e discutir com colegas.

Outros pontos levados em consideração aqui são resolver o problema de uma


maneira que esteja facilmente disponível para o programador com deficiência visual;
descobertas que não precisam de ferramentas ou hardware extras que geralmente são caros.
Também é essencial procurar e descobrir maneiras de disponibilizar a solução para diferentes
plataformas e compatível com diferentes leitores de tela.

PlantUML (PlantUML) é uma ferramenta que cria diagramas a partir de uma


linguagem textual simples. A criação de diagramas nesse caso é mais parecida com a
programação, o que tornaria a criação de diagramas mais parecidos com "escrita". O
PlantUML é de código aberto, o que significa que está disponível para todos. Ele suporta 10
diagramas diferentes e pode ser integrado aos IDEs. A maneira como o PlantUML funciona e
sua disponibilidade o tornam uma ótima opção ou criação de diagramas UML para
programadores com deficiência visual.

A apresentação de um diagrama para programadores com deficiência visual


poderia ser feita usando impressões táteis, no entanto, isso significaria apenas que esses
diagramas não seriam disponibilizados momentaneamente para eles e custará muito imprimir
cada diagrama apenas para ser verificado. Em bases regulares, um programador pode querer
verificar vários exemplos de diferentes diagramas que podem estar disponíveis on-line para
fins da empresa ou para uma decisão rápida de design; Uma opção que não é acessível por
esses programadores ou alunos.

3 CONCLUSÃO

Nesta dissertação, foi apresentado uma exploração de um esquema modificado de navegação


para diagramas de classes UML com pessoas que possuem deficiência visual. O intuito era
mostrar a dificuldade em criar ou obter aplicações automatizadas por eles, respondendo
questionamentos de como eles poderiam desempenhar a profissão de desenvolvedor sem que
sua condição pudesse atrapalhar, assim como ferramentas existentes no meio tecnológico pra
esses fins de acessibilidade.

REFERÊNCIAS

Silva, Christiane & Pansanato, Luciano & Fabri, J.A.. Ensinando Diagramas UML para
Estudantes Cegos, Site da UTFPR, Paraná, jan. de 2010. Disponível em:
<http://paginapessoal.utfpr.edu.br/luciano/publicacoes/publicacoes/2.8_34_CIESC2010-
%20EnsinandoDiagramasUMLparaEstudantesCegos.pdf>. Acesso em: 02 de mai. de 2020.

Macía, Isela & Sant’Anna, Cláudio & von Staa, Arndt. Ensinando Diagramas UML para
Estudantes Cegos, Site da UFPE. Disponível em:
<https://www.cin.ufpe.br/~cct/CD_ESELAW/cd_eselaw/artigos/ST3/50360.pdf>. Acesso
em: 02 de mai. de 2020.

Você também pode gostar